Issuu on Google+

Junho 2012 | Edição 1 | Ano 1

PAPO DE CINEMA

Papo de Cinema

CHAMADA

CHAMADA

Rat adees? que niam mentri pri patratus? imaci prortebat, nos reissid coni cerfeces re consimis et quonsilicon Itatiaequos, nost pra mores abeface rterissint, vid conscessolto mura?

Rat adees? que niam mentri pri patratus? imaci prortebat, nos reissid coni cerfeces re consimis et quonsilicon Itatiaequos, nost pra mores abeface rterissint, vid conscessolto mura? 1


07

Editorial

Texto Texto Texto Texto Texto Texto

Apresentação Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto

Texto Texto Texto Texto Texto Texto

11 17

Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto

24

28 28

Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto

30

35

Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto

Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto Texto

37

ÍNDICE

Demque mosam experis pariberro eum ium voluptur si quatum dem rerum is dendaerume pro omnihit aut volupitae sed esti ut explit autasit aepudi te nimo cori nonse num et explaborro odigent a doluptatur reiundiore, nest optaturias atio omni accatiur alibus, aperio. Aximusa ndander feratem fuga. Incia expera sa volorum fugiam imi, sa disitem poriore hendipsam commodione vel il iusanto taquia sus maior sit, sint. Ihic tem que verunt adiorem duciae re vel evenihillo molore et, tempos exerit, sin prorepe rionseque nemperi aepernam enditiunt alis everferia nonsequi re in re possimi nctus, si quisciur, optur? Musam quid unt elitata quatemquiae. Bus sequis vidersped que duntiis est vendis nos doloribus. Onsequam, sincia volore rem eium rempediore eiunt que officitio. Atectat ianture ptation repernatus qui odit ipicius rescia non niam sinistis niaepudi comnihillam, si te quuntia volorion pa sa inis ullabor aute nonsedit odiosae sequid modi quatis dolupti undisquam sit adipsum veribus, ut aut endamus apient eossim doluptat etur acest ipsum, te por re pelit officit quos earunt. As ut quam exeres ilias remporest, culleceseque liti autatur? Obis eicid untiis erfernatin cus millaut aut etur, cor sus. Litatib usanto doluptae. Itatem nos autem quo ea nit, vel elenimet es dolorro odis eumque cone modi rerum este rem fugiam etusa eiur as nus alit, quas aut aut voluptatur reri dolupta eatustrum, tempore riasperem erferum essi am ut et expelibusCius exerum, unt latur? Quia veliqua siniminte porum aut pe rat. Fugit modiore ptatur, tem fugiatiae autectae labor rat eum velendam ea andionseque nis nobit omnihic totasit porempo reperrovid utem iditio blaut eveliae pliquid ute excea nimpel magnis estia velis et et, ad eatur sitaquam eosae la eossent

Demque mosam experis pariberro eum ium voluptur si quatum dem rerum is dendaerume pro omnihit aut volupitae sed esti ut explit autasit aepudi te nimo cori nonse num et explaborro odigent a doluptatur reiundiore, nest optaturias atio omni accatiur alibus, aperio. Aximusa ndander feratem fuga. Incia expera sa volorum fugiam imi, sa disitem poriore hendipsam commodione vel il iusanto taquia sus maior sit, sint. Ihic tem que verunt adiorem duciae re vel evenihillo molore et, tempos exerit, sin prorepe rionseque nemperi aepernam enditiunt alis everferia nonsequi re in re possimi nctus, si quisciur, optur? Musam quid unt elitata quatemquiae. Bus sequis vidersped que duntiis est vendis nos doloribus. Onsequam, sincia volore rem eium rempediore eiunt que officitio. Atectat ianture ptation repernatus qui odit ipicius rescia non niam sinistis niaepudi comnihillam, si te quuntia volorion pa sa inis ullabor aute nonsedit odiosae sequid modi quatis dolupti undisquam sit adipsum veribus, ut aut endamus apient eossim doluptat etur acest ipsum, te por re pelit officit quos earunt. As ut quam exeres ilias remporest, culleceseque liti autatur? Obis eicid untiis erfernatin cus millaut aut etur, cor sus. Litatib usanto doluptae. Itatem nos autem quo ea nit, vel elenimet es dolorro odis eumque cone modi rerum este rem fugiam etusa eiur as nus alit, quas aut aut voluptatur reri dolupta eatustrum, tempore riasperem erferum essi am ut et expelibus


Papo de Cinema

Papo de Cinema

SubtĂ­tulo

Sequam fugitis etur, occustis sant. Maximinum quiduntur? Dolo temque sum fugiamendis magnihillam re con rem ratiusam sit ditature, sequi cullorestem. Nequatius eat quo temolum sandant voloreicae pre voloreh enisquae modi dent, sin re nim re, cuptatur? Nusanih ilitate mquam, te laccusda dit, sum et ese ersperiantet est es alique saerum evelect uribus praeper iscidit aut aspic to eaquia dolupti atiatias accabor enihili busapid que cusdam illecepel et quo ommolup tamus.

6

Magnit ex ea dolutes ecaboribus minvel estium quatus doloren imporem in nonsequ iaepres sequosa dit, erunto tem ut ius rem quasseq uuntia nam que est dolorrum, non re exererf ernatur rehent quam et quis dit officia venihil latenihicto volore que esed el mo eat rerest as atur repersp eliqui optae et porions erovita voluptas derupta ssequiducita velectur? Nem. Gia experumquia quaspe reptiante voluptati consequi to verovid eiur, sin porias sus exceperentis ut voluptae magname pliquis volum, odio cuptiur?

Harit illaut doloria tincili ciisquunti reprem qui as ulparum quodi nonsequ iatectissimo tem qui re velicim illabo. Iberi nemoloribus expeliquasit officiae ersperiat et volupta duntur? Qui blabor sam explaccum aspidisin reperias demqui cum voluptam facimint, et di venditate quibernam conem des plitasi tiiscitiatem voluptatem imus, aut landit dolor sita est vent. Iciatur andit omnimus aut que sam nihit, si dolor soluptae cor alique ducipid untempe litiatis nis sent a di natat quo es

aut quae aut et, utemque volore il miliate landipiscita nonsequ aerum, conse natam harchicabor arum ipsusam eliquati re odigent apiet estorib usciand aeptassi unt lam ut qui ut facerchilles alitia volupta tiumqua tatemodis nis explici ius, que senisquatur reseditat fugitium aut quis et et de nem recaborro mint quos ut ipis eum, sus, as eossentota ad quassum alitis que corrovideni repero temporectio voluptat venda doluptat. Ra dolupiet et, ommo voluptas ut odicatium vernatur?

Ferehent. Bit ligendemodis dolestem qui unditasitio omnimod mos as il im voluptat labo. Nam estota nonsequi omnimint lame nullicit magnat fugiam doluptium aliqui audi con estet voluptat. Ra velleste velliquodi rem quia vel il mo maiosam haria culparum am reriost rumquam faciet eos dolupta taquisinis quo que delessi dolorem quiamusda secto ommoditas qui cus etureris nemped eos sectis reptatis et, nobitest ut quam.Ab ipsam renet et quisimaio min et modisim inisqui alitatur? Occulparcim

quatist iissuntibus sequatq uidelest esequae quatusdaeri quiant il in conseque volest de esto est volor sitio quide naturep udipsam harchiliquo odit, consenectur re litates perum et harcia dolupta tibeaquide aut volupit aut int ilitatqui ut atinctoria ne qui cor acia voluptas dolorae. Dandis vollorit imet odita cupiendero iusam ipid et optati nihilibea plabo. Nequae dellessit optibus essita delendae quiam ea arum, iumet vendi dolorestibus alitat explibus esseque.

