Issuu on Google+

Janeiro | 2011

|S15 |D16 |S17 |T18 |Q19 |Q20 |S21

Os bastidores de um dos programas de televisão mais assistidos do país, contados por caxienses que participaram ou que quase entraram nele

59 Ano ii

Renato

Henrichs Frizzo é o mais cotado na reforma do secretariado municipal

Os planos dos secretários caxienses no Estado

BIG BROTHER BRASIL: Roberto

Hunoff Construção civil segue em alta, agravando a falta de mão de obra

O fôlego que o Fundel dá ao

esporte caxiense Dupla

CA-JU

Marcio Sheeny, Divulgação/O Caxiense

A preparação dos times e de seus líderes em campo para o Gauchão

R$ 2,50


Índice Roberto Hunoff | 4 Construção civil deve manter o ritmo em 2011 O Caxiense entrevista | 5 Kalil Sehbe antecipa ações do Estado para a Copa 2014

Fotos: André T. Susin/O Caxiense

A Semana | 3 As notícias que foram destaque no site

www.OCAXIENSE.com.br Muito bacana a entrevista que a Carol De Barba fez com Oskar Metsavaht para O Caxiense. Amo a Osklen, adoro a filosofia do Oskar...leiam! Janete Kriger

O Caxiense entrevista | 7 Abgail Pereira analisa o potencial turístico das regiões Esporte | 9 Depois de recordes de orçamento e inscritos, o Fundel tem um novo desafio Televisão | 12 Caxienses contam como é entrar (ou quase entrar) e sair do amado, odiado e onipresente Big Brother Brasil Artes | 15 A simetria das linhas de concreto e a dor do sentimento abstrato Guia de Cultura | 16 Longa temporada de cursos de teatro e História sem Fim em sessão única no cinema Boa Gente | 18 Três artistas – das artes visuais, da música e do futebol – e os melhores lugares para tomar chimarrão Dupla CA-JU | 19 Como Caxias e Juventude se prepararam para o Gauchão Juventude | 20 Umberto, o capitão que não quer mais chorar Caxias | 21 Itaqui, um jovem líder no Centenário Guia de Esportes | 22 Futebol aqui e muitas atividades no litoral Renato Henrichs | 23 Nomes fortes para a reforma do secretariado

Expediente

Redação: André Tiago Susin, Camila Cardoso Boff, Carol De Barba, Fabiano Provin, Felipe Boff (editor), José Eduardo Coutelle, Luciana Lain, Marcelo Aramis (editor assistente), Paula Sperb (editora), Renato Henrichs, Roberto Hunoff, Robin Siteneski e Valquíria Vita Comercial: Pita Loss Circulação/Assinaturas: Tatyany Rodrigues de Oliveira Administrativo: Luiz Antônio Boff Impressão: Correio do Povo Distribuição: Dinâmica Assessoria de Distribuição

Assine

Para assinar, acesse www.ocaxiense.com.br/assinaturas, ligue 3027-5538 (de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h30 às 18h) ou mande um e-mail para assine@ocaxiense.com.br. Trimestral: R$ 30 | Semestral: R$ 60 | Anual: 2x de R$ 60 ou 1x de R$ 120

Jornal O Caxiense Ltda. Rua Os 18 do Forte, 422, sala 1 | Lourdes | Caxias do Sul | 95020-471 Fone 3027-5538 | E-mail ocaxiense@ocaxiense.com.br www.ocaxiense.com.br

2

O Caxiense

15 a 21 de janeiro de 2011

@jornalisi Belíssima capa! Não importa se vocês usam foto ou design gráfico porque sempre surpreendem. #edição58 @patiifagundes @ocaxiense Ainda bem que a Queops apareceu nesse top 5, o atendimento lá é o melhor! Além de todo o resto, é claro! #edição58 @AnnaElisaM Adoro as notícias top 5 que o @ocaxiense posta! Essas últimas, então, é de dar água na boca! Parabéns! E continuem nos informando os melhores #edição58 @CianaMoraes Acabo de renovar minha assinatura no @ocaxiense, boa leitura garantida por mais tempo!!!! #assinaturas

Oskar Metsavaht | Viva O Caxiense... instigando o debate e leitura sobre nossos temas. Cada vez gostando mais, leitura recomendadíssima. Cláudio Abreu O dono da empresa Osklen, grande marca de grife que faz sucesso internacional, revela a falta de oportunidade que ele teve em Caxias do Sul, sua terra natal que dá pouco valor cultural e profissional. Minha opinião é a mesma em relação ao turismo. Será que não é um dos motivos para termos apenas 30% de caxienses natos? Jacson Papi

No Site

Fardamento do Ju | Ficou show de bola o novo fardamento do Juventude! Que em 2011 a papada volte a sorrir! Leonardo Portella Oskar Metsavaht | A forma como reclama da cidade, por nunca ter sido reconhecido nem ele nem seus familiares, é lamentável. Uma pessoa que se diz admirador do budismo e inclusive esteve com Dalai Lama, é estranho. Sr. Oskar não quero ser grosseira nem indelicada, mas qual é o preço dos trabalhos prestados voluntariamente… exigir reconhecimento a vida inteira… Toty Castilhos Adamoli no governo | Adamoli é uma das figuras mais sérias e competentes que existem na política gaúcha. Seu trabalho junto ao Beto Grill data de mais de 20 anos de luta. É a garantia de um homem sério e competente no governo do Estado. Peterson Danda

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


A Semana

André T. Susin/O Caxiense

Codeca, Div./O Caxiense

Diego Netto, Div./O Caxiense

editada por Felipe Boff | felipe.boff@ocaxiense.com.br

Daneluz quer reavaliar a Consulta Popular; cancha coberta vai sediar o 23º Rodeio Crioulo; prefeitura quer reduzir calçada na Av. Rio Branco

SEGUNDA | 10.jan Caxias do Sul responde questionário da Fifa

menagem ao músico falecido em 1998, célebre por sua interpretação de Guri e Negro da Gaita.

Diretor deixa a Secretaria Municipal de Segurança

Álvaro Moreira não é mais o diretor geral da Secretaria de Segurança de Caxias do Sul. Pediu exoneração do cargo, segundo seu chefe imediato, o secretário Roberto Louzada. Moreira foi econômico nas palavras ao explicar a razão de sua saída: “Cumpri a minha missão ali. É uma questão administrativa. Exercia uma função de confiança e essa rotatividade é normal do cargo”. Louzada diz que SEXTA | 14.jan um substituto deve ser escolhido Prefeitura quer reduzir até o final de janeiro.

A cidade enviou para a Fifa o conjunto de respostas às 151 ques- QUARTA | 12.jan tões referentes à sua candidatura a campo base da Copa 2014. As Consulta Popular da perguntas dividiam-se em qua- Câmara será reavaliada tro áreas específicas – Centros de O novo presidente do LegislaTreinamento, Agricultura e Meio tivo caxiense, Marcos Daneluz Ambiente, Saúde e Hotéis –, e fo- (PT), adiantou que pretende reram respondidas por autoridades discutir com os colegas a Cone representantes de entidades. O sulta Popular online, lançada por secretário de Esporte e Lazer, Fe- seu antecessor, Harty Moisés Paelipe Gremelmaier, que reuniu o se (PDT), no final de 2010. “Não material, não tem informação de queremos que ela se torne um quantas cidades preencheram os condicionamento aos vereadores. mesmos formulários. O que sabe Não é minha vontade encerrá-la, QUINTA | 13.jan é que Bento Gonçalves está na mas se entenderem que ela não disputa. deve mais vigorar, isso vai aconte- Prefeito convida parte da cer”. Daneluz teme que a Consul- imprensa para ver o Marrecas ta, que apura pela internet a opiO prefeito José Ivo Sartori TERÇA | 11.jan nião de eleitores sobre questões (PMDB) convidou autoridades e pré-determinadas – a primeira, parte da imprensa local para co23º Rodeio Crioulo que continua no site, é sobre a nhecerem de perto o andamento começa no dia 21 Lei Antifumo –, obrigue os par- das obras do Sistema Marrecas em A organização do 23º Rodeio lamentares a votar para a torcida, uma visita guiada. O jornal O CaCrioulo Nacional de Caxias do digamos assim, e não de acordo xiense não foi convidado. Sul anunciou as atrações do even- com suas ideias. A intenção de to, que ocorrerá de 21 a 30 de ja- rever o modelo da ferramenta foi neiro nos Pavilhões da Festa da revelada por Daneluz durante sua Novos médicos serão Uva. Shana Müller, Walther Mo- visita ao jornal O Caxiense – que efetivados ainda este ano raes, João Luis Corrêa, Luiz Ma- integrou um democrático roteiAs 20 vagas para médico da rede renco, Gildo de Freitas e a dupla ro pela imprensa local –, quando municipal, a serem disputadas no Cesar Oliveira e Rogério Melo também apresentou a nova Mesa concurso do dia 13 de fevereiro são alguns dos shows programa- Diretora e divulgou a campanha (com inscrições encerradas), tedos. Outro destaque é a final do Pense consciente – entre nessa com rão os candidatos aprovados efeFestival César Passarinho, em ho- a Câmara. tivados ainda este ano, segundo o

www.ocaxiense.com.br

secretário de Recursos Humanos e Logística, Edson Mano. Será um grande reforço. Ainda mais se parte da categoria, obrigada finalmente a cumprir suas quatro horas diárias de trabalho, realmente abandonar o sistema público, como promete o presidente do Sindicato dos Médicos, Marlonei Silveira do Santos. O salário para o cargo é de R$ 2.203,62.

calçada da Rio Branco

O diretor de Trânsito da Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade, Jorge Catusso, confirmou que a prefeitura ainda quer reduzir a calçada da Avenida Rio Branco, em função da abertura do San Pelegrino Shopping Mall. E para logo. Ultimamente, o projeto parecia esquecido. Mas Catusso confirmou que a avenida sentiu, sim, o impacto do novo empreendimento. “O shopping ainda não está completamente ocupado, mas a gente já percebe que os carros trancam o cruzamento”, justifica. A área de estacionamento será eliminada e as calçadas perderão 75cm para dar lugar a uma terceira pista – isso se parte da comunidade, que já protestou contra a obra, conseguindo adiála, não se mobilizar novamente.

15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

3


Roberto Hunoff roberto.hunoff@ocaxiense.com.br

Formalização

A Secretaria do Urbanismo também concedeu 7.783 novos alvarás para a localização de empresas. O secretário Francisco Spiandorello explica que número expressivo representa legalização de organizações já existentes. Isto foi possível pelo trabalho de regularização fundiária de 5 milhões de m².

Confiança na

construção

Estudo da Fundação Getúlio Vargas, realizado em conjunto com o Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo, aponta que o setor continuará aquecido em 2011. A estimativa é que o PIB nacional da atividade avance 11%. Os aumentos do emprego formal, de investimento público e de crédito imobiliário foram os principais responsáveis pelo bom desempenho do setor em 2010. Em Caxias do Sul, por exemplo, o número de

A presidente do Sindicato da Indústria do Vinho do Rio Grande do Sul, Cristiane Passarin, assegurou que o setor confia na cassação pela Justiça da liminar concedida à Associação Brasileira de Exportadores e Importadores de Alimentos e Bebidas, autorizando seus associados a não cumprirem a colocação do selo fiscal nos vinhos e espumantes. Segundo a dirigente, o início de vigência da medida, em

15 a 21 de janeiro de 2011

Vestuário, o vilão

e de outras marcas, ampliou as vendas em 30% na mesma base de comparação. A diretora executiva Fabiana Maria Restelatto Tadiello destaca que a participação de mercado da Citroën na região de atuação da Eiffel superou a média nacional da marca.

Recondução

O empresário caxiense Valmor Peccini permanece na vicepresidência da Federação Gaúcha Convention & Visitors Bureau, juntamente com o empresário

A Novara, uma das marcas de móveis da Tecnitubo, recebeu o selo de certificação de conformidade à norma NBR 15786:2010 da Associação Brasileira de Normas Técnicas para móveis de tele-atendimento, call center e telemarketing. Com a conquista, a Tecnitubo, que lançou a marca Novara há apenas um ano, torna-se a terceira empresa brasileira a receber o selo. O Caxiense

1º de janeiro último, representa passo importante para o fortalecimento da produção nacional. Segundo ela, o selo ajudará a moralizar o mercado interno, inibindo a sonegação e contrabando e dará maior garantia ao consumidor de estar adquirindo um produto de qualidade assegurada. Lembra que o selo já é usado em outras bebidas de largo consumo, como cachaça, vodcas, uísques e conhaques.

Acima da média

A concessionária autorizada Eiffel Citroën fechou o exercício de 2010 com crescimento de 21% sobre o ano anterior, bem acima da expansão de 10,61% do mercado nacional. Já a Eiffel Multimarcas, que atua na comercialização de veículos seminovos Citroën

Normatização

4

novos projetos aprovados pela Secretaria Municipal do Urbanismo chegou a 1,045 milhão de m², alta de 17,5% sobre o consolidado no ano anterior. De acordo com o secretário Francisco Spiandorello, foram liberados para construção 1.604 projetos, sendo 1.284 para fins residenciais, 162 comerciais, 94 comerciais e residenciais, 42 industriais e 21 institucionais. A preocupação para este ano é a falta de mão de obra e de alguns insumos.

Fiscalização

Aperfeiçoamento

O Centro de Ensino Empresarial, conveniado da Fundação Getúlio Vargas, oferta, pela primeira vez, na Serra Gaúcha, o curso de PósMBA em Inteligência Empresarial para profissionais, líderes e gerentes que realizaram o MBA pela instituição e desejam obter vantagens competitivas no mercado. A Inteligência Empresarial está ligada à gestão organizacional e à redução da incerteza por meio da busca do conhecimento, principalmente externo à organização, para auxiliar na tomada de decisões. As inscrições estão abertas e podem ser realizadas na secretaria da instituição ou pelo site www.ceem.com.br.

