Page 1

P’ A S

O ÇÃ A

ÇA

A

S SE LI S Á CA N I A LÍN C

M

RM

P

IN

N RA

CC A

FO

H

U

IC ED

G SE

M

NORTEMED

Nº5 | JANEIRO 2018 trimestral

www.nortemed.pt

https://www.facebook.com/nortemed.pt/


2

NORTEMED

FICHA TÉCNICA Titulo | A Revista Propriedade | Nortemed Conselho de Redação Clara Sá, Manuela Sá & Vítor Teixeira Revisão de Textos | Clara Sá Colaboradores Ana Duarte Ana Fernandes António Costa Tavares Cidália Monteiro Clara Sá Daniela Araújo Flávia Peixoto Joana Pereira Manuela Sá Vítor Teixeira Periodicidade | Trimestral

Publicação – facebook: https://www.facebook.com/nortemed.pt/ Plataforma virtual: https://issuu.com/nortemedshst Site Institucional: www.nortemed.pt Grafismo: Francisco Maia

Os artigos assinados, assim como as opiniões emitidas, são da inteira responsabilidade dos seus autores, podendo ser reproduzidas, no seu todo ou em partes, desde que sejam mencionados o nome da revista, número, data da publicação e o autor do texto.


NORTEMED

3

   EDITORIAL                                   

Novo ano, nova edição da REVISTA. Um projecto já consolidado, com mais participantes e que se traduz no desejo de produzir artigos que vão ao encontro das temáticas mais atuais e, que de alguma forma estejam relacionadas com o universo da Saúde e Segurança no Trabalho – SST. Esta primeira edição do ano de 2018, traz inúmeras informações, assim como artigos de opinião, no entanto gostaria de destacar dois temas; a informação relativa à nova lei do tabaco; pois pela primeira vez e, de forma bastante clara, atribui aos serviços de SST um papel importantíssimo no que à prevenção e, acompanhamento de trabalhadores fumadores diz respeito; e também a informação do número de Acidentes de Trabalho Mortais respeitantes ao ano de 2017. Embora tenhamos assistido a um decréscimo relativamente ao ano de 2016, continuamos a ter uma altíssima taxa de mortalidade relacionada com os Acidentes de Trabalho. Todos somos responsáveis para diminuir drasticamente esses números, pois cada número representa um ser humano que não sobreviveu ao seu trabalho… Mas a REVISTA é também um espaço de divulgação de empresas parceiras, de artigos informativos, de campanhas de prevenção. Mantemos, como sempre, a matriz de elaborar uma revista de fácil leitura, diversificada, mas acima de tudo, que aborde temas que estão presentes no quotidiano laboral de milhões de trabalhadores no nosso país. Faça da REVISTA a sua forma de contribuir para a criação de ambientes de trabalho Seguros e Saudáveis…partilhe… E votos de um ano de 2018 cheio de saúde e com muita segurança.

Vítor Teixeira Diretor Geral


4

NORTEMED

po rtuga l, P r ev e nç ão e C o ntro lo d o Ta b agis mo 20 1 7

tabaco...     SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO                                     O consumo de tabaco continua a contribuir para um número elevado de mortes no nosso País. As estimativas apresentadas recentemente referem que já são mais de 11.800 pessoas que anualmente morrem, por doenças atribuíveis ao tabaco. O relatório «Portugal – Prevenção e Controlo do Tabagismo 2017», apresentado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), revela que morreu uma pessoa a cada 50 minutos, em Portugal, no ano passado, por doenças atribuíveis ao tabaco. A prevalência de consumidores diários ou quase diários de tabaco, entre 2012 e 2016/17, registou uma ligeira redução, passando de 95,2 % para 94,0 %. Um estudo do Eurobarómetro, citado no documento, refere que, em 2017, cerca de um terço das pessoas fumadoras disse ter tentado parar de fumar em algum momento (35,7 %), 6,3 % nos últimos 12 meses e, 30,1 % há mais de um ano. Dos 11.843 óbitos causados pelo tabaco ocorridos em 2016 (10,6 % do total de mortes no país), 9.263 eram homens (16,4 % do total dos que morreram) e 2.581 eram mulheres (4,7 %). Os autores do relatório sublinham que «o tabaco foi responsável por cerca de uma em cada quatro mortes no grupo etário dos 50 aos 59». Nos homens, a maior percentagem de óbitos atribuíveis ao tabaco registou-se no grupo etário dos 50 aos 59 anos (cerca de 30 % dos óbitos), enquanto nas mulheres o grupo etário com maior mortalidade foi o dos 45 aos 49 anos (14,5 % do total de óbitos). No mesmo ano, o tabaco foi responsável por 46,4 % das mortes por doença pulmonar obstrutiva crónica, 19,5 % das mortes por cancro, 12 % das mortes por infeções respiratórias do trato inferior, 5,7 % das mortes por doenças cerebrocardiovasculares e 2,4 % das mortes por diabetes, lê-se no documento. Em relação ao tabagismo nos jovens, os dados do IV Inquérito Nacional ao Consumo de Substâncias Psicoativas (2016/2017), referido no relatório, apontam que a idade média de início de consumo reportada pela população entre os 15 e os 24 anos passou dos 15 para os 16 anos. Neste grupo etário, entre 2012 e 2016/2017, registou-se

