2017 - Notícias - Julho/Agosto

Page 1

Nยบ 478 - Julho / Agosto 2017

77


Nยบ 478 - Julho / Agosto 2017


Nยบ 478 - Julho / Agosto 2017

79


80

Nยบ 478 - Julho / Agosto 2017


Nยบ 478 - Julho / Agosto 2017

81


82

Nยบ 478 - Julho / Agosto 2017


Nยบ 478 - Julho / Agosto 2017

83





CARTA DE APARECIDA DOS FRANCISCANOS/AS DO BRASIL “OUVIR TANTO O CLAMOR DA TERRA COMO O CLAMOR DOS POBRES. ” LS, 49 A Conferência da Família Franciscana do Brasil, celebrando o Capítulo Nacional das Esteiras, consciente de sua missão de “levar ao mundo a misericórdia de Deus”, dirige-se a todas as pessoas de boa vontade: àquelas que continuam acreditando em um mundo de justiça e fraternidade e àquelas que, em meio às contradições e crueldades de nosso tempo, vivem a dor da desilusão e da falta de esperança. As partilhas realizadas nesses dias nos levam a afirmar: vivemos um verdadeiro Pentecostes. Neste sentido, o Capítulo nos chamou a um revigoramento do Carisma e nos levou a fazer memória da herança, da inspiração originária que deu início ao movimento franciscano. A experiência das esteiras nos leva a retomar nossa vocação enquanto peregrinos e forasteiros. As bases nas quais foram construídas a nossa história estão marcadas pelo sangue dos pobres e pequenos, indígenas, mulheres e jovens negros, por um extrativismo desmedido e destruidor, por uma economia que exclui a maioria, por destruição de povos, culturas e da natureza. À luz do nosso carisma, compreendemos que se faz necessário construir um novo horizonte utópico que nos comprometa com a construção de um projeto de país com justiça e paz em respeito à integridade da criação. Somos sensíveis ao grito dos empobrecidos e da Mãe Terra! É preciso agir com misericórdia para com eles e, com indignação diante desse sistema que exclui, empobrece e maltrata, e convocarmos a todos para se unirem à luta que hoje assumimos juntos: participar da reconstrução da Igreja com o Papa Francisco e reconstruir o Brasil em ruínas. É chegado o momento de recolhermos nossas esteiras e as lançarmos sobre o chão das periferias do mundo, transformando continuamente nossa maneira de Ser, Estar e Consumir em resposta aos apelos do Papa Francisco. A realidade ecológica e sócio-política-econômica do nosso país nos exige compromisso profético de denúncia e anúncio. Assistimos, tomados de ira sagrada, à violação dos direitos conquistados, através de muitos esforços, empenhos e articulação pelo povo brasileiro. Por isso, não podemos deixar de nos empenhar junto aos movimentos sociais na luta “por nenhum direito a menos”, contra golpes, reformas retrógadas e abusivas conduzidas por um governo ilegítimo, um parlamento divorciado dos interesses da população e uma justiça que tem se revelado fora dos parâmetros da equidade “que no lugar de fortalecer o papel do Estado para atender às necessidades e os direitos do mais fragilizados, favorece os interesses do grande capital”. Dessa Cidade de Aparecida, Nossa Senhora, Padroeira do Brasil, resgatada das águas de um rio, hoje poluído e degradado, nos faz eleger dentre os diversos apelos um compromisso particular com a Irmã Água. Deste modo, nos empenharemos na construção de um processo de reflexão e ação em defesa da água como bem comum, que se dará através da participação da família em jornadas, fóruns e nas iniciativas de fortalecimento dos trabalhos ligados à promoção da Justiça e da Integridade da Criação. Tudo isso acontece, irmãs e irmãos, porque São Francisco nos ensinou que nos momentos mais difíceis de nossas vidas devemos voltar à Casa da Mãe. Ele e seus irmãos voltavam, com frequência, à pequena igreja de Santa Maria dos Anjos, a Porciúncula. Nós voltamos ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida, neste 300 anos de caminhada com os pequenos desta terra. “Óh Mãe preta, óh Mariama, Claro que dirão, Mariama, que é política, que é subversão, que é comunismo. É Evangelho de Cristo, Mariama!” Ainda assim, invocamos suas bênçãos sobre toda a nossa família e sobre um Brasil sedento de “Paz – fruto da justiça, do bem e da Misericórdia de Deus”.

Conferência da Família Franciscana do Brasil – CFFB Aparecida – SP, 06 de agosto de 2017 Nº 478 - Julho / Agosto 2017

87


CAPÍTULO EM MARCHA Ressonâncias da Assembleia Pré-Capitular Nos dias 28 a 30 de agosto nossa Província realizou mais um Conselho Plenário Provincial, que desta vez teve o rosto de uma Assembleia Pré-Capitular. Esta Assembleia, segundo nos recordou nosso Visitador Geral, Frei Fabiano Aguilar, se propôs a ser um espaço privilegiado para escutarmos o Senhor que nos fala no caminho e nos ajuda a perceber os sinais de vida e esperança, em meio aos desafios que encontramos em nossa vida fraterna e missão. Estiveram presentes 35 confrades, advindos das diversas realidades da Fraternidade Provincial e que foram chegando e sendo calorosamente acolhidos ao longo do dia 28. Nesse clima de acolhida o Guardião de Ipuarana e aquela fraternidade ofereceram um recreio festivo, que foi regado a muita conversa e partilhas sobre a caminhada de nossas fraternidades. No dia 29 iniciamos os trabalhos da Assembleia celebrando a Eucaristia, presidida pelo Ministro Provincial, Frei João Amilton dos Santos, que nos exortou a nos deixarmos guiar pelo Espírito durante a Assembleia e pelo que ele pode suscitar em nós, enquanto respostas aos apelos surgidos a partir da nossa realidade provincial. Motivados pela Celebração de Abertura, já no auditório, foi apresentada a proposta de trabalho da assembleia, que se baseou na metodologia do VER – ILUMINAR – AGIR. Orientando-se por essa proposta, o VER apresentou-se a partir da seguinte pergunta: ‘Onde estamos?’ Frei Fabiano, num primeiro momento, provocou os confrades a refletirem o que é um paradigma e quais paradigmas regem atualmente a sociedade e, de modo particular, a Vida Religiosa, levando-nos a refletir quais paradigmas precisam, com certa urgência, serem superados hoje em nossa realidade provincial. Feita essa provocação inicial, Frei Fabiano fez uma devolução das contribuições recebidas das fraternidades, como respostas à 1ª Carta-Subsídio enviada pela Comissão Preparatória do Capitulo no mês de março; porém a fez de forma sintética e sistematizada, a partir dos elementos que constituem o tema do Capítulo: 1. Formar; 2. Gerir; 3. Em vista da nossa Vida Fraterna; 4. E da Missão. No segundo dia de atividades de nossa Assembleia (30), detendo-nos no ILUMINAR – ‘Por onde queremos caminhar?’ – contou com a presença e assessoria de Dom Antônio Carlos, MSC, bispo diocesano de Caicó. Nosso assessor conduziu sua reflexão a partir do texto ‘Fortalezas e fragilidades: novas vocações à Vida Religiosa Consagrada’, de William César Castilho Pereira, que recentemente foi publicado na Revista Convergência. O autor – analista institucional e renomado assessor do CELAM – apresenta algumas constatações a partir da dinâmica da formação para a Vida Religiosa 88 e para os Ministérios ordenados na Igreja, seus Nº 478 - Julho / Agosto 2017

desafios e apelos. Mesclando comentários ao texto com exemplos trazidos de sua prática pastoral como formador e agora como bispo, Dom Carlos afirmou: o Magistério da Igreja é guardião da ortodoxia. E o que vemos hoje é uma gama de leigos que vivem para vigiar o Magistério da Igreja, se este guarda ou não ‘dignamente’ a ortodoxia constantemente vigiada! Temos diante de nós uma geração que gasta muita energia nas liturgias e que não deixa nenhuma para gastar nas encruzilhadas do caminho, com aqueles que estão à margem, concluiu nosso assessor. Após uma manhã tomada por uma exposição que nos convidou a renovarmos a nossa esperança na caminhada, e tendo motivado os confrades a refletirem algumas questões em grupo, Dom Carlos encerrou os trabalhos deste dia, presidindo a Eucaristia e nos deixando uma mensagem: “é preciso reconhecer onde a graça age. A palavra crise pode significar perigo e oportunidade. Um dos perigos da crise é querer ficar no passado; diante do medo do novo ou das incertezas do desconhecido querer se agarrar ao passado. Uma das oportunidades é abrir-se e lançar-se ao novo. Vocês não podem, diante dos grandes e diversos desafios que vocês encontram em vossa Província, deixar que o negativo dite as normas e a vida em fraternidade. Mesmo com todas as limitações que temos, temos um carisma e uma espiritualidade a oferecer.” E continuou: “Que vocês possam partir do que é positivo. Tenham a capacidade de reconhecer os passos dados, mesmo que sejam poucos. Porque se não reconhecermos os sinais da atuação da graça de Deus, teremos reafirmado a aposentadoria do Espírito Santo”. O terceiro e último dia de nossa Assembleia foi dedicado ao AGIR. Partindo da pergunta ‘Onde queremos chegar?’, ajudados por Frei Wellegton Jean, que moderou essa atividade, fomos convidados a contemplar quais as propostas surgidas ao longo da Assembleia, e que foram sendo recolhidas e sistematizadas por Frei Jean, que nos ‘devolveu’ o resultado do nosso trabalho em grupo a partir do seguinte ‘horizonte’: qual o nosso ponto de chegada e as estratégias; o que queremos propor ao Capítulo; é preciso identificar as dificuldades, mas agir, continuar a caminhada, pensar juntos quais os próximos passos que virão. Nesse espírito de um Capítulo que se aproxima e que continua em construção, encerramos a Assembleia Pré-Capitular com uma Bênção de Envio, na Igreja Conventual, dada pelo Ministro Provincial, que nos motivou a reassumirmos nossa missão no chão concreto de nossas fraternidades, a caminho de mais um Capítulo de nossa Província. Frei Wellington Buarque, OFM Coordenador Geral do Capítulo


ENCONTRO DOS FRADES PROFESSOS TEMPORÁRIOS 21 a 23 de Julho Ipuarana, Lagoa Seca – PB.

