Issuu on Google+

diz

curso

jornal dos estudantes do departamento de engenharia química novembro de 2009

ano III

número 7

edição: NEDEQ/AAC

Actividades de recepção ao caloiro no Departamento e no Pólo II > página 3

Festa das Latas e Imposição de Insígnias 2009 > página 4

Outros destaques > “Equipa de investigadores da UC inova no restauro dentário” > página 7 > “Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett” - ir estudar para fora, cá dentro > página 8 > “Empréstimos para universitários” - um complemento à acção social escolar > página 9


//2

dizCURSO • número 7 • novembro de 2009

INÍCIO

EDITORIAL

ÍNDICE

«O porquê de sermos Coimbra»

> DESTAQUES páginas 3 e 4.

Houve alguém que, um dia, escreveu os seguintes versos: «Sem a loucura que é o homem / mais que a besta sadia / cadáver adiado que procria?». Relacionar estes versos com o actual estado do ensino superior no nosso país e com a nossa mesma preocupação relativa ao estado e ao evoluir das situações é algo que urge fazer. Pode-se falar num assunto delicado como o Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior (RJIES), pode-se falar no financiamento do ensino superior (ou na falta dele) que leva a que, por exemplo, todos os anos, as propinas sejam aumentadas; na falta de uma acção social eficaz e justa, que beneficie quem realmente necessita dela e não quem é capaz de declarar a menor quantidade de bens aquando do processo de candidatura. Bem sei que estes são assuntos que não nos tocam a todos da mesma forma e que, como tal, tendemos a torná-los como acessórios.

«Urge conhecer a situação que o nosso ensino superior atravessa. Assembleias Magnas, campanhas de sensibilização ou de “protesto” são formas de estar informado e de participar, de estar consciente e alerta» Mas, caro colega, não fazes parte de uma qualquer Universidade. Fazes parte da Universidade de Coimbra e carregas, junto com a tua Capa e Batina, séculos de tradição e 122 anos de Associação Académica de Coimbra. E não me refiro a Direcções-Gerais, nem Núcleos. Refiro-me a momentos e a pessoas que, fazendo parte da nossa Coimbra, se misturam com a própria história do nosso país. Assim, volto aos versos que transcrevi no início: não podemos ser seres amorfos relativamente ao que se passa à nossa volta. Isto passa por nos envolvermos com o que nos rodeia. Por isso, o meu apelo é para que cada um de vós se deixe envolver pela História e Tradição que esta Universidade e esta Academia são capazes de proporcionar a cada um de nós. Devemos ser elementos activos, dentro das nossas limitações lectivas, obviamente. E, para isso, urge conhecer a situação que o nosso ensino superior atravessa. Assembleias Magnas, campanhas de sensibilização ou de “protesto” são formas de estar informado e de participar, de estar consciente e alerta. De não ser apenas mais um no meio desta Universidade. O meu apelo é que se informem e queiram ter uma voz activa nos problemas que, directa ou indirectamente, nos afectam a todos! Sejam Coimbra.

Saudações Académicas, Pedro Gonçalves (Presidente do NEDEQ/AAC)

> DEPARTAMENTO página 5. > NEDEQ página 6. > FACULDADE página 7. > ENSINO SUPERIOR páginas 8 e 9. > AGENDA página 10. > HUMOR E PASSATEMPOS página 11.


dizCURSO • número 7 • novembro de 2009

DESTAQUE

Actividades de recepção ao caloiro no Departamento e no Pólo II

Departamento recebe novos alunos O DEQ dedicou inteiramente a primeira semana dos novos alunos à sua integração no curso

