Page 1

O Mirante

de Olinda

ROTEIRO MENSAL DE CULTURA E TURISMO

Olinda, abril de 2012 - ano 02 nº 09

Find here the best places in Olinda

Distribuição GRATUITA/DIRIGIDA

Perfil

Walmir Chagas

Ator, músico, palhaço, compositor, dançarino, veio de pastoril, radialista, garoto propaganda, Walmir Chagas é um saltimbanco da nossa cultura. Pág. 7, 8 e 9

Historiando

Historiador Marcelo Lins Os Faróis de Olinda. Pág. 3

Musicalidade

Lucinha Guerra

Veste Saias de Samba - Lucinha prepara seu novo CD. Pág. 5

ICEI Brasil

Olinda - Patrimônio Cotidiano

Atores da Gastronomia Olindense. Pág. 13

Resgate Cultural

Cine Olinda

O Cine Olinda passará por reformas e estará disponível ao público. Pág. 16


Editorial

O Mirante de Olinda

Daniela Câmara

danielacamara_omirantedeolinda@hotmail.com

E

O dia da mentira foi o dia em que nasceu uma mulher culta e verdadeira

la nasceu no Engenho cachoeirinha em Vitória de Santo Antão. Perdeu o pai logo cedo, aos 7 anos de idade. Tempos depois veio para o Recife morar na Rua da Glória. Ainda adolescente, conheceu em Garanhuns, o homem o qual veio a se casar e ter 9 filhos. Escolheu para sua morada o bairro do Poço da Panela, onde criou seus filhos ensinando-os as verdades e os padrões educacionais mais tradicionais. Mesmo tendo nascido em primeiro de abril, ironicamente a data em que se celebra o dia da mentira. Sem pieguice, falo da batalha dessa senhora elegante, distinta e reconhecida em todos os meios em que circulou. Foi professora de educação e ética social, membro do Comitê Nacional do Cerimonial Público (CNCP), na universidade da Paraíba ministrou cursos de conduta profissional, ocupou cargo de chefe de cerimonial da Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes. Como jornalista trabalhou no Diário de Pernambuco assinando a coluna Moda e Modos, tendo sido ainda editora da sucursal Nordeste da Revista Persona de Brasília. Foi assessora de imprensa da Sociedade Consular de Pernambuco, além disso, durante 7 anos, trabalhou no centro do imaginário da Fundação Joaquim Nabuco, assessorou o sociólogo Gilberto Freyre em suas exposições de arte, dentre elas a mostra Sobrados e Mocambos. Organizou a parte iconográfica do livro do Jornalista Potiguar Matos sobre Gilberto Freyre, inspirada na obra “Casa Grande e Senzala”. Ela também trabalhou na academia Pernambucana de Letras na equipe de tombo do acervo. Preparou com suas aulas de etiqueta social, diversas primeiras damas dos Estados de Pernambuco e da Paraíba. É formada em letras pela Fafire, e é bacharel em história pela Unicap. Ester Câmara foi marchand de muitos artistas plásticos de Recife e Olinda, chegando a ter duas belíssimas galerias de artes no bairro de Casa Forte e, em Olinda. Cumprindo bem todas essas etapas, ainda educou os filhos e foi muito bem casada com Amaro Câmara, administrador de empresas da Celpe e descendente da família Câmara de Portugal, onde há alguns anos atrás, ela esteve na Ilha da Madeira, conhecendo a tradicional história da Câmara de Lobos, que originou a família. Mulher de destaque na sociedade, Ester Câmara é simples e sofisticada ao mesmo tempo, além de ser uma mulher que esteve à frente do seu tempo e reinventou sua própria história de vida, após a perda do marido e companheiro. O Mirante além de homenageá-la, vem lembrar aqui seus feitos em prol da nossa cultura. Essa mulher, que fez aniversário em 1º de Abril esteve junto aos grandes gênios da nossa cultura, a exemplo de Gilberto Freyre, Francisco Brennand, Montez Magno, Marcus Accioly, dentre tantos outros artistas e intelectuais de destaque do Recife e de Olinda. Pois bem, estamos esse mês comemorando a data do seu aniversário e dando graças a Deus pela existência do dia da mentira, com orgulho das verdades que ela mostrou ao longo do seu trajeto. Isto é herança de valor imaterial, que ela deixou para os que com ela conviveram e que ainda convivem nos dias atuais. Parabéns Dona Ester Câmara, pelo banho de cultura que a senhora deu em tantos que hoje trabalham na área das artes.

Farol de Olinda

Foto: Saulo de Tarso


Historiando Olinda, abril de 2012

N

o artigo anterior exploramos um pouco a gravura “Marin d’Olinda de Pernambuco” do livro de Johannes de Laet, datada de 1644. E partindo de alguns elementos daquela mesma gravura procuro construir o fio da meada do texto de hoje. Para quem navega, “terra a vista” pode significar terra firme ou porto seguro, mas também, perigos para a embarcação e sua segurança representados por mar raso e arrecifes, tão perigosos como os que encontramos no litoral de Pernambuco “onde quebra netuno a fúria esquiva”, segundo os versos do poeta Bento Teixeira em sua Prosopopeia (1601)¹. No seu roteiro da costa do Brasil (1625), o cosmógrafo mor do reino de Portugal, Manoel Figueiredo (1568-1630), alerta os pilotos dos navios que diante da costa de Pernambuco “há muitos arrecifes aguados, que não aparecem senão de baixa mar, os quais botam uma légua ao mar”². O perigo representado pelos arrecifes também está presente na gravura de De Laet, onde a letra M da legenda aponta a existência de arrecifes submersos diante da praia de Olinda, e completa orientando os navegantes a passarem a perigosa barreira de pedras pelas laterais. Para sinalizar o perigo podemos ver no item P da legenda um Baecken op een bergh – farol sobre um morro - na grafia da primeira metade do século XVII. Pela definição do “A large dictionary English and Dutch” edição de 1735, a palavra holandesa “Baken” – poste com um pequeno barril ou cesta no alto, para sinalizar raso no mar ”. O farol representado na gravura Marin d’Olinda seria a única referência a um primitivo