Em um clima de alegria e fraternidade realizou-se o Encontro Anual dos Frades de Profissão Temporária da Província, uma oportunidade de reencontro fraterno e partilha de vida e da realidade em que nós estamos inseridos, seja no mundo universitário, seja na pastoral junto ao povo de Deus. É sempre gratificante vivenciar esse momento de convívio, formação e lazer. O encontro aconteceu na Casa Porciúncula, ou Casa do Noviciado, como conhecemos. Tivemos a alegria de receber entre nós para nos ajudar a refletir sobre o tema: ‘Formação Franciscana na Província e na Ordem’, Frei Wellington Buarque, que é o Formador dos Junioristas de Fortaleza; o mesmo desenvolveu a dinâmica do tema com um olhar sobre a formação em geral a partir de nossa Ratio Formationis Franciscanae (RFF) da Ordem e da Província. Esse documento é a razão de nossa formação franciscana, cujo processo para nós franciscanos consiste em reconhecer o nosso papel no mundo e na sociedade onde estamos inseridos, em vista de assumirmos com firmeza o nosso compromisso com Deus e com os povos. Sendo assim, nosso itinerário formativo não se resume – nem deve se resumir – em adquirir conhecimentos, mas é um processo constante de conversão e crescimento humano. É preciso tomar consciência disso para nos situarmos no contexto eclesial e da Vida Religiosa Consagrada (VRC); nisso, a formação é e deve ser uma prioridade para nós e para os Religiosos e Religiosas em geral. Tal apelo se

intensificou a partir do Concílio Vaticano II, que mais do que uma simples renovação exigiu um processo de conversão em seus modos de estar no mundo, convidou a VRC a repensar sua identidade no mundo ou perceber de que forma mostramos nosso rosto na sociedade em geral. Para isso, é preciso perceber que o processo de formação nunca está concluído, mas ela é por si mesma sempre continuada; pensar em nossa formação hoje faznos perceber que ela nos define e mostra o nosso rosto de Religiosos franciscanos. Hoje o termo prioridade das prioridades é usado para definir a formação em nossa Ordem, para dizer que a partir dela partem todas as demais. O Concílio ajudou a Igreja a perceber que estava na hora de dialogar com a sociedade que em meio à Modernidade precisava dessa abertura para um diálogo muito mais aberto com as novas exigências. Em nossa Ordem a RFF nos ajuda a compreender nossas Constituições e Estatutos, porém essas não são o que nos definem como Ordem, e sim nossa Regra de Vida inspirada por Deus a Francisco, aprovada e confirmada pela Igreja, razão de nossa vida e missão.

Concluímos o nosso encontro com a elaboração da chamada ‘Carta da Porciúncula’, na qual expressamos alguns dos nossos sentimentos e colocações sobre a formação em nossa Província, para assim contribuirmos também com a Formação Inicial e Permanente de todos nós frades. No domingo (23) fizemos um momento de lazer e descontração na casa dos familiares de nosso confrade Frei Elias. Pedimos ao Sumo Bem que nos chamou para segui-lo mais de perto, que continue a nos mostrar os caminhos do seu Evangelho, bússola de nossa vida e de nossa missão neste Nordeste do Brasil e no Mundo. Frei Elivânio Luiz da Silva, OFM Fraternidade de Salvador Nº 478 - Julho / Agosto 2017

89


ENCONTRO PROVINCIAL DOS IRMÃOS LEIGOS

Aconteceu no dia 29 de julho de 2017, no convento de Ipuarana, após o Retiro anual da Província de Santo Antônio do Brasil, o Encontro dos Frades de opção laical. Fizeram-se presentes nesta feliz ocasião os confrades: Frei João Amilton dos Santos, Frei Erick Ramon, Frei José Carlos Fernandes, Frei Luís Augusto (Guto) Lessa, Frei Diolindo dos Santos, Frei Agostinho Vieira, Frei Ivo Alves, Frei Jean Santos, Frei Izael Silva, Frei Flávio Lorrane, Frei Gilton Rezende, Frei Adalberto (Cacareco) e Frei Anésio Gomes. O encontro iniciou-se às 08h da manhã com oração ao Divino Espírito Santo, evocando suas luzes sobre nós, e à Mãe de Deus, para que abençoasse nosso encontro com sua presença amorosa. Em seguida às orações, Frei João Amilton, nosso Ministro Provincial, agradeceu a presença de todos e disse sentir-se feliz por estar ali conosco. Suas palavras iniciais foram de reflexão sobre a vida formativa. E prosseguiu apontando a importância da fraternidade como lugar privilegiado para a vivência do Evangelho em comunidade. “Fraternidade é lugar do lava-pés e de desvelamento das capacidades inatas que cada irmão traz consigo. Dito isso, o Capítulo Local, por exemplo, é sempre um lugar de desenvolvimento da confiança recíproca entre os confrades”. Ampliando a discussão, Frei Guto salientou que a pessoa do Guardião é o grande responsável pela animação espiritual da fraternidade. Sendo assim, é preciso que na Formação Permanente haja espaço para reflexão destas características e responsabilidades pertinentes à função do Guardião, senão a reflexão vai girar sempre em torno de questões administrativas e econômicas de suas atribuições. Para Frei Guto “O Guardião é a mãe, a figura central que une a fraternidade, e para isso privilegia os momentos em comum da vida fraterna”. Frei Fernandes enfatizou o que os confrades disseram acrescentando que a Formação Permanente é esteio, é vigor para o frade menor e por isso precisa de uma liderança com qualidades espirituais bem delineadas para que ajude aos irmãos a sentirem-se bem. Seguindo esta linha de raciocínio, Frei Erick mencionou que se há um espírito de família torna-se mais fácil a abertura e a partilha de vida. Um Guardião que assumi as tarefas da casa junto com os irmãos é um grande exemplo de convivência e unidade fraterna. O clima de partilha da nossa reunião prosseguiu e a reflexão deteve-se sobre as especificidades da vida de um irmão leigo e suas dificuldades. Frei Fernandes afirmou, na ocasião, que ainda hoje procuramos um modelo de irmão, quando não há um modelo 90 Nº 478 - Julho / Agosto 2017

ideal. Nossa criatividade precisa contribuir com clareza e em consonância com a mãe Província. Investir numa novidade é difícil, porém possível, concluiu Frei Fernandes. Surgiu então uma questão: Há uma clareza na Província sobre suas frentes de atuação, onde o irmão possa construir seus projetos de vida em comunhão com a Província? Frei Gilton refletiu sobre a identidade franciscana, que abraça a todos, ou seja, irmãos e sacerdotes. Qual a visão que o leigo tem de nós “enquanto” fraternidade franciscana? Os leigos veem o “pároco” chegando, e junto com ele uma fraternidade. Visão puramente clerical e totalmente desconexa com a identidade religiosa e franciscana que deveria nos significar. Fica evidente um questionamento: está clara, para eles (os leigos), a noção de identidade franciscana? Ou ainda, está clara para nós a nossa identidade? Os presbíteros também precisam se reinventar e ter claro para si a identidade franciscana. Que herança estamos deixando nos lugares de nossa presença? O que nos identifica é o acolhimento e, muitas vezes, as iniciativas dos irmãos leigos não são assumidas pela fraternidade. As atividades dos irmãos parecem não importar para os outros; não assumimos tudo como irmãos,

como fraternidade. Frei Amilton acrescentou que a Província tem serviços e campos de atuação onde o irmão pode fazer seus projetos em comunhão com ela. E levantou o seguinte questionamento: “Nós, enquanto Província, não sabemos nem valorizamos o que temos. Mas, apesar das nossas limitações, como podemos colocar em prática essas questões, que são partilhadas com muita verdade, e sair definitivamente da teoria? Não criamos ainda a cultura de intercâmbio entre nossas fraternidades: Tiriyós, as casas da Alemanha, por exemplo. O que nos custa pôr em prática o que partilhamos?” Frei Lorrane, um dos Professos Temporários presentes, levantou uma questão sobre a formação inicial para o irmão, levando-nos a refletir essa situação não só a nível provincial, mas a nível de Ordem. O frade que tem clara sua opção laical precisa ter bem claro também que a Ordem é clerical. Nossa Província de Santo Antônio não foge à regra, sustenta-se sobre uma estrutura clerical voltada para a realidade paroquial. O frade jovem precisa refletir se as motivações que carrega são fortes o suficiente para que ele se adapte a essa realidade, da qual não pode fugir. Frei Jean Santos, OFM Fraternidade de Fortaleza


RETIRO PROVINCIAL, UMA PAUSA RESTAURADORA A fraternidade do Convento Santo Antônio de Ipuarana-PB acolheu de 24 a 28 de julho de 2017 os confrades de diversas fraternidades para viverem o Retiro Provincial anual. Animados pelo Espírito Santo e orientados pelo confrade Frei Marconi Lins, os frades foram convidados a estarem com o Senhor para escutar dele um segredo. De maneira especial, o convite foi lançado a estancar a sede na leitura atenta do Santo Evangelho, onde se deve configurar a vida do frade menor com a Palavra proclamada e não com a possível ideia que o frade tenha da Palavra. De fato, uma pausa restauradora para redescobrir que a Regra, as Constituições e os Documentos da Ordem não são letras esquecidas na paz de nossas bibliotecas, ou como muitos dizem: “apenas documentos bonitos”, mas textos que devem ser ruminados constantemente, pois mantêm vivo o querer de irmãos nossos que ousaram viver o Evangelho e desejaram doar a nós os sinais do modo de operar do Espírito do Senhor. Se tudo isso é acolhido no espírito de gratidão e renovado desejo de conversão após escutar o Segredo, o “Monte Alverne” localizado em Ipuarana pode ser sempre um lugar lembrado com saudade, pois foi lá que o Senhor quis que os frades fossem restaurados. Frei Dennys Sant’Anna, OFM Fraternidade de Salvador

Queridos confrades, paz e bem!

