Page 1

Director José Carlos Gomes Editor Ângela Duarte

Mensário da Junta de Freguesia | Ano V | Edição N.º 68 | AGOSTO de 2010 | Distribuição gratuíta | www.noticiasdafreguesia.blogspot.com | noticiasdafreguesia@gmail.com

Este espaço promete encher...

P.5

NF/ARQUIVO

...e ganhar cor Livre-se dos ‘monstros’

Recolha porta-a-porta P.2 Lista de jovens convocados

Dia da Defesa Nacional P.3 Mais de 800 pessoas reunidas na Charneca do Nicho

Família Ginja recorda origens P.4 Moita da Roda honra Nossa Senhora da Saúde

Bispo de Leiria-Fátima escreve nova Carta Pastoral

“Chamados à Caridade” P.7

ANDRÉ REIS DUARTE

Quatro dias de festejos P.5

Será que volta?

P.4


2|

AGOSTO2010 | NOTÍCIASDAFREGUESIA | OPINIÃO . AMBIENTE

“Bolas para o Benfica!”. Era assim que se manifestava em relação a mais uma derrota desta equipa de futebol, a tal que parecia invencível, pelo menos no dizer de quem ia gastando milhões na contratação de jogadores. Os jogos foram dois e as derrotas as mesmas. Isso incendeia discussões, faz acirrar ânimos e extremar posições contra e a favor do guarda-redes, dos restantes jogadores e do treinador. Confesso que a mim me custa um pouquinho ver essa equipa perder, mas apenas porque, em tempos bem afastados em anos, foi aquela que mais marcada me ficou na mente. Não me entusiasma o estar mais ou menos pasmado a ver quem ganha ou perde, embora goste de ver um jogo no estádio, se estiver bem composto de espectadores, não tanto como pelo jogo pela envolvência que se gera. Deixemos este Benfica descansado, para pensarmos que, este ano a nossa freguesia viu passar, ao longo de algumas horas, os afadigados corredores na busca da vitória na Volta a Portugal. Corremos, ou correram muitos, para verem aqueles homens passar. Não sei qual é a sensação ao voltar-se para casa depois de tudo terminar, uma vez que isso não nos envolve a nós. Com o futebol ainda há a identificação a uma equipa ou a determinados jogadores, mas em relação ao atletismo, parece-me que tudo nos passa muito mais à margem. Que dizer agora? Que como aqueles homem em cima de uma bicicleta e a treinar diariamente, qualquer um de nós, tu que lês estas palavras e eu que as escrevo, procuramos preencher de vitórias a nossa vida e deixa-

As palavras do senhor prior Pe. José Baptista

Vitórias pessoais mo-nos abater quando a derrota, tantas ao longo da vida, no batem à porta. Nascemos exigindo dos nossos pais atenção máxima, e percebemos que têm muito mais afazeres; crescemos querendo sempre estar à frente dos outros ou, ao menos, igualando-nos a eles no que têm, mais que no que são, mas percebemos que somos diferentes e, ou nos aceitamos como somos ou tornamo-nos insuportáveis insatisfeitos e revoltados com tudo e com todos; não contentes com as nossas vidas, empenhamo-nos em arranjar temas e preenchemos conversas com a vida dos outros, fecundos em levantar assuntos e casos minimamente plausíveis, quantas vezes desconchavados e de fazer rir, que nos permitam abstrair daquilo que pode doernos a nós. São de louvar todos os esforços que nesta freguesia se vão fazendo, em muitos níveis, por criar condições que permitam a comunhão na congregação de esforços por nos tornarmos sempre mais comunidade, mas percebem-se claramente as divisões consequentes das lutas que travamos apenas por aquela associação de que fazemos parte,

seja a nível civil seja religioso. Os resultados são que somos forçados a engolir não admitindo que podemos estar a jogar mal orientando energias e lances em direcções erradas. É perfeitamente normal que nas tasquinhas, e elas estão já aí anunciadas, orientemos mais a nossa presença para aquele(s) espaço(s) com que mais nos identificamos, mas elas só têm sentido se sairmos um bocadinho, mesmo minguado, de nós e dos nossos espaços para percebermos e nos embrenharmos nos outros também; se das tasquinhas passarmos pelas muitas associações que pululam por esses lugares além, no dia em que celebrem qualquer momento festivo, corremos o risco de não vermos pessoas de outros lugares, o mesmo podendo falar-se das festas religiosas. É normalíssimo que a nossa terra nos diga muito mais que a outra ao lado, mas é também desejável darmo-nos conta de não vivemos em ilhas isoladas, às vezes quase desertas, e que fazemos parte de comunidades bem mais abrangentes. Faz-me isto recordar as vezes que a minha mãe dizia gostar de todos os filhos de maneira diferente, mas não gostar

mais de uns que doutros. Vitórias são sonhos algumas vez realizáveis como o são as derrotas também, se bem que umas as buscamos por todos os meios e outras as temos sem sequer as pensarmos. Quem sabe se não são as derrotas que sofremos que, em muitas situações, nos levam a sentir como nossas as vitórias dos outros: equipas de futebol, ciclistas ou selecções nacionais sejam do que for. E se a passagem da Volta por cá nos levasse a pensar num ou noutro encontro de gente que goste de andar de bicicleta para conhecermos os lugares e os pedacinhos bonitos que estão por aí escondidos por detrás de, algumas vezes, umas árvores mal amanhadas. E se nesses “passeios de sábado” se aproveitasse para descobrirmos as sedes das associações que se dedicam ao desporto, ao folclore… e, porque não, levar umas máquinas fotográficas para gravarmos panoramas, pessoas e momentos se tornam deliciosos se não passarem por nós, ou nós por eles, como cão por vinha vindimada. As vitórias que alcançamos na vida são numerosas e fazem de nós permanentes vencedores se as soubermos ver e viver mais que as daqueles homens e mulheres de alta competição que nos não são nada porque não sabem sequer da nossa existência. Entre gente que não se conhece não pode haver grande ou duradoura relação. Bom seria que nos descobríssemos a nós mesmos.

Recolha de monstros porta-a-porta Já não há desculpas para abandonar os monstros em locais inapropriados. A Câmara Municipal de Leiria e a SUMA – Serviços Urbanos e Meio Ambiente, SA – têm ao dispor dos munícipes o serviço de recolha de monstros porta-a-porta. Para usufruir deste serviço, os interessa-

dos têm apenas de ligar para o 244 852 541 e fazer a marcação para a recolha como 24 horas de antecedência. Os dias de recolha estão fixos para as primeiras e terceiras quartas-feiras de cada mês. A recolha é gratuita.

