Page 1

Ecetistas em Luta Boletim

Edição São Paulo - ano IX- nº 715 - sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Órgão da corrente nacional Ecetistas em Luta

- Distribuição gratuita -

Entre em contato com Ecetistas em Luta na Internet: olhovivoecetista.wordpress.com Receba o boletim Ecetistas em Luta por e-mail, escreva para: olhovivoecetista@pco.org.br - fone: (11) 3637-3273 (11) 95106-0007

campanha salarial

Comando da Fentect impede que ECT imponha Acórdão do TST na negociação A comissão da empresa queria que as discussões na negociação fossem feitas com base no Acórdão e não na Pauta de Reivindicações dos trabalhadores

A

s negociações com a comissão da ECT deveriam ter começado na manhã desta quarta-feira, dia 21. A comissão da empresa apresentou uma proposta de negociação feita por blocos temáticos. No entanto, quando o Comando de Negociação da Fentect pediu que a empresa dissesse como seriam esses blocos de discussão, a comissão da ECT tentou impor a discussão do famigerado Acórdão do TST, imposto aos trabalhadores no ano passado. O Comando da Fentect, então, exigiu que a empresa refizesse a proposta com base na Pauta de reivindicações dos trabalhadores e não no Acórdão dos juízes biônicos do TST. A reunião foi interrompida para que fosse feita nova proposta. Às 14h30, as partes voltaram a se reunir e nova rodada de negociações começou. O Comando de Negociação da Fentect não vai permitir nenhuma imposição da ECT. O

TST é uma ditadura contra os trabalhadores. A categoria não reconhece nada do que esse tribunal tem colocado com o único objetivo de acabar com o direito de campanha salarial. Na parte da tarde, no decorrer da discussão, ficou claro que a ECT não tem interesse em negociar. Sobre nenhum dos pontos apresentados pelo Comando da Fentect, foi dada uma resposta pela comissão de negociação da empresa. O Comando apenas ouviu que a reivindicação seria levada para a administração da ECT. Foram discutidos alguns pontos. Sobre a questão da mulher ecetista, primeiro tema levantado, será feita uma reunião específica no dia 2 de setembro, com a participação de mulheres representantes dos sindicatos. O Comando de Negociação da Fentect alertou que a empresa deve discutir seriamente o tema. Os próximos temas discutidos da Pauta dos Trabalhadores fo-

ram a Cláusula 60, que trata sobre Cursos e reuniões obrigatórios na empresa e Cláusula 61, sobre Seguro e manutenção da frota operacional, multas de trânsito e qualificação do motorista/ motorizado, de suma importância para centenas de companheiros que trabalham dia-a-dia no trânsito das cidades. Por fim, foi discutida a Cláusula 62, Transporte noturno para os empregados que trabalham em turnos da noite e da madrugada. Em todos os casos, a comissão da empresa se comprometeu a trazer propostas para os trabalhadores. Na quinta-feira, 22, a empresa apresentou seus dados econômicos. As reuniões de negociação serão retomadas na terça-feira, 27. Foi acertado entre as partes um calendário de discussão durante todo o mês de agosto e até o meio de setembro. Caso não haja acordo, a greve dos trabalhadores está marcada para o dia 17.

Greve de verdade é assim: nacional e unificada! assembleia de greve dia 17/9 | Greve a partir das 22 horas do dia 17


Boletim Ecetistas em Luta - edição São Paulo

2

Fentect realiza atos em defesa da unidade da categoria

Nesta quarta-feira, dia 21, trabalhadores de diferentes estados do país estiveram em São Paulo para participar do ato em frente ao Setor Operacional dos Correios, o CTP Jaguaré. O ato é uma iniciativa importante para organizar a luta contra a divisão da categoria promovida pela ECT através da máfia que dirige o Sintect-SP do Diviza”onista”. O ato reuniu trabalhadores do próprio setor que acompanharam as falações e os esclarecimentos dados no carro de som e aproveitaram para denunciar as péssimas condições de trabalho.

