Page 1

Ilustrações de

Iryna Auhustsinovich


Ariadne Cantú Soraya Cunha Couto Vital

1ª Edição Campo Grande - MS 2018


PROJETO O BARATO DAS BARATAS Campo Grande – MS Copyright 2018 by INSTITUTO SER Av. Afonso Pena, 4909 - Chácara Cachoeira - Campo Grande - MS CEP: 79.000-000 - Telefone: (67) 99264-1988 www.institutoserms.com.br Impresso no Brasil Ilustrações de Iryna Auhustsinovich Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Bibliotecária: Rosilene de Melo Oliveira CRB1 2582-1 Cantú, Ariadne Vital, Soraya Cunha Couto C233b Projeto O Barato das Baratas Material de Apoio ao Professor / Ariadne Cantú e Soraya Cunha Couto Vital – Campo Grande – MS : Instituto SER, 2018. 35 p. : il. ; 26 cm ISBN 978-85-8176-132-9 1. Literatura infanto-juvenil. I. Título. CDD 028.5


APRESENTAÇÃO

Q

uando concebi a obra O Barato das Baratas, procurei isolar a realidade em que vivemos do contexto trazido no livro por uma questão muito pertinente: o universo da droga é tão cruel e avassalador que necessita ser mascarado pela fantasia para possibilitar ser visto pelo leitor em sua plenitude. A crueza necessária ao enfrentamento do tema nos impõe uma sinceridade excruciante. Assim, falar de uma realidade ampliada pela fábula apresenta a vantagem de proporcionar plena liberdade de pensamento ao leitor, facultando-lhe navegar pelo mar das possibilidades e ilações. Entretanto, sabia que minha caminhada rumo ao descortinamento de uma questão tão visceral e perniciosa, como as drogas, só seria possível com aliados extremamente importantes, os educadores. Estes aliados, corajosos e imprescindíveis ao alinhamento do pensamento rumo aos caminhos da expansão de consciência nesta difícil temática, são peças fundamentais desta preciosa engrenagem que movimenta o processo pedagógico. Soraya Vital, educadora de rara experiência e sensibilidade, nos empresta sua sabedoria e coragem ao compor este manual de apoio ao educador e, como verdadeira aliada, fornece uma importante contribuição. Foi com ela, já nas primeiras conversas, que percebi a grandeza do trabalho a ser alcançado por meio da obra O Barato das Baratas. A cada encontro nosso, abriam-se portas e ampliavam-se as perspectivas.

Por meio de seus olhos atentos e precisos, consegui contemplar um universo imerso em uma proposta pedagógica atual, dinâmica e inovadora. Soraya


possui, na medida exata, os três toques tão necessários a todo educador de temas atuais e difíceis: candura, coragem e lucidez. Sua candura condensa a experiência de anos nas salas de aula, aliada aos intensos estudos de doutorado. Desta forma, junta a delicadeza imprescindível a todos os temas que necessitam ser apreciados com transparência e a firmeza de quem sabe conduzir o leitor para locais seguros, em que a reflexão não seja uma ameaça. A coragem de desbravadora de universos se mostra, por exemplo, na simplicidade com que propõe cada reflexão, cada “Baú de Ideias”. E, por último, a lucidez, fruto de um longo processo de construção, embasado no estudo e na experiência, proporciona-lhe a clareza tão importante para enfrentar o tema-eixo destes livros. Soraya propõe, com a candura de quem sabe o que faz, com a coragem dos audazes e com a lucidez de quem enxerga com os olhos do amor, uma viagem tranquila, recheada de lindas ideias capazes de inspirar genuinamente o educador. Por meio de suas palavras, acompanha o educador com sua mão invisível, guiando-o durante o processo de interpretação e leitura dos livros, alcançando um horizonte de possibilidades. Ao propor aspectos “Para pensar um pouco mais”, Soraya vai além, e convida seu leitor adulto a uma inflexão de pensamento, capaz de mostrar com coragem que temos de ter humildade no processo de aprendizagem. A humildade daqueles que quanto mais sabem, mais descobrem que nada sabem, como afirmava Sócrates. Ao trazer, ainda que de forma sutil, temas arrojados, como a tristeza e a felicidade química, Soraya Vital mostra toda fragilidade humana diante de controvérsias que permeiam os limites humanos e que a farmacologia se propõe a linearizar. Ao desenhar em suas palavras a ponte invisível que distancia o “vício” da “ligação”, ela nos coloca frente à nossa inegável necessidade de afeto