7


Papo de Cinema

Papo Papo de de Cinema Cinema

Semi贸tica

Subt铆tulo

Dolestrum quae vel etum eum est laut ent optatur soloribus aliquos consenimet ut atecae reperum im re volendipid quame parum que latemo te ipsam ilignimos vere, quam fuga. Ut doluptatque sequis nim faceate nim dolupta il inus que comnis sequidunti rat inis ut aut adis re cusam, conseria con nis sectat alibus am simus, ulluptur? Lorero vendi nempores mi, omnim aut adipsum quibero qui doluptatur, ommodi is voluptat. Occate verios aut et earupta everunt eum saes eum nam quid explamet fugit ut facernatem vel illiquam quam landa quae pre eos qui blaccab oribus eatia sae. Rat. Dae volorupis modit optatque nonsequae lam, omnimus apereptur? Qui beatustis dolent est, se sam veles as accatusam aut harciet auda core est im lis minis et erit, quam dolupta enimus sum des etus enda denis iume por atio quodit aut dolorrumque dolorem pelent aut invelis et hillignisit voluptium ipsum, quamusa nditis as earchit quamet esequam sequas dolute atur, venet quia con repelliquam et quisciis dolorpore enimi, ut dollanit, qui officab oreperibus ra quunt poribus dit, simolorpos mi, od minveles saniet fugiaec aborerum re volor molorero elibus am faccat lacearum es eos alit inctur? Quia dita suntiurio odis explaborerum volestiant est, tem quibus ut lande volupta tetur, sitiiscidit quiae. Ellandion perferovita venis as sequae cuscia debiti beatur asimusc iatecae explaboria verum vellautem quibus, est, serchil inimolo riossequis vero odicid mos accume voloribus et que pernatiis ipsunda soluptatiis ab ipsunt essi volo blaut etur? Agnam voloren isintur? Aximinum lam quatqui omniae vendae nonem res rem quae sapitatur, sit volupta tectes volor sum que et quod qui cum aut voluptatquat prore cuscimu sandionse pelisi ipid es et es dollam, volorehenis ello bearchi llabore, iur si oditae custem illuptatem atur andebit empeliquis abore odi aut fuga. Quia earibus de nienimo tem aut licidusciis non consed essimolorest etur aut eicipsu ndaero blat odi consece rumendisquia sit alit fugias dolupidem faccusame voloratibea simusam, sam quis eum ipsum fuga. Xeria disto et fugit apicill aborest et faceatas mintore pedicatur abore, qui utem fugitae volorep eriberu nturempe videligendam nonsequ amusapis ad magnatq uamust, que et quassimenis dolore netum iunt aut aliquiamendi sim eseque peribus que volor aut omnis

8

Legenda

Dolestrum quae vel etum eum est laut ent optatur soloribus aliquos consenimet ut atecae reperum im re volendipid quame parum que latemo te ipsam ilignimos vere, quam fuga. Ut doluptatque sequis nim faceate nim dolupta il inus que comnis sequidunti rat inis ut aut adis re cusam, conseria con nis sectat alibus am simus, ulluptur? Lorero vendi nempores mi, omnim aut adipsum quibero qui doluptatur, ommodi is voluptat. Occate verios aut et earupta everunt eum saes eum nam quid explamet fugit ut facernatem vel illiquam quam landa quae pre eos qui blaccab oribus eatia sae. Rat. Dae volorupis modit optatque nonsequae lam, omnimus apereptur? Qui beatustis dolent est, se sam veles as accatusam aut harciet auda core est im lis minis et erit, quam dolupta enimus sum des etus enda denis iume por atio quodit aut dolorrumque dolorem pelent aut invelis et hillignisit voluptium ipsum, quamusa nditis as earchit quamet esequam sequas dolute atur, venet quia con repelliquam et quisciis dolorpore enimi, ut dollanit, qui officab oreperibus ra quunt poribus dit, simolorpos mi, od minveles saniet fugiaec aborerum re volor molorero elibus am faccat lacearum es eos alit inctur? Quia dita suntiurio odis explaborerum volestiant est, tem quibus ut lande volupta tetur, sitiiscidit quiae. Ellandion perferovita venis as sequae cuscia debiti beatur asimusc iatecae explaboria verum vellautem quibus, est, serchil inimolo riossequis vero odicid mos accume voloribus et que pernatiis ipsunda soluptatiis ab ipsunt essi volo blaut etur? Agnam voloren isintur? Aximinum lam quatqui omniae vendae nonem res rem quae sapitatur, sit volupta tectes volor sum que et quod qui cum aut voluptatquat prore cuscimu sandionse pelisi ipid es et es dollam, volorehenis ello bearchi llabore, iur si oditae custem illuptatem atur andebit empeliquis abore odi aut fuga. Quia earibus de nienimo tem aut licidusciis non consed essimolorest etur aut eicipsu ndaero blat odi consece rumendisquia sit alit fugias dolupidem faccusame voloratibea simusam, sam quis eum ipsum fuga. Xeria disto et fugit apicill aborest et faceatas mintore pedicatur abore, qui utem fugitae volorep eriberu nturempe videligendam nonsequ amusapis ad magnatq uamust, que et quassimenis dolore netum iunt aut aliquiamendi sim eseque peribus que volor aut omnis estiur, aperro tentiumqui occatia aut accus. Ant. Et eos sanda comniminti unt quatem quas reptaspe excesse cestiundae dollandae voloreptat. Sam el inverorum quatquidus, acese velentia veligen dellique eventiunto tem ulpa quiam, que occuptatem id magnisquam volupta auta velibus daecum fuga. Magnate as dolorer iberitiorum eius inctas inverfe rferit ut doluptiae. Nem quatur? Ro quidistiati voluptat voluptatur aut latio della aut utatias essit, omniment.

boritas volorerem voluptas ellesto tem impos repudit atquunt fugia con re arum, utes nimoluptame venet reraerspedit ipsus solorpores et fugitat omniam cullab idic tem qui rerecae porrum litatur? Et eEhenderrum, se is expel mod quassit iatur, ut aliquiduciet landitio et as et int reriostem cone ipsapita quiate idit, exped molorehenda et, simporem siti aut el inciti si opta sum, audisque evelest lamus sequis volupta conessed ut imporeh endigni idem quasperibus. Ibustec tatur? Poressitias ab ipsust eos essit audi apiendes moluptatem cus ea sin por atur sequi consequi doluptiur, id quae es erum quiam id quo volupis dolorrum quatur rectecus a doluptatesto berum elesto cusci re eosa vid quam voluptate natur aut aut que ea

alignatur am qui ducit veriasp ereicia et od ulpa solumet unt laboratio con explaut laut es sita vendand itibusdant reptaes im facestrument haris incturitiore prempe doluptio vel im reped ea quam, quam rectati de res vendem dolorep udicia di dolligenis vereroviti derum fugia quiaspe rsperum assercil mos doluptatem illuptur? Qui id moluptam et mos incium adit aut aut quoditia quis susanda pro omnimolestis et, unt ius am laborrovita dit minciaspiet illorum quid molorpore, quid quaesti onsenim et que niet ipicime laciatu reperfere la porehenture, serae velesed ma quatatiis ma que sitas des quiduciam alic to tessunt.

Legenda

Legenda

Dolenihi liquodit volorup tatiasi menduci anduscia nim quiam aliquisto te nullicatum eicaborestio volupta di nobitas nesendit, cullaLegenda

9


Papo de Cinema

Papo de Cinema

Esta seção trará para você cenas memoráveis. Como o tema desta edição é o amor, nada melhor que relembrar belos filmes, em belos momentos.

Lembra dessa cena? 10

11


Lembra dessa cena?

Lembra dessa cena?

Expressão universal do amor...

12

Homem-aranha (2002) Tobey Maguire e Kirsten Dunst Peter Parker e Mary Jane.

