Page 1

ÍNTEGRA

EMPRESAS NOVAMÉRICA | OUTUBRO DE 2014 • ANO XIV • Nº 3

TRADIÇÃ INOVAÇÃ As tecnologias de informação estão e vão continuar mudando nossa realidade. Atingir a excelência depende da ousadia da nova geração, mas também de pessoas experientes.

Foto: Arquivo


...sempre buscar as formas de tornar nossa atividade profissional prazerosa...

SABER, QUERER E FAZER

...vou exercitando novas formas de enxergar as coisas.

Marcelo Avanzi Gerente Administrativo e Recursos Humanos Unidade Tarumã/SP 34 anos de NovAmérica

Mesmo o conhecimento sendo tão disponível e acessível nos dias de hoje, obtê-lo de forma precisa e estruturada demanda recursos financeiros, tempo, disciplina e boa dose de sacrifícios. Quando adquirimos um conhecimento, somos identificados com a condição do “saber fazer”. Mas precisamos obter o “saber fazer” de última geração, porém este está sempre em movimento, portanto a tarefa de obtê-lo nunca estará concluída completamente.

Boa vontade sempre ajuda, mas, se não soubermos fazer da maneira mais avançada, não teremos nenhuma garantia da superação de situações em que outros fatores que estejam fora do nosso controle (clima, mercado, etc.) possam nos atingir. Neste momento vamos nos ater como transformar o conhecimento em produção e consequentemente em riqueza, nada mais é do que o “querer fazer”, aquele que vai garantir que estejamos sempre à frente da concorrência, garantindo o sucesso em qualquer circunstância, aquele que se confunde com uma paixão. Pensando dessa forma, podemos afirmar que a chave do sucesso é despertar o desejo de “querer fazer” nas pessoas. E então podemos começar a relacionar elementos que aparentemente nos impulsionam nessa direção, como possibilidades de crescimento, condições de trabalho, benefícios, reconhecimento, remuneração, qualidade da gestão, credibilidade da empresa, complexidade das operações que desenvolve, etc. Mas como explicar que indivíduos inseridos praticamente no mesmo ambiente de trabalho e que desenvolvem atividades da mesma natureza tenham muitas vezes percepções e reações completamente diferentes? A resposta é óbvia, as pessoas são únicas, com uma história de vida própria e experimentada exclusivamente, que acaba por determinar comportamentos e reações diferentes.

QUE TIPO DE PROFISSIONAL QUERO SER?

Devemos então simplesmente nos conformar com esta premissa? Não. Em primeiro lugar, porque por mais que os ambientes possam parecer iguais, eles certamente trazem pequenas diferenças que, somadas à personalidade de cada indivíduo, podem ser decisivas na disposição do querer fazer. Entendemos que uma parcela muito importante para este fim cabe ao gestor, com o respaldo de Recursos Humanos, conhecer seus colaboradores, sabendo o que os deixa felizes (não podemos pensar que isto se limita à remuneração) com base em sua realização pessoal e profissional e em seus valores. O engajamento do indivíduo pode estar em elementos que nem imaginamos, mas precisamos ter disposição e qualificação para descobrirmos e até sermos capazes de determinar que aquela atividade nunca vai despertar naquela pessoa a paixão por um “querer fazer realmente de qualidade”. A outra parcela cabe a nós, colaboradores, que devemos decidir o que é realmente importante, se queremos ser felizes e realizados ou passar a vida reclamando. Devemos ter coragem para discutir com nossos colegas e com a gestão se algo nos incomoda e sempre buscar as formas de tornar nossa atividade profissional prazerosa, e buscarmos nos apaixonar pelas nossas atividades.

NAÍNTEGRA O JORNAL NA ÍNTEGRA É UMA PUBLICAÇÃO BIMESTRAL DAS EMPRESAS NOVAMÉRICA AGRÍCOLA LTDA., NOVAMÉRICA AGRÍCOLA CAARAPÓ LTDA. E RRB EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES.

PROJETO EDITORIAL

BASE_ REDAÇÃO

Jaqueline Bueno REVISÃO

Sandra Leite JORNALISTA RESPONSÁVEL

Jaqueline Bueno • MTB 59.942 Fazenda NovAmérica, s/nº • Bairro Água da Aldeia Tarumã • SP • CEP 19820-000 comunicacao@novamerica.com.br www.novamerica.com.br /Grupo.Novamerica

/comunicacaona

O fato de nossos pais dizerem que precisamos estar maduros para o mundo é algo que devemos levar a sério, pois podemos entender maturidade sem verificar a idade da pessoa. De tal modo podemos trazer a referência para o dia a dia empresarial, no qual o “tempo de casa” (tempo de empresa) de cada um não determina seu amadurecimento. Por isso, as empresas se preocupam com estas questões, pois querem profissionais cada vez mais conscientes de suas atitudes, habilidades, dificuldades, etc. O Programa de Desenvolvimento Técnico da NovAmérica tem proporcionado reflexões para aproximadamente 160 colaboradores técnicos/ administrativos das unidades de Tarumã e Caarapó com o intuito de se reconhecerem como grandes profissionais que são, de como podem se tornar ainda melhores e de se perguntarem “que tipo de profissional quero ser?”.

posso afirmar que amadureci

Ezequiel de Jesus Motorista Ambulatório Unidade Caarapó/MS 1 ano de NovAmérica

Aline Loureiro Analista Administrativa Medicina Assistencial Unidade Tarumã/SP 9 anos de NovAmérica