Firenze, 30 de julho de 2017

Apos um mês de experiência aqui na Itália sinto-me motivado a escrever umas poucas linhas para a partilhar com vocês da minha vida. A convivência com os frades tem sido um achado precioso, tenho me sentido muito bem acolhido tanto pelos frades da Fraternidade São Gabriel de Roma, como pela Província Toscana San Francesco Stimmatizzato, em Firenze, onde no momento estou habitando. Tenho vivido uma bela experiência de oração e estudo. Depois de uma semana na cidade de Roma, para resolver a documentação da minha permanência aqui, parti para Firenze (Florença) para aprender o italiano. Tem sido muito bom, tanto pela fraternidade que só fala italiano, quanto pela escola. A escola é bem eclética: com estudantes das mais variadas partes do mundo. Isso me ajuda a interagir com outas culturas e mergulhar na língua italiana. Quanto à Firenze é uma cidade linda, profundamente cultural, nos momentos livres aproveito para mergulhar nesta cultura milenar, e tenho me dado conta como este povo exerceu uma grande influência sobre nós brasileiros. A cidade respira história e arte! Neste período, a cidade chega a marcar a 40°C nos seus termômetros. Uma loucura de calor! (risos), confunde-se com qualquer cidade do nordeste. Devido às férias, a cidade está lotada de turistas, que se misturam com músicos que executam, de maneira esplêndida, peças musicais eruditas, ao longo das vielas de Firenze. Um verdadeiro dom! Aproveitando a oportunidade, gostaria, ainda de expressar a minha alegria pela lucidez da carta do Encontro dos professos temporários. Uma carta que aponta muitas deficiências mas ao mesmo tempo cheia de otimismo e encanto de frades comprometidos com o nosso futuro. Que Deus lhes conceda perseverança e força! Contudo, agradeço a todos que me oportunizaram esta belíssima experiência e espero de verdade fazer jus à credibilidade que me ofereceram. Darei o melhor de mim para futuramente continuar colaborando com a nossa Igreja, Ordem e Província. Deus abençoe a todos!

91 Frei Wellington Reis da Conceição, OFM Nº 478 - Julho / Agosto 2017


PROFISSÃO SOLENE DE FREI CÉSAR LINDEMBERG “Sobre mim sempre esteve e estará a mão do Senhor.” (Ez 17,1) No dia 11 de agosto, em que a nossa Família Franciscana celebra a Solenidade de nossa Mãe Santa Clara, mais um confrade nosso deu um passo definitivo em sua pertença à nossa Ordem, professando solenemente os Conselhos evangélicos. Desta vez o ‘sim’ generoso e decidido foi dado por Frei César Lindemberg Serafim, que atualmente reside em Fortaleza e integra a Fraternidade Nossa Senhora das Dores, mas que escolheu a Igreja Matriz da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, no bairro de Salgadinho, Olinda, para celebrar esse momento tão significativo em sua caminhada. A escolha, segundo Frei César, foi motivada pelo desejo de retribuir àquela comunidade paroquial, como gesto concreto, a gratidão por ter sido o berço vocacional do confrade, que desde cedo encontrou no testemunho de vida de Frei Walfrido Mohn e sua opção preferencial pelos pobres, o despertar para o seu chamado a servir à Igreja e à Ordem como frade franciscano. A Celebração contou a presença significativa de muitos confrades, além dos familiares e amigos paroquianos. E como a missão de Frei César tem sido marcada por sua atuação junto à Pastoral Vocacional e à Formação, destacou-se também a presença dos Postulantes de Triunfo e Mossoró, além dos próprios Aspirantes do Ceará, que estão sendo acompanhados atualmente pelo professando. A Redação das Notícias quer partilhar com todos os agradecimentos feitos por Frei César ao final da Celebração, num texto permeado por palavras inspiradas no Cântico do Irmão Sol, este grande louvor composto por nosso Pai São Francisco. “Altíssimo e onipotente Bom Senhor, teus são os louvores, a glória, a honra e toda a benção. A Ti somente, Altíssimo, eles convêm e nenhum homem é digno de te imitar. Louvado sejas, meu Senhor, com todas as Tuas criaturas, especialmente o senhor irmão Sol, o qual faz o dia e por ele alumia e ele é belo, radiante, com grande esplendor de Ti.”

Os mais antigos lembram-se das grandes caminhadas, procissões e Vias-sacras que tínhamos e, consequentemente, do menino do banquinho que a cada parada sentava e também o emprestava às piedosas senhoras que o pediam. Foi nesse mesmo período que se iniciava a compreensão de uma vida cristã, sobretudo nos encontros de irmãos com D. Anunciada, na Capela dos Milagres. Assim como o Senhor conduziu o seu povo no Antigo Testamento, hoje ele continua a nos conduzir a mais uma história de Salvação, e aqui se realiza não o desfecho, mas a firme consagração pública desta caminhada a que fui chamado. Dom Helder Câmara dizia: “O caminho só se faz caminhando” e não há outro 92 Nº 478 - Julho / Agosto 2017

caminho a seguir a não ser o próprio Cristo. Desde então muito engajado no Grupo Força Jovem, Teatro e o Grupo dos Milagres e a cada momento que conhecia o carisma franciscano passava a ama-lo ainda mais. Iniciei meu acompanhamento vocacional na Venerável Ordem Franciscana Secular de Olinda, mas com o passar do tempo percebi que ainda me faltava algo, daí passei a participar dos Encontros Vocacionais no final do segundo semestre do ano de 2006 sob a orientação de Frei Wellegton Jean, OFM. Louvado sejas, meu Senhor, pelo dom de minha vida, que entre luzes e sombras, consentiu que belos momentos se realizassem durante todo o existir! Muitas provas de amor aconteceram na minha vida: o esforço do meu pai para suprir o necessário para a nossa família; a atitude heróica da minha mãe, educadora, mulher de fé, exemplo de doação e humildade. A todos os meus familiares com os quais resistimos a todas as dificuldades da vida, à distância geográfica e a tudo o que poderia nos separar, mas “quem poderá nos separar do amor de Cristo?” (Rom, 8, 35) Louvado sejas, meu Senhor, por todos os que contribuíram na minha formação religiosa na Ordem dos Frades Menores, aos quais eu gostaria de salvaguardar a pessoa dos seguintes formadores: no Aspirantado Frei Jean, Frei Alexandre e Frei Rogério Rodrigues; no Postulantado Frei Zezinho e Frei Romualdo; no Noviciado Frei Fernandes; no Juniorato Frei Gilmar, Frei Ricardinho, Frei Davi, Frei Walter e, atualmente, Frei Wellington Buarque; e aos irmãos de turma que caminharam comigo e que hoje seguem seu peregrinar em outros lugares; e a todas as fraternidades onde morei, de modo especial aos confrades da Fraternidade de Nossa Senhora das Dores em Fortaleza – CE, que em meio às dores conseguem ser luz na minha vida de forma autêntica. Enfim, à Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil, na pessoa de


Frei João Amilton dos Santos, pois sem ela eu não teria atribuído valores e conhecimentos excepcionais de vida fraterna franciscana e humana. Louvado sejas, meu Senhor, por todos os que fazem parte de minha vida e vocação e que despertam em mim uma consciência de meus deveres e ações com a criação no palco da vida! Louvado sejas, meu Senhor, pelo nosso pároco Frei Ricardo e por Frei Robério, por apoiar e permitir que estes dias de graça pudessem acontecer no ponto de partida de minha vocação, a saber, as terras de Salgadinho – Olinda. Louvado sejas, meu Senhor, pelos vocacionados, de maneira especial os do Regional Ceará, que venderam rifas e fizeram vários movimentos para poderem estar aqui, pelos Postulantes que animaram e caminharam conosco durante todo o Tríduo. Louvado sejas, meu Senhor, pelo povo de Penedo e a comunidade de Perucaba, cidade que exala carinho, respeito e confiança referencial de franciscanismo, regada pela artéria hídrica que recebeu o nome do Seráfico Pai. Louvado sejas, meu Senhor, pela Paraíba sim senhor, especialmente o povo da Cidade de Lagoa Seca e da Vila Ipuarana. Louvado sejas, meu Senhor, por ter vivido quatro anos nas terras de todos os santos, a querida Salvador, tempo de grande amadurecimento e aprendizado. Louvado sejas, meu Senhor, pelo povo de Triunfo; posso dizer que lá vivi momentos de grande triunfo no Oásis do Sertão, com as inúmeras famílias e a fraternidade local, a OFS, a JUFRA, as Irmãs Franciscanas de Maristella, a Escola de Meditação Franciscana, a Comunidade da Estrela. Bendito aquele que se encontra na Tua santíssima vontade da qual a morte não fará mal. Louvado sejas, meu Senhor, por todas as pessoas que fazem parte de minha vocação e que já se encontram na glória celeste, seja desta comunidade ou das que já residi, seja confrades e ainda meu irmão Celso Luiz (in memoriam) que se faz presença

continuadora da família nos meus sobrinhos: Pedro Henrique e Ana Clara. Ainda um dos meus grandes profetas: o dileto Frei Walfrido Mohn, OFM. Sobre este último posso afirmar ter sido o meu primeiro Animador Vocacional pelo seu testemunho de vida. Ele, sem nunca ter dito uma palavra sobre vocação de forma direta, me apoiou e confirmou por sua prática evangélica junto aos mais empobrecidos e ouvindo os apelos do Povo de Deus da periferia, me apontou qual o caminho que eu deveria abraçar. Um homem que favoreceu a vida inserida no meio dos pobres e a organização deles em Comunidades Eclesiais. Juntamente com Dom Hélder foi um dos que assinaram o documento revolucionário “Eu escutei os clamores do meu povo”, em plena era da ditadura militar. Dentre suas expressões fica muito forte: “está cada vez mais difícil, tenha fé que vai mudar, não vamos nos contentar”. Amigo é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito, canta Milton. Tenho a certeza que a nós será permitido guardar a lembrança de alguém que partiu de nossas vidas sem se despedir. Guardemos, assim, bons e felizes momentos que partilhei com minha prima Taciane que foi chamada a fazer sua páscoa a menos de um mês. Louvai e bendizei o meu Senhor. Agradeça e sirva com grande humildade! Enfim, Louvo e agradeço a Deus, por todas as pessoas que nos ajudaram de forma direta e indireta: “Eu não tenho prata nem ouro; mas o que tenho te dou.” (At 3, 6). Meu reconhecimento e carinho a todos/as e saúdo-vos com a saudação dada por São Francisco de Assis: Paz e Bem! Frei César Lindemberg Serafim, OFM Salgadinho, Olinda, 11 de agosto de 2017. Na Solenidade de nossa Mãe Clara.

