Page 1

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012 - Nº4

Declarações de ex e atuais coordenadores de secção do NEEET “Mas como se pode sentir uma Coordenação de um Núcleo, que pretende defender os interesses e os direitos dos estudantes, quando os mesmos lhe solicitam apoio e a Coordenação tem que dizer-lhes, que para assuntos pedagógicos têm que falar com os estudantes da Comissão Pedagógica de Curso? Mal, muito mal, como é natural. É por isso que vejo esta recomendação com grande satisfação e esperança para o futuro.”

(PÁG.04 )

Grande Entrevista ao Fundador do NEEET “Já vários estudantes do curso tinham lançado essa ideia mas, no entanto, nunca tinham chegado a concretizá-la.” (PÁG.08 )

CAMBADA

Programa de Mobilidade

Projecto de Investigação e ferramenta de ensino do DETI

Conhece a Polónia

(PÁG. 03)

(PÁG.10 )

Atualiza-te Conhece o famoso smartphone com uma câmara de 41MP

(PÁG.13 )


Página 02 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012

EDITORIAL Caros Et’s, Com o fim do primeiro semestre termina o mandato da Comissão Instaladora do pré-Núcleo de Estudantes de Engenharia Eletrónica e Telecomunicações. É com enorme satisfação que vos comunico que o pré-NEEET passou a Núcleo no passado dia 13 de Novembro, esta passagem simboliza o reconhecimento por parte da direção da AAUAv do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelos elementos constituintes da Comissão Instaladora e de todos os que generosamente connosco colaboraram. Coordenado da Comissão Ao longo deste ano, o núcleo reInstaladora do NEEET- alizou diversas atividades extracurriculares tendo semAAUAv pre em vista a aquisição de

competências, o enriquecimento e a aprendizagem permanente. Desejo que a adaptação e integração dos novos alunos decorra da melhor forma possível, de modo a que a disponibilidade, empenho e participação desses seja um valioso contributo para todos nós. A quarta edição do Jornal Fiodeback integra uma Grande Entrevista ao Fundador do NEEETAAUAv, André Reis e respetiva comissão instaladora, cuja iniciativa preencheu uma lacuna no curso de EET. Podem ainda disfrutar do Projeto de Investigação da equipa CAMBADA, ler as histórias de quem foi de Erasmus para a Polónia e de quem esteve na nossa Universidade a usufruir

deste programa de mobilidade. Atendendo à grave crise económica e social em que vivemos, e dada a proximidade do Natal, aproveito esta oportunidade para apelar ao espírito solidário e fraterno de cada um, no sentido de contribuir com roupas novas ou usadas, com brinquedos ou outros produtos, no âmbito de uma campanha de solidariedade a favor de uma instituição da região de Aveiro. Desejo a todos um Feliz Natal e espero que, apesar dos enormes constrangimentos, nunca percam o sorriso. Saudações Académicas, Ana Afonso

VOLTÍMETRO EM BAIXO

Neste ano letivo deparamo-nos com algumas mudanças no funcionamento da biblioteca da UA. A mesma encurtou o horário, fechando agora não às 22h, mas sim às 21h. Se para muitos já era uma hora de encerramento que ficava àquem da necessidade dos estudantes, o que dirão agora! Outro aspeto de mudança negativo bastante visível é o facto de já não existir um segurança a fazer a ronda pelos pisos do edifício, aumentado, assim o ruído na biblioteca.

NO MEIO

Ao fim de onze meses de intenso trabalho foi com grande alegria que a Comissão Instaladora do NEEET-AAUAv recebeu resposta positiva por parte da Direção da AAUAv relativamente ao pedido de passagem a Núcleo. Contamos agora com a colaboração de todos para que, todos juntos, consigamos chegar cada vez mais longe.

EM ALTA

No passado dia 31 de outubro, não foi só noite das bruxas, ocorreu um dos maiores eventos organizados pelo NEEET-AAUAv, em colaboração com o NEEA-AAUAv, a festa MEGA HALLOWEEN PARTY, para a qual foi vendida a totalidade das 1500 pulseiras disponíveis

Queres dar a conhecer aos teus colegas o projeto que estás a desenvolver? Queres ver um artigo teu publicado na próxima edição do Fiodeback? Pretendes tornar pública uma teoria nova em que estás a trabalhar? Vem fazer parte do Fiodeback, o jornal de todos nós. Envia-nos as tuas sugestões e artigos para neeet@aauav.pt

Ficha Técniva: Jornal Oficial do Núcleo de Estudantes de Engenharia Eletrónica e Telecomunicações de Associação Académica da Universidade de Aveiro Propriedade: Núcleo de Estudantes de Engenharia Eletrónica e Telecomunicações de AAUAv Morada: Universidade de Aveiro - DETI sala 120 Campus Universitário de Santiago 3810-193 Aveiro E-mail: neeet@aauav.pt Site: neeetaauav.com

Equipa Editorial: Andreia Costa Gonçalo Gomes Patrícia Aleixo João Andrade

Revisão: Ana Afonso Tiragem: 300 exemplares

Colaboração: Prof. António Neves Tiago Alves Coordenação do NEEET-AAUAv

1. A comissão Instaladora do NEEETAAUAv não é responsável pelas ideias expressas em artigos não assinados, sendo que os que se encontram assinados são da autoria da equipa editorial.

Design e Paginação: Andreia Costa

2. A colaboração do Jornal Fiodeback está aberta a toda a Comunidade Académica. Dristribuição gratuita


CAMBADA

Página 03 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012

PROJETO DE INVESTIGAÇÃO E FERRAMENTA DE ENSINO DO DETI

RoboCup 2009 A Robótica é um ramo tecnológico emergente, que engloba mecânica, eletrónica e informática. Conjugar estas três componentes torna-se uma tarefa impossível sem um grupo de investigação multidisciplinar composto por várias pessoas. Neste contexto, e dados os três laboratórios de investigação aplicada existentes no IEETA (Processamento de Sinal, Sistemas Embebidos e Sistemas de informação) foi criada a ATRI (Actividade Transversal em Robótica Inteligente) que conta, não só com docentes e investigadores do DETI e IEETA, mas também com alunos do DETI. O CAMBADA nasceu como projeto de investigação financiado pela FCT (Fundação para a Ciência e a Tecnologia) em 2003 e ainda hoje se considera um dos projetos com mais visibilidade da ATRI. Isto deve-se, acima de tudo, aos resultados obtidos nas diversas competições de robótica onde tem participado mas também aos inúmeros artigos científicos que foram publicados em revistas e conferências da área. Mais recentemente, e como já foi apresentado noutros números deste jornal, a experiência obtida no CAMBADA está a ser usada no desenvolvimento de novos robôs para outras aplicações, nomeadamente em robôs de serviço e equipas de robôs humanoides. Podemos afirmar que desde muito cedo o projeto CAMBADA tem sido também uma ferramenta de ensino no DETI. Desde 2003 foram já realizadas ou estão a decorrer mais de 20 dissertações de mestrado e encontram-se neste momento a decorrer 5 Doutoramentos que direta ou indiretamente estão relacionados com

RoboCup 2011

o CAMBADA ou projetos derivados. O projeto tem também sido utilizado como plataforma para a realização de diversos trabalhos em várias disciplinas, sendo de destacar uma das mais recentes opções propostas aos alunos de 5º ano: “Robótica Móvel e Inteligente”.

pera e que me fez procurar algo mais nesta área mesmo depois da cadeira terminar. Desta maneira decidi contribuir para o projeto CAMBADA e durante uns meses tive oportunidade de trabalhar com robôs reais, muito além do que qualquer simulador podia oferecer.”

ter vivido uma experiência “francamente enriquecedora e estimulante”, e deixam uma palavra de incentivo aos colegas que nutrem pela robótica o mesmo interesse: “Aconselhamos vivamente os nossos colegas que gostem de programação a experimentarem este desafio”

Desde o seu início, que o projeto tem sido marcado pela passagem de alunos do DETI, quer através dos referidos trabalhos de Mestrado e Doutoramento mas também através de diversas bolsas de investigação concedidas a alunos desde o 1º ao 4º ano dos cursos do DETI. Não menos importante tem sido a colaboração de vários alunos ao longo dos anos que, apesar de não terem qualquer vínculo dos referidos atrás com o projeto, também têm dado o seu contributo muito importante para o seu desenvolvimento.

Mas também há lugar para alunos do MIEET. Ricardo Dias tornou-se voluntário logo no 1º ano do curso: “Quando me candidatei, fi-lo sem saber muito bem se estaria à altura. Com o passar do tempo, acabei por perceber a importância de algumas disciplinas e a experiência ainda me ajudou a encaixar vários conceitos aparentemente abstratos num contexto prático. Ao contrário do que pensava, atualmente o trabalho que há a desenvolver no CAMBADA é sobretudo ao nível da programação. Entrei a pensar que iria trabal-

O desafio lançado ao Luis mostrou-lhe algo que diz talvez queira seguir no futuro e está de momento a trabalhar numa dissertação de Mestrado relacionada com o projeto CAMBADA@ Home. Já Ricardo, frequenta atualmente o 4º ano do curso e conseguiu uma Bolsa de Iniciação à Investigação no IEETA onde continua a sua colaboração com o CAMBADA. Ricardo afirma que a sua dissertação será muito provavelmente na área da robótica inteligente.

Desenganem-se então os que pensam que para um aluno colaborar numa atividade de investigação é necessário esperar pela altura de escolher o tema da Dissertação de Mestrado. Foi o caso de dois alunos do DETI quedecidiram voluntariar-se para a equipa CAMBADA. Luis Ferreira, aluno do MIECT, que teve o seu primeiro contacto com a robótica na disciplina de opção de 5º ano “Robótica Móvel e Inteligente”, disse: “Esta disciplina despertou em mim interesses que até à altura não tinha encontrado no curso de Eng. de Computadores e Telemática. O meu trabalho final envolveu criar um comportamento de interseção de bola para os jogadores robóticos da equipa CAMBADA, e revelou ser um desafio do qual eu não estava à es-

Robótica 2012 har em micro-controladores ou eletrónica e acabei a programar em C++, tanto ao nível do agente de software que comanda o robô (inteligência artificial) como no desenvolvimento de ferramentas gráficas de suporte e calibração.” Ambos os alunos encararam o CAMBADA como um desafio complementar ao curso, e dizem

Queres ser voluntário? Mostra o que vales e contacta um dos grupos de investigação de robótica da UA. Podes consultar o site http://robotica.ua.pt/, onde encontrarás links para os vários projetos a decorrer de momento.


