Page 1


2

APRESENTAÇÃO


N AÇÃO 2019 Projeto do 29º Encontro Nacional de Estudantes de Design  instagram.com/ndesign19  twitter.com/ndesign19  facebook.com/ndesign19 Período: Julho de 2019 Local: São Luís - Maranhão Organização: Comissão Organizadora do N Design Ação - São Luís 2019

APRESENTAÇÃO

3


4

N CWB 2017 - FOTO: AMANDA ARAMAKI


1. O que é o N Design? N Design é como chamamos carinhosamente o Encontro Nacional de Estudantes de Design, que tem acontecido desde 1991 até os dias atuais, estando agora em sua 29ª edição.

lidade, transformando contatos em referências, diálogo em informação, ideias em conhecimento e (con)vivência em empatia. E como que tudo isso acontece?

O N não é como um congresso, um simpósio, ou algo do tipo. Não existe um orador detentor de todo conhecimento, mas sim, diversos indivíduos que se reúnem, cada um carregando sua própria bagagem de realidade e experiência, com o objetivo de compartilhar tudo isso, em um espaço próprio, feito de estudantes para estudantes. É nesse encontro que temos a oportunidade de conhecer um pouco de cada parte do Brasil, de cada cultura, cada necessidade, cada potencia-

São propostas diversas atividades, tais como: mesas redondas, rodas de conversa, palestras, oficinas, exposições, organizadas e ministradas por alguns convidados, e, majoritariamente, pelos próprios encontristas, que em geral, se inscrevem em editais, com a finalidade de participar, trocar ideias e deixar sua contribuição. Além disso, os espaços de convivência e intervenções são partes fundamentais do N, afinal, é por isso que o chamamos de encontro.

O que é o N Design?

5


1.1 Histórico do N Design Os estudantes e profissionais de Design organizaram e participaram do Encontro Nacional de Desenho Industrial (ENDI) que teve sua primeira edição em 1979, no Rio de Janeiro, sob apoio da Associação Brasileira de Desenho Industrial (ABDI) e da Associação Profissional de Desenhistas Industriais de Nível Superior (APDINS). Visto que o movimento estudantil no ENDI correspondia à 70% da participação (segundo dados da quinta edição do encontro), em 1991 foi

6

O que é o N Design?

realizado o pioneiro N Design, o Encontro Nacional dos Estudantes de Design, onde eram consolidadas atividades de rua, a primeira exposição nacional de trabalhos acadêmicos, mesas redondas e palestras, com a presença de 700 participantes em Curitiba (PR). A partir dessa iniciativa, já se passaram 27 anos de integração e intervenção do Design através da realização do N:


1991 1992

N Curitiba (PR) N Santa Maria (RS): Identidade e Sociedade

1993

N Belo Horizonte (MG): N Demandas e Perspectivas

1994

N Rio de Janeiro (RJ): Qual a cara dos estudantes de Design Brasileiro?

1995

N Recife (PE): Onde estão os criadores?

1996

N São Luís (MA): Democratizando o Design

1997

N São Paulo (SP): Pluralidade e Diversificação do Design

1998

N Curitiba (PR): Design para todos: Vamos mostrar a cara

1999 2000

N Brasília (DF): Reconhecer pelo conhecimento

2001

N Recife (PE): Educação em Design, Mercado, Valorização da profissão, Interdisciplinaridade

2002

N Bauru (SP)

2003

N Belo Horizonte (MG): Design por necessidade

2012

N Belo Horizonte (MG): N Jeitos

2013

N Salvador (BA): Insira seu contexto aqui

2014

N Goiânia (GO): Mude seu estado_

2015

N São Paulo (SP): Da potência ao ato

2004

N Santa Maria (RS): Design emergente

2005

N São Luís (MA): Ponta a ponta

2016

N João Pessoa (PB): N Parahyba

2006

N Brasília (DF): N Aberto para balanço

2017

N Curitiba (PR)

2007

N Florianópolis (SC): Agite antes de usar

2018

N Bauru (SP): Ene Ovo

2008

2019

N São Luís (MA): Ação

N Manaus (AM): Waty’ Amá

2009

N Pernambuco : Design Social

2010

N Curitiba (PR): Imersão

2011

N Rio de Janeiro (RJ): Rio aonde você pensa que vai?

