Issuu on Google+


Naquela tarde, o João esperava com impaciência o momento em que o pai o iria levar ao canil que ficava próximo da sua casa e onde ele poderia escolher um cão entre os muitos que lá estavam abandonados. Olhou aquele que tinha umas manchas castanhas e que pulava como quem dança o Foxtrot. João não pensou duas vezes, e disse para o seu pai: - Pai é este! Vou levá-lo comigo e trata-lo muito bem. Esboçando um largo sorriso, o seu pai concordou com a escolha. Já a caminho de casa, cruzaram-se com o Sr. Andrade, um velhote com cerca de 70 anos, alto e muito divertido, todos lá na rua gostavam muito dele, principalmente as crianças, porque ele sabia jogos muito giros. - Boa tarde, Sr. Andrade, como vai? – Pergunta o João E o senhor responde muito aflito: - Ainda bem que vos vejo… - Então que se passa? – Pergunta apreensivo o pai do menino - Sai para ver uma coisa aqui na rua e deixei a porta encostada e quando dou por mim tenho o pintas, o meu gato, em cima da árvore, e não quer descer. Sem saberem como resolver a situação pai e filho olham um para o outro para tentar arranjar uma solução. De repente, o cão, começa a rosnar tão alto, mas tao alto, que árvore onde o animal estava começa a abanar, e o gato cai direitinho nos braços do velhote. Espantados e sem perceberem o que tinha acontecido, despedem-se do vizinho e seguem de novo o seu caminho até casa. Mesmo, mesmo, quase a chegar casa João, vê Carlão, o miúdo do qual todos tinham medo lá na escola, que desta vez não estava sozinho. Carlão vêm em direção ao miúdo, para e diz-lhe


- Ora, ora, vejam só quem temos aqui, o meu amigo Joãozinho, aquele que vai levar uma valente sova por me ter roubado o lápis – e ao dizer isto agarra-o pela gola da camisola. Com um ar sério e protetor, o pai do João diz: - Larga já o meu filho, ouviste? - Ele não precisa dos teus lápis, felizmente temos dinheiro de sobra para lhe comprar tudo o que ele quiser e precisar. Carlão ainda mais enervado por ver que o menino estava a ser defendido pelo pai, diz: - Amanha, lá na escola, vais o que te fa…. Nem deu tempo do mauzão acabar a frase, o cão salta, e morde as calças ao Carlão, que ficam todas rasgadas e ele vai para casa em cuecas, enquanto os seus companheiros, já estavam no fim da rua porque tinham fugido com medo. Depois de tantas aventuras, finalmente pai e filho chegam a casa. Vão os dois para casa de banho e o pai diz: - João está na altura de irmos dar banho ao nosso novo companheiro, não achas? O rapaz acena com a cabeça como que a aceitar a proposta. Enquanto o pai segura no chuveiro, o menino esfregava-lhe o pelo - Pst…pst…oh pequenote…recuso que o meu pelo seja lavado com esse champô de 300$ - reclama o cão Assustado o miúdo pergunta: - Foste tu que falaste? E o cão responde: - Claro que fui eu - Como é que isso é possível? os cães não falam – afirma o miúdo cada vez mais assustado - Tira-me daqui e leva-me para o teu quarto, que eu conto –te a história toda direitinha.


E o João assim fez, tirou-o da banheira e levou-o para o quarto dele. - Tudo começa quando eu era pequeno, vivia numa casa muito grande, tinha um quarto só para mim, que tinha Jacuzzi, mas entretanto os meus antigos donos tiveram um menino, que quando ele cresceu souberam que ele era alérgico aos meus pelos, coitado não teve culpa, mas como não arranjaram ninguém que me quisesse tiveram de me dar ao canil. - Que história mais triste – diz o miúdo - Mas não te preocupes, aqui comigo e com a minha família vais ser feliz - e os poderes????, como é que isso apareceu – pergunta a criança curiosa E o seu novo amigo responde: - ah os poderes…. Eu nem sabia que os tinha, vê tu bem… Depois, de longas horas de conversa sobre a vida passada de um e de outro, o pai chamou-os para jantar. Ambos comeram mais depressa que o normal, pois tinham combinado, que iram para o quarto do João, para pensarem no fato de Super Herói, devido aos poderes que o cão tinha. - Antes de pensarmos no fato tenho de pensar num nome para te dar – comenta João - vê lá que nomes escolhes para mim…oh lingrinhas… exclama o cão na brincadeira Depois de poucos segundos de pensamento, o miúdo escolheu o nome: - Já sei, Magic…sim Magic, vai ser esse o teu nome, concordas? - Pergunta ele ao seu amigo de quatro patas. - Concordo plenamente João – diz o animal Após a escolha do nome chegou a altura, então, de pensar de como seria o fato do nosso amigo peludo.


