Issuu on Google+

Normas para a Limpeza de Cursos de Água

P.7

Director José Carlos Gomes Editor Ângela Duarte

Mensário da Junta de Freguesia | Ano V | Edição N.º 64 | ABRIL de 2010 | Distribuição gratuíta | www.noticiasdafreguesia.blogspot.com | noticiasdafreguesia@gmail.com

Onde estava? P.5

Souto da Carpalhosa

Apoio psicológico para idosos P.3 Escolas da freguesia

Trabalhos da ‘pequenada’ P.4 Várzeas

Veteranos vão à Suiça P.7 Souto da Carpalhosa

“Limpar Leiria” passa pela freguesia ÚLTIMA Souto da Carpalhosa

Ressuscitou: o anúncio porta a porta ÚLTIMA

Programa da visita do Papa a Fátima O Papa Bento XVI vem a Portugal nos próximos dias 12, 13 e 14 de Maio, passando por Lisboa, Fátima e Porto. Estando o Souto da Carpalhosa integrado na diocese de Leiria-Fátima, deixamos o programa da passagem de Sua Santidade pelo Santuário de Fátima. Quanto ao restante, pode ser consultado, na Internet, através do endereço www.bentoxviportugal.pt. 12 de Maio (quarta-feira) 17h10 – Chegada ao heliporto no grande parque do novo Estádio Municipal de Fátima. 17h30 – Visita à Capelinha das Aparições. Oração do Santo Padre.

18h00 – Celebração das Vésperas com sacerdotes, diáconos, religiosos/as, seminaristas e agentes de pastoral, na Igreja da SS.ma Trindade. Discurso do Santo Padre. 21h30 – Bênção das velas, na Capelinha das Aparições. Discurso do Santo Padre. Oração do Rosário. 13 de Maio (quinta-feira) 10h00 – Santa Missa na esplanada do Santuário de Fátima. Homilia do Santo Padre. Saudações do Santo Padre. 13h00 – Almoço com os Bispos de Portugal e com o Séquito Papal no Refeitório da Casa de Nossa Senhora do Carmo. 17h00 – Encontro com as Organizações da

Pastoral Social, na Igreja da SS.ma Trindade. Discurso do Santo Padre. 18h45 – Encontro com os Bispos de Portugal no Salão da Casa de Nossa Senhora do Carmo. Discurso do Santo Padre. 14 de Maio (sextafeira) 8h00 – Despedida da Casa de Nossa Senhora do Carmo. 8h40 – Partida de helicóptero do heliporto de Fátima para o Porto.


2|

ABRIL2010 | NOTÍCIASDAFREGUESIA | OPINIÃO . NECROLOGIA

A notícia chegava no domingo pela manhã, bem cedo ainda. Tinha-a visitado no hospital, há uns meses já. Ao ver-me entrar, os olhos deixaram transparecer a alegria permitindo que algumas lágrimas corressem. Recomposta dos sentimentos dificilmente controláveis de me ver ali a visitá-la naquele que era já o seu segundo internamento hospitalar, falou, bem ao seu jeito, do que lhe ia dentro. Seria já e enésima vez que o faria. Tentei perceber o sofrimento que tivera e o que naquele momento sentia. “Eu vi-o no ecrã, parecia uma aranha grande, foi muito sacana comigo, nunca me tirou o apetite, apenas me deixava muito cansada e só por acaso eu fui ao médico.” Falava assim do cancro que lhe tinha minado o estômago, estômago que, à primeira operação foi “arrancado”. Tudo parecia ter corrido bem até ao momento em que se percebeu que uma infecção continuou a destrui-la por dentro. Falou dela, falou de Deus, disse que não se importava de morrer porque “já não andava a fazer nada cá e porque não sabia se aguentava muito mais sofrimento”. No meio da conversa falou da crucial importância e dos “poderes” dos padres. Disse-me, ainda, “nunca se preocupe com dinheiro, preocupe-se sempre com a sua saúde”. Uma terceira vez voltou para o hospital, desta vez para voltar já sem vida. Passaram seis meses desde que lhe havia sido diagnosticado o que a levaria à morte. Naquela segunda-feira

As palavras do senhor prior Pe. José Baptista

Reaprender a viver dirigia-me para o funeral e pelo caminho ia pensando nos anos em que, na Sé, trabalhámos juntos, no quanto fez por mim e pelos outros sacerdotes, e no facto de ter arranjado tempo para ir ao funeral, mas não o ter «conseguido», senão uma vez, para a visitar no momento de doença. No funeral fui para celebrar a eucaristia, no tempo de doença, como no da saúde, teria podido ser eucaristia, entrega, e isso era mais importante. Pensei, porque a distância era longa, que eu, como nós habitualmente, encontramos geralmente tempo para o que “tem que ser” e para o que julgamos ser bom, mas deixamos de o encontrar, e talvez mesmo de o procurar, para aquilo que é realmente importante. E o tempo para os outros, para quem deveras precisa do nosso tempo… pode não existir. Lá, no Antigo Testamento, pela boca do profeta, Deus vai dizendo que “há tempo para rir e tempo para chorar, tempo para semear e tempo para colher, tempo para construir

e tempo para destruir…”. Nos tempos que hoje vamos vivendo passa-nos pela mente a ideia de que uns só têm tempo para construir e outros apenas o têm para destruir. Vou arregalando os olhos quando em tempos em que a Igreja vai vivendo um dos momentos negros da sua história e se afirme, normalmente, que não se gosta deste Papa, sobretudo porque se conheceu um outro que foi personalidade mundialmente tida em consideração, os meios de comunicação social estejam a dar uma a visita do Papa ao nosso país, uma cobertura como nunca se fez em qualquer uma das vindas de João Paulo II. A Eurovisão, que nunca se interessou por Fátima, hoje tudo faz para fazer também a cobertura da sua vinda cá. Constrói-se por um lado e destrói-se por outro. Essa é exactamente a imagem da nossa vida: lutamos com unhas e dentes por novos valores de ecologia e protecção da natureza e dos animais e fazemos, tantas vezes, dos valores humanos meras questões de

Necrologia

Emília de Jesus Domingues, de 78 anos, faleceu dia 5 de Abril. Residia em Vale da Pedra. Era casada com José António Cordeiro e foi a sepultar no cemitério de Vale da Pedra.

Encarnação de Jesus, de 81 anos, faleceu dia 6 de Abril, residia Moita da Roda e era viúva de José Ferreira Évora. Foi a sepultar no cemitério de Moita da Roda.