Todos os anos, o início de cada ano lectivo é sinónimo de festa com a chegada dos novos caloiros. Pelas universidades do país são organizados eventos de recepção ao caloiro de carácter cultural e lúdico, como forma de dar as boas-vindas aos recémchegados. Assim, à semelhança de outros anos, o Departamento de Engenharia Química (DEQ) e o Núcleo de Estudantes do Departamento de Engenharia Química (NEDEQ/AAC) organizaram, em parceria com os restantes núcleos de estudantes do Pólo II, a famosa Recepção ao Caloiro do Pólo II. Entre “febradas” e outros convívios, os caloiros do DEQ puderam assistir a palestras que foram organizadas com o intuito de os elucidar sobre o que é a Engenharia Química e o que seriam os próximos anos neste curso. O primeiro dia da recepção (segunda-feira) foi marcado pelas boas-vindas em cada departamento. No DEQ, os caloiros foram calorosamente recebidos e acolhidos por professores e alunos, numa breve apresentação do corpo docente e estudantil, de forma a dar a conhecer aos novos alunos o departamento e o curso, de uma forma

geral. Como nem tudo é trabalho e estudos, o NEDEQ organizou uma “febrada”, promovendo o convívio entre todos, para que os caloiros se pudessem conhecer e se sentir integrados nesta nova família. Como não poderia deixar de acontecer, o tempo também foi aproveitado para os doutores iniciarem os caloiros n’A Praxe. O resto da semana foi marcado por várias palestras para os caloiros do Departamento de Engenharia Química. Quarta-feira, a diversão ficou ao encargo de todos os núcleos de estudantes do Pólo II, que se uniram na organização de uma Mega Febrada, que teve lugar junto ao Departamento de Engenharia Civil. Durante o resto da tarde, os caloiros foram convidados a participar num Peddy-Paper para, de uma forma divertida conhecerem melhor “os cantos da casa” do Pólo II. Durante esta tarde, puderam também assistir a uma actuação da Quantunna (a Tuna Mista da FCTUC). A semana findou quintafeira à noite, com o famoso Mega Convívio de Recepção do Caloiro do Pólo II, que contou com a presença de vários DJ’s a animar a noite.

Marta Moura Inês Sineiro

//3


//4

dizCURSO • número 7 • novembro de 2009

DESTAQUE

Festa das Latas e Imposição de Insígnias 2009

Festa no Parque, cortejo morno Realizou-se, entre os dias 22 e 28 de Outubro, a Festa das Latas e Imposição de Insígnias de 2009 e, como vem já sendo hábito, foi um evento académico cheio de alegria, festa, irreverência e muita tradição académica

A Festa das Latas, também conhecida por Latada, é a mais antiga festa de recepção ao caloiro do país, tendo surgido com este propósito na década de 50/60. Foi uma tradição que veio de outra: a “arruaça das latas”. A “arruaça das latas” teve origem na segunda metade do século XIX, altura em que os estudantes de Direito e Teologia que acabavam as aulas em meados do mês de Maio arrastavam pelas ruas da cidade baldes, banheiras, latas, latões e tachos com o propósito de incomodar os colegas de outras faculdades. Este ano a Festa da Latas contou com um cartaz de qualidade, muito recheado e para todos os gostos, de fazer inveja a muitas Queimas das Fitas. Os artistas internacionais Madcon, James Morrison e Milow transportaram a Latada de 2009 para outro patamar. E a estes juntaram-se o que de melhor se faz musicalmente a nível nacional, como é o caso das bandas Blind Zero, O’queStrada, Sean Riley & The Slowriders, Irmãos Catita ou José Cid. Espaço ainda para a “prata da casa” com uma noite inteiramente dedicada aos vários grupos da Secção de Fado da nossa academia, bem como nos restantes dias em que as tunas respectivas de cada faculdade encerraram cada dia nas Noites do Parque. Passa-se agora em revista todos os dias da Festa das Latas e os seus intervenientes: Na quinta-feira dia 22 às 00h00, deu-se início a mais uma Festa das Latas, com a tradicional e sempre cheia de espírito académico Serenata do Caloiro. Esta foi apelidada como a “Serenata à Chuva”, tal era o temporal que se fazia sentir junto da entrada da Sé Nova. Apesar de tudo isto os grupos da Canção de Coimbra “Raposódia” e “Sangue Novo” fizeram-se ouvir, interpretando temas marcantes como “Verdes Anos”, “Flores Para Coimbra”, entre outros. Mais tarde, nesse dia, deu-se então o

