Issuu on Google+

Transcorrida a preparação do Advento, finalmente o Senhor nasceu; Maria foi exaltada, na solenidade do dia 1, como Mãe de Deus. As coisas tomam o seu lugar novamente e, neste mês, aos poucos voltaremos às nossas ocupações habituais. Cada qual pode, então, fazer um exame pessoal. O que a contemplação do Menino no Presépio causou em mim? O espírito do Natal realizou uma transformação efetiva no meu relacionamento com Deus ou foi só uma válvula de escape para o cansaço de dezembro? Pretendo diluir e perder os bons propósitos desse período, com um descanso alheio a Jesus, a Maria e a José? Em suma, pretendo alimentar os meus projetos pessoais, profissionais e familiares para 2010 com as graças recebidas no Natal ou quero viver mais um ano para mim mesmo, deixando Deus em segundo plano? Estas primeiras semanas são essenciais para nos apegarmos a Ele e, deste modo, realizarmos grandes coisas ao Seu lado durante o ano todo. Que a Virgem Mãe de Deus nos acompanhe e “aprisione” para que, como Seus servidores, tudo neste ano – férias, trabalho, relacionamentos ― esteja cheio dEla e de Jesus. A frequência fiel à Missa dominical e à Confissão e, quem sabe, uma boa direção espiritual, darão, ao lado de Maria, luz, profundidade e vigor a todas as nossas realizações em 2010. Em Cristo, um feliz ano novo!


CATEQUESE

INDICAÇÃO DE LEITURA

Pensamentos e palavras, atos e omissões que nos afastam da graça de Deus

Que a Virgem Imaculada, que sofre ao ver os seus filhos afastarem-se de Deus, nos livre sobretudo dos pecados mortais! Muitos, embora buscando servir ao Senhor, arriscam sua salvação caindo em matérias objetivamente graves: falta à Missa dominical, Comunhão em estado de pecado, sexo fora do Matrimônio, prática de superstições e espiritismo, etc. Com a ajuda materna de Maria e a Confissão, serviremos a Jesus com pureza e decisão!

Jacques Philippe A nossa época é uma época de agitação e intranquilidade. Esta tendência, evidente na vida quotidiana, manifesta-se também com grande frequência no âmbito da vida cristã e espiritual: a nossa busca de Deus, da santidade e do serviço ao próximo, costuma ser também agitada e angustiada, ao invés de confiada e serena, como seria se vivêssemos a atitude das crianças que o Evangelho nos pede. Portanto, é fundamental chegarmos a compreender que o itinerário rumo a Deus e à perfeição é muito mais eficaz, mais curto e também muito mais fácil quando o homem aprende pouco a pouco a conservar em qualquer circunstância uma profunda paz no seu coração. Isso é o que o autor pretende fazer compreender por meio das considerações da primeira parte destas páginas. A seguir, passa em revista um conjunto de situações em que com frequência nos vemos envolvidos, procurando explicar o modo de enfrentá-las à luz do Evangelho, a fim de conservarmos a paz interior.

Por João Bechara Ventura ― Seminarista

Adquira este livro na livraria da Paróquia.

© Time Inc.

O juízo sobre o pecado não se dá a partir de impressões e sentimentos subjetivos, mas sim da Lei eterna de Deus. Sendo uma desobediência à vontade do Criador, o pecado é descoberto por meio do exame de nossa conduta à luz dos mandamentos de Deus e da Igreja. Por isso, todo pecado é antes de tudo uma ofensa a Deus, embora muitas vezes possa dizer respeito diretamente ao próximo e a nós mesmos. Os pecados variam conforme a sua gravidade, sendo veniais ou mortais. Os pecados veniais são os “pensamentos e palavras, atos e omissões” contrários à lei do Senhor que contêm em si uma menor gravidade, ou que são praticados inadvertidamente, ou por ignorância. Diminuindo em nós a caridade e a graça, não chegam a romper a amizade com Deus. Os pecados mortais, ao contrário, são aqueles que dizem respeito a matérias graves. Têm este nome pois acarretam a morte da alma, fazendo-nos merecer novamente a condenação eterna. Praticando-os, perdemos a graça santificante e a caridade sobrenatural, excluindo-nos da Comunhão com Jesus e a Igreja. Por esta razão, para serem perdoados, exigem, além do arrependimento, a Confissão sacramental.

