Issuu on Google+

São Remo Outubro de 2011 ANO XVIII nº 6

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

Notícias do Jardim

MARCELO MARCHETTI

CONTAS ABUSIVAS [e indiferença da Eletropaulo] págs. 4 e 5

Ensino público da região tem notas ruins no ENEM pág. 6

Festa das Crianças Dia 12 às 12h na Av. São Remo pág. 5

Debate/Entrevista Tabus dos exames preventivos págs. 2 e 3

São Reminho O Super Remo tem uma surpresa!

Papo Reto Os males do alcoolismo e seus tratamentos pág. 7

São Remano Respeito mútuo preserva harmonia religiosa na SR pág. 8

Mulheres Machismo ainda presente na vida das são remanas pág. 10

Esportes Goleadas marcam jogos da Copa São Remo pág. 12


2

Notícias do Jardim São Remo Outubro de 2011

debate

“Eu faço porque vou e peço. Se for esperar os médicos, os exames passam batido” EDNEY DE MATOS LOUREIRO, MORADOR DO JARDIM SÃO REMO

Saúde em pauta na SR Moradores relatam porque não fazem exames preventivos Larissa Teixeira Lucas Tomazelli   É comum no Brasil a ideia de que hospital é um lugar para se frequentar somente quando se está doente ou em alguma situação de emergência. Muitos brasileiros não tratam a ida ao médico como algo que deveria se tornar rotineiro. A realização de exames preventivos é um hábito muito importante, independente da idade e do sexo. Com o passar dos anos, eles se tornam cada vez mais necessários, porque podem prevenir doenças ou mesmo diagnosticá-las a tempo de iniciar um tratamento.

Para os moradores do Jardim São Remo, problemas como medo, vergonha e falta de informação contribuem para a ausência desse hábito. “Vergonha a gente tem, por isso queremos médica mulher”, afirma L.M., moradora de 54 anos. A exigência da são remana é comum entre as mulheres, que muitas vezes deixam de realizar os exames porque não se sentem à vontade com os médicos. Uma moradora de 65 anos, que não quis se identificar, contou que se negou a realizar o exame de papanicolau, que previne o câncer do colo do útero, pois não tinha paciência e não julgava neces-

?

ELO

RC

MA TTI

HE

RC

MA

São Remo

sário: “Eu não quis médico homem, não quis nada disso pra me amolar”. Já Divanete Machado acredita que os moradores só vão ao médico quando a situação está crítica. Para ela, o que falta é consciência da importância dos exames. Assim, a falta de orientação estaria contribuindo para o desinteresse dos moradores. Edney de Matos Loureiro, morador da comunidade e funcionário do Hospital Universitário (HU), crê que os procedimentos deveriam ser exigência dos médicos. “Eu faço porque vou e peço. Se for esperar os médicos [marcarem], os exames passam batido”. A demora ou o não agendamento foi um problema apontado por diversos moradores, que se diziam desmotivados a realizar os exames devido ao descaso dos médicos. Alguns moradores ainda acreditam que por estarem se sentindo bem, no geral, não é necessário que realizem exames preventivos, como atesta Francisco Lourenço da Silva: “Nunca precisei desse tipo de exame, graças a Deus. Estou ótimo, o médico me disse que tenho a pressão de um menino”.

OPINIÃO

Prevenir é realmente o melhor remédio Mateus Netzel Saúde deixou de ser “não estar doente” para se tornar bem estar. Nisso, a medicina preventiva teve papel fundamental e, por esse motivo, precisa receber uma atenção maior, tanto do governo quanto da população. Ela não apenas evita o desenvolvimento de doenças que serão muito mais difíceis de solucionar no futuro, como também é mais simples e barata do que os tratamentos. Por exemplo, é muito mais fácil comer alimentos saudáveis agora do que tratar um problema cardíaco no futuro. Pequenos hábitos como esse, mudanças feitas na rotina doméstica, são tão importantes quanto fazer os exames indicados. O maior problema é quando o médico, que deveria ser um auxiliar para cuidar de doenças já avançadas, passa a ser encarado como principal responsável pela saúde do paciente. A prevenção de doenças e a melhoria da saúde não estão relacionadas apenas à medicina, mas também a outros aspectos como a moradia, a educação, a alimentação, as condições de trabalho e a política de saneamento. Por isso, a responsabilidade pela prevenção das doenças não é exclusividade dos médicos, que precisam pedir os exames certos, ou do governo, que precisa fornecer condições de vida adequadas para a população, mas sim de todas as pessoas. Portanto, é preciso que haja maior conscientização sobre a responsabilidade de cada um, com a divulgação de mais informações sobre o assunto e mais campanhas do governo voltadas à saúde preventiva.

Notícias do Jardim

www.eca.usp.br/njsaoremo

Publicação do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Reitor: João Grandino Rodas. Diretor: Mauro Wilton de Sousa. Chefe de departamento: José Coelho Sobrinho. Professores responsáveis: Dennis de Oliveira e Luciano Guimarães. Edição, planejamento e diagramação: alunos do primeiro ano de jornalismo. Secretário de Redação: Mateus Netzel. Secretário Adjunto: João Vitor Vasconcelos. Secretários Gráficos: Luiza Guerra e Paula Peres. Editora de Imagens: Rosiane Siqueira. Editores: Ana Elisa Pinho, Fabio Mangia, Frederico Tardin, Guilherme Speranzini, Paloma Rodrigues, Rafael Monteiro e Roberta Barbieri. Suplemento infantil: Marina Vieira e Patrícia Beloni. Repórteres: Bruna Romão, Diego Rodrigues, Gabriel Grilo, Gabriela Stocco, Larissa Teixeira, Lucas Tomazelli, Luiz Felipe Guimarães, Marcelo Marchetti, Maria Marta Cursino, Mariana Melo, Marina Salles, Nicolas Gunkel, Otávio Lino, Pricilla Kesley, Rodrigo Dias e Talita Nascimento. Ilustrações de Marcelo Marchetti. Correspondência: Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443-Bloco A. Cidade Universitária CEP 05508-990. Fone: 3091-1324. E-mail: saoremo@gmail. com Impressão: Gráfica Atlântica. Edição Mensal: 1500 exemplares


Outubro de 2011 Notícias do Jardim São Remo

3

entrevista

“Isso [cuidar da saúde] é parte de um jeito geral de viver” ANA SILVIA WHITAKER DAMASO, ASSISTENTE DE DIREÇÃO DO CENTRO DE SAÚDE ESCOLA DO BUTANTÃ

