Page 1

São Remo

www.eca.usp.br/njsaoremo

Novembro de 2012 ANO XIX nº 7

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Notícias do Jardim

ÇÃO EDA AR SD GEN IMA

Realidade Invadida Moradores se revoltam com ação da PM. Assembleia na comunidade acontece dia 11/11 às 10 horas pág. 6

São Reminho

Esportes

São Remano

pág. 8

DANIEL MORBI

DIVULGAÇÃO

Gaby Amarantos fala para a comunidade

Polêmicas marcam quarta rodada da Copa São Remo pág. 12


2

Notícias do Jardim São Remo Novembro de 2012

debate

LENICE MARCELINO, MORADORA DA SÃO REMO

Ensino superior a todos

OPINIÃO

“É muito importante uma lei como essa entrar em vigor”

Entre direitos e deveres

Projeto de lei aprovado pelo Senado é discutido na SR

Em meio a debates e programas de inclusão, as periferias brasileiras ainda sofrem com as desigualdades e a falta de auxílio dos governantes e da sociedade. Enquanto a discussão sobre as cotas nos vestibulares segue viva, muitos jovens carentes não conseguem sequer frequentar regurlarmente a escola de educação primária. É verdade que projetos como os de inclusão universitária têm ajudado no acesso dos mais pobres aos direitos básicos de todo cidadão. Porém essas ações ainda são muito pequenas diante das discriminações e dificuldades sofridas por quem mora nas áreas mais carentes das cidades. O Jardim São Remo não fica de fora dessa regra e os recentes episódios que ocorreram na comunidade comprovam essa situação. Durante as ações da Polícia Militar, parte dos moradores, por causa da insegurança, não levaram seus filhos à escola. Com isso, toda a rotina de estudos das crianças foi modificada e os pais que trabalham também foram prejudicados. Ora, se buscamos uma sociedade mais justa, devemos questionar o motivo da PM não ter ajudado no acesso seguro dos jovens da São Remo às aulas naquele dia. Se nem a ida para as escolas de base é garantida a toda população, então não podemos discutir ideias como as cotas nas universidades. Mais uma vez, os mais pobres sofreram com o preconceito e tiveram que abrir mão dos seus direitos em favor dos deveres da sociedade.

São Remo

RICARDO KURAOKA

Fernando Pivetti

Ariane Alves Susana Berbert Ingressar em uma grande universidade, principalmente em uma pública, é uma tarefa difícil. O vestibular, da forma como é realizado hoje, divide opiniões. Enquanto algumas pessoas acham que ele não avalia os conhecimentos de forma eficaz, outras acreditam que essa é a melhor forma de selecionar os melhores estudantes dentre todos os que desejam estar na faculdade. O que pouca gente consegue negar é o caráter desigual do vestibular. Quem conquista a tão sonhada vaga na universidade é, na maioria das vezes, o estudante que veio de uma boa – e cara – escola particular ou aquele que pode pagar um bom cursinho. Assim, a entrada no ensino superior torna-se um obstáculo complicado para os estudantes com dificuldades financeiras.

Desigualdade diminuída O Senado aprovou recentemente um projeto de lei que reserva 50% das vagas em universidades e escolas técnicas federais a quem cursou todo o ensino médio em escola pública. Assim, esses estudantes não teriam mais que competir com os que puderam estar em uma escola particular. “É muito importante uma lei como essa entrar em vigor, pois agora os estudantes terão oportunidades. Eu não estudo porque não tenho condições. Quem sabe agora eu não consigo?”, declarou Lenice Marcelino, moradora da São Remo. O projeto também faz com que 25% das vagas para quem vem de escola pública sejam reservadas a negros, pardos e índios. Isso é necessário porque há muito mais estudantes brancos no ensino superior. “O projeto foi bem elaborado e sua aprovação é importante para diminuir a desigualdade no país”, disse a são remana Josefa da Silva. A lei concede oportunidades aos estudantes que não tiveram acesso à educação de qualidade, reduzindo a desproporção histórica entre ricos e pobres nas universidades. A aprovação demonstra, também, uma tentativa de compensar os cidadãos que foram afetados pela segregação racial. As cotas são vistas como incentivo aos jovens: “O projeto é muito bom e dá força de vontade aos estudantes. Se fosse na minha época, eu, com certeza, teria me animado para estudar. É uma pena já ser tarde.”, comentou Maria do Carmo. Raquel Francisca, outra moradora da São Remo, também apresentou satisfação ao saber da lei e afirmou estar contente por ver a população mais humilde ser favorecida: “É bom ver a aprovação de algo em favor dos mais pobres.”

Notícias do Jardim

www.eca.usp.br/njsaoremo

Publicação do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Reitor: João Grandino Rodas. Diretor: Mauro Wilton de Sousa. Chefe de departamento: José Coelho Sobrinho. Professores responsáveis: Dennis de Oliveira e Luciano Guimarães. Edição, planejamento e diagramação: alunos do primeiro ano de jornalismo. Secretário de Redação: Fernando Gabriel Pivetti. Secretário Adjunto: Patrícia Batista Figueiredo. Secretários Gráficos: Luiza Maranhão, Ricardo Kuraoka. Editora de Imagens: Gabriela Malta Felix. Editores: Bárbara D’Osualdo, Daniel Morbi, Gabriela Domingues Fachin, Jéssica Soler, Rogério Geraldo, Sofia Calábria, Valdir Ribeiro Júnior. Suplemento infantil: Ana Luiza Tieghi, Gabriella Feola. Repórteres: Aldrin Jonathan, Ana Beatriz Brighenti, Ana Paula Souza, Ariane Alves, Bruna de Alencar, Bruna Rodrigues, Erica Lima, Fabio Ruivo Manzano, Fernanda Drumond, Fernanda Maranha, Giovanna Gheller, Lara Deus, Lucas Coelho, Rúvila Magalhães, Susana Berbert, Thiago Salles. Correspondência: Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443-Bloco A. Cidade Universitária CEP 05508-990. Fone: 3091-1324. E-mail: saoremo@gmail. com Impressão: Gráfica Atlântica. Edição Mensal: 1500 exemplares.