e amor, confrontando o pensar com valores absolutos e irrefutáveis. E o que dizer de sua proposição de baús de ideias? Com propósitos atuais, dinâmicos e criativos, coloca um leque de possibilidades à disposição do educador, para conferir-lhe segurança nos contornos de sua jornada pedagógica, revelando-se a peça que faltava neste processo de construção do pensamento lógico de um tema com tal envergadura. Por meio da habilidade de suas palavras, Soraya produz sucesso por onde passa em sua bela jornada. Que a luz dos bons ensinamentos acompanhe o trabalho daqueles que, como Soraya Vital, com coragem, entusiasmo e determinação se dispõem a desbravar caminhos e construir realidades. Ariadne Cantú


O QUE É O BARATO DAS BARATAS

O

crescente número de pessoas que fazem parte das estatísticas dos usuários de drogas (e isso inclui crianças e jovens) tem preocupado famílias, escolas, instituições governamentais e demais organizações sociais que prezam por saúde, integridade e dignidade do ser humano. Por esse motivo, não há como olhar ao redor e negligenciar a importância e a necessidade premente de realização de ações educativo-preventivas por diversos cantos da sociedade. É certo que, para além de uma visão ingênua, unilateral, moralista ou estigmatizada é preciso considerar que “a relação entre os indivíduos e as drogas não é um ato isolado, faz parte de um itinerário composto por uma série de atos e de relações que se modificam e se redefinem no tempo em que se desenvolve essa relação”, e que “é fundamental levar em consideração a intrínseca interdependência sujeito-droga-contexto, ou seja, é fundamental considerar além da representação farmacológica da substância, os seus significados psíquicos e culturais” (LIMA, 2013 apud ROMANÍ, 2007)¹. Esta premissa sugere reflexões cuidadosas a respeito do fenômeno, que podem ser enriquecidas com atividades educativas que possibilitem o processo de produção e criação de conhecimento preventivo e transformador. O Projeto O Barato das Baratas está ancorado em tal fundamento, porque seu principal objetivo é proporcionar, por meio da leitura e de atividades educativas, a reflexão crítica acerca da realidade concernente ao uso de drogas e,

6

¹ LIMA, Eloisa Helena. Educação em Saúde e Uso de Drogas: Um Estudo Acerca da Representação das Drogas para Jovens em Cumprimento de Medidas Educativas. Tese Doutorado. Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisa René Rachou. Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde. Belo Horizonte, 2013.


por consequência, contribuir para a prevenção deste uso. Seu desenvolvimento também apresenta a possibilidade de incentivar diálogos construtivos e pedagógicos a respeito deste tema em diversos espaços educativos, como no ambiente escolar e na família, por exemplo. As discussões sobre drogas e suas diversas implicações são realizadas a partir do enredo de um livro paradidático, composto por texto criativo, que ultrapassa as fronteiras da realidade concreta e desperta o raciocínio crítico-investigativo, favorecendo conclusões claras sobre o real perigo que as drogas representam para as pessoas e a sociedade. Em sentido mais amplo, O Barato das Baratas é uma ferramenta que oportuniza a reflexão acerca das formas de organização social e como essas, por vezes, colaboram para a consolidação de meios e/ou condições que contribuem para a vulnerabilidade de crianças e adolescentes. Uma das consequências de tal vulnerabilização é sua entrega às organizações marginais e criminosas do doentio mundo das drogas. Entretanto, acredita-se que o caminho educacional pode contribuir para a prevenção e a orientação contra a drogadição infantojuvenil. Que os educadores, agentes de produção, transformação e ressignificação de conhecimentos, podem coparticipar da construção de alicerces de outras práticas socioeducacionais e, por conseguinte, possibilitar a constituição de outros sujeitos-cidadãos. Alguns pensam que arvorar-se por esta estrada é uma iniciativa audaciosa (e talvez o seja), mas, concordando e constatando a democrática devassidão que as drogas têm causado à sociedade contemporânea, apresenta-se nesta oportunidade a tenacidade educativo-preventiva de O Barato das Baratas. Bem-vindo(a) ao grupo de audazes!

