Issuu on Google+

ANO VII

|

NÚMERO 113

|

31DE OUTUBRO DE 2012

Hocus-pocus: “Porque este é o meu corpo”

Vindas das charnecas de ventos ruidosos, tra-

que a compromete em relações com o tempo muito mais importantes do que a simples descoberta de certos acontecimentos vindouros.”

zendo seus caldeirões com olhos de sapos e pernas de aranhas, as bruxas estão no topo do imaginário mágico. Elas podem ser boas ou más e podem também ser eles: bruxa, mago, feiticeira, mágico. Por William Shakespeare elas foram imortalizadas ao revelar a Macbeth as três profecias daquilo que ainda estava por vir. Três vezes três e elas são três, revelam três profecias e proferem três vezes: mais dores para a barrela, mais fogo para a panela. Sempre que aparecem, imprimem um sentimento Menos próximas do terror e da de destino, prevendo o futuro, maldade, as bruxas e os bruxos, criando a tentação e, por que não, influenciando as narrativas Double, double toil and trouble; hoje, ocupam local privilegiado com as suas palavras proféticas. Fire burn, and caldron bubble. na construção do imaginário infantil e também adulto, vide a Elas e eles povoam há séculos a Macbeth, Shakespeare saga de Harry Potter, com tipos imaginação mundo afora. Muibastante heterogêneos, revelantas vezes sozinhas: a madrasta da Branca de Neve, a Cuca do Sítio do Picapau do uma forma de considerar a diversidade, tão imAmarelo. Outras, em pares: Merlin e Morgana, portante na contemporaneidade. Lembrando a história: no chamado período BurMedéia e Circe, Dumbledore e Voldemort, Gandalf e Saru- ning times mulheres foram queimadas sob acusaman. E ções de bruxaria e heresia. Uma figura bastante nocomo se tória morta nessa “caça às bruxas” foi Joana D’Arc. Não obstante, o Halloween, ou o Dia das Bruxas, não nos b a s t a s s e , ou, ainda, a Noite de Todos os Santos, é o momento em tría- em que essas figuras e representações ganham corde: Glinda po nas fantasias de milhares de pessoas pelo mundo (Bruxa Boa afora e não só nas celebrações, mas também como do Norte), crenças em enN e s s a r o - tidades antigas, à se (Bruxa anteriores Malvada do Leste) e Elphaba (Bruxa Malvada do cristianização dos rituais paOeste). Das páginas dos livros, ou de qualquer outro gãos. Na noite de suporte, as bruxas se tornaram figuras perigosas. Halloween, Não tanto pelas suas figuras, que nem No mundo, a linguagem não se esqueça: “A wizard is sempre assustam, é poder por excelência. Maurice Blanchot never late, nor mas pelo poder de is he early. He arrives precisely when he means to.” suas palavras, como bem afirmou Maurice Blanchot: “A profecia não é (Gandalf, The Fellowship of the Ring) apenas uma fala futura. É uma dimensão de fala


FALE em notícias PET-Letras no Projeto Promobio Todos os grupos PET (Programa de Educação Tutorial) da PUCRS estão envolvidos na maratona cultural elaborada pelo projeto Promobio. O PET-Letras ficou responsável pela organização do concurso de redação, que será realizado no dia 1º de dezembro no Museu de Ciências e Tecnologias da Universidade. Uma oficina de redação esclareceu os critérios de correção da prova, ministrada no dia 10 de outubro pelos bolsistas Rafael Padilha Ferreira, Jéssica Barbosa e Rosa Regina de Souza, juntamente com a professora Silvana Silveira, coordenadora do PET-Letras. O Promobio é um projeto científico-tecnológico proposto pela PUCRS e mantido pelos órgãos federais FINEP e CNPQ. Visa proporcionar a integração

entre escolas, universidades e empresas. Atuando de forma multidisciplinar, as ações de ensino e extensão têm como referencial a educação ambiental. O Concurso de redação tem como objetivo selecionar e premiar redações de alunos de escolas técnicas, públicas e privadas participantes. Será considerado o tema, os critérios e as categorias estabelecidas no Edital. A iniciativa é uma forma de fomentar a pesquisa, a criatividade, a originalidade e o raciocínio, além de valorizar a produção de texto reflexivo sobre o tema “sustentabilidade”.