PARA REFLETIR

CURIOSIDADES CATÓLICAS

O título Nossa Senhora do Brasil

Poucos países têm o privilégio de terem seu nome ligado ao de Nossa Senhora, como Nossa Senhora da Áustria, de Luxemburgo, do Líbano e do Brasil. E isso é um motivo de esperança para o nosso povo. A denominação de Nossa Senhora do Brasil surgiu informalmente entre o povo napolitano, conhecido por sua devoção mariana, na época em que a imagem esteve na cidade de Nápoles. Foi o povo napolitano que começou a invocar “Madonna del Brasile”. E isso ocorreu na primeira metade do século XIX, quando não havia se estabelecido ainda uma relação mais estreita entre Brasil e Itália, pois a grande imigração proveniente da região ainda não tinha começado. O culto a Nossa Senhora do Brasil ainda não se tornou muito conhecido

A Paz interior

no território nacional. Apesar disso, Ela é venerada nas cidades do Rio de Janeiro, Porto Alegre e São Paulo, onde destacase a Paróquia situada no Jardim América. Saiba mais em: www.nossasenhoradobrasil.com.br

“Quando estou dividido em mim mesmo é porque não estou unido com Deus.” São Bernardo

“Quanto melhor é uma pessoa, mais incomoda as pessoas más.” Santo Agostinho

“Algumas pessoas reivindicam e protestam em público por justiça e direitos humanos. Nós não temos tempo para isto. Há seres humanos em grande número que estão morrendo de fome e desprovidos de amor. Em pessoas assim é que servimos a Jesus, vinte e quatro horas ao dia.” Madre Tereza de Calcultá

“A busca de Deus é a busca da felicidade. O encontro com Deus é a própria felicidade.” Santo Agostinho


PASTORAL FAMILIAR

Relação sexual: comprometimento com amor

O glamour da entrada triunfal da noiva na igreja ainda hoje é motivo de emoção para todos os presentes, de modo particular para as mulheres que já contam anos de vida conjugal e recordam o seu dia, como para aquelas que sonham pela chegada do seu. Em cada coração registra-se um momento único no qual a mulher se prepara para dar um passo significativo (dos mais importantes) na sua vida: unir-se definitivamente, em desejo e esperança, ao seu amado. Definitivamente, pois o amor quando encontrado não enxerga estradas curtas, ou com fins previstos, mas deseja pela felicidade a sua perpetuação. Não é simplesmente um encontro; mais do que isso, é firmar em definitivo, por uma entrega livre de um para o outro, para que se tornem “uma só carne”. Esta expressão tão forte e soberana do livro do Gênesis (2, 24) dá um sentido novo àqueles que aguardaram responsavelmente por este passo em qual não somente “a carne”, mas a pessoa na sua totalidade se une ao outro sem reservas para uma nova vida. Esta sempre foi, e continua sendo, a orientação da Igreja Católica no que diz respeito ao que se espera do comportamento de um homem e de uma mulher que dentro do caminho da Igreja procuram percorrer este caminho de felicidade. As mudanças nos hábitos do relacionamento sexual entre homem e mulher ,ocorridos principalmente após a introdução e proliferação dos meios anticoncepcionais na sociedade, facilitaram a “união dos corpos” sem que houvesse a respectiva responsabilidade da união das pessoas. As consequências disso são bastante conhecidas (crescimento no número de abortos, processos de união descompromissados, gravidez precoce na adolescência, e a própria “instrumentalização” da mulher como simples objeto de prazer). Essas consequências todas foram profetizadas e advertidas por Paulo

