Page 1

EM REPARAÇÃO TARDIA, DELATORES DIVERGEM E UM DELES INOCENTA GLEISI NO CASO LAVA JATO POLÍTICA | PÁG 3

Nº 319

’ ANO S

PREFEITURA PRETENDE MANTER INVESTIMENTOS PREVISTOS PARA 2015 APESAR DA CRISE ECONÔMICA

www.noticiasparana.com

CIDADES | PÁG 6

Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

Na avaliação da APP-Sindicato proposta é imoral e categoria não acredita que governo cumprirá acordo - PÁGINA3

PROFESSORES REJEITAM PROPOSTA DE RICHA E GREVE DEVE CONTINUAR NP

APP não concorda com a proposta. A defesa da entidade e dos demais sindicatos de servidores continua de reposição da inflação do período, que é 8,17%, em parcela única

ESPORTE | PÁG9 CORITIBA APOSTA EM SEQUÊNCIA CASEIRA PARA SE RECUPERAR

CIDADES | PÁG4 VEÍCULOS | PÁG 10 ADMINISTRAÇÃO COMPACTO: TRIBUTÁRIA RENAULT MOSTRA DE PINHAIS NA ÍNDIA POSSÍVEL TORNA-SE SUCESSOR REFERÊNCIA PARA O CLIO

GERAL | PÁG 8 AUDITORES ARRECADARAM R$ 3,7 MI PARA ONG LIGADA À MULHER DE RICHA

BRASIL | PÁG 7 FINANCIAMENTO PRIVADO: DERROTA DE CUNHA AMPLIA PRESSÃO SOBRE GILMAR


OPINIÃO

2 Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

P

“ D

TEMPO

EDITORIAL

O PARLASHOPPING

O jornal que mais cresce em toda Região Metropolitana de Curitiba

ANOS

www.noticiasparana.com

Quando o Pequeno Kim, heroi dos midiotas, iniciou sua marcha para Brasília, o Brasil se encheu de curiosidade com a presença de uma inusitada marchadeira. É que uma analfabeta política, exibindo garbo, se juntou à multidinha e potóco, potóco, potóco, pernas para o Planto Central. O que faria essa saltitante donzela no meio daquela passeata, puseram a se perguntar atônitos curiosos em bares, feiras de livros, estádios vazios, velórios e até em presídios. Certeza que ela acreditou que se tratava de uma caravana de jovens que dormiriam na esplanada à espera da inauguração do Parlashopping, um shopping center anexo ao Congresso e com estacionamento vertical e pago. Uma espécie de Daslu do cerrado. Coisa de gente granfa. Dizem que a edificação monumental terá a forma de um jabuti. Niemeyer morreu e, como não previu essa urgentíssima demanda parlamentar, não rabiscou nada que se parecesse com um centro de compras e de diversão. Apesar de ter emplacado na esplanada um grande jabuti com o rabo curvado, conhecido como Museu da República. Pelo twitter, a garbosa

E X P E D I E N T E

marchadeira recebeu a informação de que o shopping parlamentar ainda estava no papel e sem previsão de inauguração. A moça deu meia volta e voltou ao Iguatemi, para lamber um delicioso e colorido sorvete importado. Mas a enquete continua, as pessoas perguntam umas às outras em bares, boates, academias, prostíbulos, food trucks, em acareações da justiça e mesmo na Grande Ordem dos Surdo-mudos: por que diabos um shopping, o que terá nele? De um coisa todos sabemos, no shopping do Congresso jamais terá black friday, porque friday parlamentares não trabalham. Jaça terá ali um amplo salão, só para homens: tintura em bigodes, poda em barbas, pinça em sobrancelhas... Já ouço Feliciano entrando de mãos dados com Bolsonaro no famoso coiffeur, todo amistoso e fanfarrão: "Jaça, apara na frente e pica atrás." Diferente dos shoppings convencionais, o Parlashopping não terá lanchonetes, chega daquela budega do Buani, aquele farofeiro que dedurou Severino Cavalcanti por superfaturamento de quentinhas em sua fuleira lanchonete na Câmara. O Parlashopping terá somente churrascarias e restau-

rantes, o Piantella já reservou espaço que terá a mesma mesa reservada ao eterno Dr. Ulisses, o náufrago. E oh, esquece essa de pongar em manifestações somente com o intuito de dar rolezinho no Jabutizão, no Parlashopping só entrará de crachá, porque será um shopping exclusivo. Jane Corner e outras cafetinas da capital já tentam barrar a obra, que terá um efeito devastador no rufianismo, no lenocínio e na cafetinagem em Brasília. É que agora as esposas dos parlamentares não sairão mais da capital. E já cobram dos maridos uma emenda parlamentar que inclua o Bolsa Louis Vuitton família. Sairá tudo do bolso do contribuinte. Eraldo Pereira terá dificuldade de fazer o seu pinga-fogo no salão verde. Daqui pra frente tudo será feito no shopping. O Pequeno Kim, e seu pequeno grupo de órfãos de Aécio, continua sua marcha ao Planalto, para se proteger da chuva ele colocou uma panela na cabeça. O Menino Maluquinho vai ao Congresso protocolar mais um pedido de impeachment da presidenta. Não sabe ele que os parlamentares têm assuntos muito mais importantes e muito mais urgentes para tratar.

