Page 1

“VOCÊ JAMAIS SERÁ LIVRE SEM UMA IMPRENSA LIVRE.” — VENELOUIS XAVIER PEREIRA

82 ANOS

Fortaleza, Ceará, Terça-feira, 16 de abril de 2019  Edição No 23.515  Fundado em 24 de setembro de 1936  82 Anos

R$ 2,00

NACIONAL7

ARTE20

MUNDO10

ESPORTES19

ECONOMIA15

COMISSÃO VAI REVER POLÍTICA CRIMINAL

“PAIXÃO DE CRISTO” NO PAULO SARASATE

POPULAÇÃO DE OLHO NO INCÊNDIO

BARCELONA BUSCA VENCER UNITED

PIB CEARENSE TEM QUEDA NA PREVISÃO

ON-LINE www.oestadoce.com.br

ASSISTA AOS VÍDEOS twitter @oestadoce DA TV O ESTADO facebook jornaloestado

Catedral de Notre-Dame é atingida por grande incêndio FOTO AP PHOTO / MICHEL EULER

O fogo foi visto no topo da construção, nas torres principais da estrutura e atraiu os olhares aflitos de turistas e franceses

Estrutura principal da Catedral de Notre-Dame está parcialmente salva

FOTO BETH DREHER

O chefe dos Bombeiros de Paris, após intensos trabalhos para conter as chamas, garante que a estrutura principal do templo não foi afetada pelo incêndio, mas os trabalhos continuam ao longo do dia. ÚLTIMAS12

97 71809

304002

51

chamas”. O perímetro em torno da Île de la Cité, onde fica a igreja, foi isolado por policiais. Na ponte Saint Michel, a 100 metros da torre, centenas de pessoas tiravam fotos e faziam vídeos por volta das 19h50, quando as chamas ainda aparentavam estar fora de controle. Por volta das 20h20 (15h20 no Brasil), quando a reportagem conseguiu ter acesso à praça em frente à catedral, o fogo parecia estar mais controlado, mas muita fumaça ainda saía da porção central do teto da construção. Na última sexta-feira (12), 16 estátuas de bronze que adornam os telhados da catedral foram retiradas para restauração. Segundo os bombeiros, o incêndio está “potencialmente relacionado” às obras na edificação. MUNDO11

RICARDO CAVALCANTE SERÁ ACLAMADO NOVO PRESIDENTE DA FIEC ECONOMIA

O senador passou por Fortaleza para articular sobre o projeto com outros parlamentares do Estado

Eduardo Girão afirma que venda de bebidas é retrocesso

ISSN 1 809-3043

A famosa Catedral de Notre-Dame, em Paris, foi atingida por um incêndio de grandes proporções nessa segunda-feira (15). Ainda não se sabe o que teria causado as chamas. Até o momento, as autoridades francesas tratam o caso como um acidente. O fogo foi visto no topo da construção, nas duas torres principais. Uma operação com mais de 100 bombeiros está em curso enquanto a área é isolada. Segundo o secretário de Estado do Ministério do Interior, Laurent Nunez, não há registros de feridos até o momento -o incêndio foi declarado às 18h50 (13h50 no horário de Brasília), segundo o porta-voz da catedral. Ele ainda informou que a estrutura que sustenta o telhado da igreja “está sendo devorada pelas

Nova diretoria terá mandato com início em setembro próximo até setembro de 2024. ECONOMIA14

NESTA EDIÇÃO

20 páginas

Famosa catedral em Paris foi atingida por um incêndio de grandes proporções; autoridades ainda investigam causas do começo das chamas. Catedral é símbolo arquitetônico da Europa

O parlamentar argumenta que a liberação comprometeria a presença de crianças e famílias nas arenas esportivas, causando efeitos negativos para o futebol cearense. Para ele, medida afastará público do futebol. GERAL17

PISO

Bolsonaro deve acabar política de aumento real para o salário mínimo, a partir de janeiro de 2020. 13

POLÍTICA

REFORMA

PDT terá contraproposta à previdência, diz deputado federal Mauro Filho, durante debate. 4


O ESTADO  Fortaleza, Ceará, Brasil  Terça-feira, 16 de abril de 2019

INFORME PUBLICITÁRIO

3


POLÍTICA


COMPANHIA DOCAS DO CEARÁ NIRE nº 23300003144

MINISTÉRIO DA INFRAESTRUTURA

ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA E ORDINÁRIA Convocação Ficam os Senhores Acionistas da Companhia Docas do Ceará convidados a comparecerem à reunião da Assembleia Geral Extraordinária e Ordinária a ser realizada às 15 h do dia 25.04.2019, em sua sede social, na Praça Amigos da Marinha, s/nº, Mucuripe, em Fortaleza, Estado do Ceará, a fim de deliberarem sobre a seguinte Ordem do Dia: ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA: I- Fixação da Remuneração dos Administradores e dos membros do conselho fiscal e do comitê de auditoria; ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA: II- Exame e votação do Relatório de Administração e das Demonstrações Financeiras, relativas ao exercício de 2018; III- Destinação do Resultado do Exercício de 2018; IV - Eleição de membros do Conselho Fiscal; V - Eleição de membros do Conselho de Administração. Fortaleza, 15 de março de 2019 Eduardo Rocha Praça Presidente do Conselho de Administração

VENTOS DE SANTA DIANA ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CNPJ:13.346.086/0001-50 Relatório da Administração Senhores Acionistas: Submetemos ao exame de V.Sas. o Relatório da Administração e as Demonstrações Contábeis da empresa Ventos de Santa Diana Energias Renováveis S.A. relativos ao exercício findo em 31 de dezembro de 2018. Maracanaú, 15 de março de 2019.

Balanço patrimonial Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) Notas

2018

2017

Ativo Circulante Caixa e equiv. de caixa Tributos a recuperar Despesas antecipadas

4

2.031 66 806 2.903

22.823 66 22.889

Não circulante Imobilizado Intangível

5 6

1.912.986 154.586 2.067.572 2.070.475

44.274 44.274 67.163

149.370 9.789 9.285 168.444

480 480

Total do ativo Passivo Circulante Fornecedores Tributos a pagar Partes relacionadas

7 12

Patrimônio líquido Capital social Prejuízos acumulados

8

3.560.000 1.221.500 (1.657.969) (1.154.817) 1.902.031 66.683

Total do passivo e patrimônio líquido

2.070.475

67.163

Notas Despesas operacionais Despesas gerais e administrativas Prejuízo antes do resultado financeiro Resultado financeiro Receitas financeiras Despesas financeiras Prejuízo do exercício

10

11 11

2018

2017

(499.804)

(342.184)

(499.804)

(342.184)

1 (3.349) (3.348) (503.152)

(2.194) (2.194) (344.378)

Demonstração do resultado abrangente Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) Prejuízo do exercício Outros resultados abrangentes Resultado abrangente do exercício

2018 (503.152) (503.152)

Demonstração das mutações no patrimônio líquido Exercícios findo em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) Saldos em 31 de dezembro de 2016 Capital subscrito Integralização de capital Prejuízo do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2017 Capital subscrito Integralização de capital Prejuízo do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2018

Demonstração dos fluxos de caixa Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais)

Demonstração do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais)

Capital social subscrito 2.430.000 2.430.000 2.000.000 4.430.000

Capital a integralizar (1.628.000) 419.500 (1.208.500) (2.000.000) 2.338.500 (870.000)

Prejuízos acumulados (810.439) (344.378) (1.154.817) (503.152) (1.657.969)

Fluxos de caixa das atividades operacionais Prejuízo do exercício Depreciação (Acréscimo) decréscimo de ativos e passivos Créditos a receber Fornecedores Tributos a pagar Partes relacionadas Caixa líquido nas atividades operacionais

Fluxos de caixa das atividades de investimentos 2017 Aquisição de imobilizado (344.378) Aquisição de intangível Caixa líquido nas atividades - de investimento (344.378) Fluxo de caixa das atividades de financiamento Integralização de capital Caixa líquido nas atividades de financiamento (Redução) aumento do caixa Total e equivalentes de caixa (8.439)

419.500 (344.378) 66.683 2. 338.500 (503.152) 1.902.031

Demonstração do aumento (redução) do caixa e equivalentes de caixa No início do exercício No fim do exercício Variação do caixa e equivalentes de caixa

2018

2017

(503.152) 34.072

(344.378) -

(806) 149.370 9.309 9.285

(220) (9.788)

(301.922)

(354.386)

(1.902.784) (154.586)

(44.274) -

(2.057.370)

(44.274)

2.338.500

419.500

2.338.500

419.500

(20.792)

20.840

22.823 2.031

1.983 22.823

(20.792)

20.840

Notas explicativas às demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) 1. Contexto operacional: A Ventos de Santa Diana Energias Renováveis S.A, “Companhia”, situado na Rod. Doutor Mendel Steinbruch, S/N , Km 08, sala 51 - Distr. Industrial, com sede em Maracanaú, Estado do Ceará, foi constituída em 22 de Fevereiro de 2011 e até a presente data não entrou em fase operacional. Para entrar em fase operacional a Companhia depende de reunir todos os pré-requisitos para participação de Leilão promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL e se sagrar vencedora para que possa obter autorização para estabelecer-se como produtor independente de energia elétrica. A Companhia tem por objeto social a geração, como produtor independente, de energia elétrica, a partir de fontes alternativas, predominantemente a eólica, destinada à comercialização na modalidade de produção independente de energia; e para consecução do objeto social, a implantação, administração e operação de centrais geradoras, bem como o desenvolvimento de projetos, a prestação de serviços de consultoria. A Companhia encontra-se em fase pré-operacional e no decorrer desta fase, seus acionistas cobrem as suas necessidades de caixa na forma de capital ou adiantamentos para permitir a liquidação de obrigações futuras referentes a conclusão da fase de instalação até que a operação atinja seu equilíbrio. 2. Base de preparação e principais práticas contábeis: 2.1 Declaração de conformidade: As Demonstrações contábeis foram preparadas conforme as práticas contábeis adotadas no Brasil incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPCs). Adicionalmente, a Companhia considerou as orientações emanadas da Orientação Técnica OCPC 07, emitida pelo CPC em novembro de 2014, na preparação das suas Demonstrações contábeis. Desta forma, as informações relevantes próprias das Demonstrações contábeis estão sendo evidenciadas, e correspondem às utilizadas pela Administração na sua gestão. A emissão das demonstrações contábeis foi autorizada pela Diretoria em 28 de fevereiro de 2019. 2.2 Moeda funcional e moeda de apresentação: Essas demonstrações contábeis estão apresentadas em Reais, que é a moeda funcional da Companhia. Todos os saldos foram arredondados para o milhar mais próximo, exceto quando indicado de outra forma. 2.3 Uso de estimativas e julgamento: A preparação das Demonstrações contábeis requer que a Administração faça julgamentos, estimativas e adote premissas que afetam a aplicação de políticas contábeis e os valores reportados de ativos, passivos, receitas e despesas. Os resultados reais podem divergir dessas estimativas. As estimativas e premissas são revisadas de forma contínua. As revisões das estimativas contábeis são reconhecidas prospectivamente. As informações sobre julgamentos críticos e incertezas referentes as políticas contábeis adotadas que apresentam efeitos sobre os valores reconhecidos nas Demonstrações contábeis estão incluídas nas notas explicativas. 2.4 Base de mensuração: As demonstrações contábeis foram preparadas com base no custo histórico. 2.5 Instrumentos financeiros: A Companhia classifica seus ativos financeiros sob as seguintes categorias: mensurados ao custo amortizado, mensurados ao valor justo por meio de outros resultados abrangentes e mensurados ao valor justo por meio do resultado. A classificação de seus ativos financeiros é feita no reconhecimento inicial e de acordo com a finalidade para a qual foram adquiridos. Em 31 de dezembro de 2018, a Companhia não possuía ativos financeiros classificados nas categorias de valor justo por meio de outros resultados abrangentes e mensurados ao valor justo por meio do resultado. A Companhia classifica seus passivos financeiros mensurados ao custo amortizado. A classificação depende da finalidade para a qual os passivos financeiros foram assumidos. Os passivos financeiros são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido de quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, esses passivos financeiros são medidos pelo custo amortizado através do método da taxa efetiva dos juros. Ativos e passivos financeiros são compensados e o valor líquido é reportado no balanço patrimonial quando há um direito legalmente aplicável de compensar os valores reconhecidos e há uma intenção de liquidá-los em uma base líquida, ou realizar o ativo e liquidar o passivo simultaneamente. Os principais ativos financeiros reconhecidos pela Companhia são: caixa e equivalentes de caixa. Os principais passivos financeiros reconhecidos pela Companhia são: fornecedores e partes relacionadas. 2.6 Redução ao valor recuperável (impairment): A Administração revisa anualmente o valor contábil líquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanças nas circunstâncias econômicas, operacionais ou tecnológicas, que possam indicar deterioração ou perda de seu valor recuperável. Sendo tais evidências identificadas e o valor contábil líquido exceder o valor recuperável, é constituída provisão para desvalorização ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável. O valor recuperável de um ativo ou de determinada unidade geradora de caixa é definido como sendo o maior entre o valor em uso e o valor líquido de venda. Na estimativa do valor em uso do ativo, os fluxos de caixa futuros estimados são descontados ao seu valor presente, utilizando uma taxa de desconto antes dos impostos que reflita o custo médio ponderado de capital para a indústria em que opera a unidade geradora de caixa. O valor líquido de venda é determinado, sempre que possível, com base em contrato de venda firme em uma transação em bases comutativas, entre partes conhecedoras e interessadas, ajustado por despesas atribuíveis à venda do ativo, ou, quando não há contrato de venda firme, com base no preço de mercado de um mercado ativo, ou no preço da transação mais recente com ativos semelhantes. 2.7 Ativo imobilizado: Os itens do imobilizado são mensurados pelo custo histórico de aquisição ou construção. O custo de ativos construídos inclui o custo de materiais e mão de obra direta, quaisquer outros custos para colocar o ativo no local, custos de empréstimos sobre ativos qualificáveis e condição necessários para que esses sejam capazes de operar da forma pretendida pela Administração. O custo de reposição de um componente do imobilizado é reconhecido no valor contábil do item caso seja provável que os benefícios econômicos incorporados dentro do componente irão gerar benefícios futuros e que o seu custo possa ser medido de forma confiável. O valor contábil do componente que tenha sido reposto por outro é baixado. Os custos de manutenção no dia-a-dia do imobilizado são reconhecidos no resultado conforme incorridos. Ganhos e perdas na alienação de um item do imobilizado são apurados pela comparação entre os recursos advindos da

alienação com o valor contábil do imobilizado, e são reconhecidos líquidos dentro de outras receitas no resultado. Depreciações: Itens do ativo imobilizado são depreciados a partir da data em que estão disponíveis para uso, ou no caso de ativos construídos internamente, a partir do dia em que a construção é finalizada e o ativo está disponível para uso. A depreciação é calculada sobre o custo dos ativos imobilizados ou outro valor substituto do custo. A depreciação é reconhecida no resultado baseando-se no método linear com relação às vidas úteis estimadas já que esse método é o que mais reflete o padrão de consumo de benefícios econômicos futuros incorporados no ativo. Terrenos não são depreciados. As taxas utilizadas estão de acordo com o Manual de Controle Patrimonial do Setor Elétrica (“MCPSE”), aprovado pelas Resoluções Normativas nº 367/2009 e 474/2012 pela ANEEL. Os métodos de depreciação, as vidas úteis e os valores residuais são revistos a cada encerramento de exercício e eventuais ajustes são reconhecidos como mudança de estimativas contábeis. 2.8 Receitas e despesas financeiras: Para todos os instrumentos financeiros avaliados ao custo amortizado e ativos financeiros que rendem juros, classificados como ativos financeiros ao valor justo, a receita ou despesa financeira é contabilizada utilizando-se a taxa de juros efetiva, que desconta exatamente os pagamentos ou recebimentos futuros estimados de caixa ao longo da vida estimada do instrumento financeiro ou em um período de tempo mais curto, quando aplicável, ao valor contábil liquido do ativo ou passivo financeiro. A receita de juros é incluída na rubrica receita financeira, na demonstração do resultado. As despesas financeiras abrangem despesas com juros sobre empréstimos, ajustes de desconto a valor presente das provisões e, variações no valor justo de ativos financeiros mensurados pelo valor justo por meio do resultado. Custos de empréstimo que não são diretamente atribuíveis à aquisição, construção ou produção de um ativo qualificável são mensurados no resultado pelo método de juros efetivos. 2.9 Imposto de renda e contribuição social: Ativos e passivos tributários correntes do último exercício e de anos anteriores são mensurados ao valor recuperável esperado ou a pagar para as autoridades fiscais. As alíquotas de imposto e as leis tributárias usadas para calcular o montante são aquelas que estão em vigor ou substancialmente em vigor na data do balanço nos países em que o Grupo opera e gera receita tributável. Imposto de renda e contribuição social correntes relativos a itens reconhecidos diretamente no patrimônio líquido são reconhecidos no patrimônio líquido. A administração periodicamente avalia a posição fiscal das situações nas quais a regulamentação fiscal requer interpretação e estabelece provisões quando apropriado. A Administração avalia, periodicamente, as posições assumidas pela Companhia nas apurações de impostos sobre a renda com relação às situações em que a regulamentação fiscal aplicável dá margem a interpretações; e estabelece provisões, quando apropriado, com base nos valores estimados de pagamento às autoridades fiscais. 2.10 Normas, alterações e interpretações que entraram em vigor em 2018: Adoção CPC 47 / IFRS 15 - Receitas de Contratos com Clientes: Substitui o CPC 30 / IAS 18 Receitas, o CPC 17 / IAS 11 Contratos de Construção e interpretações relacionadas. A Companhia adotou o CPC 47 / IFRS 15 a partir de 1º de janeiro de 2018, usando o método de efeito cumulativo (sem expedientes práticos), com efeito de adoção inicial da norma reconhecida na data da aplicação inicial (ou seja, 1º de janeiro de 2018). A adoção do CPC 47 / IFRS 15 não teve um efeito significativo nas políticas contábeis da Companhia relacionadas a ativos e passivos financeiros, visto que a Companhia encontra-se em fase pré-operacional. Adoção CPC 48 / IFRS 9 - Instrumentos Financeiros: A Companhia adotou inicialmente o CPC 48 / IFRS 9 Instrumentos financeiros, a partir de 1º de janeiro de 2018. O CPC 48 / IFRS 9 estabelece requerimentos para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns contratos de compra ou venda de itens não financeiros. Esta norma substitui o CPC 38 / IAS 39 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração. O CPC 48 / IFRS 9 retém em grande parte os requerimentos existentes no CPC 38 / IAS 39 para a classificação e mensuração de passivos financeiros. No entanto, ele elimina as antigas categorias do CPC 38 / IAS 39 para ativos financeiros: mantidos até o vencimento, empréstimos e recebíveis e disponíveis para venda. A adoção do CPC 48 / IFRS 9 não teve um efeito significativo nas políticas contábeis da Companhia. A Companhia não possui instrumentos financeiros derivativos. Adicionalmente, não se espera que as seguintes novas normas ou modificações possam ter um impacto significativo nas demonstrações contábeis da Companhia: • IFRS 16 Operações de arrendamento mercantil; • IFRS 17 Contratos de seguro; • Interpretação IFRIC 22 Transações em moeda estrangeira e adiantamento de contraprestação; e • Interpretação IFRIC 23 Incerteza sobre o tratamento dos tributos sobre a renda. O Comitê de Pronunciamentos Contábeis ainda não emitiu pronunciamento contábil ou alteração nos pronunciamentos vigentes correspondentes a todas as novas IFRS. Portanto, a adoção

antecipada dessas IFRS não é permitida para entidades que divulgam as suas Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. 3. Gerenciamento de riscos: A Administração é responsável pelo estabelecimento e supervisão da estrutura de gerenciamento de risco da Companhia. As políticas de gerenciamento de risco são estabelecidas para identificar, analisar e definir limites e controles apropriados, e para monitorar riscos e aderência aos limites. (i) Risco operacional: O risco operacional está relacionado com a paralisação de parte ou de todo o fornecimento esperado relacionado ao parque eólico. (ii) Risco de crédito: O risco de crédito de saldos com bancos e instituições financeiras é administrado pela tesouraria da Companhia de acordo com a política por este estabelecida. Os recursos excedentes são investidos apenas em instituições financeiras autorizadas e aprovadas pela controladoria, avalizadas pela Diretoria Executiva, respeitando limites de crédito definidos, os quais são estabelecidos a fim de minimizar a concentração de riscos e, assim, mitigar o prejuízo financeiro no caso de potencial falência de uma contraparte. (iii) Risco de liquidez: Risco de liquidez é o risco em que a Companhia irá encontrar dificuldades em cumprir com as obrigações associadas com seus passivos financeiros que são liquidados com pagamentos à vista ou com outro ativo financeiro. A abordagem da Companhia na administração de liquidez é de garantir, o máximo possível, que sempre tenha liquidez suficiente para cumprir com suas obrigações ao vencerem, sob condições normais e de estresse, sem causar perdas inaceitáveis ou com risco de prejudicar a reputação da Companhia. A Companhia possui ativos financeiros representados por caixa que resultam diretamente das integralizações dos acionistas. A Companhia não efetua aplicações de caráter especulativo, em derivativos ou quaisquer outros ativos de risco. A Companhia não possui em 31 de dezembro de 2018 exposições financeiras atreladas à moeda estrangeira. (iv) Risco de mercado: Risco de mercado é o risco que alterações nos preços de mercado, tais como as taxas de câmbio, taxas de juros e preços de ações, têm nos ganhos da Companhia ou no valor de suas participações em instrumentos financeiros. O objetivo do gerenciamento de risco de mercado é gerenciar e controlar as exposições a riscos de mercados, dentro de parâmetros aceitáveis, e ao mesmo tempo otimizar o retorno. A Administração da Companhia não efetua investimentos em ativos financeiros que possam gerar oscilações relevantes nos seus preços de mercado. 4. Caixas e equivalentes de caixa 2018 2017 Bancos 1.458 22.764 Aplicação financeira 573 59 Total 2.031 22.823 Aplicações financeiras correspondem a operações realizadas junto às instituições financeiras que operam no mercado financeiro nacional e possuem baixo risco de crédito, são remuneradas pela variação do Certificado de Depósito Interbancário (CDI) e estão disponíveis para utilização nas operações da Companhia, ou seja, são ativos financeiros com liquidez imediata. Estas operações têm vencimentos inferiores a 3 meses da data de contratação e com compromisso de recompra pelo emissor. 5. Imobilizado - Composição do imobilizado 2018 2017 Torres anemométricas (b) 1.743.571 Imobilizado em andamento (a) 169.415 44.274 Total 1.912.986 44.274 Movimentação do imobilizado Depre2017 Adições ciação 2018 Torres anemométricas (b) - 1.777.643 (34.072) 1.743.571 Imobilizado em andamento (a) 44.274 125.141 - 169.415 Total 44.274 1.902.784 (34.072) 1.912.986 (a) Refere-se à prestação de serviço de consultoria para certificação da energia em função da fase pré-operacional da Companhia. (b) Referem-se à compra de torres anemométricas para estudos e medições da energia eólica. 6. Intangível 2018 2017 Licenciamento ambiental (a) 154.586 (a) Refere-se à elaboração de serviços em engenharia ambiental na fase de desenvolmento do projeto eólico para obtenção de licenciamento final. 7. Fornecedores: Em 31 de dezembro de 2018, o saldo de fornecedores é de R$ 149.369 e refere-se, principalmente, à operação com a Empresa Saberes Consultoria Ltda. para serviços de licenciamento ambiental em 19 de dezembro de 2018. 8. Patrimônio líquido: Em 31 de dezembro de 2018, o capital social subscrito é de R$ 4.430.000 (R$ 2.430.000 em 2017) e está representado por 4.430.000 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. O capital social integralizado é de R$

3.560.000 (R$ 1.221.500 em 2017) e está representado por 3.560.000 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. Aumento de capital: De acordo com Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 26 de outubro de 2018, foi subscrito capital no montante de R$ 2.000.000 em sua totalidade e integralizado capital no montante de R$ 1.021.500 com entrada em caixa e equivalente de caixa. No exercício de 2018, foram realizadas integralizações de capital conforme boletins de integralizações no montante de R$ 1.317.000. 9. Prejuízos fiscais: Em 31 de dezembro de 2018 e 2017, a Companhia possuía saldos de prejuízos fiscais a compensar: 2018 2017 Prejuízos fiscais (503.152) (344.378) 10. Despesas gerais e administrativas 2018 2017 Taxas e emolumentos (5.897) (14.994) Arrendamentos e aluguéis (281.455) (253.576) Serviços terceiros (8.175) (1.971) Seguros (2.155) Tributos (253) (100) Depreciação (34.072) Serviços de manutenção e atualização de informática (205) Despesas com cartório (5.836) (12.554) Despesa com licença ambiental (45.783) (9.890) Despesa com frete (99) Compartilhamento de despesas (115.973) (48.999) Total (499.804) (342.183) 11. Resultado financeiro 2018 2017 Receitas financeiras Rendimentos aplicações financeiras 1 1 Despesas financeiras Tarifas bancárias (2.291) (2.103) Multas (965) (65) Juros pagos (93) (26) (3.349) (2.194) Total (3.348) (2.194) 12. Partes relacionadas: Os principais saldos de ativos, passivos e resultado em 31 de dezembro de 2018 e 2017, bem como as transações que influenciaram os resultados dos exercícios, decorrem de transações da Companhia, as quais estão descritas abaixo: Em 31 de dezembro 2017 Resultado Compartilhamento de despesas (a) 48.999 Em 31 de dezembro 2018 Passivo Fornecedores (a) 9.285 Resultado Compartilhamento de despesas (a) 115.973 (a) A Companhia possui operações com partes relacionadas decorrente do contrato de compartilhamento de despesas firmado com a Casa dos Ventos Energias Renováveis S.A. 13. Instrumentos financeiros: Os principais instrumentos financeiros contratados com terceiros discriminam-se como segue: Valor justo dos instrumentos financeiros não derivativos 2018 2017 Valor Valor de Valor Valor de contábil mercado contábil mercado Caixas e equivalentes de caixa 2.031 2.031 22.823 22.823 Fornecedores (149.370) (149.370) Partes relacionadas (9.285) (9.285) Total (156.624) (156.624) 22.823 22.823 14. Seguros: A Companhia adota a política de contratar cobertura de seguros para os bens sujeitos a riscos por montantes considerados suficientes para cobrir eventuais sinistros, considerando a natureza de sua atividade. Bem como garante a indenização, independente da comprovação de prejuízo, até o valor da garantia fixado na apólice, do valor correspondente à multa aplicada pela ANEEL em decorrência da não assinatura do contrato de comercializacão de energia no ambiente regulado (CCEAR e CCG) pelo tomador ou não atendimento das exigências para a sua assinatura, nas condições e no prazo estabelecido no Edital, bem como da multa aplicada pela ANEEL em decorrência de qualquer outro inadimplemento que importe na execução da garantia, durante a fase de licitação, conforme previsto no Edital do Leilão nº 03/2018-ANEEL - Empreendimento Ventos de Santa Tereza e Empreendimento Ventos de Santo Gregório. As premissas de risco adotadas, dada a sua natureza, não fazem parte do escopo de uma auditoria das demonstrações contábeis, consequentemente, não foram examinadas pelos nossos auditores independentes. A Diretoria. Contador responsável: Eugênio Pacelli Mendonça Dupin CRC- SP 201976/O-1 T-CE

Relatório do auditor independente sobre as demonstrações contábeis Aos Administradores e Acionistas da Ventos de Santa Diana Energias Renováveis S.A. (Companhia em fase pré-operacional). Maracanaú - CE. Opinião: Examinamos as demonstrações contábeis da Ventos de Santa Diana Energias Renováveis S.A. (“Companhia”), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2018 e as respectivas demonstrações do resultado e do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Em nossa opinião as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Ventos de Santa Diana Energias Renováveis S.A. em 31 de dezembro de 2018, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Base para opinião: Nossa auditoria foi conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Nossas responsabilidades, em conformidade com tais normas, estão descritas na seção a seguir intitulada “Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis”. Somos independentes em relação à Companhia de acordo com os princípios éticos relevantes previstos no Código de Ética Profissional do Contador e nas normas profissionais emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade e cumprimos com as demais responsabilidades éticas de acordo com essas normas. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Responsabilidades da Administração e da governança pelas demonstrações contábeis: A Administração é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se

causada por fraude ou erro. Na elaboração das demonstrações contábeis, a Administração é responsável pela avaliação da capacidade de a Companhia continuar operando, divulgando, quando aplicável, os assuntos relacionados com a sua continuidade operacional e o uso dessa base contábil na elaboração das demonstrações contábeis a não ser que a Administração pretenda liquidar a Companhia ou cessar suas operações, ou não tenha nenhuma alternativa realista para evitar o encerramento das operações. Os responsáveis pela governança da Companhia são aqueles com responsabilidade pela supervisão do processo de elaboração das demonstrações contábeis. Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis: Nossos objetivos são obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis, tomadas em conjunto, estão livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro, e emitir relatório de auditoria contendo nossa opinião. Segurança razoável é um alto nível de segurança, mas não uma garantia de que a auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria sempre detectam as eventuais distorções relevantes existentes. As distorções podem ser decorrentes de fraude ou erro e são consideradas relevantes quando, individualmente ou em conjunto, possam influenciar, dentro de uma perspectiva razoável, as decisões econômicas dos usuários tomadas com base nas referidas demonstrações contábeis. Como parte de uma auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, exercemos julgamento profissional, e mantemos ceticismo profissional ao longo da auditoria. Além disso: • Identificamos e avaliamos os riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro, planejamos e executamos procedimentos de auditoria em resposta a tais riscos, bem como obtemos evidência de auditoria apropriada e suficiente para fundamentar nossa opinião. O risco de não detecção de distorção relevante resultante de fraude é maior do que o proveniente de erro, já que a fraude pode envolver o ato de burlar os controles internos, conluio, falsificação, omissão ou

representações falsas intencionais. • Obtemos entendimento dos controles internos relevantes para a auditoria para planejarmos procedimentos de auditoria apropriados nas circunstâncias, mas não com o objetivo de expressarmos opinião sobre a eficácia dos controles internos da Companhia. • Avaliamos a adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis e respectivas divulgações feitas pela Administração. • Concluímos sobre a adequação do uso, pela Administração, da base contábil de continuidade operacional e, com base nas evidências de auditoria obtidas, se existe uma incerteza relevante em relação a eventos ou condições que possam levantar dúvida significativa em relação à capacidade de continuidade operacional da Companhia. Se concluirmos que existe incerteza relevante devemos chamar atenção em nosso relatório de auditoria para as respectivas divulgações nas demonstrações contábeis ou incluir modificação em nossa opinião, se as divulgações forem inadequadas. Nossas conclusões estão fundamentadas nas evidências de auditoria obtidas até a data de nosso relatório. Todavia, eventos ou condições futuras podem levar a Companhia a não mais se manter em continuidade operacional. • Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteúdo das demonstrações contábeis, inclusive as divulgações e se as demonstrações contábeis representam as correspondentes transações e os eventos de maneira compatível com o objetivo de apresentação adequada. Comunicamo-nos com os responsáveis pela governança a respeito, entre outros aspectos, do alcance planejado, da época da auditoria e das constatações significativas de auditoria, inclusive as eventuais deficiências significativas nos controles internos que identificamos durante nossos trabalhos. Fortaleza, 28 de fevereiro de 2019 ERNST & YOUNG - Auditores Independentes S.S. - CRC-2SP015199/O-6 Ana Sampaio Forte Leal - Contadora CRC CE019456/O-7


NACIONAL


VENTOS DE SANTA ROSA ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CNPJ: 23.694.692/0001-10 Relatório da Administração Senhores Acionistas: Submetemos ao exame de V.Sas. o Relatório da Administração e as Demonstrações Contábeis da empresa Ventos de Santa Rosa Energias Renováveis S.A. relativos ao exercício findo em 31 de dezembro de 2018. Maracanaú, 15 de março de 2019.

