Issuu on Google+

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

2 a Quinzena de Janeiro de 2011 Ano XXXI - No. 1101 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

Julia Rose 109 anos Julia Rose nasceu na freguesia da Candelária, Ilha do Pico. Faz 109 anos no dia 27 de Janeiro

A campanha eleitoral para Presidente da República tem sido das mais fracas de toda a nossa história contemporânea desde o 25 de Abril de 1974. Os candidatos falam mais uns dos outros do que de si próprio, chamam nomes (feios e malcriados) uns aos outros, mas nada dizem das razões que os levam a concorrer a este cargo político, que muito embora esvaziado de poder, ainda assim tem a sua importante função arbitral. Fica-se com a ideia que estes candidatos com mais de setenta anos, já não têm capacidade de liderança, num mundo agitado como o nosso, com crises económicas, financeiras, sociais, políticas, que é preciso compreender, vencer e darlhes a volta. Necessita-se novas energias. No dia 23 de Janeiro, Portugal e os portugueses ausentes no estrangeiro, vão poder manifestar o seu direito democrático de voto. Mesmo assim é importante votar!

www.portuguesetribune.com

Pág. 31

COMUNICADO O Consulado-Geral de Portugal em San Francisco apresenta os seus melhores cumprimentos e tem a honra de comunicar que, na área deste distrito Consular funcionarão as seguintes Assembleias de VOTO, para a Eleição do Presidente da República, entre as 8h00 e as 19h00, no dia 22 de Janeiro de 2011 e as 8h00 e as 19h00, no dia 23 de Janeiro de 2011, nos seguintes locais:

Secção de voto nº 1:

3298 Washington Street, San Francisco, California (eleitores com os nºs de inscrição no recenseamento compreendidos entre 4 e 372)

Secção de voto Suplementar A:

1801 Avenue of the Stars, #400, Los Angeles, California (eleitores com os nºs de inscrição no recenseamento compreendidos entre A3 e A48) San Francisco, aos 6 de Janeiro de 2011. O Cônsul-Geral António Costa Moura

www.tribunaportuguesa.com portuguesetribune@sbcglobal.net


2

SEGUNDA PÁGINA

EDITORIAL Mais um ano de dificuldades? Se o ano de 2010 nos trouxe desgraças de todo o género terramotos, cheias, países na bancarrota, desemprego, fome, pessoas que perderam as suas casas, políticos que não conseguem fazer um orçamento estatal a tempo e horas, cortes de benefícios aos mais carenciados, cortes em professores, polícias e bombeiros, enfim, uma mais que mão cheia de problemas que os homens não conseguem controlar. Mesmo com esta desgraça toda, há sempre quem se aproveite, tal como alguns gestores de universidades públicas que aumentaram o seu pecúlio em percentagens de bradar aos céus. Mas, em tempo de crise também se descobre a careca a muito oportunista. Refiro-me às pensões de vários agentes comunitários, que às escondidas foram criando fundos próprios para quando fossem para a reforma ainda pudessem ganhar mais do que quando estavam a trabalhar. Estas crises tem muitas das vezes o seu lado bom - criação de novas oportunidades, de novos empregos, de novas relações entre Estados, comarcas. Também é nestas crises que se deve pensar em racionalizar. Por exemplo - faz algum sentido uma Ilha, como o Pico, ter 3 Câmaras Municipais e com 11 mil habitantes? São Jorge tem 2 (9 mil habitantes), Flores duas com 5 mil habitantes, Terceira 2. Não é isto um disparate total? E mesmo aqui ao nosso lado de Modesto é preciso acabarse com estas cidadezinhas de meia tigela que gostam de ser Cidades. O bem estar das populações deve prevalecer e os políticos e os agentes económicos têm muito a aprender nestas crises. Segundo as últimas notícias, a economia americana pode crescer mais em 2011 do que o esperado. Bons sinais. jose avila

15 de Janeiro de 2011

Ranchinho do Grupo Tempos de Outrora na Igreja das Cinco Chagas

Year XXXI, Number 1101, Jan 15th, 2011


PATROCINADORES

3


4

COLABORAÇÃO

15 de Janeiro de 2011

Ao Sabor do Vento

José Raposo raposo5@comcast.net

P

assou-se o Natal e a febre de dar e receber presentes. No meus tempos de infância o meu presente era sempre o mesmo. Um “escolate” dentro do sapato que ficava no canto da chaminé durante a noite. Era essa a oferta de meus pais. A minha avó que era lavadeira dos senhores ricos, lá na cidade, sempre trazia algo differente. Lembro-me até que alguns anos cheguei a ir à câmara municipal com ela, onde davam brinquedos à crianças e como o Sr. Aníbal da Tabacaria, que era um freguez de minha avó e era o presidente da Junta eu sempre lá tinha um avião ou um carro de bombeiros e ficava todo contente. Trazia aquele brinquedo comigo e o que é certo dias depois acabava por o dar a outro rapazinho qualquer que chorava por nunca ter tido um avião ou um carro de bombeiros. Hoje em dia francamente que me chego a aborrecer com esta hitória dos presentes. Faz mais sentido para mim por exemplo dar um presente a minha mulher no dia 16 de Dezembro que foi quando eu a conheci. Ela, este ano, pensou que eu me via esquecido da data mas quando chegou a casa tinha o jantar na mesa e uma linda orquídea. Eu não preciso esperar pelo Natal para dar uma coisa a uma pessoa. Quando menos esperam eu apareço com algo. Penso que já escrevi uma vez que no caso dos presentes por exemplo entre marido e mulher. O marido deveria comprar aquilo que gostaria receber, dar à mulher para ela lhe oferecer no dia do Natal, de aniversário natalício ou outro dia que queiram celebrar

Os bordados da minha irmã

e ela fazer o mesmo. Dessa forma cada um receberia o que gostaria e a pessoa que estava a oferecer não tinha ideia nenhuma.

Ok! Alguém vai dizer: - Esse José Raposo tem cada uma que parecem três. Mas eu até acho graça e quem sabe se alguém vai aproveitar a minha ideia. Outra febre é a de mandar cartões de Natal. Estava eu mais minha mulher a preparar os cartões e ela dizia. -Ah! Fulano, ou fulana está muito doente e não pode escrever talvez não deveríamos mandar cartão este ano porque ele ou ela pode-se achar obrigado a ter que mandar. Eu discordei logo e pensei que se a pessoa estava doente deveria gostar de receber um cartão do Natal mesmo que não pudesse por qualquer razão retribuir. Estavamos acabando com a lista dos cartões para os E.U. e Canadá e ela pergunta: - Vamos mandar para as ilhas? E, eu respondi: - Talvez seria melhor telefonar a todos, falamos com eles, ouvimos a sua voz e talvez apreciem melhor. Assim fizemos. E para tua irmã, não mandas nada? Eu respondi que havia escrito o meu artigo para o jornal sobre ela e que isso seria a minha oferta. uando recebi o jornal, vi que a fotografia que eu havia mandado não havia sido publicada. Telefonei logo ao José Ávila e perguntei se ele tinha alguma coisa contra o Obama ou contra minha irmã. Ele respondeu que não e que se havia es-

Q

quecido de colocar a foto que até havia andado a procurar algo para preencher o espaço. Enfim, essas coisa acontecem. Graças ao Tribuna e por eu ter colocado no meu artigo o site da internet onde minha irmã tem os seus bordados ela recebeu uma quantidade enorme de emails. Como eu sei que alguns leitores do jornal não têm internet resolvi mandar de novo o link, http://conceicaosilveira.blogspot.com/

e a foto de um dos bordados da minha irmã.

Do Vale à Montanha

Sergio Pereira sergiopereiradvm@hotmail.com

Prevenir deslocamento do Abomásio (DAs)

O

s deslocamentos de abomásio á esquerda (LDA) é uma das condições cirurgicas mais comuns em vacas de leite. Com a chegada das primeiras chuvas, mudança de ervas e silhos, e o tempo frio os problemas de saude dos vossos animais irão aumentar. A percentagem de LDAs na sua leitaria deverá ser entre 3 a 5%, e não deve exceder estas percentagens. Os LDAs não são uma doença mas sim uma anomalia de antomia que acontece quando o abomásio (estômago) se desloca da zona ventral do abdómen para a zona esquerda lateral. Isto acontece nas primeiras semanas pós parto devido ao espaço deixado pelo bezerro e pelo facto do rumen não se encontrar cheio. Qualquer doença (metrite, ketosis, febre do leite, etc) poderá fazer com que a vaca não coma e assim o abomásio desloca-se para a esquerda. Os sinais de desloamento incluem: baixa repentiva na produção de leite, falta de apetite, emagrecimento, etc. Para prevenir esta anomalia á que manter a vaca nas condições adequadas para a ingestão normal de alimentos e prevenir que esta adoeça. Isto é particularmente importante nas vacas frescas. Abaixo deixo alguma dicas especificas de como prevenir LDAs. • Identifique as vacas com ketosis e trate de forma adequada. • Mantenha bons niveis de cálcio, nem só as vacas com febre de leite tem niveis baixos de cálcio. • Previna as doenças das vacas frescas, como metrites (infecção do útero), penu-

monia ou manqueiras. • Preste atenção á matéria seca que os vossos animais ingerem aquando no curral das vacas chegadas ( close-up), uma vaca holsteina deve ingerir 27 libras por dia e uma Jersey deve ingerir 19 libras. • Tenha atenção a qualquer factor que possa inibir o apetite dos vossos animais. • Evite ingredientes e forragens de qualidade baixa. • Vacas gordas devido a problemas de reprodução serão mais susceptiveis a perdas repentinas de peso que podem resultar em ketosis, gordura no fígado e posteriormente LDAs. Escolha quais a vacas que devem ser operadas, e trate estes animais com medicamentos sem grandes intervalos de segurança para a carne e leite. Deve tratar agressivamente as vacas frescas com niveis de apetite baixos. Aprenda a diagnosticar LDAs. Com um bom maneio LDAs podem ser prevenidos e as perdas económicas evitadas.

Dica # 2 – Na orientação do meu ultimo

artigo passarei a deixar algumas dicas/informações sobre as leitarias. Sabiam que cada leitaria tem um hospital? É nesta zona que se encontram os animais doentes para assim serem tratados adequadamente e monotorizadas as suas melhorias


COLABORAÇÃO

Tribuna da Saudade

Ferreira Moreno

N

os anos 1950, quando acenei adeus aos Açores e embarquei com destino fixo na Cailfórnia, a Rua Direita na Ribeira Grande (S. Miguel) revestia-se de notável importância, embora de feição tripartida e torcida. A sua configuração, desde o Largo dos Frades até ao Largo do Teatro, não era exactamente uma recta e o seu total prolongamento era composto pelas ruas de S. Francisco, da Conceição e D. Carlos. Ainda que resumidamente, tenciono incluir, aqui e agora, algumas recordações gravadas na minha memória e associadas com a típica Rua Direita de antigamente. Imagens, episódios, nomes e figuras desses tempos antigos avivaram-se extraordinariamente na minha fantasia ao ler a longa série de artigos publicados semanalmente no jornal “Correio dos Açores”, entre Janeiro e Março de 2009, da autoria do meu distinto conterrâneo e amigo, Ezequiel Moreira da Silva. O Largo dos Frades, evidentemente, derivou o nome do convento dos Franciscanos anexo à igreja de S. Francisco inaugurada em 1613. A igreja, ainda hoje aberta ao culto, continua a ser conhecida por Igreja dos Frades, enquanto o convento e suas dependências constituem o local onde está instalado o Hospital desde os anos 1840 (salvo erro).

Leombro-me que o Largo dos Frades servia de palco p’ràs recepções oficiais de boas-vindas aos dignitários de alto calibre político e entidades governativas, de passagem na Ilha em missão de serviço ou visita protocolar. Desnecessário acentuar que, presentemente, ao longo da Rua Direita o cenário (testemunhado nos anos 1950) há mudado com o desaparecimento de estabelecimentos comerciais e construção de novos edifícios. Por exemplo, no Largo dos Frades ainda hoje existe a Farmácia do Hospital, mas já desapareceu a Padaria do Alfredo Favinha, bem como desapareceram as várias oficinas de serralheiros e ferreiros, localizadas um pouco adiante do Largo, aonde também ficava a conceituada alfaiataria do José Silvestre. Mais adiante encontrava-se a Pensão e Café-Restaurante, propriedade do Firmo Moniz de Vasconcelos, e quase em frente (do outro lado da rua) funcionava o Talho do Firmo. Ficavam-lhe adjacentes a Garagem Couvinha e a oficina do Mestre Araújo. Januário Couvinha era então o proprietário dos carros de praça (táxis estacionados no Largo do Teatro), e bem assim dispunha dum “café” anexo à garagem e duma “bomba de ga-

5

Recordações da Rua Direita (1) solina” instalada junto ao portão do dr. Jorge Gamboa de Vascon- Do outro lado da rua alinhava-se de garagem. celos, à frente do qual estava a a Loja de Ferragens de Alberto O Mestre Araújo Lima, mais Loja do Povo pertencente a Ma- Ferreira Moniz, sob a gerência conhecido por “Araújo dos Cai- nuel António de Frias Coutinho, de Alfredo Gamboa e filhos (Ferxões” por ser quem se encarre- destacando-se Manuel Augusto nando e Luís). A Biblioteca Mugava de preparar os caixões, era Faria como gerente da mesma. nicipal estava localizada “logo ao um autêntico artista no trabalho Curiosamente, esta loja era tam- pé”, quase em justaposição com de torno e marcenaria. Recordo, bém conhecida por Loja do Se- o famoso restaurante “O Balão”, com saudade, os maravilhosos nhor Faria. Ali vendia-se de tudo, do Jaime Borges, servindo “cana“piões” que ele fabricava. Eram desde fazendas e mercearias a rinhos” de parceria com produtos incontestavelmente um verdadei- tintas e ferragens. da culinária regional e apetecida. ro encanto, despertando grande Frente à Igreja da Conceição Seguiam-se dois estabelecimenalacridade entre a gente miúda, erguia-se a Mercearia (pintada tos de fazendas, a loja do Diniz de que acorria à tenda do Araújo em em azul) de Duarte Rodrigues Sousa Furtado e a Loja Mariposa busca desses lindos brinquedos. Pereira, seguindo-se-lhe a sede de Oliveira Lopes, ostentando no Numa nota pessoal, devo apontar da filarmónica “Voz do Progres- exterior uma borboleta-maripoque os filhos do Mestre Araú- so”, a loja de fazendas e miude- sa, pelo que ficou popularmente jo emigraram p’rà Califórnia. O zas de Mariano Jacinto Pacheco conhecida por Loja da BorboleGilberto, que exercia a profissão (o Marianinho do Chiado), a ta. No lado oposto situava-se a de barbeiro, faleceu aqui há anos, Loja do Tijolo (mercearia com atractiva Mercearia de Luís da enquanto o Filomeno e o Manuel frontaria azulejada) de Manuel Motta Faria, e adjacente à Ma(que trabalharam juntamente com Bernardo Pacheco (alcunhado riposa abria-se a elegante Sapao pai) fazem parte dos “Amigos Face-Rosada), e a Loja Ecolásti- taria do José de Almeida Maia, da Ribeira Grande”, um grupo ca do Amaral, administrada por ladeada pela fábrica de pirolitos que se reúne na primeira sexta António Raposo Menezes, for- de Manuel da Silva Afonso. feira de cada mês p’ra um almo- necendo vestuário, ourivesaria e ço-convívio no Centro Leonino relojoaria. na cidade de San Jose. A seguir à oficina do Mestre Araújo enconPHPC announces the release travam-se of its latest publication, the a Farmácia luxury edition of the book Central do dr. IV International Conference on Artur AlmeiThe Holy Spirit Festas, a hard da Lima e o cover, full color, 100-page, Consultór io photojournalist’s report of the June 2010 conference in San José, California, by Miguel Valle Ávila, Assistant Editor of The Portuguese Tribune. All author proceeds revert in IV International Conference on the Holy Spirit Festas benefit of the San José State Miguel Valle Ávila University Portuguese Studies Program.

Book Orders: www.PortugueseBooks.org or www.Amazon.com Only $35.00


6

COMUNIDADE

15 de Janeiro de 2011

Em memória de Carlos Peixoto

Do Brasil com amor Carlos Alberto Alvesjornalistaalves@hotmail.com

H

á pessoas que às vezes são consideradas malucas por fazerem aquilo que outros não são capazes. E ainda sobre esta questão, sempre ouvi dizer que esses tais apelidados de malucos, são os mais inteligentes. E não duvido. De tantos casos paradigmáticos, lembro-me deste: chamaram maluco ao nosso saudoso amigo Carlos Peixoto pelo facto de, como faialense e açoriano de gema, ter tentado dar uma surra no árbitro lisboeta Hermínio Soares que espoliou a olhos vistos o Angústias Atlético Clube, num jogo disputado no Campo da Doca e a contar para a então famigerada eliminatória Açores-Madeira de qualificação à Taça de Portugal. Daí que Carlos Peixoto tenha seguido até São Miguel no Carvalho Araújo para ajustar contas com esse dito juiz. E Carlos Peixoto que sempre foi do Fayal Sport Club. Mas lá chegaremos. Desde que me iniciei nas lides jornalísticas, sempre tive o maior carinho e estima por este personagem de que hoje aqui faço recordar. Quando o Lusitânia ia ao Faial, em anos anteriores a essa minha iniciação, Carlos Peixoto e o irmão estavam sempre presentes para levar os amigos e os conhecidos até à sua adega do Pico (penso que ainda hoje existe para

reunião dos familiares nas férias de verão), o que era uma grande festa. Lembro-me que, no último Torneio dos Açores em que estive na Horta, em 1968-69 (Lusitânia, União Micaelense e Angústias Atlético Clube), no sábado antes do jogo decisivo entre o Lusitânia e o AAC (3-0 para o Lusitânia e a consequente conquista do título),

tinha grandes jogadores, como Pirolito, por exemplo) e entrou em campo bem ao seu estilo peculiar, de camisa amarela, calção branco (não daqueles almofadados) e sem joalheiras. De muitos deve ter saído este bruá: como é possível? Num campo com aquelas condições, meio-ervado, meio-pelado, ver um guarda-

Carlos Peixoto era, então, guarda-redes do Fayal Sport (que tinha grandes jogadores, como Pirolito, por exemplo) e entrou em campo bem ao seu estilo peculiar, de camisa amarela, calção branco (não daqueles almofadados) e sem joalheiras lá fui, com outros amigos, até ao Pico com o irmão (Alberto) do “tio” Carlos, com eu sempre lhe chamava, inclusive até à derradeira vez que o encontrei. E, caso curioso, a minha simpatia por Carlos Peixoto começou quando eu era ainda muito jovem. E tudo teve a ver com um jogo Lusitânia-Fayal Sport, disputado no Campo de Jogos da Cidade (hoje é Municipal de Angra). Carlos Peixoto era, então, guarda-redes do Fayal Sport (que

redes sem calções acolchoados e sem joalheiras (fica a dúvida se tinha levado cotoveleiras), era mesmo de ficar perplexo. Mas Carlos Peixoto era assim, igual a si próprio, um homem bondoso, que queria o melhor para a sua terra. Quando eu estava em São Miguel, na Impraçor, e ele se deslocava

VENDE-SE Terra de Semeadura e Arvoredo, com mais de 776,000 m2, localizado nas Travessas, Freguesia da Ribeira Seca, melhor conhecida pela “Ferreira da Marceneira”, “O Coração da Ribeira Seca”, Concelho da Calheta, Ilha de São Jorge, Açores. Tem uma frente junto ao Caminho, a estrada central da ilha. Tem uma excepcional vista para a Ilha do Pico. Os interessados devem chamar para (408) 258-1347

A pergunta da Quinzena ... feita por Osvaldo Simões no seu artigo da página 18 deste jornal ... Agora pergunto - durante esses 45 anos de vida da Tertúlia Tauromáquica Terceirense "Tomé Bello de Castro", nunca houve uma Direcção que procurasse saber quem foi a pessoa ou as pessoas que fundaram uma tertúlia que hoje é conhecida em todo o mundo taurino, com grandes feitos prestados a bem da tauromaquia nacional e internacional? Acompanhe o Tribuna todos os dias quer no Facebook quer na nossa nova webpage www.tribunaportuguesa.com

aquela ilha procurava-me no AO para me dar um abraço. Cheguei a comentar este facto com o Gustavo Moura, que também tinha grande admiração e consideração por Carlos Peixoto. Fiquei pesaroso quando soube da sua morte. Tive pena, por outro lado, quando entrei para o projecto do Diário Insular de não o ver junto dos familiares. Pelo que conheci de Carlos Peixoto, creio que esse projecto passava pelas suas cogitações. Mas aqui fica o apreço que sempre tive pelo amigo Carlos Peixoto e nunca mais me esqueço daqueles 7-0 que levou do Lusitânia, equipado da forma que já relatei. Para mim, pela pessoa em si, uma forma “sui generis”. Talvez tenha mesmo seguido aquela máxima de que para se ser guarda-redes era necessária alguma maluquice. Hoje, para os guarda-redes, as coisas são um pouco diferentes. Melhores campos, melhores equipamentos, com luvas a preceito. E como são bonitas as indumentárias do actuais guarda-redes, numa comparação, quiçá, e com a devida interpretação, aos “traje de luzes” dos toureiros. E ainda do tempo mais recuado, era por isso que, com as suas respeitá-

veis maluquices, o Jorge Teixeira (vulgo “patachon”), entrava em campo todo perfumado. Mas, hoje, com um perfume de saudade, foi tema para recordar Carlos Peixoto, na sua adega com bom vinho e no campo equipado à “sua maneira”.

