Issuu on Google+

QUINZENÁRIO INDEPENDENTE AO SERVIÇO DAS COMUNIDADES DE LÍNGUA PORTUGUESA

2 a Quinzena de Dezembro de 2012 Ano XXXIII - No. 1146 Modesto, California $1.50 / $40.00 Anual

Boas Festas e Feliz Natal


2

SEGUNDA PÁGINA

15 de Dezembro de 2012

EDITORIAL

O fim do mundo (deles)...

M

ais um Dezembro, mais um fim do ano e mais umas tontarias àcerca do fim do mundo no dia 21. Já há mais de um século que estas coisas acontecem. Há sempre alguém que se lembra que o mundo (o mundo deles) quer-se ir embora de nós num dia qualquer. E até talvez tivessem razão, porque, bem vistas as coisas, temos tratado muito mal este planeta onde vivemos. Temos de tudo para que todos pudessemos viver bem, mas os países, os homens, os interesses, a hipocrisia, criaram um mundo onde ninguém se entende. Será preciso um Homem Novo para dar a volta a isto tudo. Talvez não seja no tempo daqueles que nos lêem. Mais uma jóia da coroa acaba de sair. Desta vez trata-se de um livro sobre as Igrejas Portuguesas da California - THE POWER OF THE SPIRIT - que retrata muito bem a relação estreita entre a religião católica e a nossa comunidade, desde que pisámos terra neste grande nosso País. Mas, olhando mais além e para as dificuldades financeiras que muitas dessas Igrejas sofrem, é de começar a pensar profundamente no seu futuro e na maneira capaz de sobreviverem com as receitas que têm. Aprendam-se as mais eficazes soluções de muitos países que conseguem manter as suas Igrejas, usando-as fora do tempo normal de encontro religioso, como pólos de atracção turística, mostrando as grandes riquezas sacras que todas possuem. Poderia dar-vos exemplos que encheriam esta página toda. O futuro é saber prever, é saber estar no momento certo com as ideias certas. Que não hajam desculpas depois. Vejam o que se passa com o Vaticano, com a Catedral de St. Patrick em New York, sempre cheia de visitantes. E lá até se vendem Biblias, imagens de santos, crucifixos, terços, livros religiosos. Até nos Açores já fazemos isso. Perder um dia é perder o futuro. Um grande e bom Natal para todos e um Ano cheio do melhor que possamos ter. jose avila

Chama-se Açoreano Sport Soccer Club de Hilmar. Foi fundado em 1976 e se hoje está aqui representado é porque dos 19 jogadores que tem, 15 são luso-americanos, o que hoje em dia é uma raridade desportiva. David Magina é o treinador.

O Desporto no seu melhor

O Santa Clara Sporting Club 94 foi finalista da 2012 College Surf Cup

33

Year XXXIII, Number 1146, Dec 15th, 2012


PATROCINADORES

3


4

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012


Tribuna da Saudade

Ferreira Moreno

E

ste recordando destina-se particularmente a todos quantos, como eu, ainda guardam no arcano de lembranças antigas a imagem daquela bebida não alcoólica e de paladar agradável, a que se dava o nome de pirolito. Nos tempos da minha juventude, a popularidade do pirolito era imensurável, embora se tratasse apenas dum refrigerante gasoso, a que se lhe adicionavam o sabor e a cor quer da laranja, quer da tangerina, quer também do morango. Creio que um dos pormenores que contribuia p’rà compra e venda do pirolito era, certamente, a típica configuração da garrafa com uma bola de vidro no gargalo. Na Rua Direita da “minha” Ribeira Grande, nos baixos duma casa frente ao edifício dos Correios, estava instalada a pequena Fábrica de Pirolitos, cujo proprietário era conhecido por Senhor Afonso dos Pirolitos. O filho, também chamado Afonso, ajudava-o nessa empresa juntamente com o Manuel Calufa. Eram eles que, numa furgoneta, percorriam a ilha de S. Miguel e faziam a distribuição das caixas com os tão apreciados pirolitos. Evidentemente que tudo isso de há muito há desaparecido. Consta-me que, presentemente, ali funciona uma mercearia. Escrevendo p’ró Correio dos Acores, em junho 2011, o meu conterrâneo e amigo, Ezequiel Moreira da Silva, forneceu esta notícia àcerca dos pirolitos “Um negócio, que surgiu por volta de 1943, adveio da iniciativa de Manuel da Silva Afonso, natural do Cabouco (Concelho da Lagoa), ao transferir das Velas de S. Jorge p’rà Ribei-

Recordando Pirolitos

ra Grande a sua fábrica de refrigerantes, produzindo laranjadas e pirolitos de bola. As garrafas dos pirolitos eram vedadas por uma bola de vidro alojada em cima duma anilha de borracha junto à sua boca. P’ra beber o refrigerante, metia-se um dedo nessa boca, provocando a queda da bolinha no gargalo.” Apraz-me transcrever os versos que Euclides Cavaco, continental radicado no Canadá, dedicou à memória do pirolito: Parei no tempo e sonhei Memórias de pequenito, E recordei com saudade O tempo do pirolito. Era encanto das crianças P’la fascinante bolinha, Que tentavam com o dedo Remover a borrachinha. P’rós mais velhos era luxo Na festa ou arraial, Porque era depois do vinho A bebida principal. Eram grossas as garrafas, Giras e muito pesadas, De todas as que existiam Eram as mais engraçadas. Esta visão dum passado nostálgico, que o autor intitulou “Memórias do Tempo”, encerra com a seguinte quadra, que bem se ajusta a este recordando: Seria doce voltar / A ser criança, admito / P’ra poder, sem sonhar /Ver de novo um

COLABORAÇÃO

5

pirolito. Ricardo Melo, já falecido, mas que ainda em vida tive o privilégio de visitá-lo na sua residência em Angra, na edição do Diário Insular (16-abril-2003), reservou os seus oportunos “Instantâneos” p’ra igualmente recordar o pirolito, nestes termos: “Entre as coisas que se bebem sem fazer mal a ninguém, há muito que há memória de um modesto pirolito, um refrigerante gasoso popular, agora quase que em extinção, desde que ou lhe perderam o gosto as novas gerações, ou sumiu-se o refresco que tirou sede a muita gente. Verdade é que nesta ilha lembrança disso deve haver de certeza, de que o desenho da garrafa era robusto e tinha uma bola de vidro no gargalo, que comprimida ia dentro libertando o refresco que tinha cor da água a menos que lhe dessem cor, nomeadamente o vermelho. Pirolito era bebida desse tempo, não tinha álcool nem fazia mal a ninguém, ainda que uns tantos p’ra reinar com os demais bem lhes fazia crer que o pirolito tinha álcool, pondo-se os mais brincalhões a dizer que bebessem pouco, não fossem depois cambalear e estatelar-se no chão desafiando as iras paternais, coisa que bem poucos tentavam naqueles tempos de pouco álcool p’ra rapazes, boas medidas p’ra homens, em especial numa adega, onde se faziam provas e se provava também o vinho, muito naturalmente entrando também na dança uns pirolitos p’ra desenfastiar e matar a sede. Pirolitos por certo que ainda há como há outras coisas, mas saudades dos piroli-

tos com bola é coisa que ainda agora palpita nos corações de sucessivas gerações, até que de todo se apaguem as luzes que até agora mantiveram aceso o facho que iluminou muita gente.” Bem intencionado estava Euclides Cavaco ao versejar: “Paro no tempo e medito / Se ee nostalgia ou destino / Ter tão vivas as memórias / Dos meus tempos de menino.”


6

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012

Barbados para venda Vendem-se cachorros da raça Barbados da Ilha Terceira, puros. Tratar com Joe Morais

209-678-2489 Tour PORTUGAL with Carlos Medeiros 707-338-5977 Fale connosco para compra e venda de Propriedades nos Açores, Heranças, etc.

Mike Silva, DJ, agradece a todos as organizações que o convidaram para alegrar as suas festas durante 2013 e

Deseja a todos Um Feliz Natal e uma Ano Novo Cheio de Prosperidades


COLABORAÇÃO

Rasgos d’Alma

Luciano Cardoso lucianoac@comcast.net

S

ou um felizardo.

Moro na área da baía mais cobiçada do planeta. Acredite quem quiser. Apraz-me partilhar da fabulosa riqueza étnica deste encantador berço dos meus filhos. Não tenho filhas. Nem conheço irmãs. Sou o mais velho de três rapazes feitos homens cá ao sabor da diáspora. Emigrámos quando éramos ainda franzinos rapazolas a sonhar com um futuro risonho. Vimolo sorrir por aí, à nossa volta. Nada como este vaidoso El Dorado para alimentar a esperança necessária nas etapas cruciais da vida. Casámos e passámos vários natais juntos em família encantada com a preciosa prenda de se ver reunida ao redor da mesa da abundância californiana. Nada de essencial nos faltava. A alegria de convivermos aconchegados, sobretudo pelo Natal, garantia-nos felicidade acrescida. O sonho do tal futuro melhor oferecia-nos um presente sorridente com paladar natalício ao longo do ano inteiro. Sabia bem aquele fraterno aconchego que nos irmanava por estas paragens. Soube sempre muito bem…até um dia. O dia em que meu irmão Carlos decidiu regressar à ilha com os filhos, arrastando consigo os nossos pais, alterou de imediato a dinâmica familiar. Os nossos natais, agora, revestem-se de reciclada saudade. Uns cá, outros lá, à espera que o Menino nos minimize o amargo da distância. Meu irmão decidiu fazer a viagem ao contrário. Saíu-lhe bem a aventura. Está nas suas quintas. A ilha é o seu mundo querido. Aquele diminuto espaço ilhéu sempre fora o seu mundo preferido. Deixara-o muito a custo e fez tudo por merecer a alegria de voltar a vivenciá-lo dia a dia, momento a momento. São lindos os muitos momentos, as múltiplas memórias que guardamos da longínqua infância que lá passámos juntos. Uma das recordações mais gratas dos nossos bons velhos tempos prende-se com as prendas anuais que recebíamos das mãos dos americanos vindos da Base com o camião atulhado de caixinhas e embrulhinhos destinados a saciarem os sorrisos genuínos dos meninos e meninas em alvoroço lá pela formosa ilha que nos viu nascer. Crescemos na Terceira de Jesus com essa agradável sensação de ver a benemérita presença americana servir de Pai Natal durante o ano inteiro ao povo agradecido pelo gratificante ganha pão. Melhor

O meu

7

Cabaz

do que ninguém, os terceirenses sabem dar o valor inestimável à importância dos americanos nas Lages. São os empregos, é o desenvolvimento e foi também sempre aquela impressão generalizada de que a fogosa Ilha Liláz jamais seria a mesma sem a simpática cooperação prestada pelo generoso Tio Sam.

lelo mais extenso, põe-se agora em causa o andamento económico da ilha, para não falar no bem-estar do arquipélago, flutuando à deriva de fatores que não controla. A gestão política de interesses estratégicos à escala internacional não olha aos dramas humanos nem aos dissabores comunitários que pode provocar seja onde for. O contentamento de uns esbarra no decontenta-

perar que a dimensão do seu rigor não seja tão severa quão antecipada. Oxalá, daqui até lá, se possam ainda mediar soluções sensatas para que se evite o pior. O melhor será o Menino Jesus não se esquecer da ilha pequenina, lá no meio do Atlântico, que ainda evoca o seu nome e vai precisar muito da sua ajuda nos próximos tempos.

Meu irmão devota eterna gratidão ao decisivo auxílio desta nossa terra adotiva ao seu mimoso torrão natal. O poderio norteamericano, estrategicamente posicionado pelos quatro cantos do globo, tão fulcral à economia da ilha, tem-lhe sido absolutamente vital no percurso emigramado que tomou na vida. Empregado cá durante quinze anos, emprega-o lá há outros quinze e tal. çoriano orgulhoso do seu temporário estatuto luso-americano, o Carlos seguiu com mais interesse a renhida reeleição de Barack Obama para governar os States do que propriamente a previsível escolha de Vasco Cordeiro para liderar os Açores. Estava em causa o seu emprego. Está em causa o sustento da família. E, num para-

mento de outros. As promessas eleitorais do presidente Obama acabam por exercer maior impacto do que as do presidente Cordeiro na sua própria região, sempre dependente de ajuda externa. Os críticos cortes no orçamento militar americano estão diretamente atados à crise laboral que ameaça abalar de forma dramática a vida terceirense. Temem-se que venham a ser demasiado drásticas as desagradáveis consequências da eminente perca de empregos na BA4. Receava-se mas não se esperava que o drama se agudizasse assim tão cedo. E logo com a especulação a explodir ao aproximar-se o Natal. Muito embora nada de concreto tenha sido ainda anunciado, aguarda-se para breve a comunicaçao oficiosa das rigorosas medidas saídas do Pentágono. Resta apenas, no meio de toda esta nervosa expetativa, es-

Ao que parece, o bonacheirão das barbas brancas, o sisudo Uncle Sam, está cansado de fazer de Pai Natal na ilha dos meus amores. E isso deixa-me algo tristonho ao embrulhar-vos este meu cabaz atulhado da muita alegria e ótima saúde que vos desejo nestes gostosos dias de Boas Festas.

A

www.radiolusalandia.com Sábados - das 12 - 4pm Domingos - das 9 - 11am

Santos-Robinson Mortuary San Leandro Family owned California FD-81

* Servindo

a Comunidade Portuguesa em toda a Área da Baía desde 1929 * Preços baixos - contacte-nos e compare * Serviços tradicionais / Serviços crematórios * Transladações para todo o Mundo * Pré- pagamento de funerais

Madeline Moniz Guerrero Conselheira Portuguesa

Telefone: 510-483-0123 160 Estudillo Ave, San Leandro, CA 94577


8

COLABORAÇÃO

Agua Viva

Memorandum

Filomena Rocha

João-Luís de Medeiros

filomenarocha@sbcglobal.net

jlmedeiros@aol.com

"A Causa do Natal"

A

15 de Dezembro de 2012

í está o Natal, cumprindo o seu tempo, a sua Causa! Hoje, só se fala de “Causas”... Através dos mais diversos meios de comunicação, sobretudo no Face Book, chegam até nós as causas mais sentidas sobre as crianças, as famílias vítimas de violência, os animais vítimas de abusos, abandono e maus tratos, as pessoas que são abusivamente silenciadas, nos locais de trabalho e outros lugares de cumpromisso. Todos parecem ter uma causa para apelar à consciência. Felizmente ainda há muita gente que consagra parte da sua vida a conceitos de valor, que tem a noção do bem e do mal. E é neste Tempo, sobretudo que devemos repensar o Mundo, e até o Natal... É nesta época, a mais acolhedora do ano, que mais as pessoas se identificam com os valores da Humanidade, essa Mensagem de humildade de Jesus que nos quis dar, ao nascer num estábulo, que segundo o último esclarecimento do nosso Papa Bento XVI, afinal não tinha animais, porque a Bíblia não fala deles. Então, deve ter sido o Povo que assumiu ao longo do tempo com a sua imaginação, pois o evangelista Lucas 2:16, diz que “um exército de anjos apareceu a um grupo de pastores, que guardavam seus rebanhos naquelas redondezas, e anunciou-lhes o nascimento do Divino Menino o que os fez ir apressadamente à procura de Maria, José e o Menino que estava deitado numa mangedoura”. - Ninguém talvez se interessou naquela altura com esse pormenor para que fosse narrado, mas é muito fácil de imaginar que ao visitarem o Menino, os pastores Lhe levassem alguns dos seus animais, como presente ou porque estes os seguissem... É possível que para um estudioso da Bíblia, seja sempre importante des-

cobrir o Mistério do Nascimento de Cristo em pormenor e se tenha mais certezas do que se proclama. Para o comum dos mortais, não creio que seja assim de relevância esse detalhe ao fim de mais de dois mil anos, pois o Povo já há muito tempo idealizou, com Fé o que havia nesse lugar. Além disso os próprios volumes da Bíblia trazem quadros pintados com passagens que ilucidam a vista, dando asas maiores à imaginação e ao desejo de uma humanização que dê um maior exemplo de humildade, vivência com todos os seres vivos, o modo de acomodação e até de sobrevivência. O Mundo não vai terminar, mas está numa viragem, como sempre tem acontecido ao longo de milhares de anos. A Comunicação entre os seres humanos é rapidíssima, a tecnologia é diferente e cativante, mas às vezes nos esquecemos que ao ser humano falta a alma das coisas. O Natal não pode ser o tempo de ficar-se triste pela falta de dinheiro em abundância para as prendas de alta tecnologia. É preciso renovar-se o Natal, como nos velhos tempos da nossa infância, sem grandes sabedorias, mas com os olhos e o coração puros e ingénuos... É cada vez mais necessário contruír de novo esse Presépio num estábulo, com José, Maria, e o Menino Deus, o mesmo que os pastores viram quando os guiou aquela estrela... Deixem que seus filhos e netos coloquem a vaquinha, o burrinho, as ovelhas e todos os outros animais... E que haja Paz na Terra e aos Homens de Boa Vontade! Feliz Natal!!! Festas Felizes!!!