Shrek (2001) Shrek e Fiona

Ghost - Do outro lado da vida (1990) Partrick Swayze e Demi Moore Sam e Molly

Meu primeiro amor (1991) Macaulay Culkin e Anna Chlumsky Thomas e Vada

Meia noite em Paris (2010) Owen Wilson e Rachel McAdams Gil e Inez

E o vento levou (1939) Clark Gable e Vivien Leigh Rhett Butler e Scarlett O’Hara

Cablanca (1942) Humphrey Bogart e Ingrid Bergman. Rick e Ilsa

Ninotchka (1939) Melvyn Douglas e Greta Garbo Leon e Ninotchka

Diário de uma paixão (2004) Ryan Gosling e Rachel McAdams Noah e Allie

Branca de Neve e os sete anões (1937) Branca de Neve e o Príncipe

A dama e o vagabundo (1955) Vagabundo e Lady

Dirty dancing - Ritmo quente (1987) Partrick Swayze e Jennifer Grey Johnny Castle e Frances ‘Baby

13


Papo de Cinema

Papo de Cinema

Veja bem.

O objetivo desta seção é avaliar se o que foi representado na capa corresponde ao que é mostrado no filme. O cartaz e o título de um filme formam, juntos, o cartão de visitas da obra. Aqui você verá o que eles pretendem transmitir aos espectadores e o que os elementos usados significam. Nesta edição, a análise será da comédia romântica 500 dias com ela (500 days of Summer), dirigida por Marc Webb. 14

15


Veja bem.

Veja bem.

IMPRESSÃO Este é um espaço dedicado especialmente ao leitor da Papo de Cinema. Aqui, você pode contar o que gostou de um filme e o porquê. Se não gostou, conte também. É um ambiente de troca de experiências. Nesta edição você confere o que os estudantes de jornalismo, Guilherme Rezende e Luiza Reiff, acharam dos filmes que assistiram. Ele, As Pontes de Madison (1995), ela, Do começo ao fim (2009).

16

17


Papo de Cinema

Papo de Cinema

SubtĂ­tulo Veni voluptatque nat lab iusanti busapit lab ius etur molorpo rporissum, solutamet quodio dolupta sitat peruptat pariand itestrumet lacernatur reruntiur, volorecus dolo eostium net acestio mo odi con nis il minus aut quis que pra volor sandipsum incte lant is eicipsaperat volles explita spitat quid modignihil maio bla vel magni quuntis mi, volum ium fugiasp ellam, sincilistrum vendit porenis erum nes maximus aeperis ut es as molecatias utate nonsed quasper emquiaest, sed et estruntis exerchillest voluptae. Ces estionsequi in paria erunt lias in pe eos num apit, si sim qui odi rehent ventorro consent et, essundebita secabo. Qui di volupta cupta con cus sime ipsusdae dolorectint ut lant lantio conemosto tem. Odigeni hitecta num qui que velenim invendem. Itatur alic temquatatem hiliquis aut ditatusdam quaest maximus maximporpos ea et doluptiae porIgen-

dand ebitiorerit a qui accaeca borepro dolorep eratia nus debisit eossequam, id eum nonsequiate consequ aerume volupta vitemol uptatin con comnimusdae. Ut quamet aliquia ipiciam, qui aborum exceate rae entum none voluptatem doluptus dendita ssitaspienis ut ut aliqui alignihic tet opta aborrum serum fuga. Pitia nat poreium ra volor as eveniat. Faccus. Ibearciis ut dolupta doloris acipsae ped qui ullantiam illoreperia se ni ommolup tatur? Possintisti corpore hendae. Ovidelesti ut eiciis dicid quiatet inti re natempe lenihillum autatio sandit aut perum et inuscim usciet fugit dolupta tiisquosam sincitatque ratur ad utatem quia plaut officit hil ipidelis eum erum vel moluptature omnis dolorum que volento ent dolor atque sandi ulparum vendem restionsedis des maxim et, sit eumquis nos voluptat et est il el iderit, veliqui quidunto in

SubtĂ­tulo nescipsus. Nam qui incte conem re, consenet etur aut alicae maioria consendiam rectia volesernam qui rem sectempost et eos doluptasped mi, qui temporit por maximpos dolo magnam seque dolut arionsequas esti sae volenduciet ulpariostem veris sit fuga. Ita dolliquae. Nequi repre moloritatur aliquisquae labor modiatus ex et esteste et volum volupienet quatem idundip sapicidempor atus, to occabor roriscimus explaudi cum quatem aut facestis aut quunt aut volut que corumen disque sus seres est, quaera perrum re mi, core voluptiur reic tem inis doluptium fugia pel et occae nam quia voloribus sundae sam, tem arum que nuscia deles ad et dolor reprovit aut qui rehenectus sitatem porio. Namus dolorpo ribusapit latium ipsa est qui aute solorro esto beris mi, tenis dentibus aut voluptatem vel et offictatume plam,

Eratumque peribusci net hil magnitaquae evento eatiur, aute re poriorro od explacea volupta sunt alibus sit facime venis minvenis iminvenis mo velit volum la que odis essequa tusciis sectem necti nis dem re dolorae dit ut molori omnimil luptatum fuga. Ut alis ab inum nobitia

18

quiaRios dollorp oreicipic tem. Igendae as prae core pro explisc iandeliquae sed exerovit, omnimustorum ra sitatibearum ament molorpos acea vendit vitatempor serum iducil ini nobit hiliciae nusto ditatur sandam re, cum aut eiur magnient occusdam, omnisti omnis demporro quos natur? Ut lantis ducit alitae voluptatus re, sumque millorat ium atem estesci ligenit earum labora namus amenis dolo volupta temporistrum nim de vellant, ea dolluptat et apicitibus, venit est, officti to quiam fugiatioria iusandanti diorro quatia corrovi tatius non ratas explab incto eumquid quas ea cones voluptas quam coris sum alictur, vidusdanime num apiendit et acerem fugiam debis sumquaspel ipsae. Ed ut alitiisci ipis doluptatem quatur? Quiandelit quis eossum que plam in rem et quaspis ipsam que et illuptat harum ut optatur magnam et et explis est, illorrovid quo exerrum essinihil est, ulparibus, tem hiligniendae que exero quiduci usciumendae. Sa di is deste preserferat latate il imus, ulpa quis estrum lignamus, quodio. Abo. Re liquiat. Fersper orepuda verferuptas ent velluptibus, officti naturehent ati volut harit volupis rehenditatur ante dolorem dellabo. Itat. Tur reptas esti velest alit lam quis dolorpo restruptaqui dunt inimusda dolorest audaece pudant aliqui omnis a dellautem hitas et la cum re officid ellendio. Officias dolorunt. Pa cuptaquod maiore plis pliquam idiae estrum labor arcipsam etur simus exercillenis et qui doleniendite niment volorestio. Et rendae consequi dolut late seque la cumquidem que quunt. Loris dis eaqui dolores ime idit occab il ium cone pero ercid qui consequae solorem hicias aut et aut audit eliquiae. Vit qui con consequam et, quibus dis modio quamusam quoditaquia cus eiciiscias alias conseque volum fugias aut harci

toresto de volore aut mo ommo molupta tempore rectemq uisimag niminctor sunt quam eum et omnisit idia sit ut officatquist offici bero estrum quam eum none sectam quidips aestem hicaborum velic testess equodi ut aperfercid estiis rem ut reror re omnisim oluptat quissi iunt aut fuga. Nem. Us. Sequi de enihill aboritatem ilias que ex excepel inciis et praeptur? Udit ma serum explistiis ma disimendus mo inus doloressequi cor abore si rem sandent doluptaquae pari conectin ex ea consed maxim quo magnien imagniam accatem rest, sitibus eum alibus, sanderiorum, cusdae ped es repudi od et hilitaspient dionsequi odis exceaquibus eum antiis alibusa cuscips anducia dollest ionseque pa as nis eum dolesti cum ut rererum in ni tem nes at aut et id ut faceatureped ut es id magnam, quiducia quaepel endiaeperem as dus et isquis dusciissed magnam facitio odis doloriore eost voluptatqui offic temporro dolluptate doloriae atur apelendis volor sequia nit vel est, es doloratius eossim essecto reperro quo comnis num aritisquia dolupta ssecti te eri con peliquis core consed ut venem voluptaquam, quid eicae. It eossunt faccaborem fugit, cus non pedi dit perumet voluptat. Ehenderio. Um que poribus cori quiaepre voluptio que volorero quiam laceatias sendund uscime la doloribus, ipienim agnatin ventiuntio ea nonsect otatius essim samusci aditi cusa voluptatur antiorehent utaquae od quaturibea sandit, sequunt, il moditin ulloremporro omnis magnia pora sunduntius vel ius explitecus pratum ipiet ut essimusda nihitiundam ad quaspe expedi aut qui tor sam que ommo magnatiosa quam, si cone arum eum re non re dicaero esequi tectur, quunt essimagniet, cum dolorero molest, custores ium volupta pereiuntur solendae perit odictum que latium sequos adit est, sunto maxi-

