Page 1

Edição

nº4 - fevereiro de 2014

Embr apa voltada aos inter esses dos trabalhadores e da sociedade, com mais democracia e transparência produção agrícola de nosso país fica com o chamado agronegócio e com as grandes corporações e empresas transnacionais do sistema agroalimentar. Mesmo com a crescente tecnificação e industrialização da produção agrícola convencional e do trabalho cada vez mais intensivo de inovações e tecnologias, que implica em aumentos cada vez maiores de produtividade, mas também de maior consumo de

gestão vertical, vive um processo de aumento do autoritarismo e da falta de transparência na gestão, tanto no que diz respeito aos seus trabalhadores como para a sociedade em geral. Nesse sentido, no momento em que iniciamos a discussão do ACT 20142015, entendemos que é oportuno e necessário abrirmos um grande debate nacional sobre a Embrapa que precisamos, ou seja, se quere-

Nossa empresa vive um processo de aumento do autoritarismo e da falta de transparência na gestão.

energia, a fome em nosso país continua existindo e se multiplicando. Além disso, nossa empresa, que sempre teve uma estrutura extremamente centralizada e um modelo de

A Embrapa, com seus 40 anos de existência, é hoje a maior empresa pública de pesquisa agropecuária brasileira, vinculada ao governo federal, com quase 10 mil trabalhadores e está presente em praticamente todos os estados da federação. Apesar das contribuições de nossa empresa para o desenvolvimento tecnológico da agricultura brasileira nesses últimos 40 anos, não podemos deixar de reconhecer também os problemas enfrentados pelo modelo agrícola dominante no Brasil, baseado em monocultivos como a cana-de-açúcar e a soja, a utilização indiscriminada de agrotóxicos, a degradação dos solos e a contaminação das águas, a utilização de transgênicos na alimentação humana, além da concentração de terra e a expulsão de agricultores tradicionais e comunidades indígenas de seus territórios originais. Nesse modelo dominante, a maior parte do lucro da

mos uma empresa voltada aos interesses prioritários do agronegócio e das grandes corporações transnacionais do sistema agroalimentar ou direcionada aos interesses majoritários dos trabalhado-

res, dos agricultores familiares e da sociedade em geral. Junto com esse debate, é mais do que premente abrirmos também a discussão de mais democracia e transparência na empresa, pois nossa estrutura organizacional é extremamente autoritária e os nossos gestores são indicados indiretamente. Você sabia que a Embrapa gasta quase 20% do orçamento da folha de pagamento para pagar os cargos comissionados de diretores, chefes e supervisores? Para transformar essa realidade, precisamos mudar, urgentemente, essa estrutura de gestão vertical da Embrapa e construir um modelo mais democrático. E isso passa pela eleição direta de diretores e chefes de Unidades. Esse desafio é uma tarefa de todos nós!


Página 2

AC T: q u e s t õ e s t r a n s c e n d e n t e s Estamos novamente em meio ao processo de discussão do nosso ACT. Fizemos já duas rodadas de assembleias. Na primeira, em fins de janeiro, foi discutida a chamada “pauta zero”. Esta foi composta basicamente sobre o ACT passado, com poucas cláusulas novas. No entanto, em nossas assembleias foi levantado um rico conjunto de ideias e sugestões de novas temáticas. A diretoria da SSCJ compilou as contribuições e levou à reunião da Diretoria Regional do Sinpaf em 5 de fevereiro no Rio de Janeiro.

O encontro lá não permitiu um debate profundo, mas os subsídios levantados pelas diversas Seções Sindicais foram registrados e levados à Diretoria do Sinpaf para comporem a versão compilada nacional. Em 19 de fevereiro passado realizamos a segunda rodada de assembleias para avaliar a pauta consolidada nocional. A Diretoria da SSCJ apresentou uma planilha onde se pôde comparar a versão nacional com a elaborada em nossa Seção. Naquele momento ficou evidente a ausência quase que completa

das nossas sugestões. Isto não foi fato isolado, pois em contato com outras Seções, constatamos o mesmo. Reflexo disso foi a rejeição unânime da proposta. Em 21 de fevereiro fomos surpreendidos por uma nova convocação de assembleias extraordinárias, com o argumento de terem ocorridos problemas técnicos no processo. Nova versão nacional estará sendo apreciada. Não pudemos saber os resultados das assembleias. À parte disso, a nova convocação praticamente impede uma avaliação ou debate

Concurso ‘Mulheres de Luta’ Dia 8 de março é o Dia Internacional da Mulher. Para comemorar esta data, O Curupira lança um novo concurso. A melhor mensagem sobre “mulheres de luta”, baseada na música “Maria, Maria”, do Milton Nascimento, ganhará uma grande cesta surpresa de presentes. Todos podem participar!

sobre a nova versão, pela exiguidade de tempo – um dia útil. Foram muitas as comunicações, solicitações de informação e pedidos de adiamento da nova assembleia, sem sucesso. Estamos empenhados na construção de um debate participativo, onde as bases sejam ouvidas e consideradas, onde os argumentos sejam o foco e a comunicação com os Empregados seja eficiente. Acreditamos que a rapidez não deva atropelar a riqueza do debate e a voz das pessoas.

