Page 1

magazine magazine PA R A A N OVA G E R AÇ Ã O D E PA I S

MODA magazine Primavera multicor EDUCAÇÃO A melhor escola para o seu filho FESTA INFANTIL Superprodução feita em casa VIAGEM Um dia em Tóquio ENTREVISTA Ingrid Guimarães no papel de mãe

nmagazine.com.br PRIMAVERA 2010 R$12 ISSN 2176-6371


sCARTA AO LEITOR

Quando estava editando a reportagem sobre festas de aniversário presente nessa edição, bateu uma melancolia danada das minhas comemorações de 6, 7, 8 anos. Nas semanas que antecediam o grande dia, a casa se transformava aos poucos. O cheiro de bolo da Dona Lisette invadia os cômodos. Seu Ingo trazia os engradados cheios de Laranjinha 250 ml. Os irmãos enchendo bexigas e fazendo estardalhaço. Todos na mesa da cozinha, margarina nas mãos, enrolando brigadeiros. Dormir no dia anterior? Impossível. Ficava deitado, coração a mil, esperando o dia nascer e tudo aquilo culminar no Parabéns a você. Posso dizer que produzir a n.magazine guarda sensações semelhantes. Os preparativos começam na procura dos colaboradores que vão ajudar na produção. Se a revista fosse uma festa, nessa edição o repórter carioca Rafael Teixeira seria uma espécie de produtor cultural do evento. É dele a bela entrevista com a atriz Ingrid Guimarães e a reportagem sobre o novo CD da banda Pato Fu. A editora Erika Kobayashi, com as informações coletadas sobre as linhas pedagógicas das escolas, seria nossa recreadora. Depois, é hora de pensar na “decoração”. Nessa edição, o tema principal veio da Espanha, nos traços da jovem ilustradora e fashion designer Carla Fuentes, que para a n.magazine desenhou um ensaio de moda – isso, mesmo, desenhou, mas guarde essa surpresa para logo mais. Por fim, é preciso registar. As fotos ficaram por conta Jair Lanes e Jean Phillipe Bedouret, que fizeram um ensaio incrível, e da queridíssima Andrea Marques, que retratou a nossa entrevistada. A lista de outros profissionais competentes que ajudaram nessa produção é grande, mas está chegando a hora. Tudo pronto, ficamos aqui na expectativa, com o coração a mil, esperando que vocês, nossos convidados, aproveitem a festa. Eduardo Burckhardt


Tempo de Criança Marina Person

Primeira viagem A farra de ser pai

18

24

32

36 Perfil O menino que queria ser livre

Sonhos

16

Eduçação Os percursos da educação infantil

14

Vitrine especial Calçados

12

Vitrine

10

DNA.N Alessandra Chwartzmann

8 Colaboradores

sSUMÁRIO

ENT REVISTA

ARQUIT ETURA

MODA

Um bate-papo divertido com a atriz – e mãe de primeira viagem – sobre trabalho durante gravidez, dificuldades na amamentação, papel do marido e até invasão de privacidade.

Conheça os berçários e colégios com projetos arquitetônicos nos quais o brincar e o aprender convivem em harmonia e auxiliam no desenvolvimento da criança.

As tendências da estação apresentadas em um ensaio instigante e colorido captado pelas lentes dos fotógrafos Jean Phillipe Bedouret e Jair Lanes.

Ingrid Guimarães

Escolas do futuro

Primavera em cor


94

95

96

98

Eventos N.

Comic

Casas do mundo Ousadia suíça

86

Livros

Bazar Leves e livres

80

Literatura Os novos clássicos

72

Portfolio Baú de memórias

68

Viagem Um dia em Tóquio

60 Moda Revolução dos bichos

Internet Como esse mundo é pequeno

46

BAZAR

FESTAS INFANT IS

MÚSICA

O clássico Sr. Cabeça de Batata revela os brinquedos mais interessantes para a garotada, de jogos de montar a um formigário para brincar de cientista.

Quatro mães que decidiram organizar por conta própria o aniversário dos filhos contam como foi toda a produção e falam das recompensas de se fazer a festa em casa.

Os bastidores do mais novo – e surpreendente – trabalho do grupo mineiro Pato Fu, um CD com hits nacionais e estrangeiros gravado apenas com instrumentos infantis.

É hora de brincar

Mães à obra

Pato de brinquedo


sCOLABORADORES

FOTOGRAFIA ANDREA MARQUES Sócia do estúdio Fotonauta, atua no mercado publicitário e editorial, além de fazer projetos pessoais. Adora viajar e fazer programas com a família toda. Para Andrea, infância rima com pular corda, casa de praia, piscina e brigadeiro.

STYLING E DESENHO CARLA FUENTES Ilustradora, designer de moda e fotógrafa, é considerada uma das grandes revelações criativas da Espanha no momento, título dado pelo jornal El País. Da infância, lembra das manhãs de domingo ao som de Chet Baker, que seu pai adorava.