Aline Loureiro, analista administrativa, está na NovAmérica há nove anos e para ela o treinamento tem contribuído demais em seu relacionamento interpessoal, em suas atitudes e escolhas. “Todas as atividades fizeram muito sentido para mim, proporcionando uma reflexão muito positiva em relação às atitudes e comportamentos no dia a dia na empresa e até mesmo em casa. É muito válido poder me questionar sobre ‘que tipo de profissional quero ser?’, ‘qual a importância do meu trabalho?’, ‘quanto eu tenho e posso oferecer de melhor?’. Tenho observado minhas atitudes e as de meus colegas de trabalho e assim vou exercitando novas formas de enxergar as coisas”, afirmou. Para Ezequiel de Jesus, motorista, o treinamento já tem dado resultado em seu cotidiano. “O treinamento me ensinou a ser mais paciente na vida profissional e familiar e a ser mais correto em tudo o que faço. Ainda me fez entender a importância do relacionamento entre a equipe, pois, quando todos olham na mesma direção, as dificuldades são superadas. Hoje sou muito mais responsável em tudo o que faço, a minha visão de empresa mudou e o meu compromisso profissional é outro, muito melhor, por isso posso afirmar que amadureci profissionalmente”, contou.


SER APRENDIZ

aprendizado além do esperado

Fotos: Jaqueline Bueno

Para conhecer os processos agrícolas, bem como os industriais, os aprendizes das unidades de Tarumã e Caarapó participaram de um dia de visitas e apresentações. A atividade foi realizada pela área de Desenvolvimento Humano, com o intuito de levar o entendimento de cada parte da produção da cana-de-açúcar e seus derivados aos aprendizes para que estes valorizem e tenham consciência da importância do setor em que atuam. Matheus dos Santos Neto, 16 anos, está há quatro meses na NovAmérica e mostrou muito interessante sobre as particularidades de cada operação. “Foi um aprendizado além do esperado, pois é sempre de grande importância aprender mais sobre o local onde trabalho, e buscar o conhecimento é que faz uma pessoa diferente das outras”, comentou.

Para que as informações repassadas pudessem ser bem compreendidas pelos jovens, um vídeo lúdico foi exibido, mostrando o preparo do solo, o plantio, a colheita, a logística e a entrega da cana na indústria. “De todos os processos, o de colheita mecanizada foi o que mais me chamou a atenção, porque é um processo em que uma máquina consegue fazer uma colheita mais rápida e eficaz em um período de tempo muito mais curto do que a colheita manual, fazendo com que haja uma melhor produtividade”, completou Matheus.

Matheus dos Santos Neto Aprendiz Responsabilidade Social Unidade Caarapó/MS 4 meses de NovAmérica

O PROGRAMA APRENDIZ É VOLTADO A JOVENS DE 14 A 24 ANOS E POSSIBILITA UM APRENDIZADO PROFISSIONAL, RETENDO-OS NA EMPRESA OU PREPARANDO-OS PARA O MERCADO DE TRABALHO.


TRADIÇÃO E

INOVAÇÃO

GESTÃO DA INFORMAÇÃO

Mario Donisete Chiarinelli diretor executivo da NovAmérica

Estivemos reunidos com o intuito de nos integrarmos e evoluirmos em nossos relacionamentos e principalmente na gestão do negócio. De tal forma que fomos em busca de uma ressignificação dos grupos de trabalhos para a gestão do conhecimento, da informação e da excelência.

Roberto de Rezende Barbosa presidente da NovAmérica

Fotos: Arquivo/Paulo Miguel

As tecnologias de informação estão e vão continuar mudando nossa realidade. Os desafios apresentados dependem da ousadia da nova geração, mas também de pessoas experientes. E nesse tempo devemos orientar a todos sobre o valor das coisas e o valor das pessoas, e tenho a esperança de que vocês, colaboradores, compreenderão este momento e o papel de cada um.

Conduzido pelo viés das 70 safras, o IV Encontro de Gestão da NovAmérica foi realizado no final de setembro, em Pirapozinho/SP, com a presença de 125 colaboradores das duas unidades de negócio para a apresentação dos resultados atuais e de ações para o alcance das metas até 2020. Nostalgia, reconhecimento, indicadores e visões para um futuro próximo compuseram a programação do evento. As áreas de Controle Agrícola e Recursos Humanos apresentaram trabalhos a serem desenvolvidos em conjunto, nos quais tecnologia e pessoas estão intrinsecamente associadas.

GESTÃO DO CONHECIMENTO

Fábio de Rezende Barbosa superintendente da NovAmérica

GESTÃO DA EXCELÊNCIA

Para as pessoas que me perguntam o quanto estamos ruins, costumo dizer que estou adorando este ano porque acredito que teremos grandes oportunidades. Afinal, todas as grandes empresas e todas as grandes pessoas não se reinventam enquanto estão confortáveis, normalmente isso acontece quando passam por momentos difíceis. Então este é o nosso momento de mudarmos para melhor, buscando novos conhecimentos por meio de capacitação e acompanhando as novas tecnologias.

Claudio de Rezende Barbosa acionista NovAmérica

Em todas as nossas dificuldades precisamos entender que amor e verdade são dois pontos importantes que nos levam à evolução. Pois não há amor que resista sem a verdade, e toda verdade deve vir seguida de carinho e de cuidado.


