Page 1

Julho | 2011

|S2 |D3 |S4 |t5 |Q6 |Q7 |S8

83 Ano ii

Onde moram os idosos de Caxias, segundo o IBGE

Para o governo, o Sistema Marrecas, que está 65% concluído, salvará Caxias do racionamento de água em 2013 e justifica todos os seus custos

Para a oposição, a obra mais cara da história de Caxias parece custar demais (cerca de R$ 200 milhões) e precisa passar por maior fiscalização do Legislativo

Renato

Henrichs Milton Corlatti, presidente da CIC, troca o PMDB pelo DEM

Procurador fala de perdas e ganhos na

Justiça Roberto

Hunoff Simecs e Sindicato dos Metalúrgicos negociam dissídio de 9,2%

os DOIS LADOS DO Maurício Concatto/O Caxiense

marrecas

Táxilotação

está ficando lotado demais

R$ 2,50


Índice Roberto Hunoff | 4 Nos bastidores, o índice de reajuste dos metalúrgicos: 9,2% O Caxiense entrevista | 5 Procurador-geral Lauri Romário Silva explica vitórias e derrotas do Município nos tribunais Marrecas | 7 Os pontos de vista do governo e da oposição sobre a obra, de olho nas eleições Táxi-Lotação | 10 Azuizinhos já estão levando passageiros em pé Artes | 11 Olhar atento ao detalhe e um descuido de Deus Guia de Cultura | 12 Monges franceses no cinema, maestro americano na música e e mulheres do mundo inteiro no teatro Música | 15 A sinfonia que toca há 25 anos Boa Gente | 18 Uma medalha de ouro, várias de prata e os melhores vinhos para degustar o inverno Censo | 19 Dados do IBGE revelam a população de Caxias bairro a bairro Dupla CA-JU | 21 Duas semanas para encarar as séries C e D Guia de Esportes | 22 Corredores na rústica Vila Oliva e amistoso duro no Jaconi Renato Henrichs | 23 Milton Corlatti cede ao assédio do DEM e deixa o PMDB

Expediente

Redação: Camila Cardoso Boff, Carol De Barba, Fabiano Provin, Felipe Boff (editor), Jaisson Valim (editor), José Eduardo Coutelle, Luciana Lain, Marcelo Aramis (editor), Maurício Concatto, Paula Sperb (editora), Renato Henrichs, Roberto Hunoff, Robin Siteneski e Valquíria Vita Comercial: Pita Loss e Calebe De Boni Circulação/Assinaturas: Tatyany Rodrigues de Oliveira Administrativo: Luiz Antônio Boff Impressão: Correio do Povo

Assine

Para assinar, acesse www.ocaxiense.com.br/assinaturas, ligue 3027-5538 (de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h30 às 18h) ou mande um e-mail para assine@ocaxiense.com.br. Trimestral: R$ 30 | Semestral: R$ 60 | Anual: 2x de R$ 60 ou 1x de R$ 120

Fotos? Maurício Concatto/O Caxiense

A Semana | 3 As notícias que foram destaque no site

www.OCAXIENSE.com.br Edição 82 de @ocaxiense está demais! Toda colorida e com um editorial de moda show de bola! Viva ao @emeconcatto e à @ caroldebarba! Leonardo Portella

@S_i_y @ocaxiense Um jornal com conteúdo, a cada dia mais certa disto...

@profednei AFM Caxias parabeniza @ocaxiense pela divulgação do futebol de mesa #centrosulbrasileiro @friolatricot O caderno especial de moda na última edição do @ocaxiense está belíssimo. Peças da @friolatricot dão o tom para um inverno cheio de estilo. #moda @vini_dallelaste @ocaxiense vem trazendo matérias cada vez mais interessantes e que realmente nos deixam a par do que é a nossa Caxias, com informações claras e precisas. @cleandro_gb @ocaxiense o ato de estudar já mosta a propensão em mudar de vida. #reduçãodepena @francogaribaldi @ocaxiense País surreal: pra receber incentivo pra estudar, é preciso cometer crimes antes. TÁ ERRADO. #reduçãodepena

No Site Mobilidade Urbana | Comecem a pensar nos metrôs e trens. Querem resolver o problema do transporte com mais ônibus e táxis, que pensamento pequeno! O secretário fala em estações de embarque. Que piada, aquilo é mais uma parada tumultuada e com problemas, parem de se enganar. As ruas já não aguentam mais veículos, estamos indo ao encontro de problemas como o de São Paulo e não fazemos nada para mudar o futuro. Ficaremos sempre nessa lenga-lenga de paradas de ônibus ruins e tumultuadas ou na espera de um táxi, ou compraremos um carro para contribuir com o tumulto das ruas. Caio Também sou defensor de trens e afins, mas pensa bem: em Caxias? Imagina a nota preta e infinanciável que seria para cavar túneis embaixo desse basalto todo que temos no solo daqui. E metrôs então, simplesmente não há onde fazer, nem que fossem aéreos. Caxias e cercanias da zona urbana estão afogadas pelas vias de automotores. J.Cataclism

Jornal O Caxiense Ltda. Rua Os 18 do Forte, 422, sala 1 | Lourdes | Caxias do Sul | 95020-471 Fone 3027-5538 | E-mail ocaxiense@ocaxiense.com.br www.ocaxiense.com.br

2

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


A Semana Maicon Damasceno/O Caxiense

Maurício Concatto/O Caxiense

editada por Jaisson Valim | jaisson.valim@ocaxiense.com.br

Congestionamento é ponto negativo de Caxias para tentar receber a Copa do Mundo; escolha da nova direção do Cpers movimentou as escolas

SEGUNDA | 27.jun Caxias do Sul, uma cidade classe A

O senso comum de que Caxias do Sul é uma cidade com número privilegiado de ricos ganhou embasamento científico. Segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o município ocupa a 35ª posição no ranking nacional de famílias classe A. São 13,21% dos caxienses com renda familiar mensal superior a R$ 6.745. O índice põe a cidade em uma posição de destaque no país, mas está bem distante do campeão. Em Niterói, mais de 30% ocupam esse seguimento social.

Reforço no combate a 1/3 dos incêndios

Acostumados a enfrentar o déficit de servidores e a escassez de recursos, os bombeiros ganharam uma razão para celebrar. A inauguração do quartel na Zona Norte diminuirá as dificuldades para combater um em cada três incêndios na cidade. São 90 mil moradores de bairros como o Santa Fé, Belo Horizonte e a Vila Maestra beneficiados com a novidade. A obra recebeu um investimento de R$ 550 mil da prefeitura e do Fundo de Reequipamento do Corpo de Bombeiros (Funrebom).

tros, integrou-se a uma longa gravação e até concedeu entrevista. Mas todo esse esforço da rainha da Festa da Uva, Tatiane Frizzo, resultou em uma participação relâmpago no programa Esquenta, da Rede Globo. Em um especial que homenageava as comemorações juninas, ela apareceu por cinco segundos em um desfile com soberanas de outros eventos similares do interior, que saúdam o leite, o milho ou o cordeiro ao vinho, por exemplo. Bem mais duradoura é a dúvida que o programa despertou. Qual a relação entre a Festa da Uva e a Festa Junina?

TERÇA | 28.jun Esperança começa a cruzar a passarela

Uma assinatura da prefeitura deu o alento que Caxias do Sul esperava há anos. O Município contratou a Toni Incorporadora e Construtora para erguer a passarela na BR-116, no bairro São Ciro, por R$ 469 mil. O procedimento se deu sem licitação pelo insucesso das concorrências anteriores – no último caso, a empresa fez uma proposta com o dobro do valor orçado, o que foi recusado. Se não corresse, o Município perderia uma verba de R$ 300 mil. A esperança cruza a passarela, mas a prudência também. Diante de um histórico com tantos entraRainha da Festa da Uva ves, só é recomendável entusiasacaba na Festa Junina mo na comemoração quando os Ela mostrou a disposição de pedestres puderem utilizá-la para sempre: viajou 1,4 mil quilôme- escapar dos perigos da rodovia.

www.ocaxiense.com.br

QUARTA | 29.jun Trânsito preocupa Comitê da Copa

A preocupação do Comitê Executivo da Copa 2014 percorre as ruas de Caxias do Sul. Durante reunião com a Secretaria de Trânsito, Transportes e Mobilidade, o grupo manifestou inquietação com os engarrafamentos, estimulados pela expansão na frota. O que não aumenta há anos é o número de táxis (277). Ao expor esses desafios para que a cidade receba uma seleção, o comitê repetiu a necessária cobrança de sempre. Caxias precisa de investimento maciço no transporte coletivo.

Uma lei federal determina que, a cada 12 horas de frequência escolar, o apenado cumpra um dia a menos de sua pena. Se a medida já estivesse valendo, 480 presos (57% do total) em Caxias do Sul teriam o benefício – um percentual bem acima da média nacional.

SEXTA | 1º.jul Concurso para música-tema da Festuva tem 12 inscritos

A música que irá embalar a Festa da Uva de 2012 sairá de um conjunto de 12 canções de músicas de Caxias do Sul. Foi esse o número de inscrições para o concurso, cujas inscrições terminaram na quinta-feira. A escolha ainda não tem data, porque Vice-diretor do Cristóvão os organizadores ainda precisam vence eleição do Cpers definir o júri. O vencedor receberá Na mesma semana em que a R$ 7 mil. reforma na Previdência abalou as relações entre o Piratini e o Cpers, os professores foram às urnas es- Secretaria convoca crianças colher os sucessores do sindicato. para vacina contra sarampo No 1º Núcleo, que representa 3,4 Os pais de 6,8 mil crianças de um mil professores na região, a vitória a seis anos têm um compromisso coube à chapa 1, encabeçada pelo importante com a saúde dos filhos petista Antonio José Staudt, vice- neste sábado. Os meninos e mediretor no turno da noite do Cris- ninas que ainda não participaram tóvão de Mendoza. da campanha de vacinação contra o sarampo ganharam uma nova oportunidade para receber a dose. QUINTA | 30.jun A Secretaria da Saúde montará um posto especial na praça Dante AliLei abate pena de ghieri entre as 9h e as 16h. presos que estudam Caxias do Sul já imunizou 26,5 As salas de aula não representam mil crianças, o equivalente a 79,6% apenas uma oportunidade de rein- do público-alvo. A campanha se serção para os presos. Agora, sig- encerra em 22 de julho. Durante a nificam também uma chance de semana, as 42 Unidades Básicas de Saúde aplicam a vacina. deixar o cárcere mais cedo. 2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

3


Roberto Hunoff roberto.hunoff@ocaxiense.com.br

A informação não é oficial, e só deverá ser conhecida pelos trabalhadores metalúrgicos na assembleia-geral, que ainda não tem data marcada. Mas nos bastidores corre como certo que o reajuste para acordo do dissídio coletivo é de 9,2%. Existem, no entanto, vários pontos definidos como inovadores pelo presidente do Simecs, Getúlio Fonseca. Em se confirmando o índice, ele representará ganho real de quase 3%, um dos mais elevados dentre os dissídios do Brasil. O vice-presidente dos metalúrgicos, Leandro Velho, também faz mistério e acredita que as negociações encaminhadas nesta semana resultarão em aumento mais adequado aos trabalhadores, que começaram a campanha pedindo 14% e mais 69 reivindicações.

Reflexos da ergonomia Redução de custos com horas extras, seguros e compensações relacionadas a acidentes ou lesões, de ações judiciais, de faltas por acidentes ou doenças e de desperdícios. Estes benefícios têm origem na adoção da ergonomia, estudo das interações das pessoas com a tecnologia, a organização e o ambiente, com o objetivo de promover intervenções e projetos que melhorem de forma integrada a segurança, o conforto, o bem-estar e a eficácia das atividades humanas. A defesa da ergonomia foi feita pelo engenheiro de produção, Sílvio Vitali, em encontro na CIC de Caxias do Sul. Também sustentou que a ergonomia melhora a qualidade, promove o treinamento adicional, aumenta a produtividade e economiza energia, mão de obra e manutenção. Os profissionais desta área têm a responsabilidade de resolver problemas com postura, manuseio de materiais, iluminação, layout de mobília e ruídos, entre outros.

Feira de turismo

Dirigida a operadores, agentes de viagens, delegações de jornalistas, representantes de empresas que organizam viagens de incentivo e eventos, a ExpoTur Sul prossegue até este sábado (2), em Nova Petrópolis. A Secretaria Municipal do Turismo de Caxias do Sul participa do evento divulgando os atrativos e as ações do setor. A feira busca ampliar a oferta de produtos turísticos e promover o turismo gaúcho. A expectativa da organização é de receber 5 mil visitantes, dentre eles 150 operadores de turismo.

4

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

Júlio, Objetiva, Divulgação/O Caxiense

9,2% é o número

Não dá mais

para esconder O processo de desindustrializado, negado por muitos especialistas, sabe-se lá por que razões, é mais do que evidente no Brasil. A indústria têxtil, por exemplo, projeta que deixará de gerar 200 mil novos postos de trabalho em função do déficit de 5% da balança comercial do setor neste ano. Segundo o diretor-superintendente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil, Fernando Valente Pimentel, que palestrou esta semana na Câmara da Indústria, Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul, estes empregos serão gerados na Ásia. Afirmou que a importação de vestuário aumentou 16 vezes em menos de uma década, com ênfase de produtos chineses e indianos. Para tentar reverter este quadro,

o setor criou a Frente Parlamentar Mista José Alencar, que propõe duas ações imediatas: criação de modelo tributário, trabalhista e previdenciário que desonere e permita às empresas confeccionistas crescerem e Simples (optativo), por 20 anos, independentemente do tamanho do faturamento. Para o empresário João Paulo Reginatto, presidente da Sultêxtil, o problema é de toda a indústria e causado pela inoperância e pela omissão do poder público. Já o presidente do Fitemasul, Carlos Graça Araújo, foi mais longe. Incluiu as grandes redes varejistas do Brasil que estão realizando convenções na China. “Não dá para aceitar este tipo de comportamento.”

