Page 1

CEGEP – CENTRO GUAÇUANO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL GOVERNADOR MÁRIO COVAS Aline de Souza Jacintho Jucilaine Fernanda da Silva

MOTIVAÇÃO NO TRABALHO

Mogi Guaçu 2010


CEGEP – CENTRO GUAÇUANO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL GOVERNADOR MÁRIO COVAS Aline de Souza Jacintho Jucilaine Fernanda da Silva

MOTIVAÇÃO NO TRABALHO

Trabalho apresentado como exigência parcial para obtenção da certificação de Tecnico, do curso Técnico em Administração do CEGEP – Centro Guaçuano de Educação Profissional “Gov. Mário Covas”, sob orientação da Professora Andresa Tatiana da Silva Soares.

Mogi Guaçu 2010


Agradeço a professora Andresa Tatiana da Silva Soares pela orientação e pelo apoio ao longo deste e a todos os professores e funcionário desta instituição que sempre estiveram ao nosso lado e a todos os amigos e colaborados. Aline de Souza Jacintho

Agradeço primeiramente a Deus, em especial a professora Andresa Tatiana da Silva Soares e a minha parceira de trabalho Aline da Silva Jacintho que esteve ao meu lado durante a realização deste. Jucilaine Fernanda da Silva


Dedico este trabalho a Deus, à minha família e a todos que direta e indiretamente estiveram presentes em minha vida. Aline de Souza Jacintho

Dedico este trabalho a Deus razão por estarmos aqui, à minha familia que foi e é minha força e a todos que de uma forma eficaz ajudara-me a estar aqui. Jucilaine Fernanda da Silva


Porque melhor é a sabedoria do que jóias e de tudo o que se deseja nada se compara a ela. Provérbios 8:11


RESUMO O presente trabalho trata da análise das teorias motivacionais utilizadas pelas organizações em busca de melhores desempenhos de seus colaboradores. A motivação do emprego tornou-se uma questão organizacional porque a essencia “do que é trabalho” perdeu o verdadeiro sentido. Então as teorias motivacionais servem como um tempero para dar sabor às atividades que já não fazem sentido. Pode-se defenir, a palavra motivação como sendo o impulso interno que leva o ser humano à determinada ação, seus estudos são de grande importância, pois estão voltados à compreensão dos fatores comportamentais do homem, tanto que, os desejos, ambições, ódios e medos, estão relacionados diretamente ao grau que uma pessoa possui. De acordo com a teoria do psicólogo americano Abraham Maslow, o ser humano possui necessidades que devem ser identificadas e trabalhadas para motivar uma pessoa. São necessidades fisiológicas, biológicas e sociais que segundo ele, uma deve estar razoavelmente satisfeita, antes que, a outra se manifeste como prioritária. Palavras-chave: Motivação, Trabalho


ABSTRACT This paper deals with the analysis of motivational theories used by organizations in search of better performance of its employees. The motivation of employment has become an organizational issue because the essence "of what work had" lost the true sense. Then the motivational theories serve as a spice to give flavor to the activities that are meaningless. You can cut, send the word motivation as the inner impulse that leads humans to a certain action, their studies are of great importance, since they are aimed at understanding the behavioral factors of man, so much so that the desires, ambitions, hatreds and fears, are directly related to the degree that a person possesses. According to the theory of American psychologist Abraham Maslow, human beings have needs that must be identified and worked to motivate a person. Are the physiological, biological and social changes that he said, one must be reasonably satisfied, before that, the other to manifest itself as a priority. Key words: Motivation, Work


SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ....................................................................................................... 9 2. OBJETIVOS ........................................................................................................ 10 2.1 Objetivo geral ...................................................................................................... 10 2.2 Objetivos específicos .......................................................................................... 10 3 TRABALHO ........................................................................................................... 11 3.1 O conceito de trabalho ........................................................................................ 11 3.2 O trabalho hoje .................................................................................................... 11 3.3 Trabalho e prazer ................................................................................................ 12 4 MOTIVAÇÃO .......................................................................................................... 13 4.1 Hierarquia de Maslow .......................................................................................... 14 4.2 Teoria sobre Motivação ....................................................................................... 15 5 BASES MOTIVACIONAIS NO TRABALHO ........................................................... 17 5.1 Tópicos importantes para a motivação no trabalho ............................................. 17 5.2 Lidando com as Mudanças.................................................................................. 17 6 PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA VIVER ................................................................... 18 6.1 Capacidade de Estabelecer Metas...................................................................... 18 6.2 Aperfeiçoamento Contínuo .................................................................................. 18 6.3 Autoestima .......................................................................................................... 19 6.3.1. Autoestima, graus e relacionamento .............................................................. 19 6.3.2. Psicoterapia para baixa autoestima ............................................................... 20 6.4 Ambiente de trabalho .......................................................................................... 20 7 Conclusão .............................................................................................................. 22 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................................... 22


1 INTRODUÇÃO O trabalho é toda atividade humana que deve ser realizado em vista da obtenção de uma renda, a qual proporciona ao trabalhador possibilidades de alcançar bens materiais. O homem, o ser humano, quando confinado no ambiente de trabalho sob a pressão da rotina diária, sente-se muitas das vezes insatisfeito com sua função e começa a sentir-se desmotivado. Então há uma necessidade de motivá-lo, provocar neste trabalhador um novo ânimo para que ele comece a agir em busca de novos horizontes, de novas conquistas, experimentar outras fontes de prazer. A motivação tem sido alvo de muitas discussões. No campo clínico, quando se estudam algumas doenças, na educação, voltada para o processo de aprendizagem e na vida religiosa, quando se tenta compreender o que motiva alguém a ter fé em determinada crença. Nas paginas seguintes analisaremos as bases motivacionais no trabalho, as hipóteses e teorias que compreende o tema supracitado.


2 OBJETIVOS

2.1 Objetivo geral O objetivo do presente trabalho é apresentar modelos sucintos a respeito da motivação no ambiente de trabalho, levando em consideração os benefícios causados por tal. 2.2 Objetivos específicos a) Definir o significado da palavra trabalho; b) Apresentar as hipóteses, hierarquias e teorias sobre motivação; c) Identificar as bases motivacionais no trabalho; d) Analisar os princípios básicos para obter uma vida motivada; e) Justificar o motivo pelo qual este tema foi escolhido para o trabalho de conclusão de curso.


3. TRABALHO 3.1.

O conceito de trabalho

Pode-se definir trabalho como toda atividade humana que se caracteriza como fator essencial da produção de bens e serviços. É um dos fatores o qual permite um individuo ter uma relação social, e o que fundamenta esta relação é a economia e a sociedade. Sua forma particular é remunerada, ou como é comumente entendido pode ser chamado de emprego. Este tipo de atividade tornou-se a principal fonte de renda que permite aos indivíduos viver e alcançar riquezas. Os empregos foram projetados para serem o centro da sociedade industrial, como uma forma difundida e valorizada. Quando há uma sociedade em menor ou maior grau, eles centralizam-se, porém fica em evidência a redução da noção que se tem daquilo o que denominamos trabalho. 3.2.

O trabalho hoje

A revolução industrial contribuiu para as mudanças no modo de trabalho. Por exemplo, o trabalho artesanal, era um trabalho simples e realizado manualmente, com a revolução industrial vieram as máquinas e substituíram a simplicidade por rapidez ao longo do tempo. No século XIX, o homem começou a demonstrar suas vontades e desejos de possuir bens materiais e de consumir mais. Por ser flexível e extremamente adaptativo, os capitalistas, fazendo uso dessas qualidades e ampliam o seu capital através delas, pois o homem consegue com muita rapidez, lidar com mudanças. A divisão do trabalho trouxe consigo um grande aumento de produtividade e atividades repetitivas, tornando o operário em um meio mecânico de controle de produção. O confinamento ao ambiente de trabalho tornou as pessoas em seres insatisfeitos com as atividades que executam diariamente, pois ele deve ser valorizado e dar sentido ao que faz e não o oposto.


3.3.

