Issuu on Google+

NB__ Notícias do Brasil____ NB II EDIÇÃO EXTRA DE DEZEMBRO/2013 - CAPA Edição de imagens: SEVERINO PICASSO –e-mail brotherverg@gmail.com – Responsável: Otávio Martins.

“O JORNAL MAMBEMBE”

II EDIÇÃO EXTRA, DEZEMBRO

ESTA II EDIÇÃO EXTRA DO MÊS DE DEZEMBRO, FIM DE 2013, TRÁS, SOMENTE, A CARTA DE REPÚDIO AO GOVERNO DO RIO DE JANEIRO, EDITADA PELO PESSOAL DA RESITÊNCIA DA ALDEIA MARACANÃ. Y otras cositas más: O pessoal aqui da Redação do Notícias do Brasil, apenas cede uma de suas edições que precedem a realização da Copa do Mundo (é nossa!). Mas, sabemos, perfeitamente, com que tipo de poder, esse pessoal da Resistência está lidando. Governos do Rio de Janeiro, Municipal e Estadual (incluindo todos os seus órgãos, inclusive a famigerada Polícia Militar). Capachos do Poder Central, nada mais que isso. Coadjuvantes do Poder. Borra botas, não mais. Também, devemos estar bem conscientes da ação do Poder Federal. O ex-presidente Lula (pelegão da pior qualidade) e a sua “Boneca do Ventríloquo”, ou, “Vaca de presépio”, Dilma Roussef, ambos, como já deu pra perceber, pertencentes à SOCIALDEMOCRACIA, política ditada, desde 2003, pelos capos e marginais FERNANDO HENRIQUE CARDOSO E HENRIQUE MEIRELLES (TODO BANQUEIRO É LADRÃO), e mais um monte de marginais (banqueiros e empresários brasileiros e multinacionais) ao permitirem a posse do dito pelegão, Lula. Frase do personagem Lula, no filme LULA, FILHO DO BRASIL: “TAMBÉM, NÃO PODEMOS APERTAR MUITO COM ELES. POIS ELES É QUE PAGAM O NOSSO SALÁRIO”. É preciso assistir “TERRA EM TRANSE”, DO GLAUBER ROCHA. NÃO, LULA, O GLAUBER NÃO É O PONTA DIREITA DO CORINTHIANS.

SOCIAL DENÚNCIA GRAVE: DILMA E CONFÚCIO MANDAM TORTURAR E PRENDER CAMPONESES EM RIO PARDO. (Páginas 3 e 4) Enviada e assinada pelo CEBRASPO.


NB__ Notícias do Brasil____ NB II EDIÇÃO EXTRA DE DEZEMBRO/2013 – PRIMEIRA PÁGINA Edição de imagens: SEVERINO PICASSO –e-mail brotherverg@gmail.com – Responsável: Otávio Martins.