João, vai buscar folhas, marcadores e canetas para poder desenhar. - Magic, como queres a tua roupa de Super Herói? – Pergunta o rapaz - Quero, um fato igual aqueles que se levam aos casamentos, todo preto e a dizer nas costas MAGIC, com letras vermelhas de efeito fogo. Depois de ouvir todos os pedidos de Magic, acerca do seu fato , João mete mãos á obra e começa a desenhar. Quando está quase a acabar o desenho, apercebe-se que talvez falte qualquer coisa para lhe dar mais estilo de super herói e pergunta ao Magic: - Não achas que falta qualquer coisa aqui no fato para te dar mais classe? E o cão responde: - Claro que falta, uns óculos com visão raio x e de longa distância. - Era mesmo nisso que estava a pensar, sabes? – Diz o menino Após uma alteração aqui, outra ali, e já com a noite longa, lá terminar o desenho do fato - Bem, amigo, está na altura de irmos deitar que eu já estou cheio de sono e amanha tenho que ir para a escola….POR FALAR EM ESCOLA!!!!...AMANHA TINHA TESTE DE MATEMÁTIICA E NÃO ESTUDEI NADA… QUE CHATICE…. – Exclama o João Ao ver que o companheiro estava aflito, Magic, tem uma brilhante ideia: - Não te enerves, eu ajudo-te, agora vamos mas é dormir No dia seguinte, João e Magic, coisa que não era nada habitual porque era necessário o pai ir-lhe abrir a janela e dar-lhe a roupa para ele vestir, quando o pai acordou até comentou:


- sim senhor, finalmente acordaste sozinho e até já estás vestido, não estás doente nem nada?? - Não pai, apenas hoje tenho de estar mais cedo na escola, tenho um teste importante – comentou o rapaz ainda meio ensonado - Então vá vai lá fazer a tua higiene matinal, que eu vou te preparando os cereais para ser mais rápido – diz o pai Já a caminho da escola, os dois amigos foram combinando o plano para o João se safar no teste: - Agora quando chegarmos perto da porta da escola, metes-me dentro da tua mochila, e quando tivermos dentro sala eu escondo-me debaixo da mesa - Então mas como vamos fazer para eu passar no teste? – Pergunta o menino preocupado - Então é assim, não sei se consigo, mas vou tentar transformar… Pergunta o rapaz curioso: - Em quê?? E responde o cão: - Depois vês… Entretanto, chegam á escola, minutos antes de tocar para a entrada no teste, João estava tão nervoso que, as suas pernas pareciam dois esparguetes a tremer e suava tanto que parecia que tinha acabado de tomar banho Tocou para a entrada, e lá foram todos atrás da professora Andreia, ela tinha os cabelos verdes parecia um Extraterrestre e por vezes até tinha atitudes de quem não parecia ser um ser humano e fazia testes tão complicados que só passava mesmo quem tivesse estudado. - Bom dia meus queridos, estão prontos para o teste ? Suponho que tenham estudado imenso e por isso vão fazer o teste com uma perna ás costas – dizia a professora Pensando o João para com os seus botões:


- Esta, hoje não dormiu bem, só pode, para já não estudei patavina e não faço o teste com a perna ás costas porque não me equilibro, ou faço o teste ou faço equilibrismo, ela que se decida Entretanto, começa o teste, e o Magic transforma-se num pássaro grande e chato e começa a incomodar a professora, e esta incomodada com a presença do animal diz: - Só me faltava mais esta, um pássaro a incomodar a minha sala de aula, menino esperem só um pouco que eu já venho, vou pedir um mata moscas á funcionária. Assim, que Andreia sai sala, João vai buscar imediatamente a resolução do teste e cão volta para debaixo da secretária do menino. Ao entrar na sala de mata moscas na mão e como cara de quem vai matar um exército de pulgas em fúria, a professora diz: - Com mil chimpanzés, ia jurar que quando daqui sai, estava aqui um pássaro muito chato de roda de mim e agora já não o vejo, não estou mesmo nada boa da cabeça. O plano combinado tinha corrido às mil maravilhas, como recompensa João faz uma festa no pelo de Magic. Com isto tudo, passaram as 2 horas de teste: - Está na hora da saída meninos, o que está feito, está feito e não mexe mais – diz Andreia Passadas algumas, João, termina o seu dia de aulas, está na hora de ir ter com o seu pai, para este o levar ao treino de basquetebol, desporto que João praticava á cerca de 3 anos e que adorava, durante o caminho até ao treino os dois, falam sobre o dia de aulas de João: - Então filhote, tudo bem? Como correu o teu dia de aulas? Pergunta o pai E o filho responde:


- Correu bem pai, obrigado. Mas passa-se uma coisa mui esquisita – continua E pergunta o pai curioso: - Que se passa filho? - É a professora Andreia, pai, ela tem atitudes tão estranhas, que algo me diz que ela não é normal - Comenta o menino com o pai E o pai responde: - Mas isso já se sabe, achas normal alguma professora ir dar aulas com o cabelo pintado de verde? - Pois realmente não é não – diz o garoto Após um tempo de caminho e muita conversa com o pai, João, chega ao campo de treinos: - Até logo filho, bom treino, venho-te buscar á hora do costume – diz o pai, dando dois beijinhos ao rapaz. Enquanto se estava a equipar para o treino, João comenta com os colegas de equipa: - Minha professora é tão estranha, tem o cabelo pintado de verde e às vezes tem atitudes que parece que não é um ser humano Ao ouvir esta conversa, responde um colega de equipa: - Que coincidência, eu também tenho um professor meu que ás vezes também parece não ser muito, normal, está sempre a falar em ataque de seres do outro mundo. Após contar a sua história e ouvir a do colega e depois de pensar um pouco disse: - Hmmmm, será que eles pertencem a alguma associação que estuda Extraterrestres ou assim? Não sei mas vou descobrir. Depois desta conversa toda vão ambos para o treino. - Boa tarde jovens – começa o treinador - Como vos tinha dito a semana passada, o treino de hoje, vai ser muito importante e exigente. – Diz o homem


- O nosso primeiro jogo de treino vai ser com a campeã nacional. Agora, comecem a aquecer correndo 10 minutos á volta do campo. Passados esses 10 minutos, o treinador apita e diz que quer todos no centro do campo, casa um com uma bola - Já vi, que está tudo cheio de motivação, vamos lá ver se essa motivação se mantém, com o que pedir a seguir – diz ele - O que vou querer, é que treinem os lances livres, porque é isto que me vai fazer decidir quem vou levar para o jogo Ao ouvir isto, João, diz para Magic que estava dentro da mochila: - Estou feito, não vou ser selecionado, os lances livres são o meu ponto fraco - Calma, eu vou-te ajudar – Disse o cão, que com isto deu bastante ânimo e motivação ao amigo Depois de alguns segundos de descanso, voltaram todos para junto do treinador, que explicou o exercício: - isto vai funcionar da seguinte maneira, para não haver discussões, vou chamar por ordem alfabética, um por um, e essa pessoa vai fazer 3 lançamentos de distâncias diferentes, os 6 que tiverem melhor desempenho , são selecionados para ir jogar Depois desta explicação, foram um de cada vez, fazer os três lançamentos, até eu chegou a altura do João: - tem calma, que eu ajudo-te – disse Magic antes do miúdo avançar para cesto. A primeira distância era 1 metro, e João consegui-o na perfeição, a segunda, eram 3 metros, também consegui-o mas a bora já hesitou em entrar, estava na altura do terceiro e ultimo lançamento que era de 5 metros, João fixa a bola e o cesto e lança, mas no momento em que lança a bola escorrega na mão e a bola foge do caminho do cesto,