TEXTO ERIKA KOBAYASHI Jornalista, editora, consultora de tendências. Da infância, lembra dos livros de lendas japonesas e de seu pai contando histórias, como a do menino que salva uma tartaruga e ganha como recompensa uma viagem ao fundo do mar.

FOTOGRAFIA JAIR LANES Nascido no Espírito Santo, mora em São Paulo e fotografa para grandes marcas e o mercado editorial, além de participar de exposições no Brasil e exterior. Dos tempos de criança, lembra de ter de deixar o futebol ao ouvir a mãe gritando pela janela que o almoço estava na mesa.

FOTOGRAFIA JEAN PHILLIPE BEDOURET Nascido na França, trabalhou em Paris com fotógrafos como Mario Testino e Guy Chevalier. No Brasil desde 1998, atua em moda e publicidade. Para ele, a “irresponsabilidade” da criança, que alimenta sua vontade constante de descobrir campos novos, é o marcante da infância.

TEXTO RAFAEL TEIXEIRA Virou jornalista para ouvir e contar histórias – e porque acreditou quando alguém disse que ele escrevia direitinho. Passou pela redação do Globo e hoje está na revista Istoé. Para ele, infância tem cheiro de férias em Minas e gosto de leite achocolatado.

magazine magazine

PUBLISHER/DIRETOR EDITORAL EDUARDO BURCKHARDT eduardo@nmagazine.com.br DIRETORA DE ARTE/ PROJETO GRÁFICO magazine SILVANA CATAZINE silvana.catazine@naifmagazine.com DIRETOR CRIATIVO JOSEAN VILAR josean@naifmagazine.com PRODUTORA EXECUTIVA JANAINA PEREIRA janaina@nmagazine.com.br GERENTE ADMINISTRATIVA PAULA LUIZE BURCKHARDT paulaluize@nmagazine.com.br EDITORA ROCÍO MACHO rocio@naifmagazine.com PUBLICIDADE publicidade@nmagazine.com.br

COLABORARAM NESTE NÚMERO TEXTO: Erika Kobayashi (edição), André Barcinsky, Carolina Tarrío e Vivian Sant’Anna (colunistas), Beatriz Zandonadi, Marilia Moschkovich, Rafael Teixeira, Rocío Macho, Viviane Aguiar. FOTOGRAFIA: Abisag Tüllmann, Andrea Marques/ Fotonauta, Claude Blaser, Erika Verginelli, Hiromi Kanno, Jair Lanes, Jean Phillipe Bedouret, Letícia Remião, Mette Ragner, Vivian Sant’Anna. Cláudio Pepper STYLING: Carla Fuentes Fortes e Flávia Padilha ILUSTRAÇÃO: Bwokaa, Carla Fuentes Fortes, Ricar, Siwei. DESIGN Joana Rodglá Alapont (estagiária)

REVISÃO: Ingo Burckhardt EDITORA EDITORA FLÂNEUR LTDA. REDAÇÃO Rua Fradique Coutinho, 137 São Paulo – SP – 05416-010 tel.: (11) 3063-2049 ASSINATURAS assinaturas@nmagazine.com.br OPERAÇÃO EM BANCAS Assessoria EDICASE www.edicase.com.br Distribuição Exclusiva em Bancas FERNANDO CHINAGLIA COMERCIAL E DISTRIBUIDORA S/A Manuseio FG PRESS www.fgpress.com.br IMPRESSÃO: IBEP Gráfica

CAPA Fotógrafo: Kristina Fender Styling: Christina Kapongo Modelo: Marcos Óculos e jaqueta vintage de LESWING

Em parceria com

magazine


12

T EMPO DE CRIANÇA

s

pInfância de praia, família e filmesp MARINA PERSON. CINEASTA E VJ. SÃO PAULO, 1969 fotografias ARQUIVO PESSOAL

Eu gosto muito de amendoeira. Não tenho essa imagem na memória exatamente, mas toda vez que eu vejo uma me dá uma sensação de paz muito boa e acho que isso vem da minha infância. Tinha uma amendoeira no quintal da nossa casa de praia em Ubatuba, na praia da Enseada, onde passava minhas férias. A casa era bem agitada, cheia de primos, com muitas crianças para brincar. Tinha uma mangueira na frente, além de uma amendoeira e uma pitangueira no quintal. Havia cachorros que não eram nossos, mas a gente cuidava deles porque viviam por perto. Meu pai dava comida, remédio para carrapato e eu os agarrava, queria mexer, brincar, dar comida, fazer carinho. Nossa infância sempre foi perto da natureza, pois morei até os 11 anos em um sítio em Itapecerica da Serra. Meu pai adorava estar cercado de gente e sempre gostou muito de festa. Eu me lembro bastante dele, com quem convivi até meus 7 anos, quando morreu. A minha infância doce, suave, vem dessa época: o sítio com primos, família e amigos do meu pai. Minha família é libanesa e os encontros aconteciam em torno da comida. Aprendi a cozinhar com a minha tia. Ela e minha avó faziam altas comidas! Eu acordava, tomava café da manhã e ficava na cozinha ajudando a abrir massa, fazer esfiha, kibe... A casa estava sempre cheia. Assim como meu pai, eu gosto desse movimento. Outra lembrança forte desse período é dos meus pais me levando ao cinema. O primeiro filme que vi foi Mágico de Oz. Fiquei fascinada com aquilo! Em casa tínhamos um projetorzinho Super 8 e víamos trechos de filmes no quarto. Era um programa que eu e minha irmã amávamos. Foi assim que vi pela primeira vez Chaplin, alguns filmes da Disney, O Gordo e o Magro e Mary Poppins. Guardo os rolinhos até hoje..

