Page 1

®

Diretor: André Nagib Moussa (Mtb 34286) - Santa Rosa de Viterbo, 10/09/2016 - Ano 22 - N.º 1.064 - Semanal - Fone/Fax 3954 3289

R$ 3,00

Marcelo Zílio

Estamos em greve

Agências bancárias de Santa Rosa aderiram ontem à greve nacional dos bancários. Os caixas eletrônicos funcionam normalmente, já que Menor, mas melhor – O ‘3º Ramal Cultural’ reuniu, no último sábado em Nhumirim, menos são abastecidos por empresas terceirizadas. gente que no ano passado. Apesar disso, o Coletivo Biquirim – que promove o evento – considera que acaba de realizar o melhor de todos.

Aniversário da cidade é comemorado no Espaço Mogiana

Justiça americana decide que Guga deve voltar ao Brasil com a mãe Escolas Municipais vão bem no IDEB Candidatos respondem sobre Cultura, Esporte e Lazer

Semana foi recheada de eventos culturais

Sábado, 17, tem lançamento de biografia de Zé Hamilton

“Tuc Tuc do Coveiro” - Daniel Miranda, 55, mais conhecido como Daniel 'Coveiro', comprou um Tuc Tuc branco bem estiloso, com uma carretinha que pode suportar até 350 kg. O veículo pode ser usado para transporte de carga, porém, até o momento apenas para uso particular, mas logo pretende usar para trabalhos de marketing e comércio de alimentos em eventos.


PÁGINA 2

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

Prefeito Cassinho deixa Prefeitura “em ordem” para próximo prefeito CND é documento importante para recebimento de verbas estaduais e federais O Prefeito Cassinho atualizou na última semana a CND (Certidão Negativa de Débito). A CND é um documento de suma importância para o município, pois sem ela, a prefeitura fica impedida de receber recursos estaduais e federais. O vencimento da nova CND é 28/02/2017, o que dá tempo para a próxima administração municipal se instalar sem que o documento fique atrasado. Além da CND, o Prefeito Cassinho irá protocolar na próxima semana 180 pedidos de verbas nos gabinetes de todos os Deputados Estaduais e Federais (eleitos por SP). A intenção é permitir que o prefeito eleito conte com verbas para investimento logo no primeiro ano de mandato: "Iremos até São Paulo e Brasília protocolar tais pedidos pois, sabemos das dificuldades do primeiro ano de mandato; nossa equipe preparou 180 pedidos de verbas e recursos nas mais variadas áreas como educação, saúde, infraestrutura urbana, esporte, cultura, desenvolvimento social, etc. Por meio destes pedidos, esperamos auxiliar o próximo administrador, para que já em seu primeiro ano, tenha recursos para investir no município; além disso, toda a documentação da prefeitura ficará regularizada, para que não haja impedimento no recebimento de tais recursos"; concluiu Cassinho.

PÁGINA 3

Santa Rosa bate metas na educação e fica acima de cidades da região Educação melhora nos últimos dois anos e bate meta do IDEB A Educação de Santa Rosa recebeu uma excelente notícia, o Ministério da Educação liberou o resultado do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), e Santa Rosa, além de bater a meta, ficou acima das cidades da região. O IDEB foi formulado para medir a qualidade do aprendizado nacional e estabelecer metas para a melhoria do

ensino em todo o país. A meta de Santa Rosa para o biênio 2014/2015 era atingir 5.8 pontos de média, e superando as expectativas nosso município atingiu 5.9 e ficou a frente de cidades que eram referências em educação como Cajuru (5.8), São Simão (5.7) e Luiz Antônio (5.3). O Prefeito Cassinho falou sobre a importância

desta conquista: "Atingir a meta do IDEB este ano tem um grande significado, em todo país houve uma grande queda nas médias e em nossa cidade um aumento; isto significa que o trabalho realizado pelo Departamento de Educação é feito com profissionalismo e competência. Claro que sempre podemos melhorar, mas essa conquista mostra que nos-

so trabalho está no rumo certo. Quero aqui de coração agradecer todos os funcionários do Departamento de Educação, desde o diretor, até os professores, inspetores de alunos, secretários, serventes das escolas, todos aqueles que contribuíram diariamente para que nosso município voltasse a ser referência em educação na região, muito obrigado!"

DE OLHO NA REGIÃO F icha Suja - O candidato a prefeito de São Simão, Mar celo Aparecido dos Santos, vulgo Celão, teve seu registro de candidatura negado pelo Juiz Eleitoral. Celão é condenado em processos onde causou dano ao erário e enriquecimento ilícito. O “Fich a Su ja” pode recorrer da decisão.

Governo do Estado corta verba de transporte de alunos O Governo Estadual cortou para este semestre uma verba que era destinada para pagar o transporte público para alunos do ensino fundamental que moram até 2km das escolas que estudam. "Dessa maneira, todos alunos que moram a menos de 2km de onde estudam não receberão o benefício do transporte público. Mas essa ação não é municipal, é estadual", informa a assessoria de empresa da prefeitura. O corte vai afetar alunos que estudam no Teófilo Siqueira e Conde, tanto no período da manhã como no da tarde. Os passes eram retirados na secretária de educação pelas mães. A assessoria ainda informou que a prefeitura não terá condições de arcar com esse valor. A Auxiliar Administrativo da Helenotur, Elenice F. A. de Siqueira, revela que muitos responsáveis não possuem condições de pagar o transporte para os filhos. "Estou indignada. Muitas mães me procuraram para falar da situação e estão muito preocupadas". Para tentar melhorar a situação dos estudantes, a Helenotur se sensibilizou, e a partir de segunda, estes alunos, terão 20% de desconto para comprar os passes escolares, saindo por R$40 o bloco com as cédulas referentes a cada mês. A promoção será valida até o final do ano.


PÁGINA 4

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

COLUNA GOSPEL por Rogério Moscardini

Como um diamante no céu Os astrônomos descobriram uma estrela no céu que resfriou e se comprimiu em um grande diamante. O maior diamante áspero com qualidade e pureza encontrado na Terra foi o Diamante Cullinan com 3.100 quilates. Então, quantos quilates esse diamante cósmico possui? Bilhões ou trilhões de quilates? Em nosso mundo, os diamantes são valorizados por sua raridade, beleza e durabilidade, e geralmente ouvimos a expressão: "Diamantes são para sempre". Mas Deus não é apaixonado por diamantes. Para Ele, há algo muito mais precioso. Milhares de anos atrás, Davi maravilhou-se com o grande valor que Deus der aos seres humanos: "Que é o homem, que dele te lembres E o filho do homem, que o visites? Fizeste-o, no entanto, por um pouco, menor do que Deus e de glória e de honra o coroaste" (Salmo 8:4-5). Na verdade, Deus nos valorizou tanto que lhe custou muito o preço de nossa redenção. O preço da compra foi o precioso sangue de Seu Filho Jesus Cristo (1 Pedro 1:18-19). Se Deus nos valorizou tanto assim, nós também deveríamos fazer o mesmo com as pessoas que Ele pôs em nossa vida. Levá-las diante do Senhor em oração. Peça a Deus para que Ele lhe mostre como cada pessoa é mais preciosa do que a joia mais cara do universo. Somos mais preciosos para Jesus do que o diamante mais valioso que possa existir.