Os Faróis de Olinda

303 Marcelo Lins

farol existente em Olinda ao lonBorges, sob a fiscalização do go de todo o período colonial, engenheiro Júlio Álvaro Teixeira mesmo sendo possível que a do Macedo, segundo o relatório presença desta primitiva baliza para o ano de 1871. de navegação seja fruto da imaO farol iniciou seu funginação do artista que produziu cionamento em 18 de novembro a gravura. A existência de um fade 1872, erguido sobre um dos rol para alertar sobre os perigos baluartes do antigo forte Mondos arrecifes diante da vila de tenegro nas areias da praia de Olinda não é uma construção de Olinda. Consistia de uma torre todo absurda. No entanto, só em octogonal de ferro fundido, com fins do século XIX, a Marinha 16 metros de altura e altura de Imperial do Brasil decidiu No final foco 19 metros acima do níinstalar um farol para sivel do mar. Foi equipado da década nalizar a ponta da velha com lanterna dióptrica Marin. lampejo de 4ª. Orde 30 do século dedem Sobre este com alcance de passado, a Marinha primeiro, ou segun12 milhas náuticas do, farol de Olinda, (22 Km). Em 1873, do Brasil iniciou o relatório do Mifoi publicada a nistério da Maria modernização do “Instrução para se nha para o ano de o porto sistema de sinalização demandar 1869, informa que de Pernambuco o barão de Cotee iluminação costeira. avistando-se o gipe, ministro da de Olinda” Segundo o relatório de pharol Marinha, havia assinada pelo caautorizado o en- 1941, o velho farol de ferro pitão de fragata genheiro Zózimo Antonio Joaquim não mais se adequava de Mello TamboBarroso a contratar na Inglaterra rim, a bordo da às necessidades do nove faróis de canoeira Araguatorre e lanterna de porto do Recife, sendo ry, em 22 de semetal, um deles o urgente a modernização tembro de 1873. O farol da Ponta de relatório de 1886, Olinda., pagos pela de equipamento tão informa que o farol delegacia do tesouro de Olinda com sua importante para lâmpada em Londres. No relade lampejo segurança da tório do ano de 1870, o de com intervalos de engenheiro informa que dois minutos encontranavegação va-se em bom estado e os quatro últimos faróis, o de Olinda entre eles, não a torre metálica pintada de haviam sido remetidos ainda vermelho. O aparelho era opepor causa do cerco de Paris, que rado por dois faroleiros que cusatrasou a produção dos aparetavam dois contos e 400 mil reis lhos. No ano seguinte Barroso anuais, de acordo com o relatório dá conhecimento do embarque de 1896. Em 1927, o aparelho ludos faróis e a contratação de minoso foi trocado pelo sistema dois oficiais mecânicos para traAGA, mais moderno e econômibalharem no levantamento das co. torres metálicas e na montagem Durante 70 anos, o antigo das lanternas. A construção dos farol marcou a paisagem praieifaróis dos Reis Magos, Rio Granra da cidade de Olinda Algumas de do Norte e de Olinda foi conpoucas imagens existentes mostratada com Francisco Ferreira tram sua torre de ferro fundido

sobre base de alvenaria fincada na areia da praia entre jangadas, caiçaras e banhistas. No final da década de 30 do século passado, a Marinha do Brasil iniciou a modernização do sistema de sinalização e iluminação costeira. Segundo o relatório de 1941, o velho farol de ferro não mais se adequava às necessidades do porto do Recife, sendo urgente a modernização de equipamento tão importante para segurança da navegação. Um novo farol foi construído no alto do morro do Serapião, e entrou em funcionamento no dia 7 de setembro de 1941. Segundo o relatório do Ministério da Marinha daquele ano, o novo farol constava de uma torre de concreto armado com 88,50 metros de altura, ficando seu foco a 131 metros acima do nível do mar, sistema luminoso elétrico com alcance de 28 milhas náuticas (51Km). Como sistema reserva o farol contava com um bico de luz AGA para o caso de interrupção na energia elétrica. O alto da cúpula era equipado com um dispositivo para projeção de luz destinado a auxiliar a navegação aérea.³ Sobre o farol hoje existente no morro do Serapião, encontramos uma discrepância entre os dados do relatório de 1941, e o Serviço de Sinalização Náutica do Nordeste, que informa que o atual farol de Olinda tem uma altura de 42 metros, com torre cônica de concreto armado, pintado com faixas horizontais pretas e brancas. 4 Nas noites escuras e estreladas da lua nova, apesar da luminosidade urbana, ainda podemos ver o feixe luminoso do novo farol de Olinda, que ao longo das últimas sete décadas vem orientando os navegadores, assim como os seus antecessores dos séculos precedentes.

¹ Bento Teixeira. Prosopopéia. Reprodução fiel da edição de 1601 segundo exemplar existente na Biblioteca Nacional e Pública do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Typographia do Imperial Instituto Artístico, 1873; p. 24. Disponível em http://www.archive.org.

² Figueiredo, Manoel. Hidrographiaexame de pilotos: no qual se contem as regras que todo piloto deue guardar em suas nauegações ... : com os roteiros de Portugal pera o Brasil, Rio da Prata, Guinè, S. Thomé, Angolla, &Indias de Portugla&Castella, Lisboa: Vicente Alvarez,1625. Disponível em: http://www.archive.org.

³ Relatórios do ministério da Marinha (1821-1960). Disponível em: Center for Research Libraries - http://www.crl.edu. 4

Serviço de Sinalização Náutica do Nordeste, Faróis no Estado de Pernambuco. https://www.mar.mil.br/ssn-3/images/pernambuco/faroispernambuco.htm


04

Poesia e Cordel

Alto da Sé / Olinda - PE

Misael Godoy

misaelgodoy_omirantedeolinda@hotmail.com

SE QUISER, EU VÔ LHE DIZER QUEM SOU !