Conecte-se!

www.promobio.com.br

Da esquerda para a direita: Rosa Regina, Jéssica, Rafael e Silvana

A escrita criativa: pensar e escrever literatura Foi lançada, durante o XXVIII Seminário Brasileiro de Crítica Literária, XXVII Seminário de Crítica do Rio Grande do Sul e I Encontro Nacional de Escrita Criativa, a obra “A Escrita Criativa: pensar e escrever literatura”. A realização da coletânea de ensaios, artigos e textos ficcionais escritos por professores e estudantes da área, além de escritores reconhecidos, foi coordenada pelo professor Luiz Antonio de Assis Brasil e organizada pelas doutorandas Camila Doval, Camila Gonzatto e Gabriela Silva. A obra é fruto da experiência deles como professor e alunas na pós-graduação em Escrita Criativa e na Oficina de Criação Literária, ambas oferecidas pela PUCRS.

Encontre!

À venda no site da EDIPUCRS: http://livrariaedipucrs.pucrs.br/ 2 | Notícias FALE nº 113 | 31 de outubro de 2012

O livro foi lançado durante o I Encontro Nacional de Escrita Criativa


Professor Biagio D’Angelo recebe Prêmio Jabuti Com muita honra, o NF noticia “Benjamin — poema com desenhos e músicas”, do professor Biagio D’Angelo, como vencedor do Prêmio Jabuti na categoria Livro Infantil. Biagio nasceu na Sicília e trabalhou em diversos lugares do mundo, Moscou, Bruxelas, Lima, São Paulo, Budapeste, sempre dando aulas de Literatura Comparada, Teoria Literária. Hoje, ele é professor na FALE. Notícias FALE - Há quanto tempo escreves ficção? portuguesa. Biagio D’Angelo - Escrevo há muito tempo, desde NF - O que significa para o professor de literatura, que tinha dezoito anos. Eu tinha uma para o escritor e para o Biagio receber o agenda cor de ocre em que escrevia poJabuti? esias, mas por medo que alguém as lesse, BD -A verdade é que a ficha ainda não queimei todas. caiu. Não me dou conta de que ganhei o NF - Tens outros livros? Jabuti. Me dá muita felicidade ver os coleBD - Tenho dois livros de poesias, não gas e os amigos felizes porque ganhei, mas infantis. Publiquei no Peru; com um denão me dou conta. les, Milonga e outros ritmos, venci um NF - O que motivou a tua vinda para Porconcurso na PUC-Lima, e o outro, Humto Alegre? boldt, publiquei numa coletânea de novos BD -Eu estava na Hungria, mas queria autores. Ainda, sairá por estes dias na Itámuito voltar ao Brasil. Um dia uma amiga lia outro livro de poesias chamado A/R. daqui me ligou e me falou do concurso na NF - Benjamin foi escrito há pouco temárea de Teoria da Literatura, na PUCRS, po? Qual foi a tua inspiração? que era a minha cara e tinha um grupo BD - Escrevi Benjamin em São Paulo, em muito bom.Eu tinha uma ideia de que era 2010, num período difícil pra mim, basuma cidade fechada, provinciana. Mas, tante “escuro”. A minha inspiração pescomo na Hungria não estava funcionansoal foi a minha infância; são várias ima- Ilustração de Benjamin do, devido à crise, à situação econômica, gens dela que eu gostaria de atualizar. Demorei para decidi vir. Agora me sinto muito bem aqui. Porto escrever, foi um momento muito bonito. Eu o escre- Alegre não é como São Paulo, aquela confusão toda, vi em português e amei fazê-lo assim. É uma língua mas não acho mais que seja provinciana. Ela é cultudo afeto, da memória; eu não poderia tê-lo escrito ralmente efervescente, os jovens são muito bacanas. em italiano, pois não é a língua atrelada à memória Os jovens aqui da PUCRS são cheios de entusiasmo do momento que ele retrata. Eu devo muito à língua e de ideias. Estou gostando muito.