início das “noites da Latada” com o Sarau Académico, onde actuaram vários grupos da Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra. Na sexta-feira dia 23 às 22h00, na Praça da Canção (ou um pouco mais tarde, não fosse o - também - tradicional quarto de hora académico) os portugueses Blind Zero regressaram a Coimbra. Esta actuação antecedeu os Madcon, banda de hiphop norueguesa, que pôs Coimbra a saltar com o conhecido êxito “Beggin”. O fecho da noite esteve a cargo da Tuna de Medicina e das Fans. O sábado foi um dia mais melodioso, com os conimbricenses Sean Riley & The Slowriders a fazerem o aquecimento para o grande concerto desta latada: James Morisson. O artista foi o grande cabeça de cartaz desta Latada e deu para perceber porquê, dando este um concerto memorável interpretando temas como “You Give Me Something” e “Broken Strings”. Tão cedo este concerto não vai sair da memória dos milhares de pessoas que se deslocaram à Praça da Canção. Nessa noite actuaram ainda a Estudantina Universitária de Coimbra e o Coral Quecofónico do Cifrão. Domingo foi o dia em que os DJs Nélson Cunha e Diego Miranda subiram ao palco, antecedendo estes a banda cabeça de cartaz deste dia: Makongo. O projecto formado pela dupla SP & Wilson e por Petty (que esteve com os Buraka Som Sistema) aqueceu a noite de Coimbra com uma mistura de hip hop, R'n'B, funk, kuduro e house music. O encerramento da noite esteve a cargo da Phartuna e da Imperial TAFFUC. A noite de segunda-feira ficou marcada pelos ritmos da O’queStrada e do belga Milow. A banda portuguesa O’queStrada trouxe-nos o ritmo do som popular, e animou mais uma noite da Festa das Latas. O artista Milow, que já um dos mais requisitados cantores/compositores do seu país, esteve em bom nível com a sua versão de “Ayo Technology”. Segui-

ram-se as actuações da Fan-Farra e da Desconcertuna. Chegou a terça-feira e com ela o tradicional cortejo da Festa das Latas. Este foi o momento em que milhares de estudantes saíram à rua com grande espírito de alegria, animação e muita irreverência própria do espírito académico. Este foi o dia em que os respectivos padrinhos “enfeitaram” os seus caloiros e lhes colocaram latas atadas aos pés para fazerem o maior barulho possível. Mais tarde nesse dia, os respectivos padrinhos deram-lhes com umas grandes “penicadas” de água pela cabeça a baixo, baptizando assim os seus caloiros. Quanto à noite, os estudantes queimaram os últimos cartuchos ao som da música popular portuguesa. Quim Barreiros voltou (pela enésima vez) a Coimbra para um espectáculo que pôs todos a dançar e a cantar os seus temas mais conhecidos. A Banda Red, Tiago Silva e a Orxestra Pitagórica compuseram o resto da noite. Para o último dia da Festa das Latas aconteceu o regresso dos Irmãos Catita. Após cinco anos de interregno estes trouxeram uma vez mais, a irreverência que os caracteriza. Também José Cid proporcionou uma noite cheia de música e muita alegria. A Tuna Feminina de Medicina e o Grupo de Cordas fizeram o resto da festa, que se prolongou noite dentro. O nosso núcleo de estudantes esteve mais uma vez representado nas já habituais “barraquinhas dos núcleos”. Este ano, com várias bebidas à base de ponche, que fizeram as delícias de quem por lá parou e se atreveu a experimentar. Para o ano há mais!