UMA CIDADE EM ORAÇÃO PELOS NOVOS PASTORES ORDENADOS: Ordenação Presbiteral em Canindé

De repente a Basílica de São Francisco das Chagas do Canindé ficou pequenina; uma igreja em oração para celebrar a Festa de Santa Maria dos Anjos. Naquela belíssima Celebração do dia 02 de agosto, dois de nossos confrades, Frei Francisco Rogério e Frei Ricardo Gomes, tiveram a graça de serem configurados ao Cristo Bom Pastor. Trata-se da recepção do segundo grau do Sacramento da Ordem conferido pela imposição das mãos e Oração Consecratória de Dom Frei Carlos Alberto Breis, OFM (Dom Beto). Os presentes podiam vibrar de alegria ao olhar nos olhos dos ordenados a grande graça de amor que o Pai deu de no Filho serem eles filhos eleitos para implorar a misericórdia

em favor de nós, povo a eles confiado. Como sempre é cantado a cada mês de agosto: “a cada momento que passa revivo essa graça de ser Teu sinal aqui”, é a certeza da consolação do Senhor que irá permanecer nos corações de todas as testemunhas e daqueles que foram eleitos para exercerem esse Ministério. Pois muitos são aqueles que nutrem nesta alegria a esperança que há de chegar “frades do povo” que testemunhem com autenticidade o valor da Vocação Franciscana, e neste momento frades presbíteros que a cada dia renovam o desejo de serem fiéis e servos que exercem os deveres. Frei Dennys Sant’Anna, OFM Fraternidade de Salvador

Nº 478 - Julho / Agosto 2017

93


RELATOS DE UMA EXPERIÊNCIA NO CAPÍTULO DAS ESTEIRAS No dia 04 de agosto, o segundo dia do Capítulo das Esteiras da CFFB, em Aparecida do Norte, SP, vivenciamos fortes momentos fraternos entre nós frades da Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil e os demais irmãos e irmãs de nosso carisma, momento de partilha da alegria de nossa vocação, de vivência do nosso carisma em nossas fraternidades e dos mais diversos desafios nas realidades em que estamos inseridos. Nossa reflexão neste dia, assessorado pelo Frei Luiz Carlos Susin, OFMCap, abordou o tema “Levar ao mundo a Misericórdia de Deus – A Misericórdia na perspectiva franciscana”, através do qual refletimos na vida de Francisco e seus primeiros irmãos o exercício da misericórdia. “Foi assim que o Senhor concedeu a mim, Frei Francisco, começar a fazer penitência: como eu estivesse em pecado, parecia-me sobremaneira amargo ver leprosos. E o Senhor me conduziu entre eles, e fiz misericórdia com eles. E afastando-me deles, aquilo que me parecia amargo se me converteu em doçura da alma e do corpo; e, depois demorei só um pouco e saí do mundo” (Testamento de São Francisco 1-4).

O Senhor conduziu Francisco para o meio dos pobres, para ali viver a experiência de fazer misericórdia, exercitar a misericórdia, de esvaziar-se, despojar e descobrir no rosto dos pobres em meio a eles uma nova doçura, transformando o que antes era amargo em doçura do corpo e da alma. É necessário para nós franciscanos passar por este caminho de conversão que nosso Pai Seráfico São Francisco trilhou e fazer misericórdia em meio aos pobres, em meio aos irmãos. Agradecemos a Deus por nos conduzir e nos abençoar neste dia através de preciosos momentos fraternos e a querida mãe Rainha e Advogada nossa, a Mãe Imaculada, Nossa Senhora Aparecida, por sua intercessão e doce olhar. Alegramo-nos com o exemplo de nosso querido Pai Seráfico São Francisco de Assis, que nos ilumina até os dias atuais com seus passos, gestos de despojamento e misericórdia, com o mais profundo desejo de viver o Evangelho junto aos seus irmãos. 94

Frei Mendelson Branco da Silva, OFM

Nº 478 - Julho / Agosto 2017

No dia em que fazemos a memória da Virgem Maria, começamos cedo com a Celebração Eucarística, no Santuário da Virgem Mãe Aparecida. Muitos foram os que participaram da celebração, na qual se rendeu graças pela vida franciscana tão presente em nossos dias. Foi na terra bendita que a Virgem de Aparecida quis aparecer aos humildes pescadores, mostrando o seu amor aos mais pobres. E nos foi lembrado que mesmo depois de algumas tentativas, surge nas redes uma linda imagem negra, ela que representa todos os que passam momentos difíceis na sua vida, e a Virgem Maria surge para quebrar todas as barreiras e preconceitos. Em seguida foi a vez de nos dirigirmos ao centro de eventos de Padre Vitor Coelho, para mais um dia de reflexão e graça sobre as comemorações em prol do Capítulo das Esteiras; foi refletido sobre a nossa espiritualidade franciscana e nossa missão profética onde estamos inseridos e qual deve ser o nosso verdadeiro anúncio. O cuidado e o zelo pela Mãe Terra foi o assunto principal, não podemos nos calar diante de tantas injustiças que assolam a vida de tantos irmãos e irmãos, onde uns têm muito e outros vivem sem nada; com ricos cada vez mais ricos e pobres cada vez mais pobres. É preciso levarmos a sério o que anunciamos para darmos testemunho do que somos e mantermos nossa presença cada vez mais profética onde estamos atuando. Que a Virgem Aparecida, Padroeira desta grande nação, nos ensine a retornarmos as nossas origens para melhor sermos profetas e defensores da causa dos mais necessitados. Frei Juscelino da Silva Pinto, OFM Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida Capítulo Nacional das Esteiras, 05 de agosto de 2017.


25 ANOS DE VIDA RELIGIOSA E 15 ANOS DE ORDENAÇÃO PRESBITERAL DE FREI FRANCISCO ROBÉRIO Na ocasião Frei Robério ressaltou para a comunidade paroquial, assim como aos familiares e aos fiéis oriundos de diversas localidades, a graça de poder celebrar junto ao povo de Deus a sua vocação e reafirmou seu desejo de continuar ajudando a Igreja a cumprir com a sua missão, que é evangelizar, colocando nas mãos de Deus a vida que recebeu e também o Ministério presbiteral que está a serviço da Igreja, do Povo de Deus.

No último dia 30 de junho do corrente ano, Frei Francisco Robério Ferreira de Sousa celebrou os seus 25 anos de Vida Religiosa e 15 anos de Ordenação Presbiteral. A Celebração aconteceu na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Salgadinho, na Cidade de Olinda, e foi presidida pelo Ministro Provincial da Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil, Frei João Amilton dos Santos e concelebrada pelo Frei Ricardo Ferreira, Frei Carlos Antônio e Frei Wilson Alves. Participaram também da celebração Frei Rogério Lopes e Frei Adriano Ferreira, ambos da Fraternidade de Olinda, além das Religiosas Irmã Givanilda e Irmã Andréia, do Colégio Santa Catarina.

O momento também foi de despedida, tendo em vista que Frei Robério se afastou da condução da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, enquanto Pároco, para ingressar na Pontifícia Universidade Antoniana (Pontificia Università Antonianum, PUA), em Roma, Itália, para cursar o Mestrado em Direito Canônico, visando aperfeiçoar seus conhecimentos a serviço da Igreja. Ao final da celebração, muito emocionante, a comunidade paroquial e diversos grupos e pastorais agradeceram a Frei Robério os feitos pastorais e espirituais concretizados enquanto esteve à frente da Paróquia, ressaltando a acuidade de tê-lo como Pastor nessa Igreja tão querida de todos nós, rendendo, em primeiro lugar, graças a Deus pelo seu mistério e rogando a proteção materna de Maria Santíssima, em favor de sua caminhada a serviço da construção do Reino de Deus. PASCOM – Pastoral da Comunicação Paróquia Sagrado Coração de Jesus

FESTA DE SANTA CLARA 2017: SANTA CLARA, VERDADEIRO ÍCONE DA VIRGEM MARIA!

“Assim como a gloriosa Virgem das virgens o trouxe materialmente, assim também você, seguindo seus passos, especialmente os da humildade e pobreza, sem dúvida alguma poderá trazê-lo espiritualmente em um corpo casto e virginal.” ..........................................................................(Santa Clara)

Neste ano em que nossos corações se voltam com especial devoção a Maria, na vivência do Ano Nacional Mariano, celebramos a novena e a Solenidade em honra a nossa mãe Santa Clara à luz de sua devoção mariana. Cada noite celebrada trazia para nós a recordação de um traço de Maria na vida de Clara, que foi muito bem denominada pelo autor de sua Legenda como “Vestígio da Mãe de Deus”. Clara, assim como Francisco, descobre em Maria a plenitude de todas as virtudes e, por isso, “seguindo seus passos, especialmente os da humildade e pobreza”, torna-se “outra Maria” gerando Cristo espiritualmente em si. Recordamos com fraterna gratidão a presença dos Irmãos de nossa Província, desde os jovens aspirantes, postulantes, junioristas, nosso Ministro Provincial, Frei João Amilton e todos os demais que rezaram e celebraram conosco a Santa Eucaristia a cada noite da novena. Tivemos ainda uma rápida visita surpresa de Dom Frei José Haring, que muito nos alegrou com sua chegada aqui em Canindé. E assim, neste clima de comunhão, vivemos esses dias que deixaram para nós um convite a relembrar sempre as palavras de nossa mãe Clara de Assis: “somos o pequeno rebanho que o Senhor Pai gerou (...) para seguir a pobreza e a humildade do seu Filho dileto e da Virgem, sua gloriosa Mãe ”. Irmãs Clarissas Mosteiro do Santíssimo Sacramento de Canindé