Poeta é feito sertão: “mais tranquile do que Nossa Sinhora rezando, balançando os pé numa nuve...”, assim falou o grande Jessier Quirino, em seu Berro Novo... Sei não, heim? Eu sou poeta, mas, tem dias, que acordo com um azougue no couro e com a brabeza do bando de Lampião todinho brigando com uma volante no mêi da caatinga. O gênio de duzentos siri dentro de uma lata de querosene é pouco! Então, macho véi, se vier me peitar, fique logo sabendo quem eu sou!

“Vim cantar pra toda a gente Os cantar do meu sertão Sou o poeta mais valente Mais brabo que Lampião...” Se quiser, eu vô lhe dizer quem sou Sou poeta que lança o desafio Quem se bate comigo perde o brio Seja frio cangaceiro ou matador Sou cordão com cerol que decepou O pescoço do afoito motoboy Sou do ferro a ferrugem que corrói Sou marquise que cai no transeunte Não me bote conversa e nem me assunte Pois meu verso é punhal que fere e dói Nem veneno de cobra me destrói Cascavel, faço o rabo de chocalho Sua carne inda vendo no retalho Se quiser ela viva, eu pego um mói Sou as bombas lançadas em Hanói Estilhaços que saltam da granada Sou o tétano após uma furada Sou nocaute do murro bem no queixo Quando deita na lona eu cuspo e deixo Ver o mundo rodando da porrada Mike Tyson eu bati de uma lapada Sou pior que a dentada de um vampiro Quando o sangue se acaba eu me arretiro Sou a morte cruel de uma facada Nem piranha num rio me dá dentada Tubarão lá no mar nem chega perto Pit Bull sai correndo: ôh bicho esperto ! Sucuri, eu que a mato de um arroxo King Kong pra mim é fraco e xôxo Mesmo em cima da torre eu lhe acerto Sou pior que a serpente do deserto Quando eu parto, o meu bote vai certeiro Eu atiro melhor que um cangaceiro Não importa a distância, o tiro é certo O maior matador nem chega perto É dez bala e um buraco só, na testa Só rezar para Deus é o que lhe resta Mas eu mando é falar com Lucifér Inda pego pra mim sua mulher Sou o castigo do cabra que num presta!

“Vim cantar pra toda a gente Os cantar do meu sertão Sou o poeta mais valente Mais brabo que Lampião Lanço agora o desafio Pro poeta que tem brio Leia mais cordeis no portal www.omirantedeolinda.com.br Cabra frouxo, tem vez não!” Todos os direitos reservados. Obra registrada no EDA/FBN. Não é permitida a reprodução total ou parcial desta obra, sem o consentimento do autor.

Foto: Saulo de Tarso Veja mais fotos no portal: www.omirantedeolinda.com.br


O Mirante de Olinda

Musicalidade

Olinda, abril de 2012

05

Lucinha Guerra veste Saias de Samba Dona de uma das mais belas vozes de Pernambuco Lucinha prepara seu novo CD

O

novo processo criativo da cantora Lucinha Guerra, intitulado “Saias de Samba”, expressa o sentido do vestir das saias no entendimento de sair em busca de sons que estejam no universo do samba. Lucinha Guerra, uma das mais criativas cantoras do Estado é diversa tanto em sua versatilidade no cantar, como em suas criações musicais. Ela gosta da diversidade rítmica e estilística da música. Seu novo projeto “Saias de Samba”, junta novos sambas autorais inéditos dela e dos seus parceiros sambistas, a exemplo de Selma do Samba, em torno das rodas de samba, do samba canção, bem como das antigas gafieiras. Corajosa e cheia de atitude, Lucinha vem levantando custos para a gravação de um disco independente após fazer tournée no carnaval de Recife e Olinda. A agenda da cantora já tem em pauta show na Expoidea, que acontece de 05 a 13 de maio. Desde já, ela vem preparando repertório para os shows do ciclo junino pernambucano, que une sambas de Jackson do Pandeiro e Gonzagão, com show intitulado de “Baião de Dois”. Outro evento já previsto em agenda é dentro da programação de shows do projeto de Gonzaga Leal, o “Receitas de Samba”. Com 14 anos de carreira solo, a atriz e cantora Lucinha Guerra atuou em espetáculos como “Mangaba com Catuaba” de Walmir Chagas, entre outras montagens do grupo Romançal de Aria-

no Suassuna e Romero Andrade Lima. A partir do espetáculo de Walmir Chagas, no ano de 1997, Lucinha que já atuava em teatro, passou a dedicar a maior parte do seu tempo à música, iniciando sua carreira de cantora no ano de 2001. Em 2007 Ela é a vencedora do troféu ACINPE, com “O Samba de Mariazinha”. A cantora que tem uma forte formação na música erudita e estudou canto na UFPE, resolveu partir para o estilo popular, desde o começo da sua trajetória solo. Ela tem gosto por estilos musicais como os sambas, carimbós e maxixes. Quando fala do mercado musical de Pernambuco em torno de estilo e diversidade musical, ela enfatiza: “Aqui, se não há espaço para a música popular, imagine a erudita. O popular foi me chamando, mas eu também gosto muito de cantar músicas francesas por exemplo. Gosto de beber em todas as fontes. Não gosto dessa exigência de um estilo único, definido. Eu canto o que gosto e porque sei cantar esses diversos ritmos e estilos musicais”. Tocando sanfona na sala de sua casa, um pequeno acordeón vermelho, ela termina: “Eu quero um dia interpretar as músicas que Héctor de Rosas cantava com Piazzolla, com minha sanfona à punho. Gosto muito dessa coisa demodée e gosto de cantar o amor. Não sigo as tendências musicais da moda”. Serviço: Contato para shows: 91330236 E-mail: lucinha.guerra@gmail.com

Lucinha Guerra, uma das mais criativas cantoras do Estado é diversa tanto em sua versatilidade no cantar, como em suas criações musicais.