PÁGINA 5

Justiça americana decide que Guga deve voltar ao Brasil com a mãe

O assunto foi destaque ontem na Globo.com e no UOL com chamadas na primeira página A Justiça americana decidiu que a professora Cheyenne Morena Menegassi, 36, poderá retornar ao Brasil acompanhada do filho, o menor Gustavo Gaskin, de 13 anos. O menino viajou para lá no fim de junho para passar as férias com o pai e não retornou mais. "A Chey e o Guga tiveram vitória", escreveu a advogada Camila Carrieri, que representa a professora no Brasil. Em entrevista à rádio CBN ela afirmou que o juiz permitiu que os dois retornassem ao país. A informação foi confirmada por uma amiga de Cheyenne. "Eles

devolveram o Guga para a Chey", disse Heloísa Soares, amiga da professora. Ela não soube dizer, entretanto, quando os dois voltarão para o Brasil. O pai de Guga, Samuel Gaskin, havia pedido a guarda do menino na Justiça americana. Como Brasil e EUA são signatários da convenção de Haia, o julgamento sobre a guarda do menino deve ocorrer em seu país de residência. Nascido nos EUA, Guga passou os últimos 11 anos morando com a mãe no interior de São Paulo, segundo a advogada. Eles mo ram atualmen te em

Santa Rosa do Viterbo. Em todo esse período, segundo a mãe, o pai nunca a ajudou a pagar as despesas de Guga nem telefonou para dar parabéns nos aniversários. Mas neste ano Samuel Gaskin convidou o filho para passar férias com ele em Summertown, no Tennessee. A mãe, que sempre disse ao filho que ele tinha um pai e que eles poderiam se falar quando quisessem, não viu problema no convite. "Ela tem uma cabeça arejada, sempre incentivou esse contato, queria uma figura paterna na vida do filho. Quando ele ligou chamando para passar férias, ela ficou contente, seria uma oportunidade de ter contato", diz a advoga-

da Camila Carrieri, que representa a mãe. Gustavo embarcou em 26 de junho, mas não tomou o voo de volta, que estava marcado para 29 de junho. Samuel ligou para Cheyenne avisando que o filho queria ficar nos EUA. E o menino, que havia levado celular e tablet, não respondia às mensagens da mãe. Cheyenne viajou no começo de agosto para os EUA para tentar trazer o filho de volta ao Brasil. Nos últimos dias, um grupo de amigos vem pedindo contribuições para ajudar a professora a bancar seus gastos no outro país. Camisetas pedindo a volta de Guga ao Brasil começaram a ser vendidas na internet. (UOL)


PÁGINA 6

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

EDITORIAL

CARTA À REDAÇÃO

De volta ao Brasil - Que felicidade a volta do garoto Gustavo ao Brasil. Justiça rápida e eficiente a dos “States”. Viva o Guga.

Falta de compromisso com a verdade demonstrada pelo Nando

Calmaria - Nem parece época de política. A cidade vive uma calmaria. A carta publicada ao lado dá uma esquentadinha na “coisa”, Uma mala direta, divulgada pela equipe de Nando, alfinetou o prefeito, mas ainda é nada perto do que vimos em eleições anteriores. Será que vai assim até o final? D.U.V.I.D.O. Comemora - Quem comemora é o prefeito Cassinho, que segundo ele, tem sossego para trabalhar pela cidade, já que não é candidato a reeleição. Ficha Suja - Bonito está em São Simão, com candidato único com a cassação do registro de Celão, pego no Ficha Limpa. Aliás, que bom para São Simão. Muito bom - No aniversário da cidade foi uma semana recheada de cultura e bons eventos, feitos com os pés no chão. Faltou mesmo o desfile das escolas para ganhar a nota 10.

É impressionante a falta de compromisso com a verdade demonstrada pelo candidato Nando, em respostas a perguntas formuladas pelo O Jornalzão de 03/09. Ele afirma textualmente que deixou prefeitura em 2008 em situação de total equilíbrio, com fornecedores pagos. Documentos públicos demonstram que o governo de seu sucessor pagou perto de R$ 4.300.000,00 de débitos contraídos em gestões anteriores. Esses pagamentos foram para fornecedores, indenizações trabalhistas e parcelamento de INSS. O candidato Nando há vários anos que alardeia pelos quatro cantos que deixou a prefeitura com quatro milhões em

caixa. Outra inverdade. Novamente documentos públicos vêm demonstrar que o saldo bruto em 31/ 12/2008 era de 2,661 milhões. Porém deixou também restos a pagar no valor de R$ 1,729 milhões sobrando R$ 931 mil e destes, R$ 612 mil eram em contas vinculadas a convênios. Portanto o saldo livre final era somente de R$ 319 mil. Esse saldo, inclusive, era insuficiente para pagar a indenização devida a diversos servidores municipais aposentados que foram demitidos sem justa causa por Nando. O total das indenizações foi de R$ 352 mil. O dito "Carnaval Milionário", com qualidade infinitamente superior aos anos anteriores,

teve o custo para a prefeitura de 120 mil e não 1 milhão como falsamente afirmou Nando. Ele também teve a oportunidade de resolver o problema da renovação do con trato com a SABESP e não o fez. Usando expressão do próprio Nando no jornal, ele "empurrou com a barriga" o processo de renovação do contrato de concessão da SABESP, vencido em 2007. Por meio dos decretos municipais nº 2.875/08 e 2929/09 por ele assinados, Nando, empurrou o problema para 12/01/ 2009, no inicio governo de seu sucessor. Nando mais uma vez não disse a verdade ao afirmar que o governo Chiaperini teria recebido algo em torno de R$

9 milhões, insinuando levianamente que teria havido mau uso de dinheiro da Sabesp. O contrato de concessão aponta o montante de R$ 4,758 milhões e não R$ 9 milhões. Documentos oficiais mostram que a gestão Chiaperini recebeu cerca de R$ 3 milhões desse contrato e direcionou seu uso em quase 60 obras e melhorias ocorridas no período. Firmamos nossa união com a candidatura do Chiaperini porque temos a comprovação de que ela é alicerçada na honestidade de propósitos e compromissos com a verdade.

Diretório Municipal do PSDB de Santa Rosa de Viterbo

CRÔNICA DA SEMANA Daniel Almada

O rio da minha infância O rio que passou por mim na infância, inundando-me de espanto, não é o mesmo de hoje. Conheci o rio dos grandes pescadores, dos grandes peixes e também o das mortes traiçoeiras, e daquelas como que ofertadas aos céus num ato de desespero humano, profundamente humano. Meu rio da infância era deus e monstro, causava medo e glória. O rio de hoje já não guarda tanto a carne dos peixes e a volúpia dos pescadores, e já não cobra dos homens atormentados o belo e aterrorizante sacrifício da vida.

EXPEDIENTE O JORNALZÃO é uma publicação da editora André Nagib Moussa ME - Redação:rua José Garcia Duarte, 182 - Centro - Santa Rosa de Viterbo-SP - CEP 14.270-000 Fone/fax: (16) 3954 3289 Usuário Papel Imune: UP-08109/014 - Diretor de Redação: André Moussa Free lancer - Gabriel Caldas e Romeu Antunes Contato Comercial: Daniel Pereira Tiragem: 2.500 exemplares - Circulação: Santa Rosa de Viterbo e São Simão Periodicidade: Semanal - R$ 3,00 por exemplar - E-mail:ojornalzao@ojornalzao.com Impressão: Grafisc, São Carlos. “Artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, não representando necessariamente a opinião do jornal.” O Jornalzão se reserva o direito de resumir cartas que considerar inadequadas ao espaço disponível. O JORNALZÃO É AFILIADO À ABRARJ

TIRAS POLICIAIS

Máquinas de caça-níqueis são apreendidas no Luiz Gonzaga Cinco máquinas de caça-níqueis foram apreendidasna última terça-feira (6), por volta das 16h20, no Luiz Gonzaga. De acordo com Boletim de Ocorrência, a PM recebeu a denúncia que em uma casa do Luiz Gonzaga estaria ocorrendo jogos de azar. Chegando lá, uma senhora informou que estava sendo impedida de sair, confirmou que existiam máquinas de jogo ali e que estava jogando. Logo em seguida, o homem que estava impedindo o contato da senhora com a polícia, confessou o crime e permitiu a entrada do grupo. Em revista pela casa, foram encontrados cinco máquinas, que foram apreendidas junto com pen drive e cartões da mesma. Após a revista, todos os qualificados foram liberados.

Homem furta carteira, troca socos com vítima, mas é preso Um homem foi preso logo após furtar uma carteira, na última terça-feira (6), por volta das 11h30, no Nova Roma. Consta no registro da ocorrência, que a vítima estava dentro da sua residência quando ouviu um barulho na sala. Quando foi verificar do que se tratava, viu um homem com sua carteira. Após troca de socos, o indivíduo conseguiu fugir. A polícia foi chamada e encontrou o suspeito a dois quarteirões do crime, que ao ser abordado, ainda estava com a carteira, que continha documentos, cartões e R$610. Ele foi preso e encaminhado para a cadeia pública local.

Polícia evita furto de trator A PM impediu que um trator fosse furtado na estrada do Calcário, na última terça-feira (6), por volta da meia noite. Segundo o B.O, o dono seu veículo sendo furtado, entrou em contato com uma empresa de rastreamento por satélite e acionou a polícia. Duas viaturas se deslocaram para o local fornecido pela agência de monitoramento e localizaram o trator, porém, os autores do furto conseguiram fugir por um canavial.