Nº 478 - Julho / Agosto 2017

95


ÚLTIMAS DO PROVINCIALADO – XI CONGRESSO DEFINITORIAL No período de 14 a 16 de agosto de 2016, na sede da Província de Santo Antônio, aconteceu o XI Conselho Definitorial. Inicialmente teve a missa na capela do Convento e já na sala de reuniões, estando presentes todos os Definidores, Frei João Amilton dos Santos, deu boas vindas a todos e teve sequência o Definitório. I. FORMAÇÃO PERMANENTE 1. Frei Sérgio Moura, Moderador da Formação Permanente, disse que do último Definitório para cá ocorreram muitas coisas boas em nossa Província: 2. A Profissão Solene de Frei Janael Vieira, que contou com um Tríduo Vocacional na Paróquia de Nossa Senhora das Dores, em Fortaleza. A Celebração, que foi realizada dentro do Trezenário em honra de Santo Antônio e na Vigília Solene de Pentecostes, contou com um bom número de confrades e fiéis leigos, bem como seminaristas, Religiosos e Religiosas. 3. Festa de Santo Antônio: foi outro momento importante. Várias casas celebraram a festa com muito gáudio, com novenas, procissão, missas e artigos religiosos e comidas típicas. Como sempre, termina sendo um momento marcante na vida da Província. 4. No mês de julho aconteceram os encontros específicos da Formação Permanente, como o Under Ten, de 22 a 23/07, em João Pessoa. Dos 25 que estão nesta etapa apenas 11 compareceram, mesmo assim foi um momento bom de partilha e convívio. A acolhida da Fraternidade de João Pessoa foi muito boa. 5. O Encontro dos Frades de Profissão Temporária aconteceu no mesmo período do Under Ten, 22 e 23, na Casa Porciúncula, em Lagoa Seca. Entre os momentos alegres e de convívio, foi escrita a chamada Carta da Porciúncula, na qual os formandos partilham sua visão sobre a formação. Os dois encontros – o Under Ten e o dos Professos Temporários – tiveram a presença de Frei Wellington Buarque. 6. Aconteceu também o Retiro Provincial anual que foi orientado por Frei Marconi Lins. Teve como tema: “O Altíssimo mesmo me revelou que eu devia viver segundo a forma do Santo Evangelho” (Test 4,14). Para cada dia tinha um subtema constando de uma leitura bíblica, um texto das fontes franciscanas e outro das CCGG. As noites foram dedicadas à oração: a devoção a Maria Santíssima, Adoração Eucarística e Celebração Penitencial. Foram em torno de 45 frades os participantes e o retiro transcorreu num clima de silêncio. Agradecemos aos confrades da casa pelo acolhimento. Depois da Celebração Penitencial todos se dirigiram à Fraternidade de Campina Grande para a Celebração dos 25 anos de VR de Frei José Teixeira – Frei Zezinho e dos 75 anos da Paróquia. 7. No dia 29/07 aconteceu o Encontro Provincial dos Irmãos Leigos. Eram ao todo 13 irmãos. No encontro, como sempre, aconteceram a partilha, a oração e um clima agradável de convívio. Contou também com a presença do Frei João Amilton, nosso Provincial. No dia 30 96 Nº 478 - Julho / Agosto 2017

não aconteceu o encontro dos Assistentes da OFS, JUFRA e PFF. Na medida do possível, esses Encontros serão proporcionados a nível regional. 8. Dom Frei José Haring já se encontra em Canindé. Ele chegou no dia 07/08. Vai à Alemanha para goazar uns dias de férias. No dia 22/07 Frei Paulo Araújo e Frei Sérgio Moura foram a Limoeiro do Norte para celebrar com Dom José seus 50 anos de Vida Sacerdotal. Lá encontraram-se com Frei Francisco Rogério e os postulantes. Dom Frei Martinho Lammers celebrou seus 50 anos em Óbidos. Parabéns! 9. Frei César Lindemberg fez sua Profissão Solene no dia 11/08, Solenidade de Santa Clara, na Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, em Salgadinho, Olinda – PE. A mesma foi precedida de um Tríduo Vocacional e contou com a presença de seus familiares, amigos de diversos lugares e confrades, entre eles o Visitador Geral, Frei Fabiano Aguilar, além da presença de muitos paroquianos de Salgadinho. 10. Frei Juscelino da Silva Pinto e Frei Mendelson Branco da Silva participaram do Capítulo das Esteiras da Família Franciscana, em Aparecida – SP. Este evento foi promovido pela CFFB para encerrar os 800 anos do Perdão de Assis e os 50 anos da Família Franciscana no Brasil. 11. Serviço Litúrgico Provincial: foi criado, neste Definitório, o Serviço Litúrgico Provincial para preparar, animar e ajudar nas celebrações litúrgicas em nossa Província como: primeira profissão, profissão solene, ordenação diaconal e presbiteral. A equipe está assim composta: Frei Sérgio Moura Rodrigues, Frei Dennys Santana Ferreira e Frei Artur Bruno Secundino.

II. FORMAÇÃO INICIAL 1. SAV: foram feitas visitas fraternas nos locais onde aconteceram as Profissões Solenes e as Ordenações Presbiterais. Frei Pedro Júnior queixou-se que próximo às nossas casas, não uma boa participação dos frades. 2. Formação para Formadores: Frei Dennys Santana e Frei Marcondes Uchôa participaram em Ribeirão das Neves, em MG, do Encontro de Formação para Promotores Vocacionais. 3. Postulantado I – acontece em Triunfo. Os Postulantes participaram da Festa de Santo Antônio, da Visita Canônica e do primeiro encontro com a psicóloga Dra. Alice Gatis. Depois destes encontros a turma passou uns dias em casa com os familiares. A turma está caminhando bem e conta com sete Postulantes. 4. Postulantado II – acontece em Mossoró. Os Postulantes fazem pastoral em dois locais: um na


zona rural e outro na cidade. A turma caminha bem. São quatro Postulantes. 5. Projeções para o próximo ano: os formadores estão discutindo uma possibilidade de fixar melhor o Postulantado após o Capítulo; formar um corpo de formadores, ter um local fixo, dentre outros. Pensa-se em se fazer os dois anos do Postulantado num único lugar. Por enquanto é só uma ideia. Ela precisa ser mais amadurecida. 6. Carta da Porciúncula: o Secretariado Provincial de Formação e Estudos (SPFE) acolheu a carta enviada pelos frades junioristas e pediu que fosse reformulada e enviada para a Comissão Preparatória do Capítulo. Foi visto que se pode tratar do tema da formação dentro de um dos Conselhos Plenários da Província, visto que é uma instância provincial que já existe. 7. Experiência Fraterno-missionária: no próximo ano deverão participar desta experiência os seguintes confrades: Frei Artur Bruno Secundino, Frei Elias Pereira Gertrudes, Frei Marcondes Uchôa da Silva, Frei Clerison Carvalho Cruz e Frei Willames Batista do Nascimento. O local ainda será definido. 8. Custódia da Terra Santa: Frei Elivânio Luiz da Silva fez um pedido para ser transferido para a Custódia Terra Santa. Os formadores não têm nada contra e os Definidores se posicionaram a favor. Deverá preparar toda a documentação e entrar em contato com a Ordem. Em janeiro o Custódio da Terra Santa virá ao Brasil e poderá falar com ele a esse respeito. 9. Pedidos de Ingresso na Província: a) O jovem Henrique Michel Jacob fez um pedido para entrar na Província. Ele já foi capuchinho e Frei Roberto Fernandes, que foi seu formador, enviou uma carta recomendando-o. O SPFE foi favorável e os Definidores também. Ele deverá entrar no próximo ano no Postulantado II. b) Outro pedido veio de Luzinaldo Vital dos Santos, ex-seminarista de Campina Grande. Frei Pedro Júnior irá pedir ao formador dele um parecer e, dependendo, poderá ingressar no Postulantado I. 10. Encontro Continental de Formadores: acontecerá, de 03 a 09 de setembro de 2017, em São Paulo e deverá contar com a presença do Secretário Geral da Ordem para a Formação Frei Cesare Vaiani. De nossa Província deverão participar Frei Sérgio Moura, Frei Rogério Rodrigues e Frei Pedro Júnior. III. EVANGELIZAÇÃO E MISSÃO 1. Master em Evangelização – Em outubro termina o Master em Evangelização e a nossa representante neste curso, Juliana Caroline, de Triunfo, gostaria de saber como dar um retorno à Província. Ficou combinado que ela ajudará na Formação, no Secretariado de Evangelização e Missão e na assessoria às Paróquias. A modalidade e o período serão combinados posteriormente com ela. 2. Encontro das Paróquias Vizinhas – aconteceu em Canindé o Encontro dos Párocos e Leigos das

Casas Vizinhas de Canindé, Fortaleza e Mossoró. Participaram cinco pessoas de cada paróquia. Foi apresentado como está a situação pastoral de cada paróquia, tendo por base o Plano Franciscano de Evangelização. Foi feita a avaliação e foi constatado que foi muito bom. Para o próximo triênio foram marcados três encontros: uma missão em Mossoró, em 2018. Em 2019 um Encontro sobre Juventudes e em 2020 um Encontro sobre as frentes sociais. Os encontros nos outros Regionais da Província irão depender dos seus articuladores. 3. Encontro Provincial de Juventudes – aconteceu em Canindé em preparação ao Encontro Nacional Franciscano de Juventudes (ENFJ), que terá lugar em Vila Velha, ES. Participaram pouco mais de 50 jovens. Foi assessorado por Thiago Silveira, assessor da Pastoral da Juventude da Arquidiocese de Fortaleza, e teve como tema: ‘Jovem, qual é a tua?’ e como iluminação bíblica: “Não temas. Estou contigo!” (Jr 1,8). Na programação houve rodas de conversa que abordaram alguns temas transversais: Juventude e trabalho, Drogas, Gênero, Fé e Política, Democratização da Comunicação e Extermínio de jovens. O encontro foi preparado por uma Comissão formada por: Frei Paulo Araújo, Frei Gilmar Nascimento, Frei Wellington Buarque, Frei César Lindemberg, Frei Pedro Júnior e Danillo Guimarães. Para o Encontro Nacional de 2018 deverão participar os jovens que estiveram neste encontro de Canindé. 4. O próximo encontro do Secretariado de Evangelização e Missão – SPEM acontecerá nos dias 30/09 e 01/10, em Fortaleza, onde será feita uma avalição do ano e uma projeção para o próximo triênio.

