Issuu on Google+

Rua Professor Assis Veloso, 647 - São Paulo, 25 de Janeiro a 22 de Fevereiro de 2014 - Ano 13 - N° 98 - Tel.: 2031-9499 Grupo Marcocelo de Jornais

Mulheres que Engrandecem

São Miguel, Região, São Paulo e o Brasil.

Parabenizam São Paulo pelos seus 460 Anos Cada vez mais ocupando espaços importantes na economia brasileira, as mulheres são hoje um grande símbolo da luta pela igualdade e liberdade. Sem perder a classe e o charme, elas estão presentes em todas as profissões.

Presidenta Dilma Rousseff

Lu Alckmin - Primeira Dama do Estado

Ana Estela Haddad - Primeira Dama do Municipio

Ministra Marta Suplicy

Governadora Roseana Sarney

Vereadora Edir Sales

Renata Abreu Presidente do PTN


O Seu Jornal Social

Página 02

EDITORIAL

Sobre Mulheres

Ser mulher é acreditar sempre. É... Seguir em frente quando todos param! Acariciar e dar colo! Dividir-se em muitas sem deixar de ser uma, a mais importante! A mulher acontece, encanta, muda, nasce, floresce, cuida, cria, sente, beija, escuta, vê, brinca, brinca e brinca com a vida... e vive! Neusa Pietro

Só Mulheres

História de São Paulo Em Homenagem ao Aniversário da Cidade

Homenagem a todas as mulheres. Em esapecial aquelas que sempre nos acompanharam.

Jornalista Leda Marcia

Profª Maria Rita

Nalva Ramalho

Jornalista Mara

Comendadeira Geny Teixeira

Profª Terezinha Teixeira

Piratininga virou São Paulo: o colégio é hoje uma metrópole Os padres jesuítas José de Anchieta e Manoel da Nóbrega subiram a Serra do Mar, nos idos de 1553, a fim de buscar um local seguro para se instalar e catequizar os índios. Ao atingir o planalto de Piratininga, encontraram o ponto ideal. Tinha “ares frios e temperados como os de Espanha” e “uma terra mui sadia, fresca e de boas águas”. Os religiosos construíram um colégio numa pequena colina, próxima aos rios Tamanduateí e Anhangabaú, onde celebraram uma missa. Era o dia 25 de janeiro de 1554, data que marca o aniversário de São Paulo. Quase cinco séculos depois, o povoado de Piratininga se transformou numa cidade de 11 milhões de habitantes. Daqueles tempos, restam apenas as fundações da construção feita pelos pa-

Profª Andreia Rosa

Profª Emilia Marinho

Lucia Matos

Reitora Sueli Marquesi

Profª Rosana

Marlene Borges

Jornalista Rosi

Jornalista Talma

Jornalista Débora

dres e índios no Pateo do Collegio. Piratininga demorou 157 anos para se tornar uma cidade chamada São Paulo, decisão ratificada pelo rei de Portugal. Nessa época, São Paulo ainda era o ponto de partida das bandeiras, expedições que cortavam o interior do Brasil. Tinham como objetivos a busca de minerais preciosos e o aprisionamento de índios para trabalhar como escravos nas minas e lavouras. Em 1815, a cidade se transformou em capital da Província de São Paulo. Mas somente doze anos depois ganharia sua primeira faculdade, de Direito, no Largo São Francisco. A partir de então, São Paulo se tornou um núcleo intelectual e político do país. Mas apenas se tornaria um importante centro econômico com a expansão da cafeicultura no final do século XIX. Imigrantes chegaram dos quatro cantos

do mundo para trabalhar nas lavouras e, mais tarde, no crescente parque industrial da cidade. Mais da metade dos habitantes da cidade, em meados da década de 1890, era formada por imigrantes. No início dos anos 1930, a elite do Estado de São Paulo entrou em choque com o governo federal. O resultado foi a Revolução Constitucionalista de 1932, que estourou no dia 9 de julho (hoje feriado estadual). Os combates duraram três semanas e São Paulo saiu derrotado. O Estado ficou isolado no cenário político, mas não evitou o florescimento de instituições educacionais. Em 1935 foi criada a Universidade de São Paulo, que mais tarde receberia professores como o antropólogo francês LéviStrauss. Na década de 1940, São Paulo também ganhou importantes intervenções urbanísticas, principalmente