Anselmo Nunes


dizCURSO • número 7 • novembro de 2009

DEPARTAMENTO

//5

Exposição “Hovione – Os primeiros 50 anos”

Novos alunos descobrem a história dos 50 anos da Hovione Actividade inserida na recepção aos novos alunos do DEQ teve como objectivo mostrar uma das muitas aplicações da engenharia química

No

passado dia 30 de Setembro alguns dos novos alunos de Engenharia Química participaram numa visita à exposição comemorativa dos 50 anos da Hovione em Portugal - ”Hovione Os primeiros 50 anos”. Assim sendo, saímos cedo de Coimbra com destino ao Parque das Nações em Lisboa. Esta visita estava inserida nas actividades de Recepção ao Caloiro proporcionadas pelo Departamento, que tinham como objectivo integrar os novos alunos na realidade da Enge-

nharia Química, e dar a conhecer, como por exemplo, os múltiplos pontos de aplicação de um engenheiro químico. Assim sendo, a visita à Hovione permitiu que os novos alunos tivessem conhecimento de que a Engenharia Química também possui aplicações na área da indústria farmacêutica. Pudemos verificar que a Hovione começou com um laboratório numa cave e que, através de uma gestão sólida e equilibrada, evoluiu para uma multinacional.

Para mais informações relativas à Hovione, consulta o seu site www.hovione.pt - ou então, encontra -se disponível na Biblioteca do DEQ um livro sobre os primeiros 50 anos da Hovione. Houve também para um passeio pelos variados jardins do Parque das Nações e, imagine-se, uma disputa entre os nossos alunos e um grupo de alunos da Universidade Lusófona que nos permitiu aprender usos e costumes das gentes alfacinhas.

Pedro Gonçalves


//6

NEDEQ

dizCURSO • número 7 • novembro de 2009

Actividades NEDEQ/AAC

II Torneio de Sueca do DEQ Realizou-se, no passado dia 14 de Outubro, o II Torneio de Sueca do DEQ. Em jogo estava um bilhete geral para Festa das Latas 2009, para cada um dos elementos da equipa vencedora Foram oito as equipas que participaram neste Torneio, sendo dispostas em dois grupos de quatro equipas, sendo que se qualificavam as duas primeiras de cada grupo para um posterior sistema de eliminatória. Logo ao início da competição, verificou-se que duas equipas dominavam claramente os respectivos grupos e, foi sem muita surpresa que, a final foi disputada entre estas duas equipas. No final, apenas uma equipa poderia vencer e, apesar de um início de partida equilibrado, a dupla João Vicente/

Bruno Garrido não foi capaz de suster o ímpeto da dupla Luís Santos / Fátima Coimbra. A organização manifestou, no final do torneio, alguma tristeza devido ao facto de o número de participantes ter sido reduzido apesar do prémio que estava em jogo. A Direcção revelou que irá estudar novas formas de aumentar a participação dos alunos nas suas actividades. O NEDEQ/AAC dá os parabéns a todos os participantes e, em especial, aos vencedores!

Pedro Gonçalves

Actividades NEDEQ/AAC

II Torneio de Poker do DEQ Realizou-se, nos dias 19 e 20 de Outubro, o II Torneio de Poker do DEQ. Em jogo estava um bilhete geral para a Festa das Latas 2009, guardado para o grande vencedor É de salientar, antes de mais, que esta actividade apesar de ter sido realizada à noite, numa altura em que as avaliações eram pressionantes, ainda conseguiu reunir um total de 20 participantes, dispostos a mostrar as suas capacidades neste jogo cada vez mais na moda. Para a primeira noite, os jogadores dispuseram-se em duas mesas com dez elementos. De cada uma sairiam cinco finalistas para a mesa final, a realizar no segundo dia. Neste dia notou-se claramente alguma contenção por parte dos participantes, uma vez que o objectivo traçado era o apuramento para a segunda noite. No entanto, foi possível assistir a bons bluffs (arte essencial nisto do poker) e algumas jogadas arriscadas que, parecendo de todo impossíveis, resultaram em momentos de pura emoção. E assim, com o passar do tempo, jogadores houve que foram abandonando a mesa, contribuindo para o engordar das fichas dos que