um aumento no consumo nos últimos 30 dias. Sobre os apoios no âmbito da cessação tabágica, os autores destacam o aumento registado em 2016 na dispensa de embalagens de medicamentos nas farmácias: mais 56.330 embalagens dispensadas. A comparticipação destes medicamentos para ajudar a deixar o tabaco, que entrou em vigor em 2016, impulsionou a sua utilização. O consumo de um desses fármacos (vareniclina) aumentou cerca de 68,2% no primeiro trimestre de 2017 (mais 6.196 embalagens). No ano passado, também se assistiu a «um aumento da acessibilidade às consultas de cessação tabágica», tendo-se registado cerca de 31.800 consultas de apoio intensivo à cessação tabágica a nível dos agrupamentos de centros de saúde e unidades hospitalares do Serviço Nacional de Saúde (um aumento de 3,5% face a 2015). Fonte: Lusa Tendo em conta estes dados, não podemos dissociar o consumo de tabaco e os locais de trabalho. Os trabalhadores fumadores, inserem-se nos números acima apresentados, padecendo de doenças, doenças essas que provocam ausências ao trabalho, reduzindo assim os índices de produtividade. Nesse sentido, os serviços de Saúde e Segurança no trabalho (SST), têm neste campo um papel de extrema importância no que à prevenção diz respeito. Os serviços de SST devem desenvolver planos de atuação multidisciplinar, apoiados pela gestão de topo das empresas, pois a saúde dos trabalhadores deve ser sempre a prioridade das organizações. Com a publicação da Lei n.º 63/2017 de 3 de agosto atribui a responsabilidade aos serviços de SST de promover nos locais de trabalho acções e programas de prevenção e controlo tabágico, disponibilizando informação concreta sobre as consequências do consumo de tabaco e, da exposição ao fumo de tabaco aos trabalhadores. Refere também a nova lei que devem os serviços de SST apoiar e, referenciar os trabalhadores que pretendam iniciar o tratamento de cessação tabágica para o médico de família ou para as consultas de cessação tabágica. Verificamos, o cada vez mais importante papel dos serviços de Saúde e Segurança no Trabalho na criação de ambientes de trabalho seguros e saudáveis. Vitor Teixeira Técnico Superior de SST


NORTEMED

rir...nem sempre é o melhor remédio

5


6

NORTEMED

C o mo fazer pa r a ev i ta r exc e sso s ?

Excessos na Época Natalícia    ENFERMAGEM                                    O Natal é uma das épocas mais bonitas do ano, no entanto, é uma das épocas em que se comete mais excessos alimentares. Segundo o Instituto Médico Europeu da Obesidade, seis em cada dez pessoas, ganham entre dois e três quilos, devido aos excessos cometidos nos almoços e jantares da época natalícia. Como fazer para evitar excessos? Para além do regresso a uma alimentação equilibrada, é aconselhado também o regresso ao ginásio ou caminhar ao ar livre, (mesmo que os dias não sejam convidativos!). Segundo a coordenadora da Unidade de Nutrição Clínica do Hospital Lusíadas Lisboa, sugere algumas dicas para celebrar esta época, sem deixar de se sentir bem consigo e, prejudicar o seu organismo: - Não saltar refeições; - Comer em quantidades pequenas; - Evitar estar mais de 3 horas sem comer; - Beber água ou infusões de chá (sem açúcar) entre as refeições; - Ao confecionar pratos, substitua as natas pelo iogurte e, a farinha pela farinha integral, utilize apenas as claras dos ovos em vez dos ovos inteiros e, quanto à carne, opte pelo peru; - O bacalhau é a espécie de peixe mais consumida pelos portugueses. Este deve ser bem demolhado antes da confeção (24h-48h antes, consoante o tamanho das postas) para que o teor de sódio seja o mínimo; - É importante não acrescentar gorduras em

excesso, evitar fritos e molhos (maionese, manteiga, óleo…); - Para condimentar utilize ervas aromáticas em vez do sal e, opte pelo azeite como gordura. Fonte: Lusíadas Saúde Há volta da mesa, começam os bons hábitos alimentares e não só! Em momento algum, deve deixar que a ansiedade causada pelos excessos, tire o prazer de comemorar esta época em família. Daniela Araújo Enfermeira


NORTEMED

7


8

NORTEMED

autoestima

espelho meu, espelho meu!    ENFERMAGEM                                    “Sei que estou gorda, gostava de emagrecer mas já tentei de tudo e não consigo…” confessava uma senhora durante uma consulta. A trabalhar muitas horas por dia, sem tempo para fazer exercício (“no meu trabalho já faço muito exercício…”), água? “Não gosto”. E alimentação? “Até não como muito mal… Bebo um café a meio da manhã, almoço às 13h umas diárias que o restaurante perto faz… O lanche é uma maçã e umas bolachas, ou iogurte (quando há tempo) e o jantar, ah, o jantar é sempre a melhor refeição! Comemos muito e depois… Depois sofá! Que os dias são sempre muito cansativos”! Identifica-se?