FALE em eventos Jornada de estudos sobre os Romances Gráficos Entre os dias 25 e 28 de outubro, aconteceu a Convenção Internacional de Quadrinhos de Curitiba, a Gibicon nº 1. Durante o encontro, muitos artistas — quadrinistas e roteiristas — e pesquisadores ministraram palestras e oficinas e participaram de mesas de discussão — foram mais de 80 convidados! O clima do evento é de celebração dos quadrinhos, a chamada arte gráfica ou arte sequencial. A programação da Gibicon contemplou, entre outras atividades, exposições, homenagens aos 30 anos da Gibiteca de Curitiba — o que indica a tradição da cidade — e ao artista Sérgio Bonelli. Ao longo desses quatro dias, Inscreva-se como ouvinte nas palestras e oficinas, ocorreram através do email reflexões sobre desenho, roteiro, cor, editoração e sobre questões teóricas inerentes à linguagem dos quadri- jornadahqpoa@gmail.com nhos. Por todo o Brasil, muitos eventos têm apresentado como mote os quadrinhos, como a Gibicon e o Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte. Em âmbito acadêmico, nos deparamos com a mesma tendência, evidenciada com a III Jornada de Estudos sobre Romances Gráficos, organizada pela UnB em setembro deste ano, e a I Jornada de Estudos sobre Romances Gráficos – Edição Porto Alegre, organizada pela PUCRS e pela UFRGS, com o apoio da UnB, que acontecerá nos próximos dias 19 e 20 de novembro, na Faculdade de Letras da PUCRS. (Colaboração: Caroline Becker, mestranda e membro da comissão organizadora) Notícias FALE nº 113| 31 de outubro de 2012 | 3


FALE em revista XXVIII Seminário Brasileiro de Crítica Literária XXVII Seminário de Crítica do Rio Grande do Sul I Encontro Nacional de Escrita Criativa O tradicional Seminário Brasileiro de Crítica Literária da PUCRS, que agrega o não menos importante Seminário de Crítica do Rio Grande do Sul e, a partir deste ano, o Encontro Nacional de Escrita Criativa, teve sua 28ª edição realizada entre os dias 23 e 25 de outubro. A intensa programação de palestras, mesas-redondas e comunicações agradou ao público participante, que pôde contar ainda com o oferecimento de dois cursos paralelos ao evento e o lançamento de três obras: Literatura brasileira contemporânea: um território contestado, da professora convidada do Seminário Regina Dalcastagnè; A Escrita Criativa: pensar e escrever literatura, coordenado pelo professor da FALE Luiz Antonio de Assis Brasil; e a coleção de caixas comemorativas ao centenário dos Contos Gauchescos, de Simões Lopes Neto, que contém os livros Os contos e lendas, Vocabulário e Lembranças de João Simões Lopes Neto do escritor Aldyr Schlee, palestrante que encerrou o encontro. Nesta edição, o Seminário contou com a organização geral dos professores Regina Kohlrausch, Maria Eunice Moreira, Sissa Jacoby e Charles Kiefer. Programem-se, pois daqui a dois anos tem mais!

Abertura com Maria Eunice Moreira, Regina Kohlrausch e Dileta Martins

Responder pela coordenação geral XXVIII Seminário Brasileiro de Crítica Literária, XXVII Seminário de Crítica do Rio Grande do Sul e I Encontro Nacional de Escrita Criativa foi mais uma experiência positiva (já coordenei o XXV/2007 e o XXVI/2008) pela oportunidade, principalmente, da convivência com colegas pesquisadores (palestrantes e comunicadores) e da troca de informações acerca das atividades diárias da vida acadêmica. Este ano, com o acréscimo de mais uma evento, I ENEC, foi um pouco mais desafiadora, mas extremamente positiva porque tivemos a possibilidade de ouvir e dialogar também com escritores; ouvimos, no mesmo evento, os estudiosos e os produtores de literatura. Destaca-se, ainda, o sucesso dos lançamentos dos três livros, um em cada dia, que oportunizou, além do autógrafo, a conversa animada e descontraída entre o público dos Seminários e autores das obras. — Regina Kohlrausch, coordenadora do evento

