Page 145

poderia retardar a sua errática batimentos cardíacos, acalmá-lo. Cristo. Ele não podia acreditar. Ele não estava pronto para acreditar. Ele sabia que ele estava sentindo algo por ela. Algo novo. Especial. Mas isso? Impossível. Impossível. Aparentemente, não. Ele puxou-a forma de dormir mais perto. Ele só tinha que se acalmar. Já era tarde, ele estava cansado. Ele não tem que realmente fazer alguma coisa sobre isso. Ele poderia levar algum tempo para realmente descobrir onde sua cabeça foi em relação a tudo isso. Tudo isto. . . amar. Ele era um idiota. Comportando-se como se fosse um adolescente estúpido. Que aconteceu muitas vezes com Kara. Ele fodendo a amava. Cristo. Seu pulso acelerou, e sem pensar muito sobre isso, ele virou o rosto para inalar o cheiro do seu cabelo. Foi reconfortante. Ele estava perdendo. Tinha perdido. Perdido. Ele não sabe como o inferno que tinha acontecido. Mas ele tinha se apaixonado, finalmente. Apesar de si mesmo. Apesar de tudo o que sabia sobre o que ele era, e não era capaz. E ele não sabe o que o diabos ele ia fazer sobre isso. Ela estava lá, a cabeça apoiada em seu peito, ouvindo-a respirar. Ao som da chuva contra as janelas. O barulho ocasional distante do trovão. Ele queria ficar acordado. Para descobrir tudo. Mas finalmente, o ritmo suave de sua respiração acalmava. E que a chuva que cai, fazendo algum tipo de casulo em torno deles. Seu corpo relaxado, sua mente cheia de sobrecarga sensorial. Em algum momento, com o Lua definindo atrás de um banco de nuvens e as estrelas começam a desaparecer, ele dormia. Foi somente algumas horas depois, quando, nos primeiros raios da aurora, ambos acordaram. Silenciosamente, ela entrou em seus braços. Ele revirou-la, seu corpo todas as curvas suaves contra ele: seus seios, sua barriga, suas coxas doces. Ela abriu para ele e ele empurrou para dentro dela, fácil como a seda. Que o fluido, que lisa. Ele a beijou quando ele arqueou seus quadris, e ela suspirou baixinho em sua boca. Assim maldição doce. Ele não podia conseguir o suficiente dela. Kara. Ela se mudou com ele, cada movimento de seus corpos como líquido, um ritmo perfeito que levou nenhum pensamento. Não esforço. Eles caíram em prazer. Ou corria sobre eles. Ele não sabia. Mas logo ela foi apertado em torno dele, seu sexo quente e acolhedora. Incrível. Ela ofegou, seu clímax tão suave como a luz da manhã. Então, ele estava chegando, tremendo por dentro dela. Ele segurou-a com mais força, seus braços ao redor de seu corpo. Ele não o fez queria deixá-la ir. Eventualmente, ocorreu-lhe que ele poderia estar esmagando-a. Ele rolou de cima dela e ela enrolou nele. Sua mão foi para o seu cabelo. Sua respiração desacelerou como ele flexionou os dedos, os fios finos como seda. "Kara", ele sussurrou. "Baby. . . "

2 no limiar do desejo  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you