Page 1

Director José Carlos Gomes Editor Ângela Duarte

ANDRÉ REIS DUARTE

Mensário da Junta de Freguesia | Ano V | Edição N.º 66 | JUNHO de 2010 | Distribuição gratuíta | www.noticiasdafreguesia.blogspot.com | noticiasdafreguesia@gmail.com

Adeus a 20 toneladas de lixo

ÂNGELA DUARTE

José Carlos Marques, sociólogo

“Freguesia merecia uma caracterização social das suas gentes”

ÚLTIMA

Passeio Sénior em Julho À semelhança dos últimos anos, a Junta de Freguesia irá organizar um passeio para os seniores da freguesia. Ainda não eram conhecidos, à data de fecho de edição, muitos pormenores relativos ao passeio. Contudo, este será em Julho. Mais informações serão avançadas, oportunamente, pela Junta de Freguesia, nos locais devidos e em avisos nas missas.


2|

JUNHO2010 | NOTÍCIASDAFREGUESIA | OPINIÃO . NECROLOGIA

Bloco de partos, correria de enfermeiros, um bebé prestes a nascer, a inquietação de se tudo correrá bem. Parece que sim, que tudo está dentro de parâmetros normais. Nasce, sem grande custo, abre os foles e toca de deitar berraria cá para fora. E aquele choro pode ser entendido como uma forma natural e boa de protesto. Mal seria que o não fizesse. Os pulmões até então fechados sobre si mesmos precisam de abrir-se e começar a desempenhar a sua função no corpo e na vida daquela criança. Um protesto pela simples razão de haver um corte na tranquilidade do, até então, vivido no ventre materno. O tempo passa, e o estar sozinho no bercito, sem a mãe por perto, dá berro certo, até que um colo o sustenha e acaricie. Uma palmada nas mãos porque, aos dois anitos, se recusa a deixar estar dentro dos móveis aquilo que tanto custou a arrumar. Um bater o pé porque, durante a ida ao shopping, os pais queriam recusar aquele telemóvel igual ao da coleguinha, a Patrícia. Um bater violento de porta e tromba feita porque se não permitiu imediatamente aquela saída, não se sabe bem para onde, nem com quem, nem fazer o quê. Protestos de rua porque o Estado limita as verbas disponíveis para o ensino superior: como podem os pais pagar mensalmente tanto dinheiro se alem de propinas há as extravagâncias da noite com os amigos, a cerveja que é preciso beber durante a semana académica e um curso de quatro anos que é tão difícil e que, por isso mesmo, demora sete anos para terminar? Protestos porque a casa que se fez nas dunas da praia foi arrastada pela corrente e agora o Estado não quer dar indemnizações. Protestos porque os professores dos filhos… e o padre… e a polícia… e as estradas… e…

As palavras do senhor prior Pe. José Baptista

Mãos e vidas fechadas Nasceu com as mãos cerradas e assim as manteve pela maior parte do tempo em que se foi desprendendo da infância, na verdadeira acepção da palavra, e agarrando a outras coisas. Os pais, presos a ideias liberalizadas de que não é bom contrariar os meninos, coitadinhos; de que todos têm os mesmos direitos, filhos, filhas, cães, gatos e outras bicharadas mais, vão cedendo uma vez, duas… sempre, talvez, e o tempo que poderiam estar com eles, os filhos, é escasso. A melhor coisa é oferecer-lhes uma consola qualquer para que fiquem lá refasteladinhos a jogar sem chatear ninguém. Claro que há a vantagem, dirão alguns, de o Estado ir distribuindo uns computadores quase de graça. Assim as crianças podem estudar sozinhas e aprender tudo lá. Ainda bem que se pensou em tudo e algumas coisas vêm bloqueadas, mesmo que a palavra desbloqueadora esteja à mão de semear. E enquanto estão a estudar no computador não vêm com aquelas conversas parvas de perguntar como se fazem os bebés ou como é que eles nascem, até porque, normalmente, se sabe como se faz, mas não se sabe explicar, porque muitas vezes só se sabe falar disso em conversas tolas de “cabra macho” como dizem os brasileiros. E os filhos vão

crescendo, lá no seu mundo, porque para nos fazer companhia há os animaizinhos, que não pedem nada nem protestam e até nos acariciam roçando-se preguiçosos. E os filhos vão crescendo, lá no seu mundo, iguaizinhos a tantos outros, que crescem da mesma forma porque a informação que lhes chega é a mesma, porque a fonte é a mesma e não há, muitas vezes, ninguém presente que, com responsabilidade, lhes mostre um caminho diferente. A escola “ensina” tudo, e a escola ensina que a “adolescência é o tempo da masturbação” e ensina como se faz, mas não ensina que o afecto e a partilha, também de prazer, são essenciais para a vida em comunidade e que a busca solitária de prazer pelo prazer, nos fecha mais sobre nós mesmos e nos torna mais egoístas. Porque a adolescência não é o tempo da masturbação, esta é que é uma descoberta do tempo da adolescência. E a escola ensina também, e isto, como o anterior, segundo os manuais de educação sexual que está a tornar-se obrigatória nas escolas, que as experiências e jogos sexuais com pessoas do mesmo sexo são bons e só fazem bem. Éramos muito inteligentes no passado: não tivemos (des)educação sexual na escola e

não deixámos de aprender e descobrir as coisas, porque tínhamos exemplos construtivos em casa. Tornámo-nos homens e mulheres, cada um com seus feitios e defeitos, mas minimamente definidos. Com este jeito de defender que todos somos iguais, quase sem tirar nem pôr, corremos sérios riscos de deixarmos de saber quem somos, de onde viemos ou para onde vamos. Que a educação, sexual ou não, se deve fazer nas escolas, sem dúvida, mas que, na escola e em casa, não se deixe de apresentar modelos e de se dizer a verdade “verdadeira” e não apenas a verdade que convém, porque educar não é semear e deixar crescer em estufas, mas dar a mão e sujar os pés na poeira e ensinar que “um homem é um homem e um bicho é um bicho” para que as crianças aprendam que ser feliz custa e faz sofrer e que os bebés não se fazem como nos desenhos de computador, mas na envolvência terna de um homem e de uma mulher que se confiam um ao outro num misto de amor e prazer. Estamos a criar indivíduos, não seres sociais, a ensiná-los a viver sozinhos e a ter apenas direitos: nascem, vivem e morrem a protestar, sem repararem que também deviam ter deveres, obrigações. Depois, daqui a meia dúzia de anos, vamos protestar nós, porque precisamos deles e eles não vão estar lá para nos ajudar. Os cotas (os velhos) serão, para as próximas gerações, estorvo maior que actualmente, e têm razão, nós ensinamos aos nossos filhos que é assim mesmo e que importa somente o que cada um pensa e sente. E ouvi-los-emos, com verdade, dizer que não são, de facto, felizes. Com razão nos atirarão as pedras a nós.