Em questões de saúde habituámo-nos a facilitar. Não se bebe água porque não se gosta, não se faz exercício físico porque cansa, não se come bem porque dá trabalho. E depois olhamos no espelho e, não gostamos do que vemos. Fazer o quê? Conformarmo-nos com a realidade frustrada em que nos encontramos e, deixar que o nosso corpo se canse de lutar e, se comecem a desenvolver doenças (diabetes, cancro, AVC…) para nossa maior infelicidade? O desafio é exatamente o oposto. Se olha no espelho e não gosta do que ele lhe mostra mude (Não de espelho!)! Mude de vida! O futuro constrói-se hoje. Faça uma auto-análise e perceba o que está ao seu alcance mudar e mude! Vai ser difícil? Provavelmente sim. Mas o resultado? O resultado o espelho o dirá! Algumas dicas que pode pôr em prática e que o/a ajudará a mudar: Caminhe mais (deixe o carro longe do trabalho e vá a pé). Respire fundo várias vezes ao dia (ajuda a oxigenar o cérebro). Evite comer fora de casa (se não for possível, leve a marmita para o trabalho!); Está na moda e a probabilidade de comer melhor é maior).

Vivemos atualmente numa sociedade desorientada com o tanto que é obrigatório fazer agora, de preferência para ontem, e que leva a que foquemos as nossas energias em fazer rápido e bem, tudo o que nos vier à mão para fazer. Nesse ritmo acelerado, muitas vezes esquecemo-nos de parar e cuidar. Cuidar de nós, cuidar da nossa saúde. E esse ritmo, vira bola de neve e vamos perdendo. Perdendo saúde, vitalidade, auto-estima.

Beba água (em média por cada 30kg de peso devemos ingerir 1 litro de água…). Exponha-se ao sol (com moderação e cuidado!). Durma bem (“deitar cedo e cedo erguer…”). Tente ter horários certos de deitar e acordar e, opte por deitar cedo. Ana Duarte Enfermeira Investigadora na Universidade do Minho


NORTEMED

9

P R E V E N Ç ÃO…É A MELH OR SOLUÇÃO !     EM DESTAQUE                                     A PREVENÇÃO é possivelmente o melhor processo de reduzir ou eliminar as possibilidades de ocorrerem problemas de segurança com o trabalhador/a. A prevenção consiste na adopção de um conjunto de medidas de proteção, de forma a diminuir ou até mesmo evitar que, a segurança física do trabalhador/a possa ser colocada em risco durante a realização do seu trabalho, da sua atividade profissional. Não podemos esquecer que os acidentes de trabalho podem matar e mutilar. Segundo a Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho, menciona que os acidentes de trabalho “afetam todos os setores da economia, mas o problema é particularmente grave nas pequenas e médias empresas (PME) ”. Há algum tempo atrás, li um artigo sobre a Prevenção, no qual me despertou especial atenção, uma vez que o mesmo sugeria um conjunto de regras a ter em conta sobre o comportamento organizacional seguro. Mencionava que para tal, é necessário adoptar algumas regras, das quais: 1. Forme-se, Informe-se, Adquira competências; 2. Use os Equipamentos de Proteção Individual, sempre que seja necessário para o desenvolvimento do seu trabalho; 3. Implemente medidas corretivas, ou seja, sempre que seja informado de uma medida corretiva, implemente-a de imediato, Nunca adiar! 4. Trabalhe em equipa. Alerte os colegas sempre que perceba que existe uma situação perigosa. Discuta e decida em Equipa. 5. Pense sempre que se deve produzir em Segurança. Nunca alegar que não se trabalha em segurança, porque a produção não pode parar ou porque determinado trabalho é urgente! 6. Transmita, dê opiniões, dê ideias, dê soluções, partilhe conhecimentos. 7. Mantenha o seu local de trabalho limpo e

arrumado, pois num local limpo e arrumado, trabalha-se com mais Segurança e mais Qualidade.

Finalizando a minha opinião sobre a Prevenção, deixo uma frase que todos nós devemos refletir e tirar as nossas próprias ilações, “ a Prevenção começa em si e no seu local de trabalho – Colabore”!

PARA REFLETIR... “O que mais surpreende é o homem, pois perde a saúde para juntar dinheiro, depois perde o dinheiro para recuperar a saúde. Vive pensando ansiosamente no futuro, de tal forma que acaba por não viver nem o presente, nem o futuro. Vive como se nunca fosse morrer e morre como se nunca tivesse vivido.” - (Dalai Lama) Manuela Sá

Diretora do Dep. Adm./ Financeiro e S.Ocupacional


10

NORTEMED

Dia nacional do não fumador, 17 de novembro

fumar...em números    INFORMAÇÃO                                    Em Portugal, estima-se que o consumo de tabaco seja responsável por 1 em cada 10 mortes, verificadas na população adulta e, por cerca de 1 em cada 4 mortes, verificadas na população dos 45 aos 59 anos (OMS, 2012).