... palmada do futuro nas costas do passado 1 – lacónico memorial das tabernas micaelenses... Até meados do século passado, as tabernas, as barbearias, os fontenários públicos eram os entrepostos preferidos para atenuar o miserabilismo isónomo das comunidades rurais. Em tempos cada vez mais distantes, a generalidade do ilhéu micaelense desconfiava do gozo duma alegria sem a subsequente punição do destino. Era frequente ouvir o desabafo usualmente interpretado pela voz feminina: Ai credo! Estou tarela d’alegria; o que sará que me vá acontecê amanhã...? Sabemos que o tempo não muda as coisas mas muda-lhes o nome. Exemplo: nas modernas ‘discotecas-bar’ o aroma campestre do‘vinho-de-cheiro’ já faz parte do bornal da saudade; o perfume do cigarro‘santa-justa’ evaporouse com a última geração camponesa, que desconhecia ‘les paradis artificials’ do poeta Baudelaire. Pois é, os aromas estão mudados! Antigamente, parecia que o tempo andava parado. A arte de avinhar a alegria fazia parte dos primeirossocorros para acudir à ‘dor de ser quase’... Vejamos: um “quartilhe de vinhe” era mais descascador de verdades do que um bom confessor. De resto, uma freguesia sem adegas era comparável a uma igreja sem altares... Como acima acabámos de anotar, as tabernas rurais eram vistas como ‘confessionários’ simpáticos onde o ‘pecado venial’ respirava mais à-vontade. O ‘vim-de-cheire’ era o denominador-comum da camaradagem; o taberneiro era geralmente o confessor de recurso daquelas almas simples, quase sempre minguadas de ‘ouvidor’ para escutar as suas mágoas (... não raro temperadas com pungentes segredos familiares...). Para os convertidos aos rituais da bebedice, entrar numa taberna era como visitar uma ‘capela’ para conversar com a ‘santa-pinga’ de serviço! O pior era quando a ‘oração’ demorava mais do que o previsto, e os fiéis ficavam depressa incapazes de finalizar a novena: dir-se-ia que, após empinar três quartilhos, o ‘penitente’ ficava completamente ‘rezado’! 2 – ... vamos dar as boas-vindas aos peregrinos da “copofonia” Até meados do século XX, a maioria das freguesias micaelenses tinha muita ‘proa’ no irrequietismo vinário das suas tabernas. Na freguesia micaelense de São Roque (meu berço natal) havia adegas e tabernas que ficaram na memória do tempo (não tanto pela fama da sua vinhataria, mas sobretudo pelo vanguardismo bacano dos magnos peregrinos da ‘copofonia’). Bastariam duas referências brejeiras para ilustrar o supracitado: no início da década de 40 do século passado (ali pr’ás bandas da Madalena, São Roque) havia a taberna Estrela da Manhã que gozava da fama de ser um dos poucos ‘oásis’ simpáticos aos‘soldadosde-Lisboa’. Curiosamente, aquela foi a primeira taberna da freguesia a oferecer aos seus clientes uma

ementa original: música ligeira e noticiário radiofónico. Assim, entre dois ‘quartilhos mal-aferidos’ e um par de torresmos de molho de fígado como petisco inimitável, as notícias da guerra eram ali escutadas com espantada e não raro fervorosa convivialidade… Um pouco mais a oeste, ali pr’ás bandas da zona do Terreiro, havia o famoso ‘Café Chouriço’, porventura a mais garrida (e meiga!) taberna da área. E havia razões específicas para a sua imbatível popularidade: primeiro, a sua localização protegida pela vertente norte da ‘península-ilhéu’ com a silhueta de rosto-de-cão; depois, a consentida ausência de iluminação pública, o que oferecia garantia de anonimato aos seus ‘respeitáveis’ visitantes; finalmente, o aroma e a qualidade da petiscaria preparada pelo famoso Elias, considerado autor do investimento patronal, o sinhô Jâquim Miranda, talentoso negociante oriundo de Água de Pau... Para nos ajudar a perceber o curioso fenómeno do “Café Chouriço” nada como revisitar o perfil sociológico daquela área rural. Numa dada etapa da II Grande Guerra, a zona de ‘rosto-de-cão’ foi das primeiras do sul micaelense a ser seleccionada pela engenharia militar para a instalação de postos de vigilância (?) anti-submarina. Alguns dos abrigos ainda lá estão para testemunhar os locais onde foram montadas peças de artilharia de costa: ferramental bélico modesto, aliás de duvidosa eficácia defensiva. Na alvorada dos anos sessenta do século XX procurei entender o depoimento de alguns dos residentes mais astutos e lúcidos da época: na época, temiam que aqueles ‘brinquedos’ servissem para ajudar os submarinos alemães a conferir as coordenadas das nossas posições defensivas e, eventualmente, enfraquecer ainda mais as precárias condições de segurança duma zona densamente povoada, sediada a escassos quilómetros duma modesta (mas tacticamente valorosa) base-naval ... Mas... não é de ‘artilharia de costa’ que nos propomos hoje conversar. Dado que durante a década (194050) havia muita gente estranha a fervilhar por toda a ilha, houve quem depressa compreendesse o fenómeno, e dele procurasse extrair o melhor proveito. Explicome: a cerca de três quilómetros da cidade, o famoso ‘Café Chouriço’ era então um dos mais castiços ‘paraísos proibidos’ das redondezas; os ditos ‘senhores-de-gravata’ chegavam protegidos pela escuridão, fingindo-se atraídos pelo cheiro ímpar dos petiscos da casa; todavia, segundo os entendidos, o sô Elias era também mestre afamado na arte de promover o acesso à “petisqueira clandestina” na época tão procurada pelo crescente número de forasteiros em comissão militar... Além do mais o “Café Chouriço” tinha fama de ter uma saída secreta nas traseiras do edifício, para ‘acudir’ a qualquer visita-surpresa do moralismo oficioso. Ora, consta que sô Elias tinha sempre disponível o elegante ‘quarto-azul’ onde a fidalguia da faina nocturna aguardava lhe fos-

se servida as apetitosas ‘petiscadas’ de carne tenra, coxas roliças e corpetes perfumados, sobretudo obedientes ao paladar e à bolsa do misterioso cliente... Não é preciso lembrar que, nessas coisas de moralidade pública, o pecado é sempre aquele ‘pobre-diabo’ que mora ao lado, fingidamente desconhecido de toda a gente que se preza... 3 – O presente é o passado do futuro...? ... naquele tempo (1940-1950), a ilha de São Miguel era ainda uma ‘moçoila’ verdejante, isolada no oceano do silêncio (o tal ‘silêncioguardião’ da pobreza envergonhada, na ‘dor da tortura repetida e no uso do penar tornado crente). Naquele tempo, a ilha do Arcanjo era um viveiro de ‘donzelas’ casadas e solteiras: viveiro subitamente invadido por milhares de rapazes continentais, bem fardados, quase imberbes, longe das noivas... Para aqueles moços, as recordações da sua pobreza beirense eram suavizadas pelo ‘rancho-militar’, quase sempre conseguido à custa dos sacrifícios impostos à população indígena. Falta ainda lembrar que o corpo expedicionário militar (1941-46) estava a viver enebriado pelo ‘licor’ psicológico da distância – euforia que propiciava o anonimato do pauperrismo das suas origens, e acentuava o delírio pueril de quem se sentia patrão do futuro, fora das ameias apertadas do condado portucalense... Em termos gerais, dir-se-ia que em finais da década de 1940, a população açoreana começou a perder o seu estado de inocência ilhota. Da convivência (embora fugaz) com os hábitos e as preferências dos militares ingleses, norte-americanos (instalados nas ilhas) acrescida da complicada experiência convivente com os seus compatriotas do continente, resultou em que a generalidade do ilhéu colhesse uma mais esclarecida percepção da sua transitável insularidade. A partir daí, o fenómeno da emigração emergiu da sua clandestinidade miserabilista, para se afirmar como escape afinado em grito de liberdade lusíada! Yes! A emigrar se vai ao longe... ... há quem diga que os Açoreanos começam já a sentir saudades da açorianidade comovida a Oeste. Talvez por isso os ilhéus-emigrantes estão a decorar o vocabulário da distância, para melhor enfrentar o desafio de ‘açorianizar’ o seu inegociável berço natal... (*) excertos do texto patente no livro “Canteiro da Memória” Maio, 2002 (o autor continua a escrever ao arrepio do recente acordo ortográfico)


Ao Sabor do Vento

José Raposo raposo5@comcast.net

É Natal! É Natal Ceia posta, que beleza Enquanto muitas famílias Não têm pão em sua mesa. É Natal Muitos têm a alegria Enquanto outros passam horas Com a barriga vazia. É Natal Vê-se no céu o clarão Do tiro de uma bazuca Ou da bala dum canhão. É Natal A avareza continua, Enquanto que os sem casa Fazem a cama na rua. É Natal A criança fica triste, Descobriu que o Pai Natal É alguém que não existe. É Natal Mas algo parece errado. Tanta criança que sofre, Sem nunca sequer ter pecado. É Natal Os homens não são iguais. Se o mundo era pequeno Ficou pequeno demais. É Natal Há no mundo a desgraça,

Foreclosure Short Sale Mortgage Tax Relief Acaba em 12/2012

Enquanto muitas culturas Ainda esperam que Ele nasça. É Natal Há quem não faça por mal, Mas quer que os outros se lixem Só interessa o seu Natal. É Natal Alguns perdem o respeito E no fim ainda dizem Que este mundo é imperfeito. É Natal Ajudai o vosso irmão Pra que ele tenha na mesa Uma fatia de pão. É Natal Seja um dia diferente Não só para os que podem, Mas sim para toda a gente. É Natal Que se acabe toda a guerra e que volte, finalmente, A paz para todos na terra. Desejo à equipe do Tribuna, a todos os colaboradores e leitores do mesmo, umas Felizes Festas do Natal e um próspero Ano Novo. .

SATA Internacional & Virgin America

Annouce a new partnership, allowing easy and inexpensive connections from California to the Azores year around

SFO / BOS /PDL

Every Tuesday and Friday Depart: SFO @9:45 am - Arrive: BOS @6:20pm Depart: BOS@ 10:15pm - Arrive: PDL@7:00am

PDL / BOS / SFO

Depart: PDL@3:00pm - Arrive: BOS@4:45pm Depart: BOS@7:10pm - Arrive: SFO@11:00pm

$1045.00

Round trip prices start @ includes taxes and fees

Check back regularly for special deals and promotions being released every week Contact our Office at 1897 Alum Rock Ave #50, San José, CA 95116 Phone 408-729-3712 Fax 408-729-3960 or your local travel agent

COLABORAÇÃO

DRE # 01397526

9


10

COLABORAÇÃO

15 de Dezembro de 2012

Reflexos do Dia–a–Dia

Diniz Borges d.borges@comcast.net

A

Califórnia é um dos mais importantes estados da união americana. Se fosse um país independente seria a oitava economia mundial. Apesar da recessão económica, a Califórnia ainda é responsável por cerca de 13% do produto interno bruto dos Estados Unidos da América. Este estado, que tem sido a minha casa desde os dez anos de idade, é um colossal económico, intelectual e cultural. Daí que é cliché dizer-se: Para onde vai a Califórnia, vão os Estados Unidos (So goes California, so goes the Nation). E neste último ato eleitoral, ainda outra vez, a Califórnia deu a sua lição ao país, para não falar dos céticos e conservadores que, apesar de cá estarem à várias gerações, infelizmente, ainda não compreenderam o espírito Californiano. Este estado é um líder americano e tal como outos homólogos nas zonas costeiras do pacífico e do atlântico dos EUA está na vanguarda do verdadeiro espírito americano. Acontece que a 6 de Novembro deste ano, os Californianos, foram às urnas e mais uma vez, fizeram história. É que se é importante a reeleição de Barack Obama para a presidência dos Estados Unidos, não são menos importantes os resultados das eleições locais, regionais e estaduais. E a Califórnia deu cartas. Primeiro e contra tudo e todos, os cidadãos deste estado aprovaram um aumento nos impostos o qual será dirigido exclusivamente para o ensino. Apesar de estarmos em tempos económicos difíceis, os californianos compreenderam que há que investir na educação. É quase impensável que outro estado da união americana, particularmente os retrógrados do centro e sul do país, aprovasse, em tempos de austeridade, semelhante medida. Porém, os californianos compreenderam que o sucesso do estado depende do investimento que se fizer na educação. Que uma força laboral preparada só trará vantagens para a economia. Daí que, no meio de tempos económicos incertos, a maioria dos cali-

E Viva a California

fornianos tem uma certeza: há que apostar no ensino dos nossos jovens. Há que prepará-los para a nova economia do século XXI. Há que salvaguardar um dos melhores sistemas de ensino deste país. Há que continuar a apostar no ensino público, onde se acredita, veementemente, que cada criança, independentemente do status social, cultural, linguístico ou económico dos seus pais, tem o direito de aprender. Os californianos, apesar dos montantes gastos pelos grupos conservadores, que se opuseram com unhas e dentes a este aumento nos impostos para o ensino, souberem, ainda mais uma vez, ter a visão progressista que tem levado este Eldorado a patamares diferentes. Outra proposta que veio demarcar este estado, rejeitada pelo eleitorado que aí também soube ver que estávamos a ser vendidos um pacote de mentiras, foi a número 32. Há anos que os grupos conservadores, fieis à sua mensagem de retirar todos os direitos à classe trabalhadora, à classe média americana, andam inquietos para abolir os poucos direitos que quem trabalha para viver ainda tem, graças à labutação e à persistência dos sindicatos. É que praticamente todos os direitos que os trabalhadores neste país (e quiçá em todo o mundo) têm, vieram de lutas de anos e anos, travadas na sua maioria pelos sindicatos. Desde o horário de 8 horas de trabalho por dia ao conceito do fim de semana em casa. Daí que, os grupos da alta finança, particularmente os mais regressivos, desejam, retirar aos sindicatos todo e qualquer poder no seio da esfera política. É que se for proibida a participação politica dos sindicatos os trabalhadores ficam sem voz. O que levou a que vários multimilionários, com o apoio dos conservadores, tivessem gasto milhões de dólares na campanha contra a proposta em referendo, número 32, a qual tornava os sindicatos praticamente irrelevantes. Também aí os californianos souberam escolher e os trabalhadores continuam com a sua voz. É que se há que reestruturar alguns sindicatos, e há, eles ainda são a voz

Sabor Tropical

Elen de Moraes

mais importante da classe trabalhadora. E no meio de toda esta movimentação eleitoral, os californianos, apesar dos dilemas que enfrentam deram aos Democratas a primeira maioria absoluta em ambas as câmaras legislativas. Se bem que de todas as medidas políticas do último ato eleitoral esta é que a menos me entusiasma, uma vez que sempre tive, e ainda tenho receios, de maiorias absolutas. Podem ser extremamente benéficas, mas também podem ser perniciosas. Quero acreditar que os homens e as mulheres progressistas eleitos neste estado saberão utilizar esta maioria para melhorar a vida dos cidadãos. Veremos! Mas acima de tudo a Califórnia está em bom caminho. Apesar das dificuldades que o estado ainda tem, um deles o alto índice de cidadãos pobres, a Califórnia, segundo uma notícia recente do New York Times, está a reduzir, substancialmente, a sua divida publica; o desemprego está a decrescer e no sul do estado a venda de casas aumentou nos últimos meses na ordem dos 25%. Apesar de Mitt Romney e os Republicanos terem apelidado a Califórnia como a Grécia dos Estados Unidos, este estado mantém a sua liderança em vários sectores económicos e culturais. E a nossa riqueza, para desgosto de muitos conservadores e reacionários (contando-se, infelizmente, muitos luso-descendentes e alguns emigrantes que se esqueceram de onde vieram e quem são), está na diversidade da nossa população e da nossa economia. É que segundo dados do PIB da Califórnia para 2008, somos verdadeiramente um estado multidimensional, ou seja: a nossa economia é diversificada, não estando baseada apenas num único sector. E a diversidade da população é mais do que demonstrada no maior distrito escolar da Califórnia, o segundo maior dos EU, Los Angeles, onde se falam 91 línguas diferentes. Se é verdade que a Califórnia está em melhores lençóis económicos, sociais e culturais do que muitos estados, não é menos

Repensando o

elendemoraes_rj@globo.com

N

a vida passamos por momentos que deveríamos aceitar sem lamúrias e o bom humor seria uma ótima alternativa. Perdoar nossos próprios erros, rir dos nossos medos e mostrar receptividade a novos conhecimentos faz grande diferença para o nosso bem estar, sobretudo se não nos revelarmos sabedores de todas as respostas, porque não somos. No entanto, em algumas ocasiões, nos comportamos tão automática e injustamente, julgando já ter aprendido tudo com a nossa vivência que, muitas vezes, não temos pachorra para ouvir nossos interlocutores até ao final, para só então oferecer a nossa opinião. E tendemos, ainda, a dar menos crédito aos jovens! Não será por isso que só bem poucos concedem a merecida atenção aos mais velhos que se julgam os donos da verdade? Aliás, impacientes, fogem deles! O comentário vem a propósito

do natal que se aproxima. Nesta época os assuntos são quase que os mesmos e giram em torno dos preparativos, dos presentes, do Papai Noel, das comidas, das reclamações de sempre e até quem escreve sobre o tema acaba, algumas vezes, por se repetir, como eu. Pouca – ou nenhuma - referência se faz ao nascimento de Jesus, quando esse deveria ser o centro da festividade. Entretanto, se infelizmente não é, não vejo necessidade de queixas veladas e contendas entre os que têm o natal como uma comemoração religiosa e os que dela participam como se fora uma festa somente, ou qualquer outra. Nesses momentos, deveria prevalecer a sabedoria cristã de quem já viveu o suficiente para saber harmonizar e apaziguar familiares e amigos (“amai-vos uns aos outros”), e não se servir dos desentendimentos para jogar mais lenha na fogueira.

verdade que temos grandes desafios à nossa frente. A proposta para abolir a pena de morte, infelizmente, e graças ao pouco entusiasmo da Igreja Católica não passou. É que a bem da verdade, se a Igreja Católica tivesse tido metade do entusiasmo pela abolição da pena de morte do que teve na proposta para proibir o casamento civil dos gays há 4 anos, hoje a pena de morte seria proibida na Califórnia. Há ainda que enfrentar os enormes desafios da pobreza, da discriminação, dos gastos excessivos com programas supérfluos, entre outros. Apesar destas irresoluções, a Califórnia está muito além da vasta maioria dos estados americanos, particularmente, como se disse, dos do centro e do sul do país. Daí que, quando os meus amigos conservadores se queixam da Califórnia, alguns ameaçando que vão abandonar o estado, convido-os para irem viver para Mississippi, onde o índice de pobreza é na ordem dos 20%, os vencimentos per capita são os mais baixos do país, é dos estados que mais apoio recebe do governo federal, tem vários índices assustadores, mas é governado por Republicanos, ainda tem 63% da população anglo-saxónica e proíbe tudo o que venha dar mais direitos às minorias, portanto ainda é um oásis para os meus amigos da direita. Mais, não fiquem por Mississippi, podem até escolher outros, como por exemplo: Arkansas, Tennessee, West Virginia, Louisiana, Montana, South Carolina, Kentucky, Alabama e North Carolina, ou seja: os outros nove mais pobres estados da união, todos eles dirigidos por Republicanos. É que com algumas imperfeições, a Califórnia, como acabámos de verificar no último ato eleitoral, ainda permanece na vanguarda. Mais, ainda continua a ser a esperança para milhares de migrantes de outros estados e emigrantes de outros países. É que como ouvi algures: a Califórnia ainda é o diamante num anel de diamantes.