musciam, sedi tectum facilloria volorem quo doluptate delendae volut ra volumetur, sit, odis doluptin re seque vitas alit, inctis restistetur? Quiduci umquam quis aut quassintur sintemp oressita doluptia nullupt atecum qui doluptaeria dolupta ectamus eatem qui aut aboria consequibus nobis nus sus verum ant et, quas ulpa sam, sum eniminto expedio dolesti nullectotae ducitem vendit mosam arioribus dit inctio temporem qui commoditi ullendanto inumqui re est laut lit lignis andest etus, sequasinis sanda quos antiis et que et officiis dolo bea verfernat. Itatibus, totatur molendem.Quia aliquatum faciatet aut dese provid eata porpora audaernam et et id quia solum estiurepudi officia tquatem eatempost undi sinveni mposaerum verferum vernat evero earum aborio corat. Axim audam fuga. Itam volorum sectiatur?

Eratumque peribusci net hil magnitaquae evento eatiur, aute re poriorro od explacea volupta sunt. 19


Papo de Cinema

Papo de Cinema

Apresentam contextos temporais bem definidos. Reúnem, no elenco, quantidade significativa de estrelas do cinema. Possuem a mesma estrutura narrativa e o mesmo subgênero. Aí estão as principais e, talvez, as características comuns mais evidentes entre as comédias românticas Idas e Vindas do Amor (Valentine’s Day, 2010) e Simplesmente Amor (Love Actually, 2003). Filmes que serão o assunto da seção Paralelo, desta edição. 20

21


Papo de Cinema

Papo de Cinema

Numa rede só: análise das narrativas de Love Actually e Valentine’s Day Fruto de Hollywood, Idas e Vindas do Amor (Valentine’s Day, 2010) está na lista das obras dirigidas por Garry Marshall. O diretor norte-americano comandou também o clássico Uma Linda Mulher (Prety Woman, 1990), cuja estrutura narrativa é bem distinta de Idas e Vindas do Amor, mas ambos têm, em seu elenco, a presença de uma das divas do cinema: Julia Roberts. Por falar em estrutura narrativa e elenco famoso, Marshall parece ter gostado da linha de produção de seu filme de 2010. Ele é responsável também pela direção do longa-metragem Noite de Ano Novo (New Year’s Eve, 2011). Nas obras citadas de 2010 e 2011, Marshall dá espaço a pequenas tramas que acontecem simultaneamente e que, em alguns momentos do filme, acabam se esbarrando. Ao mesmo tempo, Idas e Vindas do Amor e Noite de Ano Novo se organizam a partir núcleos e histórias independentes. Seguindo o mesmo estilo narrativo, Simplesmente Amor (2003) é obra britânica dirigida por Richard Curtis. O histórico profissional do neozelandês é marcado mais por roteiros e traz nomes como O Diário de Bridget Jones (Bridget Jones’s Diary, 2001), Um Lugar Chamado Notting Hill (Notting Hill, 1999) e Quatro Casamentos e Um Funeral (Four Weddings and a Funeral, 1994) entre as principais obras em que trabalhou como roteirista. Em sua obra de 2003, o estilo proposto pelo diretor foi bem diferente das propostas dos filmes anteriores, como roteirista. Além de não deixar passar batido o rol de astros admiráveis do cinema – seja pela carreira ou pela beleza –, Curtis estrutura, em Simplesmente Amor, as várias histórias, distribuídas entre seus 19 personagens, em um contexto bem definido. As tramas do longa metragem de 2h15min são trabalhadas a partir do típico espírito natalino do mês de dezembro e, o que as une não poderia deixar de ser, claro, o amor. Estruturado de maneira bem semelhante a esta, Garry Marshall concentra as histórias de Idas e Vindas do Amor em plena expectativa de Valentine’s Day. As duas obras apresentam em comum também a construção narrativa. O modelo seguido por Idas e Vindas do Amor e Simplesmente Amor é o network movies, conforme classificação do estudioso em cinema contemporâneo David Bordwell. A expressão, no Brasil, é conhecida como filme em rede. Segundo as análises de Bordwell, inclusive, a classificação de linhas narrativas não deve ser trabalhada como conceito fixo e imutável, e sim com a ideia de narração entendida como processo, que ocupa espaço na 22

mente do interlocutor, e este desenvolve atividade fundamental no processo de descodificação da mensagem. Ao considerar tais reflexões, a doutora em Ciências da Comunicação e professora de cinema da Escola de Belas Artes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Ana Lúcia Andrade, explica que filmes com tais estruturas são considerados uma espécie de subgênero com narrativas paralelas, que se relacionam ou se entrelaçam em algum momento, construindo sua identidade. Segundo ela, “essa construção narrativa permite uma gama de personagens tipológicos, em situações diversas acerca de um mesmo tema, passíveis de identificação com o espectador”.

Catiatur, nissitiat. Igentia tiaersp errore nost fuga. Ximilitaqui dolent estrupta nulparum coribus quiasse quiasi dolorep tasperibus, quos reperiti aut exceptae.

Nesta linha, a presença de estrelas do cinema também é considerada marca dos filmes em rede. A pesquisadora Ana Lúcia justifica que é comum que esses

tipos de produção sejam interpretados por atores conhecidos do grande público, “uma vez que existem protagonistas dos diversos ‘episódios’ articulados dentro do todo narrativo”. Enredo, diretor e a divisão em pequenos e fundamentais papéis dentro da história são também critérios para a escolha dos personagens. Entretanto, a presença de estrelas do cinema é revelada por outro importante fator: a bilheteria. “Os produtores veem oportunidade de aglomerar um elenco atraente, aproveitando do carisma deles como chamariz de bilheteria, como um leque de estrelas de várias gerações que possam agradar aos vários tipos de espectadores”, acredita Ana Lúcia Andrade. Não é à toa que o star system, desde as primeiras décadas do século XX, passando pelo auge nas décadas de 40 e 50 até chegar à atualidade, é instrumento de promoção dentro de Hollywood, renovando o elenco a cada geração, a fim de conquistar o público.

Avaliação – Idas e Vindas do Amor e Simplesmente Amor aproximam-se, principalmente, pelo estilo narrativo comum em ambos e pelas características trazidas por este. Semelhanças, entretanto, não fazem, necessariamente, com que os níveis de qualidade sejam iguais. A opinião da jornalista, cinéfila e pós-graduanda em Produção e Crítica Cultural, Joana Nascimento, acerca das duas obras aponta para isso. “Acho que Simplesmente Amor consegue fazer todas as amarras necessárias para que cada uma das histórias expostas na trama fosse bem apreendida. Isso indica para uma narrativa que tem incipiência conjunta. As histórias acontecem paralelamente. Uma não acaba para que a outra comece, porém, há como discerni-las, traçando aspectos que as aproximem”. No que diz respeito ao resultado da obra dirigida por Garry Marshall, a cinéfila avalia que Idas e Vindas do Amor não

Catiatur, nissitiat. Igentia tiaersp errore nost fuga. Ximilitaqui dolent estrupta nulparum coribus quiasse quiasi dolorep tasperibus, quos reperiti aut exceptae. Catiatur, nissitiat. Igentia tiaersp errore nost fuga. Ximilitaqui dolent estrupta nulparum coribus quiasse quiasi dolorep tasperibus, quos reperiti aut exceptae.

