Issuu on Google+

                                                       

MANUAL  DE   CASES  


SUMÁRIO Apresentação...................................................................................................... 3 Estrutura de um case ......................................................................................... 4 Dicas .................................................................................................................. 5 Guia de escrita ................................................................................................... 7 Afinal, o que faz o seu case ser de sucesso? .................................................... 9

                                         

gt.conhecimento@ceempre.org  

2  


APRESENTAÇÃO   Com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento e aprimoramento das práticas empresariais do MEJ-UFV, a CEEMPRE (Núcleo de empresas juniores da UFV), através da Diretoria de Desenvolvimento, estruturou o Grupo de Trabalho de Gestão do Conhecimento com a finalidade de estimular e capacitar a produção de cases nas ej’s do núcleo. Portanto, apresentamos o Manual de Cases da CEEMPRE e com ele, esperamos sanar as dúvidas e os receios que qualquer um tenha, na hora de escrever um case.                                        

gt.conhecimento@ceempre.org  

3  


ESTRUTURA DE UM CASE INTRODUÇÃO A introdução, em geral, deve mostrar o projeto de modo preciso, sendo necessário apenas especificar o seu intuito e os resultados pretendidos. Consiste, também, em mostrar como será disposta a estrutura do case, ou seja, o que será discutido no desenvolvimento e na conclusão. É na introdução que a empresa deve ser apresentada, mostrando sua estrutura, especialidade e situação. De maneira geral, deve-se citar os resultados obtidos, sempre com a intenção de manter o interesse do leitor em conhecer o que será desenvolvido ao longo do case. RESUMO Nesta etapa deve conter uma breve explicação do case, para que o leitor conheça o tema do projeto que pretende ler. É importante ressaltar que a diferença entre a introdução e o resumo consiste em o primeiro exaltar a relevância e o contexto do projeto, enquanto o segundo o apresenta. DESENVOLVIMENTO · Projeto interno/ insucesso: Primeiramente, é necessário explicar como a empresa identificou o problema. Em seguida, deve-se especificar os métodos utilizados para solucionar o problema, a estratégia de atuação, as coletas feitas e como elas foram aproveitadas. Por fim, vem o detalhamento da execução de todas as atividades e os resultados obtidos em cada etapa, tanto os de sucesso quanto os de insucesso (caso tenha existido, é interessante citar problemas encontrados e como foram solucionados), que foram necessários para atender às necessidades da sua empresa júnior. No caso de projetos internos, é sempre importante exaltar como a prática interna é inovadora e foi importante para a estruturação de toda a empresa. ·Projeto externo/ insucesso: Para essa categoria é importante começar com a explicação de como a empresa de mercado chegou até a empresa júnior realizadora do projeto, bem como esclarecer mais detalhadamente sobre a  

gt.conhecimento@ceempre.org  

4  


empresa, suas funções, quantidade de funcionários e divisões. O problema deve ser exemplificado, inclusive de vários pontos de vista (cliente, consultor e funcionários), assim como seu agente causador e como a consultoria o identificou. Em seguida, assim como no projeto interno, deve-se especificar a equipe do projeto, os métodos utilizados para solucionar o problema, a estratégia de atuação, além das coletas feitas e como foram aproveitadas. Finalmente, acrescenta-se o detalhamento da execução de todas as atividades e os resultados obtidos em cada etapa - tanto os de sucesso quanto os de insucesso. Caso o último tenha existido, é interessante citar problemas encontrados e como foram solucionados, especificando quais as necessidades do cliente. É válido ressaltar que a satisfação do cliente somada ao impacto que esse projeto causou na empresa é o quesito que mais chama atenção em um case de projeto externo. Portanto, deve-se utilizar estratégias em seu case a fim de deixar tais aspectos mais evidentes aos avaliadores. RESULTADOS E CONCLUSÃO Para a conclusão e a apresentação dos resultados do case, é indicado iniciar com uma recapitulação geral do que foi abordado e com a contextualização do projeto. Em seguida, apresenta-se uma síntese conclusiva e os resultados obtidos. É importante a apresentação dos impactos causados pelo projeto, bem como a aplicabilidade deste, tornando-o, assim, mais fidedigno. Lembrando que o resultado final, tanto de projeto interno, externo e de insucesso, deve ser apresentado na conclusão (é importantíssimo o confronto entre planejado e executado).

DICAS • O que é interessante colocar nos anexos? A função dos anexos em um case é facilitar seu entendimento e ilustrar os resultados e métodos desenvolvidos, podendo conter fotos, imagens, gráficos, organogramas e afins. Vale ressaltar que esses anexos não entram na contagem total de páginas.  

gt.conhecimento@ceempre.org  

5  


Atente-se aos prazos Os editais para seleções de cases em eventos apresentam informações importantes e uma delas é o seu prazo de envio, sendo esse o primeiro aspecto analisado.

