Issuu on Google+

economia

de P E R N A M BUC O

Esgoto e água em pauta EDVALDO RODRIGUES/DP/D.A PRESS

Compesa vai investir em projetos nestas áreas para o próximo ano. Montante previsto é de R$ 1,12 bilhão ANDRÉ CLEMENTE andreclemente.pe@dabr.com.br

A

Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) vai elevar os investimentos do estado em projetos de abastecimento de água e esgotamento sanitário em 2014. A Adutora do Agreste será o centro das atenções do orçamento, recebendo mais da metade do previsto. O montante de R$ 1,12 bilhão planejado para todas as ações de 2014 é o maior volume dos últimos dez anos. Em 2013, foram R$ 650 milhões (previsão) investidos em 100% dos trabalhos, o mesmo que será destinado apenas ao projeto da Adutora do Agreste no ano que vem. Os dados foram apresentados ontem no balanço da gestão 2013 da Compesa. Segundo o presidente da companhia, Roberto Tavares, a composição desse orçamento para 2014 tem o governo federal como principal fonte, via recursos do Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC 2), mas que a execução e responsabilidade de tocar os projetos são 100% do estado. “O plano de investimento da Compesa reúne de 2013 a 2015 o montante de R$ 2,6 bilhões”, adiantou. O PAC entra no circuito de boa parte dos gastos da Compesa. “Pernambuco sempre está preocupado em apresentar projetos para participar das janelas de financiamento para projetos de infraestrutura. E vamos continuar apresentando”, afirmou. A expectativa é de que seja libera-

Projeto Cidade Saneada trata da ampliação do sistema de esgotamento sanitário do o montante de R$ 450 milhões para obras de esgotamento sanitário de Paulista, cujo projeto já foi pré-aprovado e terá resposta final até 31 de dezembro. A liberação ajuda a participação da Compesa como agente público no projeto Cidade Sa-

Investimento é o maior executado nos últimos 10 anos no estado neada, que prevê a coleta e tratamento de 90% do esgoto da Região Metropolitana do Recife e de Goiana em 12 anos. Apesar de ter atividades mais fortes de novas obras e de reparos na rede já existente, a RMR não

reúne os maiores investimentos deste ano, o que deve se repetir em 2014. “O Sertão recebeu R$ 143 milhões e a Região Metropolitana, R$ 171 milhões. O Agreste, com R$ 336 milhões recebeu a maior fatia”, apresentou. A adutora da região que apresenta o pior balanço hídrico do estado tem orçamento total de R$ 2,3 bilhões. “Vamos deixar o projeto pronto, para quando a água da Transposição do Rio São Francisco estiver chegando pelo Eixo Leste, em Pernambuco”, assumiu Tavares. O calendário da adutora destaca os cinco lotes já licitados e pontua a execução orçamentária de R$ 130 milhões para 80 quilômetros de projeto neste ano. Serão R$ 650 milhões e 250 quilômetros de tubos para 2014 e R$ 420 milhões e mais 130 quilômetros de tubos entregues em 2015.

O plano de investimento da Compesa reúne de 2013 a 2015 o montante de R$ 2,6 bilhões” Roberto Tavares, presidente da Compesa

lu


Dp 05122013