Page 1

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

1ª Quinzena de Dezembro de 2012 Ano XXXIII - No. 1145 Modesto, California • $1.50 / $40.00 Anual

Frank M. Lima Educador do Ano

A Fundação Portuguesa de Educação do Centro da California decidiu distinguir Frank M. Lima como o Educador do Ano, pelo extraordinário serviço prestado como membro do Conselho Administrativo do Distrito Escolar de Turlock e pelas contribuições efectuadas em prol da Comunidade, Língua e Cultura Portuguesa.

Antoinete Machado Lisete Melo Estudantes do Ano

II Convenção da PFSA

Pelo extraordinário sucesso académico e pelo empenho e participação em numerosas actividades em prol da Comunidade, Língua e Cultura Portuguesa.

Duarte Teixeira, Supreme President; Amanda Sargent, Supreme 20/30 Pág 16 a 19 President & Sãozinha Lourenço, Supreme Youth President

José Rodrigues galardoado

Pág. 14,15

Pág. 10

Antoinette Machado, Lisete Melo e Frank Lima

Pág. 4

EUA reduzem ao mínimo forças militares nas Lajes, Ilha Terceira

Pág. 4

No ultimo dia da Convenção da Portuguese Fraternal Society of America, José do Couto Rodrigues recebeu o PFSA Portuguese Community Award for Outstanding Achievement to Promote & Enhance the Prestige of the Portuguese Culture & Traditions in California. foto de josé enes Na foto, Delminda e José Rodrigues, Tim Borges

2012 Artesia D.E.S. Scholarship www.portuguesetribune.com

Pág. 28

Pág. 2, 20

Eduardo Gomes galardoado

com o Prémio "Administrator of the Pág. 12 Year for Fresno County"

www.tribunaportuguesa.com portuguesetribune@sbcglobal.net


2

SEGUNDA PÁGINA

EDITORIAL

Muitos ainda choram

A

vitória de Barack Obama, esperada, estudada, só causou diluvios de choro aos republicanos, que vivendo neste grande País, ainda vivem no passado.

Está provado que Romney não tinha pedalada politica para liderar este nosso País. Os republicanos necessitam compreeender a historia recente, compreender a dinâmica demográfica que nos rodeia e tentar lutar pela positiva. Se o não fizerem, daqui a dois anos perderão a maioria na Casa dos Representantes. E por favor, escolham pessoas à altura do GOP. A Europa dos 27 não se entende. Nem conseguem fazer um orçamento que satisfaça ninguém. Maus ventos, temporais e tornados nem conseguen fazer pensar os políticos europeus que acabam de demonstrar que a Europa Unida pode ter sido um falhanço politico. Oxalá que não. Segundo dizem os mais velhos, faltam líderes no velho mundo. Muita TV, muito discurso, mas de resto uma tristeza absoluta em partilhar ideias, renovar conceitos, fazer um mundo melhor. Só mesmo um terramoto mental poderá modificar este evoluir na continuidade. E de repente, as Lajes deixaram de ter a grande importância que deveriam ter. A America quer poupar 500 biliões de dólares em Bases espalhadas por todo o mundo. A da Terceira poderá ficar reduzida a 150 militares americanos, o que quer dizer que dos 800 portugueses lá a trabalhar, a grande maioraia irá ser despedida. Será um grande choque económico para os Açorers e muito em especial para a Terceira. É bom não esqueçer que Clinton fechou nos anos 90's, 22 bases aéreas nos EUA e noutros países. O mundo está assim. Um dia poderá até voltar a ter a mesma importância caso se dê algum problema inesperado no Oriente. Poupar está na ordem do dia nos EUA. Não poderemos viver melhor, se não diminuirmos o nossso enorme défice. Por um lado qualquer, tem de se começar. jose avila

1 de Dezembro de 2012

A morte da Ilha Terceira?

N

o passado sábado, deitei-me a pensar na Base das Lajes. Deitei-me, relembrando tudo o que aprendi e vivi direta ou indiretamente com a base americana. Por intermédio de familiares que lá passaram parte das suas vidas ou, então, por causa das horas que dediquei nos estudos no âmbito do mestrado em Relações Internacionais, pensei na Base: nos terceirenses que lá trabalham, nas famílias que dependem dela, nas lembranças que ela suscita em cada canto desta ilha. Ninguém morreu, mas no sábado foi quase como se um médico tivesse apresentado um diagnóstico e esse diagnóstico dava como certa a morte do paciente, vítima de uma doença incurável, e que terá a partir de agora poucos anos de vida. Não se trata de um exagero. A possibilidade de a presença americana ser reduzida a um contingente residual - como foi anunciado na imprensa - terá graves repercussões na Terceira. Não se trata só de postos de trabalhos, de rendas de casas ou de calças levi´s mais baratas. Trata-se de dois povos que conviveram pacífica e jovialmente durante sessenta anos. Trata-se de um clima de excecionalidade

que foi criado na Terceira graças à presença americana e devido aos seus contributos culturais, sociais e tecnológicos. São histórias e memórias que perduram nos americanos e açorianos que tornam esta relação ímpar. Por isso, a possibilidade do fim da base é como o anúncio da morte de um familiar. Todos acabam por perder algo. Todos ficam de luto. Qualquer leigo em matéria geostratégica percebe que o Atlântico é um mar seguro para os americanos e que, para além da necessidade de poupança, eles precisam de reorientar as suas forças para o Pacífico. No entanto, a geografia fala por si e os Açores são a única “ponte” entre o continente americano e o europeu. Ninguém sabe o que advirá no futuro em termos de conflitos militares. Um acordo bilateral não pode pender só de um lado em que um deles tem sempre as portas escancaradas para o outro. Os políticos portugueses podem atirar culpas uns aos outros ou podem unir esforços para atenuar o impacto negativo da decisão americana. Infelizmente, esperar por Lisboa deu no que deu. Por isso, tendo em conta a proximidade que une açorianos e americanos, seria bom que o Governo Regional envidasse todos os esforços diplomáticos junto da comunidade portuguesa para que esta, por seu lado, pressionasse a administração americana a rever a sua posição. O lobby é uma práti-

ca corrente na política americana e tendo em conta que há vários políticos americanos com ascendência açoriana, para além de empresários e personalidades influentes na sociedade americana, não seria de todo despiciendo o Governo Regional gastar uns milhares de dólares nessa iniciativa diplomática. E o positivo é que a nova administração Obama nem sequer tomou posse. Não me vou perder em elucubrações fantasistas sobre a possibilidade de a China estar interessada em substituir as forças americanas. A Terceira não é nenhuma prostituta à espera do cliente que mais dê. Nem me parece aceitável que a única iniciativa vinda das autoridades portuguesas seja o de exigir unicamente contrapartidas financeiras para indemnizar os trabalhadores, engrossar as contas da FLAD ou apetrechar militarmente a Força Aérea Portuguesa. A Terceira está a viver uma crise sem paralelo, como qualquer outra região do país. Acrescentar-lhe outra crise - como a que se avizinha - é condená-la a uma morte lenta, dolorosa, mas real. Todos nós, terceirenses, devemos ligar para a América e pedir um favor aos amigos e familiares que lá vivem. Ou o favor para que não deixem morrer esta terra ou para que nos arranjem um job em terras do Tio Sam.

Paulo Noval

Year XXXIII, Number 1145, Dez 1st, 2012


PATROCINADORES

S贸mente $5.99 a libra

3


4

COMUNIDADE

1 de Dezembro de 2012

Fundação Portuguesa de Educação do Centro da California Realizou-se no dia 16 de Novembro no Salão de Festas de Nossa Senhora da Assunção de Turlock, o Banquete Anual da Fundação Portuguesa de Educação para o Centro da California. Depois do jantar procedeuse à apresentação ds Bolsas de Estudo e Reconhecimentos. Este ano foram distinguidos com Bolsas de Estudos 30 alunos a saber: Marissa B. Aguiar Chantel Ferreira Alves Michelle M. Azevedo Clarissa M. Azevedo Elainna M. Coelho Anne F. Coleman Nicolaus A. Coleman Casey D. Eicholtz Moises V. Fagundes Lexa Cori Freitas Sydney Marie Fultz Manuel J. Garcia Lysandra M. Jorge Beau A. Lawrence Nelson M. Machado Antoinette Machado Macey N. Marcelino Joseph G. Medeiros Nicholas J. Mello Nicole C. Mello Jason Melo Michelle M. Moules Kristine A. Nunes Alexa J. Nunes Melanie N. Oliveira Ashley N. Rodrigues Briana C. Saldivar Maribel A.. Soares Monica M. Soares Kataryna Verissimo

Florinda e John Nunes; Madalena e Armelin Sousa; Antoinette Machado, Lisete Melo, Frank Lima e Manuel Dutra

Foram também reconhecidos as seguintes pessoas: EDUCADOR DO ANO Frank M. Lima ESTUDANDES DO ANO Antoinette Fátima Machado Lisete M. Melo EMPRESÁRIOS DO ANO NO RAMO DE AGRO-PECUÁRIA Armelin e Madalena Fontes de Sousa A & M De Sousa Dairy

CIDADÃO DO ANO Manuel P. Dutra EMPRESÁRIOS DO ANO John e Florinda Nunes J & F Fertilizer

Esq: Luis Oliveira, Presidente da Fundação Dir: Nuno Mathias, Cônsul Geral de Portugal em San Francisco Embaixo: Bolseiros de 2012

Fotos de Fernando Rodrigues


San-Bento COLABORAÇÃO

Tribuna da Saudade

Ferreira Moreno

A

meu saudoso e ilustre conterrâneo, dr. José Oliveira SanBento, filho de Manuel Xavier San-Bento e Maria de Oliveira, nasceu na Ribeira Grande a 21 d’abril 1893 e faleceu em Ponta Delgada a 22 de janeiro 1975. Foi aluno do professor Laurindo de Melo Garcia, cuja escola de instrução primária funcionava na vizinha freguesia da Ribeirinha. Esteve no Seminário d’Angra apenas por dois anos, após o que regressou a S. Miguel. Impossibilitado em matricular-se num estabelecimento de ensino secundário, enveredou pela vida militar aos 16 anos, mas conseguiu regalias p’ra estudar no Liceu. Entretanto, o Marquês de Jácome Correia convidou-o p’ra seu secretário particular, ao mesmo tempo facilitando-o a prosseguir nos seus estudos. Em 1922, contando 19 anos d’idade, SanBento concluiu o Curso do Liceu e publicou o seu primeiro livro de poesia “Lua e Mar.” Agradecido, despediu-se do Marquês e passou a trabalhar como redator na imprensa regional. Em 1915 seguiu p’ró Continente, ingressando no Curso de Direito da Universidade de Lisboa. Em 1917, com a entrada de Portugal na Primeira Grande Guerra Mundial, San-Bento foi mobilizado juntamente com muitos dos seus companheiros da Universidade. Frequentou a Escola de Oficiais Milicianos, transitando seguidamente p’rá Escola da Guerra, onde ficou retido por dois anos. Afortunadamente, nunca recebeu guia de marcha p’rós campos de combate.

5

Recordando

Foi a esse tempo que escreveu o soneto inscrito na lápide encimando o túmulo do Soldado Desconhecido no Mosteiro da Batalha: Já não dormes aqui, ressuscitaste! És a Nova Bandeira; és o Troféu, As alturas do sol, erguido ao Céu, P’ra guiar a Raça que salvaste! O sangue, puro e bom, que derramaste, Lavou a mancha negra do labéu De medo e de traição, que se escondeu, Enquanto, heróico e forte, batalhaste! Águias, descei, descei, andai de rastros... Iluminai-lhe o ataúde, ó astros, Vinde beijar-lhe humildes, a mortalha... Que este é irmão daqueles que caíram No chão de Aljubarrota e ressurgiram Na pedra rendilhada da Batalha. Em outubro 1921, por conselho médico, San-Bento foi compelido a vir repousar nos Açores, mas em março do ano seguinte estava de volta a Lisboa p’ró arranco final da sua formatura. Já advogado, regressou definitivamente a Ponta Delgada, exercendo a advocacia e ocupando, ao longo dos anos, posições de relevo tanto no meio político como no meio associativo. Exerceu funções de presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, vice-presidente e tesoureiro da Ordem dos Advogados em Ponta Delgada, vogal da Comissão Executiva da Junta Geral do Distrito,

presidente da Direcção dos Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada, do Clube Naval de Ponta Delgada e da Associação de Futebol de Ponta Delgada, delegado provincial da Mocidade Portuguesa, presidente da Assembleia Geral da Sociedade Terra Nostra, presidente da Cruz Vermelha em Ponta Delgada, além de benemérito e dirigente de várias organizações de interesse social e público.

C

omo jornalista, a sua colaboração registou presença assídua e prolífica na imprensa açoriana. Como orador e conversador, arrebatava quem o escutava e encantava quem com ele convivia. Ainda hoje recordo um memorável par de episódios pessoais. O primeiro, ocorrido aos 15 d’agosto 1954, relaciona-se com o vibrante discurso proferido por San-Bento na escadaria da Igreja dos Frades, anexa ao Hospital da Ribeira Grande, aquando da invasão da India Portuguesa pela União Indiana.

O segundo, igualmente até agora inesquecível, ocorreu aos 22 de junho 1970 quando tive a oportunidade de visitar SanBento na sua residência, onde fui acolhido com tamanha estima que, ao despedir-me, sentia-me deveras emocionado. Como poeta, San-Bento legou-nos uma obra que é tão vasta como variada, quer nos temas quer nos géneros, do lírico ao religioso, do épico ao dramático, do patriótico ao instrutivo, do humorístico ao regionalista. A fechar, eis os títulos e datas de livros publicados: Lua e Mar 1912, Cartas da Beira-Mar 1916, Ao Cair da Noite 1917, Poema do Atlântico 1918, Espirais de Fumo 1922, O Velho do Restelo 1927, O Clamor das Sombras 1933, Auto de Portugal Eterno 1940, Fulgor 1942, A Ilha em Prece 1946, Vulcão em Flor 1946, Riscos na Bruma 1953, Ilha de Glória 1960 e Asas de Luz 1970.