O que você precisa ler e saber

Santos & Ferrer Comunicação Ltda Fundado em 23 de fevereiro de 2006 - CNPJ 07.870.252/0001-10 Contato da Redação: (41) 3016-8710 E-mail’s: pauta@noticiasparana.com/ comercial@noticiasparana.com Jornalista responsável: Erickson F. da Rosa Filho - 6426 DRT-PR Distribuição semanal Curitiba, Colombo, Almirante Tamandaré, Fazenda Rio Grande, Piraquara, Araucária, São José dos Pinhais, Pinhais, Quatro Barras, litoral e interior do Paraná R: Cyro Correia Pereira, 3616, N° 07 - CIC/Curitiba/PR - CEP: 81460-050

Os artigos assinados não representam necessariamente a opinião do jornal.

E D


u a ,

e , -

a e

s o s -

o

o e

, , -

i s a s s

POLÍTICA

3 Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

“MAIS UM MASSACRE”: É ASSIM QUE APP DEFINE NOVA PROPOSTA DE REJUSTE DE RICHA Professores não aceitam proposta de reposição e não acreditam que governador honre o compromisso em janeiro de 2016 Mais um massacre! O governo do Estado resolveu pagar as dívidas de quatro anos de má gestão no Paraná com o suor e o trabalho dos(as) servidores(as) e da população paranaense. Beto Richa acumulou dívidas de mais de R$ 3 bilhões nos últimos anos e quebrou o Paraná. Desde novembro mira no povo e nos(as) trabalhadores(as), principalmente educadores(as), para conseguir recursos e pagar o resultado da incompetência de seu governo. E na manhã de hoje (27), o deputado estadual Luiz Cláudio Romanelli, líder do governo estadual na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), ligou para a direção da APP-Sindicato e informou que o governo já tem uma proposta. Na avaliação da entidade, é uma proposta imoral. Após quebrar o Paraná, a proposta de reposição que ele pensou foi a seguinte:

mudar a data-base da categoria e conceder uma reposição pífia de 3,45%, referente à inflação de 2014 (de maio a dezembro), em três parcelas (em setembro, outubro e novembro de 2015). A inflação de 2015 seria paga (seria, porque não dá para confiar na palavra de Beto Richa) em parcela única no mês de janeiro de 2016, com a antecipação da data-base. Segundo levantamentos da direção da APP, para dar conta da dívida bilionária, 77% do aumento na receita do Estado virá do sequestro que o governo já está fazendo da previdência, que totaliza cerca de R$ 1,6 bilhão em um ano. O restante vem do aumento dos impostos e tarifas como água, luz, e IPVA. A tal ‘proposta’ foi uma das apresentadas, ontem, por deputados da base aliada na Assembleia Legislativa e foi acatada pelo governo, que deverá enviar o projeto para

Entenda a proposta indecente:

:: Pagar 3,45% de reposição, parcelado em três vezes: setembro, outubro e novembro de 2015. :: Pagaria a data-base relativa a 2015, em janeiro de 2016. A previsão é de 8,5%. :: Mudará permanentemente a data-base de maio de cada ano, para janeiro de cada ano. :: A proposta deve ser aprovada pela base governista na Assembleia Legislativa e resultará em massiva perda salarial.

a Alep sem debate com as categorias. Com a medida, cada servidor irá perder, ao longo do ano, o equivalente a metade de um salário atual. Uma professora que recebe

R$ 1.300,00 por mês perderá, ao final de 2015, cerca de R$ 650,00. “A APP não concorda com a proposta. A defesa da entidade e dos demais sindicatos de servidores con-

tinua de reposição da inflação do período, que é 8,17%, em parcela única”, ressaltou o presidente da entidade, professor Hermes da Silva Leão. Redação NP/ APP

EM REPARAÇÃO TARDIA, DELATORES DIVERGEM E UM DELES INOCENTA SENADORA NO CASO LAVA JATO Em depoimento, o delator premiado Rafael Ângulo, que seria o entregador de recursos de Youssef, afirmou não ter conhecimento sobre qualquer fato relacionado à Gleisi Hoffmann No segundo semestre do ano passado, quando enfrentava o atual governador Beto Richa, na disputa pelo Palácio Iguaçu, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) recebeu um disparo fatal para sua candidatura. Num dos vazamentos da Lava Jato, foi acusada de ter recebido R$ 1 milhão do esquema do doleiro Alberto Yousseff, quando se candidatou e se elegeu ao Senado, em 2010. Agora, passada a eleição e com Richa reeleito, ainda que em meio a uma aguda crise política e social no Paraná, Gleisi acaba de ser inocentada por um dos delatores premiados da Lava Jato, que desmentiu a versão de Youssef. Esse delator o entregador de recursos do Lava Jato, ele afirmou ja- gamento à senadora e ex- governo Dilma. Redação NP é Rafael Ângulo, que seria doleiro. Em depoimento à mais ter feito qualquer pa- -ministra da Casa Civil do