Página 04 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012

COMISSÃO INSTALADORA DO NEEET-AAUAv A equipa do Jornal Fiodeback falou com os elementos da comissão instaladora e deixamo-vos aqui algumas declarações quanto aos motivos que os levaram à criação do Núcleo de Estudantes de Engenharia Eletrónica e Telecomunicações da associação Académica da Universidade de Aveiro. Devido a algumas alterações que sofreu a comissão inicial pedimos aos novos elementos para também mostrarem os seus interesses quanto à entrada no NEEET. que é hoje a única estrutura com voz suficientemente forte para defender os de maiores interesses de todos os estudantes. Aliado a este facto começou-se a viver um período de estagnação no curso de EET com a existência de uma evidente dificuldade das restantes estruturas existentes no departamento em cativar os estudantes para o associativismo e, consequentemente, uma enorme dificuldade em cativar os estudantes a participarem em atividades Miguel Nóbrega extra curriculares que são, hoje Inicial e atual em dia, grandemente reconResponsável Financeiro hecidas pelos empregadores. Por outro lado, os resultados “Caros Colegas, das candidaturas ao Ensino SuFoi no dia 15 de dezembro de perior no ano de 2011, em que 2011 que o projeto NEEET- pela primeira vez o curso de AAUAv deu os primeiros passos MIEET não preencheu a tocom a sua aprovação pelos alu- talidade das vagas na 1ª fase, nos de MIEET. Passado quase fizeram soar o alarme. Alerum ano desse importantís- tou não só os responsáveis desimo passo, cabe-nos a nós, es- partamentais mas também os tudantes de MIEET, fazer um próprios alunos de MIEET de balanço deste primeiro ano de que algo deveria e tinha de ser atividade do NEEET-AAUAv. feito para recolocar o curso de Sendo eu, orgulhosamente um MIEET no patamar que merece. desses estudantes, passo a par- Conscientes desta necessidade, tilhar convosco o meu balanço. um conjunto de alunos juntouA não existência de uma es- se, discutiram estas e outras trutura que representasse unica- temáticas e decidiram avançar mente os estudantes de MIEET para a criação do pré-NEEETfoi desde sempre um assunto AAUAv. Este grupo de alunos era tabu no seio do nosso departa- muito mais do que um grupo de mento. Muitas vezes se falava colegas ou amigos. Primava por entre os estudantes o porquê de ser um grupo heterogéneo, constal facto e o porquê de EET não tituído por estudantes das diverseguir o caminho que a grande sas matrículas, alguns já com exmaioria dos cursos da Univer- periência no associativismo, que sidade de Aveiro seguia: a cri- alimentava sonhos comuns: unir ação de núcleos de cursos asso- e dinamizar o curso, criar valor ciados à estrutura mãe, AAUAv, acrescido para os estudantes de

EET, ajudar na complementação da formação dos estudantes de EET, ajudar o departamento na divulgação da imagem do curso, fazer a ponte entre o departamento e a AAUAv, em suma, o sonho de tornar o curso de EET mais forte. Surgiu então o pré-NEEETAAUAv, um projeto sólido e consistente, que num ano de atividade conseguiu afirmar o seu nome em toda a Universidade, DETI e estrutura da AAUAv. O primeiro ano de atividade do NEEET-AAUAv fica marcado por uma excelente dinâmica, tendo sido capaz de conciliar atividades como o 1ºCiclo de Conferências, visitas a escolas secundárias, workshops, KIT NEEET, KIT EET, festas em conjunto com outros núcleos, fomentação da atividade desportiva através do incentivo à participação na Taça UA nas diferentes modalidades, Jornal Fiodeback, entre muitas outras. Contudo, nem tudo foram facilidades. Durante este caminho, deparamo-nos com algumas barreiras, nomeadamente com a desconfiança de algumas pessoas no projeto que com êxito levantávamos, mas que nunca puseram em causa um projeto com uma base sólida e hoje já consolidado. Os estudantes de EET têm de entender que este projeto não veio ocupar o lugar de ninguém nem para por em causa outros projetos. O NEEET-AAUAv veio ocupar o lugar que lhe está destinado como representante único dos estudantes de EET. Por outro lado, os estudantes têm de se consciencializar que a AAUAv

é a única estrutura reconhecida pela Universidade de Aveiro representativa de todos os estudantes e, como tal a estrutura verdadeiramente capaz de defender os interesses de todos os estudantes. A existência de núcleos de cursos enquadrados na estrutura da AAUAv é uma mais valia para todos. Como tal, e na minha opinião, é imprescindível que se uniformize o projeto associativo da Universidade de Aveiro com a integração de todas as estruturas representativas de estudantes na estrutura da AAUAv. Uma estrutura mais forte e sólida conseguirá, certamente, desempenhar o seu papel de uma forma mais rápida e eficaz do que múltiplas pequenas estruturas individuais. O reconhecimento do sucesso deste projeto e da equipa que em conjunto com todos os estudantes de EET o ergueu, foi ainda mais visível aquando da atribuição dos prémios de Núcleo Revelação e Dirigente Revelação na gala de aniversário da AAUAv. Foi para todos nós um motivo de orgulho e que esperamos ter deixado orgulhosos também todos os estudantes de EET. Estes prémios vieram acrescentar um ainda maior sentido de responsabilidade a este projeto que acreditamos ter bases para que o NEEETAAUAv seja, em breve, reconhecido como um exemplo a seguir. Para que tal seja possível, é necessário continuar a trabalhar arduamente para o sucesso deste projeto. É necessário unir os estudantes em prol deste projeto


Página 05 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012 que culminará num curso mais forte. É essencial que se ofereçam aos estudantes uma maior diversidade de atividades capazes de os valorizar, que se procurem plataformas de ajuda aos alunos, não só a nível educativo como também a nível pessoal, que se incentive a prática desportiva e que se fomente a sua participação nestas atividades. É imprescindível que os estudantes percebam a importância destas atividades no seu desenvolvimento pessoal, que participem, que colaborem, que deem sugestões e que sejam ativos no associativismo. Todos ganharão com isso. Por último, num jeito de balanço pessoal e ao mesmo tempo de despedida, gostaria de vos dizer que foi para mim um prazer fazer parte deste grande curso de EET e que ao longo destes 5 anos e meio tudo fiz pelo bem do curso. Após duas comissões de faina e um ano de núcleo, muito foi o tempo dedicado em prol do curso. Se calhar nem sempre da melhor forma, como todos, também cometo erros, mas saio de consciência tranquila e de que mais seria difícil ter feito. Ao longo destes anos, além do magnífico conhecimento técnico e científico que ganhei, também a nível pessoal foi extremamente enriquecedor. Apesar do tempo que despendi e que deveria ter dedicado aos meus estudos, não me arrependo porque saio consciente de que em conjunto com alguns colegas e amigos, tentamos fazer algo mais por este curso. Todos juntos seremos mais fortes! Força EET! Até sempre. Saudações académicas”.

Ana Afonso

Inicial Coordenadora da Secção Informativa Atual Coordenadora

“O curso de Engenharia Eletrónica e Telecomunicações foi um dos primeiros a surgir na Universidade de Aveiro (UA), é um curso com prestígio nacional e internacional, e era dos poucos que ainda não tinha uma estrutura que apenas representasse os seus estudantes. Muitas pessoas se interrogavam sobre o porquê

disso acontecer e nunca ninguém respondia objetivamente, argumentavam sempre com os mesmos fundamentos de que o curso implica muito estudo, dedicação e empenho e que ninguém queria avançar com um projeto desta envergadura. O facto de sermos um curso com muitos estudantes deveria ter sido uma mais-valia no sentido de surgirem pessoas disponíveis e capazes de levar avante o projeto do Núcleo. Se houver a participação e empenho de todos, o tempo disponibilizado para este efeito não terá significado relevante no acompanhamento e preparação das atividades letivas e dos exames. Os anos passaram e sentiu-se uma forte vontade de responder às necessidades que surgiam no dia-a-dia do estudante de MIEET. Foi neste contexto que o André Reis, fundador do Núcleo, me propôs integrar este projeto, desafio que aceitei de imediato, pois reconheci aí a oportunidade de ser útil, e com o meu e outros contributos tornarmos o nosso curso mais visível, com maior reconhecimento e maior capacidade de mobilização. Desta iniciativa resultou a constituição da Comissão Instaladora do NEEET-AAUAv. Assumimos funções no dia 15 de dezembro de 2011, tendo-se finalmente conseguido criar o Núcleo de Estudantes de Engenharia Eletrónica e Telecomunicações da Associação Académica da Universidade de Aveiro (NEEET-AAUAv). Dia 15 de dezembro, passou a ser não só a data comemorativa do aniversário da Universidade de Aveiro mas também da existência do Pré-Núcleo de Estudantes de Engenharia Eletrónica e Telecomunicações da Associação Académica da Universidade de Aveiro (NEEET-AAUAv). Neste dia a Comissão Instaladora, encabeçada pelo André Reis, foi eleita por unanimidade na primeira Reunião Geral de Membros do curso de EET. Nesse momento começou o nosso esforço de afirmação do Núcleo, numa fase inicial no nosso departamento a nível do corpo docente e discente, explicando as causas que nos motivaram para a criação de uma estrutura como esta, quando já outras existiam. O NEEET-AAUAv está quase a completar um ano de existência e hoje é uma estrutura sólida e reconhecida dentro da Universidade, do Departamento e na estrutura da AAUAv. Durante este período de tempo o núcleo realizou diversas atividades desde o I Ciclo de Conferências que decorreu durante o mês de Março, workshops, visitas a escolas secundárias, apoio às unidades

