Issuu on Google+

ROTAS ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO DA INDÚSTRIA PARANAENSE 2009 - 2011

2009 - 2011

POLÍTICAS PÚBLICAS 2012 - 2015

2016 - 2018

Estabelecer e valorizar as atividades de extensão para o setor florestal. Promover de forma participativa o Zoneamento Econômico Ecológico – ZEE. Harmonizar legislação ambiental nas esferas municipais, estadual e federal. Promover a interação com as comunidades locais com vistas ao desenvolvimento social. Mapear e divulgar editais específicos e informações regulatórias para o setor. Divulgar a carteira de projetos do Centro de Tecnologia em Celulose e Papel – CETCEP. Divulgar as ações do Sindicato das Indústrias de Papel e Celulose do Paraná – SIMPACEL. Incentivar o desenvolvimento de tecnologias que reduzam a liberação de odores. Incentivar o desenvolvimento de tecnologias limpas e produtos inovadores. Incentivar produção em circuito fechado. Reverter os recursos das multas ambientais para educação ambiental. Criar metas para a reciclagem de papel e papelão. Criar um padrão paranaense de certificação (PPC). Exigir certificação para atuação.

2009 - 2011

MATÉRIA-PRIMA 2012 - 2015

2009 - 2011 2016 - 2018

Incentivar o reflorestamento como atividade econômica e divulgar para a comunidade os benefícios das florestas plantadas. Criar um comitê para levantar a demanda de matéria-prima em um horizonte de 10 anos. Mapear as opções de fontes energéticas sustentáveis para as usinas. Incentivar a formação de parcerias entre indústrias e a EMBRAPA Florestas. Investir em P&D nos temas: auto-suficiência energética, novas fontes de matéria-prima e melhoramento genético de árvores. desenvolver tecnologias para melhor aproveitamento das matérias-prima. Potencializar a utilização de circuitos fechados de água. Criar programa de metas setoriais para a redução dos gases do efeito estufa (GEE). Desenvolver novas fontes de matéria-prima.

Criar comitê setorial para planejamento, avaliação e controle de ações ligadas à infraestrutura e logística. Investir em estradas, ferrovias, portos, hidrovias. Criar plano estratégico de logística integrado. Divulgar as principais linhas de fomento relacionadas ao plano estratégico de logística Criar um corredor de exportação para o setor. Criar um portal regional para troca de informações (Centro de Informação de Papel e Celulose – CIPC). Otimizar a infraestrutura para controle de emissões aéreas. Promover a adoção de sistemas eficientes de coleta de material para reciclagem.

2018

Roadmap Papel e Celulose

2009 - 2011 2016 - 2018

Criar um comitê de articulação para induzir uma interação efetiva entre os atores. Promover a interação entre atores e divulgar casos de sucesso no setor. Mapear e divulgar portfólio de serviços do SESI/SENAI/IEL e UNINDUS. Incentivar a transferência de tecnologia no setor. Mapear a cadeia produtiva de papel e celulose. Promover a imersão de docentes do SENAI e das Universidades nas indústrias. Criar um banco de necessidades tecnol—gicas para o desenvolvimento do setor. Promover a intera• ‹o entre as secretarias de meio ambiente e agricultura.

2016 - 2018

Induzir via CAPES/CNPq a formação de doutores pesquisadores e grupos de pesquisa para a área de Papel e Celulose. Mapear e divulgar o potencial de formação de RH no estado. Formar parcerias com centros de referência internacionais. Adequar a grade curricular dos cursos técnicos e superiores às necessidades do setor. Incentivar intercâmbio de profissionais entre as indústrias do setor e a imersão de profissionais nas unidades do SENAI e nas Universidades. Criar cultura de inovação nos quadros funcionais e nas empresas do setor. Adequar as áreas do CETCEP para atender às necessidades das indústrias do setor. Realizar trabalhos de conclusão de cursos de graduação em temas de interesse do setor.

Formar parcerias internacionais com instituições de renome. Criar um plano florestal estratégico a partir do ZEE. Criar Centro de Informa• ‹o de Papel e Celulose - CIPC - on-line.

Adequar a infraestrutura às tendências internacionais de logística e transporte.

2009 - 2011

2016 - 2018

2016 - 2018

2009 - 2011

RECICLAGEM 2012 - 2015

2016 - 2018

Criar um centro paranaense de design de embalagens.

2016 - 2018

Realização

Cooperação Técnica

Apoio

Promover a reconversão profissional para quadros internos das indústrias do setor. Adequar a infra-estrutura dos laboratórios existentes. Criar cursos de formação continuada baseados nas tecnologias emergentes. Criar cursos com foco em biorefinaria para os quadros de gestores das indústrias do setor.