Aldyr G. Schlee

Deonísio da Silva, Charles Kiefer e Elvira Vigna

Regina Dalcastagnè

4| Notícias FALE nº 113 | 31 de outubro de 2012

Charles Kiefer, Sérgio Amaral e Assis Brasil


Alfabetização em foco na FALE O dia 18 de outubro foi marcado por um grande encontro de profissionais na arena do CELIN (FALE), dispostos a refletir sobre alfabetização. Pela manhã, a professora Leonor Scliar-Cabral (UFSC) ministrou, para professores de ensino fundamental, anos iniciais, o curso "Tudo pela inclusão: alfabetizar com novos conhecimentos". À tarde, foi realizado o “Ciclo de Discussões Linguísticas e Pedagógicas: Alfabetização”, com a participação dos professores palestrantes Leonor Scliar-Cabral (UFSC), Márcio França (UFRGS), Lilian Scherer (PUCRS) e Augusto Buchweitz (PUCRS). Eles falaram, no auditório Ir. Elvo Clemente, prédio da FALE, para professores universitários, alunos de graduação e pós-graduação dos cursos de Letras, Educação e Fonoaudiologia. O evento, com organização do CELIN-FALE e do ALETRA-RS (Grupo de Estudos em Alfabetização), foi um sucesso de público.

Agradecemos muito o apoio da FALE, em especial da professora Maria Eunice Moreira e sua equipe de secretaria; e do CELIN, através da professora Vera W. Pereira. Também agradecemos a participação incansável da equipe organizadora do evento, que se empenhou para que o mesmo tivesse tão boa repercussão junto aos públicos, os quais, cada um a seu modo, buscavam respostas às indagações tão atuais com respeito ao processo de aprender a ler. — Marilia M. Lopes, doutoranda em Linguística e uma das organizadoras do evento

Cafezinho literário com Emilio Jeckel por Luara Pinto Minuzzi, mestranda

Os encontros do Cafezinho Literário são, para mim, como uma brisa de ar fresco. Não me entendam mal, sou mestranda em Teoria da Literatura, amo e sou extremamente consciente da importância do que faço — sempre que analiso uma obra literária e penso sobre ela a partir de uma determinada perspectiva teórica, descubro novas matizes no texto, que haviam passado despercebidos. Porém, ouvir alguém cuja área de estudo não é a minha falar justamente sobre literatura é uma forma de arejamento, Daisuke não conseguia se lembrar de se lembrar que as obras nunca podem ser transformadas em simples objetos de trabalho; pois de quando foi que ele e Michiyo literatura, antes de mais nada, é arte, é paixão, fruição. Na última começaram a conversar. De tão quinta-feira, dia 25, quando casual, sua memória nem se deu ao o professor Emílio Jeckel Neto, diretor do Museu de Ciências trabalho de registrar este encontro e, e Tecnologia, contou como o seu pai parou a leitura em voz alta para quem, como Daisuke, andava de As reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato, a fim de que entediado de poesia e romance, esse o filho terminasse-a sozinho e por sua própria vontade (e como esquecimento tornava o fato ainda ele, a partir desse momento, apaixonou-se pelos livros), lembrou-nos do poder da literatura mais interessante. E depois, de Natsume Soseki de maravilhar. Também saí da palestra com uma grande vontade de ler o romance E depois, do escritor japonês Natsume Soseki, e mergulhar nessa cultura diferente para entender a simplicidade que a caracteriza, sobre a qual falou o palestrante. Este é o ponto que eu gostaria de frisar: nós, como pesquisadores da literatura, devemos estudá-la com seriedade, mas sem esquecer o prazer que a leitura proporciona — esquecimento que pode levá-la à esterilidade. Notícias FALE nº 113 | 31 de outubro de 2012 | 5


João Gilberto Noll na FALE

A turma de Literatura e Cinema com Noll e Hohlfeldt

O Seminário de Literatura e Cinema, ministrado pelo professor Antonio Hohlfeldt, teve uma participação muito especial em um de seus encontros. O escritor João Gilberto Noll foi convidado para debater com a turma a transposição cinematográfica do seu livro Hotel Atlântico, dirigida por Susana Amaral. Noll assistiu ao filme ao lado dos alunos e após a sessão respondeu questões sobre o seu processo criativo e a sua visão a respeito das adaptações de obras literárias para outros suportes.

