Page 1

DEBATE CUTista - SINPEEM

INDEPENDENTE e de LUTA

Boletim no. 77 - maio/2018 - Visite: http://debatecutista.blogspot.com/ - Entre em contato: debatecutista@gmail.com

UNIDADE DOS SERVIDORES E PROFISSIONAIS EM EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO DERROTA DORIA!

120 dias: se botar pra votar, a educação vai parar! A vitória dos servidores públicos municipais e dos profissionais em educação de São Paulo, após 19 dias na maior GREVE já realizada na cidade de São Paulo, é inegável. A unidade dos servidores impôs uma derrota ao governo Doria e vereadores aliados, que foi obrigado, em 27 de março, a suspender por 120 dias a tramitação do PL 621/16, que confisca salários e a previdência do funcionalismo. Doria pretendia se cacifar como candidato do mercado financeiro à presidência, privatizando a previdência dos servidores, encomenda feita pelos banqueiros ao governo golpista de Temer, também derrotada pela unidade da classe trabalhadora na Greve Geral de 28 de abril de 2017 contra a destruição da Previdência. Doria tentou jogar a população contra o movimento, pagou propaganda nas TVs e jornais, tentou enrolar as entidades numa pseudo negociação às vésperas da votação, e blefou quanto à quantidade de votos dos vereadores, distorceu números no projeto fraudulento que costurava o confisco dos salários dos servidores. As assembleias massivas, os atos unitários dos servidores, o diálogo com as comunidades foram determinantes para anular os ataques de Doria ao funcionalismo e aos serviços públicos. Os diversos sindicatos da base dos servidores se unificaram a partir da vontade da base da categoria. E, a exemplo da a vitória imposta ao governo Temer, quando enterramos a "reforma" da previdência do governo federal, demonstramos que era possível derrotar a reforma de Dória. É bom lembrar que a CUT teve papel importante na articulação dos sindicatos de servidores filiados à central e a solidariedade das demais categorias. A Greve foi suspensa. Voltamos ao trabalho de cabeça erguida, prontos para voltar às ruas e à GREVE, com plena unidade do funcionalismo, caso o PSDB se atreva a nos

atacar novamente! Até o momento a Comissão aprovada quando da suspensão da tramitação da reforma de Dória não está em funcionamento, mas o presidente da Câmara Milton Leite (aliado de Dória) anunciou que constituirá a comissão. Doria saiu da prefeitura após um ano e três meses, é candidato governador, mesmo «sem ser político» e prometendo que não se afastaria do cargo de prefeito durante os 4 anos. Seu substituto, Bruno Covas, segue com mentiras e o compromisso com o setor privado de destruir os serviços públicos.

Em defesa dos direitos da classe trabalhadora, da democracia e da nação! A nossa vitória foi um ponto de apoio aos trabalhadores de todo o país, para enfrentarmos o programa do GOLPE, que Doria apóia. A luta pelas reivindicações é inseparável da luta pela r e t o m a d a d a democracia, pois os partidos e instituições (legislativo, judiciário e grande mídia) que atacam os direitos da classe trabalhadora, são os mesmos que defenderam o GOLPE desde 2016 e, agora, prendem Lula sem provas para impedi-lo de ser candidato à presidência. Para a população está cada vez mais claro que a perda de direitos, a destruição dos serviços públicos, os 14 milhões de desempregados resultam do programa do GOLPE e mais de 30% das intenções de voto na candidatura de Lula refletem a vontade popular de reverter esse quadro, recuperando os direitos e a democracia. Nós sabemos que as reformas populares precisam de uma Constituinte Soberana que enfrente a podridão do executivo, do legislativo e do judiciário! Nós, que animamos o boletim Debate CUTista SINPEEM Independente e de Luta nos integramos a esse movimento de resistência da classe trabalhadora e chamamos todos os profissionais em educação a formarem Comitês Lula Livre, em defesa dos direitos, da democracia e da nação!

