Issuu on Google+


Com mais de 1.500 quartos, no coração de 130 hectares de parque e jardins, Fontainebleau é o único palácio real e imperial habitada continuam ente há sete séculos. Visite Fontainebleau é elegível para uma grande apresentação da história, história da arte e da arquitectura francesa.


O ”Royal Château de Fontainebleau” é um dos maiores castelos Reais franceses. Fica localizado na cidade de Fontainebleau, concelho de Seine-et-Marne, no Norte da França. O palácio reflecte, actualmente, o trabalho de vários monarcas franceses, construído a partir duma estrutura inicial de Francisco I. O edifício estende-se em volta de uma série de pátios.


A história de Fontainebleau vem desde o século 12, e a origem do nome tem origem na expressão fontaine belle eau - fonte da bela água. Ao que consta, devido às propriedades das águas de uma nascente que existia ali, São Luiz teria ordenado a construção de um mosteiro naquele local. Entre 1380 e 1422 Charles VI, acrescentou novas fortificações ao já existente, fazendo com que ele se tornasse uma importante fortaleza, com quatro torres.


O velho castelo que se erguia neste local já era usado no final do século XII pelo Rei Luís VII e foi uma das residências favoritas de Filipe II e de Luís IX. O criador do actual edifício foi Francisco I,.. De um modo geral, em Fontainebleau o Renascimento foi introduzido na França.


François I, o monarca construtor de Chambord, também se impressionou muito com o local, e, em 1527, ordenou que fossem demolidas as estruturas mais pesadas e antigas, para que fossem construídas outras mais elaboradas, a altura da corte, e seguindo o padrão do modelo renascentista.


Na época dizia-se que grandes palácios eram o símbolo de grandes nações, e o rei Henri IV não poupou gastos para aumentar ainda mais a propriedade, fazendo dela sua residência preferida, e demonstrando grande prazer em exibir para os visitantes a exuberância daquela mais nova jóia da coroa. Era sua intenção até mesmo construir uma capela que superasse o esplendor da Capela Sistina existente no Vaticano.


Mas cada rei tinha sua forma de pensar, e seus sucessores não demonstraram tanto interesse assim, pelas idéias de Henri IV. Luiz 13 preferiu viver em Saint German e Luiz 14 demonstrou mais interesse por Versalhes. Foi apenas com Luiz 15 que Fontainebleau, voltou a cair nas graças da coroa, e durante seu reinado foram contratados arquitectos e pintores para embelezar ainda mais o palácio.


Durante a revolução francesa, grande parte das obras de arte foi removida, mas o palácio propriamente dito, foi preservado. Alguns anos mais tarde, seria a vez de Napoleão se apaixonar por Fontainebleau, a tal ponto que decidiu tomar posse dele, e voltou a transformá-lo numa residência luxuosa. Sua ligação com o palácio foi tão intensa, que até hoje Fontainebleau é lembrado principalmente como o palácio onde, durante muitos anos, morou o famoso general e imperador Francês.


Um dos pontos diferentes neste palácio é sua arquitectura. Ao contrário de tantos outros, aqui aparentemente não foi seguida nenhuma geometria ou lógica na construção do conjunto de prédios que formam a propriedade. Vendo o conjunto de cima, tem-se a impressão que eles foram sendo ligados um ao outro sem qualquer planeamento. No entanto, esta assimetria, dos prédios, somada aos seus elaborados parques e jardins, tornou-se justamente uma das marcas registadas da genialidade de Fontainebleau.


Palácio de Fontainbleau