Trabalhadores denunciaram que permanece o problema no ambulatório, que permanece fechado, apesar de ter mais de cinco mil pessoas trabalhando no setor e outras milhares que circulam por ali diariamente. Denunciaram também a trairagem da direção do Sindicato de São Paulo (Sintect-SP) que enquanto os trabalhadores amargam essa situação, vive de cervejada e churrascada. Não é à toa que esse sindicato ficou conhecido nacionalmente como o sindicato dos “Brahmeiros”, que se mantém através da

troca de favores e distribuição de brahma nas asssembleias e para delegados sindicais nos setores. O ato também teve apoio de trabalhadores bancários. A unidade entre as categorias na campanha salarial é uma das propostas da Fentect neste ano. O ato foi mais uma importante atividade, complementada pelo Ato no dia seguinte no CTP Cidade Nova no Rio de Janeiro, e pelo ato que a Corrente Ecetistas em Luta realizou na base do sindicato de Bauru. A categoria reforça a sua luta em defesa dos 47,8% e o convênio médico.

Infraero propõe acordo bianual aos trabalhadores em greve

Depois de conseguir encerrar a greve dos eletricitários com um acordo bianual, o Tribunal Superior do Trabalho continua tentando por fim à luta dos trabalhadores do setor aeroportuário. Na última sexta-feira, dia 16, a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) fez uma proposta de acordo bianual com reajuste de 1,25% para os trabalhadores em greve em audiência de conciliação no TST. Uma vergonha. A data-base da categoria é em maio. Os trabalhadores que enfrentam a privatização do setor estão em greve desde julho e a empresa cinicamente aparece com a proposta de 1,25% mais a inflação do período. E a repetição dessa miséria para o próximo ano. Em seu site o TST faz propaganda da proposta dizendo que a Infraero “aumentou a concessão dos vales-alimentação, de quatro blocos de 25 tíquetes cada, num total de 100 tíquetes, para quatro blocos de

30 tíquetes cada”. A proposta E não contempla reivindicações que dizem respeito à condições de trabalho. Apenas marca o “compromisso da Infraero de reativar em 60 dias uma comissão paritária para analisar a situação laboral dos navegadores aéreos”. Na questão das reinvindicações de saúde repetiram o golpe do Acórdão do TST para a categoria dos Correios em 2012. “criação de duas comissões paritárias para discutir soluções de sustentabilidade para planos de saúde e odontológico”, quem viver verá!, e “outra para deliberar sobre o Plano de Classificação de Cargos e Salários (PCCS) que foi concluído recentemente”. Os trabalhadores dos Correios conhecem esse golpe. No ano passado a direção da ECT queria acabar com o plano de saúde. Os trabalhadores fizeram greve, a empresa entrou com o dissídio, e no Acórdão ficou prevista a mesma

“comissão paritária”; e o que aconteceu? A ECT passou por cima do Acórdão, e criou sem discutir com os trabalhadores, de maneira unilateral, o Postal Saúde, para gerir o atual Correios Saúde da categoria. Mais uma vez o TST aparece dar o aval aos ataques dos patrões aos trabalhadores. Assim como os trabalhadores dos Correios estão lutando contra essa ingerência, os aeroviários deve aceitar esse arremedo de acordo. Pata tentar evitar a reação da categoria o vice-presidente do TST, ministro Antônio José de Barros Levenhagen, que presidiu a reunião de conciliação alertou: “se não houver entendimento, o dissídio coletivo será distribuído na Seção de Dissídios Coletivos (SDC) para julgamento”. O desafio para os trabalhadores aeroviários para defender seus direitos e reivindicações está colocado: desobedecer o TST e seguir em luta.


Ecetistas em Luta Boletim

Edição Brasília - ano IX- nº 91 - sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Órgão da corrente nacional Ecetistas em Luta

- Distribuição gratuita -

Na Internet: olhovivoecetista.blogspot.com.br • fones: (61) 3225-9155 ou 9556-4183 (Juliano) ou 8448-4709 (Perci) Receba o boletim Ecetistas em Luta por e-mail, escreva para: correios@pco.org.br

campanha salarial

Comando da Fentect impede que ECT imponha Acórdão do TST na negociação A comissão da empresa queria que as discussões na negociação fossem feitas com base no Acórdão e não na Pauta de Reivindicações dos trabalhadores