A importância do cuidado com a saúde Especialista aponta a Medicina Preventiva como fator relevante para a qualidade de vida Ana Silvia Whitaker Damaso é assistente de direção do Centro de Saúde-Escola do Butantã. Em entrevista ao NJSR, a médica explica a função da medicina preventiva e esclarece dúvidas e tabus que permeiam o assunto. No que consiste a Medicina Preventiva? A Medicina Preventiva nasceu como uma área da medicina: além de cuidar da pessoa, previne-se que ela fique doente. Atualmente, o que temos na área da prevenção é também uma valorização da promoção da qualidade de vida, não tanto vinculada diretamente a uma doença ou outra. É um campo que hoje é conhecido por “saúde coletiva”, que congrega, então, diferentes áreas de conhecimento e profissionais. Por que muitas pessoas não associam médico à prevenção? Também o médico não é uma boa associação para a prevenção. A prevenção é o auto-cuidado e as

boas condições de vida, políticas públicas para a promoção da saúde. O médico entra como um dos profissionais que ajudam as pessoas nessa promoção e a se tratarem. Na São Remo, os homens foram os que mais admitiram não realizar acompanhamento. Por que isto acontece? Porque toda a nossa cultura, em geral, dá o cuidado da saúde e da família para as mulheres. Então, culturalmente, as mulheres ficam incumbidas dessa função. E também o corpo da mulher, sua saúde, a gestação, fizeram dela este objeto de maior atenção médica. Atualmente as mulheres também trabalham e temos visto, nos últimos anos, uma porcentagem maior de homens cuidando da saúde. O sistema de saúde tem menos programas, menos experiência em trabalhar com a saúde do homem do que a da mulher. Então é mais recentemente que o Ministério da Saúde, e agora também a prefeitura, está desenvolvendo uma proposta para a saúde do homem.

O exame de próstata ainda é o grande tabu? Se o homem começa a ter alteração de jato urinário e/ou dificuldade para urinar são indicações para ir ao médico. Isso indica que a próstata está crescendo e terão que ser feitos exames, que podem ser três: exame de sangue, o toque retal e, quando preciso, o ultrassom. O toque, muitas vezes, é o tabu, mas feito corretamente não é um exame tão complicado. Algumas mulheres tem restrição a médicos homens. Que atitude pode ser tomada? Também é uma questão cultural. Muitas mulheres têm restrição ao profissional de saúde masculino. A orientação que nós recebemos, nas faculdades da área de saúde, é oferecer os exames e cuidados que a mulher precisar, feitos por um profissional de saúde formado, especializado nisto, homem ou mulher. Mas se, por acaso, alguém chega com alguma restrição, oferecemos uma alternativa. O importante é a pessoa se sentir confortável para fazer o exame.

ROBERTA BARBIERI

Bruna Romão

Médica fala de tabus da saúde O que pode se fazer para conscientizar as pessoas sobre os cuidados com a saúde? A saúde individual é só uma parte da questão. O resto, e a São Remo é um bom exemplo, são as condições de saneamento, moradia, acesso ao emprego, da escolaridade (o acesso à escola e o aprendizado). Outras condições que interferem na saúde e na vida.

Cenas da São Remo NICOLAS GUNKEL

MARCELO MARCHETTI

MARCELO MARCHETTI


4

Notícias do Jardim São Remo

Outubro de 2011

comunidade

“Eu tenho um compromisso sério de pagar minhas contas.” TEREZINHA LIMA BEZERRA, MORADORA DA COMUNIDADE

Faturas chegam mais altas que o normal Contas de energia apresentam valor exagerado para moradores da comunidade São Remo

Vários moradores da São Remo têm recebido contas de energia muito altas para suas condições financeiras e padrão de consumo. Em certos casos, o valor das contas passou de R$ 200,00. Desde que os relógios de medição foram instalados na comunidade, os moradores participam do período de adaptação, também chamado de avença. Durante esse tempo, foi decidido que os novos clientes pagariam no máximo 60 reais, o equivalente ao consumo de 150 kwh por mês. Segundo Marta Aur, assessora técnica do Procon SP, o morador deve ser notificado sobre o fim da adaptação pelo menos um mês antes do término. Ela também afirmou que a avença deve ter período e valor iguais para todos os beneficiados. Terezinha Bezerra vive apenas com seus dois netos e até abril des-

te ano recebeu contas no valor da avença e foi avisada que esse período acabaria em setembro. O boleto, porém, não foi entregue no mês de maio e em junho ela recebeu uma fatura de R$ 211,53. Nos meses seguintes, Terezinha diz ter diminuído o consumo, mas continuou recebendo contas altas. Em uma reunião no Circo Escola, Terezinha foi orientada por uma funcionária da Eletropaulo a fazer um acordo parcelando em dez vezes as contas pendentes. O valor total foi de R$ 545,00. Mesmo sem condições, Terezinha agora tem que pagar mensalmente a conta mais as parcelas do contrato. Elton Júlio Garcia, funcionário da Eletropaulo, afirma que os são remanos devem procurar a Associação de Moradores antes de fazer um acordo, porque depois que isto é feito o cliente se compromete a pagar as faturas altas atrasadas, ainda que contenham erros. O Procon discorda desta interpreta-

ção. Caso se confirmem falhas nas contas, o contrato pode ser desfeito e a diferença reembolsada. Maria de Fátima dos Santos também teve problemas. A conta de luz não estava em seu nome até agosto. Depois da transferência, as contas pararam de ser entregues. Em uma agência da Eletropaulo, ela retirou a segunda via do boleto de setembro no valor de R$ 173,05. Percebendo a quantia exagerada para uma casa de três pessoas, ela buscou ajuda em outras agências, mas não obteve resposta. O problema se repete ainda com Marilena Moreira e Maria Viviane da Silva que receberam contas de R$ 98,00 e R$ 126,00, respectivamente. Ambas não são titulares da conta. Neste caso, o Procon aconselha que a fatura seja transferida para o nome do inquilino. Marta Aur ainda afirma que em comunidades como a São Remo, a concessionária de energia elétrica tem a obrigação de solucionar vá-

GABRIELA STOCCO

Gabriela Stocco Talita Nascimento

Terezinha insatisfeita com as contas rios problemas, como fiação antiga e fuga de energia. “A concessionária recebe dinheiro para tanto”. Caso isso não seja providenciado pela empresa, o cliente tem direito a reclamar na Eletropaulo e na falta de uma solução, deve procurar atendimento no Procon. Até o fechamento desta edição, a Eletropaulo não se manifestou em resposta à reportagem.