FALE no mundo Professor Biagio em eventos na Itália O professor Biagio D’Angelo esteve visitando a Itália, no mês de outubro, para marcar presença em dois importantes eventos. Em Udine, com uma palestra intitulada L’ossessione autobiografica. Zelia Gattai e la scrittura della migrazione, o professor Biagio participou do Congresso Internacional Donne al caleidoscopi, que teve como tema “Riscrittura dell’identità delle donne nei testi dell’emigrazione tra l’Italia, le Americhe e l’Australia”. Já em Veneza, Biagio falou sobre Mitocrítica da literatura de viagem na contemporaneidade aos participantes do Scritture plurali e viaggi temporali, o Seminario Interuniversitario realizado pela parceria Ca’ Foscari Venezia — Paris Sorbonne.

FALE por aí Professores da FALE no Colóquio de Literatura Comparada Como nos mais diversos eventos na área de humanidades, o V Colóquio Sul de Literatura Comparada evidenciou a crescente aproximação entre áreas diversas do universo acadêmico. Hoje já não se concebe o aprofundamento qualitativo de um tema sem a ampliação do escopo reflexivo que permite a compreensão desse tema em termos de seu enraizamento histórico e cultural geral, e a postura de intelectuais que levam a sério essa necessidade requalifica temáticas clássicas através de incidências de outras formas de pensar a realidade — no caso — literária. — Ricardo Timm de Souza, professor da FALE 6 | Notícias FALE nº 113 | 31 de outubro de 2012

Entre os dias 8 e 10 de outubro os professores da FALE Biagio D’Angelo, Ricardo de Araújo Barberena e Ricardo Timm de Souza, participaram do V Colóquio Internacional Sul de Literatura Comparada, promovido pela UFRGS, sob o tema “Fazeres indisciplinados”. O professor Biagio proferiu a palestra Vira e mexe, comparatismo. Do romance total ao comparatismo planetário; o professor Timm participou da mesa-redonda “Ficções de alteridades” com a fala intitulada Ficção e realidade da alteridade: Levinas e a linguagem; e o professor Barberena ministrou o curso Limiarologia.


A FALE no X Celsul Durante os dias 24, 25 e 26 de outubro foi realizado o X encontro do Círculo de Estudos Linguísticos do Sul em Cascavel (PR). O evento, que ocorre a cada dois anos, desde 1965, em um rodízio entre os três estados do Sul, tem como objetivo a troca de experiência e a exposição das pesquisas linguísticas feitas do Brasil. Como não poderia ser diferente, a FALE marcou presença. Os professores Jorge Campos da Costa e Telisa Furnaleto Graeff integraram o comitê científico e a professora Leci Borges Barbisan fez parte da mesa-redonda sobre Análise linguística, na qual ela problematizou a semântica dos tempos verbais. Além disso, foram coordenadores de Grupos de Trabalho (GT) os professores Jorge Campos da Costa e Aline Vanin (que defendeu sua tese no início desse ano).

Professores na mesa-redonda sobre Análise linguística

Papo Inquieto

Mas não apenas os professores da FALE estiveram presentes, também nossos alunos participaram. Emiliana Raymundo apresentou pôster Diferenças descritivas do movimento-wh no programa gerativo; fizeram parte de GTs Aline Vargas (Cyberpragmatics: a pragmática na comunicação virtual), Nanashara Behle (O teatro do absurdo à luz da teoria da relevância), Rita Angélica de Oliveira Luz (Fundamentos da pragmática na competência de leitura e compreensão de textos em inglês instrumental frente às interfaces e inferências da linguística), Daisy Pail (Palavrões e relevância: a expressividade dos tabus linguísticos), Fernanda Fritsch (Complementação verbal em língua inglesa: uma questão semântica), Lívia Endres (Efeitos semânticos da adição de partículas aspectuais a verbos em língua inglesa), Thais dos Santos (Prática linguística: uma perspectiva de interfaces entre psicolinguística e estudos do texto), Ana Paula Alencastro (O apagamento de vogais em fronteiras de vocábulos no PE) e Veridiana Caetano (Compreensão de leitura a luz do teste cloze no ensino médio).