Mudanças na Atuaserra

O secretário do Turismo de Caxias do Sul, Jaison Barbosa dos Santos, foi eleito como novo presidente do Conselho Fiscal da Associação de Turismo da Serra Nordes-

te (Atuaserra). Já para a presidência executiva foi indicado o empresário de Guaporé, Leonir Nicaretta, que exercerá o cargo até 2013.

Homenagens

A reunião-almoço de segundafeira (4) da CIC de Caxias do Sul terá como característica as homenagens. Para comemorar seus 110 anos, a entidade fará a entrega da 4ª edição do Troféu Ítalo Victor Bersani. Este ano, os associados e sindi-

catos filiados indicaram as empresas Neobus, como representante da indústria; Samburá, no comércio; e Samae como prestador de serviços. A entidade ainda homenageará os seus ex-presidentes e os colaboradores por tempo de trabalho.

Varejo teen

A Pink Lou, marca voltada ao público feminino teen, abre em 6 de junho sua loja no San Pelegrino Shopping Mall. A franquia conta com 10 lojas espalhadas pelo Brasil

e apresentará em Caxias do Sul um conceito de atendimento, arquitetura e moda próprios. Seu públicoalvo é formado por meninas de 13 a 18 anos.

Cenoura produtiva

O engenheiro agrônomo da Agrimar, Francisco Augusto Longhitano, desenvolveu nova variedade de cenoura no Nordeste do Estado a partir de sementes elaboradas pela multinacional Sakata. A cenoura híbrida de verão, variedade Nativa, tem ciclo de produção mais rápido, de 85 dias, contra 100 do alimento convencional. Segundo o engenheiro, isto é determinante para melhorar a competitividade do produtor, que gasta menos com adubo. Longhitano foi o 4º no concurso da Sakata e, como prêmio, ganhou uma viagem ao Chile, onde fará visitas técnicas a varejistas, atacadistas e propriedades rurais.

Distinção máxima

A Randon Implementos e a Suspensys, integrantes das Empresas Randon, conquistaram o Troféu Diamante, distinção máxima da 16ª edição do Prêmio Qualidade, promovido pelo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade. A entrega ocorrerá no dia 5 de junho, terça-feira, no Centro de Exposição da Fiergs, em Porto Alegre.

Evento automotivo

De 6 a 9 de julho, no Centro de Eventos da Festa da Uva, ocorrerá a Autoparts (Feira de Autopeças, Equipamentos e Serviços), iniciativa da Diretriz, de Curitiba. O quadro de expositores é formado por empresas de autopeças, motopeças, ferramentas, pneus, equipamentos para teste, lubrificantes e aditivos, frotistas e postos de serviços, entre outros. Também haverá a Oficina do Futuro, espaço diferenciado que apresentará os mais modernos equipamentos necessários para tornar as oficinas aptas a atenderem às novas demandas do mercado.

Curtas

Na segunda-feira (4), a Secretaria Municipal do Turismo promove workshop para agências de turismo da região. A partir das 8h, no Norton Express Hotel, serão abordadas questões referentes ao turismo receptivo caxiense, a origem do tema da Festa da Uva de 2012, os desfiles alegóricos e orientação sobre a aquisição de ingressos.

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


Maurício Concatto/O Caxiense

O Caxiense entrevista

Lauri, em seu gabinete: “Posso trabalhar 24 horas por dia. Não tem horário. O telefone não para de tocar, aqui ou em qualquer lugar”

“O MUNICÍPIO ESTÁ SENDO

BOI DE PIRANHA”

Procurador-geral comenta a batalha judicial contra os médicos e outras querelas

C

Ministério Público. E estão em Não. A única que sofreu, por- que têm estacionamento pago, os um contexto: em período pré- que decidiu parar de discutir, foi a repasses sociais – no nosso caso, eleitoral, o Município fica mais do estacionamento pago. A única para a FAS (Fundação de Assistênom 30 mil processos em anda- visado juridicamente. (decisão) que tem nós ganhamos, cia Social) – no máximo chegam mento para supervisionar, no que é a dos médicos. O resto são a 20%, mas são (geralmente) de comando de uma equipe de 20 Por que o Município tem sofrido decisões preliminares. Essa do 15%, 10%, 12%. O nosso era de procuradores e 30 assessores, o tantos revezes nos tribunais? Marrecas é uma ação que não 37% a 39%. Juridicamente, consprocurador-geral do Município, Mas o Município não sofreu re- correu nem contra nós, correu titucionalmente e politicamente, Lauri Romário Silva, 66 anos, vés. Nos médicos, ganhou a ação, contra o Ibama. Você é surpreen- interessava à cidade a prorrogamantém um livro sobre a mesa do o que se tem é uma cautelar em dido por uma briga ção. Foi a melhor gabinete. A Cidade na História, que eles podem continuar discu- de terceiros e tem solução. Lamentade Lewis Mumford. “Fala sobre a tindo o processo em greve. Na que parar de fazer “Essa ideia é mos que o MP e o equivocada, de evolução do conceito da pólis, dos questão do Marrecas, recebeu no- uma coisa sem ter Judiciário tenham gregos. A ideia do ‘poder de polí- tícia de um processo que trami- nada a ver com isso. que o Município prejudicado a cidacia’ vem daí, das cidades”, resume. tava contra o Ibama e repercutiu O Município per- não ganha. O de com essa decisão. Difícil é saber quando o advoga- no Município. Na questão do es- deu? Não, é um abdo, professor de Direito Adminis- tacionamento pago, decidiu não surdo jurídico. No Município não Mas se a prorrogatrativo da UCS há 25 anos e pro- recorrer mais para evitar o confli- IPTU, o Município perdeu nenhuma. ção não estava precurador-geral desde 2005 arranja to. No IPTU, recém fomos citados ainda não pôde fa- Isso o pessoal vista no contrato... tempo para ler. Em pouco mais de para fazer uma defesa. Essa ideia lar no processo, en- não vê. Só vê o Mas é possível, meia hora de entrevista, telefones é equivocada, de que o Município tão, como perdeu? E fato negativo” desde que haja uma (fixo e celular) tocam, servidores não ganha. O Município não per- vai ganhar, posso te lei autorizativa, que o interrompem para dar recados deu nenhuma. garantir. foi feita. É questão e o relógio o aperta: sua presença de interpretação do Direito. O está sendo requisitada no Fórum As últimas notícias são desfavo- Na Zona Azul, a decisão que Município, se quisesse continuar dentro de alguns minutos. ráveis ao Município. considerou ilegal a prorrogação discutindo, chegaria ao STJ (SuOs últimos dias de Lauri têm A única (ação) que se tem deci- de contrato com a Rek Parking perior Tribunal de Justiça) e bussido mesmo atribulados. A Pro- são foi a do estacionamento pago, não poderia ter sido evitada por caria uma alternativa equidistancuradoria sofre com liminares que o Município parou de recor- uma análise jurídica prévia? te que lhe seria favorável. Porém, contrárias de tribunais diversos rer. Os outros são todos processos Justamente, a análise prévia geraria o caos. “Não vou mais – suspendendo o corte de milha- em andamento. chegou à conclusão que a me- pagar”, “Vou segurar o bilhete e res de araucárias na Barragem do lhor alternativa para a cidade era cobrar depois...” Então, para paMarrecas, permitindo aos médi- E as decisões liminares? a prorrogação. O contrato estava cificar a sociedade, o Município cos permanecer em greve, canceDe mérito, ganhamos dos mé- há quatro anos sem reajuste. Na optou em não recorrer mais. lando a cobrança do IPTU – e se dicos. Isso o pessoal não vê. Só vê licitação que vai ter que ser feita viu obrigada a desistir de recorrer o fato negativo. agora o preço da tarifa vai sofrer A prorrogação não seria favoráno processo que considerou ilesignificativo aumento. É vanta- vel também à Rek Parking? gal o contrato da Zona Azul. Para Então, para o senhor, o Municí- gem para a cidade? Em estudos Não. Para a Rek Parking, seria Lauri, são erros do Judiciário e do pio não tem sofrido derrotas? técnicos de cidades de todo Brasil só voltar à licitação, não modifipor FELIPE BOFF felipe.boff@ocaxiense.com.br

www.ocaxiense.com.br

2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

5


é que teria havido uma violação dos direitos de contribuintes que tiveram seu imposto elevado. Esse problema foi previsto? Mas não aconteceu isso. O MP se equivocou rotundamente. Disse que o Município aplicou 100% da planta de valores. O Município partiu da alíquota de 100% para fixar os percentuais, mas nunca cobrou 100%. O MP falou em anterioridade, mas a noventena, os 90 dias antes da cobrança do tributo, foi rigorosamente respeitada. A lei foi aprovada e sancionada em 2010, antes do ano do exercício fiscal de 2011. Não tem nem um probleminha. Não entendo como foi acontecer isso.

segundo decisão do Supremo Tribunal Federal, não pode fazer greve. O que o Tribunal de Justiça pode é dar uma reinterpretação à interpretação do Supremo. Se for o caso de ir a instâncias superiores, o Município vai ganhar sempre, como ganhou aqui.

Na questão dos médicos, a prefeitura tentou proibir a greve na Justiça, não é? O Município contestou a legitimidade do Sindicato dos Médicos em representar os servidores, O principal argumento do MP que são do Sindiserv. E médico,

O senhor acha que pode haver interesse político nessa ação? Não, eu creio na inocência das pessoas, na boa-fé. Só acho que nesse caso, ao sonegarem documentação, faltou, no mínimo, lealdade processual.

música Geni e o Zepelim, de Chico Buarque: “Joga pedra na Geni / Mas teria concorrência... Ela é feita pra apanhar”). Dá uma A quem interessa isso aqui? Ao liminar, depois vamos discutir. Município, porque os custos es- Daí, quando o Município ganha, tão congelados há quatro anos, ninguém fala nada. o repasse é de 39%. Interessa à sociedade? Interessa, pois vai pa- O senhor acha que o Município gar mais, vai ter que repor todo o está mais visado? maquinário atualizado. À Rek PaEu acho que o ano político, e rking interessa porque tudo está não estou dizendo que com o Juinstalado. Claro que interessa a diciário seja isso... Mas está todo todo mundo, mas principalmen- mundo visando porque estamos te à sociedade. Não tem nem hi- nos aproximando das eleições. pótese de pensar “vou favorecer a Rek Parking”. Não existe isso. O senhor vê interesse eleitoral? Tem uma lei, aprovada unanimeNão do Judiciário e do Minismente pela Câmara, não é uma tério Público, mas de quem está decisão administrativa isolada. forçando a situação, sim. Agimos com responsabilidade e interpretação jurídica coerente Em que casos? e consistente. Quem interpretou Deixa assim... Como é ano eleiequivocadamente foi o MP e o Ju- toral, as situações sempre ficam diciário. Erraram. mais agudas. Ponto. caria nada.

Não se corre o mesmo risco com a passarela da BR-116 (obra contratada sob dispensa de licitação na semana que passou)? Não, a 116 é outro caso. Primeiro, é um processo concomitante com a Caixa, que faz o repasse dos recursos federais. Foi feita a segunda licitação. Veio só uma empresa, com o valor de R$ 607 mil. E a Caixa só autorizava R$ 406 mil. A lei diz que, feita a primeira licitação e não aparecendo ninguém, a administração pública pode repetir, se tiver condições de tempo. Repetimos. Aí apareceu este (construtor, RPP Empreendimentos Imobiliários), com esse valor absurdo. Teria que fazer uma terceira licitação, que a lei não exige? Então, aqui é 200% certo. Não tem problema nenhum. Mas vai custar um valor maior: R$ 469.684,68. Sim, porque tínhamos que nos adaptar, né. Não podia perder o recurso. Entre pagar R$ 607 mil e R$ R$ 469 mil, com prazo para não perder todo o investimento da Caixa... Não tem como perder (na Justiça). Até pode se questionar, porque tudo se questiona, e é uma beleza ter uma liminar contra o Município. O Município virou a Geni agora (referência à

6

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

Então a tendência é que no ano que vem isso piore? Mais ainda, com certeza. Mas o Município, no que faz, é sempre respaldado em lei. Quanto ao IPTU, o Município já calculou os prejuízos que vai ter (com a suspensão da cobrança)? O Município não vai ter prejuízo, não vai perder essa ação. Mas a própria suspensão não acarreta prejuízos? Acarreta prejuízo, sim, por isso que temos a máxima urgência. Mas aí não temos como dimensionar imediatamente. Foi segunda-feira (27) que começaram a aplicar a ordem judicial. Esses prejuízos podem ser cobrados se o Município ganhar? Não, o Município vai cobrar a diferença de quem pagou a menor, ou de quem não pagou. Só isso. Porque é decisão judicial, não tem o que questionar. E qual a previsão de se resolver essa questão? São prazos judiciais, ninguém pode dizer. Mas o Município tem a máxima pressa de resolver isso.