17% do total de mortes no sexo masculino; 3% do total de mortes no sexo feminino. (Direção Geral de Saúde (DGS), 2013).

Mais de 90% dos fumadores portugueses, iniciaram o consumo antes dos 25 anos. Dados recentes parecem revelar um aumento do consumo de tabaco entre os jovens escolarizados.

Fumar, é a primeira causa evitável de doença, incapacidade e morte prematura nos países desenvolvidos, contribuindo para seis das oito primeiras causas de morte a nível mundial. (Organização Mundial de Saúde (OMS), 2008).

Estima-se que, em 2004, o consumo de tabaco tenha sido responsável, na população adulta (> 30 anos), por cerca de:

Ana Duarte Enfermeira Investigadora na Universidade do Minho

- 1 em cada 10 mortes; - 1 em cada 3 mortes por doenças respiratórias; - 1 em cada 5 mortes por cancro;


NORTEMED

11

Consultor versus comercial    COMERCIAL                                    Na Nortemed, o departamento comercial é constituído por consultores, pois hoje em dia, a maioria das empresas, não passa sem serviços de consultoria especializados, que tragam um valor acrescentado às organizações. Estes, tanto podem fornecer um simples aconselhamento, como apresentar um serviço ajustado à realidade de cada

pessoas associa ao vendedor que “toca à nossa porta” ou, mais recentemente, “telefona de um call center”, para vender produtos sem oportunidade. Um comercial é bem mais do que essa imagem e, por isso vamos partilhar convosco algumas características do consultor da Nortemed: - Simpatia; - Abordagem das negociações com uma atitude calma e positiva; - Bom ouvinte / bom comunicador; - Bom leitor da linguagem corporal; - Flexível, persistente e paciente; - Paixão pela profissão; - Autoconfiança no seu trabalho; - Ética e honestidade, entre outros.

um. O que se passa atualmente, é que os comerciais para fidelizarem os clientes, têm que ter alma de consultores, mas para tal, têm que conhecer bem o mercado e, a concorrência. Pode ainda, desempenhar funções de carácter comercial junto do cliente. Como vimos, o bom consultor deve estar sempre em busca de aprimoramento e, novos conhecimentos para bem atender os clientes. Esta profissão, depende de muita dedicação e empenho. Não é fácil ser consultor, e apenas pessoas apaixonadas pela área, serão capazes de construir uma carreira de sucesso. Quando falamos em comercial, a maior parte das

Os bons consultores, são um motor imprescindível das empresas e, a sua presença dita o sucesso das mesmas. Cidália Monteiro/ Flávia Peixoto Departamento Comercial


12

NORTEMED

     

 

     

   

 

 

 

Um diretório que permite localizar o local mais próximo, onde pode fazer o teste em   www.redederastreio.pt.

   

    Ana Duarte  Enfermeira  Investigadora na Universidade do Minho 

Ana Duarte  Enfermeira  Investigadora na Universidade do Minho 


NORTEMED

13

Foram registados 113 acidentes Foram registados 80 acidentes mortais em Portugal de mortais em Portugal de 2017 Janeiro a Dezembro de Janeiro a Setembro de 2017 (fonte ACT) fonte ACT)

em memĂłria de todos os trabalhadores que morrem no exercĂ­cio do seu trabalho!


14

NORTEMED


NORTEMED

15


16

NORTEMED

Alcoolismo, efeito na sinistralidade laboral

Há bi tos s au dáve is de v ida     FALA QUEM SABE                                    

Diariamente muitos são os trabalhadores que por diversas razões (culturais, sociais, laborais, pessoais, entre outras), ingerem bebidas alcoólicas com todas as implicações deletérias que daí advêm para a sua saúde e, simultaneamente para a sua segurança ou de terceiros. Mas o que entendemos por bebidas alcoólicas? - São bebidas que contêm álcool na sua composição. O álcool das bebidas alcoólicas é o álcool ordinário da farmácia (álcool etílico ou etanol), sem qualquer valor nutritivo.

aguardente, o Whisky, brandy, tequila e outras… Em termos de graduação (exprime-se em grãos e varia de bebida para bebida), da bebida alcoólica temos a considerar os escalões abaixo: - 1 Litro de vinho de 12º tem 12%, 0,12 l ou 120 ml de álcool; - 1 Litro de cerveja a 6ºtem 6%, 0,06l ou 60 ml de álcool; - 1 Litro de aguardente de 50º tem 50%, 0,5l ou 500 ml de álcool; Atenção: Se misturar água ou gasosa na cerveja ou no vinho, não diminui a quantidade de álcool que aí se encontra, apenas dilui. Pode beber-se a mesma quantidade de álcool ingerindo bebidas diferentes.