O Papo Inquieto é uma iniciativa da FALE e da FACE Núcleo Empreendor. O objetivo do projeto é mostrar que podemos empreender em diferentes setores na área de Letras. Para o público e para os professores e alunos da PUCRS, especialmente da FALE, a entrada é franca. Dia 5 de novembro, às 18h30, na sala 305 da FALE. A atividade vale como hora complementar. Confirme sua presença até o dia 4 pelo email nucelo.empreendedor@pucrs.br Agite o papo com as suas perguntas!

Notícias FALE nº 113 | 31 de outubro de 2012| 7


Dica NF

A FALE na Feira Desde 1955, a Feira do Livro é um dos eventos mais esperados na programação de Porto Alegre. Assim como a chuva, que nunca falha em pegar os leitores desprevenidos, a FALE é presença garantida nessa grande festa do livro, através de seus professores e alunos. A cada ano, a Feira toma mais espaço em nossa cidade e em nossas vidas. A cada edição, o espaço da FALE na Feira é maior. A cada Feira, nos apaixonamos ainda mais pela leitura.

Próximas atrações

L Feira do

ivro em

1955

Feira do Livro atualmente

Primeiras atrações No dia 27 de outubro, a professora Regina Kohlrausch mediou um bate-papo entre o escritor J.J. Benitez e o público sobre sua vida e obra. No mesmo dia, os professores Luiz Antonio de Assis Brasil e Ana Maria Lisboa de Mello participaram de uma homenagem ao escritor Moacyr Scliar. No dia 29, a professora Maria Eunice Moreira integrou a mesa-redonda sobre Literatura, comunicação e psicanálise: a importância de levar o debate acadêmico para o público.

Comunique!

Se você participou de algum evento na 58ª Feira do Livro ou conhece algum colega que tenha participado, comunique ao NF!

Contato NF

Comunique, divulgue, participe: noticias.fale@gmail.com Coordenação: Sissa Jacoby Edição: Camila Doval Redação: Aline Job, Camila Doval, Carolina Lewis, Daisy Pail, Jonas Saraiva Diagramação: Aline Job e Camila Doval 8 | Notícias FALE nº 113 | 31 de outubro de 2012

31 de outubro Um homem no pampa Debate com a presença de Assis Brasil Sala dos Jacarandás - Memorial do RS,17h30 31 de outubro e 1 de novembro Oficina: introdução ao roteiro cinematográfico, com a doutoranda Camila Gonzatto Sala A2B2 - Casa de Cultura Mario Quintana, 16h 2 e 9 de novembro Oficina: encontros sobre o conto, com Charles Kiefer Sala de Literatura - Casa de Cultura Mario Quintana, 17h30 3 de novembro O mestrando Augusto Paim participa de debate sobre os novos quadrinhos alemães Sala dos Jacarandás - Memorial do RS, 19h Augusto estará, no mesmo dia, participando do lançamento de Baby’s in Black, o quinto Beatle: A história de Astrid Kirchherr e Stuart Sutcliffe, de Arne Bellstorff Tenda de Pasárgada,20h 4 de novembro Oficina de haikai, com a doutoranda Gabriela Silva Sala A2B2 - Casa de Cultura Mario Quintana, 16h 5 de novembro Charles kiefer autografa Caminhando na chuva Praça de Autógrafos, 19h 10 de novembro Lançamento de Figura na sombra, de Assis Brasil Praça de Autógrafos, 19h Debate sobre Aimé Bonpland: uma figura na sombra, com a presença de Assis Brasil Sala Oeste - Santander Cultural, 18h Sábados e domingos Charles Kiefer recebe novos autores para conversa Banca da Caixa Econômica Federal, 19h


Notícias FALE 31 de outubro de 2012