Issuu on Google+

magazine

m aAgAaNzO iV n PAR A e GERAÇÃO

DE PAIS

Viagem

Tailândia com filhos pequenos

Exclusivo Entrevista com Carolina Herrera

Bem-estar Benefícios da yoga infantil

Autismo

Crianças em um mundo particular

Literatura

Livros para ler antes de crescer

nmagazine.com.br OUTONO 2011 R$ 12 ISSN 2176-6371

00005

9 772176 637007


30

44

Cultura Proibido não tocar!

Casas no mundo:Holanda Uma casa para lembrar

20

Ben-vindo

Ben-vindo

a minha BOLHA

,

saúde

s

18

Vitrine

38

16

Check-in Paris, capital do design infantil

14

Minha festa Piquenique no parque

Sonhos

12

DNA.N Arthur Nunes e Paolo Conti

10

Primeira viagem Mãe é bicho

8 Colaboradores

sSUMÁRIO

38

a minha BOLH

,

saúde

s

ENT REVISTA

SaÚDE

MODA

Em uma conversa exclusiva com a n.magazine, a herdeira do império fashion CH fala sobre maternidade, rotina atribulada e seu engajamento em temas ambientais

Uma reportagem especial apresenta o que é e como se manifesta o autismo e revela histórias de mães que aprenderam a conviver com filhos que têm o distúrbio

O filme de Sofia Coppola foi o ponto de partida para o belo ensaio de moda clicado por André Brandão na Avenida Paulista, com styling de Flávia Padilha

Carolina Herrera

Bem-vindo à minha bolha

Lost in translation


94

96

98 Comic

Tendências Novidades à italiana

92

Endereços

Bazar Calçados

90

Livros Rimas ricas

Ideias Made by mamãe

BELA THAI

88

Literatura Para ler antes de crescer

76

Social Baile da vida

72

Portfolio Luiza Pannunzio: poesias visuais

48

Tailândia em família? A publicitária Patrícia Papp, autora do livro Crianças a Bordo – Como Viajar com Seus Filhos Sem Enlouquecer (Ed. Pulp), desbravou o país com o marido e os pequenos Pedro e Luiza e nos conta sua aventura Texto PATRÍCIA PAPP Fotos ClAudIo RuARo e NuNo PAPP Mapa FABIo dudAS

A culinária de sabores marcantes, as praias-cartão-postal, as cores vibrantes, a cultura exótica e os templos, muitos templos. Todas as imagens icônicas da Tailândia sempre me fascinaram. Quando surgiu a oportunidade de uma viagem de quase um mês para lá, nem passou pela minha cabeça deixar passar essa chance. Detalhe: com dois filhos pequenos – o Pedro tinha seis anos e a Luiza, um ano e dois meses. “Que loucura!”, alguns me diziam. Mas não foi um decisão tomada no impulso, simplesmente por minha fascinação pelo país. Já tinha ouvido falar que os tailandeses eram super child friendly, e isto era um ótimo começo. Outro aspecto positivo é que a Tailândia é um destino barato para os brasileiros: um indicativo de que ficaríamos bem instalados com as crianças sem gastar muito. Além disso, eu adoro a culinária tailandesa e sabia que eles consomem muitas frutas, como melancia e abacaxi, então a alimentação também não parecia ser um empecilho – por via das dúvidas, levei um bom estoque de leite em pó, papinhas e barrinhas de cereais na mala.

MODA

VIAGEM

BEM-ESTAR

As tendências, estilos e cores para a moda infantil neste outono são revelados no ensaio fotografado pelo Javier Ferrer Vidal em Valência, na Espanha

Que tal visitar a exótica Tailândia com seus filhos? A publicitária Patrícia Papp percorreu o país com sua família e nos conta suas impressões e dicas

Conheça os benefícios da prática da yoga para o desenvolvimento físico, social e pessoal das crianças e confira uma aula montada especialmente para elas