curriculares de Programação I e Programação II, fez o Kit NEEET, Kit Eletrónica para os novos alunos, camisola de curso, festas em parceria com outros núcleos de curso, atividades desportivas, e pela primeira vez o curso de ET tem mais de uma inscrição em equipas de Voleibol e Basquetebol na Taça UA, conseguiu a edição de um jornal trimestral, o jornal FIODEBACK, a criação de um portal eletrónico (neeetaauav.com) entre muitas outras atividades. O associativismo vive do trabalho, esforço, dedicação e empenho de voluntários, que às vezes com sacrifícios pessoais, se dedicam a causas públicas, contudo nem sempre reconhecidas e acarinhadas, e como não podia deixar de ser tivemos algumas “batalhas” para ultrapassar, e por vezes ouvimos coisas muito desagradáveis, desde questionarem a nossa honestidade, o nosso trabalho e essencialmente o nosso projeto, sem nunca apresentarem alternativas ou prestarem alguma ajuda na realização das atividades. É de salientar que o Núcleo não vem tirar o lugar a ninguém bem antes pelo contrário, agora os alunos de ET têm quem os represente na única Associação Académica que é reconhecida legalmente pela Universidade de Aveiro. Os estudantes de ET podem-se orgulhar porque têm um núcleo exemplar ao nível da fiscalidade e que contribui para o avanço do nosso país e não para o seu flagelo. O núcleo apresenta um Plano de Atividades e Orçamento no início do mandato de cada coordenação e no fim desta, um Relatório de Atividades e Orçamento, em Reunião Geral de Membros, onde todos os estudantes podem verificar os movimentos bancários bem como as atividades que irão decorrer e como correram a nível financeiro. Nesta estrutura existe transparência e rigor. Como reconhecimento de todo o trabalho realizado pelo NEEET-AAUAv no dia em que se comemorou o 34º aniversário da Associação Académica da Universidade de Aveiro, recebemos dois prémios: o de Núcleo Revelação e o prémio de Dirigente Revelação que foi entregue ao nosso Responsável Financeiro, Miguel Nóbrega. Este segundo prémio foi extremamente bem atribuído e não julguem que digo isto por o prémio ter vindo para um elemento da comissão instaladora do Núcleo, mas sim porque o Miguel Nóbrega é um exemplo de um estudante de MIEEET, foi um aluno exemplar ao longos dos seus cinco anos académicos, conseguiu conciliar os estudos, com o associativismo, com o desporto

e com a vida académica, é um exemplo de que é possível conciliar tudo desde que haja organização da nossa parte, motivação e empenho, com esforço e trabalho tudo se consegue. Aos alunos que acabaram de chegar apenas vos quero dizer para verem neste colega um exemplo de que mesmo estando em EET se podem ter atividades extracurriculares, sejam elas de que categorias forem, é preciso é ter “amor à camisola” e força de vontade. Para finalizar, o Núcleo já começou a ganhar um papel importante na afirmação e valorização do nosso curso, mas evidentemente que há muito caminho pela frente. A coordenação irá empenhar-se diariamente para que os estudantes de MIEET se envolvam mais neste projeto associativo, pois só assim o Núcleo terá condições para progredir (e continuar a ganhar prémios como Núcleo Revelação) mas para isso é preciso trabalho e dedicação da nossa parte e que todos os estudantes participem e colaborem para o bem do nosso curso. Fazendo uma retrospetiva da minha contribuição para este projeto só vos posso dizer que sinto, sem dúvida alguma, o espírito de dever cumprido e foi com enorme orgulho que recebi a notícia de que passámos a Núcleo. Conseguimos gerir e lidar com certos problemas que foram surgindo, porque inserir uma estrutura como a do NEEET-AAUAv não foi fácil, tal como mencionei anteriormente, e por vezes deparámo-nos com algumas situações complexas e que exigiram determinação para serem ultrapassadas. Pretendo que o núcleo cresça e que consiga ter capacidade de inovação nas coordenações futuras. Apelo ainda à colaboração de todos os estudantes, não tenham receio de se juntar a nós, porque na realidade o Núcleo é de todos nós! EET hoje e sempre, obrigada a todos que nos ajudaram até hoje. Saudações Académicas”


Página 06 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012 trar todos os dias. Acabo com um agradecimento a todos os que acreditaram em nós e nos ajudaram a construir este Núcleo que se irá tornar num dos melhores da UA sem qualquer sombra de dúvida.”

Teófilo Monteiro

“Sempre que se fala de um curso na Universidade Aveiro, necessariamente, tem que se falar do Mestrado Integrado em Engenharia Eletrónica e Telecomunicações. Para além de ser um dos mais antigos é também um dos quais ostenta mais empregabilidade nesta nossa academia. Apesar da excelente formação que a UA nos oferece, não nos prepara completamente para sermos os futuros Homens/ Mulheres de Portugal. Complementarmente à formação que nos é dada devemos aproveitar o tempo que passamos na Universidade a crescer socialmente e culturalmente, criando laços de amizade e desenvolvendo as nossas capacidades como seres humanos. Este foi o apelo que me motivou a entrar neste projeto que é o Núcleo de Estudantes de Eletrónica e Telecomunicações da AAUAv, tendo como intuito aproximar-me do trabalho desenvolvido pela AAUAv ao longo destes anos. Apesar da AAUAv ser uma associação de alunos para alunos, não consegue alcançar todos os seus membros sendo necessária a criação de pequenas estruturas que abranjam pequenas comunidades como a dos Estudantes de Engenharia Eletrónica e Telecomunicações. A criação do NEEET foi sem dúvida um grande passo para que todos os alunos estejam mais próximos da AAUAv e das suas atividades e complementarmente fossem desenvolvidas atividades viradas para os alunos de MIEET para que o seu conhecimento não ficasse cingido a uma sala de aulas. Até à data penso que grande parte dos objetivos da criação do NEEET estão a ser a pouco e pouco alcançados, ajudando também à coesão de todo o nosso curso. Apesar de acreditar na força deste projeto, por motivos pessoais, tive de me ausentar da coordenação, no entanto, a minha vaga foi preenchida sem dúvida alguma, por um grande coordenador, Tiago Patrício, como se tem vindo a demons-

Andreia Costa

Marina Jordão

Inicial Coordenador da Secção Académica e Desportiva

Atual Coordenadora da Secção Informativa

Inicial e atual Coordenadora da Secção Administrativa

Tiago Patrício

Atual Coordenador da Secção Académica e Desportiva

“O projeto Pré-Núcleo de MIEET cativou-me desde o momento em que este não passava de uma simples ideia, ideia de um ex aluno, o antigo Coordenador, André Reis. A importância do NEEET passa, na minha opinião, pelo facto de ser necessário haver uma estrutura organizada que nos represente, com um nível de seriedade, perante as empresas do nosso setor e toda uma comunidade, como sendo um curso com uma das maiores credibilidades a nível nacional e internacional. Estando ainda a trabalhar como colaborador e acompanhando o trabalho dos meus colegas ao pormenor, percebi que este projeto estava a ganhar a dimensão que refletia o empenho e esforço que toda a coordenação lhe dedicava, sendo esses os valores pelos quais me rejo neste momento. Iniciei então a minha participação como colaborador da secção em que agora sou Coordenador, a Secção Académica e Desportiva, secção esta que esteve a cargo do meu colega Teófilo Monteiro durante o 2º Semestre do ano letivo de 2011/2012. Estive sempre bastante presente e ao corrente de todas as atividades realizadas pelo NEEET, o que me deu a vantagem de perceber o que era necessário trazer e explorar, aquando da minha entrada para coordenador. Estando a nossa presença a nível desportivo bastante àquem, dentro da academia, optei por este meio para unir o curso e lutarmos pelo objetivo, que é trazer a Taça UA. Conto que o meu esforço e o de toda a coordenação, nos leve mais longe e vos deixe com boas memórias para mais tarde recordar do que foi esta passagem pela nossa Academia!”

“O curso de MIEET da Universidade de Aveiro, há alguns anos que andava descuidado relativamente às atividades extra que compõe o estudante universitário, além do curso. Era necessário despertar os estudantes para a importância da sua formação não passar única e exclusivamente pelas capacidades adquiridas pelo curso. Mas também por desempenhar ações de carácter académico, pedagógico, cultural e desportivo, dentro do Departamento e da Universidade, incentivando ao espirito de curso. Foi perante estas circunstâncias que, juntamente com os meus colegas da comissão instaladora, nasceu o projeto NEEET-AAUAv, uma estrutura dentro do Departamento que defende os interesses dos estudantes de MIEET, oferecendo-lhe atividades que completam o seu percurso académico, contribuindo para uma formação diversificada e a envolverem-se ainda mais no curso. É com um enorme orgulho que vejo hoje o NEEET-AAUAv como uma estrutura reconhecida dentro do Departamento, pelos alunos, professores e funcionários por oferecer uma experiência académica mais rica, assim como na restante Universidade de Aveiro. Muito obrigado pelo empenho de todos os meus colegas que tornaram este projeto possível e a todos aqueles que se venham a envolver, para que futuramente o NEEET-AAUAv se evidencie na Universidade de Aveiro, como um núcleo que contribui todos os dias para a melhor formação do estudante.”

“O

projeto NEEET mais cedo ou mais tarde teria de surgir. Era essencial para a comunidade estudantil de EET. Era urgente a criação de uma estrutura que defendesse os interesses dos alunos, promovesse atividades úteis para o seu enriquecimento cultural e social, tais como workshops e palestras. Em suma, uma estrutura que promovesse a entreajuda e companheirismo. Sempre acreditei neste projeto, por isso aceitei o convite, inicialmente, para colaborar na secção Administrativa e atualmente como Coordenadora da Secção Informativa. Este projeto ajudou-me quer a nível pessoal quer a nível profissional pois permitiu-me ter uma visão mais ampla “do mundo” do trabalho e da relação entre as pessoas (entreajuda). É um projeto que desenvolveu muitas atividades mas que pode chegar mais longe com a ajuda de todos. Por isso, contamos com a participação de todos para que continue a ser o excelente projeto que é!”