FICHA TÉCNICA

Notícias da Freguesia de Souto da Carpalhosa Título anotado na ERC Depósito Legal 282840/08 Director José Carlos Gomes

Editor Ângela Duarte Colaboradores Albino de Jesus Silva, André Reis Duarte, Carlos Duarte, Cidalina Reis, Eulália Crespo, Elisa Duarte, Filipe Relva, Gastão Crespo, Guilherme Domingues, Gustavo Desouzarte, Hugo Duarte, José

Abertura

José Carlos Gomes

Baterias recarregadas Uma vez gozadas as férias e com as baterias recarregadas, estamos preparados para enfrentar mais um ano que, pelos dados disponíveis e pelas informações que nos vão chegando, não se espera nada fácil a todos os níveis da sociedade que nos rodeia. Para além da grave crise financeira que atravessamos, a mim, particularmente, o que mais me preocupa é a crise de valores a que todos os dias assistimos e que se vai manifestando de muitas formas. Hoje, por exemplo, não há espaço público que resista, nem que seja para roubar uma simples torneira ou uma ponta de tubo em cobre! Enfim… A nós resta não baixarmos os braços e lutarmos, dando o nosso exemplo, com o objectivo de tentarmos inverter este estado de coisas. Pelo 5.º ano consecutivo a freguesia vai realizar a Festa das Colectividades e Tasquinhas. Este ano o certame vai decorrer entre os dias 23 e 26 de Setembro, proporcionando um alargado fim-de-semana de bons comes e bebes, animação e melhor convívio. Sendo por excelência a festa da freguesia, todos somos convidados, não só a marcar presença, mas também a convidar os nossos amigos a visitarem-nos nesses dias de convívio. Por fim, um recado para os mais novos: vem aí o regresso às aulas. Certamente que as férias souberam bem, ir até à praia e poder estar mais tempo com a família e os amigos ainda soube melhor. Mas, chega a altura de voltar à escola. Não pensem que é menos bom do que estar de férias – se calhar, alguns de vocês até gostam mais. É a altura do “novo”. Novo material escolar, novos livros, novas aprendizagens… quem sabe novos professores e novos amigos. Para os meninos que vão agora pela primeira vez para a escola: aprendam, aproveitem, desfrutem e divirtam-se. Boas aulas para todos.

Baptista (Pe.), Luisa Duarte, Márcio Santos, Mário Duarte, Orlando Cardoso, Simão João, Associações e Escolas da Freguesia.

Telefone 244 613 198 Fax 244 613 751 E-mail noticiasdafreguesia@gmail.com

Distribuição Gratuita

Propriedade Junta de Freguesia Largo Santíssimo Salvador, nº 448 2425-522 Souto da Carpalhosa

Website noticiasdafreguesia.blogspot.com

Impressão OFFSETLIS, Marrazes, Leiria Tel.: 244 859 900 Web: www.offsetlis.pt

Tiragem 1000 exemplares Periodicidade Mensal

Projecto gráfico www.3do3.blogspot.com


SOCIAL . OPINIÃO | NOTÍCIASDAFREGUESIA | AGOSTO2010

|3

Jovens de 1992 chamados a comparecer

Nome Alex Oliveira de Sousa Alexandra dos Santos Baptista Alexandre de Jesus Évora Alexandre Miguel Gaspar Crespo Ana Lúcia Teotónio Ramos André Domingues Carreira André Pereira Roque Andreia Francisco Silva Neto Andreia Lopes Rodrigues Bárbara Raquel Cruz Marinha Catarina Domingues Oliveira Celine Sousa Duarte Cristiano Miguel Oliveira Dinis Cristóvão Carvalho Duarte Danny Reis Marcelino Dany Sobreira Diogo Cordeiro Rodrigues Filipe José David Vieira Henrique Miguel Pedrosa dos Reis Inês Pedrosa Domingues João Carlos Esperança Duarte João Carlos Lopes Silva João Duarte da Silva Teotónio João Filipe da Silva Gonçalves João Marcelo Silva Ferreira João Paulo Duarte Calixto João Paulo Gonçalves Pascoal João Rafael Mendes Gomes João Veríssimo Sobreira Jorge Alexandre de Jesus Ferreira Juliana Moita Pedrosa Lara Torres Conde Lilia Mendes Bento Mara Raquel Gaspar Mendes Marina Domingues Ferreira Marina Gaspar dos Reis Mário Alberto da Silva Santos Marisa Cristina Silvério Amaral Mickael Miguel Miguel Ângelo Ferreira Chaves Patrícia Alexandra Coelho Leconte Paulo Jorge Barros Serra Raquel Domingues Santos Ruben Filipe Oliveira Caetano Rute de Sousa Bento Sandrina Lisboa Mota Sara Alexandra Alves da Silva Silvino Silva Catarino Sofia de Sousa Bento Sofia dos Reis Oliveira Sofia Duarte Viva Viny Sobreira Wilson Alexandre Domingues Fernandes

Data de apresentação 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 02 Dezembro 2011 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 02 Dezembro 2010 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 02 Dezembro 2010 02 Dezembro 2010 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 02 Dezembro 2010 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011 04 Maio 2011

Espaço Saúde

Dr. Gustavo Desouzart*

Fim do Verão

Secura e calor do Verão: ambos têm efeitos prejudiciais sobre os líquidos do corpo. Os sintomas associados a esta época do ano incluem constipação, sede, dores de cabeça e transpiração excessiva. O calor de Verão é “ascendente e alastrador”. Significa que afecta a cabeça, o que pode causar sede, rosto vermelho e cefaleias, e faz

a pessoa deitar-se com os membros abertos. A transpiração excessiva leva à urina escura e concentrada. O calor extremo também afecta o coração, o que leva à agitação ou mesmo problemas cardíacos em casos severos, como a insolação. Quando o calor de Verão se combina com a humidade do clima e o consumo excessivo de bebidas do-

NF/ARQUIVO

Freguesia no Dia da Defesa Nacional

Mais uma vez, os jovens são chamados a comparecer no Dia da Defesa Nacional (DDN). Na 7.ª edição do DDN – 2010/11, deverão apresentar-se os jovens nascidos em 1992, conforme a lista presente nos editais de convocação. À semelhança do ano passado, os jovens da freguesia de Souto da Carpalhosa estão convocados (ver listagem, ao lado) para apresentação na Base Aérea n.º5, Monte Real. A novidade desta edição

centra-se na obrigatoriedade de comparência de ambos os sexos. Se na última edição as raparigas nascidas em 1991 foram convidadas a comparecer em caso de interesse, este ano a sua presença é já, à semelhança do sexo masculino, de carácter obrigatório. Para esta edição estão convocados 7.239 jovens para apresentação em Monte Real, sendo este um dos 12 centros de apresentação. Este propõem-se ser um dia