E tem aqueles que se irritam com o natal porque acham que Jesus é o culpado pela fome, pela crise mundial, pelo desemprego, pelas crianças pobres e abandonadas que não terão brinquedos, nem comidas especiais e, consequentemente, não terão uma noite feliz. Essas pessoas precisam entender que Jesus nasceu para todos, sim, mas que Ele foi o ato do amor de Deus para com o mundo (“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu Seu Filho unigênito para que todo aquele que Nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” João-3.16), e que o Seu Filho, Jesus, deu a Sua vida terrena em sacrifício, para que tenhamos a vida eterna (os que Nele acreditam). As demais coisas terrenas dependem de nós, dos “homens de boa vontade”, dos cristãos de maior vontade ainda e do amor de cada um para com o seu semelhante. Quem sabe não podemos fazer acontecer, no natal de uma família carente, um

Natal verdadeiro milagre?

E

ncontramos, também, os que à mesa, durante a ceia, ou em algum outro momento da festa, criam grandes discussões em torno da data do nascimento de Jesus e muitos se desentendem. Como a Bíblia não menciona nenhum dia específico para o nascimento de Jesus, só traz a narrativa (“E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo, pois, na cidade de Davi vos nasceu hoje o Salvador que é Cristo o Senhor. E isto vos será por sinal: acharás o menino envolto em panos, deitado numa manjedoura.” -Lucas 2-10.12-), a data foi escolhida pelos cristãos romanos que aproveitaram uma importante festa pagã que acontecia entre os dias 22 e 25 de dezembro, chamada “Natalis Solis Invicti” (nascimento do deus sol), homenagem ao deus persa Mi-

tra, popular em Roma. Em 335 a igreja oficializou a celebração do natal no dia 25 de dezembro. Estudiosos da Bíblia acham impossível que Cristo tenha nascido no inverno e dizem que o mais provável seria entre março e novembro, época que a temperatura permitiria Jesus embrulhado em panos somente, numa manjedoura. Seja em que época for que se comemore o nascimento de Jesus, o importante é que O permitamos nascer em nossos corações e em nossas atitudes, todos os dias. Feliz natal para a equipe incansável do Tribuna Portuguesa, seus leitores, anunciantes e colaboradores. Daqui do Brasil mandovos o meu abraço.


COLABORAÇÃO

Temas de Agropecuária

Egídio Almeida almeidairy@aol.com O Secretário da Agricultura receia que este disfuncional Congresso possa vir a causar problemas nos preços do leite.

F

alando no “World Dairy Expo” em Madison, Wis., o Secretário da Agricultura mostrou-se receoso de que este pouco eficaz Congresso venha a ser um problema de grandes dimensões para a Agropecuária, e não só. No mês passado falando em Madison, Wisconsin, o Secretário da Agricultura Americana, Tom Vilsack, informou que os preços do leite podem automáticamente dobrar no início de 2013 devido ao Agricultual Act de 1949, se o Congresso de 2012, que segundo diz ele (se opõe a tudo e nada faz) não tomar acção. O tempo está passando como uma bomba relógio, e o Secretário pensa que será um desastre para os produtores de leite dos Estados Unidos se uma nova Lei da Agricultura não for aprovada até 31 de Desembro. Os seus receios são - o mercado de vendas doméstico; o mercado de exportações externas; astronómicos custos governamentais; o excoamento de produto devido à subida vertiginosa dos mercados e a opinião pública sobre a industria de lacticínios, que digamos em abono de verdade, não é sempre dos mais favoráveis. O Secretário não experimentou esconder a sua frustação devido ao disfuncionamento político do Congresso, que até agora tem evitado que esta lei viesse a ser aprovada. Se não acontecer até 31 de Dezembro, os produtores do leite e consumidores vão acordar no primeiro dia do Novo Ano com preços no leite nunca antes experimentados, e uma barafunda no mercado impos-

Pode o Congresso alterar o preço do leite?

sível de compreender. Segundo a sua estimativa, a class III das Ordens Federais pode oscilar entre os $39 e $50 por cada 100 libras, mais de que o dobro do que é agora. Isso pode representar perda dos mercados internacionais e um completa ruptura no mercado doméstico. “The 1949 Agricultural Act” estabelece um sistema de (Poder de compra) “Parity” que afectivamente indicava os preços mínimos de um mercado financiado pelo Governo Federal que garante a compra do excesso dos produtos do leite, manteiga, leite em pó e queijo. “Parity” era ajustável ao index inflacionário e ao custo de um cabaz de produtos e serviços relacionado aos produtos de primeira necessidade incluindo os do leite entre 1910 e 1914. O Secretário da Agricultura tinha autoridade de fixar os precos mínimos da Class III entre 75 e 90% de “Parity”.

E

11

ste sistema foi substituido por um sistema de preço fixo em 1983, mas a falta da aprovação da Lei da Agricultura, cada 5 anos automáticamente reverte a legislação para o “1949 Agricultural Act”. O Departamento já não usa “Parity” em nenhum mecanismo dos preços, mas à falta da nova lei o sistema pode regressar. A Casa dos Representantes, que não aprovou ainda o “Farm Bill” (o Senado já o aprovou) e não parece interessada em preencher a sua agenda um tanto ou quanto reduzida, veio para o trabalho a 13 de Novembro tirando a semana de Acção de Graças, e na ocasião em que completamos este trabalho. Muito mais haverá para dizer para que o comboio

não vá despenhar-se no famoso “penhasco”, restam apenas 16 dias de trabalho activo para este Congresso. No caso da não aprovação da lei da agricultura as compras de produtos do leite pelo Departamento da Agricultura vão subir de forma significativa, quando este tiver que absorver o producto que será impossível exportar, devido à inconcebivel diferença dos preços entre os Estados Unidos e os

seus parceiros no comércio intenacional, até o mercado doméstico não parece preparado para uma subida desta envergadura, aproximadamente de 100%.


12

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012

Portuguese Fraternal Society of America

ASSURANCE. PROTECTION. RELIABILITY.

What Matters Most?

• Provide security for years to come • Help protect your family’s standard of living • Avoid leaving debt behind

We Protect Your Future…

Offering SAFE and SECURE Fraternal Insurance for its members since 1880… WHAT DIFFERENTIATES A FRATERNAL SOCIETY OVER COMMERCIAL INSURERS ? While commercial insurers utilize "closed" contracts, i.e., self-contained agreements with set terms, fraternal benefit societies employ "open" contracts. Open contracts are memorialized by the member's application, the insurance certificate, and the society's articles of incorporation and bylaws. Central to this dispute, open contracts also explicitly recognize that the articles of incorporation and bylaws are subject to change, and that any subsequent amendment to them is incorporated into the preexisting open contract as long as it does not destroy or diminish the benefits promised in the original contract. (Kaplan Financial, 2008) When you become a member of the PFSA, you are eligible to purchase term life insurance, return of premium insurance, whole life insurance, and a Coverdell Education IRA.—The PFSA, an organization that is committed to family, community, and country. From a college education for your children, to a secure and rewarding retirement, we have a variety of financial and investment choices that can help you take control of you and your family’s future.

HOW DO I BECOME A MEMBER? It’s simple. Our members are our insured. Anyone purchasing a…

10-YEAR AND 20-YEAR TERM: Level premium plans with a fixed term coverage. Although these plans do not offer cash value or reinstatement provisions they provide protection at a lower cost than whole life. All these Term plans are convertible to a whole life at any time during the term of the contract, by request of the insured and before the insured’s 60th birthday and for an amount equal or lower than the original coverage amount. The Conversion provision does not require additional proof of insurability or medical examinations.

BENEFITS:

➢ Lower cost ➢ More purchase power ➢ Conversion provision

TARGET MARKET: Young families planning for their children’s education and raising needs. The conversion option makes these plans very attractive because it allows the insured to convert the plan to a whole life.

10-YEAR AND 20-YEAR PAY LIFE: Level premium plans with a fixed number of premium payments. These Plans offer cash value accumulation and re-instatement options. Excellent product when planning costs of insurance.

BENEFITS:

1-866-687-PFSA (7372)

• Protect your family or provide a benefit to others • Automatic and flexible payment methods annually, semi-annually, quarterly, or monthly • Help protect you and your family’s assets from the unexpected

➢ Cash Value accumulation ➢ Discounts for early payoff ➢ Forecasting the total cost of insurance ➢ Policy Loans may be granted against the cash value (loan may not exceed 80% of available cash value) ➢ Policy may be re-instated up to 5 years from last due date (medical approval may be required) ➢ Lower Face limit amounts than “interest sensitive” products

TARGET MARKET:

Excellent product for someone who wants to buy or offer insurance protection, but wants to budget and manage the cost of coverage.

20-YEAR AND 30-YEAR RETURN OF PREMIUM: Level premium plans with a fixed number of payments and fixed term. Unlike term insurance, these plans offer cash value accumulation, re-instatement options and policy loans. At the end of the 20 or 30-year term, insured will be paid the total premiums paid minus council dues and any indebtedness they may have.

BENEFITS:

➢ Lower cost than whole life plans ➢ Policy Loans may be granted against the cash value (loan may not exceed 80% of available cash value) ➢ Policy may be re-instated up to 5 years from last due date (medical approval may be required) ➢ Cash Value accumulation ➢ Forecasting the total cost of insurance ➢ Reimbursement of premiums. At the end of the Term member gets reim bursed for all premiums paid except the Council dues.

TARGET MARKET: Young adults and families who want to buy insurance protection for a determined number of years with the assurance that at the end of the term they will get the premium amount returned to them. Home buyers looking for Mortgage Insurance

COVERDELL EDUCATION IRA ➢ Coverdell (Education) IRA – great to start a college fund for children; deposits can be made until the child is 18 years of age; annual deposits up to $2,000.00; funds can be withdrawn for education tax free; funds my be transferred to another child. Minimum to open is $100.00 plus Membership dues

PORTUGUESE FRATERNAL SOCIETY OF AMERICA 1120 East 14th Street, San Leandro, CA 94577 Phone: (510) 483-7676 • 1-866-687-PFSA Fax: (510) 483-5015 www.mypfsa.org

Have a rep contact you today! 1-866-687-PFSA (7372) Or email us at MyPFSA@MyPFSA.org


Quem inventou o dinheiro em papel? 1. NA ANTIGUIDADE: INEXISTÊNCIA DE INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS

O

s arquivos históricos revelam que as bases dos mais antigos sistemas económicos foram, durante séculos, os valores das diversas actividades relacionadas com a agricultura. Entre esses valores salientavam-se a pecuária e os cereais. Na Antiga Mesopotâmia, por exemplo, “notas bancárias” ou “documentos de certificação e garantia” eram utilizados em referência a depósitos ou silos de grão como unidades de crédito. O sistema feudal do antigo Japão baseava-se no arroz produzido durante um ano, isto é, no “Koku”. Mas a proliferação humana trouxe, gradualmente, novas dimensões e maior complexidade às actividades comerciais das sociedades espalhados pelo orbe terrestre. Tudo evolve ... e também o modo de transacionar através do mundo! Talvez a maior e mais progressiva alteração efectuada nas costumadas relações comerciais dos antigos tempos foi a introdução de “notas bancárias” em substituição das pesadas e múltiplas moedas de todos os feitios, feitas de cobre e de outros metais. Antes da introdução do “dinheiro em papel”, os chineses usavam moedas de metal circulares, com um buraco rectangular no centro. Assim, várias moedas poderiam ser e eram atadas todas juntas por um cordel ou corda, facilitando assim o seu transporte. Este costume generalizou-se, mas os mercadores e empresários mais ricos achavam estes processos extremamente onerosos e complicados, sobretudo na segurança e no transporte de elevadas quantidades de moedas para outros pontos. A primeiro, quantias muito consideráveis eram depositadas e confiadas à guarda de entidades consideradas altamente honestas, as quais confirmavam os depósitos recebidos em documento devidamente assinado e certificado. O depositante recebia os seus depositados valores mediante a apresentação do respectivo recibo emitido com a promessa e garantia de pagamento ou devolução.

res. Saliente-se que o uso e a popularidade do “dinheiro em papel” aumentou de tal modo durante a dinastia de Song, que uma das suas prefeituras, a de Xinan (hoje Xixian), remeteu 1.500.000 folhas de papel monetário em sete variedades para a capital, em Kaifeng. Para tornar mais expediente o fabrico do “dinheiro-em-papel”, o Imperador Hunzong estabeleceu várias fábricas e oficinas impressoras em diversas cidades chinesas. É interessante notar que, desde 1107, o governo chinês ordenou a impressão de dinheiro em papel em, pelo menos, seis cores, com intricados desenhos, e, ocasionalmente, com misturas de fibras no papel para assim evitar possíveis falsificações. Para dar uma ideia das dimensões e da importância económica atribuída pelos governos centrais à nova inovação bancária, saliente-se que, de acordo com os existentes arquivos históricos, no ano de 1175 largos números de funcionários especializados eram empregados na preparação e no fabrico das notas bancárias; na fábrica da cidade de Hangzhou, por exemplo, trabalhavam mais de 1.000 empregados cada dia. Esta situação, sem ser verdadeiramente nacional, ocorria em diversas regiões do vasto império. A validade das respectivas emissões de notas bancárias era limitada a 3 anos, e, também, de determinada dimensão territorial. Apenas nos anos de 1265 e de 1274, o governo central de Song promulgou a expansão do seu sistema financeiro e do uso do “dinheiro em papel ” em todo o território chinês. 3. SÃO EMITIDAS AS PRIMEIRAS “NOTAS” COM APOIO PLENO

2. COMEÇAM A SURGIR OS PRIMEIROS FUNDAMENTOS BANCÁRIOS A grande inovação ocorreu na brilhante civilização da antiga CHINA, ou, mais especificamente, na DINASTIA DE TANG (618-907), durante o século 7 da Era Cristã. O que motivou a introdução das notas bancárias foi que os grandes mercadores e empresários chineses desejavam evitar o volumoso e pesado dilúvio de moedas de cobre de todos os tipos que chagavam aos seus balcões, causando-lhe problemas transacionais e de segurança. Aproximadamente em 960, ao ver-se com insuficiente produção de cobre para o fabrico de moedas, a DINASTIA SONG (960-1279) emitiu as suas primeiras notas, circulares, nas quais prometia redenção e pagamento da quantia ou quantias depositadas mediante a entrega de um objecto de valor. Essas notas exigiam um desconto e a respectiva validade era temporária. Aponta a história que essas notas tornaram-se muito populares, sem, no entanto, substituírem completamente as moedas, que continuaram a existir e a ser usadas em transações. O uso de notas emitidas pelas autoridades centrais já na aurora do século 12 havia atingido um nível muito elevado, pois, num só ano, a produção das notas emitidas pelo governo de Song ultrapassara 26 milhões. O ritmo continuou e, em 1120, o governo central incrementou a produção da sua própria emissão de notas em papel, usando blocos de madeira como impresso-