Parceria

O Sindicato de Hoteis, Restaurantes, Bares e Similares de Caxias do Sul investiu na confecção de 2 mil cartazes para fixação nos estabelecimentos comerciais do setor visando à conscientização sobre a nova lei anfifumo. O trabalho foi realizado em conjunto com a Secretaria do Urbanismo, responsável pela fiscalização do cumprimento da lei. O presidente do sindicato, João Leidens, assegura que a nova lei está sendo cumprida na cidade e que seus associados estudam formas de adequar espaços, como permite a legislação, para fumantes. Reprodução/O Caxiense

As escolas particulares do Rio Grande do Sul aplicarão reajustes de 6% a 9% em suas mensalidades neste ano. A indicação é do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Estado, destacando que não há índice único para as escolas: cada uma estabelece o aumento com base nos cálculos dos seus custos. Dentre os que têm mais peso na composição das mensalidades aparecem pessoal, manutenção e investimentos em tecnologia. O reajuste é aplicado a partir de março. Uma das reivindicações do setor aos novos governantes é a adoção de medidas que criem condições de alunos de menor renda também frequentarem estabelecimentos particulares por meio da concessão de bolsas de estudo.

Ricardo Ritter, presidente da entidade. Peccini, presidente da Convention & Visitors Bureau de Caxias do Sul, integra a diretoria reeleita para o biênio 2011/2012. Marcelo Pauli, Div./O Caxiense

Aumento

O Índice de Preços ao Consumidor de Caxias do Sul fechou o ano passado em 6,89%, acima dos principais indicadores de inflação do país, como o IPC-IEPE, de Porto Alegre, e IPC-FIPE, de São Paulo. Em relação ao resultado de 2009, o índice caxiense de 2010 teve alta de 1,7 ponto percentual. De acordo com o Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais da Universidade de Caxias do Sul, responsável pelo estudo, o vestuário apresentou a maior majoração no ano, ficando perto de 13%. Já o grupo de despesas diversas foi o que causou o menor impacto: apenas 0,60%. Todos os setes grupos de consumo que integram o Índice de Preços ao Consumidor fecharam o ano passado com preços em alta. A alimentação, principal item na composição do indicador, teve reajuste de 3,49%. Já os itens da lista de consumo para saúde e higiene pessoal chegaram aos 8,99%, enquanto habitação apresentou alta de 6,54%. O grupo de educação, leitura e recreação atingiu o nível de 6,39% e o de transportes, 5,69%.

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


André T. Susin/O Caxiense

O Caxiense Entrevista

“Tudo é

Possível. É sÓ TER VOIA” Recém empossado Secretário de Esportes e Lazer, Kalil Sehbe (PDT) revela planos para a Copa do Mundo de 2014

A

por ROBIN SITENESKI robin.siteneski@ocaxiense.com.br

dos estádios, temos a Arena do Grêmio, o campo do Zequinha e o da PUC, que são campos de postar em resultados de partidas treinamento. Depois, temos os de futebol é arriscado, mas dizer centros de treinamento das seleque a Copa do Mundo de 2014 vai ções, com 29 cidades inscritas. dominar a atenção nos próximos anos é certo. Bom para Kalil Seh- Entre elas Caxias do Sul. be (PDT) que, mesmo não tendo Ela tem que elaborar uma carsido eleito deputado federal de- ta de encargos da Fifa, que é um pois de dois mandatos na Assem- manual. A primeira fase (envio bleia Legislativa, foi indicado pelo de documentação) todos os 29 partido para comandar a recém municípios já cumpriram. Agora criada Secretaria de Esportes e teremos mais uma visita do repreLazer e será o coordenador-geral sentante que cuida dos centros de do Comitê Gestor do evento no treinamento ao Estado. Estado. Na última segunda-feira (10), o pedetista recebeu O Ca- O Estado vai precisar de quantas xiense na secretaria, que, aliás, subsedes? ainda nem tem funcionários próSe nós conseguirmos que as 29 prios – quem trabalha ali foi “em- fiquem aptas, ótimo. Porque nós prestado” de outras pastas a pedi- não vamos receber só uma ou do de Kalil. duas seleções. Podemos receber 10, se “Passaremos em Quais as primeiras conseguirmos. Seações para prepa- todas cidades ria um sonho. Mesrar o Estado para a levando a história mo com a chave no Copa de 2014? Rio Grande do Sul, da Copa e uma Primeiro, temos as seleções só jogam que seguir a matriz personalidade um jogo no Estado. de responsabilidade que já esteve no Uma seleção pode que define o que é evento”, antecipa se hospedar aqui e do governo federal, Kalil sobre jogar um jogo em estadual e da prefei- caravana temática Porto Alegre, um tura de Porto Aleem Curitiba... E gre, que é uma das nós estamos em um sedes. Temos também 29 campos ponto estratégico. Um voo até base inscritos. Cabe ao Rio Gran- Curitiba, Brasília ou São Paulo é de do Sul ser o articulador das barbadinha. Vamos tentar trazer esferas para que cumpram os ca- o maior número de seleções. lendários. Dentro da Secretaria, temos o Comitê Gestor da Copa, Dentro do que a Fifa está peque trabalhará com nove câma- dindo para esses campos base, ras temáticas. Então, para todos Caxias tem possibilidade de se os assuntos que terei que tratar tornar subsede? tenho um interlocutor da câmara Tem sim. Inclusive, entre estemática que trabalha dentro das ses 29, 16 municípios (entre eles, secretarias. Somos nós que vamos Caxias) já receberam contato do cobrar para que tenha a finali- comitê organizador da Fifa. Já zação, é onde se faz acontecer as passaram pela primeira fase. Não coisas. quer dizer que os outros 13 estão A Fifa impôs um calendário descartados. para finalizar as obras? Ela quer que esteja tudo pronto Se Caxias for escolhida subsepara a Copa. Mas nós queremos de, o que a Secretaria pode fazer nos antecipar porque eu quero para ajudar a cidade? que o Rio Grande do Sul também Acelerar as obras do governo seja, em 2013, uma das sedes da federal do aeroporto ou melhoCopa das Confederações. Além rar o existente, a mobilidade dos Kalil quer preparar o Estado para receber Copa das Confederações em 2013

www.ocaxiense.com.br

15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

5


acessos a Caxias, promover cursos de recepção, por exemplo. Outra coisa que tentaremos fazer é a pré-temporada das seleções. Trazer as equipes para os campos base. O secretariado já teve acesso ao estudo do governo anterior que apontou Vila Oliva como melhor lugar para o novo aeroporto da Serra? Eu já tive acesso ao estudo. Não vou entrar no mérito disso porque temos que saber qual é tecnicamente melhor. Já conversei com o secretário da área (Beto Albuquerque (PSB), titular de Infraestrutura e Logística) para fazer essa opção, que seria fantástica para nós porque teríamos mais uma alternativa de desenvolvimento.

E qual será o uso dessas obras depois da Copa? Fica para o Estado. E nós vamos fazer uma política estadual de esportes que vai dar uso e reúso desses espaços e serão de suma importância para o desenvolvimento do RS. Antes disso, a Secretaria vai criar a Escola da Copa que vai capacitar e qualificar profissionalmente a sociedade como um todo. Nós vamos criar um selo da Copa para quem se adequar a essa qualificação e preencher alguns requisitos. Vamos ensinar a falar inglês, garantir que estabelecimentos tenham cardápios bilíngues e em braile. Os cursos começam quando? Se não conseguirmos neste semestre, quero que as pessoas já possam se capacitar no segundo para que qualquer jovem que queria ser recepcionista voluntário esteja pronto. Faremos também a Caravana da Copa. Vamos pegar um ônibus da Marcopolo, já falei

sobre a Copa do Mundo, o primeiro que apareça seja o do Estado do Rio Grande do Sul.

sentatividade de sete deputados estaduais e três federais e que já foi governo.

Como deputado estadual, na úl- Na legislatura anterior, seu tima legislatura, o senhor tam- nome foi envolvido no escândabém propôs que lo dos selos. Como recursos da loteria ficou esse caso? esportiva da Caixa No Rio Grande do Econômica Federal “Precisamos Sul já foi arquivado fossem aplicados é acelerar e na Justiça Federal somente na área de obras. Algumas está em discussão. esportes. Eu tenho certeza rodovias, o A minha sugestão que também será araeroporto e para o governo é quivado. Meu advotermos áreas polies- coisas da área da gado está querendo portivas multiuso segurança pública terminar o assunto construídas com já começaram”, porque você não esses recursos que analisa Kalil pode ter dois juízos são repassados para sobre o mesmo asa Fundação de Essunto. portes e Lazer do RS (Fundergs). Construiríamos e as prefeituras Foi um erro ter usado os selos só seriam contempladas se fizes- que foram desviados da Assemsem o turno inverso, o projeto bleia? que o Brizola sempre defendeu. Eu acho que não foi um erro porque eu contratei uma prestaQual é o recurso da loteria es- ção de serviço com nota fiscal e portiva e como são usados hoje? paguei com cheque nominal. Se São bons recursos e hoje só estão alguém quer cometer algo ilícito fomentando eventos. Não está não contrataria um serviço com Trensurb, Divulgação/O Caxiense

Jonathan Hecker, Divulgação/O Caxiense

O senhor apoia o novo aeroporto em Caxias do Sul? Eu apoio o aeroporto regional da Serra. Eu acho que quando se fala em aeroporto não tem cidade que seja boa. O aeroporto de Curitiba não está em Curitiba. Temos

de treinamento. Em Porto Alegre isso está suprido.

Estado se prepara para a Copa com estádios e Aeromóvel, em Porto Alegre. Em Caxias, obras de infraestrtura devem focar estradas e aeroporto que ter a grandeza de pensar no com a empresa que vai nos ceder que é bom para o desenvolvimen- o veículo, e vamos passar nas esto regional. Para a Copa, teremos colas e criar esse ambiente propíum programa de melhorias dos cio para a Copa. Passaremos em aeroportos regionais, como para todas as cidades do RS levando a as rodovias e rodoviárias. Tam- história da Copa e uma personalibém será feito o aeromóvel entre dade que já esteve no evento para o aeroporto e a estação do Tren- envolver a sociedade. surb, pagando uma passagem só. Nós vamos ter ganhos que, se dei- Como vai funcionar o acomxássemos para o plapanhamento dos nejamento, demorarecursos da Copa riam 20 anos. Com a pela população? Copa as teremos em “Nós vamos ter O que precisamos ganhos que, se três ou quatro anos. é acelerar as obras. deixássemos para Algumas rodovias A Fifa pediu mais o planejamento, municipais, o aeleitos no Estado? roporto de Porto demorariam Nós estamos faAlegre e algumas zendo o levanta- 20 anos. Com a coisas da área da mento, mas geral- Copa os teremos segurança já comemente quanto mais em três ou quatro çaram. Eu tenho leitos tiver mais anos”, calcula o cronograma de oportunidades têm. obras e vou cobrar A Fifa só tem uma da União, Estado e exigência: hotéis em que se hos- Municípios o andamento delas. pedam seleções tem que ter, no Nós também queremos criar o mínimo, 120 apartamentos e estar melhor site para que quando as até 20 minutos longe dos campos pessoas procurarem informações

6

O Caxiense

15 a 21 de janeiro de 2011

sendo aplicado em uma política pública. Eu também vou buscar recursos federais para isso. Tudo é possível. Nós somos colonos. É só ter voia e trabalhar. O senhor acha que os clubes do interior precisam da ajuda do Estado? Muito. Pelo menos para ajudar a dar uma linha profissional. Isso cabe à federação, nós vamos ter uma política estadual. A responsabilidade da secretaria é fomentar. Quem cuida do esporte profissional é a Federação Gaúcha. O PDT concorreu com Tarso Genro (PT) ao Piratini, indicando, inclusive, o candidato a vice-governador, Beto Grill, na chapa de José Fogaça (PMDB). A entrada do partido no governo foi oportunista? Acho que mostrou os quadros do PDT e a importância que o governo Tarso deu a ele. Primeiro, quem entrou no governo foi o PDT, um partido que tem a repre-

nota fiscal e cheque nominal. O senhor acredita que isso possa ter contribuído para sua não eleição à Câmara Federal? Pode ter sido um dos motivos. As pessoas que me conhecem sabem quem eu sou. Já tive um orçamento de R$ 300 milhões, que era a construção do Centro Nacional de Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec), jamais vou me envolver com R$ 11 mil. Eu contratei uma prestação de serviço, não comprei selos. Se o cara usou selos errados, ele é mal caráter e deve ficar na cadeia. Se eu tivesse algum problema jamais seria convidado a ser secretário. Na política, infelizmente, tem uma folha branca. Eles pegam um pontinho preto de uma injustiça que fizeram contra mim. E essa injustiça estou pagando desde 2006. E quem perdeu? O Kalil perdeu por não ter sido eleito deputado federal, mas será que Caxias e a região não perdeu muito mais?