3

Novembro de 2012 Notícias do Jardim São Remo

entrevista

“O Estado tem como tarefa corrigir injustiças históricas” MARIA JOSÉ MENEZES, BIÓLOGA E COORDENADORA DO NCN

Reserva de vagas e o movimento negro Coordenadora do Núcleo de Consciência Negra da USP discorre sobre a política de cotas

Maria José Menezes é bióloga, técnica do Instituto de Ciências Biomédicas da USP, e coordenadora do Núcleo de Consciência Negra da universidade (NCN). O NCN é um espaço onde desenvolvem-se diversas atividades culturais e onde se milita em prol da inclusão racial. O NCN luta para que sejam implementadas na USP inciativas como a aprovação da lei que obriga as universidades federais a reservar metade de suas vagas a alunos de escolas públicas, assim como para negros e índios. NJSR: Como você analisa a situação do debate sobre a política de cotas raciais dentro da USP? Maria José: Eu acho que a discussão na universidade está muito difícil. Nós temos muita resistência. Por mais que a gente busque dialogar com os vários segmentos, essa conversa não tem sido leal, não tem sido sincera. O que a gente quer é que a USP, de fato, reabra essa discussão, porque uma universidade, no século

ÉRICA LIMA

Érica Lima

“Nós temos muita resistência” 21, que não discute a questão de inclusão racial é, realmente, uma instituição na qual a civilidade está muito distante. O sistema de cotas raciais surgiu nos Estados Unidos, na década de 1960. Aqui no Brasil, esse movimento é recente? É, mas o movimento negro organizado vem do começo do século 20. Nós nunca fomos desorganizados. A sociedade negra, desde a época da escravatura, sempre reivindicou liberdade e direitos, embora essa história não seja contada. A verdade é que nós, negros, não somos e nunca fomos alheios às nossas questões. Nós temos

noção do quão segregacionista é a sociedade brasileira e sempre foi. Então, já nas décadas de 1920 e 1930, a Frente Negra Brasileira já falava da exclusão racial. Você acha que a implementação de cotas nas universidades, representaria o início de uma reparação histórica para com o negro na sociedade brasileira? Nós sabemos que o sistema de reserva de vagas para negros não vai reparar isso. Mas ele minimiza o problema e dá a possibilidade de nós, negros e negras, elaborarmos políticas públicas e, assim, trazermos para a universidade o nosso conhecimento, quebrando, assim, alguns paradigmas. Como você vê o posicionamento daqueles que condenam a implementação da política de cotas raciais com o argumento de que haverá um acirramento das relações inter-raciais? Isso é uma bobagem que nunca se provou em momento algum. Quando o sistema de reserva de vagas nas instituições públicas

foi adotado, o que se falava é que as instituições iriam acabar diminuindo sua qualidade. Esse é um pensamento racista, pois quer dizer que o negro é intelectualmente inferior e, por isso, ele vai diminuir a qualidade do ensino. E com relação ao mercado de trabalho, a política de cotas também se faz necessária? Claro. Quando pensamos em políticas afirmativas, pensamos em políticas voltadas para setores da sociedade que sofreram algum tipo de restrição e que não conseguem uma posição digna na sociedade. O povo negro foi, e ainda é, excluído dos serviços públicos por conta do racismo. O Estado tem como tarefa corrigir injustiças históricas e dar possibilidade para que esses setores tenham acesso à educação. As políticas afirmativas vêm nesse sentido. A gente tem que ter reserva de vagas na educação e no mercado de trabalho. Veja a íntegra no site www.eca.usp.br/njsaoremo

Cenas da São Remo FERNANDO PIVETTI

DANIEL MORBI

RENATA GALF


4

Notícias do Jardim São Remo

Novembro de 2012

comunidade

“Em 2011, cerca de 15% dos trabalhadores temporários foram efetivados.” ASSERTTEM

Vagas de fim de ano

Olho vivo no futuro

Saiba os direitos dos empregos temporários

ProUni, Sisu e cursinho são meios para faculdade

GABRIELA MALTA

Nos meses de novembro e dezembro as vendas aumentam por conta das festas de fim de ano e, consequentemente, as ofertas para trabalhos temporários, tanto nas indústrias quanto no comércio, também crescem. Os empregos temporários são uma forma de trabalho regulamentada pela lei e caracterizada pela sua pouca duração, que pode ser de até três meses. Eles têm a função de substituir ou complementar a mão-de-obra pessoal requisitada para as épocas de aumento do número de consumidores. Muitos dos direitos do trabalhador temporário são iguais ao da CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas): Ele deverá receber o mesmo salário dos demais empregados da empresa, ter jornada de trabalho de até oito horas, repouso semanal remunerado, férias proporcionais, adicional noturno (quando for o caso), seguro acidente de trabalho e proteção previdenciária. Trabalhando até o final do período estabelecido em seu contrato, o empregado

temporário tem direito de retirar o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Esse tipo de trabalho é uma ótima oportunidade para quem está desempregado. Em 2011, cerca de 15% dos trabalhadores, contratados apenas para um pequeno período, foram efetivados. Tal efetivação depende em grande parte do desempenho do profissional nesse período trabalhado. Centro de Apoio ao Trabalho (CAT) O CAT é um órgão da prefeitura que consiste em uma rede de postos de atendimento direcionados a trabalhadores que buscam entrar no mercado de trabalho. Ele oferece desde cursos para qualificação até mesmo intermediação de mão de obra, encaminhando o trabalhador para uma vaga de trabalho.

Mais informações sobre trabalhos temporários www.cst.org.br www.asserttem.com.br CAT: 3397-1507

SOFIA CALABRIA

Fernanda Maranha

Aluno do cursinho da FEA tira dúvida durante aula de Física Aldrin Jonathan O Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) foi realizado nos dias 3 e 4 deste mês por mais de 5 milhões de candidatos. Por meio do Sisu (Sistema de Seleção Unificada), estudantes que participaram do Enem poderão concorrer a vagas em universidades federais que usam a nota do exame como critério único de seleção. Para isso, o candidato deve acessar o site do Ministério da Educação (MEC) no período de inscrições e optar pelo curso e universidade que deseja. O estudante também possui a opção de se inscrever no ProUni (Programa Universidade para Todos), que tem como finalidade a concessão de bolsas integrais ou parciais em cursos de graduação e pós-graduação. Para estudantes que concluíram o ensino médio a partir do ano letivo de 2010, é obrigatória a partipação no Enem caso queiram solicitar o FIES (Fundo de Financiamento Estudantil), programa do MEC criado para conceder financiamento a estudantes regularmente matriculados em curso superior não gratuito. Para quem sonha com o curso superior, mas não tem condições de

pagar uma universidade particular e encontra dificuldades para bancar um curso pré-vestibular, uma boa opção é procurar um cursinho popular. A comunidade da USP possui cursos pré vestibulares sem fins lucrativos como o cursinho da FEA (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade), que é um projeto social com isenção de mensalidades. O projeto é gerido por estudantes da USP e oferece vagas a candidatos de camadas populares, cobrando apenas uma taxa de matrícula. Como não consegue atender a todos, realiza um processo de seleção pautado em dois critérios: entrevista socioeconômica (o mais importante) e aplicação de prova para os concorrentes. Há outros cursinhos populares na USP, como o da Psico, do grêmio da Poli, do NCN (Núcleo Consciência Negra) e o MedEnsina.