foram aguentando o ritmo. Na segunda noite, na mesa final, o jogo decorreu calmamente, com palmas a serem distribuídas à medida que os jogadores, um por um, iam abandonando (alguns queixando -se da sorte, outros resignados). À medida que os jogadores iam abandonando, a tensão ia aumentando e as jogadas de risco diminuindo. O trio final era composto por Fábio Pinto, Pedro Caboz e Tiago Costa. Eliminado Tiago Costa, Pedro Caboz e Fábio Pinto avançaram para o heads-up final, um tanto ou quanto desequilibrado, uma vez que Fábio Pinto tinha muitas mais fichas em seu poder. Demorando cada um a fazer o seu jogo, Fábio Pinto conseguiu derrotar Pedro Caboz, sagrando-se assim o II Campeão de Poker do DEQ. O NEDEQ/AAC dá os parabéns a todos os participantes e, em especial, ao vencedor!

Pedro Gonçalves


dizCURSO • número 7 • novembro de 2009

FACULDADE

//7

Investigação na FCTUC

Equipa multidisciplinar da UC estuda novos materiais para o restauro dentário A equipa, composta por investigadores da FCTUC (Engenharia Mecânica e Engenharia Química) e da Faculdade de Medicina (Medicina Dentária), está a desenvolver materiais compósitos híbridos, que incluem partículas nanométricas, com base em novos polímeros mais resistentes e mais duráveis Os actuais materiais compósitos utilizados nos restauros dentários têm uma durabilidade limitada, devido à sensibilidade à variação da temperatura da cavidade oral. A equipa fez a caracterização física e mecânica (resistência ao desgaste e à fadiga) dos compósitos usados actualmente na reparação de dentes danificados, acompanhando a evolução da deterioração ao longo de três anos e desenvolvendo técnicas que permitiram testar e validar novos materiais mais resistentes, mais duráveis e menos sensíveis à variação da temperatura da boca. “Este estudo é essencial para o desenvolvimento de novos materiais com uma longevidade muito maior. Ao desenvolver métodos de ensaios para a caracterização física e mecânica dos PUBLICIDADE

materiais adaptados aos mecanismos que ocorrem na boca (variação de pH, temperatura, carga mecânica, etc.), que até aqui não existiam, fornecemos o know-how necessário para suportar o desenvolvimento de compósitos mais resistentes e com implicações positivas para os utentes”, afirma o coordenador do estudo, o Prof. Amílcar Ramalho, docente no Departamento de Engenharia Mecânica. Durante a investigação, financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, foram publicados 10 artigos científicos em revistas de referência nacionais e internacionais e foi identificado e estudado um novo material polimérico muito resistente, com reduzida sensibilidade à temperatura da cavidade oral. FONTE: www.uc.pt/fctuc/noticias


dizCURSO • número 7 • novembro de 2009

ENSINO SUPERIOR

//8

Programa de Mobilidade Nacional Almeida Garrett

Ir estudar para fora, cá dentro Programa de mobilidade nacional de estudantes entra em funcionamento já no segundo semestre Chama-se

Almeida Garrett e é o programa de mobilidade que permite ao estudante de uma universidade portuguesa fazer um semestre noutra universidade portuguesa. A partir do 2.º semestre já vai ser possível efectuar uma mobilidade de um semestre numa das universidades que fazem parte do programa, que

abrange também os está-

gios, trabalhos de fim de curso ou projectos finais, desde que as referidas actividades integrem o plano curricular do curso na universidade de origem. Para além de Coimbra, integram o programa as Universidades dos Açores, de Aveiro, do Algarve, da Beira Interior, de Évora, de Lisboa, Nova de Lisboa, Técnica de Lisboa, da

Madeira, do Minho, do Porto, de Trás-os-Montes e Alto Douro e o ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa. Contudo, o programa não atribui quaisquer bolsas. Por ser o primeiro ano em que o programa funciona, estando, por isso, numa fase piloto, não foi fixada uma data de candidatura específica. As candidaturas devem, contudo, serem

feitas o mais depressa possível. A mobilidade está aberta

a estudantes de todos os cursos que reúnam no mínimo 60 ECTS, o equivalente a um ano lectivo cumprido. Para mais informações dirigete à Divisão de Relações Internacionais, Imagem e Comunicação da nossa universidade (DRIIC) ou visita www.uc.pt/ driic.