Necrologia

< Abílio Domingues Pereira de Oliveira, de 45 anos, faleceu dia 22 de Junho. Residia em Chã da Laranjeira e era casado com Carminda Pereira Caetano de Oliveira Foi a sepultar no cemitério de Souto da Carpalhosa.

< Emília dos Santos, de 80 anos, faleceu dia 21 de Junho. Residia em Moita da Roda e era casada com Domingos Ferreira Eugénio. Foi a sepultar no cemitério de Moita da Roda.

FICHA TÉCNICA

Notícias da Freguesia de Souto da Carpalhosa Título anotado na ERC Depósito Legal 282840/08 Director José Carlos Gomes

Editor Ângela Duarte Colaboradores Albino de Jesus Silva, Carlos Duarte, Cidalina Reis, Eulália Crespo, Elisa Duarte, Gastão Crespo, Guilherme Domingues, Gustavo Desouzarte, Hugo Duarte, José Baptista (Pe.), Luisa Duarte, Márcio Santos, Mário

Abertura

José Carlos Gomes

Paisagens Foi com agrado que verificamos a retomada das obras de saneamento na freguesia. Esperamos que desta vez as mesmas avancem sem interrupções e que a empreitada termine o mais rápido possível, para se poder passar a usufruir de uma infra-estrutura imprescindível numa sociedade moderna como a nossa. Por outro lado, com a sua conclusão, deixará de servir de desculpa para o adiamento da requalificação de algumas vias principais que atravessam a freguesia e que apresentam elevado nível de degradação. Sabemos que se encontram em fase de conclusão os projectos com vista à cobertura de saneamento dos lugares não contemplados na adjudicação em curso. Segundo o executivo Camarário, a freguesia ficará com o saneamento concluído em 2013. A iniciativa “Limpar Leiria” foi um grande sucesso, para o qual a nossa freguesia contribuiu com a sua entusiasta participação. Gostaríamos que as preocupações ambientais não se esgotassem nestas iniciativas e que estivessem enraizadas no nosso consciente. Se assim fosse, não seria seguramente necessário promover mais iniciativas do género e teríamos um ecossistema muito mais equilibrado.

notícias da freguesia, todos os meses, também na internet

Duarte, Orlando Cardoso, Simão João, Sofia Agostinho, Associações e Escolas da Freguesia.

Fax 244 613 751 E-mail noticiasdafreguesia@gmail.com

Propriedade Junta de Freguesia Largo Santíssimo Salvador, nº 448 2425-522 Souto da Carpalhosa

Website noticiasdafreguesia.blogspot.com

Telefone 244 613 198

Periodicidade Mensal

Tiragem 1000 exemplares

Distribuição Gratuita Projecto gráfico www.3do3.blogspot.com Impressão OFFSETLIS, Marrazes, Leiria Tel.: 244 859 900 Fax: 244 859 910 E-mail: geral@offsetlis.pt


SOCIAL . OPINIÃO | NOTÍCIASDAFREGUESIA | JUNHO2010

Durante este mesmo período, é obrigatório: - Que tractores, máquinas e veículos de transporte pesados, utilizados em trabalhos nos espaços florestais, estejam dotados de dispositivos de retenção de faíscas ou faúlhas e de dispositivos tapa-chamas nos tubos de escape ou chaminés; - Que os tractores, máquinas e veículos de transporte pesados, estejam equipados com um ou dois extintores de 6kg; - O condicionamento de acesso, de circulação e de permanência de pessoas, em: - zonas críticas, - áreas regime florestal, - zonas onde exista sinalização. Em todos os espaços rurais, durante o período crítico, só é permitido empilhar em carregadouro produtos resultantes de corte ou extracção desde que seja salvaguardada uma área sem vegetação com 10 metros em redor e garantido que nos restantes 40 metros existe gestão de combustíveis. Em caso de incêndio ligue 117!

Espaço Saúde

Dr. Gustavo Desouzart*

Verão é o tempo do calor, das alegrias, da diversão. O sol sempre brilhante traz felicidade às pessoas e até parece que o nosso coração é quem dá as ordens. Assim como a Primavera se desenvolve naturalmente para o Verão, também a energia expansiva e criativa do elemento Madeira amadurece para a energia do elemento Fogo. Esta é a fase mais cheia de energia de todo o ciclo. O Fogo está associado ao coração, que é o local das emoções e o órgão que distribui o sangue e a sua energia pelo corpo. A sua cor é o vermelho, a cor do

Trabalhos da Junta Período crítico até 15 de Outubro

Risco de incêndios

Durante o mês de Junho, procedeu-se à execução dos seguintes trabalhos por parte da Junta de Freguesia: - Trabalhos de Limpeza nos lugares de Conqueiros, São Miguel, Penedo e parque de merendas do Vale da Pedra; - Trabalhos de limpeza nas escolas do 1.º Ciclo das Várzeas, Chã da Laranjeira e Pré Escola do Vale da Pedra; - Colocação de base para contentor na Arroteia; - Arranjo da canalização de água no cemitério do Souto da Carpalhosa; - Espalhamento de herbicida nos lugares de Várzeas, Arroteia, Picoto, Souto, Moita da Roda e Conqueiros.

62.º Aniversário do Rancho Folclórico

Estrelas das Várzeas em festa Nos dias 3 e 4 de Julho o Rancho Folclórico Estrelas das Várzeas comemora o seu 62.º aniversário. Para celebrar a data, o aniversariante promove um fim-desemana cheio de animação, nas Várzeas. O programa: Dia 3, Sábado 14h00 – Música Ambiente 19h00 – Abertura do Restaurante 20h30 – Missa 22h00 – Actuação do organista/vocalista Nelson Marto 24h00 – Encerramento do Arraial Dia 4, Domingo 10h00 – Música Ambiente 12h00 – Reabertura do Restaurante 15h00 – Início do desfile folclórico 16h00 – Actuação dos Ranchos Convidados: - Rancho Folclórico Estrelas das Várzeas - Rancho Folclórico de Lagoinha – Palmela - Grupo Etnográfico Corticeiro-de-Cima – Cantanhede - Rancho Folclórico do Pinheirinho – Pombal 21h00 – Actuação do teclista/vocalista João Vitor 24h30 – Encerramento do arraial

DIREITOS RESERVADOS

A Divisão de Protecção Civil e Bombeiros faz saber que, este ano, é esperado um Verão quente, com temperaturas altas, pelo que faz saber quais as medidas a vigorar no período crítico de 2010 (de 1 de Julho a 15 de Outubro). Assim, durante o período crítico, não é permitido: - Realizar queimadas para renovação de pastagens; - Lançar balões com mecha acesa ou quaisquer tipos de foguetes (salvo com autorização prévia da Câmara Municipal); - Realizar acções de fumigação ou desinfestação em apiários, excepto se os fumigadores estiverem equipados com dispositivos de retenção de faúlhas; - Fazer lume ou fogueiras, excepto nos locais expressamente previstos para o efeito (parques de lazer e recreio); - Lançar pontas de cigarro para o chão; - Queimar sobrantes cortados e amontoados (excepto se decorrente de exigências fitossanitárias, devendo nesse caso a queima ser realizada conforme previsto na legislação em vigor).

|3

Verão, tempo de alegria

sangue e do calor. Esta energia está associada ao amor e à compaixão, à generosidade e à alegria, à abertura e à abundância. Se bloquearmos esta energia, o resultado é a hipertensão, os problemas de coração e as desordens nervosas. O calor em excesso também pode provocar uma agitação interna nas pessoas, o que leva a um maior consumo de energias e líquidos do organismo. Há também os riscos da desidratação e da insolação, que afectam principalmente as crianças.

Emagrecimento não só no verão Dentro da visão da Medicina Chinesa, a obesidade é uma doença moderna, devido a “boa alimentação“, excesso de doces, excesso de gordura, falta de exercícios. Por que a gordura engorda? Essa parece uma pergunta um tanto quanto redundante, mas na verdade a gordura está presente em quase todos os alimentos industrializados, e cumprem algumas funções bem específicas, como realçar o sabor de alguns alimentos. O problema que toda essa gordura que nós comemos sem perceber acaba ajudando também ao aumento de peso. É bom lembrar que o emagrecimento é uma fase e a fase seguinte é a de manter o peso conquistado. Junto com este, a pessoa deve iniciar uma manutenção que inclua exercícios e dieta equilibrada. Quanto mais rápido o emagrecimento, menos tempo de preparar o corpo para a manutenção do peso. A acupunctura pode ajudar a equilibrar as causas dos distúr-

bios relacionados à alimentação e o peso, mas torna-se muito mais eficaz quando combinada com aconselhamento e meditação. O aconselhamento não envolve apenas a orientação de uma nutrição equilibrada e exercícios adequados e regulares, mas também envolve uma profunda e sincera compreensão da personalidade e do padrão de vida. Devemos nos consciencializar que emagrecer é, antes de tudo, um processo de autoconhecimento, uma grande dose de amor e desejo de emagrecer e conhecimento dos factores que envolvem a obesidade. O Alimento do Verão Quando saímos da estação do frio e nos aproximamos do calor, precisamos fazer o processo inverso com os alimentos. Portanto, devemos optar por alimentos refrescantes. No Verão, a energia é exuberante e o sol irradia o seu calor em todas as direcções. A semente que brotou na Primavera tomou corpo e já oferece

seus primeiros botões e frutos. Nós também desabrochamos e mostramo-nos vestindo menos roupas, conversando com as pessoas, buscando novos amigos sem pressa ou grandes esforços impedidos pelo grande calor. É o momento da troca do calor humano, da boa convivência com os amigos e familiares. Em relação à alimentação, o nosso corpo pede muita fruta, muita salada, alimentos mais leves de digestão rápida e fácil, pois já perdemos muito com o calor. Precisamos comer menos por refeição e fazer mais refeições, porque perdemos muitos nutrientes através da transpiração e precisamos repor o tempo todo, principalmente as vitaminas. Pratos à base de peixe e legumes escaldados são uma boa opção. “O ser humano que adere à sua verdade interior brilha em todo o seu esplendor.” (H. Antar) Saúde e Paz para todos! * Medicina tradicional chinesa


“A freguesia do Souto da Carpalhosa merecia pelo menos uma caracterização social das suas gentes”

JUNHO2010 | NOTÍCIASDAFREGUESIA | SOCIAL . ENTREVISTA

Souto da Carpalhosa

Torneio da Freguesia regressa

A Moita da Roda recebe, este ano, a quinta edição do torneio de futsal da freguesia de Souto da Carpalhosa. A competição arranca 17 de Julho com a fase de grupos.

Picoto

Festas em honra de S. Pedro Pelo segundo ano consecutivo – após um interregno de anos – Picoto volta a honrar o seu padroeiro, S. Pedro, com uma festa no dia 18 de Julho. Assim, no dia 18 as festividades começam com o almoço, a decorrer na cave da capela a partir das 12h00, seguindo-se a missa solene às 15h00 com procissão. A tarde ficará ainda preenchida, segundo a comissão, com actividades recreativas e música a cargo de um organista.

José Carlos Laranjo Marques (na foto, à direita) tem 41 anos, é sociólogo, investigador, docente no Ensino Superior, natural da Carreira e reside no Picoto há 12 anos. Como nasce o gosto pela investigação e, em particular, pelos fenómenos da migração? Na área da sociologia sempre me interessou conhecer as realidades sociais, a forma como as pessoas se relacionam, com o seu ambiente e com os seus concidadãos. As migrações, como área principal de investigação, surgem também devido ao meu passado de migrante. Osmeus pais foram emigrantes, eu também fui durante uns 12 anos, fiz as escolaridade na Alemanha… o que suscitou um interesse particular por esta realidade, e o facto de estarmos numa região de muitos emigrantes, também teve um peso importante. O meu objectivo inicial era estudar a emigração portuguesa para a Alemanha, mas, enquanto fenómeno já estava algo estudado… e na altura, ainda estava eu na tese de mestrado, havia um fenómeno pouco estudado, que era a emigração portuguesa para a Suíça, e então comecei a estudar isso. Primeiro numa forma descritiva, e depois parti para a tese de doutoramento aprofundando essa realidade, a evolução dos portugueses na Suíça, a integração no mercado de trabalho, a integração social… Estudos que implicaram que também estivesse algum tempo na Suíça. Como é que é investigar em Portugal? Há apoios, verbas e quem queira apostar na investigação? Não há tantas como noutros contextos, mas há uma grande entidade promotora e financiadora que é a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) que lança regularmente concursos para projectos de investigação, sujeitos a uma avaliação internacional. São avaliados e os que o júri considerar melhores são financiados. Eu tenho tido a sorte de alguns terem sido financiados, mas já houve outros que não… mas não se pode desistir. (…) Ser bolseiro é sempre uma situação muito precária. Tem-se uma garantia financeira durante um ou dois anos, durante o funcionamento do projecto, mas depois a renovação de contrato, ou a obtenção de uma nova bolsa, está dependente de haver novo projecto de investigação. Não há garantias que haja uma regularidade

na obtenção das verbas, isso é muito penalizador para aqueles que queiram iniciar investigação. Iniciou, recentemente, funções de coordenador do CIID (Centro de Investigação Identidades e Diversidades). Qual a sua principal missão e objectivos a partir de agora? Em Fevereiro assumi a coordenação científica do CIID, até então ocupada pelo professor Ricardo Vieira, que foi desde a criação o coordenador, e que achou que era altura haver alguma rotatividade nas funções. O CIID quer crescer. O CIID é um dos centros de investigação do IPL [Instituto Politécnico de Leiria], este mais abrangente na área das Ciências Sociais. (…). Actualmente o IPL apostou na investigação e lançou um concurso interno para projectos de investigação e temos agora a funcionar no CIID cinco projectos financiados pelo IPL… o que nos permitirá, no futuro, conseguir subir na classificação atribuída ao centro de investigação.

ÂNGELA DUARTE

4|

Acha que a freguesia de Souto da Carpalhosa poderá ter um potencial interesse do ponto de vista sociológico? Todas as realidades regionais merecem ser, pelo menos, objecto de investigação social. Não sei se será mais sociológico, antropológico, ou etnológico, mas penso que a freguesia do Souto da Carpalhosa merecia pelo menos uma caracterização social das suas gentes, das suas populações, porque é algo que está a falhar. No conhecimento que temos, que poderemos ter a partir dos censos de 2001, mas é algo que neste momento já está totalmente desactualizado. Poderemos ter outro reconhecimento da população em 2011, aquando novos censos, e seria interessante pegar nesses dados e até em dados complementares do INE [Instituto Nacional de Estatística] para pelo menos fazer uma caracterização da população da freguesia do Souto a partir desses dados. Depois, caso se considerasse relevante, estudar outros aspectos. Podia-se sempre aproveitar alguns estudantes que existem na terra para promover estudos, pequenos estudos de caracterização das gentes. Lembro-me que, no ano passado, o professor Jorge Arroteia, que é de Monte Redondo, enviou-me um livro que ele fez sobre Monte Redondo, sobre a história, as gentes, a constituição… é

algo que a freguesia do Souto não tem. E é algo que naturalmente se poderia fazer. Algo que poderia dar uma imagem da terra. Na freguesia, constata-se uma forte fixação de população oriunda de países do leste da Europa, de países asiáticos, também do Brasil… Será a nossa região um pólo de atracção, ou o que se assiste aqui, na freguesia, é generalizado? Sobretudo a partir dos finais da década de 90, com a vinda dos imigrantes oriundos da Europa de leste, assistimos a muitas aldeias que antes não tinham imigrantes alguns, para quem o imigrante era algo muito exótico, começaram a ter populações imigrantes. Também os imigrantes de leste, ao contrário dos oriundos das ex-colónias, espalharam-se mais pelo nosso país ao contrário dos outros que se concentravam sobretudo em Lisboa e no Porto e em poucas mais regiões. Por isso é que por vezes essas comunidades são um pouco invisíveis. Sabemos que há… mas nem sabemos bem quantos são, nem onde é que vivem. Os portugueses, que um dia foram lá para fora à procura de uma vida melhor, e que sabem as dificuldades porque quem passa quem sai do seu país, sabem receber o estrangeiro (não o turista, mas aquele que se fixa cá)? Isso é uma questão bastante problemática. Geralmente, é afirmado que por nós termos sido emigrantes também somos capazes de acolher melhor os emigrantes que chegam ao nosso país. Esta relação não diria que é assim imediata. Uma pessoa pode ter sido emigrante e não saber receber os emigrantes. Acho que o facto de a pessoa ter sido emigrante não a habilita automaticamente para uma relação es-

pecífica com os imigrantes. Pode facilitar, mas, por vezes, pode não acontecer e pode mesmo dificultar. Com o acentuar da crise pensa que iremos assistir a um novo fenómeno da emigração em massa? Já se está a verificar a saída de bastantes indivíduos de nacionalidade portuguesa. Nesta fase talvez Portugal ainda não se tenha dado conta disso, porque os outros países também estão numa situação não muito positiva. Mas mesmo assim, estarão provavelmente melhor do que Portugal e… algumas estatísticas dizem que nos últimos quatro anos saíram de Portugal cerca de 100 mil portugueses. Estatísticas estas com base nos dados dos países de acolhimento, pois Portugal não tem estatísticas daqueles que saem. Os dados que existiam eram até 1986, com base nas informações do passaporte. O facto de os portugueses terem muitos conhecidos no estrangeiro – toda a gente tem alguém da família lá fora – é um recurso que os portugueses podem usar em situações que considerem mais adequadas. Quando perdem um emprego em Portugal podem recorrer ao tal familiar para saber se existe possibilidade de emigrar. Também de salientar que a população que emigra é cada vez mais qualificada, há muitos licenciados a saírem, o que naturalmente é uma perda para o país… Assistimos a uma fuga de cérebros? Assistimos a um desperdício de cérebros. Muitos que saem, saem com qualificações superiores, mas depois vão exercer profissões que não são adequadas às suas qualificações. O que é à semelhança do que nós fazemos com os imigrantes de leste! Também é um desperdício de cérebros.

Operação Thunder Fox

Ao todo foram cerca de 70 praticantes airsoft, oriundos de norte de a sul do país, que de 26 para 27 de Junho estiveram, de armas em punhos, na Charneca do Nicho. O airsoft é uma actividade lúdica, aspirante a prática desportiva, apresentando-se como um jogo táctico em equipa, cujas regras são extremamente dinâmicas e adaptativas ao cenário envolvente. Segundo João Almeida, responsável e organizador deste encontro, formador e team

leader da equipa Ghost Elite Team, afirma que “o terreno foi bastante elogiado e todas as críticas, para além de construtivas, foram muito positivas”. Além disso, “o convívio, esse, logicamente, é sempre o melhor num evento de airsoft”. Após a realização da Operação Thunder Fox, João adiantou ainda que há fortes possibilidades de se vir a concretizar um campeonato nacional de airsoft, com o apoio da Federação Desportiva de Softair, integrando a região, porém, “isso terá de ser

discutido mais tarde e com quem de direito”. “A organização agradece a todos os participantes pelo jogo, pela aventura e pelo convívio; à Junta de Freguesia pela cedência de espaço e à colaboração dos Bombeiros Voluntários da Ortigosa”. Para quem quiser conhecer mais esta prática de jogo táctico e conhecer todo o rescaldo do jogo que decorreu na freguesia, deverá consulta o fórum http: //ghost-elite-at.forumeiros.com.

SOFIA AGOSTINHO

Charneca recebe praticantes de todo o país


DIA DA CRIANÇA | NOTÍCIASDAFREGUESIA | JUNHO2010

Gostei de ver e ouvir a história (Tiago, Eduardo, Joana, Inês, Pedro e João) Gostei de mexer no barro (Mariana, David, Cláudia e Pedro) Gostei dos jogos (Joana, Cátia, Joaquim, Diana, Bruno, Renato, Duarte, Filipe e Francisco) Gostei de fazer construções com o barro (Eduardo, Laura e Renato) Gostei do poço da nora, que era muito fundo (Bruna Domingues, Bruna Filipa e Cláudia) Gostei do cão velho (Inês)

Junta de Freguesia mais colorida em Junho Durante o mês da criança, Junho, estiveram expostos na Junta de Freguesia alguns trabalhos dos meninos das Pré-escolas e escolas de 1.º ciclo da freguesia.

Para os que não tiveram oportunidade de ver o colorido na junta, aqui ficam os registos.

O sol radiante foi o primeiro sinal de que ia ser um bom dia. Ao chegar às instalações da Pré do Vale da Pedra, as gargalhadas das crianças confirmam isso mesmo. No Dia Mundial da Criança, a pequenada do Souto reuniu-se com a do

Vale da Pedra para várias actividades e brincadeiras no dia que lhes é especialmente dedicado. Teatrinho, pinturas faciais, brincadeiras de rua, jogos e desenhos… para tudo houve tempo e para todos os gostos. Aqui ficam alguns desses momentos.

Gostei do bolo do dia da criança (David) Gostei de ver animais (Cláudia) Não gostei que os outros meninos fizessem batota (Tiago, Mariana, Joana, Laura, Joaquim, David, Diana, Duarte, Filipe e Pedro) Não gostei do jogo de puxar a corda (Inês) Não gostei do teatro (Renato) Não gostei de não ter jogado (João) EB1 Moita da Roda (Turmas do 2.º e 3.º anos)

Neste dia lembramos que todas as crianças têm direitos e deveres e ainda que as crianças diferentes merecem mais cuidados e atenção. Todos os dias da criança são diferentes, mas este foi mais diferente ainda. Foi um dia divertido que passámos no Agromuseu D. Julinha, Ortigosa. EB1 Moita da Roda (Turmas do 1.º e 4.º anos)

EB1 do Souto comemora na autarquia

Prés do Vale da Pedra e do Souto da Carpalhosa...

|5

Ao todo, foram cerca de 1200 crianças a participar nas actividades da autarquia, que tiveram como palcos principais o Castelo de Leiria e Estádio Municipal Magalhães Pessoa. As crianças da EB1 do Souto da Carpalhosa puderam celebrar o dia que lhe és especialmente dedicado, participando na já tradicional Assembleia “Pequenos e Deputados”, onde participaram 60 pequenos “deputados” em representação de 15 escolas do ensino básico. Todas as crianças almoçaram no estádio municipal e durante a tarde assistiram a várias actividades e coloriram o céu com os magníficos papagaios que elaboraram (ver foto) e que, posteriormente, estiveram durante o mês de Junho expostos nas instalações da Junta de Freguesia de Souto da Carpalhosa. Ainda neste dia, o Agromuseu Municipal D. Julinha, na freguesia de Ortigosa, acolheu cerca de 160 crianças, como foi o caso da EB1 da Moita da Roda, onde realizaram jogos e participaram em oficinas temáticas.

GNR nas Várzeas e Moita da Roda

Visita(s) da “Escola Segura”

Dia 4 de Junho, tivemos uma visita na nossa escola: dois elementos da Guarda Nacional Republicana (GNR). A agente Gina Sousa, da “Escola Segura”, e o agente Santos, da Brigada de Cinotecnia (K9), estiveram connosco durante a manhã deste dia. Nós fomos até ao recreio, onde o agente Santos nos explicou o seu trabalho. Ele trouxe consigo dois cães. A raça dos cães era Labrador. Eles estavam treinados para detectar droga. O primeiro cão chamava-se Pardal, era preto e tinha doze anos. O outro animal era uma cadela, chamava-se Casca, era castanha, tinha um ano e andava a aprender. Depois, dentro da sala, a agente Gina mostrounos um vídeo do “Tinoni e Companhia”. Recordámos as regras de “Segurança na praia” e “Prevenção de incêndios na floresta”. No final, fizemos o jogo da praia. A agente deu-nos panfletos, autocolantes e livros. À saída, ela disse que nos tínhamos portado muito bem e desejou-nos sorte nos estudos. EB1 Várzeas Também nós, no dia 20 de Abril fomos visitados por a GNR. Eles não vinham sozinhos. Traziam uma linda, simpática e educada cadela, chamada Ninja. O senhor treinador Pereira mostrou-nos algumas habilidades com a Ninja. É que esta cadela era treinada para encontrar pistas de criminosos. Adorámos a visita e ainda ver como uma cadela pode ser útil. EB1 Moita da Roda


6|

JUNHO2010 | NOTÍCIASDAFREGUESIA | OPINIÃO

A pouco e pouco vamos lá! Começo desta forma um elogio ao nosso jornal. Para além dos colaboradores cada vez mais numerosos, a edição 64 continha uma página especialmente dedicada às escolas. Regozijo para muitos, mas sobretudo para as crianças, que devem ser incentivadas a participar mais e mais! Só quem lida com elas sabe quanto apreciam verem os seus trabalhos colocados em evidência, nomeadamente, no jornal. Um poema, uma frase, uma redacção ou dissertação – já não sei a fórmula exacta – enfim, múltiplas maneiras de cooperar e, porque não, com uma gratificação atribuída no fim da época escolar: um livro, um dicionário, ou um instrumento relacionado aos estudos! O nosso jornal foi criado com a convicção de servir, informar a população, dar espaço onde as pessoas possam exprimir individualmente as suas opiniões, espaço para as colectividades nos falarem das suas actividades, festas, desporto e outros. Tudo isto foi dito e tem aparecido! Tenho aparecido, com muito gosto, o espaço cronista, as entrevista, etc. Finalmente, um órgão ao serviço da nossa comunidade onde se pode falar, onde livremente se diz a toda a gente aquilo que muitas vezes não se consegue dizer cara-a-cara; um jornal que todos podem ler gratuitamente – graças à prestação da Junta de Freguesia – e, sem medo de ir parar ao calabouço! Um jornal cheio de sabedorias, utilizado com muita psicologia. Um jornal que conta histórias, das suas gentes, do povo que somos, com muito respeito por tudo o que foram e fizeram. Fico muito grato por me deixarem dizer isso. Espero que continue a sua missão com progresso e da melhor forma, nós somos apenas figurantes, outros nos sucederão, que no futuro possam dizer: bom trabalho, nos deixaram os nossos antepassados! Peço imensas desculpas aos que não me entendem ou nunca quiseram entender por tanto falar do passado. Por tantas vezes me repetir sobre ele, mas, do passado tenho a certeza. A certeza é sinónimo de verdade, e verdade, é coisa que muitos não gostam. Paciência. Albino de Jesus Silva

Uma crónica de vez em quando... Orlando Cardoso*

Futebol Escrevo no dia seguinte ao jogo de futebol em que Portugal derrotou a Coreia do Norte por 7-0, um resultado pouco habitual em campeonatos mundiais. Escusado será dizer que fiquei feliz com aquilo que a selecção realizou como, seguramente, a maioria dos portugueses. Num país deprimente e depressivo, é positivo que alguma coisa exaltante nos toque a todos e levante a nossa auto-estima que anda de rastos, como todos sabem. De repente, ao ver Eusébio exultante na bancada com o modo como o jogo estava a decorrer, lembrei-me do que aconteceu em 1966, em Inglaterra, em Liverpool, se a memória me não falha. Nesse ano, pela primeira vez, Portugal participava numa fase final do campeonato do mundo com uma selecção fabulosa onde a figura de proa era o mesmo Eusébio, acompanhado por outros excelentes jogadores como o Coluna, o José Augusto e o Vicente, do meu querido “Belenenses”, entre outros. Nesse encontro o adversário era o mesmo, a Coreia do Norte, um dos países mais misteriosos e fechados existentes à superfície da Terra. Durante os primeiros 20 minutos do jogo os coreanos meteram três golos, sem que o nosso guarda-redes, o José Pereira, tivesse tido a possibilidade de ver a bola. Depois, foi o toque a reunir, com o Eusébio a abrir o livro e a marcar quatro golos. No fim, o placard registava 5-3 para as nossas cores. Agora a música foi outra e o espectro daquele jogo de há mais de 40 anos só pairou até metermos o primeiro golo. Depois, foi bonito de ver e doloroso de ouvir com as malditas “vuvuzelas”, atroando os ares. Esperemos, pois, que este belo jogo tenha sido o início de uma boa campanha que minimize a “apagada e vil tristeza”, como dizia Camões, em que vivemos. Também merecemos um pedaço de pão no nosso circo. * orlandocardososter@gmail.com

Nas últimas semanas, antes da vitória memorável da nossa selecção de futebol frente à Coreia do Norte, por diversas vezes, e por diversos protagonistas, falou-se demais. Falou-se demais de futebol, falouse demais de destinos de férias, falou-se demais de impostos (que ainda ninguém sabe quanto é que sobem). Ao escolher o tema para esta crónica, queria criticar todos os que falam demais. Mas a alegria pelo futebol, o sol de Verão, as férias das crianças, tudo desanuvia e facilita, e perdi a vontade... Agora, até parece que os problemas são menores. Quando o futebol acabar, descobriremos que os im-

postos são maiores, que os transportes já subiram, que a electricidade é mais cara, não esquecendo os combustíveis – mas esses estão sempre a subir. Voltando ao tema, falar demais é um problema, para quem fala (que muitas vezes tem que desdizer-se) e para quem ouve porque esse ruído incomoda, condiciona e prejudica quem se esforça para construir. O meu pai sempre me disse: “quem nada faz, só inventa problemas”. Na minha infância, esse problema era diminuto, todos tinham de trabalhar, apenas as costureiras tinham tempo para falar (enquanto iam trabalhando), e as vizinhas que esperavam o re-

Chegou o Verão, e finalmente traz com ele as tão esperadas e desejadas férias. Será que em tempo de “vacas magras” todos podem fazer férias? A resposta é sim. Existem férias baratas, divertidas e muito saudáveis. Fazer campismo é um bom exemplo. O campismo, além da poupança económica ainda traz outras vantagens, conhecem-se lugares exóticos, agradáveis e paisagens deslumbrantes. Praias e rios ou montes e vales. Dá para vários gostos. O campismo permite fazer uma desintoxicação da vida urbana. O sol, o ar puro, a água, o contacto com a natureza são remédios postos à disposição que permitem que o corpo descanse da poluição urbana e a mente alivie do ritmo de correria e azáfama que caracterizam o dia-a-dia. Hoje em dia o campismo envolve a utilização de uma gama de material de campismo, desde o mais simples ao mais sofisticado. Além de tendas, de atrelados tenda, de caravanas e de auto-caravanas, alguns parques possuem os chamados Bengalow’s, que dispõem de quartos, cozinha e casa de banho. Muitos dos parques de campismo em Portugal têm uma qualidade habitacional e xc e l e n t e ,

gresso dos filhos da escola e os maridos do emprego. Agora muitas são as profissões que permitem “dar à língua”, muitos são os desempregados que passam horas a “dar à língua”, muitos são os meios de comunicação que facilitam “dar à língua”, e principalmente, até se pode “dar à língua” por SMS, ou partilhar esses disparates num blogue, no Facebook, no Twitter, MySpace, ... ou até no “Notícias da Freguesia”, em que ainda me convidam a participar. Lamentável é que se divulguem mensagens que deviam permanecer privadas, como foi o caso do SMS enviado pelo actual presidente da empresa mu-

Opinião

Gastão Crespo

Férias Baratas permitindo às pessoas usufruírem de uma maior comodidade aquando dos seus acampamentos, nomeadamente, ao nível da higiene e do conforto. Antes de pensar em fazer campismo dirija-se a um clube campista e inscreva-se. Aí receberá todas as informações importantes acerca do campismo e poderá colocar todas as suas dúvidas. Poderá também requerer a Carta Campista Nacional se quiser usufruir dos Parques de Campismo Associativos. Adquirir uma tenda de acordo com o número de pessoas que pretende alojar, assim como diversos utensílios como, por exemplo, um fogão, um colchão, algumas lanternas e cadeiras, etc., são requisitos fun-

damentais. O campismo é o lazer para quem procura contacto directo com a natureza em todas as suas variantes e é uma excelente opção para o turismo e apoio à prática de desporto. É democrático porque pode ser praticado quer por indivíduos de baixo rendimento, quer por indivíduos de estrato social elevado. Sendo uma mistura de prazer, descanso e aventura, cada vez mais as pessoas apostam as suas férias acampando e descobrindo Portugal. Seja feliz. Faça alguém feliz e já agora faça férias acampando em Portugal.

DaTerra

Carlos Duarte

Falar Demais nicipal Leirisport ao seu antecessor. Conviria que não tivesse sido enviado, mas na minha opinião, se o destinatário quisesse reparação do facto, tal deveria ser na justiça e nunca na praça pública. Assim, todos perdem, e quem paga a conta é a população do concelho. Senhor Presidente da Câmara Municipal, atendendo

que as contas da autarquia já estão mesmo mal, tenha coragem e extinga essa empresa. A câmara municipal não ficará pior que já está, depois disso, só poderá melhorar. Boas férias (cá dentro!).

facebook.com/noticiasfreguesia


SOCIAL | NOTÍCIASDAFREGUESIA | JUNHO2010

Cantinhos dos Miúdos & Graúdos

Ser Criança Ser criança é ser tudo, Alegria, esperança e futuro Ser criança é perseguir a felicidade Sem se importar com a idade. Ser criança é como um raio de luz Que ilumina os nossos caminhos Lembrando-nos o Menino Jesus Encantando-nos com os seus carinhos. Tu, criança de qualquer idade Que vives entre o sonho e a realidade Pela vida vai-nos ensinando Lições de amor e simplicidade. Caminha com calma, aproveita a infância Não te apresses o futuro irá chegar Trazendo responsabilidade. Rebeldia não vai adiantar Sê prudente, criança esperança Não soltes as mãos De quem te transmite confiança.

Anedotas Porque o sorriso das crianças é a felicidade de um adulto, aqui vão umas anedotas. O Alberto entra numa loja e pergunta: - Tem tudo o que é preciso para quem começa a esquiar? - Sim. Quais são os artigos que deseja? - Preciso de gesso e de muletas. O Rui pergunta à irmã: - Porque é que puseste tanta maquilhagem? - Ora essa, para ficar mais bonita. - E porque é que não ficaste? Conversa entre duas galinhas: - Esta noite estive com febre. - Como é que sabes? - É que pus um ovo cozido. Sabem porque é que os galos se levantam muito cedo e começam logo a cantar? Porque se as galinhas acordam primeiro, eles nunca mais têm hipótese de abrir o bico. Dois irmãos estão a estudar Geografia. O mais novo pergunta: - Mauro, onde está a Venezuela? - Não sei. Pergunta à mãe. Ela é que guarda sempre tudo. Entre dois amigos que descem uma rampa de carro: - Não tenho travões!!! - Não te preocupes, há um sinal de STOP lá em baixo.

Facebookérito

www.facebook.com/ noticiasfreguesia Chantal Silva Acham normal o facto de o nosso presidente aceite que os gays ou as “as gays” possam casar em Portugal, um país dito tão religioso? Não condeno quem é, mas casar e, nunca se sabe, mais tarde fundar uma família? Onde vamos nós? Nicole Vicente Penso que, de momento, temos assuntos mais importantes em que pensar. Já existe demasiada polémica em torno deste assunto. Luisa Duarte Embora eu não esteja completamente de acordo com esta forma de estar na vida, não deixo de apoiar quem assim escolheu este caminho. São seres humanos tal como nós. Simplesmente têm uma escolha diferente. A união entre os homossexuais por mim pode existir, pelo simples facto de que enquanto casal possam usufruir as mesmas regalias na saúde (internamentos), na compra de casa, etc... Não lhe

A Lei n.º 9/2010, que alarga o casamento civil a pessoas do mesmo sexo, foi aprovada a 31 de Maio, tendo entrado em vigor cinco dias depois. Qual a sua opinião sobre o casamento entre pessoas do mesmo sexo?

deveriam era de dar o nome casamento, mas sim união de facto. Falo apenas no civil não religioso. Quanto à adopção de crianças é uma ideia a amadurecer porque o nosso país não se encontra preparado para tal. Já existem crianças a crescer neste ambiente, infelizmente há muita descriminação. Se há Democracia então aceitemos as diferenças. É esta atitude que nos torna melhores cidadãos. David da Piedade Ferreira A Democracia baseia-se num princípio simples: tratar por igual aquilo que é igual e diferenciar aquilo que é diferente. Um casamento é uma união contratualizada entre 2 pessoas de sexo diferente. Se não houver contrato, é uma União de Facto, se houver contrato mas for de pessoas do mesmo sexo, não se deveria chamar casamento. Julgo que não se deve proibir a união de pessoas do mesmo sexo, e até considero marginal o nome a dar a essa união. Sou formalmente contra se esta

for uma porta de entrada para autorizar estes casais à adopção de crianças. Elisa Duarte Na minha opinião, não se devia ter legalizado nada por que se Deus quisesse que homem se casasse com homem, Ele não teria criado a mulher. Outro motivo também é gerar filhos (a continuação da espécie). Mas, deixando claro que eu não sou contra, só acho que isso não é certo, ainda mais nos dias de hoje, onde tudo é tão ‘’normal’’… José Alves O casamento civil é regulado pelo Estado que, a meu ver, só está vinculado à Lei máxima, que é a Constituição. Ou seja, num Estado não confessional, laico, este tem todo o direito a regular o casamento como entender e em resultado dos programas eleitorais e de Governo. Em Portugal a bigamia é crime e noutros países é legalizada. Tal como a pena de morte, o aborto, etc., etc. Ou seja, enquanto

|7

jurista, nada tenho contra esse tipo de casamento civil e que se distingue completamento do Sacramento do Matrimónio. Quanto à minha opinião pessoal confesso, com franqueza, ser-me indiferente. Haver este ou outro modo de legalização das uniões homossexuais é coisa que não me faz grande impressão, ficando bem claro que sou contra qualquer tipo de discriminação. Apenas não vejo vantagem, e sobretudo hoje em que nem os heterossexuais e muitos católicos casam (preferindo viver em união de facto), na extensão do conceito de casamento indiscriminadamente a quem, querendo legitimamente constituir família, o pretende fazer de modo diverso e consequências diversas do casamento tradicional. Penso, contudo, que é mais a fumaça que o fogo. Daqui a uns tempos (deixando de ser novidade) já ninguém se lembra disto atenta a sua diminuta repercussão social. Durmo mal mas não é por isto. Sandrina Duarte Não concordo. Para mim, casamento tem de ser entre duas pessoas de sexo oposto. Acho que estamos mesmo “no fim do Mundo”…


2.º Passeio de Motociclos No dia 20 de Junho realizou-se o segundo passeio de motociclos, promovido pela ACDR Várzeas. À semelhança do ano passado o passeio foi um sucesso, com largos momentos de boa-disposição, convívio, oportunidade de conhecer um pouco mais os lugares da freguesia… e também com algumas peripécias pelo meio.

Associação do Picoto apoia peregrinos de Fafe

No passado dia 26 de Junho, a Associação do Picoto, esteve em grande destaque pelo apoio que deu aos peregrinos ciclo-turistas de Fafe, que se dirigiam para Fátima. A Associação promoveu, junto da Rotunda da A17, um lanche e disponibilizou água para refrescar o cicloturistas que tinham percorrido cerca de 220km. Associou-se, também a este apoio, a união de Ciclismo de Leiria com alguns ciclistas, nomeadamente, Carlos Vieira - bombeiro ciclista que se encontra inscrito no livro do Guiness. Estes ciclistas acompanharam os peregrinos fafenses no final da sua caminhada, do Picoto até Fátima, sendo um importante apoio nos últimos 50km da peregrinação. Todos os peregrinos chegaram a Fátima em cima das suas bicicletas, tendo sido reconhecido o generoso apoio da associação do Picoto e da União de Ciclismo de Leiria. Parabéns aos Heróis! Para o ano há mais! APCRDP

As crianças não têm passado, nem futuro, e coisa que nunca nos acontece, gozam o presente. Jean de La Bruyère, escritor francês [1645-1696]

A iniciativa Limpar Leiria, que decorreu no passado 5 de Junho, revelou-se um verdadeiro sucesso. Sucesso este, para o qual a freguesia de Souto da Carpalhosa também contribuiu. Foi na manhã do primeiro sábado de Junho que 48 pessoas da freguesia responderam ao apelo da Câmara Municipal de Leiria (CML) e se prontificaram a colocar “mãos à obra” para limpar a freguesia. Segundo o presidente da Junta de Freguesia de Souto da Carpalhosa, um dos participantes activos na limpeza da freguesia, “o balanço é bastante positivo, graças ao espírito voluntário de todos aqueles que participaram”. Contudo, lamenta também que haja tanto lixo espalhado pela freguesia. De salientar ainda que o sucesso nesta acção na freguesia em muito se deve também à resposta do Agrupamento de Escuteiros 1112, de onde responderam 34 escuteiros. Do Souto da Carpalhosa foram recolhidas cerca de 20 toneladas de lixo. De lamentar é o facto de muitos locais que foram

limpos aquando a iniciativa Limpar Portugal, a 20 de Março, já se encontravam, novamente, imundos. No que respeita a números mais gerais, e segundo dados avançados pela Câmara Municipal de Leiria, quanto a resíduos recolhidos, e que tiveram um destino final adequado, os valores finais foram os seguintes: resíduos urbanos e equiparados, incluindo misturas de resíduos, depositados na Valorlis, 152,82 toneladas; mistura de resíduos de construção e demolição perfizeram um total de 62,92 toneladas, destinados à Ambilei; pneus usados, 2.720 kg e resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (140 Kg), que foram entregues na Natureza Verde. A iniciativa, na qual participaram 22 freguesias do concelho, decorreu no Dia Mundial do Ambiente, data propositadamente escolhida, e foi apadrinhada por Humberto Rosa, Secretário de Estado do Ambiente. Veja as fotografias dos momentos “de limpeza” no Souto da Carpalhosa no blogue do jornal, em www.noticiasdafreguesia.b logspot.com.

Fotos: ANDRÉ REIS DUARTE

Souto da Carpalhosa com menos 20 toneladas de lixo

Crianças peregrinam a Fátima

DIREITOS RESERVADOS

Fotos: EULÁLIA DUARTE

JUNHO2010

Cerca de 250 pessoas peregrinaram a Fátima, no passado dia 19, integrando a peregrinação das crianças da catequese. Numa primeira parte integrando-se no programa “um dia com as crianças” proposto pelo Santuário, participaram na celebração

da missa votiva dos Beatos Francisco e Jacinta e depois numa catequese sobre a Mensagem de Fátima. Tomado o almoço partilhado entre todos os participantes, fez-se uma caminhada a pé até aos Valinhos percorrendo o caminho da

Via-Sacra onde todos se detiveram um pouco em oração e informação nos locais das aparições do Anjo e de Nossa Senhora, no dia 19 de Agosto. Dia positivo, mas com algumas coisas a melhorar de futuro.

JUNHO2010#NF  

Edição de Junho de 2010 do jornal NOTÍCIAS DA FREGUESIA SOUTO DE CARPALHOSA.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you