Marina Person, 41 anos, é cineasta e VJ da MTV desde 1995. Hoje, apresenta os programas Top Top e Viva!MTV. Formada em cinema, lançou em 2006 o documentário Person, um cineasta de São Paulo, sobre a vida e obra de seu pai, Luiz Sergio Person. Atualmente, Marina prepara seu primeiro longa de ficção, sobre adolescentes na São Paulo nos anos 80.


BORDADO A MÃO EM UM PAÍS TROPICAL


20

Básico e funcional

CONSUMMAN

Um amor de casinha

MERCAT TO CASA

VIT RINE

s

Que criança não iria adorar cuidar de uma planta que cresce dentro dessa casinha de madeira? Pequena na medida, pode ser pendurada na sacada do apartamento e receber uma mini-horta – que deve ser regada com amor.

Funcionalidade e design limpo e alegre são alguns pontos que baseiam as criações da Consumman Design Infantil. A empresa tem uma linha de produção com preocupação ecológica. Trabalha apenas com produtos e materiais recicláveis, tintas antitóxicas e madeira certificada na elaboração de brinquedos a mesinhas e cadeiras infantis. A simplicidade aliada ao bom gosto transparece na cartela de cores: laranja, verde musgo, vermelho amora, roxo, azul turquesa e verde abacate. Precisa ter mais do que o básico?

mercattocasa.com.br

cosumann.com.br


21

Essas lancheiras divertidas e super coloridas são produzidas com uma esponja ecológica semelhante ao neoprene. O material é resistente a manchas e ajuda a reter a temperatura dos alimentos – além de fazer o maior sucesso na escola. Podem ser encontradas na Piks.

supersoniko.com

ibruggerobjects.com

piks.com.br

Já é hora do recreio?

LANCHEIRAS DABBAWALLA

Os bichinhos da marca taiwanesa Züny trazem diversão para casa. Feitos em couro e costurados manualmente com técnicas de sapataria, além do uso na decoração podem ser usados como peso de porta e aparador de livros (os grandes) ou como peso de papel (os pequenos).

É o bicho!

ZÜNY

Ok, qualquer folha em branco resolveria a brincadeira do aviãozinho de papel. Mas os desenhos retrô desses modelos, o passo a passo bem explicado e os bonequinhos de piloto que vêm no kit vendido no site Supersoniko tornam tudo muito mais divertido.

Esquadrilha sem fumaça

ORIGAMI AIRPLANES

VIT RINE

s


PAPEL PRINCIPAL: MÃE

A

os 38 anos, Ingrid Guimarães é uma mãe típica. Acha Clara, sua filha de um ano, genial. Baba ao ponto do ridículo. Preocupa-se com o que ela vai ver na televisão ou descobrir na internet. Tenta, em vão, fazer com que a avó da criança – no caso, sua própria mãe – não dê chocolate para ela. Ao mesmo tempo, é uma mãe diferente. Atriz de sucesso, ela estava prestes a começar as gravações da novela Caras e Bocas e tinha programado o início das filmagens do longa De Pernas pro Ar (estreia em janeiro) quando descobriu que estava grávida. Ela e o marido, o artista plástico René Machado, queriam ter um filho, mas não exatamente naquele momento. Depois da apreensão inicial, foi só felicidade. A personagem da atriz na TV ficou grávida, o início da produção do filme foi adiado. Ingrid trabalhou até um mês antes do parto, e voltou três meses depois. Agora, Clara está inserida à sua rotina de trabalho. Neste bate-papo, a atriz fala sobre dificuldades na amamentação, papel do marido, trabalho durante a gravidez e invasão de privacidade. “Eu acho muita sacanagem fotografar nenenzinho recém-nascido”, diz, sobre os paparazzi. Em uma entrevista, você disse que bateu um pânico ao engravidar porque sempre foi uma pessoa programada. Como foi isso? Tinha me programado para esperar um pouco porque estava com dois trabalhos. A novela começava em três semanas e ia fazer meu primeiro protagonista no cinema. Então, eu falei: “Meu Deus do céu.” E aí? O primeiro pânico é assim: você sempre quis muito ser mãe e, de repente, você é. Fui mãe mais tarde por opção. Eu sempre quis estar melhor profissionalmente, não queria ter filho na ansiedade. Esperei, quis muito, programei – e era para ter sido mais para o fim do ano. As pessoas falam muito aquela frase, né? “Sua vida vai mudar muito.” Eu perguntava: “Gente, mas é para o bem ou para o mal?” Ninguém fala! É tanta coisa que falam pra você... “Você está preparada para não dormir?” Eu, então, que sou muito dorminhoca, pensava: “Nossa, eu vou viver um caco.” Eu, que moro sozinha há anos, sempre fui independente, amo viajar... Pensei: “Meu Deus do céu, como é que vai ser essa mudança?” Deu um medo. Como você lidou com essa ansiedade? Cheguei à conclusão que a gravidez é uma coisa tão maior que, quando você fica grávida, é porque tinha que ficar. As coisas vão se encaixando. Hoje, vejo que a minha vida mudou, e de uma maneira

