Page 1


Os trĂŞs choros de JosĂŠ do Egito

Os_tres_choros_de_Jose.indd 1

08/04/13 16:59


Os_tres_choros_de_Jose.indd 2

08/04/13 16:59


Vinicius Couto

Os três choros de José do Egito

São Paulo 2013

Os_tres_choros_de_Jose.indd 3

08/04/13 16:59


Copyright © 2013 by Vinicius Couto

Coordenação Editorial

Letícia Teófilo

Diagramação

Claudio Braghini Junior

Capa

Monalisa Morato

Maria Clara Mangolin

Preparação de texto

Revisão

Mônica Vieira/Project Nine

Texto de acordo com as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (Decreto Legislativo no 54, de 1995) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Couto, Vinicius Os três choros de José do Egito / Vinicius Couto. -- Barueri, SP : Ágape, 2013. 1. Cura divina - Ensino bíblico 2. Sofrimento 3. Sofrimento - Aspecto religioso I. Título. 13-01672

CDD-248.86

Índices para catálogo sistemático: 1. Cura divina do sofrimento: Vida cristã 248.86 2. Sofrimento: Cura divina : Vida cristã 248.86

2013 Publicado com autorização. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida sem a devida autorização da Editora. EDITORA ÁGAPE Alameda Araguaia 2190 – 11o Andar Bloco A – Conjunto 1112 CEP 06455-000 – Alphaville Industrial – SP Tel. (11) 3699-7107 – Fax (11) 2321-5099 www.editoraagape.com.br

Os_tres_choros_de_Jose.indd 4

08/04/13 16:59


Agradecimentos Todas as coisas que fazem-nos sentir realizados começam com um sonho. Um dia ousei sonhar e tive o privilégio de receber o apoio das pessoas que estão próximas de mim. Por isso, gostaria de agradecer, em primeiro lugar, a nosso Deus pela inspiração e pelas palavras que eu mesmo jamais seria capaz de escrever. Em segundo lugar, a Jesus pela Graça derramada em minha vida e ao Espírito Santo pela ajuda e pelo consolo nos momentos mais difíceis. Agradeço à minha família, ao meu pai, à minha mãe e aos meus dois irmãos pelo incentivo. Ao Pastor Eduardo da Igreja do Nazareno, em Dores de Campos, à sua família e aos irmãos desse Ministério, pois nos acolheram, no momento em que realmente estávamos precisando, com grandioso amor em Cristo Jesus. Deus envia-nos amigos que nos surpreendem e justamente nos momentos em que mais precisamos. Aos meus irmãos na fé, dos quais optarei por não citar os nomes, pois não quero correr o risco de me esquecer de alguém, mas fica aqui o meu sincero abraço a todos vocês que estiveram ao meu lado todo esse tempo. Ao saudoso Pastor José Trindade, meu pai na fé, um piedoso servo de Deus, e a todos os irmãos da Igreja Assembleia

Os_tres_choros_de_Jose.indd 5

08/04/13 16:59


de Deus Madureira, na cidade de Barroso. Vocês são inesquecíveis. Deixaram marcas vívidas do genuíno amor de Cristo em meu coração. Quero agradecer especialmente à mulher dos meus sonhos, a ungida que Deus me deu, Jaqueline. Como dito no Talmude, retirada não de cima, para não ser superior a mim, não debaixo, para não ser humilhada, mas do lado, isto é, de minha costela, para ser minha companheira, e próxima ao coração, porque é a parte mais frágil. Nos dias em que me dediquei a este projeto ela esteve firme, paciente e apoiou meus esforços. Amo-a demais. Aos meus filhos Luís Otávio e Priscilla pelas noites que dividiram seus brinquedos com meu computador enquanto eu escrevia. Vocês são uma bênção, são os presentes que o Papai do Céu me deu. Obrigado a todos que torceram por mim e oraram para que este projeto pudesse ser concretizado. Peço desculpas às pessoas que não foram lembradas, gostaria que o nome de todos estivesse aqui. Que Deus os abençoe. Que Deus abençoe a você, amado leitor, e que as bênçãos do Altíssimo lhe acompanhem por onde quer que vá. Que a Paz esteja convosco!!!