Balanço patrimonial Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) Notas Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa

4

Não circulante Imobilizado

5

Total do ativo Passivo Circulante Partes relacionadas Obrigações fiscais Patrimônio líquido Capital social Prejuízos acumulados

2018

2.085 2.085

1.223.505 1.223.505 1.226.858

2.085

2.117 5.746 7.863

6

1.505.500 (286.505) 1.218.995

Total do passivo e patrimônio líquido

2017

3.353 3.353

10

1.226.858

Demonstração dos fluxos de caixa Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais)

Demonstração do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais)

-

Notas Despesas operacionais Despesas gerais e administrativas Prejuízo antes do resultado financeiro Resultado financeiro líquido Prejuízo do exercício

8

9 9

2018

2017

(270.165)

(14.302)

(270.165)

(14.302)

(1.425) (271.590)

(438) (14.740)

Demonstração do resultado abrangente Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) 2018 (271.590)

17.000 Prejuízo do exercício (14.915) Outros resultados 2.085 abrangentes Resultado abrangente do 2.085 exercício

-

-

(271.590)

(14.740)

Demonstração das mutações no patrimônio líquido Exercícios findo em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) Capital social subscrito 10.000 40.000 50.000 2.310.000 2.360.000

Saldos em 31 de dezembro de 2016 Capital subscrito Integralização de capital Prejuízo do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2017 Capital subscrito Integralização de capital Prejuízo do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2018

Capital a integralizar (8.500) (40.000) 15.500 (33.000) (2.310.000) 1.488.500 (854.500)

2017 (14.740)

Prejuízos acumulados (175) (14.740) (14.915) (271.590) (286.505)

Total 1.325 15.500 (14.740) 2.085 1.488.500 (271.590) 1.218.995

Fluxos de caixa das atividades operacionais Prejuízo do exercício Ajustes para conciliar o resultado as disponibilidades geradas pelas atividades operacionais Depreciação (Acréscimo) decréscimo de ativos e passivos Obrigações fiscais Partes relacionadas Adiantamento a fornecedores Caixa líquido nas atividades operacionais Fluxos de caixa das atividades de investimento Aquisição de imobilizado Caixa líquido nas atividades de investimento Fluxo de caixa das atividades de financiamento Integralização de capital Caixa líquido nas atividades de financiamento Acréscimo no caixa e equivalentes de caixa Demonstração do aumento no caixa e equivalentes de caixa No início do exercício No fim do exercício Variação do caixa e equivalentes de caixa

2018

2017

(271.590)

(14.740)

19.525

-

5.746 2.117 -

319

(244.202)

(14.421)

(1.243.030)

-

(1.243.030)

-

1.488.500

15.500

1.488.500

15.500

1.268

1.079

2.085 3.353

1.006 2.085

1.268

1.079

Notas explicativas às demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) 1.Contexto operacional: A Companhia, com sede em Maracanaú, situado na Rod. Doutor Mendel Steinbruch, S/N - KM 08 - Sala 203- Distrito Industrial, Estado do Ceará, foi constituída em 06 de Outubro de 2015 e até a presente data não entrou em fase operacional. A Companhia tem como objeto social a geração, como produtor independente, de energia elétrica, a partir de fontes alternativas, predominantemente, a eólica destinada à comercialização na modalidade de produção independente de energia e, para consecução do objeto social, a implantação, administração e operação de centrais geradoras, bem como o desenvolvimento de projetos, a prestação de serviços de consultoria. Nesta fase pré-operacional, os acionistas têm coberto necessidades de caixa da Companhia na forma de aportes de capital ou adiantamentos, conforme necessário para permitir a liquidação de obrigações futuras. Adicionalmente, os acionistas da Companhia garantem, se necessário, o suporte financeiro, pelos próximos 360 dias. 2. Base de preparação e principais práticas contábeis: 2.1 Declaração de conformidade: As demonstrações contábeis foram preparadas conforme as práticas contábeis adotadas no Brasil incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPCs). Adicionalmente, a Companhia considerou as orientações emanadas da Orientação Técnica OCPC 07, emitida pelo CPC em novembro de 2014, na preparação das suas demonstrações contábeis. Desta forma, as informações relevantes próprias das demonstrações contábeis estão sendo evidenciadas, e correspondem às utilizadas pela Administração na sua gestão. A emissão das demonstrações contábeis foi autorizada pela Diretoria em 28 de fevereiro de 2019. 2.2 Moeda funcional e moeda de apresentação: Essas demonstrações contábeis estão apresentadas em Reais, que é a moeda funcional da Companhia. Todos os saldos foram arredondados para o milhar mais próximo, exceto quando indicado de outra forma. 2.3 Uso de estimativas e julgamento: A preparação das demonstrações contábeis requer que a Administração faça julgamentos, estimativas e adote premissas que afetam a aplicação de políticas contábeis e os valores reportados de ativos, passivos, receitas e despesas. Os resultados reais podem divergir dessas estimativas. As estimativas e premissas são revisadas de forma contínua. As revisões das estimativas contábeis são reconhecidas prospectivamente. As informações sobre julgamentos críticos e incertezas referentes as políticas contábeis adotadas que apresentam efeitos sobre os valores reconhecidos nas demonstrações contábeis estão incluídas nas notas explicativas. 2.4 Base de mensuração: As demonstrações contábeis foram preparadas com base no custo histórico. 2.5 Instrumentos financeiros: A Companhia classifica seus ativos financeiros sob as seguintes categorias: mensurados ao custo amortizado, mensurados ao valor justo por meio de outros resultados abrangentes e mensurados ao valor justo por meio do resultado. A classificação de seus ativos financeiros é feita no reconhecimento inicial e de acordo com a finalidade para a qual foram adquiridos. Em 31 de dezembro de 2018, a Companhia não possuía ativos financeiros classificados nas categorias de valor justo por meio de outros resultados abrangentes e mensurados ao valor justo por meio do resultado. A Companhia classifica seus passivos financeiros mensurados ao custo amortizado. A classificação depende da finalidade para a qual os passivos financeiros foram assumidos. Os passivos financeiros são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido de quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, esses passivos financeiros são medidos pelo custo amortizado através do método da taxa efetiva dos juros. Ativos e passivos financeiros são compensados e o valor líquido é reportado no balanço patrimonial quando há um direito legalmente aplicável de compensar os valores reconhecidos e há uma intenção de liquidá-los em uma base líquida, ou realizar o ativo e liquidar o passivo simultaneamente. O principal ativo financeiro reconhecido pela Companhia corresponde a caixa e equivalentes de caixa. O principal passivo financeiro reconhecido pela Companhia corresponde a partes relacionadas. 2.6 Redução ao valor recuperável (impairment): A Administração revisa anualmente o valor contábil líquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanças nas circunstâncias econômicas, operacionais ou tecnológicas, que possam indicar deterioração ou perda de seu valor recuperável. Sendo tais evidências identificadas e o valor contábil líquido exceder o valor recuperável, é constituída provisão para desvalorização ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável. O valor recuperável de um ativo ou de determinada unidade geradora de caixa é definido como sendo o maior entre o valor em uso e o valor líquido de venda. Na estimativa do valor em uso do ativo, os fluxos de caixa futuros estimados são descontados ao seu valor presente, utilizando uma taxa de desconto antes dos impostos que reflita o custo médio ponderado de capital para a indústria em que opera a unidade geradora de caixa. O valor líquido de venda é determinado, sempre que possível,

com base em contrato de venda firme em uma transação em bases comutativas, entre partes conhecedoras e interessadas, ajustado por despesas atribuíveis à venda do ativo, ou, quando não há contrato de venda firme, com base no preço de mercado de um mercado ativo, ou no preço da transação mais recente com ativos semelhantes. 2.7 Ativo imobilizado: Os itens do imobilizado são mensurados pelo custo histórico de aquisição ou construção. O custo de ativos construídos inclui o custo de materiais e mão de obra direta, quaisquer outros custos para colocar o ativo no local, custos de empréstimos sobre ativos qualificáveis e condição necessários para que esses sejam capazes de operar da forma pretendida pela Administração. O custo de reposição de um componente do imobilizado é reconhecido no valor contábil do item caso seja provável que os benefícios econômicos incorporados dentro do componente irão gerar benefícios futuros e que o seu custo possa ser medido de forma confiável. O valor contábil do componente que tenha sido reposto por outro é baixado. Os custos de manutenção no dia-a-dia do imobilizado são reconhecidos no resultado conforme incorridos. Ganhos e perdas na alienação de um item do imobilizado são apurados pela comparação entre os recursos advindos da alienação com o valor contábil do imobilizado, e são reconhecidos líquidos dentro de outras receitas no resultado. Depreciações: Itens do ativo imobilizado são depreciados a partir da data em que estão disponíveis para uso, ou no caso de ativos construídos internamente, a partir do dia em que a construção é finalizada e o ativo está disponível para uso. A depreciação é calculada sobre o custo dos ativos imobilizados ou outro valor substituto do custo. A depreciação é reconhecida no resultado baseando-se no método linear com relação às vidas úteis estimadas já que esse método é o que mais reflete o padrão de consumo de benefícios econômicos futuros incorporados no ativo. Terrenos não são depreciados. As taxas utilizadas estão de acordo com o Manual de Controle Patrimonial do Setor Elétrica (“MCPSE”), aprovado pelas Resoluções Normativas nº 367/2009 e 474/2012 pela ANEEL. Os métodos de depreciação, as vidas úteis e os valores residuais são revistos a cada encerramento de exercício e eventuais ajustes são reconhecidos como mudança de estimativas contábeis. 2.8 Receitas e despesas financeiras: Para todos os instrumentos financeiros avaliados ao custo amortizado e ativos financeiros que rendem juros, classificados como ativos financeiros ao valor justo, a receita ou despesa financeira é contabilizada utilizando-se a taxa de juros efetiva, que desconta exatamente os pagamentos ou recebimentos futuros estimados de caixa ao longo da vida estimada do instrumento financeiro ou em um período de tempo mais curto, quando aplicável, ao valor contábil liquido do ativo ou passivo financeiro. A receita de juros é incluída na rubrica receita financeira, na demonstração do resultado. As despesas financeiras abrangem despesas com juros sobre empréstimos, ajustes de desconto a valor presente das provisões e, variações no valor justo de ativos financeiros mensurados pelo valor justo por meio do resultado. Custos de empréstimo que não são diretamente atribuíveis à aquisição, construção ou produção de um ativo qualificável são mensurados no resultado pelo método de juros efetivos. 2.9 Normas, alterações e interpretações que entraram em vigor em 2018: Adoção CPC 47 / IFRS 15 - Receitas de Contratos com Clientes: Substitui o CPC 30 / IAS 18 Receitas, o CPC 17 / IAS 11 Contratos de Construção e interpretações relacionadas. A Companhia adotou o CPC 47 / IFRS 15 a partir de 1º de janeiro de 2018, usando o método de efeito cumulativo (sem expedientes práticos), com efeito de adoção inicial da norma reconhecida na data da aplicação inicial (ou seja, 1º de janeiro de 2018). A adoção do CPC 47 / IFRS 15 não teve um efeito significativo nas políticas contábeis da Companhia visto que a Companhia encontra-se em fase pré-operacional. Adoção CPC 48 / IFRS 9 - Instrumentos Financeiros: A Companhia adotou inicialmente o CPC 48 / IFRS 9 Instrumentos financeiros, a partir de 1º de janeiro de 2018. O CPC 48 / IFRS 9 estabelece requerimentos para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns contratos de compra ou venda de itens não financeiros. Esta norma substitui o CPC 38 / IAS 39 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração. O CPC 48 / IFRS 9 retém em grande parte os requerimentos existentes no CPC 38 / IAS 39 para a classificação e mensuração de passivos financeiros. No entanto, ele elimina as antigas categorias do CPC 38 / IAS 39 para ativos

financeiros: mantidos até o vencimento, empréstimos e recebíveis e disponíveis para venda. A adoção do CPC 48 / IFRS 9 não teve um efeito significativo nas políticas contábeis da Companhia. A Companhia não possui instrumentos financeiros derivativos. Adicionalmente, não se espera que as seguintes novas normas ou modificações possam ter um impacto significativo nas demonstrações contábeis da Companhia: • IFRS 16 Operações de arrendamento mercantil; • IFRS 17 Contratos de seguro; • Interpretação IFRIC 22 Transações em moeda estrangeira e adiantamento de contraprestação; e • Interpretação IFRIC 23 Incerteza sobre o tratamento dos tributos sobre a renda. O Comitê de Pronunciamentos Contábeis ainda não emitiu pronunciamento contábil ou alteração nos pronunciamentos vigentes correspondentes a todas as novas IFRS. Portanto, a adoção antecipada dessas IFRS não é permitida para entidades que divulgam as suas Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. 3. Gerenciamento de riscos: A Administração é responsável pelo estabelecimento e supervisão da estrutura de gerenciamento de risco da Companhia. As políticas de gerenciamento de risco são estabelecidas para identificar, analisar e definir limites e controles apropriados, e para monitorar riscos e aderência aos limites. (i) Risco operacional: O risco operacional está relacionado com a paralisação de parte ou de todo o fornecimento esperado relacionado ao parque eólico. (ii) Risco de crédito: O risco de crédito de saldos com bancos e instituições financeiras é administrado pela tesouraria da Companhia de acordo com a política por este estabelecida. Os recursos excedentes são investidos apenas em instituições financeiras autorizadas e aprovadas pela controladoria, avalizadas pela Diretoria Executiva, respeitando limites de crédito definidos, os quais são estabelecidos a fim de minimizar a concentração de riscos e, assim, mitigar o prejuízo financeiro no caso de potencial falência de uma contraparte. (iii) Risco de liquidez: Risco de liquidez é o risco em que a Companhia irá encontrar dificuldades em cumprir com as obrigações associadas com seus passivos financeiros que são liquidados com pagamentos à vista ou com outro ativo financeiro. A abordagem da Companhia na administração de liquidez é de garantir, o máximo possível, que sempre tenha liquidez suficiente para cumprir com suas obrigações ao vencerem, sob condições normais e de estresse, sem causar perdas inaceitáveis ou com risco de prejudicar a reputação da Companhia. A Companhia possui ativos financeiros representados por caixa que resultam diretamente das integralizações dos acionistas. A Companhia não efetua aplicações de caráter especulativo, em derivativos ou quaisquer outros ativos de risco. A Companhia não possui em 31 de dezembro de 2018 e 2017 exposições financeiras atreladas à moeda estrangeira. (iv) Risco de mercado: Risco de mercado é o risco que alterações nos preços de mercado, tais como as taxas de câmbio, taxas de juros e preços de ações, têm nos ganhos da Companhia ou no valor de suas participações em instrumentos financeiros. O objetivo do gerenciamento de risco de mercado é gerenciar e controlar as exposições a riscos de mercados, dentro de parâmetros aceitáveis, e ao mesmo tempo otimizar o retorno. A Administração da Companhia não efetua investimentos em ativos financeiros que possam gerar oscilações relevantes nos seus preços de mercado. 4. Caixas e equivalentes de caixa 2018 2017 Fundo fixo 1.500 1.500 Bancos conta movimento 1.853 585 Total 3.353 2.085 5. Imobilizado: Movimentação do imobilizado Depre2017 Adições ciação 2018 Imobilizado em andamento (a) 217.995 217.995 Torres Anemométricas (b) - 1.011.197 (19.480) 991.717 Torres Solarimétricas (b) 13.838 (45) 13.793 - 1.243.030 (19.525) 1.223.505 (a) Refere-se à prestação de serviço de consultoria para certificação da energia em função da fase pré-operacional da Companhia. (b) Refere-se à compra de torres anemométricas e

solarimétricas para estudos e medições da energia eólica e solar. 6. Patrimônio líquido: Em 31 de dezembro de 2018, o capital social subscrito é de R$ 2.360.000 (R$ 50.000 em 2017) e está representado por 2.360.000 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. O capital social integralizado é de R$ 1.505.500 (R$ 17.000 em 2017) e está representado por 1.505.500 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. a) Aumento de capital: De acordo com Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 09 de maio de 2018, foi subscrito capital no montante de R$ 310.000 em sua totalidade e integralizado capital no montante de R$ 31.000 com entrada em caixa e equivalente de caixa. De acordo com Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 26 de outubro de 2018, foi subscrito capital no montante de R$ 2.000.000 em sua totalidade e integralizado capital no montante de R$ 1.034.000 com entrada em caixa e equivalente de caixa. No exercício de 2018, foram realizadas integralizações de capital conforme boletins de integralizações no montante de R$ 423.500. 7. Prejuízos fiscais: Em 31 de dezembro de 2018 e 2017, a Companhia possuía saldos de prejuízos fiscais a compensar: 2018 2017 Prejuízos fiscais (271.590) (14.740) 8. Despesas gerais e administrativas 2018 2017 Taxas e emolumentos (2.789) (1.041) Serviços de consultoria (93.427) Depreciação (19.525) Arrendamento mercantil (114.689) Serviços de terceiros (1.544) (2.110) Despesas com cartório (19.774) (10.832) Compartilhamento de despesas (17.459) Outras despesas (958) (319) Total (270.165) (14.302) 9. Resultado financeiro 2018 2017 Despesas financeiras Tarifas bancárias (1.028) (438) Juros pagos (17) Multas (380) Total (1.425) (438) 10. Partes relacionadas: Os principais saldos de ativos e passivos em 31 de dezembro de 2018, bem como as transações que influenciaram os resultados dos exercícios, decorrem de transações da Companhia, as quais estão descritas abaixo: Em 31 de dezembro 2018 Passivo Fornecedores (a) 2.117 Resultado Compartilhamento de despesas (a) 17.459 (a) A Companhia possui operações com partes relacionadas decorrente do contrato de compartilhamento de despesas firmado com a Casa dos Ventos Energias Renováveis S.A. 11. Instrumentos financeiros: Os principais instrumentos financeiros contratados com terceiros discriminam-se como segue: a) Valor justo dos instrumentos financeiros não derivativos 2018 2017 Valor Valor de Valor Valor de contábil mercado contábil mercado Caixas e equivalentes de caixa 3.353 3.353 2.085 2.085 Partes relacionadas (2.117) (2.117) Total 1.236 1.236 2.085 2.085 12. Seguros: A Companhia adota a política de contratar cobertura de seguros para os bens sujeitos a riscos por montantes considerados suficientes para cobrir eventuais sinistros, considerando a natureza de sua atividade. As premissas de risco adotadas, dada a sua natureza, não fazem parte do escopo de uma auditoria das demonstrações contábeis, consequentemente, não foram examinadas pelos nossos auditores independentes. A Diretoria. Contador responsável: Eugênio Pacelli Mendonça Dupin CRC- SP 201976/O-1 T-CE

Relatório do auditor independente sobre as demonstrações contábeis Aos Administradores e Acionistas da Ventos de Santa Rosa Energias Renováveis S.A. (Companhia em fase pré-operacional). Maracanaú - CE. Opinião: Examinamos as demonstrações contábeis da Ventos de Santa Rosa Energias Renováveis S.A. (“Companhia”), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2018 e as respectivas demonstrações do resultado e do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Em nossa opinião as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Ventos de Santa Rosa Energias Renováveis S.A. em 31 de dezembro de 2018, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Base para opinião: Nossa auditoria foi conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Nossas responsabilidades, em conformidade com tais normas, estão descritas na seção a seguir intitulada “Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis”. Somos independentes em relação à Companhia de acordo com os princípios éticos relevantes previstos no Código de Ética Profissional do Contador e nas normas profissionais emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade e cumprimos com as demais responsabilidades éticas de acordo com essas normas. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Responsabilidades da Administração e da governança pelas demonstrações contábeis: A Administração é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se

causada por fraude ou erro. Na elaboração das demonstrações contábeis, a Administração é responsável pela avaliação da capacidade de a Companhia continuar operando, divulgando, quando aplicável, os assuntos relacionados com a sua continuidade operacional e o uso dessa base contábil na elaboração das demonstrações contábeis a não ser que a Administração pretenda liquidar a Companhia ou cessar suas operações, ou não tenha nenhuma alternativa realista para evitar o encerramento das operações. Os responsáveis pela governança da Companhia são aqueles com responsabilidade pela supervisão do processo de elaboração das demonstrações contábeis. Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis: Nossos objetivos são obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis, tomadas em conjunto, estão livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro, e emitir relatório de auditoria contendo nossa opinião. Segurança razoável é um alto nível de segurança, mas não uma garantia de que a auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria sempre detectam as eventuais distorções relevantes existentes. As distorções podem ser decorrentes de fraude ou erro e são consideradas relevantes quando, individualmente ou em conjunto, possam influenciar, dentro de uma perspectiva razoável, as decisões econômicas dos usuários tomadas com base nas referidas demonstrações contábeis. Como parte de uma auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, exercemos julgamento profissional, e mantemos ceticismo profissional ao longo da auditoria. Além disso: • Identificamos e avaliamos os riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro, planejamos e executamos procedimentos de auditoria em resposta a tais riscos, bem como obtemos evidência de auditoria apropriada e suficiente para fundamentar nossa opinião. O risco de não detecção de distorção relevante resultante de fraude é maior do que o proveniente de erro, já que a fraude pode envolver o ato de burlar os controles internos, conluio, falsificação, omissão ou

VENTOS DE SÃO ZACARIAS ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CNPJ: 21.966.558/0001-04 Relatório da Administração Senhores Acionistas: Submetemos ao exame de V.Sas. o Relatório da Administração e as Demonstrações Contábeis da empresa Ventos de São Zacarias Energias Renováveis S.A. relativos ao exercício findo em 31 de dezembro de 2018. Maracanaú, 15 de março de 2019.

Balanço patrimonial Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) Notas Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 Tributos a recuperar Não circulante Imobilizado Intangível

5

Total do ativo Passivo Circulante Partes relacionadas Obrigações fiscais

10

Patrimônio líquido Capital social Prejuízos acumulados

6

Total do passivo e patrimônio líquido

2018

Demonstração dos fluxos de caixa Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais)

Demonstração do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) 2017

4.388 853 5.241

643 853 1.496

1.250.425 5.000 1.255.425 1.260.666

41.924 41.924 43.420

6.472 3 6.475

2.701 2.701

Notas Despesas operacionais Despesas gerais e administrativas Prejuízo antes do resultado financeiro Resultado financeiro líquido Prejuízo do exercício

8

9

2018

(358.819)

2017 Fluxos de caixa das atividades operacionais (361.138) Prejuízo do exercício Depreciação

(358.819)

(361.138)

(5.709) (364.528)

(1.639) (362.777)

Demonstração do resultado abrangente Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais)

2.345.590 767.590 Prejuízo do exercício (1.091.399) (726.871) Outros resultados 1.254.191 40.719 abrangentes Resultado abrangente 1.260.666 43.420 do exercício

2018 (364.528) (364.528)

Caixa líquido nas atividades operacionais

Fluxos de caixa das atividades de investimento 2017 Aquisição de imobilizado (362.777) Aquisição de intangível - Caixa líquido originado nas atividades de investimento

Saldos em 31 de dezembro de 2016 Capital subscrito Integralização de capital Prejuízo do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2017 Capital subscrito Integralização de capital Prejuízo do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2018

Capital a integralizar (372.910) (112.800) 412.500 (75.210) (2.347.900) 1.578.000 (845.110)

Prejuízos acumulados (364.094) (362.777) (726.871) (364.528) (1.091.399)

Total (7.004) 410.500 (362.777) 40.719 1.578.000 (364.528) 1.254.191

2017

(364.528) 23.032 (341.496)

(362.777) (362.777)

6.472 (2.698)

(5.876) -

(337.722)

(368.653)

(1.231.533) (5.000)

(41.924) -

(1.236.533)

(41.924)

Fluxo de caixa das atividades de financiamento Integralização de capital

1.578.000

410.500

Caixa líquido nas atividades de financiamento

1.578.000

410.000

3.745

(77)

643 4.388

720 643

3.745

(77)

(362.777)

Demonstração das mutações no patrimônio líquido Exercícios findo em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) Capital social subscrito 730.000 112.800 842.800 2.347.900 3.190.700

(Acréscimo) decréscimo de ativos e passivos Partes relacionadas Obrigações fiscais

2018

Acréscimo (decréscimo) no caixa e equivalentes de caixa Demonstração No início do exercício No fim do exercício Variação do caixa e equivalentes de caixa