Passe sub23@superior.tp

Redução de 50% no passe para transportes públicos Redução no passe para os transportes públicos chega agora a estudantes do ensino superior até aos 23 anos O

passe sub23, que entrou em vigor a 1 de Setembro, é destinado aos estudantes do ensino superior até 23 anos, inclusive, e confere um desconto de 50% nos passes dos transportes públicos, desconto esse existente até agora apenas para estudantes até aos 18 anos de idade.

P ar a u s uf ru í r es d o p as s e sub23@superior.tp nos SMTUC (Transportes Urbanos de Coimbra) é necessário o preenchimento da Declaração de Inscrição (disponível em http://www.imtt.pt/ sub23@superior.tp) pelos Serviços Académicos da FCTUC.


ENSINO SUPERIOR

dizCURSO • número 7 • novembro de 2009

//9

Sistema específico de empréstimos a estudantes e bolseiros do ensino superior

Um complemento à acção social escolar Sistema permite que estudantes do ensino superior beneficiem de empréstimos a custos reduzidos, sem fiador, para custear a sua formação superior

Desde Setembro de 2007, existe em Portugal um sistema específico de empréstimos a estudantes e bolseiros do ensino superior. Tais empréstimos, concedidos sem apresentação de garantias patrimoniais ou fiador e beneficiando de uma taxa de juro fixa para o prazo total do contrato, são reembolsáveis entre 6 a 10 anos após a conclusão do curso e existe pelo menos um ano em que o estudante não paga capital. Relativamente ao montante, este pode variar entre €1.000 a €5.000 por ano de curso, sendo que o máximo é de €25.000 para cursos de cinco anos. O spread do crédito não pode ir além de 1% e pode baixar, dependendo do aproveitamento escolar do aluno. Este sistema de empréstimos, que envolve não só o ensino público como o particular, inclui ainda um apoio específico a alunos abrangidos pelo Programa ERASMUS e outros programas de intercâmbio internacional de estudantes. Tal sistema tem como objectivo possibilitar ao estudante a sua

DIVULGAÇÃO

autonomização financeira, designadamente pela criação de taxas remuneratórias especialmente bonificadas, uma vez que o Estado surge como avalista do negócio. Pode ser visto como um investimento feito pelo próprio estudante, uma vez que a formação de nível superior habilita, em regra, os que dela beneficiam a obter um nível de rendimento que permite recuperar o valor do investimento efectuado. Desta forma, o estudante não só promove a sua liberdade económica como cria uma atenuação do esforço financeiro levado a cabo pela família. Pode ainda ser particularmente útil ao trabalhadorestudante, no caso de a carga de trabalho não lhe permita uma maior dedicação na sua formação. Surge assim a alternativa de um empréstimo aos vencimentos, ou como uma espécie de “rendimento adicional”. Em suma, trata-se de uma opção a ser fortemente ponderada pelo estudante, onde prós e contras devem ser bem medidos, uma vez que cada caso é um caso. Para aqueles cujo interesse tenha surgido, aqui fica a lista de bancos aderentes e respectivos empréstimos:

• Banco BPI - Crédito Formação Garantia Mútua • Banco Comercial Português (Millennium BCP) - Crédito Universitário com Garantia Mútua • Banco Espírito Santo - Linha de Crédito Universitário com Garantia Mútua • Banco Santander-Totta - Crédito Ensino Superior • Caixa Geral de Depósitos Crédito Garantia Mútua • Banco Montepio Geral - Crédito Universitário • Banco Internacional do Funchal (BANIF) - Crédito Universitário com Garantia Mútua • Banco Comercial dos Açores Garantia Mútua • Grupo Crédito Agrícola - Crédito Universitário

Para mais informação consultar w w w . d g es . m c t es . p t / d g es / p t / estudantes/emprestimos.

