Page 1

MONTE CARMELO Província São José Revista da OCDS

CANONIZAÇÃO Santa Elisabete da Trindade Pag. 08

Set/Out de 2016 - N° 148

ESPIRITUALIDADE O ‘‘Pai-Nosso’’ e o Matrimônio-Família Pag. 05

OCDS

CICLA 2016 Pag. 15

BRASIL


EXPEDIENTE Revista Virtual Monte Carmelo, nº 148 (Set/Out de 2016) Edição: Comissão de Comunicação da OCDS Província São José

SUMÁRIO

COORDENADOR: Francisco Sena

03 Santo(a) do Mês 04 Espiritualidade 05 Editorial

PALAVRA DO COORDENADOR

BEATO GEORG HÄFNER, OCDS

EQUIPE DE REDAÇÃO: Danielle Meirelles Francisco Renaldo Costa Giovani Carvalho Mendes Ronaldo Ferracini Sidney Paiva Wilderlânia Lima do Vale COLABORADORES: Luciano Dídimo C. Vieira Rosemeire Lemos Pio o REVISÃO EDITORIAL: Natassha Co s ARTE E DIAGRAMAÇÃO: Wilderlânia Lima do Vale

O «PAI-NOSSO» E O MATRIMÔNIO-FAMÍLIA

08

Canonização

15

CICLA 2016

22

SANTA ELISABETE DA TRINDADE

III CICLA SUR - CHILE

Notícias/Marketing COMUNIDADES EM DESTAQUE

ASSOCIAÇÃO DAS COMUNIDADES DA ORDEM DOS CARMELITAS DESCALÇOS SECULARES NO BRASIL DA PROVÍNCIA SÃO JOSÉ CNPJ: 08.242.445/0001-90

Colabore com a edição da nossa Revista enviando suas sugestões, reclamações, no cias, testemunhos, ar gos e poesias para: no ciasocds@gmail.com

MONTE CARMELO


Editorial

Francisco Sena, OCDS Coordenador da Comissão de Comunicação OCDS

Louvado Seja Nosso Senhor Jesus Cristo. Neste bimestre a Revista Virtual Monte Carmelo traz somente comemorações! A Província São José está vivendo momentos muito importantes e nesta edição, relembramos o Fórum 500 Anos de Santa Teresa de Jesus ocorrido em 2015 na cidade de Aparecida/SP. O evento foi um momento de muitas graças para a Ordem do Carmelo Descalço que, sem dúvidas, ficou na mente de todos os par cipantes como também na das pessoas que acompanharam o Fórum pelas transmissões ao vivo. Em outubro, vemos ainda dois eventos muito importantes para a OCDS: a canonização de Santa Elisabete da Trindade e o III Cicla Sur Chile 2016. Nossa irmã Andreia Silva, de Sete Lagoas-MG, nos apresenta uma matéria com aspectos biográficos de Santa Elisabete e elementos de sua espiritualidade que muito nos ensinam a viver o carisma carmelitano. Vale ressaltar que aqui no Brasil, temos o único mosteiro do mundo que tem como padroeira Santa Elisabete, que é o Carmelo San ssima Trindade e Santa Elizabeth da Trindade, em Coronel Fabriciano-MG. O III Cicla Sur Chile 2016 ocorreu entre os dias 22 a 26 de setembro com o tema “El es único capaz de saciarnos”. Nossas irmãs Ana Sacarabelli e Márcia relatam para todos nós, nesta edição, os principais momentos do evento e da par cipação da OCDS do Brasil. Não deixem de ver ainda as no cias das comunidades e grupos de nossa Província São José! comunicacao@ocdsprovsaojose.com.br

Obrigado a todos e boa leitura!!!

MONTE CARMELO

03


Santo(a) do Mês BEATO GEORG HÄFNER, OCDS Presbítero e Már r Foi preso no dia 31 de outubro de 1941 e levado ao campo de concentração de Dachau em 12 de dezembro de 1941. Ali, como fiel sacerdote, estava exposto a toda classe de tormentos e injus ças, mantendo em todo momento uma a tude heroica ante cada humilhação e mau trato. Suas cartas escritas em Dachau dão testemunho de sua profunda fé e de sua capacidade de perdoar a seus verdugos. Uma de suas úl mas frases ditas no campo de concentração foi: “Não queiramos maldizer a ninguém e nem tomar vingança. Queremos ser bons para com todos”. Finalmente, esgotado pela enfermidade e, sobretudo, pela fome, morreu em 20 de agosto de 1942. No dia 15 de maio de 2011, o cardeal Ângelo Amato, delegado do Papa Bento XVI, bea ficou a George Häfner, ocds, determinando o dia 20 de agosto como dia de sua memória. Würzburg-Alemanha (16/05/2011) – Pela primeira vez em 1300 anos de história de Würzburg, teve lugar uma bea ficação; e era a do sacerdote már r de Dachau, George Häfner (pronuncia-se “réfner”), ocds.

Que no Céu, nosso querido beato George interceda por todos nós, carmelitas descalços seculares, seus coirmãos, para que sejamos fiéis à nossa vocação humana-cristã-carmelitana e para que nossa amada Ordem se espalhe e irradie a luz de Cristo e da Virgem Maria por todo o mundo.

Nasceu em Würzburg em 1900. Desde a época de acólito, manteve uma estreita relação com as monjas carmelitas descalças de Würzburg, onde, em 1920, ingressou na Venerável Ordem Terceira (assim era conhecida a Ordem Secular naquela época) com o nome religioso de “Aloísio do San ssimo Sacramento”. Após seus estudos filosóficos e teológicos, foi ordenado sacerdote no dia 13 de abril de 1924 e “cantou” sua primeira Missa no dia 21 de abril. Depois de haver desempenhado seu labor pastoral em diversas paróquias, no dia 12 de novembro de 1934 foi nomeado pároco da paróquia de Oberschwarzach, coincidindo sua a vidade pastoral como pároco com a chegada ao poder de Adolf Hitler. Rapidamente entrou em “choque” com as ideias e interesses dos agentes de Hitler, já que não fazia nunca a pica saudação nazista e defendeu sempre a doutrina e os direitos da Igreja.