Notas explicativas às demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) 1. Contexto operacional: A Companhia, com sede em Maracanaú, situado na Rod. Doutor Mendel Steinbruch, S/N - KM 08 - Sala 212 - Distrito Industrial, Estado do Ceará, foi constituída em 03 de Março de 2015 e até a presente data não entrou em fase operacional. A Companhia tem como objeto social a geração, como produtor independente, de energia elétrica, a partir de fontes alternativas, predominantemente, a eólica destinada à comercialização na modalidade de produção independente de energia e, para consecução do objeto social, a implantação, administração e operação de centrais geradoras, bem como o desenvolvimento de projetos, a prestação de serviços de consultoria. Nesta fase pré-operacional, os acionistas têm coberto necessidades de caixa da Companhia na forma de aportes de capital ou adiantamentos, conforme necessário para permitir a liquidação de obrigações futuras. Adicionalmente, os acionistas da Companhia garantem, se necessário, o suporte financeiro, pelos próximos 360 dias. 2. Base de preparação e principais práticas contábeis: 2.1 Declaração de conformidade: As demonstrações contábeis foram preparadas conforme as práticas contábeis adotadas no Brasil incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPCs). Adicionalmente, a Companhia considerou as orientações emanadas da Orientação Técnica OCPC 07, emitida pelo CPC em novembro de 2014, na preparação das suas demonstrações contábeis. Desta forma, as informações relevantes próprias das demonstrações contábeis estão sendo evidenciadas, e correspondem às utilizadas pela Administração na sua gestão. A emissão das demonstrações contábeis foi autorizada pela Diretoria em 28 de fevereiro de 2019. 2.2 Moeda funcional e moeda de apresentação: Essas demonstrações contábeis estão apresentadas em Reais, que é a moeda funcional da Companhia. Todos os saldos foram arredondados para o milhar mais próximo, exceto quando indicado de outra forma. 2.3 Uso de estimativas e julgamento: A preparação das demonstrações contábeis requer que a Administração faça julgamentos, estimativas e adote premissas que afetam a aplicação de políticas contábeis e os valores reportados de ativos, passivos, receitas e despesas. Os resultados reais podem divergir dessas estimativas. As estimativas e premissas são revisadas de forma contínua. As revisões das estimativas contábeis são reconhecidas prospectivamente. As informações sobre julgamentos críticos e incertezas referentes as políticas contábeis adotadas que apresentam efeitos sobre os valores reconhecidos nas demonstrações contábeis estão incluídas nas notas explicativas. 2.4 Base de mensuração: As demonstrações contábeis foram preparadas com base no custo histórico. 2.5 Instrumentos financeiros: A Companhia classifica seus ativos financeiros sob as seguintes categorias: mensurados ao custo amortizado, mensurados ao valor justo por meio de outros resultados abrangentes e mensurados ao valor justo por meio do resultado. A classificação de seus ativos financeiros é feita no reconhecimento inicial e de acordo com a finalidade para a qual foram adquiridos. Em 31 de dezembro de 2018, a Companhia não possuía ativos financeiros classificados nas categorias de valor justo por meio de outros resultados abrangentes e mensurados ao valor justo por meio do resultado. A Companhia classifica seus passivos financeiros mensurados ao custo amortizado. A classificação depende da finalidade para a qual os passivos financeiros foram assumidos. Os passivos financeiros são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido de quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, esses passivos financeiros são medidos pelo custo amortizado através do método da taxa efetiva dos juros. Ativos e passivos financeiros são compensados e o valor líquido é reportado no balanço patrimonial quando há um direito legalmente aplicável de compensar os valores reconhecidos e há uma intenção de liquidá-los em uma base líquida, ou realizar o ativo e liquidar o passivo simultaneamente. O principal ativo financeiro reconhecido pela Companhia corresponde a caixa e equivalentes de caixa. O principal passivo financeiro reconhecido pela Companhia corresponde a partes relacionadas. 2.6 Redução ao valor recuperável (impairment): A Administração revisa anualmente o valor contábil líquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanças nas circunstâncias econômicas, operacionais ou tecnológicas, que possam indicar deterioração ou perda de seu valor recuperável. Sendo tais evidências identificadas e o valor contábil líquido exceder o valor recuperável, é constituída provisão para desvalorização ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável. O valor recuperável de um ativo ou de determinada unidade geradora de caixa é definido como sendo o maior entre o valor em uso e o valor líquido de venda. Na estimativa do valor em uso do ativo, os fluxos de caixa futuros estimados são descontados ao seu valor presente, utilizando uma taxa de desconto antes dos impostos que reflita o custo médio ponderado de capital para a indústria em que opera a unidade geradora de caixa. O valor líquido de venda é determinado, sempre que possível, com base em contrato de venda firme em uma transação em bases comutativas, entre partes conhecedoras e interessadas, ajustado por despesas atribuíveis à venda do ativo, ou, quando não há contrato de venda firme, com base no preço de mercado de um mercado ativo, ou no preço da transação mais recente com ativos semelhantes. 2.7 Ativo imobilizado: Os itens do imobilizado são mensurados pelo custo histórico de aquisição ou construção. O custo de ativos construídos inclui o custo de materiais e mão de obra direta, quaisquer outros custos para colocar o ativo no local, custos de empréstimos sobre ativos qualificáveis e condição necessários para que esses sejam capazes de operar da forma pretendida pela Administração. O custo de reposição de um componente do imobilizado é reconhecido no valor contábil do item caso seja provável que os benefícios econômicos incorporados dentro do componente irão gerar benefícios futuros e que o seu custo possa ser medido de forma confiável. O valor contábil do componente que tenha sido reposto por outro é baixado. Os custos de manutenção no dia-a-dia do imobilizado são reconhecidos no resultado conforme incorridos. Ganhos e perdas na alienação de um item do imobilizado são apurados pela comparação entre os recursos advindos da

alienação com o valor contábil do imobilizado, e são reconhecidos líquidos dentro de outras receitas no resultado. Depreciações: Itens do ativo imobilizado são depreciados a partir da data em que estão disponíveis para uso, ou no caso de ativos construídos internamente, a partir do dia em que a construção é finalizada e o ativo está disponível para uso. A depreciação é calculada sobre o custo dos ativos imobilizados ou outro valor substituto do custo. A depreciação é reconhecida no resultado baseando-se no método linear com relação às vidas úteis estimadas já que esse método é o que mais reflete o padrão de consumo de benefícios econômicos futuros incorporados no ativo. Terrenos não são depreciados. As taxas utilizadas estão de acordo com o Manual de Controle Patrimonial do Setor Elétrica (“MCPSE”), aprovado pelas Resoluções Normativas nº 367/2009 e 474/2012 pela ANEEL. Os métodos de depreciação, as vidas úteis e os valores residuais são revistos a cada encerramento de exercício e eventuais ajustes são reconhecidos como mudança de estimativas contábeis. 2.8 Receitas e despesas financeiras: Para todos os instrumentos financeiros avaliados ao custo amortizado e ativos financeiros que rendem juros, classificados como ativos financeiros ao valor justo, a receita ou despesa financeira é contabilizada utilizando-se a taxa de juros efetiva, que desconta exatamente os pagamentos ou recebimentos futuros estimados de caixa ao longo da vida estimada do instrumento financeiro ou em um período de tempo mais curto, quando aplicável, ao valor contábil liquido do ativo ou passivo financeiro. A receita de juros é incluída na rubrica receita financeira, na demonstração do resultado. As despesas financeiras abrangem despesas com juros sobre empréstimos, ajustes de desconto a valor presente das provisões e, variações no valor justo de ativos financeiros mensurados pelo valor justo por meio do resultado. Custos de empréstimo que não são diretamente atribuíveis à aquisição, construção ou produção de um ativo qualificável são mensurados no resultado pelo método de juros efetivos. 2.9 Imposto de renda e contribuição social: Ativos e passivos tributários correntes do último exercício e de anos anteriores são mensurados ao valor recuperável esperado ou a pagar para as autoridades fiscais. As alíquotas de imposto e as leis tributárias usadas para calcular o montante são aquelas que estão em vigor ou substancialmente em vigor na data do balanço nos países em que o Grupo opera e gera receita tributável. Imposto de renda e contribuição social correntes relativos a itens reconhecidos diretamente no patrimônio líquido são reconhecidos no patrimônio líquido. A administração periodicamente avalia a posição fiscal das situações nas quais a regulamentação fiscal requer interpretação e estabelece provisões quando apropriado. A Administração avalia, periodicamente, as posições assumidas pela Companhia nas apurações de impostos sobre a renda com relação às situações em que a regulamentação fiscal aplicável dá margem a interpretações; e estabelece provisões, quando apropriado, com base nos valores estimados de pagamento às autoridades fiscais. 2.10 Normas, alterações e interpretações que entraram em vigor em 2018: Adoção CPC 47 / IFRS 15 - Receitas de Contratos com Clientes: Substitui o CPC 30 / IAS 18 Receitas, o CPC 17 / IAS 11 Contratos de Construção e interpretações relacionadas. A Companhia adotou o CPC 47 / IFRS 15 a partir de 1º de janeiro de 2018, usando o método de efeito cumulativo (sem expedientes práticos), com efeito de adoção inicial da norma reconhecida na data da aplicação inicial (ou seja, 1º de janeiro de 2018). A adoção do CPC 47 / IFRS 15 não teve um efeito significativo nas políticas contábeis da Companhia relacionadas a ativos e passivos financeiros, visto que a Companhia encontra-se em fase pré-operacional. Adoção CPC 48 / IFRS 9 - Instrumentos Financeiros: A Companhia adotou inicialmente o CPC 48 / IFRS 9 Instrumentos financeiros, a partir de 1º de janeiro de 2018. O CPC 48 / IFRS 9 estabelece requerimentos para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns contratos de compra ou venda de itens não financeiros. Esta norma substitui o CPC 38 / IAS 39 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração. O CPC 48 / IFRS 9 retém em grande parte os requerimentos existentes no CPC 38 / IAS 39 para a classificação e mensuração de passivos financeiros. No entanto, ele elimina as antigas categorias do CPC 38 / IAS 39 para ativos financeiros: mantidos até o vencimento, empréstimos e recebíveis e disponíveis para venda. A adoção do CPC 48 / IFRS 9 não teve um efeito significativo nas políticas contábeis da Companhia. A Companhia não possui instrumentos financeiros derivativos. Adicionalmente, não se espera que as seguintes novas normas ou modificações possam ter um impacto significativo nas demonstrações contábeis da Companhia: • IFRS 16 Operações de arrendamento mercantil; • IFRS 17 Contratos de seguro; • Interpretação IFRIC 22 Transações em moeda estrangeira e adiantamento de

representações falsas intencionais. • Obtemos entendimento dos controles internos relevantes para a auditoria para planejarmos procedimentos de auditoria apropriados nas circunstâncias, mas não com o objetivo de expressarmos opinião sobre a eficácia dos controles internos da Companhia. • Avaliamos a adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis e respectivas divulgações feitas pela Administração. • Concluímos sobre a adequação do uso, pela Administração, da base contábil de continuidade operacional e, com base nas evidências de auditoria obtidas, se existe incerteza relevante em relação a eventos ou condições que possam levantar dúvida significativa em relação à capacidade de continuidade operacional da Companhia. Se concluirmos que existe incerteza relevante, devemos chamar atenção em nosso relatório de auditoria para as respectivas divulgações nas demonstrações contábeis ou incluir modificação em nossa opinião, se as divulgações forem inadequadas. Nossas conclusões estão fundamentadas nas evidências de auditoria obtidas até a data de nosso relatório. Todavia, eventos ou condições futuras podem levar a companhia a não mais se manter em continuidade operacional. • Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteúdo das demonstrações contábeis, inclusive as divulgações e se as demonstrações contábeis representam as correspondentes transações e os eventos de maneira compatível com o objetivo de apresentação adequada. Comunicamo-nos com os responsáveis pela governança a respeito, entre outros aspectos, do alcance planejado, da época da auditoria e das constatações significativas de auditoria, inclusive as eventuais deficiências significativas nos controles internos que identificamos durante nossos trabalhos. Fortaleza, 28 de fevereiro de 2019 ERNST & YOUNG - Auditores Independentes S.S. - CRC-2SP015199/O-6 Ana Sampaio Forte Leal - Contadora CRC CE019456/O-7

contraprestação; e • Interpretação IFRIC 23 Incerteza sobre o tratamento dos tributos sobre a renda. O Comitê de Pronunciamentos Contábeis ainda não emitiu pronunciamento contábil ou alteração nos pronunciamentos vigentes correspondentes a todas as novas IFRS. Portanto, a adoção antecipada dessas IFRS não é permitida para entidades que divulgam as suas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. 3. Gerenciamento de riscos: A Administração é responsável pelo estabelecimento e supervisão da estrutura de gerenciamento de risco da Companhia. As políticas de gerenciamento de risco são estabelecidas para identificar, analisar e definir limites e controles apropriados, e para monitorar riscos e aderência aos limites. (i) Risco operacional: O risco operacional está relacionado com a paralisação de parte ou de todo o fornecimento esperado relacionado ao parque eólico. (ii) Risco de crédito: O risco de crédito de saldos com bancos e instituições financeiras é administrado pela tesouraria da Companhia de acordo com a política por este estabelecida. Os recursos excedentes são investidos apenas em instituições financeiras autorizadas e aprovadas pela controladoria, avalizadas pela Diretoria Executiva, respeitando limites de crédito definidos, os quais são estabelecidos a fim de minimizar a concentração de riscos e, assim, mitigar o prejuízo financeiro no caso de potencial falência de uma contraparte. (iii) Risco de liquidez: Risco de liquidez é o risco em que a Companhia irá encontrar dificuldades em cumprir com as obrigações associadas com seus passivos financeiros que são liquidados com pagamentos à vista ou com outro ativo financeiro. A abordagem da Companhia na administração de liquidez é de garantir, o máximo possível, que sempre tenha liquidez suficiente para cumprir com suas obrigações ao vencerem, sob condições normais e de estresse, sem causar perdas inaceitáveis ou com risco de prejudicar a reputação da Companhia. A Companhia possui ativos financeiros representados por caixa que resultam diretamente das integralizações dos acionistas. A Companhia não efetua aplicações de caráter especulativo, em derivativos ou quaisquer outros ativos de risco. A Companhia não possui em 31 de dezembro de 2018 e 2017 exposições financeiras atreladas à moeda estrangeira. (iv) Risco de mercado: Risco de mercado é o risco que alterações nos preços de mercado, tais como as taxas de câmbio, taxas de juros e preços de ações, têm nos ganhos da Companhia ou no valor de suas participações em instrumentos financeiros. O objetivo do gerenciamento de risco de mercado é gerenciar e controlar as exposições a riscos de mercados, dentro de parâmetros aceitáveis, e ao mesmo tempo otimizar o retorno. A Administração da Companhia não efetua investimentos em ativos financeiros que possam gerar oscilações relevantes nos seus preços de mercado. 4. Caixas e equivalentes de caixa 2018 2017 Bancos conta movimento 1 1 Aplicação financeira 4.387 642 Total 4.388 643 Aplicações financeiras correspondem a operações realizadas junto às instituições financeiras que operam no mercado financeiro nacional e possuem baixo risco de crédito, são remuneradas pela variação do Certificado de Depósito Interbancário (CDI) e estão disponíveis para utilização nas operações da Companhia, ou seja, são ativos financeiros com liquidez imediata. Estas operações têm vencimentos inferiores a 3 meses da data de contratação e com compromisso de recompra pelo emissor. 5. Imobilizado: Composição do imobilizado 2018 2017 Imobilizado em andamento 71.744 41.924 Torres anemométricas 1.178.681 Total 1.250.425 41.924 Movimentação do imobilizado Depre2017 Adições ciações 2018 Imobilizado em andamento (a) 41.924 29.820 71.744 Torres anemométricas (b) - 1.201.713 (23.032) 1.178.681 Total 41.924 1.231.533 (23.032) 1.250.425 (a) Refere-se à prestação de serviço de consultoria para certificação da energia em função da fase préoperacional da Companhia. (b) Refere-se à compra de torres anemométricas para estudos e medições da energia eólica. 6. Patrimônio líquido: Em 31 de dezembro de 2018, o capital social subscrito é de R$ 3.190.700 (R$ 842.800 em 2017) e está representado por 3.190.700 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. O capital social integralizado é de R$ 2.345.590 (R$ 767.590 em 2017) e está representado por

2.345.590 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. a) Aumento de capital: De acordo com Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 29 de março de 2018, foi subscrito capital no montante de R$ 347.900 em sua totalidade e integralizado capital no montante de R$ 34.790 com entrada em caixa e equivalente de caixa. De acordo com Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 26 de outubro de 2018, foi subscrito capital no montante de R$ 2.000.000 em sua totalidade e integralizado capital no montante de R$ 1.110.890 com entrada em caixa e equivalente de caixa. No exercício de 2018, foram realizadas integralizações de capital conforme boletins de integralizações no montante de R$ 432.320. 7. Prejuízos fiscais: Em 31 de dezembro de 2018 e 2017, a Companhia possuía saldos de prejuízos fiscais a compensar: 2018 2017 Prejuízos fiscais (364.528) (362.777) 8. Despesas gerais e administrativas 2018 2017 Taxas e emolumentos (12.396) (5.340) Arrendamento e aluguéis (199.337) (99.449) Depreciação (23.032) Serviços de terceiros (3.011) (1.738) Despesas com licenciamento ambiental (35) (170.000) Despesas com cartório (45.091) (53.687) Despesas com publicidade (894) Serviços de manutenção e atualização de informática (205) Despesas gerais (1.788) Compartilhamento de despesas (74.758) (29.135) ITR (60) Outras despesas (1) Total (358.819) (361.138) 9. Resultado financeiro 2018 2017 Receitas financeiras Rendimentos aplicações financeiras 12 9 12 9 Despesas financeiras Tarifas bancárias (2.388) (1.646) Multas (2.504) Juros pagos (823) (2) IOF (6) (5.721) (1.648) Total (5.709) (1.639) 10. Transações com partes relacionadas: Os principais saldos de ativos, passivos e resultado em 31 de dezembro de 2017 e 2016, bem como as transações que influenciaram os resultados dos exercícios, decorrem de transações da Companhia, as quais estão descritas abaixo: Em 31 de dezembro 2017 Passivo Fornecedores (a) Resultado Compartilhamento de despesas (a) 29.135 Em 31 de dezembro 2018 Passivo Fornecedores (a) 6.475 Resul C m m AC m m m m m m C V E R SA n um n o fin n o O m m m m m V

m V o on b

V o d m do

V o V o d on b m do

C P T S gu o

A C m

m m m

C

A m

m

AD E CRC SP

m P O

M T CE

m m D

Relatório do auditor independente sobre as demonstrações contábeis Aos Administradores e Acionistas da Ventos de São Zacarias Energias Renováveis S.A. (Companhia em fase pré-operacional). Maracanaú - CE. Opinião: Examinamos as demonstrações contábeis da Ventos de São Zacarias Energias Renováveis S.A. (“Companhia”), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2018 e as respectivas demonstrações do resultado e do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Em nossa opinião as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Ventos de São Zacarias Energias Renováveis S.A. em 31 de dezembro de 2018, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Base para opinião: Nossa auditoria foi conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Nossas responsabilidades, em conformidade com tais normas, estão descritas na seção a seguir intitulada “Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis”. Somos independentes em relação à Companhia de acordo com os princípios éticos relevantes previstos no Código de Ética Profissional do Contador e nas normas profissionais emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade e cumprimos com as demais responsabilidades éticas de acordo com essas normas. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Responsabilidades da Administração e da governança pelas demonstrações contábeis: A Administração é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se

causada por fraude ou erro. Na elaboração das demonstrações contábeis, a Administração é responsável pela avaliação da capacidade de a Companhia continuar operando, divulgando, quando aplicável, os assuntos relacionados com a sua continuidade operacional e o uso dessa base contábil na elaboração das demonstrações contábeis a não ser que a Administração pretenda liquidar a Companhia ou cessar suas operações, ou não tenha nenhuma alternativa realista para evitar o encerramento das operações. Os responsáveis pela governança da Companhia são aqueles com responsabilidade pela supervisão do processo de elaboração das demonstrações contábeis. Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis: Nossos objetivos são obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis, tomadas em conjunto, estão livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro, e emitir relatório de auditoria contendo nossa opinião. Segurança razoável é um alto nível de segurança, mas não uma garantia de que a auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria sempre detectam as eventuais distorções relevantes existentes. As distorções podem ser decorrentes de fraude ou erro e são consideradas relevantes quando, individualmente ou em conjunto, possam influenciar, dentro de uma perspectiva razoável, as decisões econômicas dos usuários tomadas com base nas referidas demonstrações contábeis. Como parte de uma auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, exercemos julgamento profissional, e mantemos ceticismo profissional ao longo da auditoria. Além disso: • Identificamos e avaliamos os riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro, planejamos e executamos procedimentos de auditoria em resposta a tais riscos, bem como obtemos evidência de auditoria apropriada e suficiente para fundamentar nossa opinião. O risco de não detecção de distorção relevante resultante de fraude é maior do que o proveniente de erro, já que a fraude pode envolver o ato de burlar os controles internos, conluio, falsificação, omissão ou

representações falsas intencionais. • Obtemos entendimento dos controles internos relevantes para a auditoria para planejarmos procedimentos de auditoria apropriados nas circunstâncias, mas não com o objetivo de expressarmos opinião sobre a eficácia dos controles internos da Companhia. • Avaliamos a adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis e respectivas divulgações feitas pela Administração. • Concluímos sobre a adequação do uso, pela Administração, da base contábil de continuidade operacional e, com base nas evidências de auditoria obtidas, se existe incerteza relevante em relação a eventos ou condições que possam levantar dúvida significativa em relação à capacidade de continuidade operacional da Companhia. Se concluirmos que existe incerteza relevante, devemos chamar atenção em nosso relatório de auditoria para as respectivas divulgações nas demonstrações contábeis intermediárias ou incluir modificação em nossa opinião, se as divulgações forem inadequadas. Nossas conclusões estão fundamentadas nas evidências de auditoria obtidas até a data de nosso relatório. Todavia, eventos ou condições futuras podem levar a companhia a não mais se manter em continuidade operacional. • Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteúdo das demonstrações contábeis, inclusive as divulgações e se as demonstrações contábeis representam as correspondentes transações e os eventos de maneira compatível com o objetivo de apresentação adequada. Comunicamo-nos com os responsáveis pela governança a respeito, entre outros aspectos, do alcance planejado, da época da auditoria e das constatações significativas de auditoria, inclusive as eventuais deficiências significativas nos controles internos que identificamos durante nossos trabalhos. Fortaleza, 28 de fevereiro de 2019 ERNST & YOUNG - Auditores Independentes S.S. - CRC-2SP015199/O-6 Ana Sampaio Forte Leal - Contadora CRC CE019456/O-7


Mundo 10

Fortaleza, Ceará, Brasil  Terça-feira, 16 de abril de 2019  O

População se junta para acompanhar incêndio

Enquanto as chamas consum am a Notre-Dame nessa segunda-fe ra (15) franceses e tur stas se ag omeravam às margens do r o Sena para observar o ncênd o na catedra par s ense Mu tos estavam em casa ou no traba ho e se d r g ram às ruas com v s-

ta para o ac dente para ver a magem ao v vo “Qu s o har de perto para acred tar” d z a coz nhe ra guatema teca Mar a Ram rez 77 que mora há 40 anos na c dade “Chore É tr ste dema s” A tur sta eg pc a Yasm ne Youssef 19 está há c nco d as em Par s e não

ESTADO

O Museu de História Natural de Nova York publicou, ontem, que não sediará a cerimônia de premiação do presidente Jair Bolsonaro como “Pessoa do Ano”. “Com respeito mútuo pelo trabalho e pelos objetivos da nossa organização individual, decidimos conjuntamente que o Museu não é a locação ideal para o jantar de gala da Câmara de Comércio Brasil-EUA. Este tradicional evento será direcionado para outra locação na data e horário originais.” Em outra postagem, o Museu diz querer “deixar claro que não convidou o Presidente Bolsonaro; ele foi convidado como parte de um evento externo”.

hav a v s tado Notre-Dame a nda “Perd a chance Uma pena” d sse enquanto se ouv a o som das ambu ânc as passando “Ver sso de perto é de cortar o coração” Em me o aos ce u ares que reg stravam a cena hav a também a gumas câmeras profiss o-

