Page 1

Distribuição gratuita

impresso

Nossos Colunistas Esther Cristina Pereira

Quando dois elefantes brigam, quem sofre é a grama... Pág. 4

Jacir J. Venturi Jornal Mensal de Educação

Sou jovem, posso ser voluntário Pág. 5

Teo Pereira Neto

Mais que sobreviver, liderar

Professora pode ter 180 dias de licença-maternidade Página 5

Página 8

O caso Iesde/Vizivali se tornou uma história sem fim. Pelo menos, por enquanto, não há nenhum sinal de que os cerca de 35 mil professores que participaram do programa de capacitação terão seus diplomas reconhecidos. No final do mês passado o governador Roberto Requião ajuizou Ação Direta de

Alunos do estado podem ter merenda escolar orgânica Página 9

N.º 72 Julho de 2009

HISTÓRIA SEM FIM

Pág. 6

UFPR revoga proibição de acúmulo de vagas e suspende Provar por causa da evasão

Ano 7

Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF), o que pode levar as negociações para resolver o assunto à estaca zero. Página 3.


Graduação

Jornal Nota 10 | julho 2009

3

STF pede dados sobre caso Vizivali Supremo quer informações para decidir sobre ação ajuizada pelo governador Roberto Requião O Supremo Tribunal Federal (STF) pediu informações à Assembleia Legislativa no início deste mês sobre o episódio Iesde/Vizivali. Os dados são para o entendi-

mento do caso, já que no dia 22 de junho o governador Roberto Requião ajuizou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no órgão. O governo é contrário a lei esta-

dual que garante o registro de diplomas aos professores que participaram do programa de capacitação Iesde/Vizivali. Cerca de 35 mil profissionais devem ser prejudicados com a medida, segundo o deputado Péricles de Mello (PT) que pode fazer com que o assunto seja levado, mais uma

ona no STF é a de número 16.109/2009, de autoria de Mello, promulgada pela Assembleia e que determina que os diplomas sejam registrados pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e na Universidade Estadual do Centro do Paraná (Unicentro).

vez, à estaca zero. De acordo com ele estão sendo procuradas alternativas para a solução do problema, caso o STF dê decisão favorável ao governo do estado. “Já fizemos algumas reuniões nesse sentido, mas ainda é preciso aguardar”, assinala. A lei a que Requião questi-

Conselho Estadual diz que lei foi “tiro no pé”

Inconstitucionalidade O governo do estado alega que a lei aprovada pela Assembleia tem efeitos concretos e imediatos a favor dos professores, que podem exigir o registro dos diplomas pelas universidades designadas, o que, segundo a ação, caracterizaria vícios de inconstitucionalidade. O governo alega na Adin que não compete à Assembleia legislar sobre a matéria. Que a lei estadual 16.109/ 2009 fere princípios tanto da Constituição Estadual como da Federal. No que diz respeito a registro de diplomas expedidos por uma faculdade inserida no sistema de ensino do estado do Paraná, afirma que a matéria é de iniciativa reservada do Poder Executivo, conforme artigo 66, inciso IV da Constituição do Estado.

Complementa ainda que a lei afronta espaços de competências institucionais do Ministério da Educação (MEC) e o princípio da autonomia das universidades, conforme artigo 207 da Constituição Federal, e que determina atribuições exclusivas do MEC (artigo 22, inciso XXIV, também da Constituição Federal). Para o deputado Péricles, havia uma expectativa de que o governo estadual não executasse nenhuma ação contrária à lei, dificultando ainda mais o processo do registro dos diplomas. “Os professores fizeram o curso de boa fé, amparados por pareceres do Conselho Estadual que autorizou o credenciamento da Vizivali para ofertar o programa, que foi prorrogado pelo próprio Conselho para ser ofertado a mais turmas”, salienta.

Com a indefinição do caso, professores têm sido penalizados com a falta do registro, pois têm encontrado problemas nos contratos com prefeituras, sendo impedidos de assumir vagas em concursos públicos, além de perderem o direito de ascender na carreira. Para o diretor da Vizivali, Paulo Fioravante Giareta, a Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo governo estadual significa um retrocesso das iniciativas em busca de uma solução definitiva para o caso. “Com a Adin, o processo fica sem um encaminhamento prático e nos

Professor Romeu Gomes de Miranda, presidente do CEE.

deixa sem recursos que possibilite o registro”, define Giareta.

UEPG reconheceria diplomas Mas nem todas as negociações para regularizar os diplomas estavam totalmente paralisadas. Há alguns dias a UEPG, diante de uma consulta feita pela direção da Vizivali, sobre o registro dos diplomas, se colocou à disposição para cumprir o que determina a lei 16.109/2009. Em ofício, o reitor João Carlos Gomes disse que a universidade, como qualquer entidade da Administração Pública Indireta, ou como qualquer órgão público da Administração Direta, diante de uma lei específica, como a

que foi promulgada pela Assembleia, tem condições de assegurar o registro dos diplomas. No documento, a UEPG apenas condiciona o registro a um convênio firmado com a Vizivali, procedimento comum entre as instituições. A lei foi publicada no Diário Oficial Executivo do Estado no dia 21 de maio passado, data em que entrou em vigor. Na Adin 4257, o governo estadual requer que o Supremo conceda uma liminar determinando a suspensão da eficácia da lei estadual até o trâmite final do processo.

Marilson de Paula

O STF deve decidir sobre a Adin ajuizada pelo governo do Paraná.

O presidente do Conselho Estadual de Educação (CEEPR), professor Romeu Gomes de Miranda, disse em entrevista ao Nota 10 que a Adin proposta pelo governador deve encontrar guarida no STF. “A Assembleia não pode legislar sobre algo que não lhe compete”, justificou. Para o presidente a aprovação da lei foi “um tiro no pé”, pois depois que entrou em vigor cessaram todas as negociações que estavam em andamento com o Ministério da Educação (MEC). “Agora os deputados que aprovaram a lei vão ter que dar explicações à população”, criticou.

Reitor da UEPG, professor João Carlos Gomes.


Palavra do Especialista

Educação Infantil

Esther Cristina Pereira

Quando dois elefantes brigam, quem sofre é a grama...

O título deste artigo é um di- por um momento de diálogo e tado nascido na África, mas ex- paz. Ou quem sabe, por um motremamente verdadeiro e triste mento de família, verdadeiro e para a realidade brasileira, prin- simples, mas profícuo no sentido cipalmente quando o assunto é da relação. Considerando governo, escoeducação escolar e também a educação familiar. E o motivo é la, professor, aluno, pai, mãe, fibem simples: no caso da educa- lho, fica fácil saber quem é cação brasileira, enquanto políti- pim e quem é elefante nessas recos fazem a gestão do nosso país lações e, claro, o sentido real e e discutem velhas reformas, re- as dimensões de como ocorrem. Enquanto os elefantes pisogras passadas, leis insignificanteiam o capim, as pertes e deliberadas ocorridas durante ções que de nada Enquanto a este processo são quaadiantam ou redireção e se impossíveis de sesolvem, nossas escolas estão à professores das rem retomadas. Em alcasos, jamais seespera de proviescolas discutem guns rão. dências que posestratégias e As relações entre os sibilitem uma mais fortes e os mais educação possídidáticas, fracos são de poder, vel e diferente. Enquanto a projetos para a sem significação ou ressignificação para direção e profesmelhoria da com o outro. É um gasores das escolas discutem estraté- educação, nossas nha-ganha sem avaligias e didáticas, crianças estão à ação. Um contínuo cade uma manaprojetos para a espera de uma minhar da de elefantes irresmelhoria da educação, nossas cri- escola prazerosa, ponsáveis e medíocres, um objetivo apeanças estão à essimples, mas com nas focado em si mespera de uma escola prazerosa, afetiva e efetiva. mo e não na sociedade simples, mas afe- Uma escola digna ou, quem sabe, no futuro desta mesma sotiva e efetiva. que realmente ciedade. Uma escola digÉ neste momento na que realmen- exerça o ofício de que devemos pensar te exerça o ofício ensinar, junto que tipo de criança de ensinar, junto com seus maiores com seus maiores moldamos para o futupois somos, sim, as parceiros nesta parceiros nesta ro, únicas pessoas a poder batalha, os pais. Tudo para que os batalha, os pais. mudar esta situação. Vale a reflexão: peralunos, o objetivo maior disso tudo, recebam ceberemos que tudo gira em toruma educação que faça a dife- no de nós, adultos, os grandes elefantes da relação. Somos os todorença, aqui ou acolá. Da mesma maneira, quando os poderosos, só que nem sempre sapais discutem a relação, entre bemos aonde queremos chegar. E, brigas e momentos de apazi- na maioria das vezes, não damos guação, está o filho afoito por conta de que nossas crianças são uma demonstração de carinho, frágeis como a grama. Esther Cristina Pereira é psicopedagoga e diretora da Escola Atuação. Contatos: cris@escolaatuacao.com.br / (41) 3274-6262