super natural. Foi como se eu tivesse sido mãe a vida toda. A maternidade só trouxe coisa boa para mim. A frase que a minha família mais fala hoje é: “Quem te viu, quem te vê, hein, Ingrid?” A gente viaja para Búzios e todo mundo acorda ao meio-dia, mas eu acordo às 8h para ficar com a Clara. E as preocupações com relação ao trabalho? Todo mundo falava: “Você vai ficar exausta, você vai engordar, toma cuidado...” Eu tinha 36 anos, não era novinha. Então, foram dois dias de paranoia. Depois eu conversei com várias pessoas que me ajudaram. Era a época de leitura do roteiro do filme com a Maria Paula [atriz, sua parceira em De Pernas pro Ar], e ela disse: “Ingrid, eu voltei a trabalhar depois de três meses, fica tranquila.” A Maria Paula deve ter sido uma superconselheira, não? Ela é mãezona. No filme, sou eu e ela o tempo todo. Isso foi uma coisa que eu pedi: “Botem nesse papel alguém que seja mãe.” Porque não é fácil um set inteiro parar para você amamentar. E tem hora que não tem jeito, o leite está vazando... No filme, era hilário, porque às vezes eu entrava com peitão e saía com peitinho. Não tinha continuidade de peito no filme! [risos] Como é a Clara no set? Com três meses, eu levei a Clara para o set da novela. Tinha um camarim para ela. E como todo mundo da novela viu a minha barriga crescer desde que a Clara era um girino, quando ela chegou foi uma festa. O set girava todo em torno dela. Eu já pensava na roupinha que eu ia colocar nela porque eu sabia que todo mundo ia comentar! Já me disseram que parece que ela foi educada pela escola de cinema. A hora que ela queria mamar era quando a cena acabava. Dormia muito? Super dorminhoca. E como eu comecei, desde muito cedo, a levá-la para hotel e camarim, hoje ela dorme melhor em hotel do que em casa. Você acredita? A gente chega no hotel e ela dorme por oito horas, coisa que em casa ela não faz. Eu sempre tive essa ideia de que ia educar a minha filha para dormir em qualquer lugar e para ir com qualquer pessoa. Ela não estranha gente que não conhece? Ela é agitadésima, risonha, vai com qualquer [enfatiza o “qualquer”] pessoa, é até perigoso. Eu quis criar a minha filha para se adaptar à minha vida. Claro que hoje eu trabalho menos, hoje eu escolho. Tive que aprender uma coisa que eu nunca soube até hoje que é falar não. Sempre fui um pouco workaholic. Hoje, eu digo: “Não, eu vou ficar com a minha filha.”

27

s

ENT REVISTA

Famosa pelos personagens cômicos, a atriz Ingrid Guimarães conta os momentos de drama (e, claro, os de alegria) que viveu depois do nascimento da filha e como a presença da pequena Clara a está ajudando a controlar seu estilo workaholic Por RAFAEL TEIXEIRA Fotografias ANDREA MARQUES


32

EDUCAÇÃO

s

Os percursos da

Um dos pontos principais na escolha da primeira escola de seu filho é entender as linhas pedagógicas por ela adotadas. Desvendar essas nomenclaturas é fundamental para saber de quais maneiras uma criança pode aprender a se socializar e adquirir conhecimento Por ERIKA KOBAYASHI e MARILIA MOSCHKOVICH