O EFEITO DO ÁLCOOL NO ORGANISMO HUMANO O álcool divide-se em dois grandes grupos: Bebidas alcoólicas fermentadas São obtidas a partir da fermentação de açúcares (a frutose e a glicose) por ação de microrganismos chamados leveduras. Estas bebidas podem obter-se a partir de frutos, cereais, grãos, tubérculos e catos.

Quando se consome uma bebida alcoólica, o álcool que a mesma contém demora pouco tempo a chegar ao sangue: 15 a 30 minutos fora da refeição; 30 a 60 minutos se ingerido durante a refeição.

Bebidas alcoólicas destiladas

Através da boca e do esófago, o álcool chega ao estômago e ao intestino, onde é absorvido pelo sangue.

São obtidas através da destilação das bebidas fermentadas, dando origem a bebidas com maior percentagem de álcool, como por exemplo:

O sangue transporta-o a todos os órgãos irrigados do corpo humano, nomeadamente o fígado, os pulmões, o cérebro, o coração, … É no fígado que se processa a degradação lenta do álcool.


NORTEMED ALCOOLÉMIA

Agressividade;

A taxa de alcoolémia é a quantidade de álcool existente no sangue de um individuo em determinado momento, expressa em gramas de álcool por litro de sangue.

Ansiedade;

Assim, quando se fala de uma alcoolémia de 0,5 g/l é o mesmo que dizer que existem 0,5 g de álcool por litro de sangue.

Descoordenação motora;

Esta taxa é facilmente atingida após a ingestão de 3 copos de vinho ou ½ de cerveja e depende de vários fatores:

Discurso lento e arrastado;

17

Aceleração dos batimentos cardíacos;

Náuseas;

Tipo de bebida (fermentada, destilada, gaseificada ou não); Quantidade de bebida ingerida; Momento da absorção – em jejum- às refeições – fora das refeições; Ritmo de ingestão; Peso da pessoa;

Vómitos;

Sexo;

Confusão;

Estado de fadiga e de saúde. A presença de álcool no sangue é a indicação de que o etanol se espalhou em todo o corpo, e particularmente nos órgãos mais irrigados, como o fígado e o coração, o cérebro e os músculos. A alcoolémia aumenta à medida que o etanol é absorvido pelo organismo e diminui de acordo com a degradação do álcool pelo fígado.

I N TO X I C A Ç Ã O EMBRIAGUEZ

AGUDA

PELO

ÁLCOOL/

A embriaguez ocorre quando se ingere grande quantidade de bebidas alcoólicas num curto espaço de tempo. Os efeitos do álcool dependem da sua concentração no sangue. Possíveis efeitos da embriaguez: Excitação;

Sono profundo; Coma e eventualmente morte. A NÍVEL DA CONDUÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS PERIGOSOS No entanto, devido à perda de sentido crítico, é frequente pessoas com excesso de álcool ou embriagadas não se inibirem de o fazer colocando em risco a sua vida e a dos outros. Daí a necessidade de a SEGURANÇA e SAÚDE no TRABALHO, ter uma particular atenção aos estádios de alcoolismo dos trabalhadores, (realizando testes depois de aprovados pelas comissões de trabalhadores e, validados pela Comissão Nacional de Proteção de Dados), no sentido de criar FILTROS laborais, de forma a evitar que determinado trabalhador esteja a laborar com máquinas e/ou equipamentos perigosos, pondo em RISCO a SEGURANÇA de TODOS.


18

NORTEMED

Por exemplo, a nível da condução (o Código da Estrada proíbe que qualquer individuo conduza com uma taxa de alcoolémia igual ou superior a 0,5 g/l, sendo particularmente incisivo nos condutores profissionais com limite de 0,2 g/l). O risco de acidente começa a alimentar com a ingestão do primeiro copo. De referir que a capacidade de conduzir já fica reduzida com uma taxa de 0,3 g/l, manifestando-se várias alterações como: Desinibição; Redução do campo visual e da audição; Dificuldade na perceção das cores; Dificuldade na perceção das distâncias e das velocidades; Aumento do tempo de reação; Dificuldade de coordenação motora. Com efeito, regista-se já a partir desta taxa, um aumento de números de acidentes em relação a quem conduz com uma taxa ZERO de álcool. As bebidas alcoólicas, mesmo se tomadas ocasionalmente e em pequena quantidade, ao tornar as reações mais lentas e os gestos

O consumo inoportuno e excessivo de bebidas alcoólicas é conhecido como responsável por cerca de ¼ dos acidentes de trabalho. O consumo de álcool, mesmo em quantidades reduzidas, provoca alterações que fazem aumentar o risco de acidente. O trabalhador que consome álcool durante o período de trabalho está a prejudicar a empresa e os colegas e, tratando-se de um condutor, pode colocar em perigo a sua vida e a dos outros! Mas, os efeitos do consumo de álcool podem provocar outras dificuldades no local de trabalho. As alterações psicológicas, como a irritabilidade e a agressividade, perturbam a relação do trabalhador com os colegas, chefias e clientes, dando muitas vezes origem a conflitos, reclamações e, procedimentos disciplinares. Está, também, demonstrado que as pessoas com problemas de álcool, têm mais perturbações de saúde e com maior gravidade. O absentismo é também superior nestes trabalhadores, diminuindo o seu rendimento e sobrecarregando as empresas e os colegas. Além do absentismo por doença, as pessoas com consumo excessivo de álcool atrasam-se mais, interrompem com mais frequência o serviço e, estão menos disponíveis para trabalhar, em especial depois das refeições, diminuindo a produtividade. As doenças relacionadas com o consumo de álcool podem ser muito incapacitantes, obrigando a baixas frequentes e, podendo mesmo levar a situações de incapacidade total ou parcial para o trabalho.

imprecisos, são responsáveis por elevado número de acidentes de viação.

