Issuu on Google+

ANO 15 – Nº 2377 – SÃO PAULO, 05 A 11 DE JULHO DE 2012 – R$ 2,50 www.nippak.com.br

15º Festival do Japão reforça segurança e mira o futuro de olho nos fãs do MMA divulgação

Cerca de 5 mil voluntários, 46 kenjinkais, público estimado em 180 mil visitantes e despesa que gira em torno de R$ 1,5 mi. Quando o assunto é Festival do Japão, os números são sempre exagerados. E este ano, em sua 15ª edição, não será diferente. Realizado pelo Kenren (Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil), o evento, que será realizado nos dias 13, 14 e 15 deste mês, no Centro de Exposições Imigrantes (zona Sul de São Paulo), é considerado o maior

acontecimento da cultura japonesa da América Latina. O segredo para manter um evento deste porte por 15 anos ininterruptos? “Depende de uma série de fatores”, conta o presidente da Comissão Organizadora, Nelson Maeda, que este ano aposta nas demonstrações de robôs no estande do Consulado Geral do Japão em São Paulo e na febre do momento, os combates de MMA (Mixed Martial Arts, que em português significa Artes Marciais Mistas), além das atrações “naturais”.

—————————–——————––––––––––——| Pág. 03

Paraná vai ampliar cooperação com Toyohashi O município de Toyohashi, tratado pelo prefeito da cino Japão, quer ampliar a dade, Sahara Koichi, em parceria com o Paraná na reunião na vice-governadoárea da educação, iniciada ria no último dia 29. Koichi em 2008, e estender a co- foi recebido pelo assessor operação para outras áreas, especial Paulo Schmidt, como ciência e tecnologia que representou o vice-goe turismo O assunto foi vernador Flávio Arns. ——————————––———————————|  Pág. 06

16º Sakura Matsuri espera 25 mil visitantes em São Roque

34º Tanabata Matsuri acontece neste fim de semana na Liberdade

Como acontece sempre nesta época do ano, as ruas e a Praça da Liberdade são decoradas com dezenas de enfeites de Tanabata pendurados em 100 bambus de aproximadamente 13 metros de altura, com três enfeites de papéis coloridos com longas caudas em cada bambu. Estarão à disposição do público os “tanzakus” – papeletas para escreverem os seus pedidos e pendurarem nos ramos dos bambus chamaO Centro Esportivo Koku- jeiras Bunkyos. O evento, dos “sassadake”. É a hoshikan Daigaku, no muni- que faz parte do calendário menagem do Bairro Oriencípio de São Roque (SP), turístico do município de tal ao lendário sentimento recebe neste fim de semana São Roque, espera duplicar de amor e carinho entre (7 e 8), o 16º Sakura Ma- o número de visitantes em a princesa Orihime e seu tsuri – Festival das Cere- 2012. amado, Kengyu. ——————————––———————————|  Pág. 05 ————————| Pág. 04 divulgação

Assine o Jornal Nippak. Ligue para (11) 3208-3977. Acesse: www.nippak.com.br


JORNAL NIPPAK

2

AGENDA CULTURAL CONCERTO ORQUESTRA DO FESTIVAL DE CAMPOS DO JORDÃO Onde: Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes 16, Estação Luz) Dia 08/07/2012 Horário: 11h Ingressos: R$10,00 Vendas Ingresso Rápido: T 4003.1212 ou www.ingressorapido.com.br Informações: 11/3815-6377 ou 11/3223-3966 ESPETÁCULO QUYREY, UMA AVENTURA NA SELVA O espetáculo traz luzes e cores vibrantes, onde todos os seres são encantados, a grande estrela é o corpo humano. O elenco de artistas circenses realizam feitos incríveis desafiando a gravidade com números de força e graça, surpreendendo o público com os sapos no mastro chinês, um Louva-a-Deus malabarista, o duo aéreo da libélula e o lagarto, pássaros trapezistas e os palhaços caçadores atrapalhados. Onde: Circo dos Sonhos (Av. Nicolas Bôer 120, ao lado do Viaduto Pompéia) Dias 07, 08, 09, 14, 15, 21, 22, 28 e 29/07/2012 Horário: sábados, domingos e feriados 15h, 17h e 19h30. Ingresso: R$40,00 a R$300,00 Informações: 11/2076-0087 ou 2076-0001 www.circodossonhos.com CINEMA CINEMA BUNKYO Todas as quartas-feiras, a Comissão de Biblioteca e Filmes do Bunkyo apresenta uma sessão de filmes japoneses. Os filmes são exibidos em idioma japonês, sem legenda. Além disso, uma vez ao mês, realizam o “Free Market” (Frima), uma feira de produtos diversos, com artesanato, obentô (alimentos), brinquedos, livros e outros. Onde: Grande Auditório do Bunkyo (Rua São Joaquim 381, Liberdade) Dia 11/07/2012 Horário: Frima das 10h às 15h no Hall do Grande Auditório e a Sessão de Cinema às 13h Ingresso: Sócios entrada franca e não-sócios pagam R$5,00 Informações: 11/3208-1755 EVENTO 34º FESTIVAL DAS ESTRELAS – TANABATA MATSURI Onde: Praça da Liberdade Dias 07 e 08/07/2012 AOBA-MATSURI Feira de verduras frescas e comidas típicas. Onde: Miyagui Kenjin Kai (Rua Fagundes 152, Liberdade) Dia 07/07/2012

Horário: 7h às 16h (almoço das 11h às 15h) Informações: 11/3209-3265 4º BAILE BENEFICENTE DAS ASSOCIAÇÕES DA GRANDE SÃO PAULO - “Em prol do Enkyo e Creche Girassol” Animação: Issamu Music Show Onde: ACREC (Rua Nunes Balboa 299, Vila Carrão) Dia 07/07/2012 Horário: das 18h às 23h Ingresso: Antecipado R$20,00 e na Portaria R$25,00 Informações: Edson Abe – Tel: 11/6488-6824 e Atilio – Tel: 11/2781-7579 FESTA JULINA BUNKA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO Onde: União Cultural Nipo-Bras. de S. B. C. (Rua Bragança 15, V. Gonçalves, S B do Campo) Dia 07/07/2012 Horário: a partir das 17h Informações: 11/4125-6015 KARAOKÊ DANCE TOKUSHIMA Onde: Tokushima Kaikan (R Antonio Maria Laerte 275, Metro Tucuruvi) Dia 07/07/2012 Horário: 9h às 17h Informações: 11/4748-5896 Sra Inaba KARAOKÊ-DANCE NIKKEY CULTURAL – XIV FESTA JULINA Durante todo o dia e à noite com dança típicas, Karaoke-Dance e à noite baile com musica ao vivo com Issamu Music Show. A Nikkey Cultural há 14 anos proporciona ambiente familiar, som profissional, diversos cursos e músicas variadas como cha cha cha, rumba, valsas japonesas, forró, country, tango, samba e outros ritmos. Inicio do Karaoke-Dance as 7h30 e baile das 18h às 22h. Onde: Nikkey Cultural (Praça Almeida Jr. 86 A, Liberdade) Dia 08/07/2012 Horário: 8h às 18h (incluso: café da manhã, missoshiru, almoço às 12h30, refrigerantes, àgua, chá e café.). Ingresso: R$22,00 Informações: 11 / 3774-7456 / 3774-7457 / 3774-7443 www.nikkeycultural.com.br KYOGEN - Teatro Tradicional Cômico do Japão Dias 11 e 15/07/2012 Classificação: Livre 11 de julho de 2012 (quarta-feira) Horário: 20h Peças: “Kaminari” (Deus do Trovão) e “Neongyoku” (Can­ tando deitado) Ingresso: Entrada Gratuita Obs: Os ingressos poderão ser retirados a partir de 06/07/2012 (sexta-feira) na bilheteria do Teatro Gazeta, de terça a domingo, entre 14h e 20h, com limite de até 2 ingressos por pes-

EDITORA JORNALÍSTICA UNIÃO NIKKEI LTDA. CNPJ 02.403.960/0001-28

Rua da Glória, 332 - Liberdade CEP 01510-000 - São Paulo - SP Tel. (11) 3208-3977 Fax (11) 3208-5521 Publicidade: Tel. (11) 3208-3977 Fax (11) 3341-6476 comercial@nippak.com.br cristiane@nippak.com.br

São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012

EM CARTAZ soa. Duração: 90 minutos Capacidade: 700 lugares Onde: Teatro Gazeta (Av Paulista 900, Térreo, Metrô Brigadeiro) Informações: 11/3253-4102 15 de julho de 2012 (domingo) Horário: 12h Peça: “Kaminari” (Deus do Trovão) Duração: 40 minutos  Onde: 15º Festival do Japão – Palco Principal (Centro de Exposições Imigrantes - Rod. Imigrantes km 1,5 – São Paulo Ônibus gratuito no metrô Jabaquara) Informações: 11/3277-6108 / 8569 (Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil – KENREN) Ingresso do festival: R$ 10,00 nos postos de venda e no site. Gratuito para crianças até 8 anos e idosos acima de 65 anos. 15º FESTIVAL DO JAPÃO Sustentabilidade e o Futuro da Humanidade Onde: Centro de Exposições Imigrantes (Rodovia dos Imigrantes, Km 1,5, São Paulo) Dias 13, 14 e 15/07/2012 Horário: dia 13/07 das 12h às 21h; dia 14/07 das 10h às 21h e 15/07 das 10h às 18h. Informações: 11/3277-6108, 11/3277-8569 www.festivaldojapao.com Ônibus gratuito no metrô Jabaquara, das 8h às 22h Ingressos: R$8,00 (antecipados) e R$10,00 (no dia). Já estão à venda os ingressos antecipados do 15º Festival do Japão. E a entrada é gratuita para crianças até 08 anos e idosos acima de 65 anos. IV TOMO MATSURI Oficinas, Bazaristas, Danças, Cosplay, Músicas Tradicionais, Taikô, Show do Joe Hirata, Yakissoba e grande sorteio de prêmios. Onde: Rua Nestor dos Santos Lima 18, Jd Jamaica – próximo ao Extra de Taboão na Estrada do Campo Limpo altura do número 6400. Dia 11/08/2012 Horário: 12h às 22h EXCURSÃO NIKKEY CULTURAL – EXCURSÃO PARA THERMAS DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO “ Paraiso das Aguas Thermais” Ônibus super-luxo tipo LD Partida: 13/08/2012 às 23h Local: Praça Almeida Junior, 86 - Liberdade Retorno no dia 16/08/2012 logo após almoço. Reservas e informações com Emilia Iritsu 11 / 3751-9910, Meily 11 / 3774-7456 / 37747457 / 3774-7443 ou Jose Iritsu 11 / 9857-3845. Obs: Reservas mediante sinal de R$ 100,00.

JORNAL NIPPAK Diretor-Presidente: Raul Takaki Diretor Responsável: Daniel Takaki Jornalista Responsável: Takao Miyagui (MTb. 15.167) Redator Chefe: Aldo Shiguti Redação: Luci J. Yizima Colaboradores: Erika Tamura, Jorge Nagao, Kuniei Kaneko, Shigueyuki Yoshikuni, Célia Kataoka, Paulo Maeda, Cristiane Kisihara e Osmar Maeda (Zona Norte) Periodicidade: semanal Assinatura semestral: R$ 60,00 jornaldonikkey@yahoo.com.br

ESPETÁCULO A FAMILIA ADDAMS Musical com alguns efeitos especiais o espetáculo conta a his­ toria de Wandinha a filha casal que arruma um namorado de família tradicional. Elenco: Marisa Orth, Daniel Boa­ventura, Sara Sarres (alternante de Marisa Orth) Classificação: livre Duração: 150 minutos Onde: Teatro Abril (Avenida Bri­gadeiro Luís Antônio 411) Em Cartaz por tempo indeterminado Dias e horários: (Sex, Qui, Sáb e Dom) Quinta e sexta, 21h; sáb., 17h e 21h; dom., 16h e 20h. Ingressos: de R$ 70,00 a R$ 250,00 www.ticketsforfun.com.br Informações: 11/4003-5588 http://www.afamiliaaddams. EXPOSIÇÃO 6ª GRANDE EXPOSIÇÃO DE ARTE BUNKYO 2012 SELEÇÃO – Inscrição e entrega das obras De 16 a 19/07/2012 (2ª a 5ª), das 10h às 17h Taxa de inscrição: R$170,00 por artista Onde: Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Rua São Joaquim 381, Liberdade) Arte Craft: 1º andar, sala 14 / Artes Plásticas: 1º and., sala 15 Informações: 11/3208-1755, com Aurora ou bunkamatsuri@bunkyo.org.br

Resultados da seleção: dia 30/07/2012 site: www.bunkyo.org.br PRÊMIO EDP ARTES Em sua terceira edição, o Prêmio EDP nas Artes, parceria entre o Grupo EDP e o Instituto Tomie Ohtake, exibe os trabalhos dos 26 finalistas entre os 284 jovens artistas plásticos inscritos, provenientes de 15 Estados brasileiros Foram selecionados para concorrer aos três primeiros lugares e participar da exposição no Instituto Tomie Ohtake: Alan de Lima Pinto, Anna Carolina Israel da Veiga Pereira, André Tereyama Haguiuda, Andrea Atanasio Sandtfoss, Felipe Salem, Henrique César de Oliveira, Jan de Maria Nehring, Jimson Ferreira Vilela, Julia Massa Regina Armentano, PirarucuDuo (Fernando Visockis Macedo e Thiago Parizi), Renan Teles de Melo, Sandra Maria Lorenzon Távera e Selene Alge, de São Paulo; Maria Gabriela de Carvalho Ribeiro Alves, Ricardo de Almeida Reis, Tales Bedeschi Farias e Vicente Pessôa, de Belo Horizonte; Alexandre Colchete Broda, Fernanda Furtado de Mattos Ribeiro e Sofia Gerheim Caesar, do Rio de Janeiro; Gregório Soares Rodrigues de Oliveira, Miriam Araujo e Virgilio de Barros Abreu Neto, de Brasília; Erika Gonçalves Romaniuk, de Pelotas/RS; Marcus Vinicius Braga, de Campinas/SP e Rafael Pagatini, de Porto Alegre/RS Onde: Instituto Tomie Ohtake

(Rua Coropés 88, Pinheiros) 05/06 a 12/08/2012 Horário: de 3ª a domingo das 11h às 20h Ingresso: Entrada Gratuita Informações: 11/2245-1900 ou www.institutotomieohtake.org.br JASPER JOHNS – PARES TRIOS ÁLBUNS Artista precursor da arte pop, ao lado de Robert Rauschenberg (apresentado no Instituto em 2009), também de quem foi inicialmente vizinho e amigo, Jasper Johns é protagonista e testemunha viva de um período da arte do século XX que, após o expressionismo abstrato, provocou as rupturas que até hoje pautam o pensamento contemporâneo. Onde: Instituto Tomie Ohtake (Rua Coropés 88, Pinheiros) De 20/06 a 26/08/2012 Horário: de 3ª a domingo das 11h às 20h Ingresso: Entrada Gratuita Informações: 11/2245-1900 ou www.institutotomieohtake.org.br

CURSOS CURSO AULAS DE DANÇA Professores Sergio e Rosa Taira. Onde: Assoc. Shizuoka Kenjin (R. Vergueiro, 193 - Liberdade) As 2ª e 3ªfeiras Horário: 13h às 17h Informações: 11/5588-3085 e 11/7174-8676 AULAS DE DANÇA Onde: Soc. Bras. de Cult. Japonesa – Bunkyo (Rua São Joaquim, 381 - Liberdade) As 5ª feiras Horário: 17h às 19h Informações: 11/5588-3085 e 11/7174-8676 NIKKEY CULTURAL Karaokê: aulas com o prof. e

maestro Hideo Hirose (2ª, 3ª, 4ª, 6ª e sábado) e a profa. Tsuguiko Hongo (5ª). Dança Social: Prof. Murae domingo (de manhã), Prof. Hayashi (2ª das 15h às 20h), Prof. Tahira (6ª das 13h às 16h30), Profa. Luciana Mayumi - Aulas de Tango (2ª e 4ª das 20h30 às 23h), Profa. Massako Nishida (4ª das 9h às 16h), Prof. Willian (sábado à tarde), Profa. Sato Tazuko (sábado de manhã) e Profa. Yukie Miike (3ª, 5ª e domingo, diversos horários). Aulas de Violão, Guitarra e Baixo: Prof. Eder (sábado das 9h às 18h) Aulas de Japonês: (básico, intermediário e avançado) Profas. Keiko, 2ª e Isabel Kayoko, diversos horários.