Trabalho e prazer

O maior desafio para os empresários é fazer com que os funcionários de suas empresas sintam prazer em exercer suas funções. A empresa pode investir em benefícios e iniciativas que desertem o interesse e o bem-estar profissional, como distribuir prêmios aos funcionários que preporem ideias criativas que beneficiem a empresa aos funcionários, investir em cursos e incentivos aos funcionários que mostrarem melhor rendimento durante o mês de trabalho Contudo, esses métodos podem ser insuficientes para fazer com que eles “apaixonem-se” pelo o que fazem. Como em uma relação amorosa, eles devem desejar o melhor à pessoa amada, apaixonar-se pelo o que não é diferente. O importante é fazer com que o profissional sinta-se à vontade, sem esquecer-se de suas obrigações e objetivos. Os empresários devem tornar o ambiente de trabalho, em um lugar harmônico. Investir no bem-estar do colaborador, cativá-lo, trazê-lo para o seu lado, mantendo assim um bom relacionamento com o corpo da empresa.


4. MOTIVAÇÃO A palavra motivação tem origem latina, na qual movere significa mover, que descreve o impulso interno que leva a uma determinada ação, sendo assim a principal questão da psicologia da motivação são as razões pelas quais o individuo se comporta desta ou daquela maneira. Ao observar o principio geral da motivação analisa-se o porquê do comportamento de seres humanos e animais em determinadas situações ao escolherem, agirem e manterem ações diversificadas. Motivação é uma força que nos move a fazermos algo durante a vida, daí direciona e intensifica os objetivos de cada indivíduo. Sendo assim, quando dizemos que motivação é algo que está dentro de cada um , pecamos em dizer que alguém nos desmotiva, pois ninguém é capaz de fazê-lo. Porém, o interior é modificado diariamente pelo exterior, podemos sentir influenciados pelo ambiente onde estamos, pelo clima, por pessoas. Enfim no decorrer do dia podemos sofrer alterações diversas no nosso interior. O nível de motivação é influenciado por diversos fatores como a personalidade, como a percepção do meio em que se vive, a integração com a sociedade e a suas emoções. O ser humano é um ser de necessidades. Através destas necessidades ele busca a satisfação durante as fases de seu desenvolvimento, essas necessidades por si só não são naturais, e sim geradas pela criação humana e inventadas pelo homem. Considerado que nenhum comportamento do homem reque justificativa, haver-se-á a necessidade de estudiosos da psicologia para estudarem os motivos, os instintos e o que leva o homem a agir e a se comportar de determinada maneira e não de outra. A teoria da motivação visa mapear os motivos que levam o ser humano a agir de determinada forma, observando num a forma de linguagem inteligível no campo real do homem, através da escrita. Como o ser humano possui tanto a capacidade de construir como de destruir, há a necessidade de entender o que leva o ser um indivíduo a destruir, impedindo a continuidade do processo de construção de sua vida. Esta teoria visa observar os motivos humanos, buscando explicar o comportamento numa forma de linguagem em que possa ser compreendido, através


da escrita. Através desta teoria poderá analisar o porquê dos atos humanos e ajudar o ser humano a convivência em sociedade sem desrespeitar o modo de vida de outrem. Sendo motivação objeto de estudo por diversos grupos, é natural que cada um tenha uma explicação voltada a este estudo. Podemos observar por exemplo os comportamentalistas, que defendem que a motivação seja explicada como um conceito de recompensa e incentivo. Sendo a recompensa um objeto de atrativo em consequência ao comportamento particular. Os humanistas defende as necessidades de auto realização, ou seja, as pessoas sentem-se motivadas a realizar algo que atinja seus potenciais.

4.1.

Hierarquia de Maslow

A hierarquia proposta por Abraham Maslow defende que as necessidades de níveis mais baixos devem ser supridas antes das necessidades de níveis mais altos, em que cada um tem que “escalar” uma hierarquia de necessidades para atingir a sua auto realização. Esta teoria abrange cinco necessidades: As necessidades fisiológicas, ou seja, as necessidades básicas como a fome, a sede, o sono, o abrigo, entre outros; As necessidades de segurança que vai desde uma necessidade de se sentir seguro dentro de seu lar, até ter um emprego estável, um plano de saúde, uma moradia e um seguro de vida; Necessidades de afeto, amor, afeição e sentimentos como, por exemplo, pertencer a grupo social, ou um cube; O reconhecimento pessoal, ou seja, nossa estima, nossas capacidades em uma função em que desempenhamos; E por fim a necessidade de auto realização, onde o indivíduo procura tornarse aquilo em que ele pode ser. Maslow considera que o último patamar desta pirâmide a pessoa possa ser coerente com a realidade, ou seja, podemos alcançar somente aquilo em que somos capazes de ser, e desenvolver nossos potenciais.


