Issuu on Google+


Nelson

PaciĂŞncia


Projetos/ Projects

Nelson

...................................................................................................................................................................................................

Paciência

“Eu prefiro desenhar a falar. Desenhar é mais rápido, e deixa menos espaço para mentiras.” “ I prefer drawing to talking. Drawing is faster, and leaves less room for lies.” (Le Corbusier)


Ficha técnica/ Technical Data Direção Artística / Technical Data Miriam Conceição Redatores/ Editors Promontório Arquitectos Nelson Paciência Créditos Fotográficos / Photographs FG+SG Architectural Photography Nelson Paciência Chamartim Ilustradores / Ilustrators Nelson Paciência Lapin Impressão / Ilustrators Obigraf Acabamento / Finishing Papel couché com lombada colada

Lapin, ilustração/ Ilustration

3


Índice/ Index

...................................................

9.............................Biografia/ Biography

10.............................Entrevista/ Interview 15.............................Dolce Vita Tejo

19...............................Ficha técnica/ Technical data

22.............................Sede da Polícia Judiciária/ Polícia National Forensics Police HQ 24...............................Ficha técnica/ Technical Data 25.............................Kempinski Damascus

27...............................Ficha técnica/ Technical Data

29.............................Lar Serra do Bouro/ Eldery House in Serra do Bouro 30...............................Memória descritiva/ Descriptive Memory 41...............................Ficha técnica/ Technical Data

44.............................Lar de Santa Catarina/ Elderly House of Santa Catarina 48.............................Casas/ Houses

50.............................Casa da Benedita/ House in Benedita 51.............................Casa do Sobreiro/ Sobreiro House 52.............................Casa da Várzea/ Varzea House

53.............................Casa das Caldas da Rainha/ House in Caldas da Rainha 54.............................Casa Miguel e Inês/ Miguel e Inês House 57.............................Índice Remissivo/ Remissive Index 58.............................Imagens/ Images

9


Biografia/ Biography

...................................................

Nelson Paciencia nasce em Caldas da Rainha (1975), Portugal, tendo completado a licenciatura em Arquitectura na Universidade Lusófona de Lisboa em 1999. Realizou estágio profissional no Atelier SANTA-RITA Arquitectos, em 1999 e 2000, tendo iniciado a sua colaboração com o gabinete PROMONTÓRIO ARQUITECTOS em 2001, onde colaborou até 2011. A partir de 2006 foi Director de Projecto em projectos de grande dimensão, como o Dolce Vita Tejo Shopping Centre, na Amadora, o concurso limitado para a nova sede da Polícia Judiciária, o edifício Multiusos em Carnaxide, e mais recentemente o Hotel Kempinski Damascus integrando a equipa Promontório no Dubai, nos Emirados Árabes Unidos até meados de 2011. Em colaboração com Marco Lourenço esteve na origem dos NPML ARQUITECTOS (2006-2011, Lisboa), participando em numerosos projectos de edifícios de habitação e três equipamentos sociais de grande envergadura, dois dos quais construídos. Em finais de 2011 inicia a sua colaboração com a AGUIRRE NEWMAN1 Portugal, desempenhado as funções de director de projecto.

Nelson Paciencia was born in Caldas da Rainha (1975), Portugal, having completed a degree in architecture at Lusófona University of Lisbon in 1999 . Between 1999 and 2000 he join AtelierSANTA RITA Architects as an intern architect, having started his collaboration PROMONTORIO ARCHITECTS in 2001, where he worked until 2011. From 2006 he was Project Director for major projects such as the Dolce Vita Tejo Shopping Centre in Amadora, the limited competion for the new Polícia Judiciária headquarters, the mixed-use building in Carnaxide, and more recently the Kempinski Hotel Damascus integrating Promontorio team in Dubai, UAE by mid-2011. In collaboration with Marco Lourenço was at the origin of NPML ARCHITECTS (20062011, Lisbon), participating in numerous projects of residential houses and three large social facilities, two of which were built. In late 2011 starts his collaboration with AGUIRRE NEWMAN Portugal, as Project director.

1) Consultoria Imobiliária

11


Interview /Entrevista ................................................... M: Esta nossa conversa tem como pano de fundo aquele que foi o teu grande projecto durante meia década, ao serviço do Promontório, o Dolce Vita Tejo. O teu início profissional após a saída da universidade relacionou-se de imediato com este atelier, ou chegaste a experimentar outro registo? N: É verdade, o local para esta conversa não podia ter sido melhor. Sinto-me muito bem neste espaço, ainda que seja para mim psicologicamente desconfortável, pela sua dimensão. A verdade é que fiz um óptimo estágio profissional com o arquitecto João Santa-Rita, logo após concluir o curso em 1999, mas o meu percurso enquanto arquitecto inicia-se efectivamente quando entro no Promontório. E olhando para trás reconheço que foram dez anos absolutamente extraordinários. Entre 2001 e o início de 2004 fui colaborador externo, responsável pela elaboração dos projectos das lojas VODAFONE, o que foi verdadeiramente uma experiência completa, entre outros projectos. M: E é no início de 2004 que a tua colaboração se torna efectiva, colaborando de forma permanente com o Promontório? N: Pois foi, e é de facto nesse momento que se inicia a verdadeira experiência profissional enquanto arquitecto do Promontório, num primeiro momento sob a coordenação do arquitecto Paulo Perloiro, com quem aprendi muito e com quem partilhei grande parte dos desafios de projecto, e com destaque natural para o Centro Comercial Dolce Vita Tejo, na Amadora. Foi verdadeiramente um projecto apaixonante, pela dimensão e complexidade, e pela possibilidade de experimentação plástica que só os projectos de retalho permitem, pela sua especificidade e pela rapidez com que evoluem e se concretizam, quando comparado com outros projectos. M: E foi no Dolce Vita Tejo que acabaste por acompanhar de perto todas as fases de projecto, desde a fase de concept design até à execução em obra. 12

N: Acompanhei sempre de muito perto todas as fases de projecto, desde 2004 com a colaboração da RTKL Londres, e a partir de 2006 como director de projecto, mesmo antes de avançarmos para a fase de execução. E tive sempre grande proximidade com os centros decisores, públicos ou privados. Recordo-me muito bem de todos os momentos, principalmente o último ano de obra, até porque estive literalmente a viver no contentor junto do dono de obra, a Chamartin, e muito próximo da evolução assustadoramente rápida desta obra, e de todos os seus intervenientes. Foi uma experiência que teve tanto de incrível como talvez de irrepetível. M: E esse projecto acaba por moldar de forma irreversível a tua personalidade e o teu registo enquanto arquitecto. E também foi algures nesse período que acabas por fazer outros projectos, estes de uma forma independente e de outra escala, como é o caso do lar de idosos em Serra do Bouro, que neste catálogo se apresenta de forma mais detalhada. N: É verdade. Mas esse projecto nem foi o impulsionador deste período em que fiz vários projectos relativamente semelhantes. O primeiro foi o lar de idosos de Santa Catarina, também no concelho de Caldas da Rainha, e que surge de forma inesperada pelo convite do pároco da minha freguesia natal e pelo presidente da Junta, provocada pela candidatura da instituição ao programa PARES da Segurança Social. Não tinha como recusar tamanho privilégio. Acabei por fazê-lo em co-autoria com um amigo de longa data e antigo colega de universidade, o Marco Lourenço. Entre 2006 e final de 2010 fizémos um total de 3 lares de idosos, dois deles construídos, entre outros projectos, na sua maioria casas para amigos. Alguns estão construídos, outros, se os bancos voltarem a emprestar dinheiro, talvez ainda o venham a ser. M: Esses projectos de lares para idosos, apesar de serem relativamente pequenos, revelaram-se consideravelmente complexos, ou a experiência diária do Promontório facilitou a resolução dos problemas?

N: Foi decisiva, mas não em absoluto. Fazer este tipo de projectos, um deles incluía inclusivamente uma creche, traduziu-se num exercício incomparável, principalmente pela sua especificidade. Fazer a casa de pessoas idosas, criar-lhe condições de conforto e assistência médica, mas principalmente desenhar-lhes um lar a que possam chamar casa é um exercício tão difícil como desafiante, e no meu caso foi felizmente muito recompensador. Durante este período o mais difícil foi conciliar, e sempre de forma aberta e clara, esta minha tarefa com a colaboração no Promontório. Felizmente consegui fazê-lo sem criar desequilíbrios entre ambos. Disso tenha a absoluta convicção. M: Após esse período provavelmente muito desgastante, e depois da inauguração do Dolce Vita Tejo, regressas ao atelier. Sentiste que as coisas estavam diferentes? N: Senti, e de forma muito clara. Havia uma redução na encomenda, e um certo receio nas decisões, mas sempre se pensou que o momento seria, como maior ou menor dificuldade, passageiro. Mas infelizmente não foi, e hoje sabemos isso de forma inequívoca. Apesar dessa realidade, acabei por estar envolvido em outros projectos interessantes, até surgir o projecto do Hotel Kempinski. M: O projecto em Damasco? N: Sim. Foi no final de 2010 que se fechou o contrato para elaborar este projecto de um hotel de 5 estrelas para a capital da Síria, Damasco. Fiz parte da equipa que viajou para o Dubai para trabalhar com a Majid Al Futtaim, um dos maiores promotores imobiliários no médio oriente, com destaque para os centros comerciais e os hotéis. M: Mas o período esperado de 24 meses acabou por ser significativamente menor, terminando de forma mais ou menos inesperada. N: É verdade. Sabíamos que provavelmente estaríamos no Dubai por um período até superior a 24 meses, e não esperávamos que o projecto acabasse por ser cance

lado ao fim de pouco mais de 6 meses. A instabilidade política e social nos países do médio oriente e também na Síria acabariam por determinar este desfecho, e regressámos a Lisboa. M: O regresso a Lisboa acaba por fechar este teu percurso no Promontório? N: Sim, acabei por sair em Junho de 2011. M: E foi nessa altura que experimentaste mudar de área? N: Senti essa necessidade, após tantos anos a trabalhar num atelier. Surgiu uma possibilidade interessante de colaborar com a Aguirre Newman Portugal, uma consultora imobiliária, e não hesitei. Áreas como a coordenação de projecto, gestão e consultoria sempre me atraíram, e as valências deste tipo de empresa resultam muito bem comigo, talvez porque engloba áreas em que quero intervir directamente, como é o caso do investimento, e onde podemos agir a montante. É um facto que existem menos oportunidades de negócio e projectos, mas os que existem são efectivamente sustentados e sólidos, e é aí que quero estar. M: E nos últimos tempos voltaste a outra paixão, o desenho? N: Sim, mas desta vez o desenho descomprometido e espontâneo. Ingressei recentemente no curso de ilustração do João Catarino, na Faculdade de belas Artes, e reconheço que tem sido incrível. Estou a aproveitar de forma muito intensa esta oportunidade, como enriquecimento individual, mas também pela partilha e conhecimento que obtenho com esta experiência, ao lado de gente da área do desenho e belas artes, como pintores, escultores, designers gráficos, entre outros. Sempre adorei desenhar, mas agora faço-o de forma ainda mais entusiasmada, como arquitecto, como viajante curioso ou simplesmente como observador do quotidiano.

Dolce Vita Tejo, na esplanada

13


M: Our conversation starts in the background who was your great

M: And this project made some irreversibly shapes in your personal-

N: Yes, it was in late 2010 when we started this project for

project for half a decade, within Promontorio, the Dolce Vita Tejo

ity and your record as an architect. And it was sometime during this

a 5-star hotel in the Syrian capital, Damascus. I was part of

Shopping Centre. Your professional experience after leaving the

period that you end up doing other projects, these independently

the team that traveled to Dubai to work closely with Majid Al

university was related immediately with this office, or did you get to

and with another scale, such as the Elderly House in Serra do

Futtaim Group, one of the largest property developers in the

experience another record?

Bouro that this catalog presents in more detail.

Middle East, especially in the Retail and Hospitality areas.

N: It’s true, the place for this conversation could not have been

N: It’s true. But that project was not the first of this period when

M: But the expected period of 24 months turned out to be significantly

better. I feel very well in this space, though it is psychologically

I made several similar projects. The first was the Elderly House

lower, terminating more or less unexpectedly.

uncomfortable for me, because of its enourmous size. The

in Santa Catarina, also in the municipality of Caldas da Rainha,

N: It’s true. We knew we’d probably be in Dubai for a period with

truth is that I did a great apprenticeship with architect João

and that projects appears unexpectedly by the invitation of

more than 24 months, and we did not expect that the project

Santa-Rita, shortly after completing the course in 1999, but my

the pastor of my home village and by the Chairman, under the

was ultimately canceled after just over 6 months. The political

career as an architect actually begins when I was admitted at

PARES Programme from the Portuguese Government . I could

and social instability in the the Middle East countries and also

Promontorio. And looking back I realize that those ten years

not refuse such a privilege. I ended up doing it in co-authorship

in Syria would ultimately determine this outcome, and returned

were absolutely extraordinary. Between 2001 and early 2004

with a longtime friend and former university classmate, Marco

to Lisbon.

I was an external collaborator, responsible for preparing the

Lourenço. Between 2006 and late 2010 we made a total of three

M: The returns to Lisbon eventually close this route path with

projects for the new stores VODAFONE in Portugal, which was

Elderly Houses, two of them built, among other projects, mostly

Promontorio?

truly a complete experience, among other projects.

private houses to my friends. Some of them are built, others, if

N: Yeah, I ended up leaving in June 2011.

M: And in early 2004 is when your collaboration becomes effective,

banks get back to lending money, maybe they can be built as well.

M: And that was when you tried changing area?

working permanently with Promontorio?

M: These Elderly Houses projects, despite being relatively small,

N: I felt that need, after so many years working in a architectural

N: It was indeed, and that moment was the beginning of my

proved to be considerably complex, or the daily experience at

office studio. An interesting possibility arose for collaboration

true professional experience as an architect at Promontorio,

Promontório gave you the resolution for some of the problems?

with Aguirre Newman Portugal, a Real Estate consultant, and I

at first under the coordination of Paulo Perloiro, the CEO for

N: It was important, but not crucial. Doing this kind of projects, one

did not hesitate. Areas such as project coordination, manage-

Promontório Retail, from whom I learned so much and with

of them even included a kindergarten , resulting in a unique, mainly

ment and consultancy always attracted me, and the valences of

whom I shared many of the challenges within the office, as the

because of its specificity. Making a home for the elderly, you may

this type of company work very well with me, perhaps because

Dolce Vita Tejo shopping center in Amadora. It was truly an

create comfort conditions and medical care, but mainly you are

it encompasses areas that I want to intervene directly, as in the

exciting project, the size and complexity, and the possibility of

designing a building for them to call home, and it is an exercise as

case of investment, and where we can act upstream. It is a fact

plastic experimentation only possible at retail projects, due to

difficult as challenging, and fortunately in my case was very reward-

that we have today fewer business opportunities and projects,

their specificity, and as the speed as it grows, when compared

ing. This period was the most difficult for me to reconcile, even if

but the ones that exist are actually sustained and solid, and

with other projects.

always openly and clearly with Promontorio. Fortunately I managed

that’s where I wanna be.

M: And with the Dolce Vita Tejo project you were closely monitoring

to do it without creating imbalances between them. I´m absolute

M: And lately you come back to another passion, drawing?

all project phases, from concept design to the construction on site.

convicted on that.

N: Yes, but this time as an uncompromising spontaneous

N: I always followed very closely all phases of the project since

M: After this period probably very stressful, and after the opening

record. I joined recently in the Fine Arts University, for the

2004, in the first moment in collaboration with RTKL Architects

of the Dolce Vita Tejo, you returned to the office. You felt that things

illustration training by João Catarino, and I´m enjoying it a lot.

from London, and from 2006 until the big opening as project

were different?

I’m using very intensively this opportunity, as individual enrich-

directo. And I always was really close to the decisions, public

N: I felt, and very clearly. There was a reduction on new pro-

ment, but also as a sharing and knowledge experience I get,

or private. I remember very well all the time, especially the

jects, and a certain fear in decisions, but I always thought that

along with people from the design area and fine art, as painters,

last year, because I was literally living on site with the project

would be passenger, with more or less difficulty. But unfortu-

sculptors, graphic designers, among others. I always loved to

owner, Chamartin, and very close to the frighteningly rapid evo-

nately it was not, and today we know this unequivocally. Despite

draw, but now I do so even more excited, as an architect, as a

lution of this work, and all its stakeholders. It was an experience

this reality, I ended up being involved in other interesting

curious traveler or simply as an observer of everyday life.

that was both amazing and perhaps unrepeatable.

projects until my last project in Promontório, the Kempinski Hotel. M: The project in Damascus?

14

Dolce Vita Tejo, in balcony Equipa Dolce Vita Tejo, Team-Promontório

15


Dolce Vita tejo

.................................................................................................................................................................................................. Promontório

Dolce Vita Tejo Descrito pelos nossos clientes, a parceria entre Chamartin e ING Real Estate, como “o maior complexo comercial na área da Grande Lisboa”, o Dolce Vita Tejo abriu em Maio de 2009, envolvendo um investimento total de € 300M. Localizado na fronteira entre os distritos de Amadora e Odivelas, e servido pelo anel viário da radial da Pontinha, estima-se que tenha uma área de influência de cerca de 2,5 milhões de habitantes. O Dolce Vita Tejo é dividido em dois grandes lotes, separados por uma avenida fortemente arborizada. É nesta ligação que surge a praça coberta ligadas por pontes comerciais, e que inclui uma estação de autocarros eléctricos sub-urbanos. A parcela a Oriente compreende o hipermercado, moda e lojas âncoras destinadas a produtos para a casa, enquanto o lado Oeste apresenta a maior praça de alimentação em Portugal, cinemas multiplex, além de um centro de entretenimento inovador, a Kidzania. Com uma cobertura de ETFE transparente de mais de 5 hectares, O Dolce Vita Tejo será a terceira maior edifício no mundo com este sistema, depois do estádio Allianz Arena de Munique e o complexo das piscinas olímpicas de Pequim.

Described by our clients, the join venture Chamartin and ING Real Estate, as “the largest retail development in the greater Lisbon Area”, Dolce Vita Tejo opened in May 2009, involving a total investment of € 300M. Located on the border between the districts of Amadora and Odivelas, and served by the Pontinha ring road, it is estimated to have a catchment area of some 2,5 million inhabitants. Dolce Vita Tejo is divided in two large parcels by a landscaped boulevard. In the latter, the covered plaza connected by retail bridges, includes an upper level suburban tram station. The East parcel comprises the hypermarket, fashion and home anchors and shops, while the West wing features the larges food-court in Portugal, multiplex cinemas in addition to an innovative entertainment centre, Kidzania. With an ETFE transparent roofing of more than 5 hectares, Dolce Vita tejo will be the third largest of its kind in the world, after those used in Munich´s Allianz Arena and Beijing´s Olympic pools complex.

Promontório Arquitectos

17


Prémios/ AWARDS Most innovative Retail & Leisure Concept of the year, Global RLI awards, 2010. International Shopping of the year, finalist, Global RLI awards, 2010. ICSC Solal marketing awards 2010, Grand opening category. European Steel Design awards, 2011. Melhor edifício Comercial, PRÉMIOS CONSTRUIR 2010/ Best commercial building, PRÉMIOS CONSTRUIR 2010. Edifício do ano, 2010, Óscares do Imobiliário/ Building of the year, 2010, ÓSCARES DO IMOBILIÁRIO.

Dolce Vita Tejo Função no Projecto/ Role in project Director de Projecto/ Project director Localização/ location Amadora, Portugal Client/ developer Chamartin Imobiliária + ING Real Estate Programa/ programme Centro Comercial/ Shopping Centre Área bruta de construção/ Gross floor area 425.000 m2 (120.000m2 GLA) Investimento total/ total investment Euro 300M Projecto/ project 2004 – 2009 (Construído/built) Praça/ Plaza, FG+SG

....................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................

Nelson Paciência

Construção/ construction - Chamartin

Equipa/ Team, Nelson Paciência

Contrução/ Constrution, Chamartim


Nelson PaciĂŞncia


Sede da Polícia Judiciária

................................................................................................................................................................................................... Promontório

Sede Nacional da Polícia Judiciária/ National Forensics Police HQ O projecto resulta de um convite limitado para concurso, organizado pelo Ministério Português da Justiça para a sede da Polícia Judiciária, em Lisboa. O projecto está dividido em duas partes: um novo edifício na esquina da Praça José Fontana, cumprindo um lote vago como uma extensão dos escritórios atuais, e a reforma do prédio existente. Conceptualmente, o novo edifício evoca a imagem de uma fortaleza onde as fachadas actuam como um agregado de volumes, de módulos repetitivos, organizados de acordo com as exigências pré-estabelecidas, tanto em termos de altura, profundidade e largura. A organização interna é baseada em um pátio central, como uma espécie de fornecedor de luz e ventilação. Para reforçar o conceito, a fachada é concebida num sistema de painéis em forma de U de GRC interrompida por aberturas finas que proporcionam a entrada de luz natural. A imagem global que o edifício pretende transmitir é caracterizada pelo seu programa: calmo, simples, seguro, contido, robusto e duradouro.

The project results from a shortlist competition organized by the Portuguese Ministry of Justice for the Headquarters of the National Forensics Police, in Lisbon. The project is divided in two parts: a new building on the corner of José Fontana square, fulfilling a vacant plot as an extension of the current offices, and the renovation of the existent building. Conceptually, the new building evokes the image of a stronghold where the façades act like an aggregate of volumes of repetitive modules sculptured in compliance with the complex matrix of building restrains, both in terms of height, depth and width. The internal organization is based on a central court as a light provider and ventilation well. To reinforce the concept, the façade is devised in a system of U-shaped GRC panels interrupted by slim openings that provide daylight inside. The overall presence of the building aims to convey the unambiguous character of its programme: quiet, simple, safe, restrained, robust and longlasting.

Promontório Arquitectos

25


Kempinski Damascus

.................................................................................................................................................................................................. Promontório

Planta tipo/ Typical Plan , Promontório

Sede Nacional da Polícia Judiciária National Forensics Police HQ Rua Gomes Freire (Lisbon), Portugal, 2010 Função no projecto/ role in project Director de projecto/ Project director Localização/ location Lisboa, portugal Cliente/ developer Ministério da justiça/ Portuguese Ministry of Justice Parceiro/ Partner Construtora/ Contractor Somague Engenharia SA Programa/ Programme Serviços administrativos, auditório, laboratórios, carreira de tiro, centro de detenção temporária, heliporto, etc/ Administrative services, auditorium, crime lab, firing range, temporary detention centre, heliport, etc Área bruta de construção/ gross floor area 90.000 m2 do novo edifício e 15.000 m2 para a renovação do existente/ 90,000 sq.m of new space plus 15,000 sq.m of renovated areas Projecto/ project 2009-2010 (Concurso limitado/limited competition)

26

Maqueta/ Model, Promontório


Kempinski Damacus Função no projecto/ role in project Director de projecto Associado/ Associated Project director Localização/ location Damascus, Syria Cliente/ developer MAF Syria for Investment and Development (Majid Al Futtaim Group) Operador/ Operator Kempinski Hotels & Resorts Programa/ Programme 250 quartos, centro de conferencias e apartamentos 5-star 250-bdr business hotel, function centre and serviced apartments Área bruta de construção/ gross floor área 45.000m2 Projecto/ project 2010-2011 (master planning/ concept design)

Maqueta de estudo/ Study model, Promontório

Alçado principal/ Main elevation - Promontório

29


Lar Serra do Bouro

...................................................................................................................................................................................................

Projetos/

.................................................................................................................................................................................................. Projects co-autoria com Marco Lourenรงo/ With Marco Lourenรงo


Introdução

Condições de implantação

Os edifícios

O Equipamento Social que a Fonte Santa – Instituição Social da Serra do Bouro, pretende construir em terreno de sua propriedade em Estrada do Arrife – Serra do Bouro, concelho de Caldas da Rainha, compreenderá uma creche com capacidade para 33 crianças, um lar de idosos para 30 utentes e um serviço de apoio domiciliário com capacidade de apoio para 42 utentes. Este projecto fez parte de uma candidatura ao Programa PARES II da Segurança Social, tendo tido comparticipação comunitária, da autarquia e de privados, onde se incluem inúmeros donativos da população da Serra do Bouro, residentes ou emigrantes nos Estados Unidos. Sublinha-se o facto de este projecto ter sido construído num terreno totalmente doado à Instituição, reforçando a todos os níveis a estrutura social e comunitária do projecto.

O edifício que se pretende construir está inserido num terreno classificado como Agro-florestal, inserido em malha urbana relativamente consolidada, possuindo infraestruturas de saneamento básico, água, energia eléctrica e comunicações. O terreno onde será implantado o edifício tem boa salubridade, boa exposição solar, sendo elevado em relação aos terrenos adjacentes, sendo o seu nível freático muito baixo.

Esta proposta contempla três programas distintos – lar de idosos, creche e serviço de apoio domiciliário – para outros tantos corpos de edifícios que são interligados pelos respectivos pisos inferiores, numa espécie de “plataforma comum” que constitui o polígono de implantação do edifício. A ideia foi a de criar um encadeamento de e difícios de 2 pisos que permitissem albergar os programas previamente estipulados, de maneira a proporcionar um fácil reconhecimento de cada um deles a partir do exterior, mesmo desde distâncias que a estrada serpenteante de acesso ao local permite.

Aproveitando a pendente natural do terreno, com ligeira inclinação para sul, e que nos pareceu ser favorável à boa orientação das principais áreas que constituem este tipo de equipamento, propusemos realizar a entrada dos edifícios principais – creche e lar de idosos – a uma cota mais alta, onde se desenvolvem as áreas de cariz social e lúdico, como a creche, as salas de convívio, uma ala de quartos e a sala dedicada à exposição permanente de miniaturas de comboios, colecção bastante valiosa e de grande qualidade que foi em boa hora oferecida ao Centro Social e que precisava de um espaço com estas características. A creche possui um pátio resultante desta divisão para recreio das crianças.

32 Alçado Sul/ South Elevation


O edifício possibilita desta forma usos diversificados em espaços que não colidem obrigatoriamente entre si; antes funcionam num regime de complementaridade que estamos em crer vai enriquecer todo o conjunto. No piso inferior, estão previstas todas as áreas de serviços do lar, apoio ao domicílio, sala de refeições, uma ala de quartos e ainda a lavandaria, cozinha e sala do pessoal, estes partilhados pelo lar e serviço de apoio ao domicílio, por uma questão de racionalização de meios e funções. Este piso beneficia de um segundo pátio que serve todo o lar e que privilegia a vista para a cidade das Caldas da Rainha ao fundo do vale. É também um espaço de protecção e que pode oferecer momentos de tranquilidade ou animação. Por baixo da creche desen volve-se o serviço de apoio domiciliário, ligado ao corpo do lar através de uma galeria interior e de um alpendre que faz a ligação com a cozinha e onde se pode estacionar uma carrinha, constituindo-se como zona preferencial de cargas e descargas; aqui se encontra também a casa do lixo, devidamente compartimentada com portas grelhadas. Para a implantação do edifício tivemos em linha de conta o perfil natural do terreno, tentando na medida do possível “recuperar” a sua morfologia original. Acompanhando essa mesma inclinação desenvolve-se a rampa de entrada de acesso viário e pedonal ao edifício, onde se encontra a entrada principal. O acesso viário é de dois sentidos, estando garantido raio de viragem confortável no tardoz, na zona dos acessos aos edifícios Piso 1.

34

Acessos ao edifício

A creche

O projecto prevê a constituição de 16 lugares de estacionamento privativo, dois dos quais com as dimensões de 5,50mx3,30m e ainda um espaço dedicado á já referida operação de cargas e descargas na zona do SAD, que inclui 2 lugares privativos adicionais para os veículos de apoio ao equipamento. Os lugares de estacionamento estarão sobre grelhas de enrelvamento tipo SOPLACAS, permitindo a permeabilidade do terreno. O edifício possui uma entrada principal para os idosos, visitas, pessoal técnico e administrativo e ainda entradas secundárias dedicadas exclusivamente ao pessoal em serviço no lar, no SAD e na creche, este último totalmente independente. Estão previstas saídas de emergência em todas as extremidades do edifício, bem como em todos os pontos de acesso ao mesmo, por intermédio da colocação de portas de abertura com barra antipânico para o exterior, no sentido da evacuação. O percurso a efectuar entre qualquer compartimento principal e a respectiva saída de emergência não envolve necessariamente o atravessamento do corredor de ligação entre a escada interior e os compartimentos desse piso. Todas as escadas, lanços e patamares que integram os caminhos de evacuação possuem uma largura igual ou superior a 1,20m.

O edifício da creche funciona de uma forma completamente autónoma, mas o objectivo principal de agruparmos estas valências sociais é a de proporcionar um convívio saudável e enriquecedor entre gerações de avós e netos. O edifício da creche não se encerra em si mesmo, pretende-se que o recreio das crianças vá até aos lugares de convívio dos idosos, nomeadamente o pátio ao nível do piso 0. A entrada faz-se a norte, no enfiamento da zona de recreio exterior mais a sul, separada da entrada por uma barreira física em ripas de madeira, isolando o recreio de pessoas estranhas ao serviço. Todo o espaço interior da creche funciona como uma grande zona de recreio das crianças; a zona de pessoal à direita, o gabinete da directora, depois a copa e a sala de refeições. Ao fundo, e numa zona mais recatada, o berçário e a sala parque, mais próxima da sala de pessoal. Na outra extremidade a sala das crianças mais crescidas, desde os 12 meses até aos 36, mais próxima do acesso ao recreio exterior, onde será considerado um pequeno parque infantil. Ao centro deste espaço, um lanternim que transmite a sensação da luz do dia mesmo quando devido a más condições climatéricas não seja possível a utilização do recreio. Os espaços de refeição e IS das crianças terão iluminação e ventilação naturais, através de umas janelas altas que dobram e se transformam em clarabóias na cobertura.

Especial atenção para o facto de não serem confeccionadas refeições na creche, com excepção de leites, papas e lanches ligeiros, e de existir apenas uma copa para empratamento da comida que é preparada na generosa e bem equipada cozinha da SAD e do lar de idosos. O percurso das refeições será assegurado através de uma carrinha que a transportará em recipientes herméticos e bem acomodada, desde o piso 0 até à entrada de serviço da creche. Esse percurso está devidamente identificado nas peças desenhadas.

Lar de idosos e SAD – Estrutura orgânica O organigrama funcional deste edifício pretende ser o mais claro possível, diferenciando objectivamente as áreas privadas das áreas sociais, e tornando perfeitamente independente o espaço da creche das restantes. As áreas administrativas e de serviços também estão estruturadas de forma a gozarem de uma autonomia funcional relativamente aos outros espaços.

35


Átrio

Convívio e Actividades

Serviços

Saúde

A área do átrio de entrada no tardoz do edifício é bastante ampla, integrando recepção e zonas de espera e estar na lateral. É a partir deste átrio que se faz toda a distribuição para o edifício do lar na zona dos quartos e para a zona social e de convívio entre utentes. O acesso á sala museu pode ser feito através desta zona, podendo também ser feito através do acesso do lado da creche, e por quem chega a pé ou de automóvel.

Esta área está localizada no topo sul do piso 1, e dividese em duas zonas distintas: uma delas dedicadas às zonas de estar, e uma outra propícia ao convívio entre utentes, visitantes e funcionários. No entanto é possível juntar ambas as salas para que possam ocorrer qualquer tipo de eventos e actividades que a isso obriguem. O projecto prevê ainda a pré-instalação de uma chaminé para eventual colocação de uma salamandra na área de convívio. Próximo desta área está localizada uma instalação sanitária para cada sexo e que integra duas cabinas com sanita e ainda uma instalação sanitária com a área de 4,84m² (2,20m x 2,20m) equipada com lavatório apoiado sobre poleias e sanita com barras de apoio bilaterais e rebatíveis na vertical. Esta IS é específica para pessoas com deficiência ou menos válidas e será acedida através de uma porta de correr de 90 cm.

A cozinha, que reúne condições para confeccionar refeições para os utentes do lar, do SAD e também da creche, liga-se directamente com a sala de refeições, prevendo-se que a confecção de todas as refeições seja aqui efectuada. A configuração deste espaço e daqueles que lhe são contíguos são os normais neste tipo de utilização, sendo importante sublinhar a existência do espaço de lavandaria, que acaba por servir também todos os utentes do Apoio Domiciliário.

A área destinada ao serviço de saúde encontra-se no piso 0, próxima do acesso à ala de quartos do mesmo piso. Possui um gabinete de saúde que dispõe de um lavatório fixo, e ainda uma instalação sanitária anexa equipada com lavatório, sanita e base de duche em cabines próprias. Este espaço permite a colocação de uma cama articulada, e está dimensionada para o atendimento de pessoas, com a presença de um médico e enfermeiro.

Direcção e Serviços Administrativos É constituída por Gabinete para o director técnico, sala de reuniões, um gabinete administrativo e uma instalação sanitária. Situa-se no piso 1, no final do corredor de acesso à sala de estar. Esta zona torna-se facilmente independente das zonas sociais do lar. Instalações para o Pessoal

Refeições Esta área está situada no piso 0, próxima da entrada de serviço e também do núcleo de acessos verticais que contempla um elevador, não implicando o atravessamento de circulações com outras áreas funcionais distintas. Contempla uma instalação sanitária para ambos os sexos, e duas zonas de balneários, uma para o pessoal de serviço e outra para o pessoal da cozinha, também separadas por sexos, contemplando cada uma delas um vestiário com zona de cacifos individuais, lavatório e cabine de duche. A sala destinada ao pessoal tem entrada junto à zona de balneários, e desenvolve-se como um espaço completamente autónomo dos demais, com iluminação natural franqueada por um enorme vão aberto a nascente. É nesta sala de pessoal que existe a zona destinada ao descanso dos funcionários. De salientar que serão previstos 22 funcionários, masculinos e femininos, para o edifício do Lar e do SAD.

36

A área de refeições situa-se no piso 0, no mesmo alinhamento da sala de convívio e actividades; está também subdividida em dois espaços, e que também podem tornar-se num só espaço caso se justifique. É desde a sala de refeições que se pode aceder de uma forma directa ao pátio exterior. A intenção primeira é que os espaços de refeição sejam contidos, e transmitam uma sensação acolhedora aos utentes. Existe também um núcleo de Instalações sanitárias próxima da zona de refeições, incluindo IS para deficientes. Na área destinada às refeições, e logo na entrada, existe uma bancada com um lavatório, munido de torneira automática com água quente e fria, e secador de mãos automático e toalheiro.

Quartos Os quartos encontram-se agrupados por núcleos de 9 unidades por cada piso, perfazendo um total de 18 quartos. Estão previstos 8 quartos duplos, 6 individuais e 4 de casal. Cada piso possui uma sala de estar de apoio com copa, uma rouparia e uma zona de sujos. Relativamente à disposição interior dos quartos foram observadas todas as normas aplicáveis, a partir de um módulo simétrico que se repete continuamente. Todos os quartos possuem instalação sanitária própria, com acesso privado, zona de roupeiro embutido e espaço de secretária e leitura. A área de cada uma das instalações sanitárias privativas é de 7,00m² e contemplam sanita, bidé, lavatório e duche com 1,50 x 1,10, e incluem todos os acessórios para dar cumprimento aos regulamentos aplicáveis. A área de duche está embutida no próprio pavimento, dando continuidade ao revestimento previsto nestes compartimentos, em vinílico pitonado anti-derrapante. A ala dos quartos possui ainda em cada piso uma instalação sanitária completa, com banho de ajuda, com a área de 12 m², e que prevê a instalação de uma banheira com as dimensões de 1,80mx0,80m.

(Excerto da Memória Descritiva do projecto de execução) NPML Arquitectos Lisboa, Dezembro 2008

37


of miniature trains, a very valuable collection of great quality that

Emergency exits are provided on all sides of the building as

was offered at a good time to the Center. The Elderly House

well as at all points of access thereto, through the placement

The Social Infrastructure that Fonte Santa - Serra do Bouro

has a patio resulting from this division, for recreation of children.

of doors opening with ant panic bar outwards in the direction of

The functional organization of the building is intended to be as

Social Institution intends to build on their own property on

The building thus enables diverse uses in spaces that do not

evacuation. The route to be made between any main compartment

clear as possible, distinguishing objectively the private areas

Estrada do Arrife - Serra do Bouro, municipality of Caldas da

necessarily collide with each other, but rather work in comple-

and its emergency exit does not necessarily involve the crossing

of social areas, and making the space perfectly independent of

Rainha, comprise a kindergarten with a capacity for 33 children,

mentarity that we believe will enrich the whole.

of the corridor connecting the stairs and inside compartments

the other daycare. The areas and administrative services are

a ealdery house to 30 users and a home help service support

Downstairs are provided all the areas for household services,

that floor. All stairways, landings and hauls that integrate the

also structured to enjoy a functional autonomy relative to other

for 42 users.

home support, a dining room, a wing of bedrooms and even the

escape routes have a width equal to or greater than 1.20 m.

spaces.

This project was part of the Programme called PARES II, with

laundry room and kitchen staff, shared and support services

founds from the Government, the municipality and the private,

to households by a question of rationalization of resources

The elderly house

Atrium

which include numerous donations from the people of Serra do

and functions. The benefits of a second floor patio that serves

Bouro, residents or immigrants in the United States. We should

the entire home looking to the view of the city of Caldas da

The building of a Alderly House operates completely autonomously,

The lobby area of the entrance of the building is quite broad,

underline the fact that this project has been fully constructed on

Rainha to the valley. It is also an area of protection and can

but the main objective of these regroup social valences is to

incorporating reception and waiting areas on the side. It is from

a land donated to the institution by locals.

offer moments of tranquility or animation. Beneath the nursery

provide a healthy and enriching interaction between generations

this court that all the entire distribution to the building of the

develops the home help service, attached to the body of the

of grandparents and grandchildren. The building’s daycare does

house tok place and the area of social interaction between users.

home through a gallery inside and a porch that connects to the

not end in itself, it is intended that the children go to recreation-

The access to the museum room can be done through this

kitchen and where you can park a van, constituting as preferred

al places of living of the elderly, including the garden at floor 0.

area, and can also be done through access from the side of the

The building that is being built is located on land classified as

cargo area and discharges; here is also place to the garbage

The entrance is on the north side, on the alignment of the

elderly house, and for those arriving on foot or by car.

agro-forestry, urban mesh relatively consolidated, having sani-

properly compartmentalized with doors.

outdoor play area further south, separated from the entrance

tation infrastructure, water, electricity and communications. The

The implementation of the building had into account the profile

by a physical barrier on wooden slats, isolating the access of

land where the building will be deployed have good conditions,

of the natural parcel, trying as far as possible “recover” their

strangers to service. All the space inside the daycare serves as

good sun exposure, being high relative to adjoining land, and

original morphology. Following this same inclination developing

a large children’s play area, the area of personal on the right,

It consists of a technical director Office, meeting room, an

with a very low phreatic water level.

the entrance ramp road and pedestrian access to the building,

the office of the director, then the dining room and pantry. In the

administrative office and a toilet. It is located on the 1st floor at

where the main entrance is. The access road is two-way and

background, and in a more demure, the nursery room and park

the end of the corridor leading to the living room. This zone easily

are guaranteed comfortable turning radius in concrete blocks, in

closer to the staff room. At the other end of the room older chil-

becomes independent of social areas of the house.

the area accessing to buildings on Floor 1.

dren, from 12 months to 36, closer access to outdoor play-

Introduction

Site location

Buildings

ground, which is considered a small playground. At the center

The proposal includes three distinct programs - ealdery, day care and home help service - for as many bodies of buildings

Access to the building

Management and Administrative Services

Staff facilities

of this space, a lantern that gives the impression of daylight even when due to bad weather conditions is not possible to use

This area is located on level 0, close to the service entrance

platform” which is the building polygon location.

The project envisages the establishment of 16 private parking

the playground. Spaces for meals and children toilets facilities

and also the the vertical core access that includes an elevator,

The idea was to create a chain of 2-storey buildings that ac-

spaces, two of which with dimensions of 5.50 mx3, 30m and

have natural lighting and ventilation through high windows that

not involving the crossing of circulations with other distinct

commodate the programs previously fixed, so as to provide

even a space dedicated to the aforementioned operation of

bend and become skylights.

functional areas. Facilities include a toilet for both sexes, and

easy recognition of each of them from abroad, even from dis-

loading and unloading zone of SAD, which includes 2 seats for

Special attention to the fact that meals will not be prepared the

two areas of lockers rooms one for personal service and one for

tances that the winding road from access to the site allows.

additional private vehicle support equipment. Parking spaces

baby´s nursery, with the exception of milk, porridge and snacks,

the kitchen staff, also separated by sex, contemplating each of

Taking advantage of the natural slope of the parcel, with a

will be on green cover type Soplacas grids, allowing the permeability

and there is only one cup to plating the food that is prepared in

them a dressing area with individual lockers, sink and cabinet shower.

slight slope to the south, and that seemed to be conducive to

of the ground.

a generous and well equipped kitchen on the main building. The

The room for staff starts in the toilets facilities, and develops as

the good orientation of the main areas, adjusted to this kind

The building has a main entrance to the elderly, visits, technical

route meals will be provided through a van that will transport in

a space completely independent of the others, naturally lit by a

of equipment - daycare and elderly house – at a higher level,

and administrative staff and also added entries dedicated

airtight containers and well accommodated, from level 0 to the

huge window opened to the spring. It is in this room that there

where they develop social areas, like nursery, the living rooms,

exclusively to staff in the building, SAD and in the Elderly

service entrance of the nursery. This route is properly identified

is a personal area for the rest of the staff. Total expected staff

a wing of rooms and room dedicated to the permanent exhibition

House, the latter completely independent.

on the drawings.

equal to 22..

that are interconnected by their lower floors, a sort of “common

38

Nursing home and support - structure

39


Social Activities

Rooms

This area is located on the top floor of the level1, and is divided

The rooms are grouped by cores of 9 units per floor for a

into two distinct areas: one dedicated to the living areas, and

total of 18 rooms. 8 double rooms are planned, 6 single and

another conducive to interaction between users, visitors and

4 double. Each floor has a living room with pantry support, a

staff. However it is possible to join both rooms so that it can

wardrobe and a dirty laundry area.

occur some kind of events and activities to be requested. The

The interior layout of the rooms observes all the rules, from a

project also includes pre-installation of a chimney for possible

symmetrical module that repeats continuously. All rooms have

location of a fire place in the living area.

their own toilet, with private access, a built-in wardrobe area

This area is located near a toilet for each sex, which includes

and a desk space for reading.

two cabins with toilet and even a toilet with area of 4.84 m²

The area of each of the private sanitary facilities is 7.00 sqm

(2,20 m x 2,20 m) equipped with a sink and toilet supported on

and includes a toilet, bidet, washbasin and shower with 1.50

pulleys with bars support bilateral and folding vertically. This

x 1.10, and include all accessories to comply with regulations.

toilet is specific to people with disabilities or less valid and will

The shower area is embedded in the pavement itself, continuing

be accessed through a sliding door 90 cm.

the coating provided in these spaces, with non-slip vinyl. The wing of rooms on each floor also has a complete toilet, with

Meals

helping bath with the area of 12 sqm, which includes a tub with dimensions of 1.80 m x 0, 80m.

The dining area is located on level 0, aligned with the lounge and activities area, is also subdivided into two spaces, and can

Health

also become a space only if justified. It is possible from the dining room to access directly to the outside patio. The intention

The dedicated area to the health service is at level 0, the next

is that the environment is quietand contained, giving a warm

access wing of rooms on the same floor. It has a health office

feeling to the users.

that has a fixed sink, and a toilet still attached, equipped with

There is also a core of toilet facilities near the dining area,

sink, toilet and shower base themselves in cabins. This space

including toilets for disabled. In the meals area, and at the en-

allows the placement of an articulated bed, and is sized to the

trance, there is a counter with a sink, equipped with automatic

care of people with the presence of a doctor and nurse.

faucet with hot and cold water, and an automatic hand dryer and towel. (Extracts from the Licensing Descriptive memory)

Services NPML Architects

The kitchen, which meet the conditions to prepare meals for the

Lisbon, December 2008

home users, the support and also the nursery, binds directly to the dining room, it is expected that the preparation of all meals are made here. The configuration of this space and those that are contiguous are normal in this type of use, it is important to underline the existence of a laundry space, which ultimately also serve all users of the Home Support.

40

Nelson PaciĂŞncia


Piso 0/ Level 0

Ficha Técnica/ Technical details Arquitectura/ Architecture Nelson Paciência e Marco Lourenço Programa/ Programme Lar de idosos + SAD + Creche/ Eldery House + Support + kindergarten Dono de Obra/ Developer Fonte Santa - Centro Social da Serra do Bouro Área bruta de Construção/ Gross Floor Area 2,140m2 Investimento Total/ Total Investment 1,219,561 Euros Projecto/ Project 2007/ 2009 Obra/ Construction 2010/2011

Piso 1/ Level 1

Construtora/ Contractor Henrique Querido, Lda

43


Acesso ao jardim/ garden acess, Nelson Paciência

Ala dos quartos/ rooms building, Nelson Paciência

Vista geral/ general view, Nelson Paciência Ala dos quartos/ rooms building - Nelson Paciência


Lar de Santa Catarina

................................................................................................................................................................................................... co-autoria com Marco Lourenço

Ficha Técnica/ Technical details Arquitectura/ Architecture Nelson Paciência e Marco Lourenço Programa/ Programme Lar de idosos/ Eldery House Dono de Obra/ Developer Centro Social e Paroquial de Santa Catarina Área bruta de Construção/ Gross Floor Area 1,621m2 Investimento Total/ Total Investment 1,200.000 Euros Projecto/ Project 2006/ 2008 Obra/ Construction 2009/2010 Construtora/ Contractor Planta de implantação/ site plan

Severo e Fialho


Casas/ Houses

.................................................................................................................................................................................................. Co-autoria com Marco Lourenço

“Uma casa é muito mais que quatro paredes. É aquilo que nos aconchega a vida” “A house is much more than four walls. It´s something that snuggles our life” (Raul Lino)


Casa da Benedita/ House in Benedita Função no projecto/ Role in project Arquitecto autor do projecto/ Project author Localização/ Location Benedita – Alcobaça, Portugal Cliente/ Client António Ivo + Clara Ferreira Programa/ Programme Moradia Unifamiliar/ House Área bruta de construção/ Gross floor area 500 m2 Projecto/ Project 2010-2011

DGP+DMA

Casa do Sobreiro/ Sobreiro House Função no projecto/ Role in project Arquitecto autor do projecto Localização/ Location Casal Leirião – Alcobaça, Portugal Cliente/ Client José Paulo + Eugénia Ribeiro Programa/ Programme Moradia Unifamiliar Área bruta de construção/ Gross floor area 224 m2 Projecto/ Project 008-2010 (em obra, conclusão prevista para Abril 2011)

DGP+DMA

53


Casa do Sobreiro/Sobreiro House, Nelson PaciĂŞncia


Casa das Casdas da Rainha/ House in Caldas da Rainha Função no projecto/ Role in project Arquitecto autor do projecto Localização/ Location Caldas da Rainha, Portugal Cliente/ Client Nelson sousa Carpinteiro Programa/ Programme Moradia Unifamiliar Área bruta de construção/ Gross floor area 310 m2 Projecto/ Project 2010/2012

Vista Sul/ South view, DGP+DMA

Casa da Várzea/ Várzea House Função no projecto/ Role in project Arquitecto autor do projecto - co-autoria com Marco Lourenço Localização/ Location Benedita – Alcobaça, Portugal Cliente/ Client Sérgio Dinis + Marta Valentim Programa/ Programme Moradia Unifamiliar/ House Área bruta de construção/ Gross floor area 279 m2 Projecto/ Project 2008-2010

56

Vista Nascente/ East view, DGP+DMA


“Elegância é liberdade de escolha.”

Vista Sul/ South view, DGP+DMA

“Elegance is freedom of choice.” Casa Miguel e Inês/ Miguel e Inês House Função no projecto/ Role in project Arquitecto autor do projecto Localização/ Location Ribafria – Alcobaça, Portugal Cliente/ Client Miguel Fonseca + Inês Mateus Programa/ Programme Moradia Unifamiliar Área bruta de construção/ Gross floor area 364 m2 Projecto/ Project 2007-2010

58

DGP+DMA

(Philippe Starck)


Agradecimentos/ Acknowledgements Agradeço aos meus filhos, pela paciência que tiveram nos serões e fins-de-semana em que não estive com eles. À Susana, que nunca deixou de acreditar que o esforço valeria mesmo a pena. Ao Promontório, por 10 anos absolutamente incríveis. Miriam, obrigado por tudo! Pelo entusiasmo contagiante e pela tua fantástica dedicação a este catálogo.

Thanks to my children for their patience in the evenings and weekends, when I was not with them. To Susana, who never stopped believing that the effort would be worth it. To Promontorio, for 10 years absolutely amazing. Miriam, thanks for everything! For the contagious enthusiasm and for your dedication to this fantastic catalog.

61


Índice Remissivo

............................................................

9.............................B Biografia/ Biography

48.............................C Casas/ Houses

15.............................D Dolce Vita Tejo

10.............................E Entrevista/ Interview

25.............................K Kempinski Damascus

29.............................L Lar Serra do Bouro/ Ealdery House in Serra do Bouro

22.............................S Sede da Polícia Judiciária/ Polícia National Forensics Police HQ

63


Images/ Imagens .........................................

Pág. 5

Pág. 13

Pág. 19

Pág. 20/21

Pág. 22

Pág. 27

Pág. 29

Pág. 30/31

Pág. 43

Pág. 43

Pág. 43

Pág. 14

Pág. 16/17

Pág. 19

Pág. 19

Pág. 19

Pág. 24

Pág. 25

Pág. 19

Pág. 19

Pág. 39

Pág. 40

Pág. 41

Pág. 41

Pág. 42

Pág. 44

Pág. 45

Pág. 46/47

Pág. 48

Pág. 50

Pág. 24

Pág. 18

Bibliografia/ Bibliography Promontório Architects - Retail by the design specialists Issue 3/ Retail - 2010

Pág. 51

64

Pág. 51

Pág. 52

Pág. 52

Pág. 53

Pág. 54/55

Pág. 56

Pág. 56

Promontório Architects - Architecture for Tourism Issue 2/ Volume I - Summer 2009

65


Contactos: nelson.j.paciencia@gmail.com nelsonpaciencia.blogspot.com +351 91 763 97 42



nelson paciência