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

PÁGINA 7


PÁGINA 8

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

PÁGINA 9


PÁGINA 10

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

PREFEITURÁVEIS RESPONDEM

PÁGINA 11

Professora Estelinha

Tadeu Cicolani

A prefeitura tem o dever de proporcionar alegria ao seu povo

É tudo uma questão de saber priorizar o que é factível.

Em 2017 vai ter Carnaval, sim! 1- Cultura e Esportes hoje são a mesma pasta, ou seja, fazem parte da mesma Diretoria. O senhor acha isso bom, pensa em manter ou mudar? Explique o que vai fazer para estruturar estas duas áreas tão importantes para um município. Cultura e Esporte são importantes. Esporte tem uma abordagem da aptidão física e desenvolvimento da aprendizagem motora e vai além de jogo de bola. Cultura inclui o conhecimento da arte, crenças, lei, moral, costume, hábitos e aptidões adquiridos pelo ser humano na família e na sociedade do qual é membro e, vai além de "brincar de fazer arte". Teremos, em princípio, poucos cargos que não sejam concursados. Estes serões preenchidos por pessoas qualificadas. Diante dessa referência, o intuito da nossa administração, será contribuir com o debate compreendendo esporte e cultura como um organizador da aprendizagem e do conhecimento. Iremos buscar fundamentos mediadores junto aos funcionários da área e sociedade para interligar esporte e cultura ativando os diversos movimentos culturais e do corpo, absorvendo jogos de movimento, música, danças, competições, teatro, entre outros. Uma reinvindicação dos profissionais de Educação Física é que se coloque alguém capacitado nestes cargos até agora ocupados por apadrinhamento. 2- Boa parcela da população gosta de festas populares como carna-

fomos os primeiros colocados. "Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu."

val, desfiles no aniversário da cida de, shows, Reis, Susa, réveillon na Praça e etc. Em tempos de crise como fazer festa sem dinheiro? Carnaval é a primeira festa do ano, em 2017 vai ter? As festas populares são co memo rações ou eventos festivos, cuja principal característica é a participação do povo (coletividade). São caracterizadas também p ela presen ça marcante das tradições regionais como as festas populares de rua, rituais religiosos, comidas, músicas, danças e roupas típicas e cada uma delas assume características diferentes e estão ligadas ao folclore e apresentam forte componente cultural. A prefeitura tem o dever de proporcionar alegria ao seu povo. Em tempo de crise é usar a criatividade e isto sempre foi o nosso forte. Não nasci em berço de ouro e sempre tive que "rebolar" para poder participar da vida social do município. O bloco Yara do Rio Pardo é um exemplo disso, onde sempre participamos com pouco dinheiro e sempre fizemos bonito, não deixando a desejar para os blocos com mais posses que o nosso. Na opinião popular sempre

3- A Banda é um exemplo que se algo é bem gerido, se mantém e pode até melhorar de administração para administração. Se o senhor(a) for eleito, qual marco quer deixar neste setor de esporte, turismo, cultura e lazer? Sem dúvida alguma a Banda é um exemplo típico de continuidade de um projeto que prima pela renovação e avaliação constantes. Neste patamar incluo a FAMUSA e Fanfarra Renato Massaro, cada qual com a marca de seus maestros. Temos ainda o Projeto Guri, que desenvolve atividade de inclusão através da música, que representa uma retaguarda para as diversas atividades da Estação da Cultura implantada pelo saudoso prefeito Nagib Moussa. A não interrupção desses projetos fez com que surgissem vários nomes e conjuntos musicais, inclusive de repercussão internacional. Quanto ao turismo e lazer, entendo que são atividades difusas e estão incluídas em diversas atividades e projetos culturais. O apoio às atividades de lazer, como SUSA, Encontro de Jipeiros, Encontro dos Motociclistas entre outros atrai o turismo. O Verão Santa Rosa, outra atividade de lazer, desenvolve o esporte. A marca de nosso governo será o de incentivar e desenvolver com a comunidade, projetos bem programados, para terem continuidade e um futuro promissor.

1- Cultura e Esportes hoje são a mesma pa sta , o u seja, fazem parte da mesma Diretoria. O senhor acha isso bom, pensa em manter ou mudar? Explique o que vai fazer para estruturar estas duas áreas tão importantes para um município. Quero deixar bem claro que, caso eleito, meu governo terá como foco principal a Educação, pois é dessa área que se irradia grande parte de outros setores tão importantes, como Cultura, Esportes, Meio-Ambiente, Tecnologia da Informação, Alimentação Escolar, etc. A criança integrada e bem informada, assim como o jovem, apoiados nesses alicerces, ocuparão melhor seu tempo fora da escola e se desenvolverão de forma saudável, esclarecidos quanto aos malefícios do uso de álcool e drogas. Além do que, com o apoio da família, desenvolverão bons hábitos que resultarão em pessoas saudáveis, com menos problemas de saúde. Quanto à Diretoria dos setores de Cultura e Esportes, será objeto do que manda a legislação em vigor. Tomando pé da situação, haverá a analise necessária de manter ou não a gestão. O que importa são os resultados. 2- Boa parcela da população gosta de festas populares como carnaval, desfiles no aniversário da cidade, shows, Reis, Susa, réveillon na Praça e etc. Em tempos

de crise como fazer festa sem dinheiro? Carnaval é a primeira festa do ano, em 2017 vai ter? As festas populares e comemorações cívicas foram deixadas de lado nas últimas administrações. Algumas dessas festas até estão previstas na Lei Orgânica Municipal para serem comemoradas. Em tempos de crise financeira, a criatividade precisa ser colocada para funcionar, sem onerar os cofres públicos. - Por que não incentivar parcerias com empresas que têm experiência n a realização de eventos, como o Carnaval, por exemplo? Está em nosso Plano de Governo incentivar o turismo rural e, por exemplo, estimular a vinda de Jipeiros e Motoqueiros de outras cidades para o percurso de trilhas e prática do Motocross. Esses eventos podem movimentar a nossa economia, sem gastança da prefeitura. É tudo uma questão de saber priorizar o que é factível. Em 2017 vai ter Carnaval, sim!

3 -A Banda é um exemplo que se algo é bem gerido, se mantém e pode até melhorar de administração para administra çã o. Se o senhor(a) for eleito, qual marco quer deixar neste setor de esporte, turismo, cultura e lazer? A Banda, tão bem estruturada desde o seu início, com a dedicação exemplar do maestro Maurílio, com seus valentes monitores, é um paradigma que todos os setores da Administração deveriam mirar-se. E a Escola de Música que continua formando instrumentistas, precisa da atenção do prefeito, pois, como já disse acima, a Educação será o foco primeiro do meu mandato; tendo a música como aliada, nossos jovens continuarão recebendo esse alimento da alma que também funciona como verdadeira vacina contra os vícios perniciosos que destróem vidas e desestruturam as famílias. Competência e criatividade fazem a diferença. Viva Santa Rosa!


PREFEITURÁVEIS RESPONDEM

PÁGINA 12

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

Fernando Engenheiro Uma cidade sem festa é uma cidade sem cultura e triste 1 - Cultura e Esportes hoje são a mesma pasta, ou seja, fazem pa rte d a mesma D ireto ria. O senho r acha isso bom, pensa em manter ou mudar? Explique o que vai fazer para estruturar estas duas áreas tão importantes para um município. R: Não sabemos os critérios usados pela atual administração quanto à fusão dessas duas diretorias. Assim sendo, os departamentos serão separados para que possam desenvolver seus proje-

tos com maior foco, pois acreditamos que o esporte é uma das ferramentas mais importantes na formação dos jovens e na prevenção à criminalidade e às drogas. Assim como a cultura, que quando apoiada, reforça os valores, costumes/tradições da nossa gente, praticando a cidadania e elevando o nome da nossa cidade por onde passa. 2- Boa parcela da população gosta de festas populares como carnaval, desfiles no aniversário da cidade, shows, Reis, Susa, réveillon

na Praça e etc. Em tempos de crise como fazer festa sem dinheiro? Carnaval é a primeira festa do ano, em 2017 vai ter? R: Uma cidade sem festa é uma cidade sem cultura e triste. Acr ed itamo s q u e com uma gestão participativa, junto ao comércio e empresas, geraremos condições para realizar tais festividades. Esses eventos geram empregos, mesmo que temporários, e aumentam a circulação de dinheiro em nossa cidade.