“O relacionamento de um homem com uma mulher permanece como caminho de conhecimento durante todo o período do namoro, e diante das convicções estabelecidas por um amor maduro deve se concretizar na ‘união dos corpos’ mediante o sacramento do Matrimônio.” VI quando redigiu a memorável encíclica Humanae Vitae ainda na década de 1960, quando fez profunda reflexão sobre a possibilidade da aceitação dos meios anticoncepcionais pelos católicos. Desde então a Igreja mantém o mesmo parecer quanto a paternidade e maternidade responsáveis em que somente o planejamento natural é reconhecidamente aceito, em respeito ao amor dos cônjuges e da vida, fruto desse amor. Uma vida que foi gerada no princípio pelo amor, e comprometida para amar, para que permaneçamos unidos ao amor. Assim, não se pode ver desvinculada do amor a união dos cônjuges, que unidos livre e responsavelmente tomam este caminho de felicidade, ainda que muitas vezes acompanhado de certas dificuldades. Não é raro lermos em veículos de ampla divulgação na imprensa escrita, falada ou midiática, informes equivocados a esse respeito, que podem desorientar a correta doutrina da Igreja Católica, provocando dúvidas naqueles que livremente optaram por seguir o que pede a Igreja. Dessa forma cabe esclarecer que este assunto não é tema de “dogma” ,como alguns citam para tudo que se refere a temas polêmicos da Igreja. Vale também dizer que “não ocorreram bre-

chas” na doutrina, desenvolvidas pela modernidade. O relacionamento de um homem com uma mulher permanece como caminho de conhecimento durante todo o período do namoro e, diante das convicções estabelecidas por um amor maduro, deve se concretizar na “união dos corpos” mediante o sacramento do Matrimônio. Relacionamentos antecipados, ainda que conscientizados do compromisso dos noivos, seja de modo casual ou com inteiro amor, não são formas de manifestações aceitas, e devem ser evitadas ainda que com sacrifício. Um esforço que seguramente fortalece o respeito em relação ao outro, tão necessário em oportunidades que, frequentemente, ocorrem na vida matrimonial. Aos que assim não se preparam, a infidelidade será a provável alternativa futura. No entanto a Igreja, como Mãe, reconhecendo as dificuldades humanas, sempre procurou compreender e reconciliar aqueles que, conscientes de seus compromissos, sabem renovar os seus propósitos, sem se enganar por estarem atuando conforme a “modernidade” apregoada por alguns. Por Pe. Michelino Roberto e Dr. Valdir Reginato


EXPEDIENTE PAROQUIAL EXPEDIENTE DA SECRETARIA Em dias úteis: das 8 às 19h. Sábados: das 8 às 14h. Domingos: das 9 às 18h. BATISMO*

Curso preparatório de Batismo para pais e padrinhos (todo 3º domingo do mês, das 9h30 às 11h). Inscrições no próprio dia; comparecer munidos do RG e de uma lata de leite para ser doada para instituições de caridade. Acesse o site da Paróquia para saber os documentos necessários para marcar o Batismo. HORÁRIOS E DIAS PARA BATISMO

Sábados, 13 e 15h (individuais)**; Domingos, 9h, 13h30 e 15h30 (individual)**; Domingos, 14h30 (coletivo).

* Para maiores informações ou esclarecimentos procurar pessoalmente o Expediente Paroquial. ** É necessário marcar com certa antecedência.

DIAS PARA CURSO DE BATISMO

21/2; 21/3; 25/4; 23/5; 27/6

ser solicitadas somente na secretaria pessoalmente. DIAS PARA CURSO DE NOIVOS

27 e 28/2; 10 e 11/4; 12 e 13/6. HORÁRIOS DE CONFISSÃO***

Segundas, das 10 às 12h / Terças e quintas, das 9 às 12h / Quartas, das 15 às 17h / Sextas, das 10 às 12h / Aos domingos, antes e durante as missas. *** É possível marcar horário para Confissão e Direção Espiritual.

PARÓQUIA EM AÇÃO

HORÁRIOS DE MISSAS*

Segundas a sextas-feiras: 8h, 9h, 12h05, 17h30 e 18h30. Sábados: 8 e 9h. Missas de preceito às 12 e 16h. Domingos: 8h, 10h, 11h, 12h30, 17h, 18h30 e 20h. *Para missas individuais, de 7º dia ou outras intenções, verificar outros horários na Secretaria Paroquial.