Outonal

Bela Thai

Semente de yoga


12

PRIMEIRA VIAGEM

s

pMãe

é bicho p

Por SILVIA FARO Ilustração BWOKAA

Quando eu era criança e não entendia algum instinto mais abrupto da minha mãe, ela sempre me respondia com a frase “Mãe é bicho”. Eu não dava muito crédito e, de certa forma, até debochava dessa resposta excêntrica dela. Isso até me tornar mãe... No milésimo de segundo após o nascimento da minha filha, eu me transformei em bicho. Posso afirmar que o instinto de proteção da cria é tão intenso e avassalador que chega até a assustar a minha parte humana. Se a enfermeira da maternidade atrasasse para trazer meu filhote para amamentar, eu rosnava. Se eu achasse que ela a retirava do berço sem delicadeza, eu claramente bufava! Qualquer pessoa que ousasse tocar minha filha sem lavar as mãos antes, eu rugia! Não é qualquer um que eu gosto que a pegue no colo. Juro, não sou uma mãe fresca ou cismada com as pessoas, mas tem momentos em que, se uma pessoa que nunca vi na vida quiser tirar meu bebê do meu colo, eu vou mugir mesmo. Dou um exemplo: estava mamãe-leoa (eu) e papai-urso (marido) com nossa gatinha almoçando calmamente num restaurante quando um senhor se aproximou e disse: “Ah, que gracinha! Que menininha mais sorridente! Olha aqui para o vovô, olha!? Dá vontade de sequestrar uma belezinha dessas!” Minha Nossa Senhora da Aparecida, me segura! Eu vou voar no pescoço desse homem e em dois segundos estraçalhá-lo! Eu devo ter feito uma cara de touro olhando para o pano vermelho que se agitava que o vovozinho foi embora rapidinho com o rabo entre as pernas. Pois é, virei bicho! Sou capaz de passar fome, frio, sono... Tudo só para ter a certeza de que meu rebentinho está bem. A todas as mães e pais bichos que, como eu, urram, grasnam, chirlam, latem, relincham, piam e cacarejam, saibam que não são os únicos. E fiquem tranquilos, lamber a cria é saudável!

Silvia Faro, 31 anos, é atriz, licenciada em Letras, apresentadora do programa Mãe de Primeira Viagem no YouTube e mãe de Lis, de 8 meses. silvinhafaro.com.br


10

© Till Thomas / Sonho ilustrado por Till Thomas para elmonstruodecoloresnotieneboca

SONHOS

s

Sonhei que estava em um labirinto e não parava de correr. O labirinto era rosa. Tinha água e fantasmas. Quando eu pedia algo, aparecia. Então disse “escada”, e escapei por ela. Jesus, Espanha Elmonstruodecoloresnotieneboca é um projeto no qual artistas de todo o mundo desenham os sonhos descritos por crianças. Quer ver o sonho de seu filho ilustrado na n.magazine? Envie um email para elmonstruodecoloresnotieneboca@gmail.com contando a história. Não esqueça de colocar a palavra SONHO no “assunto” do email.


20

LOLUDI

Pai, é um cavalinho?

nobodinoz

Design infantil a um clique

vit rine

s

Não é à toa que nossa colunista de tendências, Murielle Bressan, está sempre antenada com as novidades no mercado infantil. Ela percorre as principais feiras do setor no mundo para selecionar para os leitores os produtos que virão por aí e também para escolher novos produtos para as suas lojas Nobodinoz, localizadas em Barcelona. Mas não é preciso ir até a Espanha para ver os brinquedos, roupas e itens de decoração garimpados por Murielle. No site, há um shopping online com tudo. E o melhor: a entrega pode ser feita no Brasil!

Sim, pode ser um cavalinho... ou o animal que a imaginação mandar! Com design de formas inusitadas, é revestido de couro sintético ecológico e pode ser encontrado também na versão sem rodinhas– ideal para os cowboys menorzinhos. Aiooooooooooo, Silver?

nobodinoz.com

loludi.com.br


24

PLayst ick

As estampas divertidas já são marca registrada da grife Ovo. Na coleção de inverno 2011, elas passeiam por épocas distintas, da era dos grandes dinossauros a um futuro com robôs e estranhos seres de Marte. Já dá para embarcar nessa máquina do tempo?