3 -A Banda é um exemplo que se algo é bem gerido, se mantém e pode até melhorar de administração para administra ç ã o . S e o senho r( a ) f o r eleito ,

qual marco quer deixar neste seto r de esporte, turismo, cultura e lazer? R: O nosso marco será a inclusão da família

junto ao esporte, turismo, cultura e lazer, onde todos possam participar de forma ativa nos eventos, resgatando a união familiar. Trazendo cidadania e responsabilidade social.


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

PREFEITURÁVEIS RESPONDEM

PÁGINA 13

Nando Gasperini

Chiaperini

O santa-rosense tem que festejar na sua própria cidade

Chiaperini faz e faz bem feito com segurança e qualidade

1- Cultura e Esportes hoje são a mesma pasta, ou seja, fazem parte da mesma Diretoria. O senhor acha isso bom, pensa em manter ou mudar? Explique o que vai fazer para estruturar estas duas áreas tão importantes para um município. A meu ver, as ações de cada pasta teriam melhor desempenho na forma como eram constituídas anteriormente, com cada setor cuidando do assunto que lhe é pertinente. Entretanto, a atual gestão atendeu um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), proposto pelo MP para reduzir o número de comissionados, e as pastas foram unificadas. A princípio, não pensamos em propor mudanças porque isso não será empecilho para o desenvolvimento de Políticas Públicas Cultuais e Esportivas. Sempre apoiamos o Esporte e a Cultura. Jogos Interbairros, Campeonatos Municipais em diversas modalidades, criamos as escolinhas esportivas, levamos a cidade aos Jogos Regionais. Pretendemos ampliar o apoio ao JORI (Jogos Regionais dos Idosos). Em matéria de Cultura, vale lembrar que transformamos nossa Banda Filarmônica em Sinfônica, criamos a Escola Livre de Música "Plácido Bertocco", na Estação da Cultura e a FAMUSA. Demos apoio aos artistas locais, implantamos grupos de coral e flauta-doce, firmamos convênio para o Projeto Guri, apoiamos o teatro, o concurso Literário Chico Alencar, cursos e concursos de fotos, oficinas c ultuais e workshops. 2- Boa parcela da po-

pulação gosta de festas populares como carnaval, desfiles no aniversário da cidade, shows, Reis, Susa, réveillon na Praça e etc. Em tempos de crise como fazer festa sem dinheiro? Carnaval é a primeira festa do ano, em 2017 vai ter? Santa Rosa é uma cidade com vocação cultural. Importantes nomes artísticos ultrapassaram as fronteiras regionais e levaram o nome da cidade país afora. Porém, nos últimos anos vemos o "sepultamento" de eventos de cunho cultural, religiosos e populares - que deixaram de receber o devido apoio do poder público. A Festa de Reis, o Carnaval, Susa e o Desfile Cívico, que são os mais tradicionais, são exemplos. Outros eventos que vieram acrescentar em nosso calendário também foram menosprezados (Concurso Literário, Manhãs de lazer, Carnaval nos bairros, Caminho da Fé, Coral, Teatro, Réveillon na Praça, Rodeios, Natal Iluminado, Marcha para Jesus, etc). Com vontade política, parcerias e criatividade, será possível fazer a "cidade sorrir" novamente. O atual governo entregará a Prefeitura no vermelho, porém, organizar o carnaval, por mais simples que seja, é obrigação de qualquer prefeito. É ridículo vermos os santa-rosenses terem de ir procurar diversão na vizinha São Simão, colocando suas vidas em riscos na estrada, etc. Não faremos um carnaval milionário e irresponsável, como um exprefeito fez, mas faremos uma festa que resgate nossa cultura, una nossas famílias, movimente o comércio da cidade, atraia visitantes, faça o santa-rosense feste-

jar na sua própria cidade. 3- A B anda é um exemplo que se algo é bem gerido, se mantém e pode até melhorar de administração para administração. Se o senhor(a) for eleito, qual marco quer deixar neste setor de esporte, turismo, cultura e lazer? Acredito que aos bons projetos deve ser dado sequência por cada administração. Quando assumimos a prefeitura faltavam vários instrumentos para a nossa Banda - todos de custo muito elevado - e que barravam nosso sonho de transformála de Banda Filarmônica para Sinfônica. Equilibramos as finanças, colocamos a casa em ordem e partimos para realizar este antigo sonho que se realizou e perdura até hoje. A primeira PPP - Parceria Pública Privada originou este projeto. A empresa Artivinco realizou toda a reforma e revitalização da Estação da Cultura, da Praça da Bandeira, bem como a construção da Arena e fonte luminosa, "Sidney Frigo". Também criamos o termo "Sinfonia do Rio Pardo", em alusão às nossas maiores marcas: a Banda Sinfônica e a Piracema no Rio Pardo. Estas ações provam um pouco da nossa atenção à cultura e nosso comprometimento em sempre estar buscando novos caminhos e ideias. Quanto ao tal "marco" do futuro governo, nosso compromisso é trabalhar por uma causa muito maior: reconstruir Santa Rosa em todos os sentidos, devolver a esperança a cada cidadão e fazer com que morar nesta cidade seja motivo de orgulho - e não de vergonha, como estamos sentindo nos últimos tempos.

1 - Cultura e Esportes hoje são a mesma pasta, ou seja, fazem pa rte d a mesma D ireto ria. O senho r acha isso bom, pensa em manter ou mudar? Explique o que vai fazer para estruturar estas duas áreas tão importantes para um município. Três milhões e não nove, como o candidato aqui falou que recebemos da Sabesp. Aliás esse dinheiro mal daria para pagar os 4,3 milhões de dividas que herdei. Foram pagas as indenizações dos aposen tados demitidos injustamente por ele, precatórios e dividas com o INSS. Os d ocu mentos oficiais seguem com essa carta. Tr ezen tos mil e não um milhão, como ele afirmou que gastei no Carnaval. Sendo 140 mil dos cofres públicos e o restante adveio de venda de ingressos na bilheteria, de camarotes, de bares e de patrocínios. Se o indivíduo mente no jornal escrito, imagino o perigo no boca-a-boca com o p ov o na p or ta d e su a casa. Vamos tomar cuidado com as mentiras. Carnaval apelidado de Milionário por sua grandiosidade e beleza. Alegrou, movimentou a cidade e o comércio. O povo gosta e aprova. Chiaperini faz e faz bem feito com segurança e qualidade. 2- Boa parcela da população gosta de festas populares como car-

naval, desfiles no aniversário da cid a d e, sho ws, Reis, Susa, réveillon na Praça e etc. Em tempos de crise como fazer festa sem dinheiro? Carnaval é a primeira festa do ano, em 2017 vai ter? Desfile no dia da cidade é fundamental. É a cultura, é a história da cidade e do país nas ruas. São as crianças e os professores se preparando o mês inteiro para trazerem para a avenida o enredo, as coreografias, as representações os trajes etc. O esporte com seus atletas mostrando su as co n q u istas. São apresentados o comércio, as empresas e a economia da cidade. Os desfiles alegóricos, com nossas fanfarras e bandas, com os cavaleiros, os jipeiros, a melhor Idade. O povo se diverte e aprende. Recebemos visitantes e auto ridades. Mostramos quem somos. Evento riquíssimo e que custa pouco dinheiro. Assim fizemos, inclusive os shows, os eventos e o que agrada as pessoas. Contem comigo e com o Carlim Wiezel. 3 -A Banda é um exemplo que se algo é bem gerido, se mantém e pode até melhorar de administração para administraçã o . Se o

senho r( a ) f o r eleito , qual marco quer deixar neste setor de esporte, turismo, cultura e lazer? O meu diretor de Cu ltur a foi o maestro Maurilio de Oliveira, que dirigiu uma boa equipe. Com a ajuda de seus projetos culturais, conseguimos mais de um milhão em investimentos na Cultura. Além das obras que co n str u ímo s, co mo o Centro Cultural, o espaço Mogiana, entre outras, necessárias. A Banda recebeu substancial recursos para aquisição de instrumentos e contratação de professores. O DVD com Guilherme Arantes foi um sucesso, além de todas as premiações conquistadas. Fizemos o Projeto do Teatro Municipal. Agora vamos construí-lo. Será um belo ambiente co m tr ezen to s lu gares co n f o r táv eis e p alco ap r o p r iado . Far emo s apresentações, festivais etc. Essa poderá ser uma das nossas marcas, mas terão mais.