alienação com o valor contábil do imobilizado, e são reconhecidos líquidos dentro de outras receitas no resultado. Depreciações: Itens do ativo imobilizado são depreciados a partir da data em que estão disponíveis para uso, ou no caso Relatório da Administração de ativos construídos internamente, a partir do dia em que a Senhores Acionistas: Submetemos ao exame de V.Sas. o Relatório da Administração e as Demonstrações Contábeis da empresa Ventos de Santa Eugênia Energias Renováveis S.A. construção é finalizada e o ativo está disponível para uso. A relativos ao exercício findo em 31 de dezembro de 2018. Maracanaú, 15 de março de 2019. depreciação é calculada sobre o custo dos ativos imobilizados ou outro valor substituto do custo. A depreciação é reconhecida Demonstração dos fluxos de caixa Exercícios Balanço patrimonial Demonstração do resultado Exercícios no resultado baseando-se no método linear com relação às findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 vidas úteis estimadas já que esse método é o que mais reflete (Valores expressos em reais) (Valores expressos em reais) (Valores expressos em reais) o padrão de consumo de benefícios econômicos futuros Notas 2018 2017 Notas 2018 2017 2018 2017 incorporados no ativo. Terrenos não são depreciados. As taxas utilizadas estão de acordo com o Manual de Controle Ativo Fluxos de caixa das atividades Despesas operacionais Patrimonial do Setor Elétrica (“MCPSE”), aprovado pelas Circulante operacionais Despesas gerais e Caixa e equivalentes de caixa 4 1.024 1.854 administrativas (132.730) (122.844) Resoluções Normativas nº 367/2009 e 474/2012 pela ANEEL. 9 (130.989) (120.625) Prejuízo do exercício Os métodos de depreciação, as vidas úteis e os valores Tributos a recuperar 26 25 Prejuízo antes do resulDepreciação 21.888 1.025 residuais são revistos a cada encerramento de exercício e Despesas antecipadas 1.250 tado financeiro (130.989) (120.625) (Acréscimo) decréscimo eventuais ajustes são reconhecidos como mudança de 2.300 1.879 Resultado financeiro 10 (1.741) (2.219) de ativos e passivos estimativas contábeis. 2.8 Receitas e despesas financeiras: Não circulante Tributos a recuperar (1) 1 Para todos os instrumentos financeiros avaliados ao custo Depósitos judiciais 80.000 80.000 (1.250) - amortizado e ativos financeiros que rendem juros, classificados (132.730) (122.844) Despesas antecipadas Imobilizado 5 1.023.922 230.340 Prejuízo do exercício Fornecedores 4.401 - como ativos financeiros ao valor justo, a receita ou despesa 1.103.922 310.340 Obrigações fiscais (5.442) 2.551 financeira é contabilizada utilizando-se a taxa de juros efetiva, Demonstração do resultado abrangente Total do ativo 1.106.222 312.219 Partes relacionadas 6.274 (8.455) que desconta exatamente os pagamentos ou recebimentos Exercícios findos em Passivo Caixa líquido nas atividades futuros estimados de caixa ao longo da vida estimada do 31 de dezembro de 2018 e 2017 Circulante operacionais (106.860) (127.722) instrumento financeiro ou em um período de tempo mais curto, Fornecedores 4.401 (Valores expressos em reais) quando aplicável, ao valor contábil liquido do ativo ou passivo Obrigações fiscais 288 5.730 2018 2017 Fluxos de caixa das atividades financeiro. A receita de juros é incluída na rubrica receita Partes relacionadas 11 6.274 (132.730) (122.844) de investimentos financeira, na demonstração do resultado. As despesas 10.963 5.730 Prejuízo do exercício Patrimônio líquido Aquisição de imobilizado (815.470) (196.365) financeiras abrangem despesas com juros sobre empréstimos, ajustes de desconto a valor presente das provisões e, Capital social 6 2.461.000 1.539.500 Outros resultados Caixa líquido nas atividades Prejuízos acumulados (1.365.741) (1.233.011) abrangentes de investimento (815.470) (196.365) variações no valor justo de ativos financeiros mensurados pelo valor justo por meio do resultado. Custos de empréstimo que 1.095.259 306.489 Resultado abrangente do não são diretamente atribuíveis à aquisição, construção ou Total do passivo e (132.730) (122.844) Fluxo de caixa das atividades produção de um ativo qualificável são mensurados no patrimônio líquido 1.106.222 312.219 exercício de financiamento resultado pelo método de juros efetivos. 2.9 Imposto de renda Integralização de capital 921.500 324.500 Demonstração das mutações no patrimônio líquido Exercícios findo e contribuição social: Ativos e passivos tributários correntes do Caixa líquido nas atividades em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) último exercício e de anos anteriores são mensurados ao valor de financiamento 921.500 324.500 recuperável esperado ou a pagar para as autoridades fiscais. Capital social Capital a Prejuízos (Redução) aum. do caixa As alíquotas de imposto e as leis tributárias usadas para subscrito integralizar acumulados Total e equivalentes de caixa (830) 413 calcular o montante são aquelas que estão em vigor ou Saldos em 31 de dezembro de 2016 1.490.000 (275.000) (1.110.167) 104.833 substancialmente em vigor na data do balanço nos países em Capital subscrito 55.000 (55.000) - Demonstração do aum. (redução) que o Grupo opera e gera receita tributável. Imposto de renda Capital integralizado 324.500 324.500 do caixa e equiv. de caixa e contribuição social correntes relativos a itens reconhecidos Prejuízo do exercício (122.844) (122.844) No início do exercício 1.854 1.441 diretamente no patrimônio líquido são reconhecidos no Saldos em 31 de dezembro de 2017 1.545.000 (5.500) (1.233.011) 306.489 No fim do exercício 1.024 1.854 patrimônio líquido. A administração periodicamente avalia a Capital subscrito 2.115.000 (2.115.000) posição fiscal das situações nas quais a regulamentação fiscal Capital integralizado 921.500 921.500 requer interpretação e estabelece provisões quando Prejuízo do exercício (132.730) (132.730) Variação do caixa e equi(830) 413 apropriado. A Administração avalia, periodicamente, as Saldos em 31 de dezembro de 2018 3.660.000 (1.199.000) (1.365.741) 1.095.259 valentes de caixa posições assumidas pela Companhia nas apurações de impostos sobre a renda com relação às situações em que a Notas explicativas às demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 regulamentação fiscal aplicável dá margem a interpretações; e (Valores expressos em reais) estabelece provisões, quando apropriado, com base nos 1. Contexto operacional: A Companhia, com sede em Maracanaú, situada na Rod. Doutor Mendel Steinbruch, S/N , Km 08, sala 104 - Distr. Industrial, Estado do Ceará, foi constituída em valores estimados de pagamento às autoridades fiscais. 2.10 01 de Dezembro de 2011 e até a presente data não entrou em fase operacional. Para entrar em fase operacional a Companhia depende de reunir todos os pré-requisitos para participação Normas, alterações e interpretações que entraram em vigor de Leilão promovido pela Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL e se sagrar vencedora para que possa obter autorização para estabelecer-se como produtor independente de em 2018: Adoção CPC 47 / IFRS 15 - Receitas de Contratos energia elétrica. A Companhia tem por objeto social a geração, como produtor independente, de energia elétrica, a partir de fontes alternativas, predominantemente a eólica, destinada à com Clientes: Substitui o CPC 30 / IAS 18 Receitas, o CPC 17 comercialização na modalidade de produção independente de energia; e para consecução do objeto social, a implantação, administração e operação de centrais geradoras, bem como o / IAS 11 Contratos de Construção e interpretações relacionadas. desenvolvimento de projetos, a prestação de serviços de consultoria de Projetos Eólicos. A Companhia encontra-se em fase pré-operacional e no decorrer desta fase, seus acionistas cobrem A Companhia adotou o CPC 47 / IFRS 15 a partir de 1º de as suas necessidades de caixa na forma de capital ou adiantamentos para permitir a liquidação de obrigações futuras referentes a conclusão da fase de instalação até que a operação atinja janeiro de 2018, usando o método de efeito cumulativo (sem expedientes práticos), com efeito de adoção inicial da norma seu equilíbrio. 2. Base de preparação e principais práticas contábeis: 2.1 Declaração de conformidade: As demonstrações contábeis foram preparadas conforme as práticas contábeis adotadas no Brasil reconhecida na data da aplicação inicial. A adoção do CPC 47 incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPCs). Adicionalmente, a Companhia considerou as orientações emanadas da Orientação Técnica OCPC / IFRS 15 não teve um efeito significativo nas políticas 07, emitida pelo CPC em novembro de 2014, na preparação das suas demonstrações contábeis. Desta forma, as informações relevantes próprias das demonstrações contábeis estão sendo contábeis da Companhia, visto que a Companhia encontra-se evidenciadas, e correspondem às utilizadas pela Administração na sua gestão. A emissão das demonstrações contábeis foi autorizada pela Diretoria em 28 de fevereiro de 2019. 2.2 Moeda em fase pré-operacional. Adoção CPC 48 / IFRS 9 funcional e moeda de apresentação: Essas demonstrações contábeis estão apresentadas em Reais, que é a moeda funcional da Companhia. Todos os saldos foram arredondados para o Instrumentos Financeiros: A Companhia adotou inicialmente o milhar mais próximo, exceto quando indicado de outra forma. 2.3 Uso de estimativas e julgamento: A preparação das demonstrações contábeis requer que a Administração faça julgamentos, CPC 48 / IFRS 9 Instrumentos financeiros, a partir de 1º de estimativas e adote premissas que afetam a aplicação de políticas contábeis e os valores reportados de ativos, passivos, receitas e despesas. Os resultados reais podem divergir dessas janeiro de 2018. O CPC 48 / IFRS 9 estabelece requerimentos estimativas. As estimativas e premissas são revisadas de forma contínua. As revisões das estimativas contábeis são reconhecidas prospectivamente. As informações sobre julgamentos para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos críticos e incertezas referentes as políticas contábeis adotadas que apresentam efeitos sobre os valores reconhecidos nas demonstrações contábeis estão incluídas nas notas explicativas. financeiros e alguns contratos de compra ou venda de itens 2.4 Base de mensuração: As demonstrações contábeis foram preparadas com base no custo histórico. 2.5 Instrumentos financeiros: A Companhia classifica seus ativos financeiros sob as não financeiros. Esta norma substitui o CPC 38 / IAS 39 seguintes categorias: mensurados ao custo amortizado, mensurados ao valor justo por meio de outros resultados abrangentes e mensurados ao valor justo por meio do resultado. A Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração. O classificação de seus ativos financeiros é feita no reconhecimento inicial e de acordo com a finalidade para a qual foram adquiridos. Em 31 de dezembro de 2018, a Companhia não possuía CPC 48 / IFRS 9 retém em grande parte os requerimentos ativos financeiros classificados nas categorias de valor justo por meio de outros resultados abrangentes e mensurados ao valor justo por meio do resultado. A Companhia classifica seus existentes no CPC 38 / IAS 39 para a classificação e passivos financeiros mensurados ao custo amortizado. A classificação depende da finalidade para a qual os passivos financeiros foram assumidos. Os passivos financeiros são reconhecidos mensuração de passivos financeiros. No entanto, ele elimina inicialmente pelo valor justo acrescido de quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, esses passivos financeiros são medidos pelo custo amortizado através do as antigas categorias do CPC 38 / IAS 39 para ativos método da taxa efetiva dos juros. Ativos e passivos financeiros são compensados e o valor líquido é reportado no balanço patrimonial quando há um direito legalmente aplicável de compensar financeiros: mantidos até o vencimento, empréstimos e os valores reconhecidos e há uma intenção de liquidá-los em uma base líquida, ou realizar o ativo e liquidar o passivo simultaneamente. Os principais ativos financeiros reconhecidos pela recebíveis e disponíveis para venda. A adoção do CPC 48 / Companhia são: caixa e equivalentes de caixa. Os principais passivos financeiros reconhecidos pela Companhia são: fornecedores e partes relacionadas. 2.6 Redução ao valor recuperável IFRS 9 não teve um efeito significativo nas políticas contábeis (impairment): A Administração revisa anualmente o valor contábil líquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanças nas circunstâncias econômicas, operacionais ou tecnológicas, da Companhia. A Companhia não possui instrumentos que possam indicar deterioração ou perda de seu valor recuperável. Sendo tais evidências identificadas e o valor contábil líquido exceder o valor recuperável, é constituída provisão para financeiros derivativos. Adicionalmente, não se espera que as desvalorização ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável. O valor recuperável de um ativo ou de determinada unidade geradora de caixa é definido como sendo o maior entre o seguintes novas normas ou modificações possam ter um valor em uso e o valor líquido de venda. Na estimativa do valor em uso do ativo, os fluxos de caixa futuros estimados são descontados ao seu valor presente, utilizando uma taxa de desconto impacto significativo nas demonstrações contábeis da antes dos impostos que reflita o custo médio ponderado de capital para a indústria em que opera a unidade geradora de caixa. O valor líquido de venda é determinado, sempre que possível, Companhia: • IFRS 16 Operações de arrendamento mercantil; com base em contrato de venda firme em uma transação em bases comutativas, entre partes conhecedoras e interessadas, ajustado por despesas atribuíveis à venda do ativo, ou, quando • IFRS 17 Contratos de seguro; • Interpretação IFRIC 22 não há contrato de venda firme, com base no preço de mercado de um mercado ativo, ou no preço da transação mais recente com ativos semelhantes. 2.7 Ativo imobilizado: Os itens do Transações em moeda estrangeira e adiantamento de imobilizado são mensurados pelo custo histórico de aquisição ou construção. O custo de ativos construídos inclui o custo de materiais e mão de obra direta, quaisquer outros custos para contraprestação; e • Interpretação IFRIC 23 Incerteza sobre o colocar o ativo no local, custos de empréstimos sobre ativos qualificáveis e condição necessários para que esses sejam capazes de operar da forma pretendida pela Administração. O custo tratamento dos tributos sobre a renda. O Comitê de de reposição de um componente do imobilizado é reconhecido no valor contábil do item caso seja provável que os benefícios econômicos incorporados dentro do componente irão gerar Pronunciamentos Contábeis ainda não emitiu pronunciamento benefícios futuros e que o seu custo possa ser medido de forma confiável. O valor contábil do componente que tenha sido reposto por outro é baixado. Os custos de manutenção no dia-a-dia contábil ou alteração nos pronunciamentos vigentes do imobilizado são reconhecidos no resultado conforme incorridos. Ganhos e perdas na alienação de um item do imobilizado são apurados pela comparação entre os recursos advindos da correspondentes a todas as novas IFRS. Portanto, a adoção

VENTOS DE SANTA EUGÊNIA ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CNPJ: 15.674.494/0001-67

na s como a do estudante Gu aume Rousseau 23 “É um momento h stór co Eu t nha que estar aqu Não há nenhum ugar ma s mportante para um morador da c dade estar neste momento” d sse E e fez fotos e v deos não só do ncênd o antecipada dessas IFRS não é permitida para entidades que divulgam as suas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. 3. Gerenciamento de riscos: A Administração é responsável pelo estabelecimento e supervisão da estrutura de gerenciamento de risco da Companhia. As políticas de gerenciamento de risco são estabelecidas para identificar, analisar e definir limites e controles apropriados, e para monitorar riscos e aderência aos limites. (i) Risco operacional: O risco operacional está relacionado com a paralisação de parte ou de todo o fornecimento esperado relacionado ao parque eólico. (ii) Risco de crédito: O risco de crédito de saldos com bancos e instituições financeiras é administrado pela tesouraria da Companhia de acordo com a política por este estabelecida. Os recursos excedentes são investidos apenas em instituições financeiras autorizadas e aprovadas pela controladoria, avalizadas pela Diretoria Executiva, respeitando limites de crédito definidos, os quais são estabelecidos a fim de minimizar a concentração de riscos e, assim, mitigar o prejuízo financeiro no caso de potencial falência de uma contraparte. (iii) Risco de liquidez: Risco de liquidez é o risco em que a Companhia irá encontrar dificuldades em cumprir com as obrigações associadas com seus passivos financeiros que são liquidados com pagamentos à vista ou com outro ativo financeiro. A abordagem da Companhia na administração de liquidez é de garantir, o máximo possível, que sempre tenha liquidez suficiente para cumprir com suas obrigações ao vencerem, sob condições normais e de estresse, sem causar perdas inaceitáveis ou com risco de prejudicar a reputação da Companhia. A Companhia possui ativos financeiros representados por caixa que resultam diretamente das integralizações dos acionistas. A Companhia não efetua aplicações de caráter especulativo, em derivativos ou quaisquer outros ativos de risco. A Companhia não possui em 31 de dezembro de 2018 exposições financeiras atreladas à moeda estrangeira. (iv) Risco de mercado: Risco de mercado é o risco que alterações nos preços de mercado, tais como as taxas de câmbio, taxas de juros e preços de ações, têm nos ganhos da Companhia ou no valor de suas participações em instrumentos financeiros. O objetivo do gerenciamento de risco de mercado é gerenciar e controlar as exposições a riscos de mercados, dentro de parâmetros aceitáveis, e ao mesmo tempo otimizar o retorno. A Administração da Companhia não efetua investimentos em ativos financeiros que possam gerar oscilações relevantes nos seus preços de mercado. 4. Caixas e equivalentes de caixa 2018 2017 Bancos 654 329 Aplicações financeiras 370 1.525 Total 1.024 1.854 Aplicações financeiras correspondem a operações realizadas junto às instituições financeiras que operam no mercado financeiro nacional e possuem baixo risco de crédito, são remuneradas pela variação do Certificado de Depósito Interbancário (CDI) e estão disponíveis para utilização nas operações da Companhia, ou seja, são ativos financeiros com liquidez imediata. Estas operações têm vencimentos inferiores a 3 meses da data de contratação e com compromisso de recompra pelo emissor. 5. Imobilizado: Composição do imobilizado 2018 2017 Edificações, obras civis e benfeitorias 146.515 152.663 Torres anemométricas (b) 805.461 Imobilizado em andamento (a) 71.946 77.677 Total 1.023.922 230.340 Movimentação do imobilizado Depre2017 Adições ciação 2018 Edificações, obras civis e benfeitorias 152.663 - (6.148) 146.515 Torres anemométricas (b) - 821.201 (15.740) 805.461 Imobilizado em andamento (a) 77.677 (5.731) 71.946 Total 230.340 815.470 (21.888) 1.023.922 (a) Refere-se à prestação de serviço de consultoria para certificação da energia em função da fase pré-operacional da Companhia. (b) Referem-se à compra de torres anemométricas para estudos e medições da energia eólica. 6. Patrimônio líquido: Em 31 de dezembro de 2018, o capital social subscrito é de R$ 3.660.000 (R$ 1.545.000 em 2017) e está representado por 3.660.000 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. O capital social integralizado é de R$ 2.461.000 (R$ 1.539.500 em 2017) e está representado por 2.461.000 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. Aumento de capital: De acordo com Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 02 de abril de 2018, foi subscrito capital no montante de R$ 115.000. em sua totalidade e integralizado capital no montante de R$ 11.500 com entrada em caixa e equivalente de caixa. De acordo com Assembleia Geral

mas também do púb co “É tota mente d ferente do d a a d a nessa área Gera mente tem mu to baru ho e agora tem mu ta gente mas estão quase todos em s ênc o”

Extraordinária - AGE de 26 de outubro de 2018, foi subscrito capital no montante de R$ 2.000.000 em sua totalidade e integralizado capital no montante de R$ 775.000 com entrada em caixa e equivalente de caixa. No exercício de 2018, foram realizadas integralizações de capital conforme boletins de integralizações no montante de R$ 135.000. 8. Prejuízos fiscais: Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 a Companhia possuía saldos de prejuízos fiscais a compensar: 2018 2017 Prejuízos fiscais (132.730) (122.844) 9. Despesas gerais e administrativas 2018 2017 Taxas e emolumentos (2.521) (4.620) Serviços de terceiros (8.385) (2.006) Arrendamento (17.051) (67.162) Seguros (3.343) Despesa com cartório (2.535) (3.573) Desp. com licença ambiental (8.250) Serviços de manutenção e atualização de informática (205) Compartilhamento de despesas (75.061) (33.967) Despesa com depreciação (21.888) (1.025) Tributos (22) Total (130.989) (120.625) 10. Resultado financeiro 2018 2017 Receitas financeiras Rendimentos aplicações financeiras 2 6 2 6 Despesas financeiras Juros pagos (4) (7) Tarifas bancárias (1.452) (1.392) Multas (287) (825) IOF (1) (1.743) (2.225) Total (1.741) (2.219) 11. Partes relacionadas: Os principais saldos de ativos e passivos em 31 de dezembro de 2018 e 2017, bem como as transações que influenciaram os resultados dos exercícios, decorrem de transações da Companhia, as quais estão descritas abaixo: Em 31 de dezembro 2017 Resultado Compartilhamento de despesas (a) 33.967 Em 31 de dezembro 2018 Passivo Fornecedores (a) 6.274 Resultado Compartilhamento de despesas (a) 75.061 (a) A Companhia possui operações com partes relacionadas decorrente do contrato de compartilhamento de despesas firmado com a Casa dos Ventos Energias Renováveis S.A. 12. Instrumentos financeiros: Os principais instrumentos financeiros contratados com terceiros discriminam-se como segue: a. Valor justo dos instrumentos financeiros não derivativos 2018 2017 Valor Valor de Valor Valor de contábil mercado contábil mercado Caixas e equiv. de caixa 1.024 1.024 1.854 1.854 Fornecedores (4.401) (4.401) Partes relacionadas (6.274) (6.274) Total (9.651) (9.651) 1.854 1.854 13. Seguros: A Companhia adota a política de contratar cobertura de seguros para os bens sujeitos a riscos por montantes considerados suficientes para cobrir eventuais sinistros, considerando a natureza de sua atividade. Bem como garante a indenização, independente da comprovação de prejuízo, até o valor da garantia fixado na apólice, do valor correspondente à multa aplicada pela ANEEL em decorrência da não assinatura do CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA NO AMBIENTE REGULADO (CCEAR e CCG) pelo tomador ou não atendimento das exigências para a sua assinatura, nas condições e no prazo estabelecido no Edital, bem como da multa aplicada pela ANEEL em decorrência de qualquer outro inadimplemento que importe na execução da garantia, durante a fase de licitação, conforme previsto no Edital do Leilão nº 03/2018-ANEEL - Empreendimento Ventos de Santa Eugenia 12, Empreendimento Ventos de Santa Eugenia 13 e Empreendimento Ventos de Santa Eugenia 14. As premissas de risco adotadas, dada a sua natureza, não fazem parte do escopo de uma auditoria das demonstrações contábeis, consequentemente, não foram examinadas pelos nossos auditores independentes. A Diretoria. Contador responsável: Eugênio Pacelli Mendonça Dupin CRC- SP 201976/O-1 T-CE

Relatório do auditor independente sobre as demonstrações contábeis Aos Administradores e Acionistas da Ventos de Santa Eugênia Energias Renováveis S.A. (Companhia em fase pré-operacional). Maracanaú - CE. Opinião: Examinamos as demonstrações contábeis da Ventos de Santa Eugênia Energias Renováveis S.A. (“Companhia”), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2018 e as respectivas demonstrações do resultado e do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa, para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Em nossa opinião as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Ventos de Santa Eugênia Energias Renováveis S.A. em 31 de dezembro de 2018, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Base para opinião: Nossa auditoria foi conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Nossas responsabilidades, em conformidade com tais normas, estão descritas na seção a seguir intitulada “Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis”. Somos independentes em relação à Companhia de acordo com os princípios éticos relevantes previstos no Código de Ética Profissional do Contador e nas normas profissionais emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade e cumprimos com as demais responsabilidades éticas de acordo com essas normas. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Responsabilidades da Administração e da governança pelas demonstrações contábeis: A Administração é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se

causada por fraude ou erro. Na elaboração das demonstrações contábeis, a Administração é responsável pela avaliação da capacidade de a Companhia continuar operando, divulgando, quando aplicável, os assuntos relacionados com a sua continuidade operacional e o uso dessa base contábil na elaboração das demonstrações contábeis a não ser que a Administração pretenda liquidar a Companhia ou cessar suas operações, ou não tenha nenhuma alternativa realista para evitar o encerramento das operações. Os responsáveis pela governança da Companhia são aqueles com responsabilidade pela supervisão do processo de elaboração das demonstrações contábeis. Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis: Nossos objetivos são obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis, tomadas em conjunto, estão livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro, e emitir relatório de auditoria contendo nossa opinião. Segurança razoável é um alto nível de segurança, mas não uma garantia de que a auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria sempre detectam as eventuais distorções relevantes existentes. As distorções podem ser decorrentes de fraude ou erro e são consideradas relevantes quando, individualmente ou em conjunto, possam influenciar, dentro de uma perspectiva razoável, as decisões econômicas dos usuários tomadas com base nas referidas demonstrações contábeis. Como parte de uma auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, exercemos julgamento profissional, e mantemos ceticismo profissional ao longo da auditoria. Além disso: • Identificamos e avaliamos os riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro, planejamos e executamos procedimentos de auditoria em resposta a tais riscos, bem como obtemos evidência de auditoria apropriada e suficiente para fundamentar nossa opinião. O risco de não detecção de distorção relevante resultante de fraude é maior do que o proveniente de erro, já que a fraude pode envolver o ato de burlar os controles internos, conluio, falsificação, omissão ou

em contrato de venda firme em uma transação em bases comutativas, entre partes conhecedoras e interessadas, ajustado por despesas atribuíveis à venda do ativo, ou, quando não há contrato de venda firme, com base no preço de mercado de um mercado ativo, ou no preço da transação mais recente com ativos semelhantes. 2.7 Ativo imobilizado: Os itens do imobilizado são mensurados pelo custo histórico de aquisição ou construção. O custo de ativos construídos inclui o custo de materiais e mão de obra direta, quaisquer outros custos para colocar o ativo no local, custos de empréstimos sobre ativos qualificáveis e condição necessários para que esses sejam capazes de operar da forma pretendida pela Administração. O custo de reposição de um componente do imobilizado é reconhecido no valor contábil do item caso seja provável que os benefícios econômicos incorporados dentro do componente irão gerar benefícios futuros e que o seu custo possa ser medido de forma confiável. O valor contábil do componente que tenha sido reposto por outro é baixado. Os custos de manutenção no dia-a-dia do imobilizado são reconhecidos no resultado conforme incorridos. Ganhos e perdas na alienação de um item do imobilizado são apurados pela comparação entre os recursos advindos da alienação com o valor contábil do imobilizado, e são reconhecidos líquidos dentro de outras receitas no resultado. Depreciações: Itens do ativo imobilizado são depreciados a partir da data em que estão disponíveis para uso, ou no caso de ativos construídos internamente, a partir do dia em que a construção é finalizada e o ativo está disponível para uso. A depreciação é calculada sobre o custo dos ativos imobilizados ou outro valor substituto do custo. A depreciação é reconhecida no resultado baseando-se no método linear com relação às vidas úteis estimadas já que esse método é o que mais reflete o padrão de consumo de benefícios econômicos futuros incorporados no ativo. Terrenos não são depreciados. As taxas utilizadas estão de acordo com o Manual de Controle Patrimonial do Setor Elétrica (“MCPSE”), aprovado pelas Resoluções Normativas nº 367/2009 e 474/2012 pela ANEEL. Os métodos de depreciação, as vidas úteis e os valores residuais são revistos a cada encerramento de exercício e eventuais ajustes são reconhecidos como mudança de estimativas contábeis. 2.8 Receitas e despesas financeiras: Para todos os instrumentos financeiros avaliados ao custo amortizado e ativos financeiros que rendem juros, classificados como ativos financeiros ao valor justo, a receita ou despesa financeira é contabilizada utilizando-se a taxa de juros efetiva, que desconta exatamente os pagamentos ou recebimentos futuros estimados de caixa ao longo da vida estimada do instrumento financeiro ou em um período de tempo mais curto, quando aplicável, ao valor contábil liquido do ativo ou passivo financeiro. A receita de juros é incluída na rubrica receita financeira, na demonstração do resultado. As despesas financeiras abrangem despesas com juros sobre empréstimos, ajustes de desconto a valor presente das provisões e, variações no valor justo de ativos financeiros mensurados pelo valor justo por meio do resultado. Custos de empréstimo que não são diretamente atribuíveis à aquisição, construção ou produção de um ativo qualificável são mensurados no resultado pelo método de juros efetivos. 2.9 Normas, alterações e interpretações que entraram em vigor em 2018: Adoção CPC 47 / IFRS 15 - Receitas de Contratos com Clientes: Substitui o CPC 30 / IAS 18 Receitas, o CPC 17 / IAS 11 Contratos de Construção e interpretações relacionadas. A Companhia adotou o CPC 47 / IFRS 15 a partir de 1º de janeiro de 2018, usando o método de efeito cumulativo (sem expedientes práticos), com efeito de adoção inicial da norma reconhecida na data da aplicação inicial (ou seja, 1º de janeiro de 2018). A adoção do CPC 47 / IFRS 15 não teve um efeito significativo nas políticas contábeis da Companhia visto que a Companhia encontra-se em fase pré-operacional. Adoção CPC 48 / IFRS 9 - Instrumentos Financeiros: A Companhia adotou inicialmente o CPC 48 / IFRS 9 Instrumentos financeiros, a partir de 1º de janeiro de 2018. O CPC 48 / IFRS 9 estabelece requerimentos para reconhecer e mensurar ativos financeiros, passivos financeiros e alguns contratos de compra ou venda de itens não financeiros. Esta norma substitui o CPC 38 / IAS 39 Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração. O CPC 48 / IFRS 9 retém em grande parte os requerimentos existentes no CPC 38 / IAS 39 para a classificação e mensuração de passivos financeiros. No entanto, ele elimina as antigas categorias do CPC 38 / IAS 39 para ativos financeiros: mantidos até o vencimento, empréstimos e recebíveis e disponíveis para venda. A adoção do CPC 48 / IFRS 9 não teve um efeito significativo nas políticas contábeis da Companhia. A Companhia não possui instrumentos financeiros derivativos. Adicionalmente, não se espera que as seguintes novas normas ou modificações possam ter um impacto significativo nas demonstrações contábeis da Companhia: • IFRS 16 Operações de arrendamento mercantil; • IFRS 17 Contratos de seguro; • Interpretação IFRIC 22 Transações em moeda estrangeira e adiantamento de contraprestação; e • Interpretação IFRIC 23 Incerteza sobre o tratamento dos tributos sobre a renda. O Comitê de Pronunciamentos Contábeis ainda não emitiu pronunciamento contábil ou alteração nos pronunciamentos vigentes correspondentes a todas as novas IFRS. Portanto, a

VENTOS DE SÃO JANUÁRIO ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CNPJ: 13.312.571/0001-03 Relatório da Administração Senhores Acionistas: Submetemos ao exame de V.Sas. o Relatório da Administração e as Demonstrações Contábeis da empresa Ventos de São Januário Energias Renováveis S.A. relativos ao exercício findo em 31 de dezembro de 2018. Maracanaú, 15 de março de 2019.

Balanço patrimonial Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) Notas Ativo Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 Tributos a recuperar Despesas antecipadas Não circulante Imobilizado Investimento

2018

5 6

Total do ativo Passivo Circulante Obrigações fiscais Partes relacionadas

2017 102.063 5 102.068

4.121 380 467 4.968

Demonstração dos fluxos de caixa Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais)

Demonstração do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) Notas Despesas operacionais Despesas gerais e administrativas Prejuízo antes do resultado financeiro Resultado financeiro

2018

2017

9

(2.672.988)

(1.107.528)

10

(2.672.988) (14.627)

(1.107.528) (4.568)

469.287 Prejuízo do exercício (2.687.615) (1.112.096) 469.287 Demonstração do resultado abrangente 571.355 Exercícios findos em

1.793.311 62.372 1.855.683 1.860.651

31 de dezembro de 2018 e 2017

Patrimônio líquido Capital social Prejuízos acumulados

(Valores expressos em reais) 56.035 1.997 2018 58.032 Prejuízo do exercício (2.687.615) Outros resultados 3.006.500 abrangentes (2.493.177) 513.323 Resultado abrangente (2.687.615) 571.355 do exercício

59 133.598 133.657

11 7

6.907.786 (5.180.792) 1.726.994

Total do passivo e patrimônio líquido

1.860.651

Saldos em 31 de dezembro de 2016 Capital subscrito Capital integralizado Prejuízo do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2017 Capital subscrito Capital integralizado Redução de capital Prejuízo do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2018

Capital a integralizar (6.000) (3.825.000) 1.702.500 (2.128.500) (2.000.000) 3.967.500 (161.000)

(66.214) (2.687.615) 1.726.994

86 (10.867) (14.706)

(375) (467) 131.601 (55.976)

(2.555.925) (1.131.163)

(1.380.931) (62.372)

(470.707) -

(1.443.303)

(470.707)

3.901.286

1.702.500

3.901.286

1.702.500

(97.942)

100.630

102.063 4.121

1.433 102.063

(97.942)

100.630

(1.112.096) Fluxo de caixa das atividades de financiamento Integralização de capital Caixa líquido originado nas atividades de financiamento Total Acréscimo (decréscimo) do (77.081) caixa e equivalentes de caixa - Demonstração do aumento 1.702.500 (redução) do caixa e (1.112.096) equivalentes de caixa 513.323 No início do exercício 3.967.500 No fim do exercício

Prejuízos acumulados (1.381.081) (1.112.096) (2.493.177) (2.687.615) (5.180.792)

2017

(2.687.615) (1.112.096) 56.907 6.420

2017 Fluxo de caixa das atividades (1.112.096) de investimento Aquisição de imobilizado - Investimentos Caixa líquido originado nas atividades de investimento

Demonstração das mutações no patrimônio líquido Exercícios findo em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) Capital social subscrito 1.310.000 3.825.000 5.135.000 2.000.000 (66.214) 7.068.786

2018 Fluxos de caixa das atividades operacionais Prejuízo do exercício Depreciação (Acréscimo) decréscimo e ativos e passivos Tributos a recuperar Despesas antecipadas Partes relacionadas Obrigações fiscais Caixa líquido aplicado nas atividades operacionais