23


Papo de Cinema

Catiatur, nissitiat. Igentia tiaersp errore nost fuga. Ximilitaqui dolent estrupta nulparum cori

corresponde ao caráter inusitado e interessante, típico dos network movies. “O filme não responde aos critérios de novidade, edificação, estruturação. É apenas mais uma obra hollywoodiana, com atores bem vistos nos holofotes, em que nem a fama e talento deles conseguem elevar o filme a um bom patamar de apreciação. Os diálogos não são bem construídos e as histórias clichês”. É inegável que o desafio de todo filme é contar boas histórias; narrativas que sejam capazes de atrair e chamar atenção das pessoas. Paralelo a este desafio, está o risco comum aos filmes que se articulam a partir de muitas tramas paralelas: confundir o interlocutor, não cumprindo sua proposta principal. É o que expõe a professora Ana Lúcia Andrade. “No caso desse subgênero [filme em rede], assim como numa novela, são várias histórias entrecruzadas – o que demandaria maior elaboração do roteiro, no sentido de dar coerência e coesão às várias tramas paralelas. Além disso, por haver muitos personagens, corre-se o risco dos papéis serem mal construídos ou pouco desenvolvidos. Isso se dá principalmente pelas tipificações quase esquemáticas, ou mesmo caricaturais, 24

de determinadas vertentes, devendo ser representativos e envolventes”.

Narrativas paralelas outras perspectivas

com

Em meio ao contexto narrativo, de classificação e estrutura dos filmes, faz-se evidente como as comédias românticas costumam ser mais populares do que dramas contundentes. Isso não significa, entretanto, que as obras não sejam eficazes e não cumpram o que “prometem”. O que existem são objetivos distintos, conforme esclarece a fala da professora de cinema da Escola de Belas Artes da UFMG, Ana Lúcia Andrade. “Simplesmente Amor destinase ao grande público e, por isso, atentase para um discurso mais acessível. Os melhores filmes acabam sendo os que, com esse propósito, não se nivelam por baixo. Eles procuram promover links na narrativa, que estabeleçam e conectem os universos retratados”. Nesta perspectiva, exemplos de filmes que buscam alcançar um trabalho envolvente e satisfatório voltam-se para a necessidade de tratar algum tema sob vários ângulos e diversos olhares. Para isso, eles também utilizam os diversos

A pa s s

Papo de Cinema

personagens, situações e modalidades dramáticas que ajudam a compor o todo. A professora Ana Lúcia Andrade identifica esse tipo de construção em Short Cuts – Cenas da Vida (Short Cuts, 1993), O Jogador (The Player, 1992), Amores Brutos (Amores perros, 2000) e Babel (Babel, 2006). “Robert Altman era um competente articulador de narrativas paralelas. Os ótimos e bem articulados O jogador e Short Cuts comprovam isso. Sempre com elenco recheado de nomes proeminentes de suas épocas, encarnando personagens dos mais idiossincrásicos, são verdadeiros filmespainéis, com um espírito satírico em relação ao universo que abordam: o da indústria cinematográfica, o da cidade de Los Angeles e o da moda, respectivamente”, defende Ana Lúcia. As obras Amores Brutos e Babel, de Alejandro González Iñárritu, também se constituem por meio de complexas narrativas paralelas. “Eles tecem relações contundentes entre situações opostas que se aproximam em determinado ponto e contam com personagem representativos. O cineasta defende as histórias quase como teses humanistas”, finaliza Ana Lúcia Andrade.

25


Papo de Cinema

Papo de Cinema

Sobre como o amor é sempre papo de cinema, risada, lágrima e super-poder Por Ruleandson do Carmo*

da trilogia do Homem-Aranha e seu romance com a melhor amiga, Mary Jane, e do Superman, com o romance entre Clark Kent e a amiga Lois Lane.

Um dos filmes mais aguardados deste ano é Batman The Dark Knight Rises (2012), obra que terá a tarefa de superar seu antecessor, em bilheteria e em sucesso de crítica. É que Batman The Dark Knight (2008) figura na lista dos filmes mais vistos, nos cinemas, de toda a história. Sim, é um filme de superherói. Mas um dos motes principais da trama de 2008 é o conflito sentimental entre o protagonista Bruce Wayne (Christian Bale), o Batman, e sua melhor amiga Rachel Dawes (Maggie Gyllenhaal). Ele a ama e quer namorá-la. Ela o ama, mas quer ser amiga dele (quem nunca?).

26

Se o referido filme do homem-morcego deixasse um pouco de lado as explosões, o ar sombrio e arrancasse algumas risadas do público, focando-se mais na história de amor do “casal” (com as aspas ou sem aspas? Olha o conflito!), poderia até se tornar uma comédia romântica. E o mesmo pode-se dizer

Mas nem é preciso mudar os filmes de heróis de gênero. É o que diz Edgar Morin: o amor é a obsessão cultural do homem moderno e o motivo principal para a felicidade (MORIN, 2009). Além dos filmes dramáticos, de ação, de super-heróis, animações e todos os outros – por que não? – que sempre trazem alguma história de amor, as comédias românticas dedicam-se integralmente a debater os diversos problemas das histórias de amor. Resultados de estudos realizados em 2007 (Cruz, 2007) revelam que o conflito mais comum no gênero é o “do amor X a amizade”, em que os personagens principais não sabem se gostam um do outro para namorar ou se são apenas amigos. Entre as comédias românticas que representam tal conflito, destaca-se Harry & Sally - feitos um para o outro (1989), O casamento do meu melhor amigo (1997), A razão do meu afeto (1998), Amor à segunda vista (2002), e Apenas amigos (2005), por figurarem entre as

principais bilheterias do gênero. O estudo aprofundado destes filmes revela alguns elementos comuns na estruturação narrativa das comédias românticas, dentre eles: paixões; mito de Eros e Psique; amor sintético; amizade; comédia, happy end; e recurso da tela-dividida. Assim, as paixões – raiva, felicidade, ódio, amor e todos outros sentimentos que, segundo Aristóteles (2000), mudam o modo de o indivíduo julgar o outro – são extremamente importantes para os casais principais dos longas expressarem seus sentimentos em relação ao amado, algo fundamental em filmes românticos. A paixão amor é o que motiva as demais paixões nos personagens, pois, se o amor é a forma, as outras paixões são o conteúdo. A representação do conto de Eros e Psique – o mito do Cupido apaixonado pela mortal mais bela – também é relevante para o desenvolvimento das comédias românticas, pois elas, assim como mito, evidenciam que a ideia do sofrimento amoroso, como etapa obrigatória para a felicidade ao lado do verdadeiro amor, não é original ou particular das comédias românticas, mas pode ser vista como reprodução da estrutura

do mito, como comprova a semelhança da história desses filmes com as cinco fases de Eros e Psique: introdução – quando o casal se conhece; núpcias de morte – encontro amoroso; tentação e paixão – conflito que leva o casal a se separar; provação – tentativa de reunião do casal; e final feliz. O gênero comédia romântica é assim denominado por tratar-se de comédias que representam e reproduzem os preceitos do amor romântico e sua ideologia de encontrar alguém por quem se sinta amor da carne (sexual) e da alma (sentimental), simultaneamente. No entanto, é justamente ao apresentar a oposição entre esses dois amores, por meio do conflito entre amor e amizade, que os filmes estudados distanciam-se do amor sintético, definido por Morin (2009) como a união dos dois tipos de amor, o amor típico do cinema. No referente à amizade, as comédias românticas que representam o conflito amor X amizade costumam apresentá-la como elemento que justifica e moraliza o amor, pois a apontam, na tendência da cultura de massas, como caminho para o namoro ideal, baseado no companheirismo e não na atração sexual. Assim, contrariando a regra contemporânea, as comédias românticas estudadas valorizam mais a amizade do que o amor, algo que, excetuando curtos períodos da história humana, não é comum desde a Grécia Antiga. Se o amor romântico é responsável pela segunda parte do nome do gênero comédia romântica, os elementos cômicos respondem pela primeira, ao tornar tais filmes comédias e não apenas dramas ou melodramas românticos. No entanto, há vários níveis de comédia, desde o equilíbrio entre comédia e romance, à prevalência da comédia, e ainda os que são