Artigo de opinião

Jornal Nota 10 | julho 2009

4

Aprendendo com a música Música é uma linguagem universal, usada para a comunicação, inspiração, educação, entretenimento e o melhor, consegue mudar o humor das pessoas que estão tristes ou nervosas. Quem não se lembra de músicas que aprendeu na infância? “Meu lanchinho, meu lanchinho, vou comer, vou comer, pra ficar fortinho, pra ficar fortinho e crescer, e crescer.” Às vezes ouvimos uma música uma única vez no dia e ela fica o dia todo na nossa mente. As propagandas, por exemplo, há muito vêm utilizando técnicas musicais. Os jingles são criados especificamente para nos lembrar dos produtos. Se pensarmos no poder que a música exerce sobre a nossa mente, notaremos que podemos usar música também para ensinar. Na educação, está comprovado que este é um dos melhores métodos de aprendizagem. Aprender com música é muito efetivo, pois estimula a função cognitiva, o corpo, a emoção e a audição. Para os professores de línguas estrangeiras, a utilização de músicas no ensino o torna mais fácil, principalmente quando se acredita que a tradução não é necessária para transformar informações em conhecimentos de forma significativa. Segundo a teoria de Krashen, na qual o filtro afetivo é o primeiro obstáculo, a motivação do aprendiz é que regula e seleciona os modelos de língua a serem aprendidos, bem como a ordem de prioridade e a velocidade na aquisição do idioma. Vygotsky também enfatiza que os nossos pensamentos são frutos da motivação. Ao sentirmos necessidades específicas, desejos, interesses ou emoções, somos motivados a produzir

pensamentos. Trazendo isto para a aquisição de uma língua estrangeira, logo chegamos à conclusão de que é necessária uma motivação intrínseca para que o sujeito sinta maior afinidade e interesse por ela. Dessa maneira, podemos dizer que a música e o uso de jogos lúdicos estão ligados diretamente à motivação e autoconfiança. Além de ensinar, as músicas ajudam os professores a manter a disciplina em sala de aula. Quando as crianças estão agitadas, por exemplo, podemos cantar uma música para acalmá-las; ou se as crianças estão muito “paradas” podemos cantar para despertá-las. As crianças aprendem mais rápido com músicas. Ajudam os alunos a se lembrar da linguagem facilmente, independentemente do foco do professor, gramática ou vocabulário. Através da música, o professor pode começar a aula para apresentar um tema novo, terminar outro, ou simplesmente utilizá-la no meio de um projeto para enfatizar determinado assunto. Algumas músicas são divertidas e quanto mais os professores se interessam pela música, mais os alunos se sentem motivados. Dessa forma, alunos mais tímidos tendem a ter maior participação na aula.

As músicas também são ótimas para fazer apresentações de final de ano, em festas ou reuniões de pais. Mas como atingir os objetivos linguísticos? O professor, antes de elaborar alguma atividade com música para ensinar uma língua estrangeira, tem que se perguntar: o significado da música ficou claro? Compreendeu a letra da música e pesquisou o vocabulário novo antes de aplicar a atividade? Outras questões: a compreensão e o vocabulário são fáceis de lembrar? Vai ser significativo para o meu aluno? Esta música está adequada para a idade, a série do aluno, o contexto a ser ensinado? O vocabulário da música será usado em outras situações dentro e fora da sala de aula? A utilização de músicas para ensinar inglês promove a prática do vocabulário ativo, aquele que é adquirido através da fala. O que ocorre é que os alunos de inglês desenvolvem com muita rapidez o vocabulário passivo, que é resultado de muitas atividades de listening e reading, mas o vocabulário ativo, dependendo da metodologia utilizada, é deixado de lado. Para auxiliar seu aluno a adquirir as quatro habilidades de uma língua (ouvir, falar, ler e escrever), elabore atividades com músicas. Transforme sua aula num momento de aprendizado lúdico, dinâmico, motivador e significativo para seus alunos! Você e eles não irão se arrepender! Pode apostar!

Erica Pereira pedagoga e coordenadora de Língua Inglesa do projeto educacional Planeta Educação em Caçapava (SP). erica.pereira@futurekids.com.br


Jornal Nota 10 | julho 2009

5

Professora pode ter licença de 180 dias Projeto depende ainda de sanção do governador As professoras que dão aulas na rede estadual de educação do Paraná – e as demais servidoras do estado - terão 180 dias de licença-maternidade. A ampliação do benefício de quatro para seis meses foi aprovada por unanimidade no último dia 6 pela Assembleia Legislativa (Alep). A proposta incluiu a aplicação do benefício também às policiais militares e servidoras que forem mães adotivas. Levantamento do Departamento de Recursos Humanos da Secretaria da Administração e da Previdência mostra uma média de 1,8 mil licenças-maternidade concedidas por ano entre 2006 e 2008 nos quadros do Poder Executivo. Por ser um quadro constituído, em sua maioria, por mulheres, o magistério registra o maior número de licenças. “A extensão da licençamaternidade para seis meses é justa e importante também para nós, professoras”, explica a presidente da APP-Sindicato, Marlei Fernandes de Carvalho. “Após o parto, as

servidoras terão um período maior para cuidar da própria saúde e para manter uma relação mais próxima com o recém-nascido. “A extensão da licençamaternidade é um direito da mãe e da criança. É muito importante para o desenvolvimento da criança que a mãe trabalhadora passe o maior tempo possível com o filho nos primeiros dias de sua vida”, argumenta Marlei Como não recebeu emendas, a proposta, que passou pela segunda votação ontem, deve seguir para redação final e sanção do governador O projeto já havia sido aprovado por unanimidade na noite do último dia 1.º, quando passou pela primeira votação na Alep. Para o secretário de Políticas Sindicais da APPSindicato e deputado estadual, professor José Lemos, que acompanhou todo o andamento do processo, o resultado é uma conquista histórica para as servidoras “A mobilização dos servidores e servidoras foi muito importante para que essa con-

Lemos: conquista a servidoras.

quista se efetivasse. A lei vai beneficiar aproximadamente cem mil servidoras do estado. Só na nossa categoria, que é o magistério, mais de 80% mulheres serão atingidas pela lei. Além disso, é importante ressaltar que, como o projeto beneficia também as mães adotivas, contribui para estimular a adoção”, destacou. Lemos informa que o presidente da Alep, deputado Nelson Justus, firmou o compromisso público com a sociedade de que o PL deverá ser sancionado antes do recesso parlamentar, que inicia no dia 15.