7


8


O QUE É DROGA?

S

egundo definição da Organização Mundial da Saúde (OMS), droga é qualquer substância não produzida pelo organismo, que tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas, causando alterações em seu funcionamento. Uma droga não é por si só boa ou má. Algumas substâncias são usadas com a finalidade de promover efeitos benéficos, como o tratamento de doenças, e são consideradas medicamentos. Entretanto, existem substâncias que provocam malefícios à saúde, como os venenos ou tóxicos. O que é importante entender é que, por vezes, a mesma substância pode funcionar como medicamento em certas situações e como tóxico em outras.

Para pensar um pouco mais... DISPOSITIVO DAS DROGAS É preciso, pois, não perder de vista que a partilha moral entre drogas de uso lícito e drogas de uso ilícito é contemporânea da invasão farmacêutica, tendo sido num mesmo movimento que se incrementou o desenvolvimento de fármacos e que se penalizou o emprego das demais drogas. Por isso é preciso se precaver contra a naturalização da distinção entre drogas e fármacos – pois os fármacos também são, todos eles, drogas – e reconhecer que, embora as políticas oficiais sejam marcadas pela repressão ou, mesmo, pela guerra às drogas, no sentido restrito do termo, as relações que a maioria das sociedades contemporâneas (especialmente as ocidentais) mantêm com relação às drogas (no sentido amplo do termo) estão longe da univocidade, seja porque as políticas de repressão são, frequentemente, ambíguas, seja porque,

9


mais fundamentalmente, jamais o consumo de drogas (no sentido amplo do termo) foi tão difundido ou, mais precisamente, foi tão incitado quanto no último século. (Fonte: VARGAS, E. V. Fármacos e outros objetos sócio-técnicos: notas para uma genealogia das drogas. In: LABATE, B. C. et al. (Orgs.). Drogas e Cultura: novas perspectivas. Ministério da Cultura. EDUFBA. Universidade Federal da Bahia, 2008).

Neste material consideraremos brevemente informações referentes às principais drogas utilizadas para alterar o funcionamento cerebral, causando modificações no estado mental, no psiquismo humano. São chamadas as drogas psicotrópicas, conhecidas também como substâncias psicoativas. É importante ressaltar que nem todas as substâncias têm a capacidade de provocar dependência. Há, no entanto, substâncias aparentemente inofensivas e presentes em muitos produtos de uso doméstico que possuem esse poder. Conforme a 10ª Revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID-10) a lista de substâncias psicoativas inclui: • • • • • •

Álcool Opioides (morfina, heroína, codeína e diversas substâncias sintéticas) Canabinóides (maconha) Sedativos ou hipnóticos (barbitúricos, benzodiazepínicos) Cocaína Outros estimulantes (como anfetaminas e substâncias relacionadas à cafeína) • Alucinógenos • Tabaco • Solventes voláteis 10


11


Para pensar um pouco mais... A TRISTEZA E A FELICIDADE QUÍMICAS A depressão que caracteriza a nossa época é contextual, política, ecológica e de causas sociais e econômicas. O mesmo sistema que a cria como principal doença trata-a lucrativamente com drogas que permitem a modulação dos humores e a aceitação feliz das mesmas situações a estarem na origem da depressão, mas proíbe violentamente drogas que elevem o humor até a euforia, com a exceção de uma das mais brutas, perigosas e aditivas, que é o álcool. (Fonte: CARNEIRO, H. Autonomia ou heteronomia nos estados alterados de consciência. In: LABATE, B. C. et al. (Orgs.). Drogas e Cultura: novas perspectivas. Ministério da Cultura. EDUFBA. Universidade Federal da Bahia, 2008).

As drogas estimulantes da atividade mental são aquelas capazes de aumentar a atividade de determinados sistemas neuronais. Consequentemente, provoca estado de alerta exagerado, insônia e aceleração dos processos psíquicos. Exemplos destas drogas são o tabaco, a cafeína, as anfetaminas e a cocaína. As drogas perturbadoras da atividade mental são consideradas como as que têm o principal efeito de provocar alterações no funcionamento cerebral, que resultam em vários fenômenos psíquicos anormais, como os delírios e as alucinações. Por esse motivo, essas drogas são denominadas alucinógenas. Como alucinação pode-se entender uma percepção sem objeto, ou seja, a pessoa vê, ouve ou sente algo que realmente não existe. O delírio, por sua vez, pode ser definido como um falso juízo da realidade. Isto é, o indivíduo passa a atribuir significados anormais aos eventos que ocorrem à sua volta. Exemplos 12


destas drogas são a maconha, os alucinógenos, a dietilamida do ácido lisérgico (LSD), o ecstasy, os anticolinérgicos e os esteroides anabolizantes.