CIDADES

4 Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

P E E E

Caso HSBC: repatriação de recursos e uma legislação mais rígida Em Brasília, estamos discutindo através da Comissão de Fiscalização e Controle, um assunto de grande repercussão internacional. As contas secretas de pessoas e empresas brasileiras no banco HSBC da Suíça – considerado um dos maiores bancos do mundo. O caso também é conhecido como Swissleaks (vazamento suíço, em português). Denúncias divulgadas em fevereiro estimam que há 7 bilhões de dólares em depósitos mantidos por mais de 6 mil brasileiros em contas secretas. Entre os brasileiros, aparecem na lista donos, diretores e herdeiros de veículos de comunicação, além de jornalistas. O Brasil aparece como o 4º país em número de clientes que usam essas contas na filial suíça do banco. Atuo como relator da Subcomissão Especial criada para acompanhar o caso HSBC, na Câmara dos Deputados. Temos buscado informações que permitam saber quem tem dinheiro lá fora, que caminhos esse dinheiro percorreu para sair do País e qual a origem desses valores. Isso porque pode ser dinheiro de propina, pode ser dinheiro do tráfico de drogas, de roubo, de todas as contravenções possíveis. Não há crime em abrir e manter uma conta no exterior. Contudo, é exigido que os dados sejam informados à Receita Federal no Imposto de Renda. Os correntistas devem comprovar a origem lícita dos recursos. Quando esses requisitos não são observados é necessário investigar a possível ocorrência de crimes de natureza financeira. No entanto, nem todo o dinheiro que está lá é ilegal, mas se 50% for ilegal, estará claro que precisamos aperfeiçoar a legislação brasileira para que não tenhamos mais recursos do nosso país sendo depositado no exterior sem que esse recurso saia com os devidos impostos sejam pagos no Brasil. Mas, no caso da comprovação de alguma ilegalidade das contas, os recursos devem ser repatriados. Há interesse de que tudo isso não seja investigado. Por isso nosso papel tem sido fundamental na Câmara dos Deputados. Agora, no dia 27 de maio, nossa Comissão de Fiscalização Financeira e Controle realiza mais uma audiência para debater o caso HSBC. Desta vez, foram convidados, representante do Conselho de Administração de Atividades Financeiras (Coaf), do Banco Central e da Receita Federal do Brasil. Quer saber mais sobre o caso HSBC. Acesse nosso site www.deputadotoninho.com.br Um abraço e até a próxima semana.

a

Continue a leitura no www.noticiasparana.com

C

P p

ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DE PINHAIS TORNA-SE REFERÊNCIA Representantes da Prefeitura de Colombo conheceram as atividades desenvolvidas pelo Departamento de Rendas Mobiliarias Na última semana, o Departamento de Rendas Mobiliárias da Secretaria Municipal de Finanças recebeu uma visita técnica de representantes da Prefeitura de Colombo. O objetivo deste encontro foi conhecer e obter as informações relacionadas à administração tributária do município, devido ao desempenho positivo verificado a nível estadual

e nacional no que se refere à Gestão Fiscal. Os principais temas abordados na visita estavam relacionados aos procedimentos de fiscalização de ISS (Imposto Sobre Serviços) e assuntos direcionados a arrecadação e Gestão Fiscal. Serviços do Departamento de Rendas Mobiliárias – DEMOB ISS Homologado; ISS

Terceiros; Alvará de localização e funcionamento; Documento Fisco Contábil – DFC; Transporte Escolar; Táxi; Imposto de Circulação de mercadorias e Serviços – ICMS; Nota Fiscal Eletrônica; Serviços Online; Declaração de Informação Fiscal – DIF; Simples Nacional; Micro Empreendedor Individual – MEI. Redação NP/ PMP

TEM INÍCIO A ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Como acontecem todos os anos, a Secretaria Nacional de Renda e Cidadania – Senarc mobiliza estados, municípios e famílias para iniciar o processo de Revisão Cadastral do Programa Bolsa Família, com ações específicas voltadas à qualificação das informações cadastrais de famílias inscritas no Cadastro Único. A ação tem o objetivo de garantir a atualização dos dados declarados ao Cadastro Único pelas famílias do programa que foram identificadas com cadastros desatualizados há mais de 24 meses.