Rui Filipe

Inicial Coordenador da Secção Pedagógica

“Porquê fundar um Núcleo, quando tudo parecia funcionar? Porquê mudar um departamento? O DETI, grandioso departamento de que tanto tenho orgulho, estava estagnado para os alunos


Página 07 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012 de EET: enquanto os outros cursos tinham conferências, workshops, no DETI tudo era raro e selecionado, chegando ao ponto de nada haver em prol dos alunos, de termos a fama toda, mas na realidade, e para qualquer aluno de EET, não termos o respetivo proveito! Dessa forma, todo o aluno de EET acabaria o curso sem saber bem o que se tinha passado nos últimos anos. Isto não era o verdadeiro curso de EET, este não deve ser o verdadeiro espírito de EET! Depois de mais um ano a ver as mesmas coisas a acontecerem no nosso departamento, da passividade para com os alunos e já a contar com alguma experiência dentro do curso, um conjunto de fatores levaram a que me juntasse com alguns colegas, uns conhecidos, outros não, mas todos com o mesmo objetivo: fazer crescer novamente o nome e curso de EET, com gente nova. As ideias surgiram naturalmente: tudo coisas simples que faziam falta, tudo o que sempre se falava nos intervalos do café mas que não passavam da ideia. Não inventamos nada: pusemos em prática! Falamos com os nossos colegas, eles receberam bem a ideia, e daí surgiu o NEEET. A verdade é que mesmo com algumas vozes contra, algumas por razões óbvias, outras por puro desconhecimento dos nossos ideais, fizemos as coisas andar. Levamos alunos a encontros nacionais, aproximamos alunos de professores com palestras informais, temos hoje alunos de 1º ano a chegarem ao nosso grande departamento com jornais de curso, kits de electrónica, aulas de apoio de alunos para alunos e trouxemos mais e melhor informação sobre o nosso próprio curso. Há portanto cada vez mais gente nova a integrar/interagir neste projeto, o que faz com que sejamos os mais novos e mais ativos dentro do nosso departamento! Apesar de estar ausente durante este semestre, sempre acompanhei o trabalho da minha secção e das restantes. Foi um orgulho trabalhar com todos eles, em especial com a Inês Oliveira, excelente pessoa com quem tive oportunidade de partilhar a secção pedagógica e que teve uma grande dinâmica desde o início do NEEET. Um grande abraço também para o João Bastos, pela sua grande e natural passagem de colaborador para coordenador, assim como para o grande ninja Moreira, Toni e Bruno! Por último, um especial obrigado a todos os que apoiaram o NEEET desde início e que contribuíram com palavras amigas. Foi deles que surgiram mui-

tas ideias e espero que continue assim pois o NEEET não é de ninguém, é sim de quem quer ver este curso crescer.”

Inês Oliveira

Inicial Coordenadora da Secção Pedagógica

“Assim que me foi apresentada a ideia de criar um Núcleo de Estudantes de Engenharia Eletrónica e Telecomunicações , achei que fazia todo o sentido concretizá-la. O Pré-NEEETAAUAv foi, sem dúvida, o mais importante projeto no qual estive envolvida e, no qual, não hesitei em participar, ao receber a proposta por parte do André Reis, anterior Coordenador do Pré-NEEET-AAUAv. Nessa altura, estava há pouco mais de um ano a frequentar o curso, mas esse fator não me impediu de notar a necessidade de existir uma estrutura devidamente organizada que representasse exclusivamente os estudantes de MIEET. Era, de facto, urgente criar um órgão capaz de responder por todos os alunos do curso, bem como atender às suas necessidades do ponto de vista, não só pedagógico, mas também desportivo, cultural, académico e administrativo. A organização da estrutura interna do que viria a ser o PréNEEET-AAUAv, assim como o planeamento das primeiras atividades, foram elaborados até dezembro, mês no qual fui eleita para integrar a Comissão Instaladora e, simultaneamente, a Coordenação do recém Pré-Núcleo ao lado do André Reis, do Miguel Nóbrega, da Marina Jordão, do Teófilo Monteiro, da Ana Afonso e do Rui Filipe Costa. A Secção que escolhi para exercer funções foi a Pedagógica, cuja Coordenação partilhei com o Rui Filipe Costa. A razão da minha escolha, prendeu-se com o facto de querer atuar diretamente no enriquecimento curricular e extra-curricular dos alunos de MIEET. Posso dizer, que acabei por enriquecerme também a mim, ganhando novos métodos de organização e, sobretudo, contactando com algumas pessoas do mundo empresarial, ao organizar o I Ciclo de Conferências – “Trabalha Para o

Teu Emprego” e ao integrar a Comissão Organizadora da Semana do Emprego ’12 da AAUAv. Posso ainda dizer, que nem sempre as atividades correram como previsto, dada a pouca experiência a organizar atividades deste cariz. Pessoalmente, senti alguma dificuldade em conciliar o trabalho no Pré-Núcleo com o trabalho nas Unidades Curriculares do curso, mas quero salientar que essa dificuldade foi partilhada por vários elementos da Coordenação e que se deveu ao facto do projeto, estando numa fase inicial, necessitar de uma dedicação especial. Para que o projeto resultasse e tivesse sucesso, foi preciso canalizar-lhe algum tempo e concentração da nossa parte. Na minha perspetiva, fazer parte da Comissão Instaladora do Pré-NEEET-AAUAv foi gratificante tanto a nível pessoal, como profissional. Decidi abandonar o Pré-NEEETAAUAv, por motivos pessoais, em setembro do presente ano letivo. Neste momento, apenas como sócia, tenho uma visão diferente e mais geral do Pré-Núcleo, ao qual dou, desde já, os meus sinceros parabéns. Tem-se revelado cada vez mais forte, realizando atividades novas com bastante regularidade. Realço ainda, as várias atividades de apoio aos novos alunos realizadas pela primeira vez em MIEET, desde o dia de receção, às aulas de apoio à disciplina de Programação I, passando pela venda do “Kit de Eletrónica” a um preço bastante inferior relativamente aos anos anteriores. Perante todo o trabalho apresentado desde o início deste ano letivo, merece, sem dúvida, a evolução a NEEET-AAUAv.”

João Bastos

Atual Coordenador da Secção Pedagógica

“Após o primeiro ano, após a “praxe”, o que fica? Após aquele primeiro verão tudo muda um pouco, temos de escolher horários, as turmas dividem-se, alguns colegas ficam para trás, nada acaba por ser igual. Com os anos as coisas pioram. Formam-se grupos, esquece-se o espírito do

“Somos ET” e passa-se a adoptar o espírito de “cada um por si”. Sem dúvida que o mercado de trabalho é uma “selva” e que precisamos de ser os melhores para vingar. Mas não basta sermos os melhores profissionais. Hoje em dia é muito importante possuirmos boas soft skills, como por exemplo, gerir projetos, pessoas e saber trabalhar em equipa. Por estes motivos é importante mudar a nossa atitude enquanto alunos e enquanto futuros profissionais. É preciso entender que as rivalidades apenas são boas enquanto promoverem o progresso. Precisamos de ser mais cooperativos dentro do curso e entre cursos. Precisamos também de perceber que partilhar conhecimento e ajudar os outros é tão bom para nós como para quem ajudamos. No fundo o que eu quero transmitir-vos é que precisamos de cooperar mais e contrariar este individualismo que se vai formando ao longo dos anos. Foi por querer ajudar a melhorar o nosso curso e tentar reinstaurar o sentido de entreajuda entre alunos, que aceitei o convite do NEEET para integrar a secção pedagógica, primeiro como colaborador e agora como coordenador. Estou muito feliz com o que conseguimos realizar até hoje e com o que ainda pretendemos fazer. Temos procurado melhorar a experiência académica e social de todos os alunos do curso, procurando incentivar e promover hábitos de estudo, formação extracurricular e convívio entre alunos. Porém, ainda há muito para fazer. É importante continuar a realizar atividades como as sessões de apoio, workshops e palestras mas é ainda mais importante procurar incentivar os alunos ao empreendedorismo, ao trabalho em equipa e à criatividade. Sei que o NEEET vai esforçar-se para concretizar estes objetivos, espero que tu também. A verdadeira mudança começa em nós. E já sabes, se quiseres ajudar-nos vem colaborar connosco!”


Página 08 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012

ENTREVISTA AO FUNDADOR DO NEEET-AAUAv ANDRÉ REIS Passados dois meses desde a sua demissão do cargo de Coordenador do NEEET-AAUAv, por consequência de mudança de curso, a equipa do Jornal Fiodeback foi à sua procura para a realização de uma entrevista em jeito de balanço do seu mandato à frente do Núcleo.

O projeto NEEET-AAUAv foi aprovado no dia 15 de dezembro de 2011. Sabemos no entanto que o mesmo já estava a ser planeado e desenhado há mais tempo. Como surgiu afinal a ideia de formar um Núcleo de Estudantes no nosso curso? Não são poucas as pessoas que pensam que a ideia de se avançar com um Núcleo de Estudantes de MIEET foi lançada por mim ou pela equipa que assumiu o NEEET-AAUAv em dezembro do ano passado. Contudo, essa ideia é uma ideia errada. Já vários estudantes do curso tinham lançado essa ideia mas, no entanto, nunca tinham chegado a concretizá-la. Lembro-me por exemplo da Ana Duarte em maio de 2011, numa Reunião Geral de Alunos, ter colocado à consideração de todos os estudantes do curso a possibilidade do dinheiro resultante da Comissão de Faina de EET, do ano lectivo 2010/2011, ser utilizado para se avançar com a criação de um Núcleo de Estudantes. Ora, isso vem exactamente provar que esta ideia já vinha na cabeça de várias pessoas, sendo que nós apenas decidimos de uma vez por todas avançar com ela para a frente. O que te levou a tomar essa iniciativa?

em setembro de 2011 que o melhor para mim seria não continuar na Direção da AAUAv, visto que pretendia dedicar-me única e exclusivamente ao curso. Foi então que decidi, através da minha página pessoal do facebook, lançar o tema da criação de um Núcleo de Estudantes. Lembrome que na altura gerou muita polémica, mas fiquei extremamente contente por ver muitos estudantes a quererem discutir este assunto e a apresentarem os seus argumentos em relação ao mesmo. Foi nesse preciso momento que decidi convidar um conjunto de pessoas para uma reunião privada de forma a discutir este tema, sendo que foi decidido por unanimidade que seria para avançar com todos os procedimentos necessários para se criar o NEEET-AAUAv.

“Várias vezes era picado por alguns colegas e amigos da Direção pelo facto de estar no maior curso da Universidade de Aveiro e de não existir um Núcleo de Estudantes associado ao mesmo.” O que esperavas do Núcleo? Esperava essencialmente que o Núcleo fosse capaz de defender os interesses e os direitos dos estudantes do curso, junto da AAUAv e junto do Departamento, e que conseguisse realizar um conjunto de atividades pedagógicas, académicas e desportivas com utilidade para todos os estudantes.

A minha passagem pela Direção da AAUAv no mandato de 2011 foi, sem dúvida alguma, um grande estímulo para que decidisse avançar com este projeto. Várias vezes era picado por alguns colegas e amigos da Direção pelo facto de estar no maior curso da Universidade de Aveiro e de não existir um Núcleo de Es- Todos os teus objetivos inicitudantes associado ao mesmo. ais para este projeto foram alPara além disso, tinha decidido cançados?