O quarto do filho precisa de vida nova? Que tal colocar monstrinhos inspirados em toy art subindo pelas paredes? Ou então apostar nos adesivosbrinquedo da Playstick. Tem pista de carrinhos e até a tradicional amarelinha. É só colar no chão para começar a brincadeira.

inhotim.org.br

familiaovo.com

playstick.com.br

Túnel do tempo

OVO

A visita ao incrível Museu Inhotim, em Brumadinho, pertinho de Belo Horizonte, rende surpresas até o final. Na lojinha, peças de design como este banco infantil e jogos de memória descolados garantem mais alguns bons momentos de contato com a arte.

Arte até na lojinha

MUSEU INHOT IM

Pelas paredes... e chão

vit rine

s


26 26

s

ENT REVISTA

ENT REVISTA

s

Os novos desafios da herdeira do , imperio CH

Carolina Herrera carrega o peso de de terter o mesmo nome da da mãe, a fundadora do do Carolina Herrera carrega o peso o mesmo nome mãe, a fundadora colosso fashion CH, e está à frente da da criação dasdas fragrâncias da da grife. Mas elaela quer colosso fashion CH, e está à frente criação fragrâncias grife. Mas quer mais. Mãe de de três filhos, nosnos últimos anos, tornou-se porta-voz de de programas mais. Mãe três filhos, últimos anos, tornou-se porta-voz programas ambientais e investe emem projetos queque envolvem a educação ecológica de de crianças ambientais e investe projetos envolvem a educação ecológica crianças Por NACHO LARRAZABAL, de Madri Por NACHO LARRAZABAL, de Madri