RENOV

“A contribuição da nossa área foi com os estudos e a aplicação de metodologias de cálculos que proporcionem uma melhor análise de viabilidade ao negócio, auxiliando neste caso na tomada de decisão do melhor momento para a substituição de um equipamento, visando reduzir custos e maximizar resultados.” Paulo Sérgio Lázaro Analista Financeiro Gestão da Informação Unidade Tarumã/SP 14 anos de NovAmérica

UMA SEMENTE PARA O FUTURO A NovAmérica, em parceria com a empresa TOTVS, está implementando, por meio de um grupo multidisciplinar, a metodologia de cálculo para determinação de um ponto ótimo para a renovação da frota, com base nas melhores práticas de mercado. Inicialmente o modelo será aplicado para o grupo de colhedoras, com previsão de validação da metodologia em outubro/2014. Após essa etapa, o projeto se estenderá para caminhões, tratores e outros. Essa metodologia estudada pela NovAmérica também está em análise pelas empresas Raízen e Odebrecht Agroindustrial, reforçando o conceito de melhores práticas. Além disso, este trabalho favorecerá a inclusão deste modelo no sistema, por meio do novo módulo MANFRO – PIMS, garantindo confiabilidade, agilidade e assertividade nas análises. NA ÍNTEGRA - EM QUE CONSISTE ESTE TRABALHO DA RENOVAÇÃO DA FROTA? (EM QUE CONSISTE O RENOV?)

Ludmila - Assim como todos os bens, máquinas e equipamentos sofrem uma perda de valor que se reflete na queda no desempenho econômico e produtivo, seja pela ação do tempo, desgaste pelo trabalho ou mesmo pela obsolescência tecnológica e independentemente da sua utilização. O RENOV consistiu na determinação de uma metodologia que nos mostrasse, com embasamento teórico, o ponto em que, economicamente, é mais viável a renovação de um ativo, como um equipamento. Apenas este fator não é suficiente para afirmar categoricamente que um ativo deve ser substituído em determinado momento. Fatores como linhas de crédito vigentes, situação econômica da empresa e do setor em geral e capital de investimento também compõem a decisão de se renovar ou não um ativo. Mas a avaliação do desempenho econômico é cada vez mais explorada e ganhou espaço entre os inúmeros aspectos inerentes à utilização de um bem. NA ÍNTEGRA - QUAIS ÁREAS ESTÃO ENVOLVIDAS?

Ludmila - Estão envolvidas as áreas de Controle Agrícola, Desenvolvimento Agrícola, Gestão da Informação e Manutenção das duas unidades da NovAmérica (Tarumã/SP e Caarapó/MS). NA ÍNTEGRA - AINDA ESTÁ EM ANDAMENTO OU JÁ FOI FINALIZADO?

NA ÍNTEGRA - QUAL O IMPACTO COM ESTE TRABALHO?

Ludmila - Este trabalho irá impactar na forma como o desempenho econômico será avaliado, e consequentemente na determinação do momento de troca. NA ÍNTEGRA - QUAIS OS RESULTADOS OBTIDOS?

Ludmila - Após semanas de pesquisa e estudos, chegamos a uma metodologia aliada às praticadas pelo mercado e coerentes com as teorias da matemática financeira. A partir de agora, estes parâmetros serão utilizados para a determinação do melhor momento para se trocar um equipamento. Estima-se que haja uma redução nos custos, principalmente com CRM (custos com reparo e manutenção), e um aumento na disponibilidade da frota, o que a torna mais produtiva.

mantendo índices competitivos

Ludmila - Este é um trabalho contínuo. A determinação da metodologia a ser utilizada foi concluída, mas, em função da vida finita de máquinas e equipamentos, continuamente este trabalho será utilizado para avaliar o desempenho econômico dos ativos da empresa, já que é um dos fatores relevantes para a determinação do momento de troca.

“Estive envolvida no levantamento e saneamento de dados de CRM (custos de reparos e manutenção) das colhedoras e interpretação dos dados. Este trabalho contribuirá na tomada de decisão sobre os custos relativos a reparos e peças, análise do custo total por tonelada colhida de cada equipamento e estudos para planejamento de revisões de safra e entressafra. Esperamos, em médio prazo, ter o histórico de cada equipamento, para previsão de custos e também para intervenções a serem realizadas. Em longo prazo, o resultado é o ponto ótimo de renovação de frota, é o momento em que o custo operacional, com destaque nos gastos com CRM, somado ao custo com a indisponibilidade do equipamento, supera o custo de capital para a aquisição de um novo equipamento somado ao seu custo de manutenção e operação, ou seja, quanto custará a mais para manter o equipamento nas atuais condições, em vez de adquirir um novo.” Ana Carolina Bernardo Engenheira Agrícola Manutenção Unidade Caarapó/MS 1 ano e 7 meses de NovAmérica

“Durante o trabalho de renovação de frotas fiquei responsável por apresentar os custos de manutenção e reforma das colhedoras de Tarumã. Com a correta identificação do ponto ideal de troca do equipamento, a empresa conseguirá manter a frota viável, com índices de disponibilidade e custos sob controle. Este cenário dá condições favoráveis para que a manutenção foque seus trabalhos em prevenção e correção programadas, diminuindo ainda mais os custos. Assim, o sistema ‘Novo Manfro’ que acabamos de colocar em produção já nos dará estes cálculos prontos, facilitando o aprofundamento dos estudos, levando em consideração outros índices como renovação tecnológica, ganho de produção, ganho em qualidade da operação, oportunidade de crédito, entre outros.” Arnaldo Cesar Miguel Analista Controle Manutenção Manutenção Unidade Tarumã/SP 5 anos de NovAmérica

“A área de Desenvolvimento Agrícola está envolvida na análise da metodologia e aprimoramento dos indicadores para os índices de renovação da frota, juntamente com as áreas de Manutenção, Controle e Gestão da Informação. O objetivo da renovação da frota é buscar o equilíbrio entre as condições de operação, manutenção e custo para a substituição dos equipamentos no momento mais oportuno, reduzindo assim o custo de manutenção e mantendo índices competitivos de disponibilidade mecânica.”

Ludmila Oliveira da Silva

Bruno Mattos

Engenheira de Controle Agrícola Controle e Custos Unidade Tarumã/SP 7 meses de NovAmérica

Engenheiro Mecânico Desenvolvimento Agrícola Unidade Tarumã/SP 3 anos e 6 meses de NovAmérica


... é o principal insumo impactante no custo das operações.

