__MAIN_TEXT__

Page 12

Sustentabilidade O papel dos gestores nos projetos Por Célio Gentil Nas últimas décadas as organizações passam por mudanças fundamentais e complexas, na busca de inovações e diferencial, através das novas formas de organização do trabalho. Estas mudanças refletem de forma real o avanço tecnológico, a globalização da economia, as mudanças políticas, a importância na visão social e ambiental e sem dúvida, a administração com agentes formadores do novo ambiente organizacional. Esta evolução compreende mudanças dos “Paradigmas” da gestão organizacional, valorizando o homem e sua capacitação na busca de conhecimento para a inovação, a comparação e o entendimento entre a visão “Mecanicista”, importante para o século passado, e a visão “Holística”, necessária para o terceiro milênio, Podemos também mencionar o conhecimento e a valorização das diferenças entre “Clima e Cultura” organizacional com a necessidade e a aplicabilidade dos conceitos entre “Eficiência e Eficácia” para minimização de custos. A necessidade na identificação, posicionamento e definição das empresas, nos aspectos da “Visão”, “Missão” e “Valores” com a importância nos estilos de administração baseados em teorias de grandes autores, como exemplo, Teoria X e Teoria Y e outros. Outras mudanças relevantes provocadas pela “Globalização”, necessárias para manter-se competitivo no mercado interno e externo, é a importância dada ao processo de melhoria contínua. Este novo ambiente organizacional vive também uma nova realidade colocando em harmonia, de um lado, a empresa com suas políticas, culturas, métodos, processos, climas, recompensas, punições e regras, e de outro lado o colaborador com sua personalidade, motivação interna, percepção e valores. Esta nova realidade nas organizações exige de seus colaboradores mudanças na forma de pensar e agir baseadas na necessidade do comprometimento e conhecimento dos desafios da empresa, que são fundamentais para o sucesso e até sua sobrevivência. Vivemos na “Era” de constantes mu-

10

danças, portanto, há necessidade de ser flexível para modificar conceitos e paradigmas. Estes paradigmas são referenciais utilizados na justificativa das ações, para expressar crenças, medos e valores. Eles direcionam nossos comportamentos, podendo cegar ou ampliar o campo de visão. Alguns fatores nos fazem compreender estes novos paradigmas, tais como: as mudanças no papel das chefias, achatando hierarquia e diminuindo número de chefes; o nascimento do mercado competitivo em escala mundial; os países e as economias interdependentes; a informática presente em todos os processos administrativos e produtivos; a diminuição da estabilidade do emprego que leva as pessoas a procurar seu próprio negócio ou a desenvolver um perfil de empreendedor interno; os clientes direcionam as necessidades dos produtos ou serviços; a preocupação com a qualidade de vida e a preservação do meio ambiente vem que interferindo nas decisões empresariais; a preservação da saúde física e emocional mudando modelos de gestão; a emergência do terceiro setor que exige e motiva atuação de ONGs que representam agentes econômicos expressivos e devem ter uma gestão eficiente. Percebemos portanto neste novo ambiente, a necessidade de um perfil de gestor que se enquadre às novas realidades, valorizando e trabalhando também, com projetos direcionados à Responsabilidade Social Corporativa. Estes projetos são gerenciados por profissionais de diversos setores, principalmente pelo setor privado em parceria com fornecedores, clientes, comunidades e setores públicos. O investimento no setor vem crescendo de forma substancial, principalmente no Brasil, exigindo dos gestores, conhecimentos e competências, visando atingir os objetivos destes novos desafios. Uma característica na gestão de projetos sociais é a democracia e a participação voluntária, sendo necessários critérios bem definidos para tomada de decisão e cobrança de responsabilidades. Projetos altamente estruturados adotam técnicas de gestão de pessoas, em geral, praticadas

em empresas privadas. São casos típicos de muitas fundações e institutos ligados a grupos empresariais. Vejamos algumas questões estratégicas para gestores nos Projetos de Responsabilidade Social. A motivação e o comprometimento são maiores por terem identificação com a causa; a liderança e a capacidade de motivação são pré-requisitos para o gestor social; a participação na gestão das ações é algo natural e estrutura as relações dentro dos projetos; a transparência e a credibilidade são características fundamentais necessárias aos colaboradores; a metodologia de resolução dos problemas sociais são mais relevantes do que os parâmetros quantitativos de eficiência; flexibilidade e capacidade de atingir metas com reduzidos recursos são exigências do setor. Outro fator preponderante é o recrutamento de voluntários que não podem se estruturar apenas por critérios de eficiência e mérito; as ações conjuntas são mais constantes permitindo socialização de informações, metodologias e até recursos; devemos focar na noção de cidadania; o gerenciamento de voluntários exige um equilíbrio entre transparência, credibilidade, participação com capacidade de controle sobre suas ações; a avaliação de desempenho deve ser menos rigorosa. Os voluntários não são as saídas para a falta de dinheiro, pois seu gerenciamento é muito mais complexo do que o gerenciamento de pessoas remuneradas; os voluntários são pessoas que buscam remuneração não material na instituição/ projeto, seja ela espiritual, afetiva, política, ideológica ou mesmo de realização profissional; muitas pessoas procuram a atividade de voluntário para realizar sonhos que nunca tiveram chance de realizar em suas carreiras e/ou nas empresas; é importante estruturar um plano de carreira para os voluntários, que permita assumir responsabilidades maiores na instituição; a carreira voluntária deve evoluir desde as tarefas básicas até uma posição de voto no conselho diretivo do projeto e/ou instituição; muitos problemas de rotatividade de

Naturale

novembro/dezembro - 2010

Profile for Elaine Pereira

Naturale 5a edição  

Naturale é uma publicação bimestral de distribuição gratuita da Diagrarte Editora. Trata de assuntos de sustentabilidade, meio ambiente, edu...

Naturale 5a edição  

Naturale é uma publicação bimestral de distribuição gratuita da Diagrarte Editora. Trata de assuntos de sustentabilidade, meio ambiente, edu...

Advertisement