Para pensar um pouco mais... '"LIGAÇÃO" AO INVÉS "VÍCIO" Deveríamos simplesmente parar de falar em “vício”: deveríamos falar em “ligação”. Por exemplo, um viciado em maconha criou uma ligação com a droga porque não conseguiu estabelecer outras conexões. Segundo Hari, isso é relevante para todos nós, pois nos força a pensar de maneira diferente a respeito de nós mesmos. Os seres humanos precisam de conexões de afeto e de amor. [...] A disseminação do vício em drogas é um sintoma da maneira como vivemos, ou seja, consequência da deterioração das relações humanas. (Fonte: TONCHIS, L. C. Para pensarmos sobre as drogas e a banalidade do vício. Jornal GGN, 2016. Disponível em https://goo.gl/LTJjb6). Fonte: NICASTRI, Sérgio. Drogas: classificação e efeitos no organismo. Unidade 1. Texto adaptado do Curso de Prevenção ao uso indevido de drogas: capacitação para Conselheiros e Lideranças Comunitárias, promovido pela SENAD em 2011. Adaptado por Profa. Me. Soraya Cunha Couto Vital, 2018.

13


14


ATIVIDADES SUGERIDAS...

A

s atividades elencadas neste material não pretendem esgotar as possibilidades didático-metodológicas do Projeto O Barato das Baratas. Ao contrário, são somente “o ponta pé inicial” para as diversas e infindáveis ações criativas que professores e alunos podem realizar. O professor pode escolher as que forem mais adequadas aos seus objetivos, ao ano/série ou à sua área de conhecimento. É importante que haja interação entre as disciplinas, porque esta conduzirá à construção de um conhecimento não fragmentado, mas abrangente. Que o processo ensino-aprendizagem seja lúdico, dinâmico, divertido e recheado de alegria!

15


16


Parte 1 Baú de Idéias para Reescrever a História 1. Faça uma lista de cinco coisas do livro/capítulo que você acha feias. Escreva uma descrição de cada uma delas usando somente qualidades belas. 2. Se você fosse um viajante, visitando o passado e o futuro das baratas, o que escreveria para elas? Por quê? 3. Qual é a sua parte preferida do livro/capítulo? Escreva um final diferente para ela. 4. Se você pudesse escolher participar de algum trecho da história, que trecho seria esse e por quê? 5. Transforme a história ‘O Barato das Baratas’ em um poema. 6. Escreva uma parte da história (ou do capítulo) em forma de História em Quadrinhos. 7. Faça um acróstico com as letras do seu nome. Para cada uma delas escreva alguma palavra que sirva para dar pistas de como prevenir-se das drogas. 8. Escreva outro final para a história.

17


18


Parte 2 Baú de Ideias para Encenar 1. Preparação para encenar. Com fotos, vídeos e exercícios práticos, apresente à classe os jogos teatrais de Viola Spolin e desenvolva atividades de encenação a partir do texto de O Barato das Baratas. Você pode obter mais informações em: https://goo.gl/kuv4r1 e https://goo. gl/yuozYc 2. Memórias de Todos. Peça aos alunos que tragam objetos de casa, brincadeiras que sejam significativas para eles e histórias pessoais que gostariam de compartilhar. O desafio é transformar os sentimentos em cenas e movimentos que representem trechos da história de O Barato das Baratas. 3. Criação de coreografias. Escolha com os alunos as cenas do livro O Barato das Baratas com as quais eles mais se identificaram. Sugira que façam a seleção de uma música que possam utilizar para criação de uma coreografia das cenas. Organize uma apresentação para o público externo.