6

COLABORAÇÃO

Rasgos d’Alma

Luciano Cardoso lucianoac@comcast.net

D

oméstica, durante anos e anos, séculos afim, a mulher açoriana deu a cara à luta e o corpo ao manifesto. Foi pau para toda a obra. Não tive irmãs. Minha mãe, minhas avós, minhas primas, minhas tias, todas as minhas amigas que lá nasceram e por lá ficaram foram minhas heroínas. As que ainda lá vivem continuam meus ídolos. Não foi fácil conseguir o que conseguiram nem manter o que mantiveram. Sobretudo a dignidade de se afirmarem como mulheres de armas quando mais não lhes era dado do que trabalho e mais trabalho suado de manhã à noite, ao longo do ano inteiro, sem férias nem remuneração que se visse. Vi tantas lágrimas como pago exclusivo. E espantou-me sempre o seu enorme espírito de sacrifício, para não falar da sua estóica capacidade de sofrimento. Os tempos eram outros. Desenhavam-se ainda a preto e branco, sim ou sopas, dás ou levas. E não refilas. Coitadas! Levavam que se cagavam e não piavam. Quem estava disposto a ouvi-las? Não era de certeza o medricas do senhor prior: ‘Tenham paciência, minhas filhas. O Senhor criou e aprecia a mulher subserviente ao homem.’ ‘Mesmo que ele seja um grandissímo filho de puta?’ Muitas foram as perguntas que ficaram sem resposta na era áurea dos rudes machões. Eram eles que mandavam, comandavam e demandavam a torto e a direito o que muito bem lhes dava na gana. Não é fácil imaginar o que às vezes passava pela cabeça, isto é, dava na gana a estes brutos maltrapilhos. Julgavam-se intocáveis. Ninguém ousava tocar-lhes sequer com a ponta de um dedo. Pior ainda, quando se tinham por imbatíveis, tornavam-se perigosos, demoníacos. Bater era com eles. Com as mãos, com os pés, com o cinto, à solta, o demónio

entrava-lhes no sangue pela banda do avesso e dava-lhes a volta ao miolo. Perdiam as estribeiras e quem pagavam eram as pobres mulheres. Coitadas! Apanhavam e não bufavam. Quem se atrevia a defendê-las? O cagarolas do professor…?... Claro que não. Tinha sido instruido para ensinar a cumprir-se a lei do mais forte. O maniento do regedor…?...Pior ainda. Também era pago para calar a cacetada gemida às escondidas. Os caciques, os poderes, o sistema, a ignorância e a miséria davam nisto. O sexo oficialmente mais fraco esteve sempre em desvantagem. O abuso físico fazia parte da mentalidade retrógrada que o analfabetismo defendido pelo regime ajudava a perpetuar. Mulheres querem-se em casa, domésticas e domesticadas. Se não quiserem ao bem, que seja ao mal. Pobrezinhas, a história raramente pendeu para o seu lado. Pactuou quase sempre os danados reis da selva. Selvagens, estes animais enraivecidos, aos empurrões, à pancada, ao pontapé, à bruta, quase reduziram as suas indefesas presas à humilhante condição de escravas. Claro que, por alguns, não devem pagar todos. Não seria justo. O certo é que os factos, tal como os números, não mentem. O criminoso comportamento, muito raramente punido, afetou gerações. O drama não se apagou. A realidade ainda dói, e de que maneira. Vergonhosa, a violência doméstica na nossa pacata região de berço, hoje em dia já sem as desculpas de outrora, é um delito escabroso que nos deixa boquiabertos. Às vezes, contados, certos casos incríveis, não nos deixam mesmo fechar a boca. Pasmados permanecemos ao relembrá-los. Aqui há anos, um conterrâneo meu, bom rapaz, franzino de corpo, teve o azar de casar com uma rapariga fisicamente mais forte.

Santos-Robinson Mortuary San Leandro Family owned California FD-81

* Servindo

a Comunidade Portuguesa em toda a Área da Baía desde 1929 * Preços baixos - contacte-nos e compare * Serviços tradicionais / Serviços crematórios * Transladações para todo o Mundo * Pré- pagamento de funerais

Madeline Moniz Guerrero Conselheira Portuguesa

Telefone: 510-483-0123 160 Estudillo Ave, San Leandro, CA 94577

1 de Dezembro de 2012

Vergonhosa Violência Dava-lhe tareia feia. Pobre rapaz, apanhava tantas que, às tantas, temeu não escapar com vida à carga de porrada suportada a custo. Julgou que qualquer dia morria.

não levou muito para ser detido. Teve mais sorte do que juízo. Com dó dele. por ter sido vítima de violência doméstica, a branda justiça local deu-lhe apenas sete

centemente os nossos pequeninos Açores no topo das regiões espancadas com o mais elevado índice de violência doméstica em todo o território nacional.

Entrou em pânico e não pensou duas vezes. Apavorado, decidiu matá-la. Certa noite, enquanto a mulher dormia, muniu-se de um martelo pesado e descarregou sobre ela toda a fúria de que havia sido alvo. Subitamente enviuvado às três pancadas, com a ajuda do pai, tratou de enterrar o cadáver no quintal. Incapaz de escapar à desconfiança das autoridades,

anos de cadeia. O caso deu brado mas a comoção ficou por ali. Os anos passaram. O “cara” cumpriu a sua pena e encontra-se há algum tempo a refazer a sua vida. Havendo alguma, a moral do caso resumir-se-ia provavelmente a ‘nem tanto nem tão pouco’. Pode parecer mentira mas é verdade. Custam-me a acreditar os dados noticiosos colocando re-

Saí de lá há muito tempo e confesso que já não conheço bem a presente realidade sociológica das nossas mimosas ilhas de bruma. Isso, porém, em nada diminui a minha imensa apreensão partilhada aí por fora mais ou menos nestes termos: ‘Que açorianos são estes?’

www.radiolusalandia.com Sábados - das 12 - 4pm Domingos - das 9 - 11am


PATROCINADORES

Portuguese Fraternal Society of America

7

ASSURANCE. PROTECTION. RELIABILITY.

What Matters Most?

• Provide security for years to come • Help protect your family’s standard of living • Avoid leaving debt behind

We Protect Your Future…

• Protect your family or provide a benefit to others • Automatic and flexible payment methods annually, semi-annually, quarterly, or monthly • Help protect you and your family’s assets from the unexpected

Offering SAFE and SECURE Fraternal Insurance for its members since 1880… WHAT DIFFERENTIATES A FRATERNAL SOCIETY OVER COMMERCIAL INSURERS ? While commercial insurers utilize "closed" contracts, i.e., self-contained agreements with set terms, fraternal benefit societies employ "open" contracts. Open contracts are memorialized by the member's application, the insurance certificate, and the society's articles of incorporation and bylaws. Central to this dispute, open contracts also explicitly recognize that the articles of incorporation and bylaws are subject to change, and that any subsequent amendment to them is incorporated into the preexisting open contract as long as it does not destroy or diminish the benefits promised in the original contract. (Kaplan Financial, 2008) When you become a member of the PFSA, you are eligible to purchase term life insurance, return of premium insurance, whole life insurance, and a Coverdell Education IRA.—The PFSA, an organization that is committed to family, community, and country. From a college education for your children, to a secure and rewarding retirement, we

TARGET MARKET:

Excellent product for someone who wants to buy or offer insurance protection, but wants to budget and manage the cost of coverage.

20-YEAR AND 30-YEAR RETURN OF PREMIUM: Level premium plans with a fixed number of payments and fixed term. Unlike term insurance, these plans offer cash value accumulation, re-instatement options and policy loans. At the end of the 20 or 30-year term, insured will be paid the total premiums paid minus council dues and any indebtedness they may have.

BENEFITS:

➢ Lower cost than whole life plans ➢ Policy Loans may be granted against the cash value (loan may not exceed 80% of available cash value) ➢ Policy may be re-instated up to 5 years from last due date (medical approval may be required) ➢ Cash Value accumulation ➢ Forecasting the total cost of insurance ➢ Reimbursement of premiums. At the end of the Term member gets reim bursed for all premiums paid except the Council dues.

TARGET MARKET: have a variety of financial and investment choices that can help you take control of you and your family’s future.

HOW DO I BECOME A MEMBER? It’s simple. Our members are our insured. Anyone purchasing a…

10-YEAR AND 20-YEAR TERM: Level premium plans with a fixed term coverage. Although these plans do not offer cash value or reinstatement provisions they provide protection at a lower cost than whole life. All these Term plans are convertible to a whole life at any time during the term of the contract, by request of the insured and before the insured’s 60th birthday and for an amount equal or lower than the original coverage amount. The Conversion provision does not require additional proof of insurability or medical examinations.

BENEFITS:

➢ Lower cost ➢ More purchase power ➢ Conversion provision

TARGET MARKET: Young families planning for their children’s education and raising needs. The conversion option makes these plans very attractive because it allows the insured to convert the plan to a whole life.

10-YEAR AND 20-YEAR PAY LIFE: Level premium plans with a fixed number of premium payments. These Plans offer cash value accumulation and re-instatement options. Excellent product when planning costs of insurance.

BENEFITS:

➢ Cash Value accumulation ➢ Discounts for early payoff ➢ Forecasting the total cost of insurance ➢ Policy Loans may be granted against the cash value (loan may not exceed 80% of available cash value) ➢ Policy may be re-instated up to 5 years from last due date (medical approval may be required) ➢ Lower Face limit amounts than “interest sensitive” products

Young adults and families who want to buy insurance protection for a determined number of years with the assurance that at the end of the term they will get the premium amount returned to them. Home buyers looking for Mortgage Insurance

COVERDELL EDUCATION IRA ➢ Coverdell (Education) IRA – great to start a college fund for children; deposits can be made until the child is 18 years of age; annual deposits up to $2,000.00; funds can be withdrawn for education tax free; funds my be transferred to another child. Minimum to open is $100.00 plus Membership dues

PORTUGUESE FRATERNAL SOCIETY OF AMERICA 1120 East 14th Street, San Leandro, CA 94577 Phone: (510) 483-7676 • 1-866-687-PFSA Fax: (510) 483-5015 www.mypfsa.org

Have a rep contact you today! 1-866-687-PFSA (7372) Or email us at MyPFSA@MyPFSA.org


8

COLABORAÇÃO

1 de Dezembro de 2012

Agua Viva

Ao Sabor do Vento

Filomena Rocha

José Raposo

filomenarocha@sbcglobal.net

Mar de Emoções

E

ntrámos em Dezembro, com tempo suave, a arrefecer gradualmente nesta Califórnia de mil e uma cores. Às vezes até parece ser Primavera, ao ver os vasos enormes cheios de flores de arroz, violetas africanas e com o vermelho rubro das poinsettias, a dar já o gosto a Natal, pelo menos para os lados de Santana Row, onde as ruas se enchem de transeuntes e nos restaurantes instalados até aos passeios aconchegados de fogareiros-chaminés que aquecem os que ficam e os que se passeiam no modo de vida que lhes é permitido. Sabe tão bem um copo de tinto à beira da noite, à beira do passeio, à beira dos que apreciam a vida a passar e dos que nem se apercebem que essa passa num ápice. É a vida que segue estrada fora, o seu percurso natural... E por falar de percursos, tivemos a presença dos nossos amigos das Sanjoaninas de Angra do Heroísmo, numa visita sempre agradável de receber. Embora esteja distante o mês da festa, tudo tem de ser preparado com a devida antecedência, até o abraço que se dá em pessoas amigas que há muito não víamos. Para mim foi o caso de Sandra Garcia Bessa, que há muitos anos fez parte de um côro infantil para uma canção minha, “O Mundo da Criança”. Demos um alegre mútuo e feliz abraço por este reecontro! Que bom é sempre ter quem se lembre de nós, apesar da distância e anos de ausência, aqueles com quem nos cruzávamos no dia-a-dia... Tiramos fotografias, que ficam nas memórias do FaceBook, nessa “gaveta” de espaço infindo que abrimos de quando em vez e nunca mostram sinais de bolor, como quantas que já tantos de nós perdemos de grande estima e valor afectivos. Neste encontro, tivemos a presença do grupo de música popular “Gíria da Terra”, de São José

e ouvimos duas vozes jóvens e bonitas do Folclore da Ilha, Isabel Fagundes e David Reis, das Doze Ribeiras, acompanhados à viola da terra por George Reis e violâo por Manuel da CunhaMendes. Fez-se um serão de convívio entre visitantes e anfitriões, saboreando a comida suculenta, trilhando caminhos repassados de saudades... Primeiro, em Gilroy, cidade-irmã de Angra; depois em São José, na sede da Banda Portuguesa. E depois outros e outros salões de portugueses que já estão a sonhar com as Sanjoaninas. Nem é necessário trazer-se um programa muito aprumado e já decidido! Os amantes da Festa estão sempre confiantes que será boa, alegre e divertida, sem que falte o “quinto toiro” em cada uma tourada. Será um “Mar de Emoções”!