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


André T. Susin/O Caxiense

O Caxiense Entrevista

Abgail aposta em pesquisas e parcerias com a academia para traçar o perfil turístico das regiões do Estado

“Quando cavalo passa encilhado,

não nego estribo”

Secretária do Turismo, Abgail Pereira (PCdoB) reclama da administração anterior, conta que pretende reestruturar a pasta e não esconde ambição política

A

por ROBIN SITENESKI robin.siteneski@ocaxiense.com.br

mo é, necessariamente, transversal porque nós trabalhamos com infraestrutura, meio ambiente e saúde. Estamos determinados que a vocação turística da Serra seja desenvolvida ainda mais. Especialmente Caxias, que tem uma vocação para o turismo de negócios, além da nossa cultura e gastronomia. Acho que precisamos atrair grandes eventos para a nossa cidade. Obviamente, precisamos de uma infraestrutura melhor e aí não tem como fugir da questão do aeroporto.

pavorada” é a palavra que Abgail Pereira (PCdoB) usa para descrever sua reação quando conheceu a estrutura física e o orçamento da Secretaria de Turismo, pasta que comanda desde o dia 5. Sete dos R$ 15 milhões do orçamento são usados com despesas com pessoal. Para corrigir o que considera equívocos do governo de Yeda Crusius (PSDB), Abgail aposta em “nova diplomacia” e planejamento estratégico ao assumir a Secretaria. A senhora já conversou com o governador sobre o aeroporto? O que Caxias do Sul pode gaEu falei com nosso secretário nhar com a sua presença na Se- (de Infraestrutura e Logística) cretaria do Turismo? Beto Albuquerque e com o nosso Eu acho que o Rio Grande governador. Estamos começando do Sul ganha crescimento com a ter acesso aos estudos técnicos desenvolvimento com o nosso do governo anterior. Mas não é só governo. Estamos trabalhando esse aeroporto, temos outros que transversalmente. Regiões que precisam ser ampliados. carecem da mão do Estado vão ter aporte. A Secretaria de Turis- A senhora fala da “mão do Esta-

www.ocaxiense.com.br

do” onde ela for necessária. Na de obras e isenção de impostos? área do Turismo, ela é necessáNão só. É uma série de medidas ria? que devemos tomar. Uma delas é Muito. Especialmente o papel uma parceria muito grande com de indutor do desenvolvimento, a academia. Ela pode nos ajudar de fomento. A iniciativa privada e muito na questão teórica sobre o trade turístico espera isso. Nós o que é o turismo e qual o papel vemos o turismo como lazer, com dele para o crescimento e desenglamour, mas precisamos ver o volvimento de um povo. Preciturismo como um setor da econo- samos trabalhar com um obsermia, a exemplo do vatório que nos dê resto do mundo. Teestatística. Há muita mos regiões que não “Por que nós não coisa empírica, mas têm o produto turís- assumimos que precisamos de mais tico mas tem a voca- Caxias pode ser pesquisas para deção, como Yacumã. uma São Paulo? terminar projetos. Para ter um produMuitas pessoas pasO turismo to turístico têm que sam no Rio Grande ter infraestrutura, o de São Paulo do Sul e vão para é essencialmente Salto do Yacumã é Santa Catarina e uma beleza natural, de negócios”, Argentina. E nós mas ainda não é um pondera Abgail ficamos entre Floproduto. E é aí que rianópolis e Buenos entra o Estado com Aires, somos paso suporte em parceria com o Mu- sagem. Não há como atrair essas nicípio e a iniciativa privada. pessoas sem estatísticas que nos indiquem quais são os nichos que A ajuda do Estado virá através temos que atacar.

15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

7


Pelegrino? Será que nós não temos coisas para explorar lá além da Casa de Pedra e do Museu do Imigrante? Por que nós não assumimos que Caxias pode ser uma São Paulo? O turismo de São Paulo é essencialmente de negócios. Lógico, tem a Fórmula 1 que atrai muito. Também precisamos buscar recursos para trabalhar nossa hotelaria e nossos restaurantes. O número de leitos ainda é um empecilho para o desenvolvimento do turismo em Caxias? Ainda é um problema. Não é nem só na Festa da Uva. No período em que a Mercopar ou a Fimma acontecem, os leitos ficam lotados. Imagina se você consegue desenvolver de fato o turismo? Nós temos potencial e espaço

programa que apresentamos é o de fortalecimento da gestão do turismo. Queremos reorganizar o Fórum Estadual de Turismo e o Conselho Estadual de Turismo para essa governança democrática. Também temos o projeto da Operação Verão. O outro é de qualificação e capacitação profissional, que inclui um conjunto de ações para os profissionais que integram a cadeia produtiva do turismo. Temos profissionais qualificados que precisam se requalificar e pessoas que querem entrar neste setor mas ainda não têm a qualificação. Inclusive dos gestores, muitos secretários do turismo e gerentes precisam disso. Agora, quem vai nos dizer se é esse mesmo o caminho é uma pesquisa.

e o PT na disputa pela presidência da Câmara de Vereadores de Caxias do Sul? O PCdoB tem autonomia, é só observar nossa participação durante a história da Câmara. Por vezes, nossos vereadores votaram com a situação e outras com a oposição. Nós somos o PCdoB, não o PT. Fizemos uma coligação, quando eu fui candidata a viceprefeita, e nós tínhamos aquele programa. Encerrada a eleição, o Sartori ganhou e nós elegemos dois vereadores. A coligação encerrou ali. Temos algumas coisas que nos identificam, mas o PCdoB é um partido que tem a sua autonomia, programa e política. O conflito deixa marcas? Fotos: Luiz Chaves, Divulgação/O Caxiense

Existe algum observatório hoje? O Observatório para o Turismo existe no papel por uma iniciativa da PUC-RS, mas não foi aportado. Ainda não consegui agendar com a Universidade sobre o assunto. Queremos trabalhar todo o Estado, o que não quer dizer que vamos sair atacando para todos os municípios. Elegemos algumas regiões para dar conta no primeiro momento. Tive uma reunião com o governador na quinta-feira (6) e ele aponta para trabalharmos a região Sul, a Serra, incluindo Caxias, o Litoral Norte, a Região Metropolitana e a Fronteira. Também temos que tratar da questão do Meio Ambiente porque há uma visão de que o turista depreda. Queremos

“Será que nós não temos coisas para explorar além da Casa de Pedra e do Museu do Imigrante?”, questiona Abgail sobre perfil de turismo de negócios em Caxias fazer um turismo seguro e sustentável, que promova a felicidade. Também temos que desenvolver um intercâmbio direto com o Uruguai, que eles venham para cá e nós para lá. Vejo uma nova diplomacia onde possamos trabalhar com o Instituto Cervantes, por exemplo. Acho que a Setur tem esse componente de ser articuladora. O que não significa que seja uma secretaria subalterna, ela tem que ser protagonista e estar a altura do nosso Estado. Caxias do Sul e a nossa região mostrou o quanto o turismo é importante para o resto do Rio Grande do Sul e que é possível vencer a sazonalidade. Eu tenho orgulho de que a secretária seja representada por uma pessoa que é da Serra. Eu vou me calcar muito na experiência lá desenvolvida. Muitos turistas se hospedam em Caxias por falta de vagas em Gramado e Canela, mas apenas visitam a Região das Hortênsias. Como a Secretaria poderia incentivar a distribuição desse fluxo de pessoas? Ouvindo as pessoas que são do setor. Eu não considero que hoje Caxias seja só dormitório. Acho que ela já avançou. Acredito que nossa gastronomia, que é muito rica, tende a atrair pessoas. Se fossemos listar nossos pontos turísticos, será que é só a Igreja São

8

O Caxiense

15 a 21 de janeiro de 2011

para crescer. A Secretaria ficou por um período não exercendo esse protagonismo. Pelas conversas que eu tenho tido com o trade turístico, há um ressentimento. Por exemplo, não foi acessado, durante o período do governo anterior, o Prodetur (Programas Regionais de Desenvolvimento do Turismo, do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Ministério do Turismo e governo do Estado). Eu fico chocada que dinheiro está sendo devolvido para o governo federal por falta de projetos. Na revisão do plano de desenvolvimento do turismo sustentável, o valor integral, R$ 300 mil, foi devolvido. Quem conseguiu atrair recursos foram os municípios. Quais as reivindicações do empresariado do setor? Na área da infraestrutura são aeroportos, estradas, ferrovias e pórticos. O setor aeroviário quer investir, já conversei com a TAM e a Gol, assim como os setores da da hotelaria e as agências de turismo. Há um interesse da indústria, saúde e tecnologia para trazer seminários e eventos. Quais os projetos que devem sair do papel neste ano? Estive com o governador e apresentamos quatro projetos, como ele nos pediu. Um é a reestruturação da Secretaria. Outro

De forma alguma, isso só nos Esse projeto tem prazo para ser fortalece. Aporta que o PCdoB implantado? precisa ser respeitado como uma Todos eles têm. A primeira eta- agremiação, como um partido pa de qualificação, que é o diálo- que tem identidade que é muito go dentro e fora do governo, vai pautada pelos interesses daquilo começar em março e, em junho que nós afirmamos ser justo. A de 2011, iniciaremos os primeiros política é dinâmica. A nossa cocursos. Ainda estamos na corre- ligação não é uma coligação de ria porque a Secreprincípios. É uma taria tem apenas coligação política, dez dias. Estamos “Não há como por vezes, eleitoral. atrair pessoas fazendo exoneraNós temos compleções e nomeações. sem estatísticas ta autonomia. (A Eu entrei na Secre- que nos indiquem candidatura) Não taria e todos estafoi uma questão de quais são os vam aqui. Todos. afirmação, mas de Eu já encaminhei os nichos que defesa de um projecargos de confiança temos que to e de ocupação de que não são meus. atacar, analisa espaços. Não que não mere- Abgail” çam a minha desA senhora quer ser confiança, mas eu candidata a prefeita quero trazer a minha equipe. ou a vice em 2012? Olha, não sonhei em ser candiNinguém do governo Yeda vai data a senadora nem secretária. ficar na sua Secretaria? Acabei sendo por uma situação Não, ninguém do governo Yeda. da política. O meu partido tem Temos algumas pessoas que es- projetos para sua militância. E tão aqui e foram CCs (Cargos de o partido pensa em continuar Confiança) da Yeda, do Rigotto, usando meu nome, minha lideque tem qualidade técnica. Agora rança e a quantidade de votos CCs da Yeda, não. É da Yeda, não que fizemos para contribuir para é meu, nem do Tarso. Não vou fi- essa política e apresentar o nosso car com eles, lógico. Eu vou trazer programa. Então, eu, com certegente da minha confiança. za, estarei nos próximos pleitos. Costumo dizer que quando cavaComo a senhora avalia a dife- lo passa encilhado, eu não nego rença de opinião entre o PCdoB estribo.

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


André T. Susin/O Caxiense

Investimento campeão

André Colatto (esq.), Felipe Gheno (centro) e Marco Aurélio Rocha fazem parte da equipe Fight Center contemplada pelo Fundel em 2010

FÔLEGO PÚBLICO

PARA O ESPORTE

N

por JOSÉ EDUARDO COUTELLE jeduardo.coutelle@ocaxiense.com.br

o último mês de maio, as artes marciais ocuparam ringues, em Caxias, para combater a desnutrição. Atletas de kickboxing de todo o Estado participaram do III Nocaute à Fome, competição que teve todas as suas edições apoiadas pelo Fundo Municipal do Esporte e Lazer (Fundel). Aos valores das entradas foram adicionadas doações de alimentos não perecíveis, que somaram meia tonelada, repassada para instituições de caridade. Em 2011, Adilson Facchin, professor da Academia Fight Center e realizador do evento, não tem dúvidas. Inscreverá novamente o projeto no Fundel e ainda irá ampliá-lo. A proposta é tornar a competição uma seletiva para o Campeonato Gaúcho de Kickboxing, trazendo assim participantes mais renomados e arrecadando um volume maior de donativos. O primeiro contato de Adilson com as artes marciais ocorreu aos 19 anos. Hoje, aos 33, ele coleciona dezenas de títulos, incluindo o tricampeonato panamericano e o heptacampeonato brasileiro, ambos no kickboxing. Seus alunos compõem a equipe Fight Center, atualmente formada por 15 atletas. Para competir, porém, a luta é árdua. As dificuldades são amenizadas graças ao benefício do

Fundel, já que o esporte é amador. Com o dinheiro recebido do poder público foram pagas parte das passagens de avião que levaram Marco Aurélio da Rocha, 18 anos, até Aracaju, capital de Sergipe, para se tornar o primeiro atleta de Caxias campeão brasileiro de Boxe Olímpico Juvenil, e Felipe Gheno, 18 anos, até Guarujá, São Paulo, para conquistar o vicecampeonato da Copa do Brasil de Kickboxing, na modalidade Light Contact. “Quando comecei a lutar eu tinha de pagar 100% de todos os custos. Agora já digo para os meus atletas: ‘consigo a passagem e vocês bancam alimentação e hospedagem’”, conta Adilson. Estes são apenas dois dos 135 projetos contemplados pelo Fundel no ano de 2010. Praticamente todas as modalidades esportivas praticadas em Caxias já receberam o apoio da prefeitura alguma vez. O programa, que iniciou em 2004, já beneficiou 742 projetos, somando um orçamento total, ao longo das sete edições, de R$ 6.098.600. Para este ano, a verba do programa é a maior da história, alcançando a cifra de R$ 1.377.540. Este valor é definido pela variação de 1% a 1,5% dos impostos ISSQN e IPTU coletados na cidade. O Fundel segue uma linha diferente do Financiarte (Financiamento da Arte e Cultura Caxiense), programa que

www.ocaxiense.com.br

Ano a ano, o Fundel bate recordes de recursos e projetos contemplados. Em 2011, com edital mais rígido, interessados devem se apressar

banca o custo total da realização ma. O outro projeto foi o Nocaute dos projetos aprovados. O fundo à Fome. “Tentamos sempre fazer esportivo visa a atingir o maior os eventos da melhor forma posnúmero possível de beneficiados, sível. Conseguimos realizar cada patrocinando parcialmente cada um com R$ 15 mil. O restante projeto. Desta forma, o valor total do dinheiro conseguimos com a do programa se divivenda de ingressos e de em três áreas: R$ patrocínios”, explica 9 mil são destinados No ano passado, o professor. para cada projeto da de um total de Para 2011, Adillinha educacional, 158 projetos, son deverá encade eventos e para 103 foram minhar novamente equipes com até três os três projetos ao apresentados no atletas de alto renFundel. Durante a dimento. Para equi- último dia, o última semana, ele pes maiores, como que não será buscava o restante a Fight Center, que possível da documentação inscreveu 15 atletas, em 2011 necessária para reo valor máximo é de alizar a inscrição. R$ 18 mil. Além dis“É bem trabalhoso so, cada requerente pode ter apro- conseguir todos os documentos. vado até três projetos. Estou na função há pelo menos 10 dias”, conta. Para ser aprovado Foi exatamente o que fez pelo Comitê Assessor, o solicitanAdilson no ano passado. Além te deverá entrar com um projeto do benefício à equipe, conseguiu contendo descrição completa da aprovar dois projetos pelo Fundel atividade, objetivos a serem alna linha de eventos. No mês de cançados, prazos de execução, setembro, foi realizada a X Copa previsão de custos e dezenas de Fight Center. Contemplada com outras informações. Além disso, financiamento pelo quinto ano se- uma vasta gama de documentos é guinte, a competição reuniu luta- necessária – cópias de documendores de diversos locais do Estado tos de identificação e certidões e do Brasil. Com o recurso rece- das negativas municipal, estadual bido, Adilson pôde alugar o giná- e federal, entre outros. sio da AABB, onde foi montado o ringue, instalar o sistema de som, Denise Cemin Dani, coordeconfeccionar camisetas de divul- nadora do Fundel, é a responságação, entre outros pequenos gas- vel por receber e conferir todos tos. “Já saímos com o básico”, afir- os papéis. “Faço a análise da do15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