Não se esqueça:

O ÁLCOOL E O TRABALHO

As bebidas menos graduadas em copos maiores…

Deve consumir-se moderadamente, e evitar beber durante o tempo de trabalho.

A água é que mata a sede e não o álcool.

As bebidas mais graduadas são servidas em copos mais pequenos.

*A.Costa Tavares

Técnico Superior de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Docente, formador e consultor em matéria de SST Quadro superior da Câmara Municipal de Cascais


NORTEMED

19

    CONTATOS ÚTEIS                                    


20

NORTEMED

Dificuldades de memória persistentes e frequentes

D o e nça de a lz he i m er    ENFERMAGEM                                    A Doença de Alzheimer é progressiva e degenerativa e, atualmente, irreversível. É a forma mais comum de Demência, que provoca alterações no comportamento, na personalidade e na capacidade funcional da pessoa, dificultando a realização das suas atividades de vida diária. Quando a pessoa perde uma capacidade, raramente consegue voltar a recuperá-la ou reaprendê-la. O nome desta doença deve-se a Alois Alzheimer, médico alemão que em 1907, descreveu pela primeira vez a doença. A Doença de Alzheimer, é uma doença neurodegenerativa, que se caracteriza pela morte neuronal em determinadas partes do cérebro. Quais são os sintomas? Os sintomas iniciais da Doença de Alzheimer podem ser muito subtis. Contudo, surgem com frequência: Dificuldades de memória persistentes e frequentes, especialmente de acontecimentos recentes; Apresentar um discurso vago durante as conversações; Perder entusiasmo na realização de atividades, anteriormente apreciadas; Demorar mais tempo na realização de atividades de rotina; Esquecer-se de pessoas ou lugares conhecidos; Incapacidade para compreender questões e instruções;


Deterioração de competências sociais; Imprevisibilidade emocional. Estes sintomas variam a um ritmo diferente, podendo piorar em períodos de stress, fadiga e problemas de saúde. No entanto, o certo é que vai existir uma deterioração ao longo do tempo, à medida que as células cerebrais vão morrendo e a comunicação entre estas fica alterada.

para excluir a existência de outras doenças, que têm sintomas similares, tais como, N Ocarências R T E M nutricionais E D 21 e depressão. Após a eliminação de outras causas, o diagnóstico clínico da Doença de Alzheimer pode ser realizado com uma precisão de 80% a 90%. É importante ter um diagnóstico preciso o mais cedo possível.

Qual a causa da Doença de Alzheimer?

Existe algum tratamento disponível?

Para além das pessoas que desenvolvem a Doença de Alzheimer Familiar, não se conhece o motivo pelo qual uma pessoa desenvolve a doença e outra não. Qualquer pessoa pode desenvolver a Doença de Alzheimer. No entanto, é mais comum acontecer após os 65 anos.

A progressão da doença varia de pessoa para pessoa, mas a doença acaba por levar a uma situação de dependência completa e, finalmente, à morte.

Como é que a Doença de Alzheimer é diagnosticada? Atualmente não existe qualquer teste específico para identificar a Doença de Alzheimer. O diagnóstico é realizado após uma observação clínica cuidadosa,

Não existe cura para a Doença de Alzheimer. No entanto, existem algumas medicações que parecem permitir alguma estabilização do funcionamento cognitivo nas pessoas com Doença de Alzheimer, nas fases ligeira e moderada.

Contacte a Linha de Apoio Informar + da Alzheimer Portugal, através do número I 213 610 465. Dias úteis | das 9h30 às 13h e das 14h00 às 17h. Linha telefónica I funciona todos os dias úteis, das 9h30 às 13h e das 14h00 às 17h. http://alzheimerportugal.org/pt

junto

Joana Pereira Enfermeira Formadora na área da Saúde Ocupacional

s faz emos a dif erenç a!

SABIA QUE... Os exames ocasionais são obrigatórios, no caso de regresso ao trabalho, depois de uma ausência superior a 30 dias, por motivo de doença ou acidente? Nestes casos o colaborador terá de ser obrigatoriamente reavaliado pelo médico de Medicina no Trabalho a fim de ser emitida nova Ficha de Aptidão Médica testando a aptidão física e psíquica do mesmo..