“O JORNAL MAMBEMBE” SOCIAL Da Redação. CARTA DE REPÚDIO AO GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Pelo pessoal da Redação, Otávio Martins Amaral – RG 4028019931 – RS - Vem que tem. NÓS, DA RESISTÊNCIA DA ALDEIA MARACANÃ, VIEMOS A PÚBLICO DENUNCIAR O GOVERNO DO RIO DE JANEIRO PELOS CRIMES QUE TEM SIDO COMETIDOS CONTRA OS DIREITOS HUMANOS E A MANIPULAÇÃO DE INDÍGENAS, A FIM DE DIVIDIR O MOVIMENTOS E AS OPINIÕES, QUANTO AO PROJETO A SER DESENVOLVIDO NA ALDEIA MARACANÃ. REPUDIAMOS O DESPEJO ARBITRÁRIO, VIOLENTO E ILEGAL (OCORRIDO NESTA ULTIMA SEGUNDA-FEIRA, DIA 16 DE DEZEMBRO) SEM MANDATO JUDICIAL E SEM A PRESENÇA DE UM OFICIAL DE JUSTIÇA. DENUNCIAMOS O GOVERNO TORTURADOR DO RIO DE JANEIRO, QUE PRIVOU O INDÍGENA URUTAU GUAJAJARA, QUE RESISTIU A INVASÃO DO TERRENO PELA PMRJ DURANTE 26 HORAS EM CIMA DE UMA ÁRVORE, NA ALDEIA MARACANÃ, DE BEBER ÁGUA E COMER, E DE UTILIZAR A FORÇA PARA RETIRÁ-LO VIOLENTAMENTE. REPUDIAMOS TAMBÉM A TÁTICA DO ESTADO, REPRESENTADO PELA SECRETARIA ESTADUAL DE CULTURA DE CONVOCAR UM SEMINÁRIO COM A FINALIDADE DE DEFINIR UM PROJETO PARA O TERRENO DO ANTIGO MUSEU DO ÍNDIO, ATUAL ALDEIA MARACANÃ,, SEM CONVIDAR AQUELES QUE EFETIVAMENTE RESISTIRAM PELA PRESERVAÇÃO DO ESPAÇO ONDE JÁ HAVIA SIDO INICIADA A DEMOLIÇÃO DE UM DOS PRÉDIOS SITUADOS NA TERRA INDÍGENA DESTINADA A PRIMEIRA UNIVERSIDADE INDÍGENA FEDERAL DO BRASIL, ALDEIA MARACANÃ, QUE TEM COMO PROPOSTA REPRESENTAR AS MAIS DE TREZENTAS ETNIAS ESPALHADAS PELO TERRITÓRIO BRASILEIRO. O DITO SEMINÁRIO DE CONSTRUÇÃO DO CENTRO DE REFERÊNCIA DA CULTURA DOS POVOS INDÍGENAS, QUE SERIA REALIZADO NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UERJ) FOI TRANSFERIDO PARA O TEATRO GLACIO GILL E EM SEGUIDA PARA O HOTEL NOVO MUNDO, MUDANÇAS ESSAS OCORRIDAS EM MENOS DE 24HS, COM A CLARA INTENÇÃO DE IMPEDIR A PARTICIPAÇÃO DOS INDÍGENAS RESISTENTES E QUE NÃO PERMITIRAM A DEMOLIÇÃO DA MEMORIA DA IDENTIDADE INDÍGENA NO RIO DE JANEIRO.


NB__ Notícias do Brasil____ NB II EDIÇÃO EXTRA DE DEZEMBRO/2013 – PÁGINA2 Edição de imagens: SEVERINO PICASSO –e-mail brotherverg@gmail.com – Responsável: Otávio Martins.