P

elo menos o mote foi dado pelo presidente assembleia da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, Ricardo Barros, pelo presidente das Sanjoaninas Ricardo Matias, adjudicados pela relações públicas Sandra Garcia Bessa, e ainda por José Félix, Fernando Pavão e António Toledo. Como é de costume, na despedida, fica uma saudade por verter na taça da alegria, transformada em mar de emoções, onde todos darão um mergulho refrescante depois das marchas, do saltar da fogueira e da festa brava, menina dos nossos olhos... Espelhada no mar da nossa Ilha

raposo5@comcast.net

O Hino Nacional Português é o Primeiro

E

u prometi que não iria falar mais sobre as bandeiras, como são hasteadas, como devem ser apresentadas, etc, e não vou falar mesmo. Estive na convenção da P.F.S.A., em Modesto, e não vou, publicamente, falar sobre o que fizeram menos certo, embora muita gente me tivesse pedido para fazê-lo. Pelos vistos, muitas coisas mudaram nos estatutos, mas eu, como membro de tal organização, escreverei diretamente à mesma a dar a minha opinião de como certas cerimônias, e não só, deveriam ser simplificadas ou alteradas, para que as mesmas não se tornem maçadoras e desse modo, além de maior sucesso, pudessem atrair mais jovens. Devo dizer que foi um fim de semana bem passado. Vi pessoas que já não via há uns anos, fiz novas amizades e durante certas conversas particulares houve até momentos bem divertidos. Uma das coisas que resolvi falar - e, por favor, não o aceitem como critica destrutiva – é sobre a ementa do banquete. Digo isto porque, em minha opinião, já vi o mesmo erro cometido em muitas organizações e, portanto, é dirigido a todas elas e não só à P.F.S.A. Eu, por mim, quando vou a um banquete, não vou pela comida e sim pelos amigos ou para prestar homenagem a alguém.  No entanto, claro que faz diferença quando a comida me agrada! E podem-me servir “prime rib”, com o sangue a escorrer, que embora   não seja vampiro, adoro esse corte de carne. Porém, a maioria esmagadora da nossa gente, Portuguesa claro, e já agora me perdoem o termo, de certa idade,  não gosta de carne crua, nem de vegetais mal cozidos. Portanto, talvez, seja mais interessante, penso eu, que ao

combinarem a ementa com o hotel ou restaurante, o façam de certa maneira para que quem goste de carne bem passada, a tenha da forma que gosta ou a oportunidade de escolher outro prato. Pode parecer complicado, não sei, mas é só uma sugestão para evitar que os empregados tenham de levar o prato novamente para a cozinha e voltar a metê-lo no fogão ou então dar às pessoas caixinhas para levarem a carne para casa, a fim de que voltem a assá-la ou fazer com que os seus cães tenham uma refeição mais requintada. Depois da minha estadia em Modesto durante o fim de semana, ao chegar a casa e em conversa no facebook com um amigo, ele perguntou-me qual o hino que se deveria tocar primeiro nas nossas festas, se o Português ou o Americano. Eu, francamente, disse que não tinha a certeza, mas iria saber ao certo e lhe diria. Depois de pesquisar em vários sites na internet, descobri uma mesma pergunta sobre o Hino Nacional Israelita e o Americano cantado em território Americano. Penso que a mesma regra se deve aplicar quando os hinos são tocados.  Transcrevo em inglês para que não haja falsas interpretações: “Regarding the correct and standard US protocol regarding the singing of the US national anthem where a "foreign" anthem is also sung, the following is the rule: "nothing follows the Star Spangled Banner", which means Hatikvah is sung FIRST. This rule however is reversed when the President ( of the US, not your shul!! ) is present, in which case the US national anthem is sung first.” “THERE IS ONLY ONE EXCEPTION TO THIS RULE: When a visiting artist or group (orchestra or chorus) from a foreign land PERFORMS the two

anthems, the anthem of the country of the visiting artist or group is played last.” Tomando isto em consideração, por exemplo, se vier uma filarmónica dos Açores visitar a Califórnia e se a mesma for dada a honra de tocar os dois hinos, o Americano e o Português, o hino Português é tocado por último. Já estou com os ouvidos a chiar com a próxima pergunta. E o hino do Espírito Santo? Quando é que se toca? Como não queria dar uma resposta errada, contatei o Departamento do protocolo dos Estados Unidos, em Washington D.C.. Depois de estar à espera da resposta por mais de uma hora, desligaram o telefone. Então resolvi contatar o “civic center” e a resposta foi que não sabiam a resposta nem a quem perguntar, mas que, talvez, fosse melhor chamar uma Igreja. Assim o fiz e, claro, atendeu-me uma secretária electrónica, Cansado de marcar opções, desliguei e pensei chamar o Vaticano a ver se poderia perguntar ao Papa, porém, como lá já era tarde da noite, não o fiz. Continuei a procurar na internet e encontrei um site para fazer perguntas e a resposta que me enviaram foi a seguinte: Jose, the Portuguese Holy Ghost hymn would be played after the two anthems are performed. It could be played immediately after, or further down into the event if some time is needed for remarks. Thank you for writing and best wishes, Deborah Hendrick. Portanto caros Senhores Mestres, ou Maestros, salvo as exceções acima referidas, vejam se daqui para o futuro acabem com essa confusão ao tocarem os hinos e mandem as vossas filarmónicas executarem primeiro o hino nacional Português.

PROCURA-SE Senhora para cuidar de idosa, vivendo com ela permanentemente. Tratar através do telefone

209-606-8882


PATROCINADORES

9

Barbados para venda Vendem-se cachorros da raça Barbados da Ilha Terceira, puros. Tratar com Joe Morais

Tour PORTUGAL with Carlos Medeiros

209-678-2489

707-338-5977 Fale connosco para compra e venda de Propriedades nos Açores, Heranças, etc. CASAL OFERECE-SE PARA TRABALHAR em limpesas, quer em casas particulares ou em escritórios. Contactar 209-667-4064

O melhor queijo tipo São Jorge fabricado na California

Enviam-se ordens via UPS com o mínimo de 2 libras

Joe Matos

3669 Llano Rd Santa Rosa, CA 95407

707-584-5283


10

COLABORAÇÃO

1 de Dezembro de 2012

Reflexos do Dia–a–Dia

Diniz Borges d.borges@comcast.net Nestes dias difíceis, nós ameri-

canos, temos que escolher o caminho da justiça social...o caminho da fé, o caminho da esperança e o caminho do amor para com o próximo.

B

Franklin D. Roosevelt

arack Obama ganhou as eleições. Os americanos fizeram a sua escolha , optando por Barack Obama ficar na Casa Branca mais quatro anos. Mais, escolheram mais nove Democratas para o Congresso do que na legislatura anterior e aumentaram a maioria que o mesmo partido tinha no Senado. É mais do que óbvio, o cidadão americano, escolheu o caminho do progresso, a visão liberal e rejeitou o conservadorismo e a política obstrucionista que o Partido Republicano tem executado nos últimos quatro anos. E mais uma vez, os jovens, as mulheres e os grupos étnicos minoritários, particularmente os afro-americanos e os hispânicos, votaram, maioritariamente, no Partido Democrático. Mas as eleições já passaram. Quatro semanas, no calendário político do pós-modernismo, é quase uma eternidade. Daí que ilações é que podemos tirar deste último ato eleitoral. Primeiro, há que dizer-se que no dia 6 de Novembro o Presidente Obama não só ganhou reeleição, como a sua vitória, significou, o triunfo de um Nova América, a América do século XXI: mul-

tirracial, multiétnica, mais consciente do mundo que a rodeia, mais global e acima de tudo, preparada para ultrapassar vários séculos de tradições raciais, sexuais, conjugais e religiosas. Barack Obama, o filho de um casal multirracial, nascido no Havai, com ligações a Kansas, Indonésia, Los Angeles, Quénia, Nova Iorque e Chicago, foi reeleito em grande parte porque não só representa, como soube dialogar, com esta Nova América, tal como o soube o Partido Democrático. Soube conquistar uma coligação que incluiu uma grande percentagem dos trabalhadores fabris (45% dos trabalhadores anglosaxónicos de Ohio); mais de 70% dos votos dos hispânicos (incluindo pela primeira vez, desde John Kennedy, a maioria do voto dos cubano-americanos da Florida); 96% do voto dos afro-americanos e maiorias substanciais do voto de vários outros grupos étnicos, incluindo os asiático-americanos. A campanha de Barack Obama soube trabalhar, e conquistar, não só em termos raciais e étnicos, mas também em termos de estilo de vida. Alguns analistas questionaram, e vários elementos do Partido Republicano, incluindo o antigo cérebro dos conservadores, Karl Rove (o grande perdedor destas eleições) satirizaram a campanha de Obama por estar focar em elementos demográficos específicos dentro da sociedade americana, incluindo os gays. Enganaram-se com o seu epigrama porque a mensagem

Uma VITÓRIA para a Nova America que a campanha do Presidente transmitiu foi uma mensagem sobre o futuro e não a do passado que os Republicanos insistem em expedir. Aliás, a campanha de Barack Obama não fez mais do que ler, com atenção, os números do recenseamento de 2010, os quais indicam, claramente, que na primeira década do novo milénio a população de asiático-americanos cresceu 43,3%, a de afro-americanos 12,3%, a de latino-americanos 43% e da anglo-americanos apenas 5,7%. Há dados que são significativos e que apesar dos Republicanos gastarem milhões dos seus amigos super-ricos não são omitidos da realidade americana, desta Nova América que os conservadores gostariam de ver apagada. O Presidente Barack Obama foi reeleito com o apoio desta Nova América, como se disse, mas também porque falou a linguagem da Nova América onde assuntos tão pertinentes como: a reforma do sistema da saúde publica; medidas para regirem o Wall Street e o mundo da alta finança; reformulação das leis da emigração abrindo caminho para cerca de 14 milhões de clandestinos e suas famílias; a decisão que as mulheres devem ter sobre os seus próprios corpos, incluindo o uso medidas preventivas para a gravidez e a oportunidade de ganharem o mesmo salário pelo mesmo trabalho; o direito que os cidadãos devem ter de casarem por civil com quem quiserem, incluindo pessoas do mesmo sexo,

SATA Internacional & Virgin America Annouce a new partnership, allowing easy and inexpensive connections from California to the Azores year around

SFO / BOS /PDL

Every Tuesday and Friday Depart: SFO @9:45 am - Arrive: BOS @6:20pm Depart: BOS@ 10:15pm - Arrive: PDL@7:00am

PDL / BOS / SFO

Depart: PDL@3:00pm - Arrive: BOS@4:45pm Depart: BOS@7:10pm - Arrive: SFO@11:00pm

$1045.00

Round trip prices start @ includes taxes and fees

Check back regularly for special deals and promotions being released every week Contact our Office at 1897 Alum Rock Ave #50, San José, CA 95116 Phone 408-729-3712 Fax 408-729-3960 or your local travel agent

são alguns, entre uma miríade de conteúdos relevantes para os jovens e a maioria da Nova América. Mais, esta eleição mostrou-nos ainda, que esta Nova América, já não acredita nos papões do passado. Na Nova América é possível ganhar-se reeleição sem começar uma nova guerra. Melhor, é possível ganhar-se reeleição acabando com as guerras e acabando com a exacerbada arrogância de que os Estados Unidos são o mundo. Na Nova América, multirracial, multiétnica e multicultural é possível ganhar-se eleições sem denegrir no resto do mundo. É possível ganhar-se eleições acreditando que somos um paceiro importante na construção de um mundo mais justo, mais pacifico, mais progressista. Daí que a vitória de Barack Obama, foi mais do que uma vitória política, foi uma vitória para a verdadeira união americana, ou seja: nesta sociedade estamos todos juntos, somos um único povo, independentemente de onde vieram os nosso antepassados, de quem somos e de como vivemos as nossas vidas. Esta eleição também mostrounos, ainda mais uma vez, que os americanos, e particularmente os novos americanos, que são de todas as cores; de todos os credos religiosos, e alguns sem religião; de todos os estilos de vida; de todos os estados sociais e económicos, acreditam no poder dos governos e que embora não depositem toda a sua esperança no

governo, acreditam, justamente, que os governos, nacionais, estaduais e locais, são parceiros importantes na construção de uma sociedade. Esta foi ainda uma vitória que mais uma vez mostrou aos Republicanos que a sua hipocrisia de que a industria privada resolve todos os problemas e que os governos podem ser arrumados na prateleira do esquecimento, não funciona. E digo hipocrisia porque quando estão no poder, como aconteceu com George W. Bush, aumentam os custos governamentais. Foi, uma eleição que mostrounos que os americanos querem um governo eficaz e programas governamentais que ajudem aos mais carenciados da sociedade. Foi uma vitória para os conceitos da verdadeira liberdade, da justiça social e da paz. Foi ainda uma rejeição das propostas que tirariam à classe média para dar aos mais endinheirados do país ou àqueles que apesar de não terem esses montantes, pensam que já o têm, aos novos ricos, ou pior ainda, aos pseudo-ricos, porque são estes que têm dado algumas vitórias aos conservadores. O conceito de se querer ser rico a todo o custo é repugnante. A Nova América falou e decidiu que queria construir uma sociedade mais equitativa e todos, mas mesmo todos, dentro e fora deste grande país, ganharemos com

esta decisão.


COLABORAÇÃO

Temas de Agropecuária

Egídio Almeida almeidairy@aol.com

Será que a produção do leite vai descer? “RABOBANK” prevê uma descida global na produção do leite.

P

ontos chave: 1. A produção de leite está descendo, não só nos Estados Unidos. 2. A recente subida dos preços devese à descida na produção. 3. Os preços nos Estados Unidos devem continuar recuperando. “Rabobank” publicou um novo relatório olhando a industria de lacticínios global no terceiro trimestre de 2012, examinando a oferta e procura, e os níveis de preços nos mercados chave por todo o mundo. Neste relatório da autoria de “Food & Agribusiness Reasearch and Advisory Group”, “Rabobank” diz que o mercado global parece caminhar para um período de renovada falta de leite para o próximo ano, dando mais sentido ao slogan “Got Milk”. Este aperto nos mercados virá largamente do lado da produção devido aos baixos preços do leite, num passado recente, altos preços das rações e forragens e desfavoráveis condições climatéricas, esperando-se que diminuirá o crescimente na produção nas maiores regiões exportadoras. A previsão de “Rabobank” é de que estas regiões exportadoras, EU, U.S., Australia, Nova Zelandia, Brasil, Argentina e Uruguai, terão a sua primeira descida no crescimento dos ultimos quatro anos. (Reparemos, e só no crescimento). No lado da demanda, “Rabobank” diz que as expectativas de melhoramentos na posição económica dos consumidores deverá aumentar a demanda dos produtos do leite, mas a história pode ser diferente nos países do Ocidente com o desemprego e a redução nos salários. O melhor sinal para

os produtores do leite tem sido os recentes aumentos nos mercados mundiais devido à demanda que se espera continue a aumentar. Este Banco prevê que as economias da China, Southwest Asia, Middle Eastern e Países do Norte de Africa, que embora a passo mais lento, continarão a subir, e as suas populações vão aperfeiçoando o seu estilo de vida enquanto as suas classes médias vão aumentado. Com um mínimo excesso de inventário, e com um aumento na demanda destes produtos, os mercados podem mudar num abrir e fechar de olhos. Oferta e procura é sempre o nome do jogo, quando a demanda excede a oferta, os preços sobem.