Posso afirmar, orgulhosamente, que grandes partes dos objetivos definidos inicialmente foram alcançados, contudo existem áreas que precisam de ser mais exploradas e mais promovidas, como por exemplo a parte desportiva. No entanto, não queria aqui deixar de referir que o atual Coordenador da Secção Académica e Desportiva, Tiago Patrício, e todos os seus colaboradores e restante Coordenação têm feito um trabalho excepcional ao longo dos últimos meses, com uma promoção e mobilização dos estudantes do curso para as competições desportivas da AAUAv que já há muito tempo não se via em MIEET e que devem honrar todo o curso. Foi com grande satisfação que ouvi ainda há bem pouco tempo por parte de um técnico desportivo da AAUAv que agora se conseguia perceber nitidamente a vantagem de em MIEET se ter criado um Núcleo porque, dizia ele a título exemplar, só na modalidade de Voleibol tínhamos triplicado o número de equipas participantes. Isto deve orgulhar não só todas as pessoais responsáveis pela área desportiva do NEEET-AAUAv como todos os estudantes do curso.

fendo um projeto associativo para a Universidade de Aveiro que enquadre todas as estruturas associativas dentro da nossa estrutura-mãe, a AAUAv. Acredito na verdade e na transparência como caminhos a seguir para a credibilização do papel dos estudantes na nossa Universidade. Defendo que todos os estudantes devem ser tratados da mesma forma. Tudo isto só é possível se eles tiverem devidamente organizados na mesma estrutura, a AAUAv, e que possam em conjunto discutir os problemas dos estudantes de cada curso, através por exemplo dos Conselhos de

“No entanto, não queria aqui deixar de referir que o atual Coordenador da Secção Académica e Desportiva, Tiago Patrício, e todos os seus colaboradores e restante Coordenação têm feito um trabalho excepcional ao longo dos últimos meses, com uma promoção e mobilização dos estudantes do curso para as competições desportivas da AAUAv que já há muito tempo não se via Ao longo do teu mandato foram várias as lutas que em MIEET e que devem abraçaste, sendo que algumas honrar todo o curso.” delas foram muito polémicas dentro do curso como, por exemplo, a tua posição relativamente a algumas estruturas associativas do nosso Departamento. Será que podes explicar melhor essa tua visão?

Núcleos, para que a Direção da AAUAv represente todos os estudantes da nossa academia da melhor forma. Será que faz sentido que o DETI ou o DECA estejam fora da estrutura da Universidade de Aveiro e que sejam independentes da mesma? Óbvio Claro que sim. De forma muito que não faz. É exatamente isso resumida, até porque a grande que defendo, ou seja, fará tammaioria das pessoas já conhecem bém sentido que existam na cobem esta minha posição, eu de- munidade estudantil estruturas


Página 09 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012 que se refugiam no estatuto de Associações Juvenis quando o seu campo de ação é claramente o estudantil fora da nossa estrutura mãe, a AAUAv? Deixo a questão.

deveríamos dirigir. Compreendi o Professor. De facto estava a agir da forma como tinha agir segundo os Regulamentos. Mas como se pode sentir uma Coordenação de um Núcleo, que pretende defender os interesses e os direitos dos estudantes, quando os Recente foi aprovado em Con- mesmos lhe solicitam apoio e a selho de Núcleos da AAUAv Coordenação tem que dizer-lhes uma recomendação ao Se- que para assuntos pedagógicos nhor Reitor da Universidade de Aveiro para que as Comissões de Curso estejam in- “A resposta não tardou e tegradas nos Núcleos de Cur- o Diretor de Curso comuso da AAUAv. Esta foi aliás nicou-nos desde logo que uma posição por ti sempre de- para assuntos relacionafendida. Como vês agora esta dos com as unidades currecomendação? Bem, essa moção, que convém referir que foi aprovada por unanimidade por todos os Núcleos da AAUAv, peca por chegar tarde. Mas é claramente uma vitória para a Coordenação do NEEET-AAUAv e para todos os Núcleos da AAUAv que vinham consecutivamente a defender esta posição e que tiveram capacidade de se juntarem e de, em conjunto, refletirem e tomarem uma posição. Lá está, tal como eu dizia há pouco, isto é o exemplo de uma clara vantagem de as estruturas estarem todas congregadas numa só. É com grande insatisfação pessoal que recordo um dos momentos mais desmotivantes que passei enquanto Coordenador do NEEET-AAUAv. Creio que foi até logo no início do mandato quando alguns estudantes se queixaram à Coordenação do Núcleo relativamente a uma unidade curricular. Logo de seguida a reação da Coordenação foi de reencaminhar a queixa para o Diretor de Curso para que conseguisse resolver o problema. A resposta não tardou e o Diretor de Curso comunicou-nos desde logo que para assuntos relacionados com as unidades curriculares apenas falaria com os representantes dos estudantes na Comissão Pedagógica de Curso sendo que era a eles próprios que nos

riculares apenas falaria com os represen-tantes dos estudantes na Comissão Pedagógica de Curso sendo que era a eles próprios que nos deveríamos dirigir. Compreendi o Professor. De facto estava a agir da forma como tinha agir segundo os Regulamentos. Mas como se pode sentir uma Coordenação de um Núcleo, que pretende defender os inte-resses e os direitos dos estudantes, quando os mesmos lhe solicitam apoio e a Coordenação tem que dizer-lhes que para assuntos pedagógicos têm que falar com os estudantes da Comissão Pedagógica de Curso? Mal, muito mal, como é natural. É por isso que vejo esta recomendação com grande satisfação e esperança para o futuro.”

e esperança para o futuro.

sarem que poderia estar interessado em abraçar um novo projeto Por falar em futuro, que per- no Núcleo do meu novo do curso spectivas futuras tens para o eu posso desde já garantir que NEEET-AAUAv? isso nunca irá acontecer. Primeiro, por uma questão de vontade, O Núcleo tem um grande futuro pela frente, isso é já um dado adquirido. No entanto, a Coorde- “Esperava essencialnação deve lutar diariamente mente que o Núcleo para que os estudantes de MIEET fosse capaz de defender se envolvam mais ainda no projeto do NEEET-AAUAv. Só uma os interesses e os direiestrutura ativa, onde os seus es- tos dos estudantes do tudantes participem e colaborem curso, junto da AAUAv e para o bem do curso, terá con- junto do Departamento” dições para continuar a somar pontos e conquistar novas metas e objetivos. Tudo isto deve passar o NEEET-AAUAv foi e será sempor uma maior aposta no despor- pre parte de mim e depois por to e sua consequente promoção e uma questão de coerência. Conmobilização dos estudantes para tudo, enquanto estudante inteas suas competições, e por uma ressado estarei sempre disponícada vez maior presença políti- vel para ajudar e contribuir para ca, tanto junto da AAUAv como o bem do NEEC-AAUAv. E isso do Departamento. Este último poderei fazer sempre sem ter que ponto é de extrema importân- estar obrigatoriamente nos seus cia. A Coordenação do NEEET- órgãos. Aquilo que posso garantir AAUAv tem que ser capaz de para já é que agora me dedicarei olhar para o seu Departamento a cem por centro ao curso e às de forma crítica. Infelizmente os suas unidades curriculares. Não estudantes do DETI ainda vivem descarto a possibilidade de um muito distantes dos órgãos de dia mais tarde abraçar um novo decisão do Departamento e este projeto na área do associativisassunto deve ser mais traba- mo estudantil da Universidade lhado por todos os Núcleos. O de Aveiro se achar que posso ser facto da larga maioria dos es- útil e se me sentir motivado e tudantes não saberem quem os preparado para tal. representa no Conselho Departamental ou até mesmo não saberem sequer quem é o Diretor do Departamento é preocupante. Tenho a certeza que os Núcleos podem ser muito importantes para aproximar os estudantes a estes órgãos ou a estes cargos. A primeira edição do Jornal Fiodeback onde o grande destaque era a entrevista ao Diretor de Departamento foi muito importante para combater este problema.

E no plano pessoal? Pretentêm que falar com os estudantes des continuar ativo no assoda Comissão Pedagógica de Cur- ciativismo estudantil da Uniso? Mal, muito mal, como é natu- versidade de Aveiro? ral. É por isso que vejo esta recomendação com grande satisfação Apesar de muitas pessoas pen-

Já vários estudantes do curso tinham lançado essa ideia mas, no entanto, nunca tinham chegado a concretizá-la.

Queres fazer parte deste projeto e colaborar na edição do jornal ? Envia um e-mail para neeet@aauav.pt Se queres ver publicado um dos teus artigos de opinião, contacta-nos através de neeet@aauav.pt


Página 10 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012

DIÁRIO DE UM ESTUDANTE EM ERASMUS Desta vez decidimos obter declarações de estudantes que ainda estão a viver as experiências de Erasmus. Falamos com dois colegas que estão na Polónia, o João Ricardo Santos e o Rui Filipe Costa. Aproveitem esta viagem que começa agora pela cidade de Lódz. “Polónia… Ainda hoje acordo e penso: “eu estou de Erasmus!”