Grupo Bom Jesus assume escola no litoral O Grupo Bom Jesus assumiu, desde o último dia 1.º, o antigo Colégio Nossa Senhora do Rosário, em Paranaguá. Agora, o grupo está presente também no litoral do estado e as aulas começam no próximo dia 27. A unidade terá 670 alunos, da educação infantil ao ensino médio. A proposta da instituição é atuar com uma nova proposta pedagógica, preparação para o vestibular do litoral,

além da possibilidade de trabalhar o período integral da educação infantil. O Grupo Bom Jesus foi fundado em 1986, composto até 1996 por duas unidades, com 3,6 mil alunos em Curitiba. Com as recentes incorporações no Rio Grande do Sul e em São José dos Pinhais, hoje são 28 colégios, nove campi e um hospital universitário, distribuídos em nos estados do Paraná, Santa

Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro, atendendo a 43 mil alunos próprios e mais 100 mil por meio de convênios A mantenedora do Colégio Nossa Senhora do Rosário, desde 1945, era a Congregação Missionária do Santíssimo Redentor. Com esta incorporação, a gestão financeira, pedagógica e de recursos humanos passa a ser centralizada em Curitiba.

Palavra do Especialista

Legislação

Educação & Ensino Jacir J. Venturi

Sou jovem, posso ser voluntário

O trabalho voluntário é uma via de mão dupla, pois leva dignidade, autoestima e bens materiais à comunidade atendida. O retorno é a transformação interior, a ampliação da experiência e o prazer de ser útil. A atitude solidária humaniza não apenas os beneficiados, como também os que estendem a mão. “Quando faço o bem, fico bem. Quando eu pratico o mal, uma dor dilacera o meu coração. Quando me omito, sinto um vazio” – é o depoimento de uma adolescente voluntária. Sim, surpreendente e encantadora é a alegria com que os voluntários praticam e relatam suas atividades. São pessoas que compartilham uma energia positiva muito forte. Enfim, praticar o bem é uma terapia gratificante. É a voluntarioterapia. Os alunos da nossa escola dedicaram algumas tardes a diversas atividades no Asilo S. Vicente de Curitiba. Pintaram o muro ou nele plantaram heras e interagiram com as 150 idosas por meio da música, pintura, representações, aparo de unhas e cabelos, doações de alimentos e remédios, etc. Aos professores coube a tarefa de contextualizarem as ações realizadas por meio de trabalhos escolares em Matemática, Biologia, Química e História. Dessa rica experiência, colhemos alguns depoimentos: - Saí da zona de conforto e arregacei as mangas. Estou cansada, mas feliz. - Quando estou praticando o voluntariado, esqueço os meus problemas, até porque os meus problemas são pequenos dentro da realidade que estou vivenciando. Numa pesquisa que realizamos com 1.900 alunos de três escolas de Curitiba, constatamos que apenas 8% dos jovens participam de ações comunitárias. No entanto, 71% gostariam de participar, mas não sabem como.

Assim, estamos muito aquém dos países da Europa e da América do Norte, onde a inserção dos jovens em projetos comunitários é relevante: de 40% a 62%. É imprescindível que o jovem se incorpore às práticas e à cultura de solidariedade de sua família, sua escola ou sua igreja. Se ele não se identifica com essas atividades, temos um espectro imenso de opções, pois há no Brasil 250 000 entidades voltadas ao desenvolvimento socioambiental. O terceiro setor já movimenta 1,2% do PIB brasileiro. Ter sido um ator social é relevante em um currículo. Muitas empresas entendem que esse candidato é colaborativo, mantém bons relacionamentos, sabe se doar, desenvolve mais rapidamente a liderança e não se apequena ante às vicissitudes. Mesmo fazendo pouco, o trabalho comunitário enobrece. Belas e oportunas são as palavras do ícone maior do voluntariado – Madre Tereza de Calcutá: “Minhas ações podem ser pequenas, gotas no oceano. Mas sem essas gotas, o oceano seria menor”. É preciso ser proativo, como o fabulativo beija-flor em contraponto ao egocêntrico elefante: era verão e o fogo crepitava feroz na floresta. O obeso elefante fugiu para o grande rio que permeava a floresta, e os outros animais se puseram a debelar o incêndio. O beija-flor apanhava uma minúscula porção de água e a arremessava sobre as chamas, enquanto o elefante, com sua tromba avantajada, refestelavase na segurança do rio. O elefante, ao observar o colaborativo beija-flor em suas idas e vindas, pergunta: - Meu pequeno pássaro, que fazes? Não vês que de nada serve a tua ajuda? - Sim, responde o beija-flor, mas o importante para mim é que estou fazendo a minha parte!

Jacir J. Venturi é diretor de escola e mentor do Amo Curitiba – Ações Voluntárias. Contato: jacirventuri@geometriaanalitica.com.br


Palavra do Especialista

Ambiente Organizacional Teo Pereira Neto

Administração Estratégica

Mais que sobreviver, liderar

Quem sabe, faz a hora. Não espera acontecer. Geraldo Vandré, cantor e compositor

Para as empresas que desejam crescer e sobreviver, assegurando com sucesso a sua continuidade e liderança, um dos grandes desafios é preparar-se para os impactos decorrentes das transformações sociais, políticas, tecnológicas e econômicas destes novos tempos. Para isso, deverão repensar as macroestratégias organizacionais, lastreadas na capacidade de inovar, na utilização de tecnologia avançada e no desenvolvimento, valorização e retenção de capital humano de ponta. Não será tarefa fácil. É crucial assegurar o exercício da massa crítica e abrir espaço para a inovação e a transformação, o que requer disposição, coragem e tolerância para lidar com as inevitáveis sequências de erros e acertos. Por isso, quando uma instituição cresce, espera-se que a cabeça de seus dirigentes igualmente “cresça”, tornando-se mais estratégica, mapeando cenários atuais e futuros, avaliando parcerias e focando resultados. E, principalmente, fugindo da tentação de monitorar e dedicar tempo excessivo a ações de menor importância. Mais do que isso, é fundamental resgatar o espírito empreendedor da organização. De volta às origens, vale recordar a magia dos seus primeiros tempos: recursos escassos; estratégias focadas; estrutura enxuta; autonomia; olho em nichos de mercado; espírito de experimentação; coragem para assumir riscos, errar e aprender. E era liderada pelo fundador, um pioneiro, empreendedor destemido e com visão de futuro. E ainda há mais. A simples sobrevivência não é garantia de tempos melhores, a perenidade dos negócios deve estar assentada na busca incessante da liderança, um objetivo [ou obsessão!] que desestimulará a acomodação, o conformismo e a indiferença em relação às instituições concorrentes. Michael Porter, professor de Harvard e referência mundial em estratégia empresarial, é categórico quando afirma que neste século XXI a empresa que não tiver visão clara de como ser diferente e única, será devorada pela concorrência. Os vencedores serão as empresas que ficarem à frente da curva de mudanças, criando novos mercados, encantando clientes, ditando novas regras e estabelecendo modelos inovadores de gestão empresarial. As próximas décadas serão muito diferentes e os negócios vão mudar muito mais do que já mudaram nestes últimos cinquenta anos. Assim como as empresas, o profissional que almeja ser bemsucedido deve estar atento e se antecipar às inevitáveis mudanças que vêm por aí. Teo Pereira Neto é executivo do Grupo Educacional Opet. Contatos: teodoro@opet.com.br / (41) 3021-4848

Arte

Jornal Nota 10 | julho 2009

6

Escola estadual vence Festival de Teatro Concurso teve ao todo 17 instituições participantes A Escola Estadual Avelino Antônio Vieira, de Curitiba, conquistou o primeiro lugar no Festival de Teatro Juvenil Transitando, organizado pela Volvo, em parceria com a Associação Viking. A peça Cidadão Consciente, Trânsito Eficiente! foi a vencedora entre as peças das 17 escolas públicas e particulares que participaram do concurso. O trabalho é resultado das atividades do programa Viva a Escola, que oferece atividades de contraturno para os alunos da rede estadual do Paraná. Os professores oferecem o curso dentro de sua carga horária e a atividade recebe apoio financeiro. “O Viva a Escola abriu as portas para a criatividade dentro das escolas”, conta a professora Rosana Aparecida dos Santos, que começou o trabalho com os alunos no início do ano. Em menos de quatro meses, o gru-

O grupo vencedor escreveu a peça de teatro em apenas 20 dias.

po se tornou vitorioso. A peça foi montada em apenas 20 dias. O roteiro foi elaborado com a participação e sugestões de professores e alunos, que se tornou uma colcha de retalhos composta por pequenas histórias engraçadas. O fio condutor do espetáculo é a consciência no trânsito de motoristas e pedestres. Para a aluna Panmela de Araújo, o mais importante foi

que eles passaram uma mensagem positiva. “Não enfocamos as proibições, porque as pessoas se esquecem do não e acabam fazendo o que é errado”, explica A professora Rosana trabalhou aspectos de teatro em sala de aula. “Se você quer, você consegue, desde que se dedique”, diz. “Todos os detalhes foram ensaiados, os alunos se dedicaram muito”.

