Page 17

M

ais um fruto da grande gama de bandas independentes que surgiram na década de 90, o Sugar Kane talvez seja uma das mais duradouras e bem sucedidas.

Claro, quem não faz parte do círculo hardcore talvez nunca tenha ouvido falar, ou apenas reconheça o nome. Mas para aqueles que apreciam o estilo, é presença obrigatória na discografia, assim como já deve ter pulado ao som dos curitibanos em shows e festivais em Curitiba e ao redor do Brasil e até mesmo fora do território tupiniquim. Tudo começou em 1997 e, depois de pequena e temida pausa, voltou aos palcos em 2007, com nova formação, que agora traz Alexandre Capilé nos vocais e guitarra, André Dea na bateria, Rick Mastria na guitarra e Flavinho Guarnieri no baixo. O primeiro disco data do primeiro ano do século XXI. Intitulado “Once One Day” o disco foi lançado pela Barulho Records e trazia apenas músicas cantadas em inglês. Um ano mais tarde veio o disco “Por nossa paz”, que já trazia músicas na língua nativa dos garotos, seguido do disco “Continuidade da Máquina”, de 2003, principal responsável por alavancar o Sugar Kane a voos maiores. O disco foi lançado em países da America Latina e nos Estados Unidos, o que rendeu uma turnê com mais de cem shows no exterior. Depois, mais um feito. O Sugar Kane foi a primeira banda independente brasileira a gravar um DVD. “469 DCM” foi lançado em 2004. Tudo parecia no caminho certo, mas eles decidiram dar uma guinada. O álbum seguinte, “Elementar” de 2005, trouxe uma mudança no estilo musical da banda. O hardcore melódico ainda estava lá, mas a banda começava a partir para um rock alternativo. Mas não deu certo. O álbum foi um fracasso e resultou na separação da banda. Ah, se eles soubessem. O retorno com a nova formação aconteceu em 2007 com o álbum “Diversão Esquizofrênica para Mentes

Ociosas”. Foi uma verdadeira volta por cima. Reconquistaram a moral e ainda faturaram alguns prêmios, retornando com força ao cenário hardcore nacional. Dois anos depois mais um álbum e novamente boas notícias para os curitibanos. “A Máquina que Sonha Colorido” foi lançado diretamente na internet e teve 23 mil execuções apenas no primeiro dia, totalizando mais de 100 mil no primeiro mês. O primeiro clipe do álbum também conquistou os fãs e alguns recordes, alcançando o posto de vídeo mais visto, mais comentado e melhor avaliado do YouTube. Eles estavam de volta, e melhor que nunca. O último trabalho foi o EP “Digital Native”, de 2010. Retornando às origens, foi todo gravado em inglês. Depois de tantos sucessos, feitos e conquistas os curitibanos do Sugar Kane já garantiram seu lugar na história da música paranaense. Mas parecem querer mais. #17

www.su

garkan

e.com.

br

Profile for Natalia

Curitiba on the rocks  

Livro feito como trabalho de conclusão de curso de Shuellen Woitovicz e Natália Calvoso, finalizado em 2012.

Curitiba on the rocks  

Livro feito como trabalho de conclusão de curso de Shuellen Woitovicz e Natália Calvoso, finalizado em 2012.

Advertisement