“ERASMUS em Lódz, uma experiência, uma aventura, um momento sem igual.” Rui, porquê a escolha deste país? “Tenho de ser sincero, sempre gostei de climas mais frios e portanto tive a curiosidade de experimentar cá viver. Outro fator muito importante foi o de estar a viver numa zona da Europa onde se consegue “dar uns pulitos” para outros países de forma rápida e barata. (E a wodka…sim a wodka).” A nível de preços praticados, o que nos tens a dizer? “No supermercado, em geral os preços são ligeiramente mais baratos nos bens essenciais e um pouco mais caros nos produtos de marca. Com cabecinha, no final, um carrinho de compras acaba por ficar ligeiramente mais barato do que em Portugal. A nível de vestuário, é exatamente os mesmos preços na maioria das lojas “conhecidas”. Jantar fora (numa das mil pizzarias ou cenas dos kebabs) fica normalmente entre 2€ a 4€ com bebida! Depende da fome, e da cerveja pedida! O principal preço também é muito em conta: 0,5L de cerveja custa cerca de 1,20€,

que pode subir ligeiramente caso seja numa discoteca. Aliás, a noite por cá é bem mais barata quando comparada com Aveiro.”

um estudante de Erasmus contudo não se pode dizer que seja um ensino mais fácil pois estamos presentes com uma maneira diferente de ensino e talvez um bocado mais trabalhoso a nível de Em relação à forma de en- apresentações e relatórios para sino, o que tens de mais im- entregar todas as semanas. Sem portante a apontar, João? contar com as instalações fantásticas que nos são oferecidas.” “Lembro-me de no primeiro dia sentir-me completamente de- E tu Rui, quais as maiores sorientado. Entrar num país diferenças que nonovo, numa cidade nova, numa tas a nível do ensino? cultura nova e nem a língua perceber é algo completamente “A nível académico estamos muito diferente e assustador. Contudo bem servidos por cá: 2 campus essa desorientação não durou muito acolhedores, bons promuito tempo. Explorar a cidade fessores, excelentes condições com amigos e a ajuda dos men- e aulas em Inglês. Fica de fora tores que nos foram atribuídos logo a barreira da língua e ficam pela instituição de acolhimen- Erasmus + Polacos + Professor to faz com que numa semana no mesmo patamar. Foi fácil enjá nos sentíssemos em “casa”. trar no ritmo polaco e há muita Primeiro dia de aulas, um verda- flexibilidade por parte dos prodeiro filme! Encontrar a entrada fessores quer a nível de horários, da Universidade, encontrar os quer a nível de avaliação. Após a departamentos, até as própri- 1ª semana, já estamos em casa! as salas torna-se um assunto Uma das maiores diferenças muito complicado quando não que notamos nos estudos foi o se sabe ler polaco. Acho que a maior enfase na teoria, que vai frase que eu proferi mais vezes muito ao “fundo da questão” e nesse dia foi “Sorry professor uma prática perfeitamente acesfor the late time, we got lost” sível. Ah, e relatórios, muitos (chegávamos quase sempre com “reports” durante a semana.” uma hora de atraso). A nossa sorte é que os professores são Rui, quanto ao lazer o que nos compreensíveis e ainda se riem tens a aconselhar? com a situação. Que mal é que tem? Somos de Erasmus não é? “Apesar de não ser “a cidade” da Falando em aulas, há aquela id- Polónia, Lodz movimenta muito eia muito comum que o ensino é os seus estudantes. Todas as semais fácil. É verdade que os pro- manas há muito por onde escolfessores são mais flexíveis com her desde pubs para beber uns

canecos, pubs para comer bem, música ao vivo, festas de Erasmus...não falta é festa! Durante os fins-de-semana, e com pouco planeamento, visitas as principais cidades Polacas por cerca de 10€ ida e volta em comboio (50% desconto estudante) ou mesmo de autocarro, se for reservado a tempo. Para outros países, e dependendo da viagem, arranja-se sempre grandes preços em relação aos preço que seriam caso saíssemos de Portugal. Na parte da comida… podem esquecer comer de jeito se não forem vocês a fazer! Ou isso, ou pizzas, kebabs e shoarmas! E para os meninos do café, ou pagam 1€, ou tornam-se amigos da cevada, cappuccinos e Mocachinos! Atenção, aqui não se bebe na rua, a casa de banho dos rapazes é triângulos, das meninas a bola, não se passa a estrada fora da passadeira e pelo vermelho. E sim, deve-se pagar o TRAM (quem vier vai perceber).” João, que nos tens a dizer em relação à vida noturna e viagens que já tenhas feito? “Sem duvida nenhuma que não há melhor espirito de diversão e sair a noite do que a vida de um estudante de Erasmus! Os melhores bares, as melhores discotecas, as melhores festas! Ainda me lembro na semana passada estar a jantar no dormitório e perguntar “será que o resto do pessoal de Erasmus


Página 11 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012 (não portugueses) sabe jogar à pirâmide?” Só sei que do nada eramos uma comunidade de portugueses, franceses, turcos e espanhóis de volta das cartas. É interessante descobrir as maneiras diferentes que outras culturas têm ao beber shots .Estar na Polónia de Erasmus tem outra grande vantagem nomeadamente a nível preços e ser um país no leste da Europa que faz fronteira com outros tantos. Graças a isso estou em Lodz há um mês e pouco e consegui visitar

Wroclaw, Varsóvia e Kato- Nuno Neto da ISEP (tem wice (Polónia), Ostrava e me aturado como colega Praga (Republica Checa). de quarto). Sem eles esta experiência não teria o E para finalizar João e mesmo significado.” Rui? Rui: “Ainda agora João: “Não podia termi- começou e com toda esta nar sem agradecer aos malta impecável vinda meus amigos que vieram de ET, tem sido uma exda Universidade de Avei- periência muito boa! ro juntamente comigo Sinceramente, e como (André Lopes, Hélder já tinha ouvido de quem Cardoso, Rui Costa, Ma- cá esteve anteriormente: nuel Montenegro, Luís Venham que vale mesmo Teixeira, Cláudio Santos, muito a pena! Para todos Pedro Amaral, Patrícia vocês directamente da Aleixo, Sandrina Clemen- Polónia, Na zdorovie!” te e Carolina Silva) e ao

querer um lugar perto da praia (fomos juntos para Aveiro, ela já tinha terminado a faculdade). Eu queria evitar capitais e cidades grandes (são mais caras). Analisei as possibilidades e Aveiro era a melhor na minha opinião: assuntos interessantes, site muito bom, com muita informação traduzida e bem estruturado. A partir da web pude facilmente ter acesso em Inglês a Chamo-me Andrea Pra- alguns detalhes sobre a vato, sou estudante universidade e sonhava Italiano e estive de Eras- estar ali. Lá descobri que mus, a estudar Engenha- era realmente uma Uniria Informática na Uni- versidade muito bem versidade de Aveiro no ano transato (2011/2012). Venho da Colonga Veneta, uma cidade entre Verona e Vicenza. Em Itália estudo em Padova. O programa de Erasmus pode durar, no máximo 12 meses. O meu durou de setembro a julho. Depois, em alternativa, há também a possibilidade de usar “Erasmus Place ment” (estáguio num país estrangeiro), sempre apoiado por uma bolsa de estudos europeu.

todo é muito diferente, sinto que não posso comparar a dificuldade. Eu gosto de como a UA é gerida e tenho a certeza de que ao estudar lá, aprendi coisas valiosas que me estão a ajudar em ambientes reais de trabalho.

respeito pelo meio ambiente, a nível de limpeza e segurança, beleza da ciade e de quantidade de iniciativas culturais e turísticas. As pessoas são muito mais generosas, mente aberta, muito amáveis e confiam muito umas nas outras, acho que mais do que a média na Itália.

Gostei de estar em Aveiro. não poderia umaginar no classificada e fiquei im- início o quão útil esta expressionado com a sua periência viria a ser. Em qualidade, considerando Padova não estou acostutambém todos os aspe- mado a ter laboratórios e, tos da vida estudante. por vezes, a abordagem é Fui um “Sortudo!”. radicalmente diferente. comparando a cidade de Foi uma experiência muiAveiro com o meu país, to desafiadora e interesAveiro é excelente! Acho sante para mim. O trabaque apenas em algumas lho em grupo e os prazos A escolha da cidade de regiões da Itália (como frequentes ajudaram a Aveiro deveu-se ao facto Trentino Alto Adige), há manter-me no caminho de a minha namorada um nível semelhante de certo. uma vez que o mé-

Em suma, o programa de Erasmus é uma grande oportunidade de passar entre 3 a 12 meses num outro país europeu. Pagam-te para viajar. Vais conhecer organizações como ESN, que tornam a tua vida mais fácil. Vais gostar muito e aprender ainda mais. Vais experimentar outra cultura e uma nova maneira de olhar para o teu “Eu”. As conexões que vais fazer

virão a ser, provavelmente, muito úteis. Eu aconselho muito o programa de mobilidade Erasmus. Posteriormente vais conhecer todo um conjunto novo de oportunidade internacionais.


Página 12 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012

A VOZ DOS ET’S

Jornal FiodeBack (JF): Fazendo um balanço do que estás a achar do curso, as tuas expectativas acerca do mesmo estão a corresponder com a realidade?

“Depois de quase dois meses a frequentar o grandioso curso de Engenharia Eletrónica e Telecomunicações as expectativas acabam por corresponder com a realidade. Desde o início sabia que teria de me adaptar o mais rapidamente a uma nova cidade e a um novo nível de exigência para que tudo corresse pelo melhor. Sabia que ao princípio as coisas podiam não correr da melhor forma, mas com o tempo tudo acaba por se encaixar. As expectativas que tinha estão a corresponder à realidade e só espero que as que tenho agora para o futuro se concretizem.” Estudante do 1º Ano, João Miguel

Jornal FiodeBack (JF):O que achas que falta mudar no nosso curso?

“Na minha perspectiva estamos num excelente curso, tanto a nível de saída profissional, como a nível de diversidade de conhecimentos adquiridos. No entanto penso que a dificuldade do curso nos dois primeiros anos leva muita gente a desistir muito cedo. Penso que deveria haver mais apoio/motivação, tanto por parte dos professores aos alunos, como dos alunos com mais matriculas aos alunos mais novos, de modo a passar a ideia que o que nos espera para lá destes 5 anos compensa. Acho que a troca de impressões com quem já acabou o curso e se encontra a trabalhar também seria benéfica para todos os alunos de EET” Estudante do 2º Ano, João Miguel

Jornal FiodeBack (JF): O que achas do novo horário de funcionamento da biblioteca?

“Na minha opinião a não existencia de seguranças na biblioteca faz falta, não só para manter a ordem da mesma, como para a própria proteção do material de estudo. Uma vez que este ano notou-se um claro aumento de ruido dentro da biblioteca e não é muito prático sempre que nos temos de ausentar do local de estudo ter que levar todo o material connosco. Quanto ao novo horário, sempre fui apologista que se deveria alargar o horário, principalmente da parte da noite e em épocas de exames como se pratica noutras universidades. Como aluno que frequenta várias vezes a biblioteca, acho que para o bom funcionamento da mesma, seria fundamental contratar novamente um segurança, ou alguém que andasse mais preocupado em manter no local a ordem desejada. Relativamente ao horário, este devia ser alargado pelo menos em época de exames.” Estudante do 3º Ano, André Aranha

Jornal FiodeBack (JF): O que achas da relação aluno-docente no nosso departemento? “De uma forma geral penso que esta relação deixa um pouco a desejar, por culpa de ambas as partes. A nível dos professores, penso que deviam ter uma maior abertura perante as solicitações dos alunos e estes, por sua vez, penso que deveriam ter uma maior iniciativa em contactar os mesmos quando necessitassem (para dúvidas sobre a matéria da cadeira em questão, ou outros tópicos).” Estudante do 4º Ano, Tomé Matos

Jornal FiodeBack (JF): Quais as tuas perspectiva futuras a nível profissional?