De acordo com o Gerente de Transferência de Renda e Cadastro Único, Ivo Gamarra Filho, este ano as ações acontecerão de forma diferenciada, para garantir o atendimento adequado das famílias e o planejamento do município. “Diferente do que acontecia em outros anos, desta vez as famílias serão convocadas em datas diferentes, o processo inicia agora em maio e será concluído em fevereiro do próximo ano”, comenta. As famílias receberão a convocação por mensagens

de extrato, convocação através de busca ativa dos Centros de Referência de Assistência Social – CRAS e através de cartas. Caso as famílias não atendam a convocação ou se as informações apresentadas na atualização do cadastro forem incompatíveis, os benefícios sofrerão bloqueios, para o cumprimento das regras e também de acordo com os critérios do programa. No município de Pinhais, cerca de 3.200 famílias estão recebendo Bolsa Família, e destes 406 precisam atualizar o cadastro.

( M q d d n v l d s p c

P

t b F p a c l


s

-

o

o

-

, r

CIDADES

5 Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

PREFEITURA VAI REFORMAR E CONSTRUIR NOVOS ESPAÇOS DE LAZER EM PIRAQUARA

Prefeito Marquinhos assinou as ordens de serviço para construção de três pistas de skate e para a revitalização do Ginásio Gilberto Alves do Nascimento

Na última sexta feira (22) o Prefeito de Piraquara, Marcus Tesserolli, o Marquinhos, assinou as ordens de serviço para construção de três novas pistas de skate no município e para a revitalização do Ginásio Poliesportivo Gilberto Alves do Nascimento. Após a assinatura, as empresas têm o prazo de dez dias para iniciarem as obras. Pistas de skate As três pistas de skate serão construídas nos bairros Vila Macedo, Vila Fuck e Guarituba. Os equipamentos vão oportunizar a prática de atividades físicas para as crianças e adolescentes das regiões con-

templadas. Além das pistas com área total construída de 300,00m², os novos espaços ainda vão receber iluminação, bancos e floreiras. O valor total do investimento é de R$ 246.201,16 do Ministério do Esporte. As pistas serão construídas na Rua Goiânia, na Vila Macedo, na Rua Padre Mariano, na Vila Fuck, e no Cisa Betonex, no bairro Guarituba. Revitalização Ginásio Poliesportivo O Ginásio Poliesportivo Gilberto Alves Nascimento que é utilizado para o desenvolvimento de escolinhas da prefeitura, realização de projetos e eventos

sociais vai passar por uma reforma estrutural completa. O projeto prevê estruturas de concreto armado, solução para o problema do aquecimento térmico, pintura da quadra, arquibancadas e paredes, criação de mais um nível de arquibancada, rampas de acesso e locais destinados às pessoas com necessidades especiais, substituição das instalações elétricas, de parte do telhado, e a compra de um par de tabelas de basquete móvel. O investimento é de R$ 319.151,86, sendo R$ 250.000,00 do Ministério do Esporte, e contrapartida do município de R$ 69.151,86. Redação NP/ PMP

Violência moral contra as mulheres não pode ser banalizada Infelizmente, no Brasil, em pleno século XXI, ainda são frequentes as ofensas praticadas contra as mulheres pelo simples fato de serem mulheres. Episódios como o que ocorreu no Paraná, recentemente, quando o deputado federal Valdir Rossoni ofendeu uma professora, através das redes sociais, são inadmissíveis. E não é a primeira vez que vemos a subjugação de mulheres por parte dos comandantes do PSDB. Para punir de forma mais severa esse tipo de atitude, protocolei um projeto de lei do Senado (PLS nº 291, de 2015) cujo objetivo é modificar o Código Penal. Nossa proposta é que a injúria praticada por razões de gênero figure como mais uma forma qualificada do crime de injúria, o que, na prática, representa a aplicação de uma pena maior, de um a três anos de reclusão. A violência moral contra as mulheres não pode ser banalizada. Esse tipo de violência cresce e, ao final, resulta, invariavelmente, em crimes mais graves, com agressões físicas e, muitas vezes, com a morte. Nós não podemos mais admitir atitudes que desqualifiquem ou desprezem um gênero em detrimento de outro, sobretudo, porque o tratamento igualitário de homens e mulheres é uma das bases de qualquer Estado democrático de direito. Com esse recrudescimento da punição, esperamos desestimular a prática desse delito, que gera grande indignação. A sociedade brasileira não tolera mais que a falta de argumentos em debates, discussões, publicações, enfim, em qualquer exposição de opinião pública culmine em adjetivações despropositadas às mulheres. Espero que a minha iniciativa seja aprovada e contribua para a construção de uma sociedade mais harmônica, tolerante, solidária e fraterna, em que homens e mulheres possam ser livres para exercer sua plena cidadania.