04

MONTE CARMELO

Beato George Häfner, rogai por nós! por Giovani Mendes, ocds Comunidade Flor do Carmelo de Sta Teresinha - Fortaleza/Ce


Espiritualidade

O “PAI-NOSSO” E O MATRIMÔNIO-FAMÍLIA PAI-NOSSO QUE ESTAIS NOS CÉUS Deus é o Pai de todas as famílias. Ele é o centro do Sacramento do Matrimônio. Quem deseja casar-se, deve fazê-lo no sen do de consagrar sua vida e o amor conjugal a Deus! Se não for assim, não há sen do algum em se casar “na Igreja”. Sem essa aliança com Deus, não há sen do no matrimônio. Ele é um sacramento, um ato sagrado, um sinal sensível da graça divina! Todo sacramento (portando, também o matrimônio) é sinal da presença de Deus! O Matrimônio é o sacramento da presença de Deus na Família Humana! Se Deus é nosso Pai, isto significa que meu cônjuge é um (a) filho (a) de Deus! Merece, portanto, todo respeito! Somos (eu e meu cônjuge) irmãos em Cristo e irmãos na fé! O mandamento: “amai o próximo como a mesmo”, é válido e imprescindível também no Matrimônio. No sacramento do Matrimônio, dois cristãos decidem, espontaneamente, caminhar juntos, em ajuda mútua, e resolvem cons tuir uma família cristã! Deus, nosso Pai, está no Céu, isto é, no Paraíso, mas, também está no seio de cada família verdadeiramente cristã. Ele é Santo e quer que seus filhos e filhas, feitos à Sua imagem e semelhança, sejam santos também. Nosso Céu começa a ser construído aqui mesmo, na terra. Cada família cristã é um “pequeno céu” onde Deus habita. Esta san ficação da família tem que ser buscada cada dia. Os esposos devem querer e almejar a salvação eterna um do outro. Ambos devem se ajudar

mutuamente. Esta é a vontade de Deus, no tocante ao sacramento do Matrimônio. Lembremo-nos das promessas que fazemos perante o sacerdote, durante a cerimônia do casamento. VENHA A NÓS O VOSSO REINO Desejar isso é o mesmo que dizer: “Senhor, que a Tua presença se faça realidade em minha família, em meu casamento! Fica conosco, Senhor! Que o Céu em que viveis já comece aqui, em minha casa!”. O Reino de Deus é: Jus ça, Amor, Verdade, Unidade, Perdão, Paciência, Vida e Paz. Todas essas virtudes tornam o casamento e a família invencíveis! SEJA FEITA A VOSSA VONTADE, ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU! Desejar isso é muito sério! É simplesmente desejar que a Vontade de Deus, que nem sempre é a nossa vontade, seja plenamente cumprida em nossa vida e em nosso casamento! Como isso é grave! Quantos não são os casais que “se casam” sem ao menos pensar nisso... Querer que a Vontade de Deus “seja feita” exige: amor a Deus e ao cônjuge, renúncia de “nossas vontades”, sacri cio, luta e coragem! Para o homem, é impossível salvar-se! Porém, para Deus, tudo é possível. Só conseguiremos fazer a Vontade de Deus com a ação de duas forças: nossa decisão e a graça divina. E isso só se consegue com a oração e vida sacramental (Confissão e Eucaris a). MONTE CARMELO

05


SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME... Deus é glorificado, louvado e se sente feliz em uma família unida, cheia de amor, respeito mútuo, isto é, santa! Uma família cristã é sinal da presença de Deus no mundo! Portanto, uma família desunida, destruída, é sinal da presença do mal no mundo! O PÃO NOSSO, DE CADA DIA, NOS DAI HOJE! Aqui não falamos apenas do pão “material”. É claro que este é muito importante e fundamental! Nesta parte do “Pai-Nosso”, porém, pedimos ao Pai, principalmente, pelo “pão espiritual”, o alimento e força das almas e, portanto, da existência da família: Jesus Eucarís co.

passa dois a três dias sem seus remédios? Como podemos comparecer a uma festa, na casa de um amigo, estando sujos, fedendo e rasgados? A Confissão é o banho que nos limpa, o remédio que nos fortalece e a veste nova que nos torna prontos para comparecermos ao banquete, à grande festa que Deus (nosso amigo) nos oferece: a Santa Missa! A confissão freqüente (pelo menos uma vez ao mês, como Nossa Senhora pede em Medjugorje) é o remédio e a cura para a família de hoje!

Estamos já “cansados” de escutar que a família é a Igreja domés ca. Pois bem, se ela (a família) é uma igreja domés ca, e como a Eucaris a é o Centro da Igreja, assim, Ela também é o Centro da Família Cristã! Todo sacramento, inclusive o Matrimônio, está voltado para a Eucaris a. O Matrimônio só tem, portanto, sen do, se ver como meta, como obje vo, força e sustento, a união do casal com Jesus Eucarís co! Daí uma pessoa ou casal que contrai apenas o “casamento” civil, não pode comungar o Corpo e o Sangue do Senhor. Repito: não vejo sen do algum no Sacramento do Matrimônio em um casal sem vida eucarís ca! Se eu me caso, perante Deus, não é no intuito apenas de me unir ao meu cônjuge, mas também de me unir e unir meu cônjuge a Deus, fonte e autor do Sacramento do Matrimônio. A forma máxima de união com Deus é através da recepção (com amor, devoção e preparação) da Comunhão Eucarís ca, isto é, do próprio Jesus, Deus-Homem, vivo e real na Hós a Consagrada. PERDOAI-NOS AS NOSSAS OFENSAS Constantemente um casal deve estar unido à Misericórdia Divina! Pecamos e somos ingratos a Deus, diariamente! Para recebermos o perdão de Deus, e para podermos recebe-lo na Eucaris a, temos que freqüentar, com amor, devoção e assiduidade, o Sacramento do Perdão: a Confissão! A Confissão é o banho da alma, é o remédio dos corações e a cura de nossas misérias! O que acontece ao nosso corpo quando passamos dois a três dias sem banho? O que acontece a um doente quando

06

MONTE CARMELO

ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO... Vida conjugal é IGUAL a perdão mútuo diário! Dois esposos cristãos (portanto, dois irmãos na fé) devem SEMPRE se perdoar! É claro que devemos evitar ofender o outro e procurar, no que for possível, agradar e tornar feliz o outro... Porém, se ofendermos o nosso cônjuge, devemos logo lhe pedir perdão e procurar reparar a ofensa! A parte ofendida, por sua vez, deve oferecer o perdão e deixar-se ser reparada!


Sei que isso é di cil! O maligno espreita o casal e a família para leva-los ao ódio, ao ciúme, ao ressen mento, à intriga, ofensas, brigas, agressões verbais e até mesmo sicas! Quanta violência nós vemos hoje em dia nos jornais e na televisão, produzidas dentro da família! Jesus, Aquele mesmo que, no dia do casamento, oficiou a união do casal, na pessoa do sacerdote, é a força para vencermos todas as tentações e ataques do demônio! NÃO NOS DEIXEIS CAIR EM TENTAÇÃO A família, base da sociedade e da Igreja é o alvo “número um” dos ataques do maligno, do mundo (seu escravo) e da carne (inimiga do Espírito de Deus): 1) O Demônio: sugerindo todo po de pecado ou vício que possa destruir a família. O demônio odeia um casal unido e que se ama, pois um casal assim é testemunha do amor de Deus e da presença de Deus no mundo. 2) O Mundo: oferecendo aos membros da família seus falsos valores (o “amor livre”, “aventuras” extraconjugais, divórcio, aborto, etc) e “novas idéias” das como “modernas” ou “normais para os dias de hoje”.

