Issuu on Google+

2 jornal do commercio

Recife I 29 de maio de 2014 I quinta-feira www.jconline.com.br/economia

jc negócios Fernando Castilho

Energia sem gestão de crise Conversa organizada pela revista Algo Mais com a TGI e o Clube de Engenharia, o seminário permanente Pernambuco Desafiado analisou, ontem, no JCPM Trade Center, a questão da crise da energia elétrica no Brasil. O consenso é que não vai faltar energia, mas o estresse será grande devido essencialmente à má gestão do problema pelo governo Dilma, que resolveu fazer uma aposta contra todo o setor elétrico. O secretário de Infraestrutura de Pernambuco, João Bosco Almeida, que presidiu a Chesf, diz que o governo deu à Empresa de Pesquisa Energética (EPE) um poder de planejamento que ela não tem cacife para bancar, ao mesmo tempo em que esvaziou o Conselho Nacional de Política Energética. Também desmoralizou a Aneel, interferindo no Operador Nacional do Sistema (ONS) e no Congresso com uma série de MPs que desorganizaram o setor. O secretário diz que não haverá falta de energia, mas para ele o País terá que racionalizar o consumo em 6%, pois terminamos o período molhado com o nível dos reservatórios que historicamente tivemos no período seco.

k Koblitz apostaria na biomassa Para o vice-presidente da Fiepe, Ricardo Essinger, a crise e a fragilidade atual do setor elétrico no Brasil nos leva a reconsiderar a questão da energia nuclear como fonte firme de geração.

O empresário Luiz Otávio Koblitz diz que a geração nuclear é uma necessidade de nações como o Brasil, que não podem depender de hidrelétrica sem reservatórios produzindo fio d’água.

Motéis animados com o Dia dos Namorados

NEGÓCIOS Apesar de o jogo de estreia do Brasil ser no mesmo 12 de Junho, setor não teme queda do movimento. Pelo contrário. Estima até mais reservas este ano

E

mbora o mês de junho não seja o mais aquecido para os setor moteleiro, o dia 12 intensifica a movimentação nas suítes dos motéis em função do Dia dos Namorados. Mas, excepcionalmente este ano, a data vai coincidir com a abertura da Copa do Mundo e a disputa entre Brasil e Croácia, às 17h, na Arena Corinthians, em São Paulo. Apesar do receio inicial dos empresários do segmento, há uma unanimidade: a coincidência poderá ser benéfica e aumentar o movimento no dia 11. “Talvez atrapalhe, porque a Copa é um evento muito forte e vai ser o primeiro jogo do

Brasil. Por isso, estamos antecipando para o dia 11”, diz o empresário Tony Hsu Chuncki, proprietário dos motéis Ninja Motel (Várzea, na Zona Oeste do Recife) e Turquesa Motel (Dois Irmãos, na Zona Norte). Para esta última unidade, conta, um grupo de japoneses já reservou 14 das 59 suítes para estadia entre os dias 7 e 13 de junho. Tony espera cinco a seis reservas por suíte na data que antecederá a abertura do Mundial, dia que considera de maior movimento. “Se atingirmos a mesma meta no dia 12, teremos dois dias com bastante movimento. E isso será excelente, porque um dia faz

diferença no faturamento”, diz o empresário, que espera mais movimento do que no ano passado. “Se aumentar 20% em relação ao ano passado, já estou satisfeito”, revela, ressaltando que cadastrou reservas nos sites Groupon e Peixe Urbano para reforçar a movimentação. Quem está menos preocupado é Carlos Rique, proprietário do Lemon Motel (Afogados, Zona Oeste, e Piedade, Jaboatão dos Guararapes). “Como é uma data festiva, até influencia mais para as pessoas saírem e comemorar. Já temos 50% de reserva para esses dois dias nas duas unidades.”

Para atrair as pessoas no Dia dos Namorados, ele diz que há uma surpresa. “É um presente para mulheres, que damos todos os anos.” Há ainda um serviço arrojado. “Disponibilizamos o heliponto da nossa unidade de Afogados para casais que desejem pousar lá. Basta contratarem o aluguel de um helicóptero a uma empresa de táxi aéreo e agendar o dia, o horário e o voo”, detalha Rique, acrescentando que o serviço custa, em média R$ 3,5 mil por hora. De acordo com os empresários, os meses de maior movimento nos motéis são novembro, dezembro e janeiro.

O empresário Luiz Antônio Kobltz também reclama da falta de planejamento e da gestão do setor elétrico. Ele diz que não faz sentido, diante da perspectiva de 27% de crescimento até 2020, a EPE ter previsão de agregar apenas 2% a mais em O Ele presidente Sociedade Brasileira reservatórios de água. defendedaainda o aproveitamento de Engenharia Naval, Reiqui estimada Abe, vemem ao do potencial de geração por uso de biomassa amanhã. Fala, às 10h, no Seminário 9,600 MW médios,Recife mas com preços desvinculados daqueles na sede do Itep. pagos pela energiaTecnologia eólica, queTropical, tirou o setor sucroalcooleiro da geração de energia através de bagaço de cana.

Neste sábado, no Hotel O professor UFPE,do Canariu’s, duranteda a Festa Heitor Scalanbrini, Cavalo de Gravatá, temtambém o critica aMarchador falta de Fest. Nordeste planejamento ea Será a nona etapado dosetor circuito, em uma política queinsistência já reuniu mais de 1.500 de uso irracional da energia animais e 50 mil pessoas. com ela se fosse inesgotável.

Energia nucelar

Valor real e custo O professor Luciano Freire, da Unicamp, se junta à visão de que o setor deve rever padrões de medição dos custos focando a questão da complementaridade e medir valor real de cada fonte.

Energia firme

O feriadão do ano de João Lyra Reiqui Abe da Sobena no Itep Colab? Tô fora!

Bancos puxam ganham do Ibovespa O principal evento do mercado acionário ontem durou apenas seis minutos. Esse foi o tempo que o Supremo Tribunal Federal (STF) demorou para adiar o julgamento da correção das cadernetas de poupança nos planos econômicos das décadas de 1980 e 1990. Os papéis dos bancos, que já vinham em alta, tiveram um repique com a notícia e levaram a bolsa para as máximas, voltando em seguida. O ritmo seguiu mais fraco depois, mas, na reta final, os preços dos papéis voltaram a ganhar força e garantiram uma alta de quase 1% para a bolsa paulista. O Ibovespa terminou o dia em alta de 0,89%, aos 52.639,75 pontos. Na mínima, registrou 52.009 pontos (-0,32%) e, na máxima, 52.858 pontos (+1,31%). No mês, acumula ganho de 1,96% e, no ano, de 2,20%. O giro financeiro totalizou R$ 5,470 bilhões. Os dados são preliminares. BB ON avançou 3,37% e foi o destaque do setor financeiro, uma vez que o adiamento é benéfico principalmente aos bancos públicos, os que terão o maior prejuízo em caso de derrota no julgamento do STF. O papel ficou na segunda colocação entre as maiores altas do Ibovespa. Vale destacar que o adiamento foi por tempo indeterminado. O STF acatou pedido da Procuradoria Geral da República, que acredita ter havido erro em parecer e, a partir de agora, emitirá outro relatório. Bradesco PN teve variação positiva de 1,02%, Itaú Unibanco PN, de 1,82%, e Santander unit, de 0,66%. A


Jc motéis animados