Variação no caixa e equivalentes de caixa

Notas explicativas às demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2018 e 2017 (Valores expressos em reais) 1. Contexto operacional: A Companhia, com sede em Maracanaú, situado na Rod. Dr Mendel Steinbruch, S/N, KM 08 - Sala 15 - Distr. Industrial, Estado do Ceará, foi constituída em 28 de outubro de 2010 e até a presente data não entrou em fase operacional. A Companhia, durante o ano de 2018, participou, em diferentes consórcios, de dois leilões para comercialização de energia elétrica no mercado regulado, a saber: (i) Consórcio com a EDF EN do Brasil Participações Ltda, com os parques eólicos Ventos de São Januário 01, Ventos de São Januário 04, Ventos de São Januário 13 e Ventos e São Januário 14 para o Leilão A4 01/2018. (ii) Consórcio com a EDF EN do Brasil Participações Ltda, com os parques eólicos Ventos de São Januário 03, Ventos de São Januário 05, Ventos de São Januário 06, Ventos de São Januário 10 e Ventos de São Januario 11 para o Leilão A6 03/2018. (iii) Consórcio com o Salus Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia com os parques eólicos Ventos de São Januário 20, Ventos de São Januário 21, Ventos de São Januário 22 e Ventos de São Januário 23 para o Leilão A6 03/2018. A Companhia, através dos Consórcios acima, sagrou-se vencedora nos Leilões e juntamente com: (i) a EDF EN do Brasil Participações Ltda, para o Leilão A4 01/2018 constituiu as seguintes sociedades de propósito específico (participação minoritária de 0,01%): Parque Eólico Ventos de São Januário 01, Parque Eólico Ventos de São Januário 04 S.A., Parque Eólico Ventos de São Januário 13 S.A e Parque Eólico Ventos de São Januário 14. S.A. (ii) a EDF EN do Brasil Participações Ltda, para o Leilão A6 03/2018, constituiu as seguintes sociedades de propósito específico (participação minoritária de 0,01%): Parque Eólico Ventos de São Januário 03, Parque Eólico Ventos de São Januário 05 S.A., Parque Eólico Ventos de São Januário 6 S.A, Parque Eólico Ventos de São Januário 10. S.A. e Parque Eólico Ventos de São Januário 11 S.A. (iii) o Salus Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia, para o Leilão A6 03/2018, constituiu as seguintes sociedades de propósito específico (participação minoritária de 0,1%): Ventos de São Bento Energias Renováveis S.A, Ventos de São Galvão Energias Renováveis S.A. e Ventos de Santo Eloy Energias Renováveis S.A. A Companhia tem por objeto social: (i) a exploração, em nome próprio ou através da participação em consórcios ou sociedades, de usina de geração de energia elétrica a partir da fonte eólica Ventos de Januário 21, na forma permitida em lei e mediante a obtenção das respectivas concessões e autorizações; (ii) a produção e comercialização de energia elétrica a partir de fonte eólica; e (iii) a aquisição, no mercado interno e externo, dos equipamentos, bens e serviços necessários para tal desiderato. Transações com investimentos em 2018: Em 17 de agosto de 2018, a Companhia adquiriu participação societária nas SPEs Parque Eólico Ventos de São Januário 01, Parque Eólico Ventos de São Januário 04 S.A., Parque Eólico Ventos de São Januário 13 S.A e Parque Eólico Ventos de São Januário 14. S.A. (em conjunto denominadas “Folha Larga 1 Holding S.A”). Adicionalmente, em 25 de setembro de 2018, através de Assembleia Geral Extraordinária - AGE, houve aprovação da cisão parcial da sua participação nesses investimentos para o Salus Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia no montante de R$ 66.214. 2. Base de preparação e principais práticas contábeis: 2.1 Declaração de conformidade: As demonstrações contábeis foram preparadas conforme as práticas contábeis adotadas no Brasil incluindo os pronunciamentos emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPCs). Adicionalmente, a Companhia considerou as orientações emanadas da Orientação Técnica OCPC 07, emitida pelo CPC em novembro de 2014, na preparação das suas demonstrações contábeis. Desta forma, as informações relevantes próprias das demonstrações contábeis estão sendo evidenciadas, e correspondem às utilizadas pela Administração na sua gestão. A emissão das demonstrações contábeis foi autorizada pela Diretoria em 15 de março de 2019. 2.2 Moeda funcional e moeda de apresentação: Essas demonstrações contábeis estão apresentadas em Reais, que é a moeda funcional da Companhia. Todos os saldos foram arredondados para o milhar mais próximo, exceto quando indicado de outra forma. 2.3 Uso de estimativas e julgamento: A preparação das demonstrações contábeis requer que a Administração faça julgamentos, estimativas e adote premissas que afetam a aplicação de políticas contábeis e os valores reportados de ativos, passivos, receitas e despesas. Os resultados reais podem divergir dessas estimativas. As estimativas e premissas são revisadas de forma contínua. As revisões das estimativas contábeis são reconhecidas prospectivamente. As informações sobre julgamentos críticos e incertezas referentes as políticas contábeis adotadas que apresentam efeitos sobre os valores reconhecidos nas demonstrações contábeis estão incluídas nas notas explicativas. 2.4 Base de mensuração: As demonstrações contábeis foram preparadas com base no custo histórico. 2.5 Instrumentos financeiros: A Companhia classifica seus ativos financeiros sob as seguintes categorias: mensurados ao custo amortizado, mensurados ao valor justo por meio de outros resultados abrangentes e mensurados ao valor justo por meio do resultado. A classificação de seus ativos financeiros é feita no reconhecimento inicial e de acordo com a finalidade para a qual foram adquiridos. Em 31 de dezembro de 2018, a Companhia não possuía ativos financeiros classificados nas categorias de valor justo por meio de outros resultados abrangentes e mensurados ao valor justo por meio do resultado. A Companhia classifica seus passivos financeiros mensurados ao custo amortizado. A classificação depende da finalidade para a qual os passivos financeiros foram assumidos. Os passivos financeiros são reconhecidos inicialmente pelo valor justo acrescido de quaisquer custos de transação atribuíveis. Após o reconhecimento inicial, esses passivos financeiros são medidos pelo custo amortizado através do método da taxa efetiva dos juros. Ativos e passivos financeiros são compensados e o valor líquido é reportado no balanço patrimonial quando há um direito legalmente aplicável de compensar os valores reconhecidos e há uma intenção de liquidá-los em uma base líquida, ou realizar o ativo e liquidar o passivo simultaneamente. Os principais ativos financeiros reconhecidos pela Companhia são: caixa e equivalentes de caixa. Os principais passivos financeiros reconhecidos pela Companhia são partes relacionadas. 2.6 Redução ao valor recuperável (impairment): A Administração revisa anualmente o valor contábil líquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanças nas circunstâncias econômicas, operacionais ou tecnológicas, que possam indicar deterioração ou perda de seu valor recuperável. Sendo tais evidências identificadas e o valor contábil líquido exceder o valor recuperável, é constituída provisão para desvalorização ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável. O valor recuperável de um ativo ou de determinada unidade geradora de caixa é definido como sendo o maior entre o valor em uso e o valor líquido de venda. Na estimativa do valor em uso do ativo, os fluxos de caixa futuros estimados são descontados ao seu valor presente, utilizando uma taxa de desconto antes dos impostos que reflita o custo médio ponderado de capital para a indústria em que opera a unidade geradora de caixa. O valor líquido de venda é determinado, sempre que possível, com base

representações falsas intencionais. • Obtemos entendimento dos controles internos relevantes para a auditoria para planejarmos procedimentos de auditoria apropriados nas circunstâncias, mas não com o objetivo de expressarmos opinião sobre a eficácia dos controles internos da Companhia. • Avaliamos a adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis e respectivas divulgações feitas pela Administração. • Concluímos sobre a adequação do uso, pela Administração, da base contábil de continuidade operacional e, com base nas evidências de auditoria obtidas, se existe uma incerteza relevante em relação a eventos ou condições que possam levantar dúvida significativa em relação à capacidade de continuidade operacional da Companhia. Se concluirmos que existe incerteza relevante devemos chamar atenção em nosso relatório de auditoria para as respectivas divulgações nas demonstrações contábeis ou incluir modificação em nossa opinião, se as divulgações forem inadequadas. Nossas conclusões estão fundamentadas nas evidências de auditoria obtidas até a data de nosso relatório. Todavia, eventos ou condições futuras podem levar a Companhia a não mais se manter em continuidade operacional. • Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteúdo das demonstrações contábeis, inclusive as divulgações e se as demonstrações contábeis representam as correspondentes transações e os eventos de maneira compatível com o objetivo de apresentação adequada. Comunicamo-nos com os responsáveis pela governança a respeito, entre outros aspectos, do alcance planejado, da época da auditoria e das constatações significativas de auditoria, inclusive as eventuais deficiências significativas nos controles internos que identificamos durante nossos trabalhos. Fortaleza, 28 de fevereiro de 2019 ERNST & YOUNG - Auditores Independentes S.S. - CRC-2SP015199/O-6 Ana Sampaio Forte Leal - Contadora CRC CE019456/O-7

adoção antecipada dessas IFRS não é permitida para entidades que divulgam as suas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. 3. Gerenciamento de riscos: A Administração é responsável pelo estabelecimento e supervisão da estrutura de gerenciamento de risco da Companhia. As políticas de gerenciamento de risco são estabelecidas para identificar, analisar e definir limites e controles apropriados, e para monitorar riscos e aderência aos limites. (i) Risco operacional: O risco operacional está relacionado com a paralisação de parte ou de todo o fornecimento esperado relacionado ao parque eólico. (ii) Risco de crédito: O risco de crédito de saldos com bancos e instituições financeiras é administrado pela tesouraria da Companhia de acordo com a política por este estabelecida. Os recursos excedentes são investidos apenas em instituições financeiras autorizadas e aprovadas pela controladoria, avalizadas pela Diretoria Executiva, respeitando limites de crédito definidos, os quais são estabelecidos a fim de minimizar a concentração de riscos e, assim, mitigar o prejuízo financeiro no caso de potencial falência de uma contraparte. (iii) Risco de liquidez: Risco de liquidez é o risco em que a Companhia irá encontrar dificuldades em cumprir com as obrigações associadas com seus passivos financeiros que são liquidados com pagamentos à vista ou com outro ativo financeiro. A abordagem da Companhia na administração de liquidez é de garantir, o máximo possível, que sempre tenha liquidez suficiente para cumprir com suas obrigações ao vencerem, sob condições normais e de estresse, sem causar perdas inaceitáveis ou com risco de prejudicar a reputação da Companhia. A Companhia possui ativos financeiros representados por caixa que resultam diretamente das integralizações dos acionistas. A Companhia não efetua aplicações de caráter especulativo, em derivativos ou quaisquer outros ativos de risco. A Companhia não possui em 31 de dezembro de 2018 e 2017 exposições financeiras atreladas à moeda estrangeira. (iv) Risco de mercado: Risco de mercado é o risco que alterações nos preços de mercado, tais como as taxas de câmbio, taxas de juros e preços de ações, têm nos ganhos da Companhia ou no valor de suas participações em instrumentos financeiros. O objetivo do gerenciamento de risco de mercado é gerenciar e controlar as exposições a riscos de mercados, dentro de parâmetros aceitáveis, e ao mesmo tempo otimizar o retorno. A Administração da Companhia não efetua investimentos em ativos financeiros que possam gerar oscilações relevantes nos seus preços de mercado. 4. Caixas e equivalentes de caixa 2018 2017 Bancos 3.719 1.617 Aplicações financeiras 402 100.446 Total 4.121 102.063 Aplicações financeiras correspondem a operações realizadas junto às instituições financeiras que operam no mercado financeiro nacional e possuem baixo risco de crédito, são remuneradas pela variação do Certificado de Depósito Interbancário (CDI) e estão disponíveis para utilização nas operações da Companhia, ou seja, são ativos financeiros com liquidez imediata. Estas operações têm vencimentos inferiores a 3 meses da data de contratação e com compromisso de recompra pelo emissor. 5. Imobilizado: Composição do imobilizado 2018 2017 Imobilizado em andamento 163.353 90.500 Torres anemométricas 1.629.958 378.787 Total 1.793.311 469.287 Movimentação do imobilizado Depre2017 Adições ciação 2018 Imobilizado em andamento (a) 90.500 72.853 163.353 Torres anemométricas (b) 378.787 1.308.078 (56.907) 1.629.958 Total 469.287 1.380.931 (56.907) 1.793.311 (a) Refere-se à prestação de serviço de consultoria para certificação da energia eólica durante a fase pré-operacional da Companhia. (b) Refere-se à compra de torres anemométricas para estudos e medições da energia eólica. 6. Investimento: A Companhia possui investimentos em empresas eólicas realizados através de aportes de capital. Abaixo estão relacionados os investimentos nas investidas: % de Investidas participação Ventos de Santo Eloy Energias Renováveis S.A 0,1% Ventos de São Galvão Energias Renováveis S.A 0,1% Ventos de São Bento Energias Renováveis S.A 0,1% Ventos de Santo Abelardo Energias Renováveis S.A 0,1% Outros investimentos 0,01% 2018 Ventos de Santo Eloy Energias Renováveis S.A 18.719 Ventos de São Galvão Energias Renováveis S.A 19.379 Ventos de São Bento Energias Renováveis S.A 24.226 Ventos de Santo Abelardo Energias Renováveis S.A 47 Outros investimentos 1 Total 62.372 A Companhia optou por não aplicar o método de equivalência patrimonial sobre seus investimentos de acordo com o item 17

do CPC 18 (R2). 7. Patrimônio líquido: Em 31 de dezembro de 2018, o capital social subscrito é de R$ 7.068.786 (R$ 5.135.000 em 2017) e está representado por 7.068.786 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. O capital social integralizado é de R$ 6.907.786 (R$ 3.006.500 em 2017) e está representado por 6.907.786 ações ordinárias nominativas e sem valor nominal. a. Aumento de capital: De acordo com Assembleia Geral Extraordinária - AGE de 26 de outubro de 2018, foi subscrito capital no montante de R$ 2.000.000 e integralizado capital no montante de R$ 1.470.000 em sua totalidade com moeda funcional da Companhia com entrada em caixa e equivalente de caixa. No exercício de 2018, foram realizadas integralizações de capital conforme boletins de integralizações no montante de R$ 2.497.500 com entrada em caixa e equivalente de caixa. b. Redução de capital: Conforme Nota 1, de acordo com Assembléia Geral Extraordinária - AGE de 25 de setembro de 2018, em decorrência do processo de cisão, foi aprovada redução de capital social de R$ 66.214. 8. Prejuízos fiscais: Em 31 de dezembro de 2018 e 2017, a Companhia possuía saldos de prejuízos fiscais a compensar: 2018 2017 Prejuízos fiscais (2.687.615) (1.112.096) 9. Despesas gerais e administrativas 2018 2017 Arrendamento mercantil (222.904) (946.604) Locação de veículos (814) Seguros (10.837) (17.346) ITR (90) (150) Serviços de auditoria externa (5.138) (2.551) Depreciação (62.923) (6.420) Taxas e emolumentos (69.166) (8.991) Despesas com cartório (200.961) (66.518) Despesas com licença ambiental (24.384) (750) Viagens, diárias e ajuda de custo (1.121) (3.180) Despesas com fretes (235) (114) Compartilhamento de despesa (2.068.441) (53.954) Outras despesas (6.788) (136) Total (2.672.988) (1.107.528) 10. Resultado financeiro 2018 2017 Receitas financeiras Rendimentos aplicações financeiras 3.789 173 Outras receitas 6 12 3.795 185 Despesas financeiras Juros pagos (5.598) (212) Tarifas bancárias (2.741) (1.977) Multas (10.082) (2.564) IOF (1) (18.422) (4.753) Total (14.627) (4.568) 11. Partes relacionadas: Os principais saldos de ativos e passivos em 31 de dezembro de 2018 e 2017, bem como as transações que influenciaram os resultados dos exercícios, decorrem de transações da Companhia, as quais estão descritas abaixo: Em 31 de dezembro 2017 Passivo Fornecedores (a) 1.997 Resultado Compartilhamento de despesas (a) 53.954 Em 31 de dezembro 2018 Passivo Fornecedores (a) 133.598 Resultado Compartilhamento de despesas (a) 2.068.441 (a) A Companhia possui operações com partes relacionadas decorrente do contrato de compartilhamento de despesas firmado com a Casa dos Ventos Energias Renováveis S.A. 12. Instrumentos financeiros: Os principais instrumentos financeiros contratados com terceiros discriminam-se como segue: a. Valor justo dos instrumentos financeiros não derivativos 2018 2017 Valor Valor de Valor Valor de contábil mercado contábil mercado Caix P T S gu o

A C m

m

A

m m

m

m

m m

m

AD E

C

P CRC SP

M

O

D T CE

Re a ó o do aud o ndependen e sob e as demons ações con ábe s A A m C m m Op n o E m m m m R

E m É m d mon

P

A m

m m

m m SA

m S m

m C

m õ

m

on b m m

m

V n o d S o nu M CE V m m

m m m

o En g

R no

S

m

Em m m

m

m

m R

C m

m m

m AA m

R m

pon B

SA E

B N m

C m A b d d

m

R

SA

m

m

V B

F m d Adm n

p

op n o N m C o

d go

N

C m

C m m m S

m

m

N

C m m

n n p m m m m

S

R m

m

m

m

m C m m

A m

m m m m

m C m m pon b d d do ud o p m m m m m m

m

m

m m O

m

m

m m

m

ud o d m

m

m

m

m

A

m

C m

m A m

m õ

m

on b m

A m m

d mon m

O

m

m A m

m

C m O

m

m

m

m

m m m m m

m m

m

m

A m

m T

m

A

C m

m

m

m

m

S

m

A m m

C

m m m

N

m

m

F ERNST & YOUNG A A S m F

C m

m

m C

m

m

m

m

m

m

m m m C m

m

m

m m

m

O

m m

m

m S S CRC SP CRC CE O

m


O ESTADO  Fortaleza, Ceará, Brasil  Terça-feira, 16 de abril de 2019

11

MUNDO

Catedral. Saqueada em várias ocasiões, a Catedral de Notre-Dame de Paris, símbolo do triunfo da arte gótica sobre a barbárie, completaria 857 anos em dezembro deste ano.. A primeira pedra da Notre-Dame de Paris foi assentada durante o reinado de Luis VII, enquanto a cidade crescia.

Catedral de Notre-Dame é atingida por grande incêndio Famosa catedral em Paris foi atingida por um incêndio de grandes proporções; autoridades ainda investigam causas do começo das chamas A famosa catedral de Notre-Dame, em Paris, foi atingida por um incêndio de grandes proporções nessa segunda-feira (15). Ainda não se sabe o que teria causado as chamas. Até o momento, as autoridades francesas tratam o caso como um acidente. O fogo foi visto no topo da construção, nas duas torres principais. Uma operação com mais de cem bombeiros está em curso enquanto a área é isolada. Segundo o secretário de Estado do ministério do Interior, Laurent Nunez, não há registros de feridos até o momento -o incêndio foi declarado às 18h50 (13h50 no horário de Brasília), segundo o porta-voz da catedral. Ele ainda informou que a estrutura que sustenta o telhado da igreja “está sendo devorada pelas chamas”. O perímetro em torno da Île de la Cité, onde fica a catedral, foi isolado por policiais. Na ponte Saint Michel, a 100 metros da torre, centenas de pessoas tiravam fotos e faziam vídeos por volta das 19h50, quando as chamas ainda aparentavam estar fora de controle. Por volta das 20h20 (15h20 no Brasil), quando a reportagem conseguiu ter acesso à praça em frente à catedral, o

FOTO FOLHA/UOL

O fogo foi visto no topo da construção, nas duas torres principais, e destruí toda a estrutura fogo parecia estar mais controlado, mas muita fumaça ainda saía da porção central do teto da construção. Na última sexta-feira (12), 16 estátuas de bronze que adornam os telhados da catedral foram retiradas para restauração. Segundo os bombeiros, o incêndio está “potencialmente relacionado” às obras na edificação. A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, lamentou o “terrível incêndio” que arrasa o teto da catedral, um dos monu-

mentos mais emblemáticos da capital francesa e símbolo da arquitetura gótica. A catedral também se popularizou graças ao romance de Victor Hugo, “Notre-Dame de Paris”, publicado em 1831. Protagonizada pelo Corcunda de Notre-Dame, que vive no campanário da catedral, entre os gárgulas, a obra é impregnada pela paixão de Victor Hugo pela construção gótica, uma proeza tecnológica da época medieval.

Construção

Em meados do século XII, a catedral romana era muito pequena para a população de Paris, cujo crescimento havia disparado. Surgiu então o projeto de construir uma imensa catedral, de 135 metros de largura e 40 metros de altura. A catedral recebe 13 milhões de turistas todo ano.

Igreja é símbolo arquitetônico histórico da Europa Monumento mais visitado da Europa, a igreja de Nossa Senhora, ou Notre-Dame, de Paris, levou quase dois séculos para ser erguida. Esse arco temporal que se estende de 1163, data da primeira pedra, a meados do século 14, faz com que seu estilo não seja exatamente uniforme, mas misture elementos da arquitetura românica (plano cruciforme, nave elevada, transepto e torre) e do gótico primitivo (arcos pontiagudos e abóbada de nervura). Ao misturar os dois, é como se conseguisse unir num único símbolo todo o espírito da Idade Média Europeia. Estampada à exaustão em fotos, cartões postais, chaveiros e camisetas, é mais conhecida por sua fachada ocidental: um conjunto simples e harmonioso cuja força e sobriedade derivam de um jogo de quatro contrafortes que sobem até o topo das torres e os elevam para o céu (em direção ao divino) e duas bandas horizonteis bastante largas (em direção à terra / à dimensão humana). Foi essa arquitetura ao mesmo tempo sóbria e sofisticada que fascinou historiadores da arte e arquitetos dos últimos nove séculos.

Mestre do modernismo, Le Corbusier (1887-1965), por exemplo, falava de uma pura criação do espírito, atentando para a estrutura geométrica regulada pelo quadrado e pelo círculo. Outros preferiam atentar-se aos detalhes, como o Portal do Julgamento, representando o Juízo Final tal e qual descrito no Evangelho de São Mateus ou as gárgulas –esculturas de monstros e demônios dispostas na parte alta.

Guardiões

Espécie de “guardiões do templo”, essas inquietantes figuras que ajudaram a dar o clima sombrio ao romance de Victor Hugo (“Notre-Dame de Paris”, 1831) serviam para lembrar aos fiéis de que nada poderia ameaçá-los lá dentro e que o Mal seria vigorosamente mantido fora. Ao mesmo tempo, no entanto, tinham uma função técnica: captar a água da chuva e descartá-la a uma boa distância das paredes. Símbolo religioso, mas também político, a igreja sediou a consagração de Napoleão, em 1804, e uma missa emblemática por ocasião da libertação de Paris da ocupação nazista em 26 de agosto de 1944.

PUBLICIDADE LEGAL CARTÓRIO JEREISSATI RUA MAJOR FACUNDO, 709, CENTRO, FONE: 3231.23.53 EDITAIS DE CASAMENTO Faço saber que pretendem casar-se neste Cartório os nubentes: 74675 - José Adeilson Oliveira Barbosa e Janiely Braga Oliveira. 74676 - José Joaquim Martins e Maria Helena Lima de Melo. Se alguém souber de algum impedimento acuse-o para os devidos fins. Lavrado para ser afixado em Cartório e publicado no Jornal O Estado. Fortaleza, 15 de abril de 2019 Maria de Salete Jereissati de Araújo - A Oficiala

CORTEZ ENGENHARIA LTDA

Torna público que recebeu da Superintendência Estadual do Meio Ambiente – SEMACE a Licença de Operação para Transporte de Produtos Perigosos a ser realizado dentro do Estado do Ceará, localizada no município de Fortaleza, na Rua José Vilar, nº2707, sala 101, Dionísio Torres, com validade de 2 anos. Foi determinado o cumprimento das exigências contidas nas Normas e Instruções de Licenciamento da SEMACE. SERVIÇO REGISTRAL DO DISTRITO MUCURIPE Av. Sen. Virgílio Távora, 318 - loja 01/02 - Esquina com Av. Antonio Justa - Meireles Fortaleza - CE. Fone: (85) 3242.2232. Fax: (85) 3242.2235 - email: atedimento@ cartoriomucuripe.com.br EDITAL DE PROCLAMAS Faço saber a todos; que pretendem casar-se e apresentaram os documentos exigidos pelo Artigo 1.525, do Código Civil Brasileiro, os contraentes: 26873 - JOSE WILSON CARNEIRO e ROGÉLIA MARIA CARDOSO DE CARVALHO. 26874 - FRANCISCO ALVES DOS SANTOS e ANA LUCIA DA SILVA ABREU. 26872 JORGE FERNANDES TEIXEIRA FILHO e RAQUEL VIANA COSTA. Se alguém souber de algum impedimento que oponha-o na forma da lei. Fortaleza, 15 de abril de 2019 Maria Elenir Lima Sales Liberato Oficiala do Registro Civil Distrito Mucuripe

EDITAL - CARTÓRIO BRITO RAMOS - 1o Tabelionato de Protestos de Caucaia - Rua Coronel Corrêia, Nº 1583 - Centro - Fone (85) 3342-3599. TORNO PÚBLICO QUE SE ENCONTRAM NESTE CARTÓRIO PARA PROTESTO OS SEGUINTES TÍTULOS, OS QUAIS PODERÃO SER PAGOS ATÉ O DIA: 18/04/2019 N° 0033 DMI R$ 3.300,00 RIGO ALBERTO DA SILVA DE OLIVEIRA CPF: 635.017.913-72 BANCO DO BRASIL S.A. N° 0052061146 DMI R$ 623,99 MARIA ISABEL QUEIROZ DOS SANTO CNPJ: 29.609.932/0001-18 BANCO BRADESCO S.A.

N° 0000210313 DMI R$ 695,60 GARDENIA PONTES DE LIMA CNPJ: 30.013.921/0001-50 BANCO DO BRASIL S.A. N° 010 DMI R$ 132,50 VALDENIR SOUZA SILVA CPF: 921.934.713-04 BANCO SANTANDER S/A

COMO NÃO TENDO SIDO ENCONTRADOS OS DEVEDORES NOS ENDEREÇOS INDICADOS, OS INTIMO PELO PRESENTE, NA FORMA DA LEI, E POR FALTA DE PAGAMENTO, A PAGAREM OS TÍTULOS EM APREÇO, OU APRESENTAREM OS MOTIVOS DE SUAS RECUSAS. Caucaia(CE), 15 de Abril de 2019 - Ângela Maria de Brito Ramos 1a Tabeliã de Protesto.

JAIME ARARIPE SERVIÇO REGISTRAL Av. Mister Hull, no 4965, Fone: (85) 3235.3301 e-mail: jaimeararipe@gmail.com EDITAL DE CASAMENTOS Faço saber que pretendem casar-se neste Cartório os nubentes: Edital n° 69566 - ADRIANO MARQUES DA COSTA e JOANA DARC DA CUNHA LIMA; Edital n° 69567 - LEONARDSON CORDEIRO DA SILVA e ALINE TAVARES DE OLIVEIRA; Edital n° 69568 - CÍCERO GERMANO DOS SANTOS CHAVES e MIRIAN SALES DE SOUSA; Edital n° 69569 - JOHN WILLIAM DE ARAUJO MESQUITA e VITORIA REGIA DE SOUSA; Edital n° 69570 - CAIO VINICIUS LOURENÇO DE OLIVEIRA e LUANA BENIGNO DE OLIVEIRA; Edital n° 69571 - CARLOS ROBERTO VIANA LEITE e MARIA ORAZIA MAGALHÃES SOARES. Se alguém souber de algum impedimento acuse-o para os devidos fins. Lavrado para ser afixado em Cartório e publicado no Jornal O Estado. Fortaleza–CE, 15 de abril de 2019 Bel. Jaime de Alencar Araripe Júnior Oficial Titular

CARTÓRIO DO REGISTRO CIVIL DE MONDUBIM Rua: Clemente Silva - 251 - A - Maraponga - CEP: 60.712-060 FORTALEZA - CE Fazer saber que pretendem casar-se civilmente neste Cartório os nubentes abaixo: Nº 8097 - Francisco Juscelino Maia de Albuquerque e Janaina Lopes Santos; Nº 8098 - Francisco Geybson Gomes do Nascimento e Ana Lucia Cavalcante Bálica; Nº 8099 - Antonio Alexandre Torres do Nascimento e Eliana Maria da Silva Paz; Nº 8100 - Elizael Silva Andrade e Talyta Bezerra de Souza; Nº 8101 - Francisco Marcos Lucas da Silva e Marilene Gomes da Silva. Edital de Proclamas publicado no Jornal O ESTADO. Fortaleza-CE, 15 de abril de 2019 Alexandra Jackeline Moura Rolim Silva Oficiala Interina

J F 124 EMPREENDIMENTO IMOBILIÁRIO - LTDA. Torna público que requereu a SEUMA a Licença Ambiental Simplificada para construção de um Edifício multifamiliar unidades compactas, localizado na Rua José Vilar, 1264, Bairro Aldeota, Fortaleza-CE.

TAKE A NAPE INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ROUPAS LTDA. Torna público que requereu à SEUMA, a Licença Ambiental de Regularização para Atividades, para confecção de peças de vestuário, exceto roupas íntimas e as confeccionadas sob medida, localizada na Rua José Vilar, 1471 A, bairro Aldeota, Fortaleza-CE. LAMASINVEST LAVAGEM AUTOMOTIVA EIRELI. Torna público que recebeu da SEUMA, a Licença Ambiental de Regularização para Atividades nº 045/2019, para serviços de lavagem, lubrificação e polimento de veículos automotores,com validade até 05/04/2024, localizada na Av. Pe. Ibiapina, 1576, bairro Jacarecanga, Fortaleza-CE. Assupero Ensino Superior Ltda. CNPJ sob o nº 06.099.229/0001-01 e

ASCEC Ensino Superior Cearense S/S Ltda.

CNPJ sob o nº 03.729.627/0001-76 Comunicado Nos termos do artigo 1.144 do Código Civil, Assupero Ensino Superior Ltda., com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Avenida Paulista, nº 900, 1º andar, Bela Vista, CEP 01310-100, inscrita no CNPJ sob o nº 06.099.229/0001-01, com seus atos constitutivos arquivados perante a Junta Comercial do Estado de São Paulo sob NIRE 35.231.136.039, informa que cedeu e transferiu, em 03.12.2018, à ASCEC Ensino Superior Cearense S/S Ltda. (em fase de transformação para ASCEC Ensino Superior Cearense Ltda.), com sede na Cidade de Fortaleza, Estado do Ceará, na Rua Caetano Ximenes Aragão, nº 110, Engenheiro Luciano Cavalcante, CEP 60813-620, inscrita no CNPJ sob o nº 03.729.627/0001-76, em fase de registro perante a Junta Comercial do Estado do Ceará, nos termos do Contrato de Compra e Venda de Estabelecimentos Comerciais celebrado na referida data, que será averbado perante a Junta Comercial, o estabelecimento comercial designado Faculdade de Fortaleza - FAFOR (Código e-MEC: 2240), localizado nos seguintes endereços: (i) Rua Caetano Ximenes Aragão, 110, Bairro Água Fria, CEP 60813-620, Fortaleza/CE; (ii) Avenida 13 de Maio, 389, Bairro Fátima, CEP 60004-053, Fortaleza/CE; (iii) Rua Armando Dall’Olio, nº 1.932, Edifício, Luciano Cavalcante, CEP 60813-575, Fortaleza/CE; (iv) Rua Armando Dall’Olio, nº 1.710, Edifício, Luciano Cavalcante, CEP 60813-575, Fortaleza/CE; e (v) Rua Armando Dall’Olio, nº 686, Engenheiro Luciano Cavalcante, CEP 60813-575, Fortaleza/CE.

SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO ESTADO DO CEARÁ - SINDSAUDE. EDITAL DE CONVOCAÇÃO. ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA. A diretoria do SINDSAÚDE, no uso das atribuições legais e estatutárias, convoca todos os trabalhadores representados por esta entidade sindical, sócios e não sócios, empregados da UNIMED Fortaleza e do Hospital Regional da UNIMED Fortaleza para se fazerem presentes às Assembleias Gerais Extraordinárias que serão realizadas no dia 17 de abril de 2019: a) às 6h30min, em primeira convocação ou às 7h30min, em segunda convocação, no Hospital Regional da UNIMED Fortaleza, localizado na Av. Visconde do Rio Branco, 4000, Fortaleza/CE; b) às 11h:30min, em primeira convocação ou às 12h:30min, em segunda convocação, na Av Santos Dumont, 949, Fortaleza Ceará, para discutirem e deliberarem sobre a seguinte PAUTA: a) abertura da campanha salarial 2019/2020, com a discussão e aprovação da minuta de reivindicações a ser enviada à UNIMED Fortaleza e ao Hospital Regional da UNIMED Fortaleza; b) discussão e deliberação sobre a taxa de negociação coletiva, a ser cobrada dos empregados beneficiados pelo Acordo Coletivo de Trabalho, em valor a ser definido pela respectiva assembleia. Fortaleza - CE, 16 de abril de 2019. MARTA BRANDÃO DA SILVA - Presidente.

Estado do Ceará - Prefeitura Municipal de Eusébio - Extrato do Aviso do Julgamento das Propostas de Preços da CP N.º 2019.02.20.0001. A Comissão Permanente de Licitação torna público o Resultado da Fase de Julgamento das Propostas de Preços da licitação na modalidade Concorrência Pública Nº 2019.02.20.0001, cujo objeto trata dos Serviços de Limpeza Urbana no Município de Eusébio-CE, a saber, a Empresa Classificada e Declarada Vencedora: Marquise Serviços Ambientais S/A, inscrita no CNPJ/MF sob o Nº 21.635.363/0001-73. A Comissão Permanente de Licitação declara aberto o prazo recursal conforme prevê o Art. 109, Inciso I, Alínea "b". O resultado na íntegra do presente julgamento será encontrado na sala da referida comissão, localizada a Rua Edmilson Pinheiro, Nº 150, Bairro Autódromo, Eusébio-CE, CEP: 61.760-000, nos dias úteis, das 8:00h às 12:00h e das 13h00 às 15h00, ficando os autos desde já com vistas franqueados aos interessados. Eusébio, 15 de abril de 2019. Ana Carolina Cavalcante de Paula - Presidente da CPL.

Estado do Ceará - Prefeitura Municipal de Eusébio - Resultado de Julgamento dos Novos Documentos de Habilitação - Tomada de Preço N.º 2019.02.06.0001. A Prefeitura Municipal de Eusébio, através da sua Comissão de Licitação, torna público o Resultado de Julgamento da habilitação da Tomada de Preço n.º 2019.02.06.0001, cujo objeto é: serviços de pavimentação asfáltica em CBUQ de avenidas, ruas e travessas, no Município de Eusébio-CE, com o seguinte resultado: A empresa P2C Projetos e Construçoes LTDA CNPJ: 12.366.540/0001-72 está inabilitada por descumprir o item 7.5.3. O Relatório de Julgamento da Comissão encontra-se a disposição dos interessados na Sede da Comissão de Licitação e no site do TCE. Ana Carolina Cavalcante de Paula - Presidente da Comissão de Licitação. Instituto Veredas da Cidadania – Aviso de Retificação de Edital – Pregão Presencial N° 001/2019. A presidente do Instituto Veredas da Cidadania, torna público, aos interessados, a retificação ao Edital de Pregão Presencial nº 001/2019, cujo objeto é a contratação de pessoa jurídica para prestação de serviços de terceirização de mão de obra, sob demanda, para atender os serviços contratados no Termo de Colaboração nº 008/2018, firmado com a Secretaria do Esporte do Ceará. O Edital retificado e anexos estarão disponíveis à Rua Visconde de Mauá, 2970 – Dionísio Torres – Fortaleza/CE e/ou www.veredasdacidadania.org.br. Em fase disto, a sessão ocorrerá em 29 de abril de 2019. Fortaleza, 16 de Abril de 2019. Viviane Matias Rebouças – Presidente do Instituto Veredas da Cidadania Estado do Ceará - Prefeitura de Itaiçaba - Aviso de Licitação - Tomada de Preços Nº 006/2019TP. Objeto: Contratação de empresa especializada no ramo de engenharia, para execução, mediante regime de empreitada por preço global, de obra de reforma da EEF Padre Abílio, junto à Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Município de Itaiçaba, Estado do Ceará. Data de Abertura das Propostas: 02/05/2019, às 08:00h. Local do edital e abertura das propostas: Sala da Comissão Permanente de Licitação, situada à Av. Coronel João Correia nº 298, Centro, Itaiçaba, Ceará, CEP 62.820-000. Informações: fone (88) 3410-1112. Francisco Ilton Pereira - Presidente da CPL. Estado do Ceará - Prefeitura Municipal de Pacajus - Extrato de Contratos - Pregão Eletrônico 2018.11.20.01-PE. Objeto: aquisição de equipamentos médicos hospitalares, material permanente, e 01 veículo tipo passeio 0Km, para atender as necessidades da Secretaria de Saúde do Município de Pacajus/Ce. Contratante: Secretaria Municipal de Saúde. Marta Muniz De Menezes Barreiro – Ordenadora de Despesas. Contrato Nº 2018.11.20.01-001 - Prohospital Comércio Holanda Ltda, Representante: Cláudio Alexandre Alves Estevam Valor: R$ 15.400,00 (Quinze mil e quatrocentos reais). Contrato Nº 2018.11.20.01-002 - Werbenia Amed da Silva ME. Representante: Werbenia Amed da Silva. Valor: R$ 48.299,30 (Quarenta e oito mil duzentos e noventa e nove reais e trinta centavos). Contrato Nº 2018.11.20.01-003 - ALFRS Industria de Moveis Ltda. Representante: Adovandro Luiz Fraporti Valor: R$ 17.799,99 (Dezessete mil setecentos e noventa e nove reais e noventa e nove centavos). Prazo de vigência: 12 (doze) meses de vigência a partir da data da assinatura. Dotações Orçamentárias: 1301.10.302.0010.2.057.1211000000 / 1215000000. 44.90.52.00. Secretaria Municipal de Saúde.

Estado do Ceará - Prefeitura Municipal de Pacajus - Resultado do Julgamento da Habilitação - Tomada de Preço Nº 2019.01.28.01-TP. A Comissão Permanente de Licitação da Prefeitura Municipal de Pacajus – Ceará, torna público, para conhecimento dos interessados, o Resultado do Julgamento da Habilitação, referente à Tomada de Preço Nº 2019.01.28.01-TP, referente à reforma do Ginásio Poliesportivo do Distrito de Pascoal no Município de Pacajus-CE, tudo conforme projeto básico. Empresas Habilitadas: Locontrus Locações e Serviços LTDA-ME; ABRAV Construções, Serviços, Eventos e Locações EIRELI-EPP; Eletrocampo Serviços e Construções LTDA; EFB-Empreiteira Fontoura Bastos; Águia Construções e Incorporações LTDA; LIT Empreendimentos e Serviços LTDA; CSB-Construtora Santa Beatriz LTDA-EPP; Empresas Inabilitadas: SEG-NORTE Construções e Serviços EIRELI, pelo não atendimento dos itens: 4.2.3.2 – CRF vencido; e 4.2.5.1.1 – balanço encerrado antes do final do exercício; WU – Construções e Serviços EIRELI-EPP, pelo não atendimento do item: 4.2.5.1 – balanço (DRE); CONFAHT Construtora Holanda LTDA, pelo não atendimento do item: 4.2.4.2 – Responsável Técnico. Dessa forma, fica aberto o prazo para recurso conforme estabelece o art. 109, I, "a" da Lei nº 8.666/93 e legislação pertinente a cada caso. Maiores informações na Sede da Comissão, situada a Rua Guarany, nº 600, Altos, Centro – Pacajus – Ceará ou pelo Fone: 0XX(85) 3348.1578, no horário de 08:00h às 12:00h. À Comissão. Estado do Ceará - Prefeitura Municipal de Pacajus - Aviso de Abertura de Propostas - Tomada de Preço Nº 2019.01.29.01-TP. A Comissão Permanente de Licitação da Prefeitura Municipal de Pacajus – Ceará, torna público, para conhecimento dos interessados, que no dia 17 de Abril de 2019 às 08:30 horas, estará realizando à abertura das Propostas de Preços, referente à tomada de preço nº 2019.01.29.01-TP, referente a contratação de empresa com maior percentual de desconto sobre o preço unitário da Tabela de Custos de serviços da Secretaria de Infraestrutura do Estado do CearáSEINFRA, para eventuais serviços de manutenção predial corretiva por demanda, compreendendo reparos e adequações das instalações físicas dos prédios públicos pertencentes as Secretarias de Educação, Infraestrutura e Assistência Social do Município de Pacajus. Maiores informações na Sede da Comissão, situada a Rua Guarany, nº 600, Altos, Centro – Pacajus – Ceará ou pelo Fone: 0XX(85) 3348.1578, no horário de 08:00h às 12:00h. À Comissão.

Estado do Ceará – Prefeitura Municipal de São Luís do Curu - Aviso de Licitação – Pregão Presencial Nº 19.04.16.01/PP. O Município de São Luís do Curu, por meio do Pregoeiro Oficial do Município, torna público aos interessados, que no dia 02 de Maio de 2019, às 9:00h, estará realizando licitação na Modalidade Pregão Presencial, tipo Menor Preço por Lote, cujo objeto é a contratação de servidor profissional de internet de 100mb com possibilidade de remanejamento, manutenção e fornecimento de equipamentos junto as Diversas Secretarias do Município de São Luis do Curu – CE. Referido Edital poderá ser adquirido pelo portal: www.tce.ce.gov.br/municipios. São Luís do Curu-CE, 16 de Abril de 2019. José Antônio Pereira Monteiro - Pregoeiro Oficial do Municipio.


14

Fortaleza, Ceará, Brasil  Terça-feira, 16 de abril de 2019  O

ECONOMIA RUBENS FROTA

ECONOMIA

1

Apesar de terem voltado a acelerar no crédito imobiliário, os bancos ainda têm de resolver uma herança deixada pela crise. As cinco maiores instituições financeiras do País – o Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Caixa Econômica – fecharam 2018 com nada menos que R$ 18,7 bilhões em bens retomados em garantia de empréstimos inadimplentes. Cerca de 90% do valor se refere a imóveis.

2

O estoque já vinha em escalada desde 2015, mas voltou a dar um salto no ano passado, quando cresceu 32,2%. Em dois anos, o aumento foi de 78%. Nas levas mais recentes, destaca-se a retomada de imóveis de valor mais baixo, muitos deles ligados ao programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, operado, principalmente, pela Caixa.

Gastos com pessoal

Os gastos com pessoal em 23 unidades da Federação voltaram a crescer em 2018, segundo o Ipea. A alta média real foi de 2,9% na comparação com o ano anterior – quase três vezes o crescimento registrado pela economia no mesmo período, de 1,1%.

Inativos

A expansão nos gastos veio principalmente das despesas com trabalhadores inativos, que cresceu 7,9%. Já os gastos com o pessoal da ativa tiveram crescimento bem mais modesto, de 0,7%. Ao todo, os estados gastaram mais de R$ 373 bilhões com pessoal no ano passado.

Por estado

Rondônia e Tocantins tiveram as maiores altas de gastos com inativos, de 22,8% e 17,1%, respectivamente. Apenas Rio de Janeiro e Sergipe não tiveram expansão nesse tipo de gasto. Os gastos com servidores ativos, por sua vez, cresceram mais no Ceará (12,7%) e no Pará (8,52%). Outros 12 estados também gastaram mais com esses trabalhadores em 2018.

Atrasadas

O Tesouro Nacional informou que, no primeiro trimestre deste ano, a União pagou R$ 1,885 bilhão em dívidas atrasadas dos estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. Do total de compromissos de unidades da Federação assumidos pelo Tesouro, R$ 527 milhões são relativos a dívidas do Rio de Janeiro e R$ 1,357 bilhão, de Minas Gerais. Somente em março, foram quitadas dívidas de R$ 305 milhões do Governo fluminense e R$ 150 milhões do mineiro.

Gás natural

O presidente do BNDES, Joaquim Levy, afirmou que a expansão do setor de gás natural será uma das prioridades do banco e sugeriu a substituição do diesel pelo combustível em caminhões. Em palestra em São Paulo, Levy declarou que é preciso distribuir o gás natural de forma mais barata e com maior capilaridade para criar demanda pelo combustível e, assim, incentivar a produção no pré-sal.

Cancelados

Em decorrência da redução de frota, a Avianca anunciou o cancelamento de 304 voos até o próximo sábado, dia 20. Os aviões da empresa estão sendo devolvidos em decorrência de decisões da Justiça sobre falta de pagamento. A empresa está sob recuperação judicial.

Buscando inovação

À frente em tecnologia e inovação, a Mallory – empresa referência no segmento de ele-

troportáteis – segue em busca de inovações em produtos para os seus clientes. Annette de Castro, CEO da empresa, embarcou com a equipe para a China, país conhecido por seus avanços no segmento tecnológico e abre horizontes para a marca brasileira inovar.

Buscando inovação II

A Mallory é uma empresa cearense com mais de 50 anos de experiência e referência em eletroportáteis e um dos mais importantes braços do grupo espanhol Taurus no mundo. Se beneficia de todas as pesquisas e desenvolvimentos globais, traduzindo esta expertise para os produtos que comercializa no país, sempre respeitando as características únicas da cultura brasileira.

Buscando inovação III

A empresa, sediada em Maranguape, no Ceará, é a 6 a maior em vendas de eletroportáteis e a 4a maior em vendas de ventiladores (fonte: GFK jan-out/18). A Mallory desenvolve linhas completas de produtos para o lar e cuidados pessoais, pensando no bem-estar e na qualidade de vida das pessoas.

Empreendimento

Com diversidade nas áreas comuns, amplos e confortáveis apartamentos e localização em uma área de constante valorização, o empreendimento Terraços do Bosque, da C. Rolim Engenharia, é entregue amanhã (17). Com 3500 m² de área total, o Terraços do Bosque possui 126 unidades distribuídas em apartamentos de 117,19 m², 85,07 m² e 87,34 m², adequados para acomodação das famílias. A entrega acontece a partir de 19h em evento realizado para proprietários e convidados no local, na região da Bezerra de Menezes (Rua Cel. Raimundo Guanabara, 608).

Empreendimento II

Apostando em um nicho diferente do que normalmente atua, esse é o segundo empreendimento da construtora entregue na região da Bezerra de Menezes, em Fortaleza – o primeiro foi o Varandas do Bosque, entregue em 2016. A região, que detém bom movimento comercial e fluxo para a RMF, é valorizada pela facilidade de acesso a serviços básicos do dia a dia, bem como pelo custo-benefício local. A proximidade do Bosque do Bem, uma ampla área verde com 30 mil m² e 2 mil árvores plantadas pela C. Rolim Engenharia, é outro destaque no quesito localização. O espaço é ideal para atividades físicas e lazer, possui praça de convivência, pista de cooper, playground, academia ao ar livre e paisagismo exuberante.

Mais informações de Rubens Frota: e-mail: frotarubens@gmail.com

ESTADO

IRPF-2019. Um total de 13.627.760 declarações do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física foram recebidas pelos sistemas da Receita Federal, até às 17 horas de ontem. A expectativa é que 30,5 milhões de contribuintes entreguem a declaração, até o fim do prazo, em 30 de abril.

Fiec: Ricardo Cavalcante será aclamado presidente Nova diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Ceará, terá mandato com início em setembro próximo até setembro de 2024 Logo mais, às 9 horas de hoje, acontece a eleição da nova diretoria da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), para mandato com início em setembro próximo até setembro de 2024. Os delegados representantes dos sindicatos filiados à Federação irão eleger a chapa por aclamação, no auditório Waldyr Diogo, na Casa da Indústria. Foi registrada chapa única tendo à frente o empresário José Ricardo Montenegro Cavalcante, como presidente, e Carlos Prado, Roseane Medeiros, Jaime Belicanta e André Montenegro como vice-presidentes. Além da Diretoria Plena, serão eleitos os novos integrantes do Conselho Fiscal e dos novos delegados da Fiec na Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Perfil

Natural de Fortaleza, Ricardo Cavalcante é economista formado pela UFC e graduado em Gestão Financeira pelo Centro Universitário Farias Brito, com a

FOTO DIVULGAÇÃO

no contexto local quanto nacional. Foi eleito presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae/CE para o período de 2019 a 2022. O empresário é casado e pai de três filhos.

Saiba mais

Cavalcante tem 30 anos de atuação industrial no Ceará participação em Programas Internacionais de capacitação como o Innovative Strategies for the Advancement of Conpetitiveness pela Flórida International University, o Program in Ecosystems of Inovation da SDA Bocconi School of Management, na Itália, entre outros cursos. Com 30 anos de atuação no setor industrial – nos ramos de mineração e construção civil no Estado –, está há 27 anos na Federação.

Além de diretor administrativo da Fiec, é sócio-diretor da EMGI Areias Industriais, empresa fundada em 1994, líder na produção de areia industrial no Ceará, e presidente Sindicato das Indústrias da Extração de Minerais não Metálicos do Ceará, Sindminerais. Como liderança classista, Ricardo Cavalcante tem uma história marcada por forte presença em entidades representativas do setor industrial como um todo, tanto

O Sistema Fiec é formado pelo Serviço Social da Indústria (Sesi), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), Instituto Euvaldo Lodi (IEL) e Centro Internacional de Negócios (CIN) e está presente em Fortaleza e em municípios importantes da região metropolitana, região Norte, Vale do Jaguaribe e Cariri. O objetivo do Sistema Fiec é representar os interesses dos industriais do Ceará e atender as suas demandas de saúde e qualidade de vida do trabalhador; formação e qualificação profissional para a indústria; serviços técnicos e tecnológicos especializados; incentivo à inovação e educação executiva.


O ESTADO  Fortaleza, Ceará, Brasil  Terça-feira, 16 de abril de 2019

ECONOMIA

15

Indústria. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulga, hoje, o estudo Coeficientes de Abertura Comercial de 2018, que mostra o grau de integração da indústria brasileira ao mercado internacional, como exportações, importações, insumos industriais e exportações líquidas.

RETRAÇÃO Previsão do PIB cearense cai para 2% em 2019 Previsão está abaixo do esperado pelo Ipece em dezembro de 2018 (2,5%), acompanhando trajetória esperada para o País, de 2,01% O produto interno bruto (PIB) do Ceará, em 2019, deve fechar em 2%, abaixo da previsão de dezembro, que era de 2,5%. A queda na estimativa da taxa de crescimento da economia cearense também ocorreu na previsão do PIB nacional, que era de 2,55% (dezembro de 2018), mas, agora, é de 2,01%, segundo o Boletim Focus do Banco Central. O Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece), órgão vinculado à Secretaria do Planejamento e Gestão (Seplag) do Governo do Estado, passa publicar trimestralmente, junto com o PIB, a estimativa para a taxa de crescimento da economia cearense no ano.

De acordo com o analista de Políticas Públicas do Ipece, Witalo Paiva ­ – também um dos autores do trabalho “Previsão para o PIB Cearense 2019/ Março” –, as projeções serão atualizadas a cada trimestre, em conjunto com a divulgação dos resultados do PIB trimestral, evitando qualquer especulação sobre o índice. “As previsões apresentadas se baseiam nas estimativas obtidas a partir da utilização de diferentes modelos matemáticos e econométricos aplicados a economia cearense. Os modelos consideram um cenário de referência com projeções relativas a 2019 para a economia nacional, os grandes setores da

economia e outras variáveis, como a taxa de juros, a taxa de câmbio, a inflação e a taxa de desemprego”- observa.

Metodologia

Ele explica que são utilizados três modelos para a produção das projeções do PIB do Ceará. O primeiro aplica uma metodologia clássica adotada em séries de tempo, composta por variáveis endógenas, como a taxa de crescimento do PIB do Ceará, taxa de crescimento do PIB do Brasil, taxa de desemprego no Ceará e a taxa de juros Selic. Já o segundo modelo adota uma abordagem híbrida,

combinando o modelo que captura diferentes cenários para variáveis econômicas relevantes, como IPCA, taxa de juros Selic, taxa de crescimento do valor adicionado dos grandes setores (agropecuária, indústria e serviços), taxa de crescimento do PIB do Brasil, entre outras. Por sua vez, o terceiro é um modelo matemático derivado do sistema de cálculo do PIB trimestral desenvolvido e utilizado pelo Ipece na produção das estimativas trimestrais para o PIB estadual. O modelo matemático permite a análise de diversos cenários para o crescimento dos setores da economia cearense.

SEBASTIÃO NERY

NACIONAL Histórias de JK Juscelino Kubitschek, José Maria Alkmin e Odilon Behrens saíram juntos do seminário de Diamantina, continuaram estudando juntos, farreando juntos. Uma noite, havia uma festa na cidade, entrada paga. As namoradas iam, precisavam ir. Mas não tinham um tostão. Alkmin resolveu o problema: - Vamos vender a alguém uma de nossas camisas. Encontraram o comprador, mandaram passar uma camisa de Juscelino, enrolaram, disseram que era nova, pegaram o dinheiro, foram para a festa. No dia seguinte, o comprador chegou uma fera: A camisa não era nova, estava gasta, rasgou logo. Juscelino tomou a palavra: Meu amigo, aonde você foi? A um baile. Dançou o quê? Tudo. Bolero, samba. Então a culpa foi sua. Esta camisa é muito fina, só para dançar valsa. Candidato a presidente, JK saiu pelo país visitando o PSD. Desceu na Bahia. Antonio Balbino, governador do PSD, ainda estava em cima do muro: Qual é a verdadeira posição do Café? Qual deles, Balbino? O vegetal ou o animal? Foi para Pernambuco. Etelvino insistia: Juscelino, vamos rever o assunto e fazer uma união nacional. Etelvino, já sei que você está contra mim. Quando você fala em união Nacional, na verdade está pensando em União Democrática Nacional. Então você não quer a união? Ora, Etelvino, candidato não faz união. Candidato disputa. Quem faz união é governo, depois de empossado. E voltou para Minas. Em 31 de dezembro, o chefe da Casa Militar da Presidência da República, Juarez Távora (depois candidato da UDN, derrotado por Juscelino), entregou a Café Filho um documento que “as altas autoridades militares apelavam para uma colaboração interpartidária, um candidato único e civil”. O documento só foi divulgado no dia 27 de janeiro, em “A Voz do Brasil”. Juscelino respondeu com um discurso duro, escrito por Augusto Frederico Schmidt, que terminava com a frase magistral: Deus me poupou o sentimento do medo. No avião, Juscelino era um personagem de romance: um “piloto de guerra”. Suas histórias aéreas matavam de medo os companheiros da campanha e, depois, do governo. Para ele, avião era para voar e acabou-se. Uma noite, na campanha, ia descer o interior do Rio Grande do Sul. As luzes da cidade apagaram-se, o campo não tinha pista iluminada, o piloto quis voltar para Porto Alegre. Juscelino ordenou: Pode descer. Deus é juscelinista. Desceram. Era. Outra vez, voaram sobre a Amazônia. Pegaram uma tempestade terrível. Raios, trovões. O avião pinoteando no ar, como pipa, os líderes do PSD e PTB apavorados, de olhos fechados, duros, rezavam, suavam. JK sorriu: Vou dormir um pouco. Ninguém acreditou. Um mais incrédulo levantou-se, foi lá atrás, puxou a cortina da pequena cabine presidencial privativa, Juscelino dormia e roncava. Outra tarde, voltava de Salvador, anoiteceu sobre Caravelas, mas queria, precisava chegar ao Rio. O piloto avisou: - Governador, o combustível está acabando. Pode ser que não dê para chegar ao Rio. Vieira de Melo, Getúlio Moura, Alkmin, João Goulart, apavorados, queriam descer em Caravelas. JK insistiu: Vamos. Lá a gente vê se deu. Deu. Exilado em Paris pela violência gratuita e histérica do golpe de 1964, Juscelino saiu uma tarde dirigindo seu carro e curtindo saudades do Brasil, numa conversa longa com seu velho amigo e secretário Olavo Drummond. Chega à Place Vandômme, estaciona em um lugar proibido. O guarda logo aparece, alto e posudo, com seu bonezinho à De Gaulle: A licença (carteira) de motorista, por favor. Entregou. O guarda posudo e alto confere: Oh, senhor Kubitschek? Parente do grande presidente Kubitschek, do Brasil? Sou eu. O senhor, o próprio presidente Kubitscheck? Já estava abrindo a porta: Presidente, por favor, dê-me a chave do seu carro. Eu mesmo vou estacioná-lo. É uma honra para a França ter o senhor como seu hóspede. Aqui, apesar de exilado, o senhor continua presidente como sei que continua presidente lá. Juscelino entregou a chave, pôs a mão no ombro de Olavo e chorou. Mais informações de Sebastião Nery: e-mail: nerysebastiao@gmail.com www.sebastiaonery.com


16

Fortaleza, Ceará, Brasil  Terça-feira, 16 de abril de 2019  O

Chuva. Fortaleza recebeu a maior precipitação acumulada de 2019, até o momento, no último domingo (14), conforme informações divulgadas ontem pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Foram registrados 148,4 milímetros de chuva entre as 7 horas de domingo e o mesmo horário de segunda-feira, causando inundações, alagamentos e derrubadas de árvores.

ESTADO

Vestibular. Termina hoje o período de inscrições para o Academia Enem 2019, curso gratuito que tem como objetivo orientar e preparar estudantes de Fortaleza para o exame. Os interessados devem se inscrever no endereço digital juventude.fortaleza.ce.gov. br. O programa realizará 30 encontros e dois simulados ao longo de 2019, com as aulas acontecendo no Ginásio Paulo Sarasate.

SAP destaca mudanças nos presídios Foram recolhidos 4,8 mil celulares, fechadas 98 cadeias públicas e quatro novas unidades estão sendo construídas Após 100 dias de existência, a Secretaria de Administração Penitenciária do Estado (SAP) divulgou um balanço sobre as ações feitas nas unidades prisionais desde o início do mês de janeiro, quando também começou a ser feito um enfrentamento a organizações criminosas atuando dentro das unidades e uma reordenação da logística dos presídios no Ceará. Foram recolhidos cerca de 4,8 mil aparelhos celulares desde o início do período, em decorrência de uma série de vistorias realizadas pela SAP. É destacada, também, a convocação de 440 agentes penitenciários, com processo de treinamento imediato que continua acontecendo até hoje, em paralelo às atividades de trabalho dentro dos presídios. Além disso, foram desativadas 98 cadeias públicas, principalmente no interior do Estado, com objetivo de

Reforço continua no Ceará por mais 30 dias Agentes da Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária do Governo Federal, que atuam desde janeiro nos serviços de guarda, vigilância e custódia de presos no Ceará, permanecerão no Estado por pelo menos mais 30 dias. A decisão foi publicada na edição de ontem (15) do Diário Oficial da União (DOU) e atende a um pedido feito pelo governador Camilo Santana. Segundo o secretário da Administração Penitenciária do Estado, Luís Mauro Albuquerque, a intenção é conseguir fazer com que os agentes permaneçam por um total de 90 dias e que os outros 60 ainda estão sendo negociados junto ao Ministério. Segundo ele, a permanência dos profissionais é fundamental para finalizar o processo de capacitação dos agentes cearenses. “Eu não tenho problema de gente, tenho problema de treinamento de efetivo. Desde questão de alimentação até contenção de crise, isso tem treinamento, tem metodologia, trabalho, e tem que treinar todo o efetivo”, explica. O reforço na segurança começou no início de janeiro, em resposta aos ataques de facções criminosas a ônibus, veículos particulares e estações de abastecimento de energia elétrica. A saída dos agentes chegou a ser cogitada um mês depois, mas o Governo Federal decidiu manter a presença dos agentes no Estado. A portaria foi publicada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública e assinada por Luiz Pontel de Souza – substituindo temporariamente o ministro Sergio Moro, em viagem internacional. De acordo com o texto, o número de profissionais envolvidos no trabalho seguirá o planejamento definido pelos órgãos de segurança. (Com informações da Agência Brasil)

aumentar a segurança dos internos. Sobre isso, o titular da SAP, Luís Mauro Albuquerque, destaca que estão sendo construídas quatro novas unidades, que deverão prover um total de 2.180 novas vagas para o sistema penitenciário estadual – sendo 168 dessas de segurança máxima. Sobre a garantia de assistência jurídica ao preso, a Secretaria informa que foram realizados 7.101 atendimentos nos meses de fevereiro e março na Unidade Prisional Desembargador Adalberto de Oliveira Barros Leal, em Caucaia, na Unidade Prisional Agente Luciano Andrade Lima, na Casa de Privação Provisória de Liberdade Professor Jucá Neto (CPPL III) e no Instituto Penal Professor Olavo Oliveira I (IPPOO I), em Itaitinga. As atividades, realizadas em parceria com a Defensoria Pública do Estado, deverão se estender às demais uni-

Segundo Mauro Albuquerque, as ações superam o que havia sido planejado para o período, com os ataques tendo obrigado a secretaria a agilizar os processos dades, com o objetivo de contemplar todos os internos. Segundo Mauro Albuquerque, as metas planejadas para os primeiros meses da gestão foram superadas, com as ações realizadas tendo ultrapassado o que era inicialmente previsto. Isso porque a ocorrência dos ataques fez com que fosse ne-

cessário adiantar medidas, em particular os fechamentos de cadeias. Ele adianta ainda que a maior parte do cronograma para esses fechamentos já foi concluído, mas a partir de agora uma ou outra poderá ser fechada, de acordo com as necessidades que forem surgindo. Ele menciona como exemplo a cadeia do município de Milhã, que está fechando esta semana por determinação judicial, por não estar em condição de continuar tendo função de cadeia. O fim da separação dos detentos por facção criminosa a que pertencem, compromisso adotado pelo secretário ao assumir o cargo, já está em processo de execução, conta. “Grande parte das nossas unidades já está mesclada. O que acontece é que estou reestruturando o sistema, as unidades, implementando treinamentos, para colocar cada um em

seu lugar, ou seja, Estado é Estado, preso é preso”, diz.