O que é o Dia da Defesa Nacional? O Dia da Defesa Nacional visa sensibilizar os jovens para a temática da defesa nacional e divulgar o papel das Forças Armadas, a quem incumbe a defesa militar da República. A sua comparência é um dever militar obrigatório para todos os cidadãos portugueses que cumpram 18 anos de idade, que ocorre nos Centros de Divulgação de Defesa Nacional, sedeados em unidades militares dos três ramos das Forças Armadas, de acordo com os editais de convocação. Quem deve comparecer? A comparência ao Dia da Defesa Nacional, no Ciclo de 2010/11, ocorre de acordo com os editais

ces, como os refrigerantes, a energia do órgão baço também é afectada. Isto leva à perda de apetite, náusea, vómito, diarreia e fadiga. Dois alimentos comuns que são muito eficazes no tratamento desses sintomas são o melão - xi gua, e o feijão-mungo - lu dou. A secura está associada com a estação do Outono, devido à falta de humidade na maioria das regiões neste período do ano. Ela pode facilmente esgotar os fluidos do corpo, causando constipação, tosse seca, urina concentrada, secura na garganta e nariz, sede e pele seca. A secura geralmente entra no corpo através do nariz e da boca, afectando rapidamente os pulmões.

A alimentação segundo a Medicina Chinesa no final do Verão Precisamos de nos preparar para o Outono, equilibrar o nosso organismo das “loucuras de Verão”. É o momento das indecisões - o que vou fazer neste fim de ano? Será que não estou a precisar fazer uma dieta? Quero mudar a minha vida! Dê preferência a alimentos mais cozidos, temperatura morna, mais hidratos de carbono, legumes e verduras. Cuidado! É neste período que começamos a abusar dos doces e o peso aumenta! Um órgão em desarmonia Cada órgão tem um ambiente interno preferido, o que dá sustentação às suas

em que os jovens irão ter a oportunidade de ter noções sobre Defesa Nacional e cidadania, as missões das Forças Armadas, conhecer o modelo do Serviço Militar, entre muitas outras actividades. Para mais informações, poderá consultar os editais afixados na Junta de Freguesia, ou consultar a página do Ministério da Defesa Nacional (http: //www.mdn.gov.pt).

de convocação e destina-se: - Aos jovens de ambos os sexos nascidos em 1992, de acordo com editais de convocação; - Aos jovens do sexo masculino nascidos em 1991, convocados para o Dia da Defesa Nacional 2009/10, que tenham ainda o processo de adiamento em curso. - Às jovens, nascidas em 1991, que tenham efectuado o recenseamento militar em Janeiro de 2009, convocadas para o Dia da Defesa Nacional 2009/10, que tenham ainda o processo de adiamento em curso. - Os jovens que não constem nestes editais deverão contactar a Loja da Profissionalização.

capacidades funcionais optimizadas. Por exemplo, o baço é especialmente vulnerável à influência do frio e da humidade, tanto no clima externo como na dieta. Como o baço é o órgão mais importante envolvido na digestão, essa preferência pode ser vista quando uma pessoa come muitos alimentos crus e frios. Por exemplo, o gelado é extremamente frio e promove a humidade porque é um doce e um lacticínio. Uma pessoa que ingere muito gelado, especialmente em climas frios, geralmente tem digestão insuficiente e fezes diarreicas. Quando o baço está frio e húmido, ele também faz o corpo produzir muco em excesso, o que permite uma sobre-

carga aos pulmões, levando a frequentes constipações, asma e alergias. Se já tossiu secreção após ingerir um gelado, já sentiu como o frio produz humidade. Prepare o seu corpo para o Outono, o período de tranquilidade da nossa conduta, evite os excessos do Verão, nutre-se de alimentos frescos, como por exemplo as frutas, e aproveite o melhor que este período de calor nos pode oferecer.

“A mais bela obra humana é ser útil ao próximo.” (Sófocles 496-407 a.c.) Saúde e Paz para Todos. * Medicina tradicional chinesa


AGOSTO2010 | NOTÍCIASDAFREGUESIA | DESPORTO . SOCIAL

Volta a Portugal passou na freguesia

ANDRÉ REIS DUARTE

...foi o nome mais sonante que por cá passou.

David Barnabéu venceu a etapa de Leiria

Origens recordadas em encontro da família Ginja Aos 17 anos ouve pela primeira vez a intenção de reunir toda a família descendente da Casa do Rocio e a ideia ficou. Os anos foram passando, e quase 20 anos depois, após a oferta de um livro à sobrinha para que um dia ali escrevesse o nome da sua família reacendeu a vontade de reunir esforços para um grande encontro de família. Foi assim que o Pe. David Barreirinhas, pároco da Azóia mas com raízes na Moita da Roda, tomou o arranque para reunir todos os descendentes da Casa do Rocio, a família Ginja. Desde aqui, passou cerca de ano e meio. Muitas pesquisas, muitas horas – muitas vezes era onde passava o seu dia de folga – no Arquivo Distrital de Leiria a consultar livros de registos paroquiais e notariais, muita dedicação para a concretização deste encontro. Foi assim que o impulsionador deste trabalho conseguiu chegar a bom porto, reunindo cerca de 800 familiares no parque da Charneca do Nicho. “Família de sangue deve ser à volta de 700 pessoas, mas, com os matrimónios… rondarão as 1.200”, conta o Pe. Barreirinhas. Muitos encontram-se emigrados pelo mundo fora. Para que fosse possível reunir dados de toda a gente da família, “foi mobilizado, na família de cada neto, um elemento”, conta-nos o

padre Barreirinhas. Joaquim da Silva Ginja e Maria de Jesus foram o epicentro desta família. Joaquim nasce em Porto de Mós e desde muito cedo que desloca para a Moita da Roda. Vinha a casa de uma tia. Casou pela primeira vez com Luíza de Jesus, mas não houve descendentes deste primeiro casamento. Fica viúvo e é então que casa com Maria de Jesus, de quem teve oito filhos. Morre em 1891, deixando ainda todos menores. Num palco improvisado, na Charneca do Nicho, no dia 15 de Agosto, as cer-