DIESEL Mais uma edição do Grupo de Mecanização (GMEC) foi realizada na NovAmérica, unidade de Tarumã, no mês de agosto. Com o tema “Qualidade do Diesel, Sistema de Filtragem e Sistema de Injeção”, mais de 60 pessoas – representando 23 empresas no estado de São Paulo – discutiram sobre as interações, os problemas e as soluções para o setor canavieiro com foco no diesel.

Edimilson Gomes Leal Manutenção Automotiva Ferrari Agroindústria Porto Ferreira/SP

Sidnei Bortolozzo Gerente Manutenção Automotiva Usina São João da Estiva Novo Horizonte/SP

Humberto Rampazzo Gerente Desenvolvimento Agrícola Unidade Tarumã/SP 27 anos de NovAmérica

Os padrões de qualidade do diesel, bem como as dificuldades e soluções encontradas na produção, transporte e armazenamento do produto, foi o primeiro assunto abordado na reunião pelo engenheiro químico e especialista ambiental Jair Duarte. Em seguida, Christian Wanhnfried, engenheiro de qualidade Bosch, apresentou as recomendações técnicas para bicos, bombas e módulos eletrônicos, precauções, manutenção preventiva/reparos e durabilidade dos componentes. Ao final, o engenheiro e consultor Alencar Pedroso Filho tratou de sistemas de filtragem e de armazenamento de diesel. De acordo com Humberto Rampazzo, gerente de Desenvolvimento Agrícola e coordenador do GMEC, a reunião trouxe soluções frente à legislação referente ao diesel. “As discussões foram positivas, pois fomos em busca de soluções para o uso do diesel S10, que do ponto de vista da legislação é benéfico ambientalmente ao reduzir a emissão de enxofre, porém ao fazermos uma análise sistêmica entendemos que o produto passou a ter um prazo de validade muito inferior comparado ao anterior e é prejudicial aos equipamentos devido ao estímulo da produção de bactérias”, explicou.

Dentre os problemas relatados pelas empresas estão o entupimento de filtros, o surgimento de borras, a contaminação microbiológica e a necessidade de manutenções mais frequentes, além da oxidação e rápida degradação do combustível. “O mercado já tem relatado com muita frequência uma série de problemas relacionados à adição de 6% de biodiesel ao diesel. Tivemos que adotar medidas rígidas de controle de recebimento e armazenagem, além de adoção de sistemas de filtragem de alta eficiência para garantir o consumo de combustível isento de impurezas e contaminantes”, contou Edimilson Gomes Leal, da Usina Ferrari. Para Sidnei João Bortolozzo, gerente de Manutenção Automotiva da Usina São João da Estiva, a discussão sobre a qualidade do diesel utilizado se faz necessária, pois é o principal insumo impactante no custo das operações. “Dessa forma não é possível aceitar outros gastos inerentes ao diesel, principalmente pela sua falta de qualidade. Por não termos uma padronização dessa qualidade na elaboração do biodiesel, a mistura ora utilizada vem causando transtornos de paradas de equipamentos, menor disponibilidade destes e prejuízos”, afirmou. Ao final da reunião, concluiu-se que a venda deste diesel sem os novos aditivos não poderia sem permitida, de tal maneira o Grupo de Mecanização irá elaborar um documento, junto às entidades de classe, e encaminhar para a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) e ao Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) requisitando a padronização de procedimentos e normas do diesel distribuído.

NOS MESES DE JULHO E AGOSTO, A ÁREA DE MECÂNICA DE COLHEDORAS INTERNAS DA UNIDADE DE TARUMÃ/SP FOI QUEM RECEBEU O TROFÉU COM 245 PONTOS AO CUMPRIR TODAS AS POLÍTICAS DE SEGURANÇA

...o importante é criarmos um cenário de mobilização em busca do acidente zero e incentivar as melhores práticas em segurança.

ACIDENTE

ZERO Marcos Leandro Supervisor Segurança do Trabalho Unidade Tarumã/SP 5 anos de NovAmérica

Fotos: Letícia Pais

Orientações de segurança, conformidades, implementação de melhorias, ausência de acidentes e incidentes garantiram às áreas o reconhecimento e o título do programa Acidente Zero desenvolvido na NovAmérica desde o início desta safra. Nos meses de julho e agosto, a área de Mecânica de Colhedoras internas da unidade de Tarumã/SP foi quem recebeu o troféu com 245 pontos ao cumprir todas as políticas de segurança, seguida pelas Turmas 58 e 102 de trabalhadores rurais. Na listagem da apuração dos meses de maio e junho, com 249 pontos, a área de Mecânica de Tratores foi a primeira equipe a conquistar o troféu do programa. A equipe nº 51 - Trabalhadores Rurais conquistou o segundo lugar, seguida da área de Planejamento e Desenvolvimento Agronômico, respectivamente com 219 pontos e 207 pontos. “Já observamos que alguns grupos se mobilizaram em prol da realização de melhorias e ainda maiores cuidados nas rotinas de trabalho, buscando a prevenção. Houve questionamentos quanto a algumas formas de avaliação que entendemos serem positivas, mas o importante é criarmos um cenário de mobilização em busca do acidente zero e incentivar as melhores práticas em segurança”, comentou Marcos Leandro, supervisor de Segurança do Trabalho. Na unidade de Caarapó, as auditorias já estão sendo realizadas e em breve teremos a equipe vencedora do programa.


Com isso, ganhamos com a cultura consorciada que poderá ser comercializada, podemos enriquecer o solo com matéria orgânica e a área passa a ter capacidade de produzir a própria muda, visando atender às necessidades para o plantio. Ou seja, ganhamos econômica e agronomicamente.