Apesar de esta teoria ter sido considerada uma melhoria em face às outras teorias, ela sofre algumas controvérsias, como por exemplo, a pessoa pode estar totalmente auto realizada, contudo sofrer algum tipo de necessidade fisiológica.

4.2.

Teoria sobre motivação

A motivação de equipe nem sempre recebe a atenção devida. Líderes sem muita experiência voltam-se para atividades mais técnicas, em busca de resultados rápidos, se esquecendo de que as tarefas são executadas por pessoas que possuem outras prioridades. Como vimos no texto anterior, das várias teorias existentes sobre a motivação no trabalho, uma das mais aplicadas é sobre Abraham Maslow. De acordo com sua teoria, um indivíduo possui várias necessidades e para motivar uma pessoa, é preciso identificar qual categoria de suas necessidades está baixa para poder ajudalo. São as seguintes categorias. •

Necessidades fisiológicas: são as necessidades do organismo e são as prioridades do ser humano. Entre elas estão, comer, beber, respirar, dormir, etc.;

Necessidades de segurança: envolvem a segurança física, segurança de recursos

financeiros,

segurança

familiar

e

saúde,

relaciona-se

com

estabilidade básica do ser humano; •

Necessidades Sociais: relaciona-se à atividade social, como amizades, amor, suporte familiar, aceitação social;

Necessidade de status e estima é a necessidade de ser reconhecido como uma pessoa competente e respeitada;

Necessidades de auto realização: neste nível de necessidade as pessoas gostam de resolver problemas, possuem um senso de moralidade e gostam de ajudar o próximo. Um líder saberá identificar quais as necessidades deverão ser trabalhadas e

os meios de motivação mais adequados. A teoria de Heisenberg dividiu os fatores que alteram o comportamento do individuo em dois grupos: os higiênicos e os motivacionais. Os fatores higiênicos,


extrínsecos ao individuo compreendem salário, benefícios recebidos, segurança no cargo, relações interpessoais no trabalho. No caso da insuficiência, provocam insatisfação, porém atendidos eles não despertariam a motivação (a energia interior) do individuo. Esta seria despertadas pelos fatores motivacionais, intrínsecos ao profissional,

representados

por

reconhecimento,

status,

responsabilidade,

oportunidade de reconhecimento. A ausência desses fatores contudo não ocasiona insatisfação.


5. BASES MOTIVACIONAIS NO TRABALHO 5.1.

Tópicos importantes para a motivação no trabalho

David McClelland foi um psicólogo americano que realizou um excelente trabalho dentro dos estudos sobre motivação. Publicou alguns de seus principias trabalhos entre os anos 50 e 70. Em uma de suas pesquisas, ele identificou três necessidades adquiridas pelo homem social: realização, afiliação e poder. Cada individuo possuí uma das três necessidades mais aguçadas. Concentrar-se naquilo o que se faz bem é a maior ferramenta para o sucesso no mundo profissional. Pessoas motivadas por realização procuram a perfeição em tudo o que fazem, apreciam desafios e se satisfazem ao completá-los. Determina metas realistas e monitora seu progresso até atingirem seus objetivos. Pessoas

motivadas

por

afiliação

desejam

estabelecer

sólidos

relacionamentos pessoais próximos, e pertencer a grupos agradáveis a seu ver Estima o trabalho em equipe e cultiva o afeto em suas relações profissionais. Pessoas motivadas pelo poder influenciar as decisões e comportamentos das pessoas a seu redor. Estar no controle das situações, competir e vencer sempre, é o seu forte. 5.2.