Informações e divulgação de eventos com Cristiane Kisihara cris_kisihara@hotmail.com – Tel. 11/3208-3977

Obs: aulas de Português para estrangeiro com Profa. Isabel Kayoko. Aulas de Inglês: (básico, intermediário e avançado) Prof. Anderson (sábado), Profa. Priscila (diversos horários). Aulas de Informática: Prof. Vic­ tor Kawata (diversos horários) Aulas de teclado: Profa. Neide (diversos horários) Tênis de Mesa: Prof. Mario Nakao - Técnico da Butterflay (diversos horários). Onde: Nikkey Cultural (Praça Almeida Jr. 86 A, Liberdade) Informações: 11/3774-7456, 11/3774-7457 e 11/3774-4430 com Meily (das 9h às 17h e sábado das 9h às 14h)


São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012

JORNAL NIPPAK

3

comunidade 1

COLUNA DA ERIKA TAMURA

MMA, WCS, Miss Nikkey, Kyogen... É a 15ª edição do Festival do Japão divulgação

C

erca de 5 mil voluntários, 46 kenjinkais, público estimado em 180 mil visitantes e despesa que gira em torno de R$ 1,5 milhão. Quando o assunto é Festival do Japão, os números são sempre exagerados. E este ano, em sua 15ª edição, não será diferente. Realizado pelo Kenren (Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil), o evento, que será realizado nos dias 13, 14 e 15 deste mês, no Centro de Exposições Imigrantes (zona Sul de São Paulo), é considerado o maior acontecimento da cultura japonesa da América Latina. O segredo para manter um evento deste porte por 15 anos ininterruptos? “Depende de uma série de fatores”, conta o presidente da Comissão Organizadora, Nelson Maeda. Passa, segundo ele, pela conjugação de fatores como a união dos kenjinkais e voluntários e a integração entre todos os membros da diretoria e organizadores, que se dedicam “de corpo e alma”. Não fosse assim, a realização do Festival do Japão seria inviável. As dificuldades são enormes. Este ano, em particular, o evento sofreu a concorrência da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, “que acabou tirando um pouquinho os patrocinadores”. Entenda-se por “pouquinho” instituições financeiras como Santander, Itaú e Banco do Brasil. “De bancos, ficou o Bradesco, mas entrou a Mitsubishi e as grandes empresas como a Yamaha, Toyota e Honda permaneceram”, assegura Maeda, que atribui ainda as dificuldades à crise na Europa, Copa do Mundo de 2014 e aos Jogos Olímpicos de 2016. “Queira ou não, as empresas acabam puxando o freio”, explica, acrescentando que, “por outro lado, contamos com emendas parlamentares dos deputados federais Junji Abe e Keiko Ota e dos deputados estaduais Hélio Nishimoto e Jooji Hato, além dos vereadores Ushitaro Kamia, Aurélio Nomura e Victor Kobayashi”. MMA – Nada que abale a imagem do Festival. Além das atrações tradicionais como as apresentações de grupos de dança e cantores nacionais como Karen Ito, Joe Hirata e a pequena Melissa Kuniyoshi, a programação do palco principal terá ainda os convidados internacionais Tsubasa, Mariko Nakahira e o grupo Dr Soul. Sem contar o concurso Miss Nikkey, que vai eleger

O apresentador Kendi com as vencedoras de 2011: Concurso Miss Nikkey é destaque na programação

WCS é uma das atraçoes

Nelson Maeda destaca preocupação com o meio ambiente

a mais bela nikkei do Brasil, a final brasileira do WCS (World Cosplay Summit) e, como novidade, o espetáculo de Kyogen (teatro cômico e tradicional japonês), atração internacional trazida pela Fundação Japão. Nelson Maeda aposta também nas demonstrações de robôs no estande do Consulado Geral do Japão em São Paulo e na febre do momento, os combates de MMA (Mixed Martial Arts, que em português significa Artes Marciais Mistas). No Festival do Japão, a pancadaria vai ficar restrita aos jogos eletrônicos. No Pavilhão Cultural será montado um octógono com 16 tevês onde os jogadores poderão participar de um combate ao mesmo tempo. Na praça de alimentação, o carro-chefe do Festival do Japão, das 47 províncias, 46 estarão representadas. A única ausência será a de Ehime, que cancelou sua participação.

uniformizados e à paisana”, revela Maeda, antecipando que, logo na entrada do Centro de Exposições Imigrantes haverá uma sala de monitoramento, uma novidade para este ano. “Em qualquer evento com uma grande circulação de pessoas o risco de acontecer ocorrências é maior. Nossa preocupação é justamente no sentido de oferecer comodidade e segurança”, explica ele, afirmando que em 2012 o tema será “Sustentabilidade e o Futuro da Humanidade”. Desta forma, o Kenren mantém o espírito inicial que norteou a criação do Festival, ou seja, a divulgação da cultura e das tradições japonesas e o apoio às entidades assistenciais, mantendo o caráter de evento sem fins lucrativos. Maeda lembra que, em 2011, com o tema “Alimentação e Longevidade”, o Festival do Japão recebeu as certificações Carbono, Mercúrio, Cadmio e Óleo, que garantiram o correto encaminhamento do resíduo orgânico e seco gerado pelo festival em seus três dias de realização. Foi a primeira vez que um evento realizado no Brasil recebeu quatro certificações. Todo o óleo de cozinha

Meio ambiente – Segundo Maeda, a segurança também receberá uma atenção especial. “Toda a área vai estar mais bem monitorada, com vigilância reforçada. A segurança será feita por policiais

usado na preparação dos alimentos durante o evento foi transformado em biodiesel e para neutralizar a emissão de gases de efeito estufa liberados durante a realização do Festival foram plantadas 2 mil árvores. “Hoje, o mundo todo está sofrendo graves conseqüências provocadas pela interferência do homem. A preocupação não só nas empresas como em todas as partes do globo é como não prejudicar a natureza e esperamos que, desta forma, também o Festival do Japão possa estar contribuindo para uma maior conscientização do nosso papel no planeta”, afirma Maeda. 15º Festival do Japão Quando: Dias 13, 14 e 15 de julho. Sexta, das 12 às 21 horas; sábado, das 10 às 21 hora e domingo, das 10 às 18 horas Onde: Centro de Exposições Imigrantes 15º Festival do Japão (Rodovia dos Imigrantes, km 1,5, São Paulo) Ônibus gratuito no metrô Jabaquara, das 8 às 22 horas Ingressos – R$ 8 (antecipados) e R$ 10 (no dia). Entrada gratuita para crianças até 8 anos e idosos acima de 65 anos Site: www.festivaldojapao.com

Ser corintiana no Japão Essa semana não tem como eu fugir de um tema pertinente, que pode até estar saturado, mas vou tentar falar de uma maneira diferente, em como é ser corintiano. Ser corintiano, envolve muitas sensações, desde a adoração à repulsa, de formas extremas. Pois o Corinthians é isso! Ou as pessoas amam ou odeiam! Não existe meio termo, não existe mais ou menos, nem sentimento indiferente. Quando digo que sou corintiana, percebo dois tipos de reações como resposta, ou elas ficam felizes e me cumprimentam ou falam muito mal do Corinthians e demonstram decepção. Acho isso muito interessante, aliás acho incrível mesmo! Afinal, tudo nessa vida tem que ser perturbador, não há espaço para meio termo, nem meio sentimentos, ou você é ou não é! E o Corinthians consegue despertar isso, apesar de ser muito fanática pelo Corinthians, confesso que sou apreciadora do bom futebol. Gosto daquele futebol bem jogado, com lances incríveis, jogadas geniais! E isso faz com que eu admire jogadores de outros times sim, mas isso não me faz menos corintiana, isso me faz uma pessoa melhor! Com a mente muito mais politizada e humana. Não entendo esse fanatismo do futebol que chega ao nível de pancadarias, violência e morte! Acredito na convivência pacífica entre todos os torcedores, claro que sempre vai ter uma tirada de sarro aqui, uma provocação dali, mas tudo no limite saudável de uma disputa. Falo isso com conhecimento de causa, pois venho de uma família democrática, de pai são-paulino e mãe palmeirense, e somos todos fanáticos, a convivência é tranquila, e como isso é possível? Simples, entre nós, há respeito! E acho que essa deveria ser a palavra de ordem dentro dos estádios, sem a necessidade de um policiamento, sei que é utópico demais, mas na minha opinião é o ideal. Estamos à véspera da decisão da Libertadores, e preciso dizer que há dias não durmo, só pensando nesse jogo, ansiosíssima! E faz umas 3 semanas tenho falado na rádio Bandeirantes de Araçatuba, dando o meu depoimento de corintiana no Japão! Graças ao Marco Serelepe, que abriu-me essa oportunidade dentro do seu programa diário

na rádio. É uma experiência nova e que estou me adaptando ainda, mas com muita vontade de mostrar ao povo do Brasil, como é um pouco da vida dos brasileiros que vivem aqui no Japão. E por conta desse horário na rádio, entrei em contato com a Gaviões da Fiel no Japão, para saber mais sobre a torcida aqui, e falar deles na rádio. Para a minha surpresa, fui muito bem recebida pela família corintiana, e hoje posso dizer que me sinto parte integrante dessa torcida envolvente. A maior parte dos integrantes, trabalham em fábrica, com longa carga horária, e mesmo assim priorizam o Corinthians! Nesses dias de jogos pela Libertadores o grupo tem se reunido em um restaurante brasileiro na província de Aichi na cidade de Toyokawa, e confesso que o clima é de arrepiar qualquer corintiano. As bandeiras colocadas em todos os lugares, a tv ligada, a bateria tocando e todos gritando sem parar. Alguém tem alguma dúvida do amor de torcedor? Sou suspeita para falar, pois o Corinthians é minha vida, desde criança quando brincava sempre colocava nos bonecos o nome de Sócrates, um ídolo para mim. E muitas pessoas me perguntam o motivo de eu torcer pelo timão, e eu respondo: Você sabe o significado das palavras lutar, batalhar, enfrentar, orgulho, respeito com a torcida, garra, força, humildade?? Isso se traduz no Corinthians... Sei que muitos não concordam, respeito isso, mas também peço que respeite esse meu amor corintiano, respeitem a minha forma de torcer por esse time, e que mesmo morando do outro lado do mundo nunca deixei de ser corintiana! E independente de ser campeão ou não, nunca vou deixar de torcer por esse time, pois títulos é consequência de um trabalho, mas a consequência de um amor de torcedor é ver seu time em campo, não importa o campeonato, não importa o resultado, a vontade em ver o time jogar é tanta que só dele estar em campo já basta para aflorar o sentimento corintiano! *Erika Tamura nasceu em Araçatuba (SP) e há 14 anos reside no Japão, onde trabalha com desenvolvimento de criação. E-mail: erikasumida@hotmail.com

COMUNIDADE 2

Estado libera recursos para 16º Sakura Matsuri e 25º Kyodo Matsuri divulgação

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura, assinou, no último dia 2, a liberação de emendas parlamentares para a realização de dois importantes eventos nikkeis marcados para este mês. As festas são o 16º Festival das Cerejeiras Bunkyos – Sakura Matsuri e o 25º Kyodo Matsuri, da AOKB e CCOB. Os recursos são provenientes de emendas indicadas, em conjunto, pelos deputados estaduais Hélio Nishimoto (PSDB) e Jooji Hato (PMDB), e pelo deputado federal Walter Ihoshi (PSD). Na assinatura de liberação dos recursos, o deputado Ni-

Emendas foram indicadas por Hato, Nishimoto e Ihoshi

shimoto foi representado pelo assessor chefe de gabinete, Hamilton Freitas, enquanto o deputado Ihoshi foi representado pelo assessor

chefe de gabinete, Marcelo Hideshima. Para o deputado Hélio Nishimoto, eventos como estes expressam grande importân-

cia para a comunidade nipo-brasileira. “Estas festas propagam a rica cultura japonesa”, afirmou. O deputado Jooji Hato destacou a relevância da parceria entre os deputados. “Este trabalho em conjunto possibilita a conquista de mais recursos para as entidades nikkeis”, disse ele. O outro integrante da parceria, deputado federal Walter Ihoshi, também se disse satisfeito com a liberação dos recursos para a realização dos dois eventos nikkeis. “As entidades que promovem estes eventos merecem nosso apoio irrestrito”, ressaltou. “Além de apreciar a florada das cerejeiras, quere-

mos oferecer aos nossos visitantes outras atrações, proporcionando um final de semana muito agradável, cheio de novidades”, ressalta o presidente do Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), Kihatiro Kita. 25º Kyodo Matsuri – A Associação Okinawa Kenjin do Brasil – AOKB –, e o Centro Cultural Okinawa do Brasil – CCOB –, realizarão o 25º Kyodo Matsuri, no dia 29 de julho, no Centro Cultural Okinawa do Brasil, em Diadema (SP). Na parte da manhã, o evento terá a apresentação dos taikôs. Haverá também,

a apresentação do grupo de sanshin. O Kyodo Matsuri tem como objetivo transmitir e manter vivas importantes tradições da terra natal Okinawa às novas gerações de netos e bisnetos. À tarde, a festa terá o tradicional Concurso Miss Ryuso, no qual será escolhida a mais bela nikkei com o tradicional Bingata de Okinawa. Este ano, terá a participação de até 30 candidatas. No espaço alimentação haverá barracas de Okinawa sobá, hijá (sopa de cabrito), ashitebiti, Iriti, satá andagui, nantu, moti, manju, yakissoba, cachorro quente, pastel, entre outras opções de comidas.


JORNAL NIPPAK

4

São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012

BAIRRO ORIENTAL

34º Tanabata Matsuri espera mais de 130 mil visitantes arquivo/aldo shiguti

C

omo acontece sempre nesta época do ano, as ruas e a Praça da Liberdade, em São Paulo, são decoradas comdezenas de enfeites de Tanabata pendurados em 100 bambus de aproximadamente 13 metros de altura, com três enfeites de papéis coloridos com longas caudas em cada bambu. Estarão à disposição do público os “tanzakus” – papeletas para escreverem os seus pedidos e pendurarem nos ramos dos bambus chamados “sassadake”. É a homenagem do Bairro Oriental ao sentimento de amor e carinho entre a princesa Orihime e seu amado, Kengyu. A lenda japonesa mais uma vez servirá de mote para a 34ª edição do São Paulo Sendai Tanabata Matsuri – Festival das Estrelas, que acontece neste fim de semana (7 e 8), no Bairro da Liberdade. O evento, uma realização da Associação Cultural e Assistencial da Liberdade (Acal) em conjunto com a Associação Miyagui Kenjinkai do Brasil, espera receber um público estimado em cerca de 130 mil visitantes nos dois dias de programação.

Foi editada em 4 de abril de 2012, a Lei 12.607/2012, de autoria do Senador Marcello Crivella, que altera dispositivo do Código Civil, dando nova redação ao § 1° do seu art. 1331:

Diversas atrações fazem parte da programação durante os dois dias de programação do Festival

De acordo com os organizadores, o objetivo é divulgar a cultura oriental e levar entretenimento e lazer gratuitos à população de São Paulo. A programação de palco terá apresentação de danças folclóricas orientais com participação de mais de mil

dançarinas voluntárias de várias associações, apresentação do grupo de taikô Requios Gueino Doukoukai – que está comemorando 10 anos de fundação –, shows musicais, karaokê e atrações dos jovens, além de oficinas de origami kirigami shodô,

PROGRAMAÇÃO 07 DE JULHO (SÁBADO) 14H: Abertura Oficial (Viaduto Cidade de Osaka – próximo ao torii) 14H15: Cerimônia Xintoísta (Templo Xintoísta Nambei Jingu/Mestre Superior Kazuo Osaka) 14H45: Taiko (Tangue Setsuko Taiko kai) 15H03: Yosakoi Soran (Mimbu & Shinsei / Acal) 15H09: Discursos das Autoridades 15H39: Nanchu Soran (Mimbu & Shinsei / Acal) 15H48: Shiawase Ondo e Yagura Ondo (Hanayagui Kinryu Kai) 15H59: Tanabata Ondo e Hanabi Ondo (Acal/Shinsei) 16H10: Taiko (Requios Gueinu Doukoukai) 16H31: Yosakoi Soran

(Ishin Yosakoi Soran Group) 16H21: Kawati Otokobushi e Matsuri Dance (Grupo Shinsei/Acal) 16H30: Shows variados (Rádio e TV Nikkey/Paulo Miyagui e Mieko Senaha) 19H: Encerramento 08 DE JULHO (DOMINGO) 11H: Música (Banda Nowhall) 12H: Dança (Vaooos Sambar) 12H30: Aikawa Ondo (Acal) 12H40: Ozashiki Odori (Acal) 13H: Taikô (Junia Kai Interlagos) 13H15: Yosakoi soran (Junia Kai Interlagos) 13H30: Nikon Dance (Junia kai Interlagos) 14H: Suzume Odori (Shinsei/

Acal) 14H10: Nonnoko Soran (Shinsei/Acal) 14H30: Ballet Japonês Moderno (AcallCia de Dança Lilly Mutai) 14H45: Dança de Salão Zouk (Lamba Zouk) 15H15: Kenko Taiso (Acal) 15H30: Taikô (Junia Kai Interlagos) 15H45: Yosakoi Soran (Junia Kai Interlagos) 16H: Nikon Dance (Junia Kai Interlagos) 16H10: Banda Pop (Mimisong) 17H15: Música (Banda Pop Soul) 18H: Kotô (Miwatai) 18H30: Shako Hachi (Miwatai) 19H: Encerramento *Programação sujeita a alteração

sumi-ê (pintura japonesa) e concursos de enfeites, desenhos e poesias como haicai, tanka e haiku. VIP – O presidente da Acal, Hirofumi Ikesaki, lembra que, durante os dois dias, a tradicional Feira de Artesanato da Liberdade abrirá ao público normalmente. Segundo ele, este ano a Comissão Organizadora estudou uma alternativa para diminuir os gastos com o evento. “Uma das possibilidades foi substituirmos os bambus por outros mais econômicos, mas por enquanto permenace tudo como está”, disse Ikesaki, revelando que uma das novidades desta edição talvez passe despercebida do público. “O palco ganhará uma Sala Vip para receber as autoridades,”, disse Ikesaki, que convida “toda a população paulistana para prestigiar a festa”. (Aldo Shiguti) 34º Tanabata Matsuri – Festival das Estrelas Quando: Dias 7 e 8 de julho (sábado e domingo), a partir das 10 horas Onde: Praça da Liberdade Tel: 11/3208-5090

RELAÇÕES BILATERAIS

Embaixador Akira Miwa quer continuar se empenhando para fortalecer as relações entre os dois países divulgação

O embaixador do Japão no Brasil, Akira Miwa, disse que pretende continuar se empenhando na parceria tradicional entre Brasil e Japão. A afirmação foi feita no último dia 26, na Câmara dos Deputados, durante a abertura oficial da Semana Cultural do Japão. Idealizado pelo deputado federal Luiz Nishimori (PSDB-PR), presidente do Grupo Parlamentar Brasil-Japão, em homenagem aos 104 anos da imigração japonesa, a sessão solene reuniu cerca de 200 pessoas. Nishimori presidiu a sessão solene na qual os deputados Hidekazu Takayama, Keiko Ota (PSB-SP) e Junji Abe (PSD-SP) participaram da entrega de menção honrosa a nikkeis que auxiliam na promoção e divulgação da cultura japonesa no Brasil. No total, foram dez homenageados, entre eles, o embaixador Miwa, que elogiou o trabalho dos parlamentares, em especial ao deputado Luiz Nishimori pela organização da sessão e disse estar muito agradecido pela homenagem. Também foram homena-

Proibida venda e aluguel de vagas para veículos em condomínios

O embaixador Miwa enfatizou que pretende continuar se empenhando na parceria tradicional entre Brasil e Japão

geados o ministro do Supremo Tribunal de Justiça, Massami Uyeda; os diretores de empresas de comunicação Raul Takaki, presidente da Editora Jornalística União Nikkei – que edita os jornais Nikkey Shimbun (em japonês) e Jornal Nippak (em português) e Eduardo Mizumoto; e presidentes e colaboradores de associações e entidades nikkeis, como Takumi Shimada; Mitsutoshi Akimoto; Hatiro Shimomoto; Hideo Iwasaki; Toyohiro Shimura; e Yoshio Okamura. Massami Uyeda destacou

a honra de receber a homenagem, além de agradecer ao Brasil pelo acolhimento aos imigrantes japoneses e ressaltou o trabalho e dedicação “que nossos antecedentes deixaram”. Os homenageados Takumi Shimada e Akimoto Mitsutoshi também agradeceram a menção honrosa e mostraram-se muito contentes pelo reconhecimento. Exposições – Durante a semana foram realizadas exposições no Hall da Taquigrafia da Câmara dos Deputa-

dos. Foram expostos quadros da tradicional estampa ukiyo-ê e painéis sobre a reconstrução e aspectos culturais da região de Tohoku após o Grande Terremoto do Leste do Japão, além de ikebanas, os tradicionais arranjos florais japoneses. “O evento foi uma justa homenagem a algumas pessoas que fazem a diferença na nossa sociedade e, ao mesmo tempo, integram, difundem e mantêm a cultura nipo-brasileira. Os homenageados são representantes de milhares de pessoas que, com pequenos atos do dia a dia, contribuem por uma causa maior, uma causa de todos”, afirma Nishimori.

“Art. 1331. § 1º As partes suscetíveis de utilização independente, tais como apartamentos, escritórios, salas, lojas e sobrelojas, com as respec­ tivas frações ideais no solo e nas outras partes comuns, sujeitam-se a propriedade exclusiva, podendo ser alienadas e gravadas livremente por seus proprietários, exceto os abrigos para veículos, que não poderão ser alienados ou alugados a pessoas estranhas ao condomínio, salvo autorização expressa na convenção de condomínio” (grifos nossos). O objetivo principal da nova lei é oferecer mais segurança aos prédios residen­ ciais ou comerciais, e para tanto, acrescentou à redação original o texto grifado acima, proibindo a venda e aluguel de vagas para abrigo de veículos nos condomí­nios a estranhos, salvo auto­rização expressa na convenção condominial. Quanto aquelas vagas que possuem matrícula di­ versa da unidade principal no respectivo Cartório de Registro Imobiliário, não tenho a menor dúvida, de que não podem ser submetidas ao regime da novel legislação, por atentar contra o princípio constitucional de direito de propriedade. (Art. 5º, XXII da Constituição Federal). Ademais, dispõe o Código Civil à respeito: “Art. 1228. O proprietário tem a faculdade de usar, go­ zar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do poder de quem que injustamente a possua ou a detenha”. Posto isto, concluímos que a vaga de garagem, com registro próprio, independente da unidade, é autônoma e sobre ela o proprietário tem os mesmos direitos que tem sobre a unidade principal. E é, exatamente, sobre tais argumentos que os nossos tribunais têm decidido que as vagas autônomas são passíveis de penhora, independente da unidade principal. No mesmo sentido, porta-se o Fisco Estadual quando do recolhimento do ITCMD onde fica isento do pagamento do referido imposto quando há um único bem imóvel a inventariar e de valor inferior a 2.500 UFESPs. Não reconhece a isenção, mesmo que o valor da unidade principal mais o da vaga de veículo seja inferior a 2.500 UFESPs, entendendo que havendo matrícula diversa, a vaga de garagem constitui um imóvel autônomo e a unidade principal outro imóvel, desmerecendo dessa forma, o benefício da isenção. Enfim, para onerar o imóvel a vaga de veículo é considerada independente, mas, para o proprietário fazer uso dela há restrições. São dois pesos e duas medidas! Para nós, a restrição só é possível quando da aquisição pelo novo proprietário da unidade condominial cuja convenção seja expressa nesse sentido. Os condomínios comercias com garagem independente e os edifícios garagens ficam fora da aplicação da lei em comento, excetuando-se, porem, os prédios onde

o registro imobiliário da sala, andar, loja, entre outros, incluir a vaga e há na convenção expressa proibição. Como se vê, e isto está na própria lei, existe a possibilidade de tudo ser resolvido pela convenção de condomínio, isto é, a alienação e a locação ficam dependendo de autorização estipulada na convenção. Ora, se há essa possibilidade não há necessidade de edição de nova lei. Existem mecanismos próprios na própria lei de regência. O Estado, na edição de leis deve observar direitos do cidadão, mormente a liberdade de contratar. Se há convenção entre os condôminos proibindo ou não a alienação ou locação da vaga, é essa disposição que deverá prevalecer. Se os condomínios quiserem modificá-la, podem fazê-lo mediante a vontade expressa de dois terços dos condôminos. A nova lei vem beneficiar aqueles condomínios em que a convenção nada dispõe e, por motivos vários, não conseguem se organizar para obtenção da aprovação dos 2/3 dos condôminos. Nesses casos, no meu entender, fica valendo o que está na convenção. Se não há autorização expressa a proibição é válida. Se há autorização e se quer modificá-la que o façam mediante a concordância dos 2/3 dos condôminos. A convenção condominial faz lei entre as partes e não pode lei casuística ignorá-la sob pena de gerar insegurança nos contratos privados. Por derradeiro, as vendas já efetuadas são válidas e a locação em curso deve permanecer até final contrato, pois, a nova lei há que respeitar o ato jurídico perfeito. Finalmente, e esse fato é o mais grave, é o que diz respeito a segurança do condomínio. É certo que muitas pessoas circulando pelo condomínio podem gerar insegurança, mas, terceiros que adquirem ou locam vaga podem ser facilmente identificados na portaria como qualquer morador do condomínio. A administração do condomínio pode manter um cadastro dessas pessoas com todos os dados possíveis e, em se tratando de locação responsabilizar o condômino pelos dados pessoais de seu locatário. O número de arrastões, de furtos e outros delitos ocasionados pelos proprietários ou locadores de vaga é mínimo em comparação com os relacionados com empregados e prestadores de serviços do condomínio. O problema da segurança vai depender muito mais de cuidados da administração e dos próprios condôminos na contratação de seus funcionários e prestadores de serviços. Sem falar que a segurança diminui à medida que aumenta a impunidade dos criminosos. A omissão do Estado, neste particular, é revoltante. Ficamos à mercê da bandidagem. A solução do problema da segurança, inclusive dos condomínios, depende mais da atuação do Estado no combate à criminalidade do que na intervenção nas relações de direito privado. O Estado tem o dever de assegurar a segurança dos cidadãos e não estabelecer medidas esdrúxulas que não levam a qualquer solução pratica a não ser abarrotar, ainda mais, as prateleiras de nossos tribunais.