Claudinei Flausino de Andrade

Cleir Inácio Matheus Junior

Supervisor Operações Agrícolas Unidade Tarumã/SP 23 anos de NovAmérica

Supervisor Planejamento e Desenvolvimento Agronômico Unidade Tarumã/SP 4 anos de NovAmérica

Foto: Arquivo

PLANTIO TESTE COM CULTURAS INTERCALADAS

Essa tecnologia utilizada para redução dos custos em áreas de plantio da cana-de-açúcar tem diversas vantagens, entre elas a absorção dos custos com preparo de solo (aração, gradagem, terraceamento, distribuição do calcário e adubos em área total) e redução de pressão de sementeiras de ervas daninhas. Com o uso das leguminosas passa a ter maior fixação biológica do nitrogênio, incorporação da matéria orgânica e conservação do solo.

Dentro do período de plantio de inverno, que ocorre durante quatro meses, a unidade de Tarumã/SP realizou um experimento com o sistema de MEIOSI (sigla da expressão método inter-rotacional ocorrendo simultaneamente) com o objetivo de minimizar os custos de produção. Esse sistema foi desenvolvido para promover a consorciação da cana-de-açúcar (técnica agríco-

ganhamos econômica e agronomicamente

la que visa um melhor aproveitamento do solo em longo prazo), ou seja, plantam-se outras culturas de alimentos ou adubos verdes junto com a cana nas áreas de reforma, como, por exemplo, grãos e crotalária. De acordo com Claudinei Flausino, supervisor de Operações Agrícolas de Tarumã/SP, essa é uma modalidade de plantio viável, porém restri-

ta aos meses de março e abril, quando a rotação de cultura já ocorreu e as mudas plantadas nos meses de agosto e setembro do ano anterior já estão aptas a serem multiplicadas. Na unidade de Caarapó/MS, o método será iniciado em outubro, sendo em torno de 300 hectares.

As recomendações passadas pelos técnicos são as de que se devem obedecer as datas de implantação do sistema para que não haja problemas com a produção de mudas de cana e um planejamento para a obtenção de mudas de ano no momento de instalação do sistema.


é preciso perder o medo de errar

CRIAR + ATIVIDADE

Fotos: Arquivo

Com esta ferramenta, todos passam a ter a noção de valores, de tempo, de mão de obra e das incidências dos reparos.

BOLETINS OPERACIONAIS E COMITÊ AUXILIAM NAS OPERAÇÕES EM MS Neste ano, a área de Manutenção Automotiva de Caarapó colocou em prática uma ideia para informar e conscientizar todos os colaboradores da área e do campo sobre os custos com os ajustes nas máquinas e equipamentos e também sobre otimização do tempo no pedido e recebimento de peças corretas para determinada finalidade. Os boletins são informativos semanais com identificação da área à qual irão se referir, número de frota, tipo de equipamento, marca, modelo, imagens, descrições de modificações e demonstrativos de gastos. “Com esta ferramenta, todos passam a ter a noção de valores, de tempo, de mão de obra e das incidências dos reparos”, explicou o supervisor de manutenção, Leandro Martins. Segundo ele, um exemplo da eficácia dos boletins foi comprovado quando os operadores e os mecânicos do campo ficaram atentos e passaram a não receber as taliscas dos elevadores das colhedoras quando estas não estavam com o desenho correto. “As taliscas dos elevadores são materiais de desgaste e chegavam do fornecedor com um desenho que não era o ideal, assim ao serem enviadas ao campo, e sem a conferência do colaborador, prejudicavam a eficiência da máquina e da operação”, completou.

A área de Manutenção Mecânica de Caarapó tem colocado as máquinas e a cabeça para funcionar por meio da realização de ações diárias e criativas. Após ser identificada a ocorrência de diversos danos em bombas injetoras dos equipamentos, principalmente a contaminação excessiva de água no sistema da motobomba, o colaborador Agnaldo Ramos desenvolveu uma proteção superior dos tanques de combustível que evita a entrada de água. Haliky Samuel, também de Caarapó, desenvolveu um sistema reboque nos tratores da frota com o objetivo de prevenir quebras ao transportá-los. Devido a estes equipamentos não conterem estrutura de chassis, é recomendado por parte do fabricante a não realização de reboque de tratores conectando cabos de aço na frente do equipamento. A realização desse procedimento pode romper o trator ao meio, gerando custos altos com manutenção corretiva. A instalação do cabo de aço faz com que o operador possa engatar o equipamento e rebocá-lo de maneira segura, sendo que o ponto de fixação do cabo fica localizado na parte inferior traseira do equipamento. O sistema de reboque já está sendo implantado em todos os equipamentos de colheita.

Agnaldo Ramos Mecânico Manutenção Automotiva Unidade Caarapó/MS 5 meses de NovAmérica

Haliky Samuel Mecânico Manutenção Automotiva Unidade Caarapó/MS 2 anos de NovAmérica

Fotos: Arquivo

Leandro Martins Supervisor Manutenção Automotiva Unidade Caarapó/MS 18 anos de NovAmérica

Nelson Teodoro Thosta Mecânico Mecânica de Tratores Unidade Caarapó/MS 2 anos de NovAmérica

Nelson Teodoro Thosta trabalha há alguns meses na NovAmérica, mas sua experiência de mais de 30 anos na área da mecânica tem agregado conhecimento e qualidade às atividades no campo. Ele afirma que a transferência de conhecimento e as orientações têm sido recebidas com tranquilidade pelos demais colaboradores. “Faço o acompanhamento e a verificação das operações dos tratores. Quando observo que um operador realizou uma ação incorreta, imediatamente o oriento e comunico ao coordenador para não haver a falha novamente e possíveis problemas futuros, mas quando a quebra da máquina é inevitável, levo a informação para o comitê para pensarmos na melhor forma de agir minimizando esses prejuízos”, explicou. As soluções não encontradas de imediato ou os assuntos que devem ser pensados com mais critérios são levados para o comitê composto pela equipe de manutenção e operação, e realizado quando necessário. Este comitê avalia o ocorrido e, pontualmente, propõe uma ação para evitar ou amenizar o problema apontado.

o oriento e comunico ao coordenador


...percebi que a minha motivação e a dos meus amigos para a atividade também incentivou outras pessoas, e o nosso grupo tem aumentado cada vez mais.

