Issuu on Google+

Existência Vida, infame vida, dos miseráveis em vísceras e ossos nus, Dos andarilhos com pés sangrentos e rostos sem expressão, Dos trabalhadores, novos escravos, em costas ardendo de sol, Dos loucos e dementes excluídos por cidadãos alienados, Dos olhos do inocente esperando seu alvará de liberdade, Oh vida, destemida, jaz esquecida por viver escondida. Veja seu legado, seu desprezível jogo nunca acabado.

Alan Henrique Weihrich


Existência