Em outros municípios isso tem acontecido também? Eu não tenho ciência. O Município está sendo uma espécie de boi de piranha, eu acho. É o primeiro que está entrando no rio para ver o que acontece.

No caso do Marrecas, o Município não está envolvido na ação? Sobre a greve dos “Eu creio na boaO Município foi fé. Só acho que médicos... surpreendido com A greve dos mé- nesse caso (da um ofício da juídicos não tem al- suspensão do za federal, dizendo ternativa. Vamos que era para parar aguardar que eles corte de árvores com a supressão veretornem à ativida- do Marrecas) getal da área – autode, porque quando faltou, no rizada pela Fepam disseram que iam mínimo, lealdade e pela Semma, com entrar em greve processual” anuência do Ibama eles mandaram um – por falta de estuofício ao prefeito, o dos de alternativas prefeito designou uma comissão, locacionais. Aí fomos verificar e pediu uma reunião para tratativas esses estudos existem, estavam e eles, antes de responder o ofício dentro do processo, e as entidades e iniciar as tratativas, entraram que propuseram a ação não junem greve. taram toda documentação. Assim, a juíza teve uma documenA greve dos médicos é uma ques- tação incompleta, e o Município tão política que estourou na área não foi citado e não participou jurídica... do processo. Então entramos com Não, é uma questão jurídica, embargo declaratório e estamos porque é execução do plano de aguardando a decisão da juíza. carreira. A relação com os servidores é jurídica e administrativa, O senhor entende que o Municínão política. pio deveria ter sido citado antes? Não vejo como o Município Mas nem todas questões admi- pode ser atingido dessa forma nistrativas chegam a esse ponto, sem participar do processo. Vané? mos a Porto Alegre, se for o caso Claro que não. São 30 mil pro- vamos ao Tribunal, e eu também cessos, alguns chegam, mas 98% não vejo dificuldades. O nosso não. problema aqui é o tempo.

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


Maurício Concatto/O Caxiense

Polêmica em construção

a batalha do

O engenheiro João Bosco explica que, com muita chuva, a represa encheria em três meses. Mas também poderá levar de seis meses a um ano

marrecas

A obra mais cara da história de Caxias é também muito cara aos políticos. Trunfo eleitoral do governo, o novo sistema de abastecimento motiva embates com a oposição, que questiona orçamento e desapropriações

A

por ROBIN SITENESKI robin.siteneski@ocaxiense.com.br

té alcançar a placidez de um lago de 215 hectares, com 860 metros de comprimento, o Sistema Marrecas terá que enfrentar águas agitadas. Na terreno da política, a obra mais cara da história de Caxias é turva, segundo a oposição, ou límpida, conforme o governo. Políticos de situação querem fotos na gigantesca construção e, principalmente, que ela seja inaugurada dentro do prazo legal para uma festa com toda pompa e circunstância que merece – depois de junho de 2012, ano de eleição municipal, candidatos não podem participar de cerimônias desse tipo. Na Câmara de Vereadores, adversários fazem linha dura para fiscalizar ou, dependendo do ponto de vista, desmistificar a obra. O debate esquentou na última

semana, com a chegada da resposta da prefeitura ao pedido de informações sobre o Marrecas feito pela oposição. E este não foi o primeiro. O líder do PT, Rodrigo Beltrão, havia feito um requerimento nesse sentido ainda em maio. Na época, a situação, que tem ampla maioria no Legislativo, negou-se a aprovar o pedido. A líder do governo, Geni Peteffi (PMDB), chegou a afirmar que a resposta teria o equivalente a 500 quilos de papel, e a bancada petista – sem o apoio de um destacado integrante, o presidente da Câmara, Marcos Daneluz – iniciou um movimento para abrir uma comissão parlamentar dedica apenas a fiscalizar a obra. Essas discussões morreram, segundo a oposição, depois de um acordo com a situação, que permitiu a aprovação de um novo pedido. Os governistas argumentam que isso só foi possível a partir de mu-

www.ocaxiense.com.br

danças feitas no requerimento. A mae). Entre as justificativas para primeira versão queria cópia de o aumento do valor, conforme a todos os contratos de desapro- autarquia, há mudanças no propriação, principal motivo de sua jeto original que farão com que o rejeição. Samae poupe cerca de R$ 10 miDe qualquer forlhões por mês com ma, a caudalosa resenergia elétrica em “Eles querem posta oficial que cirfunção da nova locula nos corredores tirar o mérito calização da estada Câmara não foi da administração, ção de tratamento suficiente para acal- que está se de água, em terreno mar os ânimos. O mais alto – o que petista Beltrão pro- esforçando para dispensa o uso de tocolou um pedido deixar a obra bombas hidráulicas de audiência pública pronta. Querem para enviar a água para discutir a obra é pentelhar”, diz para a cidade. Para a na Comissão de De- Geni (PMDB) peemedebista Geni, senvolvimento Urcom a resposta do bano, Transporte e Samae, as dúvidas Habitação. Uma de suas razões estão sanadas. “Eles (oposicioé o preço do Sistema Marrecas. nistas) querem tirar o mérito da Orçado inicialmente em R$ 130 administração, que está se esformilhões, o empreendimento pode çando para deixar a obra pronta. chegar a R$ 200 milhões, segundo Querem é pentelhar.” informou o Sistema Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SaNa Rota do Sol, tubos de 2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

7


Fotos: Maurício Concatto/O Caxiense

Estação de tratamento, canalização e barragem do Marrecas, que preservará a vazão do arroio que lhé dá o nome

8

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

grande diâmetro e terra remexida A qualidade dos estudos na beira da estrada são sinais da feitos para a construção da barracomplexidade do Sistema Mar- gem é justamente uma das crítirecas, que revela seu porte no cas do líder oposicionista Rodricanteiro de obras. O movimento go Beltrão. O vereador assegura contínuo de 22 caminhões e o ba- que petistas e comunistas não são rulho das máquinas interrompem contra a obra, mas acham que ela a tranquilidade do terreno de precisa ser fiscalizada “dentro do 6,8 mil metros quadrados mon- rigor da lei”. Para Beltrão, os betanhoso e coberto de araucárias, nefícios políticos do Marrecas – bem característico dos Campos especialmente para os integrande Cima da Serra. No local, algu- tes da situação que pretendem mas casas e árvores já foram der- se candidatar em 2012 – são lerubadas – a madeira será vendida gítimos, mas ele alerta que a mápelo Samae – e estradas foram quina do Executivo não pode ser abertas para acomodar o tráfego direcionada para este fim. “Eles da construção. Para trabalham com a erguer o ponto final barragem como um do reservatório, a “Eles trabalham monumento eleitoimponente barra- com a barragem ral, para impactar, gem, os operários como um mesmo com essa falutilizam pedras do monumento ta de planejamento. própria área a ser Estão trabalhando alagada, transfor- eleitoral, para pelo ‘terceiro andar’ madas em brita e impactar, mesmo (expressão usada por areia e, depois, em com essa falta governistas para se concreto – dos 400 de planejamento”, referir ao desejado mil metros cúbicos diz Beltrão (PT) terceiro mandato da necessários, 150 mil coligação), indepenjá foram assentados. dentemente do canA britagem, segundo um dos en- didato. Essa tese já existe, como genheiros responsáveis, João Bos- foi manifestada pelo próprio geco Mendes, é o coração da obra. neral deles, que é o prefeito.” Dos 305 trabalhadores que enNa audiência pública que quer volvidos na construção atualmen- realizar na Comissão de Desente, 144 moram ali. Cerca de 70% volvimento Urbano, Beltrão predeles vêm de outros estados – a tende esclarecer dúvidas sobre o falta de mão de obra local especia- andamento das obras diretamenlizada, que atinge diversos setores te com representantes do Samae. da economia caxiense, também se Mas o presidente da comissão, verifica na construção da represa. Edio Elói Frizzo (PSB), já adianta Bosco conta que, diferentemente que não acha a audiência o forde outras obras do gênero em que mato ideal para esse debate. “É trabalhou, onde a maior dificul- só para gastar dinheiro com edidade era alugar equipamentos, o tais em jornais. Se ainda tiverem problema em Caxias do Sul é a alguma dúvida, os vereadores contratação de pedreiros, carpin- podem ir ao Samae verificar proteiros e armadores. cesso por processo. Ele (Beltrão) O engenheiro não vai estar aqui que vá lá fazer as vezes do Tribupara ver a Barragem do Marrecas nal de Contas”, provoca. Para ser cheia. A previsão é de fechar as aprovada, a solicitação de audiêncomportas no fim deste ano, mas cia pública precisa de assinaturas toda a dimensão da represa só po- de três dos cinco vereadores que derá conhecida com o reservató- compõem a comissão. A única rio perto da capacidade máxima. integrante oposicionista é Denise “Aí vai depender de São Pedro. Pessôa (PT). No mínimo três meses, mas pode demorar de seis meses a um ano”, Um dos pontos que preocuavisa. pam os vereadores é o embargo Bosco relata casos que colabo- judicial para o corte das árvores raram para o aumento no custo na área que será alagada. A retirae que fizeram com que parte da da de 6 mil araucárias, que estava obra fosse executada “ao contrá- liberada, agora é questionada na rio”. Quando começaram a cons- Justiça Federal pelas organizações trução da contenção de concreto, não governamentais Instituto os engenheiros encontraram no Gaúcho de Estudos Ambientais solo uma rocha menos resistente da União Pela Vida (InGá) e Instido que os estudos indicavam. “O tuto Orbis de Proteção e Conserterreno cedeu 15 metros a mais vação à Natureza e está suspensa. do que projetávamos. Para não O diretor-presidente do Samae, ficarmos parados, começamos Marcus Vinicius Caberlon, alega pelos lados”, explica. O correto que os documentos que as ONGS seria construir primeiro a seção dizem não existir – sobre alternacentral da contenção. As laterais tivas de área para a barragem – já não deveriam estar mais altas, haviam sido feitos quando elas como se vê na foto da página 9. entraram com a ação (leia mais Bosco também lembra de duas na entrevista com o procuradorinundações, no início deste ano, geral do Município, na página 5). que fizeram com que a obra fosse “A documentação (enviada pelas paralisada por alguns dias. ONGs) estava incompleta, e isso

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


Maurício Concatto/O Caxiense

Surpreendidos pela instabilidade do solo, engenheiros tiveram que mudar os planos e iniciar a construção da barragem pelas laterais levou a juíza a tomar uma decisão precipitada. Sem ouvir a prefeitura, o que é um fato surpreendente”, afirma. O Caxiense entrou em contato com as duas ONGs, que elas recomendaram que entrevistas fossem feitas com seus advogados. Estes, no entanto, não retornaram as ligações do jornal. Segundo Caberlon, como o corte das árvores é uma das últimas coisas a serem feitas, a proibição não causará problemas se for revogada até outubro. Conforme o diretor-presidente do Samae, a importância do Sistema Marrecas pode ser percebida em uma projeção simples. Ele garante que, sem a nova represa, os caxienses não passariam o verão de 2013 sem ter de enfrentar racionamentos de água. Apesar de reconhecer o papel fiscalizador da Câmara e entender que as críticas fazem parte do jogo político, Caberlon reclama da postura de alguns vereadores. “A oposição tem que entender que é oposição no Legislativo, que não é mais Executivo. Eles já tiveram a oportunidade de dizer como fazer. Quem sabe, em um futuro bem distante, terão novamente”, alfineta. Outro aspecto da obra que vem sendo questionado pelos oposicionistas são as desapropriações para a construção da represa. Um dos vereadores que assinaram o pedido de informações, Renato de Oliveira (PC do B) considerou satisfatória a resposta do Samae, mas diz que ainda tem dúvidas sobre esse assunto. Para ocupar os 668 hectares necessários, o

Samae precisará desapropriar 92 terrenos – até maio, já havia feito um acordo de compra com 33 proprietários, enquanto apenas um recorreu à Justiça. A vereadora Ana Corso (PT) alega que a comissão avaliadora dos terrenos não funciona desde o início das desapropriações. “O valor duplicou em relação ao que foi planejado. No começo, não tinha comissão nenhuma. Dois servidores se reuniam ‘em uma jantinha’ com os proprietários e decidiam os valores a serem pagos”, acusa. A oposição reclama que todas as desapropriações deveriam passar pelo Legislativo para obedecer à Lei Orgânica do Município. A líder do governo, Geni Peteffi, rebate dizendo que a Constituição não prevê as aprovações do Legislativo e que o Executivo pode enviar todas de uma só vez para a Câmara se quiser. “A bancada do PT não quer que terminemos Marrecas, vão continuar detonando. Com certeza, é uma questão absolutamente política. Sabem que, quanto mais incomodarem, mais demorado fica”, critica. Ela também não considera uma audiência pública a melhor maneira de debater a obra. Entende que pouco é aproveitado desse tipo de discussão. “Não temos receio de audiência pública, mas também não somos bobos. Na comissão (avaliadora do Samae), todos são do PT, alguns são filiados, inclusive. Todos reconhecem a importância da obra, mas a cabeça deles (oposicionistas) é diferente, é de minhoca”, diz Geni.