Quando for lavar roupa, junte sempre o suficiente para encher a máquina

Junte as peças de roupa e passe todas de uma vez, até 2 vezes por semana.

Enquanto estiver se ensaboando, mantenha o chuveiro desligado.

Evite abrir a geladeira sem necessidade e mantê-la aberta por muito tempo.

ARTE: LUIZA GUERRA E PAULA PERES

Dicas de como gastar menos energia com os principais eletrodomésticos


Notícias do Jardim São Remo

Outubro de 2011

5

comunidade

“Quis fazer a festa para dar às crianças algo que não tive na infância” DONA FATINHA, IDEALIZADORA DA FESTA DAS CRIANÇAS

Tarifa social é alternativa para altos custos Após o fim do período de adaptação, moradores devem ficar atentos ao benefício da Tarifa Social

A Tarifa Social de Energia Elétrica é um benefício permitido pela lei federal Nº 12.212. Ela garante descontos de até 65% no valor da taxa cobrada nas contas. Não há consumo máximo de eletricidade para se inscrever no programa. Esse benefício não deve ser confundido com o período de adaptação, cujo objetivo é conscientizar os moradores. Nesse plano, os clientes pagam por alguns meses o consumo equivalente a 150 kWh, independentemente do consumo. No entanto, devem ficar atentos ao consumo real, para que ao final do período o valor gasto seja compatível com sua renda.

O período de adaptação começa logo com a instalação dos relógios. Já para fazer parte da Tarifa Social é preciso estar inscrito no CadÚnico (Cadastro Único dos Programas Sociais do Governo Federal), além de levar RG, CPF e título de eleitor do responsável pela família, assim como um documento de cada morador da casa. Não é necessário comprovante de renda. A inscrição na Tarifa pode ser feita no posto de atendimento da Eletropaulo, dentro da Associação de Moradores da São Remo e têm direito à tarifa reduzida todas as famílias cuja renda por pessoa seja de até meio salário mínimo. Só é possível cadastrar uma conta por pessoa e instalações comerciais não podem participar.

Na adaptação, cobra-se por 150 kwh, como mostra a descrição de faturamento.

ARTE: PAULA PERES

Gabriela Stocco Talita Nascimento

Entretanto, o valor real consumido aparece no final da conta. Os clientes devem observá-lo, pois ao fim deste período vão pagar pela energia consumida no mês.

Festa de Dia das Crianças Atraso no auxílio-aluguel Maria Marta Cursino No dia 12 de outubro, a partir das 12h na Avenida São Remo, acontecerá a tradicional Festa das Crianças. O evento, que é gratuito e não tem hora para acabar, começou com Dona Fatinha e sua irmã, Conceição, 18 anos atrás, quando as duas tiveram a ideia de fazer um bolo no dia das crianças para distribuir entre os pequenos. Com o passar dos anos e com a ajuda de doações, o bolo aumentou, assim como a festa, que hoje conta com a participação de adultos e crianças de toda a região. Segundo Dona Fatinha, a ideia surgiu da vontade de proporcionar às crianças algo que ela própria não

teve na infância, já que começou a trabalhar muito nova. Atualmente, Dona Fatinha conta com cerca de 20 pessoas que trabalham ao longo do ano para organizar o evento, com reuniões que ocorrem todos os meses. No dia da festa, começam logo cedo os preparativos: o palco é montado para os shows e apresentações, enquanto o enorme bolo recebe os retoques finais. A Avenida São Remo é fechada e durante a festa ocorrem gincanas e brincadeiras para as crianças. A atração principal desse ano será a bateria da escola de samba Tom Maior, que se apresentará no evento juntamente com outros grupos da comunidade.

Mariana Melo Pricilla Kesley A prefeitura efetuou o pagamento da primeira parcela do auxílio aluguel aos moradores afetados pela enchente. Porém o pagamento só chegou àqueles que já estavam cadastrados para o benefício. A parcela inicial de R$ 1.200,00 foi recebida com atraso devido à greve dos bancos e, a partir de agora, esses moradores receberão R$ 300,00 mensalmente, nos próximos 30 meses. Laura Gomes, da Associação de Moradores, diz que as famílias prejudicadas tiveram seus cadastros enviados à Secretaria de Habitação no dia 30 de setembro.

As obras para remoção das casas danificadas pela enchente já começaram. Apesar disso, alguns moradores se recusam a sair sem que um programa habitacional seja apresentado. Segundo Laura, a Associação irá recolher assinaturas dos moradores para encaminhar à Secretaria de Habitação, aumentando a pressão para que um projeto seja apresentado.

Riacho Doce:

dias sem solução em 7 de outubro


6

Notícias do Jardim São Remo

Outubro de 2011

comunidade

“O que diferencia o aluno que se destaca do aluno mediano é a persistência” LUCIANA PIMENTEL, DIRETORA DA E.E. EMYGDIO DE BARROS

Escolas da região em baixa no ENEM Segundo a diretora, falta de auto-estima tem comprometido o rendimento dos alunos

Apenas 21% dos alunos das escolas da região da São Remo participaram da última prova do ENEM, em 2010, um número considerado baixo pelo Ministério da Educação. As notas médias obtidas, na escala de 1 a 1000, foram: 550 na Escola Estadual Emygdio de Barros; 544 na Sólon Borges dos Reis; 537 na Professor Almeida Junior e 547 na Virgília Rodrigues Alvez de Carvalho Pinto, sendo esta a única que apresentou melhoria no desempenho em relação a 2009. A importância do exame O ENEM é hoje uma das principais oportunidades para que alunos da rede pública cursem o ensino superior. O resultado obtido pelos estudantes pode possibilitar o ingresso em programas do governo, como o PROUNI (Programa Universidade para Todos)

que fornece bolsas de estudo em faculdades privadas. Outra opção é o SISU (Sistema de Seleção Unificada), programa implantado em 2009, onde as universidades federais de todo país selecionam candidatos com boas notas. Devido a sua importância, a baixa participação e o baixo desempenho no ENEM é motivo de preocupação para muitos educadores. Para explicar esse quadro, Luciana Bastos de Miranda Pimentel, diretora da escola Emygdio de Barros cita alguns dos problemas que o ensino público enfrenta hoje: infraestrutura deficiente, professores sobrecarregados e falta de interesse, tanto por parte dos alunos quanto dos docentes. De acordo com o coordenador do Ensino Médio da Emygdio, Ivan Marcos Groff, apesar da defasagem estrutural com que a escola convive, o aluno do ensino público deve encarar com disposição e seriedade os estudos duran-