FICHA TÉCNICA

Notícias da Freguesia de Souto da Carpalhosa Título anotado na ERC Depósito Legal 282840/08 Director José Carlos Gomes

Virgílio Gaspar Rodrigues, de 56 anos, faleceu no dia 7 de Abril. Residia em Moita da e era casado com Idalina da Graça Ramos Rodrigues. Foi a sepultar no cemitério de Moita da Roda.

Editor Ângela Duarte Colaboradores Albino de Jesus Silva, André Duarte, Carlos Duarte, Cidalina Reis, Eulália Crespo, Gastão Crespo, Guilherme Domingues, Gustavo Desuzarte, Hugo Duarte, José Baptista (Pe.), Luisa Duarte, Márcio Santos, Mário

balofas moralidades a que se atribuem princípios ultrapassados. É por isso mesmo que acabamos por transportar para a natureza os valores que são humanos e procuramos para nós valores e princípios que nunca serão aquilo que julgamos serem já. É fascinante como, sem nos apercebermos, não vamos, mesmo que tenhamos tempo, levar as crianças a pé à escola, e não damos meia dúzia de passos para ir a pé seja onde for, mas de controlamos o dia para ter tempo de fazer o passeiozinho a pé para manter a saúde e a “forma”. Passa o tempo sem que tenhamos tempo de pensar em nós mesmos, no bem-estar que nos vem do rir, dos contactos com os outros e da certeza que, em cada dia, há muitos bons momentos de que só nos apercebemos se os olharmos com atenção. Claro que muitas vezes também estamos enganados, e por isso nos enganamos julgando criar relações e amizades por meio de um computador, esquecendo-nos que, para isso, nos fechamos nos nossos quartos, nas escolas já não se joga a bola, porque os computadores substituem as formas de relação, e é por isso que muitos de nós já nem para as pessoas que moram lá em casa temos tempo. Damos cabo da saúde mental, e consequentemente da física, que só os ansiolíticos (destruidores da ansiedade) podem atenuar. Creio que precisamos reaprender a viver.

notícias da freguesia, todos os meses, no souto da carpalhosa e na internet

Abertura

José Carlos Gomes

Saneamento Os rumores que nos vinham chegando, não auspiciavam um final feliz para as obras de saneamento que estavam a decorrer na freguesia. O que não queríamos que acontecesse acabou por nos sair em sorte. O empreiteiro não aguentou a crise em que o país está mergulhado e apresentou a sua insolvência. Pela forma lenta como os trabalhos estavam a decorrer, já se percebia que algo estava mal. Como era possível para um concurso de largas centenas de milhares de euros, que contemplava a rede de saneamento para os lugares de Várzeas, Picoto, Arroteia, Souto da Carpalhosa, S. Miguel, Chã da Laranjeira e Assenha, estar no terreno unicamente uma frente reduzida de trabalho?! Tendo por base o volume de trabalho desenvolvido durante um ano, deixo mais algumas questões: quantos anos seriam necessários para se chegar ao lugar da Assenha? Estas obras não têm contratualmente prazos de execução estabelecidos? Estavam a ser fiscalizados e cumpridos? Será melhor ficar por aqui porque ainda alguém me virá dizer que isto não é seara para a minha foice! Pela experiência já vivida noutras freguesias do concelho, estamos perante uma obra que poderá estar parada largos meses, com todos os incómodos para as pessoas que tal situação acarreta, não só pelo atraso que se vai verificar na rede de saneamento, mas, mais grave ainda, vamos ter que conviver com o mau estado do pavimento em que se encontram as ruas já intervencionadas. A nós resta-nos pedir paciência e compreensão aos residentes nos lugares afectados, deixando o compromisso de que iremos fazer o que estivar ao nosso alcance para minorar os prejuízos decorrentes do abandono dos trabalhos. Segundo informações que conseguimos obter, o SMAS vai lançar novo concurso e, como é sabido, são actos morosos que terão que cumprir com todos os formalismos legais. É minha convicção que teremos pela frente largos meses até à conclusão deste novo processo. Não podemos deixar de manifestar o nosso lamento pelo facto de, até hoje, não ter havido uma única palavra por parte do SMAS sobre o sucedido. Não lhes ficaria nada mal, enquanto entidade dona da obra, ou estarei equivocado?

Duarte, Orlando Cardoso, Simão João, Associações e Escolas da Freguesia.

Fax 244 613 751 E-mail noticiasdafreguesia@gmail.com

Propriedade Junta de Freguesia Largo Santíssimo Salvador, nº 448 2425-522 Souto da Carpalhosa

Website noticiasdafreguesia.blogspot.com

Telefone 244 613 198

Periodicidade Mensal

Tiragem 1000 exemplares

Distribuição Gratuita Projecto gráfico www.3do3.blogspot.com Impressão OFFSETLIS, Marrazes, Leiria Tel.: 244 859 900 Fax: 244 859 910 E-mail: geral@offsetlis.pt


SOCIAL . OPINIÃO | NOTÍCIASDAFREGUESIA | ABRIL2010

|3

Projecto Renascer em Silêncio

Por uma velhice com dignidade… procure apoio psicológico

DIREITOS RESERVADOS

Trabalhos da Junta

A Junta de Freguesia de Souto da Carpalhosa e a Mulher Séc. XXI – Associação de Desenvolvimento e Apoio às Mulheres estabeleceram um protocolo a fim de prestar apoio à população mais idosa e disponibilizar apoio psicológico a quem manifeste este interesse. O Gabinete de Apoio Psicológico destina-se a pessoas com mais de 65 anos que se encontrem em situações de violação dos seus direitos e estado de dignidade. Três em cada quatro pessoas idosas são privadas da sua liberdade e independência, e, muitas das vezes, sofrem de actos de violência física e psicológica. A prestação de apoio psicológico será prestada mediante procura junto da Junta de Freguesia

Espaço Saúde

Dr. Gustavo Desouzart*

Quando a vida surgiu na face da Terra, há muitos milhões de anos, os ciclos naturais, como as estações do ano, já existiam. Entre esses ciclos os principais são o ciclo nictemeral (dias e noites) e as quatro estações do ano. Os sábios da antiga China, atentos observadores da natureza, perceberam que todos os ciclos naturais ocorrem entre dois pólos opostos que possuem uma relação entre as suas características fundamentais, que foram chamados de Yin e Yang. Nessa visão, a Primavera é o momento do nascimento do Yang dentro do Yin. Isso na natureza é simbolizado pelo elemento madeira, o

de Souto da Carpalhosa. Caso haja potenciais interessados, estará disponível um psicólogo na junta a fim de prestar todo o tipo de apoio. O serviço é gratuito e respeita toda a confidencialidade de quem procure este tipo de ajuda. O projecto “Renascer em Silêncio”, da Mulher Séc. XXI, visa sensibilizar e informar a comunidade em geral sobre a violência exercida contra idosos, bem como proporcionar apoio psicológico e acompanhamento das vítimas e familiares, promovendo uma efectiva prevenção e combate deste fenómeno. Tendo como público-alvo pessoas com mais de 50 anos, o projecto envolve também família e