no setor viário. A indústria se tornou o principal motor econômico da cidade. A necessidade de mais mão-de-obra nessas duas frentes trouxe brasileiros de vários Estados, principalmente do nordeste do país. Na década de 1970, o setor de serviços ganhou maior destaque na economia paulistana. As indústrias migraram para municípios da Grande São Paulo, como o chamado ABCD (Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e Diadema). Hoje, a capital paulista é o centro financeiro da América Latina e por isso ainda recebe de braços abertos brasileiros e estrangeiros que trabalham e vivem na cidade de São Paulo, em um ambiente de tolerância e respeito à diversidade de credos, etnias, orientações sexuais e tribos.


Só Mulheres

O Seu Jornal Social

Página 03

Cristina Abreu

Momentos Terá Programa de Inesqueciveis Variedades na TV

Allana Beatriz

Comemorou-se no dia 12 de janeiro o aniversário de 4 anos da pequena graciosa Allana Beatriz Ramalho Figueiredo, para alegria de seus pais, avós, familiares e amigos.

A apresentadora Cristina Abreu, uma das criadoras do CTN (Centro de Tradições Nordestinas), terá um programa de televisão matinal a partir do início de janeiro de 2014. O programa já tem o nome definido como “Nordeste Atual” e o formato está sendo elaborado por uma equipe de excelentes profissionais, entre eles o diretor Adilson Marques e equipe da Collor Barras Produtora. Um programa piloto já foi gravado e contou com a presença do cantor Frank Aguiar, dos embaladores Caju e Castanha e da dupla sertaneja Rico e Ruan. A linha artística do programa será a valorização da cultura nordestina, com música, informação, entrevistas, curiosidades, culinária e artesanato típicos. Haverá também transmissões de shows diretamente do CTN. Segundo adiantou Cristina Abreu, o programa terá “a identidade da cultura nordestina”. Outros detalhes e componentes da equipe, assim como o canal onde será exibido, estão sendo mantidos em segredo, para que o lançamento seja uma grande surpresa. __________________ Moacyr Custódio

Compre seus óculos agora também pela internete.

www.reiban.com.br

Emocione alguém ou a você mesmo com uma reportagem em nosso Jornal, eternizando um momento importante em sua vida.

E-mail: jornal.mulher@yahoo.com.br Fones: 2031-9499/98196-1483 (TIM)


Página 04

O Seu Jornal Social

Só Mulheres

Roberta Miranda Por ela mesma

CANÇÃO SERTANEJA. Em seu novo Roberta Miranda, canta com o coração, mantendo a emoção à flor da pele, ao demonstrar maturidade de grande intérprete. Show no Anhembi dirigido por Ronaldo Bôscoli. O TEMPO DA COLHEITA