“Mas é preciso ter força É preciso ter raça É preciso ter gana sempre Quem traz no corpo a marca Maria, Maria Mistura a dor e a alegria”

Aconteceu mês passado Eliana Lima foi a grande contemplada no concurso lançado em novembro sobre a melhor mensagem de natal. Ela recebeu um cesta de natal com chocolates e vários itens, e a sua mensagem que foi a vencedora, foi a mensagem de natal para todos os nossos sindicalizados. Obrigada, Eliana Lima, vamos aos próximos concursos!


Página 3

A t a d a A s s e m b l e i a G e r a l E x t r a o r d i n á r i a - S I N PA F Conforme convocação da Diretoria Nacional do SINPAF, a Seção Sindical Campinas-Jaguariúna (SSCJ) realizou sua Assembleia Geral Extraordinária no dia 19 de fevereiro de 2014, às 9h, em Jaguariúna, no CNPMA, e às 14h em Campinas, nas demais unidades (CNPTIA, SPM, SGTE e CNPM), com o objetivo de: 1. Apreciar e votar a pauta de reivindicações para o ACT 2014-2015; 2. Votar na Comissão de negociação do ACT 2014-2015; 3. Autorizar a Diretoria Nacional do SINPAF para firmar acordo e realizar as demais ações necessárias durante o processo de negociação do ACT 2014-2015; e 4) Tratar de assuntos gerais pertinentes a ordem do dia. O presidente da SSCJ, Sr. João Carlos Canuto, deu início aos trabalhos lendo, na íntegra, a convocação feita pela Diretoria Nacional para esta Assembleia e relatando, de forma breve, o histórico do processo de construção da pauta de reivindicações do ACT 2014-2015. Abriu-se espaço para comentários e questionamentos e, em seguida, através de uma apresentação, destacou-se quais sugestões propostas pela SSCJ e encaminhadas à Diretoria

Nacional pela Regional Sudeste foram incorporadas à esta nova pauta. Após esta apresentação, abriu-se o debate sobre a pauta proposta, a condução do processo e a comissão de negociação, com a manifestação de diversos trabalhadores. Vale o registro de que notamos que muitas das cláusulas sugeridas no âmbito da SSCJ e apresentadas na reunião da Regional Sudeste, não foram contempladas. Entre elas estão temas de alta relevância, tais como: a transparência, com o acesso pelos empregados de forma dos atos de gestão, o debate sobre o modelo institucional da Embrapa, a instauração de processos de democracia ampla, incluindo a escolha de gestores em todos os níveis, entre outras. Igualmente é importante levantar que as Seções Sindicais deveriam ter claro quem são as pessoas que compõem a mesa de negociações, os critérios dessa escolha e, especialmente sua estratégia política de negociação e comunicação com as bases. Não havendo mais colocações e questionamentos sobre esses assuntos, procedeu-se à votação de cada item proposto, obtendo-se o seguinte resultado:

Vo t a ç ã o n a s U n i d a d e s No sentido de possibilitar que todos os filiados de nossa Seção tenham acesso à votação de sua Unidade, apresentamos, a seguir, o resultado das Assembleias realizadas no CNPMA, CNPM e CNPTIA.

UD

Pauta da DN

Comissão de negociação

Autorização para DN

Aprova

Rejeita

Abst

Aprova

Rejeita

Abst

Aprova

Rejeita

Abst

CNPMA

0

29

0

0

29

0

8

3

16

CNPM CNPTIA

0

11

0

0

9

2

0

0

10

0

9

0

0

8

1

0

2

7

Total

0

49

0

0

46

3

8

5

33

Próximos passos A Diretoria Nacional do Sinpaf (DN), alegando que esqueceu de inserir várias contribuições que vieram das Seções, está convocando nova rodada de Assembleias para os dias 25 e 26 de fevereiro. Esse fato já tinha sido alertado por nossa e por várias outras Seções. Além disso, também fizemos a proposta de realização de uma reunião geral em Brasília, com a DN e todas as Seções Sindicais no sentido de compor a pauta final

compatibilizada e com as sugestões das diferentes Unidades. Infelizmente todas essas sugestões não foram consideradas. Além disso, até o fechamento desta edição do Curupira, a DN não tinha divulgado sequer o resultado das Assembleias realizadas por todo o Brasil, o que no nosso entendimento é uma obrigação e um direito dos filiados de terem acesso à essa importante informação.