Denúncias

Desde o início dos ataques – e, consequentemente, dos enfrentamentos feitos pela Secretaria dentro das unidades –, foram surgindo mais e mais denúncias de excessos e violações de direitos no trabalho da SAP, no tratamento com os presos e suas famílias. Os relatos foram compilados em um relatório enviado à Secretaria em fevereiro. Sobre as denúncias apresentadas, o secretário é enfático: “Não me mostrou nenhum fato.” Ele pontua que houve enfrentamentos em janeiro, em decorrência da crise gerada em parte pela atuação de criminosos de dentro das unidades, mas diz também que quem ficou ferido teve atendimento médico e exame de corpo de delito. Segundo o secretário, as denúncias listadas pelo relatório, por outro

lado, são “genéricas” e nunca lhe foram apontados os nomes dos detentos atingidos, de modo que fosse possível investigar os casos. Ele critica, ainda, outros pontos mencionados no documento, como trechos que falam sobre as condições da comida disponibilizada aos presos. “Observar foto da alimentação e dizer que é de baixa qualidade, baseado em quê? Teve perito? Porque a pessoa dizer que é perito, é engraçado que é perito em tudo. Porque não encaminhou para instituto criminalista, especialista em saúde, nada. Até a própria quentinha você vê que é boa alimentação, com verdura, proteína, é baseado em quê? A coisa mais fácil é fiscalizar alimentação, então que perícia é essa? Não foi feita pesagem no relatório, nem de proteína, nem nada, então como vou acreditar num relatório desse?”, questiona.


O ESTADO  Fortaleza, Ceará, Brasil  terça-feira, 16 de abril de 2019

GERAL

17

Leite. As crianças atendidas pelo Programa de Alergia ao Leite de Vaca (ALV) agora recebem as fórmulas nutricionais no Centro de Saúde Meireles (CSM), na Av. Antônio Justa, 3113, próximo ao Jardim Japonês. Desse modo, as fórmulas passaram a ser entregues no mesmo local onde os pacientes são atendidos nas consultas com especialistas.

BASTIDORES CLÁUDIO HUMBERTO PODER, POLÍTICA& com ANDRÉ BRITO e TIAGO VASCONCELOS

Eduardo Cunha já quer usufruir do semiaberto Acho que são grandes [as chances de aprovação da reforma] Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, dando um tempo ao mimimi

O

Setor que floresceu até no auge da crise econômica, a bilionária indústria dos cartórios no Brasil conseguiu autorização para emitir identidade e passaporte, numa tentativa de conter a expansão dos serviços de emissão de documentos tipo “Poupatempo” em São Paulo, “Na Hora”, de Brasília, ou “Expressão Cidadão”, de Pernambuco. O objetivo é ampliar, ainda mais, o faturamento anual de R$ 15 bilhões.

lamentar e privatizar e o setor. Acabando o monopólio e submetendo a Petrobras a concorrência aberta. Aí sim, a “S/A” pode fixar seus preços à vontade.

tempos de Chávez, Lula et caterva, para compor o Prosul, foro para o progresso do continente, junto a Argentina, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai e Peru.

Oportunista ‘exilada’

Não vão devolver?

A petista Marcia Tiburi, que perdeu feio a eleição para o Governo do Rio, foi coautora de artigo em jornal francês onde se identifica com uma mentira: “exilada”. E não incluiu “oportunista” na sua auto-definição.

A Petrobras estancou a sangria, deixando de bancar eventos ligados a cinema e teatro, alguns sem qualquer importância, que receberam 13 repasses de R$ 12,7 milhões. Deveria agora exigir devolução.

Show de erros

Acadêmico

uex-deputado Eduardo Cunha, que cumpre pena de 14 anos por vários crimes, tenta se credenciar à progressão de regime para o semiaberto, por já haver cumprido um sexto da punição. Mas tem no meio do caminho, a juíza de execuções penais de Curitiba, Carolina Lebbos, que somou o tempo de prisão aos 24 anos a que ele foi condenado pelo juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, em Brasília. A defesa de Cunha considera “ilegal” a decisão da juíza de execuções.

violação do sigilo funcional e a pagar multa de R$ 7 milhões.

A censura decretada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, além da agressão à democracia, é de rara desinteligência: jogou luz e deu ares de credibilidade a uma suspeita que mal se sustenta. Pior ainda é a intimidação a jornalistas, obrigando-os a depor na Polícia Federal.

Regra atual

Só pensam naquilo

Meu pirão primeiro

A defesa alega que a soma de penas, no atual entendimento do STF, só poderia ocorrer após esgotados todos os recursos em segunda instância.

Preso de 1a instância

“Enquanto se discute prisão após a segunda instância”, diz o advogado Pedro Ivo Velloso, “o Eduardo está preso condenado só na primeira!”

Esperança no STJ

A soma das penas é contestada no Superior Tribunal de Justiça e a defesa se diz confiante de que a “ilegalidade será sanada”.

Ficha sujíssima

Preso desde de 2016, Cunha foi condenado por corrupção, lavagem de dinheiro,

Os órgãos estaduais surgiram para facilitar a emissão de documentos e não faturar ’30 moedas de prata’ pelas quais ‘babam’ donos de cartório.

Importante é faturar

Será possível obter ou renovar passaportes em cartórios de registro civil mediante pagamento de “taxa extra”, claro.

Indústria da desconfiança

O mundo se livra dos cartórios para se modernizar e desenvolver, mas o lobby bilionário aprisiona o Brasil a essa “indústria da desconfiança”.

Com monopólio é moleza

Se “especialistas” dizem que a Petrobras já não é estatal e sim uma “sociedade anônima”, já passou da hora de desregu-

O PT se uniu ao Centrão, na CCJ da Câmara, nesta segunda (15), em autêntico casamento de jacaré com cobra. E ainda deu uma pulada de cerca para se juntar a deputados do PSL para derrotar o Governo.

Sai Unasul, entra Prosul

O Brasil saiu da Unasul, convescote dos

O Instituto Histórico e Geográfico do DF deve aprovar a filiação, nesta quarta-feira (17), do embaixador Paulo Roberto de Almeida, aquele que ganhou notoriedade atacando seu chefe, o chanceler Ernesto Araújo.

Sem ‘enrolation’

A deputada Bia Kicis (PSL-DF) expôs o “enrolation” da oposição na CCJ, que tenta burlar ordem dos discursos se inscrevendo para falar contra e a favor do Governo. “Subterfúgio para enganar o Brasil’, disse.

Pensando bem...

...barrar aumento do preço de combustível, nos governos do PT, era atitude aplaudida pela opinião pública.

O PODER SEM PUDOR Nobre malvadeza Os senadores discutiam o projeto de recriação da Sudene, na Comissão de Desenvolvimento Regional, quando o tucano Tasso Jereissati (CE) passou a palavra ao então senador “Antônio Carlos de Magalhães”. Explicou que a

preposição foi usada, no passado, para designar nobres, “e não há político mais nobre que ACM”. O velho babalaô falou e depois provocou risadas: “Agora devolvo a palavra ao senador Tasso de Jereissati...

NOS ESTÁDIOS Girão diz que venda de bebidas é retrocesso O parlamentar argumenta que a liberação comprometeria a presença de crianças e famílias nas arenas esportivas O Plenário da Assembleia Legislativa do Ceará poderá votar, ainda este mês, o projeto de lei que libera a venda de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol do Ceará. O texto é de autoria do líder do Governo, deputado Evandro Leitão (PDT) e já foi aprovado em quatro comissões. O senador Eduardo Girão (Podemos), cumprindo agenda em Fortaleza, visitou na manhã de ontem (15) o jornal O Estado e reforçou seu pensionamento contra essa possibilidade. Para o parlamentar, liberar a venda de álcool nos estádios é um grande retrocesso, “uma bomba relógio”. Segundo Girão, o final de semana que passou na Capital foi para sensibilizar o máximo de deputados e entidades engajadas no assunto sobre os efeitos negativos que a medida provocará para o futebol cearense. “A Assembleia Legislativa tomou uma postura preocupante, porque aprovaram em quatro comissões ao mesmo tempo, isso não é comum, sem debates na sociedade. Estamos juntos [Ministério Público, Polícia Militar, Associação Peter Pan, comunidades terapêuticas e religiosas] sensibilizando os deputados, a sociedade. Fui presidente do Fortaleza Esporte Clube e sei que, se liberarem, é um total retrocesso. Tendo uma confusão generalizada, o clube pode perder o mando de campo e o prejuízo é bem maior do que ganhará vendendo nos bares do estádio”, criticou. O senador cita ainda a preocupação com a presença de famílias e crianças nos estádios de futebol caso a bebida alcoólica seja liberada. “É colocar em risco todo o trabalho que a gente teve de levar famílias e crianças ao estádio, e ter

a oportunidade de tirar por causa de interesse financeiro”, argumentou. Além disso, o parlamentar acredita que isso representaria risco, também, ao momento positivo do futebol cearense. “É um momento extremamente delicado, que precisa ter muita serenidade, porque o futebol cearense nunca esteve tão bem, Ceará e Fortaleza na primeira divisão, Ferroviário campeão da série D, está na série C e, se Deus quiser, vai subir para série B”, disse.

Preocupação

No Ceará, a aprovação do projeto de lei do deputado Evandro Leitão causa preocupação também ao Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) que, por meio do Núcleo do Desporto e Defesa do Torcedor (Nudtor), emitiu nota técnica discordando da iniciativa de liberação de bebidas nos estádios. Para o coordenador do Nudtor, promotor de Justiça Edvando França, além de o projeto de lei tramitar sem prévia discussão com a sociedade, está “eivado de ilegalidade segundo o que dispõe o artigo 13-A, inciso II, do Estatuto do Torcedor (Lei

Federal 10.671, de 15 de maio de 2003), que veementemente proíbe o acesso e permanência do torcedor no recinto esportivo portando bebidas ou substâncias proibidas ou suscetíveis de gerar ou possibilitar a prática de atos de violência”. Maria da Penha, presidente e fundadora do Instituto Maria da Penha, também se manifestou contrária ao projeto. Em nota, ela afirma que sua história de vida e de luta lhe permitem afirmar que, “nos casos de violência doméstica contra a mulher, o álcool é um agente que acentua o comportamento violento do homem dentro de sua casa”. De acordo com Maria da Penha, é preciso considerar que o efetivo da Polícia Militar não é suficiente para inibir nem atender os casos de violência dentro ou fora dos estádios. “Sou contra a aprovação de tal projeto de lei e, para o bem de nossas filhas, netas, bisnetas, parentas, ou seja, nossas mulheres e de toda a sociedade, que tal projeto não seja aprovado”, finalizou.

Ocorrências

De acordo com Plauto de Lima, coronel reformado da

FOTO BETH DREHER

O senador passou por Fortaleza para articular sobre o projeto com outros parlamentares do Estado Polícia Militar, as principais ocorrências recebidas pelo 190 são de embriaguez e desordem e perturbação do sossego alheio. “Só isso já dá para perceber que existe uma relação direta do álcool com a violência, sem levar em conta os acidentes de trânsito e violência

O que diz o projeto De acordo com o projeto aprovado, fica autorizado o comércio e o consumo de bebida alcoólica cujo teor alcoólico não seja superior a 10% (dez por cento) em estádios e arenas desportivas no Estado do Ceará. Na prática, passa a permitir a venda de cerveja nesses locais. O texto determina também que a venda ocorra apenas a fornecedores devidamente cadastrados junto à administração do estádio ou arena esportiva. Ainda segundo o projeto, a venda e o consumo das bebidas alcoólicas poderão iniciar duas horas antes do início da partida e encerrar até 15 minutos depois do jogo. Na justificativa do projeto, o deputado Evandro Leitão cita como exemplo a Copa das Confederações, em 2013, e a Copa do Mundo, em 2014, ambas tendo tido jogos em Fortaleza. “Subsidiou amplamente o entendimento de que a venda de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol não é o supedâneo que fomenta e estimula a violência nesse ambiente esportivo”, justificou.

doméstica, que existe relação direta com o consumo do álcool”, avalia. O coronel indaga, ainda, sobre de que forma se dará o controle e fiscalização da comercialização da bebida alcoólica. Segundo ele, restringir a venda de dois copos por pessoa não significa controle. “É impossível. Vai anotar o nome? Pegar o CPF?”, criticou. “O estádio é composto por um percentual pequeno de torcedores organizados, e na grande maioria de torcedores comuns, esses torcedores comuns quando não estão em grupos, tem o comportamento mais tranquilo, mas no momento em que começa a consumir álcool, começam a formar grupo. O comportamento muda por causa da bebida e porque ele perde a individualidade, começa a agir em bando”, destaca. O senador Eduardo Girão

cita informação baseada em dados das Polícias Militar e Civil que em Minas Gerais, a redução de confusões e violência dentro dos estádios reduziu em 45% com a proibição da comercialização da bebida alcoólica. Em Pernambuco, segundo ele, o percentual foi de – 63% e em São Paulo também uma redução de 57%. No Rio Grande do Sul, recentemente um projeto de lei semelhante foi aprovado mas não obteve sanção do Governador do Estado. Atualmente, existe uma lei municipal e Fortaleza que proíbe a venda de bebida alcoólica no entrono dos estádios dentro de um raio de 100 metros. No entanto, na realidade não há essa fiscalização. “Tem que reforçar a fiscalização, a Prefeitura tem que fazer esse papel com relação a venda de bebidas”, afirma o senador.


18

Fortaleza, Ceará, Brasil  Terça-feira, 16 de abril de 2019  O

CEARÁ

ESTADO

Caucaia. A Secretaria Municipal de Educação (SME) promoveu nessa segunda-feira (15/4), na Escola Plácido Monteiro Gondim, na Catuana, a abertura dos Jogos Escolares de Caucaia. A solenidade contou com a presença do secretário municipal de Esporte e Juventude da cidade.

Justiça decreta prisão de denunciado por pedofilia Profissionais do magistério em Caucaia ganham aumento Isso mesmo. Anunciado pelo prefeito Naumi Amorim no início do mês, o reajuste salarial de 2% para os profissionais do Magistério da rede municipal de ensino de Caucaia já começou a ser pago. A medida representará um impacto de R$ 209 mil mensais e 2,5 milhões anuais à folha de pagamento da Prefeitura. “Foi um compromisso que assumimos e estamos cumprindo porque entendemos que os servidores devem ser valorizados. Temos tido essa postura desde o começo da gestão e vamos manter até o fim”, disse aos nossos espaços jornalísticos o prefeito Naumi Amorim. De acordo com o prefeito Naumi, com os 2% aprovados recentemente pelos vereadores, os profissionais do Magistério de Caucaia acumulam 16,64% de reajustes nos últimos três anos, todos eles concedidos na atual gestão. Em 2017 o aumento foi de 7,64% e em 2018 foi de 7% e agora em 2019 de 2%.

Salário

No contato com a reportagem, o prefeito Naumi Amorim ressaltou que “Esses aumentos fazem do salário dos professores da rede municipal caucaiense o maior do Ceará, superando, inclusive, o de Fortaleza, e acima do Piso Nacional da categoria, cotado em R$ 2.557, 73. O reajuste aprovado em Caucaia integra o Plano de Ações para Educação, composto por outros 13 projetos que serão implementados até o fim do ano e visam melhorar as condições de trabalho de todos os profissionais do setor”.

Delegacia

Atento aos alarmantes índices contra a mulher e feminicídios no Ceará, o deputado Guilherme Landim (PDT) deu entrada na Assembleia Legislativa, em um Projeto de Indicação que solicita ao Governo Estadual a instituição de Delegacias da Mulher em cada uma das microrregiões administrativas do Estado. Conforme revelou da tribuna da Casa e para os jornalistas o intuito da medida é o fortalecimento de uma rede de proteção às mulheres vítimas de violência, com a ampliação das delegacias especializadas integradas a várias entidades e órgãos governamentais, tais como, as polícias civis e militares, Ministério Público, defensoria pública e Poder Judiciário.

Saiba mais

Com a aprovação do Projeto de Indicação do deputado Guilherme Landim pelos colegas e o mesmo encaminhado ao Governo do Estado, o governador Camilo Santana terá de solicitar ao Legislativo, através de mensagem a aprovação do pedido parlamentar. Aí, as delegacias da mulher implantadas no interior “atuarão com todos os atendimentos policiais, tais como registro de Boletim de Ocorrência (BO), solicitação de medidas protetivas, expedição de guias de

exame de corpo de delito, lavratura de autos de prisão em flagrante, dentre outros procedimentos”, enfatiza Landim.

Abraços da semana

O livro Agenda de Eventos, do saudoso jornalista Luciano Diógenes, publicado na década de 70 aponta os principais fatos da época e os aniversariantes do dia. Nós procuramos atualizar os dados e abraçamos muitos queridos e queridas da sociedade cearense. Abrindo a semana, segunda-feira,15, festa, presentes e beijos para Paulo Bezerra Lima, que foi gerente da agencia central do Banco do Brasil. E na data, a lembrança dos saudosos: Percy Araújo, jornalista que tornou-se Juiz de Direito, coronel Celso Viana de Araújo e o publicitário, jornalista e que se tornou vereador de Fortaleza, Martins Nogueira (O Martinzão).

Terça-feira, 16

Muitos afagos e abraços para a jornalista Elizabeth Rebouças e para o ex-secretário da Fazenda Estadual, Francisco José Lima Matos. Quarta, 17 Festa para o jornalista, líder comunitário e político em Messejana, Deusenir Braga e para Eliane Mourão Bezerra Lima (lá no livro), esposa do médico e ex-deputado José Humberto Bezerra Lima (do Crateús). Quinta-feira, 18 Alan Neto fará festa para sua musa Ivonilde Rodrigues Ponte. Na Sexta-feira Santa, 19 - José Neuman Damasceno e o vice-prefeito de Umirim, Antonio da Mota Brito comemoram a data jejuando. No sábado (20) - Abraços para a jornalista Vilani Praciano e muita saudade para a família do desembargador José Barreto (já está com Deus). E fechando a semana, no domingo, 21, fechando a Semana Santa e culminando com o Feriado de Tiradentes, abraços para o radialista Luís Flávio Lopes Viana; Dra. Veleda Maria Vieira Bastos e Gil Ferreira da Ponte (o maior gerente de banco em sua época).

Ministério Público ofereceu uma denúncia com pedido de prisão preventiva em desfavor de Gilberto Pereira de Oliveira, no município de Ocara O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio da Promotoria de Justiça de Ocara, ofereceu uma denúncia com pedido de prisão preventiva em desfavor de Gilberto Pereira de Oliveira, vulgo Beto da Lucir, por estupro de menor, ocorrido em 27 de novembro de 2018. A prisão foi decretada pela Vara de Ocara ainda no mesmo dia. Na denúncia, o MPCE requer à Justiça a condenação do denunciado nas penas do artigo 217-A do Código Penal, que tipifica a prática de crime de estupro de vulnerável. De acordo com a denúncia do órgão ministerial, o denunciado é suspeito na comunidade como abusador sexual, sendo réu em outros dois processos envolvendo vítimas crianças e adolescentes e suspeito em mais 19 casos, ainda em fase de levantamento de informações. Consta na denúncia apresentada pela Promotoria que “o denunciado é contumaz na prática de abusar sexualmente de crianças e adolescentes, sendo, inclusive, apontado por toda a comunidade como estuprador. Os fatos merecem um melhor aprofundamento, o que será feito durante a instrução, contudo, a permanência do representado nas ruas de Ocara é danosa demais”. Assim, o pedido de prisão do MPCE está fundamentado no artigo 312 e seguintes do Código de Processo Penal e se justifica

FOTO DIVULGAÇÃO

Membros do Ministério Público ofereceram a denúncia pela presença da prova da existência do crime e indícios suficientes de autoria, por meio de depoimentos da vítima e de testemunhas prestados em sede policial.

garantia da ordem pública por ser o representado acentuadamente propenso às práticas delituosas, sendo pessoa perigosa, contumaz da prática delitiva, especialmente considerando a possibilidade de continuidade do delito. Ademais, a prisão é necessária para afastar o autor do convívio social, em razão da gravidade do delito e de sua prática reiterada”, destaca o texto da denúncia. Assim, após a audiência de custódia realizada em 9 de abril, o denunciado foi transferido da Cadeia Pública de Baturité para a Cadeia de Caridade, no Sertão Central. Os processos contra ele tramitam na Comarca de Ocara sob segredo de justiça.

Na denúncia, o MPCE requer à Justiça a condenação do denunciado nas penas do artigo 217-A do Código Penal, que tipifica a prática de crime de estupro de Prevenção As recomendações vulnerável Perigo

Outra questão está relacionada ao perigo que decorre do estado de liberdade do autor do crime. “A prisão encontra amparo na

do Ministério da Justiça e Segurança Pública para prevenir crimes do gênero são as seguintes: Denúncia: ao ter suspeita ou constatar algum comportamento inadequado, pais e demais responsáveis devem denunciar

conteúdo na polícia, procurar imediatamente ajuda de profissionais da área e utilizar os canais de denúncia das redes sociais para reportar eventuais crimes ou irregularidades que percebam; controle parental: acompanhar o que os menores estão fazendo no ambiente online. Procurar e utilizar recursos que vários programas permitem para controlar que tipos de sites as crianças acessam, bem como o horário de acesso. Esses programas limitam horários e fazem com que os pais regulem o acesso e evitem sites com conteúdo inadequado para crianças. Conhecer como as ferramentas e as redes sociais funcionam, o tipo de informação que retêm e como as pessoas ficam expostas. Então, a orientação em casa e o acompanhamento dos que os filhos estão fazendo é de extrema importância. Verificar configurações de privacidade de redes sociais, para não deixar crianças expostas com localização identificadora de residência e outras informações pessoais. Redes sociais permitem esse controle para evitar exposição de informações pessoais. Atenção redobrada com estranhos. A preocupação com quem as crianças não falem com estranhos na rua tem que ser estendida para a vida online. Menores de idade devem ser orientados pelos responsáveis a não falar com estranhos também quando estão na internet.

Pecém: Governo do Estado dá início à obra de reforma no calçadão A Secretaria do Turismo do Ceará (Setur) deu início à obra de reforma e ampliação do calçadão da orla da beira-mar da Praia do Pecém, no município de São Gonçalo do Amarante. Com investimento de R$ 1.419.171,96, os trabalhos devem durar cerca de 180 dias. A obra faz parte do Programa de Valorização da Infraestrutura Turística (Proinftur) e tem financiamento do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF). A intervenção inclui a reforma e ampliação da área principal de acesso à Praia do Pecém (cerca de 654,64m de extensão do comprimento do calçadão), com melhoria da infraestrutura, via de acesso e padronização do espaço para quiosque e sanitários acessíveis. “Hoje a área pavimentada conta com cerca de 6,2 mil m². Ela deve ser quase duplicada, passando para 11,6 mil m². A praça atual está hoje subutilizada e pouco convidativa, além de ter problemas de deterioração de piso

FOTO DIVULGAÇÃO

Com investimento de R$ 1.419.171,96, os trabalhos devem durar cerca de 180 dias e mobiliário urbano. Vai ser bom para quem mora e pra quem visita a região ”, destaca Luiz Mauro Rosa, coordenador do Proinftur.

Recursos

O Proinftur tem recur-

sos na ordem de US$ 160 milhões em obras e ações no Litoral Oeste do Estado. Entre as obras já concluídas, estão a duplicação da CE085; a pavimentação da CE187; a obra de requalificação da Praia da Barra – Ilha do

Guajirú; a pavimentação de ruas em Amontada; a requalificação do Mirante e da beira-mar da Lagoinha; a pavimentação de ruas em Itapipoca; a via de acesso e a praça de eventos da Praia do Preá (Cruz), entre outras.


O ESTADO  Fortaleza, Ceará, Brasil  terça-feira, 16 de abril de 2019

19

Retorno. Após ter o domingo de folga, o elenco do Ferrão se reapresentou ontem. O treino aconteceu na Areninha do Pirambu, e o técnico Marcelo Vilar comandou atividade técnica de ataque contra defesa com os atletas separados em três equipes.

Barcelona busca despachar United para chegar à semi Clube catalão recebe Manchester United no Camp Nou e tem tudo para garantir classificação na Champions, após vencer na Inglaterra por 1 a 0 A rodada de volta das quartas de final da Liga dos Campeões da Europa será disputada neste meio de semana e o dia de hoje já reserva um jogo empolgante. O Barcelona recebe o Manchester United no Estádio Camp Nou, em Barcelona, e tem tudo para garantir a classificação. Isso por que os espanhóis ganharam na ida por 1 a 0 e jogam com a vantagem do empate embaixo dos braços diante da própria torcida. Porém, não existe um clima de euforia pelos lados do Camp Nou. Isso por que o Manchester United se classifica se ganhar por dois ou mais gols de vantagem ou até mesmo por um gol de

FOTO REPRODUÇÃO

Barça e United disputam vaga na semifinal da Liga dos Campeões diferença, a partir de 2 a 1, uma vez que os tentos anotados como visitante valem para critério de desempate. Além disso, os ingleses forçarão a prorrogação em

SERVIÇO REGISTRAL DE MESSEJANA Rua Cel. Joaquim Bezerra, nº 79 FONE: 3229.1911 e 3474.0510 EDITAL DE CASAMENTO Faço saber que pretendem casar-se neste CARTÓRIO, (as)(os) nubentes: Nº NOME DOS CONTRAENTES 27.494 Samuel do Nascimento Alves e Jarina Ferreira Moura (Republicação). Fortaleza, 15 de abril de 2019

Prefeitura Municipal de Cascavel - Aviso de Convocação do Segundo Colocado. Modalidade: Pregão Eletrônico nº 10.31.01/2018. Tipo: Menor Preço Total Por Item. Objeto: Aquisição de produtos alimentícios, para serem utilizados na merenda escolar, das escolas da Rede de Ensino da Prefeitura Municipal de Cascavel/ CE, através da Secretaria de Educação, Cultura, Desporto e Juventude. A Secretaria de Educação, Cultura, Desporto e Juventude do Município de Cascavel/CE, através da Comissão Permanente de Licitação, torna público que em face da rescisão ocorrida do contrato nº 20190053 e em conformidade com o artigo. 24, XI, da Lei 8.666/93, CONVOCA os licitantes remanescentes, na ordem de classificação:  SOL NASCENTE COMERCIO DE ALIMENTOS LTDA – ME inscrita no CNPJ sob o nº 15.839.938/0001-77 classificada em segundo lugar do Item 13 e a empresa OMEGA DISTRIBUIDORA DE PRODUTOS ALIMENTICIOS EIRELI – LTDA inscrita no CNPJ sob o nº 41.600.131/0001-97 classificada em segundo lugar do Item 19 do referido certame, para no prazo máximo de 05 (cinco) dias úteis, a contar da publicação da presente convocação, para assinatura de contrato. A contratação se dará nas mesmas condições propostas pelo primeiro classificado, inclusive quanto aos preços de conformidade com o ato convocatório, conforme art. 64, § 2º, da Lei de Contratos e Licitações. Desde já, solicitamos a mesma documentação de habilitação constante no Edital do referido processo, bem como a proposta de preço. Caso não aceite, será convocado o terceiro classificado, até que seja efetivada a contratação, ou seja, decidida pela revogação da licitação. Cascavel – CE, 15 de abril de 2019. Josimar Gomes Sousa – Presidente da CPL.

caso de devolverem o 1 a 0. Fora isso, nas oitavas de final, após perder de 2 a 0 em casa para o Paris Saint-Germain, o Manchester United ganhou por 3 a 1 na

França, eliminando um dos favoritos. O desempenho britânico na etapa anterior ligou o sinal de alerta pelos lados do Barcelona. “O Manchester United já deu algumas demonstrações de força nesta edição da Champions League e por isso mesmo não existe por nossa parte nenhum sentimento de que a disputa com eles chegou ao fim. Muito pelo contrário, a gente entende que o grau de dificuldade vai ser ainda maior, pois eles têm conseguido se comportar melhor fora de casa do que quando são pressionados a propor o jogo”, avisou Ernesto Valverde, treinador do Barcelona.