PÁGINA 14

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

OS CANDIDATOS

O Poder do vice-prefeito (IV) Nas eleições de 1968, candidaturas a Prefeito e Vice vieram atreladas pela primeira vez na história do país. Como vimos na edição anterior, Zé Ferraz e João de Oliveira fizeram dobradinha pela Arena. Outra dobradinha, do mesmo partido teve presença mais alentado no resultado final daquelas eleições: Moacyr Juns e Zé Pereira. Pelo MDB, Elias Baú uniu-se a Vergínio Melloni. Em outra sublegenda, o partido lançou Orvaldo Sério, acompanhado por José Queiroz que havia sido vereador no início da década. Já vimos na presente série que Vergínio acompanhou Lage em 1951, e se elegeu prefeito em 1959 (Cássio Cunha foi eleito vice). Elias Baú sabia do prestígio junto à Fazenda Amália que Melloni desfrutava, e, ao escolhê-lo, tinha exata noção do peso que esse prestígio teria junto ao eleitorado. As colônias da Fazenda Amália ainda existiam, e os candidatos tinham que visitá-las na campanha. Baú tinha acabado de passar por uma quando chega a comitiva do Moacyr/Zé Pereira com candidatos a vereador, Márcio Guimarães (Bolão) despontando. Já não havia povo no local, só 3 ou 4 crianças. O chão, forrado de papéis de bala. Bolão sugeriu a Zé Pereira (que além de candidato a vice era financiador da campanha de Moacyr) a compra de 5, 10, 15, 40 quilos de bala pra distribuir também. “Comprar bala coisa nenhuma!”, rebateu o vice.

O veterano João Rolinha vai usar a mesma foto na sua 8ª campanha

Falando com exclusividade ao Jornalzão, João Rolinha – veterano em eleição a vereador – destaca uma foto que lhe dá sorte e diz que o que mais o deixa triste ‘é ver uma mãe com filho doente nos braços’ Dos candidatos a vereador que ora se apresentam, João Manoel Ferreira (João Rolinha) é um dos mais veteranos. Eleito pela primeira vez em 1988 (segundo mais votado), com 170 votos, ele começou carreira profissional aos 16 anos, como auxiliar de pedreiro na usina Amália. Nascido em Cajuru, mudou-se para Santa Rosa por volta de 1960. - Comecei na polítiBolão escreveu ca dentro da usina Amália. Os colegas me incenti‘manifesto’ desafiador varam a entrar. Eu falei que não gostava disso, mas A presença de Melloni na chapa dava a Baú o eles insistiram. Nem pedi ânimo de se dizer ‘candidato da Fazenda Amália’, o voto, só os empregados da que na época significava vitória certa. Sabendo disso, usina me elegeram. Bolão escreveu, para Moacyr e Zé Pereira assinarem, Uma foto o acompaum ferino ‘manifesto’ distribuído largamente pelo muninha desde aquela eleição, cípio. Na abertura do mesmo, um desafio: se Baú/ Vere ele pretende utilizá-la gínio, “que se dizem candidatos da Fazenda Amália” outra vez. conseguissem, até 5 de novembro daquele ano, (a elei- Eu só tinha essa ção ocorreria 10 dias depois) “pagar a importância confoto, e usei ela na primeira tida no processo 180/67 que se acha no TRT/SP, movicampanha. Me deu muita do pelo Sindicato (da alimentação) contra a Fazenda Amália, reintegração imediata de todos os trabalhadores que respondem a inquérito administrativo, pagamento de todo tempo parado, desde 29/10/66 até a presente data, (...), nós, Moacyr Juns e José Aparecido Pereira, retiraremos nossas candidaturas e passaremos a apoiar os candidatos que se dizem da Fazenda Amália, em homenagem aos trabalhadores de nossa terra e principalmente em respeito às famílias pobres que estão na extrema miséria”. Os desafiados não deram atenção ao desafio, a Fazenda Amália perdeu a causa e Moacyr/Zé Pereira perderam a eleição, apesar dos 1.504 votos obtidos. Baú/ Vergínio levaram 1.953, Orvaldo/Zé Queiroz, 939, e Zé Ferraz/ João de Oliveira, 95.

sorte, eu gosto muito dessa foto. Alegria de trabalhar com os operários Em sua oitava campanha consecutiva, diante da pergunta sobre de que mais se orgulha na carreira política, ele diz com simplicidade. - O que eu senti mais, como vereador, é a alegria minha de trabalhar com os operários dentro da usina e na Fermenta. Meus amigos era tudo dali. Eu sempre gostei de ficar no meio dos mais humildes. Na segunda campanha, Rolinha foi o vereador mais votado, com 197 votos. Quando se elegeu para o terceiro mandato (1997 – 2000) deixou a Fermenta, para onde foi depois da usina. - O Decão (en tão prefeito) me nomeou de secretário do esporte, mas eu não ganhava nada. Até fui eu que coloquei aquelas telas no campo de futebol; o povo reclamava muito que caia bola nas casas, e cachorro brabo não deixava pegar a bola.

O candidato com a foto que lhe dá sorte

“É triste ver uma pessoa desempregada” João Ro linh a, 72 anos, diz que o que mais o magoou na vida foi o fim da fábrica de sabonetes, por causa dos 600 empregos fulminados. Sobre sua atuação como vereador, destaca. - Vereador é muito cobrado. Mas a cobrança do povo eu procurava atender naquela maneira que tinha jeito. Primeiro ia na assistência social, no prefeito, ia com tudo! Onde não tinha jeito, eu falava pro pessoal, ‘ó pessoal, não tem jeito!’ Eu procurava atender o povo, os pedidos dele, eu deixava a pessoa sempre contente e alegre, nunca magoado. Sobre mágoa, ele des-

taca a que mais o aborrece. - O que me deixa triste é ver uma mãe com filho doente nos braços! Seus planos para um novo mandato contemplam novas indústrias para o município. - Olha, o mais que o povo tá precisando é de indústria pra trabalhar. É triste ver uma pessoa desempregada. Pra trazer indústria, você tem que ir em São Paulo e jogar duro com os deputados. Os deputados são muito ligados ao governador, então você tem oportunidade de trazer, né? Igual Santa Rosa, você tem o Nogueirinha, o Gasparini. Tem bastante deputado aí que pode trazer as indústrias pra Santa Rosa.


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

PÁGINA 15


PÁGINA 16

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

PÁGINA 17


PÁGINA 18

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

VERSO E PROSA por Evandro Junior Santa Rosa se comoveu A Região se emocionou A história do garoto Guga Que pra longe o Pai levou A mãe lutou na Justiça A solidariedade do Povo O Garoto que estava no Estados Unidos Vai estar com a gente de Novo Na Cidade que Segundo o Ideb é uma das melhores da Região Se aqui está melhor, imaginem em São Simão... Eu não imagino Já fiquei sabendo Candidato Celåo está se remoendo Ficha Suja não poderá concorrer ao Pleito Tá fazendo Campanha Mas não pode ser Eleito Vai ficar só com a lembrança de que um dia foi Prefeito Coletivo Biquirim faz grande Evento em Nhumirim Muitos Artistas no Palco Que continuem assim Candidatos à Prefeitura Falam de Esporte, Lazer e Cultura Criatividade terão que ter Equipe e parceiros Agradar o Povo não é fácil Ainda mais sem dinheiro Santa Rosa fez 106 anos Quantas fases ela viveu? Altos e baixos nessa Jornada Será que o nosso Povo aprendeu? Fazer o dever de Casa e Cobrar pelo o que é seu? Uma Cidade tão linda Hospitaleira... Sua recepção encanta a nossa Região Inteira A alegria daqueles que vem de fora E tem gente daqui que prefere ir embora Eu não! Prefiro ficar aqui Caçando Tirisco E pescando uns Lambari E ainda de Quebra tocando uma viola O Evandro Jr só não consegue mais bater aquela bola...