OBSERVATÓRIO DE PROSPECÇÃO E DIFUSÃO DE TECNOLOGIA

Pólo de Competitividade em embalagens

Visão 3

Divulgar internacionalmente as ações do setor.

Desenvolver produtos e processos inovadores. Investir em P&D&I para o desenvolvimento de embalagens com novas propriedades: hidrofílicas, hidrofóbicas, interativas, com revestimentos funcionais e com maior proteção e segurança. Monitorar as tendências internacionais e antecipar-se ao mercado internacional.

Acompanhar evoluções tecnológicas.

2009 - 2011

Desenvolver pesquisas aplicadas relacionadas ao tema biorefinaria. Desenvolver pesquisa básica para valorização da madeira. Criar disciplinas para trabalhar o conceito de biorefinaria nas universidades. Formar parcerias internacionais com instituições de renome. Criar mestrado profissionalizante. Inserir mestres e doutores nas indústrias do setor Criar linhas de pesquisa para utilização de resíduos celulósicos.

Excelência em P&D&I em fibras

2016 - 2018

Criar campanhas de marketing direcionadas ao público infantil. Criar um plano de marketing divulgando o Paraná como referência em embalagens. Criar um plano de marketing baseado no Apelo Ecológico do Polo de Competitividade. Investir no desenvolvimento de produtos e serviços inovadores. Vincular campanhas de marketing às certificações obtidas pelas empresas.

Mobilizar os atores em torno da criação de um Pólo de Competitividade. Articular ações junto ao poder público para a equidade tributária e fiscal. Mapear e divulgar os editais para o setor. Desenvolver tecnologias para embalagens no Paraná. Criar mecanismos para reter as competências humanas no estado. Criar programas de qualidade e produtividade para o setor de embalagens. Valorizar o diferencial das embalagens de papel.

2009 - 2011

2016 - 2018

MARKETING DO SETOR 2012 - 2015

Divulgar o conceito de Pólo de Competitividade junto às indústrias, governo e universidades. Articular os atores em torno da proposta do Pólo de Competitividade. Criar programas estaduais de estímulo às indústrias de embalagens. Criar plano de marketing para valorizar a embalagem de papel. Estimular eventos (feiras, congressos) voltados ao setor de embalagens de papel no Paraná Articular os elos da cadeia.

COMPETITIVIDADE 2012 - 2015

Visão 2

Incorporar nano e biotecnologias nos processos produtivos.

2009 - 2011

2009 - 2011

2016 - 2018

Desenvolver novas tecnologias para reciclagem de papel.

Criar um centro tecnológico para desenvolvimento de embalagens.

RH ESPECIALIZADO 2012 - 2015

INFRAESTRUTURA EM P&D&I 2012 - 2015

Incrementar as ações e infraestrutura do CETCEP para as necessidades do setor. Mapear e divulgar editais, recursos científicos e tecnológicos que atendam ao setor. Mapear centros de pesquisa de referência internacional. Adequar laboratórios dos centros de pesquisa e universidades. Criar linhas P&D&I em fibra longa e fibra curta. Desenvolver linhas de pesquisa para melhor aproveitamento de matéria prima. Investir em linhas de pesquisa sobre tecnologias emergentes. Acompanhar a evolução das tecnologias emergentes. Formar consórcio de indústrias para P&D&I pré-competitiva.

2009 - 2011

Promover formações de acordo com mudanças tecnológicas no setor.

Criar um programa de educação com foco em coleta seletiva e reciclagem de papel para todas as instituições de ensino públicas e privadas. Difundir os critérios da certificação ambiental. Formalizar a atividade do catador de papel. Formar parcerias Indústria-Governo e Indústria-Cooperativas de Catadores para coleta seletiva de papel. Mapear e divulgar as ações de coleta e reciclagem existentes. Criar campanhas para divulgar a importância da coleta seletiva e reciclagem. Desenvolver pesquisas para otimizar a utilização de água e energia. Criar política estadual de separação de residuos e metas estaduais de reciclagem de papel.

Criar cursos específicos para embalagens. Promover Workshops sobre design de embalagens. Criar cursos de gestão In Company, para demandas específicas. Criar cursos de formação continuada baseados nas tecnologias emergentes. Promover a imersão de docentes na indústria. Promover a imersão de profissionais na academia. Adequar a grade curricular dos cursos técnicos e superiores afins ao setor. Promover parcerias internacionais com instituições de renome.

TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA 2012 - 2015

Criar linhas de financiamento para facilitar o acesso às tecnologias de ponta. Estruturar mecanismos de incentivo à transferência de tecnologia no setor (missões, feiras, visitas técnicas, interação com universidade, rodadas de negócio). Monitorar as tendências tecnológicas internacionais. Incentivar pesquisas por meio de contrato de risco. Promover Workshops e clínicas tecnológicas. Realizar um Roadmapping tecnológico de fibras. Criar um banco de oferta/demanda de tecnológicas para o desenvolvimento do setor. Desenvolver produtos a partir da antecipação de tendências de mercado.