22

NORTEMED

Serviços (oferta da primeira mensalidade!) : Contabilidade (financeira e analítica) Consultoria (fiscalidade, contabilidade e informática de gestão) Formação (fiscalidade, contabilidade, gestão e informática de gestão) Quem Somos? A Conta Com Forma nasceu de um projeto que reúne um serviço de contabilidade de excelência (de mais de duas décadas de experiência) com o serviço de formação experiente de colaboradores, já do tempo da tão afamada Academia Bracarense. A conjugar com estas duas valências, servimo-nos duma vasta experiência em informática de gestão para prestarmos melhor os nossos serviços. Privilegiamos a prestação dos serviços no espaço do próprio cliente, pois achamos importante a proximidade com ele e também por acharmos importante reduzir a perda de tempo precioso com as suas deslocações. Fazemos uso das novas tecnologias, no máximo que nos é possível, quer na comunicação, recolha, arquivo e informação. Pretendemos assim, dar uma reposta rápida, profissional e eficaz às necessidades dos nossos clientes, damos prioridade à sua satisfação e comprometemo-nos em dar Informação atualizada de forma direta, pelas newsletters, pelo site e pelas redes sociais. Filipe Pires

PUBLICIDADE


NORTEMED

23

o q u e d eve s abe r

L e gione ll a    ENFERMAGEM                                    Em 1976, durante uma convenção da American Legion, num hotel em Filadélfia, a infeção por uma bactéria provocou 34 mortes e pneumonias graves em 221 participantes. Assim, esta bactéria foi denominada Legionella pneumophila e a doença ficou conhecida por “Doença dos Legionários”. A bactéria Legionella é um microrganismo presente no meio aquático e, de acordo com a Direção-Geral da Saúde (DGS), pode existir em reservatórios naturais, rios e lagos e, também, em reservatórios artificiais como sistemas de água doméstica (quente e fria), humidificadores, torres de arrefecimento de sistemas de condicionamento de ar, jacuzzis, piscinas, instalações termais, águas sujas paradas e fontes decorativas (repuxos, por exemplo) - locais onde se produzam aerossóis com facilidade. O contágio por Legionella ocorre, quando  existem factores que suportam o crescimento bacteriano e favorecem a multiplicação rápida da bactéria Legionella, tais como a temperatura (entre 20 e 45°C) e a presença de depósitos (ferrugem, lodo, matéria orgânica). A Legionella pode causar doença quando uma pessoa inala ou aspira gotículas de água suspensas no ar que contenham Legionella em quantidade suficiente e com características de virulência (existem várias espécies de Legionella). É de salientar que a infeção por Legionella não é transmitida de pessoa para pessoa, nem através da ingestão de água contaminada.  Qualquer pessoa pode ser infetada por Legionella, mas existem fatores que aumentam o risco:

O período de incubação (tempo que decorre entre o momento em que uma pessoa é infectada e o aparecimento dos primeiros sintomas) varia entre 2 a 10 dias e, a nível geral, decorridos cerca de 5 a 6 dias depois de se terem inalado as bactérias presentes nas gotículas de água podem surgir os primeiros sintomas como: tosse, calafrios, dificuldades respiratórias, dores musculares, febre alta, diarreia e vómitos. A pneumonia surge normalmente de forma aguda, podendo conduzir a insuficiência pulmonar e morte.  O tratamento de Legionella pneumophila consiste na administração de antibióticos e, em casos mais graves, torna-se necessário que o doente seja internado. O diagnóstico precoce e, a deteção e descontaminação da fonte de infeção na origem dos casos de infeção por Legionella, são medidas necessárias para controlar e prevenir a doença. Em termos de medidas preventivas, a DGS dá as seguintes recomendações em caso de surto: Devem ser evitados os duches, jacuzzis e hidromassagens, enquanto a fonte do problema não for identificada; As cabeças dos chuveiros devem ser desinfetadas por imersão em solução com lixívia, durante cerca de 30 minutos, uma vez por semana, como medida de precaução; Nos termoacumuladores, a água deve estar regulada para temperaturas acima dos 75ºC; A água da rede pública pode continuar a ser consumida. Estar informado é a melhor forma de se proteger. Se sentir algum dos sintomas referidos ou se tiver outras dúvidas, contacte a Linha Saúde 24 (808 24 24 24).

- pessoas com mais de 50 anos; - existência de doença pulmonar; - ser fumador; - ter uma doença crónica (diabetes, insuficiência renal, cancro, alcoolismo); - ter uma doença que comprometa a imunidade.

Joana Pereira Enfermeira Formadora na área da Saúde Ocupacional

PUBLICIDADE

geral@pro-c.pt

geral.cozimob@hotmail.com

administracao@jrmetais.pt

corsar@corsar.pt

geral@ec3r.pt

anaisabelfernandes11@gmail.com


24

NORTEMED

Procedimentos de Prevenção e Atuação em Caso de Sismo

QUANDO A TERRA TREME…     INFORMAÇÃO TÉCNICA                                     Os sismos são fenómenos naturais que resultam da movimentação das placas tectónicas que constituem a superfície terrestre e que se manifestam gerando vibrações (ondas sísmicas) que se propagam pelo interior da crosta terreste, podendo ter diferentes níveis de intensidade e de duração. Apesar de ser um fenómeno amplamente estudado e investigado pelos Sismólogos ao longo dos anos, ainda não é possível prever a hora e local de ocorrência dos sismos. Assim, torna-se de extrema importância a tomada de consciência deste fenómeno natural, da sua possível ocorrência a qualquer momento e, o conhecimento de alguns procedimentos que podem minimizar os efeitos e consequências dos sismos.