06

Contos e Crônicas

DE PEITO

O Mirante de Olinda

Projeto Monumento Videomapping

ABERTO Gillberto Marques

Vinícius

pode não ser um bom exemplo: bebeu muito; fumou à vontade; com o violão embaixo do braço, varou noites e madrugadas. Saiu pelo mundo, cantou de tudo um bocado. Teve várias mulheres, mas descobriu que o amor é um só. O poetinha camarada foi o Castro Alves que eu conheci ainda vivo. O baiano do Navio Negreiro veio bem antes. Juntei à Guilherme de Almeida que chegou com você em 1968. Até hoje declamo de cor: “Escute aqui uma coisa, você é linda...”. Na minha adolescência, Vinícius chegou para ficar. Chega de saudade bateu forte no Brasil e espalhou-se para o mundo. Turbilhão convocou o jovem eternamente apaixonado: “não se esqueça de fazer tudo que pedir esse coração”. A Carta a Pedro: a poesia foi uma mulher cruel em cujos vórtices me perdi sem remissão... Trouxe o meu Pedrinho e foi o canto que eu queria cantar. Mariana, o nome da neta, fez o maior sucesso na noite do 27 de fevereiro que anunciou a madrugada do primeiro encontro, em 1982. No terceiro fui direito. Consuelo concordou e o escrivão, concitado, escreveu: Vinícius. Henrique veio pronto pela mão de Flávia e completou com Giba o meu time eclético: Santa Cruz, Náutico, Sport, América, Íbis. O poetinha foi diplomata. Subi na tribuna do júri antes do diploma sem perder a ternura jamais. De qualquer lado defendi a vida e a poesia. Na malediscência, repetiam: é o advogado trovador. O bloco que me aguarda não é o da Saudade. E, mais uma vez, vou entrar na rinha de peito aberto. No bloco cirúrgico, como cantava Vinícius: “eu viro a cara pro perigo e seja o que Deus quiser”.

O

Projeto Monumento Videomapping, patrocinado pelo Funcultura, realiza intervenções artísticas em edificações de quatro municípios do Estado de Pernambuco. O grupo de VJ’s Retinantz propõe um diálogo através de suas projeções, em um mapeamento de vídeos que visitam 4 cidades entre elas Recife, Goiana, Garanhuns e Triunfo. As intervenções artísticas estão sendo realizadas nas fachadas de imóveis, que proporcionem uma boa visibilidade ao público que irá assistir as apresentações, em pontos estratégicos de cada cidade contemplada. Considerado futuro da projeção, o mapeamento é uma técnica com base na topografia, onde as imagens não se limitam mais as duas dimensões de uma tela. O conteúdo audiovisual, é produzido de maneira a interagir precisamente com os detalhes da superfície em que a projeção se realiza, seja ela plana ou volumétrica. Não só a fachada arquitetônica, mas todos os seus detalhes como colunas, arestas, portas e janelas, podem ser delimitados e explorados nas projeções. O projeto foi pensado no intuito de homenagear a cultura de Pernambuco, em uma linguagem inovadora, utilizando técnicas modernas de projeção e videocenografia, amplificando a riqueza da cultura local de cada um dos municípios visitados.

A realização do projeto contribui para o desenvolvimento e estabelecimento das práticas de artes visuais, que contemplam a tecnologia digital no Estado de Pernambuco, o qual possui artistas conceituados e reconhecidos nacionalmente nessa área das artes, tornando necessária a criação de espaços e oportunidades para esse tipo de exibição. Além disso, viabilizando o acesso ao público de cidades do interior. O conteúdo exibido nos vídeos salienta os aspectos da cultura de cada uma dessas cidades, começando pela arquitetura. A imagem e o som andam juntos, mas o som explorado dá destaque aos ritmos locais específicos daquela região, valorizando e destacando ainda mais aquele patrimônio. Essa técnica ainda não é muito explorada em Pernambuco e só foi utilizada uma única vez, no Festival de Garanhuns de 2010, pelos VJ’s do grupo Retinantz, que é pioneiro em nosso Estado. Na primeira apresentação do grupo, em Goiana, o conteúdo exibido foi inspirado na história do município, que tem fatos interessantes como a primeira biblioteca pública de Pernambuco e a primeira banda de música do Brasil, a Banda Curica, que ainda está em atividade, além da libertação de escravos da localidade, um ano antes da lei Áurea ter sido assinada.


Perfil

Daniela Câmara

Walmir Chagas

7 07 Olinda, abril de 2012

Multimídia e multifacetado ele nasceu para brilhar sem maiores esforços “Eu não sou mais garoto propaganda, eu sou Veio propaganda”.

P

or onde passa deixa um rastro de alegria, um jeito de ser feliz, uma palhaçada visível. Tem uma coisa de amor e tragicomédia, ao mesmo tempo um olhar doce de Véio. É assim mesmo que se escreve, conforme ele explicou: Véio Mangaba com acento agudo no e. Na época em que o Véio foi criado, ainda não tínhamos sofrido alterações ortográficas em nossa língua. Mas o paralelo que quero fazer aqui é entre dois personagens incríveis. O Véio Mangaba e o ator multimídia Walmir Chagas, que são dois personagens queridos da nossa cultura. Um da vida real, do que é ser um artista completo, e do Véio, que quer queira quer não, está entrelaçado ao ator, porque fica lá guardado dentro dele. E isso torna - se aparente na forma de falar, de expressar-se, como se um morasse dentro do outro. De fato isso é perceptível.


08

O Mirante de Olinda

O

ator fala pelos cotovelos, tem um vozeirão e é simpático que só vendo. Foi incrível passar um período da tarde em sua casa, ouvir sua trajetória. E que trajetória ! Há muita coisa para contar sobre Walmir Chagas e sobre a figura do Véio. Vamos conhecer aqui esses dois marcantes personagens. Ator, músico, compositor, dançarino, palhaço, veio de pastoril, radialista, garoto propaganda, (ele corrige e diz que já é um veio propaganda). Walmir Chagas é um saltimbanco da nossa cultura. Aos nove anos de idade, já aparecia ao público e nunca mais iria largar a carreira de artista. Irmão de mágico de circo, filho de clarinetista, ele nasceu no bairro de São José. No início dos anos 70, após ter tido experiência com seu irmão, que era o mágico Professor Ramy e o amigo desse irmão, que era o Palhaço Gameloso, o pequeno Walmir Chagas, aventurava-se em viagens mambembes no circo que eles trabalhavam, em período de férias escolares. Logo depois, o artista conheceu a rádio atriz Linda Maria, que tinha um programa na TV Jornal, intitulado “Cidade Encantada”. Ela percebeu o talento de Walmir e o estimulou a entrar no universo da televisão. Ele começou fazendo pontas em seu programa, descobrindo assim seus dotes artísticos e dando um pontapé inicial em sua extensa carreira. Em 1975 entrou através de um teste, para o Teatro Escola de Pernambuco. A partir daí, começou de verdade sua carreira, quando tornou - se um ator de teatro, nesse tempo ele despertava também para a dança. Em 1976, surgia o Grupo Circense de Dança Popular, liderado por Ariano Suassuna, que era secretário de cultura do Recife na época e, estava à frente do Movimento Armorial, junto à família Madureira. Logo depois, Walmir veio participar dos espetáculos de Antônio Nóbrega, também multiartista, no famoso Grupo Romançal. Nele contribuiu como músico e cantor. Estudou bateria, teoria e solfejo no Conservatório Pernambucano de Música e estagiou na Orquestra Sinfô-