Lidando com mudanças

A excelência dos resultados depende, cada vez mais, da forma com que as mudanças são tratadas pela empresa. Deve-se considerar as mudanças como algo natural, que ocorrerá continuamente e que gerará evolução, desenvolvimento e resultados positivos para a empresa em seu processo de gerenciamento e concretização chegar ao ponto desejado com responsabilidade por parte do líder. As mudanças são um processo fundamentalmente humano. Nas empresas, para todos os setores, é preciso que exista entre o grupo, comunicação, treinamento, visão clara de onde quer chegar, além é claro pessoas motivadas. O líder deverá trabalhar de forma construtiva, envolvendo o grupo no processo para a adaptação das mudanças.


6. PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA VIVER 6.1.

Capacidade de Estabelecer metas

A capacidade de estabelecer metas é a principal fonte para o sucesso, elas ativam a mente positiva, para realizar as metas impostas, esta é uma das regras para o sucesso, não importa de onde você vem, mas sim onde você conseguirá chegar, você se transformará naquilo em que pensa a maior parte do tempo. Quando você estabelece matas claras para o futuro, ou seja, declaramos por escrito o que queremos ser e onde queremos chegar, ficamos bem a frente daqueles que não traçam metas para o seu futuro. Uma pesquisa foi feita com estudantes de Harvard, foram verificados que 3% dos alunos que tinham metas claras e por escrito, estavam ganhando cerca de dez vezes mais do que aqueles que não tinham suas metas claras e por escrita. A única diferença entre estes alunos era que os 3% traçaram metas após se formarem. As pessoas de sucesso revelam que para a obterem o seu sucesso, elas passam a pensar no que elas querem conseguir e defendem que as pessoas de insucesso são aquelas que passam a maior parte do tempo pensando naquilo que não querem. Ao traçar metas, podemos pisar no acelerado de nossas vidas sem medo de falhar, procurando realizar o maior número de propósitos possíveis. A maioria das pessoas pelo contrário vivem a vida sem rumo, sem saber pra onde ir e o que querem alcançar, muitas das vezes passam anos e elas continuam com sua vida do mesmo jeito, como se nada tivesse mudado. Desejam que as coisas possam mudar, mas nunca mudam, pois não traçam metas e não têm ideais para sua vida. 6.2.

Aperfeiçoamento Contínuo

O aperfeiçoamento contínuo tem seus fundamentos em filosofia e religiões que o adotam, como parte da distribuição do caráter humano. Para Confúcio, na China, o “Grande Aprendizado”, consiste na ação transformadora que deve começar dentro de cada um, para que haja a


transformação do ambiente em torno de si. Buda propôs e praticou a transformação do próprio caráter, para que se transformasse no que ele era em potencial. O Japão adaptou os ensinamentos confucionistas e budista para sua recuperação e enriquecimento. No cristianismo, toda tentativa de trabalhar com a aparência, privilegiando o aspecto exterior, foi combatido por Cristo. O verdadeiro, o justo e o amor, devem refletir a busca da perfeição espiritual, missão de todos os cristãos. 6.3.

Autoestima

Para a psicologia, é a avaliação que uma pessoa faz de si mesma, como sendo positiva ou negativa em algum grau. Ela pode envolver crenças auto significativa, por exemplo, “Eu sou inteligente/não sou inteligente”, e emoções associativas, exemplo: orgulho/vergonha, triunfo/desespero. 6.3.1. Autoestima, graus e relacionamento Do findar dos anos de 1960 ao início 1990, observou-se que a autoestima dos estudantes era um fator crítico e determinante em relação às notas obtidas pelos mesmos, seus relacionamentos com seus demais colegas e com suas vidas profissionais posteriores sendo assim, pesquisadores norte-americanos, criaram programas para despertar a autoestima dos mesmos, com o objetivo de melhorar a vida dos estudantes, os tornando mais felizes e bem sucedidos futuramente. No entanto, poucas pesquisas foram feitas até os anos de 1990. Estudos recentes indicam que inflar a autoestima dos estudantes não tem efeitos positivos sobre seus conceitos, e demonstrou-se que o efeito pode ser contrário. Quando a autoestima eleva-se, correlaciona-se com a felicidade auto relatada, porém, não é claro se uma leva à outra.