Cursinho da FEA www.cursinhofeausp.com.br/ Fone: 3091 - 5896

Mais informações sobre cursinhos populares www.redeemancipa.org.br/


Novembro de 2012 Notícias do Jardim São Remo

5

comunidade

“Os moradores não têm

informações de como usar com segurança a eletricidade e o fogo” SÉRGIO CECCARELLI, ESPECIALISTA EM SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS

Cuidados simples previnem incêndios Falta de instruções para moradores de como evitar fogo facilitam incidência de acidentes Ana Beatriz Brighenti

RICARDO KURAOKA / LUIZA MARARANHÃO

Acidentes domésticos são a maior causa de incêndio nas cidades. Segundo o anuário estatístico do corpo de bombeiros de São Paulo, junho é o mês campeão em notificações de incêndio. Porém, é preciso estar atento em todas as épocas do ano para evitar acidentes. Prevenir e conscientizar a população são as melhores opções para que não aconteçam desastres. O maior problema é a falta de informação. Para Sérgio Ceccarelli, especialista em segurança contra incêndios, “precisamos de campanhas para ensinar os moradores. Os incêndios domésticos são mais frequentes, porque os moradores não têm uma instrução de como utilizar com segurança a eletricidade e o fogo”. Ceccarelli cita como exemplos os “gatos”, o gás,

que deveria ser fechado à noite ou quando os moradores saem de casa, fósforos ao alcance de crianças e estruturas precárias ou irregulares de madeira e papelão, que são materiais que ajudam a propagar incêndios com facilidade. Com atenção e cuidado é possível evitar que incidentes ocorram. Confira no infográfico acima algumas dicas importantes de seguran-

ça. Em caso de incêndio, desligue o gás e a rede elétrica da residência, abandone o local o mais rápido que puder e ligue para o 193 para entrar em contato com o Corpo de Bombeiros. Para mais informações acesse www.corpodebombeiros.sp.gov.br Em caso de emergência, ligue 193

Incêndios atingem comunidades Segundo o Corpo de Bombeiros, houve incêndios em 69 favelas de São Paulo desde o início de 2012. O Ministério Público do Estado de São Paulo iniciou investigações, pois há suspeitas de que os incêndios tenham sido provocados. As favelas atingidas ficam em locais onde há valorização imobiliária. Em 2010, foi criado pela prefeitura o Programa de Prevenção Incêndio em Assentamentos Precários (Previn). O projeto prevê a nomeação de um zelador comunitário, instalação de hidrantes e extintores de incêndio e retirada de “gatos” de energia. Porém, o programa foi implantado em apenas 3% das aproximadamente 1633 favelas de São Paulo. A São Remo foi contemplada com o Previn.

Cursos gratuitos de línguas na região Opções de onde estudar inglês e outros idiomas nas proximidades da São Remo Fabio Manzano Com as necessidades do mercado e a projeção do Brasil no cenário mundial, o conhecimento de mais de um idioma é de extrema importância para o sucesso em qualquer carreira. Na região do Butantã, é possível encontrar opções gratuitas ou com preços bastante reduzidos de cursos completos. O Projeto Alavanca oferece durante todo o ano um curso de inglês ministrado por professores voluntários. As turmas são volta-

das à conversação e têm no máximo 14 alunos. As inscrições são divulgadas no início de cada semestre pelo site do projeto e cada aluno precisa pagar uma pequena quantia para as cópias dos materiais de aula. Curso também no Jaguaré No inicio do próximo semestre, iniciam-se as inscrições para os cursos de idiomas do Centro Educacional (CEDUC) da Paróquia São Francisco de Assis, localizado na Av. Gen. Mac. Arthur, 113. É

possível estudar Inglês, Espanhol e Francês por 15 reais por mês - valor que os alunos inscritos pagam pelo material utilizado em aula.

composto por oito módulos, além de ser gratuito, tem previsão de quatro meses de duração - entre fevereiro e junho de 2013.

Oportunidades de cursos online A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo encerrará as inscrições de seu programa de inglês online no próximo dia 12 de novembro. São mais de 60 mil vagas disponíveis para inscrição pelo site do programa. A lista de selecionados será publicada logo no dia 14, no Portal da Educação. O curso,

Projeto Alavanca Fone: 3714-1566 Inscrições: Janeiro 2013 CEDUC ceduc.saofrancisco@gmail.com Inscrições: Fevereiro 2013 Inglês Online – Secretaria da Educação Inscrição: goo.gl/PmUpt, até 12 de Novembro de 2012


6

Notícias do Jardim São Remo

Novembro de 2012

comunidade

“Tinha até helicóptero” Dona Eva moradora do bairro

PM ocupa São Remo e causa transtornos Moradores organizam assembleia no dia 11/11 para discutir ação truculenta da polícia no bairro comunidade e os moradores, incluindo crianças, presenciaram a violência indiscriminada dentro das suas próprias casas. Havia policiais em todas as ruas, até mesmo nos estabelecimentos comerciais. A respeito do túnel encontrado pelos policiais, moradores disseram que se trata de apenas um buraco no muro e que estava fechado já havia algum tempo. Toda a rotina foi abalada devido à ação policial. As forças deslocadas para o local incluíam 20 viatu-

ras da Rota e mais 30 agentes da Polícia Civil, segundo a Secretaria de Segurança Pública. Uma moraPor volta de 5h30 da manhã do dora contou que os policiais prodia 31 de outubro, cerca de 120 meteram voltar 18h e, por isso, policiais chegaram à comunidamuitos pais optaram por não mande para uma operação de busca a dar as crianças à escola, já que hasuspeitos. Nessa ação, entraram via o receio de violência no horário nas casas dos moradores e, muitas de volta das crianças. O Circo-Esvezes, bagunçaram seus pertences cola suspendeu as atividades até a enquanto dormiam ou se aprontasexta-feira da semana. vam para o trabalho. Uma professora de uma escoAntes mesmo de o sol nascer, a la estadual que atende crianças da operação policial se instaurou na São Remo, conta que os alunos estavam assustados e tentou ajudá-los levando-os para casa. Ela disse que “diante da apreensão dos alunos, relatando a violência, contando sobre a ação dos policiais que entraram de forma violenta nas suas casas, quebrando móveis, agredindo moradores e apontando fuzis, inclusive para as crianças, nós decidimos nos juntar aos alunos na saída da aula e acompanhá-los até a a comunidade”. Na segunda-feira, dia 5 de novembro, o Sintusp (Sindicato dos Circo-Escola fechado devido ao pânico gerado pela ação da polícia Trabalhadores da USP) sediou