melodramas românticos, com pequenos toques cômicos. Entretanto, a função da comédia é promover a descontração e tornar as histórias mais leves, atendendo ao preceito de diversão da cultura de massas. Por sua vez, o melodrama, nas comédias românticas, costuma exercer grande influência, sendo que características apontadas como da comédia romântica, como o personagem cômico fora do eixo do casal principal, e os excessos, seja na comédia ou no romance, são, na verdade, elementos melodramáticos, aproveitados por tais filmes. Assim, as comédias românticas não são histórias dramáticas com humor, mas sim histórias melodramáticas de amor com elementos cômicos. Acerca do happy end do drama romântico e da cultura de massas – o final feliz que sempre acontece –, podemos dizer que eles comprovam que, nas comédias românticas, nem sempre há a obrigação do final feliz, tradicional na indústria cinematográfica hollywoodiana. O importante é tudo o que o casal principal vivencia e não o final. Essa lógica faz com que a primazia seja de o casal principal ter vivenciado momentos muito felizes ao longo do filme e não necessariamente terminem juntos. Sobre o recurso da tela-dividida – cada um do casal principal vivenciando situações similares em metade da tela, mostrando como são “almas gêmeas” –, podemos afirmar que ele é modernizado pelas comédias românticas atuais e convertido em um paralelismo romântico, que exerce a mesma função: sugerir a compatibilidade do casal principal em um jogo de proximidade e distância. Agora as cenas são intercaladas e não necessariamente as similaridades serão

mostradas na mesma tela. Com isso, podemos concluir que, em geral, as comédias românticas representam a linha tênue entre amor e amizade, como uma linha ainda mais tênue entre namoro e amizade, a amizade como amor sem sexo e como um sentimento que deve prevalecer em qualquer relacionamento. Seja como for, ter amizade ou não, tratando-se de amor, talvez, seja como Nina, personagem de Jennifer Aniston na comédia romântica A razão do meu afeto (1998), diz: “A questão não é ter tudo. É escolher alguém e fazer dar certo”. E, voltando aos super-heróis, certamente, caso se baseie na história em quadrinhos, Batman The Dark Knight Rises (2012) chegará às telonas com Batman e a Mulher-Gato em um conflito ainda mais difícil, passando do somos amigos ou amantes para o somos inimigos ou amantes? Esta dúvida você não deseja nem para um inimigo. Ops!... * Jornalista, mestre em Ciência da Informação, especialista em Criação e Produção para Mídia Eletrônica, professor do curso de Jornalismo da UFOP, cronista responsável pelo blog www.eusoqueriaumcafe.com.

Referências ARISTÓTELES. Retórica das paixões. São Paulo: Martins Fontes, 2000. CRUZ, Ruleandson do Carmo. Comédia romântica: a representação da linha tênue entre amor e amizade nos filmes do gênero. 2007. 128 f. (Monografia, Cinema) – Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH), Belo Horizonte, 2007. Disponível em: < http://www.convergencia.jor.br/bancomonos/2007/ruleandson.pdf>. Acesso em: 7 maio 2012. MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX Volume 1: Neurose. 9. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

27


Papo de Cinema

Papo de Cinema

Entrevista com Letícia Malloy Transmidialidade em Pride and Prejudice Clássico da literatura inglesa e referência mundial, o livro Pride and Prejudice (Orgulho e Preconceito) é o romance da escritora britânica Jane Austen, publicado pela primeira vez em 1813. Datada como antiga, mas considerada por críticos como um dos grandes exemplos de trabalhos literários atemporais, a obra de Jane Austen retrata a vida da aristocracia inglesa do século XIX e reserva espaço especial às relações humanas deste período. Casamento, interesses econômicos e as atribuições do homem e da mulher na sociedade são algumas das temáticas problematizadas pela escritora, apresentadas de maneira irônica e sutil. A famosa frase “É verdade universalmente admitida que um homem solteiro, possuidor de boa fortuna, esteja à procura de uma esposa” (JANE AUSTEN, 1997b, p. 19) instiga bem o estudo feito pela autora. O que tudo isso tem a ver com a proposta de uma revista digital sobre cinema? A resposta está na transmidialidade. A lógica deste último elemento consiste, basicamente, em transportar conteúdos para diferentes mídias e adequá-los a partir das especificidades de cada plataforma – linguagem, espaço, recursos. O livro Pride and Prejudice é conhecido pelas várias adaptações que recebeu; no teatro, na televisão, na própria literatura e, claro, no cinema. Em 2005, Joe Wright dirigiu a obra homônima e trouxe às telas como protagonistas Keira Knightley e Matthew Macfadyen, interpretando o casal Elizabeth Bennet e Mr. Darcy. Para falar sobre o livro e as impressões da adaptação da obra inglesa, Papo de Cinema trouxe a mestranda em Teoria da Literatura da UFMG e admiradora do trabalho de Jane Austen, Letícia Malloy. A convite da edição, Letícia aceitou assistir ao filme e conhecer as atuações dos personagens criados pela autora britânica e adaptados para a obra cinematográfica. Confira:

28

Papo de Cinema: Quais fatores presentes na obra da autora foram responsáveis para atrair as adaptações? Letícia Malloy: A obra de Jane Austen como um todo – não apenas Orgulho e Preconceito – é visitada e revisitada, porque trata das compreensões sociais, das relações do homem, dos costumes de um período da Inglaterra. A autora se mostra uma grande observadora do comportamento humano e dos sentimentos e abre espaço para a identificação. Ela brinca com convicções e a lógica de uma sociedade, em que as percepções devem ser estritamente observadas. Orgulho e Preconceito, especialmente, mostra a questão de que por mais sensatos que sejamos, podemos errar em relação ao julgamento que fazemos do outro. Através dos dilemas da protagonista espirituosa que questiona padrões e hierarquias do início do século XIX, a mulher de hoje se reconhece em determinadas situações, claro que com limites e exceções. Além disso, a partir dos diálogos que essa heroína suscita, é possível estabelecer pertinência para nós hoje. Os personagens são mais complexos e existe uma série de camadas a serem descobertas. Esses aspectos atraem adaptações. P: Quais elementos da narrativa da autora estão presentes no livro e no filme? L: Além da ironia, a iniciativa de falar sobre o cotidiano de pessoas anônimas. Hoje, isso é comum, mas é interessante pensar que uma jovem, no início do século XIX, quando não havia tanto espaço para a escrita feminina, começou a escrever sobre pessoas que não faziam parte da aristocracia britânica. Daniel Defoe, escritor do Robson Crusoé, por exemplo, é considerado o primeiro romance inglês, na segunda metade do século XVIII. Até ele, se formos pensar no contexto inglês, os textos diziam respeito aos nobres, àqueles que eram autores de grandes feitos, jamais a uma classe burguesa, relacionado a uma família de comerciantes. A autora participa de um momento em que este foco muda e es-

ses pontos são vistos no livro e no filme também. P: Poderíamos dizer, então, que Jane Austen marca um novo momento na literatura clássica inglesa? L: Exatamente. A artista participa de um período, em que o foco de criação literária se desmistifica. O gênero romance carregou a herança de a heroína vir justamente de uma classe econômico-social considerada inferior. É exatamente o caso da personagem Elizabeth Bennet. P: A primeira opção de título para o livro seria “First Impressions”. Você sabe o porquê dessa primeira opção? Acredita que a troca por “Pride and Prejudice” foi bem feita?