“Sinceramente ainda não tenho objectivos concretos a nível profissional. Tenho mantido contacto com amigos meus que já se encontram no mercado de trabalho e o feedback que recebi não é de todo o mais favorável pois, geralmente as primeiras oportunidades estão muito aquém do esperado a nível salarial e também não são a rampa inicial desejada para o inicio da tua vida profissional. Como todos nós sabemos, o mercado de trabalho cada vez é mais restrito e exigente para os recém-licenciados em Portugal e, para mim a opção “estrangeiro” vai ganhando cada vez mais força. Têm surgido algumas propostas de estágios remunerados no estrangeiro e isso é algo que me desperta bastante interesse pois seria uma grande oportunidade de ganhar experiência. Estudante do 5º Ano, Paulo Sousa


Página 13 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012

ATUALIZA-TE Oled (Organic ElectroLuminescence ) Consiste na emissão de luz por um material orgânico quando aplicada uma diferença de potencial. Pesquisas sobre estes materiais têm sido conduzidas desde há pouco mais de 20 anos e a atenção dada foi aumentando à medida que os investigadores perceberam que estes materiais possuem melhor eficiência e durabilidade para uso em ecrãs e iluminação. Esta tecnologia é mais fina, mais leve e também mais flexível, no entanto, o material dos OLEDs danificam-se com água. Neste momento são mais caros e a luz azul tem menor tempo de vida (as luzes vermelha e verde duram mais).

Gaikai A Sony oficializou a compra do serviço de jogos via cloud, Gaikai, o rival do OnLive, um serviço idêntico, mas mais famoso. O valor da compra ronda os 380 milhões de $. O que significa esta compra por parte da Sony? Terminará nesta geração o mundo das consolas como as conhecemos, grandes, com hardware pronto para correr jogos, oriundos de discos que se adquirem em lojas de jogos, online ou físicas. Ao contrário do OnLive, o Gaikai não possui um dispositivo próprio, é um serviço que está totalmente na cloud, no Youtube, no Facebook, no seu browser, em qualquer maquina, possua ela um Pentium 4 ou um QuadCore, seja Windows ou OSx, apenas necessita

de uma boa conexão à internet e de um browser com Java. Sem downloads ou instalações. Outro ponto importante de destacar é a exclusividade do serviço, a Sony não pretende fazer do Gaikai um serviço exclusivo das suas plataformas. Por exemplo a Samsung já anunciou que algumas das suas TVs vão suportar o serviço Gaikai.

aponta claramente rumo a aplicações on-chip de um novo tipo de componente para comunicações baseadas em luz que resolve uma série de entraves atuais,” disse Zongfu Yu, criador do novo dispositivo. “Estamos entusiasmados para ver até onde ele poderá nos levar.”

Robô humanóide jogador de futebol

O robô Nimbro, com 95 centímetros de altura e 6,6 Kg, foi projetado para jogar futebol. A complexidade do robô é grande. Possui vários aparelhos que permitem que ele se consiga levantar, driblar e correr. Usa sensores para perceber as condições ambientais monitorizar a sua inclinação e aceleração, detetar o golo, distinguir adversários de membros da equipa e tomar decisões adequadas para chegar à baliza da outra equipa. O código e hardware deste robô é opensource, ou seja, pode ser encontrado na página do proTitan da Cray – super- jeto , no endereço www.ais.uni-bonn.de/nimbro/OP. computador

O computador Titan da Cray tem 16688 nós, cada um com um processador AMD Opteron de 16 núcleos e um acelerador gráfico Nvidia Teslta K20X. Possui um total de 560640 processadores e consegue Office 2013 atingir uma capacidade de processamento de A Microsoft revelou há 17590 Teraflop/s (cada uns tempos a Customer Teraflop representa um Preview do novo Mi- bilião de operações de vírcrosoft Office trazendo gula flutuante por segunconsigo um novo de- do). O titan vai ser usado sign e a capacidade de para investigações em enfuncionar com toque, ergia, alterações climatécaneta, rato ou teclado. ricas e outras disciplinas. O novo Office foi desenhado para ser utilizado em Windows 8 encontrando neste sistema operativo o auge das suas funcionalidades e para além deste funciona Luva que atende chamapenas no Windows 7. adas A TMN garantiu o exclusivo do lançamento de uma luva que atende chamadas. A hi-Call vai Aparelho controla diser oferecida gratuitareção da luz mente aos clientes Moche que comprem o novo Uma equipa de cientistas BlackBerry Curve 9220. conseguiu manipular o A luva criada pela italifluxo da luz. Na prática, o ana hi-Fun dispõe de três dispositivo introduz uma botões num dos pulsos carga no fotão, que passa que permitem atender a reagir a um campo mag- e desligar telefonemas nético sintetizado. Com e estabelecer uma liesta inovação, passa a ser gação de bluetooth com o possível impedir que a luz telemóvel que realmente viaje de volta, eliminando recebe as chamadas. a reflexão, criando “díodos ópticos”. Os pesquisadores acreditam que isso permitirá a eliminação parcial de ruídos e perdas de sinal comuns em comunicações por fibras ópticas. “O nosso sistema

Nokia PureView 808 O smartphone Nokia PureView 808, que já está a venda em Portugal, é o famoso smartphone com uma câmara de 41MP. As análises têm elogiado a câmara, mas o telemóvel é criticado porque a Nokia suspendeu a venda nos EUA, e porque o telemóvel está equipado com processador single-core a 1,3GHz de velocidade e 512MB de memória RAM.

Novo iMac O novo iMac tem apenas 5mm de espessura na parte mais fina ( junto das margens). Em termos de configuração, a Apple optou por placas gráficas dedicadas da Nvidia da linha móvel (GeForce 640M ou 660M) e o utilizador pode optar por processadores Intel Core i5 e i7. A grande novidade é a nova unidade de armazenamento, que junta um SSD de 128 GB a um disco rígido tradicional (1 ou 3 TB). A redução de espessura significou também a perda da unidade ótica, que passou a ser um periférico opcional.

Se queres ver as tuas pesquisas publicadas na próxima edição envia para neeet@aauav.pt


Página 14 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012

NOTÍCIAS Samuel Silva ganha Fraunhofer Portugal Challenge Samuel Silva, doutorado em Engenharia Informática no Departamento de Eletrónica, Telecomunicações e Informática e investigador no IEETA, venceu o primeiro lugar na categoria de doutoramento. «Left Ventricle Functional Analysis from Coronary CT Angiography», desenvolvido por Samuel Silva durante o doutoramento com orientação de Joaquim Madeira e Beatriz Sousa Santos, e em parceria com o Serviço de Cardiologia do Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho. O resultado foi um software que ajuda o médico a identificar problemas no sistema cardíaco e a testar novas medidas de caraterização da função cardíaca. A ferramenta permite tirar partido da imensa quantidade de dados resultante da angiografia coronária por Tomografia Computadorizada possibilitando uma análise que inclui todo o ciclo cardíaco através, não só de uma visualização simples da anatomia, mas também através de várias medidas cara-

SABIAS QUE? O som do estalo de um chicote é na realidade um estrondo supersónico, porque a ponta do chicote fica mais rápida do que a velocidade do som. O chicote foi o primeiro invento do homem capaz de ultrapassar a barreira do som. 1º reator nuclear Foi construído numa quadra de squash/ténis debaixo de um estádio de futebol em Chicago, a 2 de dezembro de 1942. Embora só gerasse força suficiente para acender um holofote, foi provado que a energia nuclear era possível.

terizadoras da função cardíaca. Não existem ferramentas deste género no mercado, segundo Samuel Silva. No entanto, para passar à fase de disponibilização no mercado, o investigador refere a necessidade de validação clínica e de mais investigação para ser possível uma plataforma integrada de diagnóstico cardíaco que junte dados de várias modalidades de exame. Samuel Silva ingressou na Universidade de Aveiro em 1998, onde concluiu a sua formação em Engenharia Eletrónica e de Telecomunicações cinco anos depois, o Mestrado em Engenharia Eletrónica e Telecomunicações em 2007, e o doutoramento este ano. É investigador do IEETA.

peram, no entanto, que os lugares voltem a inverter-se já nos últimos três meses de 2012, com o iPhone 5 a impor-se no mercado. Foram 18 milhões de Galaxy S3 que a Samsung conseguiu espalhar por todo o mundo, entre julho e Setembro. O iPhone 4S, em segundo na tabela, ficou-se pelos 16,2 milhões de unidades. Os números são da Strategy Analytics, empresa de análise de mercado e consultadoria com sede em Boston, nos Estados Unidos.

fornece conselhos personalizados numa base diária. Para além das funcionalidades da aplicação web, como dicas diárias, diário, testes de progresso e informação de saúde, a aplicação para smartphone tem ainda funcionalidades tais como um serviço de geolocalização – permite colocar os lugares onde costumava fumar e que deixaram de o ser e um “botão de pânico”, que oferece dicas imediatas nos momentos mais críticos e onde urge a necessidade de fumar.

Aplicação iCoach ajuda 3500 portugueses a deixar de fumar

A Comissão Europeia disponibilizou no passado mês de setembro a ferramenta iCoach para Samsung bate Apple e tem iPhone e dispositivos Android, pela primeira vez o smartpho- no âmbito da campanha “Os nemais vendido do mundo Ex-fumadores são Imparáveis”. O iCoach é uma ferramenta de O Galaxy S3 foi o smartphone saúde interactiva que ajuda as mais vendido no terceiro trimes- pessoas a pararem de fumar ao tre deste ano. É boa notícia para seu próprio ritmo. É grátis e está a Samsung, que pela primeira vez disponível em todas as línguas consegue ter um modelo mais da União Europeia. O iCoach popular nas lojas do que os i- funciona analisando os hábitos Phone da Apple. Os analistas es- de fumar dos seus utilizadores e

Dropbox tem mais de cem milhões de utilizadores O popular serviço de armazenamento na cloud tem cinco anos e atingiu agora os cem milhões de utilizadores. Drew Houston explica que idealizou o Dropbox quando se esqueceu da pen USB em casa e já estava no comboio. Daí a ter surgido um dos serviços de armazenamento na nuvem mais populares, foi um curto passo. A lista de utilizadores quadruplicou no último ano. A empresa aponta que o facto de cada vez mais os pequenos negócios terem passado a usar o serviço ajudou a este crescimento.