ca de 800 pessoas reunidas prestaram homenagem ao fundador, Joaquim da Silva Ginja. Vieram de todos os cantos do país e do mundo. O encontro começou com junto à placa alusiva à Casa do Rocio, que está entre o Café Santos e a mercearia, na Moita da Roda. “Evocamos a memória de uma família que fez da sua casa uma escola de valores humanos e cristãos, um espaço para a formação humana e cristã, onde Joaquim Ginja, homem letrado e culto, ensinava as primeiras letras e as primei-

ras orações aos mais novos, numa época onde o acesso à escola e à catequese não era fácil”. A época, de meados a finais de séculos XIX, estava marcada por forte pobreza no país. A Casa do Rocio, a mais abastada da aldeia, era onde recorriam muitos pobres. Sobre o encontro, Pe. Barreirinhas conta que no domingo houve muitas descobertas. “Foi muito curioso ver que nestes dias se descobriram aqui primos que tinham sido colegas de escola ou na faculdade, sem terem conhecimento desse parentesco”. “A preocupação cívica também se herda. Há coisas que não se vêem a olho nú, mas também fazem parte da herança genética”, disse o Pe. David Barreirinhas ao NOTÍCIAS DA FREGUESIA, sobre aquele que talvez seja hoje o maior legado deixado por este casal e que ainda hoje vai perpetuando através das várias gerações. “É, sem dúvida, um encontro para repetir e manter a data de 15 de Agosto”. Quando à data, disse não se tratar de nada de significativo para a família, mas sim por ser mais fácil reunir a família, pois uns estão de férias, e os emigrados têm mais facilidade em vir até às suas origens. Com Região de Leiria

Fotos: DR/ASSOCIAÇÃO DO PICOTO

ANDRÉ REIS DUARTE

David Blanco, o vencedor da Volta...

DIREITOS RESERVADOS

No dia 14 de Agosto, a população das Várzeas viu a prova de contra-relógio individual da 72.ª Volta a Portugal a irromper pelo lugar. O calor desse sábado apenas permitiu que os mais curiosos e os mais aficionados pela prova, se prestassem a estar sob o calor tórrido junto à EN109 ou na variante da A17 para ver os ciclistas. A verdade, é que a vivência da Volta a Portugal, e como a relembram os mais antigos, já não é o que era. Por outro lado, o facto de a prova ser o contra-relógio individual, também não motivou tanto a assistência presente. De qualquer modo, muitos foram ainda os que assistiram e, afinal, a Volta… estava por cá. Para muitos, a passagem da Volta a Portugal pela freguesia permitiu, aos mais saudosistas, recordar a emoção da Volta há uns anos. Para os mais novos, a curiosidade e a novidade foram as sensações mais presentes, e para muitos destes foi a primeira vez a que assistiram a uma etapa da Volta a Portugal. Talvez, numa próxima, haja a oportunidade de assistir a uma etapa que não de contra-relógio individual, para perceberem até o que são os “fugitivos” ou o que é o “pelotão”, algo que esta etapa não permitiu conhecer. Esta foi a 9.ª etapa da 72.ª Volta a Portugal, uma prova que arrancou no Pedrógão e que terminou em Leiria, e durante toda uma tarde viu passar, um a um, cada ciclista da prova. Neste crono, o espanhol Barnabeu venceu a prova e voou para o segundo lugar da tabela de classificações. Contudo, o seu compatriota David Blanco segurou a amarela por 37 segundos. No fim, e depois de todas as etapas, que encerraram em Lisboa no dia seguinte à etapa que por cá passou, feitas as contas, o espanhol David Blanco saiu vencedor da 72.ª Volta a Portugal. Talvez para o ano haja mais.

Mais de 800 pessoas na Charneca do Nicho

Fotos: DIREITOS RESERVADOS

4|

A Associação do Picoto promoveu, no passado dia 22 de Agosto, a Sardinhada do Emigrante. Este é já um encontro habitual por parte desta associação e nasce com o propósito central de proporcionar um dia de convívio entre os muitos emigrantes que visitam o seu país e as suas gentes nesta época do ano. Aqui ficam uns breves registos.


FESTIVIDADES | NOTÍCIASDAFREGUESIA | AGOSTO2010

|5

NF/ARQUIVO

Oito dias de festejos, música e petiscos na Moita da Roda e na Charneca do Nicho

No primeiro fim-de-semana de Setembro, o lugar da Moita da Roda celebra os festejos em honra da sua padroeira, Nossa Sr.ª da Saúde. Os festejos começam na sexta-feira, dia 3 de Setembro, e prometem começar em grande com a presença de Fernando Alvim. No sábado, dia 4, a animação nocturna está nas mãos do conjunto

Nort Music e o domingo entregue a Ruizinho de Penacova e aos Hi-fi. Antes destas prestações musicais, haverá celebração de missa com sermão e procissão às 14h00 e actuação do Rancho Folclórico Aver-o-Mar, de Póvoa do Varzim. Para começar bem a semana, nada melhor do que prolongar os festejos por mais um dia. Para os que dizem que o “dia que

mais custa é a segundafeira”, a comissão de festas da Moita da Roda apresenta um cartaz que em nada pesa a segunda-feira, pois leva ao palco os artistas Tiago Neto, Paulo Fragoso e Amigos, pelas 21h00, e uma hora depois, culmina com os Função Públika. Para mais pormenores, veja o cartaz aqui publicado. •

A Festa das Colectividades e Tasquinhas de Souto da Carpalhosa regressa no mês de Setembro para a sua 5.ª edição. Data e programa, já são conhecidos. Com o arranque agendado para o dia 23 de Setembro, quinta-feira, a edição de 2010 daquela que é considera por muitos a grande festa desta freguesia, tem, mais uma vez, o parque da Charneca do Nicho como pano de fundo. Segundo o presidente da Junta de Freguesia, José Carlos Gomes, “a Festa das Colectividades e Tasquinhas é um dos ex-libris desta freguesia e esperamos que este encontro seja, no mínimo, tão bom como em anos transactos”. Vão ser quatro dias de verdadeira festa e convívio, de 23 a 26 de Setembro. Todos os anos, são milhares

os que passam pela Charneca durante estes dias. Para além da animação, da gastronomia e da boa disposição, também a paisagem única daquele local é bastante convidativa. O programa e a presença das colectividades e associações da freguesia adivinham que serão, certamente, quatro dias em que muitos por ali irão passar. Do programa, destaca-se o grupo musical TEKOS, que irá actuar na sexta-feira, a banda MEN IN TRANSIT, que subirá ao palco no dia seguinte e, no domingo, JORGE MIGUEL encerrará o certame. No domingo, é ainda de destacar a celebração de missa campal, pelas 11h00 , a tarde de folclore a partir das 15h00 com ranchos da freguesia. Conforme em anos anteriores, e tal como o