Nota do editor: Carlos Alberto Alves reside presentemente no Rio de Janeiro. Nasceu na Terceira, foi jornalista, treinador e até árbitro de futebol.


COLABORAÇÃO

Ao gosto do freguês

Rasgos d’Alma

Luciano Cardoso

F

7

lucianoac@comcast.net

altava mais ou menos um quarto para a meia noite do último dia do ano prestes a expirar, quando eu expirrei sem me poder aguentar. O vírus entrara-me pelo nariz no dia antes com intenções claras de me estragar a festa, mas não o conseguiu. Assoei-me e deitei cautelosamente a mão à garrafa de champagne refrescada no frigorífico. Espreitei a contagem, preparei a rolha que foi escorregando pouco a pouco e – cinco, quatro, três ,dois, um – estoiro de contente: Feliz Ano Novo para todos – o desejo permanece intacto. Para trás ficou o derradeiro ano da primeira década deste segundo milénio que, apesar de ainda tenrinho na idade, teima em assolar-nos os nervos com incertezas e ansiedades cada vez mais palpitantes. Terá porventura deixado alguma saudade o defunto “twenty ten”? Desconfio. No ano passado, infelizmente, vi gente demais bater com os queixos dormentos no fundo falido da realidade nua e crua que os “friza” em pesadelo angustiante. Sem emprego nem abrigo, mendigando à míngua as míseras migalhas da mágoa que lhes doi – acreditem – lá isso doi. São dores congeladas em chaga viva sem cura à vista. Doem até a quem escreve. Por isso, escrever nem sempre é facil. Às vezes, torna-se mesmo num sério bico d’obra. Sobretudo, quando o malvado vírus nos sai das narinas para se atracar às teclas do computador. Aí, o caso complica-se. Uma coisa é a gente constipar-se, tomar o remédio ou engolir o xarope antes de recorrer à cachaça até ver se a coisa passa (e mais cedo ou mais tarde acaba por passar). Outra é vermos o nosso mimado “mechim” atacado pela gripe ou outro qualquer vírus desconhecido. Sofremos muito. Porque, quer queiramos quer não, cada vez mais deles dependemos. Regra geral, hoje em dia, quem

escreve não dispensa o seu atualizado “laptop”. É um companheiro inseparável. Com o meu infetado à última da hora por um demoníaco desses indesejados vírus que tanto odiamos, enervei-me. Não conseguia escrever nem processar o meu correio eletrónico. O elevado respeito que me merece o “nosso” José Ávila na competente condução deste formidável Tribuna fez-me redobrar esforços. Não que este meu despretensioso “rasgo” reclame qualquer relevância no processo. Longe disso! Queria apenas entrar em dois mil e onze com o pé direito, antes de atirar com o meu velho calendário para o lixo.

E

foi o lixo que me inspirou. Isto devido à castiça conversa partilhada com um comparsa da velha guarda que anteontem me fez rir e pensar: “…quando me criei não havia lixo. Havia porcaria e exterqueira quanta queira. Lixo era uma palavra mais fina e quase só usada pela gente do estudo lá para as bandas da cidade. Imigrei e continuo a não gostar da palavra. Prefiro dizer “garbicho”. Soa-me muito melhor.” O meu velho amigo não tem papas na língua nem faz cerimónia para expressar o que pensa. Ainda tentei contrariá-lo: “Eh homem, “garbicho” não é palavra da nossa língua. Não achas que fica feio falar dessa maneira. Ainda vão fazer pouco de ti.” Ele foi expedito na resposta: “Que se lixem os que fazem pouco. Também não lhes ligo muito.” Com mais anos d’America do que os passados lá no torrão natal, carcome-lhe há tempos no miolo esse reles bichinho bilingue de quem imigra para longe e, às tantas, deixa de falar como mandam a velha gramática ou sugerem os novos prontuários. “Não é por mal”, confessa em tom pragmático, “a gente ausenta-se e, com o passar dos anos, acostuma-se a palrar doutra maneira. Às vezes até inventamos palavras novas e

esquisitas mas não é por deixarmos de gostar da nossa terra ou desprezarmos a nossa língua. São os anos que passam e a linguagem vai mudando. Muda cá e muda lá. Porque, também agora quando ouvimos discursar na televisão os senhores doutores politicos desta nova geração, cada vez percebemos menos do que eles dizem. Talvez porque nunca aprendemos bem aquelas palavras caras nem aquele conversar tao instruído. Faz-nos muita confusão.” Acho que tem razão. E, para falar verdade, nem creio que ele saiba do novo acordo ortográfico prestes a vigorar. Se ele soubesse que a confusão ainda mal começou, então nunca mais se calava. O que vale é que esse badalado Acordo só entrará oficialmente em vigor a partir de 2012. Por mais estranho que pareça, no decorrer do corrente ano, caligrafar

duma maneira ou doutra, vai bater sempre certo. À acostumada moda antiga ou no retocado jeito moderno, o nosso estimado idioma encontra-se, “à escolha do freguês”, em regime experimental. “Pode ser que calhe!”, alembrame na risota o meu prezado compadre, apegado à remota esperança da nossa mimosa língua de berço poder um dia vir a adotar alguns dos vocábulos “portingleses” que por cá fabricamos e a que já estamos tão habituados. “Não fazia mal nenhum e facilitava a vida a todos. Se por lá levaram estes anos todos a adotar estrangeirismos escusados e difíceis de se pronunciar, também agora nos podiam dar um jeitinho. A nossa “inglesada” linguagem cá na diáspora, mesmo que saloia, até é bem mais fácil de se perceber. É que eu quando

Santos-Robinson Mortuary San Leandro Family owned California FD-81

* Servindo

a Comunidade Portuguesa em toda a Área da Baía desde 1929 * Preços baixos - contacte-nos e compare * Serviços tradicionais / Serviços crematórios * Transladações para todo o Mundo * Pré- pagamento de funerais

Madeline Moniz Guerrero Conselheira Portuguesa

Telefone: 510-483-0123 160 Estudillo Ave, San Leandro, CA 94577

me ponho a “raivar” o meu “tróque” p’ra ir à “estôa” fazer as minhas “groçarias” ou o entulho de “garbicho” para “dampar” semana sim semana não, não estou cá para andar com dicionários na mão. Daqui para lá, quer gostem ou deixem de gostar, com acordo ou sem acordo, vou passar a falar e a escrever conforme bem me apetecer. Entenda-o quem quiser. Tanto se me faz.” Fez-me impressão aquele singelo desabafo a anteceder mais um expirro. “God bless you”, ouvi-o dizer. “Thank you”, nao quiz destoar. Com o resvalar do tempo, e sem desrespeito pela nacionalidade, torna-se engraçado ouvirmos a língua a (des)dobrar-se ao idioma que mais lhe convém.


8

COLABORAÇÃO

Agua Viva

Filomena Rocha filomenarocha@sbcglobal.net

A

ssim o Novo Ano começou: depressa! Como quem quer chegar a lugar determinado, não se sabe porquê nem por quem. Só espero que pelas melhores causas! A minha querida Amiga Maria das Dores, entre outros amigos e amigas do FaceBook, gostou da frase e fez-me lembrar algumas causas pessoais, como sejam os talentos para os quais raramente me tenho votado e empenhado. Talvez por falta de acreditar já, que sim é possível. Na verdade, mais fàcilmente sou capaz de crer nas causas dos outros. Mas prometi-lhe fazer um esforço e agradeço sempre as suas palavras de estímulo. Na realidade, no mundo em que vivemos, são tantas as coisas que vemos através das notícias que deveras até me esqueço que as minhas causas existem ou têm real valor. Por exemplo, de que serve ser locutora-realizadora, jornalista de profissão, se a Rádio daqui não tem horas disponíveis para apresentar e realizar programas vivos? De que serve gravar canções, cujas gravações e produções custam uma pequena fortuna, se depois nunca são tocadas na Rádio local e o povo nunca terá a oportunidade de saber ou de escutar que determinado artista existe? De que serve ouvir na Igreja, antes e depois das homilias que devemos ser generosos nas colectas, que devemos ser unidos, se os integrantes dos grupos corais pertencentes à mesma comunidade, comungam do mesmo banquete da Missa dominical, participam na colecta, cantam nas mesmas festas em louvor a Deus e aos Santos nos altares da nossa Igreja, mas não são todos dignos de ensaiar os cânticos no mesmo local de ensaio? E isto para não falar nas leituras, que nem todos têm “licensa” de fazer? Quantos são, os casais ou não, que serão dignos de serem convidados a levar até ao altar as oferendas que cada um com sacrifício e com ternura conseguiu colher da própria seara e videira, para ter um lugar na mesa do Senhor e em casa, quiçá comeu do pão que o diabo amassou? Quantos são os que ajudamos, mesmo visinhos do lado, a quem deitamos a mão quando nos pedem ajuda e depois de servidos nos cortam, não só a mão que lhes estendemos, mas ferindo a nossa alma já magoada com a traição e a calúnia? Que nos faltará para que sejamos tão bons como os que o são? Ou tão maus como os que nos fazem sê-lo?

"Um Brinde pelas melhores Causas"

15 de Janeiro de 2011

tal aconteça. São tantas as causas que me desencantam... Como a de ver a nossa língua maltratada dentro e fora do País, e que nada mudou nem mudará depois do novo Acordo Ortográfico PortugalBrasil, que para mim não passa de uma fantochada política como tantas que se fazem ao longo da História para galgar posição e caminho para outros púlpitos de glória. Pese a quem pesar, serei sempre amiga dos meus amigos brasileiros, por quem tenho elevada estima, mas um “facto” será sempre um “facto” e não um “fato” que para nós é vestuário e para os brasileiros é “terno”. E tantas mais que não têm razão para mudança. Se é por Brasil ter mais população, porque não se torna capital de Portugal? Eu disse algum disparate? A minha Ilustre Ilha Terceira já foi capital de Portugal duas vezes... E era muito mais pequena! Devia ser ainda, ou até os nossos irmãos portugueses do continente aprenderem um pouco mais das nossas ilhas, ou pelo menos saberem quantas são e os seus nomes; que nem todas têm o mesmo sotaque e que nenhuma delas fala com o sotaque da Madeira, como alguns engraçadinhos tentam imitar em programas da RTP. Minha querida Amiga Maria das Dores, quanto não será melhor viver no seu Vale de Napa, fazer poemas à sua paisagem bucólica e bela, provar do nectar do Deus Baco e tentar esquecer tantas causas perdidas... Espere lá! Encontrei duas boas causas: A nossa Tribuna e José Mourinho! É lindo! Não tem vergonha de ser Português e é o melhor treinador do Mundo!. ANO FELIZ!!!

O Ano começou depressa! Mesmo assim, penso que esse tempo para muita gente, terá tido o valor da Eternidade, não só dos que partiram deste mundo feridos pela doença, como dos que por desilusões contínuas terão desejos que

CANTIGAS AO DESAFIO Novidades de 2010, em DVD e CD . Cantoria da Senhora da Luz, 2010 . Cantoria da Filarmónica de S. João, 2010 . Cantoria p. o Pequeno Jonathan, 2009 . IV Encontro de Veteranos, 2010 Cantorias editadas anteriormente: . Guerra de Cantigas ao Desafio, 2005 . Grande Tarde do Improviso, 2005 . Cantigas ao Desafio no S. Maria, 2006 . Nova Guerra de Cantigas, 2007 . Só Desgarradas, 2008 . Cantadores de Guerra Cantam Paz, 2009

Livros de cantigas ao desafio também à venda. . Vasco Aguiar, Meio Século a Cantar ao Desafio ..José Plácido, Quarenta Anos a Cantar ao Desafio . José Gaudino, Quase M. Século a Cantar ao Desafio

Encomendas. Escreva ou telefone para: José Brites (Por favor fazer cheques em nome da editora.) Peregrinação Publications USA Inc. P. O. Box 4706, Rumford, RI 02916 USA Tel: (401) 435-4897 Fax: (401) 431-6129 jbbrites@hotmail.com www.portuguese-books.com

POESIA CONTEMPORÂNEA

1600 Colorado Avenue Turlock, CA

Vende-se livro de poesia contemporânea. Pode comprá-lo através do Xlibris.com, amazon.com ou barnsandnobles.com. Também pode chamar para o autor para (909) 393-8285. O preço é de $20.00 + portes do correio.


Manuel Calado

10 milhões para promover Destino Açores

mbcalado@aol.com

Sandwich Filosofante

O

---Bem, uma vez que assim é— disse eu, ainda um pouco desconfiado—vamos lá para o sitio combinado. Já agora, lembro os nossos primeiros tempos de América, em que as sands magríssimas desta cadeia mundial custavam apenas 15 cêntimos cada, recordas-te? E foi este o preço oficial por vários anos. Mas, com o engordar dos americanos, as sands acompanharam o medrar enxúndico das massas,e hoje são uma refeição com milhares de calorias, consumidas aos milhões no mundo em redor. Quando cheguei, lá estava o nosso homem, ao fundo do restaurante quase vazio, num canto assoalhado, propício ao falatório. __Ora então, chega-te pra cá. Como já não te via desde o ano passado, e como o reportório com a cara-metade, está ficando esgotado, lembrei-me deste encontrozinho, para cortar o ramram do dia a dia. Que eu não desgósto de todo da solidão. Estou a reler agora, alguns dos livros que li hà 50 anos.E com uma outra perspectiva. Acompanho tambem o que se passa, e digo-te com franqueza que me sinto bastante apreensivo quanto ao futuro. Futuro que ja não verei, mas mesmo assim, sinto-me preocupado. ---Meu caro, esse estado de espirito é próprio da natureza humana. Eu tenho procurado resistir ao péssimismo, e há dias, quando me perguntaram em público o que pensava sobre o ano agora iniciado, disse sem hesitar, que seria melhor do que o ano que passou. Foi uma expressão talvez um pouco arrojada, concordo. O grande capital mete-me medo. A concentração fenomenal de bens nas mãos de uma minoria, pode levar a uma explosão catastrófica.

Por outro lado, ainda não deixei de confiar nas virtualidades da democracia. Mas tambem admito a hipótese de estar errado, em face da possibilidade de um choque tremendo entre três ou quatro forças fundamentais, como o capitalismo absolutista, o nacionalismo da extrema direita, a luta entre as religiões, e o “complexo militar-industrial”--como avisou o presidente Eisenhower. Neste preciso momento o homem possui o poder necessário para destruir o mundo e as civilizações. E mesmo assim, com todos estes perigos, há uma voz que me diz, que as gentes do mundo já passaram por periodos mais graves, de sangrentas lutas politicas e religiosas, em que grandes impérios e civilizações foram extintos, e o mundo continuou a evoluir. A lenda da Fénix, não tem sido em vão. Entretanto vieram as sands. Eu, uma de galinha com bacon, saborosa e bem calórica, e ele, uma de carne de vaca, com os respectivos acompanhamentos de café e batatas fritas. O usual actual, sem qualquer aparência com as sands de 15 cêntimos de há 50 anos a esta parte, em que apenas uma nâo chegava para encher a cova de um dente. E enquanto comíamos, fomos falazando de coisas mais terra-a-terra, até que o filósofo de Água de Pau, resolveu voltar às suas preocupações, mencionando o caso de Portugal e da Europa, na actual conjuntura. Disse ele ter visto uma mesa redonda através de Rádio Portugal, com o ex-presidente Mário Soares, o professore Adriano Moreira e outros falando precisamente sobre o tema de Portugal e a integração europeia. Fiquei com a impresâo, disse o meu amigo, que a Europa solidária ainda não está firme. A integração ou exclusão dos nacionalismos em nome de um multiculturalismo nascente, ainda não existe. A Alemanha, graças ao seu poder económico, acima do resto dos países europeus,está fazendo sobressair esse poder em face do mau estado financeiro de paises como a Grécia, a Irlanda, Portugal, Espanha e outros. Os paises da zora Euro, nâo sâo ainda um bloco. A Inglaterra, embora europeia, está com um pé na Europa e outro na América e fora

9

Notícias dos Açores

Do Tempo e dos Homens

Filósofo de Água de Pau, está cada vez mais ansioso por sair fora da casca, e desta vez, foi ele a convidar para um encontro sabem onde? No McDonald. Ouviram bem, Precisamente no “Macs” da sua área. A razão, alegou, a sua Maria estar com uma valente constipação. A principio julguei que ele estava a gozar comigo, mas quando ouvi a simpática Maria a tossir no background, acabei por crer na palavra do meu amigo.