MARIANA MELO

Mariana Melo Pricilla Kesley

Alunos aguardam início da aula te toda vida escolar e não apenas no ensino médio. “Nas escolas públicas não temos muitos recursos, é lousa, é professor, é livro e sala cheia. O aluno tem que estar disposto a ouvir, não há outra forma de aprender” comenta. Luciana afirma que a evasão de alunos no ensino médio é grande. Muitos trabalham e não conseguem agüentar a dupla jornada

Ansiedade e preparo antecedem prova Mariana Melo O ENEM acontece nos dias 22 e 23 de outubro e alguns jovens moradores da comunidade vão prestar o exame. Um deles é Júlio César de Oliveira Santos, 17 anos, aluno de uma das turmas noturnas do 3º ano do Ensino Médio, na Escola Prof Emygdio de Barros. Todos os finais de semana ele se prepara estudando por conta própria e acredita que o ENEM vai ajudá-lo a ingressar na universidade por

meio do PROUNI, caso não consiga aprovação na FUVEST, para cursar Letras na USP. Mesmo sabendo que a sua escola oferece aulas extras aos alunos na fase pré-vestibular, Júlio diz que não possui horários disponíveis para cursá-las. Além disso, acha que está em desvantagem em relação aos alunos de escolas particulares. “Com certeza, eles têm mais oportunidades nas provas”, disse. Em relação aos demais alunos da sua escola, o estudante afirma

que menos da metade vai prestar ENEM. Segundo ele, a maioria apresenta muito desinteresse, além de estar sem confiança quanto ao seu próprio desempenho. Dentre todos os pontos que desanimam Júlio a estudar, a infraestrutura precária da escola é o fator principal. Ao discutir sobre o assunto, ele relata que vários professores deixam de dar aulas simplesmente porque as salas não têm condição de comportar um número superior aos 40 alunos.

ou ainda não contam com o acompanhamento familiar. E acrescenta: “O maior motivo para a pouca participação no ENEM é a falta de perspectiva. Eles [os estudantes] não acreditam neles mesmos”. Para conseguir resultados positivos tanto no ENEM quanto nos vestibulares é necessário que o estudante mantenha sua persistência e receba apoio de seus familiares. Segundo a diretora da escola Emygdio de Barros, os jovens não podem deixar morrer os seus sonhos. Devem sempre acreditar que é possível, com esforço, chegar ao ensino superior. Ao finalizar, ela ainda lamenta: “hoje você pergunta aos alunos o que querem fazer e você não vê os sonhos”.

Dicas para o dia da prova levar um documento oficial com foto (ex: RG ou carteira de motorista) levar caneta esferográfica de tinta preta fabricada em material transparente levar água e biscoitos ou frutas verificar com pelo menos um dia de antecedência o local do exame, se possível visitá-lo descansar na véspera sair com antecedência de casa para evitar atrasar-se (os portões fecham às 13h)


Outubro de 2011 Notícias do Jardim São Remo

7

papo reto

“O alcoolismo entre os jovens facilita o acesso a outras drogas” DENISE DA GAMA TEIXEIRA, PSICÓLOGA

Alcoolismo é doença e tem tratamento As dificuldades enfrentadas pelos alcóolatras e os problemas causados pelo excesso de bebida Gabriel Grilo Maria Marta Cursino

ARTE: LUIZA GUERRA / FOTO: (ALTO) MARTA CURSINO

O alcoolismo é uma doença decorrente do consumo excessivo e regular de bebidas alcoólicas. Apesar de não ter cura, ou seja, de não existir ex-alcoólatra, é possível que a pessoa se trate, se afaste do vício e volte a ter uma vida normal. A doença agride a saúde física e mental do doente, afetando-o também nos aspectos familiares, econômicos e sociais. Dos motivos que levam uma pessoa ao vício, estão entre os mais comuns: a busca por alívio de angústias, ansiedades e tensões psicológicas, a grande facilidade de acesso ao álcool e o sentimento de prazer gerado pelo consumo da droga. Outro fator que deve ser levado em consideração é a hereditariedade. De acordo com evidências científicas, o risco de desenvolver

Prevenção Como é bem difícil o tratamento, pois depende da aceitação e vontade da pessoa, o ideal é que se tenha conhecimento de que o uso regular e o abuso podem causar dependência química

var a crises de abstinência, que se caracterizam, principalmente, por irritabilidade, tremores, náusea e taquicardia. O consumo excessivo da droga pode trazer sérios danos a órgãos como o fígado, coração, pâncreas, estômago e cérebro. Aumenta também o risco de desenvolver câncer, doenças hepáticas e cardiovasculares. As consequências do abuso de álcool, no entanto, o alcoolismo aumenta podem variar de pessoa para pesde acordo com alguns fatores soa, de acordo com sexo e idade. genéticos, mas ainda não se sabe exatamente em quais proporções. Mulheres e jovens A doença não se manifesta de Para as mulheres, o alcoolismaneira imediata: costuma come- mo pode ser ainda mais devastaçar como um hábito e piora con- dor. Sendo vítimas de preconceiforme aumenta a tolerância do in- to, muitas sofrem isoladamente. divíduo ao álcool, tornando as Além disso, segundo a psicóloquantidades ingeridas cada vez ga Denise da Gama Teixeira, “o maiores. Quando a dependência organismo feminino tem um meatinge um nível crítico, a interrup- tabolismo diferente do masculição brusca do consumo pode le- no, fazendo com que a mulher so-

Psicoterapia Quando a pessoa se vê impotente diante do álcool, deve procurar um psicológo especializado para uma avaliação e tratamento ou um grupo de auto-ajuda, de preferência junto a sua família

Medicação Se prevenção e psicoterapia não derem certo, é recomendável a medicação supervisionada por um psiquiatra. Em último caso, sugere-se a internação em uma clínica especializada

fra mais rápido com as sequelas”. Ainda assim, conforme um artigo publicado pela Revista Brasileira de Psiquiatria, são os homens que têm maior predisposição a herdar o gene doente de pais alcoólatras. No caso dos jovens e adolescentes, os efeitos da substância no organismo podem ser mais graves. Isso porque até os 14 anos, o fígado ainda não está completamente desenvolvido, sendo incapaz de metabolizar o álcool.