Lara Freitas

Lara Freitas Rúvila Magalhães

uma reunião que teve como tema central a ação violenta da polícia na São Remo. Ela contou com alguns moradores da comunidade e outras pessoas dispostas a discutir a questão. Givanildo Santos, da Associação dos Moradores, aponta a agressividade policial com trabalhadores, que foram abordados ao saírem para o trabalho. São abusos policiais a invasão de domicílio sem mandado judicial e nem consentimento do morador e as agressões que não sejam para defesa do policial. Para denunciar esses casos, o cidadão deve ligar para 08007706190 quando se tratar de Polícia Militar. Se o excesso decorrer da ação de um policial civil, o telefone para denúncia é (11) 32315536. Não é preciso se identificar ao comunicar o abuso.

Assembleia dos Moradores para discutir a ação policial no dia 11/11/2012 às 10h no Circo-Escola

Grandes jornais defendem ação policial Lara Freitas Rúvila Magalhães A ação do dia 31 de outubro na São Remo chamou a atenção de jornais e programas de TV de todo o país. Nas matérias da grande mídia, foi possível ver muitas explicações a respeito do motivo de a PM ter entrado no local. Também muitas linhas foram dedicadas ao que os militares declararam existir

lá. Nos jornais que o Brasil inteiro vê, não apareceram declarações dos cidadãos da comunidade, diretamente afetados pelo ocorrido. Um morador que preferiu não ser identificado diz que o tipo de abordagem que foi dado ao fato ocorrido na São Remo vem da necessidade da mídia de fabricar heróis. Para ele, “as grandes mídias omitem a realidade. Na corporação podem existir heróis, mas exis-

te um grande número de pessoas mal intencionadas que vestem suas fardas e adentram nas comunidades barbarizando”. A população da São Remo tem diversos problemas que precisam da visibilidade da imprensa para serem resolvidos. O caso das contas de energia altas e os desabrigados do Riacho Doce são dois deles que nunca apareceram nas manchetes dos grandes jornais. Tam-

bém acontecem na comunidade projetos culturais que necessitam de apoio, como o projeto Alavanca. O caso da ação policial, no entanto, foi altamente divulgado, sugerindo para o resto do Brasil que a periferia paulistana se resume a isso. O mesmo morador comenta que a São Remo “é um bairro comum e, assim como nas áreas nobres, tem pessoas boas e más. Drogas existem em todos os bairros”.


Novembro de 2012

“Os trabalhadores devem estar atentos para que não haja qualquer supressão aos seus direitos ” Humberto Bersani advogado

Notícias do Jardim São Remo

7

papo reto

Conheça alguns direitos do trabalhador O desconhecimento das leis do trabalho faz com que muitos funcionários sejam prejudicados

No Brasil o desrespeito às leis trabalhistas é algo grave. Segundo o advogado Humberto Bersani, as principais violações são “a ausência de registro na Carteira de Trabalho e Previdência Social, o desrespeito à jornada de trabalho, ao intervalo para refeição e descanso, às férias, o atraso no pagamento de salários, descontos salariais indevidos”. Para evitar esses abusos é necessário conhecer os direitos do trabalhador e reivindicá-los, seja no sindicato da categoria ou no Ministério do Trabalho, se necessário. Registro em Carteira de trabalho O registro é obrigatório e o funcionário deve fazer apenas o que sua função exige. Toda alteração no A carteira de trabalho assinada é um dever do empregador e garante o respeito aos direitos trabalhistas contrato deve ser atualizada na carteira de trabalho. Licença maternidade e paternidade ras é o limite diário para horas ex- missão por justa causa impede que A licença maternidade dura 120 tras. Há também a possibilidade de o funcionário saque o FGTS e receFérias dias e o salário da funcionária passa se fazer um banco de horas, depen- ba o valor referente às férias. O empregado, devidamente re- a ser pago pelo INSS nesse tempo. dendo de acordos entre as partes. gistrado, tem direito a um mês de Durante a gestação, a trabalhadora Lembrando que a jornada de traba- Empregados domésticos férias a cada ano trabalhado. Além pode se ausentar no trabalho para lho deve ser de 8 horas diárias ou Todo empregado doméstico tem do descanso, o funcionário tem di- consultas médicas sem descon- 44 horas semanais, desde que não direito a registro em carteira assim reito a receber um terço do salário, tos, assim como mudar de função, haja acordo pré estabelecido. como férias e décimo terceiro, secomo adicional. Caso trabalhe por caso necessário. Depois da licença melhante a qualquer outro trabacomissão, o valor é obtido a partir a há um período de 150 dias de es- Demissão lhador. “A remuneração deve obemédia de últimos 12 meses. tabilidade no trabalho. O pai tamNo momento da demissão, o tra- decer o salário mínimo, podendo bém tem direito a licença obrigató- balhador tem direito ao salário e ser igual ou maior que ele, não senVale-transporte ria, porém de apenas 10 dias úteis. décimo-terceiro salário proporcio- do permitido a redução do salário, O desconto de 6% do salário do nais, férias vencidas, multa de 40% chamada de irredutibilidade salafuncionário garante que ele receba Hora extra sobre o FGTS e aviso prévio. A de- rial”, afirma Bersani. todos os valores necessários para O funcionário que faz hora extra seu transporte de casa para o traba- deve receber um adicional corresMinistério e Delegacia Posto de Atendimento lho e do trabalho para casa. Caso re- pondente a 50% do valor da hora Regional do Trabalho ao Trabalhador sida perto, ou achar que o descon- trabalhada em dias úteis e sábaR. Afonso Sardinha, 201 – Lapa R. Martins Fontes, 119 – República to não compensa, pode assinar um dos e 100% quando a hora extra for Tel. 3835-4378 Tel. 3150-8172 termo abrindo mão do benefício. no domingo ou feriado. Duas ho-

Rogério Geraldo

Lara Freitas Rúvila Magalhães


8

Notícias do Jardim São Remo Novembro de 2012

são remano

“O ensino de teatro faz com que as crianças fiquem mais desinibidas” alexandre augusto, educador

Circo Escola apresenta cursos de teatro Destinadas a pessoas de 7 a 17 anos, aulas ajudam a desenvolver potenciais e a expressar-se Bruna de Alencar

Bruna de alencar

Engana-se quem pensa que as aulas de teatro são destinadas somente aos futuros atores. Por sua dinâmica, o teatro é de grande ajuda para quem quer desenvol-

ver potenciais até então escondidos. Os alunos aprendem a se soltar, a se comunicar melhor e até a perder o medo que têm de ouvir “não”. O Enturmando Circo Escola São Remo oferece aulas de teatro para pessoas de 7 a 17 anos.