Identificar e conhecer os locais mais seguros no edifício; Conhecer os locais mais perigosos no edifício; Fixar estantes e móveis pesados, bem como as estruturas de armazenagem; Colocar objetos/materiais/mercadorias mais pesados, nas prateleiras mais baixas ou junto ao solo; Conhecer a localização de extintores; Ter sempre disponíveis e acessíveis os contactos de emergência: Nº nacional de Emergência (112), Bombeiros e, Autoridade Municipal de Proteção Civil.

Procedimentos de atuação ANTES de um Sismo

Procedimentos de atuação DURANTE um Sismo

Conhecer o historial sísmico da região;

Manter a CALMA!

Manutenção e conservação de edifícios e equipamentos;

1. Se estiver no interior de um edifício:

Desenvolver procedimentos de atuação e prevenção nas empresas (Planos de emergência); Conhecer os procedimentos de atuação e de prevenção previstos; Formação, informação e divulgação dos procedimentos de atuação a todos os colaboradores; Realização de Simulacros nas organizações, por forma a treinar e rotinar procedimentos e comportamentos; Manter as saídas e caminhos de evacuação permanentemente desobstruídos e praticáveis;

Não tente sair do edifício, pode ser atingido pela queda de objetos; Se estiver num andar superior de um edifício, nunca se precipite para as escadas, estas podem ficar congestionadas; Nunca utilize os elevadores; Afaste-se de superfícies vidradas, janelas e espelhos; Tenha cuidado com a queda de candeeiros, móveis ou outros objetos; Mantenha-se afastado de objetos que possam cair; Ajoelhe-se, proteja a cabeça e os olhos com as mãos; Dirija-se para um local seguro (vãos de portas


NORTEMED interiores, cantos das salas, debaixo de uma mesa ou outras superfícies resistentes, …); Aguarde até a terra parar de tremer (atenção às réplicas). Os 3 gestos BAIXAR, PROTEGER, AGUARDAR, são a melhor resposta em caso de sismo. 2. Se estiver no exterior de um edifício: Afaste-se de edifícios, muros, árvores, postes elétricos; Tenha cuidado com cabos elétricos e, com os objetos que estejam em contato com eles; Procure um local distante do edifício. Dirija-se para um local aberto. 3. Se for a conduzir: Pare o veículo, longe de muros, edifícios, encostas, postes ou cabos de alta tensão. Permaneça dentro do veículo.

25

-Se houver pequenos incêndios, extinga-os; -Utilizar o telefone apenas em caso de extrema urgência (feridos graves, incêndios ou fugas de gás); -Esteja atento às instruções das autoridades e siga as suas instruções.

Um sismo não tem hora nem local para acontecer – de dia, de noite, em casa, no local de trabalho, na rua ou numa superfície comercial. Um dia pode e vai acontecer. Por esse motivo, revela-se de grande importância conhecer o modo de atuação: antes, durante e após. A informação, a formação, a definição de planos de emergência e, evacuação e, a realização de exercícios de treino e simulação, são preponderantes para a minimização dos efeitos de um sismo. A resposta ao sismo começa no indivíduo, na sua capacidade de resposta ao risco, de conhecer os meios e, formas mais corretas de reagir e, de se organizar.

Procedimentos de atuação APÓS o sismo - Mantenha a CALMA, mas conte com a ocorrência de possíveis réplicas; - Avalie o que se passa à sua volta sem precipitações; -Se o edifício sofreu danos graves, saia imediatamente, nunca utilize os elevadores; -Se estiver preso pode comunicar com o exterior batendo com algum objeto; -Não acenda isqueiros ou fósforos, nem ligue interruptores. Pode haver fugas de gás; -Corte o gás, a água e a eletricidade; -Cuidado com vidros partidos e fios de elétricos; -Limpe rapidamente derrames de substâncias perigosas e inflamáveis; -Caso haja feridos, ajude-os se souber. Não remova feridos com fraturas, exceto se houver risco de inundação, derrocada ou incêndio. Peça ajuda;

Ana Fernandes

Técnica Superior de SST, Formadora na área de SST


26

NORTEMED

acidentes de trABALHO MORTAIS DE 2017 ( Fonte A C T)

TIPO DE ACIDENTE

MENSAL


NORTEMED DIA DA SEMANA

DISTRITO

27


Revista nortemed n5  

NORTEMED, Medicina e Segurança no Trabalho. Medidas de Autoproteção, HACCP, Formação

Revista nortemed n5  

NORTEMED, Medicina e Segurança no Trabalho. Medidas de Autoproteção, HACCP, Formação

Advertisement