www.ocaxiense.com.br

Quem conhece bem os frutos Velho (PDT) e da primeira-dama políticos que uma barragem pode Maria Helena Sartori (PMDB) irrigar é o ex-prefeito Mansue- para a Assembleia Legislativa, no to Serafini Filho (PTB). No seu ano passado, também foram imprimeiro mandato foi concluída pulsionadas pelos méritos da ada construção do Faxinal, que tem ministração municipal. capacidade um pouco maior do Os questionamentos da oposique Marrecas – seria praticamen- ção ao Marrecas são naturais, na te a mesma se a antiga represa opinião de Mansueto, mas não também tivesse um escoamento deixam de fazer parte do que chade 170 litros por segundo, como ma de “boa campanha publicitáfará o Marrecas, com a finalidade ria”. Entretanto, ele acredita que de impedir que o arroio seque na os maiores efeitos políticos da estiagem. nova represa não virão em 2012, Mansueto acredita que o Faxi- mas dois anos depois. “As obras nal ajudou-o a vencer políticos ficam com o Sartori, que vai potradicionais como Germano Ri- der se beneficiar quando for cangotto (PMDB), vencido por ele didato ao Congresso, em 2014”, com uma diferença de 10% dos aposta. votos em 1988, em No momento, posua segunda eleição rém, o quase todos para prefeito. os políticos concor“Eles já “Com certeza, em tiveram a dam é que será difígrande parte, micil tirar totalmente a nha eleição se deve oportunidade de importância da obra dizer como fazer. ao Faxinal. Um dos – que está 65% connossos pecados foi Quem sabe, em cluída, segundo o não ter feito publici- um futuro bem Samae –, mas a madade, mas a opinião distante, terão neira como ela será pública ficou sabenapresentada é que do”, avalia Mansue- novamente”, poderá influenciar to. Para ele, o gran- alfineta Caberlon as eleições do próde desafio da base ximo ano. Apesar de governista é transser feita de concreto ferir os pontos angariados pelo e água, a Barragem do Marrecas prefeito José Ivo Sartori (PMDB) ficará gravada na opinião pública ao seu candidato à sucessão. “Há através do discurso. Uma batalha um ditado que diz que prestígio que passa longe do canteiro de não se transfere. Mas, na políti- obras. ca, às vezes acontece”, analisa o Leia mais sobre a disputa polítiex-prefeito, lembrando de casos recentes, como Lula-Dilma, e ca em torno do Sistema Marrecas considerando que as vitórias do na coluna de Renato Henrichs, na então vice-prefeito Alceu Barbosa página 23. 2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

9


Maurício Concatto/O Caxiense

Jaisson Valim/O Caxiense

No aperto

Teste de O Caxiense comprovou o excesso de passageiros no sistema, que, desde a inauguração, em 2000, conta com apenas quatro linhas

LOTAÇÃO

FAZ JUZ AO NOME

A

10

por CAMILA CARDOSO BOFF camila.boff@ocaxiense.com.br

pontados pela Secretaria de Trânsito, Transportes e Mobilidade como uma das principais alternativas para desestimular o uso de automóveis, como mostrou a edição 82 de O Caxiense, os táxislotação precisavam avançar muito se a prefeitura quiser transformálos em solução contra um colapso no trânsito. Não bastasse a falta de linhas, os usuários passam por outro problema: os veículos lotam e infringem a proibição de transportar passageiros em pé. O jornal O Caxiense testou o serviço e comprovou a irregularidade. Entre 18h e 18h30min de terça-feira (28), as equipes embarcaram nas quatro linhas disponíveis e confirmaram o problema em pelo menos duas delas. O veículo do trajeto Iguatemi/UCS/ Ana Rech fez o trecho da Avenida Júlio de Castilhos com até três passageiros fora dos assentos. A mesma situação se repetiu na linha Aeroporto – nesse caso, os usuários até tinham bancos disponíveis, mas preferiram ficar de pé para escapar do aperto. A operadora de injetora Lidiane Carvalho Aguirre, 28 anos, é uma das usuárias que sofrem com o problema. Ela usa a linha Aeroporto diariamente por fazer o melhor trajeto para o trabalho, mas reclama que o preço da pas-

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

sagem (R$ 2,75) não condiz com o serviço prestado. O conforto de todo o trajeto sentado deveria ser uma das vantagens do lotação – ao lado do ar-condicionado e do som ambiente e a possibilidade de desembarcar em pontos não estabelecidos – e justificaria uma tarifa 10% superior a do ônibus comum, operado pela Visate. “Quando eu vejo que está muito cheio, não pego, porque tenho medo de cair ou me machucar mais ainda com um acidente. Mas daí preciso ligar pro patrão avisando que vou me atrasar”, lamenta. Na linha UCS/Shopping, a auxiliar administrativa Aline de Cândido, 23 anos, percebe que a superlotação é recorrente. “Dependendo da situação, consigo optar por não embarcar, mas não é sempre. Pelo valor que é cobrado, acho que poderia ser melhor, principalmente o tratamento dos motoristas”, acredita Aline. O problema já é tão rotineiro que nem a Associação Caxiense Táxi-Lotação (ACTL) se preocupa em escondê-lo. O presidente da entidade, Éverton Silveira, culpa a falta de novas linhas como o principal responsável pelas irregularidades. “Se não pega passageiro, eles reclamam. Se leva em pé, toma multa. Entre punir o usuário ou o permissionário (dono do veículo) , optamos pela

Sem aumento de frota, serviço de microônibus ignora lei e leva passageiros em pé, desvirtuando a proposta de ser opção de luxo no transporte coletivo em Caxias punição do motorista”, afirma. serviço na cidade, o Município Cabe aos condutores não per- elabora um edital para novas conmitir que haja passageiros além cessões. A proposta da prefeitura da capacidade dos 20 assentos, é alterar a proporção com relação sob pena de multa de R$ 114. ao transporte público tradicional A fiscalização da Secretaria de para 15% e, logo na primeira conTrânsito, Transportes e Mobilida- corrência, colocar 40 veículos em de expede uma média de 10 a 15 funcionamento, sendo quatro deautuações por mês por superlota- les para reserva. ção. Serão criadas duas novas linhas Para reduzir o problema, Sil- que, somadas às atuais, formariam veira cobra uma remodelação no dois grupos para atender todas as sistema – que, seregiões da cidade. gundo ele, está com No Lote A, a nova a frota deficitária “Quando vejo linha Colina Sorhá pelo menos cinriso/Bela Vista se co anos. Transpor- que está muito uniria às já existentando uma média cheio, não pego, tes UCS/Shopping e de 170 mil passa- porque tenho Ana Rech. No Lote geiros por mês em medo de cair ou B, a novidade é o 21 micro-ônibus, o me machucar com roteiro Fátima/São serviço começou a Caetano, com a Rio funcionar em 6 de um acidente”, diz Branco/Lourdes e a setembro de 2000. Lidiane, usuária Aeroporto/UCS. Desde então não da linha Aeroport Para facilitar a houve ampliação da fiscalização de irrefrota ou criação de gularidades como o novas linhas, apesar da lei pre- excesso de passageiros, a licitação ver uma proporção de 10% de buscará consórcios de prestadores lotações em relação ao número do serviço, deixando de permitir de ônibus da Visate, que hoje são a operação por empreendedores 332. Sendo assim, deveria haver individuais. “Uma pessoa físi12 azuizinhos a mais circulando ca operando a linha sozinha vai pelas ruas de Caxias. sempre pensar na questão do benefício, porque quanto mais gente A prefeitura reconhece o no lotação, mais lucro. Num condéficit. Além de protocar na Câ- sórcio haverá a responsabilizamara de Vereadores, na última ção do grupo inteiro”, defende o semana, um projeto para alterar diretor-geral da secretaria, Carlos a lei de 1998 que regulamenta o Noll.

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


Artes artes@ocaxiense.com.br

PALAVRA DE ÁGUA por CLÁUDIO B. CARLOS

chuva palavra de água na boca seca da terra num sorvo de lamber os beiços some baixando a poeira depois: o mormaço dorzinha fina na cachola Passarinhos com penas eriçadas saracoteiam forquilhas trevos e grama brotando cuscos lambendo os pêlos o cheiro dos cuscos molhados ARCO-ÍRIS o gotejar das têmporas sob o céu pachorra Foi só uma nuvem que passou carregada e ligeira já foi Como se Deus depois de lavar os pés jogasse fora a água da gamela e sem querer acertasse na gente...

Daiton Fonseca | Músico |

Daiton é advogado de profissão e fotógrafo por hobby, uma atividade que tem demonstrado mais talento e merecido mais dedicação do que normalmente se entende por lazer. Entre as quadras esportivas e os palcos, Daiton sai à caça de recortes artísticos, pedaços de imagens capazes de sugerir todo. “Gosto dos detalhes. A imagem conta uma história sem precisar se mostrar por inteiro.” Na obra acima, foram as curvas do baixo que atraíram a atenção do fotógrafo. Leves bailarinas do clássico.

www.ocaxiense.com.br

2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

11


Guia de Cultura

guiadecultura@ocaxiense.com.br Métropole Films Distribuition, Divulgação/O Caxiense

por Valquíria Vita |

História real, Homens e Deuses narra a tensão de monges católicos sitiados na Argélia pelo extremismo islâmico, numa defesa à tolerância

CINEMA

Recomenda l Paisagem na Neblina | Drama. Terça (5), às 20h | UCS O Projeto Cinéfilus da Universidade de Caxias do Sul apresenta a obra do cineasta grego Theodoros Angelopoulos. O drama de 1988 conta a história de dois irmãos que partem para a Alemanha, onde supostamente vive o pai que nunca conheceram. As sérias dificuldades enfrentadas durante a viagem os obrigam a abandonar

12

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

precocemente a infância. Os ingressos custam R$ 3. Com Tania Palaiologou, Michalis Zeke, Stratos Giorgigoglou e Eva Kotamanidou. Livre. 127 min. l Os Pinguins do Papai | Comédia. 14h, 16h10, 18h30 e 20h45 (dub.) | Iguatemi Adaptação do livro infantil Mr. Popper’s Penguins, escrito por Richard e Florence Atwater em 1938, o novo longa de Jim Carrey conta a história de Popper, um homem de negócios que recebe seis pinguins como herança. Com Carla Gugino, Angela Lansbury, Ophelia Lovibond, Madeline Carroll e Clark Gregg. Dirigido

por Mark Waters. Livre. 94 min. l Transformers – O lado oculto da lua | Ação. 15h20 (dub. 3D), 21h15 (leg. 3D), 15h, 18h15 e 21h30 (leg.) | Iguatemi Como já sabemos há pelo menos dois longas, os Autobots, liderados por Optimus Prime, participam de missões secretas com os humanos, para exterminar os Decepticons do planeta Terra. Porém, Optimus descobre que os humanos lhe esconderam algo ocorrido no lado oculto da lua: uma espaçonave vinda de Cyberton, comandada por Sentinel Prime. Enquanto os Autobots resolvem ir à lua, Sam Witwicky

(Shia LaBeouf) vive um drama pessoal: ele salvou o planeta duas vezes e ganhou uma medalha do presidente norte-americano Barack Obama, mas nada disso parece ajudá-lo a se estabelecer no mercado de trabalho. Com Rosie Huntington-Whiteley, Josh Duhamel e Patrick Dempsey. Dirigido por Michael Bay. 12 anos. 154 min. l Nosso Lar | Drama. Sábado (2), às 16h | Ordovás Baseado na obra psicográfica do médium Chico Xavier, conta a história de André Luiz, que, ao despertar no mundo espiritual, depara com criaturas assustado-

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


ras e sombrias ao seu redor. O filme será exibido com audiodescrição, um recurso de acessibilidade que permite aos portadores de deficiência visual compreender a obra sem dificuldades. Também haverá ingressos ao público não deficiente. Com Renato Prieto, Fernando Alves Pinto, Rosanne Mulholland, Inês Vianna, Rodrigo dos Santos, Werner Schünemann, Ana Rosa, Othon Bastos, Paulo Goulart e Nicola Siri, Chica Xavier e Lu Grimaldi. Dirigido por Wagner de Assis. Livre. 105 min. Recomenda

Ordovás | X-Men: Primeira Classe. Ação. 22h (leg.). Iguatemi. De segunda a sexta, às 19h30, sábado e domingo, às 17h30 e 20h15, sem a segunda sessão na terça (5). UCS |

damente. Informações pelo telefone 3901-1316. UCS Teatro Entrada franca | Cidade Universitária | 3218-2100

INGRESSOS - Iguatemi: Segunda, quarta e quinta (exceto feriados): R$ 14 (inteira), R$ 11 (Movie Club Preferencial) e R$ 7 (meia entrada, crianças menores de 12 anos e sênior com mais de 60 anos). Terça-feira: R$ 6,50 (promocional). Sexta-feira, sábado, domingo e feriados: R$ 16 (inteira), R$ 13 (Movie Club Preferencial) e R$ 8 (meia entrada, crianças menores de 12 anos e sênior com mais de 60 anos). Sala 3D: R$ 22 (inteira), R$ 11 (estudantes, crianças menores de 12 anos e sênior com mais de 60 anos) e R$ 19 (Movie Club Preferencial). Horários das sessões de sábado a quinta – mudanças na programação ocorrem sexta. RSC-453, 2.780, Distrito Industrial. 3209-5910 | UCS: R$ 10 e R$ 5 (para estudantes em geral, sênior, professores e funcionários da UCS). Horários das sessões de sábado a quinta – mudanças na programação ocorrem sexta. Francisco Getúlio Vargas, 1.130, Galeria Universitária. 3218-2255 | Ordovás: R$ 5, meia entrada R$ 2. Luiz Antunes, 312, Panazzolo. 3901-1316.