Cinema foi o tema escolhido para as apresentações do Circo Escola

De acordo com especialistas, as aulas cênicas estimulam a percepção, a criatividade, a sentir o corpo e a cena. Além de ajudar o indivíduo a soltar o corpo e a se concentrar. Os exercícios são voltados tanto para o trabalho em grupo quanto para o desenvolvimento pessoal, autoconhecimento e autoaceitação. “O ensino do teatro faz com que as crianças fiquem mais desinibidas e passem a se expressar melhor e a trabalhar em grupo”, afirma o educador social Alexandre Augusto. No final do ano letivo, todos os alunos do projeto Circo Escola se juntam e escolhem um tema para as apresentações finais. Este ano,

os alunos das aulas de artes cênicas, escolheram o cinema. Os interessados em participar das aulas de teatro devem comparecer ao Circo Escola acompanhados do responsável, documentos pessoais e da declaração de escolaridade. As aulas são gratuitas e ocorrem às segundas e quartas-feiras, para as crianças, e as terças e quintas-feiras, para os adolescentes. Todas as aulas possuem turmas tanto no período da manhã e quanto no da tarde. Enturmando Circo Escola Rua Aquianés, 13 Jardim São Remo, Butantã Tel. 3765-0459

Opções acessíveis de passeio em São Paulo São Paulo está entre as cidades mais caras do mundo, e o turismo que recebe é predominantemente voltado para a área de negócios. A capital paulista, no entanto, sedia com frequência inúmeros eventos culturais a custo zero. Dentre eles, encontram-se atividades para todas as faixas etárias. No dia 5 deste mês foi celebrado o dia nacional da cultura. Para comemorar, a Ticket está promovendo a 6ª Semana Ticket Cultura & Esporte. Iniciada no dia 5, vai até dia 18 deste mês, e conta com mais de 300 atividades totalmente gratuitas, incluindo desde obras ao vivo realizadas por artistas urbanos até visitas ao MASP (Museu de Arte de São Paulo Assis

Chateaubriand). Os eventos estão espalhados por diversos pontos da cidade, em locais de grande circulação, e apresentam um leque bem variado de horários. A exposição Vias do Coração, pela segunda vez na cidade, é parte do projeto “Ciência Móvel – Vida e Saúde para Todos”, que promove a popularização da ciência por meio de exposições multimídias interativas. Instalada na Estação Ciência, até 31 de março do ano que vem, a mostra visa explicar um pouco o funcionamento do coração e do aparelho circulatório humano em geral. A visita é grátis no primeiro sábado e no terceiro domingo de cada mês. Agendamentos de grupos são possíveis nos demais dias, com entradas a preços acessíveis.

Giovanna Gheller

Giovanna Gheller

Jey Sete Sete na 6ª Semana Ticket Há também passeios que podem ser feitos em qualquer época do ano. No Campus Cidade Universitária da USP encontra-se um dos edifícios do Museu de Arte Contemporânea (MAC), que recebe obras conceituais e contemporâneas. O funcionamento é de terça e quinta das 10h às 20h e demais dias até as 18h, e a entrada é

gratuita para todos. O museu não abre às segundas-feiras. Aos fins de semana, um bilhete de metrô é tudo o que se precisa para participar de um tour pela cidade. O serviço, criado pela São Paulo Turismo em parceria com a Companhia do Metropolitano de São Paulo, cobra três reais e oferece cinco tipos de roteiros distintos, todos acompanhados por guias turísticos: Liberdade, Sé, Luz, Paulista e Theatro Municipal. Programe-se e desfrute do que a cidade tem de melhor a oferecer a baixos ou nulos custos. Mais informações: www.ticket.com.br/portal/semanaticketcultura www.sanofi.com.br www.spturis.com/turismetro


Novembro de 2012 Notícias do Jardim São Remo

9

são remano

“Ninguém pode baixar a cabeça só porque não vive nos chamados centros” Gaby Amarantos, cantora

Gaby Amarantos: ícone do tecnobrega A artista paraense afirma que a periferia lhe ensinou a enfrentar as dificuldades da vida Gaby Amarantos é um dos nomes mais importantes da atual cena musical brasileira. A cantora de tecnobrega, ritmo surgido em Belém do Pará, tem conquistado inúmeros prêmios e reconhecimento internacional. Seu disco, “Treme”, foi um dos mais aguardados pela mídia em 2012. As músicas de seu repertório, como as animadas “Xirley” e “Ex-Mai Love” (tema da novela “Cheias de Charme”), são conhecidas no país inteiro e fazem sucesso entre diversos públicos, das periferias às baladas da classe média. Gaby tem se tornado cada vez mais popular não apenas por seu tecnobrega, ritmo que até há pouco tempo não era muito conhecido fora do Pará, mas, principalmente, por ser uma cantora autêntica. Sua originalidade pode ser notada tanto em suas roupas, sempre com elementos muito chamativos e ousados, como também por sua postura enquanto artista.

divulgação

Ana Paula Souza

Gaby posa na periferia de Belém Ela é assumidamente brega e não vê problemas em ser uma cantora que faz grande sucesso entre as camadas populares brasileiras. Além disso, não nega suas origens. Nascida e criada no Jurunas, bairro da periferia da capital

paraense, a artista faz questão de lembrar em seus shows o nome de seu estado, de sua cidade, e afirma com orgulho que cresceu e que pertence à periferia. Gaby Amarantos concedeu a seguinte entrevista ao NJSR. NJSR – Você veio da periferia de Belém. O que isto representa para você e o que uma experiência como essa lhe ensinou? Gaby Amarantos – Foi onde eu nasci, onde eu aprendi a olhar a vida, a ser quem eu sou. Foi nela onde aprendi os valores que quero repassar para o meu filho, Davi. Aprendi a ser guerreira, a não abaixar a cabeça. Nada foi fácil para a minha família, mas nunca abaixamos a cabeça. Meus pais me ensinaram a enfrentar as adversidades de cabeça erguida, sem nunca me achar inferior. Assim, aprendi que viver na periferia não é estar à margem da vida. Por isso, nunca deixei o Jurunas, bairro onde nasci e onde aprendi a dar valor às coisas.