Dicas para a Primavera

único elemento com vida entre os cinco elementos da filosofia chinesa (água, madeira, fogo, terra e metal). Segundo a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), a madeira tem a sua plenitude na Primavera e manifesta-se no vento que, por sua vez, move as folhas das árvores. O vento e o movimento das forças naturais podem influenciar o fígado, por isso é o órgão que mais pode ser afectado por um desequilíbrio nesse período. A madeira e o fígado ainda se relacionam com os olhos, com o movimento dos músculos e os tendões, com a raiva e com a vesícula biliar. Então todos estes

outros agentes de intervenção. Alertar para o fenómeno da violência doméstica, combater a violência exercida contra idosos, difundir práticas preventivas deste fenómeno, divulgar, sensibilizar e promover o bem-estar e qualidade de vida da população idosa, são os objectivos centrais deste projecto. Caso prefira, também pode entrar em contacto com a Mulher Séc. XXI através dos contactos móveis 964 854 462 e 910 908 368, fixo 244 871 325, ou através dos emails mulhersecxxi@sapo.pt, ou renascer.silencio@gmail.com. Por uma velhice com dignidade, ajude no combate à solidão e negligência. Ajude a mudar a vida de um idoso.

órgãos, sentidos e tecidos precisam estar protegidos. Todos podem apresentar desequilíbrios caso a pessoa não se cuide adequadamente. A Primavera é uma estação delicada para os alérgicos, é um tempo de crises e alto consumo de medicamentos. Aparecem as “ites”, ou seja, sinusites e rinites que atacam o aparelho respiratório. No caso das alergias, geralmente os padrões estão relacionados ao “vento”, que é um dos factores externos que causa doenças. Esse vento geralmente é combinado com outros factores como: humidade, calor ou frio. Nota-se então, que as alergias não são todas iguais, logo, o tratamento não pode ser igual para todos. A MTC ajuda a harmonizar de forma natural o funcionamento do aparelho respiratório, bem como de todo o organismo, traduzindo-se em saúde e melhor qualidade de vida. Há quem diga que a Primavera é a mais bela das estações. Dizem que é na Primavera que os corações mais se apaixonam

Sabia que tem direito a…

...controlar os seus bens materiais e financeiros? …receber visitas de amigos(as)? …ser ouvido? …expressar a sua opinião? …satisfazer as suas necessidades básicas? …ter um espaço em que se sinta seguro? …receber os cuidados de higiene e saúde adequados? …que respeitem a sua intimidade? …abrir e enviar a sua própria correspondência? 75% da população idosa é privada de um ou mais destes direitos.

e que as pessoas são mais amáveis umas com as outras. Diz-se, também, que é o período em que as pessoas estão no melhor do seu humor. Se estas coisas são verdade ou não, ainda não temos como comprovar, pois não há dados científicos para isso. Entretanto, uma coisa é certa: nesta época do ano há um clima de boas expectativas. A Primavera é, sem dúvida nenhuma, a fase boa da natureza. É nesta estação que a natureza está equipada de toda a sua beleza. Então, quando contemplamos tantas maravilhas, logo enchemos o coração de júbilo e a boca de risos. Assim, podemos pensar que nossa mente se prepara para a transformação. A Primavera é a época adequada para começar qualquer actividade: um negócio, um curso, uma terapia ou trocar de emprego. É interessante realizar nesse período mudanças em casa como baptizados e casamentos, perdoar brigas e rancores familiares. Mas, nada de disputas, punições e confrontos, que precisam ser deixados para o Outono. Em

Como de hábito, deixamos aqui a indicação dos trabalhos da Junta de Freguesia levados a cabo no decorrer do mês de Abril. No Sargaçal foram executados vários trabalhos de limpeza, assim como no lugar da Marinha. Para além destes, foram ainda levados a cabo vários pequenos trabalhos na escolas do Vale da Pedra e das Várzeas. Também na Moita da Roda foram executados vários arranjos, mais precisamente no campo da bola. Espalhamento de um camião tout-venant foi outra tarefa executada este mês e, ainda, limpeza de areias nos lugares de Carpalhosa e Sargaçal.

termos de alimentação, devemos aproveitar-nos dos alimentos frescos ou pouco cozidos, de cor verde. Os chás indicados são de hortelã, melissa, boldo, alcachofra, passiflora, que são calmantes e desobstruem o fígado. E, justamente, para não fazer mal a esse órgão, deve-se evitar o consumo excessivo de carnes, gorduras e bebidas alcoólicas e actividade física excessiva. Recomenda-se também uma protecção para os olhos (por exemplo, o vento, em geral, facilita a deposição de pequenas partículas que podem transportar bactérias). Hoje falei da Primavera, mas acredito que todas as estações são belas, e são momentos de transformação, por isso, vamos aproveitar para fazer transformações interiores e para buscar ajuda para a saúde do corpo e da mente. “A conscientização não é o caminho mais fácil, mas é o que propicia transformações.” (M. Suplicy) Saúde e Paz para todos. * Medicina Tradicional Chinesa


4|

ABRIL2010 | NOTÍCIASDAFREGUESIA | ESCOLAS

Escola EB1 Chã da Laranjeira

Pré Souto da Carpalhosa

Os livros são... Nós, na EB1 de Chã da Laranjeira, damos grande valor à leitura. Através dela conhecemos novas realidades, aprendemos novos saberes e damos asas à nossa imaginação. Por esse motivo, não quisemos deixar de comemorar o Dia Mundial do Livro, comemorado na sexta-feira, dia 23 de Abril. Tivemos um dia dedicado à leitura e às histórias. Elaborámos um marcador de livros para sabermos sempre em que página vamos, e até fizemos algumas brincadeiras com as palavras em forma de poemas. O Livro é um amigo Amigo da leitura Leitura para aprender Aprender a ler histórias Histórias de terror Terror e aventura Aventura de amor Amor e jogos Jogos de desafios Desafios que são notícias Notícias do passado Passado contado em BD BD que ensina a ilustrar Ilustrar fábulas Fábulas que são textos Textos escritos em poesia Poesia para corrigir os erros Erros de não ler um Bom Livro! 3.º e 4.º anos

Páscoa e Primavera Os meninos da Pré-escola do Souto da Carpalhosa vêm partilhar com os nossos leitores alguns dos trabalhos que realizamos ao longo do mês. Desde trabalhos alusivos à Páscoa, como as galinhas e os ovinhos coloridos que fizemos, passando pelos trabalhos de colagens e pinturas relacionadas com a Primavera. Vejam só as coisas bonitas que realizamos. Beijinhos dos meninos da Pré e da Educadora Lena

Soneto da Liberdade Ainda não há muito tempo Vivíamos num país de tristeza, Não tínhamos liberdade Era cinzenta a vida portuguesa. Mas, num dia de sol Houve uma bela revolução, A tristeza virou alegria Portugal encheu o coração. Agora somos livres… Livres como uma papoila Livres como uma gaivota.