Durante a subsequente DINASTIA YUAN (1271-1368), o uso das notas bancária foi adoptado também pelo Império Mongol então reinante na China. A dinastia Yuan foi a primeira na China a favorecer e a incrementar a utilização de “notas” no seu sistema monetário e financeiro. O próprio fundador da Dinastia, o imperador Kublai Khan (1215-1294), decretou a produção de uma “nota”, a celebrada “Chao”. Essas notas eram restritas geográfica e temporariamente; no entanto, futuras notas foram emitidas sem quaisquer restrições. Nas suas viagens de negócios, os empresários e mercadores provenientes da cidade-estado de Veneza, na Itália, ficavam profundamente impressionados pelo apoio oficial dado pelo próprio governo chinês ao dinheiro em papel, acto ainda única no

COLABORAÇÃO

13

Perspectivas Fernando M. Soares Silva fmssilva@yahoo.com

mundo. 4. RÁPIDO E DIVERSIFICADO DESENVOLVIMENTO BANCÁRIO Na EUROPA. a ideia de transacionar ao sino-modo usando notas monetárias à semelhança das chinesas, surgiu com intensidade no século 14, trazida pelos grandes mercadores e empresários venezianos. Até então, vários países europeus reconheciam o direito de uma pessoa depositar e retirar os seus valores quer em metais preciosos, como o ouro ou a prata, quer monetários. Na Itália, como também nas outras nações do continente europeu, em negócios, intercâmbios ou pagamentos nacionais e internacionais, eram usadas, com frequência, as chamadas “letteras di cambio”, que, na realidade, eram documentos promissórios, mas sem qualquer garantia oficial de pagamento. Naqueles tempos medievais de enorme agitação social e omnímoda insegurança, era impensável transportar largas somas de dinheiro para pontos longínquos, e isto motivou os comerciantes a usar notas promissórias, inicialmente registados pessoalmente. As notas promissórias cedo passaram a ser “ordens de pagamento”, pagáveis ao portador. Estas notas são actualmente consideradas as predecessoras das modernas notas de banco. Realce-se aqui que a expressão “nota de banco” data da designação italiana “nota di banco” do século 14, a qual reconhecia, textualmente, o direito do portador da nota de receber os respectivos valores em preciosos metais, ouro ou prata, em depósito nos bancos que emitiam essas notas. Com o rolar dos anos, o uso de notas bancárias ganhou aceitação geral, mas na Europa só ficaram verdadeiramente popularizadas no século 17. Resumindo: O “dinheiro em papel” evoluiu de recibo de valor ou valores recebidos, para pagamento promissório de contas depositadas, para “ordem de pagamento” pagável ao portador, para valores determinados por organizações não oficiais, e, finalmente, para valores acordados, determinados e garantidos pelos governos ou uniões internacionais. Saliente-se que este processo de garantia foi baseado inicialmente nos valores vigentes dos metais preciosos. Com a remoção dos metais preciosos dos sistemas monetários, as notas bancárias passaram a representar crédito monetário, oficializado e apoiado pelos governos dos países. Os arquivos históricos apontam ter sido, em 1660, o Banco de Estocolmo, predecessor do Banco da Suécia, o primeiro banco na Europa a emitir as novas notas. As já citadas inovações bancárias europeias também despertaram o interesse do Novo Mundo, e com especial intensidade nos ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA, ainda em fase colonial. Em 1690, a Colónia de Massachusetts Bay foi a primeira das 13 Colónias a emitir definitivas notas bancárias, embora o seu uso só ficasse generalizado no século 18, quando já todas as 13 Colónias passaram a produzir as suas próprias notas. Realce-se que o governo federal dos EUA só um século após a adopção da Constituição (1789) passou a emitir as suas próprias notas bancárias. Até 1862, o Congresso dos EUA encarregou First Bank of the United States de emitir, como “quase-banco central”, as suas notas bancárias; mas o banco cessou as suas operações em 1811, quando o Congresso não aprovou a renovação do respectivo contrato. O Second Bank of the United States continuou as funções do anterior “quase-banco central” até 1841. Actualmente, o Federal Reserve Bank é o banco central e executivo dos EUA. Nos EUA, a aceitação das notas monetá-

rias, em substituição dos tradicionais metais preciosos, foi acelerada pela Ordem Executiva 6102, que, no ano de 1933, proibia que qualquer pessoa guardasse mais de cem dólares em ouro, penalizando o infractor com prisão (até 10 anos) e multas em dinheiro (até 10.000 dólares). 5. HÁ DIVERSIDADE NO FABRICO DAS NOTAS MONETÁRIAS NOTAS EM PAPEL ESPECIAL A maioria das contemporâneas notas monetárias ou bancárias são feitas de misturas de algodão e papel. O algodão é frequentemente misturado com linho, abacá, ou fibras de outros têxteis. O papel usado na produção das notas é um papel especial, resiliente, flexível e durável, feito para durar, pelo menos, 2 anos no bulício da vida quotidiana. Este tipo de papel recebe uma infusão de álcool polivinílico ou gelatina que lhe confere maior robustez e durabilidade. As primeiras notas chinesas eram impressas em papel feito de cascas de amoreira, material ainda usados no fabrico de notas bancárias no Japão. Com o propósito específico de lhes conferir maior autenticidade oficial e de dificultar possível falsificação, as modernas notas de banco incorporam hologramas, e, inseridas, uma ou mais fibras, com, ou sem, outros componentes de segurança que descoragem contrafacção. NOTAS POLIMÉRICAS Numerosos países têm preferido usar materiais diferentes quer com vista a mais duradouras notas monetárias, quer com o objectivo de dificultar ou eliminar possíveis tentativas de falsificação. Estas notas denominadas poliméricas, apareceram no mercado bancário em 1983 e são o resultado de polimerização, processo químico que funde e cria um composto de iões ou unidades numa só estrutura. Em 1966, a Austrália produziu notas monetárias feitas de prolipropileno (plástico) de materiais de poliméricos biaxiais caracterizados pela presença de um cristal opticamente anisotrópico. Austrália, Brasil, Brunei, Chile, China, Costa Rica, Guatemala, República Dominicana, Indonésia, Irlanda, Israel, México, Nepal, Nova Zelândia, Roménia, Singapura, Tailândia, Taiwan, Vietname, e Zâmbia, já usam notas monetárias poliméricas. Outros países já indicaram planearem associar-se a este grupo. Em 2005, a Bulgária emitiu as primeiras notas híbridas, isto é, feitas de papel e polímero. NOTAS FEITAS DE OUTROS MATERIAIS Com o objectivo de prover maior durabilidade e segurança, através dos anos, notas bancárias têm sido produzidas de outros materiais, tais como seda, e couro. Assim, em 1844 surgiram as primeiras notas de papel com embebidas fibras de seda; essas notas têm sido usadas nos EUA desde 18 70. Note-se também que na Rússia, durante a administração de Alaska, notas bancárias foram impressas em peles de foca; e moedas e notas de couro foram produzidas na Alemanha e em países Bálticos durante o século 19. Os arquivos históricos também registam que em 1923 notas monetárias foram impressas em madeira; anteriormente, isto é, em 1763-1764, notas em madeira foram usadas no Canadá durante a Rebelião de Pontiac.


14

COLABORAÇÃO

15 de Dezembro de 2012

Acabou A Embora já existissem algumas publicações periódicas diárias nos Açores, foi com a instalação do cabo submarino, em Agosto de 1893, que a imprensa passou a beneficiar de notícias frescas para satisfazer o interesse dos leitores. Foi neste contexto que surgiu na Terceira o jornal A União. O dia da Restauração, 1 de dezembro, foi o escolhido para fazer o lançamento do primeiro número. Dificuldades relacionadas com a aquisição de papel levaram a que só fosse publicado no dia 3. A proposta para o título terá partido do dr. Manuel António Lino que pretendia, precisamente, uma união de ideais entre os membros que estavam na origem do lançamento do vespertino. A liderar esse grupo, esteve Manuel Vieira Mendes da Silva, seu proprietário e fundador. A experiência de Vieira Mendes na área do jornalismo já havia sido exercitada no jornal O Católico (1876 a 1886) e no Cartão de Visita (1891-1893). Nascido em Angra do Heroísmo a 28 de Setembro de 1862, estudou no liceu de Angra e no seminário, revelando desde sempre uma forte tendência religiosa. Foi durante algum tempo capelão-cantor na Sé de Angra e proprietário da Livraria Religiosa, na Rua do Galo, em finais do século XIX. Para além da sua ligação ao jornalismo foi também proprietário de uma casa de comissões e consignações e agente da companhia Fabre. Até à sua morte a 14 de Outubro de 1922, empenhou-se nos grandes problemas açorianos e de um modo especial nos da Terceira, nomeadamente a campanha autonomista, ações em prol das casas de caridade, o problema dos alienados, os baldios, a emigração, etc. Pertenceu a várias comissões de imprensa para a defesa de interesses insulares e dinamizou várias comemorações centenárias. Politicamente, situou-se no campo conservador, tendo sido franquista e nacionalista. No campo editorial foi responsável pela publicação da segunda edição da Topografia da Ilha Terceira e Épocas Memoráveis da Ilha Terceira. Antes de se instalar na Rua da Palha, o jornal andou circulando por vários locais. O cimo da Rua do Galo, nºs 125 a 129, foi a sua primeira moradia. Na fotografia publicada podemos ver a placa a indicar ou Livraria Religiosa que pertencia a Vieira Mendes ou a própria sede do jornal, estando alguns distribuidores no meio da rua. É muito provável que Vieira Mendes tivesse ali a sua moradia. A redação e administração também andaram entre a Rua do Galo e a da Sé até se estabelecerem na Rua da Palha. A tipografia, que passou a designarse tipografia Minerva de A União, já estava instalada na Rua da Palha em 1913, no nº 19. A ela se vão juntar, em 1924, a redação e a administração. No editorial do primeiro número do jornal, este apresenta-se como um diário informativo e formativo que procurará divulgar “tudo quanto possa interessar o movimento moral, intelectual, social e económico da humanidade” e tudo “quanto pertença ao santo labor do progresso será bem aceite”. O novo diário está assim aberto ao pluralismo de ideias, mas com uma condição: “não se discutirem aqui questões religiosas nem de política partidária e muito

UNIÃO

menos facciosa”. Isto não significava que rejeitasse o interesse pela política, mas pretendia deitar alguma água na fervura, dado que não era um jornal ligado a qualquer partido. Ao longo da sua vida, A União cumpriu esse objetivo, mas sempre com um pendor conservador. Após a morte do seu primeiro diretor, a Diocese acabou por comprar o jornal. Estávamos numa conjuntura em que a Igreja procurava afirmar-se perante as investidas da ideologia mais radical de alguns republicanos. Deste modo, assumia o controlo de algumas publicações em várias ilhas, nos anos 20: A Crença (semanário), Vila Franca do Campo; O Dever (semanário), Calheta de São Jorge; A Verdade (semanário) e A União (diário) em Angra do Heroísmo;

tidárias”. Em relação ao futuro, anuncia: “Com o auxílio de Deus continuará, como até agora, sempre na brecha em defesa dos interesses açorianos”, em especial pela Terceira, “pugnando pela justiça, pela paz, pela moralidade e pela ordem, advogando de preferência a causa dos pequenos, dos pobres, dos humildes e dos perseguidos que são, em regra, os que mais carecem protecção”. O sinal de ligação à Igreja só transparece quando clarifica que merecerá atenção a defesa da Igreja Católica, “tão injustamente perseguida nos últimos anos em Portugal”. Adianta que as suas páginas continuarão abertas para a defesa de qualquer causa justa de interesse público. A mudança é uma mudança suave que a maior parte dos leitores nem terá percebi-

Sinos d´Aldeia (quinzenário), Bandeira do Pico; no Faial, Boa Nova (quinzenário), Voz do Campo (quinzenário), O Futuro (quinzenário, distribuído também no Pico) e o Correio da Horta. Com a implantação do Estado Novo e o desaparecimento de muitos jornais republicanos radicais o ambiente tornou-se menos hostil à Igreja. Mas quando A União passou para o controlo da Igreja, a 1 de dezembro de 1924, a mudança foi pouco percetível. Num pequeno artigo intitulado MAIS UM ANO valoriza-se o papel que o jornal deu nas “várias campanhas em prol de ideais mais elevados”, “afastado das mesquinhas par-

do, dado que no cabeçalho continua como editor e administrador Henrique Pamplona. A 3 de Março de 1925 o jornal passou para a propriedade da Empresa A União, e no ano seguinte, a 2 de Agosto de 1926, a direção passa então a ser exercida por José Augusto Pereira, a que se seguirá um ciclo de diretores eclesiásticos. É neste contexto que no cabeçalho começa a apresentar-se como diário católico. Algumas melhorias se processaram com a aquisição por parte da Diocese. Em 1925, as instalações da Rua da Palha foram remodeladas, passando a ter quartos de arrecadação para papel e tintas, quartos

Carlos Enes separados para a administração, direção e secretário da redação, além de uma sala ao meio, com duas grandes mesas com jornais. Em 1926, a tipografia foi equipada com material alemão, compreendendo quatro coleções completas de fios e várias máquinas, entre as quais uma perfuradora. Ao longo da sua existência, o jornal manteve 4 páginas diárias, havendo períodos de exceção, nomeadamente por altura da I e da II guerras mundiais que apresentava apenas duas páginas. Estes condicionalismos interferiram também no tamanho do próprio jornal que apresentou nos anos 20 uma dimensão mais pequena. A dimensão atual terá sido introduzida em 1927. Em 1940 publicou-se o primeiro número ilustrado a cores, por ocasião do aniversário. Noutras datas, e em vários anos retomouse esta iniciativa, nomeadamente no 1º de dezembro, no Natal ou em acontecimentos especiais como uma homenagem a Nossa Senhora de Fátima. Por várias vezes apareceram edições com mais de 4 páginas. Quem quiser estudar a nossa história política, social, cultural ou desportiva tem obrigatoriamente de folhear as páginas do jornal. Há nele uma rica secção que comporta as notas dos correspondentes nos meios rurais. Eram geralmente sacerdotes que, com regularidade, iam passando para a imprensa as pequenas novidades que aconteciam no “monte”. Destaque-se os relatos das festas religiosas e profanas, fundamentais para se compreender a evolução das mesmas. Entre estes colaboradores não posso deixar de realçar Manuel Narciso de Lima, pároco na Vila Nova em toda a primeira metade do século XX. Homem com uma cultura muito acima da média e com uma escrita brilhante inseriu nas páginas d´A União textos de grande valor etnográfico. Mas o jornal A União marcou também presença com as suas páginas específicas ou suplementos temáticos. Refira-se a página infanto-juvenil, a das mulheres, a União Pastoral, monografias das freguesias, Quarto Crescente, Escutismo, e o conceituado Glacial que marcou o panorama cultural açoriano. Este suplemento de Artes e Letras, com início a 15 de Julho de 1967, deu origem à chamada “geração glacial”. Nela se integravam jovens com perspetivas mais progressistas, que contestavam o poder político, dentro dos condicionalismos impostos. O movimento alargou-se a escritores de várias ilhas, congregando um alargado núcleo que se afirmou no campo literário. Até Junho de 1973 publicaram-se 108 números, altura em que foi afastado o diretor do jornal, dr. Cunha de Oliveira, conhecido pelas suas ideias mais avançadas. É sempre com mágoa que assisto ao desaparecimento de um jornal. Com ele desaparece um pouco da nossa história, desaparece mais uma fonte de informação que enriquece o pluralismo da nossa sociedade. Esperemos que o encerramento desta publicação diária não seja definitivo. Publicado na Sexta-Feira, dia 30 de Novembro de 2012 In aunião


PATROCINADORES/COMUNIDADE

Começou a publicar-se há nove semanas um Boletim Semanal do Ano da Fé em resposta ao pedido de Bento XVI, que quiz consagrar este ano como o Ano da Fé. A iniciativa partiu de João Sousa, diácono, residente em de Fresno, também responsável pelo programa

"Nossa Fé, Nossa Vida" do Canal 49 de Fresno, que pode ser visto na internet clicando no seu nome quando aceder ao YouTube. O Boletim está muito bem feito, tem quatro páginas, tem notícias do mundo católico, fala sobre a semana litúrgica, as leituras das missas, reflexões sobre

15

as mesmas e informações úteis. Se alguem estiver interessado em receber este boletim mandem um email para deaconjohnsousa@ yahoo.com e passarão a recebê-lo semanalmente.

60º Aniversário Matrimonial No dia 30 de Setembro, o casal José e Durvalina da Costa, residentes na Cidade de Long Beach, naturais da Freguesia da Serreta, Terceira, celebraram o seu magnifico 60º aniversário matrimonial. A partir das 11:00 horas da manhã o Salão do Hotel Holiday Inn, na Cidade de Buena Park, recebeu os cerca de 120 convidados convidados, entre os quaisparentes e amigos. Após as apresentações, feitas pelo genro do casal aniversariante, Moisés

Lourenço, ladeado por filhos, filhas, netos e bisnetos, o casal partiu o enorme bolo de aniversário e tiraram as fotografias da praxe. Seguiu-se o lauto lanche excelentemente confeccionado e rigorosamente servido, satisfazendo todos os gostos presentes, o que nos leva a acreditar, sem excepção. Parabéns a este casal amigo, bem como a todos os seus familiares, por esta longevidade matrimonial com votos de muitos

mais aniversários com saude e alegria. Fernando Dutra correspondente deste jornal no Sul da California e a minha familia desejamos um Natal Feliz e um Ano Novo, repleto de de prosperidades ao Director do Tribuna, e a todos os que nele trabalham, colaboradores, correspondentes, leitores em geral e respectivas famílias, com saude e alegria.