Clareza e Objetividade Tanto para um melhor entendimento quanto para despertar e manter o interesse do avaliador, o case deve ser claro e objetivo nas descrições de seus processos. No descrever do case deve ser enfatizado porque a aplicação daquela solução se fez necessária para a empresa. Além disso, deve-se atentar para que a solução exposta no case esteja diretamente relacionada com a temática do evento e que essa também seja uma proposta inovadora e de alta aplicabilidade em diversas empresas juniores. A apresentação também deve ser clara e objetiva, tendo uma linguagem flexível e de possível adaptação ao público destinado. Lembre- se de citar as referências, bibliografias utilizadas e metodologias.

Critérios Todo edital de cases apresenta critérios os quais devem ser atendidos pelos autores, e que também servirão de guia aos avaliadores da banca. Tais critérios variam de acordo com cada evento e podem ser diversos.

Avaliadores A banca avaliativa de cada evento é diferente, podendo ser compostas por professores, pós-juniores, integrantes de empresas juniores e diretorias dos núcleos. É importante se informar, através do edital, qual será a conformação da banca avaliadora, a fim de que o case seja escrito de maneira a despertar o interesse dos avaliadores.

Planejamento Escrever um case requer um planejamento prévio, tanto na agenda pessoal quanto profissional de seus autores. Portanto, algumas perguntas reflexivas podem servir de guia ao desenvolvimento da atividade:

 

gt.conhecimento@ceempre.org  

6  


-­‐

Eu tenho informações suficientes para escrever o case colocando seus resultados?

-­‐

O que preciso fazer para conseguir essas informações? Quem preciso consultar? Essa pessoa é de fácil acesso?

-­‐

Como está minha agenda?

-­‐

Como está a agenda de quem preciso para me auxiliar?

-­‐

Quanto tempo antes da data de envio devo começar a escrever um case?

Dicas de escrita Para que seja mais adequada a escrita do seu case, é importante lembrar alguns aspectos: - O texto do caso deve expor de maneira clara e objetiva o tema abordado; - Respeitar a ortografia, a concordância e a regência do idioma. - Deve-se evitar o uso de jargões e termos técnicos; - Na primeira vez em que for utilizada uma sigla ou abreviação, deve-se indicar as palavras que traduzem a abreviação; - Usar o tom impessoal

GUIA DE ESCRITA •

Concisão

Por concisão, normalmente, entende-se a capacidade de sintetizar as ideias, ou seja, dizer o máximo com o mínimo de palavras. Para que um texto seja bem escrito e chame a atenção do leitor do início ao fim,

é

importante

que

algumas

medidas

sejam

tomadas:

- Evitar termos desnecessários, que não acrescentam nenhuma informação, pois eles fazem que com que o texto fique mais denso e cansativo; - Pensar no tempo de leitura;  

gt.conhecimento@ceempre.org  

7  


- Ser preciso nas informações, deixando-as claras e objetivas. •

Clareza

À ideia de concisão, soma-se a clareza. Um texto é claro quando há transmissão do conteúdo ao interlocutor de maneira que este compreenda a mensagem que o autor deseja passar. E, para isso, deve-se atentar aos seguintes itens: - Impessoalidade, que evita a duplicidade de interpretações, além de conferir maior credibilidade ao texto; - Uso do padrão culto de linguagem, mas, de preferência, sem termos rebuscados, pois esse fator pode dificultar o entendimento do leitor; - Formalidade e padronização (gênero, pessoa e formatação), que possibilitam a uniformidade dos textos.

Ortografia

Crase É o nome que se dá à fusão de duas vogais idênticas (aa) em uma só (a), ou seja, é uma acentuação usada para unir uma preposição com o artigo definido “a” e também na junção desta mesma preposição “a” com as iniciais dos pronomes demonstrativos “aquela(s)”, “aquele(s)”, “aquilo” ou com o pronome relativo “a qual (as quais)”. Dica: Substituir a crase por “ao” e o substantivo feminino por um masculino, caso essa preposição seja aceita sem prejuízo de sentido, então com certeza há crase. Vírgula É um tipo de pontuação utilizada para demarcar pausas de breve duração entre os termos de uma oração e entre orações de um mesmo período. Nos casos mais comuns, usa-se a vírgula para separar: vocativo, adjuntos adverbiais, termos de enumeração, nomes de lugares nas datas e endereços, palavras ou  

gt.conhecimento@ceempre.org  

8  


expressões

explicativas

ou

conclusivas,

marcação

de

elipse,

termos

deslocados e ordem inversa.

AFINAL, O QUE FAZ O SEU CASE SER DE SUCESSO? A capacidade de transmitir aprendizado aos leitores e fornecer embasamento à própria percepção é um dos principais diferenciais de um case. Além disso, apresentar os resultados e o desenvolvimento de forma clara e objetiva também são características essenciais. Citar as referências, bibliografias utilizadas, metodologias, fundamento teórico, entre outros materiais, dará maior credibilidade ao case, visto que isso evidenciará a existência da relação entre teoria e prática, sempre mantendo o destaque na aplicabilidade geral, ou seja, ser aplicável em outras empresas juniores.

                 

gt.conhecimento@ceempre.org  

9  


gt.conhecimento@ceempre.org  

10  


Manual de Cases - CEEMPRE