A

s negociações com a comissão da ECT deveriam ter começado na manhã desta quarta-feira, dia 21. A comissão da empresa apresentou uma proposta de negociação feita por blocos temáticos. No entanto, quando o Comando de Negociação da Fentect pediu que a empresa dissesse como seriam esses blocos de discussão, a comissão da ECT tentou impor a discussão do famigerado Acórdão do TST, imposto aos trabalhadores no ano passado. O Comando da Fentect, então, exigiu que a empresa refizesse a proposta com base na Pauta de reivindicações dos trabalhadores e não no Acórdão dos juízes biônicos do TST. A reunião foi interrompida para que fosse feita nova proposta. Às 14h30, as partes voltaram a se reunir e nova rodada de negociações começou. O Comando de Negociação da Fentect não vai permitir nenhuma imposição da ECT. O

TST é uma ditadura contra os trabalhadores. A categoria não reconhece nada do que esse tribunal tem colocado com o único objetivo de acabar com o direito de campanha salarial. Na parte da tarde, no decorrer da discussão, ficou claro que a ECT não tem interesse em negociar. Sobre nenhum dos pontos apresentados pelo Comando da Fentect, foi dada uma resposta pela comissão de negociação da empresa. O Comando apenas ouviu que a reivindicação seria levada para a administração da ECT. Foram discutidos alguns pontos. Sobre a questão da mulher ecetista, primeiro tema levantado, será feita uma reunião específica no dia 2 de setembro, com a participação de mulheres representantes dos sindicatos. O Comando de Negociação da Fentect alertou que a empresa deve discutir seriamente o tema. Os próximos temas discutidos da Pauta dos Trabalhadores fo-

ram a Cláusula 60, que trata sobre Cursos e reuniões obrigatórios na empresa e Cláusula 61, sobre Seguro e manutenção da frota operacional, multas de trânsito e qualificação do motorista/ motorizado, de suma importância para centenas de companheiros que trabalham dia-a-dia no trânsito das cidades. Por fim, foi discutida a Cláusula 62, Transporte noturno para os empregados que trabalham em turnos da noite e da madrugada. Em todos os casos, a comissão da empresa se comprometeu a trazer propostas para os trabalhadores. Na quinta-feira, 22, a empresa apresentou seus dados econômicos. As reuniões de negociação serão retomadas na terça-feira, 27. Foi acertado entre as partes um calendário de discussão durante todo o mês de agosto e até o meio de setembro. Caso não haja acordo, a greve dos trabalhadores está marcada para o dia 17.

Greve de verdade é assim: nacional e unificada! assembleia de greve dia 17/9 | Greve a partir das 22 horas do dia 17


Boletim Ecetistas em Luta - edição Brasília

2

Fentect realiza atos em defesa da unidade da categoria

Nesta quarta-feira, dia 21, trabalhadores de diferentes estados do país estiveram em São Paulo para participar do ato em frente ao Setor Operacional dos Correios, o CTP Jaguaré. O ato é uma iniciativa importante para organizar a luta contra a divisão da categoria promovida pela ECT através da máfia que dirige o Sintect-SP do Diviza”onista”. O ato reuniu trabalhadores do próprio setor que acompanharam as falações e os esclarecimentos dados no carro de som e aproveitaram para denunciar as péssimas condições

de trabalho. Trabalhadores denunciaram que permanece o problema no ambulatório, que permanece fechado, apesar de ter mais de cinco mil pessoas trabalhando no setor e outras milhares que circulam por ali diariamente. Denunciaram também a trairagem da direção do Sindicato de São Paulo (Sintect-SP) que enquanto os trabalhadores amargam essa situação, vive de cervejada e churrascada. Não é à toa que esse sindicato ficou conhecido nacionalmente como o sindicato dos “Brahmeiros”, que se mantém através da troca de favores

e distribuição de brahma nas asssembleias e para delegados sindicais nos setores. O ato também teve apoio de trabalhadores bancários. A unidade entre as categorias na campanha salarial é uma das propostas da Fentect neste ano. O ato foi mais uma importante atividade, complementada pelo Ato no dia seguinte no CTP Cidade Nova no Rio de Janeiro, e pelo ato que a Corrente Ecetistas em Luta realizou na base do sindicato de Bauru. A categoria reforça a sua luta em defesa dos 47,8% e o convênio médico.