Nova Direcção do Grupo Folclórico Tempos de Outrora

Realizou-se no Domingo, dia 9 de Dezembro na Sede do Portuguese Athletic Club a Festa de Natal do Grupo Folclórico Tempos de Outrora. Aproveitou-se este dia de festa para a tomada de posse da nossa direcção: Presidente - David S. Garcia Vice-Presidente - Jorge Ferreira Secretário - Alexandria MoulesSilva 2º Secretário - Felip Silveira

Tesoureiro - Edite Flores 2º Tesoureiro - Angelina Costa Director Executivo - Manuel Terra Director Cultural - Filomena Rocha Director Guarda Roupa - Maria Terra Director de Ensaios - Denise Avila 2º Director de Ensaios - Paula Fletcher 1º Director - Fernanda Vieira 2º Director - Michael Soares 3º Director - John Diniz


16

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012

2013


Boas Festas a todos os nossos patrocinadores

PATROCINADORES

17


18

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012

HELIA SOUSA sauda toda a Comunidade e deseja a todos

Um Bom Natal e Um Bom Ano de 2013


Leia todos os dias o Tribuna Portuguesa em

PATROCINADORES

19

Novo Livro de Serafim Cunha

www.tribunaportuguesa.com

Goze com os nossos videos e slideshows A editora Edições Ecopy colocou este mês no mercado o livro SAGA estórias na rota atlântica da autoria de Serafim da Cunha. A rota atlântica começa nos Açores e estende-se à Europa, África, Brasil e a América do Norte. Cada estória traz ao leitor uma dimensão social, cultural e até por vezes económica e politica que a e/imigração, e não só, impõe a todos os que por motivos únicos deixaram a terra natal para se fixarem noutros países ou localidades, em que as condições de vida por vezes são mais difíceis e complexas das que deixaram. Para facilitar a pesquisa/procura e compra na NET use o título do livro ( saga estórias…). O livro pode ser adquirido na NET nas seguintes páginas: Livraria Bertrand, Wook, e Edições Ecopy.

www.bertrand.pt www.wook.pt www.ecopy.macalfa.pt edicoes.ecopy.pt


20

COMUNIDADE

15 de Dezembro de 2012

Anúncio Oficial de Encerramento da Escola Jardim Infantil Dom Dinis A Administração do Jardim Infantil Dom Dinis comunicou, no passado dia 1 de Novembro, aos pais e professores a decisão de encerrar o mesmo no dia 31 de Dezembro, apontando aos pais para que comecem a procurar soluções alternativas com urgência. Segundo as informações que nos chegaram, a Administração da escola Dom Dinis apresentou esta decisão com duas razões: o final do contrato com a Igreja Nacional Portuguesa das Cinco Chagas e o aviso que a paróquia das Cinco Chagas não tencionava renovar o contrato. Na declaração Dom Dinis explica que, desde o início de Janeiro, Goretti Silveira, a diretora executiva tentava contatar a Administração da Paróquia das Cinco Chagas para discutir possíveis alternativas sem qualquer resposta. Em Março a pessoa na altura encarregada da administração das Cinco Chagas, informou que muito brevemente deveriam ter uma resposta concreta. Os meses passaram e a Administração da escola Dom Dinis continuou apenas a receber silêncio. Finalmente, no dia 27 de Outubro o novo administrador, o

reverendo padre David Mercer, avisou que a a Igreja Nacional Portuguesa das Cinco Chagas não tencionava renovar o contrato. Na carta aos pais e professores, Goretti Silveira aponta as circunstâncias, entre elas o curto aviso pela parte das Cinco Chagas, que fariam uma relocação nesta altura praticamente impossível e o que a levou a decidir encerrar o Jardim Infantil Dom Dinis após 29 anos de existência.

O Jardim Infantil Dom Dinis deseja que neste Natal todos sintam mais forte ainda o significado da palavra paz e amor. FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO NOVO PARA TODOS!

Diga-se o que se disser...

As melhores panorâmicas dos Açores são de José Enes - Tel. 562-802-0011


COMUNIDADE

21


22

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012


PATROCINADORES

23

1555 Alum Rock Ave. San Jose ca, 95116 www.bacalhaugrill.com bacalhaugrill@gmail.com Facebook 408 259 6101

Anis

$13.00

Licor Beirao SantolaVinho $17.00 Verde $7.00

Meia Encosta Tinto $4.00 Licores dos Acores $18.00

Macieira

$14.00

Est達o todos convidados a Nossa Figos $3.00 lb Festa de Natal com mais especiais no dia 15 de Dezembro das 10 da manha as 6 da Sumol $12.99 tarde 24 pk.

Licor de Maracuja

Aveleda/Casal Garcia

$5.50

$14.00


24

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012


PATROCINADORES

25


26

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012


PATROCINADORES

27


28

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012

PORTUGUESE FRATERNAL SOCIETY Desejam

OF

AMERICA

a Todos

Boas Festas e Feliz Ano Novo www.mypfsa.org


DESPORTO

29

LIGA ZON SAGRES Benfica ganhou bem o derbi de Alvalade Liga Zon Sagres - 12-12-2011 V 9 9 6 5 3 4 4 3 2 3 2 2 2 2 1 1

E 2 2 2 3 7 3 3 4 5 2 5 4 4 4 6 4

D 0 0 3 3 1 4 4 4 4 6 4 5 5 5 4 6

P 29 29 20 18 16 15 15 13 11 11 11 10 10 10 9 7

V 12 10 9 8 7 7 7 7 6 6 5 6 7 7 5 6 5 3 3 3 3 2

E 2 4 4 4 7 6 5 4 6 6 8 5 1 0 6 3 3 7 6 6 5 4

D 2 2 4 5 3 4 4 6 5 5 4 6 9 10 6 8 9 6 8 8 9 11

P 38 34 31 28 28 27 26 25 24 24 23 23 22 21 21 21 18 16 15 15 14 10

J 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10 10

V 6 7 5 4 4 5 3 4 3 3 2 3 2 1 1 1

E 4 1 4 4 4 1 6 3 3 3 5 2 3 4 3 2

D 0 2 1 2 2 4 1 3 4 4 3 5 5 5 6 7

P 22 22 19 16 16 16 15 15 12 12 11 11 9 7 6 5

J 1Sertanense 11 2Farense 11 3Mafra 10 4Torreense 11 5Oriental 10 6UD Leiria 10 7Fátima 10 8Casa Pia 11 9Carregado 11 10Quarteirense 10 111.º Dezembro 10 12Pinhalnovense10 13Fut. Benfica 10 14Oeiras 10 15Louletano 10 16Ribeira Brava11

V 7 6 6 5 5 4 5 3 4 3 2 3 2 2 1 1

E 1 4 3 3 2 4 0 6 2 4 5 2 4 3 4 1

D 3 1 1 3 3 2 5 2 5 3 3 5 4 5 5 9

P 22 22 21 18 17 16 15 15 14 13 11 11 10 9 7 4

V 9 7 5 4 4 4 2 1 2 0

E 0 1 2 3 2 2 1 3 0 2

D 0 1 2 2 3 3 6 6 8 7

P 27 22 17 15 14 14 7 6 6 2

1Benfica 2FC Porto 3SC Braga 4Rio Ave 5P. Ferreira 6Estoril 7V. Guimarães 8Marítimo 9Sporting 10Nacional 11V. Setúbal 12Olhanense 13Gil Vicente 14Beira-Mar 15Académica 16Moreirense

J 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11 11

Segunda Liga

J 1Belenenses 16 2Sporting B 16 3Arouca 17 4Benfica B 17 5Desp. Aves 17 6Oliveirense 17 7U. Madeira 16 8Santa Clara 17 9Tondela 17 10FC Porto B 17 11Leixões 17 12Portimonense 17 13Atlético 17 14Marítimo B 17 15Naval 17 16Penafiel 17 17Feirense 17 18V. Guimarães B16 19SC Braga B 17 20SC Covilhã 17 21Trofense 17 22Freamunde 17

II - Zona Centro 1Cinfães 2Anadia 3Sp. Espinho 4Operário 5Coimbrões 6S. João Ver 7BC Branco 8Ac. Viseu 9Pampilhosa 10Cesarense 11Tourizense 12Sousense 13Nogueirense 14Bustelo 15Lusitânia 16Tocha

II - Zona Sul

III Divisão - Açores 1Praiense 2Angrense 3Sp. Ideal 4Rabo Peixe 5Prainha 6Santiago 7SC Barreiro 8Vitória Pico 9SC Marítimo 10Flamengos

J 9 9 9 9 9 9 9 10 10 9

Sporting 1 Benfica 3

Óscar Cardozo bisou perto do fim e confirmou a reviravolta na vitória fora sobre o Sporting Clube de Portugal no derby de Lisboa, por 3-1, que fez o SL Benfica voltar ser líder da Liga portuguesa em igualdade com o FC Porto, enquanto o SC Braga ganhou por 4-1 no terreno da A. Académica de Coimbra. O triunfo no sábado sobre o Moreirense FC, por 1-0, deixara o Porto isolado com três pontos de vantagem no topo sobre o Benfica antes do derby de Lis-

boa. E, no final da etapa inicial do jogo disputado no Estádio José Alvalade, as coisas até não estavam fáceis para o conjunto de Jorge Jesus, pois Ricky van Wolfswinkel adiantou os "leões" em cima da meia-hora, num remate de primeira com o pé esquerdo em plena grande área, na sequência de cruzamento da esquerda de Diego Capel. Contudo, tudo começou a mudar na segunda parte para os "encarnados" quando os visitantes em-

pataram graças a um autogolo de Marcos Rojo (58), ao int roduzir a bola na sua própria baliza após Cardozo ter rematado de cabeça contra o guarda-redes Rui Patrício depois de cruzamento da esquerda de Ola John. O ponta-de-lança do Paraguai pôs depois o Benfica na frente do marcador aos 81 minutos, de grande penalidade, a castigar mão na bola de Khalid Boulahrouz, num lance que ditou a expulsão do defesa-central holandês do Sporting, antes de voltar a festejar, de cabeça, cinco minutos volvidos, a cruzamento de Eduardo Salvio da esquerda. A vitória deixou o Ben-

Porto 1 Moreirense 0 O FC Porto recebeu este sábado o Moreirense FC, tendo vencido pela margem mínima (1-0), por culpa de um golo de Jackson Martínez na segunda parte, que vale a liderança isolada na Liga portuguesa, pelo menos até segundafeira.

mente por Martínez, de cabeça, após um pontapé-de-canto cobrado por James Rodríguez. Com este resultado, os campeões portugueses destacam-se na liderança, agora com mais três pontos do que o SL Benfica, que visita o terreno do Sporting Clube

Os campeões portugueses dominaram as operações na primeira parte mas não conseguiram chegar ao golo, com o nulo a manter-se até ao descanso. Jackson Martínez foi o portista que mais perto esteve de marcar, com um par de lances perigosos junto da baliza do Moreirense.

de Portugal na segundafeira.

Na segunda parte, os "azuis-e-brancos" continuaram a dominar e chegaram ao golo aos 71 minutos, precisa-

O GD Estoril-Praia recebeu o Vitória FC na sexta-feira, na partida que abriu a 11ª jornada, tendo vencido por 3-0, com golos de Luís Leal, Evandro e Jefferson.

in uefa.con

fica, ainda sem qualquer desaire, com os mesmos 29 pontos do Porto e líder devido à melhor diferença de golos, enquanto o Sporting continua somente com uma vitória em 11 jornadas e desceu para o nono lugar, a 18 pontos da dupla. No outro encontro do dia, em Coimbra, o Braga recuperou o terceiro lugar a nove pontos do Benfica e do Porto e ultrapassou o Rio Ave FC ao bater fora a Académica com dois golos em cada parte. Ismaily (9) e Ruben Amorim (17) marcaram antes de Mossoró (63) e Carlão (80), este último cinco minutos após entrar em campo a substituir Éder. Salim Cissé, aos 85 minutos, encurtou a diferença da Académica, agora em posição de despromoção (15�� lugar). in uefa.com


30

TAUROMAQUIA

15 de Dezembro de 2012

Reflexões Taurinas

Joaquim Avila bravoi3@sbcglobal.net

Plaza de Toros de Acho em Lima, Peru

Quarto Tércio

José Ávila josebavila@gmail.com Mais um ano vai acabar que nos dei-

xa na boca um sabor amargo. Que ano foi este em termos taurinos? O que é que nos encantou e o que foi que nos desencantou? A Festa Brava não pode viver de pormenores. A Festa Brava tem de viver com realidades, com certezas, com honestidade, com pessoas que saibam fazer bem para melhorar a festa. O maior acontecimento do ano foi a Corrida de Gala à Antiga Portuguesa dos 100 Anos da Festa do Espirito Santo de Turlock. Uma organização impecável de gente nova que quiz demonstrar o valor que têm e quão bem podem fazer coisas tão bonitas. Sentimos um enorme orgulho em ver aquele acontecimento.

J

á há vários anos que andava a sonhar em fazer uma viagem a Lima, Perú, para assistir a uma corrida na famosa Praça de Touros de Acho. Finalmente este meu sonho foi concretizado no passado dia 25 de Novembro. Depois de 12 horas completas de vôo intercaladas por duas paragens em Houston e Panamá City, lá chegámos a Lima aonde nos esperava o nosso amigo Alejandro Leiva que viria a ser o nosso guia turistico durante os dias que iríamos visitar esta linda cidade. Francisco Pizarro de Espanha fundou a cidade de Lima em 1535. Ainda hoje podemos ver os belos edifícios com as suas varandas todas cobertas em madeira, que são sem dúvida belas obras de arte. Tal como todas as cidades da América Central e América do Sul, é bastante evidente a influência Católica pelo número das belas Igrejas e Mosteiros na parte colonial da cidade. Lima tem uma grande devoção por Santa Rosa de Lima e por São Martin de Porres por serem locais. Em todas as Igrejas e mosteiros que entrámos vimos estes santos, incluíndo na Ermida da praça de touros de Acho. Lima é uma cidade fascinante com uma população de quase 9 milhões de habitantes. A praça de touros de Acho foi fundada a 30 de Janeiro de 1766 e actualmente tem a capacidade para 17 mil pessoas. Tem a particularidade de ser a praça de touros mais antiga das Américas e de ser a segunda mais antiga do mundo, sendo a La Maestranza de Sevilla em Espanha a mais antiga. Para a terceira corrida, das 5 corridas da feira do Senhor dos Milagres de Lima, estavam anunciados os matadores espanhois, El Fandi, Miguel Ángel Perera e Alejandro Talavante. A ganaderia seria de San Sebastián de las Palmas da Colômbia. Infelizmente as cinco corridas da feira são realizadas só aos Domingos, o que fez com que só pudessemos assistir a uma corrida, mas mesmo assim valeu a pena tantas horas de viagem porque tivemos a grande sorte de assistirmos a uma grande faena de Perera. Ficamos hospedados na parte nova da cidade chamada Miraflores, bem perto de uma bela

e longa praia banhada pelo oceano Pacifico. De Miraflores à praça de Acho gastámos 30 minutos de táxi depois de termos conseguido baixar o preço da tarifa de 30 nuevo sols para 20 sols. Fomos bem cedo para termos a certeza que teríamos tempo para vermos bem a praça e o seu importantissimo museu (ver foto abaixo). A praça de touros tem o nome de Acho precisamente por estar situada numa àrea da cidade chamada Acho. Antigamente teria sido um lugar fino da cidade pelos vestigios de alguns edifícios de arquitectura colonial, mas que ao longo dos anos devido aos terramotos e incêndios, foram decaíndo deixando assim os arredoras da praça não muito convidativos, com muita probreza por todos os lados.