A

criança mal aprendeu a falar direito e os pais já pensam no que ela vai ser quando crescer: líder pacifista, músico, chef renomado... Felizmente, os filhos não podem ser programados para atenderem todas as expectativas dos pais. Mas são justamente essas expectativas que podem se transformar em pista valiosa na escolha da primeira escola, que vai refletir o desejo dos pais quanto à maneira que seus filhos vão aprender a se relacionar com outras crianças e adultos, com o meio que os cerca e o modo como vão explorar conhecimentos neste mundo. Os diferentes modelos pedagógicos adotados pelas escolas surgiram para questionar o método tradicional de educação infantil, propondo novas abordagens e soluções. Em linhas gerais, eles se diferem em como o aluno constrói seu aprendizado e aprende a se relacionar com o mundo em que está inserido e aparecem mesclados uns aos outros. A maioria das escolas infantis não se prende a apenas um modelo pedagógico, exceto no caso da educação democrática, que possui características bem específicas. Na hora de fazer sua escolha, não se esqueça de levar em conta a personalidade de seu filho. Uma criança pode se adaptar melhor a uma determinada linha de ensino do que a outra. Por isso, nem sempre escolher a mesma escola para todos os filhos é a melhor solução. Além de mensalidade, instalações e corpo pedagógico consulte sua sensibilidade. Seu filho pode não se tornar aquilo que você sonhou, mas poderá desenvolver melhor suas potencialidades para descobrir quem ele quer ser.

SOCIOCONSTRUTIVISMO Une as descobertas de Jean Piaget e Lev Vygostky. Não é exatamente um “método”, pois não tem um formato rigidamente especificado: escolas socioconstrutivistas podem estimular o aprendizado de diversas maneiras, seguindo a premissa de que ele acontece pela interação da criança com o ambiente. O brincar e a imaginação são essenciais no processo e permeiam as atividades realizadas em sala, guiadas pelos adultos. O professor é um facilitador do aprendizado e instiga a curiosidade da classe dando inputs de conteúdo. As crianças são estimuladas a construir o conhecimento em conjunto a partir de um tema escolhido por elas. O tema gera diversas atividades sem estar preso à divisão por disciplinas. Os alunos de escolas socioconstrutivistas são estimulados a desenvolver iniciativa e espírito cooperativo. MÉTODO MONTESSORI Criado na Itália por Maria Montessori no final do século 19. As atividades acadêmicas são divididas em áreas de aprendizado, que vão desde as que trabalham a coordenação motora, passando por alfabetização e conceitos matemáticos. Elas são organizadas da mais simples à mais complexa, para que os alunos passem por todas as etapas. O processo de aprendizado é individual, ou seja, cada criança constrói o conhecimento, ao observar como o professor ou outro aluno realizam as atividades. Cada criança tem, portanto, um processo educativo diferente mediado pelo professor. Os alunos aprendem a desenvolver seu senso de organização, cuidado e limpeza.


educação infantil EDUCAÇÃO DEMOCRÁTICA Utiliza concepções socioconstrutivistas no processo educativo, mas há uma diferença fundamental entre as duas linhas: na educação democrática, professores, alunos, pais, mães e funcionários tomam juntos as decisões de gestão e educação da escola. O ensino é bastante livre e não há divisão de disciplinas, classes por faixa etária, nem horário para as atividades. Os educadores trabalham com todas as crianças da escola: eles avaliam o processo educativo junto às crianças e os pais, e estimulam os alunos a serem responsáveis pelo seu próprio processo de aprendizado. As crianças trabalham juntas em projetos interdisciplinares, desenvolvendo conteúdos de acordo com seu nível de experiência. Esse tipo de educação estimula os alunos a desempenharem diversas atividades sem perder o foco em seus objetivos, que devem estar em consenso com os do grupo.

PEDAGOGIA WALDORF Criada na Alemanha por Rudolf Steiner, no início do século 20, visa o desenvolvimento do indivíduo em todos os seus aspectos: físico, intelectual, sensorial, artístico, social e espiritual. O adulto é uma figura de afeto e atua como monitor das atividades e do desenvolvimento dos alunos como um todo: um professor acompanha uma turma durante os anos equivalentes a uma fase de seu desenvolvi– mento. Embora os conteúdos sejam repetidos, a abordagem deles se torna progressivamente mais complexa. As atividades estimulam a imaginação e o lado sensorial das crianças. A afetividade e a criatividade são valores importantes nessa linha pedagógica.

EDUCAÇÃO INFANTIL TRADICIONAL Não há um fundador do pensamento que baseia esse tipo de educação. Os conceitos de base da educação infantil tradicional surgiram com o processo de criação da escola como instituição responsável pela transmissão do conhecimento considerado correto. O adulto (professor) é o detentor desse conhecimento e não há muito espaço para que a criança o questione. O processo ensino-aprendizado é, portanto, unilateral. Os horários são bem regulares: atividades em sala, atividades fora da sala e um momento de brincadeira livre, a hora do recreio. Em sala, as crianças recebem atividades prontas, como figuras para colorir ou cartilhas de pré-alfabetização, que são realizadas individualmente de modo a estimular que o aluno complete a atividade reproduzindo um modelo pré-estabelecido. Esse modelo pedagógico tende a desenvolver alunos mais tolerantes.