N Salvador (BA): N passos a frente

O que é o N Design?

7


TÍTULO TÍTULO TÍTULO 8

TÍTULO N DESIGN DOSÃO CAPÍTULO LUÍS 2005 - FOTO: HENRIQUE NARDI


2. N Design em São Luís A realização do Encontro Nacional de Estudantes de Design em São Luís do Maranhão representa não apenas a vontade dos estudantes em valorizar o Design do Brasil e suas diversas áreas de atuação, como também lições práticas do que é passado em sala de aula com a intenção de propagar este conhecimento, proporcionando visibilidade, direcionamento e mobilização para as classes estudantil, profissional, educadora e simpatizante. Serão de 7 a 9 dias de evento, com o Design brasileiro constantemente em pauta em suas mais diversas formas de ação na cidade, no país e no repertório coletivo.

N DESIGN EM SÃO LUÍS

9


2.1 Histórico do Movimento Estudantil em São Luís Em 1970 foi fundado o curso de Desenho Industrial na Universidade Federal do Maranhão, em decorrência das necessidades geradas pelo cenário de desenvolvimento industrial que se espalhava pelo país, sendo vinculado ao DEDET (Departamento de Desenho e Tecnologia) em 1987. Percorrendo uma longa trajetória de reformas dos padrões de ensino, foram inseridas diferentes disciplinas ao curso que possibilitaram aos estudantes vivenciar a profissão de maneira mais abrangente, se aproximando da noção de interdisciplinaridade da área. O desenvolvimento urbano em São Luís juntamente à postura política e de geração de reconhecimento

10

N DESIGN EM SÃO LUÍS

e entendimento sobre o Desenho Industrial com a preocupação de agir dentro da comunidade levou os estudantes maranhenses da área a realizarem o 6º N Design, em 1996, que tinha como tema “Democratizando o Design”. A partir daí, as gerações acadêmicas posteriores se organizaram de diversas formas para manter o debate acerca do design em movimento. Em resposta a isso, o corpo acadêmico atual conta com a herança de valiosas lições e instruções de como construir e conversar sobre design dentro e fora de casa, como o Ludo, o Ganzola, entre outros. Em 2002, aconteceu o primeiro R Design N/NE, “Bumba Design”, tam-

bém sediado na cidade, que propôs valorização da cultura e aproximação do corpo estudantil. Isso trouxe luz ao corpo acadêmico que em 2005 se mobilizou e produziu o debutar do N Design “De ponta a ponta”. Em 2009, a proposta de reformulação da grade curricular do curso e mudança da nomenclatura (para Design) foi elaborada, destacando justamente a importância de ampliar o caráter de interdisciplinaridade comum à profissão. E em 2016, os estudantes mobilizaram-se mais uma vez para realizar o 13º R Design, o R Magnético, com enfoque cultural e diversificando o saber e a prática de projetar.


N DESIGN EM SÃO LUÍS

11


Outros eventos importantes que já aconteceram: MERAKI (ENCONTRO ACADÊMICO DE DESIGN)

SAD DESIGN (SEMANA ACADÊMICA DE DESIGN)

R MAGNÉTICO (13º ENCONTRO REGIONAL DE ESTUDANTES DE DESIGN)

Realizado em 2014, pelos estudantes de Design da Universidade Federal do Maranhão.

Realizada em 2016, pelos estudantes de Design da Universidade Federal do Maranhão.

Realizado em 2016, pela Comissão Organizadora do 13º R Design - CORDe Magnética, na UFMA.

Algumas informações mais aprofundadas sobre os eventos realizados em São Luís:

12

N DESIGN EM SÃO LUÍS

6º N DESIGN: DEMOCRATIZANDO O DESIGN

1º R DESIGN: BUMBA DESIGN

15º N DESIGN: DE PONTA A PONTA

São Luís foi palco do N Design duas vezes, sendo a primeira o 6º N Design, que trazia o tema a “Democratização do Design”.

O primeiro R Design foi em terras ludovicenses. Surgiu com a necessidade de debater as questões do design mais perto de casa, com realidades mais próximas, criando diálogo, compreensão e união entre profissionais e estudantes da área.