Sou de João Pessoa, na Paraíba, meus pais tinham três filhos homens e queriam uma menina. Depois de 17 anos eu nasci, Maria Miranda. Quando completei oito anos, a família veio tentar a sorte em São Paulo. Meus irmãos se tornaram professores. Eu, concluído o curso colegial, pegava o violão e matava as aulas do cursinho. Queria ser cantora. Apanhei. Fui quase interna, pois eles sonhavam que a única filha fosse professora. Naquele tempo, violão, música e vida noturna não eram o ideal de uma família como a nossa, que migrou para a cidade mais rica do país. Acontece que eu tinha um sonho e uma determinação. Eu queria ser artista, compositora, cantora. Para isso, trabalhei arduamente por quatorze anos em bares e casas noturnas e me tornei Roberta Miranda. Em São Miguel Paulista, para onde viemos, descobri que Hermeto Paschoal morava na mesma rua. Fugia para a casa dele e ficava quietinha vendo ele trabalhar. Mamãe ia me buscar, pedia desculpas por eu estar incomodando, mas ele me salvava sempre, dizendo que não atrapalhava em nada. Eu respirava fundo e seguia atrás do meu sonho. Aos 16 anos, comecei a cantar em bares e acabei sendo contratada para abrir os shows do Beco e do Jogral, em São Paulo, na época o reduto da Bossa Nova. Abri show para Fafá de Belém, Rosemary e quem mais estivesse sendo dirigido por Abelardo Figueiredo ou Augusto César Vanucci. Eu queria cantar, cantar e compor loucamente e, se possível, ser ouvida e entendida. Naturalmente, apareceu um empresário de conversa bonita, dizendo gostar das minhas composições e pensando torná-las conhecidas. Fiquei em êxtase, mas quando soube que o meu nome não seria citado mas que ganharia um bom dinheiro, objeto de extrema necessidade, o meu sonho falou mais alto: não e não. Quero o meu nome aparecendo. Continuei na minha vida de crooner, até que me aconselharam a ter cuidado com a noite, porque termina por criar alguns vícios perigosos para o canto. Parei por três anos. Enquanto isso trabalhava como maquiadora, assistente de estúdio, qualquer coisa que me permitisse comer e compor. Fiz 400 composições e bicos que me aproximavam dos artistas, das gravadoras, para oferecer as minhas músicas. Até que um dia mostrei “Majestade, o Sabiá”, numa gravadora. Eles gostaram muito e resolveram gravar. Foi um super sucesso e Jair Rodrigues vendeu quase um milhão de discos. Ainda não havia chegado a vez da cantora Roberta Miranda, mas a compositora fora reconhecida. Era um começo, pensei. Finalmente, gravei o meu primeiro disco. Eu tinha tanta sede, tanta vontade de vencer que perguntei ao meu maestro, Nelson Oscar, quantos discos teria que vender para que a gravadora me desse a oportunidade de gravar o segundo disco. Ele falou: “Roberta, para você pagar todo os custos terá que vender 5.000 cópias”. Eu pensei: “Vendo de porta em porta, vendo para minha família, vendo para os meus amigos”, cheia de empolgação. De repente, lancei o disco que tem a música “São tantas coisas”, como carro chefe. Viajei durante oito meses, por todo o Brasil divulgando o trabalho e um dia cheguei à fábrica da gravadora Continental e vi um caminhão carregado de discos. Eu, na maior simplicidade, cheia de curiosidade, comentei com o carregador: “Nossa, quantos discos!...Quantos têm aí? E ele respondeu que eram 100.000 cópias. “Quem é o artista?”, Perguntei. “É tudo seu, Roberta Miranda”...Fiquei parada, levitando, sentindo o chão fugir. Depois de tanto me degladiar com o machismo, o venci às custas do meu talento e do desafio de dizer uma frase de extrema simplicidade e de grandes implicações. Não é fácil dizer EU QUERO. A mulher nasceu com todos os requisitos para ser vencedora. Só precisa tomar conhecimento do valor que representa a coragem de querer.

LOGO NO COMEÇO Durante os 14 anos em que trabalhou como crooner nas casas noturnas de São Paulo, Roberta Miranda esperava a oportunidade de gravar. E foi conduzida por este sonho que ela impulsionou a sua carreira. Em sua história de vida nunca faltaram lutas e desafios, situações que ela soube administrar e transformá-las em conquistas marcantes. Roberta Miranda, portanto, deve ser considerada uma vencedora, a partir de seu estilo inconfundível e da busca incessante da qualidade em tudo o que faz. Seu público compreende este processo e é exatamente para os seus milhões de admiradores que a cantora e compositora continua a se mostrar inteira, procurando sempre se superar. Hoje, Roberta Miranda alcançou a marca de 17 milhões de discos vendidos. OS PRIMEIROS SUCESSOS

“No camarim e em casa, ela compunha muito. Um dia uma estrela faltou, foi chamada às pressas, sabia o roteiro de cor e abafou num solo com Pedrinho Mattar. Tomou coragem e escreveu às gravadoras RCA e CBS, oferecendo-se como intérprete. A resposta da indústria do disco: já tem muita mulher cantando, passar bem, obrigado. Subiu as paredes. Foi trabalhar como assistente de estúdio. Levava mel, rapadura e paçoca para as duplas sertanejas, fazia a maquiagem dos artistas para as capas de discos.” Carlos Arruda - O Estado de São Paulo (28/11/87).” 86 - Lança-se como cantora. Sai o primeiro disco intitulado Roberta Miranda. Em pouquíssimo tempo, as canções Meu Dengo, Chuva de Amor e São tantas coisas se tornam enorme sucesso. Resultado: mais de 800 mil cópias vendidas. Discos de Ouro e de Platina. 87 - O segundo Roberta Miranda e o estouro de Vá com Deus, Esperança e Rei dos Reis resulta em quase um milhão de cópias vendidas. Roberta Miranda, carismática, conquista definitivamente o público, além de se tornar uma das compositoras mais requisitadas do Brasil. 88 - Shows em São Paulo, capital e interior, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Paraná, Rondônia, Rio Grande do Sul e Pará. Foram 150 apresentações. 89 - A popularidade lhe rende o título de RAINHA DA