Página 4

AC T 2 0 1 3 - o q u e f o i i m p l e m e n t a d o a t é h o j e pa em relação a negociar com o DEST sobre a questão do parcelamento de férias. Lembramos que, na fala do Diretor presidente da Embrapa, durante a etapa final de fechamento do ACT , havia o compromisso de se empenhar para que esta possibilidade fosse negociada junto ao DEST. Veja relato abaixo extraído do todos.com (extra) de 27.07.13:

O presidente explicou que, quando este item foi identificado pelo DEST, ao analisar a pauta de reivindicações do Sindicato, o órgão pediu à Embrapa atenção especial ao assunto, determinando que o parcelamento da devolução de férias fosse retirado do âmbito do ACT. Maurício Lopes se comprometeu a buscar, junto aos órgãos superiores,

A palavra

a manutenção da opção do parcelamento para todos os empregados. Ele disse que não pode prometer uma data para a conclusão sobre o caso, mas garantiu que dará continuidade aos esforços que já tem feito nesse sentido. Porém, reitera que esse item não pode ser tratado no âmbito do AC T 2013/2014.

Colegas, iniciamos mais um processo de discussão de pautas do ACT (20142015) e nesta etapa é importante refletir e ficar atento aos compromissos assumidos pela Embrapa no atual ACT (2013-2014) e que não foram implementados até agora. Um destes compromissos diz respeito a Cláusula sexagésima que trata do Registro de frequência, onde a Embrapa se comprometeu a implantar um sistema alternativo de controle eletrônico da frequência com a possibilidade de criação de normativos internos para implantação do banco de horas. E o que foi feito até hoje? Nosso acordo foi assinado em setembro de 2013 e parece que de lá para cá nada avançou. Um outro benefício que não avançou foi, a revisão da Diretoria da Embra-

Como dito, este item não podia ser tratado no âmbito do ACT 2013/2014. E onde está sendo tratado? Alguém tem notícia em relação a esta questão? Nossa seção cobrará do sindicato nacional. Pelo menos um retorno deve ser dados aos empregados. Consideramos que, estas informações sobre o que não foi implantado do acordo anterior, assim como os compromissos assumidos e não retomados ou sequer

informados aos empregados sobre o andamento, são de extrema valia para nossas reflexões e posturas/ atitudes perante esta nova fase de negociação do ACT 2014. É preciso VIGIAR, QUESTIONAR E COBRAR. Caso contrário, mais um acordo entra em discussão e todo o jogo de palavras e compromissos por parte da diretoria da Embrapa reaparecem no cenário das negociações. No entanto, nada é feito. Envie sua opinião sobre este assunto. Vamos refletir e discutir de forma coletiva esta situação que se repete anualmente nos processos de negociação e fortalecer nossas escolhas para não cair mais uma vez nas armadilhas e perdas que esta negociação pode trazer.

do sindicalizado

Por: Priscila Brochado e Verena Ferreira (Embrapa Produtos e Serviços) Ampliação do número de ausências justificadas anuais: entendemos que retomar a discussão sobre isso é fundamental, especialmente sobre a argumentação da importância em garantir a qualidade de vida do empregado. Porém, existem alguns outros argumentos que podem ser empregados nas negociações. O primeiro deles poderia ser o parecer favorável da comissão que avaliou a situação da folga de pagamento nas Unidades (incluindo repre-

sentante da AJU e do DGP). O segundo refere-se ao fato dos cinco dias de falta justificada que não é um benefício dado pela Embrapa, mas sim um direito dos empregados, já que trabalhamos cinco dias a mais por ano. A terceira é sobre a questão da isonomia entre os empregados (uns possuem licença, outros não, uns têm folga de pagamento, outros não). A última é mais geral que abrange a importância na ampliação de condições em prol da qualidade de vida dos

empregados. Ganhando os dias reivindicados, o empregado poderia resolver questões, não só relativas a pagamento, como também assuntos familiares (reuniões de pais em escolas, adaptações de filhos em creches, repouso em caso de enfermidades brandas que não requeiram idas a hospitais . Nossa sugestão na redação para solicitação no dia útil subsequente ao da falta é para cobrir situações imprevistas.