ANIVERSARIANTES DIZIMISTAS 3 – Antonio de Araujo Novaes 11 – Maria Albertina Prado Ribeiro 15 – Mauro Agresta; Regina Segadas da Cruz 16 – Carmina Pires Letieri; Marcelo Gurgel do Amaral; Vânia Bahia 17 – Márcia Adriana de Paiva da Silva; Rosemary Acunzo

19 – Jane Dangelo Fiorentino 20 – Rita Noriko Takano 21 – Sylvia Helena de Souza Leão 23 – Hans Bragtner Haendchen; Rosemary Acunzo 24 – Carlos Frederico Levy 26 – M. Cláudia Strambi Guimarães; Zélia Coimbra 31 – João Prado Ribeiro Campos; Maria Sylvia Junqueira R. Campos

MATRIMÔNIO

Informações sobre datas e horários disponíveis para Casamento devem PROCLAMAS: CASAMENTOS 8 – Antonio Nicoletti e Clarissa Álvares Ernani. 9 – Rodrigo Righetto Jimenez e Amanda Missori Reis; Renato Ribeiro Carneiro e Adriana Felix Silva; Rafael Fernandez de Almeida e Priscila Abbate Fereira. 15 – Thales Manzano Parisotto e Lívia Maria Bello Silva; Davis Catanoso e Adriana de Freitas Fontes. 16 – Carlos Rodrigo Dias Leiva e Fernanda Chiattone Alves; Klaus Jurgen Kroger e Carolina Akemi Funai; Felipe

Vieira Alves Azevedo e Liliara Cristiane Freo; Tiago de Campos Laprano e Bruna Lima de Carvalho. 21 – François Georges Francis e Flavia Maria Alves Ferreira. 22 – Luiz Augusto M. de Souza Moura e Luana Demichili. 23 – Luiz Antonio Salicio Fuso e Rosangela Alves Leal; Sandro Alcântara Pinheiro e Taís Cristina De Mattos; Alexandre Cia Papa e Denise Cardoso Ribeiro; Daniel da Silva Captein Bernardo e Ana Carolina Gomes Cacau.

FALE CONOSCO: PARÓQUIA NOSSA SENHORA DO BRASIL AVENIDA BRASIL (ESQUINA DA RUA COLÔMBIA) – JARDIM AMÉRICA – SÃO PAULO/SP TELEFONE: (11) 3082 9786 | SITE: www.nossasenhoradobrasil.com.br

29 – Alexandre Ferreira Lima e Agueda Correia Firmino Diaz. 30 – Leonardo Souza Amaral de Lucena e Beatriz Cristina Cardeal Weisberg; Carlos Iovani de Araújo Junior e Nathalia Barbosa Cardinuto; André Barroso de Carvalho e Larissa de Mello; Juliano Augusto Dessimori Vicente e Karina Martins Prediger; Felipe Amaral Duarte Quirino e Carolina Trad Koch; Gustavo Michelazzo Tambasco e Renata de Moaraes Pereira.

EXPEDIENTE

Informativo Nossa Senhora do Brasil Janeiro/2010 – Ano 1 – Edição 5

Periodicidade: mensal | Distribuição: gratuita Tiragem: 2.500 exemplares | Impressão: Gráfica EGM

Responsável pela Pastoral da Comunicação:

Gisele Munhoz Frey Diagramação:

Sérgio Fernandes | sergiofernandes.com.br Revisão:

Marcus Facciollo | marcusrevisor.com.br

GRUPO DE ORAÇÃO SEMENTES DO ESPÍRITO

Retorno dia 1/2 GRUPO DE ORAÇÃO ESPÍRITO SANTO

Retorno dia 4/2 HORA SANTA com Exposição do Santíssimo

Sextas, 16h. GRUPO DE JOVENS UNIVERSITÁRIOS

Domingos, 19h30 – no Centro de Pastoral. ORAÇÃO DAS 1.000 AVE-MARIAS

Todo primeiro sábado do mês, às 13h30, na Capela de N. Sª. do Carmo RECOLHIMENTO FEMININO

Dia 19, 14h30.


Informativo Nossa Senhora do Brasil EDIÇÃO 05 - JANEIRO/2010