Ao entrarmos na praça o ambiente muda totalmente, além de levar algum tempo para esquecer o desnível de sociedades entre as pessoas dos arredores de Acho e das pessoas que estavam dentro da praça. Uma corrida de touros em Acho durante a Feira do Senhor dos Milagres é sem dúvida só para um certo nível de pessoas, porque os bilhetes mais baratos eram por volta dos 100 dólares ame-

Segundo lemos no facebook, o Grupo de Forcados do Aposento de Turlock irá participar em 2013 na Corrida de Toiros Anual da Festa da Praia da Vitória, que se realiza na Monumental de Angra em Agosto. Mais uma vez a nossa forcadagem vai poder demonstrar a sua valentia e o seu amor à festa brava. Os nossos parabéns.

ricanos. Depois de vermos todas as instalações da praça e de visitarmos a bonita “Capilla” aonde se celebrava Esta página taurina deseja a todos os aficionados um Bom uma missa antes da corrida, Natal e Um Ano Novo Cheio de Boas Corridas de Toiros. fomos visitar o museu taurino instalado mesmo ao lado da praça. Ficamos realmente Perera veio para tourear com ganas, mas encantados com este museu por conter tanta infelizmente nos seus dois touros pinchou, história tanto em pinturas como em fatos de perdendo uma orelha no primeiro e duas no luzes, incluíndo um do matador português segundo, fazendo com que não pudesse sair Victor Mendes e por mencionar o nosso José pela porta grande. Perera é um toureiro séJulio como um dos vencedores do Escapulário mas consegue transmitir bem ao público rio de Ouro. Foi a primeira vez que vi duas a sua arte séria e verdadeira, arrojando-se pinturas de Picasso em pessoa. Não sou muito, fazendo com que muitas vezes até grande admirador das obras de Picasso mas paramos de respirar ao ver o touro quase a como o tema era do meu agrado, não deixei roçar o seu fato de luzes. No seu segundo, de ficar impressionado. com o numero 219, negro de 500 kgs e com o Depois de uma deliciosa refeinome de Estampero, Perera esteve realmente ção num dos vários restauranfantástico. O touro mostrou não ter muitas tes da praça tivemos o prazer forças ao investir ao cavalo, acabando por de conhecermos e conversar levar só meia picada a pedido de Perera. com vários amigos aficionaTudo indicava que não iríamos ter touro por dos de Alejandro. Como não falta de força, mas aconteceu precisamente o poderia deixar de ser o tema contrário. Com muita calma Perera levou o era de touros e acompanhado touro para os médios e consegiu fazer tudo por um bom copo de vinho. O o que quiz com o touro. O público já estaambiente era bastante festivo va a delirar e já se ouvia algumas petições e notava-se muita cultura taupara o indulto, o qual não foi concedido, e rina. Estava nas minhas sete muito bem, por falta de força no cavalo e por quintas. não ser tão claro pela esquerda como foi pela A corrida começou precisadireita. Ao matar, Perera pinchou perdendo mente às 3:30 como estava assim todos os direitos de orelhas, mas não previsto. As cortesias são imdeixou de dar a volta à praça com uma granpressionantes mas muito ráde ovação. pidas. Não leva muito tempo Talavante teve muito pouca sorte no seu para desfilar e pedir autorizalote, não conseguindo tirar nenhum partido ção ao director de corridas a dos seus touros. Támbem não houve voltas 3 matadores, 9 bandarilheiou prémios para este matador de grande varos, 6 picadores nos seus calor. valos e seus acompanhantes. Nesta corrida não houve orelhas, nem rabos Fandi não esteve muito inspirado nos seus e nem indultos mas houve uma grande faena dois touros de San Sebastián de las Palmas. que eu nunca a irei esquecer. O primeiro era um touro bravo mas este maSaí da corrida verdadeiramente satisfeito. tador não o conseguiu entender, nem mesmo nas bandarilhas que é o seu forte. O segundo foi menos bom mas neste touro Fandi cravou 4 pares de bandarilhas que levantou a praça toda. Na muleta pouco pode fazer. Fandi escutou silêncio nos seus dois touros.


PATROCINADORES

31

Assine o Tribuna Portuguesa e fique a par do que se passa


32

ARTES & LETRAS

15 de Dezembro de 2012

Manuel Ferreira Ficção e história

Urbano Bettencourt

T

omemos os três volumes da narrativa ficcional de Manuel Ferreira: O Barco e o Sonho (1.ª ed., 1979), O Morro e o Gigante (1980) e Açores – armas e barões assinalados (1981). A um primeiro olhar, há-de surpreender a concentração das edições, surgidas num tão curto espaço de tempo e numa altura em que o autor entrara já na casa dos sessenta. No entanto, uma rápida indagação de história literária, mesmo sem ir demasiado longe, detectaria a sua assinatura já em contos publicados nas revistas Insulana (1948, Vol. IV, n.º 4) e Açória (1958, Fascículo 1), ambas de Ponta Delgada. No primeiro caso, tratava-se de “ O

A breve contextualização poderá ajudar a compreender o sentido da ficção de Manuel Ferreira, o seu lugar no âmbito do gosto literário e das preocupações de uma época, para lá das razões próprias que assistem a cada autor no seu relacionamento com a escrita e o mundo. No texto que escreveu em 1979 para introdução a O Morro e o Gigante, Manuel Ferreira deixa claramente delineada a orientação do seu projecto literário começado cerca de quarenta anos antes, o propósito de “fixar quadros e aguarelas da vida do nosso povo, numa época hoje já distante, entre o segundo e o terceiro quartel deste negregado século”. Na verdade, se exceptuarmos as “narrativas históricas” sobre-

Alevante da Isca” que ganhara o primeiro prémio dos Jogos Florais Açorianos desse mesmo ano, promovidos pelo Instituto Cultural de Ponta Delgada com o objectivo de comemorar a estadia de Castilho em S. Miguel um século antes; no segundo caso, com “O Barco e o Sonho” Manuel Ferreira marcava presença no número inaugural da efémera revista coordenada por Jacinto Soares de Albergaria, ao lado de escritores como Ruy Galvão de Carvalho, Armando Côrtes-Rodrigues, Fernando de Lima e Armando Rocha, entre outros. No conjunto, os três volumes recolhem um total de vinte e três narrativas datadas pelo autor, o que nos permite verificar o seguinte: os dois textos mais antigos vêm da década de trinta, a que se juntam outros dois na década seguinte; o mais recente é já dos anos setenta. Isto quer dizer que dezoito dos contos aqui incluídos foram escritos por meados do século passado, nas décadas de cinquenta e sessenta, por esse tempo em que Sousa Nunes publicava Amanhã será o mesmo (1958, Angra), Dias de Melo fazia sair o seu Mar Rubro (1958, Lisboa) e As Terras da Santa, de Ruy-Guilherme de Morais, eram editadas na Colecção Imbondeiro (1960, Sá da Bandeira) – tudo obras posteriores à colectânea de contos de Vitorino Nemésio, O Mistério do Paço do Milhafre (1949, Lisboa).

tudo pelo carácter mais individualizado e socialmente restrito da generalidade das personagens, os contos de Manuel Ferreira privilegiam a representação de um espaço social popular, com o seu universo de crenças e rituais, os dramas, as expectativas e os sonhos, mas também com os constrangimentos e obstáculos, vale mesmo dizer os mecanismos de opressão próxima ou remota; e nem lhes falta sequer o jogo das rivalidades e das pequenas invejas que chegam para toldar o quotidiano (e de que o confito e o confronto entre bandas de música se torna um motivo exemplificativo e já clássico, como em “A Festa”). Há nestes contos uma predilecção pelos ambientes de conjunto e, mesmo quando a acção se polariza em duas ou três personagens, o contista não abdica do grande plano colectivo em que a descrição e os diálogos compõem a moldura social, ética, religiosa em que se movimentam os intervenientes principais. Neste sentido, mesmo na diversidade do seu conjunto, os contos de Manuel Ferreira constituem, quando vistos sob uma perspectiva macro-textual, uma narrativa profundamente açoriana, naquilo que evidenciam da condição humana nas ilhas e de um povo a contas com a geografia e a história (termos tão da preferência de Nemésio). A história é, de facto, uma realidade que

ultrapassa o âmbito daquelas que Manuel Ferreira definiu como “narrativas históricas” no seu livro de 1981. O caso mais emblemático será talvez “O Alevante da Isca” (incluído em O Barco e o Sonho) que ficcionaliza a uma revolta popular de 1898; mas mesmo “O Barco e o Sonho” parte de um acontecimento histórico, a fuga de Vítor Caetano e Evaristo Gaspar, com a reprodução da notícia da época a conferir à refiguração ficccional de Manuel Ferreira a adequada ancoragem factual; entre o sonho e o alevante, a história serve ao autor como fonte de uma lição a reter no presente, o que ocorre igualmente nas narrativas de pendor mais “épico” de Açores – armas e barões assinalados, que a citação camoniana do título põe em evidência. De resto, a história, o seu peso secular e social, insinua-se no discurso do narrador em diversos momentos, ganhando noutros uma indisfarçada evidência que confere a esse discurso um veemente tom de afrontamento e denúncia. Na verdade, e contrariando em certa medida alguma tipologia da narração, o narrador de Manuel Ferreira, mesmo quando ausente dos acontecimentos que relata, não deixa de tomar partido, de empenhar-se e “alinhar” com as suas personagens, melhor dizendo, com aquelas que são vítimas da prepotência política e da engrenagem económica – e bastaria referir de novo como exemplos “O Alevante da Isca” e “O Morro e o Gigante”. Um e outro poderiam ainda ser tomados como ponto de partida para breves anotações sobre a arte narrativa e a escrita do autor. Por um lado, o já referido recurso à composição de molduras colectivas, nas suas diversas componentes, mas também o modo de representação dinâmica de grupos em movimento, como no primeiro caso, e a que se vem juntar a força de diálogos incisivos e naturais. Por outro lado, a aproximação de Manuel Ferreira à linguagem popular, não propriamente na exploração exaustiva das suas peculiaridades fonéticas (evitando, por isso, a “tentação foneticista” de Nemésio), mas no aproveitamento do seu inventário lexical, fraseológico e aforístico, e em que entram já os termos resultantes do contacto do português com o inglês por via da emigração. Recusando fazer dessa linguagem um simples traço de “casticismo exótico” das personagens, o narrador apropria-se dela e modeliza-a no seu próprio discurso, reconstruindo-a, com ganhos óbvios para a expressividade e para a impulsividade verbal que caracterizam a escrita de Manuel Ferreira (onde poderá talvez encontrar-se o eco da lição camiliana, na exploração do sabor vocabular e no andamento largo da frase, graças a processos de acumulação e amplificação). E essa seria ainda uma forma de esta narrativa afirmar a sua a vinculação açoriana. (Publicado no Correio dos Açores, 01 / 12/ 2006)

Apenas Duas Palavras

Diniz Borges d.borges@comcast.net Em véspera do Natal e com a última edição do Maré Cheia para este ano de 2012, aqui estamos com uma notícia que empobreceu a literatura e o jornalismo açorianos, a mote de Manuel Ferreira. Nascido a 29 de Janeiro de 1916 na cidade de Ponta Delgada, faleceu com 96 anos o célebre autor de "O Barco e o Sonho", obra literária publicada em 1979 pela Publiçor e com várias reedições. Esta obra foi adaptada a série televisiva para a RTP Açores pelo talentoso realizador José Medeiros. Uma voz importante na literatura e no jornalismo das ilhas, temos como homenagem a Manuel Ferreira um magnífico texto do poeta Urbano Bettencourt. Tal como disse o Presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, Manuel Ferreira "focará na memória dos açorianos como um dos maiores vultos do jornalismo e da literatura das ilhas." Mais, ao publicarmos a última edição desta Maré Cheia para 2012 queremos, ainda mais uma vez, agradecer a todos os distintos colaboradores desta página. É que este espaço só é possível graças à colaboração dos distintos poetas, escritores, artistas que colaboram connosco e graças ao espaço oferecido pelo editor deste jornal, José Ávila. Queremos ainda notificar os nossos leitores e todos aqueles que têm interesse no mundo da cultura que a Maré Cheia ainda vai um pouco mais longe. É verdade há dois meses que temos uma extensão desta página no Facebook. A Maré Cheia virtual tem, todos os dias notícias do mundo da cultura, nas nossas duas línguas: português e inglês. Vejam-na no Facebook e façam-se amigos da mesma. É mais uma forma de estar no mundo da cultura e do compromisso deste projeto cultural com o nosso mundo em duas línguas e abraçando as múltiplas culturas que vivemos nas nossas comunidades e no nosso mundo. abraços diniz https://www.facebook.com/#!/marecheia.california


COLABORAÇÃO

Apontamentos da Diáspora

Caetano Valadão Serpa v.serpa@verizon.net

O Presidente mais carismático do Mundo

G

uerrilheiro/revolucionário nos anos 70 e 80, preso e torturado durante 14 anos, hoje presidente do mais pequeno país da América do Sul de língua espanhola, 3,300.000 habitantes, encrostado nos dois maiores, Brasil e Argentina. Com algumas costelas açorianas e cicatrizes de balas e tortura, na luta pelo fim da ditadura no Uruguai, José Mujica, foi considerado pelos meios de comunicação como o presidente mais pobre do mundo. Parece, no entanto, muito mais apropriado considerá-lo o mais carismático, dado as circunstâncias económica/financeiras em que se

vive hoje em dia. O Uruguai tem profundos laços históricos com Portugal, desde o primeiro povoamento europeu naquele país, fundado pelos portugueses em 1680, e a própria independência, bastante mais tarde, disputada, no primeiro quartel do século 19, entre Espanha, Portugal, Brasil e Argentina. Mujica foi ministro da agricultura, após a libertação do Uruguai das garras da ditadura militar, em 1985, influenciado pela onda democrática que avassalou a América Latina, nos fins do século passado. Pequeno latifundiário dos subúrbios de Montevidéu, foi um dos membros do grupo principal da oposição, os Tupamaros. Ainda hoje traz no corpo as cicatrizes dos maus tratos, a que se refere frequentemente, mas sem rancor nem ódio, ou sede de vingança. E diz num misto de humor profético, ‘até me chamam o presidente mais pobre do mundo, mas eu não me sinto pobre, pobres são as pessoas que levam um estilo de vida dispendioso e aspiram sempre a mais e mais’. O presidente Mujica é, sem dúvida, o político menos dispendioso do país e talvez do mundo. A sua guarda pessoal são dois polícias e três cães. Não usa os carros luxuosos dos chefes de estado ou dos ministros, não tem chofer pessoal, conduz o seu Volkswagen carocha, um modelo de 1987. Oferece às causas sociais 90% do seu salário, ficando apenas com o equivalente ao salário mínimo do mais pobre uruguaio! Eleito presidente em 2009, depois de uma vida de guerrilheiro perseguido e encarcerado, recusa viver no palácio presidencial de Montevidéu, herança desonrada dos antigos ditadores. Continua a viver

como antes, quando não pernoitava na prisão, juntava-se à esposa na modesta residência da sua propriedade rural, nos subúrbios da capital. Em contraste impressionante com o aparato de todas as chefias governamentais da política mundial rodeadas de luxo e pompa, proteção e protocolo, etiquetas supérfluas e cerimónias dispendiosas. Nada que se pareça com a opulência da Casa Branca, em Washington D.C, da requintada residência ‘10 Downing Street’, em Londres, nem mesmo do Palácio Miraflores, em Caracas, nem da imponência do Kremlin ou da magnificência do Vaticano, para nem sequer falar do palácio de Belém, em Lisboa, e do de Santana, em Ponta Delgada. Vive realmente na liberdade da simplicidade e humildade que quase ninguém nota e muito menos tem a coragem de imitar. Nem assim foi possível contentar toda a população do Uruguai. Imensamente popular, quase divinizado, José Mujica, depois de não ter vetado a lei do aborto, uma das primeiras na tradicional América Latina, e autorizado o uso de marijuana, ambas votadas e aprovadas pela legislatura nacional, desceu, sem dó nem piedade, no barómetro da aprovação popular. E sem ingenuidade ou ignorância das mazelas do mundo real da violência, do fanatismo e das ambições, o modelo Mujica não será facilmente aplicável, mas lá que é digno de um momento de reflexão, creio que sim. Perante a crise mundial que, de muitas e diferentes maneiras avassala o nossos planeta, o seu testemunho de vida não pode cair na irrelevância de mera extravagância, sobretudo para as personalidades politicas e religiosas, responsáveis principais pela justiça e moralidade do nosso habitat humano. As eleições americanas, talvez o expoente máximo da ambição de poder e desperdício de recursos materiais, foram as mais dispendiosas de sempre nos EUA e provavelmente na história da humanidade, cerca de 6 biliões de dólares pelo espetáculo da luta política entre os dois candidatos principais! Na Europa, nas costas do povo, a burocracia dos cargos políticos de numerosos ministérios e presidências, assembleias e secretarias recheadas de benesses e carros de luxo, são autêntica afronta à precariedade dos salários mínimos e do desemprego avassalador. No meio deste contraste de opulência e desprendimento entre o presidente do Uruguai e o resto do mundo, é escandaloso os seis biliões de dólares da campanha eleitoral americana, como é inadmissível a insensibilidade do presidente de Portugal, queixando-se de que a sua reforma não é o suficiente, e as do ‘custe o que custar’ do primeiro ministro na sua profissão de fidelidade à troica e, naturalmente, as da chanceler alemã anunciando mais cinco anos de carestia. Parece cada vez mais difícil compreender os meandros da política e aceitar as linhas com que é urdida, mesmo em democracia!