*Gleisi Hoffmann é senadora pelo Paraná


CIDADES

6 Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

Maioridade Penal, reduzir ou não reduzir? São vários os assuntos que estão em alta nas discussões de políticas públicas nos últimos meses, um deles, porém, há mais tempo, não deixa os holofotes da mídia nem tampouco se toma um posicionamento a respeito. Não falo aqui como pesquisador, que estuda a fundo casos de violência e busca, por meio da ciência, resolver os problemas da sociedade. Acredito que quem o faz, tem muito mais propriedades para discutir tecnicamente o assunto do que eu, porém, acompanho no jornalismo policial, e nessa trajetória vi o cenário do crime na cidade mudar bastante. Até pouco tempo víamos, de maneira frequente, casos em que assaltantes eram presos em companhia de menores de idade, que, por sua vez, normalmente eram quem portavam as armas de fogo, eram os responsáveis pelo disparo ou pela morte na hora da prisão. Hoje isso não se vê mais. Os jovens deixaram de ser os “laranjas” para serem os protagonistas dessas situações. Na certeza da impunidade, muitos jovens que entram para o mundo do crime, comentem atos inimagináveis e por vezes, até mais cruéis e inconsequentes que adultos, sabendo que amanhã ou depois estarão livres novamente e com a maioridade completa suas “fichas” voltam a ser limpas. Faço parte da estatística que mostra: 9 em cada 10 brasileiros são a favor da redução da maioridade penal, mas não acredito que só ela seja suficiente para resolver o problema da criminalidade, contudo a impunidade gera mais violência. Os jovens têm consciência de que não podem ser presos e punidos como adultos. Por isso continuam a cometer crimes. Entretanto, antes da redução, precisamos melhorar o sistema carcerário que está em estado crítico e pensar em programas socioeducativos, ocupar os detentos e fazer com que o sistema cumpra o seu papel de reinserção social em busca de recuperar os ingressos do sistema. Não existe, no Brasil, política penitenciária, nem intenção do Estado de recuperar os detentos, fato que acaba sendo, hoje as delegacias funcionam como escola de ensino fundamental para o crime; os cadeiões, como ensino médio; as penitenciárias, como universidades. Assim, reduzir a maioridade penal sem que haja investimento no sistema carcerário de nada resolverá e apenas teremos um sistema cada vez mais inflado e falido. Mesmo sendo favorável a redução, defendo que isto é tratar o efeito, não a causa. Educação sempre é o melhor caminho, mas como o Brasil carece de competência executiva para gestão penitenciaria e educacional acredito que, neste caso, vale a pena iniciarmos o tratamento do efeito. O jornalista Cristiano Santos (PV), apresentador e repórter do Programa 190 da rede CNT, foi eleito o Vereador mais votado do Sul do país, com a marca de 14.819 votos na eleição de 2012

PREFEITURA DE CURITIBA F PRETENDE MANTER D INVESTIMENTOS PREVISTOS P Prefeitura de Curitiba está preparada para o contingenciamento de despesas do governo federal, que deverão causar cortes de repasses

A d

d ( C t G T

m m p d q t fi d t e c

A Prefeitura de Curitiba prevê investir em obra e equipamentos, em 2015, R$ 839,8 milhões, mais de 10% do total de receitas previstas para o ano. Segundo o secretário municipal de Planejamento e Administração, Fábio Scatolin, apesar das dificuldades geradas pelo cenário econômico, estes recursos continuam alocados e se somam aos R$ 686,5 milhões de contratos já em execução e a mais R$ 138,5 milhões de licitações em andamento. O balanço dos investimentos na cidade foi feito por Scatolin nesta quarta-feira (27), durante a audiência pública realizada na Câmara Municipal de Curitiba para apresentação do balanço financeiro da Prefeitura, no primeiro quadrimestre do ano. A secretária municipal de Finanças, Eleonora Fruet, também parti-

cipou do encontro com os vereadores. “Embora os investimentos não tenham sido muito fortes no primeiro quadrimestre, a Prefeitura não está parada. Estamos executando 165 contratos e temos mais 48 obras em processo de licitação. Em um momento de crise, estes investimentos são importantes, pois geram emprego e estimulam a economia da cidade”, disse Scatolin. Segundo o secretário, a queda do crescimento econômico afeta todos os municípios brasileiros, pois causa um desequilíbrio fiscal, pela queda das receitas e aumento das despesas. O secretário, porém, mostrou-se confiante de que o Município possa retomar com mais força os investimentos já em 2015. “A Prefeitura de Curitiba está fazendo seu de-

ver de casa, desde o início de 2013, com uma série de medidas de austeridade e um esforço para melhorar a receita, reduzir as despesas de custeio e na busca de recursos que garantam os investimentos necessários”, disse. O secretário voltou a observar que a Prefeitura de Curitiba está preparada para o contingenciamento de despesas do governo federal, que deverão causar cortes de repasses para alguns projetos que dependem de recursos do Tesouro Nacional. “Já estamos sentindo os primeiro efeitos do contingenciamento, mas pretendemos lançar os editais de licitação e manter o ritmo dos projetos já em andamento, além de continuarmos em busca de recursos para os investimentos”, disse. Redação NP/ SMCS