Amanda “Marmitex” agora também é “Amanda Findect”

Na assembleia do Sintect-DF da última terça-feira (20), que ocorreu logo após a reunião de negociação entre a empresa e o Comanda Nacional de Negociação da Fentect, Amanda Marmitex, presidenta do Sintect-DF, novamente não conteve a ânsia de falar asneiras. Dessa vez, a ilustríssima sindicalista Marmitex aproveitou a assembleia para, diante de cerca de 90 pessoas presentes, atacar a Fentect e o comando de negociações. Detalhe: ela mesma faz parte tanto do comando como da Fentect. Ela afirmou que o Comando de Negociação “com muita gente” atrapalha a negociação, exatamente o que a empresa dizia como desculpa para passar por cima do Comando Amplo da Fentect e tentar impor a volta do velho balcão de negócios nas

negociações. Só nos resta tirar a seguinte conclusão de mais essa pérola da Marmitex: ela gosta mesmo é das negociações da federação Paraguaia (Findect), onde apenas os presidentes dos sindicatos negociam. Lá, não precisa da participação do trabalhador, quem decide é a empresa. Essa asneira entra para a coleção da Amanda Marmitex que já criticou a pauta de reivindicações da Fentect dizendo que é “muito grande e impossível de conseguir”. Para ela, o trabalhador tem que se contentar com o pouco que tem. Mais uma pérola Findectiana de Amanda Marmitex. É bom ficar de olho. Amanda Marmitex preparou um Congresso do sindicato bem no dia da Plenária Nacional da Fentect. Muito suspeito.

Enquanto a categoria de todo o País vai estar discutindo a campanha salarial, Amanda quer que seu sindicato esteja fazendo “discussões estatutárias”. Muito suspeito. Amanda Marmitex, que até ontem era do PCdoB/CTB, mesmo grupo que hoje governa a monarquia de sete anos da Findect, parece que tem uma “quedinha” pela federação paraguaia. Há boatos de que o Congresso do sindicato seja pra mudar o mandato do sindicato. Será verdade? Será um mandato de quatro anos como é no Sintect-SP ou um de sete anos como acontece no sindicato de Bauru e na Findect? Não sabemos ainda, mas temos certeza que Amanda quer ganhar um complemento a seu carinhoso apelido. Amanda Marmitex agora também pode ser chamada de Amanda Findect.


Ecetistas em Luta Boletim

Edição Minas Gerais - ano IX- nº 916 - sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Órgão da corrente nacional Ecetistas em Luta

- Distribuição gratuita -

Entre em contato com Ecetistas em Luta na Internet: http://sintectmg.wordpress.com Receba o boletim Ecetistas em Luta por e-mail, escreva para: sintectmg@ig.com.br - fone: (31) 3224-0752

campanha salarial

Comando da Fentect impede que ECT imponha Acórdão do TST na negociação A comissão da empresa queria que as discussões na negociação fossem feitas com base no Acórdão e não na Pauta de Reivindicações dos trabalhadores

A

s negociações com a comissão da ECT deveriam ter começado na manhã desta quarta-feira, dia 21. A comissão da empresa apresentou uma proposta de negociação feita por blocos temáticos. No entanto, quando o Comando de Negociação da Fentect pediu que a empresa dissesse como seriam esses blocos de discussão, a comissão da ECT tentou impor a discussão do famigerado Acórdão do TST, imposto aos trabalhadores no ano passado. O Comando da Fentect, então, exigiu que a empresa refizesse a proposta com base na Pauta de reivindicações dos trabalhadores e não no Acórdão dos juízes biônicos do TST. A reunião foi interrompida para que fosse feita nova proposta. Às 14h30, as partes voltaram a se reunir e nova rodada de negociações começou. O Comando de Negociação da Fentect não vai permitir nenhuma imposição da ECT. O

TST é uma ditadura contra os trabalhadores. A categoria não reconhece nada do que esse tribunal tem colocado com o único objetivo de acabar com o direito de campanha salarial. Na parte da tarde, no decorrer da discussão, ficou claro que a ECT não tem interesse em negociar. Sobre nenhum dos pontos apresentados pelo Comando da Fentect, foi dada uma resposta pela comissão de negociação da empresa. O Comando apenas ouviu que a reivindicação seria levada para a administração da ECT. Foram discutidos alguns pontos. Sobre a questão da mulher ecetista, primeiro tema levantado, será feita uma reunião específica no dia 2 de setembro, com a participação de mulheres representantes dos sindicatos. O Comando de Negociação da Fentect alertou que a empresa deve discutir seriamente o tema. Os próximos temas discutidos da Pauta dos Trabalhadores fo-