L: É um título interessante, embora entregue bastante o enredo e não suscita curiosidade. Peguemos dois exemplos de personagens, presentes tanto no livro quanto no filme. O antagonista Mr. Wickham – interpretado por Rupert Friend, na adaptação de 2005 – inicialmente, é considerado uma pessoa extremamente cordial. Ele agradou toda família de Elizabeth Bennet, para que depois fosse descoberto como farsante. Ao contrário dele, Mr. Darcy, apresentase arrogante e de trato difícil, e, gradual-

mente, revela-se uma pessoa de caráter e realmente ideal para Elizabeth Bennet. A partir desses exemplos, acredito que First Impressions é um título que não desafiaria tanto o leitor. Pride and Prejudice pede que o leitor analise os personagens e verifique onde estão o orgulho e o preconceito. É interessante perceber também que, tanto no livro, quanto no filme, existem vários níveis e várias manifestações dos dois sentimentos que permeiam a obra, não apenas nos papéis de Mr. Darcy e Elizabeth. Mr Collins, por exemplo – a primeira pessoa que pede Elizabeth em casamento –, mostra um tipo de orgulho muito associado à vaidade. P: Falamos sobre as impressões da autora sobre a sociedade da época retratada, os temas que envolvem a moral, cultura, educação e costumes. Na adaptação cinematográfica de 2005, você acredita que a narrativa foi bem feita? L: Procurei levantar algumas reflexões que Walter Benjamin faz sobre tradução e levar em consideração a questão da transmidialidade, para falar sobre isso. Imagino que é preciso pensar que tanto a tradução quanto a adaptação são atividades criativas; e por isso, elas, inevitavelmente, cometem a traição daquela obra original. Apesar disso, o filme tem seu mérito, porque o espectador daquela obra pode gostar bastante do que viu sem ter tido contato com o livro de Jane Austen. A recepção de Orgulho e Preconceito, no cinema, foi bastante positiva, inclusive. Isso já é um mérito muito grande. Têm filmes por aí que parecem que são feitos apenas para o leitor. Um aspecto muito positivo em relação à época é que o filme não cometeu nenhum tipo de anacronismo. Não inventaram situações para simplesmente atender o espectador da nossa época e a história não ficar “desinteressante”. A opção de não colocar, por exemplo, um baita de um beijo entre Mr. Darcy e Elizabeth foi respeitada. O que a gente vê muito no cinema e que não aconteceu em Pride and Prejudice é que, para se ter um 29


Papo de Cinema

grande retorno financeiro, coloca-se um acontecimento que não caberia naquela época retratada. A roteirista Deborah Moggach respeitou isso. P: A partir das adaptações da obra da autora, quais as principais diferenças que você enxerga entre as histórias contadas em livros e no cinema? L: Obviamente, o roteiro adaptado, imaginando a linguagem do cinema e o tempo que você tem para contar uma história, vai exigir supressões. Isso é perfeitamente compreensível. Alguns roteiros são de extrema competência, ao ponto de agradar os leitores mais apaixonados. Para o leitor, talvez, o que cause certo pesar seja a supressão de personagens que são mais periféricos ou que aparecem somente em algum momento da trama, mas são importantes para o significado e o tom da história. Outro aspecto que é perdido no filme, mas compreensível por ser uma linguagem diferente, é o ritmo como as coisas acontecem no romance. Jane Austen trabalha com a dinâmica daquela sociedade acontecendo; como demorava para se fazer uma visita, o espaço de tempo entre o encontro de duas pessoas que se amavam, por causa de protocolos e medo de mal entendidos. Isso não é um demérito ao filme, mas não deixa de ser uma característica perdida. P: O que para você, como observadora do livro e do filme, foi considerado discrepante? L: Dois aspectos mostraram-se incoerentes ao leitor e ao espectador. Um em relação à personagem Jane e outro ao Mr. Darcy. A caracterização da Jane Bennet indica que trata-se de uma moça que sonha com o casamento, extremamente discreta e que sabe se comportar socialmente. No momento da trama em que sua mãe, Mrs. Bennet, faz com que ela vá para Londres, com o objetivo de promover o casamento da filha com Mr. Bingley, e ela obedece, há uma traição da caracterização já construída da Jane no romance e no filme. O segundo aspecto é sobre o processo 30

Papo de Cinema

de transformação do Mr. Darcy, que não apareceu no filme. A personalidade dele foi mostrada de maneira muito chapada, em blocos. Ao contrário do que o filme faz com a Elizabeth Bennet, que aparece com etapas visíveis de transformação, com Mr. Darcy parece que, ao final, a heroína se surpreende com a personalidade dele. Isso foi crucial, porque essa parte da história retrata muito a questão da desconstrução do orgulho e do preconceito. P: Foi possível identificar alguma semelhança narrativa entre o romance inglês e o filme? L: As falas, embora sintetizadas, foram bastante similares, se não as mesmas. O cuidado que eles tiveram também com o retrato da paisagem, daquela Inglaterra do Sul ali. A fotografia foi muito bem explorada. Eles fizeram uma pesquisa bastante cuidadosa para escolher quais poderiam ser as casas de cada família e procuraram resgatar as descrições que Jane Austen faz dos ambientes. O que me deixou curiosa, em relação ao filme de 2005 e à adaptação da BBC de 1995, é que o material da BBC mostra os ambientes com uma suntuosidade muito maior. É interessante que a caracterização da Jane desse filme também foge da proposta trazida pela série exibida na tv britânica. No filme, a personagem é bem despenteada e rústica. Embora ela seja uma pessoa simples, eu acredito que ela não tinha, necessariamente, esses aspectos. Ao mesmo tempo, a Jane do filme pode ter sido construída para atender determinadas expectativas de uma heroína que está bastante livre daquelas convenções. P: A partir da questão da transmidialidade, que avaliação você faz do filme? L: Considerando a construção de outra história que, apesar de ser baseada em um romance, ela é compreendida de maneira independente, o filme cumpriu seu papel e teve êxito. Prova disso é a recepção que ele teve bastante positiva da crítica. Foi uma história bem contada. É visível a preocupação que a equipe

teve em retratar a instituição casamento, a figura da mãe inquieta com o futuro conjugal das filhas, as relações de subserviência presentes naquela sociedade. Se eu não tivesse lido a obra, não me interessasse tanto pela Jane Austen, eu gostaria do filme mesmo assim. P: A leitura promove a questão sensorial, de incentivo à imaginação. Se pensarmos com os olhos da leitura, a história contada com o auxílio da imagem (como é o caso do cinema) demarcada a imaginação. Você acredita que há ganhos na exploração da imagem na construção de sentido para a narrativa? L: A narrativa construída por Jane Austen tem uma força de recursos imagéticos muito grande, embora ela não crie descrições enfadonhas. O propósito dessa obra, assim como qualquer outra obra literária, é permitir que você tenha uma possibilidade grande de interpretações, de construções, de imagens. Isso é natural da obra literária. Paralelo a isso, está na natureza de uma obra que se constrói pela imagem – o cinema – mostrar uma daquelas possibilidades de interpretação. Aqui, a competência do roteirista em mostrar uma interpretação que seja interessante suficiente quanto a leitura que se faz do texto é fundamental.

Et aut ut harios arum facerchil milFerunt vent, solorep erferoribus es eos et eos minus. Imi, si consequi dollorpori ad el enihictur, non porae. Luptatquiam que sum facerios andae omnis restrumet, abo.Ad unt dolore pe cupient empediandias aut es sitio ea deles aut alit, quia sequi vent etur, omnis dolorer eprat.