NOTÍCIAS DA FREGUESIA presenciou, o mínimo que se pode esperar é o verdadeiro sucesso. Se por um lado quem ali por ali passou em anos anteriores está entusiasta, quem ali trabalha horas e horas para que tudo corra bem não está menos. O trabalho e a dedicação das colectividades é árduo, mas o resultado final, segundo dizem, é sempre muito gratificante. A organização da Festa das Tasquinhas e Colectividades está à responsabilidade da junta e das colectividades de toda a freguesia de Souto da Carpalhosa, e todos estão convidados a visitar e a passar um bom bocado na Charneca do Nicho nas festas que são de todos e para todos. •

Notícias da Freguesia ...todos os meses a (in)formação para o Souto da Carpalhosa


6|

AGOSTO2010 | NOTÍCIASDAFREGUESIA | OPINIÃO

Primeiro pensar, depois executar. De preferência, com sucesso – atingir os objectivos. É tão fácil sonhar e exprimir altos voos, difícil é concretizá-los. Vejam o caso do futebol, verdadeiro caso de sonhos vendidos, promessas e objectivos não atingidos. Com a política é a mesma coisa. A realidade impõe-se sempre e mostra a fraqueza humana a todo o passo. Ora objectivos é o que se define no início e, fora do ramo económico, em que se usa maioritariamente o ano civil, estamos no início de mais um ano escolar, marco para mais um período em que estudantes começam um novo ano, e em que as suas famílias regressam ao trabalho após merecidas férias. Neste princípio de ano resolvi melhorar o meu Português. E bem precisa! – pensarão os estimados leitores. Formação, cada um tem a sua. Tenham paciência, pode ser que melhore. E já foi bem pior – acreditem. Na minha escola primária, 1974-1978, fruto da revolução em curso, pouco aprendi. Os anos seguintes foram um “ir cumprindo”. A realidade impôs-se finalmente na escola secundária, no ano lectivo de 1983-1984, um saudoso professor de Português do meu 10º ano de escolaridade, face à fraca ortografia da turma, resolveu voltar a ensinar as regras de ortografia – que devia ter aprendido na primária – e finalmente diminuí o número de erros por frase.

DaTerra

Carlos Duarte

Bom Português Voltando ao meu objectivo, surge um primeiro dilema – que Português? Não sendo um tema que me desperte grande interesse, tenho observado que alguns jornalistas assinalam se escrevem (ou não) conforme o novo acordo ortográfico. Agora nas férias, e com maior contacto com jovens e emigrantes, estes usam um Português não oficial, quer seja por necessidade de se distinguirem e de se identificarem como grupo, quer seja por influência da língua dos países de acolhimento. Irei primeiro procurar saber qual o conteúdo do acordo ortográfico e saber qual a sua obrigatoriedade. Depois, e principalmente, vou averiguar se o novo Português já está a ser ensinado ao meu filho, que vai agora para o 5º ano de escolaridade. Já li que alguns escritores afirmam continuar a escrever pelas anteriores regras de ortografia. Vamos ver até quando. Pelo meu lado... Bom ano escolar!

facebook.com/noticiasfreguesia

Diz-se, que a amizade não tem preço, mas, em certas circunstâncias não se partilha, e, é pena! No entanto, podemos dedicar intencionalmente como eu gosto de fazer para matar saudades. Há pessoas com quem convivemos, que nem sempre entenderam o nosso modo de viver, e vice-versa. Mas isso não me obriga a deixar de os salvar quando na rua nos cruzamos. Existem porém mal entendidos que destroem presumíveis amizades, e, há igualmente os malfeitores intrusos, detentores de ciúme agoirento, capazes de pulverizar afectos cordiais de longa data! Todavia, não são esses que eu vou recordar no meu texto, mas sim aqueles que marcaram exemplos de amizade sincera no seu tempo. Apesar da minha juventude, longínqua, e as

idades não serem equitativas, recordo com saudades conversas d’alguns anciãos conhecidos da nossa terra, que popularmente divertiram o inveterado “bate-papo tabernesco” dos domingos à tarde. Mormente, quando o “Ti Inácio Ramos”, ex-combatente da Grande Guerra 14/18, e a “Ti Guilhermina Barros”, popularíssima senhora cá do Souto, se encontrassem no mesmo conjunto, ambos tinham as mais divertidíssimas histórias a recontar. Picantes ou avinagradas, verdadeiras ou fabulizadas continham uma finalidade: fazer rir! Como dizia a Ti Guilhermina, “rir de mejar plas pernas abaixo!”. Contava o Ti Inácio, quando andava na guerra, praticava malandrices com os colegas da tropa, capazes de distrair o inimigo. Juntavam-se a eles para

Após a 2ª Grande Guerra em 1945 e com a vitória das Forças Aliadas, os soldados puderam finalmente voltar para casa. A liberdade passou a existir, trazendo consigo um aumento do número de nascimentos. Este aumento registou-se durante cerca de 20 anos. Posteriormente, este boom generalizou-se em todo mundo. Olhando para trás, percebemos que assistimos a um baby boom. Este fenómeno trouxe muitas vantagens, nomeadamente ampliou o consumo de produtos para crianças e, consequentemente seguiram-se anos de grande prosperidade económica. O consumo aumentou em flecha, assim como a produção de bens de consumo. Decorridos 30 anos, esses bebés cresceram e tornaram-se força activa e produtiva, provocando alterações na sociedade e na economia que encontrou uma força renovada. Esta explosão populacional veio também contrariar a s perspectivas do envelhecimento da população. Deixando o passado e olhando para o presente, recordo que no seguimento das recentes medidas políticas de redução de despesas, o estado português está a deixar de

Opinião

Albino de Jesus Silva

Com eles, ri! fazer festas, comer beber e namorar com as moças das localidades por onde se encontrassem, e depois, regressarem aos seus acampamentos, para integrar nos combates! Como se a guerra deixasse tempo para tudo isto… De tal modo contado que, aguentava para escuta quem quer fosse, horas seguidas. Um certo dia, aquando narrava uma das suas longas aventuras, entrou na taberna a prezada senhora com uma comadre. Cumprimentou os presentes com o habitual “boas tardes”, pediu ao taberneiro que lhe servisse meio litro e dois copos. Discretamente,

satisfizeram o apetite que levavam. Passados uns momentos, e observando a descrição do contador, dirigiu-se a ele com o ar da sua inesquecível facécia: “ à home, tou aqui há quase meia hora inda n’ouvi uma só verdade que vassê-dessesse. Digam-me cá, durante esse tempo todo nunca le deu vuntade d’ir cagar?”, suficiente para a explosão de gargalhadas entre todos os que se encontravam na tasca. “Essa merece mais um copo”, dizia um dos presentes (assim ajudavam o taberneiro), porque de risos ninguém se continha! Mas o bom humor daquela mulher não ficava por