TAMBÉM TOCANDO – Sábado: Fernando Aver Jazz Trio. 23h. Leeds 3238-6068. | DJ Kahbal e presença VIP de Karina Bacchi. Aniversário Postos Baldissera. Eletrônica. 23h. Pepsi Club. 3419-0990 | Sunshine. Hip hop, eletrônica, pagode e sertanejo universitário. 23h. Move. 3214-1805 | DJ Luca Di Napoli. Hypno. 23h. Havana. 3224-6616 | Toolbox. Rock. 22h. The King. 3021-7973 | Tubarão 75 e Stone Crows. Rock. 23h. Vagão Classic. 3223-0616 | Elixir. Rock. 21h. Portal Bowling. 3220-5758 | Ricco Rock Fest. Shows com H5N1, Lacross e Bipolar. Rock. 23h. Vagão Bar. 3223-0007 | Pátria e Querência. Tradicionalista. 22h. Paiol. 3213-1774 | Banda Izzi e Louise. Rock Nacional e Internacional. 22h. Bier Haus. 32216769 | Ton e os Kharas e Lady Jane. Rock. 22h30. Bukus Anexo. 3285-3987 | Santíssimo, Oda Lentz, Rodrigo Dias e Rocha Neto. 23h. Aristos. 3221-2679 | Tonho Crocco, ex-vocalista da Ultramen, lança seu CD. Samba Rock. 22h. Boteco 13. 3221-4513 | Toco e Buja. MPB. 21h30. Zarabatana Café. 3218.6192 | Domingo: Swing Natural. Pagode. 21h. Portal Bowling. 3220-5758 | Domingueira Zarabatana. Set com DJs. 17h. Zarabatana Café. 3218.6192 | Terça (5): Noite Autoral Caiubi Sul. Palco aberto aos compositores e pocket show de Cardo Peixoto. 21h30. Zarabatana. 3228-9046 | Robledo Rock e Domênico Anzolim. Pop Rock. Bier Haus. 22h. 3221-6769 | Xica Bandida. Jazz e Blues. 22h. Mississippi. 30286149 | Quarta (29): Maurício e Daniel. Tradicionalista. 21h.

LITERATURA l Livros Para Ouvir | Terça (5), Quarta (6) e Quinta (7), 19h | O escritor caxiense Lúcio Humberto Saretta, que venceu o último Concurso Anual Literário com os contos O Botequim, A Gôndola Fantasma, A Formatura é o convidado desta edição. Autor de Alicate contra Diamante e Crônicas Douradas, Lúcio conversa sobre literatura e lê trechos das suas obras no encontro direcionado para deficientes visuais. Sala de Cinema do Ordovás Entrada Franca | 3901-1316

TEATRO l Cetec Festival | Terça (5), Quarta (6) e Quinta (7), 19h | O festival deste ano parte da história da cientista Marie Curie, premiada duas vezes com o Nobel – de Física, em 1903, e de Química, em 1911 – para homenagear as mulheres. As montaMaurício Concatto/O Caxiense

l Homens e Deuses | Drama. Quinta (7) e sexta (8), às 19h30 (leg.) | Ordovás O filme venceu o prêmio do Júri no Festival de Cannes e foi o representante da França na corrida pelo Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. É baseado na história real de um grupo de monges franceses que viviam na Argélia mesmo sofrendo constantes ameaças de um grupo terrorista. Narra, a partir de cartas, como eles recusaram a proteção do exército, preferindo levar sua vida de forMÚSICA ma simples, dando continuidade Recomenda à sua missão independentemente do que viesse a acontecer. Dirigi- l Concerto Especial: 25 do por Xavier Beauvois. 12 anos. anos da Orquestra Munici122 min. pal de Sopros | Domingo (3), 20h | AINDA EM CARTAZ: Carros 2. Os 25 anos de música da OrAnimação. 13h30, 15h40, 17h50 questra Municipal de Sopros (leia e 20h (dub.), 13h e 18h45 (dub. mais na reportagem da página 3D). Iguatemi | Kung Fu Panda 2. 16) serão comemorados com um Animação. 13h40 e 15h30 (dub.). concerto especial regido pelo maIguatemi | Piratas do Caribe 4: estro Glen Hemberger, professor Navegando em Águas Misterio- de música e maestro da Orquestra sas. Aventura. 13h50 e 21h (leg.). Sinfônica de Sopros da SoutheIguatemi. De segunda a sexta, às astern Louisiana University em 16h, sábado e domingo, às 15h Hammon, Louisiana (EUA). No (leg.). UCS. | Qualquer gato vira- repertório do concerto destaque lata. Comédia. 16h40 e 19h. Igua- para Bayou Breakdown, de Brant temi | Se beber, não case! Parte 2. Karrick. Este é o quarto concerComédia. 17h20, 19h30 e 21h45 to da Série Oficial - Temporada (leg.). Iguatemi | Turnê. Drama. 2011. A entrada é franca, mas é Sábado e domingo, às 20h. (leg.). preciso retirar ingressos antecipa-

Paiol. 3213-1774 | Banda Branco no Preto. Som Brasil e Samba Rock. 22h. Bier Haus. 22h. 32216769 | HardRockers. Rock. 22h. Mississippi. 3028-6149 | Quinta (7): Acústico Disco, após Fabricio Beck. Rock Nacional e Internacional. 22h. Bier Haus. 22h. 3221-6769 | The Hawks. Country. 22h. Mississippi. 30286149 | Sexta (8): Rafa Gubert e Tita Sachet. Rock Clássico. 22h. Mississippi. 3028-6149 | Banda Disco. Rock Anos 80. 21h30. Zarabatana Café. 3218.6192.

Na comemoração dos seus 25 anos, a Orquestra Municipal de Sopros recebe o maestro americano Glen Hemberger

www.ocaxiense.com.br

2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

13


Maurício Concatto/O Caxiense

Na exposição Dispor, as xilogravuras de Mara de Carli e as instalações de Marcos Sari e Tiago Giora reformulam o espaço da Galeria do Ordovás gens resgatam os feitos de mulheres importantes da História e criam personagens para discutir o papel feminino na sociedade contemporânea. O festival, com 11 peças, é direcionado para alunos e pais. Todas as funções que envolvem um espetáculo teatral são desenvolvidas pelos alunos da 1ª a 3ª série do Ensino Médio. Na coordenação, Gabriel Zeni (teatro), Giovani Monteiro (dança), Liliane Costa (arte e figurinos), Luiz Ortiz Oliveira Filho (música), Ney Moraes (dança) e Renato Filippini (coro). UCS Teatro Entrada restrita a pais e alunos

DANÇA l 1º Festival Beduíno-Tribal | Sábado (2) e Domingo (3), às 17h | A escola de danças Rakaça apresenta espetáculo baseado nas danças tribais árabes e nos movimentos e tradições dos beduínos da região de Marsamatrouah. A dança é alegre e cheia de significado, exaltando o deserto, as mulheres e sua beleza e os trajes coloridos. Os ingressos podem ser adquiridos na escola. Informações pelo 3021-3538. Teatro São Carlos R$ 25 | Rua Feijó Júnior, 778 | 32216387

EXPOSIÇÕES l Olhos Inquietos | A partir de terça (5). Após, de segunda a sexta, das 8h30 às 18h30, e sábado, das 8h30 às 12h30 | Leandro Zandoná mostra o resultado da sua experiência com diferentes técnicas de composição de imagem, em cenas capturadas no Brasil e na Europa, onde morou nos últimos dois anos. Farmácia do Ipam Entrada franca | Dom José Baréa, 2.201 (atrás da prefeitura) | 40093150 l Abstrato Contemporâneo | De segunda a sábado, das 10h às 19h30. Domingo, das 16h às 19h | O fotógrafo Alex Milesi propõe um passeio através de paisagens abstratas de linhas, formas e texturas. A curadoria é de Mona Carvalho. Catna Café Entrada franca | Av. Júlio de Castilhos, 2.854 | 3212-7348 Recomenda l Dispor | De segunda a sexta, das 9h às 19h, e sábado, das 15h às 19h | Mara De Carli, Marcos Sari e Tiago Giora exploram noções de limites gráficos, sobreposições, alinhamentos e inserções cro-

Democratas - Caxias do Sul Edital de Convocação O presidente do DEMOCRATAS DE CAXIAS DO SUL convoca a todos os filiados do Partido Democratas e PFL para a convenção anual do partido de Caxias do Sul com a seguinte ordem do dia: 1) Eleição do novo diretório com 45 titulares e 15 suplentes 2) Membros titulares e suplentes do conselho fiscal de ética 3) Eleição da mulher democratas, juventude democratas e democratas empreendedor 4) Assustos gerais A convenção será realizada no dia 16 de julho de 2011 na sede do partido das 13 horas às 17 horas, situada na rua Frei Pacífico, 289, bairro São José. As 17 horas serão eleitas as respectivas executivas: As chapas pretendentes deverão ser apresentadas junto à secretaria do Diretório até as 18 horas do dia 6 de julho de 2011. Só terão direito a votos mediante apresentação do título eleitoral. Caxias do Sul, 16 de junho de 2011 Odir Miguel Ferronatto - Presidente Democratas Caxias do Sul

14

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

máticas na arquitetura por meio de gravuras, intervenções e instalações. Os trabalhos procuram incluir a estrutura e as superfícies da galeria discutindo questões da pintura, do desenho e da gravura e suas possibilidades de expansão na galeria. Os artistas também estão integrados à 8ª Bienal do Mercosul. Mara está na coordenação local do Projeto Continentes; Marcos, no projeto Caderno de Viagens; e Tiago, expondo na Casa M. Galeria do Ordovás Entrada franca | Luiz Antunes, 312 | 3901-1316

Exposição de telas da caxiense Natália Bianchi. A artista, portadora de acromatopsia, deficiência visual que gera cegueira total das cores, pinta telas em escalas de cinza. A vernissage ocorre na noite de quinta (7). A exposição fica em cartaz até o dia 30. Jardim de inverno do Sesc Entrada franca | Moreira César, 246 | 3221-523

l Patagônia e Terra do Fogo | A partir de sexta (8) | A exposição é resultado do trabalho de 20 fotógrafos – profissionais e amadores – que foram levados à Patagônia, na Arl Quadrado do Espírito | gentina, em fevereiro deste ano. Até quarta (06). De segunda a Centro de Cultura Ordovás sexta, das 8h às 22h | Entrada Franca | Luiz Antunes. A exposição da artista visual e 312 | 3901-1316 jornalista Yara Baungarten reúne gravuras, serigrafias, vídeos AINDA EM EXPOSIÇÃO – 10 e instalação com inspiração em Anos do Museu dos Capuchiobras de alquimistas. Com cura- nhos. De segunda a sexta, das doria de Ana Zavadil e cocura- 8h às 11h e das 14h às 17h. Mudoria de Flávio Drum de Al- seu dos Capuchinhos. 3220meida, Raquel Longhi, Simone 9400 | Bruno Segalla, o operáAguiar Dal Bosco e Suzana Pezzi rio da arte. De segunda a sexta, (alunos da disciplina Curadoria, das 8h às 12h, e das 13h30 às ministrada pela professora Mara 18h. Instituto Bruno Segalla. Galvani). 3027-6243 | No Ar - o Rádio e Hall Superior Campus 8 a Televisão em Caxias do Sul. Entrada franca | RS-122, Km 69 Terça a sábado, das 9h às 17h. | 3289-9000 Museu Municipal | O Observador. Diariamente, das 8h às l Percepções acromáticas 20h. Jardim de Inverno do Sesc. | A partir de sexta (8) | 3221-5233

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PODER JUDICIÁRIO

Edital de Citação - Cível

6ª Vara Cível - Comarca de Caxias do Sul

Prazo de: 60 dias. Natureza: Cobrança Processo: 010/1.10.0004855-1 (CNJ:.004855173.2010.8.21.0010). Autor: ACF Pio X Serviços Postais Ltda. Réu: Gilmar Maccagnan Estudios Fotograficos Ltda. Objeto: CITAÇÃO de Gilmar Maccagnan Estudios Fotograficos Ltda, atualmente em lugar incerto e não sabido, para, no PRAZO de quinze (15) dias, a contar do término do presente edital (art. 232, IV, CPC), contestar, querendo, e, não o fazendo, serão tidos como verdadeiros os fatos articulados pelo autor na inicial. Caxias do Sul, 20 de junho de 2011. SERVIDOR: Zélia Thomasini. JUIZ: Luciana Fedrizzi Rizzon

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


Maurício Concatto/O Caxiense

Palmas para os músicos

Grupo celebra o aniversário em concerto especial, regido pelo maestro norte-americano Glen Hemberger, neste domingo

JOVEM E SONHADORA A Orquestra Municipal de Sopros completa 25 anos em sua melhor forma e pronta para crescer ainda mais

A

por CAROL DE BARBA caroldebarba@ocaxiense.com.br

ntes de qualquer espetáculo, como a bailarina que aquece o corpo para dançar, os músicos precisam aquecer seus instrumentos. E o aquecimento de uma orquestra é o extremo oposto de um concerto: um verdadeiro caos sonoro. No caso da Orquestra Municipal de Sopros, é como se 51 elementos, das classes das madeiras (flautas, flautins, oboés, clarinetes, clarinete baixo, fagotes, contrafagotes), cordas (contrabaixos, violoncelos), metais (trompetes, trombones, trompas, tubas), percussão (tímpanos, triângulo, caixas, bumbo, pratos etc.) e teclas (piano, cravo, órgão) executassem 51 canções diferentes, em 51 ritmos diferentes, começando e terminando a qualquer momento. O último ensaio antes do concerto que celebra os 25 anos do grupo