Realizado em 2005, foi o segundo N Design realizado em São Luís e o 15º na história dos Encontros Nacionais. O subtítulo “PONTAPONTA”, foi uma referência a distância entre Santa Maria (sede do 14º N Design) e São Luís, uma metáfora para simbolizar a união dos estudantes, principal motivador dos Encontros Estudantis.


R MAGNÉTICO 2016 - FOTO: BIANCA ALCÂNTARA

13


EXPODESIGN

ESCAMBAU

Realizado em 2008, foi mais um evento realizado em São Luís com dimensão regional, atraindo estudantes do Norte e Nordeste. O principal objetivo do evento era expor e discutir os trabalhos das mais diversas áreas acadêmicas regionais.

Feira de trocas e exposições de produtos de Design realizada pelos estudantes de Design do Centro Universitário do Maranhão. Acontece várias vezes ao ano. DESIGN DAY

GANZOLA Embrião das semanas acadêmicas de design ludovicense, o Ganzola funcionou como um motivador da produção e exposição dos trabalhos desenvolvidos pelo corpo acadêmico.

Dia de exposições, palestras, rodas de conversa e outras atividades relacionadas ao Design realizado pela Coordenação de Design e estudantes do Centro Universitário do Maranhão. SEMANA DE DESIGN IFMA

LUDO Primeira semana acadêmica de design idealizada, organizada e realizada por estudantes de Design de São Luís. A primeira edição, sob o tema “Discutindo o Mercado”, debateu a relação entre o designer e a realidade profissional, envolvendo oportunidades, a autovalorização, serviços e recursos. A segunda edição trouxe uma nova temática, “Contato, Movimento e Mutação”. A terceira edição teve como tema “No meu Tempo”. Todas as edições foram bem sucedidas, obtendo mais de 200 inscritos.

14

N DESIGN EM SÃO LUÍS

Semana de workshops, exposições e palestras sobre Design realizado pela Coordenação e estudantes de Comunicação Visual e Design de Móveis do Instituto Federal de Educação do Maranhão (IFMA).


2.2 Cenário atual: o que fazemos aqui Atualmente, o Maranhão conta com 3 instituições acadêmicas de ensino de Design, todas situadas na cidade de São Luís: • UFMA: Universidade Federal do Maranhão (Bacharelado em Design); • CEUMA: Centro Universitário do Maranhão (Bacharelado em Design); • IFMA: Instituto Federal do Maranhão (Ensino Técnico em Comunicação Visual e Design de Móveis).

Tanto os cursos de Design das Universidades quanto a realidade profissional na cidade, têm foco maior na produção gráfica e de produtos. Os estudantes e designers também contribuem com o notável crescimento da indústria moveleira e dos serviços de desenvolvimento urbano, social e de design de interiores. A cidade também apresenta laboratórios de criatividade e empresas com alta demanda para editoração, assim como espaços, investimentos e eventos para incubadoras e coworking.

N DESIGN EM SÃO LUÍS

15


16

FOTO: AMANDA ARAMAKI


2.3 Aspectos relevantes da cidade de São Luís O AMOR NASCEU AQUI

São Luís é uma cidade atemporal e apaixonante. É possível se deparar com prédios coloniais em uma esquina e ao fim desta, ter sua vista ofuscada pelos reflexos dos vidros da arquitetura modernista do século XX em contraste com a explosão roxa e rosa do pôr do sol, que também pode ser contemplado nas longas e lindas praias e mirantes.

ção do mercado regional é a base do incentivo para que outros cursos sejam estimulados a uma diferenciação no modo de pensar e agir.

Analisando esta demanda, o N se insere no contexto como um mediador deste espaço, estimulando a mobilização de diversos corpos estudantis do país e de variadas instituições de ensino, convidados à aproximação e integraO mercado ludovicense vem crescendo de acordo ção da indústria criativa brasileira, estimulancom as novas demandas da composição mercado ainda relações entre profissionais e estudológica, ressaltar a importância da criatividade dantes da área e dinamizando fortalecimento para atingir novos resultados e efeitos na atuado Design da Ilha magnética para o País.