a g m d c F ç p d m m m h

V “

c p p c t c

n r ç t

a r ç d p


6

e

e

,

a , e s s

-

s -

m -

BRASIL & MUNDO

7 Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

FINANCIAMENTO PRIVADO: DERROTA DE CUNHA AMPLIA PRESSÃO SOBRE GILMAR Amplia a pressão para que o ministro Gilmar Mendes, devolva seu pedido de vista sobre uma decisão da Corte que proíbe as doações privadas A principal derrota do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), presidente da Câmara, na noite de ontem também atinge o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. Ao tentar impor, na marra, seu projeto de reforma política, Cunha lutou para aprovar uma Proposta de Emenda Constitucional que consagraria, na Constituição Federal, o sistema de financiamento empresarial de campanhas políticas, que tem sido a raiz de todos os escândalos de corrupção recentes. Caso a emenda fosse aprovada, o ministro Gilmar ganharia um argumento a mais para justificar seu pedido de vista sobre uma decisão do Supremo Tribunal Federal que proíbe as doações privadas – provocado pela Ordem dos Advogados do Brasil, o STF já formou maioria contra o financiamento empresarial, mas Gilmar decidiu engavetar o caso há mais de um ano.

Agora, Gilmar será mais pressionado a devolver o caso, pois, caso não o faça, as eleições municipais de 2016 poderão ficar prejudicadas, uma vez que suas regras devem ser definidas com um ano de antecedência. Câmara rejeita emenda que trata do financiamento privado de campanhas A Câmara dos Deputados rejeitou no começo da madrugada de hoje (27) a emenda aglutinativa à proposta de emenda à Constituição (PEC) 182/07, que trata da reforma política.

Foram 264 votos a favor, 207 contra e 5 abstenções. Eram necessários para a aprovação da emenda 308 votos a favor. O dispositivo rejeitado estabelecia que os partidos e os candidatos poderiam receber recursos financeiros ou bens estimáveis em dinheiro de empresas e de pessoas físicas para as campanhas eleitorais. Ela foi apresentada ao texto da reforma política pelo deputado Sérgio Souza (PMDB-PR). A votação de outros itens da reforma política será retomada na tarde desta quarta-feira. Redação NP/ Brasil247

VICE-PRESIDENTE DO PSDB ADMITE: “NÓS NÃO TEMOS UM PROJETO DE PAÍS” Em carta enviada à cúpula nacional do PSDB, o primeiro vice-presidente do partido, Alberto Goldman, criticou a condução do partido pelo senador tucano Aécio Neves. Segundo ele, a legenda não é capaz de dizer o que faria se tivesse vencido as eleições presidenciais: "Nós não temos um projeto de país". Goldman reclama ainda que questões como a reforma política e mudanças previdenciárias "não são legítimo". terno se agravou no período discutidas e decididas pelo Para o ex-governador recente, de Aécio Neves". Redação NP/ Brasil247 partido em seu foro natural e paulista, "a falta de debate in-


GERAL

8 Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

Roseli Isidoro

Repúdio à agressão do deputado Rossoni contra professora Adriane Sobanski Está contemplado na Constituição Federal da República, no seu artigo 5°, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações. Todavia, tem gente que não observa esse preceito. E o pior de tudo é quando um parlamentar, que tem por compromisso a observação de princípios moral e legalmente constituídos, rasga a constituição, desrespeita seu próprio mandato e age com falta de decoro, ao agredir uma professora em seu Facebook. Assim agiu o deputado federal, Valdir Rossoni (PSDB) ao xingar, na Rede Social, a professora Adriane Sobanski, chamando-a de “biscate”. Profundo desrespeito com aqueles que o elegeram que certamente não pactuam com suas posturas machistas e preconceituosas em relação às mulheres. O deputado demonstra, com sua atitude, de que lado está. Seu lado não é, com certeza, o lado da democracia de ideias, uma vez que ele desce seus argumentos ao nível da baixaria, apresentando um comportamento que não condiz com o decoro parlamentar.

AUDITORES ARRECADARAM R$ 3,7 MI PARA ONG LIGADA À MULHER DE RICHA

Ministério Público apura uma denúncia anônima que acusa Fernanda Richa, mulher do governador Beto Richa (PSDB), de exigir doações ao Provopar e à campanha do marido em troca da promoção de auditores O Ministério Público investiga a meta imposta a auditores fiscais do Paraná, responsáveis pela arrecadação de impostos estaduais, para ajudar uma ONG vinculada à mulher do governador Beto Richa (PSDB), Fernanda Richa. A campanha de arrecadação, promovida desde 2011 pelo sindicato da categoria, o Sindafep, já arrecadou R$ 3,7 milhões para a compra de cobertores para famílias carentes do Paraná, em parceria com o Provopar (Programa do Voluntariado Paranaense). O MP apura uma denúncia anônima que acusa Fernanda Richa de exigir doações ao Provopar e à campanha do marido em troca da promoção de auditores, em 2014. Os dois lados negam irregularidades. Redação NP/ Brasil247

RICHA CULPA GOVERNO FEDERAL POR CRISE NO PARANÁ

Roseli Isidoro é secretária municipal da Mulher de Curitiba-PR.