é assim. No centro do salão da Unidade de Música, no Ordovás, um trompetista brinca com notas que parecem aleatórias. Na “cozinha” da formação, o setor dos percussionistas, alguém toca uma daquelas melodias de domínio público no pandeiro. No canto direito, uma moça vaidosa, que há pouco hidratava os lábios judiados pelo bocal do instrumento de sopro, toca o que, provavelmente, é uma sequência de exercícios na flauta. Se já é difícil fazer uma entrevista nesse cenário ensurdecedor, naquele momento é quase impossível imaginar que esse barulho infernal está prestes a se transformar em música. Faltando apenas uns poucos segundos para a hora marcada do ensaio, no instante em que o regente pisa em seu tablado, o emaranhado de notas vira silêncio absoluto. Todos os músicos se aprumam nas cadeiras

www.ocaxiense.com.br

empunhando seus instrumentos. E com um leve mas resoluto gesto do maestro, do caos faz-se a arte: soa o primeiro acorde de Silverado, música do compositor Bruce Broughton arranjada por Randol Bass, abertura do 4º Concerto da Série Oficial Temporada 2011, que comemora um quarto de século da Orquestra Municipal de Sopros. Oficialmente, a orquestra foi criada no dia 3 de julho de 1986, pela Lei 3.078, inicialmente como Banda Municipal de Caxias do Sul. No entanto, contam os antigos, ela começou antes disso, de forma quase amadora, pelas mãos do seu primeiro maestro, Pedro Paulo Mandelli – um nome fundamental na história da música erudita e das bandas na cidade. O regente também era responsável pela antiga Osca – Orquestra Sinfônica de Caxias do Sul, man-

tida pela Sociedade de Cultura Musical até 1990, com o fim dos incentivos fiscais da chamada Lei Sarney. Até 1988, ambas ensaiavam no mesmo local, um prédio da família De Antoni, em frente ao Hospital Saúde. Naquele ano, a Sociedade de Cultura Musical adquiriu uma sede – o prédio onde, atualmente, é o Núcleo de Artes Visuais (Navi) –, e tanto a banda quanto a Osca mudaram-se para lá. Nessa época, a banda era formada por aproximadamente 25, não mais do que 30 músicos, e mantinha um repertório com canções típicas dessa formação, como dobrados, marchas e marchas militares. O conjunto se apresentava em desfiles de 7 de setembro, datas comemorativas e inaugurações, entre outros eventos importantes, principalmente relacionados à prefeitura. Em 1992, após muitos esforços de Mandelli e graças a um con-

2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

15


jovens músicos. Quando algum fil mais erudito e conceitual, com adolescente mostrava talento e a entrada do maestro Fernando interesse pela música, ele ajuda- Berti Rodrigues, em 1997. va, dava aulas, contratava como estagiário e, conforme a evoluCom Berti, além de passar ção, efetivava o novo membro. a usar apenas a denominação orUm dos frutos dessas inciativas questra de sopros, o grupo ganhou é o trompetista Beto Scopel, um um direcionamento maior para dos integrantes mais a música de conantigos que permacerto, tendo como necem na atual for- “Um dia, o carro-chefe das suas mação da Orques- Mandelli me atividades uma protra. Ele entrou para disse ‘Toca aí gramação oficial de o grupo em 1994, espetáculos, mantiaos 14 anos, num pra eu ver’. da até hoje. “Antes, teste mais do que Quando terminei, a orquestra se insesimples. “Um dia, o já fazia parte. ria em outros evenMandelli me disse A ideologia dele tos. A partir daí, ‘ah, tu toca? Então era de agregar”, ela começa a fazer toca aí pra eu ver’. concertos onde ela Quando terminei, conta Beto Scopel é o assunto, atrainjá fazia parte. A idedo uma atenção e ologia musical dele apreciação maior era assim, de agregar”, conta. Beto do público. Isso faz uma diferentambém vivenciou a fase de tran- ça incrível na experiência que ela sição desse caráter mais popular, proporciona ao ouvinte”, explica o típico de Mandelli, para um per- atual regente, Gilberto Salvagni. Arquivo da Orquestra, Div./O Caxiense

Ligeira, e também dos cantores convidados Ana Venzon e Armando Troian”, conta Lazzari. O maestro – falecido em outubro de 2010 – também gostava muito de realizar apresentações ao ar livre, com uma formação menor, nos bairros, parques e praças, e levava a orquestra para encontros e concertos em outras cidades. Segundo Moacir, os músicos chegavam a fazer até três espetáculos em um final de semana. “Íamos a festas nos distritos ou comunidades como Forqueta. Também tocamos em Bento, Monte Belo, Veranópolis, Nova Prata, Lagoa Vermelha, Estrela, Lajeado... Em Teutônia, onde tinha um encontro muito importante de bandas. Fomos até para o Uruguai”, relembra Moacir. Outra característica de Mandelli – cujo trabalho, aliás, foi fundamental na reformulação da Banda Marcial do Cristóvão de Mendoza – era incentivar os 2. Arquivo da Orquestra, Div./O Caxiense

Maurício Concatto/O Caxiense

4.

Maicon Damasceno, Div./O Caxiense

3.

5.

1. Sob a regência de Roberto Mandelli, a banda sinfônica se prepara para tocar em solenidade na Câmara de Vereadores de Caxias do Sul; 2. Moacir Lazzari (de barba, na frente do maestro) migrou da extinta Orquestra Sinfônica de Caxias do Sul (Osca) para o conjunto municipal; 3. O regente Gilberto Salvagni comanda a orquestra há três anos; 4. Beto Scopel toca com o grupo desde os 14 anos; 5. O flautista Cléber Figueira da Silva é o mais novo integrante da formação

16

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.

Maurício Concatto/O Caxiense

1.

vênio com a Sociedade de Cultura Musical, que emprestava os instrumentos que sobraram do fim da Osca, a banda dobrou de tamanho e transformou-se em sinfônica, ou seja, orquestra de sopros. O atual coordenadorgeral da Orquestra Sinfônica da UCS (Osucs), Moacir Lazzari, foi um dos músicos que migraram da Osca para a recém formada banda sinfônica municipal nesse período. “O Mandelli acrescentou muitos instrumentos, como a flauta, a flauta transversal, o picolo, o oboé, o fagote. Chegamos a ter 54 componentes”, lembra. O repertório também foi ampliado, com obras específicas para a nova formação e participações especiais, possibilitando a interpretação de árias de óperas e músicas populares italianas e brasileiras. “O Mandelli era muito bom adaptador e arranjador, então, fazia adaptações de sinfônicas. Lembro de tocarmos muito a Cavalaria


Maurício Concatto/O Caxiense

Reprodução/O Caxiense

Maurício Concatto/O Caxiense

A flautista e artista plástica Viviane Pasqual (E) e uma de suas obras, inspirada na música do colega saxofonista Adão Léo Silveira (D) Berti é o responsável também e Boleros e o Concerto de rock pela criação da série Concertos progressivo com a banda ApoDidáticos, realizada mensalmente calypse (marcado para o dia 11 de para o público infantil e infanto- setembro) como em participações juvenil, que completa 10 anos em da formação Big Band no Moinho 2011. Desde o início, o objetivo da Estação Blues Festival, entre do programa já era a formação outros eventos. Ele também fez de plateia, desmistificando junto parte da organização de dois cona crianças e adolescentes a ima- certos especiais de Natal, em pargem de que a músiceria com a Osucs, e ca erudita é elitizapromoveu o contato da e seleta. “Nesse “Temos que com maestros de período, tivemos permanecer renome nacional e uma média de pú- sempre internacional, como blico de 3 mil peso carioca Marcelo estudando. Tem soas por ano, quer Jardim e, mais redizer, foram 30 mil que ser músico centemente, o norouvintes”, destaca de primeira linha te-americano Glen Salvagni. Para este para tocar aqui”, Hemberger, que ano, aliás, o maestro orgulha-se o rege o concerto desanuncia uma ótima te domingo (confira notícia: devido a saxofonista Adão no Guia de Cultura, uma parceria com na página 13). a escola Cristóvão, Salvagni investe o número de concertos aumen- na versatilidade para conquistar tou para dois por mês, nos tur- tanto o público quanto os prónos da manhã e da tarde, com prios músicos. O regente diz que expectativa de ser ouvido por 12 é um desafio manter seus operámil jovens. Outra ideia do antigo rios musicais “ligados na tomada”, regente foi a de trazer músicos de pois, apesar de trabalhar com arte, renome para as apresentações, a maioria dos músicos também como Leila Pinheiro, Guilherme atua em outras orquestras ou em Arantes e Ivan Lins, promovendo outras profissões, e sofre um desa troca de conhecimentos e, ao gaste muito grande, físico e menmesmo tempo, divulgando o tra- tal. “Acredito que a minha função balho feito em Caxias. é ser um ajudante dos músicos. E a dos músicos é ser ajudantes do Salvagni assumiu a regência maestro. Ver o brilho nos olhos e direção artística da orquestra há deles durante um concerto é o três anos com a intenção de não mais bacana”, ressalta. fazer mudanças significativas, O esforço de Salvagni é recom“apenas acrescentar”. De fato, é o pensado quando os músicos reque vem fazendo. Além de criar cordam com carinho os concero projeto Caxias do Som, que tos executados sob sua batuta ou leva novamente a orquestra aos agradecem a ele pela oportunidabairros, Salvagni aproxima cada de de receber ensinamentos como vez mais o grupo de outros gêne- os que estão tendo com o conviros musicais, tanto em concertos dado Glen. A flautista e artista como Salsa ao Mambo, Ritmos plástica Viviane Pasqual já estaHermanos – Tango, Milonga va emocionada durante o ensaio.

www.ocaxiense.com.br

“Eu não vou conseguir tocar, vou é um dos responsáveis pela criachorar o tempo inteiro no dia do ção de um setor que não está direconcerto”, previa. Diversas obras tamente ligado ao planejamento da artista decoram a Unidade de artístico, mas é fundamental para Música, unindo a arte musical e a administração da orquestra: a a visual. “Às vezes a música me Unidade de Música. “Procuramos inspira, mas ela é meu momento avançar do ponto de vista execumais sério, concentrado.” tivo também. A formalização da O saxofonista Adão Léo Silvei- unidade é importante para viabira, um dos músicos mais antigos lizar ações que acontecem antes da orquestra, elogia muito as ini- das apresentações”, argumenta. ciativas do “ótimo maestro”. Adão Afinal, não é mágica que transforveio de Uruguaiana para Caxias ma o orçamento repassado anualem 1972. Cunhado do cantor mente pela prefeitura em música. tradicionalista César Passarinho, É preciso ter um local para o entocou em diversos conjuntos de saio, impressão de partituras, plaestilo popular antes de se aventu- nejamento da agenda, divulgação rar no som erudito da Orquestra dos concertos, organizar ingresMunicipal de Sopros, em 1997. sos, entre inúmeras atividades. “Temos que permanecer sempre Ainda assim, o regente acredita estudando, pois os desafios são que está chegando o momento grandes. Tem que ser muito bom, de mais um avanço, algo que não músico de primeira linha para to- será fácil nem simples. Há um car aqui”, observa. Acostumado a bom tempo, as entradas para os estilos musicais mais populares e espetáculos se esgotam com antea executar as canções muitas ve- cedência cada vez maior, ou seja, zes sozinho, Adão sobram espectadoconta que é difícil res. “A orquestra é entrar em sintonia “Ela é como uma pública, portanto, com um conjunto de todos. Deveríatão grande. “É pre- mulher bonita, mos atender mais a atraente, sensível, ciso autocontrole, plateia. Está na hora atenção no maestro, profunda e de darmos um passo manter o ritmo e a inteligente. Uma à frente e aumentarconcentração, para companheira, mos a programação. não ouvir o que os Mas isso também outros estão tocan- como a mulher tem reflexos finando e se distrair”, amada”, diz o ceiros”, pondera. ensina. Apesar de maestro Salvagni Salvagni convive estar no elenco há com orquestras 14 anos, o concerto desde os 13 anos que mais emocionou Adão foi, e, a julgar por sua paixão pelo justamente, sob o comando de grupo, a Orquestra de Sopros de Salvagni: a apresentação de Natal Caxias do Sul está em boas mãos. realizada no Parque dos Maca- “Ela é como uma mulher bonita, quinhos, junto com a Orquestra atraente, sensível, profunda e inSinfônica da UCS. “Fui solista”, teligente. Um complemento na orgulha-se. vida, porque somos naturalmente incompletos. Uma companheira, Gilberto Salvagni também como a mulher amada”. 2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

17


Matheus

dos Santos Abreu

Acostumado com as dificuldades de locomoção desde os seis meses, quando teve a perna esquerda amputada por causa de um tumor no joelho, Sebastião estranhou ao sentar pela primeira vez em uma cadeira de rodas, há 10 anos, na sua primeira partida de basquete. O constrangimento durou pouco e estimulou o talento de Tião (como é mais conhecido) para outros esportes. Há dois anos, os braços fortalecidos pelos treinos com a cadeira, que ele usa somente para a prática esportiva, deram a Tião a prata no Campeonato Mundial de Canoagem, no Canadá. Atualmente, o atleta se dedica ao basquete no Centro Integrado do Portador de Deficiência Física de Caxias do Sul (Cidef). Por enquanto, a canoagem não tem espaço entre os treinos de basquete e o trabalho como auxiliar geral em uma metalúrgica. Tião também participa de todas as provas de corrida promovidas na cidade e coleciona medalhas. "Fico sempre em segundo lugar porque tem um guri mais novo que chega antes", justifica Tião.

