Page 1


Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 2

17/01/14 18:40


Patricia Fagundes

Enfynie A Outra Dimens達o

TALENTOS DA LITERATURA BRASILEIRA

S達o Paulo, 2014

Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 3

17/01/14 18:40


Copyright © 2014 by Patricia Fagundes

Coordenação editorial

Letícia Teófilo

Diagramação Claudio Tito Braghini Junior Composição de capa

Monalisa Morato

Patricia Fagundes

Ilustração de capa

Preparação Fernanda Guerriero Antunes Revisão Fabrícia Romaniv

Texto de acordo com as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (Decreto Legislativo no 54, de 1995) Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)

Fagundes, Patricia Enfynie : a outra dimensão / Patrícia Fagundes. -- Barueri, SP : Novo Século Editora, 2014. -(Coleção novos talentos da literatura brasileira) 1. Ficção brasileira I. Título. II. Série.

14-00351

CDD-869.93

Índices para catálogo sistemático: 1. Ficção : Literatura brasileira 869.93

2014

Impresso no Brasil Printed in Brazil Direitos cedidos para esta edição à Novo Século Editora CEA – Centro Empresarial Araguaia II Alameda Araguaia, 2190 - 11o andar Bloco A – Conjunto 1111 CEP 06455-000 – Alphaville Industrial – SP Tel. (11) 3699-7107 – Fax (11) 3699-7323 www.novoseculo.com.br atendimento@novoseculo.com.br

Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 4

17/01/14 18:40


Dedico este livro a todos aqueles que precisam de forças para se erguer de um desânimo profundo. Espero que ele os ajude, assim como me ajudou.

Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 5

17/01/14 18:40


Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 6

17/01/14 18:40


Gostaria de agradecer, do fundo do meu coração, a todos aqueles que me apoiaram durante o difícil processo de escrever esse livro. Quero que saibam que eu considero essa história a minha cura. Ou, como diz meu querido namorado, o meu amadurecimento. Foi a partir dela que eu consegui melhorar muitos aspectos que atrapalhavam a minha vida. Portanto, todos vocês, queridos amigos, contribuíram de alguma forma para a cura da minha tristeza, do meu mimo, de todos os problemas psicológicos que eu desenvolvi durante a minha vida. É com um grande sorriso no rosto, um sentimento de satisfação e realização no peito e um desejo de ajudá-los da mesma forma, que agradeço principalmente aos meus pais, Elizabeth e Romolo, por terem me dado tanto carinho, amor, atenção, educação, conselhos terapêuticos, transformando-me na pessoa que sou hoje. Agradeço às minhas avós, Lenyr e Jocília, por todo apoio de “avós corujas”. Agradeço aos meus primos lindos que considero irmãos, principalmente ao Ygor e à Paula, com quem tenho um contato mais frequente. Obrigada pela presença, por todos os momentos alegres que tivemos, compartilhando risos e histórias. Minha amiga, Pri Correia: obrigada pelas dicas, pelo apoio e por todos esses anos de amizade (que eles durem para sempre!). Quero que saiba, é uma pessoa incrível e as portas da minha casa estarão sempre abertas para você. 7 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 7

17/01/14 18:40


Meu namorado, Otavio: obrigada pelos conselhos e por colocar meus pés no chão quando eu parecia estar voando demais nos sonhos. Obrigada por todo carinho, pela compreensão e pela ajuda. Meu amigo, Felipe Freitas, obrigada por todas as madrugadas que passamos conversando sobre o livro no Skype, pelas as ideias, opiniões... E, principalmente, obrigada por todas as belas palavras que me disse, mostrando que, por mais que seja menor de idade, sua mentalidade é bem mais avançada. A todos os meus “gnomos ajudantes”, obrigada por sempre me colocarem para cima, pelo reconhecimento e, acima de tudo, por terem acreditado no meu potencial, dando-me a chance de compartilhar tudo o que sei com vocês. Quero fazê-los sorrir, aumentar seus conhecimentos e habilidades, bem como ajudá-los com conselhos quando estiverem com problemas. Por mais que eu demore a responder (pela falta de tempo), adoro conversar com vocês e espero que nossa amizade se fortaleça cada vez mais. Agradeço à Renata Ventura por ter me dado uma dica crucial para o desenvolvimento da história, pela paciência e simpatia em me ajudar com os milhares de perguntas sobre como escrever um livro. Ao leitor, obrigada por me dar uma chance e comprar este livro. Espero que ele o ajude da mesma forma que me ajudou. Por fim, quero agradecer ao amuleto draconiano, que possibilitou essa jornada de autoanálise pela minha cabeça criativa. Nossa mente tem um poder incrível, meus amigos. Somos capazes de materializar nossos desejos com a força do nosso pensamento e a ajuda do nosso esforço e trabalho. Somos capazes de aprender novas habilidades e obter novos conhecimen8 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 8