N DESIGN EM SÃO LUÍS

17


TÍTULO TÍTULO TÍTULO 18

TÍTULOCAROLINA FOTO: DO CAPÍTULO AZEVEDO


3. Construção do tema O tema: N Ação (Nação) Os eixos de conteúdo: MOVIMENTO, EDUCAÇÃO, INCLUSÃO e COMUNICAÇÃO.

Construção do tema

19


3.1 Sobre o tema Diante da situação política e social em que se encontra o Brasil, caracterizada por momentos de crise, movimentos de intolerância e comodismo quanto à luta pela garantia de direitos, o N Ação vem tomar providências! Já que toda ação provoca uma reação, propomos conduzir essa vontade de mudar, instigando as pessoas ao nosso redor a se perceberem como agentes de transformação. Uma Nação não existe sem Ação. Cada um de nós é reflexo do nosso comportamento coletivo, unidos por interesses em comum e principalmente por ter nascido na mesma porção de terra.

20

Construção do tema

Juntos, vamos construir um espaço seguro e propício para transformar criatividade, arte, cultura e interações brasileiras na reflexão e mobilização necessária para romper com hábitos e padrões que já não representam mais as necessidades do nosso povo e das classes estudantil, profissional e simpatizante do Design! Nossa intenção é renovar, reinventar e criar. Criar comunicação, incentivar a educação, impulsionar a inclusão e pungir o movimento


3.2 Eixos “VOCÊ CONSTRÓI O N AÇÃO, VOCÊ PARTICIPA DO N AÇÃO, MAS ACIMA DE TUDO, VOCÊ É N AÇÃO”

COMUNICAÇÃO Acreditamos que nossa revolução precisa de múltiplas vozes, porque este encontro será feito segundo a perspectiva brasileira sobre o Design. Para isso, precisamos que cada região não apenas se expresse através dos nossos canais e espaços de debate, mas levem as prioridades do setor criativo a um novo patamar, de engajamento de conquistas da matriz do N Ação à suas instituições, empresas e setores políticos. Queremos que os participantes dêem sua opinião sobre o que querem que seja

realizado e evitado no movimento nacional de Design e nos próximos N’s antes, durante e depois da nossa atmosfera de Ação, porque é imprescindível estimular a liberdade de expressão e as conexões entre pessoas de diversos cenários no nosso país, fortalecendo nossa luta e nossa identidade. Todos fazem o encontro e são parte importante do N Ação 2019, porque essa iniciativa busca trazer inovações para todo o Brasil e aproximação de comunidades.

- CONDe Ação

Construção do tema

21


22

Construção do tema

EDUCAÇÃO

INCLUSÃO

No eixo da Educação, o N Ação está interessado em vivenciar a experiência que nos une enquanto estudantes, porque queremos propor que o espaço do encontro se torne um festival do que cada um traz e do que cada um levará. Esse é o eixo que aborda a experimentação e o ensino no Encontro, e não estamos falando apenas do ensino acadêmico que estamos recebendo ao longo do curso, queremos ouvir e conhecer um pouco da vivência de cada um. Vamos explorar e trazer para perto as influências e repertórios, contando principalmente com a colaboração de cada um que se propor a dividir isso com a gente, entendendo nossa forma de agir tanto dentro como fora dessa esfera dos encontros e instituições.

Sem distinção de cor, sexo, condição sexual. Os espaços do N Ação são para serem de uso comum por qualquer um que esteja para somar. Para isso, facilitar o acesso ao encontro é um ponto comumente pensado. É de conhecimento geral que N’s são eventos com um custo elevado, porém, Inclusão vai além das questões quantitativas. Incluir, não é apenas fazer com que essas pessoas participem do espaço (ainda que isso seja de fato uma meta importantíssima), e sim fomentar um espaço onde diversas pautas de interesse do design(er) brasileiro estejam imersas no conteúdo e realização do encontro. Isto é, estar aberto para qualquer manifestação respeitosa que aborda e discute sobre qualquer tema sem discriminação ou preconceito. Apoiar-se na comunidade e nas manifestações culturais também é incluir o entorno e funcionará como peça ativa no desenrolar do evento.