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

por LUIZ ANTENOR RIZZON

Especialista em enologia e frequente membro da banca de avaliadores do Concurso dos Melhores Vinhos de Caxias, Rizzon defende a identidade enológica da região como desafio para o nosso mercado. Abaixo segue uma lista de vinhos pela ordem dos que mais se adaptam ao inverno, embora Rizzon defenda o consumo da bebida em qualquer estação. "Um dos maiores prazeres da vida é a comida. Na mesa, um vinho realça os sabores, para que a gente deguste também o prato."

Matheus tem 15 anos, duas medalhas e imensurável dedicação aos números. Filho da dona de casa Sueli Dalan e do contador José Lauvir Boeira, Matheus recebeu medalha de ouro na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas 2010, do qual já tinha levado a prata em 2008. A conquista do estudante do 1° ano da escola estadual João Triches não veio sem esforço. Em 2008 e 2009 já tinha conquistado a prata. A prova regional que deu o título a Matheus – "seis questões, divididas em três subquestões, cálculo, questões discursivas e de lógica" foi em outubro do ano passado. Na última semana, ele foi ao Rio de Janeiro receber o prêmio, entregue pela presidente Dilma Roussef. "Acho que sempre ajuda a conquista de medalhas. É um bônus. Vou descobrir agora as portas que vão se abrir", diz. Matheus já decidiu – e contou à Dilma – que vai cursar Engenharia da Computação.

Sebastião

18

Inverno | Vinhos

Dalan Boeira

Maurício Concatto/O Caxiense

Maurício Concatto/O Caxiense

por Marcelo Aramis | Colaborou: José Eduardo Coutelle

Vinhos de guarda | A categoria dos vinhos mais maduros ainda é um desafio para a região, no entanto, eles são "o charme" e o produto de luxo de qualquer cantina. Cabernet Sauvignon, cabernet franc, tannat e merlot são os varietais mais encontrados nas prateleiras caxienses. A cor vai do vermelho púrpura ao rubi e o aroma é mais complexo: fumo, temperos, cravo, café, cacau e frutas secas. Acompanha pratos mais pesados ou gordurosos, carnes vermelhas e molhos apimentados. Cabernet Sauvignon | O vinho vermelhopúrpura e de aroma que lembra pimentão (suave) é encorpado e perfeito para acompanhar carnes e massas de molho vermelho. Merlot | Um dos vinhos mais característicos da região, o Merlot deve ser vermelho violáceo (intensidade média) e aroma que lembra flores e frutas vermelhas. Também acompanha carnes, massas e grelhados. Chardonnay | O menos aromático da lista, com aromas florais e frutados e cor amarelopalha, acompanha peixes e frango e pode ser consumido como aperitivo. Moscato Giallo | Com frescor e aroma nítido de flores brancas, o Giallo é mais pedido no verão. Característico da aptidão enológica da região, é aperitivo para os outros da lista.

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


ONDE CAXIAS CRESCE,

SE RENOVA E ENVELHECE Levantamento do IBGE mostra quais os bairros mais populosos da cidade e o perfil de seus moradores

Maurício Concatto/O Caxiense

Números caxienses

Suely (ao lado do marido, Italino) morou a vida toda em Galópolis, bairro que concentra a maior taxa de idosos

N

por CAROL DE BARBA caroldebarba@ocaxiense.com.br e ROBIN SITENESKI robin.siteneski@ocaxiense.com.br

ão seria necessário dizer para Suely Mincato Sartor que ela mora na localidade com o maior número de idosos de Caxias do Sul. Ela e as outras integrantes do clube de convivência encontraram em Galópolis, a 10 quilômetros do Centro, um bom lugar para passar a aposentadoria. “Quando a mulherada reclama que é muito cedo, sempre digo que não é. Digo: ‘Lembram quando acordávamos às 4h para ir para a fábrica?’”, conta. Suely, 74 anos, trabalhou dos 15 até se aposentar no lanifício e fábrica de tecidos do lugar, hoje Cooperativa Têxtil Galópolis Ltda. Apenas um dos seis irmãos da dela ainda mora no bairro, mas não faltam argumentos a Suely para defender sua permanência no sopé da montanha para viver a terceira idade: um bom posto de saúde e a calmaria, embora já não seja a mesma de 70 anos atrás. “Tem mais barulho, mas também tem mais coisa. Antes tinha que ir para Caxias de manhã e voltar à noite.” Na sexta-feira (1°), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou novos números, mais detalhados, do Censo 2010. O levantamento, que

já havia confirmado a população da cidade em 435.564 habitantes (213.612 homens e 221.952 mulheres), desta vez mostrou a população de cada bairro em faixas etárias. Galópolis lidera o ranking em número de idosos: tem 17,5% da população com 65 anos ou mais. Para a socióloga Vania Herédia, o perfil da população idosa de Caxias do Sul também é uma consequência do movimento migratório de trabalhadores de outros locais para a região. “Estudo a hipótese de que as cidades médias com atividades econômicas industriais hoje tendem a crescer mais do que as regiões metropolitanas. Além de Caxias, Joinville é exemplo disso”, analisa. Os pais dos migrantes, que antes ficavam no interior, agora estão partindo para a casa dos filhos em busca de 1melhores condições de vida e, principalmente, serviços de saúde. “A sociedade ignora essa questão, quando já deveria estar tomando providências. Esses números podem servir para identificar quais unidades básicas de saúde devem ter um maior atendimento a idosos”, aponta. Coordenadora de uma pesquisa na Universidade de Caxias do Sul sobre as migrações na cidade, Vania aponta que os dados relativos aos últimos 60 anos, coletados

www.ocaxiense.com.br

por ela, combinam com os números divulgados agora pelo IBGE. Desde 1960, a população de Caxias crescia a uma média de 4% ao ano. Na última década, porém, essa taxa chegou a 20%. “Com certeza, isso não é apenas natalidade. É fruto das migrações”, afirma. Por meio de informações do Sistema Nacional de Emprego (Sine) e da Relação Anual de Informações Sociais (Rais-Migra), ela identifica onde passam e se estabelecem os migrantes. Conforme Vania, bairros localizados nas entradas e saídas da cidade, além do Centro, são os que mais recebem essa população. “O Desvio Rizzo, o Serrano e o Rio Branco recebem muitas migrações recentes. Mas o Centro entra aí, pois tem pensões baratas”, explica. A socióloga também destaca o Fátima, especialmente como local escolhido para fixar residência definitiva. Até o final do ano, a pesquisadora deverá contar com ainda mais informação. O IBGE promete divulgar dados do Censo 2010 sobre renda e saneamento, por exemplo. De acordo com os números disponíveis, na contramão dos moradores de Galópolis, Centro (10,2%), São Pelegrino (10,3%) e Petrópolis (12,2%) são os bairros com o maior número de crianças e adolescentes entre 0 e 14 anos na cidade.

Dados do Censo

Bairro | População | Idosos (%)*

Galópolis | 2.377 | 17,5 São Peregrino | 7.907 | 15,4 Centro | 13.824 | 14,4 Rio Branco | 14.257 | 12,8 Pio X | 8.636 | 12,6 Exposição | 6.315 | 12,5 Medianeira | 2.947 | 12,1 São Leopoldo | 5.659 | 11,7 Samuara | 251 | 11,6 Panazzolo | 6.929 | 11,2 Pedancino | 414 | 11,1 Petrópolis | 3.486 | 10,7 Cristo Redentor | 6.210 | 10,6 Cinquentenário | 4.710 | 10,4 Lourdes | 8.045 | 10,4 Madureira | 47.16 | 10,0 Maestra | 262 | 9,9 Monte Bérico | 573 | 9,4 Universitário | 3.406 | 9,4 Sagrada Família | 5.261 | 9,1 Floresta | 1.876 | 9,1 São José | 5.672 | 8,9 Bela Vista | 9.237 | 8,3 Cruzeiro | 12.575 | 8,1 Jardim América | 6.732 | 8,0 Linha 40 | 860 | 7,9 Marechal Floriano | 9.611 | 7,6 Pioneiro | 5.586 | 7,4 Jardelino Ramos | 3.843 | 7,3 Kayser | 7.593 | 7,2 Forqueta | 3.704 | 7,2 Ana Rech | 6.370 | 7,1 São Virgílio | 2.751 | 7,1 Salgado Filho | 5.937 | 6,6 Santa Catarina | 19.820 | 6,6 Presidente Vargas | 3.432 | 6,5 São Luiz | 2.444 | 6,5 São Ciro | 6.704 | 6,0 Jardim das Hortências | 1.820 | 5,2 Desvio Rizzo | 13429 | 5,2 De Lazzer | 519 | 5,0 Fátima | 13.759 | 4,8 Planalto | 13.587 | 4,8 Diamantino | 7.550 | 4,6 Brandalise | 1.482 | 4,5 Jardim Eldorado | 3.979 | 4,4 Interlagos | 3.493 | 4,4 Nsa. Sra. da Saúde | 4.026 | 4,0 São Caetano | 6.062 | 4,0 Serrano | 11.826 | 3,9 Esplanada | 18.652 | 3,9 São Cristóvão | 6.357 | 3,9 Parada Cristal | 1.610 | 3,6 Centenário | 4.241 | 3,6 Santa Corona | 3.369 | 3,4 Santa Fé | 20.019 | 3,3 Charqueadas | 13.333 | 3,2 Nsa. Sra. Graças | 10361 | 3,2 São Giácomo | 1.713 | 3,1 São Victor | 7.368 | 3,0 Santo Antônio | 5.888 | 3,0 Sanvitto | 2.418 | 2,9 Por do Sol | 2.386 | 2,8 Cidade Nova | 10.706 | 2,4 Nsa. Sra. do Rosário | 5.341 | 2,0 Outras localidades |19.338 | 11,4 * Fonte: Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

19


20

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


Dupla por FABIANO PROVIN | fabiano.provin@ocaxiense.com.br Rodrigo Fatturi, Div./O Caxiense

Desabafo

André T. Susin/O Caxiense

O técnico Picoli, depois do amistoso contra o Brasil-Pe, em meio às avaliações do jogo, fez um desabafo, sentado ao lado do presidente Milton Scola. “Alguns torcedores acham que somos o Barcelona. Nunca fomos. Internamente, parece que ainda não nos preparamos para sair de onde estamos, pois temos predisposição para ficar depreciando algumas coisas. Isso está acontecendo a alguns dias aqui. Tá difícil de entender. Está incomodando. Está parecendo que o poder aquisitivo interno me permite trazer jogadores galáticos. Isso tem limite, tem muito limite”, disse Picoli, bastante agitado. No dia seguinte, o treinador amenizou e explicou que a pressão interna a que se referiu é a que existe dentro do vestiário.

98 anos

O Juventude completou 98 anos na quarta-feira, dia 29 de junho. Fundado em 1913, o alviverde celebrou a data com um jantar festivo nos pavilhões da Festa da Uva.

Ora, pois

Volante de origem, Jander pode deixar o Estádio Alfredo Jaconi. A direção fala em futebol europeu, mas é provável que o atleta passe a apreciar iguarias como o pastel de Belém. Oriundo da base alviverde o jogador, que atua como meia e improvisado na lateral esquerda, passou por uma cirurgia no joelho esquerdo em setembro do ano passado. A intervenção foi necessária após ele sofrer uma lesão no início da preparação para a disputa da Série C (junho de 2010), num amistoso contra o Flamengo de São Valentin, em Bento Gonçalves, no dia 12 de junho – o técnico era Osmar Loss, para quem não lembra.

Complicou

Os juniores do Caxias foram goleados por 3 x 0 no Centenário no dia 29, no jogo de ida válido pela decisão do Estadual Sub-20. O jogo da volta será sábado (2), na Capital. O time grená do técnico Felipe Endres precisará fazer 3 x 0 para levar a decisão para os pênaltis. O colorado pode até perder por 2 x 0 que fica com a taça.

Livro

CONTAGEM REGRESSIVA Caxias e Juventude estreiam nas série C e D, respectivamente, no dia 17 de julho. Ou seja, partir deste sábado, faltam apenas duas semanas para que os torcedores voltem às arquibancadas para apoiar a dupla CA-JU. Confesso que estava com saudade de ir até as cabines de imprensa. No dia 28 estive no Estádio Alfredo Jaconi para conferir o primeiro amistoso do verdão visando a quarta divisão. Concordo com o técnico Picoli: o teste foi bom. Mas o Ju precisa melhorar. O alviverde venceu o Brasil de Pelotas, treinado por Beto Almeida, por 2 x 1. O importante é que o ataque voltou a marcar: os gols da vitória foram anotados por Zulú e Júlio Madureira, ambos de cabeça. “Encontramos dificuldades no primeiro tempo porque o Beto usou a estratégia do 4-3-2-1, deixando o Marcos Denner mais na frente, compondo bem seu time. E isso nos ofereceu dificuldades. Talvez no jogo da estreia da Série D encontraremos dificuldades semelhantes”, projetou Picoli. O treinador confessou estar satisfeito com o futebol apresentado na fria noite de terça-feira e que o Ju entra agora na fase do acabamento. “Temos condição de melhorar. Falei para eles no vestiário: foi bom, mas não o suficien-

www.ocaxiense.com.br

te”, resumiu o técnico. O Juventude jogou com Jonatas; Celsinho, Rafael Pereira, Fred e Alex Telles; Umberto, Jardel, Léo Maringá e Cristiano; Júlio Madureira e Zulú. Depois entraram Martínez, Rodrigo Crasso, Bruno Salvador e Rafael Aidar. O segundo amistoso papo será disputado neste sábado, às 15h, contra a Chapecoense-SC, no Jaconi.