Os_tres_choros_de_Jose.indd 6

08/04/13 16:59


Sumário Prefácio..............................................................................................9 Introdução........................................................................................ 11 Parte I O Passado..................................................................................................15 Capítulo 1 Conhecendo nosso contexto...............................17 Capítulo 2 Confrontando nossas cisternas.....................29 Capítulo 3 Confrontando nossas prisões.........................43 Parte II O Presente.................................................................................................57 Capítulo 4 Conhecendo o problema..................................59

Os_tres_choros_de_Jose.indd 7

08/04/13 16:59


Capítulo 5 Enfrentando o problema agora.................... 73 Capítulo 6 Entendendo os propósitos de Deus...............85

Parte III O Futuro...................................................................................................101 Capítulo 7 Contemplando o futuro.................................103 Capítulo 8 A cura divina..................................................115 Capítulo 9 O tempo do renovo......................................... 129 Referências bibliográficas.........................................................141

Os_tres_choros_de_Jose.indd 8

08/04/13 16:59


Prefácio Foi com muita alegria, em espírito de oração, de reconhecimento e de gratidão ao Senhor, que li os originais deste livro. Considerei com muita atenção cada pensamento exposto, cada capítulo, as passagens bíblicas nas quais o autor afirma suas convicções e considerações. Fiquei realmente feliz diante do encargo que foi, para mim, um privilégio dos mais gratos e edificantes. Quando terminei a leitura, convenci-me de que, para mim, em particular, a obra havia se revelado uma palavra de cura interior, de saúde para o coração. Exatamente porque vi expostas, qual em um espelho, situações que me tem sido comuns e familiares. Para qualquer mágoa, desapontamento ou tristeza, o Senhor oferece solução. Para tanto, basta aceitarmos a mão que ele estende em nossa direção, a nosso favor, na pessoa de Jesus, o Médico dos médicos, o verbo que se fez carne. Recobrar a saúde é uma das maiores bênçãos que recebemos do Senhor. Males físicos afetam o nosso coração, bem como situações adversas atingem em cheio o nosso bem-estar. O interesse de Deus abrange as duas áreas. É importante que 9

Os_tres_choros_de_Jose.indd 9

08/04/13 16:59


observemos seus ensinamentos, vivendo de acordo com sua vontade, que é boa, agradável e perfeita. O assunto de cada capítulo dá uma ideia precisa do que o autor deseja oferecer como ajuda para o coração que, de alguma forma, tenha sido atingido por qualquer adversidade. É certo que Deus usou o pastor Vinicius, para, com o presente livro, levar auxílio, consolo e solução para muitos. Espero que os benefícios que a mim advieram com a leitura dos originais atinjam a sua vida. Essa é a minha oração. Rev. Carlos Eduardo da Silva Santos Titular da Igreja do Nazareno, em Dores de Campos, Minas Gerais

10

Os_tres_choros_de_Jose.indd 10

08/04/13 16:59


Introdução Os três choros de José do Egito nasceu de um período de estudo bíblico nos domingos de manhã em nossa igreja local. Enquanto estudávamos o livro do Gênesis, percebi que muitas pessoas estão sofrendo e não sabem. Quantos querem avançar em suas vidas nas áreas profissional, familiar, conjugal e até espiritual, porém não conseguem? Quantas pessoas vão herdar a vida eterna, mas vão pagar o pesado preço de andarem limitadas nessa terra? A Igreja preocupou-se com o lado espiritual por muito tempo e os crentes de nossa geração têm tido sede pela presença de Deus; é uma geração que deseja ardentemente mergulhar no Rio de Deus, e isso é bom. Nos dias de hoje, é fato que a Igreja tem aprendido sobre o exterior do homem e rompido com muitos paradigmas sobre vestimentas, sexo, saúde e vida financeira. Entretanto, a Igreja ainda deixou de lado, por um longo tempo, o tratamento da alma. O Apóstolo Paulo escreveu aos tessalonicenses, no capítulo 5 e versículo 23, que precisamos ser santos em três níveis: espírito, alma e corpo. O ser humano é, na verdade, um espírito que possui uma alma e que habita um corpo, e 11