Opinião

Gastão Crespo e João Simão (ilustração)

Baby Boom apoiar financeiramente os pais que desejam ter mais filhos, retirando-lhes subsídios e apoios há muito prometidos. Estes políticos foram fruto do baby boom que trouxe riqueza e prosperidade ao país. No entanto, hoje, desinvestem no nascimento. Mas nós por cá, não! A nossa freguesia está a contrariar a tendência mundial. Se não reparem, por cá nenhuma escola irá fechar e melhor que isso é contar as mais de 15 grávidas só na Moita da Roda. É verdade, estão previstos

mais de 15 crianças só este ano. E existem muitas mais promessas. Pelos vistos não irão ficar por aqui o número de bebés. A ver vamos 2011… As crianças são o melhor do mundo. Elas trazem alegria, rejuvenescimento, beleza e prosperidade a cada casa e claro está à sua freguesia também. As crianças são o futuro de amanhã. Nada lhes deverá faltar, pois elas serão grandes Homens e grandes Mulheres! Além disso serão elas que irão cuidar de nós quando já formos velhinhos. Parabéns às mamãs e papás de 2010, porque em 2050, terão quem cuide deles e retribua todo o carinho e amor que receberam. Pena é que os políticos não percebam isto e só pensem no hoje. Seja feliz faça alguém feliz! E já agora se nasceu e entre 1945 e 1965 saiba que é fruto do Baby Boom!

tão pouco. Olhava para trás e se houvesse miúdos por perto mandava-os embora. “Vão-s’imbora garotos, cas cunversas da gente na deitam arrebeçados”. E nós, como era o meu caso, escondíamo-nos por perto, para melhor os ouvir. O Ti Inácio, com o seu chapéu de abas domingueiro, um casaco azul-escuro, sempre desabotoado, as duas mãos dentro dos bolsos das calças, gesticulando com elas da direita para a esquerda, agitava-se com o seu habitual e comunicativo sorriso, retorquia: “Ah ah ah… só faltavas tu pra completar o cacho. Que pena as mulheres não irem à tropa, ah ah ah”, e a réplica da senhora não se fazia esperar: “ê fass’ideia o estado das siroilas co-melas andavam, já ovi d’zer quando vocês stavam nas trincheiras ou lá o qui é, s’houvesse um que desse um peido, ou

outros atiravam-se todos todos ó chão co medo qu’eram os alamões ós tiros. Até deziam, devem estar perto porque cheira bem à pólvra!”. Os risos multiplicavamse e as histórias seguiam, ora um ora outro, com intermináveis replicações que, ao mesmo tempo, deliciavam quem os ouvia, indiferentes às expressões com menos mestria, eram de linguagem acostumada. Distantes das quezílias que nos dias de hoje envolvem populares de proximidades! Onde cada qual lavava a roupa no seu alguidar, novo ou com gatos, ao poço ou na fonte, longe de cismar como vive o vizinho, como faz para pagar as dívidas que contraíra e, se necessário, porque não ajudar. Aí sim, a amizade fazia sentido e era cheia de sabedoria.


OPINIÃO . NECROLOGIA . DESPORTO . ECLESIAL | NOTÍCIASDAFREGUESIA | AGOSTO2010

Orlando Cardoso*

Cantinhos dos Miúdos & Graúdos

Qual é? O dia mais belo? HOJE O maior obstáculo? O MEDO A raiz de todos os males? O EGOÍSMO A pior derrota? O DESÂNIMO A primeira necessidade? COMUNICAR O maior mistério? A MORTE A pessoa mais perigosa? A MENTIRO-

Cidade eterna Confesso que a obediência nunca foi uma das minhas virtudes ou defeitos, conforme a visão que tenhamos de tal situação. Tive sempre tendência para puxar contra o lado para que me empurram o que, umas vezes, me foi agradavelmente útil e outras, nem por isso. Daí que, quando o Presidente da República incentivou a gozar férias dentro do país, quase invectivando como pouco patriotas os portugueses que não o fizessem, decidi ir passar alguns dias fora de Portugal, até porque, depois de fazer bem as contas, ficava mais barato. Isto de pagarmos o patrioteirismo tem que se lhe diga… Com bilhete comprado em “low cost”, a baixo custo, e alojado em casa de generosos amigos italianos, estavam preenchidas algumas das condições para fazer uma das mais sedutoras e belas viagens que se podem fazer no continente europeu. O meu destino foi, naturalmente Roma, com estadia de um dia em Florença, a grande cidade do Renascimento, onde nasceram génios como Miguel Ângelo, Brunelleschi, Ghirlandaio, Giotto e Alberti, entre tantos outros. Roma era o meu destino, uma vez mais. Cada vez que ali volto há sempre novos e belos tesouros por descobrir, nem que seja um gelado da “Giolliti”, famosa geladaria onde as filhas do Presidente Obama aprenderam, numa de “charme”, a fazer delícias de chocolate em recente visita. À Basílica de S. Pedro, confesso, regresso sempre. Numa dessas vezes, no último Natal, até vi o Papa, um senhor distante e encantador, com uma voz muito doce e bonita a abençoar a multidão que, pelas mais diversas razões, enchia a Praça. Esta igreja é um fantástico e fabuloso monumento, onde encontramos algumas das coisas mais belas que o génio artístico do homem produziu. Aí se encontra a mais comovente “Pietá”, Senhora da Piedade, que tive a felicidade de ver na vida e que se deve ao genial Miguel Ângelo que a fez há mais de cinco séculos. Chama-se a Roma a “cidade eterna”. É um bom nome para identificar uma cidade várias vezes milenar e que foi sucessivamente edificada. A ela voltarei se o “Notícias” tiver a bondade de me oferecer um pouco do seu espaço. * orlandocardososter@gmail.com

+

Amadeu do Carril, de 71 anos, faleceu dia 6 de Agosto. Residia em Moita da Roda, e era casado com Maria Fátima Crespo Santos. Foi a sepultar no cemitério de Moita da Roda.

+

Joaquim Pereira da Relva, de 84 anos, faleceu dia 24 de Agosto. Residia em Moita da Roda e foi a sepultar no cemitério de Moita da Roda.