Onde se tratar gratuitamente ALCOÓLICOS ANÔNIMOS Tel: 3315-9333 GRUPO CAXINGUI Av. Benjamim Mansur, 04 GRUPO AMOR E PAZ R. Arão Adler, 91 GRUPO NOVA LAPA R. Afonso Sardinha, 62 GRUPO LAPA R. Tibério, 264

ASSOCIAÇÃO ANTIALCOÓLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Tel: 3106-0694 UNIDADE RIO PEQUENO Av. Otacílio Tomanik, 1555

CAPSAD – CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL ÁLCOOL E DROGAS UNIDADE SUMAREZINHO R. Heitor Penteado, 1448 Tel: 3862-1385 UNIDADE PINHEIROS R. Nicolau Gagliard, 439 Tel: 3812-2507

Fonte: Denise da Gama Teixeira


8 Notícias do Jardim São Remo Outubro de 2011

são remano

“A música ajuda atrair as pessoas da minha idade para a igreja.” WELTON DOS SANTOS, MÚSICO

Religião e respeito andam lado a lado São remano cultiva suas tradições e costumes sem condenar a crença dos outros Luiz Felipe Guimarães Nicolas Gunkel

sua igreja. Obreiro, como explica, é a pessoa encarregada de ajudar no culto, enfileirando cadeiras, recebendo fiéis e conduzindo-os a seus lugares. Mesmo com responsabilidades extras, Roberto diz aproveitar muito bem o culto. Outra pessoa que tem que dividir seu tempo entre trabalho, casa e igreja é Maria dos Remédios. Ela é ministra do único templo católico na comunidade, e trabalha como auxiliar administrativa no

CEPE-USP. Sua função vai desde organizar os encontros semanais até celebrar as missas quando o padre responsável não está. “Temos autorização da Igreja para isso”, garante ela. Com a presença de diferentes visões do Cristianismo, esperariamse conflitos entre os fiéis, mas eles garantem que isso não ocorre. “A relação é muito saudável” afirma Jonata. Maria reforça: “Tratamos uns aos outros super bem”.

Quem costuma incorporar o Pai Everaldo é José Sibamba, guia juremeiro que traz mensagens de amor e paz, além de indicar o melhor caminho para atingir fortunas materiais. Sibamba pede em troca pequenas oferendas como

charutos e cachaça. Quem lhe serve são alguns dos 30 filhos de santo do pai Everaldo, dez deles moradores da São Remo. Everaldo elogia sua relação com os fiéis de outras religiões e nega qualquer tipo de preconceito.

Trabalho Voluntário A organização dos cultos e missas é possível através do trabalho voluntário dos fiéis. É o caso de Roberto Alves que, apesar de seu trabalho, ainda encontra tempo e disposição para ser “obreiro” em

MARCELO MARCHETTI

A religião tem forte presença na São Remo. Há igrejas e locais de culto espalhados por toda a comunidade, assim como são comuns nas casas quadros, salmos e outras figuras religiosas. Mas como a religião pode afetar o cotidiano? As igrejas funcionam como “pontos de encontro” nos dias de culto, onde os moradores têm a oportunidade de ver e conversar mais tranquilamente com seus amigos. Além dos cultos, algumas igrejas promovem encontros semanais, como os grupos de jovens e crianças. Tradicionalmente as igrejas são frequentadas por adultos e idosos. Porém, os jovens também têm sido atraídos, principalmente através da música. Um deles é Welton dos Santos, de 17 anos, que estuda música desde os qua-

tro. Welton toca violão e bateria nos cultos há quatro meses e sonha se tornar um cantor gospel . “A música ajuda atrair as pessoas da minha idade para a igreja. Com ela as pessoas sentem mais emoção para virem aqui”, diz ele. A religião pode ser também uma forma de tentar resolver problemas como doenças, dificuldades financeiras e até dependência química. “Muitas pessoas vêm à nossa igreja procurar uma saída para a droga, o vício, a bebida... para tentar levar uma vida mais certa” diz Jonata Elias, há seis anos pastor da igreja evangélica Ministério do Betel.

Umbanda na Remo Entre as tradições religiosas na São Remo encontra-se a Umbanda. Mesmo com elementos africanos do Candomblé, tal crença foi desenvolvida no Brasil, o que explica a combinação do atabaque e roupas típicas baianas.

Everaldo da Silva é Pai de Santo e é o sacerdote da religião na comunidade. Seu terreiro situa-se em sua própria casa, onde acontecem suas consultas espirituais e oferendas a Iemanjá, seu orixá e dono de seu orí (cabeça).

Agenda Cultural - confira algumas opções de lazer no mês de outubro Peça “A Luz dos Olhos Meus”

Exposição Pintando os 7

Festa do Dia das Crianças

Data: 08/10 Horário: 16h30 Local: Teatro Carlos Zara

Data: até 05/11 Horário: 3ª a sábado, 9h às 18h Local: Casa da Cultura Butantã

Data: 12/10 Horário: 12h Local: Avenida São Remo

Show do cantor Ualdo Data: 15/10 Horário: 16h Local: Sesc Pinheiros


Outubro de 2011 Notícias do Jardim São Remo 9

“As pessoas acham que forró é só bagunça, mas aqui é também um ambiente familiar” NINA COSTA, CANTORA

são remano

Forró para todos

Em busca de verba

Música para quem gosta ou não de dançar

Cybernétikos visam recursos para viagem

NICOLAS GUNKEL

Diferentes bandas de forró se apresentam todos os finais de semana no Bar do Ceará, localizado na Avenida São Remo. A música tem início no sábado às dez da noite e só termina depois do nascer do sol. O som recomeça no domingo após o futebol, quando as diferenças esportivas dão lugar a um ambiente alegre e dançante. Quem comanda a festa é o Grupo Raio de Lua, formado pelo tecladista e vocalista Jânio Cazuza e pelas cantoras Nina Costa e Ruth Costa. Seu repertório inclui músicas próprias e covers dos artistas Tel Magalhães, Paulo Fernandes e das bandas Calcinha Preta e Cintura de Mola. Além disso, o conjunto também adapta músicas de gêneros como o pagode e o pop para o forró. “A gente toca Exaltasamba e a minha filha canta até Justin Bieber”, conta Nina.