Os_tres_choros_de_Jose.indd 11

08/04/13 16:59


satanás, nosso adversário, tem se aproveitado das feridas que permanecem abertas nas almas de muitas pessoas, e trabalha arduamente para lançar impedimento na vida dessas pessoas. Após estudar um pouco mais sobre cura interior percebi que vários homens de Deus em Sua Palavra também precisariam passar por esse processo. Neste livro, especificamente, abordaremos a história de José, bisneto de Abraão. Alguém que teve uma história linda, capaz de emocionar a qualquer pessoa pelo testemunho de sua vitória, mas ao mesmo tempo capaz de nos chocar, pois, quando falamos que ele fora vendido como escravo pelos próprios irmãos, é como se estivessem vendendo um pedaço de pão, sem levar em conta sua área emocional, psicológica e possíveis traumas. Quando lemos a história de José, podemos nos identificar de várias formas. Afinal, ele foi um homem que, após tanta luta, venceu obstáculos e foi promovido a Governador do Egito. Quando conhecemos esse trecho de sua vida, achamos que tudo já está bem, pois José conquistara um posto de honra, que lhe dava glória, fama e poder, elementos que muitas pessoas estão em busca em nossos dias e que ludibriam aqueles que os acham suficiente para alcançar a realização pessoal. José, após alcançar esse cargo, poderia sentir-se o homem mais realizado do mundo; entretanto, ao ter que encarar seus irmãos, em Gênesis 42:24, ele enfrentou, na verdade, seu passado, confrontou suas mágoas e não as suportou, e então se ausentou de seus familiares para chorar. O mesmo acontece em Gênesis 43:29, quando se encontra com seu irmão mais novo, Benjamim, e suas entranhas se comovem. Ele sai rapidamente a fim de procurar um lugar para chorar. Lava seu rosto e tenta se controlar, fingindo que nada tinha aconteci12

Os_tres_choros_de_Jose.indd 12

08/04/13 16:59


do. Porém Deus queria lhe dar um tratamento completo e, em Gênesis 45:1-2, vemos a manifestação da cura divina. José chorou tão alto que até a casa de Faraó ouviu o grito de sua alma. Desde então, José não foi mais o mesmo. Era um homem que estava vivendo com o coração endurecido pelas mágoas do passado, que já não sabia mais o que era derramar uma lágrima, mas, após o tratamento de Deus, tornou-se um chorão. Tenho certeza que você conhece muitas pessoas como José. Na verdade, você mesmo é alguém que se identifica com o que já disse até aqui, e peço-lhe apenas que leia essas páginas com calma. Não precisa ter pressa. Creio que o Espírito Santo estará falando ao seu coração todo o tempo. Sei também que o diabo odeia ver os crentes sarados e deseja nos manter prisioneiros do passado, por isso, esse pode ser um dos livros mais difíceis que você já leu ou lerá. Portanto, insista, não deixe sua alma se abater e nem mesmo seu espírito desfalecer. Creio que da mesma forma que José experimentou o refrigério em sua alma, você também experimentará. Antes de começar a leitura, oremos juntos: “Senhor, nosso Deus e nosso Pai, agradecemos a Ti pela oportunidade de conhecermos mais da Tua Palavra e pedimos para que o Senhor possa fluir em cada letra que nossos olhos discorrerem neste livro. Sabemos que apenas o Senhor é capaz de nos sondar por completo, por isso te pedimos que possas sondar o mais íntimo de nossa alma e tratar conforme a Tua vontade. Que a cada capítulo possa ser derramado o bálsamo do Senhor sobre as feridas que forem encontradas. Senhor, que o Teu Espírito Santo ajude e console essa pessoa. Te pedimos em Nome do Amado de nossas almas. Amém”. 13

Os_tres_choros_de_Jose.indd 13

08/04/13 16:59


Os_tres_choros_de_Jose.indd 14

08/04/13 16:59


Parte I

O Passado Jeremias 29:12 - 14 – Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei. Buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração. E serei achado de vós, diz o Senhor, e farei mudar a vossa sorte. Gênesis 42:24 – Nisto José se retirou deles e chorou. Depois tornou a eles, falou-lhes, e tomou a Simeão dentre eles, e o amarrou perante os seus olhos.