E

stá previsto que o crescimento na produção vai diminuir nos próximos 12 meses para os níveis do passado, quando os produtores respondem ao preços baixos pelo leite, altos preços das rações e problemas atmosféricos em algumas regiões. Mesmo contando com apenas uma pequena fracção no crecimento do consumo nos Estados Unidos e União Europeia, isso reduzirá o volume de produtos em armazém para exportar de algumas regiões chave. Contando em que há uma firme subida nas exportações, os preços terão que subir substancialmente para balançar os mercados internacionais e atingir os mais altos preços na Oceania, (Australia, New Zeland), no primeiro trimestre de 2013. Os preços nos Estados Unidos e União Europeia, não subirão ao ritmo do resto dos mercados, porque os seus preços estão já neste momento mais altos.

Foreclosure Short Sale Mortgage Tax Relief Acaba em 12/2012

DRE # 01397526

Anuncie no Tribuna e sinta-se feliz

11


12

COLABORAÇÃO

Sabor Tropical

Elen de Moraes elendemoraes_rj@globo.com

G

osto de pesquisar sobre a contribuição que os portugueses nos deram com sua língua melodiosa, sua culinária, inclusive a bela cor dourada dos mulatos que, como diz o poeta, é criação dos nossos colonizadores. Escrevi algumas vezes sobre o excelente legado da cultura portuguesa, entretanto, como o assunto do momento é a corrupção, interessei-me em saber em que época essa prática foi mais explícita e intensa. Segundo alguns historiadores, a primeira vez que dela se falou foi com a informação do nosso descobrimento. Bom frisar: nem todo português que veio para a colônia e que aqui trabalhou e enriqueceu a exercia; que a corrupção, por ser uma “doença inerente ao ser humano de caráter duvidoso”, é praticada em quase todos os países. O louvor vai para quem a investiga e pune. São tipos mais comuns de corrupção o tráfico de influência, a extorsão, o suborno (propina) e o nepotismo (nomear parentes). Muitos políticos não se acanham de, publicamente, explicar a nomeação de familiares por desejarem pessoas de “confiança” trabalhando em seus gabinetes, em detrimento de gente melhor preparada e muitas vezes mais competente, para o cargo. O primeiro ato de nepotismo que se tem notícia em terras brasileiras (dizem alguns, embora outros não concordem), foi feito por Pero Vaz de Caminha, num pós-escrito de sua carta ao Rei de Portugal narrando a descoberta do Brasil.

Ele pedia a volta do seu genro que vivia em degredo na África: "E pois que, Senhor, é certo que tanto neste cargo que levo como em outra qualquer coisa que de Vosso serviço for, Vossa Alteza há de ser de mim muito bem servida, a Ela peço que, por me fazer singular mercê, mande vir da ilha de São Tomé a Jorge de Osório, meu genro, o que Dela receberei em muita mercê.Beijo as mãos de Vossa Alteza". (Deste Porto Seguro, da Vossa Ilha de Vera Cruz, hoje, sexta-feira, primeiro dia de maio de 1500). Na época da colonização os casos mais comuns de corrupção eram ligados aos funcionários públicos encarregados de fiscalizar o contrabando e outras infrações contra a coroa portuguesa. Ao invés de fazerem o trabalho para o qual eram contratados, acabavam praticando comércio ilegal do pau-brasil, tabaco, ouro, diamante, etc. Esses produtos, que só poderiam ser comercializados com especial autorização do rei, iam parar nas mãos dos contrabandistas e Portugal se esquivava em resolver o problema, porque estava mais interessado em manter os rendimentos da camada aristocrática. E a corrupção não deixou de existir com a chegada da família Real Portuguesa. Pelo contrário, ao partir de Portugal rumo ao Brasil, D. João VI trouxe em sua comitiva entre 10 e 15 mil pessoas da corte, que passaram a viver à custa do dinheiro público. Muitos conselheiros do Príncipe Regente enriqueceram cobrando

1 de Dezembro de 2012

O Mensalão e seus 40 ladrões propinas dos ricos fazendeiros, confiscando suas casas, etc. e mais tarde, durante o Império, mesmo Dom Pedro I sendo mais estadista do que o seu pai, tinha entre seus amigos pessoas pouco recomendáveis nomeadas para cargos importantes, que mandavam e desmandavam. Já Dom Pedro II, homem culto, apreciador das artes e ciências, mecenas,

avanços na economia, por melhorias sociais, mas também por grandes escândalos políticos. E o maior e mais famoso foi o do “Mensalão”, cujos participantes atualmente são julgados pelo Supremo tribunal Federal, por corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Em 2005, decidiu o Deputado Federal e Presidente do PTB, Ro-

poliglota, porém sem nenhuma aptidão para governar, fazia vistas grossas para os desmandos no seu governo. Com a República, pouco ou nada mudou, a não ser o impeachment de Fernando Collor de Mello. Cada Presidente que assumia o poder chegava com a promessa de combater a corrupção e investigar seu antecessor. E foi com a promessa que Luis Inácio Lula da Silva chegou à Presidência. A era Lula (2003-2010) foi marcada por

berto Jefferson, ao ser acusado de participar do esquema de propinas dos Correios, denunciar a existência de outro esquema que segundo ele, deputados de alguns partidos, inclusive do seu, recebiam dinheiro por mês para votarem projetos de interesse do governo Lula. Jefferson foi cassado e seguiu afirmando a existência do suborno pago aos deputados, que recebeu o nome de “Mensalão”. Ele próprio afirmava ter recebido quatro milhões do PT

(partido do governo). Inocentou o Presidente Lula, que se reelegeu em 2006, embora haja comentários de que o Presidente sabia do que se passava nos bastidores do seu governo. Em 2007, o STF (Supremo Tribunal Federal) acatou a denúncia da Procuradoria Geral da República e abriu processo contra os 40 envolvidos no escândalo do Mensalão. Entre os réus estão José Dirceu, a cúpula do PT daquela época e até um (ex) Bispo da igreja Universal, entre outros, os quais respondem por crime de corrupção passiva e ativa, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, etc. José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil, (na foto) homem forte do governo Lula, considerado o chefe da quadrilha do Mensalão, foi condenado a 10 anos e 10 meses de cadeia em regime fechado e a pagar multa superior a R$ 600 mil. Todos os passaportes foram recolhidos. Agora é esperar que nenhuma manobra seja feita para impedir que se cumpra a Lei.

Eduardo Gomes Eduardo Gomes, foi galardoado com o prémio Administrator of the Year for Fresno County. A mãe do Eduardo - Ricardina Gomes - é do Porto Judeu da Terceira. O pai do Eduardo é do Continente - José Gomes. Os pais viveram em Hilmar muitos anos e agora moram em Hanford. O José Gomes é conhecido por cantar bem e também por fazer o programa de TV "Nossa Fé Nossa Vida" no Canal 49 juntamente com a Ricardina e outros.

O Eduardo Gomes nasceu no Rio de Janeiro, onde os pais, emigrantes no Brasil, moraram muitos anos. O Eduardo veio em criança para a América e foi criado em Hilmar. Agora mora em Fresno. Tribuna Portuguesa sauda e felicita toda a família Gomes.


13

DESPORTO

LIGA 2012 - 2013 Benfica e Porto imparáveis

Benfica 2 Olhanense 0

Braga 0 Porto 2

O FC Porto recuperou a liderança da Liga portuguesa ao vencer fora o SC Braga, por 2-0, graças a golos apontados nos instantes finais. O SL Benfica tinha-se isolado no topo após o triunfo de sábado sobre o SC Olhanense e parecia manter-se sozinho na frente da classificação, isto apesar do início de jogo fulgurante do Porto, período durante o qual Nicolás Otamendi rematou ao poste logo aos dois minutos, de cabeça, na sequência de um canto de James Rodríguez. Mas quando o nulo se

afigurava como o resultado mais provável, James bateu Beto num remate forte com o pé esquerdo que fez a bola desviar em Douglão e bater na trave antes de entrar na baliza do Braga. O sétimo golo do extremo da Colômbia na prova desmoralizou a equipa de José Peseiro e, nos descontos, Jackson Martínez cimentou o estatuto de líder dos goleadores, com nove remates certeiros, ao aproveitar um passe errado da defesa adversária. O resultado entre duas equipas que se voltam a

defrontar na sexta-feira, no mesmo local, em partida dos oitavos-de-final da Taça de Portugal, deixou o Porto com os mesmos 26 pontos e um golo de vantagem na luta renhida com o Benfica pela posição cimeira. Quanto ao Braga, ficou a nove pontos da dupla e foi apanhado pelo surpreendente Rio Ave FC no terceiro lugar. De resto, em Setúbal, João Tomás chegou aos 101 golos no campeonato ao assinar três no triunfo de 5-3 do Rio Ave no terreno do Vitória FC. Só que o ponta-

de-lança de 37 anos não foi único em destaque nesta partida, uma vez que o seu companheiro de equipa Yonathan Del Valle bisou e Albert Meyong assinou os três remates certeiros do conjunto da cidade do Sado. Na Madeira, Mateus entrou ao intervalo para marcar o golo da primeira vitória do CD Nacional em casa, 1-0 diante do GD EstorilPraia, enquanto Edinho, a quatro minutos do fim, resgatou um ponto à A. Académica de Coimbra no empate 2-2 em casa ante o Gil Vicente FC. A ronda prossegue na segunda-feira com a deslocação do Sporting Clube de Portugal ao reduto do Moreirense FC e encerra no dia seguinte com a recepção do FC Paços de Ferreira ao CS Marítimo. in uefa.com

O SL Benfica continua sem perder e isolou-se provisoriamente na liderança da Liga portuguesa ao bater em casa o SC Olhanense, por 2-0, na décima jornada.

A sexta vitória seguida dos "encarnados" no campeonato, e sétima em todas as competições, começou a desenhar aos 26 minutos, quanto Óscar Cardozo fez o seu sétimo golo ao converter uma grande penalidade a castigar falta de Vasco Fernandes sobre Maxi Pereira na grande área. Luisão, capitão do Benfica, assinalou o regresso aos jogos internos com a marcação do segundo tento, ao dar o melhor seguimento de cabeça, aos 72 minutos, a um canto de Enzo Peréz e fixou o resultado, naquele que cons-

tituiu também o 100º jogo do treinador Jorge Jesus na prova ao comando da equipa e o 50º em casa. O Benfica soma agora 26 pontos, mais três do que o FC

Porto antes da viagem do campeão ao terreno do SC Braga, no domingo. A ronda começou na noite de sexta-feira, num encontro em que um golo de Amido Baldé no quinto minuto dos descontos, o 200º da presente edição da prova, permitiu ao Vitória SC sair de Aveiro com um empate 2-2 frente ao SC Beira-Mar, ainda na cauda da classificação. in uefa

1555 Alum Rock Ave. San Jose ca, 95116 www.bacalhaugrill.com bacalhaugrill@gmail.com Facebook 408 259 6101

Anis

$13.00

Licor Beirao SantolaVinho $17.00 Verde $7.00

Meia Encosta Tinto $4.00 Licores dos Acores $18.00

Macieira

$14.00

Estão todos convidados a Nossa Figos $3.00 lb Festa de Natal com mais especiais no dia 15 de Dezembro das 10 da manha as 6 da Sumol $12.99 tarde 24 pk.

Licor de Maracuja

Aveleda/Casal Garcia

$5.50

$14.00


14

TAUROMAQUIA

1 de Dezembro de 2012

50 Anos da Peňa Taurina Sol y Sombra

Quarto Tércio

José Ávila josebavila@gmail.com Não me foi possível participar, na

Festa do 50º Aniverseario da Peña Taurina Sol y Sombra de San Francisco. Foi pena, porque aquele clube merece o nosso respeito e a nossa admiração. Parabéns a todos. Quando este jornal sair o nosso amigo e colaborador desta página taurina, Joaquim Avila, estará a gozar a Terceira Grande Corrida de Toiros da Feira do "Senhor dos Milagres", na Praça de Acho no Perú, com toiros de San Sebastian de Las Palmas (Colombia) para David Fandila "El Fandi", Miguel Angel Perera e Alejando Televante, todos de Espanha. Na nossa próxima edição teremos mais notícias desta grande corrida. Faleceu um jovem Ganadero da Terceira

Peña Taurina Sol y Sombra celebrated this past October 21 its 50th Anniversary of existence with a gala dinner. The event took place at the oldest prestigious Athletic Club of the United States, the Olympic Club, founded in 1860, the same place were the U.S. Open was celebrated in May this year. At the Vista Room which has a view of the 18th hole, a tribute was given to the pioneer families that lobbied in California’s Assembly and Senate to establish La Fiesta Brava as a cultural patrimony in the U.S.A. through bloodless bullfights. These

families were Frank Borba, Manuel Sousa, Manuel Correia, who built bullrings and raised bullfighting livestocks in their ranches. In attendance were the son of Ganadero Frank Borba, Matador Dennis Borba, who took his alternativa in Mazatlán, Mexico on March 27, 1986 and is currently Ganadero of Rancho Bravo, Caroline Sousa, widow of Manuel Sousa, Manuel Sousa Jr. who is currently in charge of the ganadería, his sisters Maxine Sousa and Lilianna Sousa. Through its President, Rosalvina Prebil, Peña Taurina Sol y Sombra

gave the honorees lithographs by American Matador and Artist John Fulton. The Correia Family was absent because the Ganadera just got out of the hospital and requires care. From other North American Taurine Cities came the Great Aficionada Lydia Ackerman from New York who presented “Enhorabuenas” from the New York Clubs (Club Taurino of New York and New York City Club), and the Aficionada Actress Dolores Merino who presented a Certificate of Congratulations from Los Aficionados de los Angeles.

R.P.