90 - O quarto disco da carreira, com destaque para as canções Marcas e Tudo em Você me Atrai. A música sertaneja já é considerada um fenômeno nacional. É o ano em que ela vai para Angola e cria o maior transtorno: as mulheres declaram greve de sexo aos seus parceiros, caso eles não comparecessem com os ingressos para o show de Roberta Miranda. 91 - Dirigida por Walter Lacet, estréia no Rio de Janeiro, no Canecão. 92 - Um novo sucesso: SOL DA MINHA VIDA, primeiro disco que não leva o nome da cantora. No repertório, oito músicas de sua autoria, incluindo uma homenagem à terra natal (Tambaú), um bolero (Lição de vida) e uma regravação (Desespero de uma Noite). Já são seis anos de estrada e mais de cinco milhões de discos vendidos, representando 15 Discos de Platina. 93 - Roberta Miranda chega ao sexto lançamento em sua carreira e conquista o coração dos portugueses, batendo a marca de mais de um milhão de cópias vendidas naquele país. O sucesso lhe rendeu um Disco de Platina duplo, sendo que naquela época Roberta ainda não havia se apresentado por lá. No Rio de Janeiro e São Paulo, show dirigido por Eduardo Dusek. 94 - Sucesso absoluto com mais um disco e a canção Vem pra Mim. Um ano difícil para Roberta. 95 - Chega às lojas o oitavo trabalho. A canção Mistério é um hit nas rádios. 96 - Novo disco, onde se encontra o forró tradicional e a primeira gravação que Roberta faz de uma música de Roberto Carlos, Eu te Amo, te Amo, te Amo. Sucesso com Um minuto a Mais, balada romântica que conta a história de um amor relâmpago que entra na trilha sonora da novela “O Amor Está no Ar”. No Rio de Janeiro, ela estréia um show dirigido por Waly Salomão. Shows em Portugal e nos Estados Unidos. 97 - Lançamento de VIDA, décimo disco da carreira e primeiro pela PolyGram, além da sonhada gravação de Majestade, o Sabiá, música que a tornou conhecida no meio artístico, vendendo acima de 800.000 cópias na voz de Jair Rodrigues. O Disco de Ouro veio em tempo recorde: 140 mil cópias vendidas em dez dias. Roberta Miranda ocupa o posto de uma das cantoras mais bem-sucedidas do Brasil, com vendas sempre superiores a 400.000 cópias. 98 - Uma trilha de amor que seguindo a tradição, inclui um forró, músicas suas, versões, um fado e um bolero. 1998 foi o ano de PAIXÃO, e do lançamento do site da cantora. 99 - Um ano muito especial na vida de Roberta, que realizou um antigo projeto de