15

Os_tres_choros_de_Jose.indd 15

08/04/13 16:59


Os_tres_choros_de_Jose.indd 16

08/04/13 16:59


Capítulo 1

Conhecendo nosso contexto Isaías 43:13 – Ainda antes que houvesse dia, eu era; e nenhum há que possa livrar alguém das minhas mãos; agindo eu, quem o impedirá? Quando olhamos para alguém, normalmente tiramos uma conclusão precipitada a respeito de sua aparência ou de suas atitudes. Quantos de nós não vivemos pelo ditado secular de que a primeira impressão é a que fica? Lembro-me de uma vez em que viajei para fazer um teste em um clube esportivo. Isso aconteceu antes de minha conversão, mas foi um grande aprendizado. Estava no ônibus e pedi instrução ao cobrador a respeito da parada mais próxima do local em que me dirigia quando, alguns minutos depois, dois rapazes vestidos como “funkeiros” adentraram no mesmo ônibus e perguntaram ao cobrador como poderiam chegar ao mesmo lugar ao qual eu estava indo. A primeira impressão que tive foi ruim. Temi ser assaltado e pensei coisas terríveis a respeito deles, que acabaram indo junto comigo para o local. Após duas horas de conver17

Os_tres_choros_de_Jose.indd 17

08/04/13 16:59


sa, senti-me envergonhado por ter pensado aquelas coisas, pois descobri que eram totalmente diferentes, moravam em uma cidadezinha do interior de Minas Gerais e eram pessoas muito simples. Até cheguei a visitar a casa deles meses depois, e criamos uma grande amizade. Conheci suas famílias e seus amigos e passei, desde então, a tomar mais cuidado sobre o que pensar de alguém. Na verdade, desprezamos algo muito importante antes de concluirmos algo sobre alguém: o contexto. Deus nos disse, por intermédio do profeta Isaías, que ainda antes que houvesse dia, Ele era; ou seja, ainda antes que o conhecêssemos, ainda antes que fôssemos formados, Ele era Deus, não recebeu esse nome agora. Há uma história, há um contexto. Quando olhamos para a vinda de Jesus, não podemos entendê-la apenas lembrando do dia específico do sacrifício na Cruz. Há uma história, um contexto. Precisamos voltar ao Gênesis, à criação, ao plano original de Deus e entender todo o desenrolar da criação e da humanidade. Lembro-me também de uma vez em que um rapaz assassinou um companheiro em minha cidade por causa de drogas. As pessoas queriam que ele morresse também, esperavam pelo “olho por olho e dente por dente”. Até mesmo meu pai, que nesse dia já era crente há pelo menos dois anos, retrucou o mesmo veredicto, desejando a morte desse rapaz. Mas quando analisamos seu contexto social, constatamos que o rapaz criminoso vivia em meio à pobreza, à miséria, não teve acesso a estudo e acabou ingressando no tráfico de drogas ao enxergar uma oportunidade de ganhar um dinheiro fácil, rápido e alto. Pode parecer exagero para alguns, há pessoas que diriam que ele tinha escolha e que poderia ter 18

Os_tres_choros_de_Jose.indd 18

08/04/13 16:59


se esforçado mais para mudar sua vida; enfim, certamente encontraríamos muitos pontos de vista, mas não podemos desprezar o contexto de vida. Contexto este que levou-o a se sentir excluído da sociedade, quando saía maltrapilho pelas ruas e se aproximava de um comércio, e os empresários que ao lhe verem esboçavam em suas feições o desprezo, marcando a alma desse rapaz. Há ainda outros contextos a serem avaliados, como o familiar, o qual não trouxe suporte ao rapaz, e sim a desestrutura, pois uma pessoa que não tem pai, e a mãe apenas assina o nome com a impressão de um polegar imergido na tinta, certamente carrega sobre si mágoas mui grandes. Conheço muitas pessoas que não tiveram pai e, ainda hoje, têm dificuldades de se relacionar. Alegam que quando estavam na escola e a presença do pai era requisitada em alguma reunião ou apresentação, sentiam-se tristes por não o terem ao lado. Mesmo que a mãe estivesse lá, ainda faltava algo, o que alimentava a sensação de terem sido rejeitados. Não podemos entender a dor que uma pessoa sente pela ausência do pai nem mesmo as consequências que isso pode trazer, a menos que tenhamos vivido isso na pele. Mesmo olhando o contexto social e o familiar, poderíamos ainda avaliar outra série de situações, mas vou me ater à espiritual. Diria até que é a mais importante, pois o sábio registra em Provérbios 22:6 que devemos ensinar à criança o caminho em que deve andar. Este caminho não é apenas o de estudar e se preparar para uma carreira profissional, não é o de ser um bom cidadão e tampouco o de se ver longe das drogas e más companhias, mas, sim, o Caminho de João 14:6. O rapaz que cometeu o crime por causa das drogas cresceu em um lar pseudocristão, muito comum em nossa 19