Pesquisa irá estudar o vitiligo O vitiligo, doença de pele causadora de manchas brancas no corpo e que é apontada como o ponto de partida para o branqueamento progressivo da pele do astro Michael Jackson, morto no último dia 25, é o alvo de estudos de um grupo de pesquisas da UniBrasil de Curitiba. Liderada pela professora de Fisioterapia Ana Carolina Brandt, a equipe, composta por mais três alunas, avalia desde o início do ano a eficácia de dois tratamentos para a redução do efeito da doença: a exposição das manchas aos raios laser e ultravioleta. O objetivo é estudar os re-

sultados alcançados pelos equipamentos em regiões do corpo em que o vitiligo se manifesta. Ana Carolina explica que o trabalho será realizado com 20 voluntários. Dez serão submetidos aos raios laser e dez aos ultravioleta, em dez sessões ao longo de três semanas. “Na pesquisa tratamos de uma mancha só. Medimos o tamanho e vemos se ela

regride ou não”, esclarece a professora. Quem estiver interessado em mais informações da pesquisa pode enviar email parao endereço eletrônico acbrandt@bol.com.br.


Geral

Jornal Nota 10 | julho 2009

7

Mapa nacional

Mais Educação

Creches

Livros didáticos

Ensino médio

O Ministério da Educação (MEC) oferece em seu portal um mapa nacional com dados sobre todas as escolas técnicas e todos os cursos, além das características dessa oferta educacional. O Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (Sistec), criado pelo MEC, é resultado de ação conjunta dos conselhos e secretarias estaduais e do Distrito Federal de educação, responsáveis pela validação dos dados. Todos os 26 estados e o Distrito Federal aderiram. Constam do cadastro apenas as escolas regulares nos sistemas de ensino federal, estadual e municipal e os cursos que elas oferecem. O objetivo é orientar a busca pelas escolas .

O programa Mais Educação, de educação integral, tem novidades este ano. Escolas de ensino médio, agora, também podem ampliar o tempo, espaço e oportunidade educacional para os alunos. Ioga e natação entram na lista de opções de esporte. Percussão é uma das atividades de música que a escola pode escolher. Essas são apenas algumas das mudanças no programa apresentadas aos secretários de educação que participaram da 9.ª reunião do Grupo de Trabalho das Capitais e Grandes cidades no dia 8 de julho. A partir de agosto, 4,4 mil escolas públicas de ensino fundamental e 165 de ensino médio terão educação integral, por meio do programa.

As 159 cidades com mais de 163 mil habitantes, incluindo as 26 capitais dos estados e o Distrito Federal, podem apresentar projetos arquitetônicos próprios de construção de creches e pré-escolas, a serem financiados pelo Ministério da Educação (MEC). Para orientar as 159 redes públicas, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) elaborou uma cartilha com parâmetros e critérios. Até o dia 31, os gestores podem contribuir. Depois da consulta, o FNDE vai publicar uma resolução com as regras para a apresentação. Os principais itens da cartilha orientam os gestores sobre a localização do terreno, os custos de referência da construção, etc.

Cerca de cem mil escolas públicas de ensino fundamental escolheram os livros didáticos com que irão trabalhar nos próximos três anos. O número representa 81% das 122 mil instituições que oferecem turmas do primeiro ao quinto ano. Quinze estados conseguiram índices acima dessa média, onde 93% dos colégios fizeram a seleção. Pela primeira vez, a escolha dos livros didáticos do ensino fundamental foi feita exclusivamente por meio da página do FNDE na internet. “A participação foi recorde e esse resultado mostra o compromisso dos professores com a escolha dos melhores livros para seus alunos”, afirma Rafael Torino, diretor de ações educacionais.

O Conselho Nacional de Educação (CNE) aprovou no dia 30 de junho, por unanimidade, a proposta do Ministério da Educação (MEC) para apoiar experiências curriculares inovadoras no ensino médio. A partir de 2010, cerca de cem escolas deverão receber financiamento do MEC para implantar mudanças curriculares capazes de melhorar a qualidade da educação oferecida nesse nível de ensino e ainda torná-lo mais atraente. Pela proposta, o ministério financiará projetos de escolas públicas que privilegiem, entre outras mudanças, um currículo interdisciplinar para o ensino médio. A intenção é que a atual estrutura curricular seja substituída.

Vitrine


Ensino Superior

Jornal Nota 10 | julho 2009

8

UFPR revoga resolução de acúmulo de vagas A Universidade Federal do Paraná (UFPR) revogou a resolução que proibia o registro acadêmico simultâneo em outra instituição pública de ensino. A decisão foi tomada no último dia 26 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFPR (Cepe). A resolução revogada, de número 73/2008, havia sido aprovada pelo próprio Cepe em dezembro do ano passado. Seu texto previa um prazo de 30 dias para que os novos alunos da universidade eventu-

almente com registro ou matrícula simultânea em cursos de mesmo nível cancelassem seu vínculo com a outra instituição. Do contrário, o registro na UFPR seria cancelado. Caberia à Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) fiscalizar o cumprimento da resolução. “Parece-me prudente aguardar a manifestação do poder Legislativo, que pode, por meio de lei, vedar o duplo acesso a instituições públicas”, diz trecho do voto da professora Eneida Desiree

Salgado, relatora da matéria no conselho. A revogação foi aprovada por unanimidade. “A demanda presente no conteúdo da norma é justa, mas havia uma suspeita de que uma decisão por meio de resolução ofenderia o princípio da legalidade”, explica Eneida. A pró-reitora de Graduação, Maria Amélia Sabbag Zainko, também observa que a Procuradoria Federal na UFPR emitiu um parecer no qual observa que a atual legis-

Provar é suspenso por ter evasão recorde A Universidade Federal do Paraná (UFPR) decidiu no mês passado suspender a edição deste ano do Programa de Ocupação de Vagas Remanescentes (Provar). O motivo foi o alto índice de evasão, que chegou ao índice de 20,7% desde quando foi implantado, em 2003. O programa foi suspenso por unanimidade por 20 dos 21 conselheiros do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) presentes à reunião. O Conselho constituiu uma comissão para apresentaruma nova proposta de ocupação de vagas remanescentes e diretrizes para uma política institucional de combate à evasão. A UFPR explica que na modalidade “aproveitamento de curso superior”, a evasão entre os alunos que ingressaram através do Provar chega a 60%. A comissão instituída será composta por Robson Bolzan, diretor do Núcleo de Assuntos Acadêmicos; Cláudio Toneguti, Rodrigo Reis, Madlaine Lima, Anderson Menegatti, representantes discentes; Marcos Marino, representante do Fórum de Coordenado-

res e coordenador de Engenharia Civil; e Adriana Richter, representante da pró-reitoria de Graduação. Maria Amélia Sabbag Zainko, próreitora de Graduação, explica que é necessário aperfeiçoar o processo de ocupação das vagas decorrentes de desistências, para que em 2010 a UFPR possa implantar um modelo mais moderno e que contemple toda a comunidade. Segundo o reitor Zaki Akel Sobrinho, tão importante quanto ocupar as vagas ociosas é trabalhar para que os estudantes aprovados em vestibular estejam satisfeitos com o curso escolhido e possam concluir a graduação. O professor Robson Bolzan, presidente da comissão que vai estudar novas formas de ocupação, explica a proposta da comissão. “Temos que estudar como está sendo o processo em cada curso. O Provar foi suspenso para avaliar como ocupar estas vagas nos próximos anos, aumentando a eficácia. Vamos escolher a modalidade mais adequada para cada curso”, assegura.