dos produtos orgânicos e que conta com uma rede de lojas com Filha de uma das grandes figuras mundiais da moda, o que se espaços para cursos e oficinas focados na educação ecológica esperava de Carolina Herrera é que crescesse à sua sombra. dos produtos que conta com uma rede lojas com Filha de empresária, uma das grandes figuras mundiais moda, o que se dos pequenos. Foiorgânicos no estúdioeda Baby Deli de Madri quede Carolina Porém, essa nascida em Caracas, nada Venezuela, espaços para cursos e oficinas focados na educação ecológica esperava de Carolina Herrera é que crescesse à sua sombra. Herrera recebeu o repórter Nacho Larrazabal. “Seu look simples desde cedo se empenhou para não ser mera coadjuvante da dos pequenos. Foi no estúdio Babyrelaxado Deli de Madri que Carolina Porém, essa empresária, nascida em Caracas, na Venezuela, e elegante, seu aspecto jovem e o da sorriso transmitem história de sucesso da mãe. Cursou Bioquímica e Biologia Herrera recebeu o repórter Nacho Larrazabal. “Seu look simples desde cedo se emprenhou para não ser mera coadjuvante uma grande sensação de serenidade, algo surpreendente tendo em Nova York e começou a trabalhar na empresa familiar em e elegante, seu aspecto jovem e o sorriso relaxado transmitem da história de sucesso da mãe. Cursou Bioquímica e Biologia em conta o ritmo frenético da sua rotina diária”, conta Nacho. 1997. Há 14 anos, leva com pulso firme e extremo êxito o deuma grande sensação de serenidade, algoseu surpreendente tendo em Novade York e começou a trabalhar na empresa familiar para n.magazine, ela fala sobre papel de mãe, partamento criação das fragrâncias Carolina Herrera, uma em Na entrevista em conta o ritmo frenético da sua rotina diária” , conta Nacho. 1997. Há 14 anos, leva com pulso firme e extremo êxito o desobre a avó Carolina Herrera e revela como ensina os filhos a das principais bandeiras da marca. Na entrevista paracom n.magazine, ela fala sobre seu papel de mãe, partamento de o criação das fragrânciasMiguel Carolina Herrera, dos cuidados o meio-ambiente. O casamento com toureiro-celebridade Báez “El uma respeito sobre a avó Carolina Herrera e revela como ensina os filhos a das principais bandeiras da marca. Litri”, em 2003, a fez trocar Nova York por Madri, na Espanha, respeito dos cuidados com o meio-ambiente. O casamento com o toureiro-celebridade Miguel Báez “El Diretora de criação das fragrâncias Carolina Herrera, embaixaonde fixou sua base para criar os três filhos pequenos – de , em 2003, a fez trocar Nova na Espanha, dora da Fundação Al Gore, seu trabalho na Baby Deli, mãe de seis,Litri” cinco e dois anos e meio. Ao seu York papelpor de Madri, mãe e de deDe criação dastempo fragrâncias Carolina Herrera, embaixaonde fixou base anos, para criar os três filhos pequenos trêsDiretora crianças... onde tira para tudo? empresária, nossua últimos também tem somado o de – de dora da Fundação Al Gore, seu trabalho na Baby Deli, mãe de seis, cinco e dois anos e meio. Ao seu papel de mãe e de Como tudo na vida, é uma questão de organização. Algumas figura defensora da ecologia e da proteção ao meio-ambiente. três crianças... De onde tira tempo para tudo? empresária, nos últimos anos, também tem somado o de vezes você tem que dizer não a muitas coisas interessantes, e Atividade que desenvolve desde seu posto como embaixadora tudo vida, é uma questão de organização. Algumas figura defensora daimpulsionado ecologia e dapelo proteção ao meio-ambiente. paraComo outras, nãona resta outro remédio senão sacrificar sua vida do The Climate Project, ex-vice-presidente vezes você tem que dizer não a muitas coisas interessantes, Atividade que desenvolve desde seu posto como embaixadora pessoal pelo trabalho. É um pouco como um jogo, um quebra-ca- e americano Al Gore e através da criação da Baby Deli, plataforpara não resta outro remédio sacrificar sua vida do The Climateque Project, impulsionado ex-vice-presidente beças no outras, qual tem que ir buscando o lugarsenão adequado para cada ma multidisciplinar nasceu com a ideiapelo de orientar as mães pessoal pelo trabalho. É um pouco como um jogo, um quebra-caamericano Al Gore e através da criação da Baby Deli, plataforpeça. Se você gosta do que faz e não cria nenhum drama, dá para sobre os benefícios para os filhos – e para o meio-ambiente – beças no qual tem que ir buscando o lugar adequado para cada ma multidisciplinar que nasceu com a ideia de orientar as mães peça. Se você gosta do que faz e não cria nenhum drama, dá para sobre os benefícios para os filhos – e para o meio-ambiente –


30

CULTURA

s

proibido nao tocar!

Os museus infantis convidam as crianças a descobrir o mundo que as rodeia com os cinco sentidos. Arte, cultura e ciências são apresentadas a elas em atividades interativas – e com muita diversão! Por ROCÍO MACHO


Não ultrapasse. Não toque. Não fale. Entre tantas boas lembranças das idas aos museus nos tempos da escola, também ficou decorada a lista de restrições a que éramos submetidos. Encostar naquele quadro supercolorido que chega a dar vertigem? Não. Posso entrar debaixo do dinossauro? Nem pensar. E se eu cruzar essa linha amarel... Lá vem o segurança com cara de buldogue. Para a sorte da nova geração, tem se multiplicado nos últimos anos o número de museus infantis. Locais onde, ao invés de serem proibidas de tocar nas peças, as crianças são incentivadas a se aproximar, experimentar e descobrir por si próprias os mistérios da natureza, da arte e de outros temas. Esses museus são desenhados especialmente para que elas, através da brincadeira e de experiências educativas cheias de interatividade, aprendam a conhecer e compreender a complexidade de seu entorno. Algo essencial para a turma que passa horas na frente da TV ou do videogame. O psicólogo americano Daniel Goleman ressalta em seu livro O Espírito Criativo (Editora Cultrix), que as crianças de hoje “dispõem de mais informações sobre uma maior variedade de lugares e coisas, porém, têm menos experiências em profundidade”. Ou seja, elas até sabem mais, mas compreendem menos os processos pelos quais acontecem as coisas ao seu redor. Os museus infantis podem, de certa forma, suprir parte dessa carência. A ideia de um museu para crianças não é de hoje: o primeiro foi criado em Nova York em 1899. Mas nos últimos anos eles têm se multiplicado. “A tendência é que vá continuar na mesma linha, já que cada vez mais comunidades buscam enriquecer a vida cívica e familiar com os museus para crianças”, diz Janet Rice Elman, diretora da Association of Children’s Museums, entidade que agrupa mais de 500 museus infantis. Conheça a seguir, algumas dessas instituições onde, sim, é permitido tocar, falar e dar asas à imaginação.