9


venham protocolar os projetos, porque senão vai ficar apertado e muitos vão perder o protocolo devido ao número limitado por dia. Se as pessoas se organizarem, a estimativa é que o número aumente. Se não, vai diminuir”, avisa o secretário. Um dos incentivadores do esporte que facilitam o trabalho da Secretaria é Marcelo Rodrigo Habizreiter. Há três anos, Marcelo Sorin, como é mais conhecido, desenvolve um trabalho social para jovens e crianças de até 17 anos, o Projeto Jovem Interior. Ele tomou a dianteira e foi o primeiro a apresentar a documentação no Fundel neste ano. No período de março a novembro, sempre aos domingos pela manhã, Marcelo reúne cerca de 40 alunos na escolinha de futebol em São Gotardo. Meninos de diversas classes sociais veem no esporte uma possibilidade de crescer na vida. Os quase R$ 9 mil recebidos do financiamento permitiram a compra de todo o material esportivo, incluindo bolas, cones e fardamento. A única despesa dos meninos foi com o ônibus. “A gente tem o transporte que passa recolhendo os meninos que moram mais longe. De Ana Rech até o campo dá quase 20 quilômetros. Tem pais que vão todo o domingo, mas outros não. Assim, cobramos R$ 15 por mês por aluno”, explica. Natural de Três Passos, Marcelo Sorin é professor de educação física e dá aula de hidroginástica no Recreio Guarani e na Pranadar. Desde 2007, seu projeto social já atingiu cerca de 200 crianças. “Meu principal objetivo é formar

cidadãos”, ressalta. Com essa noção de civismo, a educação dos pequenos ultrapassa as quatro linhas dos gramados e atinge outro campo: o do conhecimento. Além de disputar amistosos e participar de campeonatos, os meninos fazem passeios em museus e bibliotecas em Caxias. Para este ano, tudo indica que o projeto será novamente aprovado. “Como já tive dois anos seguidos de apoio, acredito que seja contemplado novamente. Não dá para dizer que seja 100% certo. O que pode haver é eles fazerem alguns cortes. Nas outras duas edições o projeto foi aprovado da forma que enviei”, conta Sorin.

e de duas etapas do Campeonato Brasileiro, que lhe renderam o 4º lugar. Da mesma forma que os lutadores da Fight Center, todo o recurso recebido por Luciano foi investido na compra das passagens aéreas. “O Fundel ajuda no custo geral. Me dá a possibilidade de competir no nível brasileiro e mundial”, explica o atleta. Com os projetos entregues, Luciano e Marcelo se encaminham para a última etapa: o dia em que serão avaliados pela Comissão de Avaliação e Seleção (CAS). Da mesma forma que em uma banca, o solicitante apresenta a defesa do projeto para o grupo formado por 11 integrantes – seis representantes da sociedade e cinco Outro que não deixou para da Secretaria de Esporte e Lazer. se inscrever na última hora foi Para receber a verba é necessário Luciano Bender Tcacenco. O atle- ser aprovado pela maioria. Ano a ta é um dos princiano, a taxa de sucespais representantes so dos proponentes do paraglider no “É bem vem aumentando. Rio Grande do Sul. trabalhoso Em 2010, 100% dos Com 33 anos, pra- conseguir projetos que chegatica o esporte desde todos os ram na última etapa os 13. “Sou o atleta foram selecionados. brasileiro que mais documentos”, Com quase todos participou de mun- avisa Adilson, os papéis em mãos, diais (seis ao todo). experiente o professor da Fight Copas do Mundo nos trâmites Center espera enforam mais de 20. do Fundel tregar ainda nesta Sou o único brasisemana a documenleiro a ganhar uma tação. E já prepara prova fora do Brasil”, conta, enu- os argumentos para defender a merando as conquistas. Luciano continuação do auxílio. “No ano leva o nome de Caxias do Sul e do passado a minha equipe somou Fundel, adesivados no paraglider, 26 títulos entre os campeonatos para diversos lugares do planeta. Gaúcho, Brasileiro e PanameriCom auxílio do financiamento, o cano. Me perguntam: ‘por que esportista participou, no ano pas- investir num atleta individual ao sado, de uma etapa da Copa do invés de esportes em equipe?’. A Mundo em Portugal – no ranking resposta é que nós trazemos títugeral ficou com a 20ª colocação – los para a cidade.” André T. Susin/O Caxiense

cumentação na hora da entrega do projeto. Sempre falta alguma coisa”, relata Denise, que, com sete anos de experiência no cargo, facilmente encontra as falhas das propostas. Para evitar a classificação de inapto, a dica da coordenadora é bem simples: buscar informações com bastante antecedência em relação ao prazo de encerramento das inscrições, que neste ano é dia 28 de janeiro. Em 2010, 13 projetos foram inabilitados por documentação incompleta, muitos deles apresentados no último dia. Além disso, a equipe do Comitê Assessor teve de madrugar no trabalho para protocolar todos os projetos entregues na data limite do fechamento do edital. Ao todo, foram 103 projetos recebidos no último dia e 35 no penúltimo, de um total de 158 apresentados. “Esse número é um absurdo. Assim os projetos acabam perdendo qualidade. E o pessoal que trabalha aqui ficou até as 3h no protocolo”, conta o secretário municipal de Esporte e Lazer, Felipe Gremelmaier. Em 2011 não haverá esse problema. Uma mudança no edital permite que somente 20 projetos sejam registrados diariamente. Essa alteração facilita o trabalho dos funcionários do Fundel, mas também levanta uma pontinha de preocupação no secretário e na coordenadora. O orçamento e o número de projetos contemplados pelo Fundel vêm crescendo todos os anos. Entretanto, caso a maioria dos concorrentes deixem para realizars a inscrições nos últimos dias, muitos ficarão de fora devido à mudança do edital. “Espero que nesta semana as pessoas

Denise é responsável por conferir a documentação dos inscritos. Na última edição, 103 projetos, do total de 157 inscritos, foram protocolados no último dia

10

O Caxiense

15 a 21 de janeiro de 2011

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


www.ocaxiense.com.br

15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

11


Big Brother Caxias

disso, valorizou cada momento vivido na casa. Hoje, vamos perder alguém que se entregou ao Big Brother como se fosse a sua vida.” O discurso captura bem a essência da participação de Flávio, que, fora alguns conflitos pontuais, foi marcada por momentos de humor e amizade, especialmente ao lado do amigo quase inseparável e ganhador do milhão, Max. Mas o desempenho positivo dele não garantiria nada fora da casa. No máximo, uma imagem de bom moço junto aos fãs, que brotam como feijão no algodão em pote de danoninho cada vez que uma das naves aterrissa. Acabava de começar, ali, o maior desafio do caxiense: voltar à realidade e, ao mesmo tempo, lidar com fama, demônio com o qual muitos outros ex-BBBs já negociaram suas almas. Flávio (primeiro à esquerda na foto) foi eliminado no dia 31 de março de 2009, no 13º e penúltimo paredão do programa, que disputou com uma das musas da casa, Priscila – ele teve 69% dos votos do público. De acordo com o caxiense, naturalidade e transparência foram fatores importan-

12

O Caxiense

15 a 21 de janeiro de 2011

fazer tudo ao mesmo tempo”, conta. Além da música e do programa na emissora gaúcha, ele estava agenciando outros artistas – uma herança daquele primeiro capítulo da sua vida, como produtor de eventos e bandas. “Comecei aos poucos, pós-BBB, despretensioso. Quando vi, tornou-se mais um trabalho, mais um ganho, mais um meio de aproveitar o network e a imagem.” Por “aproveitar o network e a imagem” leia-se: transformar as inaugurações de academias de ginástica e as valsas em bailes de debutantes em negócio. Com a demanda aumentando, ele profissionalizou a atividade e montou sua empresa de assessoria e produção artística, em Porto Alegre, com um sócio carioca.

bastante, e como outros ex-BBBs, Flávio já passou por diversos episódios do tipo “te conheço de algum lugar”. “Tem muita gente que assiste, mas também vários que só olham de vez em quando e não marcam nome. Óbvio que isso vai aumentando com o passar do tempo. Sempre que falam isso eu invento uma história. Por exemplo, uma vez fui abordado por uma senhora na rua. Perguntei se ela morava pela área, ela respondeu que sim, e completei: “Eu sou vendedor de evangelhos, devo ter batido na sua porta!” É claro que depois eu sempre conto de onde é que me conhecem, mas faço muito isso (risos).” Ele se diverte, mas muitos se deslumbram com a exposição – e

Andrei Cardoso, Div./O Caxiense

Marcio Sheeny, Div./O Caxiense

fim do primeiro capítulo e o início triunfal do segundo.” É assim que o ex-BBB caxiense Flávio Steffli Júnior define sua vida depois da viagem pela nave louca. Ao anunciar sua saída da 9ª edição do programa, o jornalista Pedro Bial disse: “Estamos em tempo de despedidas, tempo em que até as lembranças mais doídas perdem o amargor e pintam na memória coloridas de cor de rosa. Hoje fui buscar o grande Fernando Pessoa: ‘Por que é que para ser feliz é preciso não saber?’ Vamos perder alguém que foi muito feliz aí e sabia

tes tanto para sua escolha quanto para sua permanência por tanto tempo no jogo. “Sou muito esclarecido quanto às minhas qualidades e defeitos. Foi isso que falei no meu vídeo de inscrição. Todo mundo que se inscreve quer parecer melhor do que é, e foi o que eu não fiz. Fora isso, dei sorte de ter um perfil que fechou com o que eles procuravam”, diz Flávio. “Eu sabia que era um jogo, estava jogando. Mas minha forma de jogar foi ser transparente ao máximo, para que o pessoal aqui fora visse que eu jogava limpo e não escondia nada. Credito a isso a minha permanência e também a minha saída. Quem sabe faltou pensar em ser mais pragmático. Mas segui os meus princípios e não me Maurício Concatto /O Caxiense

O

por CAROL DE BARBA caroldebarba@ocaxiense.com.br e CAMILA CARDOSO BOFF camila.boff@ocaxiense.com.br

O ex-BBB Flávio Steffli Júnior e duas “quase BBBs” caxienses refletem sobre o programa que transforma anônimos em celebridades do dia para a noite

arrependo”, reflete. Antes de entrar para o reality show, Flávio era produtor de eventos. Nas vésperas no programa, já anunciava que, se ganhasse, faria as coisas de que realmente gosta: música e comunicação. Apesar do desfecho, Flávio conseguiu realizar alguns desejos. “O trabalho de DJ foi um presente. Sou músico desde moleque, mas sempre tive que deixar em segundo plano.” O ex-BBB começou tocando bateria, mas acabou na percussão. Atualmente, tem uma banda com os amigos, “mais para ensaio e risadas”, a Aurélio Soul, que toca samba rock, soul e reggae. “De uma forma ou outra a música sempre esteve na minha vida. Ter um projeto como DJ foi uma novidade, mas não uma invenção. Poder conhecer o Brasil junto com a música foi um dos presentes que ganhei do BBB.” Além de ter sido DJ residente num pub portoalegrense por pouco tempo, Flávio também teve uma passagem relâmpago como apresentador no Studio Pampa, da Rede Pampa, afiliada da Rede TV. “Queria saber como me sairia na TV. O problema é que achei que conseguiria

Ao sair da casa, Flávio ninguém melhor do que um extambém deparou-se com o peso produtor de eventos e atual dono da fama milagrosa. “Por mais ou de uma empresa de assessoria e menos uns seis meses eu tive que produção artística para saber disviver em cativeiro (risos). Era im- so. “É bom, é viciante. Na produpossível querer ir no mercado, ção, acompanhei de perto artistas, farmácia, restaurante, festas com vi muita atitude boa e ruim, e isso amigos... Não me importo de tirar me fez aprender um pouco como fotos e conversar com as pessoas, agir. Quando me vi no lugar dedesde que isso seja feito na hora les, essa experiência fez diferenapropriada. Sei da visibilidade ça.” Flávio também acredita que do BBB e os preços o fato de ter entrado que tenho que pana casa com 25 anos, gar por isso, mas a “Já entreguei já com o caráter formeu cartão na falta de educação mado e sabendo o me atormenta”, re- mão de todos os que viria, colaborou vela o caxiense. Na brasileiros. Se para que ele mantiprimeira vez que vesse os pés no chão voltou à cidade na- alguém não e encarasse com matal não foi diferente. lembra, o Google turidade as tantas “Minha casa parecia resolve. As portas portas que, dizem, ponto turístico. As se abrem”, a fama abre. “Na pessoas passavam diz Flávio verdade abre poubuzinando, ficavam quíssimas portas, a na frente para tenmaioria é fogo de tar me ver. Rolou uma comoção palha. Gente que fala por falar. O da cidade com a minha partici- que acontece, na real, é que, como pação, muito emocionante, des- tem referência, as pessoas me trade o prefeito (na foto da página tam como amigo mais rápido, se ao lado, entre os pais de Flávio), sentem mais íntimas, têm mais os vereadores, a imprensa, meus confiança. Eu já entreguei meu amigos, os cidadãos caxienses...”, cartão de visitas na mão de todos conta. Hoje, o assédio já diminuiu os brasileiros. Se alguém não lem-

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.