MOVIMENTE-SE

Jairson Fernando de Souza Técnico Segurança do Trabalho Unidade Tarumã/SP 6 anos de NovAmérica

E PERCEBA OS BENEFÍCIOS

QUANDO O ESPORTE TE LEVA À GLÓRIA

O ciclismo para mim é mais do que um hobby, já se tornou um esporte. Sou Fernando Loureiro, tenho 33 anos e estou na NovAmérica há sete anos. Hoje atuo como analista contábil e nas horas de descanso aproveito para praticar ciclismo.

Considero a autoconfiança o fator mais importante do jiu-jítsu, e isto é algo que levo para o tatame e para as lutas diárias da vida. Tenho 28 anos, sou Jairson Fernando de Souza, trabalho na NovAmérica há 6 anos como técnico de Segurança do Trabalho e comecei a praticar artes marciais com 14 anos, no judô.

Pedalo cinco horas semanais. Isso me faz bem e reflete pessoal e profissionalmente, pois é possível descarregar o estresse do dia a dia, me deixando mais tranquilo para executar minhas atividades com mais qualidade e precisão. Antes eu jogava futebol, mas agora eu optei por pedalar, e tenho levado esse esporte muito a sério. Comecei há cerca de um ano, por meio de um convite do meu primo, e passei a gostar da atividade. Após alguns meses, comprei uma bicicleta melhor e convidei mais alguns amigos, e assim montamos uma equipe. Nela participam alguns funcionários da NovAmérica, o comprador Rony Piemontez, o coordenador da área de Controle Rodrigo Piemontez e alguns mecânicos.

Pouco tempo depois fui convidado pelo mestre Rodrigo Merlin (Digão) a praticar jiu-jítsu. Foi quando percebi minha vocação para esta modalidade e me encantei. Atualmente meu treinador é o Nadin. Em todos estes anos, o esporte me mostrou como a união muda a nossa vida, pois ninguém mede esforços, não há barreiras nem diferenciações e te dá a possibilidade de vencer alguém maior que você.

agora optei por pedalar

Todas as lições aprendidas no esporte consigo trazer para o meu trabalho e para a minha vida pessoal. No início, o excesso de autoconfiança me trouxe consequências positivas, mas também negativas, e aprendi que não bastava treinar, deveria ter vontade e seguir a doutrina. Hoje treino três vezes por semana, num total de seis horas semanais. Já participei de vários campeonatos e perdi vários também, mas minha maior conquista foi o campeonato paulista em 2007, na faixa azul, peso leve, quando conquistei o primeiro lugar. Com isso, entendi que nem sempre está tudo muito bom, porque em qualquer lugar haverá alguém treinando mais. Por isso, quando se perde uma luta com raça você é ovacionado, todos te aplaudem e vibram, mas quando perde por displicência, não há nenhum tipo de congratulação.

Nós praticamos o cross country, ciclismo em estradas de terra, com alto nível de decidas e subidas, com pedras e raízes. Quando comecei nessa modalidade, foi tranquilo, não tive muita dificuldade, senti algumas dores no corpo apenas, mas iniciei pedalando poucos quilômetros e com o tempo fui ganhando mais resistência e já atingi um percurso de 120 km (de Caarapó até Fátima do Sul). Esse trajeto para mim é um grande desafio conquistado e cada dia que passa tenho vontade de superar um trajeto ainda maior. Já participei de encontros na região de Caarapó e nos estados de São Paulo e do Paraná. São momentos voltados para os amantes do ciclismo poderem se reunir, trocarem experiências e pedalarem. Além do benefício do ciclismo para mim, percebi que a minha motivação e a dos meus amigos para a atividade também incentivou outras pessoas, e o nosso grupo tem aumentado cada vez mais. Foto: bikemagic.com

me encantei Fernando Loureiro

Todo o suporte que tive foi da minha família e do jiu-jítsu, porque os dois construíram paralelamente o meu caráter e o que sou hoje. Nossa equipe é filiada à Carlson Gracie (região Marília/SP) e não me vejo sem lutar. Faz um ano que conquistei a faixa preta – última faixa na escala, e toda a graduação pode ser conseguida por tempo e por mérito, caso o mestre considere viável e acredite que você esteja pronto. Por isso, existe uma euforia quando alguém está prestes a trocar de faixa, pois é mais uma etapa vencida e mais um degrau acima, por isso chamamos de “Dia de Glória”.

Jairson está se dedicando durante este ano somente aos treinamentos, pois quer chegar em 2015 pronto para os campeonatos assumindo uma categoria, a Master, com atletas entre 30 e 35 anos.

Analista Contábil Contabilidade Unidade Caarapó/MS 7 anos de NovAmérica

Foto: Lucas Prestupa de Almeida


É preciso trabalhar muito mais do que trabalhamos para obtermos o sucesso desejado, mas, além disso, é preciso acreditar e investir em

negócios que darão resultados. Em sua terceira edição, o Dia de Campo realizado pela NovAmérica neste ano teve novidades. As mudanças agregaram ainda mais qualidade ao evento com a participação dos parceiros de cana, de fornecedores comerciais e convidados das duas regiões de negócio da empresa. No dia 18 de setembro, cerca de 450 pessoas visitaram a feira de exposição de máquinas e equipamentos e obtiveram informações referentes a acesso a linhas de crédito (financiamentos), como ver o futuro de forma positiva mesmo em meio à crise, novas tecnologias para o plantio, combate e controle de pragas da cana-de-açúcar e variedades.