38

a minha BOLHA

,

saĂşde

s

Ben-vindo


Estima-se que 1 em cada 110 crianças seja portadora de autismo. Apesar disso, ainda há muita falta de informação e erros de diganóstico relacionados ao distúrbio. Conheça como ele se manifesta e histórias de mães que aprenderam a entender o mundo particular de seus filhos Por RENATA GALLO Ilustrações MIGUEL GALLARDO 39

s

saúde

E

nquanto os meninos de 7 anos vibram com os saltos do Homem-Aranha, Diego prefere seus brinquedinhos de borracha. Matheus, de 11 anos, pode passar horas no gira-gira do parquinho, sem sentir-se atordoado ou notar a presença de outra criança. Já Lucas, de 8 anos, tem madrugadas agitadas, sem dormir, quando recebe uma visita em casa. Diego, Matheus e Lucas não gostam de sair de casa, não estudam em uma escola convencional e evitam o contato visual, seja com desconhecidos ou com parentes próximos. Os três são portadores do Transtorno do Espectro Autista (TEA) e têm uma visão muito particular do mundo. “Os autistas enxergam o mundo de maneira caótica e vivem em confusão permanente. Recebem as informações fragmentadas e não conseguem organizá-las de forma coerente”, explica o psiquiatra Estevão Vadasz, coordenador do Programa de Transtornos do Espectro Autista (Protea) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, de São Paulo. Por não saber decodificar essa cascata de informações, sofrem de problemas comportamentais. “O autista é voltado para si próprio e sua maior dificuldade é a comunicação. Eles têm uma captação sensorial diferente, confusa. Minha filha, por exemplo, diz que correr é vermelho e já conheci crianças que, quando comem sal, dizem que sentem frio ou que, quando escutam um barulho, decodificam uma cor”, conta Eliana Boralli, psicóloga e fundadora da Associação dos Amigos da Criança Autista (Auma). Eliana é mãe de Natália que, aos 2 anos, parou de andar, falar e voltou para a fralda. Um caso raro de autismo, no qual a criança tem uma primeira infância aparentemente normal e depois começa a regredir. Depois de passar por diversos consultórios, saga comum entre os pais com filhos especiais, Eliana teve o diagnóstico e o prognóstico que, na adolescência, Natália teria de ser internada em uma clínica. “Se eu deixasse, minha filha ficaria na quina da parede, de costas para o mundo, balançando o corpo o dia todo, mas resolvi lutar”, diz Eliana. No quintal da sua casa, fundou a Auma para receber crianças que tinham o mesmo problema e não conseguiam estudar em uma escola convencional e passou a estudar o distúrbio. “Eu poderia ter sido uma vítima do autismo e ter me entregue, mas daí minha dor teria sido maior do que o amor que tenho pela minha filha”, diz. Para ela, o conhecimento é o melhor caminho para os pais de crianças especiais. “Cada mãe tem de construir o seu manual. Ler muito, ter contato com outros pais na mesma situação, trocar informações. Com isso, o medo, a negação, a angústia, a culpa, tudo tende a melhorar”, ensina. “Com os estudos, Natália voltou a ser minha filha e eu passei a ter novamente domínio sobre ela, não tinha mais medo dela porque nada mais me era desconhecido”, diz Eliana.