COLABORAÇÃO

da zona-euro. E neste ambiente de incerteza, em vários países estão a surgir movimentos nacionalistas opostos à integração cultural e politica e económica, e dispostos a preservar a sua integridade nacionalística em todos esses domínios. Adriano Moreira citou até que, a própria integração dos Estados Unidos da America, não foi possivel sem uma monstruosa guerra civil. E nessa ordem de ideias, diria eu que, a Europa das nações é uma construção em processo, e tenho dúvidas de que possa vencer sem convulções, o repto da presente crise económica, e as potentes fogueiras nacionalísticas que parece estarem em processo de desenvolvimento em alguns paìses. E a conversa prolongou-se por cerca de duas horas, com renovação periódica dos caféses e o desfiar de recordações dos tempos em que nos conhecemos na velha Escola Devales, para entrar no ”linguajar dos camones”, e onde conhecemos o João “Cavalo”, que era assim que o bossa o tratava, e assim ele desejava ser conhecido. Porque Carvalho é pau, e cavalo é um animal de estimação. Conversa de velhos, na América dos “sonhos americanos”. Sonhos que no actual momento estão sendo pesadelos para muitos. E seriam decerto também para nós, se não tivesse existido um homem chamado Roosevelt, criador do Seguro Social, que os republicanos desejam extinguir a todo o custo, e não desistem enquanto o não conseguirem. E eu não sei porque são tão mausinhos os nossos caríssimos amigos do Partido do Elefante. Talvez que umas canecas de chá verde, lhes fizessem bem. E estava concluido o encontro entre duas pessoas em vésperas de embarcar para uma viagem em que se tira apenas bilhete de ida. E dada a nossa afinidade ideológica, escusado será dizer que os nossos encontros, cada vez mais frequentes, não deixam de corresponder a uma necessidade psiquica, que ambos apreciamos. ”Ora basta que sim”.

O Governo Regional atribuiu 10 milhões de euros à Associação de Turismo dos Açores (ATA) para a realização do “Plano de Promoção do Destino Açores” para o ano de 2011. O Plano irá incidir nos mercados de Portugal continental, Alemanha, Áustria, Espanha, França, Holanda, Reino Unido, Dinamarca, Finlândia, Noruega, Suécia, Canadá e Estados Unidos da América. Pretende-se, deste modo, reforçar a articulação da actividade promocional da Região com os parceiros do sector, por forma a superar um dos grandes desafios com que o Turismo dos Açores está confrontado: a necessidade de aumentar a notoriedade do arquipélago como destino turístico. Pedro Lagarto in AO

RSI "veio mudar a vida" mas cortes nas prestações "pioraram tudo" |O Rendimento Social de Inserção (RSI) mudou a vida a muitas pessoas em Rabo de Peixe mas os cortes provocados pela alteração da fórmula de cálculo estão a preocupar os beneficiários deste apoio social. “A minha vida mudou muito, em muitos aspectos, tanto na alimentação como no vestuário. Tornei-me mais independente. Mas a crise está a passar para nós, que somos pobres,", afirmou uma das beneficiárias do RSI em declarações, frisando que este apoio social "tem sido menos”. Mãe de seis filhos e esposa de pescador, esta mulher de 34 anos integra o grupo de cerca de 190 pessoas do concelho da Ribeira Grande, em S. Miguel, inseridas no projecto 'Agir', criado no âmbito do RSI para promover a aprendizagem de hábitos de trabalho na comunidade e reforçar a auto-estima. Nesse sentido, esta beneficiária do RSI há 12 anos trabalha "três horas, de segunda a sexta-feira", como ajudante de limpeza numa escola da vila de Rabo de Peixe. “Sinto-me como uma senhora que vai para o emprego, é pena que sejam só três horas”, afirmou, acrescentando que recebe 370 euros de RSI, mas recordando que este apoio "já chegou a ser de 500 euros". Lusa/AO online


10

COLABORAÇÃO

15 de Janeiro de 2011

"Separatismo" Constitucional... (Ideias ao Desafio)

Memorandum João-Luís de Medeiros jlmedeiros@aol.com 1 – breves considerações ao ‘pontapé-de-saída’ de 2011

somente, dum ‘fiel de armazém’ de formação tecnocrata...

O manuseamento do almanaque da existência continua a ser um ritual mais ou menos rotineiro, todavia desejável. Até mais ver, somos viajantes imaginários da frágil caravela euro-atlântica. A ideia de fraccionar o tempo em lapsos existenciais susceptíveis de serem vigiados pelos impulsos ciumentos do relógio, faz parte da nossa herança de retalhistas da história. O nosso destino foi retalhado ... mas nós continuamos inteiros...

Nas recentes passagens telegráficas pela minha ilha natal ( S. Miguel), tenho observado alguns sintomas curiosos de sensibilidade monárquica, na fala de gente de raiz social-democrata (e não só). Trata-se de gente que gosta de andar de bem com o Estado e com os homens. Desde há várias décadas, considero-me discípulo-aprendiz das lições resultantes dos erros cometidos pelo radicalismo professado por alguns dos pioneiros da República (1910), designadamente, a contraproducente ferocidade anti-clerical, e a defensiva relutância em não consentir a legalização da oposição monárquica, de modo a impedir o recurso à glorificação conspirativa... A história recente continua a fortalecer a opinião da cidadania para encerrar a experiência do Estado Unitário, e substituí-lo pela nova aposta constitucional no Estado Regional (como etapa gradual rumo ao sistema Federal). Quase me esquecia de recordar que, naquele tempo, um observador britânico observou (quiçá com apropriada ironia) que, até à adesão ao regime republicano encetado em 1910, Portugal já “era uma república governada por monárquicos”...

Desde que a nação portuguesa foi republicanizada (já lá vai um século), há a tendência para disfarçar o dilema dinástico do presidencialismo português. Dentro duma vintena de dias, o resultado da sabedoria popular estará à vista de todos: não se vislumbram vestígios de rumo seguro para arriscar na campanha ‘alegre’; nem vale a pena dar ‘cavaco’ pela previsível manutenção do inquilinato presidencial ao economista de Boliqueime. A asquerosa equipa de simpatizantes do keynesianismo esquizofrénico (desde 1985 inspirada pelo actual recandidato presidencial) transformou a democracia portuguesa num satélite corporativo do capital europeu. Perante tão fastidiosa suposição, a crise portuguesa não precisa de um estadista político; precisa, tão

2 – ‘alea iacta est’ – leia-se: ressaca cesariana na “grandeárea” autonómica, com baliza aberta... Na abordagem das questões políticas, não me parece louvável enveredar pela virilidade materialista, na antiga teimosia de que o estudo dos homens, como o de todos os restantes seres vivos, pertence ao domínio exclusivo da biologia (peço vénia para lembrar que a biologia, ciência objectiva, não nos ensina senão a luta e a selecção derivante da luta... ou seja “o direito de cada um corresponde à sua capacidade de prejudicar o seu semelhante”. Felizmente,há sempre um clarão intelectual à nossa espera. Sem me servir de maleabilidades teológicas susceptíveis de insultar a inteligência alheia, diria apenas que a moral é capaz de ser a soma de conquistas obtidas pelo homem sobre a tirania dos seus instintos. Se a força constituísse para o homem um imperativo categórico, seria difícil gerar e gerir as necessárias apetências para confrontar a força... E vai daí a vontade de lembrar que o regime republicano dispensa funções de capatazia. Aliás numa república democrática, o presidente eleito deve ser o primeiro servidor da aventura republicana... Como ilhéu atlanta-português, não devo esquecer que o meu

país, antes de ser culto e letrado, foi camponês, viajante e marinheiro. A vitrina da sua história apresenta mais mártires que santos: Vasco da Gama partiu do Restelo no mesmo ano em que os judeus eram arrastados pelos cabelos até à pia da água-benta! Por volta de 1550, os escravos constituiam 10% da população lisboeta (no âmbito nacional, naquela recuada era, a escravidão não ia além dos 2,5% ... hoje em dia, francamente, seria caso para estudo ...). 3 – A roda não inventou a distância, nem a ausência é filha da emigração... Falta ainda dizer o seguinte: a Autonomia política-administrativa das regiões atlânticas continua a ser um instrumento institucional valioso ao serviço da população que vive e trabalha nos Açores e na Madeira. Compete à maturidade democrática da liderança regional cultivar a clarividência política de reconhecer a validade duma eventual participacão da Diaspora nas questões macropolíticas alusivas ao desafio autónomo... Em resumo: a administração dos Açores deve ser da exclusiva responsabilidade daqueles que são (democraticamente) eleitos pela comunidade residente. E... quanto à Diaspora Açoriana?

Vejamos: como ilhéu açoriano com mais de 30 anos de ausência, costumo expressar apenas opiniões pessoais. Defendo que os imigrantes interessados têm obviamente de se preparar para assumir os direitos (responsabilidades) que lhe sejam conferidos pelo Estado de direito. Mais: a Diaspora Açoriana teria certamente interesse em participar (criticamente ou não) nas tais macro-questões do quotidiano politico da sua terra natal, numa metodologia baseada na reciprocidade democrática, que dispensaria reivindicações unilaterais inspiradas pelo oportunismo partidocrático. Estou convencido de que a maioria dos emigrantes não pediu licença aos donos das ilhas para sair, pelo que não consente ser usada, paternalmente, como saldo eleitoral. Estou confiante em que, no mês de Abril do ano em curso, os ilhéus açorianos irão celebrar os trinta e sete anos de Esperança Autonómica, independentemente da vontade centralista do recandidato presidencial ora em disputa. Aqui, na diaspora lusófona, atrevo-me a sugerir que continuemos firmes a enfrentar com reconhecida galhardia étnica “o luto da mudança duma luta de cansar”, se possível indiferentes à glorificação emocional da ausência mais ou menos subsidiada ou medalhada...

Eduardo e Fernanda Agostinho e Guida António e Maria 50 anos de amor Vargas - 63 anos Lacerda - 50 anos

No dia de Natal, António e Maria da Glória Vargas celebraram 63 anos de casamento. Casaram-se no dia 25 de Dezembro de 1947 na freguesia da Ribeirinha, Ilha do Faial, onde residiam nos Espalhafatos e eram conhecidos por António Côco e Maria Sará. São pais de duas filhas, Maria Fátima, casada com Gabriel Freitas e Maria José, casada com Manuel Amaral. Avós de James, Tony Gabriel, Frank Freitas, Derek e Melanie Amaral. Bisavós de Sidney, Tyler e Amelia Freitas. Eduardo e Fernanda de Lacerda celebraram no dia 12 de Novembro de 2010, os 50 anos de união entre duas pessoas que se amam, na presença de seu filho Edward e sobrinha Esther e família, sobrinho Alberto e família e também com a presença dos seus anigos Rogério e Maria Fernanda Silva, que se deslocaram de Ontário, Canadá. A festa de comemoração das Bodas de Ouro teve lugar num restaurante local, em Wilmington, Estado de Delaware.

Agostinho e Guida Costa, residentes em San Leandro, California, celebraram no dia 2 de Janeiro de 2011 as suas Bodas de Ouro juntamente com toda a sua família e amigos, no Portuguese Athletic Club em San José.

Residem na Cidade de Corte Madera, ao norte de San Francisco. António fez este ano 91 anos e Maria Glória tem 84 anos de idade. Ainda se ajudam um ao outro nas lides do diaa-dia.

Tribuna Portuguesa sauda estes três casais aniversariantes.

As filhas sentem-se muito orgulhosas por poderem celebrar esta linda data com os seus pais.


COLABORAÇÃO

Temas de Agropecuária

Egídio Almeida almeidadairy@aol.com Continua a controvérsia a cruzar o Atlântico no científico e problemático “cloning” de animais

A

s forças científicas e políticas do lado Oeste do Atlântico Norte, não parecem muito de acordo com a política da Comissão Europeia, dentro da Europa, no que respeita à sua posição em referência à proposta da completa suspensão por cinco anos de “cloning” animais que são usados para a produção de alimentos. Esta Comissão é o corpo executivo da União Europeia, que prepara as novas propostas de Lei e gere os negócios do dia-a-dia guiando os destinos dos 27 Países membros. No caso desta pro-

posta do passado dia 19 de Outubro, segundo os seus críticos, podem também ser classificados “Board” da ignorância perpétua, senão vejamos. Esta proposta ignora os resultados científicos dos próprios grupos da União e até do “European Union Health Commisioner” que anunciou não existir qualquer evidência de que, produtos de carne ou leite, desses animais sejam impróprios para consumo humano. Nos Estados Unidos os produtos dos filhos ou filhas dos “clonings” não estão proibidos de entrar no mercado, mas o Departamento da Agricultura (USDA), aconselha os produtores para que se abstenham de comercializar esses produtos. A controvérsia aqui, é que mesmo

11

"Clonar" animais Dias virão em que a terra lavradia pode não ser o suficiente para atender às exigências e carências populacionais. propondo a suspensão de “cloning” por cinco anos a mesma Comissão Europeia garante que continuará a importar alimentos produzidos de “clones” em outros países, admitindo que tais produtos são impossíveis de identificar de qualquer forma. Em 2008, 2009 e 2010 o ”European Food Safety Autority” determinou que não há qualquer indicação de que carne ou leite de “clones”, ou seus primogénitos tenha qualquer diferença dos mesmos produtos dos animais nascidos por meios genéricos convencionais. Grupos de cientistas alimentares nos Estados Unidos, Nova Zelândia e Japão, também chegaram à mesma conclusão. Entidades comerciais de “cloning”, existem já em 8 países di-

ferentes em volta do globo - Estados Unidos, Argentina, Australia, Brasil, Canada, China, Africa do Sul e Coreia do Sul. prática de “cloning” comercialmente nos Estados Unidos foi iniciada em 1998. Nós não temos nenhuma posição financeira ou ideologista sobre esta ou outra qalquer ciência, mas segundo este grupo aqui no Oeste, a União Europeia está perpetuando ignorância ao consumidor, quando se trata dos avanços da ciência em geral, e particularmente neste caso “cloning”, desturpando a realidade da ciência e tecnologia na moderna produção de alimentos. Ignorando estas realidades, segundo este grupo, poderá levar

A

os consumidores europeus a preços mais altos pelos alimentos produzidos a nível doméstico, ou forçar os seus produtores locais a ruína financeira, devido a competição externa. O isolamento forçado pelos governantes não parece ser a solução. Infelizmente em muitos casos a ideologia é mais forte que o bem estar das populações, num mundo onde os números aumentam a passos largos. Abraçar e respeitar as novas tecnologias para futura produção, parece ser o caminho a seguir. Dias virão em que a terra lavradia pode não ser o suficiente para atender às exigências e carências populacionais.

Anuncie no Tribuna e sinta-se feliz


12

COLABORAÇÃO

15 de Janeiro de 2011

Sabor Tropical

Elen de Moraes

Bem haja, coração!

elendemoraes_rj@globo.com

O

s últimos meses de 2010 foram bem movimentados. Em frente à TV!

Primeiro, as eleições. Para quem gosta de humor cáustico, o horário da propaganda eleitoral foi ótimo: garantiu momentos para além de irritantes, fantasticamente engraçados. Alguns políticos, com a cara dura de sempre, apresentavam seus projetos, repetindo antigas promessas que não serão cumpridas, como tantas outras. Acreditem: muitos foram reeleitos ou viram seus candidatos se elegerem. Até o deputado mais votado do Brasil, um palhaço por profissão, cujo mote de campanha ”vote no tiririca, porque pior que está não fica”, prendeu-nos à telinha, para acompanhar a novela que se seguiu à sua eleição, quando teve que provar - ao pé da letra para a Justiça, que sabia ler, fazer ditado e assinar o próprio nome, enfim, mostrar que não era analfabeto. Passou raspando! Foi diplomado como deputado federal e vai representar um milhão e trezentos mil paulistanos. Depois, como nos filmes americanos de ação, passamos a assistir a guerra entre marginais e a polícia do Rio de Janeiro. Bandidos incendiavam carros e ônibus, simultaneamente, em diferentes pontos da cidade, revoltados com a transferência dos chefões do tráfico, para presídios federais de segurança máxima e por perderem seus pontos de venda de drogas nas favelas, onde as UPPs (unidades de Polícia Pacificadora) se instalavam. Desalojados, se viam obrigados a fugir e migravam para locais que logo em seguida eram, também,

ocupados pela polícia. Acossados, partiram para o enfrentamento e retaliação: arrancavam os motoristas da direção e incendiavam seus carros. Faziam o mesmo com os ônibus. Também promoviam “arrastões” pela cidade: interditavam o trânsito e roubavam os pertences de quem ocupava os veículos. A polícia tentava controlar a situação, mas, seu contingente não era bastante para conter a violência que se instalou em diversos pontos da cidade. Nas ruas, repórteres de várias emissoras, nacionais e estrangeiras, cobriam os acontecimentos. E nós ali, em frente à TV, assistíamos a cada lance, entre nervosos e revoltados, torcendo sempre para o “mocinho”, claro, e esperando o próximo passo da polícia, dos bandidos e dos repórteres que se arriscavam por um furo de reportagem. Nesse entretempo foi lançado nos cinemas o “Tropa de elite 2”, filme que conta a história do capitão Nascimento e seus homens, um batalhão de elite da polícia do Rio de Janeiro, no combate ao tráfico. A história fictícia do filme levou multidões ao cinema e bateu todos os recordes de bilheteria dos filmes nacionais. O filme teve o sucesso que fez, por ser implacável com os bandidos! Estamos cansados de ver, no nosso dia a dia, quase sempre, os marginais levarem a melhor, embora o bom trabalho que fazem os policiais que não se vendem. Por outro lado, o BOPE (Batalhão de Operações Especiais), o Batalhão da vida real, plantou telespectadores aos milhões em frente à TV, a acompanharem suas incursões pelas favelas, à caça de traficantes perigosos, que assustavam e subjugavam a população com seu armamento pesado.

Quando a situação mostrava-se i ncontor nável, sem saída, eis que na manhã do dia 21 de novembro nos deparamos com tanques de guerra da Marinha dando apoio logístico - como informaram - aos homens do BOPE e aos policiais militares e civis, para que pudessem entrar na Vila Cruzeiro, uma das grandes favelas da zona norte do Rio. Dai em diante o que se passou parecia surreal: os blindados passavam por cima das barricadas, dos carros incendiados no meio das ruas e conseguiram colocar centenas de homens dentro da favela e dominá-la em pouco tempo. Dos helicópteros, cinegrafistas mostravam dezenas de bandidos fugindo pelos morros, para a favela vizinha, o Complexo do Alemão, a pé, de carro, de moto e arrastados pelos comparsas (os feridos). Foi dado um tempo, então, para que, espontaneamente, os bandidos se entregassem. Poucos o fizeram. Vencido o prazo, helicópteros e veículos blindados da polícia e das Forças Armadas abriram caminho para a ocupação do conjunto de favelas do Alemão. A operação contou com 800 soldados da Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército, 300 agentes da Polícia Federal e 1,3 mil homens das polícias Militar e Civil, além de blindados do Exército

e da Marinha e veículos do BOPE. A polícia civil divulgou balanço do que foi apreendido no Complexo do Alemão (foto) e na Vila Cruzeiro: 36,6 toneladas de drogas (maconha, cocaína e crack), 496 armas (sendo fuzis, pistolas, revolveres, carabinas, espingardas, metralhadoras e submetralhadoras) e 58 explosivos. Recuperou 440 carros roubados e prendeu 133 suspeitos. A droga foi incinerada nos altos-fornos da Companhia Siderúrgica de volta Redonda. Com tantos lances emocionantes, o cinema não teria feito um filme melhor do que o que vimos pela TV! Desculpem, mas eu gosto de aplaudir o bem contra o mal. Essa operação lavou a alma do brasileiro que há muito tempo vem sendo vilipendiado não só pelos traficantes de drogas, mas também pelos que traficam influência e poder no nosso País. As nossas Forças Armadas e os bons policiais civis e militares nos fizeram acreditar, de novo, que o Brasil pode dar certo para todos e não só para um punhado de mal servidores da Pátria.