Silas Abreu, Div./O Caxiense

BASTIDORES DA FAMA EFÊMERA


uma amiga, que trabalhava na retransmissora afiliada da Globo em Caxias, ficou sabendo que a equipe havia solicitado um link para uma transmissão ao vivo na mesma data, forte indício de que havia sido escolhida. Porém, antes de confirmar a suspeita, decidiu não participar. “Não pensei que fosse chegar lá. E, ao contrário do que muitos dizem, fiquei com uma impressão maravilhosa dos produtores. São profissionais muito sérios.” Depois do episódio, Grasiela, até hoje telespectadora do programa, até prestou um pouco mais de atenção ao BBB 3, para se certificar de que não havia perdido nada. “Sou muito tranquila, não fico preocupada em como teria sido minha vida se eu tivesse aceitado. Eles até entraram em contato comigo para participar de um outro reality, logo depois, mas também não aceitei”, conta. A modelo Gisiane Fiuza, a Gisi, já esteve no páreo do Big Brother três vezes. A primeira foi para o BBB 8. Na época, ela estava trabalhando na Tailândia, e se inscreveu com um grupo de amigos, entre eles Alexandre, único a conseguir vaga na casa. A segunda foi para o BBB 10. “Usei um vídeo do Serravip. Tinha dado uma entrevista para eles fazia uns meses, editei do meu jeito, péssimo, pois não entendo nada disso, e man-

patrocinadores”, descreve. Tentando lidar da melhor maneira possível com o nervosismo, Gisi passou 45 minutos falando sobre sua vida e sendo metralhada com todo o tipo de pergunta. “Acho que dancei por causa de duas respostas. Perguntaram se eu já havia transado ou transaria com uma mulher (na 10ª edição havia uma homossexual, Angélica). Eu disse que não, que nem com dois litros de uísque na cabeça. Também questionaram meu relacionamento, se eu entraria no programa casada. E eu respondi que sim.” De volta ao préconfinamento, Gisi ficou sabendo pela camareira que, se gostassem dela, seria levada para fazer a bateria de exames. E foi o que aconteceu: uma pessoa entrou no quarto com uma série de contratos para ela assinar, solicitando os testes. Depois, mandaram-na para casa dizendo apenas que aguardasse o dia 1º de janeiro. Mas o retorno da produção nunca chegou. “Acho que, se tu passa, é diferente. Eles já pedem para sumir da internet, deletar comunidades no Orkut que algum patrocinador possa não gostar. Esse ano tentei de novo, e fui chamada só para a entrevista no Skype. Acho que respondi tudo errado. Mas foi a última vez. Parei de brincar disso”, ri. Gisi nunca foi de assistir ao progra-

Fabiana de Lucena, Div./O Caxiense

A psicóloga, modelo e produtora de moda Grasiela Mambrini (segunda à esquerda nas fotos da página ao lado) foi até a etapa final para participar do BBB 3 – o mesmo que revelou Sabrina Sato, uma das ex-participantes de maior sucesso, a miss Joseane e Juliana Alves, que hoje interpreta Clotilde Matoso na novela Tititi –, mas desistiu. “Tenho minha profissão, outras coisas acabaram pesando... E eu não estava levando tão a sério”, conta. Mesmo assim, Grasiela foi até o quartel-general do programa no Projac, o complexo de gravação da Globo no Rio de Janeiro, enfrentou a “cadeira elétrica” – uma tensa sessão de perguntas feitas por diversos entrevistadores – e uma bateria completíssima de exames de saúde – desde os mais específicos cardiológicos até o mais simples hemograma. De volta a Caxias, pouco tempo depois, recebeu uma ligação da produção pedindo que ela estivesse disponível em um determinado dia e horário para receber uma visita deles. “Perguntei se havia sido selecionada e eles me disseram que eu só saberia quando chegassem.” Através de

dei. Foi muito engraçado”, lembra. Gisi enviou o material em setembro e, dois meses depois, recebeu uma ligação da produção pedindo uma entrevista pelo Skype. No dia seguinte à sabatina virtual, a modelo desembarcava no Rio de Janeiro para a temida “cadeira elétrica”: “Foi bem trash. Eles te recepcionam no aeroporto, te tocam dentro de um carrinho, tu faz perguntas e ninguém sabe nada ou não pode falar nada. No hotel, dois seguranças do tipo armário te levam até o quarto, que é todo lacrado, para que nenhum moscão seja fotografado na janela”, conta. Segundo ela, os paparazzi já sabem onde fica o local da seleção, portanto, todo cuidado é pouco. Às vezes, diz, a Globo chega a fechar o hotel para os trâmites do BBB. As precauções são tantas que, naquela vez, 50 pessoas participavam da seleção, e ninguém viu ninguém. “Passei por 3 psicólogas e aí, sim, fui para a cadeira elétrica. Estava tão nervosa que nem contei, mas devia ter umas 12 pessoas me fazendo perguntas, liderados pelo L. P. Simonetti, o responsável pelo comercial, e pelo Boninho, o responsável pelos bafões. Para o Boninho, quanto mais confusão, melhor. Quem segura a onda é o L. P., conforme o interesse dos

Maurício Concatto /O Caxiense

bra, o Google resolve. É nessa hora que as portas se abrem.”

www.ocaxiense.com.br

EDITAL DE 1ª e 2ª PRAÇA E INTIMAÇÃO Comarca de Caxias do Sul/RS. 5ª Vara Cível - Ação: Execução de Sentença nº 010/1.05.0036212-5 - Autor: CONDOMÍNIO RESIDENCIAL CAMPOS VERDES. (pp. Dr. Antonio Cezar Rodrigues). Réu(s): ISABEL CONSUELO RAVIZZONI RAVANELLO e DARCI LUIZ RAVANELLO. (pp. Drs. Elenice Girondi Koff, Flávio Green Koff e Luciane Grezzana). Objeto: Venda em 1ª Praça dia 02.03.2011 às 14:30 horas no átrio do Fórum. UM APARTAMENTO Nº 201 do prédio de alvenaria denominado CONDOMÍNIO EDIFÍCIO CAMPOS VERDES, com frente à Rua La Salle nº 646, com as seguintes áreas: privativa real de 160,26; de sacada de 14,68m2; de terraço de 71,68m2; privativa total de 246,62m2; uso comum de 31,39m2; total real de 278,01m2; equivalente de construção de 226,19m2, ideal de terreno de 39,27m2; fração ideal de 0,1190. ÔNUS: penhora em favor do Autor. Tudo Conforme Matrícula nº 111.353, Lvº 02, Fl. 01 a 01v, do Cartório de Registro de Imóveis da 1ª Zona desta Comarca até 20.12.2010. R$ 270.000,00. Comunicação: Se não houver lanço igual ou superior ao valor da avaliação, o imóvel será levado a 2ª praça em 14.03.2011, à mesma hora e local, a quem mais der, inadmitindo preço vil. Cabe ao arrematante o pagamento da comissão do Leiloeiro ANTONIO ALEXANDRE RAOTA - Matr. 229/2008, telefone 3221.3290 - 9979.3549, devidamente designado para apregoar as praças. Intimação: O(s) executado(s) caso não encontrados pelo Oficial de Justiça para cientificação pessoal, ficam por este intimados na forma da lei. Caxias do Sul, 20 de dezembro de 2010. Servidora: Dra. Rosane Zattera Freitas Escrivã. Antonio A. Raota Leiloeiro Oficial -DR. SILVIO VIEZZER JUIZ DE DIREITO.

15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

13


principalmente para formar casais”, prevê. “Nem todo mundo se dá bem. Tu corres o risco de ser vaiado para o resto da vida, como a Tessália. Por outro lado, ‘jornal de hoje, notícia de ontem, amanhã ninguém lembra’, diz o ditado, ou seja, tem que aproveitar correndo todas as portas que se abrirem, porque elas fecham muito rápido”, avalia. Gisi (terceira à esqueda na foto) também entendeu que, talvez, ficar fora da casa foi melhor para sua carreira de modelo, pois muitas marcas não querem ter o nome vinculado ao reality. “Conheci uma menina no México que participou do Gran Hermano e quando saiu não conseguia mais trabalhar”, conta. Gisi conhece Flávio, porém, nunca conversou com ele sobre o assunto. “Se tu estás cotado e aparece em algum blog ou site, eles já cortam. Querem surpreender. Olha o Flávio, quem imaginaria que ele iria entrar?” As únicas palavras que trocaram sobre o programa foi em dezembro de 2010, numa casa noturna caxiense. “Ele disse um dos motivos pelo qual acha que entrou. Perguntaram: ‘o que um

14

O Caxiense

15 a 21 de janeiro de 2011

soas tão comuns quanto qualquer telespectador só permanece se o neo-famoso tiver algo que mereça permanentemente os holofotes da telinha. Isso porque espiar pode ser atraente, mas só se a audiência conseguir identificar na vida alheia que se presta à exposição pública detalhes capazes de quebrar a própria rotina. A jornalista Debora Cristine Rocha, doutora em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP, recorre ao pensamento do sociólogo polonês Zygmunt Bauman para explicar a efemeridade da fama conquistada no programa. Segundo o sociólogo, a velocidade, e não a duração, é o que importa na sociedade chamada por ele de líquido-moderna, que despreza as ideias de longo prazo e totalidade. “Na vida líquida de Baumann, em que tudo é muito acelerado, é preciso que as coisas sejam fragmentadas para que se consiga consumi-las. Dessa fragmentação surge a superficialidade, por isso as celebridades são instantâneas.” O sucesso da atração influenciou o crescimento do formato reality. Hoje são raros os programas de televisão que não tenham um

Com o formato original pertencente à produtora de TV holandesa Endemol, a realização do BBB funciona em sistema de franquia. Para dar certo, precisa que cada emissora adapte-o às características do país em que será exibido. “No Brasil, conseguiram isso através do humor. O povo brasileiro é bem humorado e gosta do que é engraçado. A figura do malandro é muito forte. O herói no BBB não é aquele clássico, épico. Está muito mais para

política do pão e circo. Os participantes, escolhidos em função do porte e da força física, eram treinados para proporcionar um bom espetáculo. Podiam ser escravos, prisioneiros de guerra ou cristãos, mas até homens livres se candidatavam, porque era um caminho possível e rápido para a ascensão social. A entrada era gratuita e as pessoas podiam apostar no seu favorito”. A jornalista Debora credita os altos índices de audiência a algo inato ao ser humano. “O que faz a comunicação é uma combinação de exibicionismo e vouyerismo midiáticos. O fascínio pelo outro é inerente ao homem, as pessoas sempre pararam para ver um acidente, por exemplo. Mas o formato em que o BBB é apresentado, na televisão, é que faz com que isso fique mais evidente”, acredita. Debora lembra também a mudança na noção de privacidade. “Até o fim do século XX, resguardar a vida doméstica era praticamente um dogma. Depois isso se altera porque o reconhe-

Macunaíma do que para herói cimento social passa a ser obtido grego”, diz a doutora, referindo- cada vez mais pela visibilidade. se ao personagem do livro de É preciso se fazer ver para ser Mario de Andrade. “Ele mente, considerado. Quanto maior a extrapaceia, mas é simpático e tudo posição da vida privada, maior a mundo gosta dele porque expres- visibilidade. Quanto maior a visisa um modo de agir. O brasileiro bilidade, maior a inserção social.” é assim, ao invés de bater de frenPara a psicanalista Marion, o te, faz piada. Um exemplo disso fascínio pelo programa tem a ver é a eleição do Tiririca”, compa- com a oportunidade que o públira Debora. Outra adaptação fez co tem de ser protagonista. “As com que dois formatos televisi- pessoas querem mudar o curso da vos dialogassem. “Teoricamente, história da vida de uma pessoa, um reality não teria transformar um personagens. O que anônimo num faé vendido é que são “O público sabe moso. Hoje em dia, pessoas reais. Mas é ser celebridade é o muito forte no Bra- que, pelo menos valor máximo porsil o formato tele- no BBB, seu voto que a pessoa passa a novela, então o BBB realmente faz a ter poder de fazer as assumiu esse papel e diferença. Saber coisas acontecerem. por isso deu certo”, da vida dos O público sabe que, considera. pelo menos no BBB, A psicanalista outros não é seu voto realmenMarion Minerbo, o principal”, te faz a diferença. doutora em Medi- avalia Marion Quer ver alguém ficina pela Unifesp, car famoso da noite compara a atração para o dia graças a às arenas da Roma Antiga: “A luta seu voto. A vitória do seu candientre gladiadores era realista e dato é como se fosse sua própria empolgava as plateias do Coliseu. vitória. Saber da vida dos outros Era parte da estratégia de despo- é um subproduto, não acho que litização do povo, a conhecida seja o principal”, conclui.

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.

Marcio Sheeny, Div./O Caxiense

quadro com participação popular. A pesquisadora credita isso à busca dos meios de comunicação por um vínculo com a realidade. “É necessário se aproximar do público, estabelecer uma relação íntima e cotidiana para garantir audiência. Se antes a TV procurava reproduzir o cotidiano vivenciado pelo público, agora quer trazê-lo para dentro da programação como marca de veracidade”, analisa. “O público nunca foi passivo, mas havia uma interatividade muito menor antes dos meios de comunicação digital.”

Eduardo Carneiro, Div./O Caxiense

Reanta Biglia, Div./O Caxiense

Marcio Sheeny, Div./O Caxiense

ma religiosamente, exceto pelo ruivo feio acha que pode fazer BBB 10. “Fiquei meio que chate- dentro de uma casa do Big Broada. Tinha criado uma expectati- ther, em rede nacional?’. Ele resva muito grande, achei que fosse pondeu: ‘posso ser feio e não ter causar, que ia ser muito massa o perfil que vocês procuram, mas para mim. Acho meu sangue é braque, se eu entrasse, sileiro e eu estou ou seria a primeira “Se tu passas, aqui para ganhar’. E a sair, por me acha- eles já pedem só. Para o Ale (Alerem uma chata que para sumir da xandre, do BBB 8) não para de falar, internet, deletar também, mandei ou ficaria até o fim uns scraps no Orkut pentelhando”, jus- comunidades no e nunca tive resposOrkut que algum tifica. Entretanto, o ta. Ex-BBBs sempre que viu das edições patrocinador saem fora quando anteriores e a parti- possa não tu tentas conversar.” cipação no processo gostar”, diz Gisi de seleção lhe deram Desde 2002 um certo grau de co(quando teve duas nhecimento avançado no assun- edições), e até pelo menos 2014 – to. “Acho que lá dentro as pessoas a Rede Globo tem contrato para não se dão conta do jogo. O Dou- exibição do programa até lá –, o rado, ao contrário, se ligou muito, BBB faz com que gente aparenfoi muito jogador. Ele não se aca- temente comum povoe a tela da bava nas festas, dava sempre uma televisão. Como é o veículo de choradinha – o público adora um comunicação de maior alcance, draminha. Já o Serginho nunca a TV tem potencial para transestava pronto para as provas de formar um cidadão qualquer em resistência, estava sempre cansa- celebridade em pouco tempo, até do das baladas. E no BBB 11, acho quando não há nada a ser celebraque também vão apelar bastante, do. O fascínio do público por pes-


Artes artes@ocaxiense.com.br

Esse sufoco por CLENIO LOPES Essa dor que sinto em meu peito Surge de um sentimento Que não poderia emergir Algo que foge do bom senso Não me permitindo sorrir Sufoco com silêncio e lágrima Para ninguém se ferir Não houve escolha de nada Porque ninguém controla um sentir E mais uma vez calado Sofre sem ajuda pedir Afasta-se com medo e angústia De um afeto que não poderá exisitir

Celso Tissot | Linhas |

Participe | Envie para artes@ocaxiense.com.br o seu conto ou crônica (no máximo 4 mil caracteres), poesia (máximo 50 linhas) ou obra de artes plásticas (arquivo em JPG ou TIF, em alta resolução). Os melhores trabalhos serão publicados aqui.