Página 5

Devolução do Imposto Sindical No número anterior do Curupira (Dez.2013/nº3º), informamos o que é o imposto sindical, porque está sendo devolvido e sobre como seria feita sua devolução aos filiados da nossa seção. Neste momento temos a informar que ocorreram alguns atrasos na devolução explicando que os motivos foram diversos: falta de um cadastro atualizado na seção sindical, pois recebemos da gestão anterior sem essa organização; dificuldade e atraso no recebimento dos dados via e-mail pelos sindicalizados; o banco no qual temos conta, se negou a realizar a transferência por seus funcionários, dificuldades com cadastra do gerenciador financeiro via internet; falta de informação dos procedimentos para realizar as transferências, pois o sistema é mais complexo que o da transferência conta pessoa física, pois exigem duas assinaturas, problemas com limi-

tes e sincronismo de datas das assinaturas autorizando o depósito. Bem, mesmo com todas essas dificuldades enfrentadas, a boa notícia é que a maior parte das transferências já foram realizadas e neste momento faltam poucas pessoas a serem pagas. Pretendemos realizar todas as transferências na próxima semana. Gostaríamos de aproveitar para agradecer os sindicalizados pela compreensão e paciência quanto à demora nesse processo, salientando que, não faltou empenho de nossa parte em buscar as soluções para as dificuldades enfrentadas e, que essas se traduziram em acúmulo de experiência para nos tornar mas eficientes nesse tipo de demanda. A todos muito obrigado. Diretoria Administrativa Financeira.

Dica de leitura: A China p o r M o Ya n , N o b e l d e 2 0 1 2 A partir de uma narrativa sobre a própria vida, o vencedor do Nobel de Literatura de 2012, aborda situações passadas e presentes da China desde 1969. Este é o conteúdo de “Mudança”, primeiro título de Mo Yan a chegar ao Brasil. Apesar de autobiográfico, o livro traz poucas informações do autor. Há quase nada sobre a sua vida pessoal, exceto que sua família é de camponeses de renda média e que ele se casou em 1979. Também existem alguns dados curriculares, que Yan ou usa com honestidade ou, o que é difícil atestar - para criar para si mesmo a imagem que têm dele: de que não é nem um crítico ferrenho do governo chinês nem um artista que se vendeu, mas alguém que faz um pouco do jogo político possível na China, sem submeter por completo, para conseguir melhores condições de vida e de publicação. O desapego ideológico

também é visto nos comentários sobre Mao Tsé Tung. Depois de dizer que a notícia da morte de Mao, em 1976, lhe tirou o chão, Yan reconhece que a China está melhor sem ele. Sua entrada para o Exército é um dos diversos assuntos que o autor aborda durante a narrativa. “Pensei muito e concluí que a carreira militar seria o único meio de sair da aldeia e mudar de vida”, escreve. Se ele fosse para o front e morresse, viraria mártir, e sua família teria um “status político” diferenciado. “Faria valer a pena terem me criado.” O texto é leve e com momentos engraçados. Mas é mesmo pelo ineditismo – por ser o primeiro do Nobel chinês a sair no Brasil – e pelas pinceladas que dá da China que “Mudança” se faz interessante. Se não chega a escancarar a porta para o país asiático, abre diversas frestas para observá-lo.

www.facebook.com/sinpafcampinas.org.br atendimento@sinpafcampinas.onmicrosoft.com

Expediente: O CURUPIRA é uma publicação mensal da Seção Sindical Campinas-Jaguariúna do SINPAF. Presidente: João Carlos Canuto. Vice -Presidente: Wilson Fernando Paiva. Secretário Geral: Mário Artemio Urchei. Suplente de Secretário Geral: Kátia Sampaio Malagoli Braga. Dir. Administrativo e Financeiro: Waldemore Moriconi. Suplente de Dir. Administrativo e Financeiro: Antônio Alves de Souza. Dir. Divulgação e Imprensa: Myrian Suely T. A. S. Ramos. Dir. Formação Sindical: Joel Leandro de Queiroga. Dir. Ciência e Tecnologia: Lourival Costa Paraíba. Dir. Relações Institucionais: Francisco Miguel Corrales. Dir. Políticas Públicas e Cidadania: Maria Katy Anne V. de O. Guimarãres. Dir. Saúde do Trabalhador e Meio Ambiente: José Renato Barbosa. Editor e diagramador: Lucas Mayer


Curupira - edicao 4  

O Cupira é uma publicação mensal da Seção Sindical Campinas-Jaguariúna do SINPAF.

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you