AGRONEGÓCIO

Na abertura, Germano Trevisan, gerente financeiro da NovAmérica, apresentou aos participantes o painel sobre “Linhas de Crédito para o Produtor Rural”. “Levamos ao nosso público uma visão geral sobre o plano safra 2014/15, com ênfase nas modalidades de financiamentos disponíveis ao cultivo da cana-de-açúcar. Além disso, foram destacados alguns pontos de atenção para acesso ao crédito bancário, entre eles a obrigatoriedade de contratação do seguro rural, o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e o monitoramento ambiental”, contou.

buscar a produtividade unindo forças

“É preciso trabalhar muito mais do que trabalhamos para obtermos o sucesso desejado, mas, além disso, é preciso acreditar e investir em negócios que darão resultados. Por isso, para quem já produz cana-de-açúcar, continuem com ela, e para quem ainda não produz, mesmo que seja para ocupar 1/4 de sua propriedade, é importante saber que esta cultura será muito promissora nos próximos anos. Vai valer a pena”, afirmou Osmair Guareschi, produtor convidado do evento. Tivemos a presença de empresas comerciais de equipamentos e defensivos agrícolas (John Deere; Case IH; Valtra; FMC; Bayer; Syngenta), bem como institutos de pesquisa (CTC – Centro de Tecnologia Canavieira; RIDESA – Rede Interuniversitária para o Desenvolvimento do Setor Sucroenergético; IAC – Instituto Agronômico de Campinas).

Germano Trevisan

Fotos: Eric Clayton

Gerente Financeiro Unidade Tarumã/SP 4 anos de NovAmérica

“Conseguimos reunir todas as empresas, órgãos públicos e parceiros envolvidos em nossa lista de relacionamento, pois entendemos que o mercado não está em nossas mãos e nós temos que buscar a produtividade unindo forças, por meio da troca de informações e de experiências entre os nossos parceiros no sentido de termos um melhor rendimento dos nossos canaviais”, afirmou Carlos Flauzino.

Osmair Guareschi Produtor Rural

Carlos Flauzino Gerente Relacionamento com Fornecedor e Suprimentos Unidade Tarumã/SP 29 anos de NovAmérica


conscientizar os nossos colaboradores

Na ação Dia da Vida Saudável, realizada em agosto na unidade de Tarumã, 98% dos 1.390 colaboradores foram atingidos com as ações voltadas para a saúde e o bem-estar. Esta é uma das atividades programadas pela área de Saúde do Trabalho das duas unidades ao longo da safra 2014/15 para incentivar os trabalhadores a terem melhor qualidade de vida.

VIDA SAUDÁVEL

Ataíde José Pereira é colaborador da NovAmérica há 28 anos e considerou a iniciativa muito importante. De acordo com Vagner, todas as ações iniciadas neste ano já estão dando resultados. “Conseguimos a redução de peso de alguns colaboradores, o controle da pressão arterial e a redução de taxa glicêmica daqueles com diabetes. A atividade será realizada em Caarapó no mês de outubro com os colaboradores administrativos e operacionais”, completou.

25 ANOS

TEMPO DE REVITALIZAR

É O QUE QUEREMOS PARA VOCÊ Em todos os turnos de trabalho foram passadas orientações, realizados diagnósticos (glicemia, pressão arterial e índice de massa corpórea) e promovidas atividades físicas. “Conseguimos, por meio de palestras com profissionais especializados (nutricionista, psicóloga e educadores físicos), conscientizar os nossos colaboradores da importância de ter uma vida saudável”, comemorou Vagner Pedro, técnico de enfermagem.

PIMS

PARCERIA DO BEM

Marcelo Avanzi

Por meio de uma parceria com a Unimed Assis, os colaboradores, bem como seus familiares, também puderam se inscrever para a 2ª Caminhada do Bem. No total foram 60 inscritos da NovAmérica. “O incentivo de participar da caminhada da Unimed foi uma das ações do nosso dia, proporcionando momentos agradáveis que trouxeram benefícios à saúde física e mental de nossos colaboradores participantes e de suas famílias e, além disso, a oportunidade de ajudar uma instituição do município (Fundo Social de Solidariedade) com a troca de 1 kg de alimento pelo Kit Caminhada no ato da inscrição”, explicou o enfermeiro.

Vagner Pedro

Ataíde José Pereira

Enfermeiro Saúde do Trabalho Unidade Tarumã/SP 10 anos de NovAmérica

Analista Administrativo de Materiais Suprimentos Unidade Tarumã/SP 28 anos de NovAmérica

Gerente Administrativo e de Recursos Humanos Unidade Tarumã/SP 34 anos de NovAmérica

Janaína Moreira da Silva Analista de Controle Controle e Custos Unidade Caarapó/MS 8 meses de NovAmérica

Participar desse projeto me trouxe muito aprendizado sobre o sistema PIMS, fazendo com que eu usufrua melhor do sistema, conhecendo as informações que podem ser extraídas dele, facilitando o meu trabalho, aumentando a quantidade de informações com a possibilidade de novos apontamentos e garantindo a segurança dos dados.