3) A Carne: ciúmes, luxúria, desones dades, despudor, traição, impaciência com o outro e sen mentos de dominação do outro, etc. Peçamos sempre ao Pai, que nos ama, que nos livre de toda tentação: a repen na, a inesperada, a escondida (disfarçada), a constante e a intensa! MAS, LIVRAI-NOS DO MAL! Como oração, digamos: sim, ó Pai, livrai nossas famílias de todos os males: da falta de amor, da falta de perdão, do desrespeito, do ódio, do ciúme, da inveja, da desconfiança, de brigas, rixas, calúnias, men ras, impurezas, adultério, do desemprego, de doenças graves, da violência, da falta de fé, do comodismo e preguiça espirituais, da falta de amor a Deus e à Igreja, de heresias, do “ateísmo prá co”, etc! Nossa Senhora, Rainha das Famílias, rogai por nós! Amém! Sim! Assim seja! Faça-se em nós, em minha família, em todas as famílias, a Vossa Eterna Vontade, ó Senhor! Amém! Amém! Amém! por Giovani Mendes, ocds Comunidade Flor do Carmelo de Sta Teresinha - Fortaleza/Ce

MONTE CARMELO

07


Canonização EM TUDO SE DEIXOU AMAR POR DEUS E ASSIM AMADA, BUSCOU SER UM LOUVOR DE GLÓRIA Elisabete Catez nasceu no campo militar de Avor, França, em 1880. Seu pai era um militar, sendo a pequena Elisabete educada neste ambiente. No ano de 1882, a família Catez se transferiu para a cidade de Dijon. Desde pequena, Elisabete se destacava pelo seu forte temperamento, demonstrando ser uma criança geniosa e de um caráter muito enérgico e irascível. Sua mãe buscou ensiná-la a controlar-se por amor. Em um de seus testemunhos, Elisabete conta que, em um Natal, quando ela nha provavelmente entre 4 a 5 anos, sua mãe emprestou sua boneca para servir de menino Jesus no presépio da Igreja. Quando a pequena Elisabete, na missa da noite de Natal, olhou para dentro da manjedoura e reconheceu sua boneca, fez um grande escândalo, chamando o padre de malvado e exigindo que ele lhe devolvesse a sua boneca. Esse foi um pequeno exemplo de quanto esta jovem de temperamento forte, precisou ser trabalhada no autodomínio e na ternura. Elisabete foi um grande exemplo de alguém que se deixou transformar pelo amor de Deus. Os santos não foram pessoas perfeitas, foram homens e mulheres que se deixaram transformar por Deus e souberam viver o ordinário da vida de forma extraordinária. Aos 7 anos de idade, Elisabete perdeu o seu pai, uma grande dor para sua mãe, que a par r daquele momento, teria que educar sozinha suas duas filhas, Elisabete e Margarida. Nesta mesma época, a pequena Elisabete confessava ao Cônego Angles o seu desejo de um dia ser religiosa. Desde pequena se destacava pelo seu amor a Jesus. Logo após a morte do pai, sua família se mudou para perto do Carmelo e assim a pequena foi crescendo rodeada dos sinos do claustro, ao ponto de na juventude compor uma poesia sobre o que via da sua varanda. Ela mesma dizia se referindo às carmelitas: “Vejo a capela misteriosa das humildes e pobres religiosas. Santas jovens como vos invejo!”. Da sua varanda, Elisabete via o mosteiro das carmelitas e sonhava em um dia viver ali como uma delas.

08

MONTE CARMELO


No dia 02 de Agosto de 1901, aos 21 anos de idade, entrou no Carmelo, recebendo como nome religioso o de Irmã Elisabete da Trindade. De fato, a Trindade seria a fonte de toda vida de Elisabete. Ela vivia mergulhada nos “Três”. “Os meus Três”, assim chamava a Trindade. Elisabete descobriu na Trindade o seu Céu. Vivendo escondida no coração do Pai, ela pedia que o Espírito Santo formasse nela o Verbo, a ponto de quando o Pai olhasse para ela, reconhecesse nela a face de Seu Filho muito amado. Era essa sua prece. ENTRADA NO CARMELO Elisabete também se inscreveu no conservatório e assim se tornou uma grande pianista. Ao passar um dia em frente ao teatro de Dijon, disse a uma amiga: “Eu queria ser uma grande pianista e fazer um grande concerto neste lugar!”. A amiga perguntou o porquê deste desejo, obtendo a seguinte resposta: “Quero estar lá para naquele meio ter pelo menos uma alma que ama a Deus.” Em 1894, sen u um apelo interior de se entregar ao celibato, mesmo que privadamente e seguindo esta inspiração fez um voto privado de virgindade. Em 1895, ganhou o cer ficado no conservatório.

Dentro do coração da jovem Elisabete crescia cada vez mais o desejo de se entregar por inteiro a Deus dentro do Carmelo, mas sua mãe não aceitava, pedindo que a filha esquecesse o Carmelo e nunca mais falasse nisso. Depois de muita luta e oração, a mãe consen u que a filha entrasse no Carmelo, mas só aos 21 anos. Elisabete esperou mais de 4 anos para entrar no seu tão esperado claustro, mas sua vida no mundo já era uma vida de carmelita.

LAUDEM GLORIAE Elisabete queria ser uma criatura nova, queria ser como que uma nova encarnação do Verbo e assim assumiu seu novo nome dentro do Carmelo, um nome ao mesmo tempo profé co, que dizia de toda sua missão nesta Terra e mais tarde no Céu. Depois de ler as cartas de São Paulo e meditá-las, ela assumiu seu nome novo, o nome de “Laudem Gloriae” (Louvor de Sua Glória, se referindo a Deus). Ela queria ser no seio da Trindade o louvor de Sua glória. Elisabete viveu o grande mistério da inabitação de Deus (mistério da morada de Deus que habita dentro de nós). Ela sen a Deus dentro dela, como se Ele e ela fossem uma única coisa. A grande mensagem desta vivência é o amor, um convite a deixarmos-nos amar por Deus. Na sua úl ma carta, que escreveu à sua superiora, a Madre Germana ela dizia: “Reverenda Madre, deixe-se amar mais que os outros”! Elisabete em tudo se deixou amar por Deus e assim amada, buscou ser um louvor de glória a este Deus que ela sen a tão ín mo de si. Hoje Elisabete vem dizer a mim e a você: “Deixe-se amar por Deus”! Deixe que Deus a ame acima de tudo e seja você para ele também um louvor de Sua Glória! Que sua vida seja um louvor a Deus! MONTE CARMELO

09


“Crer que um ser que se chama Amor habita em nós a todo instante do dia e da noite, e nos pede que vivamos em sociedade com Ele, eis aquí, garanto-vos, o que tem feito de minha vida um céu antecipado”. Amou intensamente sua vocação carmelita e também amou e imitou a “Janua Coeli”, como chamava Nossa Senhora.