44

casas no mundo: holanda

s

Uma casa para lembrar A ilustradora Julie Hendriks mudou-se recentemente da casa onde morava com sua famĂ­lia em Haia, na Holanda. Como despedida, ela fotografou para a n.magazine o lar onde seus filhos viveram os primeiros anos Por EDUARDO BURCKHARDT


Paredes e mais paredes para rabiscar livremente com giz colorido. Balanço bem no meio do corredor. Não apenas um, mas vários cômodos para brincar – e ser feliz. Essas talvez sejam algumas das imagens que os pequenos Puck e Beer vão lembrar da primeira casa na qual viveram. Para sua mãe, a ilustradora Julie Hendriks, autora do belíssimo blog Berlala (juliehendriks.blogspot.com), as recordações vão ainda mais longe. O casarão, localizado num simpático bairro entre a praia e o Centro de Haia, na Holanda, era a antiga oficina de seu pai. Foi um local onde circulou por toda a infância e que depois serviu de primeira moradia para todos os seus irmãos quando saíam das asas dos pais e, até o final

do ano passado, para ela e sua família. Antes de dar adeus ao lar que observou os primeiros passos de Puck e Beer, Julie fotografou para a n.magazine os cômodos preferidos de sua (agora antiga) casa e contou detalhes que podem inspirar os pais a construir para seus filhos um lugar que, certamente, também será repleto de boas recordações . O que você levou em conta ao decorar sua casa? Tinha que ser lugar no qual pudéssemos viver bem com nossos filhos, com muitos espaços para brincar – e lugar para um balanço e um trampolim! E também precisava ser acolhedor, onde houvesse inspiração para desenhar e pintar.


52

MODA

s

LOST IN TRANSLATION Fotografia ANDRÉ BRANDÃO Styling FLÁVIA PADILHA


LUANA Vestido e colar MÉLANGE Cardigã BONPOINT Chapéu SPAZIO VINTAGE (para locação) Meia, acervo

ENZO Moletom PINGUINO Óculos SPAZIO VINTAGE (para locação)


62

Fotografia JAVIER FERRER VIDAL Styling ANALIA LANFRANCO

MODA

s

outonal

Lucia Casaco azul Puc Quimono Minihumanos Colete preto ZIG ZIG ZAA


40 72

TAILANDIA BAZAR

s

, ja pra rua!

Fotografia e styling Le Jeans


1

1. Têmis TIP TOEY JOEY 2. Saila de tule, acervo. Calça sarouel GREEN. Galocha estampada SANTA PACIÊNCIA. 3. Tênis RONALDO FRAGA PARA FILHOTES para BIBI. 4. Camiseta EL CABRITON. Calça CAMÚ-CAMÚ. Tênis BIBI 5. Vestido CAMÚ-CAMÚ. Bota PAMPILI.

4

s

BAZAR

2

73

3 5


78

VIAGEM

s

BELA THAI

Tailândia em família? A publicitária Patrícia Papp, autora do livro Crianças a Bordo – Como Viajar com Seus Filhos Sem Enlouquecer (Ed. Pulp), desbravou o país com o marido e os pequenos Pedro e Luiza e nos conta sua aventura Texto PATRÍCIA PAPP Fotos Claudio Ruaro e Nuno Papp Mapa FABIO DUDAS

A culinária de sabores marcantes, as praias-cartão-postal, as cores vibrantes, a cultura exótica e os templos, muitos templos. Todas as imagens icônicas da Tailândia sempre me fascinaram. Quando surgiu a oportunidade de uma viagem de quase um mês para lá, nem passou pela minha cabeça deixar passar essa chance. Detalhe: com dois filhos pequenos – o Pedro tinha seis anos e a Luiza, um ano e dois meses. “Que loucura!”, alguns me diziam. Mas não foi uma decisão tomada no impulso, simplesmente por minha fascinação pelo país. Já tinha ouvido falar que os tailandeses eram super child friendly, e isto era um ótimo começo. Outro aspecto positivo é que a Tailândia é um destino barato para os brasileiros: um indicativo de que ficaríamos bem instalados com as crianças sem gastar muito. Além disso, eu adoro a culinária tailandesa e sabia que eles consomem muitas frutas, como melancia e abacaxi, então a alimentação também não parecia ser um empecilho – por via das dúvidas, levei um bom estoque de leite em pó, papinhas e barrinhas de cereais na mala.