PÁGINA 19

Aniversário de 106 anos de Santa Rosa é comemorado no Espaço Mogiana Pelo segundo ano seguido, a comemoração de aniversário de Santa Rosa, foi realizada no Espaço Mogiana, no último domingo (4), pela prefeitura e a Fundação Cultural. A solenidade começou por volta das 9 da manhã, com a Banda Sinfônica local, que tocou além de vários clássicos em versões instrumentais de músicas populares, o hino nacional brasileiro. Logo na sequência, o Prefeito Cassinho parabenizou Santa Rosa, "Hoje é um dia muito especial, nossa querida cidade comemora mais um ano de emancipação política, com uma história rica, com um povo ordeiro, trabalhador e honesto." Para finalizar seu discurso, elogiou os projetos que iriam se apresentar para o público, são financiados pelo dinheiro público e desenvolvidos em parceria entre Departamento de Cultura, Esporte e Lazer e Departamento de Desenvolvimento Social. "Em vez d e f azer carnaval e rodeio, que são festas importantes, popula-

res e que eu gosto muito, mas que trariam resultados em apenas dois ou três dias, investimos esse dinheiro em projetos que mantém mais de 1500 crianças envolvidas com lazer, cultura, esporte e arte". O primeiro projeto apresentado foi a Capoeira, com o mestre Clodoaldo Martins. Seguindo o cronograma, foi a vez dos alunos da Escola de Circo, que se divertiram com per-

nas de pau, malabares, movimentos de ginástica, equilibrismo e tecido acrobático. As últimas apresentações foram musicais, pri-

meiro com a FAMUSA, seguido dos alunos do projeto de dança de salão e de rua, e pra finalizar a Banda Prof. Renato Massaro.


PÁGINA 20

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

EDITAL DE PROCLAMAS PARA CASAMENTO EDITAL DE PROCLAMAS nº. 2255 Faço saber que pretendem se casar e apresentam os documentos exigidos pelo artigo 1.525, nº. I III e IV do Código C ivil, os pretendentes: // LEONARDO DONIZETI UMBERLINO e FERNANDA FRANC ISC A LOUREIRO //. Ele, natural de Ribeirão Preto, Estado de São Paulo, nascido aos vinte e três (23) de agosto de um mil novecentos e noventa e quatro (1994), profissão pintor, estado civil solteiro, domiciliado e residente à Rua Pestalozzi, 313, Monte Alto, na cidade de Santa Rosa de Viterbo, Estado de São Paulo , filho de EDSON BENITES UMBERLINO e de do na APARECIDA ROSA VALENTIM. Ela, natural de Barretos, Estado de São Paulo, nascida aos doze (12) de outubro de um mil novecentos e noventa e cinco (1995), pro fissão do lar, estado civil divo rciada, domiciliada e residente à Rua Pestalozzi, 313, Monte Alto, na cidade de Santa Rosa de Viterbo, Estado de São Paulo , filha de ALFREDO JOSÉ LOUREIRO e de do na SELMA PEREIRA DOS SANTOS. EDITAL DE PROCLAMAS nº. 2256 Faço saber que pretendem se casar e apresentam os documentos exigidos pelo artigo 1.525, nº. I III e IV do Código C ivil, os pretendentes: // PAULO SÉRGIO FARIA PUGNAGHI e FRANC IELLY C AMILA DE LIMA FEDEL //. Ele, natural de São Simão, Estado de São Paulo, nascido aos primeiro (01) de outubro de um mil no vecentos e no venta e dois (1992), profissão ajudante de produção , estado civil solteiro, domiciliado e residente à Rua João Luiz Pozzato, 219, Jardim Primavera, na cidade de Santa Ro sa de Viterbo, Estado de São Paulo, filho de DARCI PUGNAGHI e de do na MARIA LUC IA FA RIA PUG NAGH I. Ela, natural de Santa Rosa de Viterbo, Estado de São Paulo, nascida aos trinta (30) de março de um mil novecento s e no venta e cinco (1995), pro fissão recepcionista, estado civil solteira, domiciliada e residente à Rua João Luiz Po zzato, 219, Jardim Primavera, na cidade de Santa Rosa de Viterbo, Estado de São Paulo, filha de FRANCISC O CAMILO FEDEL e de dona JANETE FERNADES DE LIMA. EDITAL DE PROCLAMAS nº. 2257 Faço saber que pretendem se casar e apresentam os documentos exigidos pelo artigo 1.525, nº. I III e IV do Código C ivil, os pretendentes: // ALDEMIR GERALDO C RISPIM DA C RUZ e DÉBORA DE OLIVEIRA FIORENTINI //. Ele, natural de Ribeirão, Estado de Pernambuco, nascido aos vinte e quatro (24) de dezembro de um mil novecentos e oitenta e três (1983), profissão soldador, estado civil solteiro, domiciliado e residente à Rua 9 de Julho, 113, Centro, na cidade de Santa Rosa de Viterbo, Estado de São Paulo , filho de JOÃO C RISPIM DA C RUZ e de do na SEVERINA ALVES DA SILVA. Ela, natural de Jaboticabal, Estado de São Paulo, nascida aos vinte e um (21) de maio de um mil novecentos e oitenta (1980), profissão vendedora, estado civil solteira, domiciliada e residente à Rua 9 de Julho, 113, Centro, na cidade de Santa Rosa de Viterbo, Estado de São Paulo, filha de ANGELO HUMBERTO FIORENTINI e de do na SOLANGE APA REC IDA OLIVEIRA. EDITAL DE PROCLAMAS nº. 2258 Faço saber que pretendem se casar e apresentam os documentos exigidos pelo artigo 1.525, nº. I III e IV do Código C ivil, os pretendentes: // ALOÍSIO MAZZARO e MAGDA NAIARA JUNS //. Ele, natural de Moco ca, Estado de São Paulo, nascido aos primeiro (01) de julho de um mil no vecentos e oitenta e o ito (1988), profissão comerciante auto nomo , estado civil solteiro, domiciliado e residente à Rua Rio Grande do Sul, 88 CX 2, Vila Santa Rosa, na cidade de Mococa, Estado de São Paulo, filho de ISMAEL MAZZARO e de do na SONIA APARECIDA EVANGELISTA MAZ ZARO. Ela, natural de São Simão, Estado de São Paulo , nascida aos sete (07) de julho de um mil novecentos e noventa e um (1991), profissão professora, estado civil solteira, domiciliada e residente à Rua Ro berto Armbrust, 678, Luiz Gonzaga, na cidade de Santa Rosa de Viterbo, Estado de São Paulo , filha de C IC ERO BRANT JUNS e de do na SOLANGE APAREC IDA PINHEIRO JUNS. Se alguém souber de algum impedimento ao casamento de algum dos contraentes acima, oponha-o na forma da lei. Eu, Gisele Calderari Cossi - Oficial.


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

Fernando Sanfoneiro, quem te viu e quem te vê!

PÁGINA 21

Apesar do público menor, Coletivo Biquirim gostou do ‘3º Ramal Cultural’ Marcelo Zílio

Rubinho, Fernando, Rosely e Fernando sanfoneiro, no último domingo em Campinas Dois professores de matemática ficaram na memória de quem passou pelas salas de aula do Ginásio Estadual ‘Conde Francisco Matarazzo’, hoje simplesmente ‘Conde’. José Fernando Correia do Amaral e sua mulher Rosely chegaram à cidade em meados da década 1960 e se foram pra Campinas em 1969. Ambos entraram na onda do basquetebol, graças às quadras da JAS e do ‘Conde’ inauguradas em 1965 e no ano seguinte, respectivamente. Rosely no time das professoras da escola, e Fernando, no ‘Alvorada’ que treinava sempre antes do sol nascer contra o congênere ‘Madrugada’. Não tardou e o professor revelou seus dotes musicais. Ele não gostava de ser chamado de sanfoneiro. Abria o dicionário para ensinar seus alunos que era acordeão, e não sanfona, o nome do instrumento que ele tocou no conjunto ‘Geremias & seus profetas’. Mas não adiantou: que se lembra dele, ainda o identifica por ‘Fernando sanfoneiro’. Violão também é sua praia, e tal atributo levou o filho a aprender o instrumento. Hoje ele empunha a guitarra na condição de ‘um dos melhores de São Paulo’, no dizer de quem entende do assunto. O Casal esteve em Campinas, domingo passado, para assistir ao show do conjunto ‘Quebra Cuia’ que, além de Fernando Correa na guitarra, tem Rubinho Antunes no trompete. Ambos passaram parte de suas vidas residindo em Santa Rosa.