17/01/14 18:40


tos. Pelo amor de Ra, fomos capazes de sair do nosso próprio planeta! O ser humano tem um grande potencial escondido nessa “pequena” massa cinzenta. Eu acredito que nós conseguimos criar a realidade ao nosso redor, e só pelo fato de ter escrito esta história, vivenciado tudo isso na minha cabeça e guardado em minha memória até mesmo cheiros, texturas, cores, sensações momentâneas, acabei criando Enfynie em algum lugar da imensidão deste universo. Ou, então, quem sabe esse planeta já existia e o que eu fiz não foi “criar”, e sim “ser intuída” a escrever sobre ele? Quero que vocês reflitam. “Vejo” vocês no próximo livro: Enfynie — Perigo iminente! Até mais, meus lindos! Com amor, Patricia Fagundes

9 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 9

17/01/14 18:40


Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 10

17/01/14 18:40


Prólogo

No dia 16 de maio de 2012, eu renasci. Meu destino foi traçado de uma forma que julgava impossível: fui enviada a outra dimensão. Com o passar do tempo, perdi as esperanças de voltar para casa e rever a minha família e amigos, além de começar a questionar a minha própria sanidade. Meu nome é Natasha Fernandes, e esta é a história da minha vida.

11 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 11

17/01/14 18:40


Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 12

17/01/14 18:40


A tarde estava chegando ao fim: O sol já começava a se pôr, escondendo-se atrás das inúmeras árvores e montanhas daquele terreno irregular, e não havia nuvens no céu. O som da cachoeira ecoava por entre a vegetação e folhas que caíam das copas das árvores cobriam a terra úmida. Diferentes pássaros cantavam, acompanhando a melodia da água fluindo, majestosa, imponente. À harmonia dessa música natural, juntava-se a leve brisa que soprava, vinda do leste, tocando gentilmente a paisagem esverdeada e fazendo as árvores dançarem em um ritmo lento, de um lado para o outro, num movimento quase hipnótico. Natasha estava visivelmente abatida, andando por entre as plantas, pisando no chão fofo com cuidado, como se o seu peso fosse machucá-lo. Apesar de ser brasileira, carioca, tinha uma pele bem branquinha, e, por mais que ficasse debaixo do sol o dia inteiro, só conseguiria ficar vermelha como um tomate. Usava o cabelo castanho-escuro repartido de lado, sem franja: no topo de sua cabeça era liso, depois ia ondulando até formar, nas pontas, cachos que chegavam até um pouco abaixo de seus ombros. Seu rosto era fino, com as bochechas e o nariz redondo salpicados de sardas. Tinha sobrancelhas escuras, não muito finas, bem delineadas, olhos mel-esverdeados com um formato amendoado. 13 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 13

