Issuu on Google+

NEURÔNIOS L I V R O S

MARIA ERÓTICA E O CLAMOR DO SEXO

Os Stones nos anos 1960, com Brian Jones ao centro: chocar para brilhar

SIMPATIA PELOS ROLLING STONES COM HISTÓRIAS ALCOÓLICAS E CURIOSIDADES PERTURBADORAS, LIVRO TRAZ INFORMAÇÕES SOBRE A BANDA QUE NÃO SE CANSA DE CHOCAR Na década de 1960, quem encontrasse um dos Rolling Stones perdido na noite certamente iria para o outro lado da calçada. Afinal, era mais fácil fugir daqueles marginais subversivos do que enfrentá-los. Em Mick Jagger e os Rolling Stones, o jornalista alemão Willi Winkler conta como foi a construção da banda para que ela se tornasse um mito exatamente oposto aos Beatles, com suas histórias ilícitas e seus porres desmedidos. Cheio de autorreferências, o livro penetra direto no coração dos integrantes e revela como a boca grande de Mick Jagger conseguiu morder um lugar na mente de produtores famintos por dinheiro e de fãs cansados da chatice do rock de então. Os capítulos separados para cada membro da banda tornam a leitura mais direta e não necessariamente linear, trazendo curiosidades como quando Jagger aprendeu a dançar com Tina Turner ou sobre a misteriosa morte do líder Brian Jones. Além de ter fotos interessantes, o livro conta ainda a relação do grupo com astros como Muddy Waters, Chuck Berry e Andy Warhol e seu início desacreditado no blues. Enfim, mais uma biografia para uma banda fora da lei que, com quase 50 anos, ainda tem muita história para Nathan Fernandes contar. MICK JAGGER E OS ROLLING STONES (Larousse)

O jornalista e pesquisador Gonçalo Júnior é obcecado por sexo. Basta dar uma olhada em sua vasta produção sobre o tema. Nesse minucioso trabalho de pesquisa fartamente ilustrado com material de seu próprio arquivo, ele se dedica a esmiuçar a turbulenta relação da censura com as publicações que de alguma forma abordaram o erotismo durante o regime militar (1964-1985). Da PLAYBOY (inicialmente sob o título A REVISTA DO HOMEM) aos quadrinhos veiculados por editoras nanicas, mais de 2 mil publicações sofreram algum tipo de restrição, sendo que pelo menos três centenas foram fechadas. hadas. Tudo em nome ome da moral e doss bons costumes e, claro, contra a terrível ameaça comunismunista. (Peixe G Grande) rand d e)) Luiz Rivoiroo

COLEÇÃO NOVELAS IMORTAIS Lançada originalmente em 1986 com foco nos jovens leitores, a coleção organizada e apresentada pelo escritor Fernando Sabino (1923-2004) volta às livrarias trazendo textos curtos e saborosos de autores como Robert Louis Stevenson (O Clube dos Suicidas), Herman Melville (Bartleby, o Escriturário), E.T.A. Hoffmann (O Homem da Areia), Miguel de Cervantes (A Espanhola Inglesa), entre outros. Os livrinhos, de 100 páginas em média, ganharam ainda capas caprichadíssimas, daquelas que dão uma vontade irresistível de ler. (Rocco) LR

FOTOS: DIVULGAÇÃO


Rolling Stones