ram a Cláusula 60, que trata sobre Cursos e reuniões obrigatórios na empresa e Cláusula 61, sobre Seguro e manutenção da frota operacional, multas de trânsito e qualificação do motorista/ motorizado, de suma importância para centenas de companheiros que trabalham dia-a-dia no trânsito das cidades. Por fim, foi discutida a Cláusula 62, Transporte noturno para os empregados que trabalham em turnos da noite e da madrugada. Em todos os casos, a comissão da empresa se comprometeu a trazer propostas para os trabalhadores. Na quinta-feira, 22, a empresa apresentou seus dados econômicos. As reuniões de negociação serão retomadas na terça-feira, 27. Foi acertado entre as partes um calendário de discussão durante todo o mês de agosto e até o meio de setembro. Caso não haja acordo, a greve dos trabalhadores está marcada para o dia 17.

Greve de verdade é assim: nacional e unificada! assembleia de greve dia 17/9 | Greve a partir das 22 horas do dia 17


Boletim Ecetistas em Luta - edição Minas Gerais

2

Fentect realiza atos em defesa da unidade da categoria

Nesta quarta-feira, dia 21, trabalhadores de diferentes estados do país estiveram em São Paulo para participar do ato em frente ao Setor Operacional dos Correios, o CTP Jaguaré. O ato é uma iniciativa importante para organizar a luta contra a divisão da categoria promovida pela ECT através da máfia que dirige o Sintect-SP do Diviza”onista”. O ato reuniu trabalhadores do próprio setor que acompanharam as falações e os esclarecimentos dados no carro de som e aproveitaram para denunciar as péssimas condições de trabalho.

Trabalhadores denunciaram que permanece o problema no ambulatório, que permanece fechado, apesar de ter mais de cinco mil pessoas trabalhando no setor e outras milhares que circulam por ali diariamente. Denunciaram também a trairagem da direção do Sindicato de São Paulo (Sintect-SP) que enquanto os trabalhadores amargam essa situação, vive de cervejada e churrascada. Não é à toa que esse sindicato ficou conhecido nacionalmente como o sindicato dos “Brahmeiros”, que se mantém através da

troca de favores e distribuição de brahma nas asssembleias e para delegados sindicais nos setores. O ato também teve apoio de trabalhadores bancários. A unidade entre as categorias na campanha salarial é uma das propostas da Fentect neste ano. O ato foi mais uma importante atividade, complementada pelo Ato no dia seguinte no CTP Cidade Nova no Rio de Janeiro, e pelo ato que a Corrente Ecetistas em Luta realizou na base do sindicato de Bauru. A categoria reforça a sua luta em defesa dos 47,8% e o convênio médico.

Infraero propõe acordo bianual aos trabalhadores em greve

Depois de conseguir encerrar a greve dos eletricitários com um acordo bianual, o Tribunal Superior do Trabalho continua tentando por fim à luta dos trabalhadores do setor aeroportuário. Na última sexta-feira, dia 16, a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) fez uma proposta de acordo bianual com reajuste de 1,25% para os trabalhadores em greve em audiência de conciliação no TST. Uma vergonha. A data-base da categoria é em maio. Os trabalhadores que enfrentam a privatização do setor estão em greve desde julho e a empresa cinicamente aparece com a proposta de 1,25% mais a inflação do período. E a repetição dessa miséria para o próximo ano. Em seu site o TST faz propaganda da proposta dizendo que a Infraero “aumentou a concessão dos vales-alimentação, de quatro blocos de 25 tíquetes cada, num total de 100 tíquetes, para quatro blocos de

30 tíquetes cada”. A proposta E não contempla reivindicações que dizem respeito à condições de trabalho. Apenas marca o “compromisso da Infraero de reativar em 60 dias uma comissão paritária para analisar a situação laboral dos navegadores aéreos”. Na questão das reinvindicações de saúde repetiram o golpe do Acórdão do TST para a categoria dos Correios em 2012. “criação de duas comissões paritárias para discutir soluções de sustentabilidade para planos de saúde e odontológico”, quem viver verá!, e “outra para deliberar sobre o Plano de Classificação de Cargos e Salários (PCCS) que foi concluído recentemente”. Os trabalhadores dos Correios conhecem esse golpe. No ano passado a direção da ECT queria acabar com o plano de saúde. Os trabalhadores fizeram greve, a empresa entrou com o dissídio, e no Acórdão ficou prevista a mesma

“comissão paritária”; e o que aconteceu? A ECT passou por cima do Acórdão, e criou sem discutir com os trabalhadores, de maneira unilateral, o Postal Saúde, para gerir o atual Correios Saúde da categoria. Mais uma vez o TST aparece dar o aval aos ataques dos patrões aos trabalhadores. Assim como os trabalhadores dos Correios estão lutando contra essa ingerência, os aeroviários deve aceitar esse arremedo de acordo. Pata tentar evitar a reação da categoria o vice-presidente do TST, ministro Antônio José de Barros Levenhagen, que presidiu a reunião de conciliação alertou: “se não houver entendimento, o dissídio coletivo será distribuído na Seção de Dissídios Coletivos (SDC) para julgamento”. O desafio para os trabalhadores aeroviários para defender seus direitos e reivindicações está colocado: desobedecer o TST e seguir em luta.


Ecetistas em Luta Boletim

Edição Rio de Janeiro - ano IX- nº 5 - sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Órgão da corrente nacional Ecetistas em Luta

- Distribuição gratuita -

Entre em contato com Ecetistas em Luta na Internet: olhovivoecetista.wordpress.com Receba o boletim Ecetistas em Luta por e-mail, escreva para: olhovivoecetista@pco.org.br - fone: (11) 3637-3273

campanha salarial

Comando da Fentect impede que ECT imponha Acórdão do TST na negociação A comissão da empresa queria que as discussões na negociação fossem feitas com base no Acórdão e não na Pauta de Reivindicações dos trabalhadores

A

s negociações com a comissão da ECT deveriam ter começado na manhã desta quarta-feira, dia 21. A comissão da empresa apresentou uma proposta de negociação feita por blocos temáticos. No entanto, quando o Comando de Negociação da Fentect pediu que a empresa dissesse como seriam esses blocos de discussão, a comissão da ECT tentou impor a discussão do famigerado Acórdão do TST, imposto aos trabalhadores no ano passado. O Comando da Fentect, então, exigiu que a empresa refizesse a proposta com base na Pauta de reivindicações dos trabalhadores e não no Acórdão dos juízes biônicos do TST. A reunião foi interrompida para que fosse feita nova proposta. Às 14h30, as partes voltaram a se reunir e nova rodada de negociações começou. O Comando de Negociação da Fentect não vai permitir nenhuma imposição da ECT. O

TST é uma ditadura contra os trabalhadores. A categoria não reconhece nada do que esse tribunal tem colocado com o único objetivo de acabar com o direito de campanha salarial. Na parte da tarde, no decorrer da discussão, ficou claro que a ECT não tem interesse em negociar. Sobre nenhum dos pontos apresentados pelo Comando da Fentect, foi dada uma resposta pela comissão de negociação da empresa. O Comando apenas ouviu que a reivindicação seria levada para a administração da ECT. Foram discutidos alguns pontos. Sobre a questão da mulher ecetista, primeiro tema levantado, será feita uma reunião específica no dia 2 de setembro, com a participação de mulheres representantes dos sindicatos. O Comando de Negociação da Fentect alertou que a empresa deve discutir seriamente o tema. Os próximos temas discutidos da Pauta dos Trabalhadores fo-

ram a Cláusula 60, que trata sobre Cursos e reuniões obrigatórios na empresa e Cláusula 61, sobre Seguro e manutenção da frota operacional, multas de trânsito e qualificação do motorista/ motorizado, de suma importância para centenas de companheiros que trabalham dia-a-dia no trânsito das cidades. Por fim, foi discutida a Cláusula 62, Transporte noturno para os empregados que trabalham em turnos da noite e da madrugada. Em todos os casos, a comissão da empresa se comprometeu a trazer propostas para os trabalhadores. Na quinta-feira, 22, a empresa apresentou seus dados econômicos. As reuniões de negociação serão retomadas na terça-feira, 27. Foi acertado entre as partes um calendário de discussão durante todo o mês de agosto e até o meio de setembro. Caso não haja acordo, a greve dos trabalhadores está marcada para o dia 17.

Greve de verdade é assim: nacional e unificada! assembleia de greve dia 17/9 | Greve a partir das 22 horas do dia 17


Boletim Ecetistas em Luta - edição Rio de Janeiro

2

Fentect realiza atos em defesa da unidade da categoria

Nesta quarta-feira, dia 21, trabalhadores de diferentes estados do país estiveram em São Paulo para participar do ato em frente ao Setor Operacional dos Correios, o CTP Jaguaré. O ato é uma iniciativa importante para organizar a luta contra a divisão da categoria promovida pela ECT através da máfia que dirige o Sintect-SP do Diviza”onista”. O ato reuniu trabalhadores do próprio setor que acompanharam as falações e os esclarecimentos dados no carro de som e aproveitaram para denunciar as péssimas condições de trabalho.

Trabalhadores denunciaram que permanece o problema no ambulatório, que permanece fechado, apesar de ter mais de cinco mil pessoas trabalhando no setor e outras milhares que circulam por ali diariamente. Denunciaram também a trairagem da direção do Sindicato de São Paulo (Sintect-SP) que enquanto os trabalhadores amargam essa situação, vive de cervejada e churrascada. Não é à toa que esse sindicato ficou conhecido nacionalmente como o sindicato dos “Brahmeiros”, que se mantém através da

troca de favores e distribuição de brahma nas asssembleias e para delegados sindicais nos setores. O ato também teve apoio de trabalhadores bancários. A unidade entre as categorias na campanha salarial é uma das propostas da Fentect neste ano. O ato foi mais uma importante atividade, complementada pelo Ato no dia seguinte no CTP Cidade Nova no Rio de Janeiro, e pelo ato que a Corrente Ecetistas em Luta realizou na base do sindicato de Bauru. A categoria reforça a sua luta em defesa dos 47,8% e o convênio médico.

Infraero propõe acordo bianual aos trabalhadores em greve

Depois de conseguir encerrar a greve dos eletricitários com um acordo bianual, o Tribunal Superior do Trabalho continua tentando por fim à luta dos trabalhadores do setor aeroportuário. Na última sexta-feira, dia 16, a Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) fez uma proposta de acordo bianual com reajuste de 1,25% para os trabalhadores em greve em audiência de conciliação no TST. Uma vergonha. A data-base da categoria é em maio. Os trabalhadores que enfrentam a privatização do setor estão em greve desde julho e a empresa cinicamente aparece com a proposta de 1,25% mais a inflação do período. E a repetição dessa miséria para o próximo ano. Em seu site o TST faz propaganda da proposta dizendo que a Infraero “aumentou a concessão dos vales-alimentação, de quatro blocos de 25 tíquetes cada, num total de 100 tíquetes, para quatro blocos de

30 tíquetes cada”. A proposta E não contempla reivindicações que dizem respeito à condições de trabalho. Apenas marca o “compromisso da Infraero de reativar em 60 dias uma comissão paritária para analisar a situação laboral dos navegadores aéreos”. Na questão das reinvindicações de saúde repetiram o golpe do Acórdão do TST para a categoria dos Correios em 2012. “criação de duas comissões paritárias para discutir soluções de sustentabilidade para planos de saúde e odontológico”, quem viver verá!, e “outra para deliberar sobre o Plano de Classificação de Cargos e Salários (PCCS) que foi concluído recentemente”. Os trabalhadores dos Correios conhecem esse golpe. No ano passado a direção da ECT queria acabar com o plano de saúde. Os trabalhadores fizeram greve, a empresa entrou com o dissídio, e no Acórdão ficou prevista a mesma

“comissão paritária”; e o que aconteceu? A ECT passou por cima do Acórdão, e criou sem discutir com os trabalhadores, de maneira unilateral, o Postal Saúde, para gerir o atual Correios Saúde da categoria. Mais uma vez o TST aparece dar o aval aos ataques dos patrões aos trabalhadores. Assim como os trabalhadores dos Correios estão lutando contra essa ingerência, os aeroviários deve aceitar esse arremedo de acordo. Pata tentar evitar a reação da categoria o vice-presidente do TST, ministro Antônio José de Barros Levenhagen, que presidiu a reunião de conciliação alertou: “se não houver entendimento, o dissídio coletivo será distribuído na Seção de Dissídios Coletivos (SDC) para julgamento”. O desafio para os trabalhadores aeroviários para defender seus direitos e reivindicações está colocado: desobedecer o TST e seguir em luta.

Boletim Ecetistas em Luta Nacional 23/8/2013  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you