bem-estar 84

s


Semente de yoga

85

bem-estar

s

Já pensou em cultivar autoconhecimento, concentração e calma em seus filhos? A prática dessa atividade milenar pode ajudar no melhor desenvolvimento físico, social e pessoal das crianças Por GREICE COSTA Ilustrações Thaís Uzan

Nossas crianças vivem em um mundo bem mais agitado daquele que habitamos quando éramos menores – pai e mãe superocupados, computadores, informações de todo tipo e uma agenda infantil que deve comportar de pressões da escola a horários para se exercitar, além de atividades extracurriculares que as “preparam” para um mercado competitivo. Não à toa, há cada vez mais problemas ligados a essa quantidade de estímulos a que estão expostas, como déficit de atenção, depressão, ansiedade e obesidade infantil. Nesse mar de informações, a prática de yoga pode ser um alívio. “O autoconhecimento é um dos maiores benefícios trazidos pela atividade, em qualquer idade”, diz o professor de yoga e pedagogo João Soares, do Yoga com Histórias, que oferece aulas para crianças, cursos, livros e CDs. Conhecendo melhor quem é, a criança apropria-se de seu corpo e de suas características emocionais, ganhando mais capacidade em conseguir se acalmar e manter a autoconfiança. O processo funciona como um todo. Por meio das posturas de yoga, os ásanas, a criança conhece cada parte do seu corpo, suas capacidades e limitações em força, flexibilidade e equilíbrio. Alguns professores adicionam histórias ou meditações guiadas nas aulas. “É uma oportunidade para a criança entrar em contato com valores importantes, como a não violência e a verdade, que nem sempre são aprofundados fora de casa”, diz Rosa Muniz, pedagoga e professora

IOGA PARA O BOM DESEMPENHO NA ESCOLA • O fortalecimento dos músculos de sustentação da coluna e do abdome permite que a criança mantenha naturalmente uma boa postura, ocasionando melhor oxigenação para o cérebro. Isso contribui para o seu desempenho em qualquer situação, principalmente quando passa tantas horas do dia sentada na sala de aula. • Os exercícios respiratórios ajudam a ter mais controle sobre a sua respiração e, consequentemente, sobre a agitação mental. Por isso, são um excelente recurso para se usar antes de provas ou de estudar. Fonte: João Soares e Rosa Muniz, do Yoga com Histórias


92

lit eratura

s

crescer Para ler antes de

A jornalista inglesa Julia Eccleshare, que reuniu em um livro as 1001 melhores obras da literatura infantil mundial, fala à n.magazine sobre a importância da leitura para as crianças e revela as dez obras que ocupam o topo da lista na sua opinião Por RAFAEL TEIXEIRA

Detalhe da capa do livro de Julia Eccleshare que reuniu as 1001 melhores obras da literatura infantil mundial


Quanto tempo levou da ideia à publicação e quais foram as principais dificuldades? Tudo levou dois anos. Foi um longo tempo até a finalização da lista! O critério foi reunir clássicos que perduraram ao longo dos anos e os melhores dos livros publicados mais recentemente. No Reino Unido, não temos o espírito muito aventureiro no que diz respeito a ler livros de outros países. Então, foi vital ter bons colaboradores de toda parte do mundo. O desafio seguinte foi encontrar pessoas para escrever sobre cada um dos livros que escolhemos. Para a nossa sorte, ótimos professores, bibliotecários e especialistas de todo o mundo colaboraram escrevendo os verbetes. Que diferenças você percebeu entre as literaturas infantis dos países ou mesmo dos continentes pesquisados? Uma das coisas interessantes sobre livros infantis é que, apesar de haver muitas diferenças de um país para outro, porque todas as histórias dizem algo sobre o lugar e o tempo em que são escritas, eles também têm muito em comum para crianças de onde quer que sejam. Esta é uma razão pela qual livros infantis podem ser lidos e apreciados em qualquer parte do mundo. A história é uma linguagem uni-