Faleceu subitamente no passado sábado, quando cuidava do seu gado bravo, o jovem e dedicado ganadero Francisco Gabriel Vieira Ourique, o Gabriel Ourique, como era bem mais conhecido da aficion. Contava 47 anos de idade e deixou de luto a viúva, D. Sãozinha Quadros Ourique, e 3 filhos (uma menina de 10 anos de idade e 2 rapazes de 13 e 18 anos). A sua grande predilecção pelos toiros levou-o a lidar com estes animais desde tenra idade e, aos 18 anos, iniciou a actividade de pastor da corda, até que alguns anos depois (1994) conseguiu juntar esta missão à de ganadeiro (hoje com perto de 100 cabeças de gado bravo, algum do qual de leite), como corolário do sonho que sempre acalentou, apesar do caminho algo pedregoso encontrado, mas sem jamais desfalecer – é o que, cheio de fé e fortes convicções nos deu a entender Gabriel Ourique aquando das 2 entrevistas que concedeu a Diário Insular nas edições de 31/01/2007 e 25/01/2011, esta na inauguração do seu moderno e funcional tentadero. Apesar de profissional há anos do Matadouro Municipal, Gabriel Ourique dedicou todos os seus tempos livres de alma e coração à ganadaria, uma das suas grandes paixões, acabando por morrer no mato a cuidar dos seus animais. Enfim, um sonho desfeito em segundos… A recente remodelação do seu tentadero e demais estruturas anexas, bem como o excelente modo como tratava os seus toiros e os apresentava nos arraiais (ganhou vários prémios por isso), são uma demonstração evidente de que, em poucos anos, teria a sua ganadaria a ombrear com as maiores da Ilha; sem esquecer a dedicada e entusiástica colaboração do filho de 18 anos e o incondicional apoio da esposa. Morre assim um lutador dos “sete ofícios”, um bom chefe de família, um amigo dos amigos, um Homem em todo o sentido da palavra. A presença em massa da enorme aficion taurina no seu funeral é o testemunho evidente do que afirmamos. É assim a nossa aficion: presente nas boas e más horas!!! Fica assim a tauromaquia terceirense bastante mais pobre com este repentino desaparecimento do número dos vivos. À desolada viúva, aos 3 filhos, ao pai e aos seus 2 irmãos, a expressão sincera do nosso profundo pesar. Que descanses em paz amigo! J.H. Pimpão in di


COLABORAÇÃO

Minha Língua Minha Pátria

Eduardo Mayone Dias

S

eduardomdias@sbcglobal.net

ucessora direta do Curso Superior de Letras, de1878, a Faculdade de Letras de Lisboa foi criada em 1911, parte do enérgico programa de remodelação do ensino universitário lançado pela República. Do Curso Superior de Letras herdou também a instalação em parte do edifício do velho Convento de Jesus. Para a Faculdade entrava-se descendo uns degraus que iam dar a um longo claustro. Por aí professores e alunos pisavam irreverentemente sepulturas de olvidados freires. À esquerda parte de outro claustro havia sido convertida em sala de aula. Dada a sua estreiteza só comportava duas carteiras de cada lado, com passagem ao meio. Devido a esta configuração os alunos chamavam-lhe o “carro elétrico”. No verão de 1944, terminado o 7º ano do liceu, fiz o meu exame de admissão à Faculdade de Letras para o pomposo título de Filologia Germânica, isto é especialização em Inglês e Alemão. O exame constava de três provas. Português, Inglês e Alemão, e com grande alívio consegui também passar na terceira. Começaram logo aí os meus desencontros com o sistema universitário. No liceu, do quarto ao sexto ano, podíamos escolher entre Inglês e Alemão. Como quase a totalidade dos meus colegas, escolhi

a primeira língua e tinha agora de provar a minha sabedoria de outra que nunca me tinham ensinado oficialmente. A solução foi uma explicadora, que me fazia memorizar assustadoras listas de germânicos vocábulos.Depois, chegou outubro. As aulas deviam começar logo a seguir ao feriado mas esperámos duas semanas até que o primeiro mestre se dignasse aparecer. E para minha estupefação, o ritual repetiu-se pelos três anos seguintes. No primeiro ano tive aulas de Grego, dadas por dois austeros sacerdotes. Grego para quê, perguntavame. Não aprendi nada nessas aulas mas de novo ocorreu uma aprovação. Não recordo que nota tirei mas decerto foi um generoso 10. Outra cadeira foi Psicologia Geral, com o diretor da Faculdade, o temido Professor Matos Romão. Não me esquece a sua bizarra visão dentro da aula, embrulhado numa velha gabardina e de cachecol. Um dia deliciei-me com uma inscrição gravada numa das nossas decrépitas carteiras, que rezava “Casou-se um sapato velho / com uma caixa de sabão / e desse auspicioso enlace / nasceu o Matos Romão”. Uma aula do primeiro ano foi mais amena. O professor de Filosofia Moderna e Contemporânea era Vieira de Almeida. Baixinho, impecavelmente vestido, entrava na aula, punha o chapéu à banqueiro e as luvas em cima da mesa e falava.

15

Faculdade de Letras de Lisboa, 1944-1949 Já não sei de que falava mas, impenitente monárquico, não perdia ocasião de alguma alfinetada ao Governo. Um dia disse-nos que a frase mais significativa do hino da Mocidade Portuguesa era aquilo de “levados, levados sim”. O curso era obrigatório para as secções de Germânicas e de Histórico-Filosóficas. Verificámos depois que não importava muito o que houvéssemos escrito no exame final. Vieira de Almeida atribuia sempre um 11 a nós, os de Germânicas, e um 13 aos de HistóricoFilosóficas. Gostei muito da aula de Inglês Prático, com um leitor, o simpatiquíssimo Mr. Lloyd, de longa residência em Portugal. Aí tinhamos de participar ativamente e Mr. Lloyd fazia-nos ler livros em inglês, à nossa escolha. Era compreensivo com as nossas dificuldades linguísticas pois ele também as tinha com o português. Levou por exemplo muito tempo em descobrir que a praça de touros de Lisboa não se localizava no “Cão Pequeno” e que “cença” significava “com licença”. A aula de Literatura Inglesa, sobre o teatro medieval inglês, revelou-se extremamente informativa. Oliveira Cabral foi o meu professor favorito e anos mais tarde demonstrou uma admirável verticalidade profissional. Muitas outras cadeiras se seguiram, quase todas sem história, mal estruturadas e versando algum obscuro tema que nessa altura interessava o professor. Recordo todavia, muito vivamen-

te, as de Vitorino Nemésio.Embora maravilhosamente erudito, dava a impressão de entrar na aula sem a mínima ideia do que iria falar. Caminhava calado até à janela, voltava atrás e então começava. Um dia referiu que tinha trabalhado em sua casa um estucador minhoto e isso levou-o a uma exposição de cinquenta minutos sobre falares nortenhos. Era extraordinariamente distraído. Certa vez, depois da aula, o meu colega Rafael Valadão, também terceirense, fez-lhe uma pergunta. Respondeu que tinha pressa e que ia tomar um táxi mas sugeriu que Rafael fosse com ele e que responderia durante a viagem, o que aconteceu. Chegados ao destino, saiu pela esquerda e Rafael deu a volta ao carro por trás. Ao vê-lo no passeio, Nemésio exclamou surpreendido: “Olá, você por aqui?” Passaram tempos e pronto nos encontrámos no quarto ano, com direito às fitas azuis de finalistas pendentes das pastas. Era a altura de pensar no tema da tese de licenciatura. Eu por esses dias andava embrenhado na novelística moderna e as obras de John Steinbeck tinham-me fascinado. Perguntei então ao Professor Oliveira Cabral se ele podia ser o meu orientador de tese. Ele franziu o nariz. Naquela época de feroz salazarismo era tabu abordar temas sociais e além disso, segundo creio, nunca ninguém tinha optado pela literatura norte-americana. Apontou-me os riscos que corria mas eu

insisti e ele aceitou. Escrevi pois a tese, absolutamente limpa de agressivos esquerdismos, e dias antes do exame Oliveira Cabral, num gesto de incomparável isenção para o tempo, telefonou para minha casa. Sóbrio nas suas palavras, informou-me de que a discussão da tese não estaria a cargo dele mas do Professor Monteiro Grilo (o poeta Tomás Kim), que no ano seguinte faria parte do corpo docente da Faculdade. Disse-me depois que o diretor Matos Romão, indignado por eu não me levantar dos bancos do claustro à sua passagem, havia exigido ao júri que me desse a nota mais baixa possível. Chegou o dia do exame e Monteiro Grilo, compreensivelmente, fez a única coisa que poderia ter feito. “Estendeu-me”, como se dizia no calão escolar da época. Era óbvio, que na sua primeira atuação na Faculdade, não iria antagonizar o chefe. Perguntou-me apenas que papel representava Johnny Appleseed em The Grapes of Wrath. Eu nunca tinha ouvido falar dessa quase mítica personagem que andava pelos campos espalhando sementes de maçã para criar pomares. Ainda hoje não consegui ainda ver que relação teria isso com a obra de Steinbeck. Enfim, fui para o exame com média de 14 e vim de lá com um mísero 10, pelos vistos mais disciplinar do que académico. E adeus, Faculdade.


16

CONVENÇÃO

II Convenção da PFSA

1 de Dezembro de 2012

As bonitas "regalias" da Portuguese Fraternal Society of America

Tomada de Posse dos novos responsáveis da PFSA - Sãozina Lourenço, Presidente da Juventude, Am get, Presidente dos 20/30 e Duarte Teixeira, Supremo Presidente da PFSA

A nova Presidente dos 20/30, Amanda Sargent, recebendo a regalia da sua função

Realizou-se nos dias 9, 10 e 11 em Modesto a II Convenção da Portuguese Fraternal Society of America. Durante dois anos Richard Castro, Mary Pedrozo e Ashley da Silva levaram a bom termo esta nova organização composta de quatro fraternais que se reuniram para formar uma nova e maior, atendendo aos novos ventos da economia. Foram eleitos para os próximos dois anos, Duarte Teixeira, Presidente Supremo, Amanda Sargent, Presidente dos 20/30 e Sãozinha Lourenço, Presidente da Juventude. Está dado mais um passo nesta grande organização de 43 mil membros.

Duarte Teixeira com as filhas e neta. A seu lado Amanda Sargent e Sãozinha Lourenço

Duarte Teixeira, Amanda Sargent, Sãozinha Lourenço, Richard Castro, Mary Pedrozo Sylvester e Ashley da Silva. Embaixo: Duarte Teixeira entrega a Richard Castro a regalia de Past Supreme President

Duarte Teixeira e Richard Castro Embaixo: Manuel Sousa, Pastor da Igreja de N.Sa. da Assunção na Missa da Con


CONVENÇÃO

manda Sar-

nvenção

Duarte Teixeira, Amanda Sargent, Sãozinha Lourenço, Ricahrd Castro, Mary Pedrozo Sylvester, Ashley da Silva

Arcata e Turlock muito bem representados no banquete

Duarte Teixeira trazendo a Coroa do Espírito Santo para o Altar antes do começo da missa

O bonito e bem desenhado "banner" da PFSA

17


18

CONVENÇÃO

1 de Dezembro de 2012

A Rainha da Convenção é Hannah Rosa Diniz

Sherri Rasberry, Richard Castro e Nuno Mathias

Laverne e Maria Cabral sempre presentes

Board of Trustees. Embaixo: Joann e Joe Câmara

Carla, Lidia, Doralice e Addie da Silva - a rectaguarda sempre activa


CONVENÇÃO

19

Metade da Mesa de Honra quando se cantavam os Hinos Nacionais

No ultimo dia da Convenção e depois do almoço teve lugar a entrega do PFSA Portuguese Community Award a José do Couto Rodrigues for Outstan-

ding Achievement to Promote & Enhance the Prestige of the Portuguese Culture & Traditions in California. Atendendo à enorme comunidade que temos e sabendo que as Convenções da PFSA só se realizam de dois em dois anos, seria interessante se houvessem mais galardoados no futuro. Among his many Community activities, José Rodrigues was: - Founding member of Portugue-

se American Political Action - Founding member and Chair of Cabrilho Savings Bank - President of the IDES Council in San Rafael - Chair of the Board of Portuguese Athletic Club, San Jose - Member of the Board of Americorps, San Jose, 1997 - Secretary of the Board of Giarreto Institute, San Jose - Founder member and President of Portuguese Heritage Publications of California from 2002 until 2011. - Currently he is Secretary of the Board of CASE, Catholic Association for Seminary Education.

Aspecto parcial do Salão do DoubleTree Hotel de Modesto onde se realizaram todas as actividades da Convenção

Maria de Fátima e Duarte Teixeira, José Rodrigues e Tim Borges, Richard Castro

Delminda Rodrigues, Maria de Fátima e Duarte Teixeira, José Rodrigues e Mary Medeiros

Duarte Teixeira, José do Couto Rodrigues e Mary Medeiros

As Convenções acabam na generalidade com baile e a Grande Marcha, este ano com o Conjunto The Revivals.