Um prédio em construção no bairro São Pelegrino chamou a atenção do engenheiro. A composição de linhas, uma grande diagonal reta que serve de eixo para simétricas curvas e volumes, atraiu o foco do fotógrafo. O olhar técnico se transformou em resultado artístico na busca de um ângulo inusitado, e na supressão das cores para destacar a simplicidade dos grafismos. “Não sou um pintor, sou um desenhista”, afirma Celso sobre o seu olhar de fotógrafo. Assim como na fotografia, o trabalho de Celso, que tem uma empresa de luminárias, as linhas, a simetria e a simplicidade do design seguem padrões: da engenharia da arte e da arte da engenharia.

www.ocaxiense.com.br

15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

15


Guia de Cultura

Warner Bros, Divulgação/O Caxiense

por Carol De Barba | guiadecultura@ocaxiense.com.br

História sem fim leva a fantasia dos anos 80 para a sala de cinema do Ordovás. Para crianças desta e daquela época

CINEMA l A morte e vida de Charlie | Drama. 14h30, 16h50, 19h20 e 21h20 (leg.) | Iguatemi Charlie St. Cloud é o herói da cidadezinha onde mora: marinheiro, adorado pela mãe e pelo irmão caçula, bolsista em Stanford. Porém, seu futuro brilhante é interrompido por uma tragédia. Agora, ele precisa escolher entre honrar uma promessa que fez há anos, ou ir em busca do amor de uma ex-colega de escola. Dirigido por Burr Steers. Com Zac Efron, Ray Liotta e Kim Basinger. 12 anos. 99 min.. l As Viagens de Gulliver | Comédia. 17h50 (dub.)(3D) e 22h (leg.)(3D) | Iguatemi Na versão moderna da história clássica, o hilário Jack Black interpreta Lemuel Gulliver, entregador de correspondências num jornal de Nova Iorque que sonha em se tornar repórter. Em busca de uma grande matéria, ele resolve viajar atrás de uma pista da localização exata do Triângulo das Bermudas. No meio do trajeto, ele é levado à Liliput, uma terra mágica onde ele se torna grande – em tamanho e ego. Dirigido por Rob Letterman. Com Jason Segel, Emily Blunt, Amanda Peet e Billy Conolly. Livre. 91 min..

uma agente imobiliária egoísta parece ser incapaz de entender o irmão, Marcos. É ele quem cuida da mãe e, quando ela morre, a irmã o expulsa do apartamento onde moravam. Solteiro aos 64 anos, sem grandes realizações profissionais e obrigado a sair de Buenos Aires, Marcos busca asilo num resort no Uruguai, onde desenvolve amizades e recomeça sua vida – notícia que parece desagradar Suzana. Dirigido por Daniel Burman. Com Graciela Borges e Antonio Gasalla. 105 min..

Barret Oliver, Tami Stronach, Patricia Hayes, Sidney Bromley, Gerald McRaney, Moses Gunn. Livre. 102 min..

AINDA EM CARTAZ: 72 horas. Suspense. 19h10 e 21h50 (leg.). Iguatemi. | As Crônicas de Nárnia – A Viagem do Peregrino da Alvorada. Aventura. 14h10 dub.. Iguatemi | De pernas pro ar. Comédia. 13h40, 15h50, 18h e 20h10. Iguatemi | Entrando numa fria maior ainda com a família. Comédia.14h, 16h30, 19h e 21h40 (leg.). Iguatemi. | Inl Enrolados | Animação. controlável. Ação. 16h40, 22h20 13h50, 16h, 18h10, 20h20 (dub.) e (leg.). Iguatemi. | Tropa de Elite 13h30, 15h40, 19h50 (dub.) (3D) 2. Policial. 22h10. Iguatemi | | Iguatemi INGRESSOS - Iguatemi: Segunda e quarUm bosque, uma torre, uma ga- ta-feira (exceto feriados): R$ 12 (inteira), rota solitária com longos cabelos. R$ 10 (Movie Club Preferencial) e R$ 6 Terminam por aí as semelhan- (meia entrada, crianças menores de 12 anos ças com o clássico dos Irmãos e sênior com mais de 60 anos). Terça-feira: R$ 6,50 (promocional). Sexta-feira, sábado, Grimm. A nova Rapunzel tem ca- domingo e feriados: R$ 14 (inteira), R$ 12 belo mágico e se une a um char- (Movie Club Preferencial) e R$ 7 (meia enmoso ladrão para uma grande trada, crianças menores de 12 anos e sênior mais de 60 anos). Sala 3D: R$ 22 (infuga. Dirigido por Nathan Greno com teira), R$ 11 (estudantes, crianças menores e Byron Howard. Livre. 102 min.. de 12 anos e sênior com mais de 60 anos) e R$ 19 (Movie Club Preferencial). Horários

Recomenda das sessões de sábado a quinta – mudanças programação ocorrem sexta. RSC-453, l História sem fim | Aventura. na 2.780, Distrito Industrial. 3209-5910. | O Terça (18), às 15h | Ordovás UCS Cinema permanecerá fechado até O filme de 1984 abre a segunda 31 de janeiro. O Ordovás abre a partir do temporada do projeto CineKids, dia 20. | que propõe resgatar os clássicos infantis dos anos 80. Ao mergulhar na leitura de um velho livro, o jovem Bastian é levado a um mundo de fantasia onde encontra um caracol de corrida, um morMÚSICA cego planador, um dragão da sorRecomenda te, elfos, uma Imperatriz Menina, Recomenda o valente guerreiro Atreyu e o Co- l Baú do rock | Sábado (15), l Dois Irmãos | Comédia. 20h me-Pedra. A entrada é franca. Di- 20h | | Ordovás rigido e co-escrito por Wolfgang A noite tem clima de clássica e No longa Argentino, Susana, Petersen. Com Noah Hathaway, lendária – tanto pelo local, quan-

16

O Caxiense

15 a 21 de janeiro de 2011

to pela música. A discotecagem é do DJ Jaime Rocha, um fã e entendedor de rock clássico (especialmente Rolling Stones). O show fica por conta da banda Tubarão 75, cujo nome é inspirado no lendário Chevette Tubarão 75. Vagão Classsic R$ 12 (feminino) e R$ 15 (masculino) | Júlio de Castilhos, 1343 | 3223-0616 l Top 10 | Sábado (15), 23h | Na lista da casa noturna, Black Eyed Peas, David Guetta, Katy Perry, Rihanna, Shakira e Usher, entre outros. Além da discotecagem com os DJ’s residentes Léo Z e Elias Cappellaro, e imagens do VJ residente Gustavo, show de pop rock com a banda Trahma. No lounge, quem comanda as pick-ups são os DJ’s Juliano Pontalti e Daniel. Com flyer, desconto de R$ 5. Pepsi Club R$ 20 (feminino) e R$ 40 (masculino) | Vereador Mario Pezzi, 1450 | 3409-1900 TAMBÉM TOCANDO – Sábado (15): Andy and The Rockets. Blues. 22h. Mississippi. 3028-6149 | Festa Anos 80. Banda Cooks. Rock. 23h. Vagão Bar. 3223-0007 | Poder da Criação. Samba. 23h. Boteco 13. 32214513 | Saturday Havana. Eletrônica. 23h. Havana. 3224-6619 | Dama da Noite + DJ Eddy. 23h. Portal Bowling. 3220-5758 | Grupo Quarteto Paiol. Tradicionalista. 22h. Paiol. 3213-1774 | DJs Audiotronic. Pop. 23h. La Boom. 3221-6364 | Domingo (16): Rafa & Tita. Rock. 20h. Mississippi. 3028-6149 | Tarja Preta. Samba.

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


EXPOSIÇÕES

ros, 260 | 3901-2323 l Tempo Revisitado | De terça a sexta, das 9h às 19h, sábado e domingo, das 15h às 19h | A curadora convidada Odete Garbin faz um resumo do conteúdo do Acervo Municipal de Artes Plásticas de Caxias do Sul (Amarp) em 122 obras. A exposição celebra a nova galeria e sala de guarda. Galeria do Ordovás Entrada franca | Luiz Antunes, 321 | 3901-1316 AINDA EM EXPOSIÇÃO – Aos Mestres. Giovana Mazzochi e Marcos Clasen. De terça a sábado, a partir das 17h. Galeria em Transição – Teatro Moinho da Estação. 3221-4513 | Diversidade Cultural nos Trilhos da História de Caxias do Sul. Antônio Carlos Lorenzett. A partir de quarta (5), de segunda a sexta, das 8h30 às 18h30, sábados das 8h30 às 12h30. Farmácia do Ipam. 32229270 | Identidades Simultâneas: imagens de um lugar ou de lugar qualquer. Simone Rosa. De segunda a sábado, das 10h às 19h30, e domingo das 16h às 19h. Catna Café. 3212-7348 | Mostra de Grafite Caxias 100 Anos. Coletiva. Largo da Estação Férrea. | Soulart. Lauro Grivot. De segunda a sábado, a partir das 11h. Aristos London House. 3221-2679

Recomenda l 13º Caxias em Cena | De segunda a sexta, das 9h às 12h e das 13h30 às 18h | O período de inscrições inicia segunda (17). Os grupos e companhias que desejam participar com espetáculos ou atividades paralelas (oficinas, palestras, debates , etc.) devem encaminhar suas propostas até 31 de março. O regulamento e as fichas de inscrição estão disponíveis no site da prefeitura (www.caxias.rs.gov.br). A 13ª edição do festival será realizada de 13 a 25 de setembro. Unidade de Teatro Gratuito | Centro de Cultura Ordovás | 3901-1316 | l Teatro para Crianças | De segunda a sexta, das 9h às 12h e das 13h30 às 18h | As inscrições devem ser feitas pessoalmente, na Unidade de Teatro da Secretaria Municipal de Cultura. A oficina conta com o apoio do Sesc de Caxias do Sul e é voltada para o público de oito a 13 anos. Será ministrada pela atriz Carla Vanez. Haverá duas turmas (de 17 a 28/01 e de 31/01 a 11/02), uma no turno da manhã e outra à tarde, com aulas de segunda a sexta-feira. Unidade de Teatro R$ 10 e R$ 5 (conveniados Sesc) | Centro de Cultura Ordovás | 39011316 |

PARQUE

l Parque de diversões | Diariamente, das 10h às 22h | A rede Magic Game montou um parque baseado no conceito family entertainment, no qual os pais brincam com seus filhos. Haverá brinquedos clássicos e novidades. Entres eles, Magic Torre, um elevador que despenca girando, Auto Pista, uma pista de carrinhos elétricos, Chapéu Mexicano, com cadeiras em volta de um eixo que giram em alta velocidade, e Kid Ride, voltado para crianças de até seis anos. Praça de Eventos do Iguatemi R$ 3 a R$ 5 | 3289-9292

LITORAL l Arroio do Sal: Sábado (15): Banda Marauê. Reggae. 22h. Sede. | Eclipse Fatal. 22h. Praia Azul | Quarta (19): A casa faz a festa. Sarau. Calçadão Rua Boa Vista | Quinta (20): Cinema infantil. 15h. Cinema adulto. 21h. Centro Ágora do Arroio | Sexta (21): Show Balanço de Galpão. 22h. Bairro Jesus | Biblioteca e Tele Centro. De segunda a sexta, das 14h às 20h |

l 5ª na Praça | Quinta (20), a partir das 19h | Participam o cantor Gardelito, Grupo Legado Gaúcho e Ernesto Nunes. Praça XV de Novembro - Torres l A arte de representar | De Entrada Franca | Centro, próximo segunda a sexta, das 8h às 12h e aos Camelôs das 13h30 às 18h | O ator e diretor Davi de Sou- AINDA EM TORRES: Sábaza, promove a oficina de 19 a 21 do(15): Lançador de Foguetes. e de 26 a 28 de janeiro, das 19h Teatro. 19h. Praça Pinheiro Maàs 22h. O objetivo é desenvolver chado | Monstras S.A. Teatro. a comunicação e a liderança, atra- 21h. Centro Municipal de Culvés de jogos dramáticos, trabalhar tura | Domingo(16): Boraima criatividade e espontaneidade, bolÁ Luau. Arte circense. 20h30. estimular as capacidades intelec- Praça Pinheiro Machado | Quintuais e os relacionamentos sociais, ta(20): Festa no Templo Reino e trabalhar habilidades físicas de Iansã. 21h. Bairro Centenário como: voz, olhar, gestos, movi- | Sexta(21): The Towers Band. mentos, equilíbrio, flexibilidade, Pop. 19h30. Casa de Verão Band/ expressão corporal e verbal. Sesc | Sobre Saltos de Scarpin. Sala de Ensaio – Centro Cultural Teatro. 21h. Centro Municipal de R$ 200 | Júlio de Castilhos, 1.526/2º Cultura |