46

INT ERNET

s

, E PEQUENO COMO ESSE MUNDO

... já dizia sua mãe. O discurso continua o mesmo. Porém, com seus blogs em ação, as mães modernas se referem a outro mundo: uma comunidade em que todas trocam experiências e palpites, mas se conhecem apenas virtualmente. Por VIVIANE AGUIAR

Mariana segue Roberta, que segue Paloma, que segue Renata... A antiga lógica de Quadrilha de Carlos Drummond de Andrade permanece firme e forte em tempos internéticos. Assim como a menos poética – e talvez mais científica – teoria dos seis graus de separação, que diz existirem apenas seis laços de amizade separando duas pessoas na Terra. Verdade ou não, a teoria não poderia ser mais apropriada para a blogosfera materna: uma mãe segue o blog da outra e, no fim, grávidas, pais e aspirantes formam uma típica (e virtual) cidade de interior, onde todo mundo se conhece, dá pitaco na vida do outro e formam grupinhos de acordo com as afinidades. Um desses grupos se formou mais ou menos em 2008, quando algumas mulheres que nunca tinham se visto na vida engravidaram e resolveram registrar a experiência num blog. Visita daqui, comenta dali e, num pulo, boa parte

delas se tornou amiga. E daquelas tão íntimas que parecem estar em sincronia: em 2009, quatro das seis mães que procuramos para esta matéria ficaram grávidas do segundo filho. “Olha, cuidado que os blogs de maternidade são altamente fecundos. Você lê e plop! Ovula instantaneamente”, alertou Mariana Zanotto, dona do superacessado Pequeno guia prático para mães sem prática. Para chegar a este grupinho, contamos com a ajuda das próprias blogueiras. Partindo de um blog que Mariana Zanotto segue, conhecemos outro. E deste, chegamos a mais um, a mais outro, até formar um verdadeiro liga-pontos – ou, melhor, uma “quadrilha” de mães conectadas no ciberespaço. “Somos um bando de tias virtuais babando nos filhotes alheios, acompanhando o crescimento, ajudando no que dá. Se juntar um grupo de blogueiras, qualquer um vai achar que são amigas de infância”, opina Mariana.


A POPULAR Quando ela posta, mais de mil pessoas leem. Não é qualquer site de notícias que consegue esse feito. Mas para a paulistana Mariana Zanotto, mãe de Lucas, recém-nascido, e Alice, de 3 anos, ganhar toda essa audiência foi algo natural. Superfalante, ela transferiu para a internet seu jeitão descolado e divertido de ser com textos que incluem um vocabulário só dela. Expressões como “embutido” (para se referir ao filho ainda na barriga) e “gravídico” (adjetivo de grávida, oras bolas) são neologismos que tornam o PeqGuia, como ela gosta de abreviar, único. Enquanto dá um tempo na carreira profissional, ela segue com o blog, compartilhando com as amigas virtuais desde dúvidas sobre o nome do embutido a assuntos sérios como a translactação. Para ela, postar é, hoje, tão parte da rotina quanto escovar os dentes. “Confesso que às vezes fico com vontade de tirar umas férias, mas em poucos dias me dá um faniquito e acabo voltando”. Até no quarto da maternidade, em trabalho de parto, ela empunhava o laptop para postar. “Adivinhem que espécie de dor em vai e vem eu estou sentindo?”. Mais de 70 comentários. Dois dias depois, fotos do ex-embutido, Lucas, com a irmã Alice aparecem no blog. E geram 115 mensagens das virtuais tias babonas. Mariana Zanotto, 30 anos, mora em São Paulo Pequeno guia prático para mães sem prática pequenoguiapratico.blogspot.com

A DIVERTIDA Mãe de Noah, de 1 ano e 9 meses, a empresária Roberta Zimmermann é uma das mais bem-humoradas da blogosfera materna. Seu site vive cheio de divertidas reflexões, como a que deu origem ao post Filhos do Neocid. Simples e informal, o texto divaga sobre a diferença entre seus hábitos de mãe moderna e sua própria infância entre os anos 70/80, que incluía o mata piolhos do título e viagens no bagageiro do carro (“sem cinto de segurança”). “Por trás dessa mãe que se orgulha tanto em dizer que o filho come espinafre e tofu, jaz uma menina que tomava um suco que vinha dentro de um revólver”, escreve. E aí seguem quase 40 comentários de mães que se identificam com o assunto. Identificação, aliás, é tudo no blog – inclusive, o responsável por seu surgimento. Quando Roberta estava grávida de Noah, seu marido ainda morava em outro estado. Por sugestão de uma amiga, ela passou a ler blogs sobre, claro, maternidade. “Encontrei companhia”. Não demorou muito para o Piscar de Olhos nascer. Ciente da força do blog – que chega a ter 12 mil visitas por mês – Roberta aproveita para fazer campanha. A Sanguenozoio, por exemplo, só tem bom humor no nome. Com a intenção de apoiar a votação do Projeto Ficha Limpa, ela angariou dois mil cliques favoráveis no abaixo-assinado. “Esse é, aliás, um sonho para mim. Mostrar pra essa galera mal intencionada que com mãe-leoa não se brinca”. Roberta Zimmermann, 35 anos, mora no Rio de Janeiro Piscar de Olhos piscardeolhos.wordpress.com