20

COLABORADORES

1 de Dezembro de 2012

Traços do Quotidiano

Coisas da Vida

Margarida da Silva

Maria das Dores Beirão winesao@gmail.com

santamarense67@yahoo.com

Rescaldo de uma Eleição

A

inda saboreado o resultado das eleições de 6 de Novembro, desejo apresentar algumas observações que julgo serem importantes. Primeiro, quero apresentar parabéns a todos os vitoriosos, pois não foi só o Presidente Obama que foi reeleito, o Senado continua liderado pelos democratas, e a Câmara dos Representantes tem onze novos membros do Partido Democrático Portanto, foi um dia extraordinário para a democracia. Desta vez, os democratas não ficaram em casa à espera dos resultados das eleições mas sairam à rua em massa, alguns esperando horas nas filas para votarem. Se tivessem feito o mesmo em 2000, talvez não teríamos tido oito anos de administração Bush que, como se sabe, foi das piores que este país enfrentou. Aliás, nesse ano teria sido quase impossível para Gore ganhar, uma vez que as eleições foram fraudulentas e foi o Tribunal Supremo que “elegeu” Bush. Felizmente, este ano o resuldo foi mais positivo para a maioria dos votantes. Devo notar que, tanto Romney como Ryan, nem conseguiram ganhar nos seus estados. Isso só provou que os seus eleitores os conheciam bem e não foram enganados pelas pelas falsas men-

sagens da renhida campanha. Confesso que, ao ver o primeiro debate Obama-Romney, na televisão, fiquei tão decepcionada que pensei que o presidente tinha perdido a eleição naquela noite. As últimas semanas da campanha eleitoral foram realmente um tormento, pois estava cada vez a ser mais disputada, Porém, na noite eleitoral quando o Presidente Obama primeiro ganhou o estado de Pennsylvania, comecei a ganhar ânimo e a vitória nos outros chamados estados azuis, deu o resutado que eu tanto desejava. No Marin County, onde resido, Obama ganhou por 73.93% contra Romney 23.21%. Já o afirmei antes, se Obama fosse um homem da raça branca teria ganho por uma margem muito mais elevada. Sei que muitos votaram contra ele apenas por não concordarem com a sua polítca, mas, infelizmente a maioria votou motivada pelo racismo e rancor. Para estes últimos tenho apenas a dizer: Tenham paciência, porque quer queiram quer não, “o mulçumano estrangeiro, ateu e socialista” irá ser o vosso presidente por mais quatro anos. VIVA OBAMA!

Aproxima-se o Natal

A

proxima-se o Natal e, como nos anos anteriores as memórias invadem a mente e são depois de analisadas sempre as mesmas, embora com diferentes coloridos, conforme o momento em que são rebuscadas. É importante notar que estou falando das experiências da infância e juventude, que através os tempos vão alcançando volume e cor que só a distância e ausência compreendem e que apetece dar-lhe vida com aqueles que as viveram e as sentem. Vem depois as memórias que tiveram o seu parto aqui, e têm o colorido do arco íris. Penso no entanto, que conforme os natais vividos aumentam em número, as lembranças doces vão diminuindo e dando lugar às que se vão fazendo dia a dia, dando-lhe um agridoce sabor da realidade. Pertenço à geração que está na fila da frente do teatro da vida, por legitimidade do tempo da partida de lá e da chegada aqui. É uma geração única, porque é o fim dum movimento que acabou há anos com a estagnação da emigração. Há um lado muito positivo, que é a liderança dos que nos seguiram e daqueles que estão virados para o futuro, dando continuidade ao que foi feito, mas cada vez se vão afastando mais no tempo que marcou as nossas vivências. Cada vez se vai notando mais o desaparecimento das pessoas que davam vida a um passado que conseguia ser presente e dádiva. Quando me apercebi que o “ Natal estava à porta” procurei abrir as portas da memória para averiguar o que iria lá colocar este ano, e de repente deparei com a nova realidade que me invadiu e

que agora é parte integrante da nossa vida. Onde iremos procurar a mangedora do Menino? Na Igreja, nos nossos presépios, nos dos nossos amigos? Sim, mas não só, porque queremos ir procurá-Lo nos lares onde se encontram os nossos familiares, no meu caso um irmão e uma cunhada, em lares diferentes, mas que são a sua habitação permanente, imprevista mas real. Nesses dois lugares, encontramos amigos, que sempre o foram e outros que vamos descobrindo, portugueses como nós, em número que se conta pelos dedos duma mão. É ali que a língua, para além do afeto, é o elo que mais une. Foi ali que descobri uma senhora brasileira, transplantada de longe por motivos familiares e agora partilhamos um forte carinho construido por palavras duma linguagem comum. Diz-se que se o Natal é das crianças, então se assim é, naqueles corredores e camas vivem tantas crianças de várias raças e nacionalidades, que inocentes balbuciam palavras soltas, que cantam e choram, que trajam cabeleiras brancas, que usam rugas nos seus rostos, que já mudaram os dentes pela última vez, mas cujo olhar nunca envelheceu. Ali tambem vivem pessoas ainda jovens, mas cujo corpo ou mente se recusaram a acompanhá-las na caminhada que se propunham fazer na vida. Sei que estes, chamados “ lares de terceira idade” ou então “nursing homes”, existem por todo o lado, dentro e fora das comunidades portuguesas, mas que só nos apercebemos da sua existência quando passam a ser o último refúgio para amigos e

familiares. Tenho a certeza, que neste momento, nunca deixarei de lá ir,embora o meu irmão, deixasse de lá estar, continuarei a visitar aquela moradia, onde me habituei a ver gente linda, que nada exige, mas que em troca dum beijo, dum abraço ou mesmo um breve elogio, que por vezes são tão baratos, me oferecem um sorriso, um olhar terno e grato que me enche o coração. Já decidi onde vou encher a caixa nova das minhas memórias, as cores vão ser várias, uns dias serão acinzentadas, pelo sofrimento dum corpo que parece desabitado, dum gemido que fere, enfim dum sinal de vida que parece cruel. Outros dias as cores serão alaranjadas e quentes, como a imagem duma velhota sem idade que abraça uma boneca...o seu bebé...e logo que recebe o meu beijo, oferece-me o sorriso mais belo e terno que jamais vi, e beija o seu menino. Cenas destas acontecem todos os dias, podem ser invisíveis, mas é só olhar à volta, e elas lá estão. Portanto, onde vamos encontrar o Menino Jesus dos Natais de todos os dias? E os presentes? Por mim, já tenho os meus e não custaram nada, não neccessitam embrulhos nem fitas, e a compensação é imediata... não tenho que os trocar nem fazer vontades a caprichos. Vou aos presépios humanos, ofereço um abraço de ouro, um beijo de mirra e uma caricia de incenso, e sinto-me rainha. Feliz Natal

Terceira: U.S. to reduce military presence in Lajes Air Field – Azores The United States Government has informed the Portuguese Government that the U.S. Air Force has already ratified a proposal to significantly reduce its military presence in the Lajes Air Field, on Terceira island, in the Azores. The cutbacks are part of a global U.S. Department of Defense belttightening policy due to budget constraints. The Lajes Air Field, the second largest employer on the island, employs about 700 tenured Portuguese workers and nearly 90 short-term workers. The decision could have a significant economic impact over job losses on the island, said João Ormonde, the representative of the Portuguese workers at he U.S. military facility. Vasco Cordeiro, the newly elected President of the Regional Government of the Azores, has also

expressed his concern regarding the U.S. Department of Defense decision to downsize its military presence in the Region. In a statement Friday, Cordeiro appealed to Portugal’s central government to vigorously secure the interest of the Region and the rights of the workers. Last year, the U.S. Secretary of the Navy, Ray Mabus, had stated that the future of the Lajes Air Field was uncertain, and that leaving the military facility in the Azores was one option under consideration. In a recent development, it has been reported by several sources, the Chinese Government may be looking at taking over the Lajes Air Field, if it becomes vacant. This past summer, Chinese Premier Wen Jiabao made a “technical” stop at Terceira’s airport, an indication that China may be

considering to replace the U.S. presence on the island. Lately, China has been actively looking at securing military facilities much closer to the United States, namely in Greenland and the Caribbean, and more frequent exploratory Chinese missions in the Atlantic, near the Azores, are expected in the near future, it has been reported. Activated in 1943, the Lajes Air

Field is located on the northeast tip of Terceira Island. It is home to the 65th Air Base Wing and U.S. Forces Azores providing logistics support for more than 3,000 aircraft, including fighters from the United States and 20 allied nations. The Azores (population 250,000) became an Autonomous Region of Portugal in 1976. The government of the Autonomous Region of the Azores includes the Legislative Assembly, composed of 57 elected deputies, elected by universal suffrage for a four-year term; the Regional Government

and Presidency, with parliamentary legitimacy, composed of a President, a Vice-President and seven Regional Secretaries responsible for the Regional Government executive operations. The Autonomous Region of the Azores is represented in the Council of Ministers of the Central Government by a representative appointed by the President of Portugal. in the portuguese american journal


PATROCINADORES

21


22

PATROCINADORES

1 de Dezembro de 2012

Assine o Tribuna e sinta-se feliz

Falecimento

Nelinha Martins Nelinha Martins nasceu a 6 de Junho de 1941 na Freguesia da Lajes, Ilha das Flores, Açores. Era viuva de Jofre Martins. Deixa a chorar a sua morte, dois filhos, Dina e Jaime, três irmãos, Orânia Gomes, Alvina Goulart, residentes na California e Emília Brum, residente no Canadá; cunhados Celeste Martins e Manuel Martins e vários sobrinhos. As cerimónis fúnebres tiveram lugar a 14 e 15 de Novembro, na Igreja Nacional das Cinco Chagas em San José.

Nelinha Martins ficou sepultada no Cemitério do Calvário em San José. A família agradece a todas as pessoas que lhes enviaram flores, missas e os acompanharam neste doloroso momento. Tribuna Portuguesa envia condolências a toda a familia enlutada.

Diga-se o que se disser...

As melhores panorâmicas dos Açores são de José Enes - Tel. 562-802-0011


COLABORAÇÃO

Antonina Lobão

E

la tinha um sorriso iluminado e sempre a achei parecida com a atriz norte-americana Jessica Lange. Chamava-se Maria Antonina Medina Santos Lobão e viveu de cabeça erguida, olhando de frente o sol e o mar. Repartindo-se geograficamente entre Angra do Heroísmo e Linda-a-Velha, entregava-se ao bom gosto e ao requinte do seu lar na Rua do Rego, e gozava as doçuras da felicidade doméstica no apartamento do Largo Professor Pulido Valente. Mas tinha um só endereço: morava nos

olhos do marido, da filha, do filho e dos netos. Tal felicidade só foi quebrada quando a morte a surpreendeu no dia 2 de Março de 2012. O seu desaparecimento físico representou, para quem com ela privou de perto, um profundo rombo no casco deste navio em que fazemos a viagem da vida. Natural da ilha Graciosa, mulher serena e radiante, Antonina era sumptuosa a cantar. E cantava de forma comprometida e apaixonada: tinha uma voz fresca e expressiva, extensão notável, timbre muito melódico, agudos brilhantes – sem dúvida uma das

vozes mais marcantes da Terceira e dos Açores, entre os anos 60 a 80 do passado século. Com apenas 6 anos de idade, ela já cantava na “capela” da Matriz da ilha branca, e era o orgulho de sua mãe, Eduína, e a vaidade de seu pai, António. E, como todas as meninas prendadas da sua geração, teve aulas de piano com a dona Palmira Mendes Enes, com quem também aprendeu a dançar, a pintar e a bordar. Grega no perfil, romana na silhueta, gentil no espírito, Antonina foi minha dedicada e delicada madrinha de batismo. Aprendi com ela a minha primeira canção infantil: “Aqui vivo / Encantado/ Entre tanta bicharada”… Tinha eu 5 anos de idade quando, no dia 9 de Junho de 1963, ela contraiu matrimónio com Manuel Gabriel, filho de Manuel Augusto Lobão Jr., violeiro de primeiríssima água. Não me esqueço daquele dia porque, de mão dada com uma sobrinha da noiva, levámos as alianças para a igreja Matriz de Santa Cruz da Graciosa. Pouco tempo depois os noivos fixaram residência na ilha Terceira. Antonina começa então a cantar em pequenos espetáculos e a sua voz não passa despercebida a Rodolfo Brum, Henrique Borba e Laureano Correia dos Reis. Recebe incentivos de Maria Vitorina (a “Tia Jarónima de Jasus”, de boa memória) e o melhor apoio de duas outras mulheres de peso: Alice Borba e Maria Francisca Bettencourt (que, nas escritas, utilizava o pseudónimo de Maria

Notícias do Chino Nos dias 13 e 14 de Outubro a Filarmónica do Chino DES celebrou o seu 26º Aniversário. A Festa começou no Sábado, dia 13, com uma tourada à corda nos terrenos do Chino Fairgrounds, com toiros da ganadaria Miradouro, de Tulare. No Domingo, dia 14, pelas 3 horas da tarde foi celebrada a Santa Missa no Salão do Chino DES pelo padre Luís Proença, seguindo-se uma Procissão em honra de Santa Cecília, participando as Filarmónicas de Artesia, San Diego e Chino. Depois do jantar houve concertos pelas bandas, finalizando com a entrega de uma lembrança pela Direcção aos músicos da Filarmónica aniversariante. A comunidade como sempre, compareceu em bom número, para apoiar e homenagear os músicos e directores da sua Filarmónica, cuja Direcção é composta pelos seguintes elementos: Presidente - António Tavares; Vice-Presidente - Jorge Goulart; Secretária - Albertina Goulart; Tesoureiro - Roberto Vieira; Relacões Publicas - Antonio Avila;

Directores da Filarmónica - Brian do Campo, Martin Bento e Michael Vieira; Directores - Richard Vieira e Ricardo Pereira. Visita do Secretário de Estado das Comunidades No passado dia 23 de Outubro, o Secretário de Estados das Comunidades Portuguesas Dr. José Cesário visitou a Comunidade Portuguesa do Chino. A comitiva chegou ao Salão do Chino DES cerca das 8 horas da noite. Acompanhava o Secretáaio e esposa Sra. Maria de Lourdes, o Cônsul Geral de Portugal em San Francisco Dr. Nuno Mathias e o Cônsul Honorário em Los Angeles Dr. Edmundo Macedo. Depois das apresentações pela MC Maria Batista, a Banda do Chino DES interpretou os Hinos Nacionais e o Presidente do Chino DES, António Tavares deu as boas-vindas e fez um resumo sobre as actividades da comunidade. Seguiu-se um pequeno programa preparado para esta visita com a actuação da jovem Jessica Lourenço cantando "Vamos ir a Viana",