Fotos: DIREITOS RESERVADOS

Agora somos livres… Livres de falar. Livres de cantar. Turma de 2.º e 3.º ano E.B.1 de Souto da Carpalhosa

Quando nós lemos…

Dia da Mãe

Liberdade sentimos, Imaginando lugares diferentes! Vontade de ler cada vez mais, Rir das imagens engraçadas, Ouvir histórias maravilhosas!

Poema à Mãe No mais fundo de ti, eu sei que traí, mãe. Tudo porque já não sou o retrato adormecido no fundo dos teus olhos. Tudo porque tu ignoras que há leitos onde o frio não se demora e noites rumorosas de águas matinais. Por isso, às vezes, as palavras que te digo são duras, mãe, e o nosso amor é infeliz.

Os livros são para… Ler Entender Inventar Trabalhar Usar Rir Aproximar. 1º e 4º anos

Tudo porque perdi as rosas brancas que apertava junto ao coração no retrato da moldura. Se soubesses como ainda amo as rosas, talvez não enchesses as horas de pesadelos. Mas tu esqueceste muita coisa; esqueceste que as minhas pernas cresceram, que todo o meu corpo cresceu, e até o meu coração ficou enorme, mãe! Olha – queres ouvir-me? – às vezes ainda sou o menino que adormeceu nos teus olhos; ainda aperto contra o coração rosas tão brancas como as que tens na moldura; ainda ouço a tua voz: Era uma vez uma princesa No meio de um laranjal... Mas – tu sabes – a noite é enorme, e todo o meu corpo cresceu. Eu saí da moldura, dei às aves os meus olhos a beber. Não me esqueci de nada, mãe. Guardo a tua voz dentro de mim. E deixo-te as rosas. Boa noite. Eu vou com as aves. Eugénio de Andrade, Os Amantes sem Dinheiro (1950)


SOCIAL | NOTÍCIASDAFREGUESIA | ABRIL2010

|5

DIREITOS RESERVADOS

Foi esta a pergunta que fizemos ao Américo Domingues – mais conhecido por Ti Américo (na foto, à direita) – do Souto da Carpalhosa. Tinha 45 anos, quanto, num dia de Abril de 1974 esteve com especial atenção ao que passava na rádio. “Recordo-me vagamente… comecei a ouvir na rádio… lembro-me melhor da revolução em Novembro, na Base Aérea”. Contudo, os 81 anos que leva ainda lhe trazem à memória as vivências daquele dia. “Com a revolução, e os dias seguintes, sentiu-se muito a situação das empresas. As pessoas não foram trabalhar… havia medo. Para os tachistas é que estava tudo bem”, relembra. Mas, não havia medo? “Quem não queria tacho andava descansado”, conta Ti Américo. O octogenário reforça ainda que a revolução não aconteceu quando Salazar estava no poder, e afirma que, aquele homem do seu tempo cumpriu bem o seu papel. “Quem viveu no tempo de Salazar e ainda vive hoje… quem dera que voltasse”, diz, afirmando ainda que “já se provou que foi o melhor estadista português”. No remate da conversa com o NOTÍ-

CIAS DA FREGUESIA, Américo afirma que “se o Salazar fosse vivo em 1974, não havia 25 de Abril. Ia tudo para o Tarrafal”. Fizemos a mesma pergunta a Manuel Sobreira. O jovem que tinha 18 anos no dia da revolução lembra-se nitidamente do dia 25 de Abril. “Vivi a época de forma muito intensa”, afirma. “Aqui, no lugar, eram muito poucos os que tinham consciência política”, diz, ao ser questionado sobre a forma como se viveu a revolução um pouco pela freguesia. Divisões, medos… o clima de desconfiança estava muito presente. “Havia medo. Mesmo nas aldeias. As pessoas desconfiavam umas das outras. Os de direita desconfiavam de quem poderia ser de esquerda e vice-versa”, afirma. “Fui acusado de estar ligado a partidos, e nunca estive”, conta ainda. O dia 25 de Abril, está bem avivado na sua memória. “Nessa manhã, levantei-me para ir trabalhar e achei muito estranho o movimento anormal de carros de tropa, que vinham do lado da Figueira da Foz e se dirigiam para Sul. O trabalho, na empresa,

AD

Onde estava no 25 de Abril de 1974?

foi pouco ou nenhum. Juntamo-nos todos no escritório a ouvir a rádio e depois, acompanhamos pela televisão”, recorda. Com a azáfama do que acontecia, do que se falava, logo um turbilhão de sentimentos se manifestava. “Fiquei confuso. Não sabia muito bem o que se estava a passar. Não sabia se era bom, se era mau”, refere Manuel. Para Manuel, o 25 de Abril de 74 resume-se bem na palavra revolução. “A liberdade que se ganhou caminha para a falta de respeito para com o outro. As pessoas deixaram de ter vontade de ajudar o próximo. Só interessa o seu umbigo”, remata.

Depois do blogue, NOTÍCIAS DA FREGUESIA nas redes sociais

Souto da Carpalhosa na Internet Respondendo aos desafios que a Internet nos propõe hoje, o jornal NOTÍCIAS DA FREGUESIA veio reforçar a sua presença no mundo virtual. Depois da edição presente no blogue (http://notic iasdafreguesia.blogspot.com) e na rede social Twitter (twitter/ NF_souto), passa agora a estar também no Facebook (Notícias Freguesia). Este será mais um espaço em que o jornal poderá estar mais próximo dos seus leitores. Ao mesmo tempo, falamos de meios facilitadores de uma relação de reciprocidade entre o jornal e o leitor. Logo no arranque do NOTÍCIAS DA FREGUESIA, quisemos saber o que as pessoas da freguesia do Souto da Carpalhosa pensam a propósito da visita do Papa Bento XVI a Portugal. Três questões lançadas. Conheça algumas das respostas.