Primavera em cor Fotografia JAIR LANES e JEAN PHILIPPE BEDOURET Styling FLAVIA PADILHA


51

MODA

s

ARUÃ

Camiseta PATRÍCIO’S Calça MA POUPÉE


60

MODA

s

A REVOLUÇÃO DOS BICHOS ILUSTRAÇÃO E STYLING CARLA FUENTES FUERTES

GIRAFA Camiseta LOS DOS Saia T YROL Blazer MERCATORE Bolsa TIP TOEY JOEY


MODA

61

s


No sentido horário: quarto de Natasha; mesa de trabalho de Claude; hall de entrada; e Mathilda sobre a mesa da sala de jantar. No centro: quarto de Achille

CASAS NO MUNDO: SUÍÇA 72

s

Por PLINIO RIBEIRO JR., de París


CASAS NO MUNDO: SUÍÇA

No sentido horário: cozinha com um quadro negro; Achille na sala; as meninas na sala de jantar; e o “cantinho kitsch”

Claude Blaser não é fotógrafa profissional. Mas as imagens que posta em seu blog, o Petits Bonheurs (petitsbonheurs123.wordpress.com), e as que fez para a n.magazine mostram que bem poderia ser. Ela também não é decoradora. Porém, a casa onde vive com o marido e os filhos revela o senso estético de uma profissional. Objetos garimpados em lojas de design e mercados de pulgas compõem desde o quarto dos pequenos – Natasha, Achille e Mathilda – ao inusitado “cantinho kitsh” (à esquerda). “Queria uma casa divertida para eles”, diz Claude. “Para o mobiliário, priorizei peças versáteis e confortáveis”. O mérito não é só dela. “Meu marido também é apaixonado por design”, diz. E até as crianças dão seu toque: escolheram as cores dos quartos. Pois é, bom gosto pode ser genético.

Por ROCÍO MACHO

Desembarcamos numa vila próxima a Genebra para conhecer o lar da família Blaser e seus ambientes repletos de detalhes inspiradores

Ousadia suíça

73

s


75

Erika Verginelli

A

Por EDUARDO BURCKHARDT

Maes a obra

Realizar por conta própria a festa dos filhos exige tempo e dedicação, mas quem topa o desafio garante: vale cada minuto gasto

FESTAS

s

música estridente, os temas padronizados, a impessoalidade. São vários os motivos apontados pelos pais consultados nesta reportagem para explicar por que decidiram não aderir à praticidade dos bufês infantis na hora de fazer a festa de seus filhos. Em comum, todos tinham na memória seus aniversários de infância. Cenas da família inteira participando da organização do “grande dia” e a casa aos poucos se vestindo de festa. Para resgatar esse espírito, optaram por colocar a mão na massa – e nos balões, nos docinhos... “Uma festa produzida pelos pais é 100% personalizada, e os pequenos sentem isso” diz Janaina Pereira. “O esforço faz parte da diversão”, completa Greice Costa. Confira a seguir o que elas e outras mães bolaram para o aniversário dos filhos.


90

MÚSICA

s

de brinquedo O bom-humor e a sonoridade inusitada já característicos da banda mineira Pato Fu alcançam seu grau máximo no recém-lançado Música de Brinquedo, CD gravado apenas com instrumentos infantis Por RAFAEL TEIXEIRA


91

MÚSICA

s

“Olha, as duas cantoras maravilhosas! Eu tenho uma proposta para fazer”, incita Fernanda Takai. As tais cantoras são sua filha Nina e Mariana, amiguinha dela, ambas com 6 anos. A primeira está metida numa fantasia de dálmata, enquanto a outra veste uma roupa de princesa. Caso topassem o desafio, como recompensa tomariam banho numa banheira cheia de bolhas de sabão. A proposta é entrar no estúdio e dar um toque particular a Primavera (Vai Chuva), um clássico na voz de Tim Maia. Assim que Fernanda canta “trago esta rosa”, as crianças emendam: “para te dar!” No refrão, depois de “hoje o céu está tão lindo”, as meninas atacam: “vai, chuva!” O coro infantil é só um elemento no universo abarcado pela proposta de Música de Brinquedo (Rotomusic), novo disco da banda mineira Pato Fu. A ideia era gravar hits de outros artistas, brasileiros e estrangeiros, emprestando-lhes uma sonori-

Trabalho em grupo: os integrantes do Pato Fu viveram uma espécie de gincana na busca dos brinquedos com a melhor sonoridade para cada música


EVENTOS N.