O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), acusado de levar o Estado a um rombo bilionário e de ser o responsável por uma crise política sem precedentes que resultou no massacre de mais de 200 professores que reivindicavam aumentos salariais e melhores condições de trabalho pela Polícia Militar, além de mudar o sistema previdenciário estadual para cobrir o déficit do tesouro paranaense e de estar sob suspeita por corrupção, disse que o momento mais duro do ajuste fiscal já passou. Em um discurso após uma reunião realizada com secretários estaduais nesta terça-feira (27), Richa ignorou a crise em que está envolvido e aproveitou a ocasião para afirmar que a situação atual é fruto de "uma

traição do Governo Federal. "Fomos traídos em nossa confiança, acreditando que os dados oficiais servissem para revelar a verdade de um país promissor e não para ocultar contas públicas maquiadas.Nós aqui no Paraná, acreditamos. Acreditamos que a contabilidade nacional não era uma peça de marketing, mas expressão da realidade. Com base nisso, fixamos metas, definimos prioridades, fizemos projeções. Acreditamos que o Brasil era tão próspero quanto aquele que nos queriam fazer crer.Infelizmente, o Paraná não ficou imune ao colapso da economia brasileira e, assim como o Brasil, foi atingido pela crise", justificou. Segundo ele, o orçamento estadual para 2015, foi feito

com base nas informações de analistas do Governo Federal que apontavam para um crescimento econômico de 4%, o que acabou não acontecendo, Diante disso, o Estado foi obrigado a se readequar . cortando gastos e buscando economizar. Agora, segundo ele, "o momento mais duro do ajuste do Paraná está terminado" e que irá continuar trabalhando pela recuperação econômica estadal. No pronunciamento, Richa voltou a dizer que as acusações e ataques contra sua gestão são fruto de uma manobra do governo da presidente Dilma e do PT com o objetivo de "desviar o foco" da crise vivenciada pelo Governo Federal", afirmou. Redação NP/ Brasil 247

E

F


e l -

a

, s

r o

-

o

-

-

Esporte

9 Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

APÓS DERROTA FORA, CORITIBA APOSTA EM SEQUÊNCIA CASEIRA PARA SE RECUPERAR Fraca campanha como visitante faz aumentar pressão por bons resultados no Couto Pereira. O Coritiba confia no Couto Pereira para se recuperar no Campeonato Brasileiro. Neste sábado, o time enfrenta o Avaí, pela quarta rodada do Brasileirão. A pressão por bons resultados nos jogos desta semana aumentou justamente por conta da fraca campanha da equipe alviverde atuando fora dos seus domínios. Após a derrota por 1 a 0 para o Sport, no último domingo, o Coxa chegou à sexta derrota como visitante na temporada, mostrando, mais uma vez, que o tormento de atuar fora de Curitiba pode demorar para ter fim. Por outro lado, a aposta no Couto Pereira parece válida pelo desempenho alviverde em 2015. Apesar de fracassar na tentativa de conquistar o título paranaense, o Coxa possui uma campanha invejável como mandante, ao vencer 10 partidas dos 11 jogos realizados dentro de casa nesta temporada. Redação NP/ GE

PARANÁ FALA EM RESGATAR CREDIBILIDADE DO CLUBE E REDUZ FOLHA Depois de confirmar a saída do meia Lucio Flavio, o presidente do Paraná, Luiz Carlos Casagrande, o Casinha, afirmou que tem como principal meta retomar a credibilidade do clube. Em meio à reformulação do grupo para a Série B, com a constante chegada de atletas, a diretoria busca negociar salários, com o corte de 50% na folha salarial do elenco tricolor. Com o objetivo de colocar a saúde financeira do clube

em dia, Casinha disse que o clube está se prevenindo para evitar futuras ações trabalhistas. O clube tem sofrido com problemas financeiros há pelo menos três anos. Os atrasos salariais - que chegaram a sete meses no auge da crise - provocam a saída de jogadores e processos judiciais. - O Paraná não quer daqui a seis ou oito meses tenhamos que estar reunidos com outros atletas pedindo para fa-

zer uma redução de salário. Vamos sim trazer, se tivermos que trazer, outros atletas, juntando com esses que já estão. Queremos é voltar a dar a o Paraná credibilidade perante o Brasil inteiro. A ideia é chegar ao fim de cada mês, e a cada dia 5 possamos efetuar os pagamentos em dia - disse o presidente, em entrevista coletiva à imprensa. Após a renúncia de Rubens Bohlen, ocorrida em março, a nova diretoria encara de-

safios dentro e fora de campo. Enquanto dentro das quatro linhas o time sonha com o acesso à Série A depois de oito anos, os dirigentes redefiniram o planejamento e se dividem entre conversas individuais com atletas visando a redução de salários. De acordo com o superintendente de futebol, Durval Lara Ribeiro, o Vavá, a medida é para que a diretoria evite ser cobrada por problemas financeiros, e possa exigir mais dos

jogadores em campo. - Estamos procurando montar um time que seja guerreiro e vencedor, e infelizmente aconteceu isso. Essa redução tinha que acontecer. Estamos nos prevenindo, mantendo um grupo com qualidade, com uma folha mais baixa do que tinha antes. Eu tenho que chegar aqui e cobrar do jogador, não ser cobrado. Redação NP/ GE