nica do Recife. Na música seu passeio foi longo. Walmir além de instrumentista tem uma voz privilegiada. Foi premiado por diversas trilhas sonoras que concebeu para espetáculos de teatro. Atuou no “Baile do Menino Deus”, nas funções de ator e cantor. A partir dessa época, passa a ser também diretor musical de espetáculos. Em “Salto Alto”, espetáculo de teatro, foi premiado melhor ator e diretor musical, em uma atuação hilariante e provocante. Nesse espetáculo, o trabalho de ator de Walmir Chagas foi importantíssimo para a montagem. Em TV atuou em mais de dois mil VT’S. Em rádio criou inúmeros jingles para campanhas publicitárias. Eis que surge em 1996, o Véio Mangaba, criado por Walmir junto ao músico e publicitário Lula Queiroga, em tempos de campanha política televisiva. Lula queria um tipo popular que fosse inspirado nos personagens dos veios

de pastoril. Foi nessa oportunidade, que surgiu um dos mais queridos personagens dos pernambucanos, inspirado entre os veios Faceta e Barroso, os quais Walmir sempre foi fã, chegando a assistir apresentações tempos antes. Barroso se apresentava no Pátio de São Pedro e Faceta no Janga. Acontece que Walmir Chagas deu um caráter mais contemporâneo ao seu personagem, ainda acrescido de elementos dos universos do circo, do teatro e da própria televisão. Um veio de pastoril numa leitura contemporânea. Esse também foi um caminho extenso na carreira do ator, que passou a fazer shows em festivais e apresentações nos bares mais descolados da cidade, dentre eles a Soparia de Roger de Renor, que foi espaço das rodas de choro que o multiartista promovia junto aos seus amigos músicos, dentre eles Charuto e Bozó. Foram diversos discos e

shows do sucesso d Ma mento é o novo. Wal de rádio, Mangaba” acontece t meio dia. É para o ou culturais, e vem divulg to interess que remet No program grandes fi serem entr nica Feijó, orquestra entre outro Ma coisa nova boas a ser


Véio Mangaba, que fizeram entro e fora de Pernambuco. as a grande novidade do moo que ele vem aprontando de lmir está com um programa intitulado “O Circo do Véio , na Rádio Capibaribe, quetodos os Sábados a partir do É só sintonizar em AM 1240, uvinte se deliciar com dicas entrevistas e eventos que ele gando no programa de formasante, com efeitos de áudio tem as platéias de circenses. ma do Véio, sempre chegam guras da nossa cultura para revistadas a exemplo de Mô, o maestro Fábio César da Raízes, Bráulio de Castro, os famosos da nossa terra. ais adiante vem um monte de a. E o melhor, muitas coisas erem lançadas por ele, que é

Olinda, abril de 2012

909

Ator, músico, palhaço, compositor, dançarino, veio de pastoril, radialista, garoto propaganda, Walmir Chagas é um saltimbanco da nossa cultura. um artista que está sempre “na moda”. Expressão muito utilizada por nós nordestinos, o Véio Mangaba é um artista que está pós-modernizando sempre a nossa cultura, sem ser cafona e com um estilo invejável. Um dos seus novos projetos é o arrojado ensaio fotográfico, para fazer um contra ponto entre ele e o Véio Mangaba, que já vem sendo pensado por sua produtora Carla Sena e será culminado com uma grande exposição no Espaço Mamulengo, no Recife Antigo. São muitos projetos futuros em processo de criação. Ele conta que em breve está lançando livro com música para crianças pela Edições Bagaço, em parceria com os músicos José Aírton e Silvio Roberto de Oliveira. O texto é de sua autoria e chama-se “Brincadeira de Criança”. Fora isso tem o projeto de filmagem do documentário sobre sua vida, intitulado “Walmir Chagas X Véio Mangaba, Uma Vida, Uma História”. Em seu dia a dia, Walmir lê muito, escreve e idealiza seus projetos. Em família, cuida também das atividades domésticas, já que sua mulher bate ponto todo dia. Maria Burichel trabalha na área de saúde e, é mãe de Francisco, o filho caçula do ator. Além do filho menor, ele tem mais três herdeiros. Maíra, mãe do seu neto Miguel e mais dois filhos, Tainá e Tendy.


Roteiro Olindense

Find here the best places in Olinda

Olinda é para quem gosta de dançar, ouvir MPB, degustar da alta gastronomia, ou passear descompromissadamente pela orla ou pelo sítio histórico. Neste roteiro, o turista encontra as melhores opções. Olinda is for those who like to dance, listen to MPB, taste of haute cuisine, or simply stroll along the seashore, or historic site. In this tour, tourists find the best options.