92

02 02 01

03

04

05

06

Showroom Zero a Doze 1. Flávia Rotondo e Alexandre Manetti (Comteporâneo BFA) com Waleska Calazans (Ronaldo Fraga Para Filhotes), no centro; 2. o artista plástico David Dalmal; 3. João Foltran (John John Kids); 4. Carlos e Roberta (Varal); 5. Eduardo e Janaina (n.magazine); 6. a artista plástica Suppa; 7. Eli Ciasca (Mercatto Casa); 8. Fabi Malavazi (Fabi Malavazi); 9. Sheila Rocha (Lili Bag); 10. Marta Rodrigues (Fábula); 11. Maria Eugênia (Lílian Pimenta)Sônia Negraes (Petit Calin); 12. Silmara Ruman (Silmara Bebê)

Showroom Zero a Doze Conferimos os lançamentos da primavera/verão 2010/2011 no evento realizado no Terraço Daslu, em São Paulo. No stand da n.magazine, um mini estúdio foi montado para recepcionar quem chegava para conhecer o que de mais bacana está sendo feito no setor de moda infantil no país. E dava até para ter seus minutinhos de modelo! O resultado você confere acima.

Showroom Baby Bum Uma revoada de borboletas indicava onde estava a n.magazine no showroom infantil realizado no Centro Tomie Ohtake, em São Paulo. Moda, decoração, brinquedos e serviços relacionados com o universo infantil foram apresentados durante os quatro dias do evento, que tinha ainda oficinas voltadas para os pais e atividades para crianças.


ONDE ENCONT RAR

08 09

11

10

12

ONDE ENCONT RAR

07

MI CASA A DE AURÉLIA micasa.com.br adeaurelia.com.br MINI HUMANOS A FÁBULA minihumanos.com.br afabula.com.br MIXED KIDS BABY BASICS mixed.com.br babybasics.com.br 97 MORENA ROSA   BANHO MARIA grupomorenarosa.com.br s banhomariasp.com MOSHI KIDS BBTRENDS moshikids.com.br bbtrends.com.br MÓVEIS 100T BIBI CALÇADOS 100t.com.br bibi.com.br ONBONGO KIDS BOYS WILL BE BOYS onbongokids.com.br boyswillbeboys.com.br O SORRISO DO GATO CALVIN KLEIN JEANS sorrisodogato.com calvinkleinjeans.com.br OVO CHILLI BEANS familiaovo.com chillibeans.com.br PAMPILI CLUBE DO BRINQUEDO clubedobrinquedo.com.br pampili.com.br PATRÍCIO’S  COISAS DA DORIS patriciosvirtual.com.br coisasdadoris.com.br PIKS COOL BABY piks.com.br coolbaby.com.br PINGUINO COSUMANN pinguino.com.br cosumann.com.br PUC CRY BABY crybabystore.blogspot.com puc.com.br PURAMANIA KIDS DOUDOU puramaniakids.com.br doudou.com.br QUINTAL ENFIM ENFANT roupadequintal. enfimenfant.com.br blogspot.com ETNA Q-VIZU etna.com.br qvizu.com.br FABI MALAVAZI RI HAPPY fabimalavazi.com BRINQUEDOS FORROZINHO DE GALA rihappy.com.br forrozinhodegala.com.br ROCK ME BABY GASPAR alldaysofsummer.blogspot. (11) 5181 4544 RONALDO FRAGA com PARA FILHOTES GOA PEQUENOS ronaldofragafilhotes. goapequenos.com com.br GREEN SANTA MARIA greenymissako.com.br DE LAMAS HAVAIANAS (11) 3062 7490 havaianas.com.br SANTA PACIENCIA HERING KIDS santapaciencia.com.br heringkids.com.br SAVANNAH KIDS HIBOU savannahkids.com.br hibou.com.br SUPERSONIKO IBRÜGGER supersoniko.com.br ibruggerobjects.com TINOK IMAGINARTE imaginartedesign.com.br tinok.com.br TIP TOEY JOEY IOIO 4 FUN tiptoeyjoey.com ioio4fun.com.br TRENZINHO KUIKA   BRINQUEDOS kuika.com.br EDUCATIVOS LACOSTE  trenzinho.com.br lacoste.com TYROL LEZANFAN tyrol.com.br lezanfan.com.br UAUÁ BABY LILICA RIPILICA uauababy.blogspot.com lilicaripilica.com.br UNIVERSO LOCOMOTIVA MATERNO locomotiva.com.br universomaterno.com LUDIQUE ET BADIN YOU ludiqueetbadin.com.br youbymo.com LUPO   ZINCO   lupo.com.br zinco.com.br MA POUPÉE  mapoupee.com.br MÉLANGE melange.com.br MERCATORE mercatore.com.br MERCATTO CASA mercattocasa.com.br

nmagazine  

revista nmagazine_primavera2010

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you