SA O presente mais belo? O PERDÃO A rua mais rápida? O CAMINHO CERTO A protecção mais eficaz? O SORRISO A maior satisfação? O DEVER CUMPRIDO As pessoas mais necessárias? OS PAIS A coisa mais fácil? ERRAR O maior erro? BAIXAR OS BRAÇOS A distracção mais bela? O TRABALHO Os melhores professores? AS CRIANÇAS O que nos faz mais felizes? SER ÚTIL ÀS PESSOAS O pior defeito? O MAU HUMOR O pior sentimento? O RANCOR O mais imprescindível? O LAR A sensação mais agradável? A PAZ INTERIOR O melhor remédio? O OPTIMISMO A força mais potente no mundo? A FÉ A mais bela de todas as coisas? O AMOR Hoje transcrevi este belo poema de Madre Teresa de Calcutá. Foi, sem dúvida, uma grande senhora. Nasceu a 26 de Agosto de 1910 e dedicou a sua vida aos mais pobres e desamparados. Por demonstrar carinho e afecto pelos que mais precisavam foi premiada com o Nobel da Paz no ano 1979. Faleceu a 5 de Setembro de 1997 e após a sua morte foi beatificada pelo Papa João Paulo II.

Vem jogar futsal A ACD Santa Barbara, Chã da Laranjeira, vai iniciar os trabalhos relativos à preparação da nova época desportiva de futsal juvenil. Por esse motivo, informamos todos os jovens com idades compreendidas entre os 7 e os 12 anos que os treinos terão início a partir do dia 18 de Setembro, uma vez que o campeonato só terá arrancará no dia 13 de Novembro. Se gostas de jogar futebol aparece e ajuda a desenvolver esta modalidade na nossa freguesia.

Carta Pastoral de D. António Marto para 2010-2011

“Chamados à Caridade” O bispo diocesano, D. António Marto (na foto), acaba de publicar um texto com indicações temáticas e propostas de acção para o próximo ano pastoral da Diocese de Leiria-Fátima. Trata-se de uma “Carta Pastoral”, com o título Chamados à caridade. Apresentando uma notável e singular síntese da caridade cristã, centra o leitor no essencial da caridade e daí tira as mais variadas e inquietantes conclusões. Depois de definir a caridade cristã como “expressão do amor misericordioso e libertador de Deus”, D. António traça os objectivos principais para o presente ano pastoral: – redescobrir a caridade como forma (estilo) de ser da existência cristã, pessoal e comunitária, – desenvolver a espiritualidade da gratuidade, da disponibilidade, da partilha e do serviço, – repensar e reorganizar os serviços sócio-caritativos nas comunidades cristãs. Partindo de uma análise sucinta dos diversos “rostos de pobreza no cenário do mundo actual”, o Prelado conclui de forma contundente que “o problema central que atormenta a vida de muitos e da sociedade neste cenário é a falta de amor”. D. António evoca três cenas bíblicas (lava-pés, Bom Samaritano e Juízo Final) para concluir como a caridade, o amor cristão, é mais do que solidariedade ou justiça, e se transforma em “relação, doação e serviço de amor concreto a todo o ser humano necessitado de ajuda”. Trata-se de uma “caridade de proximidade”, que deve ser organizada, comprometer toda a comunidade cristã, que deve ter um rosto concreto. Neste sentido, o Bispo de Leiria-Fátima apresenta algumas propostas concretas para que a caridade seja anunciada, celebrada e vivida. Destacamos apenas algumas: – sensibilizar, educar e formar os cristãos para a vivência e testemunho da caridade, através de diversas iniciativas de reflexão; – identificar as situações de necessidade, traçando um quadro o mais completo possível das diversas formas de pobreza e fragilidade; – introduzir na catequese iniciativas que proporcionem a aprendizagem da capacidade de doação, partilha e serviço; – incrementar a cooperação missionária entre as Igrejas, nomeadamente com a diocese do Sumbe, geminada com Leiria-Fátima; – avaliar e repensar o serviço sócio-caritativo diocesano (Cáritas, Comissão Justiça e Paz, Pastoral da Saúde, Pastoral da Mobilidade); – constituição de grupos sociocaritativos em todas as paróquias e incentivo ao trabalho em rede a nível das vigararias; – promoção de experiência de voluntariado e formação cristã dos agentes da acção sócio-caritativa. D. António, como é seu apanágio, brinda-nos com uma carta pastoral que é uma verdadeira síntese da caridade e que pode desde já suscitar um novo fulgor na caminhada espiritual da Igreja de Leiria-Fátima. O desafio está lançado, a cada um o empenho e a dedicação para que dê fruto. O texto completo poderá ser consultado na Internet, no endereço www.leiria-fatima.pt. P. Rui Ribeiro in O Mensageiro

DIREITOS RESERVADOS

Uma crónica de vez em quando...

|7


Picoto

Tiago Duarte em prova nacional de BTT

Tiago Duarte é um jovem de 22 anos, natural do Picoto, adepto uma modalidade desportiva por a qual nutriu uma paixão que surgiu como brincadeira entre amigos de escola, há três anos. Desde então, o bichinho ficou. No dia 29 de Agosto este jovem foi competir no 16.º Troféu Norte Alentejo – Alter-do-chão – Chança, Portalegre, nesta que foi a sua primeira competição a solo. A prova correu de forma satisfatória e só não um pouco melhor, porque a meteorologia e uma queda, em nada ajudaram. “Tirando a parte em que a organização apenas se atrasou 1h30, na partida e começamos a correr já os contadores registavam 35º graus a sombra, correu tudo na normalidade”, conta, entre gargalhadas. “Tive o azar de sofrer uma queda nos quilómetros iniciais da pista onde perdi muito tempo para os meus adversários, mas sem consequências graves”. Conquistou o 15.º lugar, mas já colocou a fasquia mais alto. “Agora tenho cerca de 11 dias para me preparar para próxima prova, que vai ser dia 12 de Setembro, em Avis. Quero ver se consigo fazer bem melhor, pois estou a treinar para isso”, afirma. Como as provas não se fazem só de competição, o jovem refere que “o ambiente envolvente é fantástico. Estar com 300 pessoas todas a lutar pelo mesmo objectivo, onde estão todas reunidas a trocar impressões sobre a sua paixão de duas rodas, fazem-se muito boas amizades.” Tiago aproveita para deixar um agradecimento ao acolhimento e recepção da Junta de Freguesia de Chança e deixa ainda um recado à população da nossa freguesia: “queria aqui deixar um convite que a senhora presidente da Junta de Freguesia de Chança nos fez, à população de Souto da Carpalhosa, de lá irmos. É uma terra fantástica e muito acolhedora”. Para além desta prova em Chança, o jovem já tinha competido, por duas vezes, na em provas de 24h BTT, em Monsanto, mas em equipa. Mas, a prática de BTT é uma actividade com pouca adesão, ou o público é que anda desatento? “Eu diria que o público é que anda muito desinteressado pela prática de outros desportos além do futebol”, afirma o jovem, frisando que na nossa região há campeões nacionais que estão lá fora e constantemente a bater novos recordes e “ninguém liga a isso”. “Temos, inclusive, provas na nossa região a nível nacional onde correm os melhores de Portugal e o povo a assistir é muito reduzido. Mas tenho fé e acredito que tudo vai mudar dentro de poucos anos”, diz Tiago, convicto de que a tendência mude. Ao mesmo tempo, a falta de patrocínios é também um dos motivos fortes para a parca prática. “Há poucas empresas interessadas em patrocinar este tipo de modalidades com receio de perder o seu dinheiro, logo também não surgem equipas federadas”. Mas, para o jovem e atento praticante, a tendência está a mudar. “Leio muito sobre BTT e ciclismo e reparo que as lojas estão a vender muito mais bicicletas do que nos anos anteriores. Umas, apenas para passeio (um modo de poupar gasolina), outras, mais a sério, para competir em provas ou apenas em passeios organizados”. Resta-nos desejar boa sorte ao Tiago.