Artistas vidreiros, Divulgação/O Caxiense

Recomenda l Vidro: Arte e Transparência | A partir de sexta (21), de segunda a sexta, das 8h30 às 18h, sábados das 10h às 16h | A exposição reúne trabalhos do Grupo de Artistas Vidreiros de Porto Alegre. As criações utilizam TEATRO diversas técnicas para trabalhar o vidro, com temática livre. l Oficina do Teatro São Galeria Municipal Carlos | De segunda a sexta, das Entrada franca | Dr. Montaury, 9h às 12h, e das 13h30 às 18h | 1.333 | 3221-3697 As aulas serão ministradas por Andréa Peres, atriz e diretora, col Releituras – Exposição de ordenadora do Grupo de Teatro Roupas dos Anos 80 | De se- de Bonecos Quiquiprocó, e pelas gunda a sexta, das 8h às 18h30 | atrizes da cia, Juliana Demori e As roupas foram confecciona- Priscila Toni. Haverá duas turdas com materiais reciclados pe- mas, uma para crianças de 7 a 11 los alunos da 8ª série da Escola anos, e outra para jovens de 12 a Municipal de Ensino Fundamen- 16 anos. As aulas serão realizadas tal Erny de Zorzi. A orientação do duas vezes por semana, com dutrabalho é das professoras Sandra ração de 1h30. São 10 aulas, nas Gomes (Artes), Ivete Ferreira seguintes datas: 18, 20, 25 e 27 de (português) e Claudete de Castro janeiro e 01, 03, 08, 10, 15 e 17 de (Educação Física). fevereiro. Informações e inscriGaleria da SMED ções por telefone. Entrada franca | Borges de Medei- Teatro São Carlos

R$ 150 | Feijó Júnior, 77 | 3227- | 3221-0261 6.967

Franciele Soares/O Caxiense

22h. Boteco 13. 3221-4513 | Terça (18): Blueslave. Blues. 22h. Mississippi. 3028-6149 | Stand up (comédia em stand by). Projeto Rock & Cultura. 20h Vagão Classic. 3223-0616 | Adriano Trindade Acústico. Samba. 22h. Boteco 13. 3221-4513 | Quarta (19): Blueslave. Blues. 22h. Mississippi. 3028-6149 | Branco no Preto. MPB. 23h. Boteco 13. 3221-4513 | Maurício e Daniel. Tradicionalista. 22h. Paiol. 3213-1774 | Quinta (20): Fabrício Beck Trio. Rock. 22h. Bier Haus. 32216769 | Franciele Duarte. Rock. 22h. Mississippi. 3028-6149 | Zé Bitter Rock Band. 23h. Boteco 13. 3221-4513 | César de Freitas e Banda + DJ EDDY. Sertanejo universitário. 23h. Portal Bowling. 3220-5758 | Sexta (21): Franciele Duarte. Rock. 22h. Mississippi. 3028-6149 | Festa All Star. Mercenários Inglórios. Rock. 23h. Vagão Bar. 3223-0007 | Banda Fullgas + DJ Eddy. 23h. Portal Bowling. 3220-5758 | Grupo Quarteto Paiol. Tradicionalista. 22h. Paiol. 3213-1774 |

Trabalhos delicados em vidro serão expostos na Galeria Municipal; Grupos de teatro podem se inscrever para o 13º Caxias em Cena a partir de segunda

www.ocaxiense.com.br

15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

17


Carvalho O nome de musa da arte não tem origem na obra de Da Vinci – veio de “mono”, único –, mas bem que poderia ter. Formada em Artes pela UCS, Mona estudou História da Arte na Espanha, conservação de bens culturais na Itália e artes audiovisuais na Colômbia. Dançou ballet clássico, sapateado e flamenco, mas apaixonou-se pelas artes visuais. Mona coordena a Escola Preparatória de Dança, a comissão de Artes Visuais que avalia os projetos do Financiarte; representa as Artes Visuais no Conselho de Cultura; promove artistas e espaços culturais com a curadoria independente que leva o seu nome e atende telefonemas entre uma reunião e outra. A curadoria independente, que já colocou mais de 15 novos e talentosos artistas na vitrine e no mercado, é a principal aposta de Mona. Esse braço levantado na foto representa o logotipo e o conceito da marca: um pulso firme – e sempre adornado – para carregar com cuidado e nobreza as preciosidades da arte.

Lauro

Antonio Ferreira da Silva

Não é por acaso que Lauro Antonio Ferreira da Silva carrega o apelido Guerreiro. A garra com que defendeu o Juventude ao longo de 17 temporadas é traduzida na vida pessoal como dedicação a tudo aquilo que gosta e acredita. No topo da lista de predileções do jogador a família tem posição inquestionável – o pequeno João Pedro, cinco anos, desde bebê é seu fiel escudeiro. Lauro fez de um hábito corriqueiro, uma peculiaridade. Aplicado que é, não bastou apreciar a música nativista, que funciona como ligação com os campos de Alegrete, a terra natal. Há anos passou a tocar violão, estudando o instrumento e os rebuscados dedilhados do ritmo. Da soma de gosto pela música e amor pela família, nasceram algumas composições dedicadas ao filho e à mulher, Manuela.

Lagoa do Rizzo |LocaFim de tarde | Chimarrão

Parque dos Macaquinhos |

Com rampas de skate, ciclovia, quadras de basquete e vôlei de areia, academia da terceira idade e equipamentos de alongamento, o parque mais frequentado da cidade parece ideal para os esportistas. Mas também há estrutura para os adeptos de programas mais sedentários: sombra e água quente – na temperatura certa para o chimarrão, ao lado da lancheria (!).

18

O Caxiense

lizado em um dos bairros mais afastados do Centro, o Parque da Lagoa é um dos mais bonitos da cidade. Agora, quem frequenta o espaço para o chimarrão de domingo pode levar uma garrafa térmica menor e erva-mate extra. Um quiosque recém inaugurado, também oferece água quente. Um pequeno deck é o lugar onde se pode ficar mais próximo da lagoa. A água parece limpa, aos olhos de quem admira a paisagem. No entanto, não beba, não se banhe, não pesque.

15 a 21 de janeiro de 2011

André T. Susin/O Caxiense

Mona

André T. Susin/O Caxiense

André T. Susin/O Caxiense

por Paula Sperb e Marcelo Aramis

Fernando

Aver A escola que transpira notas musicais de todos instrumentos e estilos vai completar um ano no primeiro trimestre de 2011. A Acordes Atelier Musical (13 de Maio, 1.392, fone 3419-0601) oferece cursos de férias que iniciaram nesta semana e também abriga saraus de jazz – estilo preferido dos sócios e componentes do Fernando Aver Jazz Trio. O instrumentista que dá nome ao conjunto foi absorvido pela harmonia sonora e instrumentos há 22 anos. Quando adolescente, rock n’ roll era dedilhado na guitarra. Mais tarde, o jazz se tornou mais do que uma paixão: foi uma tendência natural, como os improvisos característicos do estilo.

Centro Esportivo do Sesi | Vale a pena ir até o bairro Fátima para curtir o fim de tarde à beira do Complexo Dal Bó. O parque não oferece uma grande estrutura para o lazer, mas a paisagem da represa compensa. Aos domingos, o Sesi oferece atividades de recreação infantil, oficinas de artesanato e massagem. Uma cerca na margem evita acidentes ou impulsos de quem curte o verão longe da praia. Cinquentenário | Também tem água quente para o chimarrão no parque

dos leões, no final da Via Vêneto. Playground para as crianças, sombra para os adultos e cancha de bocha...

UCS | Talvez a principal contribuição comunitária da UCS seja a infraestrutura de lazer. Aos finais de semana, a Cidade Universitária relaxa e se recupera da overdose de carros e trânsito de alunos. Os arredores do zoológico, da lagoa e todo o grande quintal da UCS ficam disponíveis para os pés na grama e cuia na mão. Em qualquer lugar em que se esteja, há um belo jardim ao lado, um chafariz ou uma cascata, ainda que artificiais. Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


Dupla por FABIANO PROVIN Rodrigo Fatturi, Div.ulgação/O Caxiense

Pré-temporadas

Na pré-temporada grená, a equipe venceu dois jogos-treino (6 a 0 sobre o Da Rocha e 3 a 0 no Sindicato dos Atletas Profissionais do RS). O único amistoso foi contra o Canoas – goleada grená de 4 a 0. Os papos realizaram mais testes: foram seis amistosos e dois jogos-treino, sendo cinco vitórias (4 x 3 no Santa Cruz, 1 x 0 no Nacional-AM, 2 x 1 no Veranópolis, 3 x 0 no Novo Hamburgo e 1 x 0 no Serrano de Canela), duas derrotas (4 x 1 para o Porto Alegre e 2 x 1 para a Marcopolo) e um empate (0 a 0 com o Inter B).

Caxias e Juventude

prontos para a estreia

Gilmar Gomes, Divulgação/O Caxiense

O Ju estreia no Gauchão o novo fardamento fornecido pela Dalponte. Na noite de 12 de janeiro os uniformes foram apresentados durante evento no Havana Café. O traje reserva tem listras horizontais verdes e brancas. A terceira camisa é verde-limão.

www.ocaxiense.com.br

laterais, seis volantes, seis meias e sete atacantes. No Caxias, foram oito contratações – vieram o goleiro André Sangalli, o lateral direito Patrício, os zagueiros Edson Rocha e Vanderlei, os volantes Bruno e Felipe e os atacantes Waldison e Lima (este o mais recente; desembarcou no Centenário no dia 11). Ao todo, Lisca tem 29 jogadores à disposição, sendo três goleiros, seis laterais, três zagueiros, seis volantes, quatro meias e sete atacantes e centroavantes – incluídos aí Everton e Palacios, que estavam emprestados e retornaram ao clube. Fabiano Provin/O Caxiense

Traje novo

O Juventude fez uma preparação de 83 dias. O Caxias, de 46 dias. Os técnicos Beto Almeida e Lisca garantem que suas equipes estão prontas para a estreia no Gauchão 2011. A direção do Ju contratou seis jogadores – o lateral esquerdo Anderson Pico, o volante Jardel e os atacantes Telê, Denílson, Zulú e Alvaro (uruguaio). No total, Beto Almeida tem 32 jogadores no grupo, sendo que três deles (Ramiro, Follmann e Bressan) disputam a Copa São Paulo de Futebol Júnior e outros cinco (Alex Teles, Moisés, Celsinho, Jander e Hiago) recuperam-se de lesões e cirurgias. São três goleiros, seis zagueiros, quatro

O Gauchão

São 16 equipes divididas em duas chaves que disputarão 134 partidas, 80 delas transmitidas ao vivo em canais abertos e fechados – vale lembrar que este ano o Caxias não terá seus jogos transmitidos pelo payper-view. Os grupos: o Caxias, atual campeão do Interior, está na Chave 1, ao lado de Inter, Novo Hamburgo, Lajeadense, Ypiranga, São Luiz, São José e Canoas Sport Club. A Chave 2 é formada por Juventude, Grêmio, Porto Alegre, Santa Cruz, Inter-SM, Veranópolis, Pelotas e Cruzeiro. Na primeira fase, a Taça Piratini, os clubes da Chave 1 jogam contra os da Chave 2. Confira os jogos da dupla CA-JU no primeiro turno.

Os jogos do Ju na Taça Piratini 16.01 | 19h30: Juventude x São Luiz 20.01 | 19h30: Canoas x Juventude 23.01 | 19h30: São José x Juventude 27.01 | 19h30: Juventude x Caxias 30.01 | 17h: Juventude x Ypiranga 02.02 | 17h: Inter x Juventude 06.02 | 19h15: Juventude x Novo Hamburgo 13.02 | 17h: Lajeadense x Juventude Os jogos do Caxias na Taça Piratini 16.01 | 19h30: Santa Cruz x Caxias 20.01 | 20h30: Caxias x Pelotas 23.01 | 17h: Caxias x Cruzeiro 27.01 | 19h30: Juventude x Caxias 30.01 | 17h: Veranópolis x Caxias 02.02 | 20h30: Caxias x Inter-SM 05.02 | 17h: Grêmio x Caxias 13.02 | 17h: Caxias x Porto Alegre

Aposentado

O atacante Washington, formado nas categorias de base do Caxias e conhecido como Coração Valente devido aos problemas que teve, anunciou na quarta (13) sua aposentadoria.

15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

19


Gauchão alviverde

ESTE ANO

ELE NÃO QUER

CHORAR

Capitão do Juventude, Umberto mostrou amor ao clube nas derrotas do ano passado. Em 2011, confia na recuperação

André T. Susin/O Caxiense

O

Umberto recuperou a vaga e a braçadeira com o técnico Beto Almeida

20

O Caxiense

15 a 21 de janeiro de 2011

por FABIANO PROVIN fabiano.provin@ocaxiense.com.br

Com a chegada de Beto Almeida, a titularidade – e a liderança – foram reconquistadas. “Nosso ano de 2010 foi duro demais para ambiente de trabalho está bom. a torcida esmeraldina. Quase caiu Todos têm abertura com o Beto; para a Segundona gaúcha, foi eli- estamos positivos. Claro que essa minada da Copa do Brasil e, o sequência de bons resultados nos pior, acabou rebaixada para a Sé- amistosos ajudou o grupo. É uma rie D do Campeonato Brasileiro. prova de que o trabalho que esA direção do Juventude permane- tamos desenvolvendo está dando ceu, recolheu os pedaços, mante- certo”, afirma Umberto, casado ve parte do grupo de jogadores, com Mariana e pai da pequena contratou outros seis atletas e o Melissa, de apenas um ano e nove desafio está lançado: apresen- meses. “Elas estão em São Paulo tar um desempenho no mínimo e em breve estarão morando coigual ao orgulho que o juventu- migo”, conta, satisfeito. Desde que dista mais ferrenho tem quando chegou no Ju, o jogador mora soveste a camisa alviverde para ir zinho – nas folgas, voa direto para ao Jaconi. Este orgulho o volante se encontrar com a família. e capitão do time tem. Umberto, Uma amostra da confiança dos que chorou em Criciúma no ano jogadores foi na derrota sofrida passado, após aquele empate em para o Porto Alegre, 4 a 1, amisto1 a 1 que decretou o descenso à so realizado no dia 20 de novemquarta divisão, está confiante no bro no Jaconi. “Não houve desestrabalho desenvolvido desde o fi- pero. Continuamos a trabalhar e, nal de outubro para em seguida, ocorreu a disputa do Gauum salto de produti“Essa ansiedade chão. vidade”, conta. AgoExperiente, o jo- existe porque ra, só o que pode gador de 31 anos, ficamos um atrapalhar um pouformado em 1997 bom período co é a expectativa da nas categorias de estreia. “Essa ansiebase do então Etti treinando. dade existe porque Jundiaí-SP (hoje Precisamos ficamos um bom Paulista-SP), atuou estrear bem período treinando. a maior parte da em casa”, Precisamos estrear carreira em equipes diz Umberto bem em casa, diande São Paulo, como te da nossa torcida, Marília, Atlético de pois logo em seguiSorocaba e Guarani. Antes de vir da teremos dois jogos fora e, depara o Ju, estava no Ituiutaba, de pois, o clássico CA-JU”, lembra o Minas Gerais. Natural de Vilha capitão. Velha (ES), Umberto Lourenço Louzer Filho é volante, mas semO Ju estreia no Gauchão pre gostou de jogar como terceiro às 19h30 deste domingo (16), zagueiro, atual esquema mantido contra o São Luiz de Ijuí. Umpelo técnico Beto Almeida. “Jo- berto garante que já conversou gando mais atrás é possível ver com os companheiros, maioria melhor o jogo e orientar os com- remanescente de 2010. Para ele, panheiros. Como gosto de falar existem duas coisas negativas na bastante e cobro durante as parti- carreira de um jogador de futebol das, naturalmente os treinadores profissional: lesões e rebaixamenme dão a braçadeira. É uma gran- to. “Absorvemos tudo o que de de responsabilidade ser o capitão”, negativo aconteceu. O aprendiresume Umberto. zado foi muito grande. Sabemos que temos de entrar em campo O jogador começou como e não errar. Temos de fazer tudo titular no Juventude na equipe do diferente. É difícil um clube dar então treinador Osmar Loss. Uma essa oportunidade. Hoje, para jolesão no joelho direito, no início gar no Juventude, é preciso fazer de março de 2010, afastou-o por algo a mais”, discursa Umberto. É um mês, o que o fez perder a vaga. o que espera toda a papada.