Leonardo Bettinelli

Decisão foi tomada no último dia 20 pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da instituição

Conselho decidiu aguardar a decisão do Congresso Nacional sobre o caso.

lação brasileira não proíbe o acúmulo de vagas. “Resolvemos aguardar a decisão do Congresso Nacional, até para evitar futuras contestações judiciais”, afirma Maria Amélia. Em janeiro a vigência da mesma resolução já havia sido

adiada para 2010, sob o argumento de que ela não poderia ter caráter retroativo. Atualmente, os alunos da UFPR são proibidos de fazer simultaneamente mais de um curso de graduação na própria universidade.

Projeto beneficia professores universitários do estado A Assembleia Legislativa aprovou no dia 29 de junho, em segunda discussão, projeto de lei do governador Roberto Requião que reorganiza a carreira dos professores do ensino público superior do Paraná. O projeto altera a Lei 11.713, de 1997, e prevê a manutenção da matrícula para efeitos previdenciários em caso de efetivação como professor titular. Os professores, nesse caso, não sofrerão prejuízos na contagem de tempo para aposentadoria e tampouco será necessário cumprimento de estágio probatório.

O líder do governo no Legislativo, deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), disse que as alterações atendem 6,8 mil professores. “Desde 2008, os professores das universidades públicas do Paraná têm uma carreira organizada. Essas alterações garantem estímulo aos professores que estão produzindo para que ascendam na carreira e ocupem vagas de professor titular”, disse Romanelli. O projeto, aprovado por unanimidade, precisa de mais duas votações e depois seguirá para sanção do governador.

Para TJ pedagogos têm direito à aposentadoria especial O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Paraná julgou no mês passado três mandados de segurança de professores municipais de Curitiba que tiveram negado o registro de suas aposentadorias. Os mandados foram impetrados pelos advogados do Sindi-

cato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba (Sismmac) e são parte de mais de uma dezena que tramita no TJPR. Os julgamentos tratam de casos de uma diretora, uma vice-diretora e uma pedagoga.


Saúde

Jornal Nota 10 | julho 2009

9

Alunos do PR terão merenda orgânica Decisão pode beneficiar mais de 500 mil estudantes dos ensinos fundamental e médio do estado A Assembleia Legislativa do Paraná aprovou no dia 29 de junho, em redação final, o projeto de lei que prevê que as escolas públicas da rede estadual ofereçam merenda orgânica aos estudantes. Além de ter alimentos produzidos sem agrotóxicos, os lanches também deverão conter alimentos funcionais que, segundo a Organização Mundial da Saúde, ajudam a prevenir doenças. O projeto de lei, que leva o número 462/08, segue agora para sanção ou veto do governador Roberto Requião (PMDB). De acordo com o projeto, a merenda escolar orgânica deve ser 100% livre de agro-

tóxicos em toda a cadeia produtiva. Sua implantação deve ser feita de forma gradativa, de acordo com as condições e cronogramas elaborados pela Secretaria de Estado da Educação (Seed). O projeto que é de autoria dos deputados Luiz Eduardo Cheida (PMDB), Luciana Rafagnin e Elton Welter, ambos do PT, deve beneficiar mais de 500 mil estudantes dos ensinos fundamental e médio de 2.110 escolas existentes no estado. Cheida acredita que a proposta pode ajudar a melhorar a saúde dos estudantes paranaenses, mas também preservar a saúde dos agricultores e o meio ambiente.

“O Paraná é o estado vicecampeão no uso de agrotóxicos, só perde para São Paulo. Todos os anos são usados 4

milhões de quilos de veneno em nossas lavouras. Isso significa que, por minuto, são usados 66 quilos de veneno que depois vão poluir os rios de todo o Estado”, explica

Cheida. Para o deputado Marcelo Rangel, autor da emenda que propôs a inclusão dos alimentos funcionais na merenda, a aprovação do projeto ajudará a preservar a saúde das crianças paranaenses. “Os alimentos orgânicos fazem bem à saúde e os alimentos funcionais ajudam a evitar doenças como o câncer e o Mal de Alzheimer”, disse. Os alimentos orgânicos são produzidos sem agrotóxicos e os alimentos funcionais são aqueles que além das funções nutricionais básicas produzem efeitos metabólicos e fisiológicos que tra-

zem benefícios à saúde. São eles: abacate, cebola, cenoura, inhame, batata doce, frutas cítricas, chá verde, couve, repolho, nabo, trigo, arroz integral, tomate vermelho, amora, goiaba, uva vermelha, sucos, brócolis, leite fermentado, alho, aveia soja e derivados. Segundo o Departamento de Economia Rural, da Secretaria da Agricultura (Seab), existem no Paraná 5.300 produtores de orgânicos. A safra de 2006/2007 foi de 107 mil e 230 toneladas, 103 mil e 230 toneladas a mais do que a registrada em 1996/1997, quando foram produzidas 4 mil toneladas de alimentos orgânicos.


Geral

Jornal Nota 10 | julho 2009

10

Plataforma Freire

Fórum Mundial

Nova tecnologia

Curso de mestrado

Escola Aberta

O ministro da Educação, Fernando Haddad, anunciou no dia 30 de junho, que os professores da educação básica, que não têm licenciatura, já podem escolher um curso e fazer a pré-inscrição na Plataforma Freire. São mais de 300 mil vagas para o período de 2009 a 2011. Para este semestre são 54 mil vagas em instituições públicas de ensino superior federais, estaduais e comunitárias. Para atender aos pedidos das secretarias estaduais e municipais de educação, que somam 331,4 mil vagas, o ministério organizou o ingresso nos cursos distribuídos entre 2009 e 2011. O investimento será de R$ 1,9 bilhão.

O Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica foi lançado no dia 30 de junho, em Brasília. O evento também marcou a abertura das inscrições para o fórum por meio da página eletrônica no portal do Ministério da Educação(www.mec.gov.br). O fórum será realizado entre os dias 23 e 27 de novembro, no Centro Ulysses Guimarães, na capital federal. Trabalhadores, estudantes, educadores e técnicos de todos os continentes já confirmaram presença no evento que deve reunir mais de cinco mil pessoas. No Brasil, apenas 24% dos jovens entre 18 a 24 anos alcançam o ensino superior.

O Ministério da Educação (MEC) lançou em junho, em Brasília, a nova tecnologia Mecdaisy: um conjunto de programas que permite transformar qualquer formato de texto disponível no computador em texto digital falado. A ferramenta está disponível gratuitamente no portal do ministério. Antes de o software ser criado, os programas de leitura para deficientes visuais tinham recursos limitados que impediam o acesso autônomo às obras. Baseado no padrão internacional Daisy Digital Accessible Information System -, a ferramenta brasileira traz sintetizador de voz (narração) e instruções de uso em português brasileiro.