Você tem um grande público nas periferias. Em função disso, você tem a preocupação de cantar músicas voltadas para ele? Acho que eu tenho que me comunicar da mesma forma com todos os públicos. Não posso fazer distinção entre as pessoas. Você tem conquistado vários prêmios e tem sido indicada para outros de grande renome, como o 8º Prêmio BRAVO! e o Grammy Latino. A que você atribui o sucesso de público e de crítica que você tem obtido recentemente? Acho que se deve à verdade com que faço o meu trabalho. As pessoas percebem isso. Você é muito querida no Jardim São Remo. Gostaria de deixar alguma mensagem diretamente para os nossos leitores e seus ouvintes da comunidade? As periferias não são invisíveis. Ninguém pode abaixar a cabeça apenas porque não vive nos chamados centros.

Sessões populares de filmes nacionais e periféricos Giovanna Gheller Na próxima segunda, dia 12, a rede de cinemas Cinemark promoverá sessões de filme nacional a 3 reais pelo 13º Projeta Brasil. A iniciativa visa facilitar o acesso da população à cultura, já que a entrada costuma custar em torno de 24 reais. Durante o dia, serão exibidos 28 filmes brasileiros em todas as salas da rede.

Acontece também até o dia 12 a 7ª edição do Festival Cine Favela (www.festivalcinefavela.com.br), projeto da Associação Cultural Artística Cine Favela junto ao SESC-SP de importância para a divulgação do cinema periférico. O tema desta edição é “América Latina”. Receberão filmes Heliópolis, Paraisópolis, Capão Redondo e Cidade Tiradentes, além de escolas públicas e estações de metrô.

13º Projeta Brasil: Programação cinemark raposo shopping Xingu 10h50, 13h10, 15h25, 17h40 e 20h20 Até que a Sorte Nos Separe 12h40, 14h55, 17h10, 19h25 e 21h40

As Aventuras de Agamenon, o Repórter 12h50, 14h35 e 16h20 Gonzaga, de Pai pra filho 12h20, 15h05, 17h50 e 20h35

E Aí... Comeu?

À Beira do Caminho

13h, 15h15, 17h30, 19h45 e 22h

12h30, 14h45, 17h, 19h15 e 21h30

Totalmente Inocentes 11h20, 13h30, 15h50, 18h10, 20h15 e 22h20

O Diário de Tati 18h05 e 20h10

Rod. Raposo Tavarers, Km 14,5 - Butantã

www.cinemark.com.br/projeta-brasil-2012


10 Notícias do Jardim São Remo Novembro de 2012

mulheres

“O ideal é aplicá-lo (o protetor solar) a cada três ou quatro horas e após o contato com a água” MARTA SHIMIZU, MÉDICA ASSISTENTE DO DEPARTAMENTO DE DERMATOLOGIA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Higienização nos salões de beleza é lei Regulamentação da ANVISA contém medidas para preservar a saúde dos clientes e dos profissionais FERNANDA DRUMOND

Fernanda Drumond A transmissão de doenças como Hepatite B e C, Tétano, AIDS e outras infecções pode acontecer através de um simples sangramento, ocasionado, por exemplo, ao retirar a cutícula na manicure. Com o aumento do número de salões de beleza, desde janeiro desse ano a lei nacional 12.592/12 reconhece os profissionais da área e torna obrigatório o seguimento das normas da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Anteriormente, somente as prefeituras e governos dos estados faziam a regulamentação. No município de São Paulo, desde 1993 há leis para manicures e pedicuros. Com a formação da COVISA (Coordenação de Vigilância em Saúde) em 2003 e a publicação do Código Sanitário da cidade em 2004, as regras passam a estender-

O equipamento para esterilizar utensílios é compacto e eficiente -se a todos os profissionais da área de beleza e estética. Para orientar e esclarecer dúvidas, a prefeitura de São Paulo lançou um guia técnico contendo as normas a serem seguidas. A regulamentação engloba regras sobre a estrutura do local onde será fornecido o serviço, como abastecimento de água, esgoto, área do local e equipamentos. Além disso, hi-

giene pessoal, do ambiente e dos materiais, bem como a utilização de química e o atendimento ao cliente estão sob supervisão desses órgãos. Os profissionais da São Remo parecem estar atualizados sobre as obrigatoriedades. Monique, proprietária de salão há cinco anos, alega nunca ter sido visitada por um fiscal. Ainda assim, ela mantém seu estabe-

lecimento dentro das regras, porque “as clientes reparam” e é importante para a saúde delas. Ludja também nunca teve seu salão vistoriado, mas já realizava a higienização dos utensílios antes da lei federal. Os estabelecimentos que não tiverem o Cadastro Municipal de Vigilância em Saúde (CMVS) e não seguirem as normas da ANVISA e da COVISA estão sujeitos a multa que varia de acordo com a reincidência de violações. Qualquer cidadão pode denunciar irregularidades. DENUNCIE pelo Serviço de Atendimento ao Cidadão

Telefones: 3397- 8278, 3397- 8279 e 3397- 8280 ou sac.prefeitura.sp.gov.br

Bronzeado de verão pode custar caro Deixar o protetor solar de lado e utilizar óleos e bronzeadores aumenta o risco de doenças de pele

RICARDO KURAOKA

Fernanda Drumond A exposição ao sol em excesso e sem proteção pode causar, entre outros males, o câncer de pele. Gonçalo, balconista de farmácia na São Remo, diz que os moradores “estão comprando muito” protetores solares. Contudo, ele conta que a venda de óleos e bronzeadores também é alta, pois a população quer “queimar” a pele.

Marta Shimizu, médica assistente do Departamento de Dermatologia do Hospital das Clínicas diz ser indispensável o uso do filtro solar de, no mínimo, fator 30. Bonés e chapéus ajudam, mas não o substituem. “O ideal é aplicá-lo a

cada três ou quatro horas e após o contato com a água”. Ela acrescenta que o uso de produtos como bronzeadores e óleos são prejudiciais à saúde nem tanto pela própria substância, mas pela falta do uso do protetor.