Aquele que te entretém com os defeitos dos outros, entretém os outros com os teus. Denis Diderot, filósofo e escritor francês [1713-1784]

Freguesia Entremuralhas

Festival gótico em Leiria ultrapassa fronteiras Fantástico, único e desmistificador, assim se apresentou em Leiria nos passados dias 27 e 28 de Agosto o Entremuralhas, primeiro festival gótico realizado em Portugal, que ultrapassou fronteiras e trouxe até ao Castelo mais de 1400 pessoas, superando todas as expectativas iniciais. Num ambiente medieval e simultaneamente futurista em que se sentia sobretudo o grande entusiasmo do público que acorreu para assistir a este evento, decorreram conferências subordinadas ao tema “Margens e Rupturas”, que encheram os Paços Novos do Castelo de participantes interessados nos assuntos abordados, bem como a apresentação de cinema fantástico, de realizadores portugueses. As sete bandas que actuaram nestes dois dias, tanto no Palco Alma (Ashram, Ataraxia, Collection D’Arnell Andréa e Ordo Rosarius Equilibrio), como no Palco Corpo (Project Pitchfork, Uxu Kalhus e Covenant), deixaram no ar o fascínio dos sons medievais e neo -clássicos, além do poder e energia dos sons da Cold/ Darkwave, do Synthpop de reminiscências EBM e do electro-gótico de descendência industrial. O público fez jus às características atribuídas à cultura gótica, e a boa educação, o civismo e respeito pelo ambiente e pelo património estiveram patentes ao longo dos dois dias do festival. Entremuralhas chegou e conquistou. Os primeiros passos desta iniciativa não tiveram nada de hesitante e o profissionalismo demonstrado ao nível da organização conjunta da Câmara Municipal de Leiria e da Fade In – Associação de Acção Cultural, que contou ainda com o precioso trabalho voluntário de muitos funcionários da Autarquia, dos Bombeiros Municipais e Voluntários de Leiria, faz antever que o próximo Entremuralhas seja o culminar de um evento que transformou já a cidade de Leiria na Capital da Música Gótica.

Fotos: RICARDO GRAÇA

AGOSTO2010

O NOTÍCIAS DA FREGUESIA falou com Sofia Agostinho e João Almeida (na foto, em cima), um jovem casal dos Conqueiros adepto da cultura gótica. Devidamente a rigor estiveram presentes naquele que foi o primeiro festival

dedicado à cultura gótica. João Almeida diz que “há muito que se identifica com neste estilo de vida, e são muitos aqueles que se tentam identificar com o mesmo, mas, no final acabam por desistir, uma vez que não se identificam

O que é a Cultura Gótica? A cultura gótica é uma cultura contemporânea presente em muitos países. Teve início no Reino Unido durante o final da década de 1970 e início da década de 1980, derivado também do gênero pós-punk. É uma cultura que abrange um estilo de vida, estando a ela associados, principalmente, gostos musicais dos anos 80 até o presente (darkwave/gothic rock, industrial, etc.), estética (visual, “moda”, vestuário, etc.) com maquilhagem e penteados alternativos (cabelos coloridos, desfiados, desarrumados) e uma certa “bagagem” filosófica e literária. A música está voltada para temas que glamourizam a decadência, o niilismo, o hedonismo e o lado sombrio. A estética sombria traduz-se em vários estilos de vestuário, desde death rock, punk, renascentista e vitoriano, ou combinações dos anteriores, essencialmente baseados no negro.

e em nada tem a ver com a sua personalidade.” Para a Sofia e o João, o Entremuralhas não veio desmistificar os preconceitos que, por vezes, a comunidade em geral conota os adeptos do gótico. “Não, não veio desmistificar. Não um festival que vai desmistificar um movimento que já perdura há bastantes gerações”. Mas como é que se explica a alguém o que é ser gótico? “É um bocado difícil primeiro explicar o que é ser gótico e o porquê de o ser… Por vezes, o convívio com pessoas adeptas deste estilo de vida, acaba por desmistificar um pouco, mas, o importante é que as pessoas em geral saibam que quem é gótico é também (e primeiro que tudo) um ser humano e consegue (e faz) tudo o que uma pessoa não-gótica faz. Sobre o Entremuralhas, o jovem casal afirma que “foi engraçado, entusiasta e teve muita adesão. Mas, ainda têm que trabalhar um pouco para, principalmente, fazer sobressair as bandas que expõem e que no mercado musical já têm uma posição bem vincada”. Para estes, o facto de Leiria ter sido a cidade que organizou este festival “foi bom para a região, tanto a nível económico, como a nível cultural, dando também a conhecer a várias pessoas a existência de um monumento de grande envergadura, principalmente aos estrangeiros que ali se deslocaram.” João lamenta que haja tantos preconceitos perante a cultura gótica, mas, “não é nada que me afecte, mesmo depois das várias tentativas para fazer perceber que ser gótico não é uma coisa de outro mundo, mas sim apenas um movimento como tantos outros, desde rapers, rasttas, e muitos outros. Numa forma simples de definir o movimento gótico, Sofia e João apenas dizem: “uma maneira de estar e um gosto único.” AD

AGOSTO2010#NF  

Edoção de Agosto de 2010 do jornal NOTÍCIAS DA FREGUESIA DE SOUTO DA CARPALHOSA

Advertisement