Foi publicado no Diário Oficial da União, no dia 23 de junho, a Portaria Normativa n.º 7, com normas específicas para credenciamento e avaliação de cursos de mestrado profissional. Com a medida, o Ministério da Educação (MEC) espera que muitas instituições que oferecem cursos de especialização — pós-graduação lato sensu — de excelência apresentem propostas para transformá-los em mestrados voltados para o campo profissional. Dentre as normas, destacam-se as várias possibilidades de trabalhos de conclusão de curso possíveis e o requisito de que parte do corpo docente seja especializado.

Criado há pouco mais de um ano, o Programa Escola Técnica Aberta do Brasil (eTec), que oferece educação profissional e tecnológica a distância, já chegou à marca dos 23 mil estudantes. Até o fim deste ano, deverão ser criadas mais 26 mil vagas na modalidade. O anúncio foi feito durante o 1.º Encontro Regional de Coordenadores do eTec, realizado em junho. O diretor de regulamentação e supervisão da Secretaria de Educação a Distância (Seed), Hélio Chaves Filho, apresentou um panorama geral do programa no Brasil. De acordo com ele, o número de vagas deverá chegar a 200 mil em 2010.

Vitrine

ARTE E CULTURA Rua Duque de Caxias, 04 Curitiba - PR - CEP: 80.510-200 Tel.: (41) 3222-3260 livraria@solardorosario.com.br www.solardorosario.com.br


INFORME PUBLICITÁRIO


Grupo viaja para cursar mestrado em Psicomotricidade Relacional na Europa Um grupo de 25 pessoas viajou no final de junho para cursar mestrado em Psicomotricidade Relacional na Europa. O Paraná é o primeiro estado do Brasil a ‘exportar’ um curso O grupo cursa mestrado em Portugal. desta área. O mestrado é realizado em convênio com a Universidade de Évora, situada no Alentejo, no sul de Portugal, a uma distância de cerca de 130 quilômetros de Lisboa. Segundo o diretor do Centro Internacional de Análise Relacional (Ciar), de Curitiba, professor José Leopoldo Vieira, a instituição já oferece curso de pós-graduação lato-sensu no Brasil, em especial em Curitiba e em Fortaleza, cidades em que possui sedes. “O curso de Évora será de stricto sensu, com duração de dois anos”, explica Vieira, ao ressaltar que o mestrado foi aprovado em todas as instâncias educacionais, desde o Conselho Universitário de Évora, até o Ministério da Educação de Portugal. “Fiquei contente, pois o trabalho é convincente e dá resultados”, diz. A Psicomotricidade Relacional é um método criado na década de 60 pelos franceses André e Anne Lapierre, que valoriza a comunicação não verbal como facilitador das relações interpessoais e, consequentemente, da aprendizagem do bem estar pessoal. “É por meio do nosso corpo que mostramos os nossos desejos, nossas frustrações, nossas necessidades, desde a mais tenra idade”, costumava dizer André Lapierre, já falecido. O mestrado é aberto, segundo Vieira, “a qualquer cidadão do mundo”. Os alunos do Ciar, que já participaram da Formação Pessoal, que é a primeira etapa do curso de mestrado, não precisarão frequentar as aulas em Portugal nessa fase e poderão assistir às aulas a partir da metade do próximo ano. O curso também é aberto aos demais psicomotricistas. “Toda a parte de formação pessoal e profissional do mestrado ficará a cargo do Ciar”, conta Vieira. O convite para ministrar as aulas do mestrado surgiu do professor Jorge Manuel Gomes de Azevedo Fernandes, após Vieira ter feito uma palestra na Universidade de Évora. Segundo ele, a ideia agora é ofertar em parceria outro curso de mestrado em Tenerife, a maior ilha do arquipélago das Canárias, pertencente à Espanha, onde também já esteve ministrando conferências. Vieira tem viajado o mundo para mostrar as vantagens da Psicomotricidade Relacional. Em Portugal Vieira irá aproveitar a viagem para suas aulas de doutorado. Em Curitiba a prática da Psicomotricidade Relacional é lei desde o ano passado, quando o prefeito Beto Richa aprovou legislação que instituiu o método para as cerca de 170 escolas da rede municipal. No interior do Paraná, no município de Juranda, a Psicomotricidade Relacional também virou lei e alguns outros municípios estudam projetos neste sentido.

Ensino Superior

Jornal Nota 10 | julho 2009

12

Unila revela primeiros cursos de graduação Instituição terá até 13 cursos inicialmente O presidente da comissão de implantação da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), Helgio Trindade, apresentou dia 25 de junho, durante seminário em Curitiba, a relação preliminar dos primeiros cursos de graduação da nova universidade. “Vamos ter entre 12 e 13 cursos de graduação, com cobertura de todas as áreas do conhecimento, já a partir de março de 2010”, afirmou Helgio. A Unila, que terá sede em Foz do Iguaçu, não irá oferecer cursos tradicionais, como Medicina, Direito e Engenharia clássica. “Queremos fazer cursos inovadores, com abordagem interdisciplinar”, explicou o presidente da comissão. Os cursos serão bilíngues. Metade dos alunos será de ori-

gem brasileira e a outra metade, dos demais países latinoamericanos. A previsão é de que, no início de 2010, cerca de mil alunos estejam matriculados nos cursos de graduação da Unila. Em cinco anos, o total de estudantes deve chegar a 10 mil. O de professores, a 500. Metade dos docentes também será formada por profissionais dos demais países da região. A Unila irá usar o novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para a seleção de seus alunos. No caso dos alunos de outros países, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia ligada ao Ministério da Educação (MEC), está preparando uma espécie de “Enem em espanhol”, para uso da Unila.

Os cursos A lista divulgada contém os cursos de: Sociedade, Estado e Política na América Latina, Relações Internacionais e Integração Regional, História e Direitos Humanos na América Latina; Desenvolvimento Rural e Segurança Alimentar; Economia, Desenvolvimento e Integração; Comunicação, Poder e Mídias Digitais; Letras e Línguas Estrangeiras; Ecologia e Biodiversidade; Energias Renováveis; Gestão Integrada dos Recursos Hídricos; Engenharia de Macroinfraestruturas; Licenciaturas: Ciências da Natureza / Interculturalidade e Integração / Esporte, Meio Ambiente e Políticas Sociais e Saúde Coletiva e Preventiva.

Atlas ajuda professor da rede municipal a conhecer Pinhais Estudantes e professores de Pinhais, município da região metropolitana de Curitiba, passam a conhecer melhor a região em que vivem. A professora Miria Freitas de Assis Chepak criou o Atlas Geográfico do município. Com esse material, é possível saber a quantidade de rios, tipos de vegetação e solo e projetos de urbanização. O atlas é distribuído nas escolas de Pinhais e, em breve, Miria vai orientar professores da rede municipal, que passarão a utilizá-lo como fonte de pesquisa. De acordo ela, o material possibilita o diagnóstico de problemas e

possíveis soluções no cotidiano da comunidade envolvida. Com isso, ela realizou e implanta ações que envolvam alunos, professores e pais, na busca de um objetivo comum: melhorar a qualidade de vida de todos. Pinhais é o menor município do estado, com área de 61,37 quilômetros quadrados, mas com população aproximada de 112 mil habitantes. Em função da urbanização acelerada, a população tem o grande desafio de preservar os mananciais. A represa do Iraí é responsável por grande parte do abastecimento de água potável para Curitiba e região.

Nas ações realizadas, alunos do Colégio Estadual Ottilia Homero da Silva plantaram mudas nativas de mata ciliar. O Instituto Ambiental do Paraná – IAP doou mais de mil mudas para a recuperação das margens do Rio Atuba, na divisa de Pinhais com Curitiba. Segundo a pesquisadora, a proposta foi envolver alunos e professores num projeto de educação ambiental. A fonte utilizada como material didático foi o próprio atlas, que serviu para integrar as disciplinas do currículo escolar dos estudantes com o estudo detalhado da cidade.