MOVIMENTO O eixo de Movimento faz parte da concepção da proposta do N Design Ação, porque queremos entender o papel dos Encontros de Estudantes para todos que constroem esse espaço. Temos muitas perguntas para responder: Os encontros de estudantes tem cumprido seu papel? O que estamos devolvendo para a sociedade? Estamos criando ou apenas levando adiante uma tradição de uma maneira muito confortável? Temos atin­gido a função básica dos encontros de trazer todos para perto e entender o que estamos fazendo enquanto comunidade acadêmica e

futuros designers brasileiros (e de tantas outras áreas que possuem afinidade com o design e participam efetivamente do N Design)? O N Ação propõe que trabalhemos juntos nessa nação de designers e consigamos conceber esse espaço onde as pessoas constroem conceitos e materiais juntos, nós queremos sair deste encontro com uma atitude, fruto do engajamento dos encontristas e de todos aqueles que acreditam nessa ideia e querem espalhar isso por todos os lugares.

Construção do tema

23


3.3 Objetivos

24

Construção do tema

• Realizar o 29º Encontro Nacional de Estudantes de Design em São Luís, retomando as origens do movimento brasileiro de Design e como consequência: atrair, compor, entender, direcionar e movimentar os designers do país;

• Debater temas urgentes e inovadores de áreas variadas referentes ao Design;

• Incentivar os encontristas a otimizar e aprofun­ dar suas relações culturais e profissionais, pos­­sibilitando interações saudáveis, propondo maneiras de debater com comunidades locais e buscando cooperação com interdisciplinaridade;

• Explorar o potencial de todas as regiões brasileiras na área do Design.

• Motivar a prática do Design tanto no âmbito acadêmico quanto profissional;


3.4 Justificativa • O último N realizado no Maranhão foi em 2005; • Movimentação e valorização do Design social, assistivo e inovador na cidade; • São Luís é uma capital modernizada, turística e famoso destino cultural brasileiro, além de ser Patrimônio Mundial da Humani-

dade (UNESCO). Constantemente a cidade passa por diversas adaptações e urbanizações, o que garante estadia, locomoção e aproveitamento eficientes do encontro; • São Luís também é conhecida pela riqueza, mistura e diversidade de ritmos e contextos. Éguas, doido, vem pra cá que é fixa!

Construção do tema

25


TÍTULO TÍTULO TÍTULO 26

TÍTULO DODECAPÍTULO ANÚNCIO CANDIDATURA N CWB 2017 - FOTO: HENRIQUE NARDI


4. Propostas 4.1 Preparando o terreno Alô Alô Brasil, Aquele Abraço Buscamos alcançar, despertar, comunicar e direcionar os estudantes, profissionais e sim­ patizantes de Design de todo o país com mobi­ lização, despertando o sentimento de empatia pelos objetivos das comunidades e do N Ação. Estamos construindo meios de magnetizar até os futuros encontristas mais distantes para que o encontro se torne o mais acessível possível, e reforçamos a importância e entendimento

dos eixos de conteúdo (Comunicação, Educação, Inclusão e Movimento). Os encontristas também terão espaço desde antes do encontro para participarem e serem preparados para um ambiente que os agrade em todos os sentidos. Também desejamos envolvimento e interesse de pessoas de várias classes, por isso propo­ mos integração e abertura a áreas relacionadas (Arquitetura, Publicidade, Artesanato, etc.).

Propostas

27


Alegria, Alegria A CONDe Ação entende que é preciso propriedade na resolução de problemas e quer comunicar ações concretas para que possamos nos libertar de pedras no sapato recorrentes, não só na rotina e realidade do Design(er) como nos N’s. Prezamos por bem estar, união, integração, coletividade, consciência ecológica e multiplicação de bons exemplos, e para isso vamos reforçar a importância de enxergar as dificuldades e limites do outro. Almejamos respeito

28

Propostas

entre todos, principalmente entre encontristas e futuros CONDes, e lutaremos contra opressões. Possibilitamos protagonismo das minorias sociais, acessibilidade e diversão responsável. Também propomos ritmos de trabalho equilibrados, inclusão e diversidade nos espaços e oficinas do evento e o combate ao desperdício, pois queremos resolver as adversidades e dúvidas de forma rápida, coletiva e com transparência.