No Caxias, o primeiro amistoso também será neste sábado, às 15h, contra o Cruzeiro, no Estádio Passo D’Areia, em Porto Alegre. Antes disso, o técnico Guilherme Macuglia teve o segundo jogo-treino contra o Grêmio, na quinta-feira (30), no Estádio Olímpico, em meio à despedida do treinador Renato Portaluppi. A partida, que teve dois tempos de 35 minutos, terminou como a primeira, no início do mês: sem gols. O time grená atuou com Walter; Felipe Gonçalves, Fábio Santos, Vinícius e Gerley; Márcio Hahn, Itaqui, Thomaz e Nenê; Marinho e Lima. No quarto teste do Caxias, também jogaram Totonho, Édson Rocha, Saulo, Marcelinho, Pedro Henrique e Paulo Rangel. A tendência é de manutenção da equipe titular contra o Cruzeiro, que será adversário novamente no dia 9, desta vez no Centenário.

O pesquisador carioca Gustavo Côrtes lançará no dia 28 de julho o livro Almanaque do Juventude – Período de Glórias. A obra conta a trajetória alviverde entre 1993 e 2000, período em que o clube foi patrocinado pela Parmalat e conquistou os principais títulos – Série B (1994), Gauchão (1998) e Copa do Brasil (1999). O livro traz as fichas técnicas de todos os jogos do períodos (mais de 400), placares das maiores goleadas aplicadas e sofridas, jogos internacionais (oficiais ou amistosos), os títulos, a ficha de técnicos e jogadores (mais de 170 jogadores), fotos e depoimentos exclusivos de ídolos do Ju e de personalidades do futebol caxiense.

Recapitulando

O Caxias já fez quatro jogostreino em preparação à disputa da Série C – 11 x 2 no Sindicato dos Atletas Profissionais, 5 x 1 no Serrano de Canela e dois empates em 0 x 0 com o Grêmio. Tem pela frente mais dois amistosos. A estreia na terceira divisão será contra a Chapecoense-SC às 15h do dia 17 de julho, no Estádio Centenário. O Ju fez três jogos-treino (6 x 0 no Serrano, 0 x 0 com o Grêmio e 4 x 1 no Sindicato dos Atletas) e um amistoso (2 x 1 no Brasil-Pe). Fará mais três amistosos (dois contra a Chapecoense-SC e outro contra os pelotenses). A estreia na Série D está agendada para as 17h de 17 de julho contra o BrusqueSC, no Estádio Alfredo Jaconi.

Festa da Uva

O presidente do Caxias, Osvaldo Voges, anunciou no dia 28 que os uniformes grenás estamparão a marca da Festa da Uva 2012 até o final deste ano. A cedência ocorreu de forma gratuita para a parte traseira das camisas e dos calções a serem vestidos pelos atletas na Série C e na Copinha. 2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

21


Guia de Esportes

por Valquíria Vita | valquiria.vita@ocaxiense.com.br

CORRIDA Recomenda l Rústica Rural | Sábado, a partir das 14h | A largada e a chegada ocorrem em frente à Escola Municipal Erny de Zorzi, de Vila Oliva. Em 2010, a rústica – disputada em 6,7 mil metros – e as provas de minirrústica – de 3,3 mil metros – reuniram 230 atletas em Ana Rech. Escola Municipal Erny de Zorzi Av. Gavioli, s/nº, Vila Oliva

FUTEBOL l Campeonato Municipal de Futebol | Sábado e domingo, a partir das 13h15 | O Campeonato Municipal de Futebol se aproxima do final da 30ª edição e promete muita comemoração após um fim de semana sem partidas em razão da chuva. Só em 20 e 21 de junho, os jogadores marcaram uma média de 5,7 gols por jogo na Série Ouro. Entre os destaques deste fim de

22

O Caxiense

2 a 8 de julho de 2011

semana, o líder Guarani enfrenta o Londrina no domingo. Na Série Prata, também há a expectativa de goleadas. O União Reolon, que está no topo da tabela, joga contra o Diamante Negro no Enxutão no sábado. Confira os jogos do fim de semana: SÉRIE OURO | Sábado, 15h15: Século XX x Az de Ouro (Municipal 1) | Águia Negra x União de Zorzi (Municipal 2). Domingo, 13h15: União Industrial x Hawaí (Sagrada Família) | Vindima x Kayser (Enxutão) | 14h: Fonte Nova x XV de Novembro (Municipal) | 15h15: Esperança x Goiás (Enxutão) | Londrina x Guarani (Sagrada Família) SÉRIE PRATA | Sábado, 13h15: Uruguai x Ouro Verde (Enxutão) | Reolon Unidos da Esperança x Linha 13 (Municipal 1) | Fiorentina x São Victor Cohab (Municipal 2) | Vera Cruz x Santa Cruz (Sagrada Família) | 15h15: Diamante Negro x União Reolon (Enxutão) | Bom Pastor x Sagrada Família (Sagrada Família). Entrada gratuita.

Recomenda l Juventude X Chapecoense | Sábado, às 15h | Depois de vencer o Brasil de Pelotas por 2 a 1, o Juventude enfrenta a Chapecoense em casa, em mais um amistoso antes da Série D, que começa neste mês. No calendário, há ainda outra disputa contra o time catarinense e mais uma contra a equipe pelotense. Estádio Alfredo Jaconi Entrada R$ 20. Estudante e idosos pagam R$ 10 | Rua Hércules Galló, 1.547 l Juventude X Aimoré (Sub17) | Quarta (6), às 15h | Pela Copa Federação Gaúcha de Futebol, os garotos sub-17 do Juventude têm um segundo desafio contra o Aimoré nesta quarta-feira – desta vez, em casa, no Centro de Formação de Atletas e Cidadãos. A primeira disputa ocorre neste sábado, em São Leopoldo. Centro de Formação de Atletas e Cidadãos (CFAC) Entrada gratuita | Atílio Andreazza, Parque Oásis

TÊNIS Recomenda l Circuito S.C.A. de Tênis Gaúcho | Sexta (8), sábado (9) e domingo (10) | O Circuito S.C.A. de Tênis Gaúcho – Copa San Pelegrino reunirá atletas em sete categorias no masculino e seis categorias no feminino para disputas em quadras de saibro. As inscrições estão abertas até o dia 4, pela página da entidade na internet (www.fgtenis.com. br). Uma das atrações paralelas será o Tênis do Shopping. Organizada pela Quadra Eventos, a promoção ocorrerá no San Pelegrino Shopping nos mesmos dias do torneio e será coordenada pela treinadora caxiense Sabrina Giusto, integrante do Departamento de Capacitação da Confederação Brasileira de Tênis (CBT) no Rio Grande do Sul. O público – especialmente infantil – encontrará uma miniquadra e bolas mais leves para praticar o esporte. Recreio da Juventude Rua Atílio Andreazza, 3.525

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


Renato Henrichs Crisofer Giacomet, prefeitura/O Caxiense

Novos rumos

O presidente da CIC, Milton Corlatti, vai deixar o PMDB, partido ao qual muitos peemedebistas sequer sabiam que ele estava filiado. Assediado por diversas siglas que integram a coligação Caxias para todos, Corlatti optou pelo DEM. Na quinta-feira, o presidente municipal do Democratas, Odir Ferronato, foi à Câmara para que a vereadora Geni Peteffi assinasse a desfiliação de Corlatti. A presidente peemedebista negou-se a fazê-lo por um bom motivo: “Só faço esse tipo de coisa na sede do partido. A Câmara não é a sede do partido.”

Apenas Diocese

Dioceses de Passo Fundo, Pelotas e Santa Maria foram alçadas à condição de arquidioceses, o que lhes dará maior autonomia nas decisões hierárquicas da Igreja católica no Rio Grande do Sul. Segundo fontes da Igreja, Caxias só não foi contemplada com a mesma decisão do Papa Bento XVI pela sua proximidade com a capital do Estado.

Festa de escolha

Apresentações que serão realizadas na escolha da rainha da Festa da Uva são bastante modestas – em que pese a qualidade dos contratados. Até dá para entender a intenção: poupar recursos para a programação do evento e, principalmente, concentrar as atenções para a escolha da nova soberana. Mas o nível de exigência a que os caxienses foram acostumados pela atual Comissão Comunitária nos eventos préfesta permitiria esperar algo maior.

Ao futuro

Todos os que receberam as “Diretrizes Estratégicas para o Desenvolvimento”, resultado parcial das discussões do Fórum Caxias 2030, estão sendo convidados a ajudar na elaboração do texto final. Coordenadores destacam a importância dessa etapa, em que os objetivos serão revisados e definidos.

Novos tempos

O senador Paulo Paim (PT) estará na cidade no próximo dia 27 para um encontro com dirigentes sindicais. Ao contrário do que se poderia supor, o político caxiense falará na CIC para representantes de sindicatos patronais, embora o evento esteja aberto a todos os interessados.

Maurício Concatto/O Caxiense

renato.henrichs@ocaxiense.com.br

Turismo português

Nove agentes de viagens portugueses estiveram em Bento Gonçalves e em Gramado, no início da última semana, a convite de uma agência de turismo gaúcha que se dedica no momento a organizar pacotes para turistas vindos de Portugal, uma iniciativa prática e viável para atrair mais visitantes A agência quer aproveitar as facilidades criadas a partir do novo voo direto entre Porto Alegre e Lisboa pela TAP. Caxias? Por enquanto, está fora do futuro roteiro.

Amparo legal

Briga política

no Marrecas O diretor-presidente do Samae, Marcus Vinicius Caberlon (foto à esquerda), não revidou as acusações feitas na Câmara pelo vereador Rodrigo Beltrão (à direita). Diante da resposta dada pela prefeitura a um pedido de informações aprovado no Legislativo, o líder da bancada petista afirmou esta semana que a diferença de valores com que se defronta hoje o orçamento do Sistema Marrecas é “falta de planejamento e incompetência do gestor público”. Com o respaldo dos demais oposicionistas, Beltrão quer uma explicação para a diferença sobre a previsão inicial de custos da obra – orçada em R$ 130 milhões, está hoje em R$ 190 milhões. Ao ser procurado para dar a sua versão a respeito, Caberlon disse que não pretende entrar numa briga que considera ser originária de “questões políticas”. A posição de Caberlon pode se revelar um equívoco. Reconhecido como bom gestor (e o troféu Italo Victor Bersani que a CIC entrega ao Samae nesta segunda-feira não é

por acaso), ele não teria dificuldade para justificar a necessidade de modificação do orçamento inicialmente previsto para a construção do Sistema Marrecas. Em seis anos, os projetos foram alterados e, nesse período, entre tantos outros efeitos da inflação, só o cimento triplicou de valor. Esses dados são de quem acompanha a obra bem de perto. A mesma fonte acredita que o Sistema Marrecas terá um custo final de quase R$ 220 milhões – 70% além da previsão inicial. As discussões sobre o tema na Câmara surgiram após o recebimento da resposta da prefeitura ao pedido de informações sobre o Sistema Marrecas, encaminhado pelos vereadores Guiovane Maria (PT) e Renato Oliveira (PC do B). Na resposta, o Executivo confirmou aumento, até agora, de R$ 60 milhões no orçamento inicial da obra. Oficialmente, o aumento do custo se baseia nessas alterações na concepção do trabalho e na correção monetária desde setembro de 2005, quando foi iniciado.

“São ideias fincadas na realidade, mas que flertam com os rumos para esse Brasil potência que todos almejamos” Ex-governador Germano Rigotto (PMDB), sobre o livro Para além do berço esplêndido, que lançará terça-feira (5), na Casa da Cultura.

www.ocaxiense.com.br

Ao descontar do salário dias não trabalhados de médicos que aderiram à greve dos profissionais da rede pública municipal, o governo municipal demonstra que não está assim tão indiferente ao movimento, como muitas vezes parece. Criticada na Câmara por representantes da oposição, a decisão foi tomada por integrantes de comissão formada pela Procuradoria-Geral do Município, Secretaria da Saúde e Secretaria de Recursos Humanos e Logística, por sua vez amparada em parecer da Procuradoria.

Prestação de contas

Para um deputado de primeiro mandato, o ex-vice-prefeito Alceu Barbosa Velho (PDT) obteve notórias conquistas nos seus cinco primeiros meses de Assembleia Legislativa. Vai comprovar isso na prestação de contas que realizará nesta segunda-feira (4), no plenário da Câmara de Vereadores. Alceu quer aproveitar a oportunidade também para ouvir eleitores a respeito do seu mandato parlamentar. Além, é claro, de tirar uma temperatura a respeito de suas pretensões de se lançar candidato a prefeito no ano que vem.

Fraude por fraude

Uma força-tarefa resultou no afastamento de 13 funcionários do pedágio comunitário de Portão. Além disso, o Ministério Público Estadual denunciou 26 pessoas por crime de peculato e formação de quadrilha e bloqueou os bens da empresa Gussin, responsável pela cobrança naquela praça. O MP poderia investigar agora outra possibilidade de fraude: o desvio das verbas arrecadadas no pedágio (que deveriam ser aplicados em obras na RS-122) para o caixa único do Estado. 2 a 8 de julho de 2011

O Caxiense

23


Edição 83  

Para a oposição, a obra mais cara da história de Caxias parece custar demais (cerca de R$ 200 milhões) e precisa passar por maior fiscalizaç...

Advertisement