IV. ASSEMBLEIA PRÉ-CAPITULAR O Visitador Geral, Frei Fabiano Aguilar, apresentou um relatório da III Reunião da Comissão Preparatória do Capitulo (CPC) sobre a Assembleia Pré-Capitular: 1. Encaminhamentos para a Assembleia PréCapitular – 28 a 31/08, em Ipuarana: A Carta Convocatória já foi enviada no dia 02 de agosto, assinada pelo Ministro Provincial e o Visitador Geral. Reforçamos que a participação de outros confrades (não convocados) também é permitida. No primeiro dia da Assembleia Frei Fabiano fará a devolução das contribuições recebidas das fraternidades, como respostas ao I Subsídio e será feita uma apresentação mais sistemática destas propostas. O assessor contatado – Dom Antônio Carlos, MSC, Bispo de Caicó/ RN – confirmou sua participação. Ele propôs um texto, que foi enviado às fraternidades antecipadamente, via secretaria provincial.

2. Programação da Assembleia: Dia 28/08 – Encontrar-se, acolher – Chegada e Recreio festivo de acolhida. 18h – Acolhida e Jantar com Recreio. Dia 29/08 – VER – Onde estamos? 97 Nº 478 - Julho / Agosto 2017


Apresentação da Sistematização das Respostas à I CartaSubsídio; Moderador: Frei Fabiano Aguilar, OFM. Objetivo: Ampliar o olhar sobre a nossa realidade, se há elementos novos, ressonâncias, etc. Horizonte: dificuldades, possíveis estratégias, meios concretos, passos dados. Dia 30/08 – ILUMINAR – Por onde queremos caminhar? Assessor: Dom Antônio Carlos, MSC. Objetivo: apresentar meios concretos para fazer a caminhada, apontar questões práticas em termos de vida fraterna e pastorais, eclesiais. Horizonte: como efetivar algumas questões surgidas no olhar sobre a realidade, concretude, etc. Dia 31/08 – AGIR – Onde queremos chegar? Moderador: Frei Wellegton Jean de Sousa. Objetivo: levantar propostas e prioridades a serem apresentadas ao Capítulo. Horizonte: ponto de chegada e estratégias, identificar as dificuldades, agir, continuar a caminhada, quais os próximos passos que virão. Equipes: Secretaria: Frei Wellington Buarque e Frei Paulo Araújo; Liturgia: Frei Sérgio Moura e Frei Edson Mendes; Animação: Frei Marcos Osmar. V. CAPÍTULO PROVINCIAL 1. Relatórios Capitulares: Os Relatórios deverão ser entregues até o dia 01/11. Na última reunião da Comissão Capitular, serão compilados, impressos e enviados às Fraternidades até no máximo a dia 13/11. Não serão aceitos relatórios entregues no próprio Capítulo. Propomos a adoção de um modelo a ser seguido pelos Secretariados e Serviços. Cada Secretário deverá colher os relatórios dos Serviços que estão ligados ao seu Secretariado e inserir no seu relatório. No Capítulo, cada relatório irá dispor de no máximo 35 minutos para sua apresentação, à exceção dos Relatórios do Visitador e do Ministro Provincial, que terão em torno de 1 hora cada. A apresentação deve ser sintética e dinâmica, podendo se utilizar de meios mulitimedia: vídeos, fotos, apresentação em Power Point, etc... No modelo proposto devem constar nos relatórios três eixos centrais: Avanços, Desafios e Perspectivas. I. Quais os avanços quanto a decisões, recomendações e prioridades do último Capítulo em relação a esse serviço ou Secretariado? II. Quais os atuais desafios encontrados frente à realidade presente? Apresentar de forma descritiva a realidade. III. Quais as perspectivas que podem ser apontadas frente aos desafios levantados? Para onde os desafios nos projetam? Quais as estratégias que podem ser traçadas? 2. Relatórios que devem ser apresentados: I. Visitador Geral; II. Ministro Provincial; III. Secretariado Provincial de Formação e Estudos (SPFE): SAV / Etapas da Formação Inicial / Moderação da Formação Permanente; IV. Secretariado Provincial para a Evangelização e a Missão (SPEM): JPIC / Paróquias e Santuários / Missões / Movimentos Franciscanos / Comunicação / Terra Santa; V. Departamento Provincial 98 Nº 478 - Julho / Agosto 2017

de Administração e Economia (DPAE): Relatório Financeiro e Contábil / Relatório Administrativo / Departamento Histórico Provincial; VI. Casas da Alemanha. Observação: Canindé deverá apresentar dois relatórios, sendo um referente a questões administrativas (Rádios, situação jurídica e contábil), e que deverá ser incorporado ao Relatório do DPAE; e outro apresentando os aspectos referentes à Evangelização (paróquia, Santuário, atuação pastoral, acolhimento aos romeiros) e deverá ser incorporado ao Relatório do SPEM.

3. Equipes de serviços no Capítulo: A Comissão definiu quais as equipes de serviço e indicou quais confrades poderiam compor tais equipes, cabendo ao Definitório ratificar ou indicar outros nomes. Seguem os nomes confirmados: Secretaria: o Secretário deverá ser indicado e escolhido no Capítulo. Para ajudá-lo: Frei Dennys Santana, Frei Alleanderson Brito e Frei Rogério Lopes. Comunicação: Frei César Lindemberg, Frei Marcondes Uchoa e Frei Mendelson Branco. Liturgia: Frei Sérgio Moura, Frei Edson Mendes, Frei Artur Bruno Secundino e Frei Clerison Carvalho. Animação: Frei José Edilson Maurício, Frei Faustino dos Santos e Frei Lorrane Clementino. Redação e Sistematização: Frei Gilton Rezende, Frei Wellegton Jean Sousa e Frei Gilmar Nascimento. Saúde e Bem-estar: Frei José Teixeira (Frei Zezinho), Frei Izael Santana e Frei Ronaldo César. Economia e Recreação: Frei Severiano Alves, Frei Luiz Augusto (Frei Guto), Frei Francisco Alexandre e Frei Osmar da Silva. 4. Eleição de Deputados: Observação quanto ao nome de Frei César Lindemberg. Não foi incluído como candidato a Deputado no Regional PA/CE/RN, mas deverá ser considerado, por ocasião da apuração, caso receba votos.

5. Material do Capítulo: Relatórios (que foram entregues previamente); camisa do Capítulo; pastas com: livreto com os cantos, roteiros de orações e celebrações; bloco de anotações e caneta; e folha de avaliação. 6. PROGRAMAÇÃO DO CAPÍTULO

03/01 – QUARTA-FEIRA: Chegada / Hospedagem / Reencontro fraterno; 18h – Jantar-recreio.

04/01 – QUINTA-FEIRA: 06h30 – Eucaristia de Abertura do Capítulo; 07h30 – Café da manhã; 08h30 – Sessão de Abertura do Capítulo, Palavra de Abertura do Visitador, Aprovação do Regimento Interno e da Agenda, Eleição do Secretário, Moderadores, Escrutinadores e Cronometrista; 09h45 – Intervalo; 10h15 – II Sessão – Estudo e Reflexão do Tema – Irmã Áurea, IBP; 11h30 – Oração / Momento fraterno; 12h – Almoço; 14h30 – III Sessão – Estudo e


Reflexão do Tema; 15h45 – Intervalo; 16h15 – IV Sessão – Estudo e Reflexão do Tema; 17h30 – Vésperas 18h – Jantar. 05/01 – SEXTA-FEIRA: 06h30 – Eucaristia / Laudes; 07h30 – Café da manhã; 08h30 – I Sessão – Relatório do Visitador Geral; 09h45 – Intervalo 10h15; II Sessão – Relatório do Ministro Provincial 11h30 – Oração / Momento fraterno; 12h – Almoço; 14h30 – III Sessão – Trabalho em grupos; 15h45 – Intervalo; 16h15 – IV Sessão – Plenária; 17h30 – Vésperas; 18h – Jantar. 06/01 – SÁBADO: 06h30 – Eucaristia / Laudes; 07h30 – Café da manhã; 08h30 – I Sessão – Apresentação dos Relatórios: SPEM / SPFE; 09h45 – Intervalo; 10h15 – II Sessão – Trabalho em grupos; 11h30 – Oração / Momento fraterno; 12h – Almoço; 14h30 – III Sessão – Apresentação dos Relatórios: Administração e Economia / Alemanha; 15h45 – Intervalo; 16h15 – IV Sessão – Trabalho em grupos; 17h30 – Vésperas; 18h – Jantar; 20h – Prévias das Eleições. 07/01 – DOMINGO: 07h – Eucaristia com o povo; 08h30 – Café da manhã; 09h – I Sessão – Apresentação dos grupos e plenária (por temas); 11h30 – Oração / Momento fraterno 12h – Almoço. Tarde Livre; 18:00h – Jantar. 08/01 – SEGUNDA-FEIRA: 06h30 – Eucaristia / Laudes; 07h30 – Café da manhã; 08h30 – I Sessão – Apresentação das Propostas – Trabalho em grupos; 09h45 – Intervalo 10h15 – II Sessão – Trabalho em grupos; 11h30 – Oração / Momento fraterno; 12h – Almoço; 14h30 – III Sessão – Plenária; 15h45 – Intervalo 16h15 – IV Sessão – Plenária; 17h30 – Vésperas; 18h – Jantar. 09/01 – TERÇA-FEIRA: 06h30 – Eucaristia / Laudes; 07h30 – Café da manhã; 08h30 – I Sessão – Apresentação das Propostas Sistematizadas pela Equipe de Redação Discussão das propostas em plenária; 09h45 – Intervalo; 10h15 – II Sessão – Discussão das Propostas em Plenária; 11h30 – Oração / Momento fraterno; 12h – Almoço; 14h30 – SESSÃO ELETIVA – Cafezinho, Rito de Posse, Foto oficial; 19h – Jantar com Recreio Festivo. 10/01 – QUARTA-FEIRA: 06h30 – Eucaristia / Laudes; 07h30 – Café da manhã; 08h30 – I Sessão – Votação das Decisões e Prioridades; 09h45 – Intervalo; 10h15 – II Sessão – Avaliação, Considerações Finais e Encerramento – Envio; 12h – Almoço.