Elisabete deseja que muitos como ela sejam também “Laudem Gloriae” na vivência da vocação própria de cada um. Ser um “Laudem Gloriae” é ser sempre, nas a tudes, uma ação de graças a Deus. Cada um de seus atos, movimentos e pensamentos, cada uma de suas aspirações, ao mesmo tempo em que se enraízam mais profundamente no amor, são como um eco do “Sanctus” eterno. Um “Laudem Gloriae” vive a vida de Deus! É preciso, assim como ela, fazer da nossa vida e das nossas a tudes um louvor de glória a Deus.

Andou a passos largos no caminho da perfeição. Faleceu no dia 9 de novembro de 1906 ví ma de úlcera estomacal, murmurando, quase cantando: “Vou para a luz, para o amor, para a vida”.

Enamorada por Jesus Cristo, que é “seu livro preferido”, eleva-se à Trindade, até que “Elisabete desaparece, perde-se e se deixa invadir pelos Três”. “A Trindade: aquí está nossa morada, nosso lugar, a casa paterna de onde jamais devemos sair… Encontrei meu céu na terra, posto que o céu é Deus e Deus está em minha alma. No dia em que compreendi isto, tudo se iluminou para mim”.

10

MONTE CARMELO

A par r daí ela se tornava, na eternidade, o perfeito louvor de glória da Trindade. Elisabete nha como irmã espiritual a querida Santa Teresinha do Menino Jesus. Esta dizia que do Céu faria cair uma chuva de rosas sobre a terra. Elisabete dizia que no Céu sua missão seria a de “levar as pessoas a viver a vida interior, viverem mergulhadas em Deus no mais ín mo de si.” Os Santos são formidáveis!


No dia 24 de Novembro de 1984, Elisabete foi bea ficada pelo Papa João Paulo II e em breve será declarada santa, não por seus méritos próprios, mas por graça e ação de Deus, a quem ela entregou completamente sua vida. Elisabete da Trindade, rogai por nós!

CAMINHO PARA A CANONIZAÇÃO O processo diocesano foi inaugurado em 1931, um primeiro estudo para a bea ficação de Elisabete. Ele foi retomado após a guerra e foi João XXIII, que assinou o Decreto de Introdução da Causa em 25 de outubro de 1961.

da remoção de um rim, a doença ganhou todo o trato urogenital. O paciente estava sofrendo muito e estava em direção à morte. Em janeiro de 1943, a comunidade cisterciense começou uma novena de oração confiante na intercessão da Irmã Elisabete. Após a novena, Dom Chanut sen u um impulso de energia e foi capaz de retomar rapidamente a plena observância da Regra, vigílias e jejuns severos. Também os testes de laboratório comprovaram a ausência do bacilo. Dom Chanut mais tarde se tornou abade cisterciense, sem a tuberculose nunca ter do uma recaída. Este milagre permi u a bea ficação de Elisabete 25 de novembro de 1984. Um segundo "milagre" foi necessário para preparar o caminho para a canonização. Uma mulher belga jovem, Marie-Paul Stevens, professora de religião na Malmedy, de 39 anos, em 1997, descobre que sofria de síndrome de Sjögren, com múl plas consequências muito debilitantes e cada vez mais dolorosas. Ela teve de abandonar seu trabalho e, apesar de vários tratamentos, a doença se agrava em 2000-2001, com uma dor insuportável. Marie-Paul e seus amigos decidiram ir ao Carmelo de Elisabeth rezar por sua recuperação. Ela não pensava na cura, mas decidiu ir para Flavignerot antes de morrer, para agradecer a Elisabete, que ela tanto ama, e rezar por um adolescente, que muito a ajudou na sua doença. Chegando com seus amigos no estacionamento do Carmelo, em 02 de abril de 2002, ela se senta esgotada em uma pedra, e de repente se levanta: "Eu não tenho nenhuma dor!”. Os sintomas desapareceram... Alguns meses mais tarde, ela vai andar 350 km em peregrinação para agradecer... Levou tempo e muitos exames médicos entre 2012 e 2016, até que é reconhecida oficialmente a cura, no Decreto de 3 de março de 2016.

O processo apostólico (Roma) foi aberto e terminou em 12 de julho de 1982, em reconhecimento das "virtudes heroicas" da Serva de Deus, dando-lhe o tulo de Venerável. Um primeiro "milagre" por intercessão de Elisabete foi reconhecido em 17 de fevereiro de 1984. Foi a cura de Dom Jean Chanut, um monge da abadia cisterciense, mestre de noviços, de 31 anos de idade. Em 1938, ele sofria de tuberculose dos rins. Apesar MONTE CARMELO

11


DECLARADA SANTA No dia 16 de outubro de 2016 foi declarada santa pelo Papa Francisco “Santa Elisabete da Trindade”.

Ó Elisabete, como nos alegramos por um dia após celebrarmos Santa Madre Teresa de Jesus podermos celebrar finalmente a tua canonização. Te vermos elevada às honras dos altares. Eis o que nos mo va a rendemos graças a Deus: Tu deixaste para nós da doutrina celeste de tua e nossa amada Santa Madre Teresa um caminho de perfeição próprio teu e que nos ca vou e nos fascina. “Crer que um Ser chamado Amor habita em nós, constantemente dia e noite; que nos pede que vivamos em sociedade com Ele; que recebamos de igual modo, como procedente diretamente do seu amor, a alegria e o sofrimento. Isto tem feito de minha vida um céu antecipado.” Rezando con go a tua “ELEVAÇÃO À SANTÍSSIMA TRINDADE” como não desejar e pedir ao Deus Trindade que Ele faça de nossa alma um lugar para seu repouso, que nunca o deixemos só. Estarmos todos inteiros, totalmente despertos em nossa fé, EM ADORAÇÃO... Como não olhar para o Cristo Crucificado e pedir a Ele que nos faça iden ficar a nossa alma com os movimentos de Sua alma. A paixão e o desejo que o levou a derramar até a úl ma gota de sangue pela nossa salvação. Esta paixão invadiu a tua alma, Elisabete e te fez cantar: “Esgota toda a minha substância para a tua glória.” Que se des le gota a gota pela tua Igreja. Sim, pediste e foste atendida, pois assim morreste consumida pela doença de Addison. E o desejo que nos desperta ao ouvir a Palavra de Deus, o Verbo Eterno de ser de uma docilidade absoluta para tudo aprender Dele. Não temer as noites, os vazios, as impotências mas, desejar ter os olhos fixos Nele e ficar sob sua grande luz, para que Ele nos fascine e não seja mais possível sair de seu clarão radioso.

12

MONTE CARMELO

Ao Espírito Santo, teu Divino Amigo, fogo devorador, Espírito de Amor pedimos que também venha a nós e opere em nossa alma como que uma encarnação do Verbo: que sejamos para ele uma humanidade de acréscimo na qual Ele renove todo o seu mistério... Pedimos a Deus que nos dê o teu olhar para a Mãe do Verbo, Maria San ssima e pedirmos como tu: “Ó mãe da graça, forma a nossa alma a fim de que seus filhinhos sejam uma imagem viva e atraente do seu primogênito, o Filho do Eterno, aquele que foi o perfeito louvor de glória do Pai.” Queremos também sermos “presa” de Deus ao pronunciarmos o nosso “SIM” dia a dia. Ver em Maria o modelo das “almas interiores, das criaturas escolhidas por Deus para viverem dentro, no fundo do abismo insondável. Com que paz, com que recolhimento Maria se entregava a todas as ocupações! Como as ações mais banais eram por ela divinizadas! Queremos Elisabete também como tu ser um louvor de glória: “Um louvor de Glória é uma alma de silêncio que se mantém como uma lira sob o toque misterioso do Espírito Santo, que nela tange harmonias divinas. Sabe que o sofrimento é uma corda que produz sons ainda mais belos, e por isso gosta de vê-la em seu instrumento, porque assim agradará mais deliciosamente o coração de Deus”.


E agradaremos tanto a Deus que Ele se dignará a nos conceder a graça de conhecer os seus segredos. Pois, assim nos tu nos revelaste em teu úl mo re ro ao se reportar à Rainha dos Már res, Senhora das Dores: “Ali está ela, junto da cruz, de pé, forte, corajosa. E o mestre me diz: Eis a tua mãe. Ele ma entrega por mãe... Agora que ele voltou ao Pai, que me deixou em seu lugar na cruz para que eu sofra em meu corpo o que falta à sua paixão, por seu corpo que é a Igreja, a Virgem está ainda ali para ensinar-me a sofrer como ele, para transmi r-me, para fazer-me ouvir aqueles ÚLTIMOS CÂNTICOS DE SUA ALMA, que ninguém senão ela, sua Mãe, pode perceber.” Louvamos enfim a Deus por tua vida, nossa “Bete”, pelo teu testemunho e por teus escritos e queremos estar como tu, com olhar Nele, só Nele...

HOMILIA DO PAPA FRANCISCO SANTA MISSA E CANONIZAÇÃO DOS BEATOS Salomão Leclercq, José Sanchez del Río, Manuel González García, Ludovico Pavoni, Afonso Maria Fusco, José Gabriel del Rosario Brochero, Elisabete da San ssima Trindade

Praça São Pedro Domingo, 16 de outubro de 2016 Ao princípio da celebração de hoje, dirigimos esta oração ao Senhor: «Criai em nós um coração generoso e fiel, para podermos servir-Vos, sem cessar, com lealdade e pureza de espírito» (Oração Coleta). Sozinhos, não somos capazes de formar em nós um coração assim; só Deus pode fazê-lo e, por isso, Lho pedimos na oração, Lho suplicamos como um dom, como uma «criação» d'Ele. Desta forma, fomos introduzidos no tema da oração, que aparece no centro das leituras bíblicas deste domingo e nos interpela também a nós aqui reunidos para a canonização de alguns Santos e Santas novos. Estes alcançaram a meta, veram um coração generoso e fiel, graças à oração: rezaram com todas as forças, lutaram e venceram. Rezaram… como Moisés, que foi sobretudo homem de Deus, homem de oração. Hoje, no episódio da batalha contra Amalec, vemo-lo de pé no cimo da colina com os braços erguidos; mas de vez em quando, com o peso, caíam-lhe os braços e, nesses momentos, o povo perdia; então Aarão e Hur fizeram Moisés sentar-se numa pedra e sustentavam os seus braços erguidos, até à vitória final. Este é o es lo de vida espiritual que a Igreja nos pede: não para vencer a guerra, mas para vencer a paz!

MONTE CARMELO

13


No episódio de Moisés, há uma lição importante: o compromisso da oração exige que nos apoiemos uns aos outros. O cansaço é inevitável; por vezes, já não a conseguimos fazer, mas, com o apoio dos irmãos, a nossa oração pode con nuar, até que o Senhor leve a bom termo a sua obra. Escrevendo a Timóteo, seu discípulo e colaborador, São Paulo recomenda-lhe que permaneça firme naquilo que aprendeu e crê firmemente (cf. 2 Tm 3, 14). C o nt u d o, ta m b é m T i m ó te o n ã o o conseguiria sozinho: não se vence a «batalha» da perseverança sem a oração. Não uma oração esporádica, intermitente, mas feita como Jesus ensina no Evangelho de hoje: «orar sempre, sem desfalecer» (Lc 18, 1). Esta é a maneira cristã de agir: ser firme na oração para se manter firme na fé e no testemunho. Entretanto, dentro de nós, surge uma voz: «Mas, Senhor, como é possível não nos cansarmos? Somos seres humanos; o próprio Moisés se cansou!» É verdade, cada um de nós cansa-se. Mas não estamos sozinhos, fazemos parte dum Corpo. Somos membros do Corpo de Cristo, a Igreja, cujos braços estão dia e noite erguidos para o céu, graças à presença de Cristo ressuscitado e do seu Espírito Santo. E só na Igreja e graças à oração da Igreja é que podemos permanecer firmes na fé e no testemunho. Ouvimos a promessa de Jesus no Evangelho: Deus fará jus ça aos seus eleitos, que a Ele clamam dia e noite (cf. Lc 18, 7). Eis o mistério da oração: grita, não te canses e, se te cansares, pede ajuda para manteres as mãos erguidas. Esta é a oração que Jesus nos revelou e deu no Espírito Santo. Rezar não é refugiar-se num mundo ideal, não é evadir-se numa falsa tranquilidade egoísta. Pelo contrário, rezar é lutar e deixar que o próprio Espírito Santo reze em nós. É o Espírito Santo que nos ensina a rezar, guia na oração e faz rezar como filhos.

14

MONTE CARMELO

Os Santos são homens e mulheres que se entranham profundamente no mistério da oração. Homens e mulheres que lutam mediante a oração, deixando rezar e lutar neles o Espírito Santo; lutam até ao fim, com todas as suas forças; e vencem, mas não sozinhos: o Senhor vence neles e com eles. Também estas sete testemunhas, que hoje foram canonizadas, travaram o bom combate da fé e do amor através da oração. Por isso permaneceram firmes na fé, com o coração generoso e fiel. Que Deus nos conceda também a nós, pelo exemplo e intercessão delas, ser homens e mulheres de oração; gritar a Deus dia e noite, sem nos cansarmos; deixar que o Espírito Santo reze em nós, e orar apoiando-nos mutuamente para permanecermos com os braços erguidos, até que vença a Misericórdia Divina. “Quero ser santa. Santa para fazê-lo feliz. Peça-lhe que eu só viva de amor! Esta é a minha vocação!” “Ó meus Três, meu Tudo, minha bea tude, Solidão infinita, Imensidade onde me perco, entrego-me a vós qual uma presa. Sepultai-vos em mim para que eu me sepulte em vós, até que eu vá contemplar em vossa luz o abismo de vossas grandezas.” (Santa Elisabete da Trindade)

Fonte: h p://carmelosangelo.blogspot.com.br/2016/06/ canonizacao-de-elisabete-da-trindade.html h p://formacao.cancaonova.com/igreja/santos/o-louvorde-gloria-de-elisabete-da-trindade/ José Dimas da Silva w2.va can.va/content/francesco/pt/homilies/2016/ documents/papafrancesco_20161016_omeliacanonizzazione.html http://www.carmelitasmensageiras.com.br/index.php/ component/k2/item/195-canonizacao-da-beataelisabeth-da-trindade h p://ocdsprovinciasaojose.blogspot.com.br/ Ana Stela de Almeida


Cicla 2016

Sob a intercessão de Santa Teresa de los Andes, em Auco onde está localizado o Santuário desta querida santa, nós Carmelitas Descalços Seculares das Província São José (sudeste) e de Nossa Senhora do Carmo (sul) do Brasil, Bolívia, Paraguai, Uruguai, Argen na e Chile país sede do III Congresso Interprovincial dos Carmelitas La no-Americanos, reunidos nos dias 22 a 26 de setembro. Após três anos de preparação nossos irmãos chilenos demonstraram quão significa vo torna-se a comum-unidade, pois apesar de nossas diferenças culturais e até mesmo da língua uma só comunicação foi vivenciada: o amor!!

No dia 22 de setembro houve recepção dos países par cipantes assim como apresentação da programação e celebração Eucarís ca. Dia 23 de setembro fomos agraciados com a par cipação das províncias brasileiras na celebração litúrgica, fazendo-nos presentes com cân cos e toda liturgia proclamada em Língua Portuguesa e também presidida pelo nosso Delegado Geral para OCDS, frei Alzinir Francisco Debas ani e concelebrada pelos padres presentes.

Fazendo uma retrospec va:

MONTE CARMELO

15


Dando início aos trabalhos com o tema: 'Teresita de los Andes enamorada de Jesus Cristo”, a província boliviana nos apresentou através da experiência de Teresa de los Andes que conhecer Jesus Cristo é amar mais e mais, procurando responder ao ques onamento: “QUEM É CRISTO PARA TI?”, “É O CRISTO DO AMOR”.

Devemos estar preocupados com aquilo que nos afasta de Deus e fazer de Maria um espelho para seguir o Cristo fielmente. No caminho de sua vocação fazia uma total entrega ao seu Amado, Maria é um pilar constante, sem dúvida Maria é uma garan a de vida para Juanita. Ainda na tarde deste dia vemos a alegria de reviver a entrada de Juanita ao Carmelo visitando o an go mosteiro onde foram realizadas diversas oficinas vivendo a experiência de Teresita. E não podia faltar o tradicional recreio / confraternização.

vNa Cruz; vNo amor que encarcela – Eucaris a; vNos tulos de Jesus Cristo: filho, mestre, esposo e rei.

Segundo tema apresentado por Fabiana da Argen na com o tulo: “ Teresita de los Andes: Religiosa del Carmelo, levando-nos a conhecer que o desejo desta santa era trazer almas para o Senhor. Teresa expressa o atra vo da vida é Jesus, que o caminho espiritual é a morte para si e nascimento para Deus. “O amor é mais forte!” “Todo carmelita deve estar pronto para esta morte.”

Com terceiro tema: “Teresita de los Andes, de la mano de Maria fuiste fuerte para assumir el dolor y generosa para amar”, apresentado pelos irmãos do Uruguai, citando a carta 138: “...o que me faz amar mais ainda minha vocação é ver que a vida de um carmelita é semelhante à da San ssima Virgem. Ela só orou, padeceu e amou. E tudo em silêncio”.

16

MONTE CARMELO

Dia 24 iniciamos os trabalhos com o tema: “Teresita de los Andes: Alegria e ternura en la família” apresentado pelo Paraguai. Apresentou um pequeno histórico da família de Juanita e de sua personalidade mostrando que Teresa vai aperfeiçoando seu jeito de ser com o auxílio da Virgem Maria e buscando fazer aquilo que Deus quer para ela. Sofre por ver que seus pais e irmãos sofrem por sua escolha em ser carmelita, porém nos convence que em primeiro lugar está a vontade de Deus: "Estas são as coisas que eu quero em Ti; Tu vês as necessidades. Se você quiser, Senhor, remédia-as". E nós ficamos tranquilos com a sua vontade divina. Não te peço nada, mas digo "me dá o que Tu queres." Esta é a maior glória de Deus, e não nego que me custa, porque às vezes, sem dar me conta te peço: "Não, senhor, o que eu quero, senão o que Tu queres." Luciano, nosso presidente provincial, apresentou neste dia: “ Teresita de los Andes: servidora de los pobres”,mostrando exemplos da vida da santa onde ela se coloca a serviço dos pobres. Tudo que Juanita queria na vida era ser como Jesus, pobre, humilde, obediente e pura. Juanita nha vivido na infância e adolescência os pilares do carisma do Carmelo Teresiano: humildade, abnegação e amor fraterno.