23

Ao Cabo e ao Resto

Victor Rui Dores victor.dores@sapo.pt do Céu). Daí a nada é convidada a integrar o Grupo da Canção Regional Terceirense, a que já pertencia sua irmã, Ariovalda, também ela figura incontornável do folclore da Terceira. Seguiram-se as primeiras gravações do referido grupo, em vinil de 45 RPM, com a voz de Antonina a sobressair, num tempo em que as gravações eram feitas em bobines, no Rádio Clube de Angra. De esmeradíssima educação, Antonina foi durante muitos anos funcionária da Caixa de Previdência de Angra do Heroísmo. Mas, apesar de muito competente e eficiente no seu trabalho, a verdade é que foi como cantora de sentimentos, emoções e estados de alma que ela ficou mais conhecida e deu melhor conta de si. Em parceria com Avelino Teixeira, terceirense atualmente radicado no Canadá, Antonina gravou, em 1969, dois discos LP (longa duração, dizia-se então), intitulados “Modas Regionais da Ilha Terceira”, produzidos pela editora “Tagus”, de Lisboa. Nas gravações, Antonina e Avelino (vozes inconfundíveis!) são acompanhados, às violas, pelos incontornáveis Laureano Correia dos Reis e Norberto Bettencourt. Posteriormente, alguns dos temas gravados nos referidos LP´s foram incluídos num CD de folclore açoriano, numa compilação da editora “Movieplay” (Lisboa, 1996). Antonina gravou ainda com dois importantes amadores terceirenses: António Borges (folclore) e Guy Fernandes (desgarradas), gravações que devem constar

do arquivo do Rádio Clube de Angra, pois que não chegaram a disco. Em 1979, integrada no Grupo de Bailes e Cantares da Ilha Terceira, Antonina fez uma digressão pela União Soviética, viagem inaudita para a época. Moscovo e Arménia deixaram-na vivamente impressionada. O folclore levála-ia em tournées por outros países: Canadá, Alemanha e Espanha. Depois dedicou-se, durante vários anos, ao belo canto, integrando o naipe de sopranos/contraltos do Coro Padre Tomás de Borba da Academia Musical da Ilha Terceira, com o qual viajou e atuou na Bélgica. Para aperfeiçoar a sua técnica vocal, chegou a inscrever-se no então Conservatório Regional de Angra, mas a doença tomou-a de assalto e não prosseguiu os estudos musicais. Confrontada com a odiosa verdade de um cancro, Antonina não se resignou nem se deu por vencida. Mulher de coragem, lutou, durante mais de duas décadas, contra o carácter irrevogável da doença, e viveu momentos de grande felicidade junto da família. Para a minha madrinha a vida começava todos os dias, entre a revelação e a surpresa, a consternação e o apaziguamento, a esperança e a serena alegria. É efémera a existência humana, sabemo-lo bem. Antonina é agora um percurso bruscamente interrompido. Fica a sua memória e o seu vazio à mesa. Sabemos (e sentimos) que ela continua viva dentro de nós. Mas como calar esta imensa dor e esta irreparável saudade?

Texto e fotos de Carlos Silveira acompanhada pela Banda. As irmãs Sandra e Mariana Machado cantaram o "Emigrante" e "Onde houver um Português", acompanhadas pelos musicos do Grupo Coral da Igreja de Santa Elizabeth Seton. Carlos Silveira fez um resumo histórico sobre os Portuguesas no Vale do Chino, terminando a noite com a participação do Grupo Folclórico Recordando Portugal. O Sr. Secretário agradeceu e elogiou a Direcção e a comunidade pela recepção, falando também da importância da aproximação do Governo Português e das Comunidades e realçou o trabalho do Cônsul Geral em San Francisco, que vai ao encontro das Comunidades, facilitando a vida dos emigrantes que necessitam os seus serviços. Terminou a visita em ambiente de confraternização com um beberete oferecido pela Direcção. A ultimavisita de um Secretário de Estado tinha sido em 1995 com o Dr. José Lelo.

Mesa de honra e a Banda do Chino interpretando um passo dobrado

Filomena e António Tavares; Maria de Lourdes e José Cesário, Nuno Mathias, Edmundo Macedo, Albertina Goulart e Jorge Goulart.


24

PATROCINADORES

1 de Dezembro de 2012

Assine o Tribuna Portuguesa e fique a par do que se passa


COLABORAÇÃO

Portugal País dos 3 F's

F

onte – Ponce de Leon, Conquistador Espanhol do século XVI, companheiro de Cristóvão Colombo, o tal que é considerado entre outros o descobridor da América, ficou célebre nos anais da História pela sua persistente luta para encontrar a fonte da juventude. Decorridos vários séculos, ainda ninguém teve essa felicidade. Sempre que venho ao Pico, uma das primeiras tarefas que pratico fielmente, é ir à fonte proveniente da mãe natureza, e filtrada pelo Atlântico, para obter a água que bebo. Não vou à loja como hodiernamente é chic e mais conveniente. Situa-se na Silveira, que alguém muito acertadamente chamou a Sintra do Pico. Tenho algures um opúsculo escrito por um(a) éminence grise das Lajes, que revela que a água proveniente daquela fonte, após ter sido submetida a vários exames por laboratórios competentes, foi considerada ter propriedades benéficas à nossa saúde. Na minha óptica e experiência é saborosa e digestiva. É grátis e amiga do ambiente. É de louvar o empenho que a Câmara das Lajes tem demonstrado, na manutenção e operacionalidade daquele manancial de saúde. Faial - Numa das minhas crónicas anteriores, tinha peremptóriamente afirmado que o Faial tinha parado no tempo, mea culpa. Vindo da Cidade (sic) da Madalena do Pico, depois de atravessar as ±5 milhas de canal, vim aportar a uma aerogare marítima que mais se parecia com um terminal aéreo. Está localizado no lado oposto ao cais de Santa Cruz, na

freguesia da Conceição junto ao monte da Espalamaca. Quanto a mim foi a resposta acertada ao congestionamento provocado pelo expansionismo da marina, em detrimento do nosso tão lindo porto. Identico projecto está a decorrer na vila da Madalena do Pico. No mundo Anglo-Saxónico costuma dizer-se que ‹History repeats itself›, isto é a História repete-se. Durante a Segunda guerra mundial, a Horta serviu de aerogare marítima aos famosos hidroviões Boeing Martin 314, que escalavam este estratégico porto a caminho de Lisboa. In ilo tempore, era a única rota de escape entre a fortaleza Europa subjugada pelo fascismo e bota nazi e o bastião democrático e livre dos Estados Unidos da América. Oh! não tive tempo de ir ao cais velho, verificar se o relógio da capitania já ressuscitou da comatose, que há muitos anos estava submetido. Relógios parados, é confuso para os turistas que atravessam vários fusos horários do nosso Globo, e que frequentemente têm de ajustar os seus relógios à hora local. Quando em dúvida o melhor é olhar para o Sol - o astro rei - como era norma nos tempos de antanho. Futuro fabril –A Cofaco tem sido um grande motor promotor da economia Açoriana. Na crise actual que grassa por todo o território nacional, um segmento social mais desfavorecido, recorre às conservas para subsistência diária, por serem mais baratas e acessíveis à sua bolsa, que progressivamente continua a ser mais leve. Por conseguinte a procura, produção e venda são

25

Do Pacifíco ao Atlântico

(XXI)

maiores. Todavia é também considerado alimento gourmet, para a camada social mais moderna, que se preocupa com uma dieta nutricionista mais rigorosa. Esperemos que estes ventos favoráveis criem mais empregos. O Governo Regional tem investido muito capital do povo nesta empresa, portanto tem o sublime dever de exigir as contrapartidas que beneficiem o mesmo. Há gado bovino em abundância e demasia para Bruxelas. Chegaram ao extremo de incinerar novilhos, para satisfazer as quotas estabelecidas pela União Europeia. É tempo de criar uma Cofaco de carne bovina. Esta unidade fabril apregoa e bem que o Mar é a nossa terra, no entanto é tempo de associar outro slogan, que valorize a agropecuária como a Terra é o nosso mar, Terra e mar são as nossas riquezas reais. Todas as outras são miragens. Fantástico – Mais uma vez a montanha vem a Maomé. Os serviços Consulares encabeçados pelo Cônsul Geral Nuno Mathias, deslocaram-se da altaneira City de San Francisco a San Jose da California no coração do Silicon Valley, para responder às necessidades consulares da nossa Comunidade. Parabéns à direcção da P.O.S.S.O (organizacção social e comunitária Portuguesa), que concedeu as facilidades necessárias para a concretização deste evento. Julgo que o Consulado Geral de San Francisco, está geográficamente muito afastado do epicentro da Comunidade Lusófona. Vejo que estes prestáveis serviços são para continuar, o que é um bom augúrio para todos

Rufino Vargas nós. Há necessidade de estabelecer um canal informativo mais efectivo, concernente à legislação cívica Portuguesa versus a Americana, utilizando a comunicação social tanto escrita como radiofónica, para esclarecimento da Comunidade. O desconhecimento de certas leis neste domínio, pode ser oneoroso e exasperante, como foi recentemente contestado por este escriba. Falhanço fiscal – Apesar do rigor fiscal que tem sido apanágio do governo regional de César, havia um buraco financeiro. A revista The Economist, considerada a biblia dos economistas e referência das grandes praças financeiras globais, na sua edição de 25 de Agosto de 2012, publicou que os Açores tinham uma dívida de 135 milhões de euros. Penso que foi penoso e embaraçoso para CÉSAR ter que ir ao Terreiro do Paço, pedinchar ao tão atormentado Primeiro Ministro Passos Coelho, que está dependente das tranches (sacos de dinheiro) da troika, na brutal luta para para satisfazer as directivas da super Troika Bruxelas - Berlim. Finalmente – Salazar salvou Portugal da bancarrota. Nos anos trinta, foi considerado um génio no âmbito económico a nível internacional. Não foi preciso a ingerência no nosso governo da troika, que nessa, era representada pela Liga das Nações e vários bancos, para resolver a nossa crise financeira. Para isso tomou medidas drásticas e contundentes. A maioria dos carros do Estado, incluindo a PSP eram os simples e económicos volksvagen (carro do povo) tipo carocha, conheci-

dos na América por beetles. Sou de opinião, que tanto o governo Central como Regional, deveria emular o exemplo demonstrado, pelo centro hospitalar de Alto de Ave no Norte de Portugal, que vendeu viaturas, telemóveis e outras prerrogativas, para apostar na investigação científica (Rtpi 5. 9.12). Jerry Brown, actual governador do Estado da California, que presentemente também atravessa uma crise orçamental deficitária, vive num simples apartamento, em vez da mansão estatal, conduz o seu velho Plymouth, proibíu o uso de cerca de 50 mil telemóveis aos funcionários públicos etc.. Em suma o exemplo tem que vir de cima. A nossa insularidade, composta de nove ilhas é uma condição geográfica, e de certa forma não deve constituir incentivo, para o esbanjamento do erário público. Nos Estados Unidos, tanto Barak Obama como Mitt Romney estão tête à tête na corrida presidencial à Casa Branca. Aqui nos Açores, Vasco Cordeiro do PS ganhou. Terá imenso tempo para concretizar as obras prometidas e não concluídas tais como: ampliação da pista do aeroporto do Faial, activação dos estaleiros da Madalena, que actualmente é um cemitério de barcos. Trazer imediatamente o barco encomendado aos Estaleiros navais de Viana do Castelo, pelo Governo Regional, em substituição dos barcos da Atlântico Line. Estes são, segundo consta, alugados ao governo regional, pela Grécia a preços exorbitantes. Assim como fé sem obras não é religião, partido sem obras não é (bom) governo.

Relay for Life of Galt

209

Realizou-se no Salão de Festas de Nossa Senhora de Fátima de Thornton, um jantar em beneficio do Relay for Life of Galt Team - Hope Floats. Relay For Life é uma celebração de vida e de esperança para o futuro. Os grupos são formados através das comunidades desde negócios, escolas, Igrejas, industria e tantas outras organizações que colecionam donativos para esta importante causa. A American Cancer Society é uma organização a nível nacional, fundada em 1913,

baseada em voluntarismo dedicados a eliminar o cancro como um dos maiores problemas de saude de todo o mundo. Neste jantar que teve a presença de muitas pessoas, muitas delas que venceram esta terrível doença, consegui-se amealhar $32,900.00 dólares para a American Cancer Society. Parabens a todos os participantes.