Seja Designer, Seja Herói Debater e Engajar é necessário, mas precisamos ir além. Vamos provocar e planificar ações práticas para o movimento estudantil e incitar o uso da voz ativa de realidades diversas para o melhor intercâmbio de contextos, instigando as pessoas a produzirem com as próprias mãos, estabelecerem redes de contatos e se considerarem parte importante do Design no Brasil. Assim, poderá ser formado um coletivo mais consciente através de intervenções entre encontro, a cidade e o país. Queremos ajudar comunidades e produtores locais, fomentar economia criativa e estabelecer laços e metas para a classe estudantil, porque almejamos conquistas políticas e que o contato entre os encontristas e o movimento permaneça. Este N será uma atmosfera para gerar aprendizado, legado, boas memórias e mais abertura para futuras comissões, pois além do compartilhamento de repertório nacional faremos com que todos voltem a seus estados com mais motivação para intensificar e desenvolver o Design do Brasil.

BELISCADA NA GELEIA GERAL • Repentinas; • Preencha; • Expressões Culturais; • Intervenções;

• Plenárias temáticas e diárias; • Rádio informativa; • Setoriais de comunicação e debate.

• Feiras de artesanato e produções gerais; • Áreas de lazer e convivência;

Propostas

29


TÍTULO TÍTULO TÍTULO 30

TÍTULO DO CAPÍTULO ALOJAMENTO N CWB 2017 - FOTO: AMANDA ARAMAKI


5. O Encontro 5.1 Organização / A CONDe Ação A CONDe Ação surgiu durante o N CWB 2017, em Curitiba (Paraná), através de um grupo de alunos de Design da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e do Centro Universitário do Maranhão (CEUMA), participantes do evento e que, engajados com o propósito de construir e realizar o N, acreditaram que seria importante reviver o movimento estudantil no estado do Maranhão e contribuir para o desenvolvimento do movimento estudantil no âmbito nacional. No mesmo evento, lançaram-se frente à todos os delegados na plenária final para demonstrar o interesse em impulsionar a Revolução Tropical. A partir de então, um grupo entre alunos da rede universitária particular e da federal do estado juntaram-se para discutir, fomentar debates e agir com foco na transformação

positiva do Design no Brasil, e hoje, formar a comissão organizadora do encontro, composta por 23 pessoas que se dividem nas células de Comunicação, Gestão, Conteúdo, Infraestrutura & Logística, Finanças e Comercial. Cada área hoje planeja suas atividades e busca alinhar seus objetivos em prol da realização do N Ação 2019, carregando consigo valores construídos ao longo do trabalho, tais como: foco, organização, proatividade, empatia e respeito. Todos os membros da comissão são responsáveis por pregarem e fazerem a manutenção dos valores durante todo o período de construção do encontro e do convívio entre a equipe, entendendo e cumprindo com suas responsabilidades específicas.

O Encontro

31


5.2 Equipes da CONDe Ação GESTÃO

COMERCIAL

A área tem como responsabilidade controlar, capacitar e orientar os membros da comissão, além de garantir a comunicação entre as demais áreas e controlar as informações da CONDe. Além disso, os membros de gestão avaliam o desempenho das equipes, planejam ações de engajamento e dão suporte como a equipe de “recursos humanos” da comissão.

Essa é a nossa equipe de vendas. Os membros são responsáveis por listar e abordar possíveis patrocinadores, marcar reuniões, fazer alinhamento de parceiros e sempre manter o relacionamento com eles a fim de trazer investimentos para o encontro.

FINANÇAS

A equipe de comunicação é responsável por toda a comunicação visual e verbal do encontro, seja através de peças gráficas ou conversa direta com encontristas através de todos os pontos de contato. As tarefas e responsabilidades desse grupo são divididas entre os subgrupos criação e gestão de mídias.

A gestão financeira de todo o encontro fica por conta dessa área. Ela controla os custos e investimentos, trabalha em conjunto com outras áreas para planejamento e controle de entrada e saída de dinheiro e gerencia as negociações com os patrocinadores/fornecedores.