“O JORNAL MAMBEMBE” SOCIAL CARTA DE REPÚDIO AO GOVERNO DO RIO DE JANEIRO ACUSAMOS ESTE SEMINÁRIO DE SER UMA FARSA MONTADA PELO GOVERNO AFIM DE DESESTABILIZAR E GERAR DIVISÃO ENTRE AS LIDERANÇAS DA LEGITIMA LUTA INDÍGENA NO RIO DE JANEIRO, APOIADA PELOS DEMAIS MOVIMENTOS SOCIAIS E ESTUDANTIS. A LUTA DA ALDEIA MARACANÃ NÃO ESTÁ DESVINCULADA A OUTRAS LUTAS SOCIAIS, COMO A REDUÇÃO DA TARIFA DE ÔNIBUS, AS DEMANDAS DOS PROFESSORES ESTADUAIS E MUNICIPAIS, SEM TETOS, SEM TERRAS E DEMAIS GUERREIROS DOS DIREITOS DOS POVOS. TENDO-SE EM VISTA QUE A ALDEIA MARACANÃ ESTA SITUADA EM UM DOS PRINCIPAIS PONTOS URBANOS E TURÍSTICOS DO PAÍS, AO LADO DO ESTÁDIO MARIO FILHO, ONDE SERÃO SEDIADOS ALGUNS DOS JOGOS PARA A COPA DO MUNDO 2014, FICA CLARO QUE O PROJETO DE UNIVERSIDADE INDÍGENA VAI CONTRA OS VALORES CAPITALISTAS DAS GRANDES EMPRESAS PATROCINADORAS DOS EVENTOS E DOS LIDERES ESTADUAIS QUE RATIFICAM OS CRIMES COMETIDOS POR ESSAS EMPRESAS. NÃO PODERÍAMOS DEIXAR DE DENUNCIAR MAIS UMA VEZ A VENDA ILEGAL DO TERRENO DE 14.300 METROS QUADRADOS PARA O GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO QUE TINHA COMO FINALIDADE INICIAL DEMOLIR O PRÉDIO DO ANTIGO MUSEU DO ÍNDIO PARA CONSTRUIR ALI UM ESTACIONAMENTO. A LUTA DA ALDEIA MARACANÃ COMPLETOU SEUS SETE ANOS COM DOIS DESPEJOS VIOLENTOS E QUE ESTARÃO GRAVADOS NA HISTÓRIA DESTE PAÍS SEM UM PRONUNCIAMENTO DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO (FUNAI), MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL E SECRETARIA NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS. NÃO CONTANDO COM O APOIO DOS ÓRGÃOS E INSTITUIÇÕES QUE DEVERIAM REPRESENTAR AS LUTAS INDÍGENAS DESTE PAIS, EM DECORRÊNCIA DOS GRANDES INVESTIMENTOS FEITOS CONTRA ESTE PROJETO DESAFIADOR DE TRAZER A CULTURA INDÍGENA PARA UM TERRITÓRIO URBANO, MAS NO ENTANTO ACREDITANDO NA FORCA DOS POVOS ORIGINÁRIOS, PEDIMOS O APOIO DAS DEMAIS LIDERANÇAS INDÍGENAS, MOVIMENTOS INDÍGENAS E SOCIAIS E SIMPATIZANTES DESTA CAUSA PARA O RETORNO DOS INDÍGENAS E ALUNOS RESIDENTES NA UNIVERSIDADE INDÍGENA FEDERAL ALDEIA MARACANÃ, IGNORADOS PELA SECRETARIA DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E PELA FUNAI.________________________________________________


NB__ Notícias do Brasil____ NB II EDIÇÃO EXTRA DE DEZEMBRO/2013 – PÁGINA 3 Edição de imagens: SEVERINO PICASSO –e-mail brotherverg@gmail.com – Responsável: Otávio Martins.