Felicia Ayako Harada Advogada em São Paulo Integrante do Harada Advogados Associados felicia@haradaadvogados.com.br


JORNAL NIPPAK

5

São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012

CIDADES/SÃO ROQUE

VALE DO RIBEIRA

16º Sakura Matsuri espera duplicar número de visitantes

Parceiros – “Nesta edição, serão montadas tendas para abrigar estandes institucionais, como o da Prefeitura de São Roque, que este ano passa a ser nossa parceira, e uma área para a exposição de produtos de eventuais patrocinadores do futuro Centro de Cultura Nipo-Brasileira Kokushikan”,

Nakayama (esquerda) posa ao lado de Endo no interior da nova sede do Bunkyo de Sete Barras

16º Sakura Matsuri espera receber um público de mais de 25 mil visitantes no sábado e domingo

Crianças também terão um espaço exclusivo no Kokushikan

explica o secretário. Com isso, que sai ganhando é o público, que terá mais espaço e atrações para usufruir. A área de alimentação, por exemplo, terá o “reforço” de uma segunda praça. Além dos pratos preparados pelos Departamentos das entidades nipo-brasileiras locais (Vargem Grande, Mairinque, Ibiúna, Mallet Golf, Cotia Seinen, Kendô Kokushikan, Adesc Vargem Grande e Caucaia), será dedicado um espaço para a Prefeitura de São Roque e restaurantes da região. “A ideia é integrar as várias culturas”, diz Nakashima, lembrando que os bazaristas também tiveram suas instalações ampliadas bem como um espaço para os produtos agrícolas da região, incluindo venda de mudas de cerejeira, de verduras e flores. Já a parte interna do ginásio abrigará diversas exposições, oficinas e workshops como ikebana, origami e soroban, entre outras atividades. “As crianças também terão um espaço

exclusivo”, explica. Novidades – Quem preferir, pode participar do Shaseikai, que acontecerá apenas no domingo. Trata-se de um evento em que os interessados, pintores ou não, sob as orientações de um artista plástico, saem para pintar a natureza. No final do dia é organizada uma reunião para avaliar e conversar sobre as atividades realizadas. O Shaseikai será coordenado pela Comissão de Artes Plásticas do Bunkyo, com a orientação do artista plástico Kenichi Kaneko. É necessário levar material de pintura. Este ano, outra novidade é o Concurso Amador de Fotografia, aberto a todos os interessados, que deverão se inscrever no local. Para participar, basta estar presente. Para efeito do regulamento, conta Nakashima, só serão aceitas fotos tiradas no local e que tenham o sakurá como inspiração que, apesar de todas as atrações, con-

tinua sendo a “essência da festa”. “O local conta com cerca de 600 pés de cerejeiras espalhados pelo local”, diz Nakashima, destacando que na cerimônia de abertura será descerrada uma placa marcando início das obras. “A repercussão que teremos no Sakura Matsuri será muito importante para que possamos dar continuidade ao projeto”, avisa Nakashima, acrescentando que o público ainda terá à sua disposição dois trenzinhos que estarão rodando o espaço da Festa em curtos intervalos. Haverá ainda ônibus com destino ao Centro Esportivo Kokushikan Daigaku partindo do Bunkyo. As reservas devem ser feitas com antecedência (veja serviço) (Aldo Shiguti) 16º Sakura Matsuri Festival das Cerejeiras Bunkyos Data/Hora: dias 7 e 8 de julho, das 10h às 17h Local: Centro Esportivo Kokushikan Daigaku Rodovia Bunjiro Nakao (SP 250), Km 48 – Estrada para Ibiúna – Bairro do Carmo – São Roque – SP Contribuição: R$ 15,00 por veículo (concorra ao sorteio de uma TV) Ônibus partindo da Liberdade: vendas antecipadas de passagens na Secretaria do Bunkyo (Rua São Joaquim, 381 – Liberdade – São Paulo – SP) Contribuição ônibus: R$ 25,00 (ida e volta no mesmo ônibus) Informações: (11) 3208-1755 / www.bunkyo.org.br

CIDADES/RIBEIRÃO PRETO

Festival Tanabata traz novidades em sua 19ª edição divulgação

De 6 a 8 de julho (de sexta a domingo), a comunidade nikkei de Ribeirão Preto (SP) realizará um dos mais tradicionais eventos da cultura japonesa, o Festival Tanabata, que está na sua 19ª edição e busca promover a integração entre a comunidade japonesa local e a população de Ribeirão Preto e região. Este ano o festival tem novidades na programação e um palco voltado para o público jovem com o espaço Senen Kai que significa espaço jovem. Este ano o festival acontecerá no morro do São Bento, Teatro Municipal e na Praça Alto do São Bento, local onde será montado um palco voltado para os jovens. “Percebemos a necessidade de adequação depois de conhecermos outras festas com o mesmo formato e, com isso, vamos trazer para Ribeirão Preto o formato Japan Pop”, explica Teruo Abe, presidente da Comissão Organi-

arquivo pessoal

divulgação

O

Centro Esportivo Kokushikan Daigaku, no município de São Roque (SP), recebe neste fim de semana (7 e 8), o 16º Sakura Matsuri – Festival das Cerejeiras Bunkyos. Coordenado pelo Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social) com participação da Associação Cultural e Esportiva de Vargem Grande Paulista, Associação Cultural de Mairinque, Centro Cultural de Ibiúna e Associação Mallet Golf Kokushikan, o evento é uma realização do Instituto Brasil-Japão de Integração Cultural e Social em parceria com a Prefeitura da Estância Turística de São Roque. O Festival, que faz parte do calendário turístico do município de São Roque, espera duplicar o número de visitantes em 2012. “A expectativa é receber um público estimado em cerca de 25 mil visitantes nos dois dias de programação”, conta o secretário administrativo do Bunkyo, Eduardo Goo Nakashima. Para isso, os organizadores “capricharam” nas atrações. A começar pela portaria, que foi ampliada. As vias que dão acesso ao ginásio também foram alargadas e o próprio estacionamento teve sua capacidade aumentada de 1500 para 3000 veículos. Também foram realizadas obras de terraplanagem com o objetivo de dar maior visibilidade à construção do ginásio. As obras fazem parte da pré-implantação do projeto de construção do Centro de Cultura Nipo-Brasileira Kokushikan, uma das prioridades da atual administração do Bunkyo. “Casou a necessidade que o Sakura Matsuri tinha de crescer com a implantação do projeto. São obras que servirão tanto para o Festival como para o futuro”, explica Nakashima, acrescentando que a busca de patrocinadores para o projeto também será sentida no evento.

Tetsuya Nakayama visita Sete Barras após 77 anos

culinária japonesa, mangá, pipamodelismo, origami, bonsai, gastronomia, concurso de cosplay, artes marciais, torneio de card games, taiko, dança japonesa e muito mais. O evento é aberto ao público, com entrada gratuita e a abertura no dia 6, sexta-feira, será às 19h. No sábado e no domingo, o Festival acontece das 11 às 23h.

Este ano, Festival traz programacao para o publico jovem

zadora do Tanabata. “Nós, realizadores do Festival, não poderíamos ignorar essa importante cultura Pop japonesa, que cada dia se fortalece, é praticada e seguida no mundo todo e que agora vem só somar e enriquecer ainda mais o Tanabata de Ribeirão Preto”, completa Teruo. O evento reúne mais de 30 atrações durante os 3 dias

de festa. Sempre prestigiado por um grande número de pessoas. No ano passado cerca de 60 mil visitantes vivenciaram a cultura japonesa através da culinária, artesanatos, danças, músicas, artes marciais, exposições e exibição de documentários e filmes japoneses. Além do espaço jovem, o 19º Festival Tanabata terá oficinas de furoshiki, kirigami,

Culinária – Destaque também para a culinária japonesa. A praça de alimentação terá 20 barracas com diversas opções. Entidades como a Associação Cultural Japonesa e a Associação Nipo-Brasileira, ambas de Ribeirão Preto, preparam todo ano os pratos mais tradicionais e conhecidos entre os brasileiros: yakisoba e o sukiyaki. Mais informações podem ser encontradas no Portal Oficial da Prefeitura de Ribeirão Preto: www.ribeiraopreto.sp.gov.br

No dia 14 de junho, Tetsuya Nakayama, 88 anos, monge que mora em Lucélia, 120 km de Marília, visitou Sete Barras após 77 anos. Ele veio ao Brasil com a família em 1931, quando tinha apenas 6 anos para o Bairro Rio Quilombo de Sete Barras. Após viver 5 anos neste local a família Nakayama mudouse para Londrina e depois para Lucélia. Atualmente, ele trabalha nos Templos Budista Nishi Honganji de Lucélia e Pacaembu. No Bairro Rio Quilombo viviam mais de 200 famílias japonesas no auge, década de 1940. Naquela época tinham escolas, fábricas de chá, telefones, luz e eram realizados até campeonato de sumo, corrida de cavalos. Atualmente, neste bairro não mora nenhuma família japonesa. Nakayama leu no Jornal Nikkey Shimbun a not��cia sobre a construção da nova sede do Bunkyo de Sete Barras em

comemoração ao Centenário da Colonização de Iguape, Registro e Sete Barras e resolveu visitar a terra onde viveu na sua infância. Ao ver o trabalho quase terminado, parabenizou as pessoas que estão se dedicando a esta construção. Estava imaginando que ainda estivesse levantando as paredes, fiquei admirado, pois o prédio está na fase de acabamento”, disse. No mês de março deste ano, Toshio Yamao, presidente da UPK (União Paulista de Karaokê), visitou Sete Barras, onde seu avô, Minoru Takagaki, trabalhou na instalação de telefones na época do KKKK. Toraju Endo, presidente do Bunkyo de Sete Barras, que trabalha incansavelmente para a construção da sede do Bunkyo, ficou contente e agradecido com a presença dessas pessoas, que também contribuíram para esta construção na ocasião da visita. (Kuniei Kaneko)

COMUNIDADE

Coopercotia promove Noite de Julho neste sábado ARQUIVO/Aldo Shiguti

O Ryukyu Koku Matsuri Daiko é uma das atrações no Coopercotia

O Coopercotia Atlético Clube promove neste sábado (7), das 17 às 23 horas, em sua sede, a tradicional festa Noite de Julho, que este ano chega a sua 34ª edição. Como já é de praxe, a praça de alimentação é o grande destaque, com uma grande quantidade de barracas, que servem desde os clássicos da festa junina como canjica, tapioca, quentão, vinho quente, pamonha e milho verde, até os pratos típicos da culinária japonesa: udon, guioza, oniguiri, sushi, sashimi, oshirukô, yakissoba, takoyaki e outros. Portanto, variedade é o que não falta nesse grande evento, considerado o maior da coletividade nipo-brasileira. Para alegrar as crianças de todas as idades, o clube dispõe de saudosos brinquedos, como pescaria, argola, tomba-lata, canaleta, dardo, etc. Na programação, shows alunos do Colégio Kosmos de Cotia, Carlos Miyamoto, Elaine Hara, Ricardo Nakase, Kiko e Giully, Freedom Style e Phoenix, Yuzo Akahori, e Banda Shukari, Ryukyu

Koku Matsuri Daiko (Taikô Okinawa), Karatê Kentouryukai, Grupo Sailor Star, Nayra e Maike, Grupo de Taikô Tamashii. No final da Noite, haverá a tradicional e espetacular queima de fogos de artifício. Os convites poderão ser adquiridos antecipadamente a R$ 18,00 ou a R$ 23,00 no dia, na portaria do clube. Os portadores do convite participarão de um sorteio com valiosos prêmios como 1º Prêmio: Tablet Apple ipad 2; 2º Prêmio: TV LCD 22”; 3º Prêmio: Câmera digital Sony; 4º Prêmio: Navegador GPS; 5º Prêmio: Forno de microondas 22l. 34ª Noite de Julho Coopercotia Atlético Clube Rodovia Raposo Tavares, km 19, Parque Ipê, entrada pela Rua Valentim Nicolai, s/nº. Estacionamento grátis no campo

de beisebol 2. Tel. 11-3782-1227 e-mail: coopercotia@clubecoopercotia.com.br site: www.clubecoopercotia. com.br


JORNAL NIPPAK

6

São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012

perfil ­­

Yoshiko Misawa é uma das pioneiras na Medicina da USP

Explicando o EX EXtimada EXmeralda,

luci judice yizima

E

m tempos que a mulher era concebida para prendas doméstica, casar e constituir uma família, a japonesa Yoshiko Asanuma Misawa, deu um salto à frente do seu tempo, e projetou primeiro a sua carreira profissional. Nascida na cidade de Numazu, cidade da província de Shizuoka – Japão, chegou ao Brasil em 1927, aos cinco anos de idade foi morar em Araçatuba na Fazenda 47 (não soube informar o nome completo da fazenda). Uma mulher de poucas palavras e muita ação, a doutora Yoshiko superou muitos obstáculos, com sabedoria oriental se formou na Escola Normal quando ainda morava em Araçatuba. Veio para a capital paulista para realizar o sonho de ser médica, prestou vestibular e formou-se na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), sendo uma das nikkeis pioneiras em medicina da universidade. Casou-se e tiveram dois filhos, um é medico e o outro engenheiro. Também escreveu e lançou o livro “Histórias de uma vida”. A doutora Yoshiko relata sobre sua educação e a sua estada na capital foi de muito sacrifício, procurou emprego até como doméstica. “É característico da cultura japonesa e a exigência extrema na educação dos filhos. Com meus os pais não foi diferente, tinha que estudar muito enquanto meus colegas brasileiros brincavam. Por isso sou uma pessoa disciplinada e metódica”, explica. “Meu pai e minha mãe vieram para o Bra-

Yoshiko Asanuma Misawa, aos 90 anos, cumpre uma rotina dinâmica de dar inveja a muitos jovens

sil com nove filhos, a convite do meu tio que já estava em uma Fazenda 47, em Araçatuba. Quando vim para a capital estudar medicina minha mãe apoiou, meu pai ficou preocupado, pois era uma época muito crítica para os estrangeiros, principalmente para os japoneses com a situação Shindo Renmei”, comenta. “Quando cheguei a capital paulista não havia emprego para estrangeiro, então fui para a Avenida Paulista, lá havia uma vaga de empregada doméstica, a senhora que me entrevistou disse que não poderia me empregar, pois era uma moça de fino trato”, recorda. “No início da minha carreira profissional, lembro-me de situações constrangedoras, a mais crítica foi a de um casal, onde o marido

queria que eu fizesse aborto na esposa e apontou uma arma. O desespero do cidadão era tanto, tive muita sabedoria e presença de espírito para convencê-lo a abaixar a arma e desistir da ideia fixa do aborto”, revela. “Por ser ginecologista, muitas mulheres me consultavam, pediam conselhos e sempre falei sobre a importância da mulher profissional, almejando e batalhando como eu, para serem independentes. Como as mulheres estão abraçando a carreira profissional devem continuar no seu objetivo, conciliando com a vida familiar, a educação dos filhos, mas mantendo-se produtiva e independente, sem perder a referência já que Deus fez a mulher para ser o baluarte da família”, conclui doutora

COLUNA DO JORGE NAGAO

Yoshiko. Rotina – A aposentada, apesar de 90 anos idade cumpre e mantém uma rotina dinâmica, dentro das suas limitações, é claro. Acorda cedo, sai da Mooca onde mora e vai para a Liberdade de metrô para a Mahikari três vezes por semana. Por mais de meio século dedicou sua vida à medicina, trabalhou em grandes hospitais como Hospital das Clínicas, seu grande berço de aprendizado, Perola Byton, e teve atividades em seu consultório particular. No final da década de 1980 foi à primeira mulher a ingressar no Distrito 4420 do Rotary Club de São Paulo – Ipiranga onde participa de atividades até hoje. (Luci Júdice Yizima)

Expero, com EXta carta, EXplicar porque o seu irmão EXpedito virou o meu EX. No início, eu tratava o Expedito como Sua EXcelência porque para mim ele era, embora EXigente, EXperiente, EXpontâneo e EXpetacular. Expedito era EXpirituoso nos jantares. Pedia EXcargot, um EXcocês para ele e um EXpumante EXpecial pra nós. Às vezes comíamos EXcondidinho com EXkol e um EXteihager pra EXquentar o clima. Eu era EXtremamente feliz e sabia porque ele era um EXcudeiro, um EXposo EXtável, um cara EXbelto, EXportivo e EXpada, enfim, um EXpécime em EXtinção. Um dia, EXtranhamente, ele disse que pediram pra ele fazer hora-EXtra no EXcritório. Nas noites seguintes, ele chegava cada vez mais tarde. Achei EXquisito. Ele está dando umas EXcapadas, pensei. EXperei uma hora depois do EXpediente dele e fui ao bar em frente à sua EXpresa. E flagrei-o com uma loira. Calma! A loira era uma cerveja. E o boteco era uma EXpelunca. Visivelmente EXbriagado, revelou que fora demitido, EXcanteado pela crise. Comecei a decifrar essa EXfinge, o EXpedito, quando esse seu lado EXponja EXcancarou de vez. Em casa, o EXganado EXcedia na comida e bebia o dia todo. Levei-o aos AA mas ele só queria BB. E assim, em pouco tempo, ele virou um EXtranho rumos aos EXtertores. Eis a sucessão de EX do

seu mano. Ele foi de EXguio a EXférico; de EXtupendo a EXtúpido; de EXcorreito a Ex-correto; de EXtiloso a EXtrupício; de EXcelso aos EXcessos; de EXcol a EXcória; de EXcolado a EXculachado; de EXcanhoado a EXcamoso; de EXpantoso a EXpantalho; de EXecutivo a EXecutado; de EXpecial a EXpaçoso; de Extirpe a Extirpado, de EXequível a EX-incrível, de EXpevitado a EXpezinhado; de EXcantador a EXpancador, de EXtremamente risonho a EXterminador de sonhos. EXpedito EXtragou até a sua imagem de EXímio motorista. A prova é o EXtado de seu EXcort todo EXcalavrado e EXbagaçado. EXposta a EXsa EXpansão de EXtripulias também fui ficando uma EXposa EX: EXtressada, EXfrangalhada, EXtenuada e o EXcambau. As EXcolhas eram: EXcafeder-se ou EXpiar meus pecados com EXte EXcorpião. EXtop! EXtou fora, EXmeralda. À EXtaca Zero volto. Mas na EXtrada da EXistência, tenho agora EXperança e boas EXpectativas. EXpero que você, EX-cunhada e o EXpedito EXcapem dessa EXcrenca. EXcuse-me qualquer coisa. Fui! EXter EXtrassburgo EXteves, EX-EXpedito, EX-infeliz.

*Jorge Nagao é colunista do site Primeiro programa (www. primeiroprograma.com.br). E-mail: jlcnagao@uol.com.br

PARANÁ

INCLUSÃO DIGITAL

Estado do Paraná vai ampliar cooperação com Toyohashi nas áreas de turismo, ciência e tecnologia

Enkyo inaugura novo centro com auxílio de Nishimoto divulgação

divulgação

O município de Toyohashi, no Japão, quer ampliar a parceria com o Paraná na área da educação, iniciada em 2008, e estender a cooperação para outras áreas, como ciência e tecnologia e turismo O assunto foi tratado pelo prefeito da cidade, Sahara Koichi, em reunião na vice-governadoria no último dia 29. Koichi foi recebido pelo assessor especial Paulo Schmidt, que representou o vice-governador Flávio Arns. Toyohashi possui uma das maiores comunidades de brasileiros do Japão – os chamados dekasseguis – e tem 680 alunos brasilei-

Luiz Nishimori (D) recepcionou a comitiva japonesa na Governadoria

ros matriculados em suas escolas. Com o objetivo de apoiar o aprendizado desses estudantes, mantém inter-

câmbio com o Paraná na área educacional. “Nosso principal desafio hoje é ensinar a língua e a cultura japonesa a esses alunos e também encaminhá-los ao mercado de trabalho e ao ensino superior, visto que as famílias brasileiras têm prolongado sua estadia no Japão”, disse Koichi. Outro aspecto abordado foi o retorno de brasileiros devido à crise econômica que atingiu o Japão após o tsunami de 2011. “Muitas famílias voltaram ao Brasil com filhos que perderam sua língua pátria”, disse o secretário de educação de Toyohashi, Kato Masatoshi. Além de ampliar a parceria com o Paraná no apoio aos dekasseguis que estão em Toyohashi e às famílias que retornaram ao Brasil, com ações pedagógicas e professores capacitados, os representantes do município manifestaram interesse em ampliar a cooperação para outras áreas. “Queremos re-

afirmar nosso interesse na cooperação com o Paraná, ampliando nossas relações para as áreas de ciência e tecnologia, além de parcerias econômicas”, disse Koichi. “Estamos empenhados para que essa relação de amizade prospere, com bons resultados tanto para o Brasil como para o Japão”, disse Schmidt. Universidades – A expansão da parceria com o Paraná para o ensino superior foi destacada pela comitiva japonesa. Toyohashi possui a única universidade do mundo com laboratórios próprios para produção de circuitos impressos, a Universidade de Tecnologia de Toyohashi. “Queremos estender o intercâmbio para o ensino superior, promovendo a ida alunos das universidades paranaenses para os cursos de doutorado que a universidade oferece”, disse Koichi. A proposta foi aceita de imediato pelo governo. “Vamos envolver a secretaria de Ciência e Tecnologia nesse processo e identificar as universidades que têm interesse nessa iniciativa”, disse Schmidt. Durante o encontro, também foram discutidas parcerias na área do turismo e indústria. Participaram da reunião o diretor-presidente da Paraná Turismo, Marcos Vinícius Meyer, o deputado federal Luiz Nishimori e o presidente da Associação Brasileira de Toyohashi, Alcides Tanaka.

Nishimoto conhece novo centro de informática do Enkyo

O Enkyo (Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo) inaugurou seu novo centro de informática, na manhã de quarta-feira (27/6). Para montar o novo espaço, a entidade recebeu auxílio do deputado estadual Hélio Nishimoto (PSDB), por meio de emenda parlamentar. “Sinto-me honrado em poder auxiliar o sério trabalho realizado pela Enkyo”, ressalta Nishimoto. “Estas crianças e adolescentes que passam pela entidade terão

acesso ao mundo da informática, que passou a ser algo necessário nos dias de hoje”. O novo centro de informática está instalado no Centro de Ação Social Enkyo – Unidade Amami. Desde sua fundação, em 27 de setembro de 2003, a mais nova unidade do Enkyo oferece proteção social a crianças e adolescentes de 6 a 15 anos incompletos, em situação de risco e vulnerabilidade social, moradores da Vila Carrão e matriculados em escolas da região.

PRECISA-SE Pastelaria admite Moça ou Rapaz Nikkei para região do ABC. Falar com Eduardo:

9221-5172


JORNAL NIPPAK

São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012

7

CULTURA

HAICAI BRASILEIRO

O

Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô (16441694). O haicai caracteriza-se por descrever, de forma breve

e objetiva, aspectos da natureza (inclusive a humana) ligados à passagem das estações. Hoje, no mundo inteiro, pessoas de todas as idades e formações escrevem haicais em suas línguas, atestando a universalidade dessa forma de expressão.

TEMAS DE JULHO Camélia – Lua fria – Colheita de cana Colheita de cana – Na navalha do facão o brilho do sol Alvaro Posselt Curitiba, PR

Ainda escuto o ranger dos velhos carros de bois... Colheita de cana. Guin Ga Eden Niterói, RJ

nas escadas altas folhas de paineiras espreita a lua fria Marcos Amorim São Paulo, SP

Ao lado da vala Coberto de flores brancas... Um pé de camélia. Benedita Azevedo Magé, RJ

Esperam no jardim A presença das borboletas– Belas camélias. Hilda M. V. Lacerda Maceió, AL

Nuvem de fuligem encobre a cidadezinha – Colheita da cana Monica Martinez Granja Viana, SP

Sob a lua fria Tenho como companheiros Silêncio e vinho Carlos Viegas Brasília, DF

Guardadas em livro as pétalas da camélia – Lembrança do amigo. Iraí Verdan Magé, RJ

Essa lua fria agora bem mais distante – Ah, meus trinta anos! Neide Rocha Portugal Bandeirantes, PR

Colheita da cana – A moça de olhos tristes Afia a foice Celso Pestana Rio de Janeiro, RJ

Sob a lua fria Um cão dorme ao relento Junto ao sem-teto. Irene M. Fuke São Paulo, SP

colheita de cana – bóia-fria apavorado com a nova máquina. Silvio Gargano Jr. Batatais, SP

Quem nota a ferrugem? A camélia orna a grade para festa de gala. Danita Cotrim São Paulo, SP

No centro da mesa Envolta em celofane Camélia brilhante! Izumi Fujiki São Paulo, SP

Camélias em flor – Parecem dar boas-vindas Plantadas na entrada. Yone São Paulo, SP

Ainda se desprende O odor das camélias Do vaso vazio Elisa Campos São Paulo, SP

Do galho aos cabelos, presente de namorado – Camélia rosada. Madô Martins Santos, SP

Brilha a lua fria, Estilhaçada sobre o lago Do Ibirapuera. Zekan Fernandes São Paulo, SP

Temas de agosto (postar até 10 de julho) Dia curto – Capim-gordura – Cachecol

Envie seus haicais (no máximo três de cada tema sugerido) digitados ou em letra legível, com nome (mesmo quando preferir o uso de pseudônimo), endereço e RG. Cada pessoa pode participar com apenas uma identidade. A seleção dos trabalhos é feita pelos haicaístas Edson Kenji Iura e Francisco Handa.

Envie suas cartas para: Haicai Brasileiro A/C Jornal Nippak Rua da Glória, 332 CEP 01510-000 São Paulo-SP E-mail: jornaldonikkey@yahoo.com.br Cc. ashiguti@uol.com.br

Temas de setembro (postar até 10 de agosto) Ipê – Marimbondo – Mar de primavera

Marimbondo (tema de setembro) Ninhos de marimbondos, de cor cinzenta, são muito vistas pendurados nos beirais das casas. Sua consistência é de papel, pois são feitos de fibras misturadas com saliva, ao contrário das colmeias das abelhas, construídas

com cera. Convém esclarecer que marimbondo, palavra de origem africana, é o mesmo inseto que se chama vespa em Portugal ou wasp nos EUA. Enquanto as abelhas alimentam-se exclusivamente de néctar e mel, os marimbondos, pelo

menos em sua fase larval, são carnívoros. Por isso são úteis ao homem, pois predam insetos que são pragas da lavoura. Não obstante, são agressivos, sendo melhor guardar distância deles. A expressão “mexer em ninho de marimbondo”

Edson Kenji Iura serve para qualificar comportamentos perigosos, isto é, brincar com o perigo. Toalhas em punho, grande algazarra na sala– Pega o marimbondo! (Lourdes Fátima Basílio)

CURITIBA

Consulado do Japão em Curitiba doa “Mini enciclopédia do Japão” às bibliotecas municipais divulgação

Em visita à Secretaria Municipal de Educação (SME), no dia 13 de junho, o cônsul geral do Japão em Curitiba Noboru Yamaguchi doou 181 exemplares da “Mini enciclopédia do Japão” às bibliotecas municipais de Curitiba. Na ocasião o cônsul foi recebido pela secretária de Educação Liliane Casagrande Sabbag e pela gerente de Bibliotecas e de Faróis do Saber Margareth Fuchs. Yamaguchi destacou a relação de amizade entre o Japão e o Brasil e fez uma breve explanação sobre a motivação da publicação. Manifestou o desejo de que os alunos da rede municipal, cidadãos curitibanos de amanhã, possam com ela aumentar os conhecimentos sobre o Japão, para que a relação entre os dois países possa se intensificar cada vez mais. A secretária Liliane agradeceu pelo inesperado presente do Governo Japonês e disse que a Mini enciclopédia

rão distribuídos para cada um dos Faróis do Saber e das bibliotecas escolares que compõem a rede de Rede de Bibliotecas Escolares do município de Curitiba.

Cônsul fez uma breve explanação sobre a motivação da publicação

será de grande valia para os alunos da rede e também a todos da comunidade curitibana que queiram conhecer melhor sobre o Japão. Por fim houve a apresentação, pela gerente de bibliotecas, do sistema de pesquisa de acervo “on line“ da Rede de Bibliotecas. Este sistema, disponível na página

da SME na internet, permite pesquisar se uma determinada obra faz parte ou não do acervo da rede e em qual unidade ela está disponível para consulta ou empréstimo. Ela será de extrema utilidade para auxiliar a comunidade a ter fácil acesso à obra ora doada. As mini enciclopédias se-

Fonte – Mini enciclopédia do Japão: o “Projeto de Promoção do Intercâmbio Cultural Brasil – Japão, Publicação da Mini enciclopédia do Japão” nasceu em 2008, ano do centenário da imigração japonesa no Brasil. A obra foi elaborada para oferecer às crianças mais conhecimentos sobre o Japão. O projeto teve apoio do Ministério dos Negócios Estrangeiros, da Fundação Japão em colaboração à Federação de Negócios do Japão (Keidanren). Ricamente ilustrada, sua linguagem foi adequada para os alunos do ensino fundamental para servir de fonte de pesquisa sobre a história, geografia, cultura, costumes e tradições do Japão.

As terras de ninguém Por momentos, ouviu-se na cidade, dos lavradores vindos dos cafezais, de que o Grande Império do Oriente vencera a guerra. De fato, mais uma vez os deuses triunfaram a favor do povo. Divulgaram uma foto em que os inimigos teriam assinado o termo de rendição a bordo do USS Missouri. Não havia dúvidas. Cópias de uma publicação corriam entre eles. Alguns se mostraram exaltados, como Takashi M, tido como grande patriota, que desfilou pelos caminhos vicinais com uma vestimenta exótica de guerreiro feudal: faixa esticada na fronte. Os amigos pediram que parasse de se expor. Não obedeceu, seus ânimos exaltaram mais. Deixaram a vontade, pois estaria delirando? Não era um caso a se levar a sério. Havia no entanto, pelos armazéns de abastecimento, feiras-livres, mercado municipal, bares espalhados pelo centro, próximos da pequeno ponto dos ônibus intermunicipais um falatório geral a respeito dos patriotas, que enalteciam a figura do Imperador e acreditavam na vitória na guerra do Pacífico. Por outro lado, um outro partido se formara, que acreditavam aqueles, era de pessoas mal intencionadas, que afirmavam na derrota fulminante. Nada mais havia do que uma pátria desmantelada e que precisava ser reconstruída. Falavam que o país submetera-se ao comando de um enviado do presidente Harry Truman, o general Douglas MacArthur. Nada mais infame, achavam os patriotas. Ao que, estes passaram a insultar os supostos “traidores”, ao ponto de muitos deles mudarem-se para regiões menos expostos a manifestações deste tipo. Houve o caso da família Hanada, que veio para a região de Campinas, muito mais calmo em comparação com o interior. Não era em todo o estado que tais fatos foram levados ao ponto extremo. Se alguma família se colocava a favor dos “corações sujos”, nome que se dava aos “traidores”, seria igualmente hostilizada. Por isso, muitos resolveram se calar. Esta aparente neutralidade também era visto com suspeita. Existia no entanto jornalistas que defendiam o esclarecimento dos fatos. Nada muito interessante para os patriotas. Muitos foram até os locais das desavenças para mostrar a realidade. A situação se tornou crítica quando apareceram pessoas oferecendo terras a preços módicos nos locais conquistados. Terras que poderiam ser compradas nas pradarias da Manchúria, por exemplo, como também em outras regiões de colonização recente. Um discurso que animava os sonhos daqueles que desejavam enriquecer-se, que se tornara real uma vez que terras não faltavam no oriente. Foi assim que chegaram os corretores, com malas abarrotadas de mapas e plantas. Não havia necessi-

dade de explicações. Quase sempre a venda era realizada. Havia um perfil para o comprador: chefes de família, que iludidos vendiam seus bens. - Não faça isso, pai – tentou convencer, Akira, o primogênito da família K. Tarde demais, sem a anuência dos filhos e da esposa, negociou a preço baixo o pequeno sítio. Entregou todo o dinheiro para o corretor. Nada mais sobrou, além da mala velha com roupas. Os filhos recusaram acompanhá-lo. Não foi este um caso isolado. Outros bastante semelhante. De uma hora para outra, novos corretores apareciam, dizendo ter vindo de São Paulo. Vestiam-se de maneira elegante, um paletó sobre uma camisa branca e calças de linho, algo impressionante para quem acostumara-se a roupas simples do trabalho. Um chapéu de boa qualidade. Os sapatos também eram bons. Faltou pouco para que Nobuyuki vendesse sua propriedade. Algo acontecera para que o negócio não vingasse. Sem dinheiro, declinou da oferta que lhe fazia o corretor. Uma fazenda num lugarejo próximo a Luzon, nas Filipinas. No último momento, ainda o corretor chegou a apelar: - Apenas dê uma entrada, assim garantirá esta compra. - Não aconteceu para a frustração dele, e também do corretor. Além destes corretores, havia também, para reforçar o clima deste ambiente, os vendedores de ienes. Realizavam o câmbio, trocando a moeda japonesa por valores nacionais. Assim poderiam carregar consigo dinheiro que tinham poupado assim que chegassem ao destino. Não apenas aqueles que tinham comprado terras nas colônias dos países conquistados, como os que nada tinham, senão o pouco que arrecadaram vendendo seus pertences, foram ao Porto de Santos na espera de um navio que pudesse levá-los novamente ao oriente. Por algum tempo, muitos destes, habitando pensões, esperaram pela chegada do navio. Toda esperança estava na vinda dos marinheiros convidando-os a tomar seus assentos. Foi uma espera em vão. Nenhum navio aportou. Desiludidos, nada mais tinham a fazer do que admitir o fim do sonho. Nada mais tinham. Alguns tinham menos do que quando chegaram, mas isso não seria motivo para desistência. Retornaram a São Paulo, outros foram para o interior, pois trabalho não faltava. Havia muitas terras para serem desbravadas, não apenas em São Paulo, também no vizinho Paraná. O fim de um sonho não significava admitir uma derrota. Apenas uma batalha perdida, uma entre outras, talvez esta a mais árdua, sem que pudesse abalar de vez com o sonho maior dos imigrantes. Sempre há um começo, ainda que a dor fosse quase insuportável. Insuportável seria mais do isso: não ter com que sonhar.

chicohanda@yahoo.com.br


JORNAL NIPPAK

8

COMUNIDADE BRASILEIRA NO JAPÃO

São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012

APOIO: Meg Yamagute

Artista organiza Bianca Iris é eleita mostra a Miss Nikkey 2012 sobre os A sobreviventes do tsunami BELEZA

Roberto Maxwell/Kome/Divulgação

“Consegui me adaptar muito bem ao Japão, de um modo até que eu posso dizer que não era adaptado ao Rio”

jovem Bianca Iris Saito, de 20 anos, foi eleita no dia 24, em Inuyama (província de Aichi), a Miss Nikkey 2012. Há apenas um ano no Japão, a brasileira mora na província de Shimane, região oeste do arquipélago, onde trabalha em fábrica. A família é de Blumenau (SC), local onde a irmã foi eleita Miss Oriente. Agora, Bianca sonha com uma possível carreira de modelo. “Estou aberta a propostas de trabalho”, disse. Já o título de Mister Nikkey deste ano ficou com Rene Kanashiro Kian, de 17 anos. Ele mora na província de Ka-

nagawa, onde toca percussão num grupo de música clássica. O jovem também espera que o título possa abrir as portas para a carreira de modelo. Para esta edição do Miss Nikkey, a 11ª consecutiva realizada pela promoter Daniela Nishikawa, foram mais de 100 candidatos em todas as categorias: infantil masculino e feminino (0 a 2 anos, 3 a 5 anos, 6 a 9 anos e 10 a 13 anos), Plus Size e As Mais Belas Mães (até 20 anos, 20 a 30 anos, 30 a 40 anos e acima de 50 anos), além da premiação principal para a Miss Nikkey e o Mister Nikkey 2012.

A ganhadora deste ano, Bianca Iris Saito Foto: Divulgação Obra que faz parte da mostra de fotografia

Roberto Maxwell tem, por enquanto, duas exposições marcadas no Brasil

Sou um ser bem diver­ sificado”, brinca Roberto Maxwell. Aos 37 anos, este carioca radicado no Japão, é formado em geografia, pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro, e cinema, pela Estácio de Sá, também na capital fluminense. Foi professor durante dez anos e, há 20, faz vídeos, filmes e fotografia. “Me considero um artista visual”, resume. Mas o trabalho dele não para por aí. Roberto também atua como repórter e redator, em mídias voltadas para o público brasileiro, e foi produtor dos correspondentes da Rede Globo e da Rede Record, em Tóquio. Ele ainda produziu diversos programas de TV sobre o Japão para o Brasil, e tem fôlego para integrar o time de apresentadores da Rádio Japão, da NHK, e trabalhar como tradutor. Hoje, Roberto pensa em morar definitivamente no Japão, porém, antes de desembarcar no Aeroporto Internacional de Narita, em 2005, ele nem imaginava viver na terra do sol nascente. “Aqui (o Japão) é o meu lar. Sei que muitos japoneses e mesmo estrangeiros não entendem como um estrangeiro possa se sentir em casa em outro país. Mas, não me apega

conta ele, que vive em Tóquio. Depois de sete anos, Roa ideia de que o fato de ter nascido no Brasil me faça berto fez o trajeto de volta, adaptável somente ao Bra- pela primeira vez. Desembarsil”, diz sem titubear. Para cou no Brasil, no finalzinho Roberto, a sociedade japone- de junho, com muitos planos sa tem problemas sim, como e pouco tempo. “Quero comqualquer outra, porém, são partilhar esse material que eu problemas com os quais ele produzi no Japão. Acho que os brasileiros gostam muito diz sofrer menos para lidar. Daí, a vontade de fazer do Japão, mas não conhealgo pelo país que o acolheu. cem nem a ponta do iceberg”, “Eu me sinto na obrigação – afirma. Em São Paulo, ele positiva, claro – de contribuir fará uma exposição de vídeos para que a sociedade japone- e fotos da tragédia de 11 de março, na segunda quinzena sa seja melhor no futuro”. Cansado do Rio de Ja- de agosto (local e data ainda neiro, o artista visual queria, não foram confirmados). Oua princípio, viver em outro tras duas mostras estão em país, não necessariamente, negociação, uma no Recife no lado oposto do planeta. A (PE), e outra em Porto Alegre generosa bolsa do governo (RS). “E estou aguardando japonês e a cultura exótica novos convites”, avisa, empesaram na escolha que lhe polgado. Por outro lado, tamfez tão bem. Com o programa de in- bém faz parte dos planos tercâmbio chamado Treina- redescobrir o próprio país, vimento de Professores, Ro- sitar lugares por onde nunca berto teve a oportunidade de esteve, e mostrar o resultado conhecer o sistema educacio- aos japoneses. “Quero que nal nipônico e de se envol- eles saibam que o Brasil é ver com a comunidade bra- mais que samba, bunda, festa sileira na província de Shi- e alegria superficial.” zuoka. “Fiz de tudo, dei aulas em escolas brasileiras, traba- Outro olhar sobre lho voluntário em escolas ja- a tragédia ponesas e eventos. Tudo para “Kome” é uma das me aproximar dos japoneses, dos outros estrangeiros, com- mostras de vídeos e fotos partilhar minha experiência que Roberto Maxwell fará no brasileira e aprender sobre Brasil. Depois de ficar quase as experiências dos demais”, um ano cobrindo assuntos re-

lacionados à tragédia de 11 de março, o artista visual conta ter percebido que havia um ponto negligenciado pela mídia: a formação de novas comunidades. “As vítimas que sobreviveram passaram a viver em abrigos temporários e tiveram que reconstruir as relações entre si. Então, eu achei que tinha que falar disso porque, um ano depois, a imagem das pessoas estava parada na onda gigante”, explica. Roberto não tem dúvida de que o terremoto seguido de tsunami, que devastou o litoral nordeste do Japão, é difícil de esquecer. Porém, para ele, é importante lembrar também que as vidas das pessoas seguiram em frente. “Não tenho o objetivo de mostrar o quanto somos fortes e conseguimos vencer as dificuldades”. Foram escolhidas três histórias de pessoas que tiveram papéis distintos em torno da tragédia: um ex-pescador japonês que tem parentes no Brasil, um japonês que abriu a sua casa para receber os desabrigados, e um artista brasileiro que pintou algumas moradias provisórias para levar cor e alegria aos realojados. “Nos três casos, é gente maravilhosa, que se doou e continua se doando. Mas, é apenas um ponto-de-vista. Não tenho interesse em generalizações.”

Confira os ganhadores deste ano: Miss Nikkey: Bianca Iris Saito 1ª Princesa: Juliana Siguimoto 2ª Princesa: Camila Akemi Kumagai Miss Simpatia: Alessandra Hikari Yasaki Miss Fotogenia: Naomi Araya e Melhor Torcida Organizada Mister Nikkey 2012: Renee Kian Miss Internet: Sayumy Sumikawa Oliveira As Mais Belas Mães 2012: - Aparecida Shiraiwa (acima de 40 anos) - Vônett Faryniuk (31 a 40 anos) - Larissa Sato Yamamoto (23 a 30 anos) - Crislaine Nagata (até 22 anos) Miss Plus Size 2012: Raiuka Bichara Miss Nikkey Teen (10 a 13 anos) Miss Nikkey Teen: Melissa Aiya Takeguchi 1ª Princesa: Namie Nicole Inagaki 2ª Princesa: Victoria Naomi Assay Nogueira Miss Nikkey Infantil - Ana Maria Osti Salgado (até 2 anos de idade) - Lunna Yumi Rigarte Tanaka (de 2 a 5 anos) - Isabella Sayuri Ikeda (de 6 a 9 anos) Miss Nikkey Infantil, masculino: - Luan Onozato Matsumura (até 2 anos de idade) - Alessandro Cardenas Salgado (de 2 a 5 anos) - Cauã Corrêa (de 6 a 9 anos) - Santiago Alejandro Ajiro (10 a 13 anos)


JORNAL NIPPAK

São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012

9

Domingão lembra pescaria, que no inverno associa à truta... Então, que tal uma pescaria no Recanto da Truta??? CURTAS Aproveitando o inverno, e para pescarias das tilápias - espécie aclimatada ao frio –boa hora para experimentar esta isca da Moro Deconto.

Informações no site www.iscasartificiais.com.br ou fone (41) 3244 5353 email: deconto@iscasartificiais.com.br

Capa de Chuva com Manga e Forro MTK Confeccionada em tecido impermeabilizado, com tela para ventilação em malha 100% poliamida na cor branca posicionada na parte superior da frente e das costas, abaixo das palas e parte inferior das cava-mangas, formadas por duas partes superiores, bolsos frontais na altura da cintura com zíper e vista sobreposta, capuz com viseira de plástico cristal transparente com botões tendo a possibilidade de ser removido. Tamanhos: P/M/G/GG. Cores: Consultar Disponibilidade.Procure nas melhores casas do ramo! Informações www.mtkbrasil. com.br

arquivo pessoal

R

elembrando sempre que para melhores resultados é preciso focar no peixe alvo e, a partir daí elaborar a tralha a ser utilizada, claro sem esquecer que podemos capturar outras espécies. Inverno sempre se traduz em frio e tempo seco na capital paulistana, mas o veranico que se apresentou durante 4 dias seguidos animou-nos a aproveitar o domingo e, de quebra passar o dia em um ambiente agradável e cercado por elementos da natureza. Focado o peixe alvo - as trutas - reservamos na tralha equipamentos também para catfishes, tilápias, carpas e algum eventual redondo que não se intimidasse pelo frio. Já certos de que este último seria improvável devido ao local, ter os seus lagos abastecidos por nascentes de água cristalina emuiyo fria, dentro da propriedade. Em dias de verão, é comum seus frequentadores irem atrás das cachoeiras que também podem ser visitadas, e curtir um banho de água pura da serra. Para quem está na zona norte de São Paulo, é ir pela Av. Água Fria, Av Cantareira, Av Senador Jose Ermírio de Morais, e depois tocar pela estrada que corta a serra em meio a vegetação nativa, paisagem bucólica e para apreciar. Alertamos que é preciso estar com o carro em ordem, pois a subida da serra é “braba”. Após cruzar a barreira policial que divide São Paulo e Mairiporã, na bifurcação entrar a direita para Estrada Juqueri-Mirim (que continua depois com o nome de Estrada da Roseira) e seguir em acompanhando as placas indicativas para o Condomínio da Suíça. Neste mesmo tempo já verá a sinalização para o pesqueiro Recanto da Truta. Atenção para os bikers e motociclistas que costumam praticar trilha na região. Composto por 3 lagos, sendo um exclusivamente destinado a pesca da truta (lembrando que por serem extremamente sensíveis e delicadas) neste, é proibido devolver esta espécie depois de capturada. Nos outros é praticado a pesca esportiva (pesque e solte). Inclusive a intenção do Nil (proprietário muitas vezes presente no atendimento) é deixar as trutas disponíveis o ano todo, e isto teoricamente só seria possível com a temperaturadágua abaixo dos 14º - nossa torcida para que isto possa ser implementado. Chegamos perto das 11h então foi montar a tralha e uma ligeira inspeção ao redor para verificar a ação efetiva das espécies pretendidas. A seguir pausa para o almoço, bom momento paraidealizar as iscas a serem utilizadas. Falando desta espécie, dependendo do momento se tornam ariscas, portanto é preciso utilizar de iscas que trabalhem mais a meia água ou próximo do fundo, mas o normal é atacarem na superfície com muita agressividade. Com a intenção de testar uma tenkara experimental (protótipo de vara de mão direcionado a grandes redondos de material em fibra de vidro) e que serviu para esta empreitada pela sensibilidade da ação da ponta, além desta montamos um conjunto de fly4 e outro de molinete (atrás das carpas do lago maior que

vira e mexe rebojavam atrás da ração flutuante lançada). Para chamar a truta para superfície usamos a ração utilizada para sua alimentação do dia a dia (que é muito menor que a para outras espécies) e como iscas, as utilizadas normalmente na modalidade fly (imitações de formigas, mosquitos e larvas de preferência lastreadas para trabalhar abaixo da superfície). A tenkara com as iscas citadas se mostraram eficazes para o momento, resultando em capturas destes valentes que apesar do tamanho, além de pular brigam muito antes de se entregarem. Um fator determinante a considerar é o seu preço por kg então é bom estimar a quantidade de capturas, no nosso caso era garantir a janta do domingão. Outras

imitações foram utilizadas e no final as trutas resolveram em alvoroço bater na ração utilizada para atrai-las a superfície, então foi a hora de voltar a ração artificial (no menor tamanho possível). Atingido o limite de capturas suficiente, hora de partir atrás das outras espécies mas, mesmo subindo atrás da ração flutuante lançada, as carpas não bateram na isca e, o relógio batendo perto das 16h, era hora de fechar a conta e voltar para casa. Vale uma visita, seja para apenas passear ou almoçar, ou então passar o dia pescando num ambiente cercado de mata nativa, com bons peixes para garantir a diversão.Ótimo para levar a molecada aproveitando as férias escolares e, ficar a beira dágua convivendo com seus familiares e amigos.

Finalizando a pescaria, no jantar já em casa, o cardápio foi truta ao molho e quem precisar de dicas na sua preparação, é escrever para gsansão@ig.com.br para ter uma receita fácil, saborosa e rápida. Ótimas pescarias!!! Pesqueiro Recanto da Truta – Estrada da Roseira, altura no número 8600 – Mairiporã Informações tel: (11)4485 5787 site: www.pesqueirorecantodatruta.com.br Apoio: MTK Fishing Adventure Outdoor www.mtkbrasil.com.br Bem Bolado www.bemboladome.com.br Produtos Petersen http://pescabrasil.net/boias.html TenkaraBR www.rodsbyjorge.com.br Moro e Deconto www.iscasartificiais.com.br Piscicultura Chang www.pisciculturachang.com.br

NIPPAK PESCA

Roberto Shirata Texto: Mauro Yoshiaki Novalo Revisão: Aldo Shiguti Publicidade shirata@nippak.com.br Tel. (11) 3208-3977


JORNAL NIPPAK

10

São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012

kyogen

Companhia Shigeyama de Kyoto faz duas apresentações em SP

*Norihito Matsuda (presidente da MN Própolis) Apresentação

divulgação

A

Fundação Japão em São Paulo realiza duas apresentações de teatro Kyogen, com atores japoneses integrantes da Companhia Shigeyama de Kyoto, no mês de julho, em São Paulo. Descrito como o protótipo do teatro moderno, o Kyogen é atuado unicamente por homens, com ênfase no diálogo e preenchido por gestos ampliados, que facilitam a compreensão, além de figurinos tradicionais e vistosos. Dança e canto também fazem parte da encenação, que se mostra dinâmica e divertida. Desde 2001, o Nogaku, que compreende o teatro Nô e Kyogen, entrou para a Lista do Patrimônio Cultural Imaterial como uma obra-prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade instituído pela Unesco – Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e a Cultura. A primeira apresentação acontece gratuitamente no dia 11 de julho de 2012 (quarta-feira), às 20h, no Teatro Gazeta. Os interessados devem retirar os ingressos na bilheteria do teatro, de terça a domingo, das 14h às 20h. A segunda ocorre no dia 15 de julho de 2012 (domingo), às 12h, no Palco Principal do 15º Festival do Japão. Os artistas Hayao Tagaya e Hiromi Shimada (pai e filho, respectivamente) apresentam as peças “Kaminari” (Deus do Trovão) e “Neongyoku” (Cantando deitado) no Teatro Gazeta. No Festival do Japão, eles encenam o clássico “Kaminari” novamente. Atuações são em japonês, mas com explicação prévia em português e a recomendação etária é livre. Hayao Tagaya é membro do The Nohgaku Peformer’s Association, mestre de Kyogen no estilo Okura de teatro Nô e representante da Tagaya Kyogen Society. Hiromi Shimada estreou nos palcos em 1984, como shite – o ator principal, em Iroha (A-be-ce) e há dez anos, tornou-se discípulo do 13º Sengoro Shigeyama. “O Kyogen é um teatro tradicional cômico do Japão que existe há mais de 650 anos. Com uma estrutura de palco muito simples, sem cenografia, as estórias tratam de temas atuais como a relação de patrão e empregado,

Em busca da popularização da cultura do lámen no Brasil

No Festival do Japão, atores vão encenar o clássico “Kaminari” (foto), com explicações em português

apreciada pelo lorde feudal de Hikone no passado. KYOGEN – Teatro Tradicional Cômico do Japão 11 e 15 de julho Classificação: Livre

Hiromo Shimada

Hayao Tagaya

ou então apresentam personagens inusitados como o Kaminari. Não há palavras que expressem as sensações que o Kyogen encenado ao vivo pode proporcionar, e convido o público para essa experiência única”, acentua Hiromi Shimada.

A origem – O Kyogen (com origem no século XIV e manteve seu formato atual desde o século XVI) – conhecido como teatro tradicional e cômico, encenado entre as peças do lírico Nô. Devido a mudança dos costumes, recentemente programas exclusivos de Kyogen – fato inédito – já tem sido apresentados no Japão. Kyogen é constituído de duas escolas: a Okura e a Izumi. A Família de Sengoro Shigeyama, da Companhia Shigeyama de Teatro Kyogen (Kyoto), pertence à Escola Okura. A denominação do líder da família, Sengoro Shigeyama, vem do Período Edo (1603-1868) e tem sido repassado de geração em geração, encontrando-se atualmente na décima terceira linhagem. É uma família reconhecida, prestigiada pelo Palácio Imperial de Kyoto e foi

Primeira vez – Em fevereiro de 2011, pela primeira vez no país, quatro atores da Companhia Shigeyama de Teatro Kyogen, originária da cidade de Kyoto, fizeram uma turnê gratuita, passando pelas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba, além de ministrar um workshop direcionado aos atores na Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP). Hiromi Shimada esteve presente nas apresentações da companhia em 2011. No Teatro Gazeta, na capital paulistana, o interesse do público gerou uma enorme fila na Avenida Paulista.

Dia 11 de julho (quarta-feira), às 20h Peças: “Kaminari” (Deus do Trovão) e “Neongyoku” (Can­ tando deitado) Gratuito Obs: Os ingressos poderão ser retirados a partir de 06 de julho de 2012 (sexta-feira) na bilheteria do Teatro Gazeta, de terça a domingo, entre 14h e 20h, com limite de até 2 ingressos por pessoa. Duração: 90 minutos Capacidade: 700 lugares Local: Teatro Gazeta Av. Paulista, 900 – Térreo, São Paulo (metrô Brigadeiro – Linha Verde) Tel: (11) 3253-4102 Ar condicionado e acesso para deficientes

Dia 15 de julho (domingo), às 12h Peça: “Kaminari” (Deus do Trovão) Duração: 40 minutos Local: 15º Festival do Japão – Palco Principal Centro de Exposições Imigrantes - Rod. Imigrantes km 1,5 – São Paulo (Ônibus gratuito no metrô Jabaquara – Linha Azul) Tel: (11) 3277-6108/8569 Ingresso do festival: R$ 10,00 nos postos de venda e no site. Gratuito para crianças até 8 anos e idosos acima de 65 anos

Dez anos já se passaram desde a abertura de um estabelecimento de lámen em São Paulo. Este macarrão japonês chamado - menconquistou o coração e o paladar dos paulistanos que aprenderam a apreciá-la de forma tradicional, utilizando o hashi [palitinhos] e a colher de sopa chinesa, aparentemente contribuindo para difundir a cultura do macarrão ensopado. O “yakissoba” já é um nome conhecido e difundido, identificado como parte da culinária japonesa e podendo ser facilmente apreciado tanto nos restaurantes quanto nos lares brasileiros. Já o lámen é um território ainda desconhecido para os brasileiros. A exigência japonesa de qualidade no macarrão e na sopa é extremamente rigorosa e dá à iguaria a reputação de “prato nacional”. A MN Própolis tem conduzido pesquisas desde 2009 de olho nesta comida saudável e cujo sabor natural é obtido sem o uso de temperos artificiais. As empresas grandes dificilmente se aventurariam neste mercado, mas o avanço tecnológico possibilitou reproduzir o sabor japonês usando somente ingredientes nacionais. Depois de firmar um acordo tecnológico com a empresa japonesa Try Inc., (presidente Sr. Fumiyuki Tadokoro, o qual é colega de estudo da filosofia Inamori), detentora da franquia “Misoya”, reconhecida por servir um dos melhores missôlamen do Japão, e também com o “LamenKazu” (presidente Sr. Kazuhiro Takagi, o qual também é colega de estudo da filosofia Inamori), empresa pioneira na introdução do modismo do lamen no Brasil, obtivemos a autorização governamental, instalamos a fábrica e finalizamos o treinamento dos funcionários. Em julho de 2012 lançaremos no mercado a massa fresca de lámen e o caldo concentrado para a sopa. Com a ajuda do Departamento de Desenvolvimento da MN Própolis, gostaria de apresentar o lámen e a nossa empresa em quatro partes intitulada: “O que é lámen”, “A história do lámen”, “A

massa e a sopa do lámen”, “Como deve ser um lámen saboroso”, “O Mercado de lámen no Japão” e “A empresa MN Própolis”. Parte 1: A história do lámen O macarrão é uma obra-prima derivada da farinha de trigo e a sua história nada mais é que o caminho trilhado por muitos anos durante os quais foi se agregando muitas sabedorias. Vou chamá-la de “a rota do macarrão”. A história do trigo inicia desde á Mesopotâmia (atualmente Irã) há 7 mil anos, quando o cultivo foi desenvolvido e de onde se espalhou para o resto do mundo. Dizem que, a partir do trigo, o pão se desenvolveu na Europa enquanto o macarrão na Ásia, principalmente na China. No Japão, o macarrão é citado em um documento que data da Era Kamakura (1185-1333). A história do lámen japonês começa em 1910, durante a Era Meiji, ano em que o restaurante “RaiRai Ken” abriu as portas em Asakusa, bairro de Tokyo. Esse restaurante de comida chinesa incluiu em seu cardápio o “Shinasoba [macarrão chinês]”, que consistia de um macarrão fino e comprido, dentro de um caldo leve à base de shoyu (molho de soja). Esse prato que dizem ter dado origem ao lámen, era completado com fatias finas de châshû (lombinho de porco), fatias de naruto (pasta curtida à base de peixe) e cebolinha picada. O nome, no entanto, só surgiria mais tarde, em 1922, na cidade de Sapporo, província de Hokkaido, depois que um restaurante simples de nome “Takeya” abriu as portas. Mais tarde, o estabelecimento mudou de escrita e passou a se chamar “Restaurante Chinês Takeya”. Dizem que Tatsu, a esposa de Masaharu Ohkubo, o dono do estabelecimento, gostava muito das retrucadas que o funcionário chinês bradava da cozinha, “haoliao [está pronto]” e daí batizou o prato de “liao-men [men — macarrão — do liao]” e que na pronúncia japonesa se transformou em “ramen” ou “lamen”. (Continua na próxima edição) arquivo pessoal

ENTIDADES

Naguisa comemora 40 anos Quando foi fundada em 30 de maio de 1972, a Associação Naguisa era apenas um espaço para a reunião dos funcionários aposentados do Banco América do Sul e de suas coligadas. Era difícil imaginar que a associação teria hoje, uma vida própria com diversas atividades culturais e recreativas, além de esportivas e mais: que sobreviveria à própria organização que a criou. Hoje, a entidade conta com cerca de 500 associados ativos e uma sede própria no bairro de Cidade Vargas (zona Sul de São Paulo). E o mais importante: continua agregando os associados com o mesmo clima de união, coleguismo e amizade que existia na época do Banco América do Sul e que tornaram uma das marcas dos seus funcionários na época, elogiadas inclusive pelos clientes. E neste ano que está

completando 40 anos, foi realizada a festa de aniversário no dia 2 de junho com um ato ecumênico e uma homenagem aos associados com 80 e 88 anos, mas este ano não houve ninguém com 88 anos. Essa homenagem é patrocinada pela Fundação Kunito Miyasaka. Como destaque do 40o aniversário, foi confeccionada uma placa, com os nomes de todos os presidentes da Associação até a gestão anterior. As gestões e os respectivos presidentes homenageados foram: Toshio Takeda (1972 a 1975); Nobuo Obayashi (1976 a 1983); Shigeo Akao (1984 a 1988); Massao Suzuki (1989 a 1998); Milton Sugahara (1999 a 2002); Eiji Denda (2003 a 2006); Milton Sugahara (2007 a 2008); Eiji Denda (2009 a 2010). A gestão de 2010 a 2012 está sendo presidida por Atsushi Miyake. Eiji Denda,

num gesto nobre, agradeceu a homenagem e ressaltou a figura de Norio Miyahara que, segundo ele, em sua gestão, foi como o verdadeiro presidente. A placa foi descerrada com a bênção do padre Martin Islas, que também oficiou um ato ecumênico OS homenageados – Foram localizadas 7 pessoas que tiveram vínculo com o antigo Banco América do Sul e que estavam completando 80 anos, este ano, até a data de comemoração do aniversário da Naguisa (maio/2012). Compareceram 5 homenageados para receberem o carinho de todos: Anna Iocida, Goro Tamura, Iwao Katsuya, Koithy Shimoda e Reiji Yamashita. Anna Yasudo Iocida – Esposa do falecido diretor do BAS, Tetuo Iocida, dna. Anna é atualmente Diretora de Re-

Homenageados com 80 anos e diretores (a partir da esquerda) Goro Tamura (Astur), Anna Y. Iocida, Koithy Shimoda (BAS), Reiji Yamashita (BAS) e Iwao Katsuya (BAS), com Elena Kanegae (diretora social) e Atsushi Miyake (presidente)

lações Públicas da Associação Naguisa. Tem 3 filhas e 3 netos. Goro Tamura – Jornalista, trabalhou na ASTUR América do Sul Turismo, na função. Atualmente colabora com o Diário Nikkey. É casado, possui 3 filhos e 5 netos. Iwao Katsuya – Ingressou no Banco, na Ag. Araçatuba em 1957 e trabalhou na Ag.

Matriz e Rio e uma boa parte, no Depto. de Câmbio, aposentando-se em 1990, trabalhando na Cia. Produtores até 1980 com Tetumi Yamamoto. Pratica golfe e passa algum tempo utilizando computador. É casado e tem 1 filho e 2 netos. Koithy Shimoda – Ingressou no Banco, na Agência de Araçatuba em 1947 e se aposentou em 1981, trabalhando a maior parte do

tempo na Ag. Senador Feijó. Atualmente, ocupa-se aprendendo a utilizar o computador e praticando caminhadas. É casado e possui 4 filhos. Reiji Yamashida – Ingressou no Banco em 1965, trabalhando a maior parte do tempo na Secretaria da Diretoria, na função de motorista e sempre com o ex-presidente do BAS, Fujio Tachibana. É casado, possui 1 filho e 2 netos.


JORNAL NIPPAK

São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012

11

SOFTBOL MIRIM

SUMÔ

Uces realiza Seletiva para o campeonato Brasileiro

Marília conquista título da 14ª Taça Brasil – Troféu Sasazaki

arquiivo pessoal

arquivo pessoal

A

categoria mirim do Nikkey de Marília sagrou-se campeã da 14ª Taça Brasil de Softbol Feminino – Troféu Sasazaki 2012 – ao derrotar, na final, a equipe de Guarulhos por 14 a 5. Na disputa pelo terceiro lugar, Nikkei de Curitiba levou a melhor sobre Maringá e ficou com o bronze. Na Chave Prata, Nippon Blue Jays ficou com a primeira colocação, seguido por Gecebs e Atibaia. Já na Bronze o título ficou com Tozan. A competição foi realizada nos dias 30 de junho e 1º de julho no campo do Nikkey de Marília. T-Bol – Simultaneamente à Taça Brasil de Softbol Feminino Mirim, foi realizado um Festival da categoria T-Bol (até 10 anos – “Catatauzinhas”) de Softbol com a participação de três equipes: Maringá, Marília e Nippon Blue Jays.

RESULTADOS Nikkei Curitiba 18x1 Maringá (3º Ouro) Marília 14x5 Guarulhos (Final Ouro) Tozan 3x2 Indaiatuba (Bron­ ze) Nippon Blue Jays 11+14 x11+4 Gecebs (Prata) CLASSIFICAÇÃO FINAL Ouro: 1) Marília, 2) Guarulhos, 3) Nikkei Curitiba, 4) Maringá Prata: 1) Nippon Blue Jays, 2) Gecebs, 3) Atibaia Bronze:1) Tozan, 2) Indaiatuba PREMIAÇÃO POR ATLETA 1ª Melhor Rebatedora: Leticia Midori Yamada (NB Jays/0,714) 2ª Melhor Rebatedora: Bren­da Dos Santos (Guarulhos/0,714) 3ª Melhor Rebatedora: Tatiana Fukushima (NB Jays/0,667) 1ª Melhor Empurradora Carreiras: Ana Gabriela Obando (Gecebs/9 Carreiras) 2ª Melhor Empurradora

Toshiaki Yamamura (presidente da Uces) e o vereador de Osasco, Fábio Yamato com a equipe de Osasco

Premiação da categoria feminina A categoria mirim do Nikkey de Marília posa com o Troféu Transitório

Carreiras: Emanuele de Oliveira Bento (Marilia/8) Home Run: Raphaela dos Santos (N Curitiba/1 Hr) Melhor Arremessadora: Beatriz Alves Martins (Marilia) Arremessadora Destaque: Tammy Shiroma (N Curitiba) Melhor Receptora: Thais Hatsumi Kawasaki (Marilia) Receptora Destaque: Raquel Murata (Guarulhos) Melhor 1ª Base: Emanuele de Oliveira Bento (Marilia) Melhor 2ª Base: Naomi Suzuki (N Curitiba) Melhor 3ª Base: Leticia Midori Yamada (N B Jays) Melhor Interbases: Mariane Hirokawa (Guarulhos) Melhor Jardineira Esquerda: Raphaela dos Santos (N Curitiba) Melhor Jardineira Central: Thais Suzawa (Maringá) Melhor Jardineira Direita: Bruna da Silva (Guarulhos) Jogadora Mais Eficiente: Danielle dos Santos (Guarulhos) Melhor Jogadora: Beatriz Alves Martins (Marilia) Técnico Campeão: Andre Mizote (Marilia) Destaque da Chave Prata: Fernanda Missaki (N B Jays) Destaque da Chave Bronze: Gabrielle Thie Saito (Tozan)

Guarulhos conquistou o vice-campeonato na Chave Ouro

A categoria T-Bol do Nippon Blue Jays: nova geração em ação

A União Cultural e Esportiva Sudoeste (Uces) realizou no dia 24 de junho, no dohyo da sede da Associação Cultural e Esportiva Nipo-Brasileira de Osasco (Acenbo), o 56º Campeonato Sudoeste de Sumô Mirim, Infanto Juvenil e Adulto – Masculino e Feminino. A competição foi seletiva para o Campeonato Brasileiro, que acontece nos dias 21 e 22 , no Ginásio de Sumô do Bom Retiro, em São Paulo. Maior detentora de títulos Brasileiros – 13 vezes campeã da contagem geral, sendo 7 vezes consecutivas e 17 vezes campeã Estadual (todas as conquistas consecutivas) – a Uces abrange hoje 24 municípios. Confira os resultados: INDIVIDUAL MASCULINO Mirim “B”: 1) Guilherme Fukushima Vaz (Osasco), 2) Yuri Gabriel Paiva (Ibiúna), 3) Naoki Yamagushi (Ibiúna), 3) Vinicius Gustavo (Osasco); Mirim “A”: 1) Fernando Borri (Osasco), 2) Guilherme Sakamoto (Sorocaba), 3) Mateus Moura (Osasco), 3) Tiago Vinicius (Ibiúna); Infantil: 1) João Vítor (Capão Bonito), 2) Glauber Cruz (Sorocaba), 3) Bruno da Silva (Osasco), 3) Vinicius Sakamoto (Sorocaba); Juvenil: 1) Lucas Mori (Osasco), 2) Guilherme Kagohara (Ibiúna), 3) Ruan Melo (Osasco), 3) Gustavo Réfica (Itapetininga); Adulto Leve: 1) Cristiano Mori (Osasco), 2) Genílton Tibúrcio (Capão Bonito), 3) Alex Tetsushi Nakaya (Capão Bonito), 3) Namesson Tibúrcio (Capão Bonito); Adulto Médio: 1) Victor Pastrello (Osasco), 2) Felipe Ishi-

maru (Osasco), 3) Edwin Taves (Itapetininga), 3) Anderson Costa (Capão Bonito); Adulto Pesado: 1) Júlio César Vieira (Osasco), 2) Mario Frabetti (Osasco), 3) Ted Vitor Barbirato (Capão Bonito), 3) Jéferson Franklin (Sorocaba) POR EQUIPES Mirim “A”: 1) Osasco, 2) Ibiúna; Infantil: 1) Sorocaba, 2) Osasco, 3) Capão Bonito; Juvenil: 1) Osasco, 2) Capão Bonito; Adulto: 1) Osasco, 2) Capão Bonito, 3) Sorocaba CONTAGEM GERAL DE PONTOS Campeão: Osasco (80 pontos), Vice: Capão Bonito (32), 3) Sorocaba (24), 4) Ibiúna (16), 5) Itapetininga (4) INDIVIDUAL FEMININO Mirim “B”: 1) Ariadne Ventura (Itapetininga), 2) Romina Córdova (Ibiúna), 3) Rafaela Pereira (Itapetininga), 3) Namie Fukushima (Osasco); Mirim “A”: 1) Camila Fukushima Vaz (Osasco), 2) Anne Pires (Itapetininga), 3) Juliana Medeiros (Itapetininga), 3) Maria Helena Pereira (Itapetininga); Infantil: 1) Jéssica Arlene (Capão Bonito), 2) Jaqueline Rodrigues (Capão Bonito), 3) Jéssica da Silva (Sorocaba), 3) Larissa Maciel (Itapetininga); Adulto: 1) Ellen Rodrigues (Itapetininga), 2) Fernanda Rojas (Osasco), 3) Camila Bicudo (Sorocaba), 3) Flávia Paiva (Ibiúna) POR EQUIPES Osasco, 2) Itapetininga, 3) Capão Bonito CONTAGEM GERAL DE PONTOS Campeã: Itapetininga (27), Vice: Osasco (20), 3) Capão Bonito (12), 4) Ibiúna (5), 5) Sorocaba (4)

MAJAN

As “Catatauzinhas” de Maringá...

... e de Marília: torcida para que continuem praticando o esporte

Lúcia Ikawa é campeã do 12o Torneio Interno da Naguisa divulgação

COLUNA AKIRA SAITO

Domou Arigatou “Muitos se lembram de pedir, mas poucos são os que não se esquecem de agradecer” Gostaria de iniciar a coluna desta semana, agradecendo a todos que carinhosamente me enviam mensagens elogiando os artigos que publico semanalmente nos sites Artes do Japão e do Jornal Nippak e também no jornal impresso, Honto ni Domou Arigatou Gozaimashita* Um muito obrigado de verdade!!!!! Acredito que aprendi durante a minha vida, que um dos segredos para vivermos bem é saber agradecer.

Agradecer ao irmos dormir, a mais um dia de vida nesta terra, aos momentos vividos juntos às pessoas que nos rodeiam, aos momentos de alegria e também aos momentos de tristeza, pois o equilíbrio só pode ser alcançado se existirem os dois lados. Independentemente da religião ou crença de cada um, devemos sempre agradecer por todos os acontecimentos. Sem falar também no quesito educação, onde parece que muitos se esquecem que se alguém lhe faz algo, o mínimo que devemos fazer em troca é agradecer. As frases sempre deveriam se iniciar com um por

favor e terminar com um muito obrigado, as relações entre as pessoas seriam muito mais proveitosas e saudáveis, isso eu tenho certeza. Infelizmente muito se reclama e pouco se faz, com isso cria-se uma situação de pouca produtividade, trazendo consequentemente a sensação de que nada acontece e por isso não se deve agradecer a nada. Somos inteligentes e devemos procurar evoluir,

como seres humanos, para assim merecer um lugar melhor para se viver. Só um ser humano em evolução consegue sentir e agradecer com sinceridade, por isso proponho a todos que agradeçam, de coração. Vamos juntos agradecer por termos forças para lutar por nossa evolução e transformar o mundo em um lugar melhor!!!!! GANBARIMASHOU!!!!!

*Akira Saito, professor e praticante de Budo há 32 anos, morou no Japão de maio de 1990 a setembro de 1996, onde treinou karate sob a tutela do Hanshi Konomoto Takashi – 9º dan, graduando-se até o 3º Dan e tornando-se instrutor da matriz na cidade de Sagara-cho e das filiais das cidades de Hamamatsu-shi e Hamakita-cho até o retorno ao Brasil. Atualmente tem a graduação de 5 Dan e recebeu o título de Renshi-Shihan da matriz no Japão. E-mail: akira.karate@gmail.com

(esq/dir) Em pé: Takeshi, Furukawa, Issamu, Lúcia e Yuriko. Sentados: Atsushi Miyake (Presidente), Neusa Eiko Torii (Coordenadora) e Yukio Ukon (Comissão).

A Associação Naguisa realizou no dia 22 de junho, o seu 12o Torneio Interno de Majan com a participação de 28 jogadores daquela associação. A vencedora do torneio foi Lúcia Ikawa que já é bicampeã nesse torneio (venceu também em 2009). O Torneio Interno de Majan já é um evento tradicional

na Associação Naguisa, sob a coordenação de Neusa Eiko Torii que há mais de 12 anos ensina e orienta os praticantes desse jogo milenar. O resultado final foi: Campeã: Lúcia Ikawa 2o lugar: Issamu 3o lugar: Furukawa 4o lugar: Takeshi BB: Yuriko


12

Homenagem – No dia 15 de junho o cônsul geral do Japão em São Paulo Kazuaki Obe foi homenageado com o título de Cidadão Paulistano, uma iniciativa do vereador Aurélio Nomura (PSDB), na Câmara Municipal de São Paulo. A cerimônia reuniu no Salão Nobre do Palácio Anchieta inúmeras autoridades da comunidade nipo-brasileira. Também veio da cidade de Promissão,Tadakuni Yassunaga, aos 92 anos de idade, para prestigiar o cônsul. Luci Júdice Yizima

Almoço - Para homenagear a consulesa Eiko Obe, a comunidade nipo-brasileira ofereceu um almoço no restaurante Ranguetsu of Tokyo, nos Jardins, em São Paulo. O evento foi organizado por Harumi Goya, Teruko Kamitsuji, Rumi Kusumoto e Célia Oi. Participaram do almoço Celina Yano, Dioni Tashiro de Lima, Dra. Felicia Harada, Lídia Kohatsu, Lídia Shimizu, Lídia Yamashita, Maria de Lourdes Amaral, Maria do Carmo Nomura e Yoshino Mabe, entre outras. (LJY)

JORNAL NIPPAK Festival – A União das Associações Nipo-Brasileiras de São Bernardo do Campo realizou a 31ª edição da Festa da Imigração Japonesa de São Bernardo denominada o “Japão em São Bernardo do Campo”, nos dias 16 e 17 de junho, no espaço do CENFORPE. Sessão Solene em Homenagem aos Imigrantes Japoneses e seus Descendentes com a entrega da medalha João Ramalho à professora Kuniko Kumai, concedida pelo vereador Hiroyuki Minami. Luci Júdice Yizima

São Paulo, 05 a 11 de julho de 2012


Jornal Nippak - 05/07 a 12/07