32

O Encontro

COMUNICAÇÃO


CRIAÇÃO

CONTEÚDO

Essa equipe, além de criar a identidade de marca do encontro, se responsabiliza por criar a comunicação visual impressa e digital, por criar o design de produtos para venda e, ainda, cria peças gráficas para as mídias sociais do encontro.

A responsabilidade dessa equipe é cuidar da curadoria das palestras e atividades do encontro: montar grade programática, buscar palestrantes e conteudistas, gerenciar fluxo de materiais e se comunicar e administrar os voluntários do encontro são algumas das atividades de conteúdo.

GESTÃO DE MÍDIAS A equipe de gestão de mídias gerencia e planeja as postagens para os perfis nas redes em que o encontro está presente: Facebook, Instagram, Twitter e Whatsapp. Outras tarefas muito importantes da área são administrar o tom de voz e persona da marca, administrar o atendimento ao encontrista e criar ações de engajamento on e offline.

INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA Equipe responsável por buscar e gerenciar espaços para o alojamento dos encontristas e para o conteúdo do encontro, além de planejar e providenciar os materiais necessários para a realização do N. Além do mais, as negociações e gestão de segurança, alimentação, alojamento e equipamentos também são tarefas dessa área.

O Encontro

33


5.3 Infraestrutura São Luís apresenta diversos espaços com facilidade de locomoção e integração de diversos estabelecimentos, por ser uma capital litorânea e turística. Segundo nossa pesquisa e contatos atuais, os locais onde o N Ação pode ser realizado são (até o momento):

IEMA (INSTITUTO ESTADUAL DO MARANHÃO) Rua Oswaldo Cruz, S/N, Centro, 65015-440 • Grande campo aberto; • Grande ginásio e quadra coberta; • Refeitório; • Cerca de 30 salas disponíveis para atividades; • Auditório; O entorno do IEMA conta com: pontos de ônibus, bancos, casas lotéricas, farmácias, hospitais, lanchonetes, restaurantes e espaços famosos da cidade estão próximos, como a Rua Grande e o Centro Histórico.

34

O Encontro


MULTICENTER SEBRAE (CENTRO DE CONVENÇÕES) Altura do n° 50, Av. Jerônimo de Albuquerque, s/n - Alto do Calhau, MA, 65074-220 • Grande estacionamento; • Áreas cobertas; • Auditórios; • Salas de aula. O entorno conta com conveniências (padarias e farmácias), supermercados, lanchonetes, pontos de ônibus e se encontra próximo a dois shoppings.

COHAMA • Espaço de Eventos Batuque Brasil; • Duas Universidades (CEUMA, Pitágoras) e um Centro de Atividades (FIEMA). O entorno no bairro da Cohama conta com pontos de ônibus, um Terminal de Integração, supermercados, lanchonetes, shoppings e hospitais.

O Encontro

35


TURU • Espaço de Eventos (Rei de França Buffet e Eventos); • Duas Universidades bem próximas (CEUMA, Pitágoras). O entorno conta com paradas de ônibus, farmácias, supermercados, muitas casas de eventos e um shopping.

36

O Encontro


6. Considerações finais Pode parecer utopia tantas propostas, mas se você pode sonhar, você pode tentar. A CONDe Ação quer homogeneizar o saber, o expressar e os interesses de todas as regiões do Brasil no nosso abraço e nas nossas ações. Não é de hoje que os projetos de Encontros Nacionais de Estudantes são ambiciosos e propõem mudanças que talvez não caibam apenas em nossas mãos enquanto pré comissão. Este N vem com o intuito de transformar nossas ambições nas ambições de todos, vamos dar as mãos e transformar nossa própria nação, olhando para dentro e para fora de nossa comunidade. Esperamos que todos abracem o movimento N Ação e participem do processo de construção e do encontro em si. A gente se vê em 2019!

Considerações finais

37


TÍTULO TÍTULO TÍTULO 38

TÍTULO DO CAPÍTULO

Projeto de Candidatura | N Ação 2019  

Projeto de Candidatura de São Luís como sede do 29º Encontro Nacional de Estudantes de Design.

Projeto de Candidatura | N Ação 2019  

Projeto de Candidatura de São Luís como sede do 29º Encontro Nacional de Estudantes de Design.

Advertisement