Thaís Fernanda Alves Assistente Administrativa Controle e Custos Unidade Tarumã/SP 3 anos de NovAmérica

É muito bom esse tipo de ação, porque, embora tenhamos muito acesso à informação sobre saúde em vários meios de comunicação, atividades como essa ajudam a mobilizar as pessoas a se preocuparem com a sua saúde. Ainda tivemos a chance de participar da Caminhada do Bem, a qual estimula a prática de atividade física

Júlio Cesar Barros

Foto: Unimed

Analista de Sistemas Tecnologia da Informação Unidade Tarumã/SP 25 anos de NovAmérica

O desafio de revitalização do sistema de controle de Operações Agrícolas-PIMS foi lançado em fevereiro deste ano para os colaboradores da NovAmérica, principalmente para as equipes de Tecnologia da Informação e Controle Agrícola, juntamente com a Produção. E no aniversário de 25 anos de utilização desse sistema, temos ótimos motivos para comemorar, pois todos os módulos foram revisitados e estão próximos da sua utilização plena, o Novo Manfro está em operação, o quadro de Key-users está formado e trabalhando em parceria com os consultores, com um manual completo de utilização finalizado. Após oito meses do aceite deste desafio por parte das equipes, vale lembrar que este é o início para a empresa atingir o gerenciamento contínuo das informações, permitindo tomadas de decisões mais rápidas e precisas aos colaboradores no campo, impactando na performance, na qualidade e no custo das operações. “Nosso trabalho é fazer um levantamento da utilização do sistema para verificarmos o nível de aderência interno frente à do mercado e buscar ao máximo que a sua utilização suporte o dia a dia da empresa. Os processos da NovAmérica são bem estruturados, e por isso precisamos utilizar o sistema da melhor forma, com análise de dados precisa e com a democratização de acesso às informações”, comentou Bruno Garzim, consultor da TOTVS. Julio Barros, analista de sistema, diz que “a equipe acredita que os próximos passos/ganhos serão naturais a partir da maior utilização dos módulos, onde poderemos de uma maneira geral explorar mais os custos operacionais (equipamentos, locais de produção e as operações) de forma coerente, realmente no detalhe, pois desde 2002 tínhamos uma visão diferente desta do momento atual. Por isso, é importante lembrar de toda a equipe que contribuiu com o trabalho: Thaís Alves, Welliton Bueno, Rodrigo Piemontez, Janaína Moreira, José Carlos Lemes, Rodrigo Pena, Geraldo Santos, Fernando Loureiro, Margarete Cunha, Laércio Cassiano, Ana Bernardo, Arnaldo Cesar, Thiago Silva, Luciano Fontana e Ramalho Coelho”, explicou. Thaís Fernanda Alves trabalha na área de Controle e Custos da empresa e afirmou que o projeto de revitalização proporcionou um crescimento profissional e melhorou sua visão sobre o fluxo de informações. Janaína Moreira, analista de controle, enfatizou que a empresa terá um ganho muito maior com este trabalho. “Haverá mais agilidade nas informações imputadas, facilitando as tomadas de decisões, por isso para mim foi essencial a participação neste projeto, pois tive a oportunidade de aprender e usufruir das ferramentas que ele nos proporciona.” “Podemos dizer que todos os objetivos esperados foram devidamente alcançados, todos os que foram chamados a participar mostraram entusiasmo, comprometimento, sem os quais não seria possível celebrarmos o término desta fase. Nossos parabéns a todos os envolvidos”, disse Marcelo Avanzi, gerente administrativo e de Recursos Humanos.


COMO CHEGAR LÁ INSTRUÇÃO: ENSINO MÉDIO COMPLETO CNH CATEGORIA E EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: ESTAR NA EMPRESA HÁ, NO MÍNIMO, 1 ANO NO CARGO DE TRATORISTA OU DE MOTORISTA.

MOTORISTA CANAVIEIRO

COMMODITY

Quer se tornar um motorista canavieiro da NovAmérica? Então anote aí qual trilha deve percorrer para chegar lá. Sabe o que é melhor? A empresa oferece formação interna para este cargo. Basta procurar a área de Desenvolvimento Humano ou ler sempre os murais da empresa para ter mais informações.

VOCA BULÁ RIO

DISPONIBILIDADE DE VAGAS: AS OPORTUNIDADES DE VAGAS ACONTECEM NO INÍCIO DA SAFRA COM MAIOR FREQUÊNCIA, ACOMPANHE NOSSAS PUBLICAÇÕES PELO FACEBOOK E NOS MURAIS INTERNOS.

COMPARTILHANDO PALAVRAS

Foto: Letícia Pais

Termo inglês que significa “mercadoria”. Commodities (termo no plural) são produtos in natura, cultivados ou de extração mineral, que podem ser estocados por certo tempo sem perda sensível de suas qualidades, como suco de laranja congelado, soja, trigo, bauxita, petróleo, prata ou ouro, etc., geralmente originados do solo, de uso comum mundial e comercializados em lotes contendo uma quantidade mínima para contratos. Pra que servem? As commodities são formas de investimento, entre as tantas opções no mercado, como Poupança ou Fundos de Investimento. Para um produto ser uma commodity, uma forma de investimento, é necessário que exista uma estrutura de mercado em que vendedores e compradores negociem, ou seja, a cana-de-açúcar não é uma commodity, mas é uma mercadoria cujo preço recebe influência do açúcar, que é uma commodity, comercializado no mercado externo.

CRM Custo de Reparo de Manutenção. É uma forma de agrupar as principais contas que se referem ao processo de manutenção. Ao identificar esse custo, geramos condições operacionais para que equipamentos e serviços funcionem adequadamente com qualidade e baixo custo. O CRM engloba pneu, peças, serviços de terceiros e mão de obra própria.

Laércio dos Santos Cassiano

Claudinei Mariano

Coordenador Controle e Custos Unidade Tarumã/SP 30 anos de NovAmérica

Supervisor Manutenção Automotiva Unidade Tarumã/SP 16 anos de NovAmérica


vamos continuar crescendo juntos

Fotos: Arquivo/Paulo Miguel

Edição Nº10  

Jornal NA Íntegra Edição N10

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you