17/01/14 18:40


Vestia uma roupa simples: camiseta branca, meio suja de terra, e um short jeans azul-claro meio rasgado. Estava descalça. Gostava da natureza, sentia-se em casa ali. Por um momento, olhou a paisagem, apreciando-a. A cachoeira caía de uma enorme pedra, formando um pequeno lago, não muito fundo, e este, por sua vez, constituía um rio cheio de pedregulhos cobertos de musgo, que descia cortando caminho pelas árvores. Ela escolheu uma árvore perto do lago, do lado direito da margem do rio. Carregava em sua mão esquerda um pesado livro de aparência rústica, cujas páginas amareladas se assemelhavam a pergaminhos velhos. Aquele era o seu diário, seu companheiro inseparável. Depois de um tempo admirando a maestria do local em que se encontrava, virou-se, apoiando as costas no tronco da árvore que havia escolhido, e foi deslizando até sentar-se no chão, sem nenhuma hesitação em se sujar de terra. Colocou o diário pesado em cima das pernas cruzadas e alisou sua capa áspera com as mãos. Uma lágrima precipitou-se, escorrendo pela bochecha direita. Após tirar uma mecha de seus cabelos da frente do rosto, colocando-a atrás de sua orelha esquerda, endireitou a coluna e abriu o diário, folheando as páginas repletas de desenhos, anotações, símbolos estranhos e amostras de plantas esquisitas, já murchas, coladas ao papel enrugado. Ela analisava tudo o que havia escrito. Antes de ser enviada a outra dimensão, sem aviso prévio, motivo plausível ou qualquer garantia de que voltaria para casa, Natasha estava em um estado de desânimo. Tinha seus motivos, muito embora achasse que todos pensavam que estes eram infundados. A sua família era unida, 14 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 14

17/01/14 18:40


com quem trocava muitos gestos de amor e carinho. Não era feia, vivia com conforto, fazia faculdade de Relações Internacionais, além de ter cultura e uma veia artística aflorada. No entanto, era muito solitária, talvez por achar que ninguém a compreendesse direito, já que nem ela própria se entendia às vezes. Tinha uma mente muito dinâmica, sem foco, de onde brotavam ideias diversas. Cada hora queria fazer uma coisa diferente, e não sabia disciplinar essa criatividade rebelde. Afinal, é difícil escolher uma só coisa para fazer quando se gosta de quase tudo. Muito exigente, autocrítica, orgulhosa, teimosa e de baixa autoestima. Por conta da preguiça, que a fazia querer que tudo fosse fácil, era muito mimada. Não teve um passado tão triste, mas sofreu um pouco de bullying nas escolas onde estudou. Depois de tentar mudar seu jeito de ser para agradar aos outros, esquecendo-se de quem era de verdade, aos poucos, foi se isolando em seu mundinho particular. Apesar disso, gostava de entreter as pessoas por meio das artes: desenho, música, teatro. Sentia prazer em emocionar a todos, fosse com sorrisos ou lágrimas. Apreciava essa atenção, pois parecia ser importante, como se, assim, tivesse um ótimo objetivo na vida (embora não fosse nada concreto). Na infância, sempre buscou atenção e, em grande parte das vezes, recebia olhares de desprezo ou pena. A família, além de seus poucos amigos verdadeiros, era sua companhia. Morava com os pais, Paula e Roberto, sua irmã, Isabella, de 14 anos, e seu irmão, Yuri, de 20. Ela era a mais velha: praticamente, acabara de fazer 22 anos, no início do mês de maio, dia 08. Sem nenhum motivo, ia até cada um deles e beijava sua testa ou bochechas, e o gesto era retribuído. 15 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 15

17/01/14 18:40


Ao ser enviada para outra dimensão, todo esse carinho foi tirado bruscamente dela. Teve grande dificuldade de aprender a dar seus próprios passos sozinha, percebendo quão mimada era, acostumada às facilidades e ao conforto. Ao aprender a se virar, correr atrás, lutar para sobreviver, seu antigo desânimo foi se transformando no primeiro objetivo verdadeiro de vida: sobreviver. Natasha pensava em tudo isso quando chegou até as últimas linhas de seu grosso diário. Ela alisava a página seguinte, em branco. De uma pequena bolsinha presa à capa, retirou uma pena acinzentada artesanal, cujo cabo estava repleto de tinta marrom orgânica, feita de alguns minérios triturados misturados a óleo vegetal. Usou-a para escrever suas palavras finais, encerrando seus registros com uma mensagem destinada a todos que fossem lê-lo:

Neste diário, descrevo como aprendi a viver e encontrei forças para sair do marasmo. Nessa viagem, descobri o grande e óbvio segredo, a verdade da vida. Aquela que está pairando à nossa frente, mas somos cegos demais para enxergar. Espero que as minhas anotações os ajudem a abrir os olhos. Quando este diário alcançar o maior número possível de leitores, um objetivo ainda maior estará completo. Esse é o meu mais sincero desejo. Natasha Fernandes

16 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 16

17/01/14 18:40


Introdução

14 de maio de 2012 Querido diário, Sei que é um pouco tarde pra começar um diário, quase no meio do ano, mas só hoje tive vontade de escrever, inspirada num jogo de videogame do meu irmão. O personagem principal tinha um diário repleto de anotações e esboços. Pensei: Por que não ter um diário assim também?! Eu não tenho uma vida de caçadora de tesouros como ele, mas posso ao menos anotar tudo o que de interessante me acontece. Na realidade, este é um diário improvisado, já que não passa de um caderno velho faltando poucas folhas livres pra acabar, mas pretendo arranjar um tempo amanhã pra comprar um decente. Aí, arranco esta folha e colo na primeira página dele. E olhe lá. Eu nunca consegui passar do mês de março quando escrevia em diários antigamente. Minha paciência acaba depressa. Acabo não tendo nada de interessante para registrar, ou, então, esqueço-me de escrever por um dia e perco o ânimo pra continuar, porque não gosto de deixar lacunas para trás. Aliás, tudo na minha vida é 17 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 17

17/01/14 18:40


assim: começo a fazer algo, superempolgada, mas passa um tempo e enjoo, ou vai dando vontade de fazer outra coisa completamente diferente e eu largo tudo inacabado. Contudo, este diário será diferente, inspirado no jogo do meu irmão. Não vou escrever sobre o almoço de ontem ou quantas pessoas me ligaram hoje (até porque ninguém me liga), mas, sim, sobre tudo que me fascina! Bem, vejamos o que escrever de interessante nele... Eu amo História, principalmente a Antiguidade. Leio muitos livros sobre esses assuntos. Um dos meus maiores sonhos (e o mais impossível de todos, mas é só um sonho) é saber tudo o que aconteceu desde o tempo em que os primeiros seres humanos surgiram no planeta Terra. Legal, né?! Sabe, meu problema, e também uma qualidade minha, é ser autodidata. Não gosto de assistir às aulas, mas a sociedade exige diplomas; portanto, tenho que me contentar com tudo isso. Se eu pudesse ganhar diplomas e reconhecimento estudando por conta própria só aquilo que eu considero interessante e importante... Nossa, estaria feita na vida. Seria muito bom poder preencher os espaços vazios que faltam na História da humanidade... Mistérios que nunca vamos descobrir nos dias de hoje, a menos que inventem uma máquina do tempo, ou encontrem pergaminhos antigos revelando os segredos do passado. Atlântida, por exemplo. Eu li alguns textos sobre esse continente lendário. Acredita-se que ele se localizava no meio do Oceano Atlântico (graças ao nosso querido amigo Platão). Pra mim, isso soa estranho, porque o “quebra-cabeças” de continentes que se separaram da Pangeia não tem espaço pra um continente “imenso” no meio deles. Sempre achei que Atlântida ficasse na própria Amé18 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 18

17/01/14 18:40


rica. Quem sabe aquelas ilhas todas do Caribe fossem uma só no passado, e o nível do mar tivesse subido, alagando tudo e deixando só as partes mais altas fora d’água? E se Eldorado e Atlântida fossem a mesma coisa? Mas acho que Eldorado era um cara, né? Um rei ou sei lá o quê. Enfim. Também já me disseram que, na verdade, Atlântida não era uma ilha ou um continente, mas um planeta muito mais evoluído que este, do qual fomos expulsos há muitos anos. Nossos espíritos foram enviados para cá, a Terra. As primeiras civilizações eram descendentes dos atlantes (sumérios, egípcios etc.) e muito avançadas, mais evoluídas do que a nossa. Preste atenção: se não fosse pela Idade Média (não é chamada de “Idade das Trevas” à toa), não teríamos regredido tanto. Seríamos mais evoluídos do que somos hoje, e nosso conhecimento, derivado dos antigos. Mas o ser humano CISMA em fazer guerra, dizimar civilizações inteiras, destruir livros e arquivos importantes, além de esconder as verdades do passado. Isso me dá uma raiva desgraçada. Fomos expulsos de Atlântida porque o planeta estava em fase de “reciclagem”, passando para uma etapa mais evoluída. Os espíritos que não se adequavam àquela Era foram enviados para a Terra, um planeta inferior espiritualmente. Faz sentido que a maioria das mitologias (antigas e religiões atuais) tenha sua história iniciada após uma “expulsão do paraíso” ou uma “inundação”. Lembra que Atlântida foi “engolida pelo mar”? Mas, enfim, isso a gente talvez nunca vai poder saber. Ah, queria falar sobre o sonho que eu tive hoje (mudando de assunto bruscamente). Estava parada no meio de uma floresta tão bonita e a minha família se divertia em alguma cachoeira dessas em que a gente costuma ir quando faz trilha. De repente, de trás de uma árvore, um homem saiu. Quando olhei pra ele, soube que era 19 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 19

17/01/14 18:40


a minha alma gêmea. Não tinha muita fé nisso, até ter esse sonho. O rapaz usava uma blusa branca bem larga, tinha uma pele bem morena e cabelos pretos lisos e curtos. Seus olhos eram azuis como o céu claro, o que fazia um contraste sinistro com a pele e o cabelo. Só consegui enxergar isso, e não lembro direito de seu rosto. Vejo alguns detalhes, mas não consigo imaginá-lo mais. Passei o dia todo pensando nele. De manhã, na aula de Filosofia que tive na faculdade, me inspirei e escrevi a letra de uma música (é pra isso que minhas aulas na faculdade servem: inspiram-me a fazer músicas e desenhos, porque estudar mesmo eu faço em casa, sozinha). Ficou assim, ó: Eu tive um sonho com alguém que nunca vi, parecia tão real... E quando fui perceber, por ele eu me apaixonei. Não sei por que aconteceu, nem como foi. E agora, o que fazer? Nem sei se ele existe, ou não, e já ganhou meu coração. Fecho os olhos, tento lembrar como o seu rosto é. Vejo detalhes, traços sutis, mas não é o bastante pra mim! Eu preciso te ver, sua pele sentir, seu cabelo acariciar. Com meus lábios, tocar o seu rosto a sorrir, Eu queria te fazer feliz. Fico pensando nos momentos junto a ti, Não quero nunca te esquecer. Vi você parado ali. Quando me viu, sorriu pra mim. Meu coração acelerou e eu soube enfim: Minha alma gêmea é você. Seu olhar me cativou. Queria tanto te encontrar. 20 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 20

17/01/14 18:40


E se você não existir, meu coração vai sofrer. Vou me lembrar de um dia irreal, em que conheci o amor. Eu preciso te ver, sua pele sentir, seu cabelo acariciar. Com meus lábios tocar o seu rosto a sorrir, Eu queria te fazer feliz. E o que dói mais é não poder te dizer o quanto eu quero você, Nos meus braços te envolver. Eu preciso te ver, sua pele sentir, seu cabelo acariciar. Com meus lábios tocar o seu rosto a sorrir, Eu queria te fazer feliz. Quando cheguei em casa, a fim de criar a melodia, fui correndo para o teclado. As emoções me inspiraram tanto, que terminei rapidinho e gravei tudo em umas duas horas. Espero que um dia eu o encontre mesmo. Tentei fazer um esboço do rosto dele assim que acordei, mas não ficou tão parecido... Devo ter inventado algumas feições:

21 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 21

17/01/14 18:40


Depois, fui ver o que meu irmão estava fazendo. Ele estava brincando no videogame e, impressionada com os gráficos do jogo, fiquei por lá mesmo. Minha irmã passou o dia na casa das amigas e meus pais saíram pra comprar um abajur ou qualquer coisa do tipo. Maneiro! Eu disse que não ia escrever sobre meu dia a dia, mas acabei escrevendo. Força do hábito.

22 Enfynie_A_Outra_Dimensao14x21_Lets_OK.indd 22

17/01/14 18:40


ENFYNIE  

Natasha Fernandes era uma menina comum, de vida confortável e monótona, até encontrar um misterioso amuleto, que mudaria drasticamente sua r...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you