Encontro de diferentes bandas

A mãe de Ruth ainda elogia o público do bar. “Vem gente de todas as idades. As pessoas acham que forró é só bagunça, mas aqui é também um ambiente familiar”. Para a fã Tatiana de Andrade, quem conquistou essa variedade etária foram os próprios músicos. “Eles são muito carismáticos! Antes eu nem gostava de forró. Nem sequer gostava de dançar”. Já Maria das Dores, irmã de Tatiana, sempre gostou do estilo musical. “É bom demais! E eles ‘tão’ de parabéns”. Ela também conta que mesmo os homens, mais tímidos para a dança, não demoram muito a arriscar alguns passos porque “as mulheres convencem eles a dançar”. As irmãs ainda lembram que sempre passaram em frente ao bar, mas a vontade de entrar só veio com a chegada do conjunto. Hoje, além de amigas da banda, são fiéis frequentadoras da casa. Quem confirma tal mudança de ânimo e movimento é o próprio dono do bar, Ceará. Ele agradece os clientes e amigos que fez desde o começo do forró e pretende até ampliar a programação “Estou pensando em música eletrônica nas sextas-feiras”. O Raio de Lua toca no Bar do Ceará há quatro meses, mas está na estrada há mais de cinco anos. Quando tocam em outros bairros de São Paulo, como Pinheiros, Jaguaré e Rio Pequeno, ou no litoral, na Praia Grande, enviam convidados em seu lugar, como o artista sertanejo Wanderson Gomes, que se apresentará neste sábado dia 8, e o quarteto Eclipse do Forró, dia 22 de outubro.

DIVULGAÇÃO

Nicolas Gunkel

Diego Rodrigues O grupo de dança Cybernétikos Soul Street’s está na busca de patrocinadores para sua ida até Porto Alegre na disputa da Eliminatória sul-americana do Mundial de Street Dance. Após a excelente perfomance do conjunto no último Mundial disputado em Las Vegas, onde concorreu com 68 grupos e ficou entre os 30 primeiros, a equipe enfrenta dificuldades na busca pelo dinheiro necessário para viabilizar a viagem até a capital gaúcha visando a competição na eliminatória a ser realizada no dia 17 de outubro. Por ser um grupo independente, as dificuldades financeiras são uma constante na realidade dos integrantes da equipe. Para o Mundial, o Cybernétikos teve os patrocínios do deputado federal Carlos Alberto Zarattini e da Universidade Nove de Julho (Uninove). Mas os acordos não foram renovados e, mesmo com tais ajudas, os integrantes precisaram colocar dinheiro do próprio bolso para conseguirem realizar a viagem até Las Vegas e disputar o Mundial, representando o hip hop brasileiro em meio a grupos de dança de mais de 40 países. Agora, eles buscam ajuda para levantar cerca de mil reais, valor necessário para a realização da nova empreitada no Rio Grande do Sul. Everson Magnavita, fundador e coreógrafo da equipe, diz que o principal problema é a falta de incentivos por parte do governo e das instituições públicas para

Grupo quer estar no RS em outubro com as formas de divulgação de cultura. “O grupo representou o Brasil no Mundial em Las Vegas e nenhum órgão público parabenizou a equipe”, declara. Além da busca por patrocínio, o grupo também idealizou uma nova forma de conseguir o dinheiro necessário: a famosa vaquinha. Everson tem feito apelos por doações àqueles que querem e podem ajudar na empreitada dos jovens dançarinos, que apesar das dificuldades têm ido cada vez mais longe com suas performances, prometendo fazer bonito na eliminatória para mais uma vez representar o Brasil. Empresas interessadas em patrocinar o grupo ou pessoas dispostas a doar podem entrar em contato pelo endereço eletrônico elitecybernetikos@hotmail.com ou pelos telefones (11) 6277-9521 ou (11) 6895-4648.


10 Notícias do Jardim São Remo Outubro de 2011

mulheres

“Muitas mulheres não consideram que sofreram violência doméstica” MARIA FERNANDA TERRA, ENFERMEIRA

Machismo impede igualdade dos sexos MARINA SALLES

Discussão sobre o papel do homem na renda familiar é o ponto principal na questão dos gêneros

Trabalho doméstico ainda permanece relacionado à figura feminina Marina Salles Discutir o machismo é algo que incomoda tanto mulheres quanto homens. É difícil entender como esse valor, considerado negativo, se inseriu em nosso cotidiano de tal forma que chega a ser visto com naturalidade. “Lavar louça é coisa de mulher”, pensa o filho de Maria Elenice dos Santos. Segundo ela, o menino ajuda a recolher a roupa, carregar sacolas e lavar o banhei-

ro, mas prefere não ajudar nas tarefas que, em sua opinião, são mais femininas. Com tantas mudanças no quadro de atuação da mulher na sociedade, ainda permanece a questão do porquê existem tarefas que são consideradas exclusivas delas. Na opinião de Lourenço de Jesus, “às vezes o machismo é errado e pode ser resolvido se as pessoas conversarem mais” em casa, por exemplo. Para Maria Elenice, “o machismo já é normal”, mas

ela acredita que seja possível reverter essa situação. Segundo ela, os pais têm o dever de dar o exemplo aos seus filhos para ajudar a construir uma visão mais igualitária entre os sexos. No caso da diferença de salários entre o gênero masculino e feminino, não há consenso nem entre as mulheres. Resultado de um conflito de gerações, as opiniões variam conforme a percepção das mudanças na posição social da mulher ao longo do tempo. Para a moradora Estefânia Novaes, 19 anos, “não deveria existir essa diferença”, opinião da qual Maria Elenice, 34 anos, discorda. Segundo ela, “os homens têm mais responsabilidade de sustentar a família”. Ela acrescenta ainda que “muitas mulheres continuam suportando agressões por não terem como se sustentar sozinhas”. Nesse sentido, defende que elas tenham alguma indepen-

dência financeira e que, se preciso, tomem coragem para abandonar o lar e criar seus filhos longe da violência doméstica. A luta por direitos iguais e pelo aumento da participação feminina no mercado de trabalho são ações importantes no combate ao machismo e devem ser cultivadas para ajudar a diminuir as diferenças entre homens e mulheres. Mulheres recebem 27,7% menos que homens

Fonte: IBGE (2009)

Cinco anos de Maria da Penha: pouco mudou Lei tornou mais rígidas penas de violência contra mulher, mas são poucas as que recorrem a ela Marina Salles A Lei Maria da Penha, que criminaliza a violência contra a mulher, completou cinco anos no dia 26 de setembro. Tendo aumentado o rigor das punições à violência doméstica, física ou psicológica. Agora, os agressores podem ser presos em flagrante. Segundo Eduardo Ariente, professor da USP e formado em Direito, “em casos em que a vítima

sofre um alto risco à sua integridade física, justifica-se a prisão preventiva do agressor”. No entanto, a maioria das mulheres que já sofreram agressão não recorre à denúncia policial. Em depoimento ao NJSR, uma delas contou: “sabia da delegacia, mas achei que o melhor castigo era o desprezo”. Para ela, ao ver-se sozinho, o ex-marido perceberia o que tinha perdido. Outra moradora disse que a falta de

atitude diante das agressões faz com que isso se torne costume. “Quem bateu a primeira vez, vai bater mais vezes e o agressor não merece uma segunda chance”. O Centro de Saúde e Escola (CSE) disponibiliza serviços voltados para conflitos familiares difíceis, realizando um trabalho conjunto com outros profissionais das áreas jurídica, psicossocial e policial. A enfermeira Maria Fernanda Terra defende: “a saúde

não dá conta sozinha, até porque muitas mulheres não conseguem dizer que sofreram violência, sendo necessário fazê-las reconhecer a condição em que vivem”. No CSE também são feitos atendimentos ao agressor nos casos em que ele se propõe a esse diálogo. São discutidos assuntos como os direitos humanos, questões de gênero e temas ligados à saúde, os quais envolvem vícios como o álcool e as drogas.