Vendo 100 caixas papel reciclado A4 50 caixas de envelope 24x34 (de papel reciclado) 10 caixas de papel reciclado A3 R$ 12 mil o lote (só vendo o lote fechado). Tratar 16 9.9164-4623

O ‘3º Ramal Cultural’, evento de música e arte realizado pelo Coletivo Biquirim em frente à estação de Nhumirim, no último sábado, teve plateia maior que o primeiro, mas muito menor que no do ano passado. - Calculamos, neste ano, umas 500 pessoas circulantes dentre as que chegaram cedo e mais pro fim do evento – informa Maria Augusta M. Lagoeiro, do CB. O grupo calculou 400 presentes no primeiro evento, em setembro de 2014, e 1.200 no ano passado. Cinco bandas e três malabaristas embalaram a festa de 2016 que rolou entre 16 e 23h30. Além disso, houve venda de cervejas artesanais, de livros e guloseimas, exposição de fotografias e até tatuador trabalhando avo vivo. Uma aula de Ioga deu o start do evento pela manhã. Pouco depois das 16h00, Bia e Carlos subiram ao palco, e foram sucedidos pelo multi-instrumentista Samuel Mattos, pelo projeto Cajuína, quinteto Odara rap, terminando, às 23h30, com a banda Porão D’América. Intercaladas às apresenta-

Porão D'América fechou o evento ções musicais, intervenções circenses com a presença de ‘Mamute’ e irmãs Cola.

fazer tudo que nos propusemos. Segundo ela, o CB tem, hoje, cerca de 15 membros. Já foram 25. O De spesas pag as, grupo se reúne hoje para sobrou dinheiro - Segun- avaliar a produção de nodo Maria Augusta, dimi- vos eventos. nuiu o número de patroci- Este foi o Ramal nadores neste ano. que teve o maior custo, ten- Mas pagamos tudo, do em vista que locamos e temos dinheiro em caixa os banheiros químicos – – contabilizou para avaliar que foi ótimo e necessário. – Achamos que foi a me- Boa parte do custo veio da lhor das três edições do vendo de pizzas, caldo, caRamal. Estávamos mais misetas, canecas e pela organizados e conseguimos ‘pizzada’ que organizamos

DE OLHO NA CIDADE Escola Costa Bruno realiza exposição de trabalhos pedagógicos A Escola Professor 'José Roberto Costa Bruno' realizou na sexta-feira (2), a 1ª Exposição de Trabalhos Pedagógicos, com o intuito de aproximar a sociedade da escola. No evento os alunos apresentaram seus trabalhos e apresentações de dança e teatro para os pais que se reuniram na quadra da escola.

um fim de semana antes. O pintor Lafite Gomes disse ontem que não participou porque já havia assumido compromisso para a mesma data. - Caso contrário, eu estaria lá; gosto muito dessa resistência cultural que privilegia a boa música – destacou o artista que pintou – durante o primeiro Ramal – uma rosa saindo da parede da estação, e – no segundo – uma locomotiva viajando pela antiga ferrovia.


PÁGINA 22

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

CHICO XAVIER

SAUDADE DA FAZENDA AMÁLIA

Grupo Espírita “Bezerra de Menezes”

Grupo Escolar reuniu escolas isoladas

Ordenações humanas "Sujeitai-vos, pois, a toda ordenação humana, por amor do Senhor." (I Pedro, 2:13.) Certos temperamentos impulsivos aproximando-se das lições do Cristo presumem no Evangelho um tratado de princípios destruidores da ordem existente no mundo. Há quem figure no Mestre um anarquista vigoroso, inflamado de cóleras sublimes. Jesus, porém, nunca será patrono da desordem. A novidade que transborda do evangelho não aconselha ao espírito mais humilhado da Terra a adoção de armas contra irmãos, mas, sim, que se humilhe ainda mais, tomando a cruz, a exemplo do Salvador. Claro está que a Boa Nova não ensina a genuflexão ante a tirania insolente; entretanto, pede respeito às ordenações humanas, por amor ao Mestre Divino. Se o detentor da autoridade exige mais do que lhe compete, transforma-se num déspota que o Senhor corrigirá, através das circunstâncias que lhe expressam os desígnios, no momento oportuno. Essa certeza é mais um fator de tranquilidade para o servo cristão que, em hipótese alguma, deve quebrar o ritmo da harmonia. Não te faças, pois, indiferente às ordenações da máquina de trabalho em que te encontras. É possível que, muita vez, não te correspondam aos desejos, mas lembra-te de que Jesus é Supremo Ordenador na Terra e não te situaria o esforço pessoal onde o teu concurso fosse desnecessário. Tens algo de sagrado a fazer onde respiras no dia de hoje. Com expressões de revolta, tua atividade será negativa. Recorda-te de semelhante verdade e submete-te às ordenações humanas por amor ao Senhor Divino. Emmanuel Página extraída do livro "Caminho, Verdade e Vida" - Psicografia de Chico Xavier.

O Conde Francesco Matarazzo comprou a Fazenda Amália, em 1920, junto com dois sócios, mas pouco agiu em seu desenvolvimento posterior. Assim que adquiriu, 11 anos depois, as partes dos sócios, passou a administração dela para seu filho, também conde, Francisco Matarazzo Jr. Cou be a este um robusto acréscimo nas atividades industriais. Tal sucesso acompanhou-se da necessidade de cuidados com a vida dos milhares de colonos que trabalhavam na propriedade. A década de 1940 viu nascer a fábrica de conservas da fazendinha, o que criou maior número de empregos. Em 1942 fo ram con str uído s, ao mesmo tempo, o Cine Don Juanico – com reforma do estádio ‘Ermelino Matarazzo’ (anexo a ele) –, o

Professoras da escola, em 1952. Artemira Andrade, Dinorá (de Cajuru), Otília Guardiano, Maria Helena H. Ribeiro, Aparecida Bozzo e Mercedes P. Morgon

hospital Santo André e o Grupo Escolar da Fazenda Amália. Q uan d o a escola completou 50 anos, um livreto foi editado por sua

direção, contando a história da mesma: “As primeiras escolas do município foram iniciativa particular. As estaduais vieram depois. Na Amália havia qua-

tro escolinhas rurais funcionando em duas salas anexas ao velho cinema. Uma quinta foi criada e instalada em pequena sala da Colônia Branca”.

Aluno não esquece descoberta do giz-de-cor O número crescente de crianças em idade escolar provocou campanha pela construção de um prédio para o Grupo Escolar, lançada por professoras que o livreto nomeia: Guiomar Silva, Maria de Morais Boccacini, Wolmar Ribeiro Balbão, Jovita Ludovice Ribeiro e Josefina Farignoli. O então diretor da Amália, José Venoza, determinou que o imigrante japonês Tamaki Kawasaki ‘providenciasse a escolha do local adequado para a construção da nova escola’. Em 1942 Francisco Matarazzo Jr. cedeu o prédio à Secretaria da Educação que criou uma nova unidade escolar. “Por decreto de 15/12, publicado em 17/17/1942, foi criado este Grupo Escolar, de 4ª categoria, 2º estágio, com a anexação das escolas de 1ª, 2ª, 3ª, 4ª e 5ª mistas rurais isoladas da Fazenda Amália”. Em 1976 o GE da Amália virou EEPG. O livreto registrou também relatos de ex-alunos. Dentre eles, José Antônio do Carmo (Custódio) contou que a professora Dinorah permitiu, num final de ano, com exames finais já realizados, que os alunos desenhassem na lousa com giz-de-cor. “Eu tomei conta de uma parte da lousa e fui desenhando, desenhando... quando dei por mim, vi uma porção de pessoas ao fungo da classe, entre elas, a maioria dos professores, admirando o desenho. Eu não sabia que podia fazer desenhos que fossem admirados por tantas pessoas”. Custódio virou calígrafo de renome regional.


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

PÁGINA 23


PÁGINA 24

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

PÁGINA 25


PÁGINA 26

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

PÁGINA 27

Circuito Cultural Paulista apresenta grupo de breaking dance

Livro conta a história do jornalista mais premiado do Brasil

O grupo de dança "BIOARTE" - Inteligência Ambiental é a atração do Circuito Cultural paulista de setembro em Santa Rosa. A Apresentação será dia 17 de setembro, às 20 horas no Centro Cultural Municipal. O espetáculo busca por meio da linguagem da dança urbana BREAKING sensibilizar o público acerca dos problemas ambientais que nos afetam.