YouTube O YouTube foi criado por Chad Hurley e Steve Chen em fevereiro de 2005. Em 9 de outubro de 2006 os fundadores do site tornaram-se milionários ao vender o YouTube ao Google por US$ 1,65 billião. O primeiro software criado para uso geral foi o CTSS (Compat- EcoATM ible Time-Sharing System), foi Por enquanto é so nos EUA desenvolvido no MIT e apre- que se encontra esta espécie de sentado em novembro de 1961.

máquina multibanco, que em troca do seu velho telemóvel lhe dá dinheiro. O dispositivo avalia o telemóvel recorrendo a fotografias de alta resolução, tiradas de vários ângulos, que são depois cruzadas com um banco de dados com perto de quatro mil imagens, e faz também uma avaliação eletrónica, com a ajuda de um cabo integrado na máquina. Terminada a avaliação, é feita uma oferta que o proprietário pode ou não aceitar. Caso o telemóvel não valha nada, o proprietário pode receber uma pequena oferta pelo seu gesto. E, como agradecimento, a EcoATM ainda planta uma árvore em nome do proprietário.

iRock A Micasa criou a iRock, uma cadeira de baloiço, equipada com um gerador que permite transformar o movimento em energia, permitindo carregar os dispositivos da Apple através do simples balançar. Segundo a Micasa, uma hora de utilização permite carregar 35% da bateria de um iPad 3. No encosto para a cabeça, a cadeira também tem instalado um conjunto de colunas, para que o utilizador possa ouvir música enquanto relaxa e carrega o seu iPod, iPhone ou iPad.


Página 15 // Jornal Fiodeback // 03-12-2012

PASSATEMPOS SUDOKU Preenche a grelha com números, sem que nenhum deles se repita em cada linha, coluna ou caixa.

JOGO DAS DIFERENÇAS Descobre as 8 diferenças na seguinte imagem.

Soluções:


O Jornal Fiodeback decidiu partilhar com todos os leitores a mensagem de agradecimento enviada pelo atual Presidente da Direção da AAUAv, Tiago Alves, a toda a estrutura que compõe a Associação e que espelha da melhor forma o trabalho, desempenhado pelos dirigentes associativos da nossa Universidade ao longo do último ano. É por tudo isto que continuaremos a trabalhar para o bem dos estudantes. forma como fomos capazes de trabalhar para os nossos colegas.

Caros colegas, Aproxima-se o fim de mais um ciclo. O associativismo é feito assim mesmo, de ciclos, com um compromisso notável, um envolvimento marcante. Numa altura em que caminhamos para mais um momento eleitoral na estrutura da Associação Académica da Universidade de Aveiro é fundamental que tenhamos a perceção da sua importância. Este é um ato de extrema vitalidade da Instituição que nos representa, a todos enquanto Estudantes da nossa Universidade de Aveiro. A renovação no quadro de dirigentes, a renovação das vontades e ambições, a renovação das ideias, continuará a ser o processo mais puro e sério da nossa AAUAv. A democracia é um sistema nobre pela capacidade que dá à sociedade de escolher os seus líderes e, nesta casa, poderemos sempre orgulhar-nos disso mesmo. Lembremse que o Associativismo é um testemunho com um valor inestimável, um envolvimento único, que deve ser cuidado e transmitido às novas gerações em melhores condições que aquelas em que o recebemos. A Associação Académica, desde os seus Órgãos Sociais aos seus Núcleos, continuará sempre a marcar as vivências dos Estudantes da UA e nós, dirigentes desta Casa, devemos orgulhar-nos disso mesmo, continuando a trabalhar diariamente para o seu fortalecimento, porque isto é um projeto conjunto, é de todos e de cada um de nós, e quem beneficiará serão sempre aqueles que, livremente, nos escolheram. Esta Instituição deverá sempre trabalhar para os Estudantes e submeter-se unicamente às suas ideias, pois foi por eles que um dia, há 34 anos, foi criada.

Ser parte da Associação Académica da Universidade de Aveiro é ser transparente, é ser cumpridor, é respeitar os princípios assumidos por todos, é não ter medo de assumir as nossas responsabilidades e atos, é dar mais do que receber, é querer mais para os outros do que para nós próprios, é manter vivo um espírito de irreverência, criatividade e inovação. Vocês, dirigentes dos Núcleos da AAUAv são tudo isso! São a prova de que esta casa continuará forte e viva, independentemente das circunstâncias que a rodeiem. Juntos, ao longo deste ano, fomos capazes de tornar esta Casa mais forte financeiramente e administrativamente. Recuperámos muitas das nossas dívidas, justificamos o dinheiro que recebemos e que gastamos, pagamos impostos, trabalhamos ao abrigo da lei, temos auditoria externa que comprova toda a legalidade dos nossos procedimentos. Comportámo-nos como cidadãos exemplares ao nível da fiscalidade e contribuímos para o avanço do nosso País, criámos procedimentos administrativos que vão reforçar, no futuro, a nossa Instituição. Não deveremos ter receios de continuar a trabalhar desta forma, nós é que estamos certos.

Juntos fomos capazes de tornar o Desporto num fator essencial da vida dos Estudantes. Definimos modelos para a Taça UA, aumentámos a participação nesta competição, fortalecemola e tornamo-la a competição desportiva mais importante da nossa Universidade. São neste momento mais de 1500 atletas nestas provas de competição interna, números nunca antes alcançados, e isto deve-se a vocês. Juntos conseguimos melhorar os resultados desportivos ao nível da competição Nacional. Participamos nos Campeonatos Nacionais Universitários com uma das maiores comitivas de sempre, foram mais de 100 atletas. Fomos Campeões NaO Projeto Associativo em que cionais em duas modalidades e cada um de nós tomou parte é participámos nos Campeonaum Projeto Único. A oportuni- tos Europeus respetivos. Temos dade que nos foi concedida em representações desportivas em representar os nossos colegas é inúmeras competições através também das poucas oportuni- dos protocolos que, juntos, esdades, desta natureza, que te- tabelecemos com as mais variremos nas nossas vidas. Nestas adas instituições desportivas da circunstâncias é essencial que cidade, que levam o nosso nome tenhamos o sentimento de dever bem longe. Mas não podemos ficumprido. O percurso que estás car por aqui, há muito mais deprestes a terminar só nos pode sporto para promover, muitos deixar orgulhosos e felizes pela mais estudantes para envolver

no desporto, muitas mais com- mover o Associativismo na petições para vencer. Mas só será Universidade de Aveiro, de propossível se continuarmos juntos. mover a participação dos estudantes nos processos de deJuntos fomos capazes de fazer cisão. Juntos contribuímos para grandes festivais de tunas e de que a nossa AAUAv crescesse e marcar presença em muitos se tornasse no que é hoje. Junmais. Fomos capazes de fazer tos fomos capazes de continuteatro e encher salas. Fomos ca- ar a fazer da Universidade de pazes de descobrir ainda mais Aveiro a melhor Universidade grutas e de promover a geologia. para se estudar e para se viver. Fomos capazes de aumentar na cultura na nossa Universidade e Colegas, vocês são os líderes de envolver mais estudantes na desta Universidade, o papel prática cultural ativa. A cultu- que vocês desempenharam é ra é, hoje, graças a vocês uma de uma nobreza inqualificável, vivência única, um elemento vocês são a principal razão do criador de riqueza junto da viver, do crescimento e da connossa Comunidade Académica. solidação desta Associação AcaLembrem-se do valor que tem démica. Vocês participaram toda a gente conhecer, pelas me- neste processo de crescimento lhores razões, as nossas Tunas e a AAUAv estará, para sempre, e o nosso Grupo de Teatro. Mas grata do vosso envolvimento não podemos ficar por aqui, há e comprometimento com ela. ainda muita mais cultura para promover, muitos mais grupos Mas muito mais há para fazer. culturais para criar. Mas só será Por isso é que esta Casa conpossível se continuarmos juntos. tinuará viva! Ela só dependerá e só deve continuar a depender Juntos fomos capazes de per- dos Estudantes e das suas voncecionar melhor os problemas tades e não podemos permitir quotidianos dos nossos colegas. que alguém externa se queira Juntos fomos capazes de inter- intrometer no nosso Projeto Asvir e contribuir mais na peda- sociativo. Por isso é que os temgogia da nossa Universidade, pos exigem estabilidade. Por juntos fomos capazes de elabo- isso é que os tempos exigem rar posições de criticar constru- que saibamos estar à altura das tivamente e de elogiar sempre responsabilidades. Por isso é que assim o entendemos. Juntos que os tempos exigem que confomos capazes de criar mais con- tinuemos a cuidar da AAUAv. dições sociais para os nossos co- Esta Casa será para semlegas poderem estudar, criamos pre vossa, precisa que a mais apoios, reforçamos com continuemos a respeitar. mais 300.000€ o fundo existente na UA para apoiar ainda mais Agora inicia também uma nova colegas nossos. Juntos fomos fase do vosso percurso enquancapazes contribuir para o Plano to Embaixadores da AAUAv. de Atividades da nossa Univer- No momento em que passamos sidade, de fortalecer projetos da o nosso testemunho devemos nossa Universidade, de definir estar cientes da importância estratégias para a nossa Univer- da nossa ação no futuro. É funsidade. Juntos fomos capazes de damental que continuemos a dizer ao Governo o que era me- fazer da nossa AAUAv uma inlhor para o Ensino Superior. Mas stituição de referência, é funnão podemos ficar por aqui, há damental que sejamos nós a ainda muita mais Politica Edu- defendê-la no nosso quotidiano. cativa para discutir, mais problemas para resolver, mais interven- Boa-sorte para o que resta do ção para fazer na UA. Mas só será mandato e façamos com que possível se continuarmos juntos. quem vier a seguir tenha melhores condições que aqueConseguimos, juntos, outros pro- las que nós encontramos. jetos como o Forma-te que muito valor criou em todos nós, Con- A Associação contará selhos de Núcleos cada vez mais com vocês no Futuro! participados, formações impor- Muito obrigado por terem tantes para o desempenho das aceitado fazer parte deste nossas funções, intervimos na projeto magnifico e por o fazintegração aos novos alunos, re- erem crescer dia após dia! alizámos atividades em conjunto. Vocês foram capazes de criar Tiago Alves inúmeras atividades de grande Presidente da Direção da AAUAv valor para os nossos colegas. Juntos comemoramos 34 anos de Vida Académica na Prática! Juntos fomos capazes de pro-


4ª Edição Jornal Fiodeback  
Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you