Outubro de 2011 Notícias do Jardim São Remo

11

esportes

“Jogos enfatizam as conquistas individuais do atleta” DAVID FARIAS COSTA, DIRETOR DE ESPORTES DO CESEC

Futebol e cidadania na comunidade Escolinha do Mariano treina jovens e ensina que ser craque não é só ser bom de bola Marcelo Marchetti

Como surgiu o projeto? Surgiu oito anos atrás. Desde os 12 anos jogo futebol e via as crianças na rua, aí decidi montar a escolinha, através de uma idéia do meu filho.

E as meninas participam dos treinos também? Tem a Vitória, é a representante das mulheres da comunidade. Teria um espaço maior para as meninas se tivesse outro treinador. Como é a resposta dos pais? O que me deixa triste é que os pais não comparecem. Marquei reunião e só compareceram cinco pais. Eles não sabem se sou uma pessoa má

ou boa. Será que estou ensinando a fazer coisas erradas ou coisas boas? Isso não é positivo, eles deveriam participar mais. Quais são as dificuldades? Dinheiro pra uma festa ou para pagar transporte. Não dá pra pedir toda hora pro vereador. Nosso sonho é ter uma van. Gostaria muito de conversar com o reitor pra falar

sobre nosso trabalho. E queria também um refletor pro campo [risos]. O que você espera das crianças para o futuro? Gostaria que todos estivessem formados na escola. Formar jogadores também é o sonho de todo treinador. É das comunidades todas que saem os melhores jogadores do mundo. MARCELO MARCHETTI

José Mariano de Santana nasceu em Pernambuco e, aos 9 anos, se mudou para a São Remo. Seu carinho pelas crianças e pelo futebol o levou a montar uma escolinha, que ensina também lições de cidadania: “Pra mim, o mais importante são as crianças”. O projeto de Mariano, que atende cerca de 90 jovens entre 7 e 20 anos, recebe ajuda do Projeto Girassol, do vereador Aurélio Miguel e do HU com taxas de inscrição e arbitragem, material esportivo, transporte e lanches ao final dos treinos.

Como ele funciona? O professor Maurício dá aula às terças de manhã. O HU me libera das 13h às 16h, toda quinta e sexta, pra treinar os meninos. O objetivo é tirá-los da rua e torná-los cidadãos de bem. Se não estudar, não treina comigo. O importante é que eles não entram no mundo da violência, no mundo das drogas.

As crianças da escolinha de futebol de Mariano: craques do futuro

Esporte e superação entre deficientes Atividades esportivas ajudam a reabilitação fisica e também da auto-estima dos praticantes Otávio Lino O esporte é uma das formas de socialização mais antigas que se conhece. No entanto, ainda é considerado um tabu entre pessoas com algum tipo de deficiência física ou mental. Mas para os praticantes, a prática esportiva mostra-se fundamental não só para buscarem a reabilitação, como também para reconquistarem a auto-estima. As Paraolimpíadas são o maior evento esportivo para pessoas com necessidades especiais do mundo. Desde 1988, é realizado na mes-

ma cidade das Olimpíadas, o que fez com que a competição ganhasse projeção internacional. Em Londres, sede dos Jogos de 2012, espera-se cerca de 4.200 competidores de cerca de 150 países. Mais do que a vitória, os jogos enfatizam as conquistas individuais de cada atleta, capazes de superar suas deficiências. São as palavras de David Farias Costa, diretor de esportes do Cesec (Centro de Emancipação Social e Esportiva de Cegos), em São Paulo. Segundo ele, a colocação geral do Brasil, 9º nas Paraolimpíadas de 2008, pode me-

lhorar, levando-se em conta que há mais de 25 milhões de brasileiros com deficiências. Uma medalha olímpica é o sonho de qualquer atleta, mas os benefícios do esporte são muito mais evidentes. A participação do deficiente melhora seu sentimento social, o valoriza, o desinibe, aumenta sua criatividade e é fonte de lazer. São algumas conclusões de Ana Paula Palla, professora da Universidade Northridge, da Califórnia (EUA). Ainda é preciso superar diversos obstáculos para que o esporte se aproxime mais das pessoas com

deficiências. David Costa ressalta que infraestrutura e acessibilidade ainda são os grandes obstáculos. Não há na capital, por exemplo, um transporte público que apoie efetivamente o acesso não só ao esporte, como à cultura e à educação. As famílias também priorizam saúde e educação dos deficientes, além da necessidade de trabalho para que sejam capazes de se sustentarem. O Brasil ainda tem muito a evoluir nesse assunto. As Olimpíadas do Rio, em 2016, logo chegarão. É possível que novos horizontes se abram para que isso ocorra.


12

Notícias do Jardim São Remo Outubro de 2011

esportes

“Das comunidades saem os melhores jogadores do mundo” JOSÉ MARIANO, PROFESSOR DA ESCOLA DO MARIANO

Setembro acaba com rodada agitada Vitórias apertadas, empate sem gols e goleada marcam os jogos do dia 25 de setembro A Copa São Remo teve mais uma rodada em setembro. A ameaça de chuva não impediu 18 gols ao longo de 5 jogos, totalizando uma ótima média de 3,6 gols por partida. Uma substituição inesperada ocorreu antes do início: um dos organizadores, Neco, assumiu o posto de bandeirinha no 1º tempo devido ao atraso de um dos árbitros auxiliares. Sub-20 3 x 1 União JP Depois de um 1º tempo sem gols, e já com o bandeira “titular”, o Sub-20 abriu o placar com Diego e Nilton, e ensaiava uma goleada até que Giovani diminuiu para o time de azul. Porém, no fim do

jogo, Vítor marcou o terceiro e sacramentou a vitória do Sub-20. Atlético 4 x 3 Catuense O jogo começou com o Catuense abrindo o placar. Apesar do gol, o jogo ficou mais equilibrado e o Atlético virou, com direito a um chutaço de fora da área. O segundo tempo começou muito agitado. Logo de cara o Atlético marcou pela terceira vez e passou a dominar o jogo, até o Catuense reaparecer e marcar mais dois gols. Buscando a virada, o time de laranja pressionou muito até que, faltando apenas dois minutos para o fim, o Atlético marcou o quarto gol e impediu qualquer chance de reação do Catuense.