P

ercorrendo a orla marítima temos um leque de opções. Para quem quer curtir um namoro à beira-mar degustando dos seus frutos fresquinhos, começamos o passeio pelo Marisqueira, que tem uma excelente cozinha e está para além das comidas marítimas. No restaurante do empresário Piauí, o casal pode apreciar uma costela de porco ou carne de sol, dentre tantas outras delícias. O interessante é que lá podemos pedir que o garçon ponha a mesa à beira-mar, de onde se vê o quebrar das ondas, degustando um bom vinho. Walking along the shoreline have a wide range of options. For those who want to enjoy dating in front of the ocean while tasting a fresh seafood, we started the tour with the Marisqueira Restaurant, which has an excellent cuisine going beyond the sea food. In the Piaui’s Reastaurant, the couple can enjoy a pork chop or a delicious “Carne de Sol”, among many other delights. Interestingly, there we can ask the waiter to set the table by the seaside, where you see the breaking waves, enjoying a good wine.

Ainda à beira-mar de Olinda, encontramos o Hotel Costeiro. Esse hotel tem 79 partamentos climatizados e cozinha internacional. O hós-

pede desfruta de banho de piscina, enquanto pode solicitar um drink a sua borda. Além dessas características, fica próximo ao Centro de Convenções, Veneza Water Park, Chevrolet Hall, shoppings centers, bancos e sítio histórico, o que torna ainda mais favorável a estada do turista. Still on the ocean front, we find the Hotel Costeiro. This hotel has 79 air-conditioned suites and international cuisine. There you can enjoy a swimming pool, while sipping on your favorite drink. Besides these features, it’s near the Conventional Center, Veneza Water Park, Chevrolet Hall, shopping malls, banks and historical sites. Adiante, na altura do Fortim do Queijo, A Fábrica Bar tem promoções todas as terças-feiras com clone de cerveja e nas quintas, de whisky. Tem espaço para se dançar, além de poder escutar MPB. Os proprietários da casa, Robson e Gustavo,

cuidam da programação cultural. A Fábrica Bar tem um público fiel e “habituée”. Os frequentadores dos clubes não deixam de dar aquela passada semanal na casa. Soon after, next to the Fortim do Queijo we’ll find the Fábrica Bar with its famous Tuesdays Special buy one and get one free beer and on Thursdays buy one get one free whisky. It has space for dancing, in addition to being able to listen to MPB. The owners, Gustavo and Robson are in charge of the cultural program. The Factory bar has a loyal and “habitué” clientele. No Alto da Sé comese bem, bebe-se das melhores cachaças do país e vê-se a mais linda paisagem de Olinda, além da boa música de Pernambuco. O bar também serve um excelente churrasco. Para quem gosta de frutos do mar, o Olinda Art & Grill tem também diversas opções e para a sobremesa, peça uma cartola tropical,


O Mirante de Olinda que é servida com abacaxi e mel de engenho. Ao lado, na cachaçaria, o turista pode levar na bagagem o melhor do artesanato regional e das mais famosas “Branquinhas” da região Nordeste. At Alto da Sé we can eat well, drink the better “cachaça” of this country, see the most beautiful landscape of Olinda and listen the good music of Pernambuco as well. The bar also serves an excellent barbecue. For who likes of seafood, the Olinda Art & Grill also have several options and to dessert, ask for a “cartola tropical”, which is served with pineapple and honey wit. Next, at Cachaçaria, the tourist may take in your baggage the better of regional handicraft and the most famous “branquinhas” of northeast. Há mais de 40 anos, o Bar e Restaurante Cantinho da Sé, mantém a tradição da comedoria regional. No cardápio caldinhos deliciosos, regados a uma cerveja geladíssima, além de uma vista do mais belo cenário da cidade alta. For over 40 years, the Corner Bar e Restaurante See, maintains the tradition of regional eater. The menu

delicious broth, washed down with an ice-cold beer, and a view of the most beautiful scenery of the upper city. Um lugar agradável para o turista visitar e comprar lembranças é a Galeria São Salvador, que fica no Alto da Sé e tem os artesanatos mais engraçados e interessantes, além de poder conhecer as melhores cachaças brasileiras. A nice place for tourists to visit and buy souvenirs is the Gallery São Salvador, located in the Alto da Sé and has the funniest and interesting crafts, also you can learn the best Brazilian cachaça. Um bom almoço regional pode ser saboreado no Cangaço 34. A comida é maravilhosa e o espaço é amplo e agradável. Fica ao lado do Mercado da Ribeira. O restaurante está com uma programação interessante e atrativa para quem quiser curtir Olinda, em um dos mais badalados lugares do sítio histórico. A good regional lunch can be enjoyed in Cangaço 34. The food is wonderful and the space is ample and pleasant. Situated next Mercado da Ribeira. The restaurant is planning a carnival interes-

1119 ting and attractive, because it offers cabins for those who want to enjoy the revelry of Olinda, in one of the hottest places in the historic site. São inúmeras as opções. Nas sextas-feiras ainda pode-se caminhar pelas ladeiras de Olinda, ao som de uma típica seresta, que nos remete aos tempos de outrora. There are a wide range of options. On Fridays you can still walk the hills of Olinda, enjoying the sound of a typical songs, which takes us back in time.

Lá podemos pedir que o garçon ponha a mesa à beira-mar, de onde se vê o quebrar das ondas.


12

Roteiro Olindense Galeria de fotos

Lugar perfeito para dançar na noite olindense

O

Bar e Restaurante Esquina do Mar é um canto especial em Olinda, que oferece uma programação musical interessante para cada dia da semana. O Club do Whisky faz muito sucesso na casa e tem um preço diferenciado. Para quem gosta de whisky, vale lembrar que a promoção é sempre das terças até as quintas feiras. Além da boa programação, o bar fica em um dos melhores points da orla de Olinda. Vale à pena conhecer e freqüentar. O ambiente é agradável, a comida muito saborosa e o atendimento, excelente! Os que são amantes do samba irão encontrar um lugar propício para dançar e se divertir muito na noite de Olindense. Esquina do Mar fica localizado na Av. Ministro Marcos Freire, 729 / Beira-Mar, Olinda-PE Maiores informações pelo telefone: (81) 3429.7754

PROGRAMAÇÃO: TERÇA do VINIL, com DJ440 QUARTA tem CLONE de CERVEJA + RODA de SAMBA QUINTAS CLONE de WHISKY + EMERSON CADILLAC '65 SEXTA CAFUSU, com SANDRO LIMA (SAMBA na abertura) SÁBADO de POP ROCK com CADILLAC '65 DOMINGO de CARNAVAL com SANDRO LIMA