BACALHAU GRILL & TR ADE RITE MARKET 1555 Alum Rock Ave., San Jose, CA 95116 • Tel: 408-259-6101

Visite-nos e aprecie a nossa variada ementa

O mais completo deli de produtos portugueses e brasileiros Catering para todas as ocasiões • Servem bacalhau todos os dias


Ao Cabo e ao Resto

Victor Rui Dores

A

ilha, graciosa, cresce nos meus olhos emocionados e volta a ser um regresso ao passado e ao mundo primordial, bucólico e pacífico. O tempo dir-se-ia ter ali parado há séculos. Mais uma vez percorro os lugares da minha geografia afectiva e sentimental. Aviva-se-me na memória breves fragmentos vividos e sentidos na lonjura da minha infância insular… … os desvelos carinhosos da minha mãe e as histórias evocativas do meu pai… … o mar encapelado e eu, menino, com franja espessa sob um boné de marinheiro… …o verde maciço da vegetação e as montanhas emergindo do mar… … o sussurro do vento, o calor pesado e húmido da ilha e o céu pesado de brumas oceânicas… …os poentes vermelhos e púrpuros… … a casa arejada, alegre e solarenga, o velho relógio e os ponteiros do tempo… …os muros altos do quintal forrados de líquenes e heras… …o maciço de buxos, os contornos das hortênsias e das azáleas… …o canteiro, a trepadeira de flores amarelas, as avencas, a estufa das begónias e o tanque de nenúfares… ... as pedras negras da costa, a música das marés, as viagens inter-ilhas… …o leite de vaca bebido ainda quentinho do mojo… …o nascimento dos irmãos, o constante vaivém da parteira Palmira… …as manhãs de apanhar borboletas, as tardes de atirar pedras na praia e as noites a ouvir o canto dos grilos… …a leitura de Robinson Crusuoe, o sonho, a aventura e a vontade de viver em permanente estado de ficção… …o porco dependurado na trave mestra

Joel Neto neto.joel@gmail.com

D

e todos os grandes dons humanos, o que mais invejo é o da avareza. Ainda no outro dia me perguntaram, em jeito de brincadeira: “E tu, Joe? Resoluções para o Ano Novo?” E eu: “Aprender a avareza.” Todos os anos dou a mesma resposta e todos os anos chego ao fim com a necessidade de dá-la novamente. Ao longo da vida, aprendi uma série de coisas: a juntar palavras e a falar inglês, a distinguir Bach de Albinoni e a fazer ovos mexidos. A avareza, nunca a aprendi. E o mais que desejo para 2011 é aprendê-la. Conheço pessoas que sabem sempre onde os Longa Vida de Morango estão mais baratos, que são capazes de palmilhar dez quarteirões para comprar um pacote de sal por menos três cêntimos e que de bom grado cobram aos amigos uma tarifa por cada dois quilómetros de boleia. Não falo dessa avareza, até porque isso não é avareza. Isso é quase sempre necessidade – e, quando há necessidade, a coisa mais fácil deste mundo é ser avarento. De maneira que não vale a pena virem já com coisas como: “Ah, tu queres ser avarento? Que luxo. Eu cá não tenho outro remédio senão sê-lo…” A avareza que me interessa, pelo

menos enquanto por ela puder estar interessado, é a avareza praticada por opção. Conheço tipos com vidas confortabilíssimas e que, no entanto, não cometem um excesso que seja. Tipos que entram numa loja, gostam de uma camisola, desejam mesmo comprar a camisola, podiam sem dificuldade comprar uma dúzia de camisolas iguais àquela e, mesmo assim, não a compram. Dizem-se parcimoniosos, económicos, parcos, modestos, frugais, módicos. Eufemismos apenas: o que eles são é avarentos, forretas, agarrados, unhas-de-fome, forragaitas, Tios Patinhas. E é isso mesmo que eu quero aprender a ser também. A avareza é a suprema liberdade. É experimentar o último modelo de ténis da Merrell, conferir que nos ficavam a matar com aquelas calças de ganga meio rasgadas que temos lá em casa, saber que cento e cinquenta euros não fariam grande diferença no nosso orçamento mensal e, mesmo assim, não os comprar. É ir jogar golfe, estar perfeitamente consciente de que umas bolas de cinco euros nos aumentam em vinte por cento as possibilidades de fazermos um bom resultado, a suprema obsessão, e, apesar disso, continuar a jogar bolas de quatro euros e meio. É andar num Seat

13

Lonjura da infância insular

da cozinha, de cabeça para baixo, todo aberto… … a missa dominical e o cheiro a incenso e a cera queimada… …a escola primária, a rudeza do professor, a caligrafia esmerada… …a Primeira Comunhão, a Hóstia Consagrada e os paramentos do senhor padre… …as galinhas poedeiras, o pombal, o granel… …o Presépio, o Menino Jesus, a Missa do Galo, as prendas do Natal… …o Dia de Reis, as folias, as danças e os folguedos do Entrudo… …a desobriga pascal… …o tempo das vindimas… …os paquetes na linha do horizonte e a silhueta dos barcos no cais de pedra… …os navios que levantavam ferro e as mãos que acenavam lenços brancos… …as intrigas e as coscuvilhices das vizinhas… …as noites de céu estrelado… …os magníficos e geniais filmes de Charlie Chaplin… …as escutas de relatos de futebol no café… …as viagens da velha camioneta à volta da ilha… …as fotos dos familiares antigos, gente grave e austera… …a pele macia e lisa da minha avó Zulmira, as suas mãos ágeis e o crochet lento de fio gordo… …os lapsos de memórias e os dois enfartes

Muito Bons Somos Nós

COLABORAÇÃO

de miocárdio do meu avô José Maria… …os gestos elegantes, os requebros subtis e a frescura da primeira namorada… …os primeiros beijos trocados no moinho abandonado e os primeiros desvanecimentos vividos na sineira da igreja… …os acordes triunfais das filarmónica… …a luz puríssima das manhãs… …as brincadeiras com gafanhotos… …o gato preguiçoso e gordo lá de casa… …o Verão e os banhos magníficos na rebentação das ondas… …as conchas húmidas ao sol… …a estranha e monstruosa deformação física do Manelzinho… …os vestidos das meninas da catequese que cheiravam a rosas frescas… …o mormaço dos dias abafados… …as promessas e as surpresas das primeiras ejaculações (que tinham a violênncia de um sismo)… …a salinha acolhedora, as flores nas jarras… …o monco dos meninos esmoleres e des-

calços… …o suor das têmporas dos trabalhadores agrícolas… …os vulcões adormecidos da ilha… …o Juvenal que ficara sepultado nos abismos fundos do mar… …os salgueiros solitários… …a bela e trigueira empregada que me desflorou em dia de debulha… …o tempo das marés vivas, as topadas nos calhaus e nas poças musgosas… …os primeiros estremecimentos perante a foto de uma revista que mostrava os horrores de Auschwitz… …a candura de uma prima entrevadinha… …o tom galhofeiro e brincalhão dos tios… Um dia, caros leitores, eu hei-de escrever sobre tudo isto.

Roteiro para a recessão Ibiza, sentir inveja dos Mercedes rápidos e seguros e confortáveis e bem climatizados que nos ultrapassam, saber muito bem que um Mercedes dos mais modestos não era loucura nenhuma para o nosso rendimento e, porém, determinar sem reservas que um Mercedes jamais. er avarento, em podendo ser outra coisa, é vencer a economia, é vencer a moda, é vencer a inveja. É vencer o desejo. E eu, apesar da inveja, quero ser avarento. Quero aprender a avareza, a que aliás em nenhum lado a Bíblia chama pecado mortal. Quero descobrir o dom da avareza e multiplicá-lo por dois, como manda o Evangelho de Mateus fazer com os dons importantes. Porque ser avarento também é vencer o tempo. É estar neste tempo, posto perante a possibilidade de um prazer, e no entanto saber que depois deste tempo outros tempos haverá, em que a possibilidade desse prazer terá de repetir-se – e, então, sim, em sendo adulto usufruir dele, reconhecer ser chegada a hora. Ser avarento é ser adulto. E é também a melhor forma, em anos como este que vivemos, de evitar ter de ser avarento por necessidade, que pelo exposto não é avareza que se

S

apresente. Dizem-me os amigos, sobretudo aqueles a quem nunca o dom da avareza beijou: “Toma cuidado, ó Joel. Aqueles que são avarentos com o dinheiro acabam por tornar-se avarentos com os sentimentos também.” Pois, por mim, perfeito. Se querem que vos diga, o que mais há neste mundo, por esta altura, é sentimentos. Houvesse um pouquinho menos de sentimentos e um pouquinho mais de avareza e, provavelmente, não tínhamos chegado ao que chegámos. Peço desculpa, pois, se vos destruo os resquícios da bem-aventurança natalícia, prin-

cipalmente depois de todas aquelas reportagens com os pobrezinhos e os sem-abrigo e as sopas comunitários. Tenho quase 40 anos e tornei-me um avarento. Quem me disse que ia tarde para aprender bem se enganou.


14

COMUNIDADE

15 de Janeiro de 2011

Roteiro das Ilhas

Ilha de São Jorge HISTÓRIA O descobrimento e povoamento da ilha estão envoltos em mistério. A primeira referência a São Jorge data de 1439 e sabe-se que, cerca de 1470, quando já existiam núcleos de colonos nas costas oeste e sul e a povoação de Velas fora fundada, veio para a ilha o nobre flamengo Wilhelm Van der Haegen, que, no Topo, criou uma povoação onde veio a morrer, com fama de grandes virtudes, já com o seu nome traduzido para Guilherme da Silveira. Rápido deve ter sido o povoamento da ilha, com gentes vindas do Norte do continente, bem como a sua prosperidade, pois a sua capitania era doada, em 1483, a João Vaz Corte Real, donatário de Angra, na Terceira, e Velas recebia foral de vila antes do final do séc. XV. Topo era sede de concelho em 1510 e Calheta em 1534, demonstrando a vitalidade de uma economia que, além da vinha e do trigo, tinha no cultivo do pastel e na colheita da urzela, exportados para a Flandres e outros países da Europa, e usados na tinturaria, as suas principais produções . A crise dinástica provocada pela subida ao trono de Portugal do rei Filipe II de Espanha teve os seus reflexos em São Jorge, que, como a ilha Terceira, tomou o partido do pretendente D. António, Prior do Crato, só vindo a capitular frente aos espanhóis após a queda da Terceira, em 1583. Seguese um período de séculos em que a ilha se mantém quase isolada, o que se deve atribuir ao abrigo precário que os seus portos ofereciam aos navios, à sua limitada importância económica Mesmo assim é sujeita a ataques de corsários ingleses e franceses durante os séc. XVI e XVII e às devastadoras razias dos piratas turcos e argelinos. No final do séc. XVI, uma secção da esquadra sob o comando do conde Essex desembarca na enseada da Calheta. Para a repelir os habitantes arremessam pesadas pedras - únicas armas de que dispunham - e um soldado chamado Simão Gato acomete o oficial da força inimiga, derruba-o e arranca-lhe a bandeira. No séc. XVIII, o corsário francês Du-GnayTrouin pilha São Jorge e, no ano de 1816, um corsário argelino que procurava apoderar-se de um navio mercante, é rechaçado pelos tiros da fortaleza da Calheta. Outras calamidades afligem Sáo Jorge. São as privações e crises de alimentos em maus anos de colheita, desde o séc. XVI ao séc. XIX, os sismos e erupções vulcânicas de 1580, 1757 e 1808 . O isolamento do passado tem vindo a ser quebrado com as obras realizadas nos dois principais portos - Velas e Calheta - e o aeroporto, abrindo a São Jorge novos horizontes de prosperidade e progresso, para o que conta com a integral utilização dos seus recursos naturais, a expansão da pe-

cuária e dos lacticínios, da pesca e da indústria de conservas. GEOGRAFIA Ilha alongada que com 56 Km de comprimento (34.7 milhas) e apenas 8 Km de largura máxima (4.9 milhas). São Jorge tem uma área de 246 Km2 (95 milhas quadradas). Criada por sucessivas erupções vulcânicas em linha recta, de que restam crateras, a sua plataforma ventral tem a altitude média de 700 m, com o ponto mais elevado a 1067m. A costa, escarpada e quase vertical, sobretudo a norte, é interrompida por pequenas superfícies planas costeiras – as fajãs. Está situada a 28º 33’ de longitude oeste e a 38º 24’ de latitude norte.

GASTRONOMIA

SEMANA CULTURAL

LOCAIS A VISITAR

Queijo Espécies Torresmos de porco Molha de carne Caldeirada de congro Inhames com linguiça Bolo de véspera Rosquilhas Aguardente de nêspera e angelica

Festa de carácter popular que anima na 1º semana de Julho os dias da população do

FAJÃS

FESTIVIDADES FESTA DO ESPÍRITO SANTO São festas comuns a todas as ilhas, embora divergindo em alguns pormenores de ilha para ilha e até dentro da própria ilha. Á volta de cada ilha todas as freguesias têm uma capela, chamada "Império", com a respectiva irmandade. São consideradas as festas religiosas mais características de toda a etnologia insular. Localização: Todo o arquipélago Datas: De Maio a Setembro, com especial ênfase no 7º domingo depois da Páscoa Entidade responsável: Irmandades dos Espírito Santo

FESTIVAL DE JULHO

Fajã da Penedia, Norte Pequeno

concelho, com múltiplas actividades, tais como: música popular, desportos, regatas, gastronomia regional e muito mais.

Locais de rara beleza, estendem-se pelos dois lados da ilha que em virtude do seu microclima se tornaram em locais ferteis. De salientar a Fajã da Caldeira de Santo Cristo na Ribeira Seca com uma gruta submarina e uma lagoa onde se criam ameijoas.

Durante quatro dias a Calheta anima-se com desfiles etnográficos, concertos de Localização: Velas música popular, provas desportivas, expo- Datas: 2 a 8 de Julho sições, entre outras actividades. Entidade responsável: Comissão de festas Localização: Calheta Datas: Segunda quinzena de Julho Entidade Responsável: Comissão de FesEsq: Fajã das Almas. Direita: Fajã de Santo Cristo tas


COMUNIDADE

15

Portuguese in Silicon Valley: 2010 in Photos

Photos by Miguel Valle Ávila

IV International Conference on the Holy Spirit Festas

Fashion show at PAC

Aristides de Sousa Mendes exhibit at Portuguese Museum

Luso-American Youth Festival at San Mateo Performing Arts

Dia de Portugal Festival at History San José at Kelley Park

Our Lady of Fátima in Santa Clara

San José High School’s Portuguese Club

Young talented singers at POSSO’s anniversary

96th annual IES parade


16

THE BEST OF 2010

15 de Janeiro de 2011


THE BEST OF 2010

17

THE BEST OF 2010 POLITICAL EVENT OF THE YEAR

ing a parochial “coup” and maintaining the peace while looking towards the future centennial celebrations, and Rev. Isaque Meneses, who was ordained in 2010 in the Diocese of Fresno, and any time a new priest is ordained, it is a time for celebration. ARTIST OF THE YEAR

Candidates’ Night in Santa Clara, promoted by the Portuguese-American Forum shows that an active Portuguese-American community can have a positive influence on local issues and elections. Honorary mentions go to the re-election of Jim Costa (D), Dennis Cardoza (D), and Devin Nunes (R) to the US Congress and the election of David Valadão (R) for California State Assembly. RELIGIOUS OF THE YEAR

The Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição celebrated their 50 years of serving the local community. This unselfish dedication to their fellow human beings is remarkable. They started their presence at the Five Wounds Convent and School in San José in 1960 and subsequently at New Bethany in Los Banos. Honorary mentions go to Rev. Manuel Sousa, of Our Lady of Assumption Church in Turlock, for his 30 years of ordination, Rev. Donald Morgan, of Five Wounds Portuguese National Church, for surviv-

Photographer Jackson Nichols published a book on the Holy Spirit Festas, had an exhbit in Hayward, and participated in the IV International Conference on the Holy Spirit Festas exhbit. A very talented artist who sees our Festas from a slighly different perspective. His photo of 64 queens and one king of the Holy Spirit Festas made the cover of The Portuguese Tribune (pictured above). Honorary mentions go to Berkeley Symphony music director and maestro Joana Carneiro, the Azores Band of Escalon on its 30th anniversary, pianist and showman Carlos Avalon, singer Leslie Pavão, miniature whaling boat craftsman Eugénio Vargas, singer Jessica Mendes of “Forever Broadway,” and a new wave of young talented singers discovered by Hélio Beirão. BEST IMAGE OF THE COMMUNITY IN PORTUGAL Donya Oliveira, of Turlock, joined the Portuguese National Team. A young tal-

IN MEMORIAM

José Coelho Dias Jr., 1923-2010, Biscoitos, Terceira John A. Teixeira, 1923-2010, Modesto, CA Maria Rodrigues Medina, 1922-2009, San Diego, CA Maria Jesualda Brasil Nunes, 1945-2009, San José, CA John M. Vieira, 1917-2010, Escalon, CA Belmira Duarte Couto, 1927-2010, Tulare, CA Frank Rosa (Vigário), 1912-2009, San José Raul A. de Medeiros, Ponta Delgada, Azores Manuel Duarte Silveira, 1943-2010, Turlock, CA Margaret Helen Soares, 1951-2010, Stanford, CA João Espínola Bettencourt, 1924-2010, Hilmar, CA José Manuel Machado, 1947-2010, Gilroy, CA Tony Nelson Baptista, 1974-2009 Albert Soares, 1924-2010, Mountain View Kelly Marie Freitas, 1979-2010, Hollister, CA Paulo Rocha Goulart, 1928-2010, Modesto, CA Manuel S. Goulart, 1939-2010, San José, CA Nathan Oliveira, 1928-2010, Stanford, CA Bishop John Steinbock, 1937-2010, Fresno, CA Nivéria Barros, 1934-2010 José Jorge, 1917-2010, San Diego, CA Jesuina de Melo Soares, 1913-2010, Los Banos, CA And many other friends and relatives... May their souls rest in peace!

WELCOME TO NEWBORNS Olivia Marie Cota, Artesia, CA Natalie Rose Silveira, Modesto, CA

ented soccer player, Donya promises to excite Portuguese fans (above left). Michael Lopes, the “Messi” of the Forcados Amadores de Turlock showed his finesse and technical skill in the group’s performances in Portugal (above right). Honorary mentions go to “Música em Viagem” classical music ensemble of young talented musicians from the Azores and Azorean communities and NPG Productions’ “Tradições Taurinas,” a pilot program filmed for RTP-Açores. REVELATIONS OF THE YEAR

The community is proud to have two new lawyers -- Christopher Davide Vieira (below left) and Christopher Sousa (below center). Lisa Vaz (below right) is a young entrepreneur in Merced, proprietor of the Holistic XChange, Alternative Health Center.