cantar com o rei Reginaldo Rossi e fez um disco - Caminhos - bem mais autoral do que os dois últimos. Retorna à Angola, para inicialmente para quatro apresentações, que se transformaram em seis shows em apenas uma semana, em Luanda. Ela está de bem com a vida, muito bem e com novas esperanças. 2000 - Renovou o contrato com a Gravadora Universal e lançou o disco A Majestade, O Sabiá. O primeiro ao vivo, uma releitura de seus grandes sucessos e algumas boas novidades. Uma delas a música Um Dia De Domingo, de Sullivan e Massadas, um clássico da melhor música romântica, que voltou a frequentar as paradas de sucessos. 2001 - O CD Histórias de Amor foi distribuído para as lojas em março. Roberta sorrindo na capa reforça o clima alegre das faixas, que vão do forró ao bolero mambo, sempre falando de amores, sedução, coisas da vida... Faz Amor Comigo, de Michael Sullivan e Carlos Colla, chega às rádios para confirmar o sucesso deste novo trabalho. Em novembro deste ano lança o CD Tudo isto é Fado, com clássicos como Ai, Mouraria, Nem às paredes confesso e Só nós dois. Um presente de final de ano para os fãs daqui e do velho continente, e uma homenagem de Roberta a rainha do fado, Amália Rodrigues. 2002 - Pele de Amor é lançado no finalzinho de Agosto. O disco é o décimo sexto registro de seu trabalho de compositora e intérprete, que comprova, mais uma vez, a experiência e a sabedoria, adquiridas ao longo dos dezesseis anos de sua carreira, incomparavelmente bem-sucedida. Ao mesmo tempo, ao viajar por cada uma de suas 13 faixas, Pele de Amor ainda mostra um pouco da sempre-menina Roberta, aquela que na adolescência, seguiu corajosa e determinada seu sonho de ser artista. 2004 - É o ano de Alma Sertaneja. O esperado 17º disco da cantora é lançado em abril pelo selo da Maynard Music, gravadora criada por Marcos Maynard. O disco mescla a pureza da música da raiz sertaneja com o romantismo exacerbado em um total de 14 canções. Ainda antes do lançamento do disco, as rádios do país já executavam a balada Dois Em Um (Roberta Miranda), primeira faixa de trabalho, que fala do amor pleno, da entrega total. 2008 - SENHORA RAIZ OU DE COMO SE FAZ UMA DECLARAÇÃO DE AMOR (Texto de autoria de Bibi Ferreira) Senhora Raiz vem confirmar o que todos nós sabemos: Roberta Miranda é dona de uma voz excepcionalmente bonita que, aliada a sua qualidade vocal, faz dela essa potência popular. Com mais de 20 anos de carreira, 20 discos gravados e mais de 16 milhões de discos vendidos é, sem dúvida nenhuma, a maior cantora de seu gênero na música brasileira. A explicação para o sucesso de Roberta? Elementar meu caro Watson, seu talento. Talento que ela utiliza a seu favor na hora da pesquisa do repertó-

rio, verdadeira garimpeira de tesouros, capaz de transitar entre uma guarânia, Meu Primeiro Amor (José Fortuna, H. Gimenez e Pinheiro Jr.), Tristeza do Jeca (Angelino de Oliveira) imenso sucesso popular do filme homônimo com Mazzaropi no papel título – os mais jovens podem até desconhecer o filme mas graças a regravações como essa jamais esquecerão a música – e Guacira, parceria do maestro e grande erudito, Hekel Tavares com Joracy Camargo. Roberta não faz por menos e convida ninguém menos que Maria Bethânia para cantar com ela. Para os que vão reclamar da ausência de músicas da própria Roberta, que além de cantar e encantar, ainda compõe, um momento supremo de delicadeza com A Majestade, o Sabiá, com certeza seu maior sucesso autoral no gênero e que não poderia ficar de fora. Mas as preocupações e o cuidado de Roberta, ultrapassam o conteúdo, ela quer cuidar também da forma, e embala para presente essas obras servindo-se de uma orquestra de músicos eruditos, que ela alia aos músicos sertanejos. Sutileza e elegância garantidas. Artista que sou, impossível não me identificar com os versos de Viajante Solitário (Edinho da Matta/Cezar Meridional): “ Minha vida é viajar, sou o amor que alguém espera / Sou o portador da alegria... (...) / Sou o artista da estrada/ (...) passo e deixo uma saudade....sempre chora um coração...” Afinal, foi numa dessas inúmeras viagens que marcam a vida dos artistas que nossos caminhos se cruzaram....estávamos num aeroporto, indo não sei pra onde ou chegando de onde também não sei, quando Roberta se aproximou e me perguntou se poderia dirigila no show de lançamento do seu disco Pele de Amor. Convite inesperado, mas prontamente aceito. Como foi esse para escrever esse release. Ouvindo SENHORA RAIZ “meus pensamentos tomam forma e eu viajo” pensando nos muitos corações que hão de se emocionar com essa viagem, então não mais solitária, de Roberta Miranda ao mundo da legítima música sertaneja de raiz. Aquela que é tocada nas rodas de viola, por boiadeiros, caminhoneiros e lavradores. Mais do que uma declaração de amor que marca uma volta às suas origens de grande parte do povo desse nosso Brasil, aquele que normalmente deixamos à margem, e do qual Roberta Miranda é verdadeira representante, diria mesmo, portavoz....E que voz!


Só mulheres 98