MARCELO MARCHETTI

Marcelo Marchetti

Vila Nova 0 x 0 Mutirão Em um jogo de discussão entre jogadores e técnicos com o árbitro, nenhum dos times marcou, graças às disputas no meio de campo com poucas chances de gol. Areião 5 x 1 Vila Real B O 1º tempo terminou 1 a 1 com gols de Dernoel, de pênalti, para o Areião, e de William, para o Vila Real B. Já na segunda etapa, o Areião dominou e aplicou uma goleada com mais três gols de Dernoel e um de Jaílson.

Areal 1 x 0 Força Jovem Em um jogo que parecia terminar também em 0 a 0, o placar foi inaugurado aos 27 do 2º tempo, com gol de Raúl.

Atlético marca o golaço da virada

Ester lidera, São Remo está logo atrás Primeira rodada de outubro da Copa São Remo começa e termina o dia com goleadas Rodrigo Dias A rodada de 5 de outubro teve acirrada disputa entre Unidos do Estér e São Remo pela liderança do grupo B e muita reclamação contra a arbitragem. Ester 4 x 1 Atlético O Unidos do Ester venceu e manteve a liderança do grupo B da Copa São Remo. O time chegou aos 7 pontos, mesma pontuação do São Remo, mas leva vantagem no saldo de gols. O Ester abriu o placar aos 2 minutos, após cobrança de falta de Alan. O Atlético empatou em se-

guida, em cobrança de pênalti de Mauro. A equipe laranja voltou à dianteira no final do 1º tempo com um gol de cabeça de Flávio, que marcou mais um na segunda parte. No final da partida, Emerson sofreu pênalti, que Ricardo cobrou e marcou, fechando o placar para o líder do campeonato. São Remo 1 x 0 SPC O São Remo venceu a equipe do SPC pelo placar mínimo e continua na briga pela liderança. O único gol do jogo foi marcado por Maradona, num belo chute cruzado na entrada da área, ainda no 1º tempo. O SPC pressionou e chegou a assustar

o goleiro Adriano em alguns lances, mas não conseguiu empatar e se complicou na briga por vaga na próxima fase. O jogo ainda contou com a expulsão de Gérson, técnico da equipe do São Remo. Barcelona 1 x 1 Corinthians As equipes ficaram no 1 a 1, pelo grupo da Copa São Remo. O jogo começou conturbado, quando o Corinthians teve dificuldades para inscrever alguns jogadores. A comissão técnica do time também contestou bastante a arbitragem, alegando favorecimento ao time da casa. E foi mesmo o Barça que saiu na frente,

com gol de Rogério no 2º tempo. O Corinthians pressionou e empatou com um golaço de Gilles, o mais bonito da rodada. Vila Real 2 x 1 Pão de Queijo Sob chuva, o Vila Real, campeão da Copa SR 2009, bateu o Pão de Queijo por 2 a 1, com gols de Leandro e João. Mauro descontou para o Pão de Queijo. Areião 3 x 0 Paradão O último jogo terminou com vitória do Areião contra o Paradão, pelo elástico placar de 3 a 0, com gols de Carlos, Dernoel e Charles. marcaram os gols da vitória.


Parte integrante do Notícias do Jardim São Remo _ OUTUBRO DE 2011

MI

ST

ÉR

IO

S!

IAL C E ESP O AS Ã Ç Ç I N ED RIA C S DA A I D

Olá, pessoal! Temos uma surpresa pra você neste dia das crianças: O Cão Reminho está de volta! Agora o Juca tem um companheiro em suas missões. Vamos todos nos divertir muito fazendo as atividades! E lembre-se você que sempre pode me colorir da forma que quiser. O São Reminho também é feito por você!


JOGO DOS 7 ERROS

O CÃO REMINHO TINHA SE PERDIDO ENQUANTO PROCURAVA UM LUGAR PARA ENTERRAR SEU OSSO. MAS O SUPER REMO ENTROU EM AÇÃO E O SALVOU! ENCONTRE OS ERROS NA CENA ABAIXO QUE MOSTRA O REENCONTRO DOS DOIS AMIGOS:

FRASE ENIGMA 12 DE OUTUBRO É CONHECIDO POR SER O DIA DAS CRIANÇAS, MAS VOCÊ SABE POR QUE É FERIADO? DECIFRE A FRASE AO LADO E DESCUBRA! É SÓ TIRAR A PARTE DA PALAVRA QUE ESTÁ DEPOIS DO SINAL DE MENOS E ESCREVER A SÍLABA QUE SOBRA RRA NO QUADRADINHO.

LU

TO

MANTE

DO

SI

PATO

GOLFI

XÍCA

CLAR

DO


JOGO DA MEMÓRIA

OS PARES DO JOGO SÃO FORMADOS PELOS PERSONAGENS E SEUS BICHINHOS DE ESTIMAÇÃO.

DICA: RECORTE AS FIGURAS E COLE EM PEDAÇOS DE CAIXA DE PAPELÃO.

MISTÉRIO

DICA PARA A CARTA MISTERIOSA: Algo nessa mensagem pode estar invertido... A SOLUÇÃO FINAL VOCÊ CONFERE NA PRÓXIMA EDIÇÃO DO SÃO REMINHO!

somebecrep áJ !onamer oãs ohniugima ,iE snébaraP .etnegiletni otium é êcov euq metsixE !megasnem a odadnevsed ret rop ,edadinumoc ad ortned sogimini snugla me sariedacnirb ,oxil od arof oxil o omoc .sogima ertne sagirb e sosogirep seragul ,atrepse açnairc amu omoc ,oãssim aus É a raduja e sogimini sesse artnoc ratul .reviv arap rohlem ragul mu riurtsnoc


ATENÇÃO: SEMPRE USE TESOURAS SEM PONTAS.

FUNDO DO JOGO DA MEMÓRIA

RESOLUÇÕES

7 ERROS

De

Dia

TODAS AS SÍLABAS JUNTAS

=

DIA DE NOSSA SENHORA APARECIDA

Nos

sa

Se

nho

ra

A

pa

reci

da


Notícias do Jardim São Remo - 6a edição de 2011