19


20


Parte 3 Baú de Ideias Matemáticas 1. Jogo de Tabuleiro “Drogas? Tô fora!”. Com base no texto do livro O Barato das Baratas, peça aos alunos que criem um jogo de tabuleiro com o tema “Drogas? Tô fora!”. A sala pode ser dividida em grupos. Lembrar que o jogo precisa ter lançamento de dados sobre um tabuleiro com espaços, que indicarão aos jogadores avanço ou retrocesso de quantidade de “casas” conforme as regras criadas pelo grupo. A chegada deve indicar que o vencedor não trilhou o caminho das drogas. Deixe a criatividade fluir! 2. Maquete. Incentive a criação e a montagem de uma maquete que represente a sociedade das baratas, sua organização e as consequências do uso de drogas. Aproveite para considerar formas geométricas, unidades de medida, números naturais, frações, proporções ou outros conteúdos matemáticos pertinentes). 3. Elaboração e Resolução de Problemas. Motive os alunos a transformarem algumas situações apresentadas no livro em problemas matemáticos (pode ser individual ou em grupo). Depois peça que troquem os problemas entre si e apresentem as soluções.

21


22


Parte 4 Baú de Ideias Matemáticas 1. O que já sabemos? Faça um diagnóstico ou levantamento de informações, por meio de conversa informal em sala de aula, para saber quais são os conhecimentos que os alunos têm sobre as drogas e possíveis ex-usuários. Peça-os que contém as histórias. 2. Perguntas para Entrevista. Após o levantamento de informações, proponha à classe que elabore coletivamente uma pauta de entrevista para um ex-usuário de drogas. O que gostaria ou precisaria saber? O professor pode ajudar na preparação, a pensar juntos e anotar as perguntas na lousa. 3. História, Memória e Narrativas. Convide um ex-usuário de drogas para ir à escola ou à classe para narrar sua história de vida, realidade sobre os malefícios das drogas em sua vida e como conseguiu “deixálas”. Combine previamente com os alunos para que façam as perguntas elaboradas ao visitante. Deixe claro que, se necessário, as perguntas podem ser reformuladas no momento da conversa.

Variação desta atividade: Os alunos também podem ser incentivados a gravar o depoimento de um ex-usuário de drogas, em forma de entrevista ou documentário, e levarem para apresentação em sala de aula. Seus celulares podem ser usados para esta

23


24


Parte 5 Baú de Ideias Saudáveis 1. Panfleto Educativo. Proponha aos alunos a elaboração de um panfleto educativo sobre a prevenção ao uso de drogas. Depois de prontos, os panfletos podem ser distribuídos na comunidade (entorno da escola). 2. Feira de Saúde. A prevenção ao uso de drogas pode estar inserida em diversas ações relacionadas à vida saudável, como esporte e atividade física, alimentação adequada e responsabilidade social, por exemplo. Os alunos podem ser incentivados a realizar uma feira de saúde na escola, com participação de profissionais, inclusive, para conscientizar a comunidade sobre a relação entre hábitos saudáveis e não drogadição. 3. Mural “Não quero esse barato”. Incentive os alunos a pesquisarem sobre as diversas drogas às quais o ser humano tem acesso e seus efeitos nocivos. Solicite que, a partir destas informações, preparem murais na escola com conteúdo que sirvam para conscientizar outros alunos. Peça que convidem outras classes a conhecerem seus murais durante o recreio ou intervalo das aulas.

Variação desta atividade: Pode ser feito um concurso de murais. Estabeleça critérios.

25


26


Parte 6 Baú de Materiais, Documentários e Filmes • Folhetos com conteúdos para downloads - A Verdade sobre as Drogas Disponível em: https://goo.gl/VSRmMh • Documentário Falcão – Meninos do Tráfico Disponível em: https://goo.gl/hj9Vqn • Alguns dos melhores documentários sobre drogas Disponível em: https://goo.gl/H5XJgb • 14 documentários para compreender a guerra às drogas Disponível em: https://goo.gl/4fTcxf • 10 filmes sobre drogas que todo o adolescente tem que ver Disponível em: https://goo.gl/j7EPtR • Histórias da vida real sobre a dependência química Disponível em: https://goo.gl/nZFik6 • Drogas – Onze filmes que trazem a discussão sobre o assunto Disponível em: https://goo.gl/x6xGpd.

27


28

Instituto Ser  
Instituto Ser  
Advertisement