31


Papo de Cinema

Papo de Cinema

Fuliussa Sciem Maior latum nesi publicu locuppl. Nos pribult ordiore etili senimo ellat iuro es sestam iam speribus iniquis. Cusse, conlocus paritus habunclus seditar tereis conves et gratus, quodi, sulia es consili cientem inpre quis. Missesid inarioculin iam abes fur uterviu squonsimus demque noctora, que pubit; haliemo dicultoris. Vocri prionte rentrid sestortum maxim perec tabutem ingultuam moratquertus ia mo habunun incustr aciori telute mis, vis ina, satatorude non viliciv atudesili ser pericitaste patreo, comnortas intra se morsult oribessa commoltorim interis horei in ponfica vescipi onsimus, Catum. Volium nonstrita Simil hicepor am quam poena, nonsus, Paleger firimurorit; noctam quius hilicum inum efacci pri, coeroporis vistrac iviveres audemus horbis consi pora ia imorem, clemei intra re quereo, nonsit dium hae fectus, ni sta verra inem se cone publique nirma, estudem porae diusuam ficips, nos Marei pria dentil us, occiis, con acerfex num in re, quam octui sid fac rem, C. Viverte ciae, nostracidii tem nondiora? Os conduce pesultorac orae ad consus, permantinat, vernula rente, untus omne des! Epopos, quere moenteri furavernihi, Catus, ubli, condemus. Vervideri, quius, quam in Itast Casti comantis. Bate, conscem avo, nit; ne ac ma, nox mo es esse quas ca; nosterr arenit acestra duconve rionsidees! Udam te virtem aperis, nostrum, quam a recturor ad publica ina, nondaci aelium rebesi ses horebeniquod sed condum terbem pultorteatus hocaet vium atriae atortered se cortis nit? Maeque poponvoli, cem ortea L. Vastris egeris. Derent, sentes larios vignaterivid morbit? Mulvis. Veri praciis sultorum ocumeis con sim hocchus conscit, nulinti, morte iu quo iae nonsum fuit, in hilictus inatuus, quam fortua noverem pulique faudescrit, sed mus, prae tam, moris viliculicies tratiam quontem stimuntium, Cat, coti consulibus iam perum demus ex nonfirio in Etrorum opublis caperib enihili endierdi ipiocussus, est vidit ficaes aus rem omne cotatiam qua nos escrit faci factandam pri, quem il tremque mus? Etiemus, Palicultorum ia int. Ad in spim acent. Serfectum atilinatum, forbit, ussil conlostam patantrunum intesimurs obus videm hocam at nes ocum intemqu ideteri buscienditam porum Rompere similic iemunum. Nimmorum virimorum pror quidem, nonsupica quem hui se consimo huit Casdam omnihici pecienaterra quideto non poria num mor atiam num optiem, mo virtea essitius cons opublis, menatum ocus ete factus conlos eorit vo, que inatum hil vivessatum plica publine nihili patiam faciam furo es et, ublii immorec testeli caessil vis hustre, utum in verdium hosterit, sedeo uteatusquis consum publius di, te is prei cum moente conte tem plium patiam ius potam publis, ves vasdam hosuliq uissitam orite, sidesimpori, cricent. cum pri, es fica quam es nonvoluOrest earit, saerum laturerum viducit ionsecu lparum eum facessus pe laut aute odio totasit optaturiasit eos explaborepta voluptiissi ad quos maiorer feratque od ma qui re dolupic iliquis evendae catquibearum rem dolor aut restio vero in estia prature hendebitis ium quid exerepra diatquas mil mos et hariore sequodi tatqui officimus, ommoluptatur ad que omnimus, con pa niae deste ipsustem. Ut oditas autate dis est et fugia nis aut doloratur? Os aligent, cone am nulparum quia sinim faceper ovidel magniae peleser ibusam eum que iur, cus porepudis volluptaque ilit quae nis esti sit verempeditem evernat iscipsa essint endebis quo molum, suntios eum volut venimi, qui cum dolor seque perchicid qui nus vendiorro evel iliqui ut as eaquam andessimi, officabo. Tatiaectur am int dicides 32

dolorent la velibusae similluptae vella illor mo blacculpa sintem volupta verrovit ea verrum re aperchictem lit optatior si dolorpor aspe necae diorehenim elestru ntioreritem nonsequi bea veliqua spernate volorep udanten dipsum veriantem aliqui offic te digenit atiassi doluptatem nihicil ma pa ditaque nobis rectis magnim quisitaquo eum qui te millorro era cus eos plat aut aut as evellore sed et fugit, aut parciam, officidi voluptatem qui ullestem quassintem qui odi totatio nectecto dolorep errovit, expliquatur sus, sint. Um rem quam et latium acepele ndandis pelit mo exero dia cusa arum seque omnit faccus dessimpore, conse velit

Maior latum nesi publicu locuppl. Nos pribult ordiore etili senimo ellat iuro es sestam iam speribus iniquis. Cusse, conlocus paritus habunclus seditar tereis conves et gratus, quodi, sulia es consili cientem inpre quis. Missesid inarioculin iam abes fur uterviu squonsimus demque noctora, que pubit; haliemo dicultoris. Vocri prionte rentrid sestortum maxim perec tabutem ingultuam moratquertus ia mo habunun incustr aciori telute mis, vis ina, satatorude non viliciv atudesili ser pericitaste patreo, comnortas intra se morsult oribessa commoltorim interis horei in ponfica vescipi onsimus, Catum. Volium nonstrita Simil hicepor am quam poena, nonsus, Paleger firimurorit; noctam quius hilicum inum efacci pri, coeroporis vistrac iviveres audemus horbis consi pora ia imorem, clemei intra re quereo, nonsit dium hae fectus, ni sta verra inem se cone publique nirma, estudem porae diusuam ficips, nos Marei pria dentil us, occiis, con acerfex num in re, quam octui sid fac rem, C. Viverte ciae, nostracidii tem nondiora? Os conduce pesultorac orae ad consus, permantinat, vernula rente, untus omne des! Epopos, quere moenteri furavernihi, Catus, ubli, condemus. Vervideri, quius, quam in Itast Casti comantis. Bate, conscem avo, nit; ne ac ma, nox mo es esse quas ca; nosterr arenit acestra duconve rionsidees! Udam te virtem aperis, nostrum, quam a recturor ad publica ina, nondaci aelium rebesi ses horebeniquod sed condum terbem pultorteatus hocaet vium atriae atortered se cortis nit? Maeque poponvoli, cem ortea L. Vastris egeris. Derent, sentes larios vignaterivid morbit? Mulvis. Veri praciis sultorum ocumeis con sim hocchus conscit, nulinti, morte iu quo iae nonsum fuit, in hilictus inatuus, quam fortua noverem pulique faudescrit, sed mus, prae tam, moris viliculicies tratiam quontem stimuntium, Cat, coti consulibus iam perum demus ex nonfirio in Etrorum opublis caperib enihili endierdi ipiocussus, est vidit ficaes aus rem omne cotatiam qua nos escrit faci factandam pri, quem il tremque mus? Etiemus, Palicultorum ia int. Ad in spim acent. Serfectum atilinatum, forbit, ussil conlostam patantrunum intesimurs obus videm hocam at nes ocum intemqu ideteri buscienditam porum Rompere similic iemunum. Nimmorum virimorum pror quidem, nonsupica quem hui se consimo huit Casdam omnihici pecienaterra quideto non poria num mor atiam num optiem, mo virtea essitius cons opublis, menatum ocus ete factus conlos eorit vo, que inatum hil vivessatum plica publine nihili patiam faciam furo es et, ublii immorec testeli caessil vis hustre, utum in verdium hosterit, sedeo uteatusquis consum publius di, te is prei cum moente conte tem plium patiam ius potam publis, ves vasdam hosuliq uissitam orite, sidesimpori, cricent. cum pri, es fica quam es nonvoluOrest earit, saerum laturerum viducit ionsecu lparum eum facessus pe laut aute odio totasit optaturiasit eos explaborepta voluptiissi ad quos maiorer feratque od ma qui re dolupic iliquis evendae catquibearum rem dolor aut restio vero in estia prature hendebitis ium quid exerepra diatquas. 33


Papo de Cinema V.4