13 13 Texto - André Soares

Atores da Gastronomia Olindense

Dona Inajá / Saboroso aroma na culinária

N

a casa de número 62, situada na Ladeira da Misericórdia, em Olinda, as horas que antecedem as três refeições básicas diárias são acompanhadas pelo saboroso aroma da culinária de Dona Inajá, conhecida pelas troças carnavalescas que sobem a Rua do Bonfim e cruzam a Misericórdia, guiando através do cheiro da sua comida, repórteres de emissoras em transmissões e turistas com a animosidade em alta na esperança de saborear os atrativos pratos cozinhados especialmente para sua família. As refeições compartilhadas pelos parentes e amigos dos moradores de Olinda não fazem parte de uma tradição gastronômica exclusiva a eles. Os visitantes também podem conhecer o maravilhoso universo da culinária local, desde a tapioca (que carrega o título de patrimônio imaterial concedido pelo Conselho de Preservação do Sítio Histórico), passando por trattorias italianas, comidas macrobióticas, vegetarianas, frutos do mar, cozinha internacional e até experimentações regionais, como a conhecida coxinha vegetariana da Rua 13 de maio. Comedorias Populares nas ruas de Olinda - No “portão de

entrada” da cidade, bairro do Varadouro, já é possível conhecer os pratos regionais do Chef Ricardo, no Meu Cariri Comedoria, onde todo o processo é realizado exclusivamente por ele, desde a seleção das frutas, legumes e verduras; cardápio, elaboração dos pratos, atendimento aos clientes, fechamento da conta e até limpeza do ambiente. De um sabor característico regional, no restaurante podem ser encontradas refeições como a mão de vaca, rabada com pirão, arroz de polvo e galinha à cabidela, entre outros. No bairro do Bonsucesso, há três anos, o sabor inconfundível e caseiro da Comedoria Popular do Buba, do Sr. José César Soares, possibilita aos interessados o prazer de almoçar diariamente no quintal de sua casa, uma verdadeira variedade das comidas mais tradicionais da cozinha pernambucana, como o arroz com feijão, macarrão, legumes, verduras e carnes, oferecendo além do delicioso ambiente, preços acessíveis e a possibilidade de entrega em domicílio. Desde 1963, o Bar do Déo, é um ponto de encontro de artistas das mais variadas vertentes, mas é na cozinha e na localização central do Largo do Amparo que o bar pos-

Os visitantes também podem conhecer o maravilhoso universo da culinária local, desde a tapioca até a cozinha internacional. sui seu maior destaque, tendo como principal atração o Sanduíche de Lombo, criado pelo próprio Déo, que em tempos carnavalescos, torna-se um dos principais camarotes da cidade, proporcionando apreciar além dos desfiles e gastronomia, o viver comunitário do popular bairro.Caso a culinária internacional seja o interesse, a Rua Prudente de Moraes, no bairro do Carmo, abriga o Atelier e Comedoria Lautréamont, onde o ambiente intimista com capacidade máxima para 30 pessoas oferece o conforto e exclusividade de desfrutar das saborosas refeições do Chef Valdir Brito e Cipriano Sanchez, muito bem acompanhadas das suas próprias obras de arte, entre pinturas e cerâmicas. Das casas dos moradores olindenses, cozinhas regionais e internacionais, a gastronomia da cidade torna-se um patrimônio imaterial impossível de ser ignorado e totalmente relevante, seja na casa da vizinha, num quintal que se tornou uma comedoria, uma simples coxinha vendida através da janela ou na sofisticação de um prato internacional.

Site: www.turismodagente.com.br / Fone: (81) 3493.9990 / E-mail: olinda@iceibrasil.org.br Endereço: Ladeira da Misericórdia, N° 58, Carmo, Olinda

Ateliêr e Comedoria Lautréamont Av. Prudente de Morais, 249 Carmo / Olinda -PE

Meu Cariri Comedoria Av. Santos Dumont, 100 Varadouro / Olinda -PE

Comedoria Popular de Buba Estrada do Bonsucesso, 493 Bonsucesso / Olinda -PE

Bar do Déo

Rua São João, 345 Amparo / Olinda -PE


14

As Últimas

O Mirante de Olinda

Olinda, abril de 2012

Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto

No ano em que comemora 40 anos de carreira, Alceu Valença recebe homenagem da Orquestra Ouro Preto no espetáculo Valencianas. Sob regência do Maestro Rodrigo Toffolo, a Orquestra realiza três concertos em abril, com participação do cantor e compositor homenageado, em Belo Horizonte (quarta, 18, no Grande Teatro do Palácio das Artes); Ouro Preto (sexta, 20, no Centro de Convenções da UFOP) eRio de Janeiro, (segunda, 23, no Teatro Oi Casa Grande). No segundo semestre, o espetáculo chega a São Paulo, Brasília, Recife e outras capitais.

Lançamento de livro

Célia Labanca lança o livro “A Noite tem Razão Uma História Real Quilombola” no dia 10 de abril a partir das 19h, no atelier de Ana Veloso, que situa-se à Rua Jeremias Bastos, 266 no Pina.

Individuais

Visite as exposições individuais de Pedro Dias (“Sonhos”) e Lorane Barreto (“Veneza Um Olhar”), no Museu de Arte Contemporânea. As exposições, que tiveram abertura no dia 29 de março estão em cartaz até 13 de Maio, de terça a domingo, sempre das 09 às 17h. O MAC fica na Rua 13 de Maio, 157, no sítio histórico em Olinda.

Final da Tournée de Morena Rosa no Tribuna

A cantora Morena Rosa fez sua última apresentação dia 30/03, no restaurante Tribuna Sabores Ibéricos. Morena Rosa parte agora para temporada de shows na Europa.

Arte no Tribuna

Exposição de artes plásticas de Helton Geriz convida Roberto Vieira da Cunha. A exposição fica no restaurante no período de 20 de abril a 15 de maio. O Tribuna fica na Rua de São Bento, próximo à Prefeitura de Olinda.