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


André T. Susin/O Caxiense

Gauchão grená

A HONRA DE SER

LÍDER

Volante do Caxias deve ser o capitão do time para a disputa do Estadual. Com apenas 22 anos, ele afirma que a braçadeira não pesa

V

Além do Grêmio, Itaqui atuou pelo Paulista-SP, NáuticoPE e Guarani-SP. Capitão da equiolante ao melhor estilo marcador, pe júnior gremista, revezou a bravem da fronteira com a Argentina çadeira no Caxias com Marcelo o provável capitão do Caxias para Costa no Estadual e na Série C de a disputa do Gauchão. O apeli- 2010. Ele garante: “A braçadeira do não poderia ser outro: Itaqui, não pesa. Isso não é um privilégio, mesmo nome da cidade onde é uma honra”. Para este Gauchão, nasceu. E o mesmo apelido do ir- que se inicia para a esquadra gremão, Jesus Cleiton Pereira da Sil- ná às 19h30 de domingo (16) – a va, lateral direito que defendeu o estreia será fora de casa, em Santa Juventude – foi campeão da Série Cruz do Sul, no Estádio dos PláB em 1994 – e o Grêmio. tanos, contra o Santa Cruz –, ItaNo tricolor, o Itaqui mais novo, qui acredita que a cobrança será Odacir Pereira da Silva, 22 anos, maior do que a de 2010, quando o foi promovido ao grupo profis- Caxias avançou até as quartas de sional em fevereiro de 2007 pelo final da Taça Fábio Koff (2º turentão treinador do Grêmio Mano no). “Temos de superar o passado Menezes, hoje na Seleção Brasi- e ver o lado positivo. Para avanleira. E ainda no Grêmio traba- çar, teremos de construir vitórias, lhou nas categorias de base com uma após a outra, como em 2010. o técnico Julinho Camargo, que Construímos um castelo forte, comandou o Caxias na tempora- mas pecamos no mata-mata. da 2010. A confiança é grande dentro do vestiário, e isso é Itaqui está no importante quando clube grená desde “Temos de superar tratamos de futebol”, dezembro de 2009, o passado e ver argumenta o volanmas sua ligação o lado positivo te. afetiva com Caxias das coisas. Para do Sul é mais antiPara Itaqui, o ga. “Sempre vinha avançar, teremos jogo mais importanvisitar meu irmão de construir te do campeonato quando ele jogou vitórias, uma será a estreia dianaqui e, mesmo pe- após a outra”, te da torcida. E ela queno, gostei da ci- projeta Itaqui ocorrerá às 20h30 dade”, conta Itaqui, do dia 19 de janeique aprecia o clima ro, contra o Pelotas. e arrumou mais um motivo para “Posso dizer que é essa a partida estabelecer raízes em Caxias: a que representará o começo do namorada, Sabrina. ano. O grupo é maduro, apesar de Além dos dois Itaquis, a famí- ser um pouco jovem”, constata o lia tem outro jogador, de 20 anos, capitão. que também está no Caxias. GeQuestionado sobre os erros do rethes Cleucir Souza da Silva, as- Caxias na temporada passada que sim como o irmão mais novo, é não podem se repetir este ano, volante, estava na base grená e foi Itaqui fica pensativo. Olha para promovido ao grupo profissional o chão e, depois de algum temneste ano. Para não confundir a po, avalia: “O caso da Copinha equipe, Gerethes não será cha- é à parte e prefiro não comentar. mado de Itaqui – o novo apelido Mas no Gauchão e na Série C... é Gere. É difícil falar. Fizemos as coisas Os jovens moram em Caxias certas, mas no final um passe ercom os pais, Moacir e Eva. “Saio rado, uma bola que não entrou, e do treino e vou para casa. Des- acabamos eliminados. Não podecanso, tomo chimarrão com meus mos errar. Quem acertar mais, irá pais e canto hinos e louvores”, diz ganhar. Na pré-temporada planItaqui, um cristão que se “renova” tamos coisas boas. Esperamos cona religião. lhê-las dentro de campo agora”. por FABIANO PROVIN fabiano.provin@ocaxiense.com.br

www.ocaxiense.com.br

“Construímos um castelo forte, mas pecamos no mata-mata”, diz Itaqui 15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

21


Guia de Esportes

Tiago Braga, Divulgação/O Caxiense

por José Eduardo Coutelle | guiadeesportes@ocaxiense.com.br

Competição de surfe deve reunir mais de 100 atletas na Praia dos Molhes, em Torres, no final de semana tes e idosos | Hércules Galló, 1547, Centro

FUTEBOL Recomenda l Juventude x São Luiz | Domingo, 19h15 | Após a vitória no amistoso com o Santa Cruz por 4 a 3, o time alviverde está pronto para iniciar a disputa do Campeonato Gaúcho. Beto Almeida teve de fazer algumas adaptações na equipe titular devido a lesões. Os laterais Celsinho e Alex Teles estarão de fora da estreia. Assim, o Ju deverá iniciar com: Jonatas; Bruno Salvador, Umberto e Fred; Rafael Pereira, Jardel, Anderson Pico, Cristiano e Tiago Silva; Júlio Madureira e Jean Coral. Alfredo Jaconi Entrada: R$ 20 e R$ 10 estudan-

22

O Caxiense

15 a 21 de janeiro de 2011

Recomenda l Santa Cruz x Caxias | Domingo, 19h30 | O técnico Lisca já havia definido na última semana a equipe que estrearia no Gauchão contra o Santa Cruz. A única dúvida era com relação ao companheiro de Everton no ataque. Ao longo dos últimos treinos, a questão foi resolvida. Pedro Henrique é o titular da vaga. O Caxias deve começar com: Matheus; Patrício, Édson Rocha, Neto, Edu Silva; Felipe Gonçalves (Marcos Rogério), Itaqui, Edenílson e Rodrigo Paulista; Pedro Henrique e Everton. Estádio dos Plátanos R$ 20 geral e R$ 10 estudantes e idosos | Gaspar Silveira Martins, 1.448, Santa Cruz do Sul

LITORAL

Universitário e Surdo, esta última criada pela Associação dos Surfisl 3º Torneio de Xadrez | Sá- tas de Torres. bado, 8h30 | Torres Entrada gratuita Teste a sua capacidade comandando torres, bispos e peões. A l Campeonato Praiano de competição é aberta para pessoas Futebol | Domingo, 14h15 | de todas as idade, sendo necessá- Torres rio saber apenas as regras básicas Os jogos serão na arena montado xadrez. da na Praia Grande. Para o dia de Casa Sesc Estação de Verão abertura, estão programados seis 2kg de alimento não perecível jogos. A competição segue até 27 de fevereiro, sempre aos dominRecomenda gos. l Taça Modamar AST | Sába- Entrada gratuita do e domingo, a partir das 11h | Torres l Beach Soccer | Domingo, As ondas da Praia dos Molhes 15h | Arroio do Sal receberão uma centena de freNa 2ª rodada, a equipe Luso enquentadores neste final de sema- frenta os Galáticos, e o Mercado na. Isso porque será realizada a 3ª Avenida joga contra o time Valetapa do Circuito Inter Associa- dir, todos na categoria Livre. Na ções 2010, nas categorias Open, Master, um único jogo neste doJúnior, Mirim, Iniciantes, Master, mingo: Figueirinha x Galáticos. Sênior, Feminino, Longboard, Entrada gratuita

Semanalmente nas bancas, diariamente na internet.


Renato Henrichs renato.henrichs@ocaxiense.com.br

Apesar de ser definida para assumir a 4ª Coordenadoria Regional da Educação na semana passada, a professora Márcia Fernandes só responderá pelo cargo a partir desta segunda-feira (17). Encontra-se no litoral de Santa Catarina, em período de férias. A segunda etapa para efetivação das matrículas na rede estadual de ensino encerrou-se na última sexta-feira (14).

Rumo à prefeitura

O deputado estadual eleito Alceu Barbosa Velho (PDT) mostra sua força. Além de passar a ter 16 cargos de assessorias políticas de seu gabinete na Assembleia para espalhar pela região, já emplacou a indicação da nova coordenadora regional da Saúde. Solange Sonda é da mesma ala pedetista de Alceu. A movimentação do ex-viceprefeito de Caxias parece ter um objetivo claro: a eleição municipal do ano que vem.

Tema recorrente

A primeira reunião-almoço da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços (CIC) de Caxias do Sul deste ano, no próximo dia 24, deverá ter no cardápio um tema recorrente: segurança. Nada mais justo do que contar com a presença do novo secretário estadual, Airton Michels, para falar a respeito dos planos para a área.

MUDANÇAS

NO SECRETARIADO As modificações no secretariado municipal devem ficar para as próximas semanas. A única certeza é de que haverá uma mexida, a começar nas secretarias técnicas. Mas, as especulações – naturais em períodos de mudança – apostam na volta do atual secretário da Educação, Edson da Rosa (PMDB), para a Câmara de Vereadores. E na ida do vereador Edio Elói Frizzo (PSB) para o governo. Aliás, uma pergunta frequente nos corredores da prefeitura mostra essa possível mudança como fato consumado: qual a secretaria a ser

ocupada por Frizzo? As mudanças no secretariado têm como alvo as eleições municipais do ano que vem. Aliás, despontam os nomes de colaboradores diretos do prefeito José Ivo Sartori (PMDB) para disputar a sucessão: Alceu e Edson Néspolo, pelo PDT; Carlos Búrigo e Mauro Pereira, pelo PMDB. A ideia é manter a base que elegeu Sartori, para dar continuidade ao trabalho do atual governo. Essa proposta não lembra outra recente eleição?

Vamos trabalhar para aprovar, entre outras propostas, o fim do voto secreto e do fator previdenciário. Queremos garantir também o mesmo reajuste do salário mínimo para os aposentados. Senador caxiense Paulo Paim (PT), ao anunciar a renovação de suas bandeiras políticas para 2011.

Biblioteca básica

Comissão de Educação da Câmara de Vereadores está empenhada em recolher 1 mil livros didáticos para abastecer a biblioteca da futura Escola Estadual de Ensino Médio da Vila Ipê. A constituição de uma biblioteca é requisito exigido pelo Conselho Estadual da Educação para o funcionamento da escola, a partir de março.

Pela família

Passado o episódio da votação do aumento aos salários dos parlamentares, os deputados caxienses Gilberto Pepe Vargas (PT) e Ruy Pauletti (PSDB) veem-se envolvidos em outro tema lamentável: a concessão de passaportes diplomáticos para familiares de políticos. E, mais uma vez, ambos ficaram mal na foto. Privilégio do poder: Pepe pediu o documento especial para a filha; Pauletti, para a esposa.

Precariedade

No ano passado, 113 áreas da cidade foram consideradas inadequadas para habitação, embora estivessem sendo ocupadas por moradias precárias. A fiscalização para evitar essa prática também foi considerada precária. Mudou algo de lá para cá? Luiz Chaves, Divulgação/O Caxiense

Coordenadoria

Confiança

O futuro comandante do Comando Regional de Policiamento Ostensivo (CRPO) da Serra, coronel Nicomedes Barros Vieira Júnior – ou simplesmente coronel Barros –, solicitou transferência para Caxias do Sul depois de conhecer os números/índices da criminalidade local. Confiante, vem disposto a utilizar seu perfil operacional para reverter esses números.

Aliás

A constatação é das entidades representativas do comércio caxiense. Apesar do esquema especial montado pela Brigada Militar, a recente Operação Papai Noel apresentou um aumento de 7,84% no número de furtos e roubos praticados no comércio, em comparação ao mesmo trabalho, em 2009. Foram 55 ocorrências contra 51 registradas na operação anterior.

Cotidiano

O governo Sartori está focado em grandes (e bem-vindas) obras, como o Complexo do Marrecas e o asfaltamento de estradas do interior. Mas a cidade – e líderes de bairros reunidos no Conselho da UAB reclamam disso – ressente-se da falta de manutenção. Recolocação de paralelepípedos, troca de lâmpadas da iluminação pública, cobertura de buracos abertos por asfalto que se rompe são obras pequenas, mas fundamentais para o dia a dia da cidade.

www.ocaxiense.com.br

15 a 21 de janeiro de 2011

O Caxiense

23



Edição 59