2009 - 2011

RH ESPECIALIZADO 2012 - 2015

Visão 1

Antecipar mudanças no perfil e investir na formação de RH especializado.

Articular a inserção de mestres e doutores nas indústrias do setor. Ampliar cultura de inovação nos quadros funcionais das empresas.

Criar Clube de Empresas de Embalagens de Papel.

Indústria sustentável de Papel e Celulose

Criar mestrado profissionalizante na área de Papel e Celulose. Criar cursos transdisciplinares com foco na convergência tecnológica.

2009 - 2011

RH ESPECIALIZADO 2012 - 2015

2016 - 2018

Mapear o potencial de formação de recursos humanos do estado. Criar cursos de nível técnico (florestal, papel e celulose e de manutenção industrial). Criar programas de capacitação gerencial (comportamento e liderança). Oferecer cursos In Company de acordo com a demanda da indústria. Articular competências do SENAI (CETSAM e CETCEP) para atender ao setor. Criar parcerias/cursos para a formação de gestores com foco na sustentabilidade. Adequar os conteúdos dos cursos de n’vel técnico e superior às necessidades das indústrias.

Desenvolver e implementar um programa de rastreabilidade em toda a cadeia.

2009 - 2011

2009 - 2011

2016 - 2018

Potencializar a incorporação das nano e biotecnologias nos processos produtivos.

Monitorar indicadores de sustentabilidade da cadeia de papel e celulose.

INTERAÇÃO ENTRE ATORES 2012 - 2015

INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA 2012 - 2015

RH ESPECIALIZADO 2012 - 2015

POLÍTICAS PÚBLICAS 2012 - 2015

2016 - 2018

Estimular a construção de parques eco-industriais. Criar incentivos para atividades relacionadas às biorefinarias. Divulgar o conceito de biorefinaria para a sociedade. Mapear a geração de resíduos nas indústrias paranaenses. Potencializar as ações da Bolsa de Resíduos do SENAI. Realizar estudos de viabilidade técnica/econômica para biorefinarias. Divulgar vantagens competitivas das biorefinarias. Promover a transferência de tecnologia para empresas do setor. Articular ações com outros setores industriais para a utilização dos resíduos por eles gerados. Criar incentivos fiscais e financeiros para processamento de resíduos nas indústrias do setor. Criar editais específicos para biorefinarias. Criar campanha de marketing utilizando os benefícios da biorefinaria para agregar valor à imagem do setor. Criar plano de metas ambiciosas de redução de resíduos.

TECNOLOGIA E KNOW-HOW 2012 - 2015

MERCADO CONSUMIDOR 2012 - 2015

2016 - 2018

Identificar potenciais produtos das biorefinarias da indústria de Papel e Celulose. Realizar estudo de viabilidade técnico-econômica. Mapear e divulgar a viabilidade de novos negócios com os produtos das biorefinarias. Prospectar mercados nacionais e internacionais. Divulgar o conceito e benefícios das biorefinarias para a sociedade. identificar nichos de mercado.

2016 - 2018

Formar parcerias internacionais com instituições de renome. Estimular a imersão dos docentes do SENAI e das universidades nas indústrias. Promover missão técnica e científica para conhecer biorefinarias de referência. Estruturar mecanismos de transferência tecnológica (feiras, missões, rodadas de negócios). Fortalecer a infra-estrutura do Centro de Tecnologia em Celulose e Papel (CETCEP). Desenvolver programas de retenção de competências humanas no setor. Desenvolver pesquisas com foco em tecnologias de filtração de membrana (tratamento de água). Desenvolver pesquisas para maior eficiência energética das indústrias do setor. Formar parcerias com setores correlatos. Adotar nas indústrias as melhores técnicas de produção disponíveis. Desenvolver pesquisas para melhor aproveitamento de matéria-prima.

Criar normas de certificação para produtos biorefinados. Aplicar diferenciação tributária para produtos biorefinados. Criar parcerias com o mercado de varejo para distribuição dos produtos das biorefinarias. Criar campanhas de marketing que valorizem os produtos das biorefinarias.

Visão 4 Biorefinaria para um mercado global

Fazer vigilância tecnológica para acompanhar a criação/produção de novos produtos biorefinados.

Desenvolver processos e produtos inovadores. Promover a ado• ‹o das nano e biotecnologias nos processos produtivos das indœstrias do setor. Nacionalizar a produ• ‹o de tecnologia. Monitorar tendências sociais e tecnológicas internacionais. Antecipar demandas.

Monitorar a produção em ciclo fechado nas cadeias produtivas estratégicas.

Indústria de Papel e Celulose Inovadora e Sustentável


Roadmap Papel e Celulose