NF_Facebookérito Bento XVI realiza a primeira visita a Portugal ao exercício de funções de Papa. A visita, que se

sobre os problemas e guerras que ainda há no mundo. Ele não é uma referência boa, acho eu. Não vale o Papa João Paulo II. Infelizmente não, mas estarei lá pela minha fé. Não é necessário deslocar-se lá para ter devoção a Nossa Senhora de Fátima, para ir lá quando é o 13 de Maio. - Não, porque quem tem vontade de lá ir consegue, e de muito mais longe... realiza entre os dias 11 a 14 de Maio, tem sido foco de muitas atenções. Queremos saber a sua opinião:

1. Vai estar nas comemorações do 13 de Maio, em Fátima? 2. O que acha da tolerância de ponto concedida pelo Governo? 3. Na sua opinião, o facto de pertencermos à diocese Leiria-Fátima dá-nos uma posição privilegiada? David Ferreira - Não poderei estar presente devido a compromissos profissionais. No entanto, considero preferível visitar Fátima em momentos

menos mediáticos. - Discordo com tolerância de ponto concedida, uma vez que discrimina os funcionários pela sua entidade patronal, bem como a religião Católica das restantes religiões existentes. - É claro que sim. Possibilitoume no passado poder ver o Papa na Base Aérea de Monte Real, bem como ser muito mais fácil chegar a Fátima, sem grandes viagens. Marina Reis - Eu não vou estar presente nas comemorações de 13 Maio. - Em relação à tolerância de ponto, acho que não tem sentido nenhum, porque as pessoas não

têm de deixar de trabalhar só porque um Papa vem a Portugal. Também existem muitos cidadãos portugueses que optam por seguir outras religiões e se aparecesse alguém que eles consideram importante, alguém representante da sua religião, não existia esta euforia toda, como agora com o Papa... Para mim, isto é tudo um exagero. - Para mim, o facto de pertencermos à diocese de LeiriaFátima não nos traz quaisquer privilégios. Chantal Silva - Bento XVI, para mim, não é um Papa que se preocupe muito

Elisa Duarte - Talvez esteja presente. - Não concordo. Será que só os funcionários públicos é que são os mais católicos? Ou é mais uma maneira de os funcionários públicos não fazerem nada? Só mesmo neste país, isto é mesmo uma vergonha. - Sim é um privilégio para nós. Sentimo-nos tão perto, neste caso do Santo Padre, talvez com esta visita nos faça despertar a Fé que está um pouco adormecida.


6|

ABRIL2010 | NOTÍCIASDAFREGUESIA | OPINIÃO

DaTerra

Carlos Duarte

Orgulho Por vezes, um ser humano ultrapassa os limites que são válidos para os restantes. Obtemos então o herói, o sábio, o líder, o mártir... Só existe futuro para um povo, enquanto consciência colectiva da população de um território, se conseguir identificar e ter orgulho nos seus protagonistas. Cada nação tem muitos indivíduos que foram protagonistas num momento da sua vida. Portugal não é excepção. Com quase 900 anos de história, temos muitos mais que a generalidade dos países. Aliás, não tendo muitos mais que outros países com mais população, temos no entanto uma maior capacidade em os identificar (por sermos um país pequeno), em os generalizar (por sermos um só povo numa só nação) e em os guardar (por não conseguir identificar outro que o substitua). Talvez por este motivo, há pessoas em quem tenho orgulho, e que nunca fizeram nada em Portugal. Estou a lembrar-me do actual Presidente dos EUA que está a transformar o seu país, que além de ser uma potência militar e económica, começa a dar passos para uma menor poluição. Será que este líder ficará na história? Então, como é que um protagonista fica na história? Existe o Livro dos Recordes, em que se regista quando um limite é ultrapassado. Mas não é esta a história a que me refiro. Podia ter orgulho no Mourinho, no Cristiano Ronaldo, ou no Messi, mas é cedo, já se esqueceram do Jardel, ou do Maradona? Há muitas pessoas (decerto também na freguesia) que ultrapassam os limites, mas não ficam na história porque as suas acções não são consistentes, e a seguir a um grande acto, provocaram um grande desacato. Urgente para Portugal é fazer crescer a sua economia, e não será com o futebol. É preciso um líder no qual Portugal possa ter orgulho. Será que terei motivos para ter orgulho no próximo primeiro-ministro?

Pintando a minha aldeia! Naquele outeiro dito de São Martinho, ali, na nossa frente, actualmente com medíocre aspecto e mal cuidado, era há cinquenta anos atrás um perfeito jardim natural de raras belezas! Se nos encontrássemos algures no adro da igreja virados a sudoeste, deliciávamos com a vista que nos oferecia. Da esquerda para a direita e da base junto à ribeira até quase, quase ao cimo, vinhedos e entre-plantações doutras espécies de árvores de fruto escrupulosamente bem amanhados, desde as encostas de Conqueiros, conhecidas por “Val da Chuvadas”, até ao meio extremo do lado direito! Junto ao cume, na parte mais elevada, existia já uma grande quantidade de pinheiros, mansos na maioria, onde os populares costumavam recolher as pinhas, primordial matéria das

Numa altura em que tanto se fala de desemprego, o emprego que é cada vez mais um bem precioso que se torna essencial preservar. Ouve-se, por vezes, alguns colaboradores dizer que querem é o salário ao fim do mês. Porém, durante esse mês pouco fazem para assegurar que o patrão tenha dinheiro para o seu salário. Felizmente, há também quem tenha presente o valor do seu emprego e a oportunidade que lhe foi dada. Nesse sentido, assumem a empresa como sua e, como tal, mostram responsabilidade e dão provas para a obtenção do sucesso da empresa em que trabalham. Os jogadores de futebol normalmente iniciam a sua carreira num clube pequeno e a ganhar pouco. Quando perguntamos se quer marcar muitos golos a resposta é óbvia. E se questionamos o porquê de marcar mais golos a resposta é simples: “se marcar muitos golos, mais importante para a equipa sou e assim asseguro o meu lugar no clube, bem como aumento o meu valor ou seja o meu salário”. Esta realidade demonstra que o trabalho bem feito, faz sempre a diferença com toda a certeza. O patrão

“desbochadas” – extracção dos pinhões – seguido das “britadas”, animados serões para a recuperação da excelente iguaria, consumida por ocasião das festas de S. Bento, Sto. Amaro e S. Sebastião nos princípios de cada ano, e, ainda, nas feiras da região! A parte situada mais para o lado oeste estava ornamentada por oliveiras; o chão, apesar da inclinação, era fértil de fenos por onde brotavam numerosos rebanhos de cabras e ovelhas, e também as juntas de gado bovino nas manhãs dos domingos soalheiros. No extremo, do lado direito onde ainda se pode observar o rochedo, explorava-se a pedra para o fabrico da cal hidráulica, cozida no local em fornos apropriados, cujas chaminés ficaram erguidas muitos anos junto ao rio, dando um aspecto decorativo ao local, sendo demolidas nos finais da década sessenta do século XX.