Michael Silva

Presidente da IST de Watsonville

Deseja a toda a Comunidade Portuguesa

Um Feliz Natal

e Um Ano Novo

Cheio de Prosperidades

33


34

COLABORAÇÃO

Do Tempo e dos Homens

Manuel Calado mbcalado@aol.com

Conversa de Alto Nível

S

egundo contam as gazetas, o sr. Mitt Romney, parece não acreditar ainda que perdeu a última eleição. Aquilo para que se vinha preparando há mais de uma dezena de anos, foi um vento que lhe deu. E agora não se sabe se ele terá coragem para encetar mais uma jornada politica de quatro anos. Porque a campanha de 2016 já começou, e os milhões vão começar a sair dos cofres dos bilionários. E o desapontamento não foi só para o ex-governador de Massachusetts. Que foi, como sabem, o inventor do ”Obama-care” mas, essencialmente para os membros da confraria do chá, “sponsorada” pelos “Coch Brothers”, que têm milhões a perder de vista. Porém o semi-africano pôs na cabeça os seus chapéus de socialista, comunista, islamista e estrangeirista e, como S. Sebastião, investiu sem mêdo contra as hostes do pecado e salvou da morte, por agora, o “Obama-Romney Care”. Foi um feito que as gentes do Chá não esperavam, nem eu tão pouco, em face da catadupa da massa do outro lado do muro e dos prognósticos sempre actualizados, pelas meninas loiras e sorridentes da Fox News. Mas, o que lá vai lá vai e, como mandam os mandamentos da Santa Democracia, é da praxe celebrar a paz e esquecer os ódios da fé e da política, essas irmãs que, unidas, provocam sempre um estardalhaço entre as gentes deste Vale de Lágrimas, no dizer do Salvé Rainha. Entretanto, para cumprir a tradição, o Presidente convidou o sr. Romney para um almoço na Casa Branca, e conversar, ninguém sabe em quê. E se os pugilistas se abraçam no fim da pancadaria, porque não os

aspirantes à presidência da maior democracia do mundo? Tudo bem. Mas agora é que a “porca torxe o rabo, como xe diz na provinxia”. No faval da política, gericos e elefantes continuam a disputar o seu lugar na mangedoira. As gentes do Chá, cujo bacilo da extrema infetou os ossos do elefante, continuam a considerar o gerico como um animal espúrio, estrangeiro, que procura comer o capim nacional. Ainda não se ajustaram à ideia de que ele tambem faz parte da zoologia política Americana. A coisa está feia, e os elefantes ameaçam lançar o país numa espécie de desfiladeiro, ou banca-rota. Isto é, o mesmo chá que o sr. Romney um dia receitou para a General Motors, recordam-se? E se os animais não chegarem a acordo em breve, com ou sem a intervenção do Menino Jesus, iremos mesmo para o “buraco”.

E

tudo porque os nosso ricos irmãos “dois por cento”, não querem contribuir com mais alguns cêntimos, que não fariam falta nenhuma a quem tem tantos milhões para gastar na política, para colmatar a brecha dos 47 por cento que, no dizer do sr. Romney não pagam imposto e recebem senhas de comidas e outras “prendas” que o presidente lhes dá, para ganhar o seu voto. Quanto ao que os dois homens discutiram durante o almoço, continua no segredo dos deuses. Agora é só esperar pelo resultado dessa cerimónia de água benta e “ramo de oliveira”. Mas não parece que chega a ser milagre. Nem com a intervenção do Menino.

15 de Dezembro de 2012

Reencontro

Apontamento

Natalício

N

a ilha as tradições profanas e religiosas acontecem na sua maioria dentro das estações climáticas do ano, que por casualidade garantem a subsistência física e espiritual, caraterísticas do mundo açoriano que se dispersou pelo globo, embora hoje menos do que ontem. Em terras onde o mar é a grande força que dificulta ou facilita a vida das populações, o ilhéu habituou-se ao frio do norte, à agitação do mar e ao vento gelado que golpeia a pele. Enquanto o vento frio assobia pelas frestas das portas ou das janelas, o pão cosido no forno ardente torna a casa quente e perfumada. Este embora escaldante é partido à mão e comido com manteiga, queijo, doce ou até pé-de-torresmo que restou da matança do porco, ou então só sem mais nada. Este perfume de pão acabado de cozer é inebriante e convidativo ao descanso, e à paz. O Natal sempre foi, e ainda continua a ser a festa em que as famílias mais confraternizam e se visitam. São os avós, os tios, os primos e as primas e mais alguns amigos que de casa em casa festejam o nascimento de Jesus Cristo e a chegada dos reis. O vinte-e-quatro de dezembro é o mais religiosamente vivido, sendo o vinte-e-cinco mais social. Quem tem prendas para abrir na noite da consoada abre-as depois da missa do galo, à meia- noite, que na maioria das igrejas é celebrada às vinte-e-duas horas, porque o senhor padre também tem família. Come-se o bacalhau vindo do continente com todo; couves, batatas, grão-de-bico, ovos, azeite, vinagre, vinho, etc. Quando o bacalhau está caro substitui-se por galinha recheada ou não, criada no quintal, ou compra-se uma metade para fazer canja, com muita água e arroz, primeiramente para saciar a fome às crianças. No dia de festa algumas famílias ainda abrem presentes que o menino Jesus deixou na lareira. Hoje o pai- natal traz tudo no avião, todavia a festa não deixa de ter o mesmo sabor social e familiar levando a Dolores, mãe de três filhos, cinco netos e dois bisnetos sentir-se feliz tal como no tempo em que se criou. ― Na minha casa o pai-natal não existia, o menino Jesus trazia os presentes, mas como nunca o vi, aguardava a chegada da noite e ia para o meu quarto espreitar pela fresta da porta, até ver a minha mãe passar para a cozinha com os presentes que colocava no sapato, deixados por

Serafim Cunha scunha98@aol.com nós na lareira. Para mim e para os meus irmãos era sempre uma desilusão. O Menino Jesus trazia quase sempre as prendas que não pedíamos ou queríamos. Era sempre roupa e algum chocolate para adocicar a boca. O Pai Natal ou a árvore de Natal eram pouco usados, o presépio era o que mais marcava a época. A alegria do Natal era o convívio com os meus familiares, especialmente com os meus irmãos, primos e primas. Fazíamos jogos, cantávamos e bailávamos, porque alguns dos mais velhos já tocavam viola o que animava a festa, tanto os jovens como os mais idosos gostavam de bailar, dançar não, era só para alguns. Os preparativos para o Natal começam logo no princípio do mês de Dezembro. A preparação da ceia e do presépio é uma das tradições mais persistentes nas terras açorianas. Delores continua dizendo: ― Eu por ser a mais velha ficava encarregue de fazer o presépio embora os meus irmãos me ajudassem, trazendo do mato leivas, musgo, pedras e areia fina e grossa, preta e vermelha, para fazer o pavimento das ruas. Abríamos o baú que a minha mãe guardava as figuras feitas de barro de Santa Maria, pintadas à mão, hoje preciosas, que nós cuidadosamente colocávamos na paisagem que criávamos para pôr a manjedoura e as estatuetas representativas do Menino e os seus progenitores. O presépio não tinha luzes, porque a central elétrica só trabalhava algumas horas por dia. A luz que havia era a do candeeiro a petróleo que nós considerávamos excelente, até nos habituarmos à elétrica.

C

om o passar dos anos e a evolução tecnológica o Natal é cheio de luz e brinquedos electrónicos, tendo o presépio deixado de ter o simbolismo que a Dolores nos descreve. A vida é demasiado agitada para se ir ao mato procurar musgo, arranjar pedras para embelezar e dar naturalidade à encenação natalícia. O aspecto religioso da vida está cada vez mais diluído, não resta tempo para seguir a tradição de que nos fala a Dolores. Tudo é feito a correr, comprado, mas não perfumado como o pão de que ela descreve. As prendas só justificam o consumismo, que cada vez se torna maior no século vinte-e-um, tornando a sociedade mais desconectada da realidade humana, perpetuando a tristeza e as necessidades básicas do ser humano, desprezado e descriminado pela sociedade global. Todo o progresso não choca a Delores. Depois dos filhos criados e sem saudosismo, conta aos netos, netas e bisnetos como organizava o seu Natal: ― Nós, como casal, combinávamos o que podíamos comprar para as crianças. Sempre o que era de mais urgência e necessidade para vestir ou calçar.

Brinquedos não faziam parte da nossa lista, por vezes, algum chocolate. Serviam-se refeições melhoradas nos dias de festa, desde o bacalhau à galinha, e até o peru, regado com vinho que produzíamos em casa, ou que os pais do vosso avô nos davam. Fazia-se arroz doce e massa sovada com farinha e ovos de casa, contudo algumas das vossas tias mais jovens eram doceiras, trazendo bolos e doces miúdos mais sofisticados, como pastéis de nata, relâmpagos, madalenas e amélias que todos adoravam. Nunca faltava o café e o chá, bem como o vinho, angelica e aguardente. Em alguns anos também havia vinho do porto para adocicar o paladar dos adultos. Os vossos pais bebiam refrescantes “pirolitos” de laranja, maracujá e limão. ―Ainda hoje me lembro de um ano no dia de reis, em casa de uma tia nossa, um dos ranchos de Natal que cantavam de porta em porta a saudar o Menino Jesus, pararam-nos à porta a cantar. Era sem dúvida revitalizante ouvir-se numa noite fria, calma e estrelada um ranchinho tocar e cantar estrofes de paz e amor em louvor e agradecimento ao Menino Jesus. Hoje são raras tais ocasiões! Os donos da casa convidavam o grupo a entrar, obsequiando os cumprimentos do rancho, com bebidas e doces caseiros. Uvas e figos passados preparados em casa alguns meses antes, no outono, nunca faltavam. A vida hoje é mais difícil e complexa, acelerada e esgotante, não disponibilizando tempo para se passar dias em casa a preparar uma festa, ou mesmo uma refeição, que dura apenas algumas horas. Compra-se o que se come quase tudo feito, não sei se é mais ou menos gostoso do que o que a Dolores fazia, todavia, arranja-se tempo, estou a falar de semanas, para a compra de ofertas que vão satisfazer todas os caprichos e ambições das crianças e jovens. Por vezes objetos já obsoletos, mas que calam, e acalmam, as exigências da presente geração. O espírito natalício vai para além de tudo este materialismo. A felicidade natalícia tem de ser vivida no dia-a-dia da vida, para que o mundo perturbado por guerras, egocentrismo e desumanidade não perpetue e asfixie os mais desprotegidos que a sociedade criou. O Natal veio para todos, todos o devem celebrar e viver com alegria, paz e harmonia.


PATROCINADORES

35


36

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012

O Cavaleiro de Alternativa Paulo Ferreira

Envia saudaçþes aficionadas a todos os amigos e comunidade em geral, desejando

Boas Festas e Feliz Ano Novo Boas Festas e Feliz Ano Novo a todos os assinantes do Tribuna


PATROCINADORES

Assine este jornal e partilhe com a famĂ­lia

37


38

COMUNIDADE

15 de Dezembro de 2012

Sanjoaninas 2013 na California

Ricardo Matias, Presidente das Sanjoaninas 2013 quiz presentear algumas pessoas da nossa comunidade: Lisa Sousa, José Vasquez, Batista Vieira

Nelson Ponta-Garça da NPG Productions, entrevistando Ricardo Barros, Presidente da Assembleia Municipal de Angra do Heroísmo Isabel Fagundes, Davide Reis, Jorge Reis e Manuel Mendes

Conjunto Gíria da Terra de San José Embaixo: Ricardo Matias, Madalena e Franklin Oliveira, Embaixadores Honorários dos Açores na primeira Capital da California

Embaixo: Ricardo Matias, Presidente das Sanjoaninas 2013 falando em Escalon, vendo-se ao longe Frank Martins, Sónia Bessa e Terry S.

Aspectos do Salão de Festas da Banda Portuguesa de San José

Banda Açoriana de Escalon actuando na sua Sede para a Comitiva das Sanjoaninas 2013


COMUNIDADE

CONSULADO GERAL DE PORTUGAL SÃO FRANCISCO MENSAGEM DE NATAL Caros amigos, Estamos a entrar no período das festas natalícias, tempo de encontro, solidariedade e de família, que são valores partilhados por todos os portugueses em particular aqueles que se encontram longe da sua terra aqui na Califórnia. Desde que assumi as minhas funções, tive oportunidade de contactar com diversos núcleos comunitários da Califórnia, ocasião em que auscultei as suas aspirações e tomei conhecimento dos seus problemas. Nesse contexto, tive a preocupação de logo nestes primeiros meses do meu mandato de aproximar o Consulado das comunida-

O NATAL do velho Cipriano

N

aquela noite de Natal, um denso nevoeiro abatera-se sobre a velha casa junto ao mar. A casa, sombria e esboroada, era abrigada por uma velha figueira e rodeada por um tosco muro de pedra solta, por cujos buracos rompiam madressilvas. Musgos e líquenes alastravam pela cantaria e pelo telhado. E era por uma das janelas que se vislumbrava uma luz bruxuleando no interior rústico da casa… … Eram as chamas que crepitavam na lareira da pequena sala, onde sobressaía um quase imponente relógio de parede, cujo tic-tac ecoava no silêncio daquela noite tão fria. Sentado numa cadeira de baloiço, o velho Cipriano cabeceava de sono. A seus pés, um cão rafeiro fitava o fogo. Junto à janela da sala, um pássaro debicava as grades de uma gaiola. Do estuque apodrecido, pendiam teias de aranha e as paredes escorriam humidade. No meio da sala havia uma mesa repleta de tangerinas e de pequenos pratos contendo trigo a grelar. Em cima do louceiro, uma fotografia amarelecida mostrava familiares emigrados, os quais, reunidos em frente de um vistoso “bungalow”, sorriam felicidades americanas, Quando o relógio bateu a meia-noite, o velho Cipriano despertou, fitando, estremunhado, os ponteiros do Natal. Em seguida, levantou-se e dirigiu-se ao louceiro, de onde retirou um canjirão de vinho e uma tigela de barro, suspendendo o gesto ao reparar na foto dos seus… Com os braços ocupados, voltou a sentarse na cadeira de baloiço, enchendo a tigela de vinho. E, cismático, pôs-se a olhar aquela fotografia. O cão rosnou e enroscou-se-lhe nas pernas. O fogo da lareira reflectia agora cintilações de amargura no rosto do velho. ……………………………………………… ……………………………………………. Como é lenta esta noite! Quanta amargura nas minhas recordações vagabundas! Quanta angústia nos meus sentimentos confundidos! E quanta infinita tristeza nesta casa tão vazia… Ah, como sofro a minha memória. A memória dos que se sentaram àquela mesa noutras noites de Natal. A memória dos que partiram para as Américas de promessas e abundâncias. Todos abalaram para longe. E fiquei só eu. E esta velha casa. E este cão. Ah, recordações da minha infância perdida! Ah, lembranças do meu Natal menino… Que saudosa melancolia! Era no tempo em que o Natal enchia esta casa de alegria transbordante! E era ainda no tempo em que o Natal parecia ter um sentido, porque acreditávamos que havia paz no coração dos homens. Havia o fascínio desse Menino Jesus, louro, papudo, rosado como um morango,

sorrindo nas palhas do seu rústico berço! E o esplendor do presépio, tão ingénuo e pitoresco! Mas agora… Cadê o aconchego familiar da ceia de Natal, tão farta e tão alegre? Cadê a doce expectativa dos presentes e dos momentos mágicos e risonhos? Cadê as laranjas maduras de outros natais? E onde estão agora os tapetes, as cortinas, as jarras, as begónias e a mobília desta casa que outrora foi festiva? Por onde param os que eu amei? Ah, quem me dera, nesta noite, um momento de ternura! O que eu daria, nesta hora, pelo conforto de uma palavra amiga!... … Mas vivo o silêncio de ficar. E sofro a monotonia dos dias e o peso de haver Natal. É por isso que sonho a esperança a crepitar na lareira… ……………………………………………… ……………………………......................... O velho Cipriano continua a bebericar o vinho. Os seus olhos vêem o fogo da lareira a desfocar-se; a pouco e pouco, começam a adquirir nitidez os contornos de uma chaminé, alva de cal, vomitando fumo nos dias límpidos de haver sol. ……………………………………………… …………………………………………….