Lançamento terá a presença de Zé Hamilton na livraria Saraiva em Ribeirão Preto

Curso de Caligrafia Estão abertas as inscrições para o curso de caligrafia artística. Muito mais do que escrever de bem, essa técnica possui várias aplicações profissionais como convites de casamento, etiquetas, cartões, envelopes, objetos pessoais, usos diversos no design gráfico, ilustração, tatuagem e muito mais. Orientados pelo calígrafo santa-rosense Reginaldo de Melo, as aulas são segundas ou quartas feiras, das 19 às 22h, no Centro Cultural.

Aula de Capoeira A Fundação Cultural disponibiliza aulas de capoeira na Associação Filhos África Brasil (Franco Montoro) e na quadra esportiva "Ká Coelho" (COHAB IV) - Centro Cultural Municipal. Para mais informações, 3954-8866 / 8884 / 1105.

Cinema em Nhumirim O programa Pontos Mis (Museu da Imagem e do Som) em parceria com a prefeitura municipal exibirá em Nhumirim o longa-metragem "Que Horas Ela Volta". O telão de cinema será montado na antiga estação ferroviária de Nhumirim e a exibição terá inicio às 19h.

O menino nascido na pequena Santa Rosa de Viterbo, que, desde cedo, d emo n str av a vo cação para o jornalismo e a literatura. Para estudar, morou em Casa Branca, São Simão, Ribeirão Preto e Franca. Muitos anos depois, já jornalista consagrado no Brasil, voltou a morar em Ribeirão Preto para modernizar a imprensa, em pleno período da ditadura militar, revelan do n o mes q ue, até hoje, são destaques no jornalismo nacional. Este jornalista é José Hamilton Ribeiro.

to do qual foi o único repórter brasileiro a cobrir e que o tornou um nome nacional pelo acidente sofrido, ao pisar numa mina terrestre e perder parte da perna esquerda. Mas a ob ra se pr op õe a ir além do Zé correspondente de guerra. Procura explicar o motivo de, entre os jornalistas de sua geração, provavelmente a mais brilhante da história da imprensa brasileira, ele ser o único a ficar tanto tempo na reportagem, mesmo com o avanço da TV e, posteriormente, da internet.

Todas as suas histórias estão resgatadas no livro “O jornalista mais premiado do Brasil – a vida e as histórias do repórter José Hamilton Ribeiro” (Editora Ekográfica), escrito pelo também jornalista Arnon Gomes. A obra que conta a história de Zé Hamilton será lançada no sábado, 17 de setembro, em Ribeirão Preto. Autor e biografado estarão na Livraria Saraiva – no Shopping Santa Úrsula – das 17h às 20h. Eles farão uma sessão de autógrafos e vão conversar com o público.

Há 36 anos, ele é repórter do programa Globo Rural. Procura desvendar quais os macetes que o tornaram o jornalista brasileiro com o maior número de prêmios. E mais: resgata su as r epo r tagen s inesqu ecíveis, em momentos cruciais da vida brasileira, e o legado que deixou. Toda essa saga é contada com depoimentos do próprio biografado e também de pessoas que conviveram com ele. São jornalistas, que, assim como o biografado, possuem grandes trajetórias, além de amigos e familiares. Bastante ilustrado, o livro é dividido em dez capítulos e tem 260 páginas. O prefácio é de autoria do também jornalista Sérgio Dávila, editor-executivo da Folha de S. Paulo e genro de José

O livro é lançado após pelo menos três efemérides que marcam a carreira do biografado: 80 anos de idade, 60 de carreira e 40 do término da Guerra do Vietnã, confli-

Hamilton. Sobre o autor - Arnon Gomes é jornalista, nascido em Santos (SP), em 25 de fevereiro de 1983. É editor-chefe do jornal “Folha da Região”, de Araçatuba (SP). Tem pós-graduação em História e Cultura e é autor de outros dois livros "Com véu de alegoria - cem anos de carnaval em Araçatuba" (Somos, 2008) e "Genilson Senche, homem de ideias e ação" (Somos, 2011). É membro da Academia Araçatubense de Letras. Música Caipira No mesmo evento, Zé Ha-

milton irá autografar seu mais recente livro, “Música Caipira”, relançado no ano passado pela editora Realejo Livros e que traz um CD com canções que marcaram época. O livro conta a história de grandes nomes do gênero e das 270 maiores modas de viola. Para Zé, a música caipira é uma crônica da vida no Brasil. É o registro da vida do homem – seus conflitos, paixões, trabalho, diversão, franquezas, pontos de honra. O repertório acumulado mostra-se, assim, como um respeitado documento histórico de certa porção do Brasil.


PÁGINA 28

Lixão aberto da Ângelo Sordi A rua Ângelo Sordi, na altura do bairro, ainda está sendo usada por moradores como depósito de lixo a céu aberto. O volume de entulho e sujeira arremessados no local cresce a cada dia. Moradores próximos da rua cobram fiscalização e ação da prefeitura para barrar o lixão. "Já não basta o problema da poeira e da Dengue e vem isso. Daqui a pouco não saberemos mais o que é rua e o que é lixo", disse um morador.

Eita "zé povinho porco" A cidade conta com eficiente serviço de coleta de lixo doméstico. Entulhos, nem tanto. Mas o tal do "zé povinho" não tá nem aí para a limpeza pública. Vive jogando lixo pelos arredores do bairro e terrenos baldios. Um dos locais frequentados ultimamente por ele tem sido a avenida Joaquina Custódia Ribeiro, altura do bairro Montorão- próximo ao trevão da Minascúcar. Lá o "zé povinho porco" tem deixado sua marca. Tem de tudo. Lixo doméstico, restos de móveis, animais mortos, pedaços de aparelhos eletroeletrônicos, restos de construção, etc. Eita "zé povinho porco", você nos envergonha!

FALA NOSSO TETO

Um pouco de ordem no caos

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

GRAMÁTICA NA MEDIDA Quando for comprar a sua TV, lembre-se: ela deve ser "em cores". E não "a cores". Pode lhe parecer uma dica sem importância, dada à quantidade de funções e itens mais importantes (e menos óbvios) do que esta (ser "em cores"). Porém, eu lhe digo que não: esse assunto se chama "regência nominal"; e não "cai" em provas e concursos: "despenca"! Fique de olho!

Esta semana a recém-construída rotatória da avenida Joaquina Custódia Ribeiro, recebeu sinalização de trânsito. A medida coloca um pouco de ordem no caos viário no qual a avenida está mergulhada. O principal motivo é a não abertura da mão de direção que flui no sentido centro-bairro, na altura do bairro Montorão. Problema que obriga os motoristas a viajarem nas duas mãos de direção simultaneamente. A solução definitiva do problema é a construção de cerca de 100 metros de extensão de pavimentação asfáltica, até o "trevão da Minasçúcar" para liberar a via. A placa de sentido único colocada esta semana na rua Agostinho Tavares Pereira, esquina com a avenida Joaquina Custódia Ribeiro, é um sinal de melhora na segurança dos motoristas e pedestres naquela região.

Aline Vilela é professora da rede privada de ensino e corretora de vestibulares. #gramáticanamedida


JORN ALZÃO ÃO- E DClélia OOJ ORNALZ . 1.064 Zanardo - 10/09/2016 E D IÇ ÃO 1.064 10/09/2016

cleliazanardo@bol.com.br

SOCIAIS

APACOS Associação Paulista dos Colunistas Sociais

PÁGINA PÁGINA 29 Informe Publicitário

29


PÁGINA PÁGINA30

30

APACOS Associação Paulista dos Colunistas Sociais

SOCIAIS

O JORN ALZ ÃO OClélia JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016 Zanardo cleliazanardo@bol.com.br

E D IÇ ÃO 1.063 1.043 03/09/2016 16/04/2016


O J ORNALZ ÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

PÁGINA 31


PÁGINA 32

O JORN ALZÃO - E D . 1.064 - 10/09/2016

O Jornalzão, edição 1064  
O Jornalzão, edição 1064  

Jornal semanal de Santa Rosa de Viterbo

Advertisement