ao ver isto Magic, usa o seu poder da invisibilidade e de voar e faz como que por milagre a bola entre. Quando todos fizeram os três lançamentos, foram fazer os alongamentos e depois foram tomar banho. Após terem tomado banho, foram de novo ter com o treinador, para saber então, quem seria selecionado para o tal jogo: - a primeira pessoa a ser selecionada será o Francisco – e ao dizer quem tinha selecionado, dizia os motivos da seleção e repetiu esse processo mais quatro vezes mas em nenhuma dessas quatro vezes se ouviu falar no nome do João: - O mister, nunca mais diz o meu nome, já perdi a esperança, de certeza que não fui selecionado - dizia o rapaz impaciente E finalmente o treinador anuncia: - Vocês são três e eu só tenho mais duas vagas. - E o primeiro a preencher a vaga será … - e faz uma pausa para causar suspense - Será o João Ao ouvir isto, o rapaz não sabia se havia de pular, de dançar ou rir, porque ele ansiava tanto por este que nem queria acreditar. Bem, agora que já sabem todos os que foram selecionados, podem ir para casa descansar e vemo-nos sábado para o grande jogo. Já em casa á hora de jantar, enquanto falava com o pai, João houve nas notícias: - “ NOTÍCIA DE ULTIMA HORA: A cidade está a ser atacada por Extraterrestres, por enquanto, não se sabem mais desenvolvimentos, mas assim que tivermos mais informações, serão dadas durante a emissão” Ao ouvir isto, João, fica parado por uns momentos a pensar, ao ver a reação do filho, o pai diz:


- Então João, que se passa? É só mais uma notícia sem cabimento, como tantas outras que dão todos os dias. Mas João, continua sem reagir, dá até a sensação que não ouviu nada daquilo que o pai tinha acabado de dizer, passados largos segundos, João diz: - Espera, só um instante pai - Magic, anda comigo ao meu quarto por favor, preciso falar contigo. Imediatamente, o cão, levante-se e segue o seu dono: - Já aqui estou, que precisas falar comigo? João, senta-se na cama e começa a explicar ao amigo: - Ouviste o mesmo que eu? E o animal responde: - O quê? A notícia? Claro que ouvi E o rapaz diz: - Temos de ir investigar - Então e já pensaste em algo? – Pergunta Magic curioso E o João exclama: - Já, mas primeiro temos de ir aqui á Internet, pesquisar mais sobre Extraterrestres, não pode falhar NADA! - Para já, para já vamos, mas é voltar para a mesa que a comida arrefece Depois da reunião de urgência, Magic e João voltam para a mesa. - O que é que vocês andam a preparar meus meninos? Espero que não seja nada relacionado com esta noticia ouviram! Não vos quero metidos em confusões. – Avisa o pai. - Nada disso pai, fica descansado, foi por causa de um trabalho que ando a fazer para a escola, neste tipo de assuntos não nos metemos, isto é para a polícia. Durante todo o resto da refeição, João, manteve-se atento ao telejornal para ver se ouvia mais alguma coisa que os pudessem ajudar no seu plano.


Depois de ter jantado, o jovem, voltou de novo ao quarto com o seu amigo, para poderem começar a planear a investigação: - Já pensaste bem Magic, se conseguisse-mos descobrir algo ou até afastar estes seres da nossa cidade, podíamos ficar vistos como heróis – disse o meni para o seu amigo - Lá estás tu, com a imaginação muito fértil, vamos ver o que conseguimos fazer – exclamou o cão A noite avizinhava-se longa, foram muitos os sítios que viram , muitas informações apontadas, até que lá para as duas da manhã o Magic disse: - João, já temos informações suficientes para poder intervir, e eu já estou cheio de sono Ao que o rapaz responde: - Tens razão Magic, já é muito tarde, amanhã “ atacamos”, combinado ? - Ok, João, ok, mas por favor vamos dormir, já não aguento mais – implora o pobre animal que quase já nem se aguentava sentado Magic, estava tao cansado que quando se deitou na sua cama, adormeceu logo, já por seu lado João, estava tao entusiasmado com esta história toda, que só dava voltas na cama e não conseguia dormir e só dizia para ele mesmo: - Será que vamos conseguir? Será que vou ser raptado e servir de jantar aqueles bichos? Entretanto o sono, acabou por o dominar e ele finalmente conseguiu adormecer. Era sábado, e João, acordou ás 9 da manhã a dizer em alto e bom som: - É HOJE!! É HOJE O GRANDE DIA! Com estes gritos, o pobre do Magic, assustado, mandou um pulo da cama que parecia que ia bater com a cabeça no teto:


- Joãoooooooo, é sábado! Deixa-me dormir, POR FAVOR!! – Suplicava o cão Irritado, com tamanho grito, o pai vai ao quarto do menino, aborrecer-se com ele: - Epá João, são 9 horas da manhã, vê lá se fazes menos barulho, porque eu levanto-me todos os dias as 6 da manhã para ir trabalhar e os únicos dias que tenho para dormir até mais tarde é o fim de semana, por isso vê se te acalmas - Desculpa pai, não fiz de propósito, não volta a acontecer, juro – diz o rapaz arrependido de dado o grito. Como era fim de semana, era dia de todos ajudarem nas tarefas domésticas, João detestava ajudar o pai nesse tipo de tarefas, mas naquele como estava eufórico com a ideia de poder acabar com os Extraterrestres na cidade dele, auxiliou o pai na lida da casa com o maior prazer. Após terem limpo tudo, era hora de irem almoçar, o menino senta-se á mesa e começa a comer com tanta velocidade que parecia que não comia á três séculos: - Calma filho, á mais comer ali na panela, come devagar se não ficas com dores de barriga. - estou com pressa pai, hoje quero ver se vou mandar fazer o fato para o Magic, combinei na sexta-feira coo o Sr. Silva, o alfaiate, passar por lá hoje Intrigado, o pai pergunta: - Fato??, mas que história é essa?? - Depois vês pai – responde o João João, termina a refeição e levanta-se da mesa, vai lavar as mãos, chama Magic e saem de casa a correr A loja do Sr. Silva era mais ou menos a 15 minutos da casa deles, por isso puseram-se lá num instante - Olha quem é ele, o meu amigo João, está tudo bem? Que te traz por ca? E já vi que trazes companhia - diz o homem Com o grande sorriso, o miúdo responde:


- Este é o Magic, é o meu cão, fui busca-lo ao canil a semana passada, ele tem superpoderes por isso, resolvi desenhar um fato para ele. Ao ouvir isto, o velhote, fica por breves instantes muito sério a olhar para o cão e diz á criança: - Lá estás tu a brincar comigo, não perdes o sentido de humor - É verdade, e eu vou provar – reponde o João - Não tem por ai nada, que precisa-se de ser arranjado? Após pensar um pouco, o senhor diz: - Por acaso até tenho, é um relógio que a minha filha me deu, e que os meus netos sem querer partiram e eu queria muito arranja-lo mas não tenho dinheiro Quando o alfaiate colocou o relógio em cima da mesa, o vidro do relógio estava muito estragado, mas o nosso herói tinha a solução - Vá lá Magic, arranja lá o relógio ao Sr. Silva – ordena o rapaz - É para já João - responde o cão Nisto Magic, mete a pata em cima do relógio e quando ele tira a pata, o relógio já tem o vidro arranjado e está a funcionar como sempre haveria de ter estado. - Não posso acreditar! Nem sei como vos agradecer – diz o alfaiate radiante. - Agora voltando ao fato para o Magic – continua o homem - já tem alguma coisa pensada ou assim? – Pergunta aos dois E o João responde: - Sim, tenho aqui o desenho - e coloca a folha em cima do balcão O Sr. Silva, agarra na folha e olha para ela, uns breves segundos, depois disso esboça um grande sorriso e diz:


- Sim senhor João, não sabia que tinhas tanto jeito para desenhar, podes vir buscar o fato amanha que já estará pronto. - Muito obrigado, já agora, o senhor tem ouvido falar de alguma coisa de Extraterrestres aqui na cidade? – Pergunta ele ao alfaiate E o Sr. Silva responde: - Extraterrestres? Por acaso acho, ouvi uma conversa qualquer aqui na rua ontem que tinha a ver com isso - Consegui perceber o que estavam a dizer? - Questiona o garoto - o trânsito era tanto que só ouvi palavras soltas, donut, descampado e buraco – diz o velhote - Mas porquê tanta curiosidade? – Pergunta ele - Nada Sr. Silva nada, então vá até amanha – despedem-se os dois amigos Ao ouvirem a palavra descampado, os dois heróis da nossa história, decidem ir até ao descampado que existe, ao pé da escola de João, ver se viam ou ouviam algo de anormal. Ao chegarem ao descampado, eles veem uma nave espacial, que realmente tinha a forma de um donut. - Ena pá, afinal é mesmo verdade, aterraram cá mesmo Extraterrestres, vamos nos aproximar para ver se ouvimos qualquer coisa – Sugere Magic - Vamos, não… vou, eu vou porque caso aconteça alguma coisa, tu tas aqui podes ajudar. – Diz João - Combinado então – exclama Magic Dito isto, João. Ainda que com algum receio, começa-se a aproximar da dita nave, olha em volta, mas não vê ninguém, por isso continua a andar e repara que a porta da nave está aberta, não pensa duas e vezes e resolve entrar. Quando entra, fica surpreendido, porque era tal e qual da forma que se sempre tinha imaginado, imensos botões, todos com funções diferentes:


- Quem me dera, saber como cada um faz – diz com um grande sorriso e entusiasmadíssimo. Mas, conforme acaba a frase, ouve o barrulho de uma porta a abrir, olha para trás e repara que é a sua professora: - Temos visitas e ninguém me avisa? – diz ela com uma voz maquiavélica - Se me têm avisado mais cedo, tinha mandado preparar uma coisinha melhor visto que só temos Patas de Rã no forno (e são da semana passada) – continua Ao ouvir um prato tao esquisito, João diz: - Não obrigado, sou diabético desde de nascença - Mas já agora, professora Cláudia, o que faz aqui ? – Pergunta surpreendido E ela responde: - Eu e o meu povo viemos aqui, para acabar com a raça uma, e decidimos começar por esta cidade, e acho, que temos de ficar por mais uns tempos porque o GPS ficou sem pilhas. - Só acabas com a raça humana, desta cidade, se eu deixar. Ao ouvir isto, Andreia responde: - Mas antes de acabar com a raça humana, vou acabar contigo primeiro Joao, mal sabia no que se tinha metido, é agarrado e depois algemado, por dois seres, muito fortes com 6 braços cada um, não tinha mesmo por onde escapar. O menino é levado para uma cave cheia de grades, escura e fria, olha em redor e tenta enxergar alguma coisa mas não consegue Depois de o largarem brutalmente, os dois monstros, exclamam ironicamente: - meu senhor, toda esta companhia, deseja-lhe uma ótima estadia, daqui a pouco veem lhe servir o jantar


E vão – se embora. O rapaz sem nada para fazer tenta arranjar alguma coisa que desse para fazer, fogo, para que assim, pudesse ter iluminação para tentar sair dali, o que não ia ser uma tarefa nada fácil Passaram 6 hora, lá fora já tinha escurecido á muito, quando João, consegue finalmente fazer a sua fogueira. Passado algum tempo, e desesperado por não ter encontrado nem uma fechadura, nem umas chaves, o menino pensa para consigo: - Vou chamar o Magic, ele de certeza que tem alguma solução para mim Entretanto, do lado de fora da nave, Magic dormia tranquilamente, encostado a uma arvore, quando é acordado de forma brusca, por uns passos que vinham na sua direção, abriu os olhos de repente, e viu á sua frente um monstro gelatinoso que o tentava agarrar a todo o custo, mas Magic, era mais espero que ele. Como Super herói que era, Magic pensou: - ora bem, és feito de gelatina, a gelatina é mole… se é mole...é isso mesmo…. O cão tinha consigo um canivete suíço que o seu avô, lhe tinha dado, e disse – lhe que só o poderia usar em situações importantes, e esta uma delas, havia que se salvar a si, para poder ir salvar o seu dono. Magic, levanta-se e dá uma pirueta no ar, e começa a desenhar M no corpo do inimigo até que este se desfaz. Vamos voltar, até ao interior da nave, á cave onde estava preso o nosso amigo João, e veremos se á desenvolvimentos. O menino começa a assobiar, pedido ajuda a Magic, e este não tarda em chegar. - Já estou aqui, não te preocupes - diz o cão confortando o amigo.


- Tem calma que eu vou tirar-te dai – continua Magic Mas parecia que alguém tinha seguido o nosso herói, porque assim que ele diz isto, aparece um mauzão que lhe prende os braços atras das costas e lhe começa a dar pontapés. Mas nada que para o nosso amigo de 4 patas, metesse-se medo, começa a dar patadas e mais patadas no inimigo e este acaba por cair no chão e fica sem reação. - São mais que as mães, mas pronto, mais um despachado – diz o animal sacudido o pelo. - Agora deixa-me então pensar, como te vou tirar dai – diz para João Entretanto, em casa o pai de João, está muito preocupado, de um lado para o outro, ele diz: - Mas será possível que foram ver do fato e ainda não voltaram? Já está escuro e aqueles dois sem aparecer. Voltemos á tal cave, Magic teve outra grande ideia: - Já sei! É isso mesmo! Vou tentar roer as grades para poderes sair dai Em casa, o pai de João, parecia que tinha adivinhado, nas noticias, ouvia-se: - NOTICIA DE ULTIMA HORA: SABEMOS QUE ESTÃO UM JOVEM E UM CÃO A TENTAR DESVENDAR O PLANO DO ATAQUE DOS EXTRATERRESTRES Á CIDADE - Como é que eu não desconfiei, aqueles dois tao metidos numa grande embrulhada – disse ele cada vez mais preocupado Voltando, á cave, depois de algum esforço, Magic consegui roer as grande, o que fez com que João pode-se sair em liberdade. Enquanto corriam para tentar fugir da nave, ambos ouviram tudo o que queriam:


- Então está combinado, amanha, logo de manha, começamos por atacar a rua principal desta cidade, MAS ATENÇAO, são se esqueçam, que somos alegicos, ao leite, qualquer toque, em qualquer coisa feita de leite, mata-nos a todos. Ao ouvir esta conversa toda, dois amigos, não podiam estar mais felizes, pois já sabiam a forma de como salvar a cidade. Quando chegaram a casa, não se livraram a puxam de orelha muito grande, mas estavam tao cansados, que não, nem ligaram ao ralhete e foram-se deitar. Na manhã seguinte, acordaram muito aflitos pois o pai, estava muito assustado, com o que estava a dar no Telejornal, aproximam-se para ver do que se tratava e ouviram: - AS AUTORIDADES, LANÇARAM UM AVISO

VERMELHO, POIS A CIDADE ESTÁ A SER BRUTALMENTE, ATACADA POR EXTRATERRESTES ,

ESTERES DESTROEM TUDO O QUE LHES APARECE PELA FRENTE, MUITAS LOJAS, SÓ RESTAM MESMO AS PORTAS E JÁ HÁ NOTICIA DE BASTANTES FERIDOS E MORTOS POR ISSO AS AUTORIDAS PEDEM QUE NINGUEM SAIA DE CASA, ATÉ ESTES SERES ABADONAREM O NOSSO TERRITÓIRIO. João e Magic, tentam tranquilizar o pai: - Não te preocupes pai, nós tratamos destes amigos. João, lembrou-se do que ouvira na noite, por isso, agarra em 50 pacotes de leite e faz sinal a Magic, para sair. Não, havia tempo a perder, qualquer segundo perdido poderia ser fatal. Os dois amigos, chegam finalmente á rua principal da cidade, onde se viam pessoas a correr, e algumas crianças a gritar, e foram postos também em ação todos os meios possíveis, até os bombeiros, que com


mangueiras de água de alta pressão, tentavam afastar os monstros dali. João e Magic, conseguem, ainda que com muita dificuldade chegar á fala com um bombeiro: - DESLIGUE A ÁGUA E COLOQUE, DOIS PACOTES DE LEITE NO RESERVATÓRIO, VAI AJUDAR! O bombeiro, estava muito atarefado, e aquela ideia não cabia na cabeça de ninguém: - ISTO NÃO É ALTURA PARA BRINCADEIRAS SAI DAQUI, ISTO VAI CORRER MAL! – Grita o bombeiro aflito Enquanto João, tentava que os bombeiros aceitassem a sua sugestão, Magic fazia o mesmo na outra ponta da rua. Quando menos se esperava, o cão, faz sinal ao amigo a dizer que um dos bombeiros tinha aceitado, o que ele tinha sugerido, e ia experimentar. - COLOQUE TODO O LEITE DENTRO DA MANGUEIRA E APONTE DIRECTAMENTE PARA O EXTRATERRESTRE Ao fazer isto o bombeiro vê qua alguns monstros, começaram-se a desfazer e desapareceram, mas ainda faltavam muitos. Então João, agarrou no megafone da policia e ordenou: - VÃO BUSCAR OS PACOTES DE LEITE QUE ALI TEMOS, DESPEJEM POR CIMA DE VOCES E TOQUEM NOS EXTRATERRESTRES. Todos os transiu-tos, correram para ir buscar os pacotes que ainda restavam, e foram tocando nos bichos, um, por um, passado algum tempo, já não havia sinal de tais criaturas. Toda a cidade, festejou, uns abraçavam-se, outros pulavam e outros gritavam, por terem conseguido dominar a praga. O pai do João que estava em casa, ouviu finalmente, no noticiário:


- Boa noite, informa-mos todos os telespectadores, que a situação principal principal desta cidade, já foi resolvida, já foram extintas todas as criaturas extraterrestres que abalaram a cidade esta tarde, isto tudo graças a um rapaz e um cão que com leite, mataram todos os extraterrestres. Apos ouvir isto, o pai de João, não podia ter ficado mais orgulhoso do seu rebento. João e Magic, haviam chegado a casa, já era de madrugada, o pai estava em pulgas para saber como tinha sido, mas João apenas lhe disse: - Pai, por favor, hoje já não, quero-me ir deitar, estou cansadíssimo. Fernando, assim se chamava o pai de João, não insistiu mais e também se foi deitar. Na manhã seguinte, o despertador toca ás 11 horas da manha, e João diz: - Não pode ser!!!! Por favor deixem-me dormir!!!!!! Passados, poucos segundos de ele ter dito esta frase, Fernando, estava á porta do seu quarto: - Olha, os meus heróis!! Vamos la, está na hora de levantar que temos uma grande manha pela frente. Surpreendido, João diz: - Mas ontem não me disseste que íamos sair?! - Vá lá, deixa-te de conversa e toca a despachar, que já vês onde vamos – diz o pai apressando o filho. O miúdo não tinha outra saída se não, fazer o que o pai estava a dizer, vestiu-se, fez a sua higiene, tomou o pequeno-almoço e saíram todos apressadamente. Apesar de não saber para onde ia, João, demostrava bastante entusiasmo e um pouco de receio ao mesmo tempo: - Mas….este caminho….é o da Câmara Municipal, pai E o pai responde: - É sim filho.


Morrendo de curiosidade, João pergunta: - Mas que raio, vamos lá fazer? Sem saber, de que forma mais esconder a supresa, Fernando exclama: - Nunca ouviste dizer que a curiosidade matou o gato? Ao chegar, o rapaz estranhou todo o aparato em frente á Camara, uma multidão de gente, barreiras de segurança, passadeira vermelha e até um púlpito, como se alguém fosse discursar - Ou alguém me diz que aparato é este…ou eu…daqui a bocado… vou perguntar - João, quando eu te fizer sinal vens ter comigo, está bem? – diz o pai Passados alguns segundos, sobe ao púlpito, o Sr. Presidente: - Bom dia caros habitantes, estamos aqui esta manhã para homenagear os dois heróis desta terra, o João e o Magic, que como todos sabem salvaram a cidade de um ataque ainda maior, é por isso que agora chamo aqui, o João e o seu amigo, para dizer umas palavras. Entretanto o pai faz-lhe o sinal combinado João e Magic aproximam-se do microfone e João, começa a discursar: - Antes de mais, queria diz que tudo isto foi uma grande supressa para nós, queria também agradecer a presença de todos aqui. E por fim dizer que, foi com imenso prazer que eu e o Magic, os bombeiros desta cidade a fazer com que esta cidade volta-se á sua normalidade. Mais uma vez muito obrigado!!!! Como tinha terminado de falar, João, começa a afastar, mas nisso o Sr. Presidente, volta a encaminha-lo para ao pé do microfone e diz:


- Antes de terminarmos esta festa, quero chamar aqui o Sr. Silva, porque ele tem uma oferta muito especial para o Magic. O Sr. Silva, vai ao pé do cão e entrega-lhe um saco muito grande, aproxima-se do microfone e diz: - Magic, aqui está o fato que tu e o João me tinham pedido para fazer para ti, é uma oferta como mostra de gratidão e orgulho em vocês os dois. - Muito obrigado, por esta festa tão bonita. Após isto, o Sr. Presidente da Camara, volta para dizer as palavras de encerramento da cerimónia: - Estamos quase, quase, a chegar ao fim desta bonita homenagem, não sem antes, desvendar o está debaixo daquele pano, atrás de vós, lá ao fundo – e todos os convidados olham para trás. Nisto o Sr. Presidente diz: - Vamos todos, fazer a contagem decrescente para eu tirar o pano, e vemos a surpresa que temos para os nossos heróis. Dito isto, começam todos a fazer a contagem: - 5, 4, 3, 2, 1, 0 O homem tira o pano, debaixo do pano estava uma bonita estátua dos dois amigos, que dizia MAGIC E JOÃO SERÃO

PARA SEMPRE RECORDADOS.

Esta estátua, ia ser colocada no centro da vila para que todas as pessoas da vila e os visitantes a pudessem ver. Esta história termina com 3 morteiros para o ar, e como todos os convidados a falarem e a agradecerem ao Magic e ao João.



MAGIC E JOAO SALVAM A CIDADE