Os_tres_choros_de_Jose.indd 19

08/04/13 16:59


sociedade predominantemente católica. Pessoas que vão à missa, mas também recorrem a pais de santo em algum terreiro de macumba ou a algum benzedor da esquina tal. Sabemos que o ladrão vem para roubar, matar e destruir, mas não aceitamos o que vem e se aproveita de pessoas feridas em suas almas para provocar destruição em outras famílias. O autor de Hebreus diz assim: Hebreus 12:15 – “Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem”. A amargura provocada pelos demais contextos vão se infiltrando na alma das pessoas e criando raízes profundas. As pessoas não conseguem mais chorar de alegria e de tristeza, não conseguem demonstrar afeto, não mais compartilham da alegria de outrem, nem mesmo repassam carinho, pois essa amargura só aumenta. Pessoas contaminadas ao extremo por esse sentimento são capazes de serem frias ao tirar a vida de alguém, de se alegrarem com o infortúnio de outros, ou de contaminarem os que estão próximos a elas com seu desânimo, pessimismo e maledicência. Quando então meu pai bateu o martelo dizendo que esse rapaz deveria morrer, eu disse que não! Na verdade, ele precisa conhecer a Jesus. Ele precisa se arrepender dos seus pecados, precisa ser curado de suas amarguras, rejeições, traumas e feridas. O mesmo aconteceu entre Jesus e a mulher Samaritana. Ela era uma mulher desprezada pela sociedade. Vinha de cinco casamentos que não deram certo e estava vivendo com um homem que ainda não era oficialmente o seu marido. 20

Os_tres_choros_de_Jose.indd 20

08/04/13 16:59


As pessoas nem sequer gostavam de se aproximar dela, pois o que pensariam delas? O que seria da reputação de um homem que ficasse a conversar com aquela mulher? As pessoas poderiam pensar que ele estava saindo com ela, que estava traindo sua esposa; enfim, as pessoas poderiam pensar muitas coisas. Até mesmo os discípulos ficaram cautelosos: preferiram “vigiar” (como diria muito crente hoje em dia) e não se aproximar. João relata 4:27 que os discípulos se admiraram ao ver o Mestre conversando com aquela mulher. Jesus, entretanto, não estava preocupado com sua reputação, mas sim em trazer cura para aquela filha de Abraão. Em vez de condená-la, rogou que se dedicasse a adorar em espírito e em verdade ao Deus Todo-Poderoso. Proporcionou tão grande alívio que aquela mulher não se importou em sair pela cidade falando para quem quer que fosse o que o Messias havia feito por ela. Ao olharmos para a vida de José, normalmente nos lembramos de seu glorioso período de Governante do Egito ou de como fora vendido como escravo, mas esquecemo-nos de avaliar o contexto familiar. José vivia em uma família que, embora fosse abençoada por Deus e detentora de uma promessa divina, passava por conturbados distúrbios familiares. Acompanhe comigo sua descendência. Era bisneto de Abraão, nosso pai na fé, homem que tem seu nome e feitos gravados na galeria mais impressionante da Bíblia, a dos heróis da fé. Este homem, que já em sua velhice recebeu uma promessa de Deus, que ousou crer e isso lhe fora imputado por justiça, certa vez quis ajudar a promessa de Deus a se cumprir e relacionou-se em um caso extraconjugal com a aprovação de sua esposa Sara, vindo a nascer Ismael dessa relação. 21

Os_tres_choros_de_Jose.indd 21

08/04/13 16:59


Com o desenrolar da história, vemos as feridas se alastrando em Agar, serva de sua esposa, quando esta serviu de barriga de aluguel a Sara. Recebeu todos os cuidados que uma gestante tem direito, quando sentia desejo de comer algo diferente, Abraão levantava de madrugada e rodeava sua região para encontrar. Aquela mulher nunca tinha recebido um tratamento como aquele, um tratamento de princesa. Enquanto isso, Sara (que em hebraico é princesa), sua verdadeira princesa, condoía-se de ciúmes, mas aguentava, pois era necessário aguardar que a criança nascesse, valia a pena se sacrificar durante aqueles nove meses. Em contrapartida, Agar sentia-se humilhada, sentia-se um objeto que fora utilizado apenas para gerar uma criança. Sabia que toda aquela mordomia estava prestes a acabar assim que a criança nascesse, Sara trataria de devolvê-la a sua antiga função, a de escrava. Agar chegou ao limite da rejeição e das humilhações, e isso gerou um grande conflito para nosso pai Abraão administrar. Deus então revela a Abraão que a criança da aliança não era Ismael, mas sim alguém gerado dele e de Sara. Abraão pede a Deus um sinal da promessa, e o Senhor o faz cair em um profundo sono. Durante esse período, Deus revela a Abraão que sua descendência seria afligida por quatrocentos anos em regime escravatório no Egito, mas que julgaria essa nação opressora (Gn 15:14). Nesse momento, Abraão pode ver antecipadamente cerca de três milhões de israelitas saindo do Egito com Moisés, e a chama sonhadora acende. Nosso Deus gosta de fazer os velhos sonharem, e em Joel 2:28, durante a promessa da efusão do Espírito, Deus promete que os velhos sonharão. 22

Os_tres_choros_de_Jose.indd 22

08/04/13 16:59


Abraão repassa o sonho da promessa para seu filho Isaque durante os anos, e este passa também a sonhar este belo sonho de Deus. Isaque acabou aprendendo com seu pai não apenas a sonhar, mas a como educar os filhos. Viveu em um ambiente em que era, sem sombra de dúvidas, o “queridinho da mamãe”. Teve vários contritos com Ismael até ser separado dele. Quando Ismael vai embora com sua mãe, Deus já havia revelado como seriam seus descendentes: Gênesis 16:12 – “Ele será como um jumento selvagem entre os homens; a sua mão será contra todos, e a mão de todos contra ele; e habitará diante da face de todos os seus irmãos.” Deus mostra que carregariam uma fúria contra a descendência do irmão. É o que acontece hoje entre israelenses e palestinos. Resultado da rejeição que Ismael sofrera quando menino. Isaque aprendera a diferir entre filhos e trouxe o mesmo sistema para sua casa. Após se casar com Rebeca, nasceram-lhes duas crianças, Esaú e Jacó. Este era preferido da mãe, e aquele preferido do pai. Desde o ventre, essas crianças contendiam entre si, revelando um sinal de Deus de que havia duas nações no interior do ventre de Rebeca, que, curiosa acerca de tal fato, ora a Deus e recebe a resposta de que o mais velho serviria o mais novo. Não bastasse Isaque sonhar em ver Esaú como um grande líder, chefe de uma grande nação, agora Rebeca é quem começa a sonhar o sonho de Deus e ela se agarra à promessa sobre a vida do caçula. Isaque, implantando o sistema educacional que aprendera com seu pai, deseja no final de sua 23

Os_tres_choros_de_Jose.indd 23

08/04/13 16:59


vida abençoar Esaú. Sempre tendemos a olhar essa passagem com olhos negativos para Jacó, quando “rouba” a bênção do irmão, e até mesmo para Rebeca, pela instrução que dá ao filho; mas ela havia se alimentado da promessa de Deus, que era para o mais novo e não para o mais velho. Jacó cresceu com a preferência do pai pelo irmão e nesse dia teve um grande aprendizado: precisamos ser cegos para escolher quem caminha conosco, pois se Isaque estivesse enxergando, Esaú é quem seria abençoado. Precisamos parar de olhar para a aparência, para os talentos, para as capacidades e ficarmos cegos, a fim de que possamos ouvir a voz de Deus. Samuel passou pela mesma escola. Quando viu Eliabe, achou que era o futuro rei de Israel, quando viu Abinadabe, teve a mesma impressão; não bastasse este último, veio Samá, mas ainda não era. Quando então aparece o esquecido Davi, que ninguém dava nada por ele, Deus revela a Samuel que Deus não vê como o homem vê, pois este olha para a aparência, para o exterior, e o Senhor olha para o nosso coração. Depois do ocorrido, Jacó parte em direção à terra de seus antepassados e no caminho recosta sua cabeça sobre uma pedra, utilizando-a como travesseiro. Lá ele tem um sonho e vê uma escadaria que liga o céu à terra e anjos que subiam e desciam por ela. Jacó passa a sonhar os sonhos de Deus e resolve se tornar um homem sério. Ele acaba se casando com duas mulheres, enganado pelo sogro. A primeira, Leia, lhe dá quatro filhos, Rúben, Simeão, Levi e Judá, e isso gerou uma competição gigantesca entre as duas esposas. Raquel, não querendo ficar para trás, entrega sua serva Bila a seu marido, que lhe dá Dã e Naftali. Em meio a essa disputa, Leia faz o mesmo e entrega Zilpa, sua 24

Os_tres_choros_de_Jose.indd 24

08/04/13 16:59


serva, ao marido, que a conhece e gera Gade e Aser. Leia continua querendo humilhar sua concorrente, e nascem mais duas crianças, Issacar e Zebulom. Consegue imaginar a estrutura dessa família? As crianças cresceram em meio a um ambiente de contendas, disputas e concorrências, até que Raquel torna-se fecunda e nasce-lhe primeiro José e anos depois Benjamim. Jacó passa a cuidar de seus doze filhos, os quais crescem nesse ambiente tenso e concorrido. Toda essa disputa era também fruto da sensação de rejeição de Leia, que sentia-se menos amada, pois Raquel, sua irmã, era quem Jacó verdadeiramente amava. Após o nascimento de Benjamim, Raquel morre, e as coisas começam a esquentar na casa de Jacó. José começa a ter sonhos, algo que herdou de seu bisavô Abraão, o qual ousou sonhar com três milhões de israelitas que sairiam do Egito. Não bastasse José ser sonhador, como o pai, era filho da mulher que Jacó mais amou. Ele, então, resolve presentear seu filho com algo especial, uma túnica de várias cores. Consegue imaginar a confusão que isso renderá? Rúben, por ser o mais velho, que já tinha direitos a mais pela tradição, ao saber da túnica, exibia-se para os irmãos, querendo saber se viram a túnica que o pai estava fazendo para ele, já contando com o fato de que o presente lhe pertenceria. Os demais competiam entre si, mostrando suas qualidades, tentando justificar que também eram merecedores daquela túnica, quando, de repente, Jacó entra na sala e entrega o presente a José. Aquilo desperta ciúmes entre os irmãos, pois a preferência está estampada e clara para todos. Essa história continua a se repetir incontrolavelmente nos dias de hoje. Quando avaliamos o contexto de vida 25

Os_tres_choros_de_Jose.indd 25

08/04/13 16:59


das pessoas, percebemos como nossas famílias têm parte em nossa formação. Meu pai cresceu em uma família da qual não tenho muitas informações, senão que era um total de quatro irmãos, e que seu lar não era sustentado por muito dinheiro. Lembro-me que, quando criança, não havia muita união entre eles, e isso certamente formou a personalidade de meu pai. Deus tem quebrado seu coração e ele tem aprendido a demonstrar melhor o seu amor. Sempre foi um homem seco, de poucas palavras e de nenhum elogio. Depois que veio para Jesus, consigo entender sua linguagem corporal. Algumas vezes ele tentou dizer que me ama e, embora não saísse voz, seus olhos embargados em lágrimas e feição emocionada disseram mais do que as palavras. Tenho certeza que se eu descobrisse melhor seu contexto, poderia explicar essas dificuldades. Como não teve a melhor condição financeira em sua infância, procurou dar o seu máximo para mim e meus irmãos (mais dois). Construiu uma bela casa, grande e aconchegante, com um quarto e uma televisão para cada filho. Hoje sabemos que isso não foi o melhor para nós, pois mais nos distanciamos do que vivemos felizes, mas a sede dele em nos proporcionar o que não teve era clara para todos. Infelizmente, vemos muitos crentes passando sufoco para viver em paz com a família, com eles mesmos e com as outras pessoas. Crentes que tentam avançar nos ministérios e às vezes ficam como que presos pela timidez, pela falta de saber elogiar, de saber ouvir etc. A mágoa que foi gerada no coração dos irmãos de José era tão grande que chegaram ao ponto de querer matá-lo. 26

Os_tres_choros_de_Jose.indd 26

08/04/13 16:59


Gênesis 37:18 – “Eles o viram de longe e, antes que chegasse aonde estavam, conspiraram contra ele, para o matarem.” Muitas pessoas estão com ódio intrínseco, sentem nojo, raiva, vontade de matar ou de morrer por problemas do passado. Se você sente alguma dessas coisas ao olhar para alguém que lhe fez mal, provavelmente há uma ferida aberta em sua alma e que precisa ser fechada. As feridas mais marcantes vêm das pessoas mais próximas. John Bevere, em seu livro A isca de satanás,¹ diz o seguinte: [...] Quanto mais estreita a relação, maior a ofensa! Os maiores sentimentos de ódio estão entre aqueles que um dia foram próximos. Os advogados podem atestar que os casos mais horríveis estão na audiência de divórcio. A mídia americana constantemente relata casos de homicídios cometidos por membros desesperados de uma família. O lar, constituído para ser um abrigo de proteção, provisão e crescimento, onde aprendemos a dar e receber amor, é, frequentemente, a raiz de toda dor. [...] [...] A lista de ofensa é tão interminável como a de relacionamento, não importa quão simples ou complexa. Verdade seja dita: apenas aqueles com que você se importa são capazes de feri-lo. Você tem uma maior expectativa em relação a eles – afinal, você deu mais de você a eles. Quanto maior a expectativa, maior a queda.

Vemos muitos crentes que querem produzir, que querem frutificar, mas estão marcados pelo ressentimento que família, amigos e até mesmo irmãos em Cristo lhes deixaram. 27

Os_tres_choros_de_Jose.indd 27

08/04/13 16:59


José quis compartilhar os sonhos que tivera, e os irmãos debocharam de seus sonhos. Talvez seja você quem está com sonhos desesperançados, despedaçados, mortos, destruídos, mas Deus quer restaurá-los. Gostaria que você avaliasse a sua família, o contexto em que está inserido. Sei que pode ter passado por coisas muito marcantes. Alguns leitores foram rejeitados desde o ventre, várias foram as vezes que a mãe tentou abortar, o próprio pai ofereceu remédios para que o aborto acontecesse. Outros foram abandonados pelo pai quando ainda criança. Algumas moças foram abusadas sexualmente por familiar, vizinho ou até mesmo pelo pai; mesmo que o pai fosse ministro na igreja e tenha feito isso, não o culpe. Cada sensação de rejeição que você possa estar vivendo, não culpe a nenhum deles. Jesus entendeu esse princípio do contexto. Às vezes as pessoas fazem coisas horríveis, como matar o Filho de Deus sem razão alguma, porém, elas não sabem o que fazem. Oremos: “Pai Celestial, quero ficar livre desses sentimentos. Quero viver em abundância como prometeu o Teu Filho. Aprendi que as pessoas fazem coisas e às vezes sem saber o que fazem, por isso, da mesma forma que Jesus orou, eu oro: Perdoa-os, porque não sabem o que fazem. Eu também os perdoo, em Nome de Jesus. Amém.”

28

Os_tres_choros_de_Jose.indd 28

08/04/13 16:59

Profile for Novo Século Editora

Os Três Choros de José do Egito  

Quantas pessoas querem avançar em suas vidas em áreas profissionais, familiares, conjugais e até espirituais e não conseguem? Quantas pessoa...

Os Três Choros de José do Egito  

Quantas pessoas querem avançar em suas vidas em áreas profissionais, familiares, conjugais e até espirituais e não conseguem? Quantas pessoa...