VI. PEDIDOS DIVERSOS 1. Frei José Teixeira Rodrigues (Frei Zezinho) escreveu ao Definitório pedindo que Frei Amilton o apresente à Cúria Geral para a Missão “ad gentes”. Na carta ele diz que já vem pensando neste assunto há alguns anos. Falou com Frei Giacomo Bini e com Frei José Rodríguez Carballo, ambos Ministros Gerais, mas na época não foi possível por conta de outras ocupações. Agora surge uma oportunidade de ir a Cuba e acha que este é um momento oportuno. O Capítulo Provincial é sempre o início de uma nova etapa. Os Definidores foram favoráveis a este pedido. 2. Ordenação Sacerdotal: Frei Pedro Júnior apresentou e foi aprovado seu pedido de ordenação sacerdotal. Ele propõe a data dia 18 de novembro de 2017 e como bispo ordenante Dom Frei Carlos Alberto Breis

Pereira – Dom Beto Breis. 3. Ordenações Diaconais: Frei Rogério Lopes, Frei Juscelino Pinto, Frei Dennys Santana, Frei Alleanderson Brito e Frei Faustino dos Santos apresentaram seus pedidos para serem ordenados diáconos. Os Definidores aprovaram os pedidos e estipularam a data de 04 de fevereiro de 2018, em Salvador, para a Celebração da Ordenação. 4. Ministério de Leitorato e Acolitato: Frei Macelo Freitas teve seu pedido aceito para ser investido nos Ministérios de Acolitado e Leitorato. A data deverá ser acertada com ele e sua fraternidade.

VII. ECONOMIA PROVINCIAL Frei Severiano apresentou um balanço da Economia Provincial e disse que é grande a inadimplência no Edifício Santo Antônio, mas que os advogados da Província estão tomando as devidas providências. Contou também que esteve no Rio de Janeiro participando do Encontro Nacional dos Ecônomos Provinciais. Neste encontro foi apresentada a situação financeira de cada Província. E ainda foi apresentado o livro Vademecum sobre as orientações do acordo entre a República Federativa do Brasil e a Santa Sé. Nos Estatutos Sociais devemos mudar o nome de Associação Religiosa para Organização Religiosa. Esta mudança é necessária para podermos nos adequar à legislação atual. VIII. PROJETOS PARA A MZF: Foram aprovados os seguintes projetos para a MZF: a) Clarissas de Campina Grande para a construção de três enfermarias no valor de R$ 79.300,04; b) Associação Ruatua de Salvador – BA para a Reforma do Espaço onde abriga a Sede do Movimento. Valor do projeto R$ 70.000,00. c) Irmãs Franciscanas de Maristella, para a recuperação do Centro Social Santa Terezinha, Chão de Estrelas, Campina do Barreto, Olinda – PE. O orçamento total é de R$ 38.619,01 e o valor solicitado é de R$ 27.215,21.

IX. Nota de Falecimento No Segundo do Definitório Provincial tivemos a notícia da morte da mãe de Frei Marcos Almeida, D. Dolores Melo. Ao nosso confrade e seus familiares os nossos sentimentos.

X. Festa de São Francisco A Festa de São Francisco em Canindé acontecerá de 24/09 a 04/10. Todos estão convidados a participar. O tema será: “Francisco restaura a minha Igreja”. Em outras casas de nossa Província também ocorrerá a Festa. Participem! Recife, 17 de agosto de 2017. Prot. 050/2017 Frei José Carlos Fernandes, OFM Secretário Provincial

Nº 478 - Julho / Agosto 2017

99


MUSEU VIVO DA ILHA DE DEUS A redação das Notícias reproduz aqui a matéria que foi publicada no Jornal do Commercio, em Recife, no dia 05.08.2017. A autora do texto, a jornalista Luiza Freitas, foi consultada, concedendo-nos a devida licença para a reprodução dessa matéria, que se encontra também disponível on-line, através do link abaixo: http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/geral/ noticia/2017/08/05/museu-ira-contar-historia-da-comunidade-da-ilhade-deus-299356.php

MEMÓRIA – Espaço vai abrigar mais de cinco mil documentos que contam as lutas e transformações vividas pelos moradores da comunidade.

Nos próximos três anos a comunidade da Ilha de Deus, na Zona Sul do Recife, irá escrever um novo capítulo da própria história. Durante esse período será estruturado o Museu Digital Frei Beda, erguido para reunir mais de cinco mil documentos que contam as transformações vividas pelos pescadores e catadores de marisco que ali vivem. Criado sob o conceito de “museu aberto”, pioneiro na cidade, o equipamento vai contar com a colaboração dos moradores desde a concepção do projeto até o seu funcionamento, além de fortalecer as iniciativas sociais e ambientais já existentes. O lançamento da pedra fundamental para a construção do museu será no próximo dia 19. A estrutura funcionará em um prédio já existente, em frente ao Marco Zero da Ilha. “Esse era um espaço muito excludente, de uma realidade social muito cruel. Até que o Frei Beda chegou aqui (na década de 1980) e começou a transformar isso junto com a comunidade. As pessoas são memória viva dessa história e elas são parte integrante desse museu”, afirma a museóloga responsável pela implementação da estrutura, Regina Batista. O nome que batizará o espaço é uma lembrança ao frade franciscano alemão que chegou ao Recife em 1983, quando a localidade era conhecida como Ilha Sem Deus, em função da realidade de violência e miséria. “Até que ele fez a primeira missa no local, que passou a se chamar Ilha de Deus, e, junto com a comunidade, foi mudando as coisas. Mas ele nunca impôs nada, nunca disse como deveria ser. Ele encontrou um caminho com a participação da comunidade”, afirma a presidente da ONG Saber Viver – uma das heranças do frei –, Nalvinha da Ilha.

100

Nº 478 - Julho / Agosto 2017

Desde a década de 1980 até sua morte, em 2015, o Religioso retornou periodicamente à comunidade e ajudou a manter ações sociais através do financiamento

de entidades católicas da Alemanha. Durante esse tempo a realidade local mudou bastante. O trabalho da igreja e de entidades não governamentais muniu os moradores de consciência política e afastou os forasteiros que iam para a ilha se esconder depois de praticar crimes. A comunidade composta quase que totalmente por palafitas começou a ser urbanizada em 2007, em uma ação do governo do Estado. No lugar do chão de lama e cascas de sururu foram construídas vias exclusivas para pedestres com a intenção de preservar as características de um vilarejo pesqueiro e casas de alvenaria. Em 2009, a ponte de tábuas que ligava a ilha ao bairro da Imbiribeira deu lugar a uma estrutura de concreto batizada de Vitória das Mulheres, uma homenagem ao papel determinante das catadoras de marisco para a transformação do local. Essa transformação foi registrada por Frei Beda e sua equipe, que ao longo dos anos anos reuniu um acervo de quase cinco mil fotos e vídeos do lugar e de seus habitantes. “Não tinha nenhum registro ou acervo conosco. Tudo estava na Alemanha e fomos lá buscar, enquanto ele ainda estava vivo”, conta o coordenador de projetos sociais da ilha, Edy Rocha. Junto a Nalvinha, ele peregrinou por várias cidades da Alemanha e Holanda para reunir o material e trazer de volta ao Brasil, já com a ideia de criar o museu. As fotografias datam principalmente das décadas de 1980 e 1990, registros de quando a maior parte das moradias era composta por palafitas e os moradores precisavam usar pequenos barcos para carregar os móveis para as casas. “No começo, o museu ia ser instalado em um cômodo da [ONG] Saber Viver, mas o material que encontramos foi tão rico e tão grande que aumentamos a ideia”, explica Edy.


‘JOVEM ,QUAL É A TUA?’ ECOS DO ENCONTRO PROVINCIAL DE JUVENTUDES 2017 “Jovem, qual é a tua? ” E a iluminação bíblica “Não temas. Estou contigo!” (Jr 1,8). Essa pergunta foi o tema central do 4º Encontro de Juventudes da Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil, realizado na Cidade de Canindé – CE, entre os dias 04 e 06 de Agosto de 2017, onde nos encontramos com mais de oitenta jovens de várias expressões franciscanas de todas as partes da Província, para compreender e dar sentido a essa pergunta, tão atual e que tanto nos incomoda, assim como incomodou os jovens Francisco e Clara, que ao encontrar tal iluminação abriram os caminhos para todos os que também querem ter voz, vez e lugar. O Encontro iniciou proporcionando um novo contato com seu “eu” e sua “luz interna” que nos levou a questionar a escuta pessoal da voz do Senhor por parte de cada um e a confiança que deve ser depositada no chamado que Ele mesmo nos confia, para que assim possamos alcançar o outro e criar redes, laços, teias de reciprocidade e verdade, para descristalizar as máscaras que tantas vezes criamos e deixar que a luz de Cristo que é viva em cada um de nós possa irradiar, nos fazendo enxergar novas possibilidades de atuação ativa e comprometida na vida, além de criar relações interpessoais mais sólidas. A partir daí nos foi dado a oportunidade de refletir diversos temas e debater as diferentes realidades em vários aspectos. Percebemos a importância da informação comprometida com o povo, que sai do povo e vai para o povo e como o ato de relacionar-se através das redes é importante, mas sem esquecer que é imprescindível ver o outro que está ao meu lado e reconhecer nele a imagem e semelhança do Pai. Com isso vemos que a “nossa” também é ajudar na garantia do respeito e acolhimento de todos, já que Jesus veio para os excluídos. Como é importante ouvir a voz dos que clamam por emprego, por novas oportunidades, pelo fim do extermínio de jovens, negros e mulheres. Não podemos fechar os nossos olhos enquanto a criminalidade torna-se cotidiana e as drogas falam tão alto