Nasci e cresci nesta casa, que outrora albergou numerosa família. De calção e ranho, brinquei naquele quintal em topadas de aventura. Tirei, vezes sem conta, água fresca daquela cisterna musguenta… Meu pai era lavrador e minha mãe bordadeira. E o meu mundo era a casa, as canadas, as faias, os eucaliptos, os fetos, as jarrocas, as árvores de fruto, o cheiro da cidreira brava e do mentrasto, a família e os amigos. Mas era também o itinerário dos garajaus. E o percurso dos navios que eu, com o rosto colado à vidraça da janela da cozinha, via passar na linha do horizonte, a caminho da América… O sonho não cabia então na ilha. Cedo aprendi as lições do arado. E conheci os segredos das sementeiras. E habituei-me aos milhos, aos pastos, à humidade, ao vento norte, aos vendavais, aos sismos e aos gritos das cagarras… Sofri as taponas dos meus irmãos mais velhos, as reprimendas de meu pai e os castigos na escola… Na catequese, Deus fora-me revelado

39

des, através nomeadamente da implementação do serviço das Permanências Consulares e da criação de uma página de Facebookdo Consulado (www.facebook.com/ConsuladoGeralPortugalSanFrancisco). De igual modo foi este ano dado um passo importante com vista a uma melhor e mais eficaz coordenação e promoção do ensino da Língua Portuguesa na Califórnia através da assinatura do Protocolo de Cooperação entre o Instituto Camões e Associação de professores de Português dos Estados Unidos e Canadá. Gostaria assim de deixar aqui uma palavra de estímulo e ânimo a todos aqueles que lidam directamente com o ensino do português e se esforçam pela disseminação da nossa cultura assim como de incentivo e perseverança a todos os estudantes de Português. A todos os meus sinceros votos de um Santo Natal e de um Próspero Ano de 2013, pleno de realizações pessoais e profissionais. O Cônsul Geral Nuno Mathias

Ao Cabo e ao Resto

Victor Rui Dores victor.dores@sapo.pt

na promessa do amor e da morte. E comi o caldo de couves da pobreza. E lavei os pés na selha de seis gerações. E li as primeiras letras à luz baça do candeeiro. Quando o buço me cresceu, já eu deixara de fisgar melros pretos e de surripiar os figos de mel da vizinha Aldonça. Fiz-me homem. Vesti a ganga que vinha nas sacas perfumadas da América. E tomei-me de esquivos amores por Idalina – a meiga e obediente Idalina, com corpo de sedução e olhos pretos da cor da amora silvestre! Ah, a Idalina! Desde o dia em que eu a vira a picar cebola, em vésperas de matança de porco, nunca mais tivera sossego. É que a minha vida não haveria de ser só ordenhar vacas, carregar bilhas de leite, esfregar os olhos de nevoeiro e ouvir carros de bois a chiar todo o santo dia… O meu namoro com Idalina aconteceu. E esse amor levedou com balhos no terreiro, chamarritas ponteadas à viola, vindimas de Setembro e debulhas de Outubro. Ah, as falinhas mansas do bem-querer e as ternuras partilhadas a medo e à pressa, por causa do falatório… Quando, por fim, fui chamado “às sortes”, visitei a cidade pela primeira vez. Compreendi, então, que o mundo era bem maior que o meu quintal. Depois fui para a tropa, embarcando no “Ribeirense” – com o ombro aguado das lágrimas de minha mãe e da Idalina. Durante dois prolongados anos vivi, em terra estranha, a angústia da ausência. E quando regressei a casa foi para desposar a minha Idalina. E foi assim que, num dia de chuva morrinhenta, unimos as nossas vidas na mesma igreja que nos baptizara. E depois vieram os filhos; primeiro o Manuel e, depois, a Natália. ……………………………………………… ……………………………......................... O velho Cipriano levanta-se para ir colocar mais lenha na lareira. Depois volta a sentar-se, distraindo-se agora com o zumbido de uma mosca varejeira que volteava nos vidros da janela. ……………………………………………… ……………………………........................ O tempo passou, fugaz como uma lavandeira, e os meus filhos cresceram no sossego rural desta casa. Naquele tempo a vida era corsária e a ilha madrasta. Penava-se os olhos da cara a trabalhar a servidão. De nada servia mourejar de sol a sol. O cansaço era imenso e o ganho muito pouco. E era na tasca do Mija Vinagre que se afogava o desespero da aguardente. Foi então que muitos começaram a emigrar para longínquas terras, em busca de uma vida mais digna. Os que ficavam, pouco

a pouco acabavam por se render ao fascínio das histórias que se contavam sobre os que haviam partido. E o meu Manuel lá se deixou influenciar pelo sonho americano e abalou, bem contra a minha vontade… Foi para o vale de São Joaquim ordenhar vacas. Anos depois, e era a minha Natália que também partia para a Califórnia, a carta de chamada do irmão. A América nada me dizia. Embora eles me quisessem lá, eu continuei sempre na ilha a trabalhar a terra, nesta minha teimosia de ficar. Depois, meu Deus, foi o golpe mais rude que o destino me pregou: após prolongada doença, a minha mulher morreu-me nos braços. Desde então eu nunca mais fui o mesmo. E passava tarde e tardes a remexer a memória (guardada naquela arca de acácia) e a fitar, cismático, as cintilações do mar. ……………………………………………… …………………………………………… O velho Cipriano aconchega o casaco, levanta-se e dirige-se à janela, seguido do cão; de um dos bolsos retira um lenço amarrotado e desembacia um dos vidros. Lá fora, a noite uiva e o vento bate a chuva contra a janela. ……………………………………………… …………………………………………… Como cansa a regularidade triste daquele pêndulo! Como dói o silêncio fechado de todas as portas! E como é infinitamente vazia esta casa e esta mesa… O que me vale é o “Jau”. Triste sina a minha. Nada mais me resta na vida do que um cão para amar… Quem me dera sacudir da minha alma estas recordações. Para quê sonhar o Natal se tudo não passa de sonhos sonhados? (O Natal é uma mentira anual e é uma especulação comercial de falsa paz empacotada…). A realidade é bem outra: o meu povo abalou e ficou a incerteza de um futuro de nevoeiro. E agora? Quem vai trabalhar os nossos campos desertos? Quem vai pescar a promessa dos nossos mares? Quem vai bordar a ternura de gerar filhos? Talvez que só reste a esperança. A esperança de que, um dia, todos possamos caber na ilha. E que, de novo, haja roupa branca pendurada sobre os quintais. E figueiras de abundância. E casas a fumegar pão. E a alegria de rasgar o ventre nos dias amplos de luz suave. ……………………………………………… ……………………………………………. Confundido nestes pensamentos, o velho Cipriano afaga o pelo do “Jau”. E porque uma saudade infinita lhe amolece a alma, os seus olhos ficam vidrados de lágrimas. E ali se fica, junto à janela, fitando o lume a arder a memória, enquanto o tic-tac do relógio se mistura com o ruído do pássaro a debicar as grades da gaiola.


40

PATROCINADORES

15 de Dezembro de 2012


Fados na Casa do Benfica em San José

COMUNIDADE

41

Realizou-se na Casa do Benfica de San José uma noite de Fados com os artistas locais David Garcia, Crystal Mendes, Jorge Costa Junior, acompanhados por Helder Carvalheira, Manuel Escobar e João Cardadeiros.

fotos de josé mendes

David Garcia, Crystal Mendes e Jorge Costa Junior

Boas Festas e Feliz Ano Novo

Leymar Art Studio 12112 Park Street Cerritos, CA 90703 562-802-0011 Cell - 562-547-0055


42

COMUNIDADE

15 de Dezembro de 2012

Consulado Português em San Francisco

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO EXTERNO Concurso externo para o preenchimento de um posto de trabalho, na categoria de Assistente Administrativo para exercer funções na Chancelaria do Consulado Geral de Portugal em San Francisco da Califórnia. 1. Nos termos da Lei nº12A/2008, de 27 de Fevereiro, fazse público que, na sequência de despacho do Secretário-Geral e subsequente autorização de S. Exa. o Secretário de Estado da Administração Pública, de 2/11/2012, se encontra aberto, pelo prazo de 15 dias úteis a contar da data de publicação do presente aviso, concurso externo para o preenchimento de um posto de trabalho, na categoria de Assistente Administrativo, com a remuneração mensal ilíquida de 1.594,73 Euros (valor sobre o qual recai a redução remuneratória de 3,5%, nos termos do previsto no artigo 19º., da Lei nº. 55- A/2010, de 31/12, aplicável por força do disposto no artigo 20º. Da Lei nº. 64-A/2011, de 31 de Dezembro), para exercer funções na Chancelaria do Consulado Geral de Portugal em San Francisco. 2. O prazo para apresentação de candidaturas termina em 26 de Dezembro de 2012. 3. Regime jurídico aplicável – contrato de trabalho por tempo indeterminado, ao abrigo do di-

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO EXTERNO

reito local, nos termos do nº4 do Artigo 3º da Lei 12-A/2008, de 27 de Fevereiro e Artigo 5º, nº2 e nº3, alínea a), do Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas. 4. Prazo de validade – o concurso destina-se ao preenchimento do lugar supramencionado, caducando com o seu preenchimento. 5. Funções a exercer – as correspondentes a Assistente Administrativo designadamente atendimento do publico, prestação de serviços nas áreas do Registo Civil e Notariado, da emissão de demais documentos oficiais, tais como certificados, bilhetes de identidade, passaportes e documentos de viagem, secretariado e arquivo bem como apoio nas permanências consulares. 6. Requisitos de admissão: Os candidatos devem reunir, até ao termo do prazo da candidatura, os requisitos gerais previstos no artigo 8º da Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro (LVCR), com exceção da nacionalidade portuguesa que não é exigida. Sejam habilitados com o 11º ano de escolaridade ou equivalente. O candidato selecionado deverá possuir autorização/estatuto de residente nos Estados Unidos da América e ter a sua situação regularizada junto das entidades fiscais e de segurança social locais, para a respetiva contratação, sendo o prazo para a sua regularização definido no respetivo con-

trato. Podem, por conseguinte, ser admitidos a concurso candidatos que, à data da apresentação da candidatura ainda não tenham autorização e/ou residência no país. 7. Métodos de seleção: Os resultados obtidos na aplicação de métodos de seleção são classificados numa escala de 0 a 20 valores, sendo seguinte a ponderação aplicada: - Avaliação curricular : 7 - Entrevista profissional: 8 - Prova de conhecimentos: 5 O candidato será avaliado de acordo com os seguintes critérios de selecção: conhecimentos de contabilidade, de informática ao nível do utilizador, e domínio das línguas portuguesa e inglesa, falada e escrita. a) Avaliação curricular: Esta prova visa avaliar as aptidões profissionais dos candidatos na área a concurso, com base no respetivo currículo profissional e documentos comprovativos que o acompanham, sendo considerados e ponderados os seguintes elementos: - Experiência profissional anterior, nomeadamente na área funcional do recrutamento; - Habilitação académica de base; - Formação Profissional; b) Realização de entrevista profissional: Esta prova visa avaliar de forma objetiva as aptidões profissionais e pessoais dos candidatos, designadamente, conhecimentos de cultura geral, línguas, contabilidade pública, procedimentos consulares, bem como outros conhecimentos relevantes para o lugar a concurso que sejam indicados pelos candidatos no respetivo curriculum vitae.

c) Provas de conhecimentos: As provas de conhecimentos visam avaliar os níveis de conhecimentos exigíveis e adequados ao exercício da função e consistem em: - Uma simulação do processamento dos emolumentos de um ato consular (duração 30 minutos); - A prova de conhecimento da língua portuguesa consistirá na interpretação escrita de um texto bem como numa tradução escrita de inglês para português (duração 1 hora). - A prova de conhecimentos informáticos consistirá na produção de um documento em formato Word e outro em formato Excel (duração 30 minutos cada). As provas serão pontuadas segundo uma escala de 0 a 20 valores e são eliminatórias, considerandose não aprovados os candidatos que obtenham uma classificação inferior a 9,5 valores; A classificação final resulta da média aritmética ponderada das classificações obtidas em todos os métodos de seleção. 8. Formalização das candidaturas: As candidaturas deverão ser formalizadas mediante requerimento dirigido ao Consul Geral e entregue no Consulado-Geral, sito em 3298 Washington Street, San Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América, pessoalmente, contra recibo, ou remetido por correio registado e com aviso de receção, acompanhado de: − Copia do Bilhete de identidade − Curriculum Vitae − Prova de residência − Declaração sob compromisso de honra que o candidato reúne os requisitos gerais de admissão previstos no artº 8 da Lei nº 12A/2008 de 27 de Fevereiro. Os candidatos poderão contactar o Consulado Geral através do endereço de email congenportu-

gal@cgsfr.dgaccp.pt, caso necessitem de obter mais informações sobre o concurso. 9. Composição e identificação do júri: − Presidente: Nuno Mathias, Cônsul Geral − 1º. Vogal efetivo: Julia Chin, Chanceler − 2º. Vogal: Venceslau Silveira, Assistente Administrativo 10. A lista de candidatos admitidos/excluídos e de ordenação final dos candidatos, é divulgada na Chancelaria do Consulado Geral de Portugal em San Francisco, bem como no sítio internet www. carreirasinternacionais.eu. 11. Não podem ser admitidos candidatos que, cumulativamente, se encontrem integrados na carreira, sejam titulares da categoria e ocupem postos de trabalho previstos no mapa de pessoal do serviço idênticos aos postos de trabalho cuja ocupação se publicita o procedimento. 12. As atas do júri são facultadas aos candidatos sempre que solicitadas. 13. Na sequência do despacho conjunto nº 373/2000 de 1 de Março, faz-se constar, igualmente, a seguinte menção: “Em cumprimento da alínea h) do artigo 9º da Constituição, a Administração Pública, enquanto entidade empregadora, promove ativamente uma política de igualdade de oportunidades entre homens e mulheres no acesso ao emprego e na progressão profissional, providenciando escrupulosamente no sentido de evitar toda e qualquer forma de discriminação”. San Francisco, Califórnia, aos 5 de Dezembro de 2012 O Consul Geral, Nuno Mathias


COMUNIDADE

43

Exposição sobre a História do Fado em Berkeley

Patrocinado por várias organizações, como se pode ver no poster ao lado, realizou-se na Universidade Estadual de Berkeley uma Exposicão sobre o Fado. Aproveitando-se a ocasião teve lugar uma sessão de

Fados por alunos da mesma Universidade - Kristin Megan Rodriguez, Terra Friedman e Andres Garcia e no fim Ramana Vieira e o seu Conjundo Ensemble também participaram. Mais uma grande oportunidade para

que estudantes americanos pudessem apreciar o nosso Fado. A Exposição ficará aberta por mais um mês.

Lopes Enterprise, Inc. João Lopes e familia desejam a todos os clientes

Boas Festas • Happy New Year Commercial • Custom Homes • Remodels & Additions • Cont. Lic.# 874934 Business: 209-656-7630 • Fax: 209-656-0714

Jeanette Moules


44

ENGLISH SECTION

15 de Dezembro de 2012


ENGLISH SECTION

45


46

COMUNIDADE

15 de Dezembro de 2012

Al Pinheiro - 13 anos de vida política

A familia de Al Pinheiro, faltando apenas uma filha que vive na Terceira.

Chegou à California com 12 anos acompanhado por sua mãe. Fizeram a vida normal de todos aqueles que se aventuravam no oeste americano. Trabalho, Igreja, amigos e festas. Já mais adulto criou a sua própria companhia de viagens e de seguros. Há treze anos aventurou-se na política na cidade de Gilroy onde sempre viveu. Esteve cinco anos como vereador e oitos anos como Presidente da Câmara numa altura em que a a sua cidade precisava de levar uma reviravolta para sobreviver. Al Pinheiro, bem acompanhado pelos seus vereadores e com a ajuda sempre preciosa dos supervisores da Cidade, promoveu

grandes mudanças, que hoje são o orgulho de todos os Gilroyanos. Esta homenagem e despedida de Al Pinheiro foi realmente emocionante. Ouvirem-se tantas palavras bonitas de tantas figuras políticas da sua terra de Gilroy, encheu não só o coração dele e da familia, mas também de qualquer português que se orgulha se ter um Al Pinheiro entre os seus pares. Assim se faz comunidade a todos os níveis. Hoje, dia 11 de Dezembro tomou posse como Vereador da Cidade de Turlock um jovem, Jason Nascimento, que poderá ser a continuação daquilo que Al Pinheiro fez. Hoje vereador, amanhã Mayor, e depois se verá. O envolvimento politico da nossa juventude é muito importante.

Andar na política cansa, envelhece, mas dá um gozo enorme quando se faz com amor e com resultados para benefício de uma comunidade inteira. Foi isso que aconteceu com o Al.

Festa de Natal do Núcleo Sportinguista

Aspecto da Sala do GPS, vendo-se em primeiro lugar a mesa do Presidente

Realizou-se no dia 8 de Dezembro no Salão de Festa do GPS de Gustine mais um Jantar de Natal do Núcleo Sportinguista do Vale de San Joaquin. O Nucleo é presidido por José Manuel e Iria Martins, e para abrilhantar a noite convidaram os Fadistas, Jorge Costa Jr, Natalia Pires e Joana Amendoeira, que cantaram ao som do nosso Grupo 7 Colinas, constituído por Helder Carvalheira, Manuel Escobar e João Cardadeiro. O MC foi Carlos Rocha. A Rainha deste ano é Jeanette Moules (ver foto acima) Como sempre foi uma noite muito agradável, com a presença de muitos adeptos do Sporting e mesmo do Benfica e Porto. Fotos de João Freitas


COMUNIDADE

Odília Rocha

Odília Rocha naceu na Agualva, Terceira e chegou à California em 1967. Sempre teve uma paixão por flores e durante muitos anos ajudou as amigas e muitas organizações gratutitamente, até

que um dia há cerca de dez anos a Maria Alice Catering, lhe ofereceu a possibilidade de ornamentar um casamento. A partir daí a sua vida mudou e criou a sua própria companhia de Florista. Faz por

47

flores são a sua vida

ano cerca de 6 a 7 casamentos, mas a sua maior concentração de trabalho é nos funerais. Quer nos funerais quer nos casamentos são as pessoas que escolhem o que querem, mas nos funerais há uma

maior liberdade artística de escolha de temas florais. Antigamente ia buscar as flores a Watsonville mas agora devido ao processo de entrega, trabalha com uma companhia portuguesa de Los Banos.

Laurinda e Frank Chaves 50

A Laurinda veio da Fajã dos Vimes e o Frank Chaves, da Fazenda de Santa Cruz das Flores. Chegaram à California no mesmo ano em 1960 e por obra e graça do amor casaram na Igreja de Tracy em 1962. O casal Chaves tem 6 filhos, 2 raparigas, Betty e Laury e quatro rapazes, Frankie, Stanley, Scotty e Joey, que já lhes deram 19 netos e 2 bisnetas. A Missa da Festa dos 50 anos de Casados teve lugar na

Odília é a florista privada da Casa Funerária Whitehurst-NortonDias de Turlock. É um trabalha que a apaixona no dia-a-dia. Odília é casada com Agnelo Rocha.

anos de amor

Igreja de Thornton e foi no Salão Português do mesmo lugar que se realizou uma recepção com toda a família e muitos amigos, Os Chaves tem uma leitaria em Lodi desde 1967. Tribuna Portuguesas sauda e congratula estes amigos de longa data.


48

ULTIMA PĂ GINA

15 de Dezembro de 2012


The Portuguese Tribune, December 15th 2012