VEÍCULOS

10 Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

COMPACTO: RENAULT MOSTRA NA ÍNDIA POSSÍVEL SUCESSOR PARA O CLIO Subcompatco Kwid tem semelhanças com o Sandero. Modelo tem nova plataforma, que pode ser compartilhada pela Nissan. A Renault apresentou o Kwid, novo subcompacto da marca. O modelo, que foi apresentado na Índia, e será vendido por lá no final deste ano, será global. Com isso, o carrinho pode pintar na América do Sul, como o novo modelo de entrada da Renault, dando a aposenta-

doria ao veterano Clio. Com 3,68 m de comprimento, o Kwid é consideravelmente menor do que o Clio, com 3,81 m. Na comparação com outros compactos, ganha apenas do Up (3,61 m). Na largura, são 1,58 m. As demais medidas não foram divulgadas. A Renault afirma, porém,

que a posição de dirigir será semelhante à de SUVs. Qualquer ângulo que se olhe para o Kwid, outro Renault logo vem à cabeça. O compacto parece uma cópia em escala do Sandero. Na dianteira, o conjunto de faróis e grade, assim como o para-choque fazem clara

menção ao hatch. De lado, as maçanetas e a coluna C também são parecidos, enquanto a traseira tem lanternas ligeiramente quadradas e tampa do porta-malas com um ressalto na parte central. O Kwid também inaugura uma nova plataforma, chamada de CMF-A. Ela será

a responsável por integrar modelos da aliança Renault-Nissan em veículos futuros. Na Índia, o modelo será vendido a partir do segundo semestre, com preços entre 300 mil e 400 mil rupias, ou o equivalente a R$ 14,3 mil e R$ 19 mil. Redação NP/ AE


0

WWW.NOTICIASPARANA.COM

Um novo site com tudo que vocĂŞ precisa ler e saber


ECONOMIA

12 Curitiba, 28 de maio a 03 de junho de 2015

SENADO MUDA FATOR PREVIDENCIÁRIO EM 2ª MP DO AJUSTE Na segunda vitória governista referente ao ajuste fiscal em dois dias, senadores mantêm decisão da Câmara e exigem promessa não oficialmente declarada de que Dilma não vetará mudança nas normas previdenciárias O Senado atendeu às expectativas do governo quanto ao ajuste fiscal e aprovou nesta quarta-feira (27) a segunda medida provisória (MP) com o objetivo de ajustar as contas públicas e, especificamente, corrigir as alegadas inadequações na legislação trabalhista. Por 50 votos a 18, com três abstenções, senadores mantiveram na MP 664/2014, que define novas regras para concessão de pensão por morte e auxílio-doença, a emenda aprovada em 13 de abril na

Câmara alterando regras do fator previdenciário – fórmula matemática que reduz benefícios trabalhistas entre 35% e 40%, criada no governo Fernando Henrique Cardoso em 1999 para desestimular pedidos de aposentadoria precoces. A matéria, em vigência desde 31 de dezembro, perderia validade em cinco dias, a partir de 1º de junho, mas foi convalidada e agora segue para sanção presidencial. O quase acordo unânime pela aprovação da matéria – PSDB e DEM se opuse-

ram a pontos do texto – foi obtido justamente devido à promessa não oficialmente declarada de que a presidenta Dilma Rousseff não vetará o dispositivo do fator previdenciário. Caso Dilma o vete, parlamantares da Câmara e do Senado articularão a derrubada dessa negativa presidencial, como avisaram vários senadores em plenário, inclusive do próprio PT. “Essa garantia de veto não chegou [ao plenário]. Se essa garantia tivesse chegado, nós certamente votaríamos a

favor”, observou em plenário o senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP), pouco antes de ser iniciada a votação. Denunciando o que classificou como “armadilha legislativa” Randolfe cobrou dos colegas que anunciaram voto favorável ao texto o compromisso de trabalhar pela derruba-

da de um eventual veto de Dilma à questão do fator. “Eu não vou permitir ser usado como massa de manobra”, emendou Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), cobrando o veto, mas anunciando abstenção do voto, a exemplo de Randolfe. Redação NP/ ABr

Profile for Erickson Ferrer

Np 319  

Np 319  

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded