Page 1

$$$$$$$$$$$$SSS$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$ $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

2015 | #1

olรก


Eu sou um chefe muito ocupado.

Eu não sei fazer muita coisa. Mas eu sei contar dinheiro, e sei mandar! Quando eu não tô ocupado contando dinheiro, eu me ocupo mandando as pessoas fazerem alguma coisa.

Algumas pessoas acham que sou doidx.

FODA-SE


Aquele que o domingo satisfaz em uma tarde sentado diante da televisão. Aquele que sorri diante da tragicomédia em ver o patrão. Aquele que a propaganda lhe acomete, e ofusca a visão. Aquele que contenta-se de ócio, falta de perspectiva e submissão. Aquele que já vislumbrado, perdido, olha para o céu e diz deus apenas como mais um jargão. (Eis o bem-aventurado contemporâneo)

$$$ ao vivo

Porra, meu! Acabou de pintar uma promoção... pessoas grátis. É, não tem mais essa de salário! E de brinde vai a exclusão de qualquer respeito aos direitos da pessoa.


MOMENTOS. . .

Eu podia estar roubando...

Eu podia estar matando...

PAPO DE MACHINHO Minha esposa me trocou... depois de 20 anos de casados.

Foi por aquele cara que vocĂŞ estava desconfiado?

Eu perguntei isso. Mas ela disse que estava me trocando por liberdade...

Relaxa... pelo menos foram 20 anos. Eu fui trocado e estava ficando com uma fazia 2 meses.


♪ Subi no muro do quintal E vi uma transa que não é normal E ninguém vai acreditar Eu vi duas mulheres Botando aranha prá brigar […] E a cobra perguntando onde é que eu me encaixo?♪

Perguntei nada não, mano... Você que tá aí, querendo saber da trepada das pessoas.

Nossa, que legal, estão mostrando na TêVê mulheres não sendo humilhadas, casais LGBT se relacionando, e pessoas negras em personagens não degradantes.

As mulheres não estão sendo humilhadas do jeito que sempre foram, estamos fazendo de um jeito diferente. Casais LGBT e pessoas negras... uma coisa que não discriminamos é o poder de compra das pessoas. Isso aí crianças, curtam a vida TêVê...


APOIO POPULAR Algumas pessoas apoiam um partido

PSD B

Algumas pessoas apoiam um partido

CAPITALISMO

$

$

Eu apoio todos!

E agora um poema. . . Batatinha quando nasce se esparrama pelo chão... Ei! Ei! Batata é propriedade minha!

E esse desenho aí é propriedade minha. Preu vender pras crianças!

$ $


… E assim, vos digo, doai aos pobres...

Topa ir ali? Derreter unzouro, por aí no Vaticano...

Não há simbolismo - nesse caso bandeira -, não há fronteira, não há região, não há metro quadrado, que delimite a luta do povo contra o que oprime.


Ô, fui em um barzinho ontem, em São Paulo, no bairro Moema. ... Você sabe o que significa Moema na língua dos índios? Não, sei não. Sei apenas que os nomes indígenas das ruas que cruzam a avenida dos bandeirantes, como: Aicás, Pamaris, Maracatins, Nhambiquaras, Jurupis, entre outros; são nomes dos povos que, quando não exterminados, foram escravizados pelos bandeirantes.

...

A v. d

os As

sas si n

os Ba

ndeir

a n te s


Nossa vida mais e mais ficando crítica Basta olhar que você vê que a vida cívica Deteriora tanto quanto a coisa pública Quanto choro, quanta fome, quanta suplica Quanto nojo de saber que gente estúpida De mamatas vão vivendo na república chegou lá sem declarar riqueza súbita Joga o jogo de enganar postura física De enganar figura lá postura cênica Vem política estúpida e anêmica Vem política raquítica, cínica Choque vai, vem inflação de forma cíclica Nem precisa consultar a estatística Pois de fato a gente sente a vida rústica Que não há como mudar o tom da música Pois vai mudar, vai melhorar, vai ficar nítida Sua alegria de viver será explícita Nos palanques bem montados, boa acústica São patéticas promessas de política De política em política Essa política gerando gente cínica povo mais cada vez ficando cético Gabiru será um dia milimétrico São escândalos, processos quilométricos São sequestros, falcatruas sem inquéritos Ser parente se promove pelo mérito Superfaturada a compra, coisa ilícita


Divulgado o resultado da balística Só se tinha um tiro certo para o céfalo Deram dois na inflação, efeito ínfimo Galopante volta a fera, segue o ritmo Qual doença degradando o corpo aidético Então o político declara ser o médico Diagnostica que a cura é pelo empréstimo Com certeza vai querer morder o dízimo E ao problema ele receita um analgésico E toda verba vai pro bolso dos corruptos E todo o povo ajoelhado ante o púlpito Ora a deus, pede luz para o facínora Encarnado na figura do publícola De política em política Avanço no futuro, cibernética Com videogame, disc-laser, informática Mili-dados vão na fita magnética E essa política atrasando o sul da América Demagogia se tornando vida prática Recessão na economia mais estática A gente não sabemos nem uma gramática E na saúde como a coisa está dramática Se ganho vinte: noves-fora, matemática Lá vai imposto numa construção lunática Teve debate na TV caiu na sátira Lobbies lobos lambem lá de forma sádica Outros bobos querem resolver na mágica Alguns acharam a solução compondo máximas Outros já preferem agir de forma tácita E tudo via se aprofundando na retórica E de política o povo está com cólicas E vai levando na sua vidinha módica Quando o que dá risadas, sente cócegas Do salário de miséria, coisa cômica


Parlamentarismo, monarquia ou republica Muda o nome e terão todos forma única Se não mudar a mentalidade lúdica, modo de se encarar a coisa pública Enquanto isso a esperança mais umbrícola Secando a roupa no varal ainda úmida sol batendo numa gota d'água fúlgida, Que será de nós e de nosso habitat ... Sujando as mãos nós limparemos a política A inflação é consequência desse cólera E todo mal que nos assola é uma alíquota Cujo montante principal é a política Essa política sem lógica, sem nexo Essa política do próprio paradoxo Essa política larica mais que tóxico Essa política do fight bem no plexo Essa política que não respeita sexo Essa política perdida em circunflexo Essa política mentiras em anexo Essa política do choque heterodoxo (Ataliba e a firma - Política)

♪ o rio que corre parado ♪ Contemplo E a dançarina de pedra que evolui

Completamente, sem metas, sentado Não tenho sido, eu sou, não serei, nem fui A mente quer ser, mas querendo erra Pois só sem desejos é que se vive o agora Vêde o pé do ypê apenasmente flora Revolucionariamente Apenso ao pé da serra Vêde o pé do ypê apenasmente flora Revolucionariamente Apenso ao pé da serra

(Ypê - Belchior)


olá zine #1  

olá zine #1

olá zine #1  

olá zine #1

Advertisement