“O JORNAL MAMBEMBE” SOCIAL

DENÚNCIA GRAVE: DILMA E CONFÚCIO MANDAM TORTURAR E PRENDER CAMPONESES EM RIO PARDO Na manhã do dia 18 de dezembro de 2013 um efetivo de 300 homens da Polícia Federal, Força Nacional, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar, Polícia Civil e outros agrupamentos armados, com 52 viaturas e mais alguns ônibus, tendo cobertura de 03 helicópteros, montaram uma operação de guerra contra as famílias de Rio Pardo, região de Buritis-RO. Segundo a declaração da Polícia Federal, trata-se de uma continuidade de investigação da morte do soldado da Força Nacional PM Luís Pedro de Souza Gomes. Foram presos mais 12 camponeses, entre estes o presidente da Associação de Moradores da Linha 6 da Região de Rio Pardo, José Luiz Saldanha e Leandro de Freitas Vieira que já havia denunciado a prática de tortura que sofrera no dia 14 de novembro por policiais. Diversas esposas e familiares dos presos informaram que na manhã do dia 18, policiais chegaram ao acampamento em Rio Pardo onde passaram a agredir as famílias e iniciar as prisões. O acampamento foi destruído, motos dos camponeses foram apreendidas e carros das famílias foram incendiados. A força policial usou gás lacrimogêneo para dispersar as mulheres e crianças e jogaram um líquido desconhecido sobre os alimentos. Segundo alguns familiares os policiais tinham em seu poder uma lista com aproximadamente 150 nomes de pessoas a serem presas. A Polícia Federal não deixou cópia de mandado de prisão aos presos, apenas para alguns. O Mandado foi expedido pela 3ª Vara da Justiça Federal – Seção Judiciária de Rondônia, nos autos do Processo Nº 12233-29.2013.3.01.4100. Segundo consta no mandado, a prisão de um número indefinido de camponeses e pequenos comerciantes, foi preventiva, pela acusação de crimes previstos nos artigos 29, 121 e 329 do Código Penal. Não há quaisquer provas, testemunhas ou evidencias dessas acusações, portanto são prisões arbitrárias. Como se não bastasse prender arbitrariamente, vários detidos foram submetidos a torturas. Além dos crimes de lesões corporais e dano qualificado, previstos no Código Penal e no Código Penal Militar, os crimes de abuso de autoridade, previstos na lei 4898, e de tortura foram e estão sendo cometidos pelos agentes do Estado. Não é a primeira ocasião em que esse tipo de prática é denunciada pelos camponeses.


NB__ Notícias do Brasil____ NB II EDIÇÃO EXTRA DE DEZEMBRO/2013 – PÁGINA 4 Edição de imagens: SEVERINO PICASSO –e-mail brotherverg@gmail.com – Responsável: Otávio Martins.

“O JORNAL MAMBEMBE” SOCIAL

DENÚNCIA GRAVE: DILMA E CONFÚCIO MANDAM TORTURAR E PRENDER CAMPONESES EM RIO PARDO A maioria dos presos são moradores antigos de Rio Pardo, camponeses e pequenos comerciantes que estão sendo acusados de terem assassinado o soldado da Força Nacional PM Luís Pedro de Souza Gomes, sendo que não apresentaram qualquer laudo sobre sua morte, nem o calibre que efetuou o disparo. Sabe-se que o policial morreu com apenas um tiro, mas dezenas de camponeses são acusados de terem efetuado tal disparo. Não se sabe se o disparo que matou o policial foi efetuado de forma acidental pela própria Força Nacional. O fato é que o Governo do Estado de Rondônia e o Governo Federal já haviam firmado um TAC – Termo de Ajustamento de Conduta para reassentar os camponeses em outra área, o que não foi cumprido, razão que as famílias retornaram a seus lotes. O governo Dilma cotidianamente comete inúmeros crimes ambientais com os megaprojetos hidrelétricos do Madeira e do Xingu, afetando milhares de ribeirinhos e indígenas. Outros projetos como os da hidrelétrica do Rio Machado em Machadinho D’Oeste vai atingir Unidades de Conservação e Terra Indígenas. As florestas de Rondônia podem ser entregues ou destruídas pelo imperialismo (mineradoras, empreiteiras, etc.), mas não podem servir para o sustento dos camponeses. Quem ordena as ações criminosas da polícia (prisões e torturas) contra o povo de Rio Pardo é a Presidente Dilma e o Governador Confúcio Moura. O efetivo militar em conluio com os monopólios de comunicação acusam os camponeses de guerrilheiros e criminosos. Contudo, os crimes de tortura e execuções sumárias são cometidos cotidianamente por agentes do Estado como já foi inúmeras vezes denunciadas. Por isso, exigimos a apuração de todas essas denúncias por parte do Ministério Público Federal e Estadual de Rondônia. Conclamamos a todas as organizações democráticas e de direitos humanos a denunciarem os crimes do Estado brasileiro contra o povo de Rio Pardo em todos os tribunais nacionais e internacionais. Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2013 Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos

CEBRASPO


NB NOTÍCIAS DO BRASIL - EXTRA Dezembro 2013