6.3.2. Psicoterapia para baixa autoestima Quando necessita-se de ajuda, deve-se consultar um profissional de saúde, o qual se baseará em “quatro pilares da autoestima”: • Autoconfiança: neste pilar, será trabalhada a capacidade de desempenho do indivíduo, as convicções de saber e conseguir fazer algo; • Auto aceitação: neste, será trabalhado o respeito a si próprio e a satisfação de ser “um consigo mesmo”, de sentir-se em casa no próprio corpo; • Rede social: serão trabalhadas a capacidade de estabelecer relações satisfatórias com o parceiros, com a família, amigos, de poder contar com as pessoas à sua volta e ser importante para outras pessoas. • Competência social: a capacidade de lidar com outras pessoas, sentir-se capaz de realizar tarefas difíceis, saber regular à distância-proximidade com outras pessoas, serão trabalhado neste quarto e último pilar. O tratamento acima citado, consiste-se em exercícios que tem por finalidade capacitar o indivíduo a realizar cada um desses passos. Porém para começar a pô-los em prática o profissional o preparará para a formação do amor-próprio. 6.4.

Ambiente de trabalho

Muitas das vezes vemos pessoas que ficam horas e horas trabalhando, dedicando seu tempo a uma atividade, e mesmo assim não obtêm produtividade em suas tarefas e estão muito longe de sentirem-se valorizadas e felizes com o que fazem e com seu trabalho. Este ambiente por si só, não pode ser considerado simplesmente como o ambiente de trabalho, mas, deve se levar em conta todos os lugares onde passamos a nossa convivência, como uma sala de aula, por exemplo. A pressão diária faz com que tornemos cada vez mais insatisfeitos com nossos empregos e com nossa própria vida. Devemos sempre procurar fazer algo que gostamos em nossas horas vagas, até mesmo no horário de almoço, podemos, por exemplo, pintar, ler, conversar com colegas de trabalho.


Nunca trabalhe ou estude exaustivamente pensando apenas no amanh達, pois temos que primeiramente pensar no hoje para podermos viver melhor o amanh達.


7 Conclusão Ao findar este trabalho, pode-se concluir que a motivação no trabalho tem sido motivo constante de preocupações das grandes e pequenas organizações nos dias atuais. A rotina no trabalho traz consigo o cansaço, a desmotivação, o desânimo, fazendo com que o rendimento dos colaboradores entre em declínio. Os crescentes estudos sobre motivação humana identificaram que o homem possui necessidades biológicas, psicológicas e sociais, quando uma dessas não está em seu funcionamento normal, pode desmotiva-lo em todas as suas funções rotineiras. É pensando nisso que as organizações investem em atividades físicas, cursos de idiomas, prêmios e incentivos, pensando no bem estar do trabalhador, fazendo com que ele sinta-se satisfeito em seu ambiente de trabalho e mantenha a produtividade conforme as expectativas das organizações.


Referências Bibliográficas

AGUIAR, Maria Aparecida F. de. Psicologia aplicada à administração. São Paulo: Excellus e Consultoria, 1992. BERGAMINI, Cecília W. Motivação: mitos crenças e mal-entendidos. Revista de Administração de Empresas, v. 37, n. 2, p. 23-34, abr./jun. 1998. DELAVEGA,

Jack.

Administradores

http://administradores.com.br/informe-

se/artigos/lideranca-na-era-da-informacao/45041, acessado dia 18 de fevereiro de 2010. GORZ, André. Vinculando.org http://tinyurl.com/2whrgax, acessado dia 17 de fevereiro de 2010. MCCORMACK, Mark. O que ainda não se ensina em Harvard Business School – Novas Técnicas de sucesso de executivos eficaz. Roger Cahen. 3ºedição Best Seller, São Paulo: 1989. TRACY, Brian. Metas – Como adquirir tudo o que você deseja mais rápido do que jamais imaginou. 1º edição Best Seller, São Paulo: 2005.

Motivação no Trabalho  
Motivação no Trabalho  

Motivação no Trabalho

Advertisement