Opinião

Gastão Crespo

O valor do emprego reconhece, aprecia e agradece. Mas, se não o fizer irá aparecer alguém que o reconhece e “qu’i sabe” muda de vida e de emprego. Infelizmente, quantos de nós já foram a uma loja e o funcionário que nos atendeu teve uma atitude do tipo: “todos lhe devem e ninguém lhe paga? Para que isso não aconteça, aqui vão algumas dicas importantes que podem ajudar ao seu sucesso profissional: - Tenha uma atitude positiva; - Troque os “problemas” por “desafios e oportunidades”; - Esteja voltado para as necessidades do cliente e proponha-lhe soluções; - Seja rápido e eficiente no atendimento; - Faça uma escuta activa (ter empatia com cliente e evitar o julgamento); - Esteja voltado para as necessidades do cliente e proponha-lhe soluções;

O subsolo do outeiro ocultava algumas riquezas, entre outras a pedra tingente, conhecida por “oca” muitos anos explorada através de minas: poços verticais que partiam do topo do monte às profundidades de existência, ou horizontais, a partir da meia encosta conforme a situação da propriedade dos exploradores, todavia sem desfigurar a beleza do cabeço. Os caminhos que davam acesso às diversas propriedades mantinham-se limpos e adornados com árvores de fruto, sobretudo macieiras de diferentes qualidades. De salientar as deliciosas maçãs alveirinhas, que no seu tempo regalavam os miúdos que andavam por ali apanhar lenha. As necessidades dessa época faziam com que a parte dita florestal se mantivesse sempre limpa, e onde houvesse pinheiros não havia carumas pelo chão. Qualquer sítio onde o mato avultasse era cortado para a lavra de composto, utilizado depois nas terras de amanho.

- Agradeça sempre no final do atendimento. Dicas para ser feliz no trabalho: - Seja positivo e optimista; - Defina prioridades (o que é importante e o que é urgente fazer); - Comprometa-se diariamente com os resultados da sua empresa e os seus próprios objectivos;

Hoje, só os populares mais antigos podem recordar esse “Éden” que bordava o Souto e o protegia dos ventos Sul. As explorações de pedra para os cimentos (também esta, riqueza de subsolo) e o abandono da agricultura contribuíram para a destruição de uma das mais belas paisagens da nossa terra. As actuais faias e choupos no sopé, e os matagais mal cuidados pela encosta desfiguram por completo e oferecem um cenário execrável que nos entristece! Que pena sinto que a nossa juventude não conhecesse a beleza que noutros tempos nos ofereceu o outeiro de São Martinho! É claro que as minhas narrativas já nada vêm trazer, nem remediar. Falo destas coisas porque sinto saudades desse tempo, quando, vezes sem fim, subi e desci aquelas vertentes com os meus companheiros, que também eles devem recordar, excepto os que já partiram.

- Crie espírito de entreajuda e camaradagem entre os colegas; - Conheça o negócio e estar disponível para aprender; - Reserve meia hora por dia para avaliar o que foi feito e como pode ser melhorado. Por último existem alguns ingredientes necessários para ser um profissional de alta performance: a postura, a atenção, a concentração, a simpatia, o sorriso permanente, o entusiasmo, e principalmente o gostar do que faz. Seja feliz, faça alguém feliz e já agora seja um excelente profissional. Ilustração: Simão João

Os jogos, passeios, aventuras, encontros com grupos de jovens vindos doutras localidades. Ali passámos tardes inteiras a olhar para a nossa aldeia e demais horizontes. Que pena, repito, não haver um acesso disponível, um atalho qualquer que ligue a nossa aldeia até às “Picotas”… Seria bom recordar que até meados do século XX por ali se efectuava em trajecto pedestre a ligação mais curta com as “Ortigosas”. Muitos jovens desse tempo percorreram este caminho vindos de Lameira e Riba d’Aves quando vinham à doutrina, quando os populares dessas terras se deslocavam ao Souto por ocasião das quarenta horas na quaresma, etc., etc., etc. Alguém me dissera já: “Sr. Lino, os tempos são outros”. Confirmo, na verdade já não são os mesmos! Albino de Jesus Silva


SOCIAL . DESPORTO . OPINIÂO . LAZER | NOTÍCIASDAFREGUESIA | ABRIL2010

|7

Normas para a Limpeza de Cursos de Água

Nos termos da alínea b) do n.º 5 do art. 33.º da Lei n.º 58/2005, de 29 Dezembro, os proprietários ou possuidores de parcelas de leitos e margens de linhas de água, nas frentes particulares e fora do aglomerado

urbano são obrigados: A manter o seu bom estado de conservação, procedendo à sua regularização, limpeza e desobstrução; A proceder à correcção dos efeitos da erosão, transporte e deposição de sedimentos, designadamente ao nível da correcção torrencial. Nestas condições, todos os proprietários e confinantes abrangidos por estas disposições são notificados a procederem até 30 de Setembro de cada ano: - À limpeza e desobstru-