«Querido Jesus, eu quero ser pobre, humilde, obediente, pura, como era minha mãe e como Tu Jesus.. Faça a sua casa um palácio, um céu. Anseio por viver como os anjos adoradores, sen r o meu nada em sua presença. Eu sou tão imperfeita. Eu quero ser pobre como Tu e, uma vez que eu não posso, eu não amo riqueza nenhuma." Dando sequência as apresentações, Sidnei, da província do sul do Brasil explanou o tema: “Teresita de los Andes: supiste reir, amar,jugar y servir”, mostrou-nos que a Teresa teve uma vida secular vivendo as experiências da vida com os olhos fixos no Senhor, porém acompanhando as a vidades próprias para sua idade sem perder o rumo. Teresita viveu isso fazendo de sua vida uma oferta em favor dos outros, fazendo de “Deus sua alegria infinita”, testemunhando uma experiência profunda de Deus com seus amigos, concluindo que a base para que tudo isso ser realize é “ amor”! “Sofre a religiosa em vencer-se a si mesma, em depreciar-se, humilhar-se, em vencer seus defeitos e adquirir as virtudes para ser perfeita em amar e servir com alegria e caridade àquelas suas irmãs que não tem boa vontade para com ela”. ( C. 65). O amor é o fundamento: um profundo amor a Deus que se expressa no amor as pessoas com quem conviveu. Como não pudesse faltar nosso recreio carmelitano aconteceu com apresentações de danças picas de cada país e a experiência da fraternidade na alegria do encontro.

Foi de suma importância a palavra do delegado geral para OCDS, Frei Alzinir Debas ani sobre "A iden dade do Carmelita Descalço Secular no século XXI", enfa zando a par cipação dos fiéis leigos no tríplice múnus de Cristo como Sacerdote, Profeta e Rei, cuja raiz é a unção do Ba smo, seu desenvolvimento na Confirmação e cumprimento e sustentação na Eucaris a. Ele também ressaltou o aspecto da comunhão que compar lham com os religiosos do mesmo carisma através de uma vida de oração no meio do mundo e, finalmente, mencionou o elemento comunidade e a vocação dos leigos à san dade. O Encontro todo foi permeado com momentos fortes de oração que de fato foram experiências mís cas que penetraram profundamente no coração dos que se colocaram a disposição do Senhor Amado que tanto amou Teresa de los Andes e tanto nos ama.

Tivemos ainda na tarde do dia 23 par mos em Peregrinação ao Santuário de Santa Teresa dos Andes com o desejo que Ele também nos saciasse. Um caminho leve, também cheio de expecta va para passar na Porta da misericórdia, par cipar da missa com os peregrinos do Santuário e experimentar a graça de Deus que sempre é eficaz. Também a alegria de ver rapidamente nossas irmãs do Claustro. Um minuto de encontro que se estende por tempos nfinitos da alegria do Evangelho.

MONTE CARMELO

17


A peregrinação foi de fato bem preparada pois anteriormente foi oferecido o sacramento da confissão a fim de que fizéssemos esse caminho com total abandono e confiança no Senhor que nos perdoa sempre.

naquele lugar que tanto nos falou. O encontro prosseguiu com retorno a casa de Espiritualidade, jantar fraterno e sempre a alegria do encontro com os irmãos. À noite fizemos o Caminho de luz com a recitação do Rosário, seguido de intensa beleza da espiritualidade quando chegamos aos pés da Imagem de Teresita e a par r da recitação de poesias teresianas, cantos, o descobrimento das palcas das duas Teresas, a entrega do cajado a cada presidente Provincial OCDS ali presente, a oração na cripta na qual rezamos e vivemos momento inexplicável que saciou nos profundamente alcançando assim na íntegra desse momento de fé o tema do encontro “És Ele o único capaz de saciar-nos.”

Prosseguimos no outro dia após aquela experiência mís ca com um passeio, podendo através desse momento informal aproveitar para criar laços com os irmãos. A celebração da Eucaris a presidida por Frei Jorge, OCD - Paraguai e concelebrada pelos sacerdotes que estavam no encontro. Uma música suave que saindo da boca e do coração da juventude nos ajudou a rezar bem.

Após a celebração momento fraterno com danças e fotos na porta da Igreja, também caminho pelos arredores do Santuário com e como peregrinos

18

MONTE CARMELO


Conhecemos algumas cidades e numa delas almoço com direito a dançar e apreciar a dança pica da região chamada de “cueca”. Oh quão amável e alegre foi aquele encontro de irmãos. De forma ímpar fomos par cipar da maravilhosa festa da Virgem do Carmo acompanhando a orante procissão que tanto nos impressionou com beleza e profundidade de todos os que percorreram esse caminho pelas ruas de Vina Del Mar. Seguido de uma celebração eucarís ca presidida por Frei Alzinir e vários concelebrantes, dinamizada pelo canto e manifestações de fé do povo chileno e de cada um que ali estava. “ Como é bom o Senhor nosso Deus!”

Não há palavras para expressar cada realidade acontecida e tão bem preparada. Mas espaço para gra dão ...gra dão...gra dão.. E cremos que profundamente há espaço para agora em nossas realidades viver o que ali foi ensinado com ou sem palavras. Tendo em vista o que a carta que recebemos de Teresita nos afirma “ Que Jesus te olhe e te ame sempre”. Cremos que debaixo do olhar Dele que tanto cuidou do III CICLA SUR, seremos melhores carmelitas reafirmando com a vida que “É Ele o único Senhor capaz de saciar-nos”. Márcia Andrade, OCDS Comunidade Alegria da Sagarda Face

Ana Maria Scarabelli, OCDS Comunidade Santa Teresinha

MONTE CARMELO

19


20

MONTE CARMELO


MONTE CARMELO

21


Notícias COMUNIDADES COMPARTILHAM SUAS ATIVIDADES ATRAVÉS DOS GRUPOS DE WHATSAPP

Comunidades de Belo Horizonte em re ro sobre Elizabeth da Trindade com a assistência de Frei Washington

Com. Maria, Mãe e Rainha do Carmelo, de Jabaquara (São Paulo-SP) realiza re ro com o tema "Vocação»

19 anos da Comunidade Santa Teresa de Jesus (Campinho), do Rio de Janeiro-RJ

Grupo Nossa Senhora do Monte Camelo, de Maceió-AL

Grupo Nossa Senhora do Sorriso, de Natal - RN

Grupo Sta Teresinha (Patos de Minas - MG), recebe o Presidente Provincial Luciano Dídimo (Formação e Eleições)

Promessas Defini vas na Comunidade Santa Teresinha Doutora, de Jundiaí-SP

Eleições no Grupo Flos Carmeli, de Baneiras-PB

22

MONTE CARMELO


COMUNIDADES COMPARTILHAM SUAS ATIVIDADES ATRAVÉS DOS GRUPOS DE WHATSAPP Reunião da Comunidade Nossa Senhora do Carmo Tijuca (Rio de Janeiro-Rj)

Formação da Comunidade Santa Face (Tremembé-SP)

Com. São João da Cruz (Belo Horizonte-MG) realiza formação sobre o tema X do Livro de Formação

Formação na Comunidade Flor do Carmelo de Santa Teresinha (Fortaleza-CE)

Comunidade Santa Edith Stein (Divinópolis-MG)

Moisés Rocha, coordenador da Escola de Formação Edith Stein apresentou trabalho sobre Edith Stein na Universidade do Porto

Grupo São José, de Petrópolis-RJ celebra aniversário de 04 anos

Grupo Elizabeth da Trindade, de Ipa nga-MG realiza estudo sobre Elizabeth da Trindade

MONTE CARMELO

23


COMUNIDADES COMPARTILHAM SUAS ATIVIDADES ATRAVÉS DOS GRUPOS DE WHATSAPP

Comunidade Santa Teresinha, de Passos-MG faz estudo do Documento 105 da CNBB

Comunidade São João da Cruz, de Belo Horizonte-MG teve formação com Frei Allyson sobre a Regra do Carmo

Eleições na Comunidade Santa Teresinha Doutora da Igreja (Niterói-RJ)

Encontro do Grupo São João da Cruz, de Ibiapina-CE

OCDS de Fortaleza reinaugura a Ermida São José, local das comunidades se reúnem no Carmelo Santa Teresinha

O Delegado Provincial para a OCDS, frei Pierino Orlandini, fala para a Comunidade Sagrada Face, de Varginha-MG

Grupo Santa Teresa, de Tagua nga-DF, são apresentados à assembleia na missa em honra a Santa Teresinha

Grupo Santa Teresinha - Alma Missionária, de Quixadá-CE celebra o aniversario de seu coordenador Moisés Rocha

24

MONTE CARMELO


COMUNIDADES COMPARTILHAM SUAS ATIVIDADES ATRAVÉS DOS GRUPOS DE WHATSAPP

Semana da Espiritualidade em Belo Horizonte

Missa de Admição e Promessas nas Comunidades OCDS, de Fortaleza - CE com Frei Claudiano, OCD

Missa de admissão e promessas temporárias no Grupo São José de Sete Lagoas

Pastoral de rua com o Grupo São José de Sete Lagoas

Missa em honra à Santa Teresinha com o Grupo N. S. do Carmo, de Paulínea-SP e Com. Santa Teresinha, de Campinas-SP

Reunião da Comunidade São João da Cruz, de Belo Horizonte-MG

Rose Lemos Pio o,ocd par cipa da reunião da CNLB

Noite de autógrafos do novo livro de poesias do Frei Pierino “Reflexos de Luz”

Grupos de WhatsApp da OCDS da Província São José: · OCDS PROVÍNCIA SÃO JOSÉ

· PRESIDENTES OCDS

· CARMELO JOVEM

· CASAIS OCDS

MONTE CARMELO

25


COMUNIDADES COMPARTILHAM SUAS ATIVIDADES ATRAVÉS DOS GRUPOS DE WHATSAPP Os membros da OCDS que desejarem entrar nos grupos de WhatsApp, podem enviar suas solicitações para Luciano Dídimo: (85) 988955966. Grupos de WhatsApp da OCDS da Província São José: · OCDS PROVÍNCIA SÃO JOSÉ

· CARMELO JOVEM

· CASAIS OCDS

NOSSOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO, confira... (h p://www.ocdsprovsaojose.com.br/) h p://ocdsprovinciasaojose.blogspot.com.br/

h ps://www.facebook.com/pages/Ordem-Dos-CarmelitasDescal%C3%A7os-Seculares/132884536754686?ref=hl

COMISSÃO DE INTERCESSÃO Dir-se-ia que na oração és como uma rainha que tem livre acesso ao Rei e que dele podes alcançar tudo o que pedires!" (Santa Teresinha) A Comissão tem a finalidade de interceder e promover a intercessão junto às Comunidades e Grupos por todos os nossos eventos, pelos nossos membros mais necessitados, pelas nossas autoridades, pela Ordem. O e-mail para o envio dos pedidos de oração é: intercessaoocds@gmail.com.

26

MONTE CARMELO


Marketing

LIVRO D E FORMA Ç Pedidos: livr

osocds@gm

ÃO OCDS

ail.com. Valo

r + Frete (Co

rreios)

R$ 30,00 (a unidade) PROMOÇÃO Formação OCDS I e II 05 unidades: R$ 125,00 (25,00 cada) 10 unidades: R$ 220,00 (22,00 cada)

MONTE CARMELO

27


Que tal iniciar e permanecer todo o ano de 2017 meditando um pensamento de Santa Elisabete da Trindade?

AGENDA 2017 - SANTA ELISABETE DA TRINDADE

R$ 30,00 (a unidade)

Pedidos: livrosocds@gmail.com. Valor + Frete (Correios)

Nova edição revista e atualizada do livro de

3º livro de Formação OCDS

DOCUMENTOS DA OCDS

PROMESSAS TEMPORÁRIAS - 2º ano PROMOÇÃO Documentos OCDS 05 unidades: R$ 75,00 (15,00 cada)

R$ 30,00 (a unidade)

R$ 20,00 (a unidade)

10 unidades: R$ 120,00 (12,00 cada)

Formação OCDS III 05 unidades: R$ 125,00 (25,00 cada) 10 unidades: R$ 220,00 (22,00 cada)

Pedidos: livrosocds@gmail.com. Valor + Frete (Correios)

28

MONTE CARMELO


Escola de Formação Edith Stein - OCDS, Apresenta:

SIMPÓSIO INTERNACIONAL

VAGAS LIM

ITADAS

Santa Elisabete da Trindade

Em comemoração pela sua canonização

20 a 23 ABRIL

2017 Marie-Paul Stevens, ocds (Bélgica),

INVESTIMENTO: R$ 450,00 Com estadia e alimentação incluso. Possibilidade de parcelamento.

Miraculada do processo de canonização.

LOCAL:

Teremos serviço de tradução consecutiva. (Francês x Português)

Recanto São José, R. Júlio de Castilho, 517

PRESENÇA CONFIRMADA:

Cinquentenário, Belo Horizonte.

INFORMAÇÕES: escoladeformacaoocds@gmail.com

Realização:

Promoção:

MONTE CARMELO

29


Ordem dos Carmelitas Descalรงos Seculares

Revista Virtual do Monte Carmelo Set/Ou - 2016  

Publicação da Ordem dos Carmelitas Descalços Seculares - OCDS