Nova geração da MPB em Olinda

Pernambuco é celeiro de novos cantores. Dentre tantos novos talentos surge o trabalho de Bianca Menezes, que tem foco na MPB. A cantora de 22 anos, já está em processo de gravação do seu primeiro CD com músicas autorais.

Curso de Drama Grego com a atriz Augusta Ferraz

A atriz, diretora e produtora de teatro Augusta Ferraz ministra curso de drama grego, que terá início no segundo sábado de maio e vai até setembro. As aulas serão ministradas no Espaço Cênicas de Repertório na Rua Marquês de Olinda. O acesso ao espaço tem entrada pela Rua Vigário Tenório 199, 2º andar, Recife Antigo. Podem se inscrever pessoas acima dos 16 anos. Maiores informações 9166 7344/ 9609 3838/ 8756 3261.


O Mirante de Olinda

Olinda, abril de 2012

15 15

Expediente

Edição / Diagramação: Emanuel Sacramento Editora Chefe / Redação: Daniela Câmara Desenvolvimento / Arte: Saulo de Tarso

Colaboradores

Fotografia: Saulo de Tarso Historiador: Marcelo Lins Cronistas: Gilberto Marques Cordelista: Misael Godoy Tradutor: Gabriel Sacramento Revisão: Rubens Sacramento

Agenciador

Gabriel Sacramento 9449.9770 (Tim) / 8552.2919 (Oi) / 9309.1890 (Claro) Lion Antônio 9684.4384 (Tim)

Pontos de distribuição (Olinda):

EMPETUR / Secretarias de Turismo e Cultura da Prefeitura de Olinda / Pontos de Informação Turística da Praça do Carmo e dos Quatro Cantos / Lojas Moto Mais Honda de Olinda e Abreu e Lima

Bibliotecas:

Biblioteca Pública de Olinda / Biblioteca da Facotur

Museus:

MAC / Museu do Mamulengo - Espaço Tiridá

Bares, restaurantes e pousadas:

Marisqueira, Blues Bar, Tribuna Bar e Restaurante, A Fábrica Bar, Restaurante Flor do Coco, Dogão, Estação Maxambomba, Sargação, Olinda Art e Grill, Gomes Cachaçaria e Artesanato, Pousada do Amparo, Pousada D’Olinda, Hotel Costeiro, Esquina do Mar, dentre outros.

Bancas de Revista:

Banca Visão Comercial / Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, 236 (Bairro Novo / Olinda) - Banca Ler e Lazer / Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, 667 “A” (Bairro Novo / Olinda) - Banca Olinda Revistas / Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, 667 (Bairro Novo / Olinda) - Banca Circular / Av. Getúlio Vargas, 166 (ao lado da Sorveteria Bacana / Olinda) - Banca Varadouro / Largo do Varadouro, 35 (Varadouro / Olinda) - dentre outras.

Pontos de distribuição (Recife):

AABB / Aeroporto Gilberto Freyre / Casa da Cultura Recife Antigo / Livraria Jaqueira / Passadisco

E-mail: omirantedeolinda@gmail.com Telefone: (81) 3083.2588 - 8787.0020

Sócios-Diretores

Emanuel Sacramento Daniela Câmara Saulo de Tarso

Anuncie aqui

Fone: (81) 3083.2588 / 8787.0020 / 9116.6144


O Mirante de Olinda

Resgate Cultural

Olinda, abril de 2012

O Cine Olinda contará com

E

uma sala de cinema e teatro

m comemoração ao aniversário da cidade patrimônio, Prefeitura de Olinda firma compromisso com a cultura local. Dia 12 de Março Olinda comemorou 477 anos de história com várias ações e opções de lazer. A prefeitura caprichou na programação cultural da data de aniversário da cidade. A partir das 6 horas, já se ouvia o repique dos sinos das igrejas do sítio histórico e, durante a tarde, o prefeito Renildo Calheiros assinou a lei que cria a política municipal do livro, da leitura, da literatura e das bibliotecas de Olinda. O vereador Marcelo Santa Cruz foi quem propôs a criação da lei, junto à sociedade civil. O prefeito na ocasião sancionou a lei que cria em Olinda, o dia municipal da poesia popular. No mesmo evento também foi lançado o livro “Olinda: Um presente do Passado”, do escritor olindense Carlos Bezerra Cavalcanti, que relata os principais acontecimentos históricos da cidade. A Prefeitura e o Iphan assinaram o convênio para a etapa final das obras do Cine Olinda Convenções, que estava fechado há 40 anos, con-

templando climatização, acústica, equipamento e mobília. São mais de 2 milhões de reais, que foram captados pelos deputados federais Luciana Santos e João Paulo, através de emendas parlamentares. O Cine Olinda contará com uma sala de cinema e teatro - convenções com 320 lugares, um auditório, uma sala multifuncional no piso inferior com 80 lugares, uma sala multimídia, sala de reunião no piso superior para 30 pessoas, uma sala para administração do espaço, uma cabine de projeção, um depósito e uma copa lanchonete. Às 18h aconteceram apresentações dos corais Encanto de Olinda com 120 crianças, sobre a regência do maestro Spock e participação da orquestra Spock Frevo, e do Coral São Pedro Mártir, o mais antigo em atividade da América Latina, que fez uma bela apresentação com regência do maestro Paulo Andrade. Às 19h, houve o corte do bolo gigante. Para encerrar a festividade, a partir das 21h, subiram ao palco a cantora Alexa e a Banda Mundo Livre S/A, em uma ação realizada com apoio do governo do Estado.

Os artigos assinados ou declarações aqui veiculadas, não refletem necessariamente a opinião do informativo.

Fones: (81)

3083.2588 9810.2822 8787.0020

CNPJ 13.966.984/0001-01

A Prefeitura e o Iphan assinaram o convênio para a etapa final das obras do Cine Olinda Convenções, que estava fechado há 40 anos.

4 CANTOS Um empreendimento da

Reservamo-nos o direito de não aceitar publicações que, ao nosso critério, julguemos inadequadas ou inconvenientes.

O Mirante de Olinda  

Roteiro de Cultura, Turismo, Gastronomia e História - Olinda-PE / Brasil

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you