Fátima Coimbra


//10

dizCURSO • número 7 • novembro de 2009

AGENDA

Agenda

Fátima Coimbra

Data

Evento

Hora

Local

Entrada

Nov-12

21:30 21:30

Casa Municipal da Cultura TAGV

Livre

Nov-12

Festival de Música de Coimbra: Doppio Ensemble Monólogos da Vagina

Nov-13

Indie Songs Don't Lie - Laura Gibson

20:00

Nov-13

Ana Moura

21:30

Nov-14

21:30

Nov-14

Festival de Música de Coimbra: recital de clarinete e acordeão Festival de Música de Coimbra: música barroca Festival de Música de Coimbra: Filarmónica União Taveirense Exposição de pintura: "Outonalidades", de Victor Costa Musicalbi

Nov-15

Monstro Mau

Nov-17

Orquestra Nacional do Porto

21:30

Nov-18 Dez-16 Nov-18 Dez-02 Dez-16 Nov-19

Visita-guiada: Coimbra - um outro olhar

15:00

Visita-guiada: Panteão Nacional

15:00

RECITAL DE PIANO COMENTADO - 200 anos da morte de Haydn Exposição de pintura: "Ciranda de muitas luas", de Roberto Chichorro

21:00

Nov-14 Nov-14 Nov-14

Nov-21

Nov-24 Dez-22 Nov-26

Dez-31

Visita-guiada: Mosteiro de Santa Maria de Celas Exposição Fotográfica: "Arena #1 - Antes do Combate", de António Júlio Duarte Mostra evocativa "Outras Latadas", fotografias d'o Formidável Cenários Urbanos - Coimbra (3D)

Dez-31

Exposição de máquinas fotográficas

Nov-30

21:30 21:30 Seg. a Sex: 9:00-19:30; Sáb: 13:30-19:00 22:00

Ter. a Sex.: 10:00-18:00 Sáb.: 10:00-13:00 e 14:0018:00 15:00 10:00-00:00 Seg. a Sex.: 10:00-19:30; Sáb.: 13:30-19:00 10h00-13h00 e 14h00 – 18h00 | Encerra Dom. 2ª e feriado Seg. a Sex.: 10:00-19:30 Sáb.: 13:30-19:00

Oficina Municipal do Teatro TAGV Biblioteca Joanina ARGANIL Igreja Matriz TAGV

15 a 17.5€ 7 a 8€ 18 a 20€ Livre Livre 2.5 a 5€

Casa Municipal da Cultura Fnac Fórum Coimbra Fnac Fórum Coimbra TAGV

Livre

Casa Municipal da Cultura Casa Municipal da Cultura

Livre

Casa Municipal da Cultura Edifício Chiado

Casa Municipal da Cultura Fnac Fórum Coimbra Biblioteca Municipal Torre da Almedina Casa Municipal da Cultura

Livre Livre

Livre

Livre

0.5 a 1€ Livre Livre

Livre


dizCURSO • número 7 • novembro de 2009

HUMOR E PASSATEMPOS

//11

RiaGente! “Como resolver problemas técnicos no laboratório” - um diagrama

SUDOKU Preencher as casas vazias usando números de 1 a 9, de forma a que não haja repetições em nenhuma linha, coluna ou quadrado.


diz

curso

FICHA TÉCNICA Edição, redacção e propriedade: Núcleo de Estudantes do Departamento de Engenharia Química da Associação Académica de Coimbra Departamento de Engenharia Química Pólo II – Pinhal de Marrocos 3030-290 Coimbra Tiragem: 100 exemplares

> visita-nos em

http://www.eq.uc.pt/~nedeq e

http://www.academica.pt

> envia as tuas opiniões, ideias e sugestões para

nedeq@academica.pt


dizCURSO - Jornal dos Estudantes do Departamento de Engenharia Química