26

CULTURA

1 de Dezembro de 2012

Manuel Machado Álamo Oliveira

A

presentar hoje este livro é prestar também uma homenagem a um escritor nosso (tão nosso que até dói) que, por motivos de saúde, para além da distância a que se encontra, não pode estar aqui presente. A vida é uma espécie de gelatina não adaptável a qualquer tipo de forma; mostra-se quase sempre desmodelada; deixa-se contemplar só em circunstâncias sentimentais de resultados imprevisíveis; desaparece, por vezes, sem deixar rasto e outras faz gala da sua panóplia de castigos. Só que Manuel Machado tem uma relação com a vida demasiado afrontosa para que a deixe dominar de forma linear. Por isso, não há como dobrá-lo sem que ele troce da sua própria gargalhada. Este novo livro de Manuel Machado segue o método de escrita dos seus livros anteriores. Mas nada se repete – nem no conteúdo nem na forma. Este livro, que é enformado por três contos grandes ou três novelas pequenas (e serão mais novelas que contos uma vez que duas das estórias se dividem em capítulos titulados e outra utiliza a pertinência de uma vírgula para o mesmo fim), não se assemelha aos outros deste autor escritos em língua portuguesa. No entanto, o poder encantatório da sua escrita é exposto com outro refinamento humorístico, humor que, agora, é tratado como um ajuste de contas com falsos comportamentos sociais e a ridicularização das hipocrisias sustentadas por maquilhagens de classe. Daí que as genealogias sejam tratadas com a seriedade leviana dos filhos de pai incógnito, onde abunda sangue-azul aos borbotões, derramado de forma generosa e licenciosa proveniente dos cinco continentes. Nas estórias de Manuel Machado até parece fácil ser filho de algo e ladear figuras tão importantes como os generais da Revolução Francesa. Clara Sotto-Mayor Lucas de Marmontel herdou o palacete de um soldado de Junot (um marido confuso de patente não menos confusa), que é «primo da mulher do filho da tia do avô». A fortuna de Clara de Marmontel é gerida bem ao gosto irónico de Manuel Ma-

Apenas Duas Palavras

Diniz Borges d.borges@comcast.net

chado: há saneamentos, despedimentos sem justa causa, recursos na da ortodoxos. Tudo é feito para que não se perca o palacete do tal soldado de Junot, provavelmente general, mas a quem nunca se ouviu uma única palavra. E Clara de Marmontel é o primeiro olhar. Kyllikki é finlandesa. Mas Paris é muito melhor que Helsínquia. Os acasos provocam encontros que, pleonasticamente, normalizam a normalidade. A estória destas «Janelas Estilhaçadas» culmina com uma reunião de família na ilha de Socotra – lugar onde até o português Ricardo, cunhado de Kyllikki, também visitou. Este Ricardo é o tal que foi afrontado pelo seu médico nestes termos: «Vinho ou vida!» e

o narrador acrescenta: «Ricardo misturava os dois vv no mesmo copo e emborcava de olhos fechados para não ver, já que odiava judeus e alemães». A moral desta estória não é transparente. Mas os saberes do autor são debitados de forma displicente, cumprindo os desígnios da universalidade: «e lá longe abaixo da Índia quatro velhos braços abertos ao Índico olhavam-se e falavam dizendo tudo sem palavras Muito grande é o mundo! e eterna a vida com os netos e os netos dos

Em pleno mês de Natal a Maré Cheia traznos mais um texto sobre um dos nossos autores açorianos. Desta feita é um texto do poeta Álamo Oliveira sobre o novo livro do escritor Manuel Machado. Um texto poético, como é habitual do Álamo Oliveira para um livro de um dos nosso melhores contadores de histórias, Manuel Machado. abraços diniz netos que netos também terão e sempre uma velha avó para contar que os avós dos avós dos avós estiveram um dia na ilha de Socotra.» Este é o segundo olhar. Há um terceiro que tem o nome de Desenvencilhamento e que é a estória mais solta de todas. Tem outra mulher, muito açoriana, de nome Marcela, como

eixo da trama. Manuel Machado volta a surpreender o leitor, desta feita através da arrojada utilização das palavras. Ninguém gostaria de ser apresentado assim: «Madame Marcela era uma mulher muito gorda mais do que inchada e espécie de baleia ferida estendida no Cais do Pico à espera de ser esfacelada à temperatura de 999º Fahreneit, a sua gordura dava para os quatro lados do corpo (...)». E o autor deixa Marcela sem hipóteses de engordar para mais lado nenhum.

Porém, o humor de Manuel Machado percorre todos os ângulos de expressão e de entendimento, onde os sentidos são desafiados a pormenores de cariz plástico, como estes atribuídos ao «pequeno Marcelino espécie de melancia cor-de-rosa aberta encaixada em ombros oblíquos e duas pernas rodelas de paio branco desfalecido (...)». Fica ainda esta revelação desconcertante: «O marido de Marcela estava de férias na prisão há mais de cinco anos por ter violado uma virgem loira rechonchuda (...)». Bom. O desconcerto é quando se sabe que a dita virgem era criada de padre, ficando postas em causa o estado real da virgem e a justiça aplicada ao marido de Marcela. Numa velocidade estonteante, Manuel Machado narra uma estória que passa por quotidianos vulgares, enformados por comportamentos lógicos e contraditórios, que colocam o leitor em embaraço irónico e permanente. Por exemplo: «Só agora é que vens o que é que disse o doutor?» Resposta: «Ele diz que é um rapaz ou uma rapariga.» Estes Três Olhares são poliédricos. São múltiplas as geografias dos lugares, das línguas, das culturas, dos entendimentos universais, do passado, presente e futuro. Há uma descrição de rotas, de caminhos percorridos e que testemunham o mundo real do autor. Ora tudo isto surge numa escrita torrencial, que desafia o leitor a uma atenção redobrada, já que cada frase é incomensurável e se deixa prolongar num enunciado de dados informativos, de ritmo vertiginoso e irrespirável. Tudo serve a Manuel Machado para nos surpreender com essa prosa que obriga a sintonizar a respiração com as frases unidas pela ausência de pontuação. Nesta escrita, a pontuação

é valorizada exatamente por não existir, ou por ser rara, onde, a uma vírgula, podem ser atribuídas funções de ponto final parágrafo. E aqui está uma das principais características da escrita de Manuel Machado: a falta de pontuação – falta essa que é sublimada pelo fôlego do leitor. Despontuar o texto é um exercício que pode não colher consensos junto de alguns. No entanto, o surgimento de leituras não aconchegadas a uma só interpretação, contribui, com certeza, para melhor se compreender em quantas partes se dobra e desdobra a imaginação do autor. A imaginação de Manuel Machado não é comensurável porque é explosiva, incontrolável embora só aparentemente seja indisciplinada. E aqui poder-se-á falar da originalidade da sua escrita, refinada, polida por um humor cru e cáustico, que capta o ridículo das sociedades de hoje (nomeadamente das que se comportam como se fossem de ontem) e que se alimenta de um «non sense» que tem muito a ver com o surrealismo clássico. Não esquecer que Manuel Machado teve uma preferência muito assumida pelo surrealismo francês. Gosto de lembrar que a originalidade de Manuel Machado antecede acasos e sobreposições como aconteceu com o seu conto «O rendez-vous de Todos os Santos ou o reino do Christmas Cake» e a novela de Sue Townsend A rainha e eu. Ambas as estórias tematizam a falência económica da rainha de Inglaterra que, prosaicamente, é vista a comprar batatas no mercadinho do bairro (Manuel Machado), enquanto Sue a põe a apanhar o autocarro que a há-de levar a casa, sita num dos bairros sociais de Londres. Manuel Machado publicou o seu conto em 1988. Sue Townsend publicou a sua novela em 2001 (versão portuguesa). São coincidências, com certeza. Nem Manuel Machado nem Sue Townsend saberiam um do outro. Mas sabemos que Manuel Machado é natural das Lajes. Andou pela Europa fora da crise, a Sorbonne incluída e não concluída, e aportou no país que distribui nobeis passando cheques com coroas. Apesar dos gelos, espera viver cem, duzentos anos ou mais, informa ele. Tem agora Três Olhares como se nada fosse. Ler este livro é um prazer, até porque é também um reencontro com um escritor que, apesar da sua vagamundagem, continua a ter pelos Açores, nomeadamente pela Terceira, um indelével amor de raiz.


N. Sa. de Fátima em Arcata

COMUNIDADE

27

Eventos de Dezembro Dezembro 1

Baile de Natal no Portuguese Athletic Club em San José 7pm Luso-American Life Insurance Society, Annual Holiday Party no SDES de Alvarado, Union City, 5pm

Dezembro 7

Almoço dos Amigos da Ribeira Grande, no Centro Leonino de San José 12 pm Crab feed in Newman 5:30pm

Dezembro 8

Festa de Natal do Sporting Clube de Santa Clara 7pm Festa de Natal do Núcleo Sportinguista do Vale de San Joaquin em Gustine 7pm Christmas Craft Faire no Newark Pavillion 10am-7pm

Dezembro 31 Os nomes das senhoras da Comissão da Festa de Nossa Senhora de Fátima realizada em Arcata não estão por ordem fotográfica: Lucilia Fraga, Shannon Collart, Megan Hoffman, Maria Sousa, Nicole Pimentel, Patricia Aronson,Tanisha Boswell, Peggy Valadão e AnaPaula Walton

Eve Dinner no Newark Pavillion e no PAC, 7pm

O pastor da Igreja de Arcata Gerry Gormley com pastorinhos Darissa McLaughlin (Lúcia), Lora McLaughlin (Jacinta) e Oliver Gomes (Francisco) e outras crianças.

A Festa em Louvor a Nossa Senhora de Fátima em Arcata teve lugar nos dias 13 e 14 de Outobro no Salão Português daquela cidade. Teve a participação de muita gente como é Embaixo: Maria Inês Sousa habitual.

Acompanhe o Tribuna todos os dias quer no

Facebook quer na nossa nova webpage www.tribunaportuguesa.com


28

COMUNIDADE

1 de Dezembro de 2012

Candidates’ Night in Santa Clara

Candidates, event Coordinators and Sponsors representatives: SES Corp., P.F.S.A, Brotherhood of St. Anthony , O.L. of Fatima Society, Sta. Clara Sporting Club, S. Filarmónica União P. de Sta Clara, Ir. Familiar do E.S. de Sta. Clara, St. Clare Parish Portuguese Council, Club Sport Marítimo, The Portuguese-American Citizenship Project and Luso-American Foundation. We also had the support of KSQQ Radio and The Portuguese Tribune newspaper.

City Council Candidates from L-R: Deby Davis, Mohammed Nadeem, Jerry Marsalli, Teresa O’Neil, John Mlnarik.

Democracy grows out of participation. The Portuguese American Forum of Stª Clara is a non-partisan Committee that encourages informed involvement in the election process. The committee began organizing Candidates’ Night in 1996 with the support of Portuguese-American Organizations. Since then, every 2 years

Forums have been taking place. This is a unique empowerment process lead by Portuguese-Americans and recognized as a major contribution by city institutions. The Committee does not endorse candidates nor takes any position on ballot measures. The group’s mission is to ensure that citizens receive objective information wi-

Esta manifestação cívica e democrática é encorajadora das nossas responsabilidades como comunidade e como uma obrigatoriedade de querer saber e querer participar num acto importante para as nossas vidas no dia-a-dia. Saber o que os nossos politicos oferecem nas suas campanhas, conhecê-los, falar com eles, é meio caminho andado para sermos cada vez uma melhor comunidade. Pena temos que muitas das nossas outras cidades através da California não tenham querido copiar este grande exemplo de civismo politico da nossa comunidade de Santa Clara. Se não participarmos, se não votarmos, poucos direitos temos de obrigar a fazer mudanças, de querer uma vida melhor para nós e para os nossos filhos. Pensem bem, porque vale a pena ser diferente.

SCUSDB candidates: L-R For trustee area 2:Christopher Stampolis, Jim VanPernis, Albert Gonzalez, Ahish Mangla. For Trustee area 3 Elise DeYoung, Michele Ryan

thout bias. This year’s event took place on last Oct, 22nd and included the participation of candidates for: • Santa Clara Unified School District Board • Santa Clara City Council • Santa Clara City Clerk • Santa Clara Chief of Police. Democracy lives throught the

participation of its citizens. This Forum is our Community’s contribution to active citizenship and a way to learn where the candidates stand on issues affecting the future of our City. It is also a pratical way to assist on making informed decisions, when it’s time to cast our vote. More communities will adopt this model

when they come to understand the value of this tool for gaining the respect and support of their local elected officials.

Maria Ricardo

2012 Artesia D.E.S. Scholarship 2012 ARTESIA DES SCHOLARSHIP REQUIREMENTS AND INSTRUCTIONS

or child of a member in good standing of the Artesia D.E.S. for at least two (2) consecutive years.

grade reports.

PURPOSE

AWARD CONDITIONS

The Artesia D.E.S. offers annual scholarships to its members and/or children of its members who are pursuing degrees in higher education. Below are the requirements for completing the application.

Applicants actively participating in the Band and/or Soccer Club of the Artesia DES will have priority to fifty (50) percent of the scholarships. These recipients must prove their active participation in their discipline for at least one (1) full year prior to the awarding date of the scholarship.

Please send the following items by January 1, 2013 to:

ELIGIBILITY – All applicants must meet the following two categories. A graduating high school senior, from the class of 2012, who has been accepted or conditionally accepted at an accredited institution of higher education and/or students currently enrolled in an institution of higher learning. Must be a member in good standing and/

Recipients must remain full-time students (a minimum of 12 units per semester) during the year the scholarship is awarded. The scholarship award will be disbursed when the student presents verification of completion of one quarter or semester of college work with a minimum of a 2.75 grade point average as verified by official

HOW TO APPLY

Artesia D.E.S. Hall - Scholarship Fund 11903 E. Ashworth Ave. Artesia, CA 90701-4112 Provide a completed 2012 Artesia D.E.S. Scholarship Application. Provide a typewritten ESSAY of 1,500 words or less, discussing your main academic interest and why you chose it; and your educational and career objectives. Please tell how your life experiences have influenced your intellect and personal growth rather than providing a chronology. Provide three letters of recommendation from individuals who will vouch for

candidate’s academic standing, character and personality. At least one of these letters must be from the Principal, Dean, or Counselor who will verify participation in any extra-curricular activities. Another from a teacher of the high school attended. The third may be from any other source except a relative. Individuals writing letters are to include their titles or position. Additional information Should the applicant have a question, please contact David Enes 510.825.9503 An interview may be required of finalists. The awards will be announced upon completion of the application review


PATROCINADORES

29


30

COMUNIDADE

1 de Dezembro de 2012

Espírito Santo em Atwater

Manuel e Laurinda Vieira no quarto ano da sua festa em Louvor ao Espírito Santo, vendose ao lado o celebrante da missa da festa, Ivo Rocha, monsenhor e pastor da Igreja de St. Bernards de Tracy

Ruben Chaves e Nuno Mathias. As fotos do exterior e missa são de Osvaldo Palhinha

Reyna e Artur Vieira, Maria Duarte

Realizou-se pela quarta vez consecutiva a Festa em Louvor ao Espírito Santo na Casa dos Vieiras em Atwater, com muitos amigos. Missa de Festa com Ivo Rocha, pastor de Tracy e amigo da família. Como sempre viram-se amigos, fizeram-se novos, bailou-se, cantou-se.

João Manuel Dias aproveitou para entrevistar Jim Costa, congressista re-eleito no dia 6 de Novembro


Na cozinha todos trabalhavam, menos Manuel Jacinto, que s贸 inspecionava

Diversos aspectos da festa

Estas barbas s茫o uma c贸pia exacta do que era usado no s茅culo XIX

Muitos amigos dos Vieiras compareceram em Atwater

COMUNIDADE

31


32

ULTIMA PÁGINA

1 de Dezembro de 2012

Sómente $5.99 a libra

The Portuguese Tribune - December 1st 2012  

The Portuguese Tribune - December 1st 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you