GPM CONSTRUÇÕES E INCORPORAÇÕES LTDA Torna público que requereu ao INSTITUTO DE MEIO AMBIEMTE DO MUNICÍPIO DE CAUCAIA - IMAC, a (RENOVAÇÃO DA LI Licença de Instalação) No 17/18 para a Construção de um Edifício Residencial Multifamiliar, no Município de Caucaia, no endereço à Rua Eliezer Matias de Lima, Centro, Caucaia-CE. Foi determinado o cumprimento das exigências contidas nas Normas e Instruções de Licenciamento no IMAC.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA O Presidente do SINDICATO DAS EMPRESAS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS POR FRETAMENTO DO ESTADO DO CEARÁ - SINFRECE, no uso das suas atribuições estatutárias, convoca os associados a participarem de Assembleia Geral Extraordinária, para tratar sobre os seguintes assuntos: autorização para celebração de a) Convenção Coletiva de Trabalho 2019/2020; b) suscitação de dissídio coletivo de trabalho, se necessário; c) suscitação de dissídio de greve, se necessário; e, d) outros assuntos de interesse da negociação coletiva, a ser realizada na Rua General Tertuliano Potiguara, 575, Aldeota, na cidade de Fortaleza, no dia 24/04/2019, às 16:00 horas, em primeira convocação, ou às 16:30, em segunda convocação, com a presença de qualquer número.  Fortaleza (CE), 10 de abril de 2019.  DANIEL ROSA ÁLVARES PRESIDENTE

Abatido. Após o revés diante do Fortaleza, na primeira final do Cearensão, o zagueiro Tiago Alves não digeriu a derrota, pois teve participação nos dois gols anotados pelo Tricolor. “Vamos aproveitar essa semana, silenciar um pouco e trabalhar mais”.

SILVIO CARLOS

ESPORTE AMADOR Geraldo Luciano Já não é mais novidade para ninguém. O Alan Neto informou, no domingo, que Geraldo Luciano será candidato a prefeito de Fortaleza. E pelo partido Novo. Está tentando levar para sua legenda o grande e popular Bechara, figura das mais queridas em Maranguape. Uma figura humana enorme.

O NÁUTICO AVANÇA Já não é mais novidade para este jornalista. A feijoada do Náutico cresce e, pouco a pouco, volta aos tempos do Kouri e do Rivonni. O presidente Jardson Cruz tem tudo para comemorar.

João Farias

Um detalhe importante no “racha” do João Farias no Náutico. Quando ele chegava ao fim o doutor levava os craques para sua casa. E tome “mel”.

Sérgio

Três médicos na mesa de sábado do almoço do Ideal: Luiz, Aderson, e Sérgio cada qual o melhor.

CARTÓRIO PIO RAMOS - 2o OFÍCIO. TABELIONATO DE NOTAS E DE PROTESTO DE TÍTULOS, OFÍCIO DE REGISTROS DE TÍTULOS E DOCUMENTOS E CIVIS DAS PESSOAS NATURAIS E JURÍDICAS - CNPJ: 02.601.428/0001-15. Titular: APARECIDA ILKA FREITAS RAMOS. EDITAL DE PROTESTO. TORNA PÚBLICO que se encontra(m) apontado(s) neste Cartório para protesto, o(s) sequinte(s) título(s) abaixo relacionado(s), que poderá(ão) ser pago(s) até o dia 17 de abril de 2019. Título CBI 61696589 CDA 1494020 CDA 1494012 DMI OS4908-1/2

Valor Devedor R$ 3.242,61 JOSE MIRANDA DE LIMA FILHO R$ 1.230,49 PEDRO SOARES DE LIMA R$ 1.736,56 IZABEL ONILIA CRUZ LIMA R$ 72,50 JONATHAN SMITH GOIMES DA SILVA

Apresentante BANCO ITAUCARD S/A MUNICIPIO DE HORIZONTE MUNICIPIO DE HORIZONTE BANCO BRADESCO S A

Apresentação 09/04/2019 09/04/2019 09/04/2019 10/04/2019

E, como não tendo sido encontrado(s) o(s) devedore(s) acima relacionado(s) no(s) endereço(s) indicado(s) no(s) título(s), o(s) notifico pelo presente Edital, na forma da Lei e por falta de pagamento à pagar(em) o(s) título(s) em apreço ou apresentar(em) o(s) motivo(s) de sua(s) recusa(s). Horizonte/CE, 12 de abril de 2019. Aparecida Ilze Freitas - Substituta.

CARTÓRIO 1º OFÍCIO DE NOTAS E PROTESTOS DE FORTALEZA - DATA: 15/04/2019. AV. SANTOS DUMONT, 2677 - ALDEOTA - FONE: 3464-3738 - EDITAL DE PROTESTO - TORNO PÚBLICO QUE SE ENCONTRAM NESTE CARTÓRIO PARA PROTESTO OS TÍTULOS DOS SEGUINTES DEVEDORES: DOC. DEVEDOR 050.757.473-70 748.955.752-68 673.804.683-91 714.574.023-00 264.451.823-72 27.611.686/0001-03 18.991.112/0001-17 18.991.112/0001-17 18.991.112/0001-17 29.128.969/0001-24 496.101.473-72 21.230.058/0001-00 13.345.757/0001-69 29.681.852/0001-73 039.862.643-02 603.550.203-27 014.141.023-05 09.186.045/0001-77 513.598.553-00 008.522.423-52 219.746.403-53 915.352.393-87 10.393.696/0001-17 262.017.393-00 029.150.233-44 295.516.763-00

DEVEDOR ADYLA RAYANNE ALVES HERCULANO ANA LIGIA MACEDO VELOSO ANA VIRGINIA ARAUJO PINHEIRO ANDREA RIBEIRO SILVA DE LIMA ANTONIO SOUZA DE OLIVEIRA ASSEMBLEIA DE DEUS QUERO VIVER BERNARDO DE LIMA SOUZA JUNIOR BERNARDO DE LIMA SOUZA JUNIOR BERNARDO DE LIMA SOUZA JUNIOR CARLOS ALBERTO LIMA DE SOUSA JUNIOR OLEITON FERREIRA DA SILVA. DANIEL BRITO CABRAL DE ARAUJO DANIEL WINTER REPRESENTAÇÕES LTDA DEUSIMAR SOUSA PEREIRA 00354012304 DIEGO MIRANDA ALCANTARA ELIEIDE DE SOUSA DO NASCIMENTO ELIZANGELA FERNANDES DE SOUZA FIRMINO LIMA PEREIRA NETO ME FRANCISCO HELIO GOMES. FRANCISCO MIRTON M RAMOS FRANCISCO VICENTE MARCAL SAMPAIO. FRANCISCO VILDEMAX NOBRE DA SILVA FUNDICAO CAPISTRANO HELANO MONTE E SILVA IGOR MOURA DE ABREU ISABEL NEUSA DA SILVA

966.839.533-68 035.005.903-90 797.288.393-91 214.971.413-20 062.962.433-08 042.773.093-72 899.939.693-20 017.665.333-37 122.328.233-34 05.696.303/0001-04 931.120.333-53 258.140.101-00 15.765.678/0001-32 509.806.533-04 25.354.443/0001-01 31.097.054/0001-40 31.097.054/0001-40 05.494.330/0001-02 06.303.732/0001-37 23.082.723/0001-82 23.730.999/0001-20 12.805.714/0001-56 011.338.873-09 08.956.253/0001-45 14.986.833/0001-88

ISRAEL LIRA LOPES JAMILE FELIPE OLIVEIRA JANDER RIFANE DE OLIVEIRA. JOAO CLOVES DE OLIVEIRA JOÃO MARCELO GONÇALVES CORDEIRO DE OLIVEIRA JORGE BRANDAO BARROSO LILIANE PEREIRA DO NASCIMENTO LUIZ DE GONZAGA MENDES CHAVES MARCOS ANTONIO GONÇALVES VIANA MARIA DO SOCORRO SILVA BEZERRA MARIA GENILDA DE LIMA MOURA MARIA LIMA NOGUEIRA MARIO SILVA DE SENA MARLOM GONÇALVES GOMES MASTER STEEL FRAME CONSTRUTORA MM LOURENCO RESTAURANTE LTDA MM LOURENCO RESTAURANTE LTDA MODESTO ENGENHARIA LTDA. NUTRIMAX IND COM IMPORTACAO LTDA POT BRASIL IND. E COMERCIO LTD PRIME CONTACT CENTER LTDA ME PRYSMA SERVICOES DE ENGENHARIA LTDA RONALDO DE SOUZA ANDRADE. ROSANIA MORAIS F PAIVA VET FAUNA VETERINÁRIOS LTDA ME

E, como não tenham sido encontrados nesta cidade, nos endereços indicados nos referidos títulos, os devedores acima, os intimo, pelo presente edital, na forma da lei, a pagarem os títulos em praça, ou apresentarem os motivos de suas recusas. Pagar até: 22/04/2019. Horário de funcionamento: 8:00 às 17:00 horas. Fortaleza, 16 de Abril de 2019 - Carlos Roberto Teixeira Guimarães - Oficial de Protesto.

NO IDEAL Alcimor Rocha e Ricardo Leite aqui estão juntos. Duas figuras de proa do Ideal Clube.

Aziz, o melhor

Na mesa de recordações do Ideal, acontecida no sábado, e tem no comando o memorialista Carlito José Gondim Pamplona. Foi recordado o “racha” de basquete que o doutor João Farias mantinha na então quadra descoberta de basquete do Náutico. Meu amigo Jean Jereissati e Sérgio Liebman recordaram tempos bons do nosso basquete. Aziz era craque tão bom que no “par ou ímpar” quem o tirasse passava dos nomes sem tirar ninguém para compensar a entrada do “galego” um cracão de bola. Era um craque.

Ceará e Fortaleza

Na década de 50 o time do Fortaleza era mais ou menos este. Só lembrando que a escala era no 1, 2, 3 e 5. Por exemplo, do Ceará com: Ivan, Paulo e Pedro Matos, Purunga, Vianinha e Oxigenado. Mauro Alencar, Pipiu, César e Antonino. E o Fortaleza tinha este formato: Walter, Jarbas e Heródoto ou Sapenha, Gera, Vareta e Piolho. Genu, Aloísio, Quincas ou Ananias e Salvador ou Antony.

Bebidas

Estádio não é local para se beber bebida alcoólica, estádio é local para se vibrar e torcer.

Cartório Martins - Eng. Antônio Ferreira Antero 470 - 32735566 - Torno público que se encontram em meu cartório para protesto os seguintes títulos da data de 15/04/2019 até 15/04/2019 os quais poderão ser pagos até o dia: 18/04/2019. 09/04/2019 906/2018 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.013,60 CONS.REG.DOS REPS.COMERCIAIS NO ESTADO D ADRIANO AGUIAR DE SOUSA. CPF 017.123.033-76 • 12/03/2019 1142240 NÃO Falta de Pagamento DUPLICATA DE VENDA MERCANTIL POR INDICACAO 506,67 PETISCO DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS EIRELI ANA CLAUDIA LIMA BANDEIRA 65593340315 CNPJ 29.811.717/000103 • 09/04/2019 944/2018 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.013,60 CONS.REG.DOS REPS.COMERCIAIS NO ESTADO D ANTONIO DE CASTRO E SILVA NETO. CPF 031.966.893-28 • 10/04/2019 25830301 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 2.494,64 DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRANSITO-DETRAN CARMEM NAZARÉ LIMA CAMINHA CPF 039.803.402-87 • 09/04/2019 316/2018 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.274,05 CONS.REG.DOS REPS.COMERCIAIS NO ESTADO D CERART REPRES LTDA. CNPJ 02.191.908/0001-55 • 09/04/2019 1005/2018 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.013,60 CONS.REG.DOS REPS.COMERCIAIS NO ESTADO D CLAUDIANO FAUSTINO DE ARAUJO. CPF 041.068.703-04 • 09/04/2019 934/2018 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.968,40 CONS.REG. DOS REPS.COMERCIAIS NO ESTADO D CONSULPLAN REPRES LTDA. CNPJ 35.245.844/0001-87 • 27/02/2019 16306-2 NÃO Falta de Pagamento DUPLICATA DE PRESTACAO DE SERVIÇOS POR INDICACAO 2.600,00 EXPRESSÃO GRAFICA E EDITORA LTDA EDITORA SETE EDICOES LTDA CNPJ 05.945.337/0001-95 • 10/04/2019 27292901 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 3.041,01 DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRANSITO-DETRAN FELIPE MAIA GIRAO CPF 878.015.663-00 • 09/04/2019 36744/2019 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.467,12 CREA-CE CONS REG DE ENG E AGRONOMIA DO C

FRANCISCO ALBERTO GOMES DE LIMA CPF 059.054.94304 • 15/02/2019 115106 NÃO Falta de Pagamento DUPLICATA DE VENDA MERCANTIL POR INDICACAO 1.128,63 SABOR DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS LTDA FRANCISCO CLAUBER DE ABREU NASCIMENTO ME CNPJ 26.614.601/0001-88 • 09/04/2019 951/2018 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.013,60 CONS.REG.DOS REPS.COMERCIAIS NO ESTADO D FRANCISCO DIEGO DE LIMA SALES. CPF 041.617.443-40 • 10/04/2019 25961301 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.182,24 DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRANSITO-DETRAN GUILHERME GOMES DE ARAUJO CPF 341.988.768-00 • 09/04/2019 36541/2019 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 677,78 CREA-CE CONS REG DE ENG E AGRONOMIA DO C ITALO SALDANHA DE CASTRO CPF 039.836.433-88 • 25/02/2019 2103-MES-12 NÃO Falta de Paqamento DUPLICATA DE PRESTACAO DE SERVIÇOS - ORIGINAL 70,00 FORT RASTREAMENTO ME JOSE RONALDO VIEIRA CPF 426.877.643-53 • 10/04/2019 25876801 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.571,91 DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRANSITO-DETRAN KA RISA FERNANDES DA COSTA CPF 890.714.173-87 • 21/02/2019 N FI 791 NÃO Falta de Pagamento DUPLICATA DE PRESTACAO DE SERVIÇOS POR INDICACAO 267,00 MCN & BENEVIDES LO C A C A O E S E R V I Ç O S LT D A K S E G S E G U R A N Ç A E VIGILÂNCIA LTDA CNPJ 20.598.373/0001-13 • 11/03/2019 10859 NÃO Falta de Pagamento DUPLICATA DE PRESTACAO DE SERVIÇOS POR INDICACAO 1.791,25 GRID LOCACAO DE VEÍCULOS LTDA-EPP LEANDRO PEREIRA CPF 077.885.083-81 • 09/04/2019 2215 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.656,03 CONS.REG.DOS REPS.COMERCIAIS NO ESTADO D MARCELO &PEIXOTO

CONS REPRES E EVENT LTDA CNPJ 06.211.801/0001-82 • 18/03/2019 850334 NÃO Falta de Paqamento CHEQUE 5.500,00 LPM MÁRMORE E GRANITO LTDA MARIA DA GLORIA PEREIRA RODRIGUES CPF 267.623.74387 • 11/02/2019 1622540 NÃO Falta de Pagamento DUPLICATA DE VENDA MERCANTIL POR INDICACAO 261,64 MILFRIOS DISTRIBUIDORA DE PRODS. ALIMENTICIOS MARIA MARIN EI DE DE SOUSA DA SILVA CNPJ 27.948.453/0001-09 • 10/04/2019 30115004915 N Ã O C E RT I D Ã O D A D I V I D A AT I VA 1 0 . 0 9 6 , 3 6 PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL RACHEL XIMENES MARQUES CPF 213.484.643-72 • 10/04/2019 25877901 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 383,75 DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRANSITO-DETRAN RAFAELA DO NASCIMENTO OLIVEIRA CPF 988.324.41349 • 10/04/2019 26165901 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 8.559,23 DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRANSITO-DETRAN RAIMUNDO NONATO ALEXANDRE FILHO CPF 066.521.858-30 • 10/04/2019 30116004497 N Ã O C E RT I D Ã O D A D I V I D A AT I VA 2 3 . 1 7 5 , 7 5 PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL REGINA CLAUDIA MELO DODT CPF 245.074.823-72 • 10/04/2019 11250201 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 740,59 DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRANSITO-DETRAN ROBERTO DO NASCIMENTO SILVA CPF 615.676.71349 • 10/04/2019 30119000181 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.798,25 PROCURADORIA GERAL DA FAZENDA NACIONAL ULISSES MONTENEGRO PONTES CPF 258.234.773-68 • 10/04/2019 11337201 NÃO CERTIDÃO DA DIVIDA ATIVA 1.660,99 DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRANSITO-DETRAN VERA LUCIA SILVA PEREIRA BARBOSA CPF 457.231.093-91

E como não tendo sido encontrados os devedores nos endereços indicados, os intimo pelo presente, na forma da lei, e por falta de pagamento, a pagarem os títulos em apreço, ou apresentarem os motivos de suas recusas. Fortaleza, 15 de ABRIL de 2019 - Bel. Claudio Martins (Tabelião)

MODELO DE CAMISA Este jovem atleta aqui veste uma camisa que é modelo para os uniformes do futsal. E por falar em futsal, meu bom-dia ao Roberto do Vale. Mais informações de Silvio Carlos: e-mail: promoviltda@yahoo.com.br


20

Fortaleza, Ceará, Brasil  Terça-feira, 16 de abril de 2019  O

kelton@oestadoce.com.br

Kátia Cilene se destaca por unir legado no forró a grandes parcerias A frente de um legado que revolucionou a história do forró, Kátia Cilene se consagra como umas cantoras mais ativas do Brasil. Revelada em um concurso que a escolheu entre 1600 participantes para a Banda Mastruz com Leite, onde eternizou sua voz em canções que são hinos do gênero como “Meu Vaqueiro, Meu Peão”, “Noite Fria”, “Tatuagem”, “Minha Verdade”, “Anjo da Guarda”, entre outros, além de ganhar notoriedade nacional e internacional na mídia televisiva e em turnês por todo o mundo. Kátia Cilene também integrou o projeto “Forró do Bom” como cantora, empresária e sócia e consolidou ainda mais o forró eletrônico em uma nova roupagem de canções em palcos do Norte, Nordeste e Sudeste. Entre os destaques, o hit “A Rosa e O Beija-Flor”, lançado nesse projeto e regravado pela dupla Matheus e Kauan, tornando-se uma das músicas mais aclamadas também do sertanejo universitário. Em 2016, a artista inicia uma nova trajetória com a carreira solo, lançando o aguardado

trabalho “Simplesmente Kátia Cilene – Pra Matar a Saudade”, álbum de estreia que repercutiu em todo o Brasil em um verdadeiro passeio pelos seus principais sucessos. O trabalho rendeu parcerias de peso como o grupo Sambô com uma mistura inédita entre o forró e samba na música “Quando Você Quiser Voltar”. Em 2018, Kátia apresentou mais novidades ao público com novos hits com participações especiais, com as consagradas cantoras Simone e Simaria em “Por Baixo Dos Panos” e, neste ano, com o também hitmaker Aldair Playboy na batida de “Me Entreguei”, que ganhou clipe lançado em fevereiro.

Kátia em números

Com números impressionantes no forró, Kátia soma uma bagagem que impressiona. Foram 40 DVDs e 2 CDs pelo Mastruz Com Leite; 11 CDs e 2 DVDs com Forró do Bom; além de um forte alcance digital com 312 mil seguidores no Instagram, 806 mil views no Youtube e 50 mil curtidas no Facebook.

flavio.torres.545

ESTADO

Dublador Garcia Júnior confirmado para o Sana 2019. Garcia Júnior, dublador e diretor conhecido pelas vozes de He-Man, Simba (Adulto), Fera (A Bela e a Fera), Arnold Schwarzenegger, dentre outros personagens é o segundo convidado com participação confirmada no Sana 2019. O festival, que ocorrerá de 12 a 14 de julho, no Centro de Eventos do Ceará, tem buscado trazer atrações que agradem públicos de todas as idades, reafirmando-se como um evento para toda a família. Garcia Júnior estará no evento no sábado (13) e no domingo (14), participando de bate-papo com o público. A primeira atração confirmada foi o ator irlandês Kristian Nairn, o carismático e misterioso Hodor, de Game of Thrones. Mais informações sobre o evento e a venda de ingressos podem ser conferidas no site oficial www.portalsana.com.br e nas redes sociais do festival.

“PAIXÃO DE CRISTO” NO PAULO SARASATE Fortaleza terá mega espetáculo gratuito no dia 17 de abril, a partir das 19 horas

Durante a Semana Santa, Fortaleza terá uma programação cultural gratuita especial. No próximo dia 17 de abril, a partir das 19 horas, a capital cearense receberá um mega espetáculo da Paixão de Cristo no Ginásio Paulo Sarasate, no bairro Dionísio Torres. A peça é realizada pela Comunidade Católica Shalom, desde 2011, e é considerada uma das maiores do gênero no estado do Ceará. O espetáculo, que mistura arte e evangelização, quer levar ao público uma experiência de fé e reflexão com uma das histó-

rias mais belas da humanidade: a Paixão de Cristo e a alegria da Ressurreição, onde se misturam o amor humano e amor divino. A peça teatral, que promete emocionar o público, conta com uma superprodução de som, iluminação, efeitos especiais e uma arrojada cenografia que reproduz lugarejos, ambientes e prédios da Jerusalém dos tempos de Cristo, como o Templo, Fórum Romano, o Palácio de Herodes e o Monte do Calvário. Além disso, um rico figurino complementa a grandiosidade da peça. Contada em flash back, a encenação, tem du-

ração de uma hora e meia, e começa com a cena da entrada de Jesus em Jerusalém, dia em que é celebrado o Domingo de Ramos, e termina com a grandiosa ressurreição de Cristo. Ao todo 300 pessoas atuam na produção do espetáculo. São 25 atores principais, figurantes, além dos profissionais técnicos, eletricistas, sonoplastas, contras regras, maquiadores, cabeleireiros, e costureiras, entre outros. O público esperado é de até seis mil visitantes. A peça começa às 19h e os portões serão abertos às 17h. A Paixão de Cristo faz parte

do circuito cultural da Semana Santa do Governo do Estado. O espetáculo recebe também incentivos fiscais da Lei Rouanet. “As pessoas não tem mais opção de ver algo cultural relacionado à semana santa. A nossa proposta é resgatar o verdadeiro sentido dessa época e mostrar que a semana santa é tempo de penitência, tempo de reviver o sofrimento de Cristo por nós, de mostrar o real significado do sofrimento de Jesus. É tempo de olhar para dentro de si, olhar para o outro e de se voltar para Deus”, afirma a diretora do espetáculo Neide Oliveira. Nesta oitava edição, o teatro da Paixão de Cristo terá a participação especial do cantor Diego Fernandes, de Santa Catarina.

Saiba mais

O espetáculo da Paixão de Cristo abre a programação do retiro de Semana Santa da Comunidade Católica Shalom que segue nos dias 18, 19, 20 e 21 de abril, no Ginásio Paulo Sarasate. Neste ano de 2019, o encontro tem como tema “Eu venci o mundo!” (Jo 16,33). Mais de 29 cidades receberão o retiro como São Paulo, Guarulhos, Rio de Janeiro, Nova Friburgo, Belo Horizonte, Joinvile, Florianópolis, Imperatriz, Pato, Ponta Grossa, Cruzeiro do Sul, no Acre, além de outras. Aqui no Ceará, diversos municípios também promovem o evento como Pacajus, Quixadá, Itapipoca e Juazeiro do Norte. O encontro quer resgatar o verdadeiro sentido da Semana Santa que é considerado o período mais importante da fé cristã e anunciar que Cristo está vivo entre nós. Durante os quatro dias, o público vai poder participar de celebrações, pregações, apresentações musicais e artísticas que retratam os últimos dias de Jesus na terra. Mais informações: (85) 3295- 4583.

mrtorres.oestado@gmail.com

Exército Brasileiro realiza exposição. Hoje, o Shopping Parangaba recebe uma exposição com acervo militar. A mostra é feita em celebração do Dia do Exército, e contará com apresentação de diversas áreas de atuação da força terrestre e exposição da Harley Davidson utilizada pelo exército. O evento é gratuito, e acontece no piso L1, das 10h às 22h. Até o meio dia haverá apresentação da Banda Musical da 10ª Região Militar.

Luiz Ayrão está de volta com “Um Samba de Respeito”. Após uma década fora do mercado fonográfico, Luiz Ayrão vai lançar no início de maio nas plataformas digitais, pela gravadora Universal, o álbum “Um Samba de Respeito”, só de sambas autorais e inéditos em comemoração aos seus 50 anos de carreira. Luiz Ayrão contou com um time de primeira linha para acompanhá-lo neste novo trabalho.

Viviane Almada promove Exclusive Day A cap da Jorge Bischoff Fortaleza, Viviane Almada, realizou a Premier do Exclusive Day, no último dia 9 de abril, no RioMar Fortaleza. O evento foi destinado a jornalistas e influenciadores convidados e teve ações especiais e experiências que destacam a elegância e a personalidade única da Grife. Foram apresentadas novas e exclusivas peças em primeira mão para jornalistas e influenciadores que comparecerem ao evento. Nesta temporada, o tema especial escolhido é o nicho Zebra, tendo em vista a importância da tendência Animal Print.

Natasha Brígido e Viviane Almada

Viviane com a jornalista Emanuelle Silveira

Viviane com Andreia Nasser e Luana Passos

Viviane com Andréa Fialho

Um pouco de muita gente A festa em homenagem à mais bela vovó será realizada no dia 3 de maio, às 17 horas, no Center Um. A festa da vovó foi uma criação do estimado Klinger Mota e ele depois passou para mim, que continuei a realizar. Só fiz umas modificações. Para colocar a conversa em dia, foram vistas, na hora do almoço, no Morano, Elzenir Fernandes, Marco Lins e Gisela Costa Camarão. O consórcio “Sempre Amigas” esteve reunido, na hora do almoço, no Regina Diógenes. Por lá, Nêda Gonçalves

Barros, Luzita Monteiro, Maria Nunes, Rejane Veras, Valdemir Marcelo e Valdelice Santos. Foram abraçar Berta de Castro, por ocasião de seu aniversário. Ela que recebeu, com o marido, Armando Leite, e a filha, Rita, que chegou recentemente do Canadá, os amigos Cloves Holanda e Ana Alice; Leo Gondim, Lourdes e Silvia Vasconcelos; Stelinha Frota Salles, Catarina Braga e Alexandre Rios. Foi na casa de Vanessa e Ronaldo Nogueira Simões, a comemoração do aniversário de Alexandre Simões Nogueira. Por lá, os pais, Maria e

Luiz Nogueira, Karla Simões Vasconcelos, Cássia e Ricardo Simões Nogueira. Vistas na reunião do grupo “Mulheres In Foco”, no Ideal, Stela Salles, Marta Pinheiro, Magda Busgaib, Luciene Bevilaqua, que fez sucesso como “maneca” lançada pelo saudoso Marciano Lopes. Retornou de Salvador, onde tratou de negócios, a bonita Yasmin Nobre. O restô do Ideal Clube foi cenário do almoço-folhinha de Nazarelo Sales, que reuniu a família, formada por Marcos Sales e Stela; Marcela e João Braga, com os filhos; Maria

Moreno e Duca Sales; Marta Bezerra, Lúcia Carvalho, Marco Filho, Viena Philomeno e Ana Maria Philomeno. Tim-tim, hoje, para Anício Auip, Bernadete Bezerra e Solange Philomeno Gomes. Foi sucesso o desfile de moda infantil de “Coisas de Maria”, no Shopping Iguatemi. Na plateia, Moema Guilhon, aplaudindo a neta Laisinha; Juliana e Duda Barros de Oliveira, com a filha; Graça e Eduardo Araújo. O fim de semana no Bom Bar foi dos mais agradáveis, que teve como atração, Duca do Salgueiro, que foi bastante

aplaudido. Valeu! A cearense Clarice Carneiro festejou sua troca de idade com seu grupo de brasileiros, que estuda no Canadá. Soraya Justo circulou no Cariri e viu de perto a quadra chuvosa de lá. A odontóloga Emanuella Maciel está atendendo, agora, em novo endereço. No último sábado (13), a Cooperativa de Otorrinolaringologia do Estado do Ceará (Coorlece) completou 20 anos. A data marca também a gestão da nova diretoria da cooperativa, que passa a ser composta por Francisco Tiago Chagas,

diretor administrativo; Samuel Rachid, diretor presidente, e Francisco Barros de Oliveira, diretor financeiro. North Shopping Fortaleza, North Shopping Jóquei, North Shopping Maracanaú e Via Sul Shopping, da rede Ancar Ivanhoe, modificam seu funcionamento para a Semana Santa, marcada para os dias 19 a 21 de abril. No domingo (21), também é lembrado o dia de Tiradentes. Na sexta (19), lojas e quiosques são fechados. Já no sábado e domingo (20 e 21), os horários são normais para todas as operações.

Profile for Jornal O Estado (Ceará)

16/04/2019 Edição 23514  

Jornal O Estado) Ceara

16/04/2019 Edição 23514  

Jornal O Estado) Ceara

Profile for oestadoce
Advertisement