Uma crónica de vez em quando... Orlando Cardoso*

O tempo das cerejas Falar da Cova da Beira e do Fundão, quando Abril passou, é lembrar o doce e belo fruto que nos encanta. Todos os anos, e por diversas vezes, peregrino me torno para as terras das cerejas. O Douro e a Beira, alternadamente como quem não pretende fazer desfeita a nenhum dos dois amores, são dois dos meus destinos para encontrar esse fruto divino. Vale a pena o passeio à Gardunha, mesmo quando tem de se abandonar a estrada larga e fazer as curvas sem fim que hão-de levar a Alpedrinha, um dos mais recônditos e belos lugares daquelas paragens. Suprema tentação, as cerejas bem vermelhas e sedutoras espreitam nas caixas dos vendedores. Confesso que sou perdido por cerejas, capaz de percorrer meio país para saborear as melhores que o nosso país é capaz de produzir. E sempre tive pena de que o Souto não fosse terra de tão maravilhoso e fantástico fruto. Outras coisas tem de bom, como as suas gentes, mas os frutos vermelhos não fazem parte das suas riquezas. Contudo, havia uma altura do ano onde comíamos cerejas. Era no dia da festa de Santo António, em S. Miguel, que tinha lugar nos princípios do mês de Junho. Normalmente o calor apertava e os pinhais em volta da capela enchiam-se de gente procurando os lugares mais frescos. Havia quem encontrasse na sesta o retempero das forças perdidas na ladeira entre o Souto e a capela. Além dos leilões dos bolos, das chouriças, dos coelhos assados no forno e outras coisas mais que a memória já perdeu, havia o encanto da merenda, depois de passada a procissão e a bênção dos festeiros. O meu pai percorria as vendedoras das coisas boas que não faltavam e despejava sobre a toalha, trazida pela mãe, tremoços, pevides e bolos. No fim vinham as iguarias mais desejadas, aquelas que fazem com que, meio século passado, não me esqueça da festa de Santo António. O meu pai, cuidadosamente, colocava sobre a mesa improvisada pirolitos, gasosas e laranjadas. No centro de tudo abria-se o cartucho de cartão cheio de cerejas bem doces e vermelhas. Essas cerejas, lembro-me agora, eram pelo menos tão saborosas como aquelas que se compram lá para os lados do Fundão ou da Régua. * orlandocardososter@gmail.com

ção do leito e margens das correntes e a retirada de materiais acumulados que poderão ser utilizados para reforço das margens; - Ao esbeiramento ou derrama com corte de ramos de árvores e arbustos existentes que estejam pendentes para o leito; - Ao corte de árvores e arbustos existentes no leito e em obstrução à corrente; - À concretização de obras de reparação e regularização com reforço dos taludes e margens, previamente comunicadas, para

efeitos de fiscalização, à ARH do Centro. Em caso de não cumprimento ficam os referidos proprietários ou possuidores sujeitos a processo de contra-ordenação muito grave nos termos do art. 25.º e art. 22.º n.º4 da Lei n.º 50/2006, de 29 de Agosto, alterado pela Lei n.º 89/2009, de 31 de Agosto e outras sanções previstas na Lei em vigor e ao pagamento das despesas realizadas por esta ARH-Centro, para a concretização dos trabalhos.

Cantinho dos Miúdos & Graúdos Nesta edição, proponho que testem os vossos conhecimentos de cultura geral. 1. À perda de memória chama-se: a) Amnésia b) Surdez c) Enxaqueca 2. Os fones são perigosos para os teus ouvidos quando…. a) Ficam quentes b) Os usas demasiado tempo c) O som está muito alto 3. Quando cresce, o girino transforma-se numa: a) Sardinha b) Rã c) Enguia 4. O infante D. Henrique foi o impulsionador… a) Das Cruzadas b) Das Invasões c) Dos Descobrimentos 5. Rio que desagua em Aveiro: a) Vouga b) Lima c) Guadiana 6. País onde se encontra a floresta mais importante do planeta Terra: a) Angola b) Brasil c) México 7. A um grupo de ilhas chamamos: a) Deserto b) Arquipélago c) Ilhotas 8. Alguns exemplos de combustíveis fósseis são: a) Petróleo, carvão e gás natural b) Sal amoníaco e cobre c) Zinco, prata e grafite Milsorris:)s!

Respostas: 1.a) 2.c) 3.b) 4c) 5.a) 6.b) 7.b) 8.a).

Voltamos a relembrar, a pedido da Administração da Região Hidrográfica do Centro, IP (ARH-Centro) a obrigatoriedade das limpezas juntos às linhas de água.

Quando as linhas de água se inserem em aglomerado urbano, a limpeza, manutenção e desobstrução é da responsabilidade dos municípios, de acordo com a alínea a) do n.º 5 do art. 33.º da Lei n.º 58/2005, de 29 Dezembro. Ser proprietário de terrenos marginais a linhas de água tem benefícios e deveres. Informa-se e actue correctamente de acordo com a legislação em vigor. Para mais informações, contacte a ARH do Centro, IP.

Contactos ARH do Centro, IP. Edifício Fábrica dos Mirandas – Avenida Cidade Aeminium 3000-429 Coimbra Telefone: 239 850 200 Fax: 239 850 250 e - m a i l : geral@arhcentro.pt Núcleo de Leiria Rua Henrique Sommer, n.º 4 r/c 2410-107 Leiria Telefone: 244 872 595 Fax: 244 825 513

Calendário de jogos

Veteranos da Várzeas 8 de Maio: Várzeas x Carvide 24 de Junho: Belenenses x Vázeas (Estádio Marinha) NOTA A equipa dos veteranos das Várzeas vai à Suíça nos próximos dias 21, 22 e 23 para a realização de jogos amigáveis de futebol. Esta visita, segundo a organização, pretende ser uma troca e partilha de experiências e, ainda, uma “troca de galhardetes”. Na próxima edição, contamos relatar como foi a experiência.

RESULTADOS

Santa Bárbara x Sobrado Palmeiros (2-4) Um jogo atípico este, relativo à sexta jornada do segundo encontro de Escolas, que se realizou no polidesportivo da Santa Bárbara. Foi um início fulgurante de jogo da Santa Bárbara, com dois golos marcados em poucos minutos de jogo, com controlo total da partida. Uma defesa segura, que resolvia bem os problemas que o adversário ia causando, e nada fazia prever o que aconteceu na segunda parte. Foi talvez devido às facilidades do primeiro tempo, que a Santa Bárbara entrou demasiado desconcentrada e, por isso, sofreu quatro golos, sem resposta, pois quando tentaram voltar ao jogo, já nada saia bem. Uma derrota, talvez injusta, mas que ensinou aos atletas que o jogo não tem só uma parte.

Santa Bárbara x Dino Clube (4-4) A primeira jornada, do terceiro encontro de Escolas, que se jogou no polidesportivo da Santa Bárbara, realizou-se no dia 18 de Abril. Foi um jogo digno de ver, para quem gosta da modalidade, com golos bonitos, para todos os gostos. Alternância no marcador, emoção até ao fim, enfim… Tudo o que esta modalidade nos pode oferecer, mas, em ponto pequeno, só pela estatura dos praticantes. O jogo começou com um golo da Santa Bárbara, numa bola ganha no meio campo, e após alguns ressaltos a bola acaba por desviar na cabeça de um jogador da Santa Bárbara e entrar. O Dino Cube empatou numa bola dividida, e a Santa Bárbara voltou a marcar num livre directo. No segundo tempo, o Dino Clube veio mais aguerrido, e deu a volta ao marcador, para quatro a dois. Mas o jogo ainda não tinha terminado e após um lançamento longo do guarda-redes a Santa Bárbara reduziu a diferença, aumentando a confiança, para lutar até ao fim pelo resultado. Obteve o golo do empate já perto do fim, numa jogada de insistência.