versal. Além disso, uma mesma história pode ocorrer em diferentes países no mesmo espaço de tempo. Os grandes temas – família, crescimento, encontrar coragem, ser bom etc – são a pedra fundamental da ficção infantil. Quais são os requisitos para um bom livro infantil? No coração de todo bom livro infantil deve haver uma história poderosa. E esta história serve bem às crianças, se existem bons personagens. Elas começam a ler por divertimento. E assim que descobrem que as histórias podem ser divertidas, estão prontas para aprender a amar as complexidades da ficção e tudo que ela oferece, a capacidade de explorar mundos passados, presentes e futuros da imaginação. Qual é a importância dos livros para a infância? Acredito que ler ainda é muito importante para qualquer criança. Dá a elas a chance de usar a imaginação e serem livres no modo de pensar. Livros são instrumentos muito poderosos para abrir a mente dos leitores! É com muita leitura que as crianças aprendem a pensar de forma diferente de seus pais... Isso pode ser perigoso em alguns casos, mas é sempre muito empolgante! Como você vê a relação das crianças com os livros hoje em dia? Com tantas mídias disponíveis e, especialmente com o surgimento das redes sociais, as crianças têm tido a chance de serem entretidas de várias formas. Os livros hoje têm que competir com tantas, tantas outras formas de divertimento. Mas eles vão sobreviver! Histórias permanecem como o coração de todo o entretenimento cultural. Atualmente, muitos cineastas, dramaturgos e até criadores de games estão se voltando para os livros infantis como fonte de inspiração. Como essa relação entre crianças e livros mudou nas últimas décadas? No Reino Unido, desde 1950 vem sendo dito que as crianças vão substituir a leitura pela televisão ou outra mídia moderna. Surpreendentemente, como resultado do enorme sucesso dos livros de Harry Potter, de J.K. Rowling, as obras infantis não apenas sobreviveram como suplantaram o sucesso da TV. A leitura é e sempre será uma forma mais ativa e demandante de acesso a entretenimento, o que significa que ela estará sempre lutando contra outras formas mais passivas de diversão.

93

s

lit eratura

Qual é o seu livro de infância preferido? Editora da seção de literatura infantil do jornal The Guardian, consultora sobre o tema para a BBC, escritora, professora e crítica, a inglesa Julia Eccleshare titubeia diante da pergunta. “Meus favoritos mudam o tempo todo”, diz. Agraciada com diversos prêmios por sua contribuição à difusão da literatura para crianças, esta mãe de quatro filhos foi a responsável pela edição do livro 1001 Children’s Books You Have to Read Before You Grow Up (em tradução literal, “1001 Livros Infantis que Você Tem que Ler Antes de Crescer”), de 2009 – e que em breve será lançado no Brasil em versão traduzida. Para chegar aos 1001 livros da lista, Julia contou com dezenas de conselheiros espalhados pelo mundo, que deram dicas preciosas sobre livros que ela não conhecia – do Brasil, por exemplo, foram incluídos dois: Bisa Bia, Bisa Bel, de Ana Maria Machado, e Meu Pé de Laranja Lima, de José Mauro de Vasconcellos. Mais de 70 colaboradores escreveram os verbetes de livros de diversos países, que vão desde tempos antes de Cristo até os dias de hoje. Em entrevista exclusiva à n.magazine, Julia fala sobre a importância da leitura e os requisitos de uma boa publicação para crianças: “No coração de todo bom livro infantil deve haver uma história poderosa.” E ainda faz a sua própria lista dos dez melhores livros infantis – mesmo sabendo que amanhã, é claro, eles poderão ser outros.



nmagazine_outono2011