Geral

Jornal Nota 10 | julho 2009

13

Produção na web

Novos cursos

Produto familiar

Expansão da rede

Educação Física

O Projeto de Lei 1120/07, do deputado Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), que obriga as instituições públicas de ensino superior e unidades de pesquisa a publicarem sua produção técnica e científica na internet, foi aprovado na Câmara dos Deputados. As instituições deverão criar repositórios para abrigar trabalhos de conclusão de mestrado, doutorado e pósdoutorado de alunos e professores, e também estudos financiados com recursos públicos. Favorável ao projeto de lei e às emendas adotadas na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, o relator do projeto, deputado Átila Lira (PSB-PI), acredita que a proposta tem o indiscutível mérito de democratizar o conhecimento científico das instituições de ensino. O PL foi aprovado dia 8.

Novos cursos de mestrado e doutorado foram reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC). No total, foram 266, em todas as regiões: Norte, 14; Nordeste, 66; Sudeste, 116; Sul, 54; e Centro-Oeste, 16. Os cursos estão divididos em nove grandes áreas: ciências agrárias, ciências biológicas, ciências da saúde, ciências exatas e da terra, ciências humanas, ciências sociais aplicadas, engenharias, linguística, letras e artes. O grupo vencedor escreveu a peça em apenas 20 diasidisciplinar. O processo para o reconhecimento tem três estágios. Primeiro, os mestrados e doutorados devem passar por avaliação do CTC-ES para ser considerados cursos recomendados pela Capes. Depois, pela avaliação e aprovação do Conselho Nacional de Educação.

Os produtos da agricultura familiar estão garantidos nas escolas. A Medida Provisória (MP) 455, que abre o mercado institucional para agricultores familiares de todo o país, foi sancionada em junho, pelo presidente da República em exercício, José de Alencar. Participaram da cerimônia o ministro da Educação, Fernando Haddad; o secretário de Agricultura Familiar do Ministério do Desenvolvimento Agrário (SAF/ MDA), Adoniram Sanches Peraci; e o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Daniel Silva Balabam. Haddad disse que “a agricultura familiar vai ser beneficiada com esta sanção”. Ele lembrou ainda que a Medida Provisória é um passo importante para o resgate social da educação brasileira.

A expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, com a criação de 214 unidades de ensino, já resultou em 38 mil vagas em cursos gratuitos de educação profissional e tecnológica em todo país. Estão em funcionamento 82 novas escolas. O investimento é de R$ 520 milhões. Outras 132 serão entregues em 2010. A expansão implica investimentos de R$ 1,1 bilhão. O balanço da expansão comprova o maior investimento já feito em educação profissional. Das 132 escolas em processo de implantação, 114 estão com obras em andamento, 15 em processo de licitação e 13 na fase de elaboração de projetos arquitetônicos. Apenas quatro, no DF, estão no estágio inicial de doação de terreno. Este ano cem novas escolas técnicas serão entregues.

A Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei (1371/07), determinando que os conselhos regionais e federal de Educação Física não podem fiscalizar e nem exigir o registro de profissionais de dança, capoeira, ioga, artes marciais e pilates. Ele só não foi votado por causa do início da Ordem do Dia no Plenário. Para o relator da proposta, deputado Paulo Rubem Santiago (PDT-PE), que é formado em Educação Física, a atuação dos conselhos lhe parece “exorbitante no plano jurídico e equivocada no mérito cultural”. Os profissionais da dança reclamam que os fiscais dos conselhos buscam fechar academias de dança porque os profissionais não seriam formados em educação física”, reclama o parlamentar, que segue o trâmite na Casa.

Câmara debate primeiros socorros para inspetores A Câmara de Vereadores de Curitiba debate a obrigatoriedade de cursos de primeiros socorros para inspetores de estabelecimentos da rede municipal de educação. Projeto de lei do vereador João do Suco (PSDB), em tramitação na Casa, defende que, com a capacitação, os auxiliares de serviços escolares (inspetores) estariam aptos a prestar auxílio imediato às vítimas de acidentes e mal súbito, até a chegada do auxílio especializado. “É um serviço a mais que o município estaria prestando aos cidadãos que frequentam as creches e escolas, por exemplo, e aos servidores que lá trabalham”, explica o parlamentar. Para João do Suco, a medida evitaria complicações médicas ocasionadas por pessoas sem o preparo adequado, cujo atendimento de emergência poderia comprometer a saúde da vítima ao invés de ajudá-la, e seria uma resposta às frequentes notícias em jornais que narram acidentes com crianças. “Recentemente, presenciei

uma cena dessas numa escola. A criança tinha fraturado o braço e os professores estavam discutindo o que deviam fazer enquanto o atendimento especializado não chegava, se imobilizavam o braço, se não imobilizavam”, comenta o vereador. O parlamentar considera os primeiros socorros decisivos para a sobrevivência da vítima, quando o caso é mais grave. “Os primeiros socorros são prevenção; é salvar vidas. É importante a presença de pessoas treinadas nos estabelecimentos da rede municipal de educação para agir em situações de emergência. Elas seriam as pessoas que, conhecendo os procedimentos, manteriam a calma até a chegada dos médicos”, afirma. Se aprovado o projeto, caberá às secretarias municipais de Saúde e Educação definirem em conjunto o cronograma e os procedimentos necessários para que o curso de primeiros socorros passe a integrar a formação obrigatória dos auxiliares de serviços escolares.


Literatura Escola de valor – Significando a vida e a arte de educar Maria Helena Marques Rovere Paulus Editora

Em uma sociedade marcada pela indiferença entre as pessoas, com os animais, o meio ambiente e o espaço público, há quem deseje e lute por um mundo melhor. A educação é uma das ferramentas que pode colaborar nesse processo, ajudando as pessoas, desde crianças, a entenderem e a praticarem o exercício da cidadania. Com essa proposta, o livro foi lançado. A autora propõe uma reflexão acerca dos valores humanos, ou seja, da ética, do respeito, do amor, entre outros, e suas implicações práticas na educação. “É uma obra cunhada para despertar a boa vontade, ampliar a compreensão e a consciência e apontar caminhos para lidar com o inesperado e com as imprevisibilidades do dia-a-dia a partir de uma educação de valor”, explica.

Bullying nas escolas Carmen de Paula Pajú Editora

Depois de viver por três anos a experiência de ter um filho vítima da violência na escola, a psicopedagoga escreveu este livro. Pouco conhecido fora do meio acadêmico, o tema é de grande importância para os pais, pois trata-se de um novo conceito para designar o fenômeno de maus-tratos, atitudes agressivas, intimidação, opressão e humilhação que ocorrem sem motivo entre estudantes (jovens e crianças). O livro define e descreve a incidência do bullying nas escolas de ensino fundamental e ajuda a identificar as ações necessárias para que pais e profissionais de ensino reajam com eficácia nesses casos.

A inconsciência coletiva José Angelo Gaiarsa Editora Ágora

Quando um paciente está no divã falando sobre seus problemas e anseios, será que o psicólogo é capaz de perceber suas verdadeiras aflições e questionamentos? Será que o paciente diz realmente o que seu inconsciente guarda? Neste livro o psiquiatra faz uma releitura do pensamento de Wilhelm Reich aplicado à prática clínica. Tratando de um tema que já é velho conhecido de seus leitores – a importância de aprimorar, por meio do treino constante, a prática da visão para obter um maior conhecimento de si e do mundo –, Gaiarsa enfoca sua aplicação na prática de psicólogos e psicoterapeutas, para a qual esse hábito traz resultados especialmente benéficos.

Jornal Nota 10 | julho 2009

14

Criatividade no trabalho e na vida Roberto Menna Barreto Summus Editorial

O autor quebra paradigmas e prova que a criatividade está ao alcance de qualquer pessoa que queira conhecêla e utilizá-la. Um problema concreto e o espírito aberto ao desenvolvimento espontâneo de novas ideias são ingredientes básicos do processo criativo. Exercer a criatividade é uma função natural do cérebro, porém muitas vezes precisa ser reativada ou treinada. No livro, com conteúdo útil e informativo, o autor utiliza exemplos diversos para explicar as formas de abordar um problema, além de demonstrar o quanto o conformismo, a rotina, o desinteresse e até mesmo a racionalização excessiva podem prejudicar o processo criativo, que têm como propulsor a conveniência ou o prazer.

Manual de Carreira: identifique e destaque o talento que existe em você Vivian Maerker Faria Editora Saraiva

Com tantas mudanças e um mundo globalizado, só está seguro na carreira quem continua mantendo sua empregabilidade e entende que, mais importante do que aprender coisas novas, é saber quando esquecer as antigas e substituí-las, reconhecendo que o emprego vitalício deixa de existir e o desenvolvimento da carreira surge como uma necessidade e um objetivo de vida. Esta obra mostrará que para desenvolver uma carreira como executivo ou executiva de uma organização é preciso entender que vida e trabalho são coisas inseparáveis e que o sucesso de ambos deve ser uma busca simultânea.

Viva a infância! – ajude seu filho a ser criança para se tornar um adulto realizado Cris Poli Editora Gente

Quem tem filhos sabe quanto difícil é a tarefa de educá-los e formá-los. Este livro é um convite à reflexão dos pais e responsáveis na hora de educar crianças, em que a autora defende a necessidade dos filhos serem criados como crianças para que cresçam adultos saudáveis. Na introdução o leitor é questionado sobre respeito dos pais em relação à infância dos filhos, as cobranças inadequadas e a comparação em relação ao desenvolvimento entre as crianças. De uma forma pontual, Cris lembra que “a grande dificuldade hoje em dia é que os pais normalmente não têm consciência das próprias deficiências ao educar seus filhos e não enxergam os problemas que estes vivem e nem compreendem suas necessidades básicas de infância”.


Cartas dos leitores

Jornal Nota 10 | julho 2009

Prezado Teo! Li seu artigo no Jornal Nota 10 de maio dentro da coluna Ambiente Organizacional: Mundo Corporativo: Liderança Transformadora. Gostaria de saber se você poderia me encaminhar o mesmo para que eu possa utilizar para a discussão com uma turma que estou trabalhando sobre Gestão de Pessoas. Desde já, agradeço a atenção e parabenizo pelo texto. Abraços,

Células-tronco Juliana Stahlke.

Prezado Sr. Helio Marques, acesso todos os dias o Site Nota 10 (www.nota10.com.br), pois trabalhamos na área da educação. Quero parabenizar o trabalho e o Nota 10, que na minha opinião merece a nota 1000. Um forte abraço, Nelza C. Zakowicz, Porto Alegre (RS).

A Coluna 10 é muito interessante e nos incentiva à pesquisa. É um desafio e proporciona a busca do conhecimento. Parabéns! Marina Marin, Paiçandu (PR).

Muito interessante ter um veículo de informação como o Nota 10. Sempre leio. Silvane de Fátima Silva Baltazar, Belém (PA).

Adoro começar a semana, ligo o computador e leio as notícias sobre educação que me interessam. Gosto muito quando traz notícias de ciências. Djane Cavalcanti da Silva, Rio de Janeiro (RJ).

Quem tem o prazer de conhecer esta Coluna nunca mais deixa de visitá-la. É muita informação. Legal demais. Abraços, Rizoneide de Lima Falcão, Parnamirim (PE).

A Coluna 10 é incrível, do site Nota 10 (www.nota10.com. br) . Possui ótimos artigos que auxiliam não somente o educador, mas também a todos que se interessam por educação.

Leio on line este jornal e vejo com frequência a Coluna 10, pois nela encontro o que existe de mais atualizado em educação. Luiza Maria de Carvalho Rodrigues, Garanhuns (PE).

Já sou leitora do site Nota 10. Leio todas as matérias recebidas e assim me mantenho informada. E aproveito a oportunidade para agradecer por tudo. Abraço. Vicentina dos Santos Vasques Xavier, Campo Grande (MS).

Telefones úteis Apade (41) 3323-6493

Núcleo Regional de Educação (Centro) (41) 3222-3074 Sinepe/PR (41) 3078-6933

Conselho Estadual de Educação: (41) 3212-1150

ParanáEducação: (41) 3352-0058

Cetepar: (41) 3376-3323

Sismmac (41) 3225-6729

Sinpropar: (41) 3332-5433

Sismuc (41) 3322-2475

Pesquisadores do Centro de Estudos do Genoma Humano da USP e de mais duas instituições de São Paulo conseguiram obter célulastronco adultas a partir das trompas de Falópio, o canal que conduz os óvulos para o útero após a fecundação. O estudo aponta mais uma

possível fonte para essas células, que já apresentaram resultados animadores no tratamento experimental de uma série de doenças no Brasil. A pesquisa é assinada por Tatiana Jazedje e colegas e foi publicada na revista científica “Journal of Translational Medicine”. Fonte: G1

Flávia Graciano Nisco, Cornélio Procópio (PR).

Escreva para o Nota 10. Envie mensagem para nota10@nota10.com.br . Por razões de espaço e compreensão as mensagens poderão ser editadas.

APP/Sindicato (41) 3026-9822

15

Secretaria Municipal de Educação de Curitiba: (41) 3350-3009 Secretaria de Estado da Educação: (41) 3340-1500 Secretaria de Ciência e Tecnologia (41) 3028-7316 Sinpefepar (41) 3019-9287

Alergia x genética Alergia é coisa de família? Sabe-se que características como cor dos olhos e dos cabelos, altura e até certos aspectos da personalidade podem ser herdados. E as alergias? O ambiente pode receber grande parte da culpa, mas cientistas descobriram que a asma e a febre do feno têm um poderoso componente genético. Ao contrário da cor dos olhos e dos cabelos, eles derivam das interações de vários genes, alguns conferindo proteção e outros contribuindo para o desenvolvimento de alergias. Como resultado, pessoas podem não herdar as alergias específicas dos pais a ervas ou pólen, mas têm uma probabilidade aumentada de desenvolver alergia em geral, particularmente se ambos os pais são alérgicos. Fonte: G1

Estudos comparativos Alunos do curso de Engenharia Têxtil do Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana (FEI) apresentaram em junho diversos estudos relacionados a tecidos, um deles sobre a influência do acabamento antichamas na durabilidade de roupas profissionais de algodão. No trabalho, a formanda Juliana

Vecchio fez ensaios de durabilidade em tecidos, com e sem a proteção, e verificou que aqueles com propriedade antichamas duraram até 100 lavagens e rasgaram menos. O estudo foi feito com tecidos que receberam a proteção antichamas contra risco 2, indicada para profissionais que trabalham com eletricidade. Fonte: Cia da Imprensa

EXPEDIENTE: Jornal Nota 10 – Um veículo da Nota 10 Publicações. Circulação: Distribuição gratuita em escolas públicas e particulares do Paraná, sempre a partir do dia 10 de cada mês. Redação: R. Desembargador Westphalen, 824 - sala 4 – CEP 80.230-100. Telefone/Fax: (41)3233-7533. E-mail: nota10@nota10.com.br Editor e jornalista responsável: Helio Marques - MTb 2524. Revisão: Andréa Maria de Carvalho Marques. Colaboração: Déborah Ferragini. Diagramação: Simone Tatarem. Foto da capa: STF/Divulgação.


2009-07-Julho-2009  
2009-07-Julho-2009  

O caso Iesde/Vizivali se tornou uma Quando dois elefantes brigam, quem sofre é a grama... enquanto, não há nenhum sinal de que os cerca de 3...

Advertisement