ABRIL2010

Tudo quanto aumenta a liberdade, aumenta a responsabilidade. Victor Hugo, poeta, escritor e político francês [1802-1885]

Tempo Pascal

Anúncio da Ressurreição de Cristo

ARQUIVO/ANDRÉ DUARTE

A ideia nasce após a iniciativa “Limpar Portugal”, que decorreu no dia 20 de Março, e se traduziu, no geral, num enorme sucesso para o município. Contudo, apesar dos excelentes resultados obtidos, a verdade é que ainda muito lixo ensombra Leiria. Assim, no Dia Mundial do Ambiente, 5 de Junho, o presidente da Câmara Municipal de Leiria convida os cidadãos a participarem numa iniciativa para deixar o município limpo. Souto da Carpalhosa é uma das freguesias confirmadas para esta estreita colaboração com a autarquia e os cidadãos. Na apresentação do projecto, no dia 29 de Abril, por parte da autarquia à comunicação social, Raul Castro destacou a importância do “Limpar Leiria”, iniciativa que constitui “ um acto cívico, em que a Câmara Municipal de Leiria é o motor para o aperfeiçoamento da consciência colectiva sobre questões ambientais”. O autarca destacou a importância deste projecto que terá “efeitos directos e indirectos sobre a qualidade de vida da população do Concelho”, tendo ainda referido a relevância da participação dos jovens, na lógica de criação de um efeito pedagógico com o objectivo de alcançar um Concelho mais saudável e limpo. O Presidente da Câmara que procedeu à sua inscrição no site do Município – www.cm-leiria.pt, na área reservada ao projecto, afirmou que vai participar activamente na limpeza, nas Freguesias de Cortes e Barreira, tendo concluído a sua intervenção desafiando a população a participar nesta iniciativa, que se realizará, pelo menos uma vez por ano, até se justificar a realização da iniciativa. Porque a participação e empenho de todos se revelam como cruciais ao sucesso da iniciativa, o Município de Leiria convida todos os cidadãos interessados a participarem nesta campanha, a desenvolver no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Ambiente, no próximo dia 5 de Junho. Todos aqueles que pretendam inscrever-se na iniciativa, poderão fazê-lo directamente no site da Câmara Municipal de Leiria (www.cm-leiria.pt), na Feira de Maio, ou através da ficha de inscrição que está disponível na Junta de Freguesia, ou no Centro de Interpretação Ambiental em Leiria. No Souto da Carpalhosa, o ponto de encontro será no Largo da Igreja, às 8h00. Contribua para uma freguesia mais limpa. Contribua para um município limpo.

Fotos: ANDRÉ DUARTE

Souto da Carpalhosa adere à iniciativa do Dia Mundial do Ambiente

A propósito da Visita Pascal, da ida de Cristo a cada lar, o NOTÍCIAS DA FREGUESIA deixa-lhe alguns registos fotográficos da visita, na freguesia. Mas não só! Afinal, o que significa esta Visita? Procuramos as respostas junto do pároco da freguesia, padre José Baptista. Ângela Duarte Que significado tem a Visita Pascal? É o anúncio da alegria da ressurreição. Sempre foi, e continua a ser, momento em que os paroquianos colaboram monetariamente nas despesas paroquiais. Até há bem pouco tempo o que se recebia era para o pároco. Hoje, em toda a Diocese, esses valores revertem para o Fundo Económico, de onde saem os valores para pagar despesas paroquiais, e que são muitas. Entre elas está o salário do pároco. Aproveito a ocasião para voltar a informar alguns insensatos que, teimosamente e sem quererem saber a verdade, insistem em afirmar que o salários dos padres é feito pelo Estado. Os sacerdotes vivem da generosidade dos

fiéis. E o facto de todos receberem o mesmo é motivo de justiça, evitando que as actividades se façam por outras razões que não as verdadeiramente pastorais. Negativamente, apercebo-me de que muitos cristãos, ou supostos cristãos, usam a Visita Pascal como arma de arremesso, manifestando assim, claramente, um espírito oposto ao que é real e que, eu procuro pôr na visita que se faz a quem quer receber-nos. Exactamente por isso fiz algumas afirmações públicas, que podem ter “abanado” algumas pessoas. Hoje, encontra mais portas abertas ou fechadas? Bem, perguntado assim, posso dizer com absoluta certeza que são muito mais as que se encontram abertas. Não sei quantas tem a paróquia, mas fomos recebidos em mais de 1.300 casas. Precisamos ainda ter em conta que algumas outras famílias teriam aberto a porta se pudessem, dependendo do dia em que se faz a visita.

Sabemos que, actualmente, é difícil dar resposta a tudo e a todos. As pessoas estão receptivas a receber um leigo em sua casa? Não, não é difícil dar resposta a tudo, isso é completamente impossível. Quanto a receber, ou não, um leigo no anúncio pascal, depende do espírito de Igreja que se tem. Claro que alguns casos houve que reagiram muito negativamente, outros fizeram exactamente o contrário, o que é muito interessante. E, queiramos ou não, é para aí que se caminha a muito curto prazo. Será mais uma forma de se ir purificando o Espírito de Igreja. Vive-se a Páscoa? A grande maioria dos que se dizem cristãos nem faz uma ideia do que é a Páscoa. Não por causa de receber ou não a Visita Pascal, mas pela falta de participação nas celebrações, que são únicas. A velocidade a que vivemos as nossas vidas e o relativismo com que vivemos todas as coisas não nos permitem viver realidades “mais simples”, quanto

mais a Páscoa. É caso para dizer que, quem a vive recolhe os seus frutos, quem o não faz nem sequer se apercebe de que há “frutos pascais.” Que balanço faz da Visita Pascal na freguesia de Souto da Carpalhosa? Mais que falar de freguesia há que falar, neste caso em paróquia, por dela fazerem parte duas freguesias. Faço um balanço muito positivo. Primeiro, porque a Ressurreição me entusiasma e enche de alegria, e depois, porque sei que muitas pessoas vivem a Páscoa deste modo também. É preciso ter fé para se perceber o que ela faz na vida das pessoas. Aspectos que me deixaram tristes? Claro que houve, e bastantes. Mas são trampolim para me apoiar no salto a dar em frente. Preciso salientar um facto que é rico para a comunidade: foi baptizada, na noite Pascal, uma jovem, que o fez com consciência.


ABR2010