No dia 24 de novembro, será realizada a Campanha contra o Câncer de Pele no Prédio dos Ambulatórios do Hospital das Clínicas. No evento, a população poderá tirar dúvidas, passar por um exame clínico e receber orientações sobre a prevenção da doença.


Novembro de 2012 Notícias do Jardim São Remo

11

esportes

“O objetivo é afastar as crianças das drogas e das ruas” José Mariano de Santana, sobre o Projeto HU São Reminho

Brasil encanta em Mundial de Futsal Contusões e problemas na camisa não impediram a seleção de alcançar oitavas de final O Mundial de Futsal, assim como a Copa do Mundo, ocorre de quatro em quatro anos. 2012 é o ano de mais um campeonato, agora sediado na Tailândia. Essa edição é disputada por 24 seleções, que estão divididas em seis grupos. Os dois primeiros de cada chave possuem vaga nas oitavas de final, bem como os quatro melhores terceiros colocados. A competição que se iniciou no dia 1º de novembro terá sua decisão no dia 18 do mesmo mês. Os jogos estão sendo transmitidos pelo canal aberto Bandeirantes e pelo canal pago SporTV.

O Brasil está no Grupo C, junto com Portugal, Japão e Líbia. Na estreia, contra a seleção japonesa, a equipe brasileira ganhou de 4 a 1. O saldo negativo dessa vitória foi a contusão do craque Falcão. O camisa 12 sentiu uma lesão na panturrilha esquerda e deixou a partida ainda no começo do jogo. Exames foram realizados, e o tempo de recuperação estimado é de 15 a 20 dias. Assim, Marcos Sorato, técnico da seleção, decidiu pela permanência dele no grupo. Caso Falcão se reabilite, ele poderá jogar nas semifinais. Um problema ofuscou a participação brasileira: o número de estrelas na camisa amarela.

Campeã em 1982, 1985, 1989, 1992, 1996 e 2008, o escudo brasileiro possui seis estrelas para representar cada vitória. Como a FIFA só assume a gestão do futsal a partir de 1989, ela exige a retirada de duas estrelas (de 82 e 85) por não reconhecer essas duas conquistas. A questão é que os uniformes já estavam prontos e foram pré-aprovados quando essa observação foi feita. No dia 4, a seleção enfrentou a Líbia e venceu de 13 a 0. Mesmo sem o ídolo Falcão e sem as duas estrelas no uniforme, o grupo conseguiu se classificar junto com os portugueses para as oitavas. O último jogo dessa roda-

Divulgação / FIFA

Bruna Rodrigues

Tailândia é sede pela prmeira vez da foi contra Portugal, no dia 7, com o placar de 3 a 1 para o Brasil. Conquistando em definitivo o primeiro lugar do grupo C, a seleção mantém a esperança de mais um título seguido.

Dos campos da São Remo para os clubes do Brasil O Projeto HU São Reminho, conhecido como Escolinha do Mariano, tem como objetivo “afastar as crianças das drogas e das ruas” diz José Mariano de Santana, que iniciou a escolinha em 2004. A prática do esporte, segundo o professor, visa alcançar esse objetivo e não fabricar craques. No entanto, a iniciativa já encaminhou garotos para categorias de base de clubes como o São Paulo F. C., o Audax (Pão de Açúcar Esporte Clube) e o Clube América de Natal. Entre os meninos que participam das aulas de futebol no campo da São Remo estão alguns que se destacam dos de-

Thiago Salles

Thiago Salles

Matheus treina pelo AUDAX mais. Essa observação levou Mariano a buscar um futuro no esporte para esses garotos. Quando percebeu que Lucas, 12 anos, apresentava grande habilidade com a bola, Mariano deci-

diu levá-lo para passar por uma peneira do São Paulo Futebol Clube. Hoje em dia, Lucas é o camisa 10 e capitão de seu time, treina três vezes por semana a 30 quilômetros da capital paulista no bairro Vila Montserrat em Cotia (no centro de formação de atletas do SPFC) e já recebe uma ajuda de custo. Há dois anos, Mariano organizou uma peneira com os alunos da escolinha. Foram chamados 11 alunos para formar um time que foi observado por “olheiros”. Dos 11 garotos, cinco foram selecionados para começar a treinar pelo Audax. Desses cinco selecionados, três já foram dispensados por falta de disciplina, motivação ou

até mesmo resultado. Os outros dois, Matheus da Cunha Meira (10) e Taylor (11), continuam no Audax e dizem que gostam de treinar pelo time mesmo não recebendo nada além do próprio treinamento e almoço gratuito. O Projeto HU São Reminho já atendeu mais de 80 crianças e adolescentes, de 6 a 20 anos.

Jogadores sãorremanos brilham em outros Estados Érick “Leão”, 16 anos, foi inserido em um clube de Natal, RN Bruno, de também 16 anos, foi encaminhado para o Clube América de Natal, RN


12

Notícias do Jardim São Remo Novembro de 2012

esportes

“Coloca aí [no Notícias do Jardim São Remo]: ‘jogo feio’” Torcedores durante partida entre Barcelona e Poeira

Copa São Remo tem disputas agitadas Debaixo de forte calor, torcidas acompanharam expulsões, belas jogadas e polêmicas Daniel Morbi

Lucas Coelho A quarta rodada da primeira fase da Copa São Remo foi realizada no domingo, 4 de novembro. Seis partidas agitaram a comunidade durante todo o dia, das nove da manhã até o final da tarde. Com partidas de trinta minutos cada tempo, doze equipes entraram no campo da comunidade buscando a classificação para a fase de mata-mata. Paraíba 2 X 0 Primeiro do Oeste A partida começou equilibrada, sem grandes chances de gol. A equipe do Paraíba tomava mais a iniciativa do jogo, com o camisa 35, João Batista, levando mais perigo, organizando o ataque do time com bons passes e lances individuais. Quase não houve chance clara de gol até o final do primeiro tempo, quando ocorreu a primeira polêmica do dia. Após cruzamento no ataque do Paraíba e cabeceio do atacante, a bola bateu na mão do zagueiro do Primeiro do Oeste em cima da linha do gol, mas o juiz mandou seguir. A partir daí o Paraíba cresceu na partida. Apesar da pressão, o primeiro tempo terminou empatado. O segundo tempo nem bem começou e o Paraíba abriu o placar. Em um cruzamento de bola parada, o goleiro espalmou o cabeceio, mas o centro-avante do Paraíba aproveitou o rebote. O panorama do jogo mudou: o Primeiro do Oeste saiu de trás e começou a ficar mais com a bola. O Paraíba só esperava a chance de matar o jogo, e ela veio numa falha do zagueiro do Primeiro do Oeste: após chutão de trás, o defensor errou o domínio e a bola sobrou