Nelson Galvão - CR Perus; Rogério Marinelli - CR Freguesia do Ó; Carin Moraes - CR Santo Amaro; Francisco D. da Silva - CR Ipiranga; Juliano Godoi - CR Santo Amaro; Luciana Zucchi – CR Pirituba; Luana Bife CR Guaianases; Marco A. Ferreira - CR Ipiranga; Alani Stefania Widniczek - CR Butantã; Sabrina Teixeira - RE EMEF CEU Butantã; Edilene de C. Z. F. Ribeiro - Diretora da Emei Olga Benário Prestes; Vitor Gomes da Costa - RE EMEF Carlos Chagas;Luiz Henrique Isidoro Gabriel - RE EMEF Elias Shammass; Vágner Sérgio dos Santos - CR São Miguel Paulista;


Boletim no. 77 - maio/2018 - Visite: http://debatecutista.blogspot.com/ - Entre em contato: debatecutista@gmail.com CURRÍCULO DA CIDADE: UM ENGODO EM GESTAÇÃO! Está em curso um processo de «formação» realizado pela SME tendo o Currículo da Cidade em pauta. Em seis encontros, o Governo de Bruno Covas, pelas mãos do Secretário da Educação, Alexandre Schneider, pretende «formar» multiplicadores das propostas contidas no Currículo da Cidade. O Currículo da Cidade se inscreve nos marcos da BNCC para o Ensino Básico apresentado pelo governo Golpista de Temer. Coerente com o plano do GOLPE, centra o seu receituário nas necessidades do mercado e não no direito ao aprendizado dos estudantes. As receitas para por em prática o Currículo da Cidade priorizam o ensino de competências e habilidades, métodos de estudo, preconizam flexibilidade e fornecem cartilhas impressas e virtuais para estudantes e professores. Vendidas como A SOLUÇÃO PARA AS MAZELAS DA EDUCAÇÃO, jogam para debaixo do tapete o principal: as más condições de trabalho dos profissionais em educação e preparam a responsabilização destes com os parcos resultados das Avaliações Externas (sondagens, Prova São Paulo, Prova Brasil etc). Currículo X Condições de trabalho Ao Secretário Alexandre Schneider não importa que as escolas estejam desestruturadas e sofram com os cortes de verbas e congelamento dos investimentos (EM 95): faltam professores; faltam carteiras; material pedagógico; reparos básicos nos pátios; parques e salas de aula; há desativação de importantes espaços como salas de arte, brinquedotecas, laboratórios de informática; não há construção de escolas e a ampliação de número de crianças por adulto e salas se amplia; a redução do quadro de apoio se amplia etc. Enquanto falta papel sulfite e impressão, faltam horas-atividades para elaborar/corrigir atividades, para preencher SGP. O desdobramento das sondagens são milhões gastos com a impressão de cartilhas e a plataforma virtual em parceria co a UNESCO. Mas a propaganda vai bem, inclusive a propaganda política contida nos Cadernos fornecidos aos alunos. É preciso combater a esse engodo! O SINPEEM deve promover o debate contra o desmonte da educação organizado pela aplicação da BNCC e do Currículo da Cidade! Nelson Galvão - Conselheiro - Perus

CONFERÊNCIA NACIONAL POPULAR DE EDUCAÇÃO (CONAPE) Momento de unidade dos profissionais em educação! A se realizar entre os dias 24 e 26 de maio, em Belo Horizonte, a CONAPE é uma oportunidade de reforçar a defesa da educação, dos direitos e da democracia nacionalmente.  Para reforçar a luta, a CNTE convocou uma marcha em defesa da Educação Pública para o dia 24 de maio, confluindo para a abertura da CONAPE. Afinal, A educação pública é um dos principais alvos do Governo Golpista, passando ao patamar de principal nicho mercadológico. A privatização por meio de OSs e Convênios Privados é uma realidade avançada em diversos estados e municípios. Desde o Golpe de 2016, as perspectivas para o ensino público no Brasil mudaram para pior. Os royalties do pré-sal e os 10% do PIB para a educação foram sacrificados em nome de uma política de austeridade que somente atende os interesses do capital financeiro. Os recursos que antes deveriam ir para a saúde e a educação foram surrupiados em nome desse ajuste fiscal.  Uma cruzada contra a implementação da “Lei Nacional do Piso do Magistério” corre ao lado do sufocamento das fontes de financiamento. Prefeitos e Governadores que já não cumprem a lei agora querem desfigurá-la para cessar seus efeitos. Não bastasse isso, o congelamento por 20 anos do orçamento destinado aos serviços públicos (EC 95/2016) levará toda a rede de proteção e serviço social ao colapso muito antes do prazo de validade da lei.  A defesa da lei do piso nacional e sua extensão para os funcionários de escola, a revogação da lei do teto dos gastos (EC 95/2016) e a volta dos recursos destinados à educação pública deve estar no centro dos debates na CONAPE. É fundamental que o SINPEEM mobilize a categoria para a Marcha em Defesa da Educação e fomente a participação na CONAPE.

Boletim 77 [05 18]  

Boletim Debate CUTista - SINPEEM Independente e de Luta

Boletim 77 [05 18]  

Boletim Debate CUTista - SINPEEM Independente e de Luta

Advertisement