A Irmandade Nossa Senhora de Honorary mentionsde go to Junior Shark Fátima de Santa celebrouand a player Gabriel Silva, Clara entrepreneur sua festa nosfounder passados diasMedeiros, 9 e 10 de MuitoFina.com Anne Outubro 2010. A 56ªcompleted festa anual Vanessa Sofiade Goulart who her foi presidida por Elizabeth e Master’s in Education and PaulGaspar Mello,a vice-presidente e Manuel regular columnist forHenrietta The Portuguese TriA rainha Sydney Escobune,Silveira. who obtained hisfoi Bachelor’s in NubarScience. acompanhada por Vanessa and trition Brianna Laranjo. A procissão encerrou a Lafayette Street em direção à THOUGHT OF THE YEAR Igreja de St. Clare onde foi celebrada a missa cantada. Ooalmoço sopas “Tribuna Portuguesa, Registodeperfeito e carne foi eservido no salãoOdaArquivo SES. da nossa ‘Voz’ Pensamento... da vivência da nossa Comunidade.” (The Portuguese Tribune, the perfect register of our ‘voice’ and thoughts... the archive of our community’s life”) by Filomena Rocha on Facebook. “CALLS TO ACTION” OF THE YEAR Throughout 2010, The Portuguese Tribune called the readers’ attention to several key topics; among them: the need for a change in leadership -- in “Por favor, deixe o seu orgulho em casa” (Please leave your pride at home), the Consulate Advisory Council, “Changes in leadership” --, a change in rural and parochial mentality -- in “Cinco Chagas (novamente) em crise” (Five Wounds Church (again) in crisis), “-ismos não obrigado” (-isms, no thanks), “Contas são contas” (Numbers are numbers), and “Programas Contacto.” In addition, specific calls were made for action in honoring the 70th anniversary of Aristides de Sousa Mendes’ Act of Conscience remembering the over 30,000 who were saved by this courageous diplomat and for restoring the aging Consulate of Portugal in San Francisco (in “Euros não obrigado”). Many more calls to action will be made throughout 2011.

5 Questions - A short interview with newly elected California State Assemblyman David Valadão 1. Who is David Valadão? Where were you born and raised? What is your background? I’m the son of Portuguese emigrants. I was born in Hanford, California. I live, went to school, and built my business in the 30th District. My family and I are partners in two dairies in the San Joaquin Valley. I am married to my High School sweetheart and have three children. 2. Why did you want to run for political office? After getting involved with a few Dairy advocacy groups, I had the opportunity to spend some time in Sacramento and Washington DC. I quickly realized the need for real business experience in government. My experience running a business and dealing with the regulatory burden of state government led me to run for the California Assembly. Photo courtesy of valadaoforassembly.com

3. How did it feel to win the November 2 election for the State Assembly?

It felt great. I worked hard and stuck to my principals. To have so many voters check the box next to my name is an honor and a privilege that I take very seriously. I have worked alongside the people of the 30th District and I share their values. 4. What will be the first thing you’ll do in Sacramento? I will work to educate my colleagues from northern and southern California about my district. I will also make every effort to learn about where they come from. I feel that the more questions I ask, the more common ground I can find. Californians want jobs and they expect their legislators to work together to fix our state. 5. What are your top priorities in Sacramento? I will work to bring desperately needed water back to our farmers and communities in the 30th Assembly District. I will also bring a common sense perspective to the regulatory process. If we want to attract jobs to our state we need to create a more friendly business environment. Finally, I look forward to working with my fellow legislators to find solutions to California’s huge budget deficit. The Portuguese Tribune will continue to follow Assemblyman Valadão’s steps in Sacramento.


18

HISTORIA

15 de Janeiro de 2011

Tertúlia Tauromáquica Terceireirense "Tomé Bello de Castro"

A história que nunca foi contada Antigamente vinham todos os anos, pelo Outono a Angra do Heroísmo, organizações tauromáquicas, umas contratadas por empresários locais e outras por conta própria. Só assim era possível a vinda desses artistas, uma vez acabada a época taurina no Continente (era mais económico). Geralmente eram constituídas por um cavaleiro, um matador, um novilheiro, três bandarilheiros e pelos forcados locais. Por vezes traziam um forcado e alguns toiros para reforçar o cartaz. Normalmente realizavam-se duas corridas e um festival. No Outono do ano de 1965, a tournée que nos visitou trazia um bandarilheiro de nome Abel Cascão, já conhecido dos aficionados terceircnses desde 1960. Cascão era valente com os toiros corridos. Nesse tempo, os toiros que vinham para cavalo na centenáia Praça de S. João, eram já corridos de praça e com várias cordas e, os que se destacavam na corda, eram lidados pelos cavaleiros e pegados pelos forcadas. Nesse tempo não havia muitos moços-deforcados e, práticamente, actuavam quase sempre os mesmos pegadores, porque os touros corridos não ofereciam muitas facilidades e eram perigosos. Na tournée de 1965, Abel Cascão, depois das corridas programadas, ficou atrás para realizar um festival taurino (1) por sua conta e com amadores locais. Como já era habitual eu e o Abel Cascão dávamos um passeio pela cidade ou íamos ao cinema. Num desses passeios, ao subirmos a rua da Sé, encontrámos na esquina da antiga Pastelaria Athanásio os aficionados senhores José Albino Fernandes e Guilherme Cota. Depois de os cumprimentarmos, o senbor Jose Albino convidou-nos a tomar um café no antigo Cafe Royal, que existia ao lado do Teatro Angrense. Sentados os quatro numa banca, Abel Cascão (sentado de costas para a porta), na direita o senhor Guilherme Cota (3), em frente o senhor José Albino Fernandes (4) e eu, Osvaldo Simões (5) à esquerda. Como é de calcular, eram quatro homens

Os que se reuniram no antigo Café Royal - Osvaldo Simões, José Eduardo Silva. José Albino Fernandes e Guilherme Cota. O José Edurado Silva substituíu o Abel Cascão que nåo pôde estra presente na ceia.

a meio, de repente sai esta frase do senhor Guilherme Cota, que ficou na história da tauromaquia terceirense : "Porque não formarnos uma tertúlia?" Já há muito tempo que se falava numa tertúlia e nunca ninguém tinha ainda conseguido levar ávante a ideia. Todos apoiámos a ideia do senhor Guilherme Cota de formar uma tertúlia para reunir os aficionados taurinos terceirenses. Agora, como se deveria concretizar aquela ideia do Sr. Guilherme? Todos davam os seus pareceres, mas as coisas não estavam fáceis, por nao haver o capital necessário. Primeiro tinha que se conseguir reunir gente dos toiros para se poder contar com algurna ajuda monetária e foi aqui que o

Estava lançado o embrião numa das bancas do antigo "Café Royal", na rua da Esperança, já com a data marcada (6) para a ceia aonde se iria gerar a tertúlia.

A adega dos Biscoitos Foi de grande importância para o desenvolvimento do embrião. Começou-se logo a trabalhar para que tudo corresse bem (não fosse a vaca adoecer e não haver cria) e para não arrefecer o entusiasmo, o senhor Guilherme começou por convidar aficionados de diferentes classes sociais e de diversas localidades, o senhor José Albino ia ultimando os preparativos na adega, para a dita ceia.

te. Até o senhor João Maia que transportava os toiros da Casa José Dinis Fernandes, ofereceu a camioneta adaptada com um toldo (era o mês de Dezembro e à noite). Lá se encheu a camioneta de aficionados na paragem indicada, no Alto das Covas. Os convidados ao chegarem aos Biscoitos ficaram surpreendidos como tudo estava a rigor... uma adega tinha mesmo que estar cheia de pipas e de bom vinho da época, decorada com motivos taurinos e com uma ampla mesa onde se iria servir a ceia e dar início à festa. Depois dos amigos dos toiros terem ceado, com muita alegria e conversas a rever assuntos tauromáquicos, vieram os discursos sobre o que interessava, que era dar a conhecer a finalidade da ceia. Começando pelo senhor Jose Albino, seguindo-se-lhe o crítico tauromáquico, senhor Ricardo Jorge e o senhor Pedro Alberto Leal, que na altura era estudante e chefiava o grupo de moços-deforcados do antigo Liceu de Angra do Heroísmo. Todos os três oradores fizeram elogios á festa que estavam vivendo e contribuiram para que a ideia do senhor Guilherme Cota não ficasse abortada. Assim, despedi-mo-nos daa Adega da Casa José Albino Fernandes e regressámos com as melhores recordacões dessa noite cheia de luar. E o senhor Guilherme Cota motivado a continuar com a sua ideia invicta para os aficionados terem uma tertúlia própria.

O local para o nascimento da tertúlia

Momento em que o distinto aficionado João Luís Pamplona abriu a Assembleia da Tertúlia. Pode-se ainda ver o microfone do Rádio Clube de Angra, sempre presente nos grandes acontecimentos da Terceira e noutras ilhas

dos toiros ou da festa brava (um bandarilheiro profissional, um cavaleiro amador, um amador tauromáquico e um forcado amador), a conversa era sobre toiros ou sobre coisas relacionadas com a tauromaquia. Já com os cafés tomados e os "whiskies"

senhor José Albino se ofereceu para fazer uma ceia na sua adega nos Biscoitos, para se reunirem aficionados, comprometendose a caçar codornizes para a ementa. Todos dissemos "mãos a obra! ". Deste modo se deram os primeiros passos para concretizar a ideia do senhor Guilherme.

Um excelente manjar de codornizes, cabrito e coelho, confeccionado pela senhora D. Maria Alvarina, esposa do senhor José Albino, e bem regado com bom vinho de cheiro dos Biscoitos, servido às 50 ou 60 pessoas ali reunidas. Foram usados diversos meios de transpor-

Dias depois da excelente festa que tiveram os aficionados taurinos nos Biscoitos, o senhor Guilherme Cota começou logo a trabalhar, no seu tempo livre, à procura de um espaço que servisse para principiar a formação da tertúlia. Viu diversos lugares mas, o que mais estava ao alcance das possibilidades, foi a casa da rua da Miragaia número 17- r/c, que iria servir para instalar a primeira sede. Assim, o senhor Guilherme deu a conhecer o lugar e o preço do arrendamento ao senhor José Albino, que assumiu a responsabilidade do pagamemo da renda mensal, no valor de 350$00, tendo sido a chave entregue de imediato, ficando ao cuidado do senhor Guilherme. Assim foram-se levando umas coisas para compor as salas,


Aspecto da ceia na Adega de José Albino Fernandes. Na outra foto podem-se ver os moçosde-forcados do antigo Liceu Nacional de Angra do Heroísmo. Pedro Leal é o quinto a contar da esquerda.

destinando os lugares onde seriam colocados os móveis, e fazendo alguns trabalhos de remodelação. Eu também levei algo que serviu para ornamentação das paredes. Construíu-se um "burladero", pintado pelo

O senhor Guilherme foi a casa da irmã, senhora que fora casada com o grande aficionado, senhor Alvaro Franco, pedir a necessária autorização para incluir no nome da tertúlia, o nome de Tomé Bello de Cas-

Grandes aficionados, vendo-se ao centro Antonio Machado Bendito (Tio Bailhão)

senhor Guilheme Cota, para dar a ideia de um bar. A noite lá estava eu com ele, animando-o e ajudando em tudo aquilo que ele precisasse. Entretanto, estavam os estatutos a serem elaborados pelos senhores Manuel Machado Cota, Henrique Barcelos e pela senhora D. Maria João Avila, tendo sido passados a papel selado e com oito assinaturas de pessoas idóneas, para entregar no Governo Civil, para a aprovação dos mesmos. Foram elas: José Albino Fernandes, Guilherme Manuel Areia Borges Cota, Manuel Machado Cota, Marcelo Borges Pamplona, João Luis Pamplona dos Reis, Henrique de Sousa Barcelos, Maria Alvarina Soares Fernandes e Maria João de Azevedo de Avila. O nome inicialmente escolhido para esta nova associação foi "Tertúlia Tauromáquica Terceirense". À ultima hora, foi proposto pelo senhor Guilherme Cota que se acrescentasse de Tomé Bello de Castro, já falecido, porque o "Memé", como era conhecido, era filho de uma familia de excelentes recursos financeiros, aficionado e amador tauromáquico (cavaleiro), tendo a sugestão sido aceite.

tro e pedir algo que pudesse ser colocado na sede como recordação. Foi-lhe oferecido um pequeno objecto de secretária com uma fotografia de "Memé".

Depois de elaborados os estatutos, foi o senhor Guilherme Cota quem as levou ao Governo Civil, e assinou no acto de entrega. A aprovação demorou alguns dias, para a PIDE (Policia Intema de Defesa do Estado) poder avaliar se real mente era para um clube taurino ou outra coisa que servisse para reuniões políticas. Já com o nome decidido e os estatutos aprovados, o senhor Guilherme Cota fazia os preparativos para a inauguração da Tertúlia Tauromáquica Terceirense "Tomé Bello de Castro", convidando aficionados de diversas classes sociais. No dia da inauguração o distinto aficionado e Director de Corridas, senhor João Luís Pamplona dos Reis abriu a Assembleia com a presença dos senhores José Albino Fernandes, José Dinis Fernandes, Gaspar Baldaya do Rego Botelho: Luis Gaspar de Lima, Alberto Ornelas Ourique, Eng. Fernando Ferreira de Avila, Manuel Machado Cota, Ricardo Jorge da Rosa, Antonio Machado Bendito (Bailão), Eng. Serigado Maia e a menina Maria de Fátima Soares Fernandes (7). Além das pessoas já mencionadas, houve outro grupo de aficionados a assistir ao acontecimento. Foram elas, Carlos Carvalhal, Guilherme Cota, RRaul Pamplona, António Silva, Luís Silva, Eldevino Lucas, Joaquim Simões e Osvaldo Simões.

HISTORIA

19

cional? Não haverá um lugar na sede para o nome ou foto do Homem que foi o grande impulsionador (10) duma instituiçãoo que muitos desejavam ter? Assim, termino a minha história com um olé a todos os aficionados da Festa Brava.

Notas: 1) Realizou-se no dia 12 de Dezembro de 1965, 2) Na véspera da ceia regressou ao continente, por motivos da sua vida particular. 3) Filho de Manuel Machado Cota, pessoa de grande estima, 1o. oficial da extima Junta Geral, explicador de ciências e matemática, antigo oficial miliciano do extinto B.l. 17, de Angra do Herolsmo, Comandante do Corpo de Bombeiros Voluntários de Angra do Heroísmo, oficial da antiga Legião Portuguesa, moço-de-forcados na sua juventude, crítico tauromáquico nos jornais locais e com um programa taurino nos microfones do Rádio Clube de Angra. Também pai do Eng. João Carlos Cota, antigo Director dos Serviços Florestais de Angra do Heroísmo, que foi guem ofereceu a madeira para a

Fátima Soares Fernandes descerrando a foto de seu pai José Albino Fernandes, na presença do pai e avô José Dinis Fernandes

Guilherme Cota e Osvaldo Simões no primeiro dia que a Tertúlia foi aberta ao público

Depois de vários oradores falarem sabre os beneficios que a Tertúdia Tauromáquica Terceirense iria trazer à nossa tauromaquia, foi terminada a sessão com muitos aplausos… cheios de calor taurino (8). Para que tudo fosse perfeito, foi servido um excelente e abundante copo-água, confeccionado e oferecido pela senhora D. Maria Alvarina Soares Fernandes. A seguir à inauguração fomos, o senhor Guilherme Cota e eu, os primeiros a entrar na sede da T.T.T. "Tomé Bello de Castro". Agora pergunto - durante esses 45 anos de vida da T.T.T. "Tomé Bello de Castro", nunca houve uma Direcção que procurasse saber quem foi a pessoa ou as pessoas que fundaram uma tertúlia que hoje é conhecida em todo o mundo taurino, com grandes feitos prestados a bem da tauromaquia nacional e interna-

cobertura da actual sede da T.T.T. Tome Bello de Castro. 4) Filho do ganadero Jose Dinis Fernandes. 5) Filho de Amadeu Simões, bandarilheiro de altemativa, dada por Tomás da Rocha e usava traje de luzes. Pai de 3 filhos: Amadeu, Joaquim e Osvaldo Simões. Todos eles foram forcados amadores nas décadas de 50 e 60 do século passado. 6) Em 19 de Dezembro de 1965. 7) Com 12 anos de idade, foi quem descerrou a fotografia do seu Pai, José Albino Fernandes. 8) O Radio Clube de Angra esteve presente. 9) A 22 de Janeiro de 1966. 10) O pai da Tertúlia

Osvaldo Simões


20

COLABORAÇÃO

Perspectivas Fernando M. Soares Silva fmssilva@yahoo.com

C

omo o termo especifica, na sua acepção contemporânea “automóvel” indica um veículo com capacidade de locomoção, geralmente com quatro rodas, impulsionado por motor próprio accionado por um combustível tal como gasolina, gasóleo, ou gás; a energia eléctrica já entrou no mercado e promete tornar-se favorita num mundo cansado da medonha e destruidora poluição causada pelos combustíveis tradicionais. Mais distante, mas muito promissória é a energia solar, já em fase experimental. O automóvel tronou-se indispensável no transporte de passageiros e de mercadorias. Como em todas as inovações tecnológicas e em todas as ciências e muitas outras esferas do pensamento e do relevante progresso humano, a invenção do automóvel, e da sua contínua evolução através dos tempos, foi e tem sido o resultado da sistemática acumulação dos esforços de muitos sonhadores, e de muitos empreendedores génios que anteviam e se esforçavam por um mundo mais progressivo, eficiente e prático. Este estudo focará não só fundamentais e principais eventos da História do Automóvel, como também os mais proeminentes e relevantes obreiros e representantes da invenção e do evolucionário progresso automobilístico. OS PRIMEIROS VEÍCULOS MOTORIZADOS ERAM PROPULSIONADOS A VAPOR Saliente-se desde já que a História aponta que os primeiros veículos com propulsão própria, ou autónoma, moviam-se, isto é, eram impulsionados por engenhos accionados a vapor. Embora historiadores antigos e modernos disputem o merecimento desta atribuição, dizendo que o engenho de CUGNOT nunca demonstrou ter sido funcional, o British Royal Automobile Club e o Automibile Club de France reconheceram o francês NICOLAS JOSEPH CUGNOT, (1725-1804), como inventor, no ano de 1760, do primeiro destes veículos que, por serem muito pesados, lentos e pouco práticos, nunca atingiram popularidade naquelas épocas, mas, no entanto, serviram de estímulo para subsequente e expandida criatividade e para a eventual invenção do “automóvel” propulsionado por engenhos de “combustão interna” que, ultimamente resultaram no desenvolvimento dos multiformes tipos de automóveis usados em todo o mundo.

(Desenho da “trolley” inventada por Cugnot em 1769)

A título de curiosidade, refirase aqui que o invento de Nicolas CUGNOT foi precedido, em 1752, pela carruagem quadricicla (de 4 rodas) do russo LEONTY SHAMSHURENKOV, (1687-1758), construtor da primeira autocarruagem) a qual era pedalada, e equipada com um rústico odómetro. Não era propulsionada por motor próprio. Em 1780, outro russo inventor, IVAN PETROVICH KULIBIN (1735-1818), construiu uma carruagem tricicla (de 3 rodas), com pedais e equipada de acessórios tais como travões, caixa de mudanças e volante.

15 de Janeiro de 2011

Quem inventou o automóvel? vel moderno.

engenho de combustão interna denominado “boxermotor” e continuou a expansão dos seus produtos pelo mundo industrial de então. Durante os derradeiros anos do século XIX a Companhia Benz era a maior companhia automobilística do mundo.

Karl Benz

(Reconstrução da auto-carruagem de Shamshurenkov). A LONGA EVOLUÇÃO DA INVENÇÃO DO MODERNO “AUTOMÓVEL” CONJUGAÇÃO INTERNACIONAL E ASCENDÊNCIA ALEMÃ O primeiro veículo automóvel com motor de combustão interna apareceu em 1806. O suíço FRANÇOIS ISAAC DE RIVAZ (1752-1828) desenhou e construiu o primeiro motor de combustão interna usando como combustível uma mistura rudimentar de hidrogénio e oxigénio para propulsionar o seu invento. Embora a sua experiência não tivesse sido inteiramente satisfatória, ela suscitou o interesse de vários outros distintos engenheiros, inventores e industriais da mesma era, tais como SAMUEL BROWN (inventor inglês) SAMUEL MOREY (norte-americano, 1762-1843), e ETIENNE LENOIR (belga, 1722-1900) (inventor do “hippomobile”). Estes engenheiros, como outros do mesmo período cronológico, desenharam e construíram engenhos de combustão interna, que, no entanto, não tiveram o êxito e o reconhecimento acordados aos produzidos por subsequentes inventores alemães. Engenheiros alemães, nomeadamente GOTTLIEB DAIMLER (1834-1929), (engenheiro e empresário alemão, inventor dum motor de altas velocidades e do veículo automóvel de 4 rodas,; WILHELM MAYBACH (inventor alemão, 1846-1929., construtor do primeiro motor de combustão interna apropriado para terra, ar e água); e SIEGFRIED MARCUS (austríaco-alemão) 18311898), prosseguiram nos seus esforços de descoberta de motores com mais aperfeiçoada combustão interna. A História aponta que o mais proeminente e feliz foi o famoso KARL BENZ, (1844-1929) considerado por muitos o inventor do automó-

Embora seja inexacto e um pouco hiperbólico dizer-se que BENZ e DAIMLER inventaram “o automóvel”, também é incontroverso que KARL BENZ e a sua Companhia Bens, Co., fundada em 1883, e eventualmente aliada a GOTTLIEB DAIMLER (1834-1900), (empresário industrial e engenheiro inventor do primeiro motor a petróleo a altas velocidades), engenharam o primeiro e altamente bem sucedido e prático motor propulsionado a gasolina que deu início à aurora do automóvel moderno. O desenho do seu motor integrava componentes já existentes, mas adaptava-os a novos e originais elementos tecnológicos que, conjuntamente criavam novos conceitos, e se tornaram merecedores da patente que foi outorgada a Karl Benz em 1886. A distribuição e venda destes primeiros modelos começou em 1888.

Foto do original Benz Patente Motorwagen, 1885. O seu primeiro Motorwagen, construído em 1885, mereceu-lhe mais uma patente em Janeiro de 1886. Imediatamente após, em Julho do mesmo ano, Karl Benz iniciou a promoção e venda do seu novo veículo na Europa, apresentando-o já quadriciclo, com um motor de quatro “strokes”, económico e de custo relativamente acessível. Naturalmente, o uso e a popularidade do Motorwagen cresceram rapidamente. Nessa altura, o francês ÉMILE ROFER, que, sob licença especial, já fabricava os motores de Karl Benz em França, adicionou os automóveis Benz à sua própria agência de marketing. Aponta a História que os automóveis Benz tiveram maior venda em França do que na Alemanha. Em 1896, Benz desenhou e patenteou novo

Foto do primeiro autocarro do mundo. Foi uma adaptação, efectuada em 1895, dum “truck” Benz. O empresário industrial e inventor GOTTLIEB DAIMLER, já anteriormente mencionado neste artigo, foi de enorme importância no marketing e na expansão da emergente indústria automobilística. Além da sua aliança com KARL BENZ, DAIMLER e o já citado WILHELM MAYBACH fundaram, em 1890, uma Companhia, DAIMLER MOTOREN GESELLSCHAFT, que, dedicada à promoção, marketing e venda de produtos automobilísticos, ficou conhecida simplesmente como DAIMLER. O seu primeiro automóvel, vendido em 1882, era originalmente uma carruagem (stagecoach) puxada por cavalos. A modificada carruagem, que continha um motor concebido e manufacturado por Daimler e Maybach, tornouse popular, e, em 1885 a Companhia já havia vendido mais de 30 exemplares. Aponta a História que GOTTLIEB DAIMLER faleceu em 1900, e que, ao findar o mesmo ano, o seu sócio MAYBACH conseguiu fabricar um revolucionário motor para novo automóvel. Mas havia que arquitectar a sua promoção e venda através da Europa. Convencidos da sagacidade do proeminente membro da sua Direcção, ÉMILE JELLINK, (1853-1918) austrohúngaro, empresário internacional e distinto diplomata, a Companhia aceitou a sua sugestão e proposta, e denominou o novo motor e automóvel DAIMLER-MERCEDES. MERCEDES era o nome (de origem espanhola) da muito jovem (apenas 11 anos de idade), mas já muito linda filha de Jellink que propunha um nome atraente e “sexy” que denotasse elegância, graça, e “status”, tal como ele advogava que o novo automóvel, mais baixo e menos em forma de alto caixote como todos os modelos então existentes, menos pesado e mais veloz, deveria ser. O novo automóvel, modelo 35PSD, construído em 1901, foi um grande êxito instantâneo no mundo automobilístico daquele período, granjeando para

a Companhia grande reputação que ainda perdura. Em 1903, o dinâmico engenheiro e inventor MAYBACH, com o intuito de fundar a sua própria firma, auto-demitiu-se como director e sócio fundador da DMG, ocasionando assim a venda dos direitos da Companhia a outros interessados industriais. Muitos anos mais tarde, ou, mais precisamente, logo após os danos e a medonha crise económica causados na vencida Alemanha pela horrível Primeira Guerra Mundial, KARL BENZ tentou organizar uma coligação da sua companhia Benz & Co. com a DMG. Nessa ocasião, as suas propostas foram recusadas pelos dirigentes da DMG. Porém mais tarde, em 1924, a coligação foi aprovada condicionalmente por ambas as companhias. A consolidação formal e final foi efectuada no dia 28 de Junho de 1926. com a denominação MERCEDES BENZ que passou a ser designada em todos os produtos da nova Corporação. A indústria automotiva alemã continua sólida e próspera. impulsionada, sobretudo, pelas companhias MERCEDES BENZ, VOLKSWAGEN E BMW. EXPANSÃO INTERNACIPNAL DAS INDÚSTRIAS AUTOMOBILÍSTICAS O retumbante sucesso da indústria do automóvel fabricado na Alemanha incrementou a cobiça e acelerou os esforços dos empresários engenheiros e inventores interessados na produção e promoção de motores de combustão interna e de automóveis que pudessem competir com os produtos alemães. Assim, na FRANÇA, em 1890, ÉMILE LEVASSOR (1843-1897) (francês, engenheiro e pioneiro da indústria automóvel) e ARMDND PEUGEOT (1849-1915) (francês, empresário e pioneiro da indústria automotiva), iniciaram o fabrico de automóveis com motores da marca alemã DAIMLER, lançando assim os alicerces da indústria automobilística na vizinha nação francesa. Essa indústria cresceu, multiplicou-se e desenvolveu-se rapidamente com a emergência de diversas companhias, tais como a PSA PEUGOET CITROEN e a RENAULT, que mantêm vastas forças laborais e técnicas, e são produtoras de modelos variados e práticos, característicos da índole gálica, populares e muito em demanda em países europeus.

(continua na próxima edição)


COLABORAÇÃO

21

Portuguese Fraternal Society of America ASSURANCE. PROTECTION. RELIABILITY.

What Matters Most?

• Provide security for years to come • Help protect your family’s standard of living • Avoid leaving debt behind

We Protect Your Future…

Offering SAFE and SECURE Fraternal Insurance for its members since 1880… WHAT DIFFERENTIATES A FRATERNAL SOCIETY OVER COMMERCIAL INSURERS ? While commercial insurers utilize "closed" contracts, i.e., self-contained agreements with set terms, fraternal benefit societies employ "open" contracts. Open contracts are memorialized by the member's application, the insurance certificate, and the society's articles of incorporation and bylaws. Central to this dispute, open contracts also explicitly recognize that the articles of incorporation and bylaws are subject to change, and that any subsequent amendment to them is incorporated into the preexisting open contract as long as it does not destroy or diminish the benefits promised in the original contract. (Kaplan Financial, 2008) When you become a member of the PFSA, you are eligible to purchase term life insurance, return of premium insurance, whole life insurance, and a Coverdell Education IRA.—The PFSA, an organization that is committed to family, community, and country. From a college education for your children, to a secure and rewarding retirement, we have a variety of financial and investment choices that can help you take control of you and your family’s future.

HOW DO I BECOME A MEMBER? It’s simple. Our members are our insured. Anyone purchasing a…

10-YEAR AND 20-YEAR TERM: Level premium plans with a fixed term coverage. Although these plans do not offer cash value or reinstatement provisions they provide protection at a lower cost than whole life. All these Term plans are convertible to a whole life at any time during the term of the contract, by request of the insured and before the insured’s 60th birthday and for an amount equal or lower than the original coverage amount. The Conversion provision does not require additional proof of insurability or medical examinations.

BENEFITS:

➢ Lower cost ➢ More purchase power ➢ Conversion provision

TARGET MARKET: Young families planning for their children’s education and raising needs. The conversion option makes these plans very attractive because it allows the insured to convert the plan to a whole life.

10-YEAR AND 20-YEAR PAY LIFE: Level premium plans with a fixed number of premium payments. These Plans offer cash value accumulation and re-instatement options. Excellent product when planning costs of insurance.

BENEFITS:

1-866-687-PFSA (7372)

• Protect your family or provide a benefit to others • Automatic and flexible payment methods annually, semi-annually, quarterly, or monthly • Help protect you and your family’s assets from the unexpected

➢ Cash Value accumulation ➢ Discounts for early payoff ➢ Forecasting the total cost of insurance ➢ Policy Loans may be granted against the cash value (loan may not exceed 80% of available cash value) ➢ Policy may be re-instated up to 5 years from last due date (medical approval may be required) ➢ Lower Face limit amounts than “interest sensitive” products

TARGET MARKET:

Excellent product for someone who wants to buy or offer insurance protection, but wants to budget and manage the cost of coverage.

20-YEAR AND 30-YEAR RETURN OF PREMIUM: Level premium plans with a fixed number of payments and fixed term. Unlike term insurance, these plans offer cash value accumulation, re-instatement options and policy loans. At the end of the 20 or 30-year term, insured will be paid the total premiums paid minus council dues and any indebtedness they may have.

BENEFITS:

➢ Lower cost than whole life plans ➢ Policy Loans may be granted against the cash value (loan may not exceed 80% of available cash value) ➢ Policy may be re-instated up to 5 years from last due date (medical approval may be required) ➢ Cash Value accumulation ➢ Forecasting the total cost of insurance ➢ Reimbursement of premiums. At the end of the Term member gets reim bursed for all premiums paid except the Council dues.

TARGET MARKET: Young adults and families who want to buy insurance protection for a determined number of years with the assurance that at the end of the term they will get the premium amount returned to them. Home buyers looking for Mortgage Insurance

COVERDELL EDUCATION IRA ➢ Coverdell (Education) IRA – great to start a college fund for children; deposits can be made until the child is 18 years of age; annual deposits up to $2,000.00; funds can be withdrawn for education tax free; funds my be transferred to another child. Minimum to open is $100.00 plus Membership dues

PORTUGUESE FRATERNAL SOCIETY OF AMERICA 1120 East 14th Street, San Leandro, CA 94577 Phone: (510) 483-7676 • 1-866-687-PFSA Fax: (510) 483-5015 www.mypfsa.org

Have a rep contact you today! 1-866-687-PFSA (7372) Or email us at MyPFSA@MyPFSA.org


22

PATROCINADORES / COMUNIDADE

Casa dos Açores de Hilmar tem nova Direcção: A nova Direcção da Casa dos Açores de Hilmar, California, é constituida pelos seguintes elementos: Presidente: Frank Furtado Vice-Presidente: José Aguiar Secretario: Vital Marcelino Tesoureiro: Cipriano Melo Director Cultural: André Santo Director Associativo: Jorge Gois Director Disciplinar: José Azevedo Director do Bar: Clímaco Borba

Conselheiros: Manuel Eduardo Vieira Angelo Cardoso Jose Rosa

15 de Janeiro de 2011


DESPORTO

23

LIGA ZON SAGRES O Porto continua a dar cartas em Portugal Liga Zon Sagres 2010/2011

J

V

E

D

P

FC Porto Benfica Sporting U. Leiria Guimarães Nacional Sp. Braga Beira-Mar Olhanense Académica Marítimo Paços Ferreira Setúbal Rio Ave Portimonense Naval

15 15 15 15 15 15 15 15 15 15 15 15 15 15 15 15

13 11 8 7 6 6 6 4 4 5 3 3 4 3 2 2

2 0 4 3 4 4 2 8 7 4 7 7 4 5 3 2

0 4 3 5 5 5 7 3 4 6 5 5 7 7 10 11

41 33 28 24 22 22 20 20 19 19 16 16 16 14 9 8

Liga Orangina 2010/2011

J

V

E

D

P

Feirense Oliveirense Arouca Trofense Leixões Gil Vicente Varzim Penafiel Estoril Desp. Aves Santa Clara Moreirense Sp. Covilhã Freamunde Belenenses Fátima

13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13 13

7 5 5 5 4 4 3 4 4 4 4 4 4 2 3 2

3 6 5 5 6 6 8 5 4 4 4 4 3 8 5 4

3 2 3 3 3 3 2 4 5 5 5 5 6 3 5 7

24 21 20 20 18 18 17 17 16 16 16 16 15 14 14 10

II Divisão Zona Sul 2010/2011

J

V

E

D

P

Atlético CP Torreense Pinhalnovense Mafra Operário Madalena Louletano Juventude Atlético SC Oriental Carregado Casa Pia Farense Real Lagoa Praiense

14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14 14

8 8 7 6 6 7 5 5 6 4 4 3 1 3 2 1

6 3 5 6 6 2 6 5 1 6 4 4 8 2 3 5

0 3 2 2 2 5 3 4 7 4 6 7 5 9 9 8

30 27 26 24 24 23 21 20 19 18 16 13 11 11 9 8

III Divisão - Série Açores 2010/2011

J

V

E

D

P

Angrense Lusitânia Santiago Prainha Vilanovense Boavista U. Micaelense Capelense Sp. Ideal Vitória

12 12 12 11 12 11 12 12 12 12

7 6 5 4 4 3 3 3 3 0

3 5 6 4 3 5 5 4 3 4

2 1 1 3 5 3 4 5 6 8

24 23 21 16 15 14 14 13 12 4

in açorianooriental

"Encarnados" cumprem em Leiria O Benfica repôs os oito pontos de diferença relativamente ao FC Porto, líder da Liga portuguesa, ao derrotar fora a União de Leiria por 3-0, na 15ª jornada e última da primeira volta, enquanto a Naval voltou a ganhar ao fim de quase quatro meses e meio na estreia de José Carlos Mozer como treinador. Javier Saviola inaugurou o marcador em Leiria aos 27 minutos, num remate no coração da área após assistência de cabeça de Eduardo Salvio e, depois de este jogador ter acertado no poste da baliza de Eduardo Gottardi, Nicólas Gaitán desfez qualquer dúvida quanto ao desfecho a dez minutos do fim, após assistência de cabeça de Óscar Cardozo. O ponta-de-lança do Paraguai fez depois o terceiro tento dos “encarnados” nos descontos da segunda parte, num forte pontapé dentro da área, na sequência de um cruzamento do recém-entrado Franco Jara. A quinta vitória seguida no campeonato deixou o conjunto de Jorge Jesus com 33 pontos, ao passo que os “dragões” somam 41. A Naval averbou a segunda vitória no campeonato desde 22 de Agosto (2ª jornada) ao ganhar em Guimarães por 2-1. Apesar de reduzida a dez elementos por expulsão de Carlitos em cima da hora de jogo, a formação da Figueira da Foz deu a volta ao resultado em Guimarães durante a segunda parte mercê de um penalty de Fábio Júnior (73) e um tento de Marinho a quatro minutos do fim, após João Alves ter aberto o activo na etapa inicial. Tratou-se do primeiro desaire dos vimaranenses na cidade-berço e também por isso um triunfo motivador para a Naval, que vinha de quatro derrotas consecutivas e, não obstante se manter ainda na cauda do pelotão, dista agora seis pontos da zona de manutenção.

De resto, um golo de Maurício aos 23 minutos fez o Olhanense sair do terreno do Rio Ave com uma vitória por 1-0 que lhe permitiu subir ao nono lugar, uma posição abaixo do Beira-Mar, que empatou a zero no reduto do Nacional, sexto da tabela. Sem golos terminou igualmente a recepção da Académica ao Paços de Ferreira, num encontro que assinalou a estreia do treinador José Guilherme à frente dos "estudantes".

Brilho de Guarín ilumina FC Porto Fredy Guarín bisou na vitória (41) do FC Porto sobre o Marítimo e ajudou a deixar o líder com 11 pontos de vantagem sobre o Benfica, enquanto o Sporting derrotou o Braga por 2-1. Dois excelentes golos de Fredy Guarín ajudaram o FC Porto a derrotar o Marítimo por 4-1 e a aumentar provisoriamente para 11 pontos a vantagem sobre o Benfica no topo da Liga portuguesa, em partida da 15ª jornada, a derradeira da primeira volta, enquanto o Sporting derrotou o Sp. Braga por 2-1. O médio da Colômbia inaugurou o marcador no Estádio do Dragão aos 38 minutos, num pontapé fulminante a 37 metros da baliza defendida por Marcelo e, ainda antes do intervalo, João Moutinho acertou no poste direito. Hulk, melhor goleador do campeonato, cimentou o estatuto ao fazer o seu 14º tento na prova, à passagem da hora de jogo, num remate de longe com o pé esquerdo. O Marítimo reduziu a diferença aos 71 minutos, por Baba, a desviar a bola de cabeça na sequência de um livre, mas Guarín tratou de desfazer quaisquer dúvidas relativamente à vitória dos "dragões" ao bisar ape-

Mourinho, Messi e Marta Os melhores do mundo «Trabalhei muito para chegar aqui, mas não chego sozinho» - afirmou José Mourinho ao receber o prémio de melhor treinador do mundo. José Mourinho dedicou o prémio de melhor treinador de futebol masculino aos seus jogadores, colaboradores e família. Na hora de celebrar, o «especial» falou em português, por ser um «orgulhoso português». Ao começar o discurso de aceitação do prémio, Mourinho deu os parabéns «a dois fantásticos treinadores», os seus rivais para este prémio: Vicente del Bosque, seleccionador de Espanha, e Pep Guardiola, treinador do Barcelona. Satisfeito pela vitória, Mourinho não esqueceu quem o ajudou a conseguir o prémio:

«Trabalhei muito para chegar aqui, mas não chegou sozinho. Cheguei com os meus jogadores, com os meus colaboradores, e cheguei, principalmente, com a força dos que me amam e me esperam para celebrar este momento fantástico».

nas quatro minutos depois, antes de Hulk oferecer o quarto da noite a James Rodríguez, a dez do final. Houve tempo ainda para o regresso de Mariano González aos relvados, perto do fim, após lesão grave num joelho que impediu o argentino de jogar durante dez meses. O triunfo fez a equipa de André Villas-Boas retomar o caminho das vitórias após averbar a primeira derrota da época no fim-de-semana passado, frente ao Nacional, na Taça da Liga e deixou-a com 41 pontos, enquanto o Benfica soma 30 antes da deslocação ao terreno da União de Leiria, quarta classificada, no domingo. No Estádio José Alvalade, o Sporting viu-se obrigado a substituir Hélder Postiga logo na fase inicial do encontro, mas coube ao jogador que entrou para o seu lugar, Diogo Salomão, inaugurar a contenda aos 11 minutos, apenas três depois de estar em campo, num espectacular toque de calcanhar perto do limite da pequena área, todo no ar e de costas para a baliza. A equipa de Paulo Sérgio aumentou o resultado instantes depois, quando Liedson abriu caminho para o remate cruzado de Jaime Valdés, antes de Paulo César estabelecer o desfecho final aos 17, ao dar a melhor sequência a um cruzamento de Alan. O triunfo deixou o Sporting, terceiro classificado, a dois pontos do rival Benfica, enquanto a turma de Domingos Paciência continua no sétimo posto. Na sexta-feira, o Vitória de Setúbal venceu fora o Portimonense, por 4-3, na estreia do treinador Carlos Azenha à frente do conjunto do Algarve e numa partida em que Cláudio Pitbull bisou para os forasteiros. O conjunto de Manuel Fernandes saltou para o 12º lugar, enquanto os homens de Portimão seguem na penúltima posição. in uefa.com


24

TAUROMAQUIA

Monumento Ao Toiro

Será no dia 22 de Janeiro a inauguração do Monumento ao Toiro, uma cerimónia integrada no programa de comemorações do 45.º aniversário da Tertúlia Tauromáquica Terceirense (TTT). Este evento foi apresentado em conferência de imprensa, onde foi ainda anunciado que para além da inauguração do monumento, o aniversário vai contemplar ainda a emissão de um selo e subscrito alusivos à nova infraestrutura, implantada numa rotunda na freguesia de São Bento, em Angra do Heroísmo. Segundo foi divulgado, a cerimónia está marcada para as

15h junto ao local e, além da presença das autoridades oficiais envolvidas no surgimento do monumento (que será revestido a bronze), pelas 16H00 decorrerá uma homenagem aos sócios fundadores da TTT. O programa comemorativo encerra às 19H00, nos Paços do Concelho, com uma cerimónia de doação do monumento à autarquia, seguida da apresentação da exposição fotográfica sobre o monumento ao toiro por Hermano Noronha. Fonte: Jornal "A União"

15 de Janeiro de 2011

Quarto Tércio

José Ávila josebavila@gmail.com Tiro o meu chapéu a todas as nossas organizações taurinas da California que

pensam em investir em Corridas Mistas cavaleiros, matador e forcados. Nem só de cavalos vive o mundo taurino. Sempre na nossa historia houve corridas mistas. A moda das corridas de cavaleiros só apareceu nos anos oitenta. Vamos mudar isso e Viva a Festa Brava.

Tiro todos os meus chapéus e de alguns amigos à Comissão que teve a coragem de projectar o

Monumento ao Toiro na rotunda mesmo ao lado da Monumental de Angra do Heroísmo, que vai ser inaugurado no dia 22 de Janeiro. Bem merecia a Terceira ter um monumento destes em homenagem ao Toiro, matéria prima imprescendível da nossa festa brava. Aqui ficam os nomes da Comissão e do autor da obra, a quem tiro também o meu chapéu de aficionado: João Paes , Rui Silva (Picão), Ildebrando Ortins, Paulo Raimundo, Arlindo Teles, José Porto, José Valadão, João Hermínio Ferreira, José Brasil, Firmino Valdemar, Martinho e Renato Costa Silva - Artista executor do Monumento ao Toiro na Ilha Terceira.

Ganadarias Toiros

Toiros Corridos em prontos para 2010 correr em 2011

Açoriana António Cabral António Nunes Candido Costa Casa Agrícola Manuel Machado Frank Borba & Filhos Joe Pacheco Joe Parreira Joe Rocha Joe Souza Manuel Carmo Manuel Correia Manuel Costa Jr. Manuel Sousa Jr. Mario Teixeira

Vacas de ventre

Sementais

Corridas contratadas + faladas para 2011

27 1 0 3 0

47 6 6

120 30 32

4 3 1

0

25

1

0+7 1/2 0 Desistiu 0

15

35

80

2

2

N/A 12 17 20 30 0 N/A 22 3 A desbastar

N/A 53 30 72 115 26 N/A 130 18 TOTAL

N/A 2 3 3 2 1 N/A 12 2 Éguas

N/A=not available

Agualva António Cabral Irmãos Martins Joe Souza Manuel Correia Artistas Locais

N/A 0 0 14 4 0 N/A 25 0 Cavalos prontos para tourear 9 8 10 6 1 Actuações 2010

4 2 3 4 3 Contratos 2011

13 10 13 10 4

10 7 6 16 7

David Vaz Mário Teixeira Paulo Ferreira Sário Cabral Grupos de Forcados

N/A 12 9 6 Corridas em 2010

Forcados Amadores de Merced Forcados Amadores de Turlock Forcados Aposento Turlock Forcados Sul da California

2+6*

N/A 0 2 3 Toiros pegados Corridas conem 2010 tratadas + faladas 20 3+2

Coudelarias

12 10

40 (6 pegados nos 5 Açores) 25 0+6

N/A

N/A

N/A

0 0 0 0 0 N/A 0 0 Poldros + poldras 3+2 2+2 5+4 3+5 1+2

Mais uma vez lembramos às nossas organizações taurinas para convidarem ganaderos que pouco toureiam e dar-lhes uma oportunidade de mostrarem os seus toiros. Devemos repartir a festa por todos, pois só assim podemos crescer mais equitativamente e com mais justiça.

Sanjoaninas 2011 Grupo de Forcados do Aposento de Turlock estará presente Muito embora não se saiba ainda o cartel completo da Feira Taurina deste ano, podemos no entanto adiantar que o Grupo de Forcados do Aposento de Turlock estará presente na Corrida de Concurso de Ganadarias a realizar no dia 25 de Junho. Mais uma vez a forcadagem da California estará presente nesta importante Feira, o que deve ser motivo de orgulho de toda a aficion californiana.

Alternativa do Cavaleiro Sário Cabral

*Corridas mexicanas

A alternativa do cavaleiro praticante Sário Cabral, de Madera, poderá ocorrer na Corrida Comemorativa dos 35 Anos do Grupo de Forcados de Turlock, que se realizará no fim de semana do Memorial Day, na Praça de Stevinson. Os pormenores da corrida saber-se-ão mais tarde.


TAUROMAQUIA

Tourada à Corda em Buhach

25

Fotos de Jorge Avila "Yaúca"

Acompanhe o Tribuna todos os dias quer no Facebook quer na nossa nova webpage www.tribunaportuguesa.com


26

ARTES & LETRAS

15 de Janeiro de 2011

A República, da Esperança ao Fracasso, de João Medina * Onésimo Almeida 1. O republicanismo português, desde a eclosão partidária da sua doutrina até ao termo do sua realização como regime, durou meio século e suscitou, como reacção à sua vigência trepidante e caótica, como herança maior e mais calamitosa, um regime de contra-revolução que vingaria por meio século e se havia de alicerçar na sistemática coesão de todas as forças ideológicas, sociais e políticas opostas aos princípios fundamentais que tinham sido o alicerce mesmo da sua mundivisão republicana, liberal nas ideias, modernizadora nos intuitos sociais e progressista na sua edificação prática. Dito de outro modo, a República falhou na sua tentativa de modernização do país e o seu enorme fracasso de reforma de Portugal foi responsável pela tão longa duração (1926-1974) e resistência duma forma autoritária de poder, de regime retrógrado e sociedade arcaizante contra as quais o ideário da Propaganda Republicana, radicalizando a deformada e tíbia forma monárquico-constitucional do liberalismo (grosso modo, de 1820-1910) a tão troçada “liberdade outorgada” - intentara deitar por terra, após o fracasso dos dois anteriores tentames de construção duma ordem social inovadora, ou seja, o pombalismo e, sem seguida, o liberalismo. retomando muito dos intuitos laicizantes e economico-sociais modernizadores diamantinamente aplicados pelo “despotismo esclarecido” de Pomba1 (1756-1777) e do vintismo, em seguida reconfigurado como Regeneração (1851-1910) - em suma, o republicanismo foi, no seu âmbito de meio século de vigência como esperança na década e meia de regime estabelecido desde a revolução do 5 de Outubro de 1910, um sonho visceralmente burguês de modernizar Portugal, de nele enraizar o sistema demoliberal vindo das Luzes e da Revolução francesa, uma tentativa com laivos messiânicos (ou até mariânicos, pela confusão da República com a Virgem Maria) e sebastianistas “vermelhos”, um fracasso que se pagou caro com a longa e nauseada desafeição dos portugueses pelo sistema de liberdades e representação pelo sufrágio. 2. Os curtos anos de duração desse confuso, caótico e sanguinolento regime seriam marcados por bernardas, inacreditável efemeridade de governos ( 47 ministérios em 180 meses de regime, numa média de quatro meses por cada governo), motins, desordens, intentonas falhadas, inúmeros crimes e violências - v.g., prisioneiros políticos abatidos durante a “leva da morte”, em 1918, centenas de mortes durante a revolução de 14-V-1915, linchagens (p.e., João José de Freitas, depois de disparar sobre João Chagas, no comboio, em 1915, morto pela multidão), assassinatos durante a “noite sangrenta” do 19-X-1921, etc.), que, ao todo, constituíam um carrossel alucinado de desacatos e desordens nas ruas e impossibilidade prática de actuação dos políticos que tinham de cavalgar esse tropel de bestas. Compreende-se que A. Ribeiro Lopes (1889-1965) tivesse sintetizado o drama dos políticos republicanos

desses anos alucinados como um poder que não lhes trazia proveito nem glória mas tão só expiação (Histoire de la République portugaise, Paris, 1939). 3. Esse período de caos e poder fragilizado foi marcado por uma série de erros e insuficiências graves que comprometeram de modo irreparável o défice político-social e prático da República. Destaquemos, antes de mais, a lei da Separação da Igreja e do Estado (20-IV-1911), instrumento acintoso de perseguição aos sacerdotes católicos e aos fiéis da Igreja Romana, além de implacável máquina burocrática montada contra o exercício da religião católica, com o intuito confesso do seu autor, o “irmão Platão“ maçónico Afonso Costa, de eliminar o catolicismo em duas gerações. Esta afronta e este abrasivo empecilho legal incompatibilizariam com o regime republicano um sector que, no Portugal de então, disponha de larga maioria no meio da população, lançando na natural oposição hostes difíceis de anular ou vencer. O exército, saneado com rude falta de tacto e com o recurso a “revolucionários civis” que fragilizavam a armadura nacional e legal das forças armadas, seria outro segmento da sociedade que o novo regime julgara poder moldar como barro mole. As espadas tão acintosamente desprezadas pelo novo regime sentir-se-iam tentadas a intervir no jogo político, com uma insistência que conduziria a sucessivos tentames de ditadura castrense, desde Pimenta de Castro a Sidónio Pais, assim como, após o regresso da “”República Velha”, à guerra civil de 1919, nela se incluindo a gorada tentativa de revolução de Monsanto, a revolta militar em Santarém e a Traulitânia monárquica do Porto, e um infindável rosário de outras incursões no jogo político, com durindanas que seriam empunhadas por diversos homens e grupos de proveniências partidárias variadas, culminando com o golpe de Braga de 1926, aquele que decapitaria o regime demoliberal que julgara poder domar os militares e metamorfosear o país. 4. Coube ainda ao forças armadas sofrerem um das pragas mais nefastas que assolaram a I República, ou seja, a intervenção militar na guerra da Flandres e, desde 1914, na nossa colónias de Angola (a batalha de Naulila travou-se em Outubro de 1914), estendendo-se, já depois de declarado o conflito (16-III-1916), a Moçambique. Ao todo, esta guerra europeia e africana custaria a Portugal mais de dois mil baixas no exército a combater na França e de 20 a 30 mil em África, contando ainda com cerca de sete mil prisioneiros devolvidos pela vencida Alemanha imperial a Portugal. O guerrismo dos governos da “União Sagrada” – entre os quais salientava-se a acção belicista dos partidários de Afonso Costa e a diplomacia que João Chagas desenvolvia junto da França, onde era embaixador luso - ligaram à intervenção nesse conflito, de modo estreito e entranhadamente belicista à sorte da isolada República portuguesa no concerto europeu e, sobretudo, à sobrevivência do nosso império colonial africano – um cartoon na imprensa da época tornava visualmente evidente essa opção dada como inquestionável, mostrando uma ga-

linha chamada Portugal a defender o seu ninho de “Colónias” diante duma invasora águia germânica (Século Cómico de 15-I1917), ainda que, na sua réplica declaração formal de conflito, o embaixador alemão em Lisboa, Franz von Rosen, sublinhasse que Portugal se mostrava como “vassalo da Inglaterra”, subordinando “todas as outras considerações aos interesses e desejos ingleses”. A verdade é, que, na Flandres, a participação do nosso Corpo Expedicionário ficaria subordinada ao XI Corpo do Exército britânico, e, partir da esmagadora derrota de La Lys (9-IV-18), seria reduzido a patéticos destroços sem autonomia estratégica. A revolta sidonista, em Dezembro de 1917, feita por tropas que estavam então escaladas para a Flandres, e que dessa interessada participação na revolução dezembrista ganharam o não irem para a grande “leva da morte” europeia, iria prejudicar de modo evidente o esforço bélico português, até porque deixou de haver rendição de tropas lusas na frente francesa, vigorando entre nós uma disfarçada neutralidade que alguns interpretariam, aliás erradamente, como sentimento prógermânico de Sidónio: os tiros que o prostraram em 14 de Dezembro saíam duma pistola empunhada por alguém que associava o “presidente-rei” às alegadas simpatias pelo país onde fora, por alguns anos, embaixador português. O facto de alguns dos conspiradores do 28 de Maio terem sido soldados de destaque na Flandres – como Gomes da Costa e Sinel de Cordes – não deixa de articular a queda da República com a sua funesta intervenção voluntarista na guerra... 5. Quanto às mulheres, essas nunca viram as suas aspirações feministas ou sufragistas atendidas pela intransigência do mesmo legislador dogmático e fanático que criara o monstro da lei da Separação - e do restritivo código eleitoral de 1913, negando o sufrágio às mulheres, aos padres e aos militares -, depressa compreenderam que o demoliberalismo da República se submetia ao populismo anticlerical e de modo soez empenhado em captar velhas estruturas caciqueiras do regime deposto em 1910, em vez de se abrir com coragem e ousadia aos ditames liberais, o que traria aos cidadãos o escândalo da “Adesivagem”, uma das máculas mais confrangedoras e insuportáveis de toda a vigência da I República, contrastando de modo gritante com os seus tão apregoados visos de moralização e barrela ideológicas. 6. O operariado, metralhado na greve das mulheres e dos jovens da indústria conserveira, em Setúbal, logo em Março de 1911, perceberia que iria encontrar no novo regime uma hostilidade mais feroz do que aquela que a monarquia constitucional votara aos trabalhadores. A alcunha de “Racha-Sindicalistas” dada a Afonso Costa, por via da sua actuação no seu primeiro governo, com suspensão da Casa Sindical e prisões em massa de sindicalistas – muitos dos quais só sairiam dos cárceres, onde apodreciam sem culpa formada, quando triunfasse a revolução sidonista em 1917 -, mostrava às forças operárias e aos sindicatos por elas organizados, que a República tinha uma enorme carência de ideário

Apenas Duas Palavras

Diniz Borges d.borges@comcast.net A República Portuguesa celebrou o seu Centenário. Ao longo de 2010, ocorreram inúmeras celebrações, colóquios, simpósios, exposições e outros certames que celebraram a efeméride. Nós aqui na Maré Cheia, também o fizemos. E porque esta é a primeira edição de 2011, aqui vai um trabalho magnífico do nosso amigo, o Professor Doutor Onésimo Teotónio Almeida. Vai sem mais comentários, porque queremos que todo o espaço seja dedicado a este brilhante texto. Queremos porém, roubar mais duas linhas, para agradecer, sinceramente, a todos quantos têm colaborado com esta página de artes e letras. A única num jornal de língua portuguesa nos EUA. Os meus agradecimentos a todos os colaboradores e a todos os leitores. Abraços, com votos de Bom Ano! diniz social, o que se demonstrada, desde logo, com a lei de Brito Camacho regulando os conflitos de trabalho pouco semanas depois de proclamado o novel regime. As greves e o estado de sítio durante o governo de Augusto de Vasconcelos (Janeiro de 1912) e a maneira violenta como os manifestantes operários foram então reprimidos pelas forças policiais e militares - a Casa Sindical foi então ocupada pela tropa e muitos manifestantes presos nos porões de navios surtos no Tejo -, tanto na capital como noutros pontos do país, já tinham mostrado o que é que o operariado podia esperar dos tão apregoados intuitos sociais do novo regime. 7. A esta escassez de conteúdo social inovador e modernizador haveria que somar ainda a emigração que não parava de crescer em busca de países onde trabalhar e escapar à maldição duma terra sáfara e de ordenados miseráveis - indo de preferência, e como sempre, para o Brasil, pois ninguém parecia interessado em povoar a África colonial lusa -, desde que a bandeira se tornara verde-rubra e, dum modo igualmente revelador, que a diminuição do analfabetismo ao longo da década e meia de instrução republicana comprovava que não havia aqui uma qualquer revolução nos costumes e nas práticas com vista a qualquer melhoria sensível com um regime que, até 1910, fora sobretudo agrário, iletrado, tutelado pelos grandes proprietários rurais e pelas forças do capital. Um país rural, com o predomínio e esmagador do sector primário das actividades, continuaria a ser rústico na sua pirâmide social – daí a pertinência do Zé Povinho como seu estereótipo nacional -, emigando, entre 1911 e 1913, para o Brasil, 3,7 % da população (fluxo migratório que tornaria a subir no período após o final da guerra). Do lado do lentíssimo progresso da alfabetização, constatava-se que, no combate às trevas do espírito, no período de 1911-20, a taxa de analfabetismo só descia de 69,1 % para 66,2 %, e, em 1930, ainda


PATROCINADORES

27

Enviam-se encomendas através do USPS ou UPS

se cifrava nos 61,8 %, pois só em 1940 Portugal podia registar uma percentagem de analfabetos abaixo de metade da população, com uma taxa de analfabetismo então situada nos 48,8 % da população. 8. Em suma, a República não modernizara de modo significativo ou notável o país, fosse em que sector que fosse, não o fazendo evoluir em termos materiais e culturais, não sendo de estranhar que a deusa Ceres – deusa da agricultura (a Cibele dos gregos) - figurasse como figura totémica essencial nos selos postais portugueses a partir da proclamação da República, como se não houvesse, nesta escolha simbólica, naquela camada nova de políticos, qualquer desejo de industrializar a sério Portugal ou fazer progredir realmente o país: se havia 57 % da população activa em 1911, em 1930 ela ainda andava pelos 46 % no sector primário. O novo regime não dera aos Portugueses alfabetização, escolaridade, progresso de vida material e cultural, estruturas significativamente modernas na sociedade em geral – pois até nas artes o único grande movimento estético inovador e dissidente registado durante a sua atribulada e ofegante duração, foi o Modernismo, cujo estridente pregão retórico, o Manifesto anti-Dantas (1915) de Almada Negreiros, era sobretudo um impiedoso manifesto contra o novo regime, os seus ridículos e acacianos gurus e os seus estólidos e grotescos manipansos artistas literários e plásticos como esse autor d’A Ccia dos Cardeais , um “adesivo” que remataria a sua

carreira de vira-casacas aderindo à ditadura do Estado Novo. 9. A revolta militar do 28-V-1926, realizada por um misto de forças partidárias republicanas e integralistas, com o mudo beneplácito da Igreja católica, saldar-se-ia, após um acidentado galope de fardas por angustiados trancos e barrancos e agudas vicissitudes financeiras que pareciam perpetuar o permanente caos da I República, pela progressiva deslocação da “ ditadura académico-castrense ou, se se preferir, bélico-escolástica. Ditadura de generais – ou coronéis – e de catedráticos, com uma ou outra gota eclesiástica” (como se exprimia Unamuno, em 1935, sobre a natureza da nossa experiência de militares de mistura com catedráticos) para um glacial ditador das contas, o tal “ditador das finanças” que ascenderia a Ditador tout court do novo regime, dispondo duma constituição (1933) aprovada por referendo em vez de ser uma nova Carta outorgada, e procedendo mesmo esse misto de modelos político-idológicos a simulacros eleitorais desde 1934. Representou esse regime híbrido e camaleónico instaurado por Salazar na sequela da ditadura militar, espécie de “integralismo republicano”, uma permanência dos moldes republicanos? Estaríamos, a partir da ditadura pessoal de Salazar, ainda em República? Haveria algo de genuinamente republicano nas instituições e nos símbolos, na liturgia política do Estado ou das fórmulas de funcionamento burocrático, de II República autoritário-orgânica e corporativa após o período de

década e meia de demoliberalismno? Cremos que Salazar e o seu Estado Novo estabelecido de forma permanente e estável desde 1932-33 optaram antes por uma mumificação da velha República decapitada em Braga em 1926, conservando um mínimo de símbolos, os menos evidentes e menos arreigados, como a bandeira, expurgando, por exemplo, a fórmula do “Saúde e Fraternidade” com que se encerravam os ofícios estatais, remetendo para o museu postal o velho e teimoso símbolo totémico da Ceres. a deusa rural da agricultura. Ficou mais alguma coisa do republicanismo formal anterior? Digamos que não, pois, por um processo de típica lentidão evolutiva salazarista, as expressões residuais do formulário e da atmosfera ou índole íntima do modelo republicano demoliberal se foi evaporando de modo progressivo, bem “devagarinho”, como gostava de se exprimir Salazar, pois até o termo “cidadão”, usado no oficial Diário do Governo, havia de desaparecer para se substituir pelo neutro “senhor” ou “doutor” ou “licenciado”. 10. Em suma, a República, ausente no pessoal, nos ideais, na ideologia vigente na escola e na administração pública, reduziase agora a um véu tão leve que já nada ocultava da natureza verdadeiramente autoritarista e antiliberal que a Ditadura assumia, usava como linguagem e se servia como disciplina burocrática. Até no campo estético esta mudança se notava, bastando ver a enorme República viril e maciça que está por detrás da estátua de

António José de Almeida, monumento esculpido por Leopoldo de Almeida, um dos mais representativos artistas do Estado Novo ditatorial, inaugurado em finais de 1937, num altura em que a Ditadura salazarista se dotara já de instituições de claro fascínio fascizante como a Mocidade Portuguesa e a Legião Portuguesa, ambas criadas em 1936. Esta mudança estaria sujeita, é certo, à evolução do regime de Salazar nos muitos anos que ainda duraria. Mas o mais interessante seria vermos até que ponto a própria mutação substancial operada pelo 25-IV-1974 – até no aspecto fulcral de ela ter sido determinada pelo fracasso do nosso colonialismo e pela impossibilidade de ganharmos as guerras africanas que mantínhamos desde 1961 para perpetuar um Império condenado ao malogro e irremediável derrocada (esse mesmo Império cuja obsidiante presença na nossa alma nacional unira, para além dos pontos divergentes dos três regimes, o essencial das nossas fainas como país desde a monarquia constitucional à Ditadura salazarista-marcelista, passando pela I República) não constituiu uma reposição da I República nos seus símbolos, natureza político-social ou estética intrínsecos do demoliberalismo morto meio século atrás, mas antes foi a instauração dum modelo novo de Estado, de ideologia politica e de regime de instituições públicas. 11.Porque há algo que substancialmente une a monarquia constitucional, o demoliberalismo republicano e o naciona-

lismo ditatorial do Estado Novo, e que é um idêntico empenho em manter a nossa presença colonial africana, o afã ultramarinista colonizador, o mito do “novo Brasil em África”. Já o período histórico e anímico colectivo que se seguiu à “revolução dos cravos” destoa dessa trilogia anterior de regimes comungando numa semelhante preocupação africanista. Pelo que se poderia dizer que essa revolução não se traduziu na reposição dum Estado morto mas antes na instauração dum Democracia de tipo muito diferente daquela que entre nós vigorara entre 1910 e 1926, um portentosa rotação hiatórico-geográfica essencial, que começava pela renúncia ao sonho colonial imperial de séculos e ao regresso à Europa, essa Europa de que tínhamos fugido desde que tomámos Ceuta e, dobrado o Cabo Tormentório, encetámos a nossa saga de expansão e descobrimentos, com a construção desse “novo reino” que constituiria a alma mesma do poema trans-europeu (ou anti-europeu) de Camões. Monte Estoril, 4-XI-2010. * João Medina é Professor catedrático jubilado da Faculdade de Letras de Lisboa


28

ENGLISH SECTION

15 de Janeiro de 2011

California Chronicles

Ferreira Moreno

A

s Mark Williams wrote, "everyone has heard of the great California Gold Rush, that great stampede for riches that hurled a sleepy territory onto a dazzling path of fame and fortune. Seemingly forgotten is the great Coal Rush of the 1860’s, which lead to decades of mining “black diamonds” in Contra Costa County. II (Northern California, Off the Beaten Path, Fourth Edition). This mining legacy, which I had the opportunity of touring recently, is located at Black Diamond Mines Regional Preserve south of Antioch, where about 4,000 acres have been carved out of the grassland and smoothly contoured foothills, Although most of the mines were long ago abandoned and sealed over, there is still plenty of evidence of the backbreaking life led by the miners and their families. A few years after gold was discovered in the Sierra foothills, California largest known coal deposit was opened for mining on the northern slope of Mount Diablo. A cluster of mines disgorged twenty million worth of coal from those foothills, about four mi1lion tons in all. Miners from around the world joined Americans for a 1ife of hard work and long hours. Adjacent to the mines, sma1l, dust-choked settlements spruted, thrived, then wilted when mining ceased after the turn of the 20th century. Black Diamond Preserve now offers a chance to explore 65 miles of trails. Especially noteworthy is historic Rose Hill Cemetery. Its chipped and broken gravestones tell sad tales of the harsh lives of miners and their families, who died from epidemics, childbirth and mining accidents. Miles of trails crisscrossing the Preserve

Black Diamond Mines

go past a number of abandoned mines, one of which has been converted into an underground museum. To reach this historic site, drive east on Highway 4 to Antioch. Exit at Somersville Road and go three miles south. Stop momentarily at the first parking area and pick up maps at the Information Center. Continue on a hilly road for about a mile to the second and larger parking lot, exibiting Historical Landmark Number 932, which reads: “From 1860 to 1906, this area was the largest coal mining district in California. Five towns (Nortonville, Somersville, Stewartville, Judsonville and West Hartley) grew up around 12 major mines. Today the towns are gone, the buildings flaving moved to nearby communities after the mines were closed. Nine openings, tailings, railroad beds and pioneer cemetery are being preserved by East Bay Regional Park District. Quoting from "An Outdoor Guide to the San Francisco Bay Area", by Dorothy Whitnah, "the towns that once contained several hundred people have now vanished so completely that it is almost impossible to visualize them as one hikes the windy hills. One reason these communities did not simply molder away into ghost towns, as elsewhere in the West, is that when the coal boom ended many of the residents dismantled their homes and moved them elsewhere. The park office is currently located in a house that was moved here from Stewartville. A few other houses representative of this region during the mining period are being moved here. Although simple-appearing today, they are problaly fancier than most of the miners’ actual houses, for these at least have foundations.”

Historically speaking, it all started in 1859 when James Cruikshank and Frank Semers discovered the Black Diamond vein, although, it was wealthier Noah Norton who expanded the enterprise, when he took over the mine and built roads to carry the coal to wharves on nearby river landings. During the next two decades, miners and their families (mostly Welsh) poured in and constructed houses, churches, schools, bars and lodges in half a dozen settlements. However, the coal proved to be low grade, the capital investment grew high, and a mine explosion in 1876, coupled with a devastating fire two years later, marked the beginning of a decadelong decline in the mining activities, until everything stopped in 1906.

Another flurry of mining began in 1922, that time for silica sands, used in glass making. That activity ceased in 1949, and again the land lay deserted, until the park district began buying acreage in 1973. At the Rose Hill Cemetery, named after Emma Rose, who donated the property to Contra Costa County, the notable midwife Sarah Norton is buried. It is said, that she is the mysterious "G1owing Lady" or "White Witch” that has been seen in the cemetery at night. Some people believe that she and other spirits have been disturbed by the occasional wanton vandalism and that they are trying to protect their final resting place. (Rev. Ricardo Chavez, A History of Pittsburg, California, 2005).

464 die in Brazil, survivers relate horrors By JULIANA BARBASSA were among the worst in recent memory. The disasters unduly - Associated Press TERESOPOLIS, Brazil -- The power was out, but lightning flashes illuminated the horror as villagers watched neighbors' homes vanish under a wall of mud and water, turning neighborhoods into graveyards. Survivors dug at the earth barehanded Thursday, but all they found were bodies. It was a scene of muddy destruction in mountain towns north of Rio, where at least 464 people were killed when torrential rains unleashed mudslides in the predawn hours Wednesday, burying people alive as they slept. Officials would not venture guesses on how many people were missing - but fears were high that the death toll could sharply rise. In the remote Campo Grande neighborhood of Teresopolis, now accessible only by a perilous five-mile (eight-kilometer) hike through mud-slicked jungle, family members pulled the lifeless bodies of loved ones from the muck. They carefully laid the corpses on dry ground, covering them with blankets. A young boy cried out as his father's body was found: "I want to see my dad! I want to see my dad!" Flooding and mudslides are common in Brazil when the summer rains come, but this week's slides

punish the poor, who often live in rickety shacks perched perilously on steep hillsides with little or no foundations. But even the rich did not escape the damage in Teresopolis, where large homes were washed away. "I have friends still lost in all of this mud," said Carols Eurico, a resident of the city's Campo Grande neighborhood, as he motioned to a sea of destruction behind him. "It's all gone. It's all over now. We're putting ourselves in the hands of God." In the same area, Nilson Martins, 35, carefully held the only thing pulled out alive since dawn: a pet rabbit that had somehow remained pristinely white despite the mud. "We're just digging around, there is no way of knowing where to look," he said. "There are three more bodies under the rubble over there. One seems to be a girl, no more than 16, dead, buried under that mud." The hundreds of homes washed away in the neighborhood were turned inside out, their plumbing and electrical wires exposed. Children's clothes littered the earth, cars were tossed upside down into thickets. An eerie quiet prevailed as people searched for life. The sounds of digging, with sticks and hands, were occasionally punctuated by shouts as another

corpse was located. Conceicao Salomao, a doctor coordinating relief efforts at a makeshift refuge inside a gymnasium in central Teresopolis, said about 750 people were staying there Thursday and about 1,000 people had sought treatment in the past day. One danger she worried about was leptospirosis, a waterborne bacterial disease. "The hospitals around here are overflowing. The army and navy are setting up field hospitals to help," she said.

"The worst is the feeling of impotence. We do what we can, but there are so many people." Rio state's Civil Defense department said on its website that 210 people were killed in Teresopolis, 214 in nearby Nova Friburgo and 40 in neighboring Petropolis. It said about 14,000 people had been driven from their homes. Another 37 people have died in floods and mudslides since Christmas in other parts of southeastern Brazil - 16 in Minas Gerais state north of Rio and 21

in Sao Paulo state. Nineteen-year-old Geisa Carvalho and her mother were awakened at 3 a.m. Wednesday by a tremendous rumble as tons of muck slid down a sheer granite rock face onto their Teresopolis neighborhood of Caleme. Associated Press writers Bradley Brooks and Tales Azzoni in Sao Paulo contributed to this report.


Comunidade em Festa

O "Bacalhau Grill" de San José festejou o Natal com muita música e muita gente.

Em cima: Passagem do Ano no Salão de Festas da Igreja de Nossa Senhora da Assunção em Turlock. Embaixo/direita: Festa de Natal em Watsonville na I S T W Fotos de Mike Silva

COMUNIDADE

29


30

COMUNIDADE

15 de Janeiro de 2011

Passagem de Ano no Portuguese Athletic Club de San José

Matança na Casa dos Açores de Hilmar - Esq/dir: Maria Leonardo, Luciana Vitorino, Madalena Gomes, Maria Sidónia, Maria Valadão, Noémia Vieira, Conceição Silveira, António Cabral, Maria Mota, Maria Brasil, Maria Almada, Maria Marcelino, Margarida Cabral, Anália Furtado, Maria Pires, Fátima Monteiro, Maria de Lourdes Lourenço, Herlen Sousa, Natália Sousa, Leonilde Parreira.

Matança da Casa dos Açores de Hilmar. Embaixo: Rancho de Matança da mesma casa

NUSA DUA IMPORTS

415-200-4606

Portos de Faro - Sines - Lisboa - Figueira da Foz - Leixões Com contentores de 20 a 40 pés

Mudanças Exclusivas Paulo R. Bacil & Erica C. Chiara nusadua@sbcglobal.net


COMUNIDADE

31

Julia Rose - 109 anos a 27 de Janeiro Júlia Machado Rose nasceu no Cam-

po Raso, freguesia da Candelária do Pico e veio para a América com 20 anos em 1922 com o seu tio que tinha ido de visita aos Açores. Seus pais eram Manuel Machado e Felicidade do Espírito Santo. Lembra-se de ter ido do Pico para o Faial apanhar o barco para a América, mas já não se recorda do nome do vapor, como ela diz. Em Nova York levaram-na para um lugar, onde lhe lavaram a cabeça, pentearam-na e "puseram-me a modos de eu caminhar" (risos). Viu "a lot of things in New York". Depois da paragem em Nova York, veio de comboio para Turlock. Não se lembra quantos dias levou de comboio para a California, mas diz que não foram muitos. O seu namorado Joe Rose (a) era carpinteiro, natural das Lajes do Pico e já estava na California à espera dela. Casaram pouco tempo depois numa bonita festa em casa do seu tio, e foram viver para Santa Clara numa casa arrendada ao pé do Salão de Santa Clara. Joe Rose "was a nice carpenter" diz ela referindo-se a seu marido. Trabalhou na construção do I.E.S. e de alguns edifícios em frente à Igreja Nacional das Cinco Chagas. Em Santa Clara nasceram os seus dois filhos - Margareth e Lester. "Trabalhei todos os anos que pude na 'canaria', diz Júlia com um sorriso, mas já não se lembra do nome da companhia. Ela diz que não sabia nada de Inglês mas havia muitas portuguesas a trabalhar lá e ficava ao pé delas para aprender. Uma amiga dela tomava conta dos seus filhos pequenos. Passados anos mudaram-se para Alameda onde o Joe construíu uma casa para eles e onde ficaram algum tempo. Depois vieram residir para Shortridge Avenue em San José. Joe construíu quatro casas que depois alugava. Frequentava a nossa Igreja Nacional sempre que podia. "I went to a lot of places", diz ela sempre com um sorriso enternecedor. Quando não se lembra de alguma coisa diz a rir: "My brains are not working anymore". Perguntado como era o Pico nos anos que lá viveu, Rosa respondeu: "Eu sofri bastante no Pico. Acartava tudo à cabeça, "oh, gosh!" (perdeu-se em risos). Tudo era acartado à cabeça - madeiras, inhames, fetos. "Everything era na cabeça" (mais risos). Ainda no Pico ia sempre às festas do Es-

Julia Rose aos 108 anos com sua neta Jane pírito Santo. Lembra-se da mãe fazer rosquilhas para as festas e levava-as num cesto à cabeça. As festas eram sempre uma alegria para ela. Sempre que se refere "à cabeça", ri-se perdidamente. E nós com ela. Só conheceu o Faial. Nunca foi às outras ilhas. Perguntámos se tinha alguma vez subido o pico do Pico e ela respondeu logo: "Oh não, não, não". Não se lembra de nada relacionado com a caça à baleia. "I don't remember". O casal Rose foi de férias às Ilhas só uma vez. "Custava muito dinheiro", disse ela. A morte do seu marido em 1972 com 78 anos, foi muita estranha. Joe Rose ao tomar uma "shower" caíu e magoou-se. Foram ao médico e este disse que ele não tinha nada partido. Ela pediu então que ele receitasse

Julia Rosa trabalha diáriamente nas suas mantas

qualquer coisa para aliviar as dores, mas ele nunca tomou os medicamentos. Passado pouco mais de uma semana o seu marido morreu. Hoje, Júlia com os seus 108 anos, dedicase a fazer mantas (afghans) para oferecer à caridade. No sofá ao lado onde conversámos estavam 42 mantas à espera que o senhor padre as viesse buscar. Antes destas tinha feito 37 que foram enviadas para o México. Júlia foi muita simpática e ofereceu-nos duas mantas à nossa escolha. Enquanto trabalha nas suas coloridas mantas vai vendo televisão. e tem as suas novelas favoritas - "General Hospital", entre outras. Perguntámos quais eram os seus planos para este ano e ela riu-se muito e disse: "You know how old I am? I will be 106, 107, 108 or 109 in two weeks (27 de Janeiro) , I don't know." (mais risos). Do you sleep well? "Oh yes". Deita-se às cinco horas, acorda às cinco da manhã, mas só vem para a sala às nove horas.

Do you like to dance? "Not anymore, I cannot move well." Qual é o seu segredo para viver estes anos todos? "Café (descafeinado) com Kalua", diz ela, sempre a rir. "Eu nunca estou sem fazer nada". De vez em quando diz "Ai Jesus", e "Oh meu Deus, paciência". Quando nos mostrou a fotografia do Bom Jesus do Pico, contou-nos a história como é que tinha sido encontrada essa imagem na costa do Pico por pescadores. "O Bom Jesus é a minha companhia" diz ela. Júlia teve 6 irmãos e duas irmãs, já todos falecidos. Não se lembra dos nomes deles todos. Um deles morreu com mais de cem anos. Júlia Rose continua rija como uma boa picarota e enquanto fizer mantas e beber café com Kalua, não há mal que lhe venha. Esta nossa conversa foi feita quer em português quer em Inglês. Rimo-nos muito. Júlia vive em Santa Cruz com a neta Jane.

O segredo da longevidade - trabalhar sempre e beber café com Kalua


32

ULTIMA PAGINA

15 de Janeiro de 2011


The portuguese Tribune January 15th 2011