na nossa sociedade, como forma de “ascensão”, fuga das dificuldades, alternativas para lidar com as dores internas... Nós devemos buscar irradiar mais uma vez a Luz, mostrar que é Cristo que conduz as nossas vidas, que nos ajuda a caminhar sob os seus passos e nos leva a sermos também profetas, chamados a anunciar, denunciar e posicionar-se para exigir que o Estado garanta a juventude o direito de mudar sua realidade. A dignidade de filhos de Deus não pode mais ser deixada de lado, nós somos o maior bem de uma nação e nenhum ato de egoísmo pode roubar de nós a alegria de ser jovem. Poder encontrar aqueles que aguardavam tão ansiosamente quanto nós esse momento de troca, conhecer realidades, ouvir, viver, enxergar e entender o outro. Como as nossas culturas e nossa vivência franciscana podem ser tão diferentes em alguns pontos e ainda assim, tão comuns! É incrível perceber como nossa Mãe Igreja não poderia ter outro nome: Católica. Universal. Que compreende e abraça a todos sem distinção, e nesse mesmo seio maternal e acolhedor, somos formados de um jeito singular onde abraçamos uma liberdade e confiança cheia de plenitude, que nos faz ser capaz de deixar ser conduzidos pela ciranda da caridade, e assim ter coragem de enfrentar os nossos desafios diários, sem deixar de caminhar sobre a luz de Deus seguros de que podemos modificar o nosso meio. Cheios de vigor, confiança, esperança e fé, com a sede de crescer e multiplicar nossos dons é que queremos unir a nossa voz à voz de toda juventude franciscana do Brasil que se reunirá em julho de 2018, na cidade de Vila Velha (ES) para mostrar que a “nossa” é caminhar em unidade sob a luz que conduz a juventude à libertação. Jade Torres – Salvador/ BA José Hélio – Recife/PE Priscila Tazawa – Salvador/BA

Nº 478 - Julho / Agosto 2017

101


ca l realidade lo a h in m re ntos, fletir sob conhecime e me fez re s u o q v , o o s n o e h x il u ais o o tro marav E que me tr ara buscar cada vez m s. a o ss Um encon e p s uae de outra otivação p ncia, espirit ê iv v e d , a e a realidad s e muita alegria e m possainha vid ade única em m s. Espero que um dia ia c novas amiz n iê r e p o x d istórias ento. E rigado a to es, novas h b õ o ç o o it m aprimoram u e s M a . v ternidade rtilhar no lidade e fra mente e pa a v o n r a tr con mos nos en eriências! p e novas ex O EPJ fo paz e bem! i um mo Saudades, nedo/AL) e P – ré d me n tos form nA ados e sa nto de partilha e (Chrysthya i de lá tra a troca de nsforma prendizagem. Fu exp da, com i com co critível, a eriência com os uma ba nceiou mudança na minh tros colegas foi u gagem enorme. A mais ou me a fo m falar, sem nos julgadora. Sa rma de analisar momento indesas situaç í com ap pre, e nu ões ficou ren nc #EPJ201 7 #EPJEu a olhar o outro c dizado! “Ouvir m om pena fui (Erika A , e sim co ais do que raújo – F m empat ortaleza/ ia”. CE)

eive, ap t á j u que e e fez cantes EPJ 2017 m os r a m s s mai de. O sabem um riência a comunida Igreja, pois é e p x e o EPJ h a e n das n i , s s e m a n d e a a m v ei o foi u rticipativa n ncia dos jo s e da socied entes. Fiqu s r t n o c r â a port O En ito p e Deu e Deu s desc ser mu is ainda a im afastados d antos joven ois senti qu ome. e d r a a t n s s ,p santo ecer m a fé de r tanto róquia reconh uito triste ve a fortalecer r minha pa lorificar seu ar po eg m ento p o escolhida rar, louvar que é m i v o m do id ótimo liz por ter s im: servir, a B) e f m o de nde/P a s i r muit a G m a quer mpin ainda o – Ca i n u e f r u o E J aM #EP (Jéssic

Ainda me lembro quando o frei me convidou para o EPJ. Não sabia ao certo como seria e estava em dúvida se seria realmente bom. A maneira como eles se preocuparam com o nosso transporte, como nós fomos tratados; eu fui bem acolhido, me senti completamente à vontade, me senti em casa, sentia todos que estavam lá como se fossem meus amigos de infância; muitos vejo hoje como irmãos. Depois daquele encontro entendi o real significado de viver em comunidade; eu vou levar os valores que me foram passados para o resto da vida. Aprendi muito e vou ser sempre grato. Costumo orar pelas pessoas que amo antes de dormir e depois desse encontro foi como se todos que ali estavam passaram a fazer parte da minha família, todas as vezes que oro peço a Deus que abençoe a vida dos frades, postulantes e vocacionados que nos acolheram de braços abertos. Só posso agradecer a Deus por colocar todos vcs na minha vida. #MUITOOBRIGADO #GRATIDÃO #ATE2018 (Henrique Capistrano – São Francisco do Conde/BA)

Diante d ap paróquia roposta de ser co nvidado s, no EPJ a me unir m em trans com jove mitir a p e marcou muito a ns a z tr ! e ser inst rumento O jeito único no oca de experiênc de diferentes ias ros da (Francisc o Dieym quele que doou tu to de quem proc e a diversidade isson – C u d ra le o por todo anindé/C s! Grato!! var essa paz E)

102

Nº 478 - Julho / Agosto 2017


mpo que do. Faz um certo te tu r po r ce de ra ag aria de rpreendo com Antes de tudo, gost cada dia mais me su as m , ia qu ró pa ha iar isso mais participo da min semana pude vivenc de fim e ss ne e o, , eles me an esse amor francisc com alguns amigos o nd ta en m co , ro fim de encont ração por todo esse de perto. Antes do co eu m em u lo te que mar a espiritualidadisseram uma coisa povo de lá exala um o ; fé de r ga lu um de agradecer semana: Canindé é stes dias. Gostaria ne o iss i nt se te en engranalm is foi um momento de contagiante. E re po , k] kk [k os em ss esmo ra que fô da - desde antes m hi ol pela insistência pa ac a da to r po um de nós; pertencer a decedor para cada comigo a alegria de vo Le a. id rt pa na o m alegria de m outros jovens, a da chegada, até mes co o nt ju , do ia nc ve ter vi essa Província; e de so pelo sim de você nd za re i Francisco! re ta es e qu registrado aqui os fortaleça. Gostaria de deixar diariamente Deus e qu ra pa -, dé in para que Can l, e estarei rezando frades e pessoal de na io ac N ro nt co te pelo En Espero ansiosamen “Mais d possa ir. o s – João Pessoa/PB) planejo que se espera (Luciana Domingo v u pra c aminha a e surpreend foram da ent ae Deus n ssência inicia de cada jovem e da forma q ue Deu o coraç l, para ”, os so s no ão n eterniz ando-o de cada um. fim exalar o hos e expecta tivas che sn O (Luan F reitas – a fé e apaixon EPJ 2017 mar iro e o amor de cou cad ando-o Pesque s por e ira/PE) sse Cri a jovem sto gra ndioso !

vas onhecer no C . a s o h il v cia mara ente foi a experiên em ali pres m v u jo i a fo d a 7 c 1 0 e ma d O EPJ 2 igreja, foi u a realidade e r e d c a e d h a n h o c in izados pessoas e ncia de cam ntos organ u iê r ss e a p s x e o a e m vidade e ambiente mais que u anha criati ida; todo o m v e ta d e d ia c m n ra gelizar a experiê s do EPJ fo que é evan te a n s u ta a n c e s a re m ra 2017 foi pelos rep eles abraça que o EPJ i: e e v d r e to s n b e o depoim realmente o aqui meu s de vida que tive. ix e D . e d tu juven eriência elhores exp uma das m JEufui EP leza/CE) #EPJ2017 # “Eu sou ma iella – Forta r b a G is como aqu a n la (Thay ela andorin não voa”, co ha de asa qu mo canta o ebrada, que poeta Pe. Z to quanto fu voa e e zinho, era e i para o EPJ sse meu sen 2017. Na pri encontro co ti menmeira noite m um mom , começamo ento de mís lágrimas pe so tica e oraçã rderam tod o. Logo no a a sua timid momento, c início as ez. Chorei d omo que se urante todo ntindo algo um incômo aquele muito forte do do bem. e que me cau E n tendi aquilo chamado, q so u ue em seu a como um c mor, chama onfirmar do voar com m até mesmo Seu uita destrez os que não a. (Lidomar N sa b e m epomuceno – Aspirante – Fortaleza /CE)

te dias que daqui para fren de a ez rt ce a ou ix O EPJ de cansar e sem vou lutar, sem me melhores virão e eu ssar. deixar o tempo pa irante – Recife/PE) (Igor Santos – Asp

Nº 478 - Julho / Agosto 2017

103


NOTÍCIAS

DA PROVÍNCIA FRANCISCANA DE SANTO ANTÔNIO DO BRASIL MINISTRO PROVINCIAL: Frei João Amilton dos Santos, OFM VIGÁRIO PROVINCIAL: Frei Sérgio Moura Rodrigues, OFM REDAÇÃO: Frei Wellington Buarque, OFM DIAGRAMAÇÃO: Klyverton Fernandes REVISÃO FINAL: Juliana Caroline Gonçalves Almeida, JuFra Colaboraram nesta edição: Frei José Carlos Fernandes, OFM; Frei César Lindemberg, OFM; Frei Dennys Santanna, OFM; Frei Mendelson Branco, OFM; Frei Juscelino Pinto, OFM; Frei Elivânio Luiz, OFM; Frei Jean Santos, OFM; Frei Wellington Reis, OFM; PASCOM Paróquia Sagrado Coração de Jesus, Olinda; Irmãs Clarissas de Canindé; Jade Torres; José Hélio e Priscila Tazawa. CRÉDITOS DAS FOTOS: João Pedro (Aspirante – Canindé; Frei Wellington Buarque. EXPEDIENTE: SECRETARIA PROVINCIAL

104

Nº 478 - Julho / Agosto 2017

ORDEM DOS FRADES MENORES - Província Franciscana de Santo Antônio do Brasil Rua do Imperador, 206 – Recife-PE - CEP 50010-240 – Tel: (81) 3424-4556 www.ofmsantoantonio.org / E-mail: ofmnordeste@gmail.com