Paraíba X Primeiro do Oeste: primeiro jogo do dia foi equilibrado limpa para o centro-avante do Para- po, o que resultava em falhas da deíba marcar novamente. fesa, cartões amarelos e reclamações com o juiz. Apesar da partida ruim, Ué Que Foi 2 x 1 Atlético o Atlético conseguiu diminuir em Desde o início, o Ué Que Foi já se jogada de Wellington, que cruzou impôs em campo. Mais organizado para o atacante Rodrigo marcar. e com bons jogadores de frente, a O segundo tempo começou com equipe dominou as ações durante muita reclamação dos jogadores e todo o primeiro tempo. Logo no co- com domínio do Ué Que Foi, que meço, Renan fez linda jogada e ar- criava as melhores chances. O Atlérancou pelo meio da zaga do Atléti- tico não conseguiu levar perigo e co. Quando tentou driblar o goleiro o jogo foi ficando tenso. Ocorriam a bola escapou, mas o ataque apro- diversas confusões entre os jogadoveitou a sobra e abriu o placar para res e faltas duras, o que resultou na o Ué Que Foi. Fabiano aumentou a expulsão do lateral esquerdo do Ué vantagem com um belo gol de fora Que Foi, que após receber o cartão da área. Pelo lado do Atlético, o úni- quase agrediu o juiz com uma cabeco jogador que levava algum perigo çada. O Ué Que Foi ainda teve um era o camisa 10, Wellington. O time gol aparentemente mal anulado por do Atlético estava nervoso em cam- impedimento. Mesmo assim conse-

guiu controlar a partida e sair com a vitória sem grandes sustos. Barcelona 1 X 0 Poeira Barcelona e Poeira fizeram um jogo feio, com poucas chances. Muitos passes errados e faltas duras foi o que mais se viu. A partida começou com o Poeira um pouco melhor, jogando mais no ataque e ficando mais com a bola. Conforme a pressão do Poeira aumentava, o nervosismo do Barcelona também crescia. Reclamação e pequenas confusões tomaram quase que o todo o primeiro tempo. O Barcelona finalmente conseguiu o gol num bate e rebate com o camisa 7, David. Ele acabou tomando cartão amarelo na comemoração por tirar a camisa. Apesar da vitória parcial, no segundo tempo a equipe sãorremana continuava tensa. David foi expulso após tomar o segundo amarelo. No mesmo lance, jogadores do Barcelona e Poeira se estranharam e o juiz expulsou um de cada lado. A partida virou ataque contra defesa, com o Poeira botando pressão. O Barcelona se segurava como podia e ainda perdeu mais um jogador por contusão, depois que já havia feito todas as substituições. Mas por fim, o resultado do primeiro tempo prevaleceu e o Barça saiu com a vitória.

Resultados Amistosos de sábado, 3 de novembro São Remo 0 x 2 Muvuca 1010

Arsenal 0 x 2 Verdinho 1010

Copa São Remo (Quarta Rodada) Paraíba 2 x 0 Primeiro do Oeste Ué Que Foi 2 x 1 Atlético Barcelona 2 x 0 Poeira

Vila Nova 0 x 1 Areião Unidos do Estér 2 x 1 Pão de Queijo Nova Aliança 0 x 2 Multirão


Parte integrante do Notícias do Jardim São Remo - NOVEMBRO DE 2012

o r b m e v o N e d 5 1

a c i l b ú p e R a d o ã ç a m a l Proc


de o s ã t ia n a tíc l P No

Uma Proclamação muito louca Esta m um h os aqui c o ser r mem qu om e diz espo proc n lama sável po rar r epúb lica.

EU PROCLAMEI A REPÚBLICA!!!

EU sou Deodoro da Fonseca!

EU SO U EU PO , SSO PROV AR!

Jack Jackeline - Ao Vivo

a que r ach o da o h n r e eodo oos Entã rechal D a é o M a? c e s n Fo

Os Militares, Fazendeiros e membros da Igreja....

...acabaram brigando com D. Pedro II, e resolveram apoiar a república

Tudo começou há muito tempo... Dom Pedro II já estava há 50 anos governando. Todos gostavam dele.

Então as coisas começaram a mudar...

Depois disso, D. Pedro II não tinha mais apoio para governar Tá, m as o senh quando o na his r entra tória?

Estudiosos e pessoas importantes de grupos que queria a república se reuniram na GRANDE convenção de Itu.


GRANDE?!

E você aceitou?

Foi aí q em mi ue pensara m m!

CLA R Itu O! Afin tudo al é gr , em ande !

Nós éramos amigos Mas eu aceitei pelo bem de todos.

Precisamos de alguém pra isso. Mas quem?

O combinado era proclamar a República dia 14/11...

a os em a, mas r e Qu úblic ra! Rep guer sem

QUEM???

...mas Majo aí, um r queir fofoo... ...Major Sólon Ribeiro Oh Não! Temos que tirar o imperador do poder AMANHÃ!

Me disseram que o imperador vai te PRENDER antes da proclamação

es 9, cê 8 r vo 18 a te o é se em eri iss s a lá v E M va de s. l! ta cê ano íve vo 3 ss 12 po im

Então, em 15 de novembro de 1889, foi Proclamada a República! VIVAAAA

!

Agora alguém tem que avisar o Imperador...

tem ada m e qu ção, n a r P gina ! vel ima possí é im


O Cão Reminho levou a bandeira do Brasil! Ajude o Marechal Deodoro a encontrá-lo resolvendo o labirinto.

O que mudou com a Proclamação da República? Depois de aprender com o texto, encontre as palavras em destaque no caça-palavras! Antes da proclamação da república, o BRASIL vivia em uma MONARQUIA, um tipo de GOVERNO onde quem manda é um rei ou IMPERADOR. O poder passa de pai para filho e dura por toda a vida do governante. Depois da proclamação, passamos para a REPÚBLICA, forma de governo na qual os políticos são eleitos pelo POVO, devem obedecer as leis que estão em um livro chamado CONSTITUIÇÃO e têm um período limitado de governo.

Notícias do Jardim São Remo  

novembro/2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you